A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III)"

Transcrição

1 A Bolsa de Valores Na parte final do artigo anterior caracterizámos o mercado secundário de valores e, neste âmbito, apresentámos a definição basilar da bolsa de valores, como uma entidade que tem por objecto a organização, gestão e manutenção de um mercado secundário central de valores mobiliários, tendo indicado o sumário das suas atribuições. No nosso País, a Bolsa de Valores de Moçambique (BVM) é a única entidade legalmente autorizada a desempenhar a função da gestão de um mercado secundário central de valores. É, inclusivamente, proibido de forma expressa o uso em território nacional, por qualquer outra entidade ou organização, pública ou privada, da expressão Bolsa de Valores, seja como todo, seja como parte da sua denominação, e ainda que com objecto diverso do da gestão de um mercado secundário central de valores mobiliários. Mercados de bolsa A Bolsa de Valores de Moçambique tem dois mercados: O Mercado de Cotações Oficiais e um Segundo Mercado. O Mercado de Cotações Oficiais, que era o único mercado existente na BVM antes da reforma legal, é o mercado de referência, o mercado principal, aquele mercado que acolhe, em princípio, a generalidade das empresas que pretendem, e têm condições para, estar admitidas na bolsa. 1 / 7

2 A admissão de uma empresa à bolsa de valores depende não somente da vontade dos seus órgãos sociais ou, em certos casos, dos seus accionistas, mas também da demonstração do preenchimento de um conjunto de requisitos definidos legalmente e verificados pela BVM as Condições de Admissão à Cotação, matéria que será objecto de uma abordagem detalhada num artigo próprio. O Segundo Mercado é destinado à transacção de valores mobiliários emitidos por pequenas e médias empresas. Este mercado estrutura-se com base na redução das exigências estabelecidas para o Mercado de Cotações Oficiais, designadamente quanto às condições de admissão à cotação e permanência no mercado, quanto às informações a fornecer às autoridades competentes e ao público e quanto aos encargos de admissão e manutenção da cotação. Dito de outra forma, o Segundo Mercado é o canal adequado para o acesso à bolsa das sociedades que, embora não preenchendo todos os requisitos para serem admitidas ao mercado de cotações oficiais, satisfaçam as condições previstas, mais ligeiras, para serem admitidas a este mercado. Para além dos mercados a que temos vindo a fazer referência, a lei permite à BVM que crie, na sua dependência, outros mercados, baseados seja na diferente natureza das entidades emitentes dos valores a admitir nesses mercados, nomeadamente o seu perfil empresarial, seja na especificidade técnica dos tipos de valores a transaccionar, seja ainda na diversidade dos tipos de operações a realizar ou das modalidades de liquidação de operações a executar. Por outro lado, e em linha com a proibição de existência de outras bolsas de valores para além da BVM, são proibidas quaisquer reuniões públicas em que se transaccionem ou ofereçam para transacção valores mobiliários, sendo eventuais transacções realizadas por essa forma improcedentes em juízo, sem prejuízo da responsabilidade criminal dos intervenientes. Acesso ao mercado 2 / 7

3 Podem ser admitidos à cotação no Mercado de Cotações Oficiais da BVM: - Os fundos públicos nacionais e estrangeiros e os valores mobiliários a eles equiparados; - As acções e obrigações emitidas por sociedades ou entidades nacionais ou estrangeiras; - As unidades de participação em fundos de investimento; - Quaisquer outros valores mobiliários que pela sua natureza e características, possam ser admitidos à cotação. Como já referimos, as condições e o processo de admissão à cotação serão analisados com detalhe em artigo posterior. Pela admissão à cotação é devida uma taxa administrativa Taxa de Admissão à Cotação que constitui receita da BVM e, bem assim é devido o pagamento anual a favor da bolsa de uma Taxa de Manutenção na Cotação, a título de remuneração pelos serviços prestados. Obrigações das entidades cotadas na BVM 3 / 7

