BAÍA DE TODOS OS SANTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BAÍA DE TODOS OS SANTOS"

Transcrição

1 BAÍA DE TODOS OS SANTOS 38 0' 38 ' 38 ' B A H I A 16 São Francisco do Conde Ilha Cajaíba 12 ' 12 ' Mataripe Ilha Madre de Deus 1 Ilha da Maré 18 Ilha do Frade Baía do Aratu Rio Paraguaçu 12 0' ' São Roque Plano 18 B A Í A D E T O D O S Peri Peri 14 Canal de Itaparica Itaparica 17 O S S A N T O S São Braz SALVADOR Porto de S. Antonio 12 Ilha de Itaparica 11 Canal de Itaparica 13 ' 13 ' ' 38 ' 38 '

2 118 ROTEIRO COSTA LESTE

3 Carta 11 BAÍA DE TODOS OS SANTOS A baía de Todos os Santos é uma das maiores do Brasil. Tem sua barra localizada entre a ponta de Santo Antônio, a leste, e a ilha de Itaparica, a oeste, com uma largura de M; estende-se por 22M na direção N S e tem uma largura máxima de 18M, na direção E W. A sua margem leste é ocupada pela cidade de Salvador, capital do Estado da Bahia; a margem nordeste é baixa e as margens norte e oeste são montanhosas. No interior da baía há inúmeras ilhas e em suas margens deságuam vários rios, sendo o mais importante o rio Paraguaçu. Na localidade de Lobato, na margem leste da baía, jorrou petróleo pela primeira vez no Brasil, em 21 de janeiro de No interior da baía há hoje inúmeros campos de explotação de petróleo, em especial na parte Norte. Na baía de Todos os Santos estão localizados os portos de Salvador e Aratu; a Base Naval de Aratu, uma das maiores da Marinha do Brasil; e os terminais especializados da Dow Química, da Usina Siderúrgica da Bahia (Usiba), de Madre de Deus, da Fábrica de Cimento Aratu, da Equipetrol, de São Roque, da Imbasa e da Construtora Mendes Junior. RECONHECIMENTO E DEMANDA Carta 10 O navegante procedente do Norte em derrota costeira deve observar uma costa baixa, sem reentrâncias, quase sem vegetação, com extensas praias de dunas e morros pouco elevados no interior. Uma boa marca na aproximação da baía é o farol Garcia d Ávila, na ponta Açu da Torre, seguindo-se o farol Camaçari, as torre e chaminé notáveis de Arembepe, depois o edifício notável e o farol da ponta Itapuã e finalmente o farol Santo Antônio. O navegante vindo do Sul em derrota costeira deve observar uma costa sinuosa, com praias e mon tanhas próximas do litoral, e a parte alta da cidade de Salvador deve aparecer pela proa. Na aproximação da baía as marcas mais notáveis são o morro de São Paulo com seu farol, facilmente identificáveis de grande distância, antes de boiar o farol Santo Antônio. Na aterragem vindo de alto-mar, a localização de Salvador em terras altas permite ecos razoáveis no radar, a partir de distâncias próximas a 3M. À noite, o clarão da cidade também é um auxílio valioso. Com má visibilidade, o radiofarol aeronáutico Salvador (SVD) pode ser um bom auxílio, com as restrições que este radiofarol apresenta para a navegação marítima. Cartas 11 e 11 Na demanda da barra, o farol Santo Antônio e os edifícios e torres de TV notáveis representados nas cartas facilitam a navegação. Nesta demanda, o único perigo é o 1 2 3

