GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO"

Transcrição

1 GEOMORFOLOGIA E USO DE GEOTECNOLOGIAS NA CARTOGRAFIA DO ALTO SERTÃO SERGIPANO Rosa Helena Almeida Leite Santos 1, José Antônio Pacheco de Almeida 2, José Batista Siqueira 3, Samiramisthais Souza Linhares 4 1 Geóloga, Aracaju-SE, 2 Geólogo, Professor Assistente do Depto. Geologia, UFS, Aracaju-SE, 3 Geólogo, Professor Assistente do Depto. Geologia, UFS, Aracaju-SE, 4 Geóloga, Aracaju-SE, RESUMO: O relevo é resultado das forças antagônicas, sintetizadas pelas atividades tectônicas e estruturais, e por mecanismos morfoclimáticos ao longo do tempo geológico. Desta forma, o presente trabalho tem como objetivo realizar o mapeamento geomorfológico na escala de 1: na região do Alto Sertão Sergipano e obter inter-relações com a geologia da região utilizando técnicas de geoprocessamento, tendo como base o uso de imagens SRTM, SPOT, LANDSAT e ferramentas do Sistema de Informação Geográfica. A escala adotada permite a divisão em três táxons. No 1 táxon foram identificadas às unidades morfoestruturais Bacia do Tucano e Faixa de Dobramento Sergipana, no 2 táxon as unidades morfoesculturais o Canyon do Rio São Francisco, o Pediplano Sertanejo e as Serras Residuais e no 3 táxon foram individualizados o Canyon, o Padrão em colinas/ Relevo rampeado, as Serras com topos aguçados e convexos, o Padrão levemente ondulado a plano, os Morrotes, as Forma de topo tabular e a Forma de topo convexo. PALAVRAS-CHAVE: Mapeamento geomorfológico, geoprocessamento, geologia. INTRODUÇÃO: O relevo terrestre não pode ser entendido como algo estático, como algo que sempre apresentou a mesma forma e que fora deixado de herança com as mesmas características de quando criado. Pelo contrário, como afirma Cholley (1950, apud CASSETI, 2005): o relevo deve ser entendido como o resultado das forças antagônicas, sintetizadas pelas atividades tectônicas e estruturais, e mecanismos morfoclimáticos ao longo do tempo geológico. Ou seja, a superfície terrestre é composta por formas de relevo diferentes entre si (tamanho, forma, idade e processos genéticos distintos). O conhecimento geomorfológico possui fundamental importância no escopo das Geociências, pois a partir dele é possível entender as condições gerais da dinâmica da paisagem, o que contribui para o desenvolvimento de prognóstico e interpretação das condições ambientais. Segundo Kugler (1976, apud CASSETI, 2005) o mapeamento geomorfológico é um produto científico de grande valor, no que tange a ser subsídio para a apropriação racional do relevo. Atualmente os estudos geomorfológicos estão amparados por um cenário geotecnológico, em que os produtos orbitais, tais como imagens de radar, imagens de satélites, aerofotografias e softwares de geoprocessamento apresentam-se como subsídios para o mapeamento geomorfológico. Apoiados nesses recursos e na bibliografia acerca do tema, este trabalho apresenta um estudo geomorfológico do Alto Sertão Sergipano associado à metodologia de mapeamento geomorfológico segundo os níveis taxonômicos definidos por Ross (1992) e por Nunes (2009), evidenciando os três primeiros táxons e busca-se também obter as inter-relações que respaldem a processos geológicos/ geomorfológicos que atuaram nesta área e que estejam refletidos no mapa geomorfológico. MATERIAL E MÉTODOS: Para a realização deste trabalho seguiu-se os seguintes procedimentos: em primeiro momento, foi feita um levantamento bibliográfico e montagem de um banco de dados. Tal banco de dados se constituiu a partir do levantamento das diversas informações necessárias e disponíveis da área de estudo para a realização do mapeamento geomorfológico. Destacam-se: a base geológica, disponibilizada pelo Serviço Geológico do 383

2 Brasil CPRM; as imagens da SRTM, disponibilizadas pela Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias EMBRAPA; bem como a base cartográfica (limite da bacia, rede de drenagem, etc.), retirada do Atlas Digital da Secretaria de Recursos Hídricos de Também foram realizados trabalhos de campo na área de estudo a fim de realizar o reconhecimento da paisagem morfológica. Os softwares empregados para fins de geoprocessamento e análise espacial foram: o ArcGIS 10, o ENVI 4.3, o SPRING 5.2.3, Global Mapper, ENVI 4.3 e Erdas Imagine. Como base para o levantamento das informações geomorfológicas da área de estudo foram utilizados os pressupostos teóricos de Ross (1992) e por Nunes (2009), que leva em consideração a classificação taxonômica do relevo, aplicável em diversas escalas de abordagem. RESULTADOS E DISCUSSÃO: A partir dos materiais e métodos descritos anteriormente, foi possível obter subsídios para a compartimentação geomorfológica da região e a geração do mapa geomorfológico (Figura 1). Figura1: Mapa Geomorfológico do Alto Sertão Sergipano. O primeiro táxon corresponde as Unidades Morfoestruturais, representado por duas divisões (Figura 2), sendo a primeira, Faixa de Dobramento Sergipana que compreende parte considerável da região estudada, caracterizada por terrenos mais antigos de idade Neoproterozóica e a segunda, Bacia do Tucano com sedimentos depositados desde o Paleozóico ao Cenozóico. Essa classificação foi elaborada a partir da interpretação dos limites morfoestruturais e a análise dos dados litológicos. 384