4 O mais importante dos deveres das entidades que têm valores admitidos à cotação na BVM é o dever de prestar informação ao mercado. A qualidade da informação, a pontualidade com que é prestada e tornada pública, a sua clareza, objectividade, completude, são um dos eixos basilares para o funcionamento regular de qualquer mercado e um dos principais factores para a sua credibilidade e reconhecimento. Neste sentido, e sem prejuízo de outras obrigações de informação estabelecidas nos regulamentos da BVM, o Código do Mercado de Valores Mobiliários estabelece que as entidades com valores mobiliários admitidos à cotação devem informar o mercado acerca dos seguintes factos (normalmente, mediante informação à bolsa de valores, que se encarregará de os difundir): - Projectos de alterações estatutárias, bem como a respectiva aprovação; - Apresentação à falência ou, a contar da data em que do facto tenha conhecimento, o pedido de declaração de falência contra ela apresentado, bem como a respectiva sentença; - A admissão à cotação em bolsa de valores estrangeira de quaisquer valores mobiliários por si emitidos; - Os relatórios e contas anuais, acompanhados do parecer e certificação exigidos na alínea d) do artigo anterior, (se a sociedade elaborar, ao mesmo tempo, contas anuais não consolidadas e contas anuais consolidadas deve colocar ambas à disposição do público); - A composição dos órgãos de administração e fiscalização e respectivas alterações; - Emissão de novas acções, ou redução do capital social; - Novas emissões de empréstimos obrigacionistas e respectivas garantias; 4 / 7

5 - Atribuição e pagamento de dividendos ou outros rendimentos aos accionistas; - Exercício dos direitos de subscrição ou de incorporação; - Operações de conversão; - Pagamento de juros ou prémios ou do reembolso de obrigações e outros valores representativos de dívida; - Data e local de realização dos sorteios de obrigações; - Resultados dos sorteios. Adicionalmente e relativamente, em particular, a acções cotadas, as sociedades devem anunciar ao mercado os seguintes factos: - Qualquer alteração dos direitos inerentes às diferentes categorias de acções; - Modificações importantes verificadas na estrutura das participações no capital social (no caso do nosso País, e para este efeito, considera-se que existe uma modificação importante na estrutura das participações no capital social sempre que qualquer pessoa singular ou colectiva, pública ou privada, directamente ou por interposta pessoa, adquira ou aliene acções de forma que, com essa aquisição ou alienação, ultrapasse os limites de 5%, 10%, 20%, um terço, 50% ou dois terços dos direitos de voto correspondentes ao capital social); - Factos novos ocorridos na sua esfera de actividade que não sejam do conhecimento geral e 5 / 7

6 que sejam susceptíveis, pela incidência na situação patrimonial ou financeira da sociedade ou sobre o andamento normal dos seus negócios, de provocar uma variação importante na cotação das suas acções. Já no caso de obrigações cotadas, as informações a prestar ao mercado pelas entidades emitentes dizem respeito aos seguintes factos: - Qualquer alteração dos direitos dos obrigacionistas que resultem de modificações das condições do empréstimo ou da taxa de juro; - Factos novos ocorridos na sua esfera de actividade que não sejam do conhecimento geral e que sejam susceptíveis de afectar de modo significativo a capacidade de cumprirem os seus compromissos; - Convocação das assembleias de obrigacionistas e designação do respectivo representante; - Qualquer alteração dos direitos inerentes às diferentes categorias de acções a que se referem as obrigações convertíveis. Sessões de Bolsa As transacções sobre valores admitidos à cotação decorrem nas Sessões de Bolsa. A 6 / 7

7 Sessão de Bolsa é o período de funcionamento do mercado secundário gerido pela bolsa de valores, durante o qual podem realizar-se operações sobre valores mobiliários, sendo estas sessões presididas e fiscalizadas pela bolsa de valores. As sessões de bolsa podem ser normais ou especiais, sendo as sessões normais aquelas que se destinam à transacção corrente dos valores mobiliários admitidos à cotação ou à negociação em qualquer mercado gerido pela bolsa de valores, e as sessões especiais aquelas que são organizadas, adicionalmente às anteriores, caso a caso, para determinados tipos de operações especiais, tais como, e sendo este o caso paradigmático, o apuramento dos resultados de ofertas públicas de aquisição, venda ou troca de valores mobiliários. No próximo artigo abordaremos as operações de bolsa propriamente ditas, assim como outros aspectos ainda não salientados até ao momento sobre a regulamentação do mercado de valores mobiliários. (Continua) 7 / 7

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de B.O n.º 4 - I Série. Regulamento n.º 2/2006, de 22 de Janeiro de 2007

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de B.O n.º 4 - I Série. Regulamento n.º 2/2006, de 22 de Janeiro de 2007 Custos do Mercado Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Regulamento n.º 2/2006, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Rectificação do Regulamento n.º 2/2006, de 5

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017

Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017 Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017 ASSUNTO: REALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ENTIDADES NÃO RESIDENTES CAMBIAIS Considerando

Leia mais

GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Assembleia Geral Anual. 12 de maio de 2017 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 9

GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Assembleia Geral Anual. 12 de maio de 2017 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 9 GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Assembleia Geral Anual 12 de maio de 2017 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 9 Deliberar sobre a concessão de autorização ao Conselho de Administração para a aquisição e alienação de ações