4 1 ROTEIRO COSTA LESTE banco de Santo Antônio, que deve ser deixado sempre por boreste, vindo de qualquer direção. O canal ao norte deste banco é sujeito a alterações e fortes correntes, não devendo ser utilizado. Cartas 12 e 11 A demanda do local de embarque e desembarque de prático, em frente ao porto de Salvador, pode ser feita sem dificuldades, apenas com a precaução de entrar na barra navegando em distâncias da ponta de Santo Antônio entre 1M e 2M. Os faroletes dos extremos dos quebra-mares do porto, o forte de São Marcelo e o elevador Lacerda, entre outros, são ótimas marcas para o posicionamento do navio. Carta 12 O acesso à área de manobra do porto de Salvador, situada no interior da bacia formada pelos dois quebra-mares e o cais, pode ser feito por qualquer uma das duas entradas. Em ambos os casos não é permitido o cruzamento de navios nas entradas da bacia, tendo prioridade o que sai. 1 Navios de grande porte devem demandar o porto pela entrada norte, deixando o banco da Panela sempre por boreste. Navios de pequeno porte podem utilizar a entrada sul, deixando o banco da Panela por bombordo ou boreste, desde que sejam adotadas as devidas precauções, conforme o seu calado. Na vazante da maré, a melhor opção para navios de pequeno porte é a entrada sul, evitando assim a guinada dentro da bacia, mas devendo ter atenção à tendência desta maré empurrar o navio para junto do quebra-mar Sul. Cartas 11 e 14 2 A demanda das partes Nordeste e Norte da baía, a partir do local de embarque de prático em frente ao porto de Salvador, não apresenta dificuldades até as entradas dos canais de acesso ao porto de Aratu e ao terminal da Ilha Madre de Deus. A única precaução deve ser deixar as boias luminosas Oeste do Banco da Panela (1480) e Monte Serrat (4) por boreste. Carta 13 A demanda dos portos e terminais localizados no canal Cotegipe e na baía do Aratu é feita inicialmente pelo canal de acesso ao porto de Aratu e depois pelo canal Cotegipe. O canal de acesso ao porto de Aratu começa na posição 12 0,2 S ,4 W e termina na área de manobra em frente aos píeres do porto. Tem 3,M de extensão, largura mínima de 0m e é balizado por boias luminosas de boreste e bombordo, numeradas e com refletor radar. 3 O canal Cotegipe começa na ponta da Areia e termina na ponta Matanga, tem 2,2M de extensão, largura mínima entre a ponta da Laje e a ponta Forte, e é balizado por boias de luz de BE e BB, n os 1 a 7, e por boias de luz especiais, n os 1 a 4, estas delimitando a bacia de evolução dos terminais situados no canal. O tráfego neste canal obedece às normas da página 131. Cartas 1 e 14 O acesso ao terminal da Ilha Madre de Deus (Temadre), denominado Terminal Almirante Alves Câmara, é feito por um canal que começa na posição 12 49,2 S ,0 W e termina na bacia de evolução em frente ao terminal; tem 6M de extensão e menor largura no trecho entre as boias de luz Madre de Deus n os 14/1 e 16/17; é balizado

5 por boias luminosas de boreste e bombordo, numeradas; e sua menor profundidade é de 12m, no trecho dragado em A navegação neste canal deve obedecer às normas de tráfego e permanência das páginas 131 e 132. Carta 11 (Folheto nº 11/06) BAÍA DE TODOS OS SANTOS 121 A demanda de outras áreas da baía de Todos os Santos, por navios cuja praticagem não seja obrigatória, só deve ser feita quando o navegante tiver perfeito conhecimento local. PONTOS CARACTERÍSTICOS Os pontos característicos da costa que auxiliam o reconhecimento e a demanda da barra da baía de Todos os Santos estão descritos nas páginas 88 e 89 (cartas 10 e 11). No interior da baía os seguintes pontos, descritos na mesma seqüência em que são avistados pelo navegante que demanda as suas partes Nordeste, Norte e Oeste, sucessivamente, auxiliam a navegação. Cartas 12 e 11 Ponta de Santo Antônio Ver a página 89. Ponta de Santa Maria 0,3M ao N do farol Santo Antônio, ponta rochosa e escarpada, onde há uma antiga fortaleza. Ao norte dela está situada a igreja Santo Antônio da Barra, com duas torres notáveis. Elevador Lacerda 2,2M a NE da ponta de Santa Maria, uma torre amarelada, ligada à parte alta de Salvador por uma passarela coberta. É um dos pontos mais característicos da cidade, ligando por elevadores suas partes alta e baixa. Farolete Quebra-Mar Sul (1488) (12 8,06 S ,22 W) Uma torre tronco piramidal quadrangular de alvenaria, encarnada, com 6m de altura e luz de lampejo encarnado na altitude de m com alcance de M, situada no extremo do quebra-mar Sul do porto de Salvador. Farolete Sul do Quebra-Mar Norte (1492) 0,2M a ENE do farolete Quebra- Mar Sul, uma torre tronco piramidal quadrangular de alvenaria, verde, com 6m de altura e luz de lampejo verde na altitude de 6m com alcance de M, situada no extremo sul do quebra-mar Norte do porto de Salvador. Farolete Norte do Quebra-Mar Norte (1496) 0,7M a NNE do farolete Sul do Quebra-Mar Norte, uma torre tronco piramidal quadrangular de alvenaria, encarnada, com 6m de altura e luz de lampejo encarnado na altitude de 6m com alcance de M, localizada no extremo norte do quebra-mar Norte do porto de Salvador. Carta 11 Farolete Barra do Pote (1772.3) (13 01,1 S ,66 W) Um tubo metálico sobre base de concreto armado, branco, com m de altura e luz de grupo de 2 lampejos brancos na altitude de 6m com alcance de 6M, localizado na margem sueste da ilha de Itaparica, onde o fundo é irregular. Farolete Barra do Gil (1772.2) (12 9,70 S , W) Um tubo metálico sobre base de concreto armado, branco, com 6m de altura e luz de lampejo branco na altitude de 7m com alcance de 6M, localizado na margem sueste da ilha de Itaparica. Farolete Barra da Penha (146) (12 8,93 S , W) Um tubo metálico sobre base de concreto armado, branco, com 9m de altura e luz particular rápida branca na altitude de 9m com alcance de 3M, localizado na margem leste da ilha de Itaparica. Farolete Mar Grande (1772) (12 7,71S ,04W) Uma torre quadrangular de alvenaria, branca, com 8m de altura e luz de lampejo branco na altitude de 8m com alcance de 9M, localizada na borda dos recifes existentes em frente à localidade de Mar Grande, na ilha de Itaparica. Cartas 12 e 11 Ponta de Monte Serrat (12,7 S ,2 W) Ponta baixa mas proeminente, Corr. 1-06

