CÂMARA TÉCNICA DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO DO EESTADO DO PARANA RELATÓRIO TÉCNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂMARA TÉCNICA DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO DO EESTADO DO PARANA RELATÓRIO TÉCNICO"

Transcrição

1 1/28 Títul: PROPOST DE CONVENÇÕES CRTOGRÁFICS PR O MPEMENTO TOPOGRÁFICO EM GRNDE ESCL NO ESTDO DO PRNÁ Objetivs: Definir e especificar a simblgia para a escala 1:2000, cnsiderand as necessidades de representaçã das feições para mapeament tpgráfic n Estad d Paraná. Resum: tualmente a simblgia utilizada para mapeament em grandes escalas nã está regulamentada pr cnvenções baseadas na teria da cartgrafia, prtant, nã estabelece uma classificaçã para feições a serem mapeadas, e cm iss a definiçã da simblgia nã segue um racicíni sistemátic. definiçã de classificações exige a descriçã d significad das feições que devem ser mapeadas, que até mment é inexistente para as escalas 1:2.000; 1:5.000 e 1: Tdas as feições sã simblizadas cm símbls pntuais u símbls lineares, estes últims send a mairia, acarreta num aument significativ da cmplexidade d mapa. s dificuldades para nã especialistas em Cartgrafia entenderem as cartas tpgráficas nã sã cnseqüências d cnheciment necessári para gerar as cartas, e sim pela falta de cnheciment das terias adtadas em cartgrafia, as quais prpõem sluções para a definiçã de simblgias para mapas. s representações nas diferentes escalas á baseada smente na generalizaçã semântica, send ausente um trabalh de generalizaçã gemétrica das feições. Cm bjetiv de diminuir a cmplexidade na leitura d mapa e aumentar a sua eficiência, a simblgia a ser utilizada n mapeament tpgráfic deve ser baseada ns preceits de cmunicaçã cartgráfica e semilgia gráfica. s decisões de prjet de símbls para mapeament tpgráfic em grandes escalas devem estar em cncrdância cm as cnvenções cartgráficas para mapeament sistemátic brasileir. sluçã gráfica final deve prprcinar a facilidade para us ds mapas, a qualquer pessa, mesm sem frmaçã em cartgrafia e send mapeament tpgráfic este deve ser de us geral.

2 2/28 s sluções para as diferentes escalas devem estar relacinadas pela sistemática de generalizaçã cartgráfica que deve ser cmpsta da generalizaçã semântica e da generalizaçã gráfica. utr(es): Grup de Padrnizaçã da CTCG Crdenadra: Luciane Brges Pereira Cpel Participantes: Marc ntni Rucinski - Cpel Gislene Lessa - ITCG Virginia Tereza Nalini PRNCIDDE Marcs uréli Brennsen - Sanepar Orientadr Cnvidad: Prfª Dra. Claudia Rbbi Palavras-chave: Padrnizaçã Cartgráfica, Mapeament tpgráfic, escala 1:2000 Respnsáveis: ELBORÇÃO REVISÃO PROVÇÃO NOME: Luciane Brges Pereira Marc ntni Rucinski Izabella Cpel Cpel Crdenadra da CTCG Març/2009 Març/2009 Març/2009

3 3/28 ÍNDICE

4 4/28 1 INTRODUÇÃO Em 1996, a Câmara Téncnica de Cartgrafia e Geprcessament - CTCG, publicu duas recmendações, resultad das discussões d grup técnic cmpst pr representantes das seguintes instituições: CELEPR, COPEL, DER, FMEPR, IP, IPRDES, MINEROPR e SNEPR. Recmendaçã Técnica CTCG-001/96 tratu da "Padrnizaçã das Escalas Utilizadas em Trabalhs Cartgráfics" e a Recmendaçã Técnica CTCG-002/96 tratu da "Padrnizaçã ds Níveis das Entidades e das Cnvenções Cartgráficas - Escalas Grandes - para Us em Cartgrafia Digital". Cm base nesta referida Padrnizaçã s órgãs d Gvern d Estad, principalmente a Cpel e Paranacidade, cntrataram tdas as bases cartgráficas urbanas ds municípis d Paraná n mesm padrã, ist é: Sistema de Referência Gedésic, Cbertura erftgramétrica na escala 1:8.000, Restituiçã Numérica (arquivs digitais) na escala 1:2.000, Bibliteca de Símbls, entre utrs padrões, que permitiram intercâmbi de infrmações, a reduçã ds custs para a btençã ds dads, a facilidade ds usuáris em interpretar as infrmações, entre utras ações, que clcam Estad d Paraná cm umas das referências, n cenári Cartgráfic Nacinal. Entretant padrã estabelecid já cmpletu um cicl de mais de 10 ans, fazend cm que a CTCG decidisse pela instituiçã de um Grup de Padrnizaçã cm primeir prpósit de atualizar a recmendaçã técnica CTCG-002/96, tend em vista às necessidades ds usuáris de cartgrafia quant as elements a serem representads, da simblgia a ser utilizada, da cmpsiçã digital ds mapas viabilizada através das nvas ferramentas dispníveis n mercad, permitind us de símbls areais, puc explrada ns mapas de traç e visand a mdelagem de dads para geprcessament. O presente relatóri fi elabrad basead ns trabalhs realizads pel Grup de Padrnizaçã da Representaçã Cartgráfica, instituíd em 2006 pela Câmara Técnica de Cartgrafia e Geprcessament d Estad d Paraná. Fram realizads a lng destes 3 ans reuniões cm s representantes da Cpel, Sanepar, Paranacidade, Sema, entre utrs para desenvlviment da estruturaçã d prjet. s etapas de trabalham fram: 1. Pesquisa ns diverss órgãs usuáris de cartgrafia que cmpõem a Câmara Técnica das feições necessárias n mapeament tpgráfic na escala 1:2000; 2. Classificaçã das feições em categrias e classes; 3. Definiçã de tds s elements; 4. Teste de simblgia; 5. Prjet de símbls