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 17/98 Admissão à Negociação de Acções Emitidas por Entidades com Sede no Estrangeiro

Regulamento da CMVM n.º 17/98 Admissão à Negociação de Acções Emitidas por Entidades com Sede no Estrangeiro Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 17/98 Admissão à Negociação de Acções Emitidas por Entidades com Sede no Estrangeiro Atento à importância que

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 7/2001 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 7/2001 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 7/2001 Governo das Sociedades Cotadas O regulamento que ora se publica resulta de mais de dois anos de aplicação

Leia mais

Síntese Anual de Informação Divulgada 2013

Síntese Anual de Informação Divulgada 2013 ZON OPTIMUS, SGPS, S.A. (Sociedade Aberta) Sede Social: Rua Actor António Silva, número 9 Campo Grande, freguesia do Lumiar, 1600-404 Lisboa Número de identificação de Pessoa Coletiva 504.453.513 Capital

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO A AGMVM aprovou um Código de Governo dos Emitentes de Valores Mobiliários admitidos à

Leia mais

BOLSA DE VALORES DE MOÇAMBIQUE. REGULAMENTO Nº 1/GPCABVM/2010 De 27 de Maio PROCESSO DE ADMISSÃO À COTAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

BOLSA DE VALORES DE MOÇAMBIQUE. REGULAMENTO Nº 1/GPCABVM/2010 De 27 de Maio PROCESSO DE ADMISSÃO À COTAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS BOLSA DE VALORES DE MOÇAMBIQUE REGULAMENTO Nº 1/GPCABVM/2010 De 27 de Maio PROCESSO DE ADMISSÃO À COTAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A recente aprovação do Código do Mercado de Valores Mobiliários pelo Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 12/2002 Sociedades de Titularização de Créditos

Regulamento da CMVM n.º 12/2002 Sociedades de Titularização de Créditos Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 12/2002 Sociedades de Titularização de Créditos O Decreto-Lei n.º 82/2002, de 5 de Abril, que alterou o Decreto-Lei

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS CONVOCATÓRIA

ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS CONVOCATÓRIA Nos termos da lei e dos estatutos, são convocados os Senhores Accionistas e os Representantes Comuns dos Obrigacionistas da MOTA ENGIL, SGPS, S.A., Sociedade

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas ANEXO II Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO CAIXAGEST SELECÇÃO 2008 - CAPITAL GARANTIDO Fundo de Investimento Mobiliário Fechado RELATÓRIO & CONTAS Liquidação ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO

Leia mais

REGULAMENTO Nº XX /2008. Informação e publicidade sobre produtos financeiros complexos sujeitos à supervisão da CMVM

REGULAMENTO Nº XX /2008. Informação e publicidade sobre produtos financeiros complexos sujeitos à supervisão da CMVM REGULAMENTO Nº XX /2008 Informação e publicidade sobre produtos financeiros complexos sujeitos à supervisão da CMVM 1. O Decreto-Lei nº 211-A/2008, de 3 de Novembro, estabeleceu um regime de informação

Leia mais

CIRCULAR Nº 05/BVC/05 CENTRAL DE CUSTÓDIA E LIQUIDAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

CIRCULAR Nº 05/BVC/05 CENTRAL DE CUSTÓDIA E LIQUIDAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CIRCULAR Nº 05/BVC/05 CENTRAL DE CUSTÓDIA E LIQUIDAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS PARTE I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito e regime jurídico) 1. A presente circular organiza e regulamenta o sistema centralizado

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 91/4 Ofertas Públicas

Regulamento da CMVM n.º 91/4 Ofertas Públicas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 91/4 Ofertas Públicas Ao abrigo do disposto na alínea b) do nº 1 do artigo 14º do Código do Mercado de Valores

Leia mais

PROPOSTA. Ponto 5 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 23 de Abril de 2014

PROPOSTA. Ponto 5 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 23 de Abril de 2014 PROPOSTA Ponto 5 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 23 de Abril de 2014 Considerando: a) O Banco BPI, S.A (Banco BPI) emitiu, em 2007, as Dated Subordinated

Leia mais

Decreto-Lei nº 353-P/77, de 29 de Agosto

Decreto-Lei nº 353-P/77, de 29 de Agosto Decreto-Lei n.º 353-P/77 de 29 de Agosto * O início do processo de normalização do mercado de capitais levou a reponderar diversos aspectos com este relacionados, entre os quais o da reduzida dimensão

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL Tendo em consideração: A) O regime jurídico aplicável à aquisição e alienação de acções próprias por sociedades anónimas estabelecido no Código das Sociedades Comerciais; B) A previsão do Contrato de Sociedade

Leia mais

Litho Formas Portuguesa, S.A.