6 (Folheto nº 11/06) 122 ROTEIRO COSTA LESTE onde está localizado o farol Monte Serrat (0), uma torre troncônica de alvenaria, com faixas horizontais encarnadas e brancas, tendo m de altura e luz de lampejo encarnado na altitude de m com alcance de 11M. Cartas 13 e 14 Chaminé da Usiba (12 49,8 S ,2 W) Chaminé notável da Usina Siderúrgica da Bahia (Usiba), localizada na ponta da Sapoca. Nesta ponta também está situado o terminal da Usiba, com seu píer de atracação. Farolete Usiba (122.2) (12 49,47 S ,93 W) Situado na plataforma de atracação do píer do terminal da Usiba, uma armação metálica, cinza, com luzes isofásicas ocasionais branca e encarnada, na altitude de 3m e alcances de 8M (luz branca) e 6M (luz encarnada). A luz branca tem o setor de visibilidade de 98 (038 a 136 ) e a encarnada de 262 (136 a 038 ). Ponta da Areia (12 47,3 S ,9 W) Na entrada do canal Cotegipe e onde está localizado o farolete Cotegipe (176), uma torre troncônica de alvenaria, encarnada, com 6m de altura e luz de lampejo encarnado na altitude de 1m com alcance de M. Canal Cotegipe Liga a baía de Todos os Santos à baía do Aratu. Ao norte da ponta da Areia e também demarcando a entrada do canal Cotegipe fica a ponta do Marinho, onde está situado o porto de Aratu. No canal Cotegipe localizam-se a Base Naval de Aratu e o terminal marítimo da Dow Química. Na baía do Aratu fica o terminal da Fábrica de Cimento Aratu. Farolete Ponta do Forte (1) 0,8M a E da ponta da Areia, um poste cilíndrico de concreto armado, branco, com 6m de altura e luz de lampejo branco na altitude de 7m com alcance de 8M, loca lizado na margem esquerda do canal Cotegipe. Ponta do Caboto 2,1M ao N da ponta da Areia, ponta baixa onde está situado o farol Caboto (1612), uma torre quadrangular de alvenaria, branca, com 8m de altura e luz de lampejo branco na altitude de 34m com alcance de 14M. Cartas 14 e 17 Ponta Nossa Senhora de Quadalupe (12 48,8S ,W) No extremo sul da ilha do Frade e onde está localizado o farolete Ilha do Frade (1696), uma torre quadrangular de concreto armado, branca, com m de altura e luz de 2 emissões rápidas brancas na altitude de 3m com alcance de M, tendo um setor de visibilidade de 22 (23 a 14 ). Carta 14 Ponta Itamoabo (12 47,7 S ,0 W) No extremo sudoeste da ilha da Maré, baixa, onde fica o farol Itamoabo (1613), uma torre cilíndrica de alvenaria, branca, com m de altura e luz de grupo de 2 lampejos brancos na altitude de 0m com alcance de 1M. Chaminés da Refinaria de Mataripe (12 42, S ,4 W) Duas chaminés situadas na refinaria de Mataripe, normalmente exibindo chamas que constituem excelentes marcas para a navegação à noite. Cartas 1 e 14 Ilha Madre de Deus Ao norte da ilha do Frade e separada desta por um estreito e profundo canal. É baixa e inteiramente ocupada pelas instalações do terminal marítimo Almirante Alves Câmara (Temadre), que está localizado na sua parte sul, na ponta Mirim. Cartas 1, 16 e 17 Farolete Ouréis (1700) (12 43,06 S ,4 W) Uma torre quadrangular de alvenaria, preta com faixas largas horizontais encarnadas, tendo 8m de altura e luz de Corr. 1-06