5 5/28 2 OBJETIVOS Definir e especificar a simblgia para a escala 1:2000, cnsiderand as necessidades de representaçã das feições para mapeament tpgráfic n Estad d Paraná. 3 CLSSIFICÇÃO DS FEIÇÕES: O Mapeament Tpgráfic é a representaçã gráfica precisa das feições que sã de interesse geral, sejam elas naturais u artificiais, prpiciand base cartgráfica para us em mapeaments temátics e especiais. Fram realizadas em 2006 as pesquisas de tdas as feições a serem representadas n mapa tpgráfic para a escala 1:2000. Nesta etapa fram cnsideradas as necessidades de tds s órgãs usuáris de cartgráfica nesta escala que participam da Câmara técnica bem cm as necessidades da cmunidade em geral. s feições fram classificadas em 10 categrias: 1. EDIFICÇÕES 2. CEMITÉRIOS 3. TRNSPORTES 4. INFR-ESTRUTUR 5. HIDROGRFI 6. PONTOS DE POIO 7. VEGETÇÃO 8. LIMITES 9. LTIMETRI 10. ÁRES DE LZER Estas classes pr sua vez fram subclassificadas de acrd cm critéris cnfrma abaix: 1. CLSSE EDIFICÇÕES Critéri de classificaçã: Funçã (u us) 1.1 Edificações residenciais, cmerciais de pequen prte, bancs,rfanats, asils e casas de repus 1.2 Edificações Industriais, Galpões, Sils, Barracã Industrial e rmazéns e Chaminés Industriais 1.3 Edificações da administraçã pública 1.4 Instituições de ensin 1.5 Templs religiss

6 6/ Hspitais, clínicas, psts de saúde 1.7 Desprts e Lazer Critéri de classificaçã: capacidade de públic Edificaçã d Estádi Edificaçã d Ginási Edificaçã de Cmplexs recreativs Critéri de classificaçã: atividades esprtivas de crrida Edificaçã d utódrm Edificaçã d Kartódrm Edificaçã d Hipódrm 1.8 Referências cmerciais: Mercads Municipais, supermercads, Shppings Centers, Centr de Expsiçã e Pst de Cmbustível 1.9 Edificaçã u cnstruçã Turística Critéri de classificaçã: valr históric Mnuments, Cruzeirs, Estátuas e Mirantes Panteã 1.10 Edificações de Transprtes: Pst da plícia Rdviária, Edificaçã u terminal Rdviári Urban, Pedági, Edificaçã de erprt, Estaçã Ferrviária e Edificaçã de Prt 1.11 Edificações Culturais: museus, Teatrs, cinema, Bibliteca, Centr Cultural, Galeria de rte, Edificações Tmbadas, ruínas históricas Estações meterlógicas e hidrlógicas 1.13 Farl u Farlete 2. CEMITÉRIOS 2.1 Cemitéri 3. CLSSE TRNSPORTES Critéri de classificaçã: tip de element 3.1 Rdvias Critéri de classificaçã: Tráfeg Trilhas e picadas

7 7/28 Caminh carrçável Rdvia de tráfeg periódic ut-estrada Critéri de classificaçã: Implantaçã Rdvias em cnstruçã Critéri de classificaçã: Pavimentaçã Rdvias pavimentadas Rdvias nã pavimentadas Critéri de classificaçã: Jurisdiçã Rdvias federais Rdvias estaduais Rdvias municipais 3.2 Obras de arte Critéri de classificaçã: funçã cm passagens de nível n sistema de tráfeg terrestre Túneis Pntes Viaduts Passagem de nível Pinguelas Passarelas 3.3 Pistas de pus de transprte aére. Critéri de classificaçã: capacidade para receber as aernaves erprt Camps de Pus Camps de emergência Heliprt Helipnt 3.4 rruaments Critéri de classificaçã: pavimentaçã e mei-fi Via pavimentada cm mei-fi Via pavimentada sem mei-fi Via nã pavimentada cm mei-fi Via nã pavimentada sem mei-fi 3.5 Passei Critéri de classificaçã: calçament Passei cm calçament Passei sem calçament 3.6 Ciclvia 3.7 Ferrvias Critéri de classificaçã: númer de linhas Ferrvia linha simples Ferrvia linha dupla 3.8 Elements afins das ferrvias Critéri de classificaçã: funçã

8 8/ Páti ferrviári Giradr ferrviári 3.9 Obras prtuárias e csteiras Critéri de classificaçã: capacidade para receber as embarcações Prt Cais Píer/mlhe de atracaçã Trapiche ncradur u fundeadur Rampa 3.10 Caminh aére Funicular u caminh aére 3.11 Hidrvia