Litho Formas Portuguesa, S.A. Relatório sobre o governo das sociedades Cotadas A Litho Formas, S. A. respeita e cumpre com as recomendações da CMVM sobre o governo das sociedades cotadas, sempre que aplicável e de acordo com a sua

Leia mais

SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO

SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Resultados Oficiais da Oferta Pública de Subscrição e admissão à negociação das Obrigações BENFICA SAD 2016 24 de Abril de 2013 ENTIDADE OFERENTE Capital social

Leia mais

Decreto-Lei n.º 69/2004, de 25 de Março *

Decreto-Lei n.º 69/2004, de 25 de Março * Decreto-Lei n.º 69/2004, de 25 de Março * TÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito 1 - O presente diploma regula a disciplina aplicável aos valores mobiliários de natureza monetária designados

Leia mais

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS

ARSENAL DO ALFEITE, S. A. ESTATUTOS ARSENAL DO ALFEITE, S. A. (Constituída pelo Decreto-Lei n.º33/2009, de 5 de Fevereiro) ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º Forma e denominação A sociedade adopta a forma

Leia mais

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

CIRCULAR N.º 03/BVC/05 Codificação ISIN

CIRCULAR N.º 03/BVC/05 Codificação ISIN CIRCULAR N.º 03/BVC/05 Codificação ISIN Com o objectivo de estabelecer um sistema eficiente de registo, movimentação e controlo de valores mobiliários escriturais admitidos à cotação na bolsa de valores,

Leia mais

SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO

SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD 2017-2020 21 de Abril de 2017 Não dispensa a consulta do prospecto e respectiva adenda 1.

Leia mais

SESSÃO ESPECIAL DE APURAMENTO OPD OBRIGAÇÕES IFH, S.A. Janeiro 2014

SESSÃO ESPECIAL DE APURAMENTO OPD OBRIGAÇÕES IFH, S.A. Janeiro 2014 SESSÃO ESPECIAL DE APURAMENTO OPD 1.000.000 OBRIGAÇÕES IFH, S.A. Janeiro 2014 Oferta Pública de Distribuição foi um SUCESSO! A procura foi + de 1,664 vezes superior a quantidade disponível. Procura Total

Leia mais

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio *

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * O presente decreto-lei estabelece o regime jurídico dos warrants autónomos, regulando a sua emissão no mercado nacional, prevendo a admissão à negociação em mercado

Leia mais

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO E FINS Artigo 1º É constituída uma associação, sem fins lucrativos, denominada APP Associação dos Portos de Portugal,

Leia mais

Nº 1/17 DO MERCADO DE BOLSA

Nº 1/17 DO MERCADO DE BOLSA Agosto de 2017 Rua Rainha Ginga, n.º 73, 5º Andar. Luanda - Angola (+244) 226 400 300 institucional@bodiva.ao ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º... 3 (Objecto e âmbito de aplicação)...

Leia mais

PARTE I INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACCIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE. Secção A ESTRUTURA ACCIONISTA. Subsecção I Estrutura de Capital

PARTE I INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACCIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE. Secção A ESTRUTURA ACCIONISTA. Subsecção I Estrutura de Capital PARTE I INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACCIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE Secção A ESTRUTURA ACCIONISTA Subsecção I Estrutura de Capital 1. Estrutura de Capital (capital social, número de acções,

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 16 de Dezembro de 2013

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 16 de Dezembro de 2013 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento do Resultado da Oferta Pública de Subscrição de 200.000.000 UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO Representativas do Fundo de Participação CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO

Leia mais

TRANSPARÊNCIA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REFORMAS RECENTES E REFORMAS URGENTES

TRANSPARÊNCIA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REFORMAS RECENTES E REFORMAS URGENTES TRANSPARÊNCIA DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REFORMAS RECENTES E REFORMAS URGENTES Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM Reformas recentes reformas urgentes 1 Sumário Introdução Medidas Recentes

Leia mais

INSTRUÇÃO DA CMVM Nº 1/2013

INSTRUÇÃO DA CMVM Nº 1/2013 INSTRUÇÃO DA CMVM Nº 1/2013 Preçários para Investidores Não Qualificados Entrada em vigor: 2 de outubro de 2017 Divulgação Anterior: 1 setembro de 2017 OPERAÇÕES DE BOLSA INTERNET MOBILE BANCA TELEFÓNICA

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade aberta com o Capital Social: 12.000.000,00 (doze milhões de euros) Sede: Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17, 6.º andar, 1070-313 Lisboa Registada

Leia mais

PREÇÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS

PREÇÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS Informações Gerais Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis

Leia mais

PREÇÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS

PREÇÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS Informações Gerais Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017

Demonstrações Financeiras Intercalares. Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 Demonstrações Financeiras Intercalares Para o período de seis meses findo em 30 de Junho de 2017 2017 Índice Demonstração dos resultados Balanço Demonstração das alterações dos capitais próprios Demonstração

Leia mais

AVISO Nº 4 /GGBM/99 OFERTAS À SUBSCRIÇÃO PÚBLICA E OFERTAS PÚBLICAS DE VENDA

AVISO Nº 4 /GGBM/99 OFERTAS À SUBSCRIÇÃO PÚBLICA E OFERTAS PÚBLICAS DE VENDA AVISO Nº 4 /GGBM/99 OFERTAS À SUBSCRIÇÃO PÚBLICA E OFERTAS PÚBLICAS DE VENDA O Regulamento do Mercado de Valores Mobiliários aprovado pelo Decreto nº 28/98 de 22 de Setembro nos seus artigos 19º nº2 e

Leia mais

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Código Cooperativo CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Alterada pelos DL n.º 343/98 de 6 de Nov., DL n.º 131/99 de 21 de Abril e DL n.º 108/2001

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS DOS SENIOR MANAGING DIRECTORS (SMD s) DO BANCO ESPÍRITO SANTO DE INVESTIMENTO, S.A.

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS DOS SENIOR MANAGING DIRECTORS (SMD s) DO BANCO ESPÍRITO SANTO DE INVESTIMENTO, S.A. dos Colaboradores SMD S PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS DOS SENIOR MANAGING DIRECTORS (SMD s) DO BANCO ESPÍRITO SANTO DE INVESTIMENTO, S.A. Considerando que: 1. A dos colaboradores

Leia mais

Regulamento de Concessão de Bolsas de Estudo Para o Ensino Superior. Aprovado após deliberação em reunião de Câmara de dia 16 de Dezembro de 2009

Regulamento de Concessão de Bolsas de Estudo Para o Ensino Superior. Aprovado após deliberação em reunião de Câmara de dia 16 de Dezembro de 2009 Regulamento de Concessão de Bolsas de Estudo Para o Ensino Superior Aprovado após deliberação em reunião de Câmara de dia 16 de Dezembro de 2009 Beja, 2009 Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece

Leia mais

Respostas às perguntas mais frequentes dos investidores sobre a situação do Banif Banco Internacional do Funchal, S.A.

Respostas às perguntas mais frequentes dos investidores sobre a situação do Banif Banco Internacional do Funchal, S.A. Respostas às perguntas mais frequentes dos investidores sobre a situação do Banif Banco Internacional do Funchal, S.A. I. ACIONISTAS DO BANIF 1. O que aconteceu às ações emitidas pelo Banif? O Banco de

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 93/3 Preçário da Interbolsa

Regulamento da CMVM n.º 93/3 Preçário da Interbolsa Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 93/3 Preçário da Interbolsa Ao abrigo do disposto no nº 8 do artigo 188º, do nº 2 do artigo 493º do Código do

Leia mais

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Havendo necessidade de adequar as regras

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Portaria nº. 1354-A/99 (2ª série) Ao abrigo do disposto no artigo 12.º do Decreto-Lei n.º 229/98, de 22 de Julho, que regula o Fundo de Contragarantia Mútuo: Manda o Governo, pelo

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos referentes ao reconhecimento e mensuração de títulos e valores

Leia mais

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS GNB Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, SA. Sede: Av. Alvares Cabral n.º 41, Lisboa CRCL / Pessoa Colectiva n.º 501882618 Capital Social: 3.000.000 EUR AVISO DE FUSÃO DE S Nos termos

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS DE 24 DE MAIO DE 2017

ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS DE 24 DE MAIO DE 2017 PONTO UM DA ORDEM DE TRABALHOS: O Conselho de Administração propõe aos Senhores Acionistas: Apreciar, discutir e votar o Relatório de Gestão, o Balanço, as Demonstrações de Resultados, a Demonstração das

Leia mais

Comunicado. Lisboa, 11 Março 2008 A ZON MULTIMÉDIA Serviços de Telecomunicações e Multimédia, SGPS, S.A. ( ZON ou Sociedade ) informa o mercado:

Comunicado. Lisboa, 11 Março 2008 A ZON MULTIMÉDIA Serviços de Telecomunicações e Multimédia, SGPS, S.A. ( ZON ou Sociedade ) informa o mercado: ZON Multimédia Serviços de Telecomunicações e Multimédia, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. 5 de Outubro, n.º 208, Lisboa Capital Social: 3.090.968,28 Euros Número de Matrícula na Conservatória do