3 Figura 2 - Unidades Morfoestruturais. O segundo táxon refere-se às Unidades Morfoesculturais o qual foi possível identificar três unidades morfoesculturais. A primeira delas corresponde ao Canyon do Rio São Francisco (Dc) caracterizado pelo vale profundo com vertentes íngremes e desnível elevado e encontra-se esculpido na Faixa de Dobramento Sergipana e nos sedimentos da Bacia do Tucano. A segunda morfoescultura é o Pediplano Retocado (Pr) (Figura 3) que segundo Nunes (2009) é uma superfície de aplanamento elaborada durante fases sucessivas de retomada de erosão sem, no entanto, perder suas características de aplanamento, cujos processos geram sistemas de planos inclinados e às vezes levemente côncavos. Nessa região encontram-se vários afloramentos do tipo lagedo e matacões e a terra desta região é utilizada principalmente para pastagens e, secundariamente, para agricultura familiar. A terceira morfoescultura são as Serras Residuais constituídas por inselbergues controlados pela estrutura geológica, tendo a Serra Negra como o principal representante na área de estudo. Esse maciço residual apresenta topo aplainado (T), representando o ponto mais alto de Sergipe, localizada no município de Poço Redondo em fronteira com o estado da Bahia. Figura 3 - Pediplano Retocado: em (a) com presença de matacões e Serra Residual, em segundo plano e (b) levemente ondulado a plano. 385

4 O terceiro táxon está relacionado com as unidades morfológicas ou padrões de formas semelhantes contidos nas unidades morfoesculturais. Na região pesquisada foram identificadas sete unidades, sendo, a seguir, destacadas na Tabela 1. Os processos dominantes destas unidades são os modelados de dissecação que segundo Nunes (2009) ocorrem de forma mais generalizada na paisagem brasileira e são caracterizados como dissecados homogêneos, dissecados estruturais e dissecados em ravinas. Na região desse estudo ocorrem os dois primeiros tipos de dissecados. Como observado na Tabela 1 o Pediplano Retocado apresenta paisagem com padrão em colinas e relevo rampeado, serras com topos aguçados e convexos, padrão levemente ondulado a plano e morrotes visualizados na Figura 4. Tabela 1: Unidades Morfológicas. 2 Táxon 3 Táxon Canyon do Rio São Canyon Francisco Pediplano Sertanejo Padrão em colinas/ Relevo rampeado Serras com topos aguçados e convexos Padrão levemente ondulado a plano Morrotes Serras Residuais Forma de topo tabular Forma de topo convexo Figura 4: Pediplano retocado (a) com presença de inselberg com forma de topo aguçado e (b) com serras forma de topos convexos, em segundo plano. Para as inter-relações entre a geomorfologia e geologia da área estudada foi utilizado o Mapa Geológico do Estado de Sergipe da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM, 1997), na escala de 1: Embora a escala do mapa seja menor à adotada no trabalho, possibilita uma visão geral das possíveis inter-relações. A tabela 2 resume essas inter-relações. Tabela 2: Correlação da Geologia com o Mapeamento Geomorfológico. 386

5 Através dos lineamentos e direções de topos gerados dos tratamentos realizados na imagem de satélite SRTM foi possível coletar um total de 840 lineamentos e 215 direções de topo (Figuras 5). Analisando os diagramas de roseta, verifica-se nos dois diagramas há uma predominância na direção preferencial NW-SE, sendo que os azimutes médios dos lineamentos são 134 e 314 e das direções do topo são 126 e 306. Esta direção NW-SE reflete uma relação estrutural (Zona de Cisalhamento Macururé) que resulta nos alinhamentos das serras e de canais de drenagem. Possui o mesmo trend da cunha metavulcanossedimentar que constitui a Faixa de Dobramentos Sergipana. Figura 5: Mapa de lineamentos e direções de topo da região de estudo com os diagramas de roseta. CONCLUSÕES: As técnicas de geoprocessamento foram essenciais para o estudo geomorfológico do Alto Sertão Sergipano e auxiliaram na geração dos mapas e interpretação do relevo. As funções de manipulação e análise presentes nos programas de SIG mostraram-se eficientes para o tratamento, cruzamento, classificação e apresentação final dos mapas temáticos. Entretanto, se faz importante salientar que o uso de geotecnologias, por si só, não eliminam sequências de estruturação de uma pesquisa geomorfológica, que abrange: levantamento bibliográfico, visitas a campo, laboratório, entre outras. REFERÊNCIAS: CASSETI, V. Geomorfologia. Disponível em: <http://www.funape.org.br/geomorfologia/>. Acesso em: 16 jan MOREIRA, M. A. Fundamentos do Sensoriamento Remoto e Metodologias de Aplicação. 3 ed. Minas Gerais: UFV, p. NUNES, E. P. Manual Técnico de Geomorfologia. IBGE, Rio de Janeiro, p. ROSS, J. L. S. O Registro Cartográfico dos Fatos Geomórficos e a Questão da Taxonomia do Relevo. Revista do Departamento de Geografia, FFLCH-USP, São Paulo, n. 6, p , SANTOS, R. A et al. CPRM (Org.). Geologia e recursos minerais do estado de Sergipe. Brasília: CPRM/DIEDIG/DEPAT; CODISE, p. 387

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LAGO VERDE, MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TO.