7 BAÍA DE TODOS OS SANTOS 123 grupo de 2 lampejos brancos na altitude de 8m com alcance de 8M, localizada no extremo norte do recife de Ouréis. Carta 17 Ponta de Itaparica (12 2,8 S ,1 W) Localizada no extremo norte da ilha de Itaparica e tomada pela localidade de Itaparica. A noroeste desta ponta fica a área de testes e medições magnéticas da Marinha do Brasil. A ilha de Itaparica tem um cais acostável, com m de comprimento, sendo ligada a Salvador por linha regular de navegação. Junto ao píer situado na posição 12 3,34 S ,07 W há uma marina, com cais flutuante de 60m, para lanchas de pequeno e médio porte, com fornecimento de água e energia elétrica. Cartas 17 e 16 Farol Saubara (1704) (12 44,41 S , W) Uma torre quadrangular de alvenaria, branca, com 8m de altura e luz de lampejo branco na altitude de 8m com alcance de 11M, localizada na borda leste dos recifes de Saubara. Cartas 17 e 18 Ponta do Alambique (12 0,4 S ,6 W) Na foz do rio Paraguaçu e onde está localizado o farol Paraguaçu (17), uma armação tronco piramidal quadrangular metálica sobre base de alvenaria, branca, com 7m de altura e luz de lampejo branco na altitude de 11m com alcance de 14M. Farolete Pedra do Itaipabo (1716) 1,1M a NNE da ponta do Alambique, um tubo metálico sobre base quadrangular de concreto armado, encarnado, com 4m de altura, marca de tope e luz de lampejo encarnado na altitude de m com alcance de 8M, localizado sobre a pedra do Itaipabo. Carta 18 Rio Paraguaçu O rio mais importante dos que deságuam na baía de Todos os Santos. É navegável por navios de médio porte até 8M a montante de sua foz. Na cidade de São Roque, situada na margem direita, 3,4M a montante da foz, está localizado o terminal de São Roque. Farolete Cabeça de Negro (1728) (12 49,6 S 038 1,3 S W) Um tubo metálico sobre base quadrangular de alvenaria, encarnado, com 6m de altura e luz de lampejo encarnado na altitude de 7m com alcance de M, junto à laje Cabeça de Negro. Cartas 17 e 11 Canal de Itaparica Canal que separa a ilha de Itaparica da costa. Sua entrada norte fica entre a ponta de Itaparica e a ponta do Dourado, no interior da baía. Sua entrada sul fica entre a ponta Cacha-Prego e a ponta Garcia, na costa. O acesso ao canal é normalmente feito pela entrada norte, que é balizada por boias luminosas e faroletes de boreste e bombordo, numerados. A entrada sul é muito obstruída por recifes e arrebentações, não sendo prudente aproximar-se da costa, nesta região, a distância menor que M. A navegação no canal de Itaparica só deve ser feita por navegante que tenha perfeito conhecimento local. PERIGOS Carta 11 Banco de Santo Antônio Extenso banco de coral e areia, com profundidades abaixo de m e cabeços com profundidade mínima de 2,8m. Seus extremos norte e sul 1 2 3