Leia mais

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS

VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS Anexo à Instrução nº 4/96 VII - ELEMENTOS CONTABILÍSTICOS 1. ELEMENTOS PARA PUBLICAÇÃO OFICIAL 1.1. Balanço de situação, relativo à actividade global, evidenciando os resultados provisórios, reportado

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 21 DE ABRIL DE 2016, PELAS 11:45 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 21 DE ABRIL DE 2016, PELAS 11:45 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA ALTRI, SGPS, S.A. PONTO SEGUN DA ORDEM S TRABALHOS A Altri, S.G.P.S., S.A. registou no exercício de 2015 um resultado líquido de 103.489.990,30 Euros. Em 16 de Novembro

Leia mais

Ponto 4 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 22 de Abril de 2010

Ponto 4 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 22 de Abril de 2010 Ponto 4 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 22 de Abril de 2010 Declaração do Conselho de Administração sobre Política de Remunerações dos Dirigentes 1. Considerando:

Leia mais

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro. Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO N.º 17/07 de 28 de Setembro Havendo necessidade de se actualizar as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que me é atribuída pelo artigo 58 0 da Lei n.

Leia mais

PROPOSTAS A APRESENTAR EM ASSEMBLEIA GERAL A REALIZAR EM 12 DE NOVEMBRO DE Proposta

PROPOSTAS A APRESENTAR EM ASSEMBLEIA GERAL A REALIZAR EM 12 DE NOVEMBRO DE Proposta PROPOSTAS A APRESENTAR EM ASSEMBLEIA GERAL A REALIZAR EM 12 DE NOVEMBRO DE 2015 Ponto 1 da Ordem de Trabalhos: Deliberar sobre o Relatório e as Contas Individuais relativas ao Exercício 2014/2015. O Futebol

Leia mais

PROPOSTAS ASSEMBLEIA GERAL ANUAL 31 DE MAIO DE 2017

PROPOSTAS ASSEMBLEIA GERAL ANUAL 31 DE MAIO DE 2017 Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. Sociedade anónima com o capital aberto ao investimento público Sede: Av. 5 de Outubro, nº 125, Loja 2, 1050-052 Lisboa Capital Social de 73.193.455,00

Leia mais

ANÚNCIO DE E DE REDUÇÃO DE CAPITAL NO MONTANTE DE SUJEITA AINDA A DELIBERAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL DA SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A.

ANÚNCIO DE E DE REDUÇÃO DE CAPITAL NO MONTANTE DE SUJEITA AINDA A DELIBERAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL DA SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17-6º andar, 1070-313 Lisboa Capital Social: EUR 13.750.000,00 Com o nº único de Matrícula e de Pessoa Colectiva

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio. Sistema de Incentivos à I&DT

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio. Sistema de Incentivos à I&DT Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT Contrato Consórcio Externo (aplicável a Projectos de I&DT Empresas em Co-promoção e a Projectos Mobilizadores) I. Legislação

Leia mais

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração Artigo 1º 1. A sociedade tem a denominação de Litho Formas, S.A., e teve o seu início em 5 de Dezembro de 1966. 2.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado)

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) SOCIEDADE PORTUGUESA DE VIDA SELVAGEM CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, Duração, Sede e Objecto

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ACTIVOS QUE CONSTITUEM O PATRIMÓNIO DOS FUNDOS DE PENSÕES

AVALIAÇÃO DOS ACTIVOS QUE CONSTITUEM O PATRIMÓNIO DOS FUNDOS DE PENSÕES Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 26/2002-R Data: 31/12/2002 Assunto: AVALIAÇÃO DOS ACTIVOS QUE CONSTITUEM O PATRIMÓNIO DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que nos termos dos n.º s 1 e

Leia mais

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos Apresentação Introdução Aplicabilidade... 21

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos Apresentação Introdução Aplicabilidade... 21 Sumário Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 15 Apresentação... 17 Introdução... 19 Aplicabilidade... 21 CAPÍTULO I Características e Natureza da Companhia ou Sociedade Anônima Características...