9 9/28 4. CLSSE INFR-ESTRUTUR Critéri de classificaçã: funçã (u us) 4.1 Obras de arte cntençã de águas Barragem, açude u eclusa, dique u revestiment Critéri de classificaçã: tip d material Barragem, açude u eclusa, dique u revestiment de cncret Barragem, açude u eclusa, dique u revestiment de alvenaria Barragem açude u eclusa, dique u revestiment de pedra Barragem, açude u eclusa, dique u revestiment de terra Cmprta para navegaçã em ris Quebra Mar Critéri de classificaçã: tip d material Quebra mar de cncret Quebra mar de alvenaria Quebra mar de pedra Espigã 4.2 Geraçã e transmissã de energia Usinas de geraçã de energia Linhas de transmissã de energia Subestaçã Critéri de classificaçã: transmissã u distribuiçã de energia Subestaçã de transmissã de energia Subestaçã de distribuiçã de energia Pstes 4.3 ntenas de telecmunicaçã Critéri de classificaçã: tip de ndas ntenas de telecmunicações (pdem estar as antenas de celular?) ntenas de radi cmunicaçã 4.4 Trres Critéri de classificaçã: funçã Trres de cntrle Trres de radar Trres de bservaçã Trres de transmissã Trres de telecmunicações 4.5 Sistema de abasteciment de água Pnt Captaçã de Água Critéri de classificaçã: superficial u subterrânea Pnt de captaçã d água superficial Pçs d água (captaçã subterrânea) Depósit de abasteciment de Água - Cnstruçã, na superfície u mesm subterrânea, destinada a cnter água para us human.

10 10/28 Critéri de classificaçã: tip de depósit Reservatóris de água Caixa d'água Cisternas Estaçã de tratament d'água dutra Cnduts Critéri de classificaçã: tip de cndut queduts Calhas Cnduts frçads 4.6 Sistema de esgtament sanitári Estaçã de tratament esgt Cletres e Interceptres 4.7 Resídus Resídus Cntínus Critéri de classificaçã: tratament u nã d lix terr Sanitári Lixã Resídus líquids Critéri de classificaçã: tip de resídu líquid Esgt Chrume Vinht 4.8 Reservatóris em geral

11 11/28 5. HIDROGRFI 5.1 Curss d'água e Canais Critéri de classificaçã: Temprariedade e expsiçã Curs d'água e canais perenes Curs d'água e Canais tempráris Curs d'água Canalizad abert Curs d'água Canalizad encbert 5.2 Baixi 5.3 Lag u laga u açude Critéri de classificaçã: Temprariedade e Natural u artificial Lag u laga u açude perene Lag u laga u açude temprári 5.4 Linha de csta 5.5 Terrens sujeits a inundaçã 5.6 Quedas d'água Critéri de classificaçã: tamanh Salt u Catarata Cacheira Crredeira 5.7 Fntes e sumidurs Critéri de classificaçã: tip de feiçã Fntes u nascentes sumidur 5.8 Mar Critéri de classificaçã: Extensã de massa d'água salgada Ocean Baía Laguna

12 12/28 6. PONTOS DE POIO Critéri de classificaçã: Us 6.1 Pnts de api fundamentais Critéri de classificaçã: hrizntal u vertical Pnts de pi Fundamental Hrizntal Pnts de pi Fundamental Vertical Pnts de pi Fundamental Hrizntal e Vertical 6.2 Pnts de api básic Critéri de classificaçã: hrizntal u vertical Pnts de pi Básic Hrizntal Pnts de pi Básic Vertical Pnts de pi Básic Hrizntal e Vertical 6.3 Pnts de api suplementar Pnts de pi Suplementar Planialtimétrics (HV s) 6.4 Estações da rede de mnitrament cntínu GPS Critéri de classificaçã : Detentr da Estaçã Estações de Mnitrament cntínu (RBMC) Estações de Mnitrament cntínu de Particulares

13 13/28 VEGETÇÃO E TERRENO EXPOSTO Critéri de classificaçã: tip da vegetaçã 1. rvre islada ns passeis públics 2. Vegetaçã natural Critéri de classificaçã: prte Vegetaçã natural arbórea (Flresta, Mata e Bsque) Vegetaçã natural arbustiva (Macega, Capã e Capeira) Vegetaçã natural rasteira (camp) 3. Culturas Critéri de classificaçã: temprariedade Cultura permanente Cultura temprária Cultura mista 4. Reflrestament 5. Mangue 6. Brej u pântan 7. Terren expst Critéri de classificaçã: tip de material Pedregs reia sl lag asfáltic cascalh saibr

14 14/28 LIMITES 1. Divisas plíticas Critéri de Classificaçã: Hierarquia da divisa plítica Divisa Internacinal Divisa Estadual Divisa Municipal Divisa Distrital Perímetr Urban Divisa de Bairrs 2. Unidades de cnservaçã 3. Quadra 4. Limite de prpriedades

15 15/28 LTIMETRI 1. Pnt ctad 2. Curva de nível Critéri de classificaçã: Curva de nível mestra Curva de nível padrã Curva de nível suplementar Critéri de classificaçã: medida u aprximada Curva de nível medida Curva de nível aprximada 3. terr 4. Crte 5. Depressã 6. Escarpa 7. Falhas gelógicas 8. Gruta u caverna 9. Pened u pedra 3.1