8 124 ROTEIRO COSTA LESTE ficam nas marcações 1 e 172 e distâncias de 0,6M e 4,4M, respectivamente, do farol Santo Antônio e são balizados pelas boias luminosas cardinal norte Santo Antônio Norte (1470) e cardinal sul Santo Antônio Sul (1469). O mar sobre o banco arrebenta com vento do sul. O banco é sujeito a variações e o canal ao norte a fortes correntes. Na margem oeste do banco há um casco soçobrado. Baixo Grande Extenso recife de coral e areia, com profundidades abaixo de m e vários cabeços com profundidade mínima de 2,1m. Seus extremos sul e leste ficam nas marcações 166 e 142 e distâncias de 2,8M e 2,3M, respectivamente, do farolete Mar Grande. Seu extremo norte fica entre a costa e a isóbata de m, com fundo muito irregular e pedregoso. Seu extremo sueste é balizado pela boia luminosa cardinal leste Baixo Grande Sueste (1471). O mar sobre o recife arrebenta com vento fresco. Cartas 12 e 11 1 Banco da Panela Extenso banco de areia, com profundidades entre,6m e m. Seus extremos sul, oeste e norte ficam nas marcações 22, 277 e 007 e distâncias de 0,M, 0,9M e 0,47M, respec tivamente, do farolete Quebra-Mar Sul. É balizado ao sul pela boia luminosa de bombordo Sul do Banco da Panela (1476) e a oeste e ao norte pelas boias luminosas de boreste Oeste do Banco da Panela (1480) e Norte do Banco da Panela (1484). Carta 11 2 Fundos irregulares A leste da ilha de Itaparica, desde a ponta de Manguinhos (12 4,3 S ,1 W) até a barra do Pote (13 01,8 S ,2 W), a faixa de mar entre a costa e a isóbata de m tem fundo muito irregular, de formação coralígena, e normalmente apresenta arrebentações. Os navegantes só devem navegar nesta área com perfeito conhecimento local. Altos-fundos Na área com profundidades acima de m entre o local de embarque e desembar que de prático em frente ao porto de Salvador e a entrada dos canais de acesso ao porto de Aratu e aos terminais localizados na parte Nordeste da baía há vários altos-fundos, com profundidades entre 7m e m. Eles ficam ao norte do paralelo da ponta de Monte Serrat e nas distâncias de 1M a 3,8M desta ponta. O limite sudoeste desses altos-fundos é balizado pela boia luminosa de boreste Monte Serrat (4). Carta 14 Alto-fundo Com profundidades abaixo de m e 2 cabeços nas profundidades de 2,3m e 2,4m, tem seu limite sul na marcação 147 e distância de 1,4M do farolete Madre de Deus nº 1. É balizado pela boia luminosa cardinal sul Madre de Deus (1614). 3 Cartas 13, 14 e 1 Os perigos existentes na parte Nordeste da baía estão fora dos canais de acesso ao porto e terminais localizados nesta área. Esses canais têm profundidades acima de m e suas margens são balizadas por balizamento luminoso. As embarcações cuja praticagem não seja obrigatória só devem navegar fora dos canais balizados da parte Nordeste da baía quando o navegante tiver perfeito conhecimento local. Carta 16 Na parte Norte da baía há um campo de explotação de petróleo, com várias estruturas fixas. A navegação e o fundeio nesta área devem ser evitados.

9 BAÍA DE TODOS OS SANTOS 12 Carta 17 Na demanda do canal de Itaparica e do rio Paraguaçu, ambos localizados na parte Oeste da baía, os perigos existentes na área com profundidades acima de m são os seguintes. Pedras Na entrada do canal de Itaparica, com três cabeços nas profundidades de 1,4m, 1,m e 1,6m. O cabeço de 1,m fica na marcação de 336 e distância de 1,4M da antena notável da ponta de Itaparica. São balizadas pela boia luminosa de boreste Itaparica nº 1 (1748). Coroa do Meriti Com menor profundidade de 1,8m na marcação 046 e distância de 0,86M da antena notável da ponta de Itaparica. 0,3M a NW desta coroa fica o farolete Itaparica nº 2 (172). Coroa das Pedras Com menor profundidade de 1,4m na marcação 347 e distância de 3,0M da antena notável da ponta de Itaparica. É balizada pela boia luminosa de bombordo Coroa das Pedras (1744). Coroa Nova Com menor profundidade de 0,9m na marcação 32 e distância de 4,18M da antena notável da ponta de Itaparica. É balizada pela boia luminosa de bombordo Coroa Nova (17). 1 Carta 18 Nas proximidades do porto de São Roque, no rio Paraguaçu, os perigos existentes na área com profundidades acima de m são os seguintes. Obstruções Em frente ao porto de São Roque e na distância de 0,1M, havendo boias de amarração entre elas. Laje Cabeça de Negro Na profundidade de 4,8m, posição 12 49,6 S 038 1,3 W. É sinalizada pelo farolete Cabeça de Negro (1728). Carta 11 Como regra geral, as áreas com profundidades abaixo de m que margeiam a baía de Todos os Santos e suas ilhas só devem ser navegadas com perfeito conhecimento local. Nestas áreas há muitas coroas, recifes e bancos perigosos à navegação de pequenas embarcações. O canal de Itaparica só deve ser demandado pela entrada norte e a navegação no seu interior só deve ser feita por navegante que tenha perfeito conhecimento local. A entrada sul é muito obstruída por recifes e arrebentações. 2 FUNDEADOUROS Há os seguintes fundeadouros, para os navios que demandam os portos e terminais da baía de Todos os Santos. 3 Carta 12 Navios em geral Ao norte do alinhamento boia Norte do Banco da Panela boia Oeste do Banco da Panela, conhecido como fundeadouro de Monte Serrat, com profundidades próximas de 13m, fundo de lama, desabrigado dos ventos e vagas do sul. A posição do fundeio não deve dificultar o acesso de outros navios ao porto de Salvador, pelo canal norte. De abril a agosto podem ocorrer ventos frescos do