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO (6.ª Edição) Actualização N.º 1 Código das Sociedades Comerciais 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 1

Leia mais

Título I Disposições Gerais. CAPÍTULO I Objecto, âmbito e definições gerais. Artigo 1 (Objecto)

Título I Disposições Gerais. CAPÍTULO I Objecto, âmbito e definições gerais. Artigo 1 (Objecto) (Código do Mercado de Valores Mobiliários) Título I Disposições Gerais CAPÍTULO I Objecto, âmbito e definições gerais Artigo 1 (Objecto) O presente Código tem por objecto estabelecer os princípios e disposições

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL

CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL Rui Leão Martinho 9 de Julho de 2013 INDÍCE Introdução Corporate Governance Princípios Corporate Governance em Portugal Estudo

Leia mais

AVISO Nº 08/2011 de 15 de Julho

AVISO Nº 08/2011 de 15 de Julho AVISO Nº 08/2011 de 15 de Julho Havendo a necessidade de estabelecer regras complementares à regulação do processo de instrução do pedido de constituição, bem como estabelecer os requisitos mínimos de

Leia mais

REPÚBLICA PORTUGUESA

REPÚBLICA PORTUGUESA Memorando de Informação Comunicação de aumento do valor da emissão 21.11.2017 REPÚBLICA PORTUGUESA Comunicação de aumento do valor nominal global da emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável

Leia mais

Regulamentos da Euronext. Regulamento II Regras de Mercado Não Harmonizadas

Regulamentos da Euronext. Regulamento II Regras de Mercado Não Harmonizadas Regulamentos da Euronext Regulamento II Regras de Mercado Não Harmonizadas DATA DE PUBLICAÇÃO: 19 JUNHO DE 2017 DATA DE PRODUÇÃO DE EFEITOS: 19 JUNHO DE 2017 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 LI

Leia mais

REPÚBLICA PORTUGUESA

REPÚBLICA PORTUGUESA Memorando de Informação Comunicação de aumento do valor da emissão 21.11.2017 REPÚBLICA PORTUGUESA Comunicação de aumento do valor nominal global da emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável

Leia mais

MEDIDAS DE DINAMIZAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS PARA AS PME S

MEDIDAS DE DINAMIZAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS PARA AS PME S MEDIDAS DE DINAMIZAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS PARA AS PME S (DECRETO-LEI 77/2017, DE 30 DE JUNHO) No passado dia 1 de Julho de 2017, entrou em vigor o Decreto-lei n.º 77/2017, de 30 de Junho. Este diploma

Leia mais

PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS CMVM AO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS GOVERNO DAS SOCIEDADES ANÓNIMAS 6 DE FEVEREIRO DE 2006 Desactualização dos Modelos de Governação Actual regime concebido

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

Governo dos Emitentes de Valores Mobiliários admitidos à Negociação em Mercado Regulamentado

Governo dos Emitentes de Valores Mobiliários admitidos à Negociação em Mercado Regulamentado Governo dos Emitentes de Valores Mobiliários admitidos à Negociação em Mercado Regulamentado Código Banco de Cabo Verde Auditoria Geral de Mercado de Valores Mobiliários Auditoria Geral Mercado de Valores

Leia mais

Estatutos da Sociedade COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S. A.

Estatutos da Sociedade COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S. A. Estatutos da Sociedade COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S. A. Artigo 1.º Forma e denominação A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

Dezembro 2013 NOVA LEGISLAÇÃO DE DIREITO FINANCEIRO LEGAL FLASH I ANGOLA CONSIDERAÇÕES GERAIS 2

Dezembro 2013 NOVA LEGISLAÇÃO DE DIREITO FINANCEIRO LEGAL FLASH I ANGOLA CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 LEGAL FLASH I ANGOLA Dezembro 2013 NOVA LEGISLAÇÃO DE DIREITO FINANCEIRO LEGAL FLASH I ANGOLA CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 REGIME JURÍDICO DOS ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 2 REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES

Leia mais

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal Ex.mo. Sr. Presidente da Mesa da Assembleia Geral de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. Voto por Correspondência Postal Assembleia Geral Extraordinária de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. de 27 de Abril de

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Assembleia Nacional Lei n.º 10/94 31 de Agosto de 2008 O processo de redimensionamento do sector empresarial do Estado teve até agora como principal suporte legais o Decreto n.º

Leia mais

COMPTA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA, S.A. ASSEMBLEIA GERAL

COMPTA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA, S.A. ASSEMBLEIA GERAL COMPTA EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA, S.A. Sociedade Aberta Sede: Avenida José Gomes Ferreira, 13, Miraflores, 1495-139 Algés CAPITAL SOCIAL: 14.775.000,00 CAPITAL PRÓPRIO: 2.396.203 Número único

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01 /2003 de 7 de Fevereiro

INSTRUTIVO N.º 01 /2003 de 7 de Fevereiro INSTRUTIVO N.º 01 /2003 de 7 de Fevereiro ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de Capitais Com vista a estabelecer os procedimentos para o licenciamento e a realização das operações de capitais, em conformidade

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO Considerando que a formação avançada e a qualificação dos recursos humanos se revestem como uma prioridade da politica cientifica e de desenvolvimento da Faculdade