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LAGO VERDE, MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TO. COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LAGO VERDE, MUNICÍPIO DE LAGOA DA CONFUSÃO, TO. Daniel Araújo Ramos dos Santos¹, Fernando de Morais² ¹Aluno do curso de Geografia; Campus de

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Morato de Carvalho, Thiago Latrubesse, Edgardo; Carvalho, Thiago. Geomorfologia do Estado

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL GEOMORFOLOGIA E FOTOGEOLOGIA FORMAS DE RELEVO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL GEOMORFOLOGIA E FOTOGEOLOGIA FORMAS DE RELEVO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL GEOMORFOLOGIA E FOTOGEOLOGIA FORMAS DE RELEVO morfoestruturas Prof.: André Negrão Classificação das formas

Leia mais

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/25.000 Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador - Pesquisador 3 Curso de Geografia,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. João Osvaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br), Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br) Universidade Estadual Paulista

Leia mais

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ Silva, J.M.F. (UNICENTRO) ; Santos, L.J.C. (UFPR) RESUMO O presente artigo enfatiza o uso do sensoriamento

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE DADOS GEOPROCESSADOS PARA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA FOLHA MUCUGÊ BA

INTEGRAÇÃO DE DADOS GEOPROCESSADOS PARA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA FOLHA MUCUGÊ BA INTEGRAÇÃO DE DADOS GEOPROCESSADOS PARA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA FOLHA MUCUGÊ BA Ana Isabel Leite Oliveira 1 Washington da Franca-Rocha 2 Raquel Cardoso do Vale 3 Universidade Estadual de Feira de

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG)

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG) 209 COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG) Emmanuelle Rodrigues de Nazareth 1 ; Marta Felícia Marujo Ferreira. 2 (1) Geógrafa, Universidade

Leia mais

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE

EAD SR-II Geomorfologia. Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre. Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE EAD SR-II - 2013 Geomorfologia Ciência que estuda o Relevo da Superfície Terrestre Teresa G. Florenzano DSR/OBT/INPE Relevo da Superfície Terrestre Caracteriza-se - elevações e depressões de diferentes

Leia mais

Análise da região Serra Miaba com suporte de geotecnologias Jose Batista Siqueira 1 Jose Antonio Pacheco Almeida 1 Sanmy Silveira Lima 1

Análise da região Serra Miaba com suporte de geotecnologias Jose Batista Siqueira 1 Jose Antonio Pacheco Almeida 1 Sanmy Silveira Lima 1 Análise da região Serra Miaba com suporte de geotecnologias Jose Batista Siqueira Jose Antonio Pacheco Almeida Sanmy Silveira Lima Universidade Federal de Sergipe UFS Av. Marechal Rondon s/n - 4900 000

Leia mais

APLICAÇÃO DE IMAGENS SOMBREADAS PARA O MAPEAMENTO DE ESTRUTURAS LINEARES NA SERRA DA MIABA, SERGIPE. Gabriela Menezes Almeida 1, Sanmy Silveira Lima 2

APLICAÇÃO DE IMAGENS SOMBREADAS PARA O MAPEAMENTO DE ESTRUTURAS LINEARES NA SERRA DA MIABA, SERGIPE. Gabriela Menezes Almeida 1, Sanmy Silveira Lima 2 APLICAÇÃO DE IMAGENS SOMBREADAS PARA O MAPEAMENTO DE ESTRUTURAS LINEARES NA SERRA DA MIABA, SERGIPE Gabriela Menezes Almeida 1, Sanmy Silveira Lima 2 1 Geóloga WORKTIME/PETROBRAS, Mestranda do PGAB/UFS,

Leia mais

~J',164x" Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA

~J',164x Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA .-...--~'" ) ~J',164x" Marcelo Guimarães Cartografia Ambiental da Região de Vitória da Conquista - BA Dissertação apresentada ao Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, para a obtenção de

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO ZONAL

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO ZONAL MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO ZONAL META Demonstrar a extensão e a distribuição dos fenômenos geográficos qualitativos a partir da manifestação

Leia mais

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA.

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. Ivonice Sena de Souza 1, Ana Paula Sena de Souza 2, Danilo da Silva Carneiro 3, Jumara Souza Alves 4, Marcos Roberto Souza Santos 5, Deorgia

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO FÍSICO E MONITORAMENTO DO USO DA TERRA EM 1985 E 2005 DO MUNICÍPIO DE ARAXÁ - MG 1

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO FÍSICO E MONITORAMENTO DO USO DA TERRA EM 1985 E 2005 DO MUNICÍPIO DE ARAXÁ - MG 1 CAMINHOS DE GEOGRAFIA - revista on line http://www.ig.ufu.br/revista/caminhos.html ISSN 1678-6343 Instituto de Geografia ufu Programa de Pós-graduação em Geografia CARACTERIZAÇÃO DO MEIO FÍSICO E MONITORAMENTO

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

Relação entre o Relevo e o Uso da Terra do Município de Quixadá Ceará. Relation between Landform and Land Use of Quixadá Municipality Ceará State

Relação entre o Relevo e o Uso da Terra do Município de Quixadá Ceará. Relation between Landform and Land Use of Quixadá Municipality Ceará State Relação entre o Relevo e o Uso da Terra do Município de Quixadá Ceará Relation between Landform and Land Use of Quixadá Municipality Ceará State Roberto Jarllys Reis Lima i Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 CARTOGRAFIA DIGITAL COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA SUB-BACIA DO RIO COTINGUIBA(SE) LIMA, A. S. 1 ; SANTANA, L. B. 2 ; FONTES, A. L. 3 ; ALMEIDA, J. A. P. 4 RESUMO: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E NEOTECTÔNICA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TAPEROÁ, PARAÍBA, BRASIL

GEOMORFOLOGIA E NEOTECTÔNICA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TAPEROÁ, PARAÍBA, BRASIL GEOMORFOLOGIA E NEOTECTÔNICA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TAPEROÁ, PARAÍBA, BRASIL Saulo Roberto de Oliveira Vital 1 ; Gilvonete Maria Araújo de Freitas 2, Jean Carlos Ferreira de Lima 2, Marquilene da

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA LICENC. (Currículo iniciado em 2014)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA LICENC. (Currículo iniciado em 2014) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA LICENC. (Currículo iniciado em 2014) BIOGEOGRAFIA 136 H/A 2902 Fundamentos da Biogeografia. Meio Abiótico e Biótico. Regiões Biogeográficas

Leia mais

Banco de dados georreferenciado da bacia hidrográfica do rio Brígida no sertão pernambucano. Sara Fernandes de Souza¹. Roberto da Boa Viagem Parahyba¹

Banco de dados georreferenciado da bacia hidrográfica do rio Brígida no sertão pernambucano. Sara Fernandes de Souza¹. Roberto da Boa Viagem Parahyba¹ Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.4805 Banco de dados georreferenciado da bacia hidrográfica do rio Brígida no

Leia mais

VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG

VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE-7511-TDI/724 VARIÁVEIS GEOMORFOLÓGICAS NO ESTUDO DE DESLIZAMENTOS EM CARAGUATATUBA-SP UTILIZANDO IMAGENS TM-LANDSAT E SIG

Leia mais

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres.

Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Caracterização dos processos evolutivos e da dinâmica erosiva em Rondon do Pará, com ênfase na prevenção de desastres. Pré - projeto de pesquisa apresentada ao curso de Pós- Graduação em Gestão de Risco

Leia mais

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil.

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-16 GEOMORFOLOGIA DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP, BRASIL. RESUMO Melina Fushimi 1 João Osvaldo

Leia mais

USO DE IMAGEM SRTM (SHUTTLE RADAR TOPOGRAPHY MISSION) PARA O MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NA MICROBACIA DO AÇUDE TAPEROÁ II, PARAÍBA, BRASIL

USO DE IMAGEM SRTM (SHUTTLE RADAR TOPOGRAPHY MISSION) PARA O MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NA MICROBACIA DO AÇUDE TAPEROÁ II, PARAÍBA, BRASIL p. 001-005 USO DE IMAGEM SRTM (SHUTTLE RADAR TOPOGRAPHY MISSION) PARA O MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NA MICROBACIA DO AÇUDE TAPEROÁ II, PARAÍBA, BRASIL SAULO ROBERTO DE OLIVEIRA VITAL THYAGO DE ALMEIDA SILVEIRA

Leia mais

Evolução da Paisagem Geomorfológica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul: o papel do pulso erosivo do Atlântico. Marcelo Motta MorfoTektos

Evolução da Paisagem Geomorfológica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul: o papel do pulso erosivo do Atlântico. Marcelo Motta MorfoTektos Evolução da Paisagem Geomorfológica no Médio Vale do Rio Paraíba do Sul: o papel do pulso erosivo do Atlântico Marcelo Motta MorfoTektos Seminário PosGeo UERJ outubro 2015 Almeida, 1978 N 68 36 0 A 8

Leia mais

Conceito de Relevo. Internas ou endógenas: constroem o relevo. Externas ou exógenas: desgastam, modificam e modelam o relevo.

Conceito de Relevo. Internas ou endógenas: constroem o relevo. Externas ou exógenas: desgastam, modificam e modelam o relevo. Conceito de Relevo Relevo pode ser definido o conjunto das desnivelações que ocorrem sobre a superfície terrestre e que formam o modelado do planeta. Os desnivelamentos da crosta terrestre resultam da

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO PONTUAL

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO PONTUAL MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO PONTUAL META Demonstrar a localização e a extensão dos fenômenos geográficos qualitativos a partir da manifestação

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

Decifrar as formas. Nesta aula, vamos acompanhar o trabalho

Decifrar as formas. Nesta aula, vamos acompanhar o trabalho A UU L AL A Decifrar as formas Nesta aula, vamos acompanhar o trabalho do geógrafo na interpretação das formas que as diferentes paisagens assumem. Vamos perceber que a crosta terrestre, ou litosfera,

Leia mais

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS NOTA EXPLICATIVA Vale do Cuiabá Petrópolis/RJ Jan 2011 Outubro de

Leia mais

Manual Técnico de Pedologia

Manual Técnico de Pedologia Manual Técnico de Pedologia 3 a Edição - 2015 Equipe de Pedologia - Fundação IBGE Gerencia de Levantamento de Recursos Naturais Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais Diretoria de Geociências

Leia mais

O uso de ferramentas de geoprocessamento para a elaboração de mapeamento geomorfológico

O uso de ferramentas de geoprocessamento para a elaboração de mapeamento geomorfológico O uso de ferramentas de geoprocessamento para a elaboração de mapeamento geomorfológico Frota, K.C.P. (UERJ-FFP) ; Silva, D.S.V.M. (UERJ-FFP) ; Seabra, V.S. (UERJ-FFP) RESUMO Os estudos do relevo da superfície

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JUÍNA-MT

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JUÍNA-MT COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JUÍNA-MT FERREIRA, Viviane Cristina; LEMES, Denise Peralta 3 1 Estudo realizado para o desenvolvimento do Trabalho Final de Graduação em Geografia- AJES.

Leia mais

Geotecnologias como suporte na identificação da forma de relevo Chapada, no estado do Rio Grande do Norte - Brasil.

Geotecnologias como suporte na identificação da forma de relevo Chapada, no estado do Rio Grande do Norte - Brasil. Volume 2, Número Especial 2016 http://www.periodicos.ufrn.br/revistadoregne Geotecnologias como suporte na identificação da forma de relevo Chapada, no estado do Rio Grande do Norte - Brasil. Geotechnology

Leia mais

Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS

Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS Ernesto Luiz Alves SUSCEPTIBILIDADE E RISCO A MOVIMENTO DE MASSA E INUNDAÇÕES NA ZONA URBANA DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL-RS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UFRGS, Ernesto Luiz Alves Orientadora: Profª. Drª.