10 126 ROTEIRO COSTA LESTE sul. O mar por vezes é agitado. As correntes de maré têm a direção NE, na enchente, e SSW na vazante, quando são mais intensas. Navios de quarentena Na área delimitada na carta por um círculo com o centro na posição 12,8 S ,6 W e raio de 0,2M, com profundidades de 17m a 67m, fundo de areia, desabrigado dos ventos e vagas do sul. Navios porta-barcaças (LASH) Na área delimitada na carta por um círculo com o centro na posição 12 6, S 038,9 W e raio de 0,3M, com profundidades próximas de 16m, fundo de lama, desabrigado dos ventos e vagas do sul. Navios em operação de carga e descarga de explosivos e combustíveis Na área delimitada na carta por um círculo com o centro na posição 12 7,1 S , W e raio de 0,2M, com profundidades de 16m a 46m, fundo de areia e concha, desabrigado dos ventos e vagas do sul. Embarcações de esporte e recreio Na área entre o quebra-mar Sul do porto de Salvador, o forte de São Marcelo e o cais do Comando do 2º Distrito Naval, excetuada a área de fundeio proibido delimitada na carta, com profundidades abaixo de m, fundo de lama e areia, abrigado dos ventos e vagas. Carta 11 Embarcações de esporte e recreio Em todo o interior da baía, até a distância de 0m da costa, excetuados os canais de acesso aos portos e terminais, os fundeadouros específicos em frente ao porto de Salvador e as áreas de fundeio proibido citadas a seguir. FUNDEIO PROIBIDO O fundeio é proibido: Carta 11 na área do emissário submarino ao sul da ponta do Conselho, delimitada na carta por linha de limite de área restrita; Cartas 11 e 11 numa faixa de 0m para cada lado da linha que representa o trajeto de ferryboats entre os terminais de São Joaquim, em Salvador, e de Bom Despacho, na ilha de Itaparica, constante nas cartas. Carta 12 ao sul do alinhamento boia Sul do Banco da Panela boia Oeste do Banco da Panela, sem a prévia autorização da Capitania dos Portos; em frente ao cais da Capitania dos Portos, na área delimitada na carta por linha de limite de área restrita; em frente à estação de barcas localizada ao norte do cais do porto, na área delimitada na carta por linha de limite de área restrita; Cartas 11, 14 e 13 na área de gasodutos submarinos entre a ponta de Manguinhos e a ponta da Sapoca, delimitada nas cartas por linha de limite de área restrita;

11 BAÍA DE TODOS OS SANTOS 127 Cartas 13 e 14 nos canais de acesso e áreas de manobra dos portos e terminais da parte Nordeste da baía. Em situação de emergência e por pouco tempo, os navios podem fundear ao norte do terminal da Usiba, tendo especial atenção para não fundear na área de gasodutos submarinos; na área de gasodutos submarinos entre as localidades de Quindu (12 46,1 S ,3 W) e Mapele; Carta 1 no canal de acesso e na área de manobra do terminal Almirante Alves Câmara (Temadre). O fundeio no local assinalado na carta, em frente ao terminal, só deve ocorrer em situação de emergência e por pouco tempo; Carta 16 na área de explotação de petróleo delimitada na carta por linha de limite de área restrita; Carta 17 na área de testes e medições magnéticas de navios da Marinha do Brasil a noroeste da ponta de Itaparica, delimitada na carta por linha de limite de área restrita; a menos de 00m das canalizações submarinas; Carta 11 na área de cabos submarinos ao longo do canal de Itaparica, delimitada na carta; em distâncias menores que 00m das estruturas de poços de petróleo existentes em todo o interior da baía; e em distâncias menores que 00m de todas as canalizações submarinas existentes na baía. NAVEGAÇÃO PROIBIDA A navegação é proibida: Carta 12 nos fundeadouros de navios de quarentena, de navios em operação de carga e descarga de explosivos e combustíveis e de navios porta-barcaças, quando neles estiverem fundeados navios nestas situações; Carta 13 na área de manobra da Base Naval de Aratu, excetuadas as embarcações devidamente autorizadas; Carta 17 na área de testes e medições magnéticas de navios da Marinha do Brasil a noroeste da ponta de Itaparica, delimitada na carta por linha de limite de área restrita, inclusive para esportes aquáticos; e Carta 11 em distâncias menores que 00m das estruturas de poços de petróleo existentes em todo o interior da baía