16 16/28 ÁRES DE LZER 1. Cmplexs Recreativs (Áreas De Entrn) Critéri de Classificaçã: Us Parques temátics Parques quátics Parques de diversões Zlógic Clube Camping Pesque e Pague 2. Praças e Parques Urbans Critéri de Classificaçã: Us Praças Parques Jardim Btânic 3. Cmplexs Desprtivs Especiais Critéri de Classificaçã: Us Pista de utódrm Área d utódrm Pista de Kartódrm Área d kartódrm Pista de Mtcrss Pista de Hipódrm Área d Hipódrm e hípicas 4. Quadras de Esprte Critéri de Classificaçã: Us Camp de Futebl Quadra Esprtiva Camp de glfe 5. Piscina Sem Critéri de Classificaçã Piscina

17 17/28

18 18/ Definições das feições: EDIFICÇÕES Esta tabela cntém as definições das edificações. CLSSE CRITÉRIO DE CLSSIFICÇÃO FEIÇÃO Edificações Residenciais DEFINIÇÃO Edificações cuja finalidade é a de mradia Cmerciais de Pequen Prte Cmércis de Pequen Prte. EDIFICÇÕES Nã há divisões em Classes Orfanats sils e Casas de Repus Estabeleciment de assistência scial em que sã reclhids e recebem cuidads pessais, médics e educacinais menres órfãs. Estabeleciment, mantid pr instituições filantrópicas, geralmente religisas, destinad a amparar pessas necessitadas, idss u inválids, que nã têm nde mrar e que nã sã amparads pr utrem, dand a elas mradia, alimentaçã e cuidads higiênics e de saúde. Também cnhecids cm casas de repus. Banc Estabeleciment u empresa particular u estatal, cnstituíd pr ações, cuja atividade cnsiste em fazer empréstims e receber depósits, efetuar pagaments e cbranças pr cnta alheia, cmprar e vender dinheir e utrs valres que representem, transacinar títuls de crédit, etc. ;

19 19/28 EDIFICÇÕES D DMINISTRÇÃO e SERVIÇOS PÚBLICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO TEMPLO RELIGIOSO Nã há divisões em Classes Nã há divisões em Classes Nã há divisões em Classes Edificações de dministraçã Pública e Serviçs Públic Instituiçã de Ensin Templs Religiss Edificaçã da dministraçã pública:instituições públicas cujas atividades sã inerentes as pderes cnstituíds (prefeituras, câmara municipal, fórum, delegacia, Crreis, cartóri, penitenciárias, edificações militares) Edificações sb jurisdiçã d Executiv, Legislativ e Judiciári n âmbit municipal, estadual e federal. IBGE. Edificações de serviçs públics: Edificaçã cmpnente de um sistema de geraçã, transmissã e/u de distribuiçã de energia. Edificaçã cmpnente de um sistema de geraçã u transcepçã de sinais de cmunicaçã. Edificaçã cmpnente de um sistema de abasteciment de água. Edificaçã cmpnente de um sistema de saneament, quer seja de resídus líquids, quer seja de resídus Cntínus. Estabeleciments públics u privads, nde sã ministrads ensin cletiv (universidades, faculdades, clégis, esclas e educandáris). Qualquer cnstruçã islada u em grup que se eleva numa determinada área cupada pel hmem para manifestaçã de diversas crenças. HOSPITIS, POSTO DE SÚDE, CLÍNICS DESPORTO Nã há divisões em Classes Capacidade de públic e tip de cmpetiçã esprtiva para a qual é preparad Hspitais Pst de Saúde Clínicas Estádis Ginásis Qualquer cnstruçã islada u em grup que se eleva numa determinada área cupada pel hmem para fins de atendiment médic Estádis de futebl - camp nde têm lugar para cmpetições esprtivas a que assistem espectadres clcads n anfiteatr que circunda. Um ginási é uma cnstruçã vltada para a prática de esprtes que requerem lcais prtegids de intempéries. tividades utódrm Edificaçã de utódrm. esprtiva de Kartódrm Edificaçã de Kartódrm. crridas Hipódrm Edificaçã de Hipódrm.

20 20/28 Clubes Mercads Municipais Supermercads palavra clube tem rigem n inglês club e designa uma instituiçã pública u privada de múltiplas funcinalidades. Basicamente, s clubes pdem ser dividids em dis grandes escalões: clubes desprtivs e sciais. Mercad Municipal cnstitui-se em entrepst cmercial de atacad e varej, especializad na cmercializaçã de frutas, verduras, cereais, carnes, tempers e utrs prduts alimentícis. lém cntar cm ljas e restaurantes. Supermercad é lcal nde as pessas cmpram gêners alimentícis e artigs de higiene, limpeza e beleza,fris,carnes,pães,hrtifruti,cngelads. Pde ser chamad de varej de aut serviç, n qual as pessas fazem suas cmpras e nã necessitam d auxíli de um vendedr, tend este cntat smente n mment d check ut,prem atendiment nas áreas de perecíveis(açugue,padaria,fris) sã bem aceitas pels clientes de supermercads,diferente ds hipermercads. O tamanh mínim para ser cnsiderad um supermercad de 200 metrs até 5000 m2. REFERÊNCIS COMERCIIS Nã há divisões em Classes Shpping Center Shpping center u centr cmercial (também chamada errneamente apenas cm shpping, n Brasil) é uma estrutura que cntém estabeleciments cmerciais cm ljas, lanchnetes, restaurantes, salas de cinema, playgrund, parques de diversões e estacinament, caracterizad pel seu fechament em relaçã à cidade. É um espaç planejad sb uma administraçã única, cmpst de ljas destinadas à explraçã cmercial e à prestaçã de serviçs, sujeitas a nrmas cntratuais padrnizadas, para manter equilíbri da ferta e da funcinalidade, assegurand a cnvivência integrada e pagand um valr em cnfrmidade cm faturament. O centr cmercial na mair parte das vezes cbra pr muits serviçs, cm estacinament. Centr de Expsiçã Pst de Cmbustível Lcal destinad a feiras e expsições, além de atividades culturais e desprtivas. Lcal nde sã feits s abasteciments e reabasteciments de cmbustíveis as veículs que trafegam pr uma via terrestre (CONCR).