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA DE CIÊNCIAS HUMANAS - GEOGRAFIA

LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA DE CIÊNCIAS HUMANAS - GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA DE CIÊNCIAS HUMANAS - GEOGRAFIA Professor: GUILHERME Data: / /2016 Aluno (a): 3º ANO 1) O cálculo de fuso horário hoje é muito comum em uma sociedade globalizada. Explique

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA ERN.702 TÓPICOS EM ECOLOGIA 75: GEOTECNOLOGIAS APLICADAS À CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Carga Horária: 90 horas Créditos: 06 (2T, 2P) Professor(a) Responsável: Prof. Dr. José Eduardo

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 07 ESTRUTURA GEOLÓGICA BRASILEIRA

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 07 ESTRUTURA GEOLÓGICA BRASILEIRA GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 07 ESTRUTURA GEOLÓGICA BRASILEIRA Como pode cair no enem? A partir dos dados apresentados, assinale a alternativa correta. a) A maior quantidade de minerais concentra-se em áreas

Leia mais

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP). 89 Interpretação e classificação de imagens de satélite na extração de informações sobre o uso da terra e cobertura vegetal na bacia hidrográfica do rio Teles Pires/MT-PA Jéssica da Silva Rodrigues Cecim

Leia mais

Refinamento das Unidades Geomorfológicas do Estado do Espírito Santo com Emprego de Novas Tecnologias

Refinamento das Unidades Geomorfológicas do Estado do Espírito Santo com Emprego de Novas Tecnologias Refinamento das Unidades Geomorfológicas do Estado do Espírito Santo com Emprego de Novas Tecnologias André Luiz Nascentes Coelho 1 Fernando Jakes Teubner Junior 2 Rodrigo Bettim Bergamaschi 3 Antonio

Leia mais

A CARTOGRAFIA DO RELEVO COMPARADA: APLICAÇÕES NA BACIA DO RIBEIRÃO ESPIRITO SANTO (JUIZ DE FORA, MG)

A CARTOGRAFIA DO RELEVO COMPARADA: APLICAÇÕES NA BACIA DO RIBEIRÃO ESPIRITO SANTO (JUIZ DE FORA, MG) 7 A CARTOGRAFIA DO RELEVO COMPARADA: APLICAÇÕES NA BACIA DO RIBEIRÃO ESPIRITO SANTO (JUIZ DE FORA, MG) EDUARDO,Carolina Campos ¹ MARQUES NETO, Roberto ² ¹carolcampos13@gmail.com Mestranda no Programa de

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE AVALIAÇÃO EMPÍRICA DE PARÂMETROS AMBIENTAIS APLICADOS AO MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS, SERGIPE Débora Barbosa da Silva 1 ; Neise Mare de Souza Alves 1 ; Aracy Losano Fontes 1 deborabarbs@ig.com.br Universidade

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JUÍNA-MT

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JUÍNA-MT Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-16 COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JUÍNA-MT RESUMO 1 2 O presente estudo propõe a classificação

Leia mais

ESTRUTURAS E FORMAS DE RELEVO

ESTRUTURAS E FORMAS DE RELEVO O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta. O relevo se origina e se transforma sob a interferência de dois tipos de agentes: os agentes internos e externos. endógenos:

Leia mais

CARTOGRAFIA GERAL. Por que o ser humano já na Pré-História construía estas representações?

CARTOGRAFIA GERAL. Por que o ser humano já na Pré-História construía estas representações? LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro Estagiários: Ricardo Kwiatkowski Silva / Carlos André Batista de Mello CARTOGRAFIA GERAL 1 CARTOGRAFIA: DEFINIÇÕES Por que

Leia mais

ISSN Caderno de Geografia, v.20, n.34, 2010

ISSN Caderno de Geografia, v.20, n.34, 2010 A utilização de SIGs e técnicas de Geoprocessamento a partir de imagens da SRTM para a Compartimentação Geomorfológica da Bacia do Médio-Baixo Curso do Rio Araguari/MG Thallita Isabela Silva 1, Sílvio

Leia mais

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias 168 III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias Rafael

Leia mais

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO CONCEITO DE DEPRESSÃO PERIFÉRICA APLICADO AO SEGUNDO PLANALTO PARANAENSE

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO CONCEITO DE DEPRESSÃO PERIFÉRICA APLICADO AO SEGUNDO PLANALTO PARANAENSE 243 CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO CONCEITO DE DEPRESSÃO PERIFÉRICA APLICADO AO SEGUNDO PLANALTO PARANAENSE Isonel Sandino Meneguzzo 1 RESUMO: O termo Depressão Periférica é comumente citado em atlas, livros

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE PIRENÓPOLIS NO ESTADO DE GOIÁS UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE PIRENÓPOLIS NO ESTADO DE GOIÁS UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE PIRENÓPOLIS NO ESTADO DE GOIÁS UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Irina Alves da Silveira¹, irina.unb@gmail.com; Otávio Augusto de Araújo Pessoa¹, otaviogeunb@gmail.com;

Leia mais

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil

Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Universidade Metodista de Angola Faculdade de Engenharia Departamento de Construção Civil Curso de Construção Civil Disciplina: Geologia em Engenharia Ano: 4to Professor: Dr. Silva Pereira Ginga (PhD)

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Interpretação de imagens e confecção de mapas

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Interpretação de imagens e confecção de mapas Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Interpretação de imagens e confecção de mapas Prof. Dr. Ailton Luchiari Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Interpretação de imagens e confecção de mapas Etapas

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA REGIÃO DE CUIABÁ CASTRO-JÚNIOR, P. R. 1 SALOMÃO, F. X. T. 2 BORDEST, S. M. L. 3

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA REGIÃO DE CUIABÁ CASTRO-JÚNIOR, P. R. 1 SALOMÃO, F. X. T. 2 BORDEST, S. M. L. 3 MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA REGIÃO DE CUIABÁ CASTRO-JÚNIOR, P. R. 1 1 Universidade Federal de Mato Grosso, Avenida Fernando Corrêa, s/nº Coxipó Cuiabá-MT 78060-900. Fone 65 3615 8751. prudencio@ufmt.com.br

Leia mais

Grade curricular do curso de graduação em Geologia da Universidade Federal do Espírito Santo