12 128 ROTEIRO COSTA LESTE PESCA PROIBIDA A pesca é proibida: Carta 12 nos canais de acesso e na bacia de evolução formada pelos quebra-mares em frente ao cais do porto de Salvador; nas proximidades da estação de barcas localizada ao norte do cais do porto de Salvador; Cartas 13, 14 e 1 nos canais de acesso aos portos e terminais da parte Nordeste da baía e nas respectivas áreas de manobra; Carta 17 na área de testes e medições magnéticas de navios da Marinha do Brasil a noroeste da ponta de Itaparica, delimitada na carta por linha de limite de área restrita; nas proximidades da estação de barcas localizada na ponta de Itaparica; e a menos de 00m das canalizações submarinas. ÁREAS DE MANOBRA As áreas destinadas às manobras de atracação e desatracação nos principais portos e terminais da baía são as seguintes. Carta 12 No porto de Salvador, a bacia formada pelo cais do porto e quebra-mares Norte e Sul, com profundidades de 8m a 12m. Carta 13 No terminal da Usiba, a área delimitada pelas boias luminosas nº 1 e nº 3 do canal de acesso ao porto de Aratu e a isóbata de m. No porto de Aratu, a área delimitada a oeste pela isóbata de m, a leste pelo dolfim mais ao sul do terminal de Granéis Líquidos (TGL) e ao norte e sul pelos paralelos de 12 46,7 S e 12 47,1 S. As áreas em frente aos berços dos terminais de Granéis Sólidos (TGS) e Granéis Líquidos (TGL) são restritas, não permitindo a manobra de navios. No terminal da Dow Química, a área do canal Cotegipe delimitada pela isóbata de m. A área em frente ao terminal é restrita e deve haver o máximo de cautela nas manobras. Carta 1 No terminal de Madre de Deus (Temadre), a área entre as ilhas Madre de Deus, do Frade, do Bom Jesus e das Vacas delimitada pela isóbata de m. VENTOS Os ventos predominantes são os de SE, nos meses de fevereiro a outubro, e de E, de dezembro a janeiro. Ventos fortes do S costumam soprar nos períodos de lua nova e cheia, podem durar até 3 dias e agitam bastante as águas da baía. Os temporais que às vezes acompanham estes ventos têm o nome de cambueiro.

13 Os ventos fortes do sul dificultam as manobras nos portos e terminais, com menor efeito apenas no porto de Salvador, no trecho entre o armazém nº 1 e o cais de carvão. De abril a agosto a velocidade destes ventos pode chegar a nós. MARÉ E CORRENTE DE MARÉ (Folheto nº 11/06) BAÍA DE TODOS OS SANTOS 129 Carta 11 A maré na baía de Todos os Santos tem característica semidiurna. No porto de Salvador, o nível médio do mar está 1,3m acima do nível de redução da carta; a corrente de enchente dura horas e tem a direção NNE; a corrente de vazante dura 7 horas e tem a direção SSW; nos dois casos, a velocidade média da corrente é de 1, nó, podendo atingir 3 nós na sizígia. No terminal da Usiba, o nível médio do mar fica 1,4m acima do nível de redução da carta e a corrente de maré tem a velocidade máxima de 0, nó, com a direção S, na vazante. No porto de Aratu, o nível médio do mar está 1,4m acima do nível de redução da carta e a corrente de maré chega a 0,8 nó, na vazante. 1 No canal Cotegipe, a corrente de vazante pode atingir 2, nós na sizígia e 1, nó na quadratura. No terminal de Madre de Deus, o nível médio do mar fica 1,m acima do nível de redução da carta e a corrente de vazante pode alcançar a velocidade de 4 nós na sizígia. Em toda a baía, na estação chuvosa os valores da corrente de vazante podem exceder os mencionados acima. Para informações detalhadas sobre as correntes de maré no porto de Salvador e no terminal de Madre de Deus, devem ser consultadas as publicações da DHN Cartas de Correntes de Maré Porto de Salvador (DG -VII) e Cartas de Correntes de Maré Porto de Madre de Deus (DG -III). 2 PRATICAGEM Cartas 11, 12, 13, 14, 1 e 11 A praticagem nos portos de Salvador e de Aratu; nos terminais da Usiba, da Dow Química, de Madre de Deus e de São Roque; e nos demais terminais situados no interior da baía de Todos os Santos é obrigatória para os seguintes navios: estrangeiros de qualquer tipo e arqueação bruta, exceto as embarcações de apoio marítimo de arqueação bruta até contratadas por empresa brasileira que tenha sua sede e administração no país, desde que comandadas por marítimo brasileiro de categoria igual ou superior a 1º Oficial de Náutica, ou de posto compatível com o porte do navio; e 3 brasileiros de qualquer tipo, de arqueação bruta acima de A praticagem é facultativa para as embarcações nacionais e estrangeiras, de qualquer arqueação bruta, que entrem na baía de Todos os Santos em demanda do fundeadouro de Monte Serrat ou que suspendam desse fundeadouro para sair em direção à barra da baía. Corr. 1-06