21 21/28 FROL OU FROLETE EDIFICÇÃO OU CONSTRUÇÃO TURÍSTIC ESTÇÃO EDIFICÇÃO INDUSTRIL EDIFICÇÃO DE TRNSPORTE Capacidade de Sinalizaçã Nã há divisões em Classes Funçã Funçã Funçã Farl u Farlete Mnuments Cruzeirs Estátuas Mirantes Panteã Meterlógica Hidrlógicas Edificaçã Industrial Sils, Galpã, rmazém Barracã Industrial Chaminés Industriais Pst da Plícia Rdviária Estaçã u Terminal Rdviári u urban Trre elevada que pssui n seu cim pders fach de luz que serve para rientaçã ds navis e aviões durante a nite. Estrutura cnstruída pr mtivs simbólics e/u cmemrativs. Cnstruçã em frma de cruz rmana, assentada sbre uma base especialmente cnstruída, u diretamente n sl, pdend ainda estar n tp de um belisc u nã. Pnt u cnstruçã elevada de nde se enxerga a lnge. Cnstruçã destinada a guardar s rests mrtais u hmenagear heróis e persnalidades nacinais. Lcal nde se efetua a avaliaçã e mediçã da intensidade ds fenômens meterlógics Estaçã nde sã realizadas bservações e medições referentes as águas dce e salgadas. Edificaçã cm funcinalidades industriais cm prduçã, beneficiament e transfrmaçã e demais definições d CONCR. Depósits para armazenagem de bens perecíveis. Barracões Industriais, sã edificações de pequen prte (até 600 m2), de médi prte (entre 600 e m2), e de grande prte (mais de m2), cm infra-estrutura necessária para abrigar, micr, pequens empreendedres, e grandes empresas, prprcinand-lhes, temprariamente, u em interval de temp mais prlngad espaç físic. Paranacidade Chaminé é uma tubulaçã, geralmente em alvenaria, islada, que cnduz para ar livre s gases e vapres derivads ds prcesss industriais. Instalaçã existente n iníci e/u fim de um itinerári de um sistema de transprte rdviári de passageirs e cargas.

22 22/28 EDIFICÇÃO CULTURL Pedági Edificaçã de erprt Estaçã Ferrviária Edificaçã de Prt Museu: Teatr: Bibliteca: Centr Cultural: Edificaçã rdviária destinada a cletar uma taxa paga a pder públic u a uma cncessinária delegada, para ressarcir custs de cnstruçã e manutençã de uma via de transprte. (CONCR) Edificaçã d erprt, incluind terminal de passageirs, terminal de cargas, as edificações administrativas e hangar. Instalaçã existente n iníci e/u fim de um itinerári de um sistema de transprte ferrviári de passageirs e cargas. Edificaçã nde se exerçam atividades prtuárias, incluind terminal de passageirs, terminal de cargas e terminais privads e as edificações administrativas. museu é uma instituiçã de caráter permanente, administrad para interesse geral, cm a finalidade de reclher, cnservar, pesquisar e valrizar de diversas maneiras um cnjunt de elements de valr cultural e ambiental[1]: cleções de bjets artístics, histórics, científics e técnics. Em uma perspectiva alargada, cnceit abrange ainda jardins btânics, zlógics, aquáris, planetáris, parques nacinais, sítis arquelógics e utrs.http://pt.wikipedia.rg/wiki/museu teatr também é lugar nde acntece drama frente as espectadres, cmplement real e imaginári que acntece n lcal de representaçã. De maneira mais abrangente, bibliteca é td espaç (cncret, virtual u híbrid) destinad a uma cleçã de infrmações de quaisquer tips, sejam escritas em flhas de papel (mngrafias, enciclpédias, dicináris, manuais, etc) u ainda digitalizadas e armazenadas em utrs tips de materiais, tais cm CD, fitas, VHS, DVD e bancs de dads. Um centr cultural é um espaç (u equipament) arquitetônic cntemprâne destinad a apresentaçã de manifestações culturais das mais diversas mdalidades.

23 23/28 Galeria de rtes: Edificações Tmbadas: Ruina Histórica Galeria de arte é um espaç arquitetônic nde sã dispstas adequadamente as bras de arte. Edificações que fram tmbadas através de at de recnheciment d valr cultural d bem, que transfrma em patrimôni ficial e institui regime jurídic especial de prpriedade, levand-se em cnta sua funçã scial Vestígis u destrçs arquitetônics de estrutura de valr históric

24 24/28 CEMITÉRIO CLSSE CRITÉRIO DE CLSSIFICÇÃO FEIÇÃO CEMITÉRIO Nã há divisões em Classes Cemitéri DEFINIÇÃO Cemitéri é lugar nde sã enterrads s crps ds mrts. Na mairia ds cass s cemitéris sã lugares de prática religisa.