Grade curricular do curso de graduação em Geologia da Universidade Federal do Espírito Santo 1 ENG 05501 Álgebra Linear e Geometria Analítica - Obr 30-30-0 3 60 1 ENG 05504 Cálculo I - Obr 30-30-0 3 60 1 ZOO 05228 Química Básica - Obr 15-0-30 2 45 1 DPV 05631 Ecologia Básica - Obr 60-0-0 4 60

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, novembro 2014 O USO DE GEOPROCESSAMENTO NA ESPACIALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GEOAMBIENTAL DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS DO CICLO DA CANA-DE-AÇÚCAR, MUNICÍPIO DE LARANJEIRAS/SERGIPE Jacqueline Barreto Leite¹; José Antônio Pacheco

Leia mais

MAPEAMENTO MORFOMÉTRICO DA BACIA DO RIO CASCAVEL EM GUARAPUAVA (PR)

MAPEAMENTO MORFOMÉTRICO DA BACIA DO RIO CASCAVEL EM GUARAPUAVA (PR) MAPEAMENTO MORFOMÉTRICO DA BACIA DO RIO CASCAVEL EM GUARAPUAVA (PR) Flores, D.M. Eixo: Metodologias e Experiências em Pesquisa Resumo O mapeamento geomorfológico ou a cartografia geomorfológica tem tido

Leia mais

Geração de Modelo Digital de Elevação utilizando dados do SRTM como subsídio ao planejamento e gestão territorial do município de Lucena/PB

Geração de Modelo Digital de Elevação utilizando dados do SRTM como subsídio ao planejamento e gestão territorial do município de Lucena/PB Geração de Modelo Digital de Elevação utilizando dados do SRTM como subsídio ao planejamento e gestão territorial do município de Lucena/PB Generation of Digital Elevation Model using SRTM data as grant

Leia mais

RESUMO. Rafael Carvalho Santos

RESUMO. Rafael Carvalho Santos Riscos e vulnerabilidades Na compartimentação geomorfológica da sub-bacia do rio gaviãozinho, bahia, brasil Rafael Carvalho Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, Brasil rafac.16@gmail.com

Leia mais

Mapeamento Geomorfológico da Parte Superior da Bacia do Córrego Piedade, Noroeste Paulista, como Subsídio para Zoneamento (Geo)Ambiental

Mapeamento Geomorfológico da Parte Superior da Bacia do Córrego Piedade, Noroeste Paulista, como Subsídio para Zoneamento (Geo)Ambiental Mapeamento Geomorfológico da Parte Superior da Bacia do Córrego Piedade, Noroeste Paulista, como Subsídio para Zoneamento (Geo)Ambiental Geomorphological mapping of the Upper Part of the Piedade Stream

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA BACIA DO IGARAPÉ BELMONT PORTO VELHO RONDÔNIA GEMORPHOLOGICAL MAPPING BELMONT STREAM BASIN PORTO VELHO RODÔNIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA BACIA DO IGARAPÉ BELMONT PORTO VELHO RONDÔNIA GEMORPHOLOGICAL MAPPING BELMONT STREAM BASIN PORTO VELHO RODÔNIA Revista Brasileira de Geomorfologia www.ugb.org.br ISSN 2236-5664 v. 13, nº 3 (2012) MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA BACIA DO IGARAPÉ BELMONT PORTO VELHO RONDÔNIA GEMORPHOLOGICAL MAPPING BELMONT STREAM BASIN

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA ABRANGIDA PELA CARTA TOPOGRÁFICA DE SANTA MARIA RS COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA ABRANGIDA PELA CARTA TOPOGRÁFICA DE SANTA MARIA RS COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL Revista Brasileira de Geomorfologia - v. 11, nº 2 (2010) www.ugb.org.br MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA ABRANGIDA PELA CARTA TOPOGRÁFICA DE SANTA MARIA RS COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL Marilene

Leia mais

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 Formas de relevo Escarpa: encosta de planalto intensamente dissecada (erodida) Serra: Morros

Leia mais

Mapeamento Cartográfico do município de Riachuelo estado de Sergipe

Mapeamento Cartográfico do município de Riachuelo estado de Sergipe http://dx.doi.org/10.5902/223611708878 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Eletronica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental - REGET e-issn 2236 1170 - v. 13

Leia mais

Mapeamento geomorfológico preliminar da Folha Seabra (SD24-V-A-I), Bahia, com o uso de imagem SRTM.

Mapeamento geomorfológico preliminar da Folha Seabra (SD24-V-A-I), Bahia, com o uso de imagem SRTM. Mapeamento geomorfológico preliminar da Folha Seabra (SD24-V-A-I), Bahia, com o uso de imagem SRTM. Henrique César Pereira Assumpção (IC) Gisele Mara Hadlich 1 Universidade Federal da Bahia IGEO/UFBA,

Leia mais

O USO DE MODELOS DIGITAIS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOMORFOLOGIA DE LOCALIDADE NEVES. R. J. 1 NEVES, S. M. A. S. 2 FORNELOS, L. F.

O USO DE MODELOS DIGITAIS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOMORFOLOGIA DE LOCALIDADE NEVES. R. J. 1 NEVES, S. M. A. S. 2 FORNELOS, L. F. O USO DE MODELOS DIGITAIS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOMORFOLOGIA DE LOCALIDADE NEVES. R. J. 1 1 Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT. Campus Universitário de Cáceres. Depto. de Geografia.