Leia mais

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos financeiros respeitantes à remuneração

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS FINANÇAS PÚBLICAS ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS FINANÇAS PÚBLICAS ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Decreto n.º 11/99 Protocolo de Cooperação no Domínio das Finanças Públicas entre a República Portuguesa e a República de Moçambique, assinado em Maputo aos 10 de Outubro de 1998 Nos termos da alínea c)

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

Relato Financeiro e Código das Sociedades Comerciais

Relato Financeiro e Código das Sociedades Comerciais Relato Financeiro e Código das Sociedades Comerciais -Principais artigos referentes a relato financeiro no âmbito do Código Comercial e do Código das Sociedades Comerciais - Responsabilidade pela prestação

Leia mais

CONVOCATÓRIA ORDEM DE TRABALHOS:

CONVOCATÓRIA ORDEM DE TRABALHOS: THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. Sociedade aberta Capital - 717.500.000,00 Pessoa colectiva n.º 503025798 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Sede - Península da Mitrena, freguesia

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

TÍTULO I CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

TÍTULO I CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS SOCIEDADES COMERCIAIS INTRODUÇÃO 5 ABREVIATURAS 7 TÍTULO I CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CAPÍTULO I - A SOCIEDADE COMO ORGANIZAÇÃO JURÍDICA DA EMPRESA 11 1) Definição de contrato de sociedade 12 a) Elemento

Leia mais

SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA

SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 22 de Junho de 2016 Artigo 1º Âmbito 1. O presente regulamento estabelece as regras aplicáveis ao funcionamento do Conselho de Administração

Leia mais

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE

Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa - Sindical de Educação - CPLP-SE No mundo da globalização com todos os desafios que são colocados ao mundo do trabalho, as organizações sindicais do sector

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD 2016-2019 2 de Maio de 2016 Não dispensa a consulta do prospecto e respectiva adenda 1. ENTIDADE

Leia mais

BANCO PINE S.A. EXERCÍCIO DE 2013

BANCO PINE S.A. EXERCÍCIO DE 2013 BANCO PINE S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DAS LETRAS FINANCEIRAS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Credores das Letras Financeiras, Na qualidade

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/99 Normas Gerais da Negociação de Valores Mobiliários através de Operações de Bolsa e Contado

Regulamento da CMVM n.º 1/99 Normas Gerais da Negociação de Valores Mobiliários através de Operações de Bolsa e Contado Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 1/99 Normas Gerais da Negociação de Valores Mobiliários através de Operações de Bolsa e Contado O desenvolvimento

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 3º TRIMESTRE DE 2014/15

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 3º TRIMESTRE DE 2014/15 SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 67 000 000 euros Capital Próprio aprovado em Assembleia Geral de 1 de Outubro de 2014: -118.030.000 Capital Próprio indicado nas

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES 1. O que é a Bolsa de Valores? A Bolsa de Valores é um mercado organizado, físico ou virtual, onde são negociados valores mobiliários e outros instrumentos financeiros, tais como instrumentos

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO

Leia mais

Direito Processual Civil Executivo. Programa

Direito Processual Civil Executivo. Programa Direito Processual Civil Executivo Programa Rui Pinto Duarte 2010/2011 I Aspectos Gerais 1. Noção de acção executiva 2. O princípio do dispositivo na acção executiva (3.º, 810 e 675-A) 3. Execução individual

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD de Julho de 2015

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD de Julho de 2015 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD 2015-2018 10 de Julho de 2015 Não dispensa a consulta do prospecto 1. ENTIDADE OFERENTE Accionistas

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Obrigações

Conceitos básicos de negociação em Obrigações Conceitos básicos de negociação em Obrigações Obrigação: título representativo de uma fração da dívida/passivo de uma empresa $$$ < > Valores Mobiliários EMPRESAS MERCADO CAPITAIS Obrigação gera rendimentos

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E VOLUNTÁRIA

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E VOLUNTÁRIA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Sociedade Aberta Sede social: Avenida 24 de Julho, n.º 12, 1249-300, Lisboa Capital social integralmente subscrito e realizado: 3.656.537.715,00 Matriculada na Conservatória

Leia mais

PROPOSTA. Relativa ao Ponto Sete da Ordem do Dia da reunião da Assembleia Geral Anual da. IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A.

PROPOSTA. Relativa ao Ponto Sete da Ordem do Dia da reunião da Assembleia Geral Anual da. IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A. PROPOSTA Relativa ao Ponto Sete da Ordem do Dia da reunião da Assembleia Geral Anual da IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A. Convocada para o dia 31 DE MARÇO DE 2017 pelas 15h00 Considerando:

Leia mais