25 25/28 TRNSPORTE Esta tabela cntém as definições das rdvias, ferrvias, hidrvias, heliprts, aerprts, prts e demais símbls relacinads a sistema de transprte. CLSSE RODOVIS CRITÉRIO DE CLSSIFICÇÃO FEIÇÃO Trilhas e Picadas DEFINIÇÃO Via sem revestiment u cnservaçã, cm pis e traçad irregulares, só permitind tráfeg a pé u de animais; Tráfeg Caminh Carrçável Rdvia de Tráfeg Periódic Via transitável smente em temp bm e sec, sem revestiment, caracterizada pela inexistência de cnservaçã permanente, largura média inferir a 3m, cm pis e traçad irregulares, geralmente dificultand tráfeg de veículs cmuns a mtr. Rdvia transitável smente em temp bm e sec, cm revestiment slt u sem revestiment, largura mínima de 3m, cm puca u nenhuma cnservaçã e de traçad irregular; ut Estrada Rdvia de revestiment Cntínu (asfalt, cncret u calçament), cm um mínim de 4 faixas, apresentand separaçã física entre as pistas de tráfeg). Rdvia em Cnstruçã cmpreende tds s tips de rdvias em fase de cnstruçã Pavimentaçã Jurisdiçã Equipaments de pi Nã Pavimentada Pavimentada Federal Estadual Municipal Pst da Plícia Rdviária Rdvia transitável durante td an cm revestiment slt u leve, cnservad de md a permitir tráfeg mesm em épca de chuvas, cm um númer variável de faixas. Rdvia de revestiment Cntínu (asfalt, cncret u calçament), cm um númer variável de faixas, sem separaçã física entre as pistas. Pistas de tráfeg de jurisdiçã federal. Pistas de tráfeg de jurisdiçã estadual. Pistas de tráfeg de jurisdiçã municipal. Lcal nde se presta serviç da plicia rdviária

26 26/28 OBRS DE RTE PISTS DE POUSO DE TRNSPORTES ÉREOS Funçã cm passagem de Nível n Sistema de Tráfeg Terrestre Capacidade para receber aernaves Estaçã Rdviária u Terminal Rdviári Pedági Túneis Pntes Viaduts Passagem de nível Pinguelas Passarelas Passagem a Vau Helipnts Heliprts Camps de Emergência erprt Camp de Pus RRUMENTOS Pavimentaçã Pavimentada Edificações a lng das ferrvias destinadas a mviment de passageirs e cargas. Lcal destinad à cbrança de uma taxa pela empresa cncessinária visand a cnservaçã da rdvia, u n cas de rdvia particular. Passagem u caminh subterrâne que serve de via de cmunicaçã. cnstruçã que liga dis pnts separads pr curs de água u pr uma depressã de terren. bra de cnstruçã civil destinada a transpr uma depressã de terren, que nã seja uma massa d'água, u servir de passagem superir. Chama-se passagem de nível a um cruzament nã desnivelad entre uma ferrvia e um caminh u estrada. Trnc u prancha que serve de pnte sbre um ri. Pnte para pedestres,em geral estreita, cnstruída sbre ruas u estradas. Lcal nde é pssível atravessar ri à pe, à caval u de veícul traçad. Área hmlgada u registrada, situada a nível d sl u acima dele, destinada a puss e declagens de helicópters. Helipnt públic dtad de instalações e facilidades para api de perações de helicópters e embarque e desembarque de passageirs e cargas. Td aquele que nã se enquadra nas categrias anterires e que nrmalmente se presta à peraçã de aernaves de pequen prte. Send cmum em fazendas u a lng de rdvias. É uma área cm a infraestrutura e s serviçs necessáris para atendiment de puss e declagens de aviões. Um pequen aerprt é muitas vezes referid pr camp de aterrisagem (u simplesmente camp) u aeródrm. Área definida sbre terra, água u flutuante, destinada à partida, chegada e mvimentaçã de aernaves. Superfície de revestiment Cntínu (asfalt, cncret u calçament), pr nde transitam veículs, pessas e animais, cmpreendend a pista, a calçada, acstament, ilha e canteir central.