Leia mais

Geografia. Estrutura Geológica do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Estrutura Geológica do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia Estrutura Geológica do Brasil Professor Luciano Teixeira Geografia ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL Formas de Relevo Montanhas Montanhas constituem grandes elevações da superfície, cujas altitudes

Leia mais

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - MONITORAMENTO AMBIENTAL

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - MONITORAMENTO AMBIENTAL ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - MONITORAMENTO AMBIENTAL ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL NO MUNICIPIO DE SÃO MIGUEL DO GUAMÁ, ESTADO DO PARÁ. RAYSSA CHAVES BRAGA, LAIS VIEIRA DE CARVALHO, MERILENE

Leia mais

CAPÍTULO 7 SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AOS ESTUDOS GEOLÓGICOS

CAPÍTULO 7 SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AOS ESTUDOS GEOLÓGICOS INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 7 SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AOS ESTUDOS GEOLÓGICOS Fabio Moreira INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 7 S E N S O R I A M E NT O R E M O T O A P L I C A D O A O S

Leia mais

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria.

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. HABILITAÇÃO: BACHARELADO 1ª Série 6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. 6GEO054 CLIMATOLOGIA Bases teóricas da climatologia:

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS UNIDADES MORFOESTRUTURAIS E MORFOESCULTURAIS DO MUNICÍPIO DE ITUIUTABA MG

IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS UNIDADES MORFOESTRUTURAIS E MORFOESCULTURAIS DO MUNICÍPIO DE ITUIUTABA MG IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS UNIDADES MORFOESTRUTURAIS E MORFOESCULTURAIS DO MUNICÍPIO DE ITUIUTABA MG Tatiane Regina da Silva Graduanda em Geografia Universidade Federal de Uberlândia -UFU Faculdade de

Leia mais

MAPEAMENTO DAS FORMAS E DA DISSECAÇÃO DO RELEVO

MAPEAMENTO DAS FORMAS E DA DISSECAÇÃO DO RELEVO Área: CV ( ) CHSA (x) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA Coordenadoria de Pesquisa CPES Campus Universitário Ministro Petrônio Portela, Bloco 06

Leia mais

FLUXO SUBTERRÂNEO DO SISTEMA AQUÍFERO GUARANI NA REGIÃO DE GRAVATAÍ/RS.

FLUXO SUBTERRÂNEO DO SISTEMA AQUÍFERO GUARANI NA REGIÃO DE GRAVATAÍ/RS. FLUXO SUBTERRÂNEO DO SISTEMA AQUÍFERO GUARANI NA REGIÃO DE GRAVATAÍ/RS. Da Silva, R.C.¹; Coelho, O.G.W.¹ RAFAELA CHRIST DA SILVA OSMAR GUSTAVO WÖHL COELHO ¹ Unisinos Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR META Demonstrar a localização e a extensão dos fenômenos geográficos que se diferenciam pela sua natureza

Leia mais

O MEIO FÍSICO E O USO DA TERRA NO MUNICÍPIO DE ARAXÁ - MG

O MEIO FÍSICO E O USO DA TERRA NO MUNICÍPIO DE ARAXÁ - MG Revista Brasileira de Geomorfologia - v. 10, nº 1 (2009) www.ugb.org.br O MEIO FÍSICO E O USO DA TERRA NO MUNICÍPIO DE ARAXÁ - MG Maria Beatriz Brandão Rocha Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas

Leia mais

AVALIAÇÃO GEOMORFOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO SOROCABUÇU, IBIÚNA, SP

AVALIAÇÃO GEOMORFOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO SOROCABUÇU, IBIÚNA, SP AVALIAÇÃO GEOMORFOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO SOROCABUÇU, IBIÚNA, SP Luiz Augusto Manfré 1 ; Alexandre Marco da Silva 1 ; Rodrigo Custódio Urban 1 1 UNESP Campus

Leia mais

3 Sistema de Informação geográfica

3 Sistema de Informação geográfica 3 Sistema de Informação geográfica 3.1 Introdução Também conhecidas como "geoprocessamento", as geotecnologias são o conjunto de técnicas computacionais para coleta, processamento, análise e compartilhamento

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Prof.º Elves Alves

CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Prof.º Elves Alves CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br ERAS GEOLÓGICAS ERAS GEOLÓGICAS Cenozoica (Terciário e Quaternário): Dobramentos modernos: Alpes, Andes, Himalaia,

Leia mais

MAPEAMENTO MORFOESTRUTURAL E MORFOESCULTURAL NA REGIÃO DE CERRADO NO NORTE DE MINAS GERAIS

MAPEAMENTO MORFOESTRUTURAL E MORFOESCULTURAL NA REGIÃO DE CERRADO NO NORTE DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO MORFOESTRUTURAL E MORFOESCULTURAL NA REGIÃO DE CERRADO NO NORTE DE MINAS GERAIS Morphostructural and morfoescultural mapping in the cerrado region in the North of Minas Gerais Manoel Reinaldo

Leia mais

MAPEAMENTO DO USO DA TERRA E DA EXPANSÃO URBANA EM ALFENAS, SUL DE MINAS GERAIS

MAPEAMENTO DO USO DA TERRA E DA EXPANSÃO URBANA EM ALFENAS, SUL DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO DO USO DA TERRA E DA EXPANSÃO URBANA EM ALFENAS, SUL DE MINAS GERAIS BRENO FURTADO LIMA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 brenogeo@yahoo.com.br, rubiagm@gmail.com 1 Bolsista de iniciação científica FAPEMIG

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 BAZZAN, T. ¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria, thiagobaz@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. ² ² Universidade

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DA MICRO-BACIA DO CÓRREGO DA PEDRA BRANCA ÁREA URBANA DE ALFENAS (MG)

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DA MICRO-BACIA DO CÓRREGO DA PEDRA BRANCA ÁREA URBANA DE ALFENAS (MG) ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DA MICRO-BACIA DO CÓRREGO DA PEDRA BRANCA ÁREA URBANA DE ALFENAS (MG) Rodolfo Lopes de Souza Oliveira 1, Marta Felícia Marujo Ferreira 2 1 - Acadêmico do curso de Geografia, Universidade