27 27/28 Superfície de rlament sem revestiment (leit natural) e/u cm Nã Pavimentada revestiment primári (material granular: cascalh, saibr, macadame, piçarra...). Superfície de rlament sem revestiment (leit natural) e/u cm Cm Mei Fi revestiment primári (material granular: cascalh, saibr, macadame, Mei Fi piçarra...). Sem Mei Fi Sem crdã de cncret, simples u armad destinad a separar s espaçs veiculares d passei, prmvend entre eles diferença de ctas CICLOVI Ciclvia Via cnstruída especificamente para a circulaçã de bicicletas. FERROVIS OBRS PORTUÁRIS E COSTEIRS (linhas - verificar DER) Capacidade para receber embarcações Ferrvia Páti Ferrviári Giradr Ferrviári Prt Cais Píer Trapiche Mlhe de tracaçã Rampa Via de transprte para trens u cmbis crrend sbre carris paralels, geralmente feits de aç, previamente dispsts perpendicularmente sbre travessas de madeira u cncret assentes em balastr. Lcais nde se agrupam várias linhas utilizadas para carga e descarga de materiais e utras atividades afins. Lcais utilizads para reverter alinhament de lcmtivas. instalaçã prtuária junt a um crp d água natural u artificialmente melhrad, que prvê prteçã para navis e embarcações e pssuem infraestrutura que inclui cais, ancradurs, píeres e facilidades para dcagem. Cnstruçã nrmalmente executada paralela à linha de csta, utilizada para carga e descarga de navis e embarcações, pdend ser fixa u flutuante. Lnga e estreita estrutura que se estende em direçã a mar, destinada, geralmente, a prprcinar lcal de atracaçã para navis e embarcações, cm pr exempl, s terminais de petróle, que necessitam de grandes prfundidades para peraçã. Pequen píer de madeira, cnstruíd sbre estacas, destinad à atracaçã de pequenas embarcações. Píer de cnstruçã sólida, geralmente de alvenaria, cm a finalidade de atracar navis e embarcações. Plan inclinad, geralmente em cncret, perpendicular à csta destinada a receber embarcações de pequen prte, nrmalmente em estaleirs para a execuçã de manutençã de embarcações.

28 28/28 CMINHO ÉREO Funicular u Caminh ére (teleféric) HIDROVI Hidrvia Sistema de transprte em que a traçã d veícul é prprcinada pr cabs acinads pr mtr estacinári, e que freqüentemente se utiliza para vencer grandes diferenças de nível, send que para teferéric s cabs sã aéres. Sã vias de navegaçã interir, lcalizadas em curs-d'água e lags, que apresentam infra-estrutura cm sinalizaçã, prts, rebcadres/empurradres e etc.

29 29/28 PONTOS DE POIO Esta tabela cntém as definições relativas as pnts de api riundas d Sistema Gedésic Nacinal, bem cm aquelas advindas de cntrles ftgramétrics. CLSSE CRITÉRIO DE CLSSIFICÇÃO DESCRIÇÃO D Hrizntal Pnts de pi Fundamental Hrizntal (IBGE) Ou Cntrle Gedésic, sistema de estações de cntrle hrizntal que fi estabelecid e cmpensad p tamanh da Terra. Vertical Pnts de pi Fundamental Vertical (IBGE) Os pnts de cntrle vertical, u pnts altimétrics, que incluem s pnts cartgráfics, em relaçã a datum vertical de referência PONTOS DE POIO Hrizntal Pnts de pi Básic Hrizntal Implantaçã em uma determinada regiã de pnts de cntrle hrizntal cm crdenadas cnhecida cncret permanentes. ESTÇÕES D REDE DE MONITORMENTO CONTÍNUO GPS (RBMC) Vertical Pnts de pi Suplementar Planialtimétric (Hvs) Pnts de pi Básic Vertical Os pnts de cntrle vertical, u pnts altimétrics, que incluem s pnts de api básic e api supl Pnts de pi Suplementar Planialtimétric (Hvs) Estações da Rede de Mnitrament Cntínu GPS (RBMC) Pnts estabelecids pr levantaments gedésics para rientaçã de ftgrafias isladas u faixas de f Marc de crdenadas gedésicas cm mnitrament cntínu de GPS.

30 30/28 ÁRES DE LZER Esta tabela cntém as definições relativas às áreas de lazer, que sã cnsiderads espaçs urbans u rurais destinads a lazer. CLSSE CRITÉRIO DE CLSSIFICÇÃO FEIÇÃO DEFINIÇÃO PRÇS E PRQUES URBNOS us Praça Parques Urbans Jardim Btânic Pista de utódrm Praça é qualquer espaç públic urban livre de edificações e que prpicie cnvivência e/u recreaçã para seus usuáris. Área verde lcalizada dentr da cidade, nde estabeleciments cmerciais sã restrits, na mairia das vezes, a quisques e vendedres ambulantes. Área delimitada em mei a espaç urban destinad a cultiv de vegetaçã (natural e exótica) e pesquisas em Ciências bilógicas. Pista especificamente preparada para a realizaçã de cmpetições de velcidade u perfrmance em geral de veículs autmtres d autmbilism e mtciclism, que incluem desde caminhões até mtcicletas e carrs e utrs veículs especialmente mdificads. Área de utódrm Espaç nde sã realizadas cmpetições de velcidade u perfrmance em geral de autmóveis, que incluem desde caminhões, carrs, mts, jipes até carrs de Fórmula 1. COMPLEXOS DESPORTIVOS ESPECIIS us Pista de Kartódrm É uma pista de treins e crridas de kart. Área de Kartódrm Área referente a imóvel d kartódrm. Pista de Mtcrss Pista de crrida de Mtcrss. Área de Hipódrm e Hípicas Área referente a imóvel destinad a cuidad e a prática de crrida de cavals. Pista de Hipódrm Pista para crrida e prática de esprtes eqüestres.

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen Zneament Caraguatatuba (Lei Cmplemen Zna (art. 105) Características Macrzna de Prteçã Ambiental (MSPA) A Macrzna de Prteçã Ambiental / MZPA é cnstituída pel Parque Estadual da Serra d Mar Núcle Caraguatatuba.