Leia mais

EXTRAÇÃO DE LINEAMENTOS VISANDO A PROSPECÇÃO DE AQUIFEROS FRATURADOS NA FORMAÇÃO SERRA GERAL

EXTRAÇÃO DE LINEAMENTOS VISANDO A PROSPECÇÃO DE AQUIFEROS FRATURADOS NA FORMAÇÃO SERRA GERAL EXTRAÇÃO DE LINEAMENTOS VISANDO A PROSPECÇÃO DE AQUIFEROS FRATURADOS NA FORMAÇÃO SERRA GERAL Pedro Antônio Roehe Reginato 1 & Adelir J. Strieder 2 RESUMO - Neste trabalho é realizada uma comparação entre

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO DOCE: UMA ATUALIZAÇÃO COELHO; A. L. N. 1

COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO DOCE: UMA ATUALIZAÇÃO COELHO; A. L. N. 1 COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO DOCE: UMA ATUALIZAÇÃO COELHO; A. L. N. 1 1 Doutorando pela UFF andré.ufes@bol.com.br RESUMO A Bacia Hidrográfica do Rio Doce localiza-se na Região Sudeste

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO Francisco José Silva Soares Mendes Graduando em Geografia pela Universidade Federal do Ceará- UFC/Fortaleza-CE. mendesfjss@yahoo.com.br.

Leia mais

Mapeamento geomorfológico a partir de dados SRTM: bacia hidrográfica do rio dos Sinos, RS

Mapeamento geomorfológico a partir de dados SRTM: bacia hidrográfica do rio dos Sinos, RS Mapeamento geomorfológico a partir de dados SRTM: bacia hidrográfica do rio dos Sinos, RS Thiago Dias Luerce 1 Guilherme Garcia de Oliveira 2 Laurindo Antonio Guasselli 3 João Paulo Brubacher 4 Anderson

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA CARTOGRAFIA GEOMORFOLÓGICA AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL. Contributions of Geomorphological Cartography for Environmental Planning

CONTRIBUIÇÕES DA CARTOGRAFIA GEOMORFOLÓGICA AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL. Contributions of Geomorphological Cartography for Environmental Planning CONTRIBUIÇÕES DA CARTOGRAFIA GEOMORFOLÓGICA AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL Contributions of Geomorphological Cartography for Environmental Planning Aline Correia da Silva 1 Raquel de Matos Cardoso do Vale 2

Leia mais

9. Domínios de Dissecação

9. Domínios de Dissecação 9. Domínios de Dissecação Os domínios de dissecação correspondem a uma porção espacial na qual os processos erosivos e de dissecação do relevo são controlados por um nível de base dominante. Tem por objetivo

Leia mais

Sistema de informação geográfica na integração do conhecimento científico e tecnológico da cafeicultura em Minas Gerais

Sistema de informação geográfica na integração do conhecimento científico e tecnológico da cafeicultura em Minas Gerais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte 1 Sistema de informação geográfica na integração do conhecimento científico e tecnológico da cafeicultura em Minas Gerais Liliany

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : GEOGRAFIA. Mínimo: 9 Máximo: 12 Ativ. Acadêmicas: 0 Ativ. Complementares: 200 TOTAL: 3155

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : GEOGRAFIA. Mínimo: 9 Máximo: 12 Ativ. Acadêmicas: 0 Ativ. Complementares: 200 TOTAL: 3155 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 21/06/2012-12:54:50 Curso : GEOGRAFIA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA Fábio Campos MACEDO 1 ; Laerte Guimarães FERREIRA 2 ; Nilson Clementino FERREIRA 3 1 Doutorando em Geografia IESA/UFG; Professor

Leia mais

A Cartografia Geomorfológica em Áreas Litorâneas: Uma discussão das possibilidades e dificuldades no cenário brasileiro.

A Cartografia Geomorfológica em Áreas Litorâneas: Uma discussão das possibilidades e dificuldades no cenário brasileiro. A Cartografia Geomorfológica em Áreas Litorâneas: Uma discussão das possibilidades e dificuldades no cenário brasileiro. Cenira Maria Lupinacci da Cunha Professora Doutora Departamento de Planejamento

Leia mais

CAPÍTULO III CARACTERIZAÇÃO DA VITICULTURA POR MEIO DA GEOMORFOLOGIA NA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA IG MONTE BELO

CAPÍTULO III CARACTERIZAÇÃO DA VITICULTURA POR MEIO DA GEOMORFOLOGIA NA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA IG MONTE BELO CAPÍTULO III CARACTERIZAÇÃO DA VITICULTURA POR MEIO DA GEOMORFOLOGIA NA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA IG MONTE BELO Rosemary Hoff, Rafael Munari Torri 1 INTRODUÇÃO O município de Monte Belo do Sul se situa na

Leia mais

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - POSGRAP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA - NPGEO 30 ANOS DE CONTRIBUIÇÃO À GEOGRAFIA São Cristóvão, 29 e 30 de Agosto

Leia mais

Complexo deltaico do rio Paraíba do Sul: caracterização geomorfológica do ambiente e sua dinâmica recente

Complexo deltaico do rio Paraíba do Sul: caracterização geomorfológica do ambiente e sua dinâmica recente Complexo deltaico do rio Paraíba do Sul: caracterização geomorfológica do ambiente e sua dinâmica recente Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Engenharia

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EAM330 Cartografia Geral

Programa Analítico de Disciplina EAM330 Cartografia Geral Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina EAM330 Cartografia Geral Departamento de Engenharia Civil - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: Teóricas Práticas

Leia mais

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC HADLICH, G. M.¹ ¹ Universidade Federal da Bahia, Instituto de Geociências, Depto. Geoquímica

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San.

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.edu.br PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS, pág. 19 a 30 Técnicas destinadas a representar o globo que tem três dimensões em apenas duas (3D em 2D). Consiste num conjunto

Leia mais