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABATE E DESRAME DE ÁRVORES 2 DESCRIÇÃO As tarefas de abate e desrame de árvres estã habitualmente relacinadas cm s seguintes trabalhs Levantaments

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP)

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP) Term de Referência para Elabraçã d Relatóri Ambiental Prévi (RAP) O Relatóri Ambiental Prévi é um estud técnic elabrad pr um prfissinal habilitad u mesm equipe multidisciplinar que ferece elements para

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas CURSO NOVA NBR 5419 Prteçã cntra Descargas Atmsféricas Públic alv: Engenheirs eletricistas e eletrônics, técnics em eletricidade, prje6stas de sistemas elétrics, eletrônics, de telecmunicações e de cntrle

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular ANO ANO Missã d Curs É missã d Curs de Arquitetura e Urbanism da UFC frmar prfissinais capacitads a pesquisar, cnceber e cnstruir, cm visã crítica da realidade sci-ecnômica e cnheciment aprfundad d cntext

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA ENTIDADE MDIFICAÇÕES A RÇAMENT DA Pagina: 1 TTAL DE ALTERAÇÕES : 13 CMVC TTAL DE REVISÕES : 2 D AN CNTABILISTIC DE 2014 ATÉ À DATA : 2014/12/31 IDENTIFICAÇÃ DAS RUBRICAS MDIFICAÇÕES RÇAMENTAIS DTAÇÕES

Leia mais

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990.

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O IASAe a Escla Municipal de SantAndré realizaram uma série de ações vltadas para a disseminaçã e efetivaçã ds Direits das Crianças e Adlescentes estabelecids pel

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador 3 Questinári Cmunidade Versã 9 Agst de 2015 A INFORMAÇÃO GERAL Data de Aplicaçã Entrevistadr A1 Nme cmunidade da Entidade lcal menr [Parâmetr nacinal] Entidade lcal mair [parâmetr nacinal] Entidade reginal

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Barreira Ó t i c a, Grade e C r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Sluções em Sistemas de Segurança e Autmaçã. E alg mais. Eletreletrônica Industrial Ltda. Análise de riscs segund

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST A MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE PASSAGEIROS E/OU TRIPULANTE (APP) INVEST O presente Manual d Prdut cntém: SEGURO APP INVEST 1. VANTAGENS

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventári de Emissões de Gases de Efeit Estufa CEDS BRAVO 2011 Objetivs d inventári Cumprir exigências externas/internas Identificar, quantificar e relatar as principais emissões de GEE Implementar ações

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Reediçã, revista e adaptada RELATÓRIO FINAL Nvembr de 04 I Enquadrament e bjetivs Na Eurpa tds s ans mrrem 500 crianças e jvens entre s 0 e s 9 ans na sequência de uma queda. Apesar de nã ser a mair causa

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões Artig 13 Cm mntar um Lava Jat para Caminhões O lava jat para caminhões tem cm diferencial atender veículs grandes e mercad específic, pis já está estabelecid nich de mercad. O sucess para este empreendiment

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS QUESTIONÁRIO PARA O DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Janeir/2014 1 PMIJ08012014 Sã Paul, 08 de Janeir de 2014. À PREFEITURA MUNICIPAL DE xyxyxyxyxyxyxy

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anex 1 - Anex à ferta de Infraestruturas Aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Características Técnicas das Cndutas e Câmaras de Visita Índice 1. Intrduçã 3 2. Enquadrament Preâmbul

Leia mais

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD Índice Identificaçã e Utilizaçã Infrmações Úteis Segurs Assciads Serviçs Assciads Telefnes úteis Cuidads a ter cm seu cartã Identificaçã

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação.

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação. Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris mdulares para sluções em sistemas industriais de mvimentaçã. 11/2012 Esquema de mntagem Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris para esteiras transprtadras Imagem

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970,

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970, 1 Pedid de Prvidências n" 970 Requerente: Escla Nacinal da Magistratura e Assciaçã ds Magistrads d Brasil. Assunt:Resluçã n 11/2006 CNJ - Atividade jurídica - Curss de Pósgraduaçã - Ediçã de nrma de transiçã.

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

Fund Sci al Trilh da Nascente 1 Índice 2 Intrduçã... 2 3 Participante... 2 3.1 Natureza de participante... 2 3.2 Definiçã d tip de participante... 2 4 Caracterizaçã... 2 4.1 Extensã... 2 4.2 Prpriedades...

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questã 1 Numa cidade d interir d estad de Sã Paul, uma prévia eleitral entre.000 filiads revelu as seguintes infrmações a respeit de três candidats A, B, ec, d Partid da Esperança (PE), que cncrrem a 3

Leia mais

Boletim da Vila Noca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1

Boletim da Vila Noca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1 Bletim da Vila Nca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1 DIA 9, PALESTRA SOBRE SEGURANÇA Dia 9 de dezembr de 2008 às 20:00 hras, na Creche Barnesa de Limeira, R Antôni de Gebara, 75, Cap

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE VIDA INVEST GLOBAL

MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE VIDA INVEST GLOBAL MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE VIDA INVEST GLOBAL MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE VIDA EM GRUPO INVEST GLOBAL O presente Manual d Prdut cntém: SEGURO DE VIDA EM GRUPO - INVEST GLOBAL 1. VANTAGENS DO PRODUTO...

Leia mais