14 (Folheto nº 11/06) 1 ROTEIRO COSTA LESTE A zona de praticagem obrigatória tem como limites o local de embarque e desembarque de prático em frente ao porto de Salvador, assinalado nas cartas, e o de atracação ou desatracação nos portos de Salvador, de Aratu e de São Roque; nos terminais da Usiba, da Dow Química e de Madre de Deus; e em qualquer outro terminal ou estaleiro localizado no interior da baía. A solicitação de prático deve ser feita com a antecedência mínima de 4 horas. A empresa Salvador Pilots Serviços de Praticagem dos Portos da Baía de Todos os Santos Ltda fica na Avenida da França, 164, salas 02 a 09, Comércio, Salvador; telefone (71) ; fac-símile (71) ; A Praticagem mantém escuta permanente em radiotelefonia VHF, canal 16 para chamada e canais 9 e 14 para operação, telefone (71) TRÁFEGO E PERMANÊNCIA Devem ser observadas as seguintes normas, complementares às do RIPEAM: 1 2 os navios procedentes do exterior são visitados pelo Serviço de Vigilância Sanitária dos Portos, pela Divisão de Polícia Marítima da Polícia Federal e pela Delegacia da Receita Federal. Os que estiverem aguardando atracação ao porto de Salvador ou que vão demandar os demais portos e terminais poderão ser visitados nos fundeadouros; a Livre Prática poderá ser solicitada via rádio ou pelos Agentes de Navegação, ao Serviço de Vigilância Sanitária dos Portos, até 2 horas antes da chegada do navio; as dimensões máximas, a tonelagem de porte bruto máxima, a velocidade máxima e o calado máximo permitidos para trafegar nos canais de acesso e atracar aos portos e terminais da baía de Todos os Santos, informados a seguir, são estabelecidos pela administração do respectivo porto ou terminal, que é a responsável por sua divulgação aos navegantes; a utilização de rebocadores para auxiliar as manobras nos portos e terminais é obrigatória, de acordo com as Normas e Procedimentos da Capitania dos Portos da Bahia ; no porto de Salvador: só podem atracar navios de porte bruto até.000t ; na entrada e saída do porto, desde o local de embarque e desembarque de prático, a velocidade deve ser a menor possível, que permita o governo seguro do navio; não é permitido o cruzamento de navios nas barras formadas pelos quebra-mares; 3 no terminal da Usiba: só podem atracar navios de porte bruto até 6.000t, comprimento até 2m e boca até 32,m; a atracação deve ser preferencialmente por bombordo; no terminal de granéis sólidos do porto de Aratu: no berço Norte do píer I podem atracar navios de porte bruto até 0.000t e comprimento até 0m, sendo recomendada a atracação por boreste; Corr. 1-06

15 (Folheto nº 11/06) BAÍA DE TODOS OS SANTOS 131 no berço Sul do píer I podem atracar navios de porte bruto até 0.000t e comprimento até m, devendo a atracação ser por bombordo; no píer II podem atracar navios de porte bruto até.000t e comprimento até 2m, podendo a atracação ser por qualquer bordo; no terminal de granéis líquidos do porto de Aratu: no berço Norte podem atracar navios de porte bruto até.000t e comprimento até 2m, podendo a atracação ser por qualquer bordo; no berço Sul podem atracar navios de porte bruto até 2.000t e comprimento até 137m, só devendo a atracação ou desatracação ser realizada no período diurno; no terminal de produtos gasosos do porto de Aratu: podem atracar por qualquer bordo navios de porte bruto até.000t e comprimento até 190m; no canal Cotegipe: trafegar sem trim pela proa, para não dificultar o governo do navio nas passagens críticas; manter o equipamento de radiotelefonia em VHF ligado, com escuta permanente no canal 16 e tráfego no canal autorizado; antes de suspender ou desatracar, chamar a Praticagem para verificar se há embarcação trafegando no canal; se houver embarcação trafegando no canal, manter contato com a mesma e aguardar o término de sua manobra; ao montar o farol Ponta da Areia, vindo da baía de Todos os Santos, informar à Praticagem que está entrando no canal Cotegipe, em demanda da baía do Aratu (terminal da Dow Química, píer da Ford e píer do Moinho Dias Branco); ao passar pela bóia luminosa Cotegipe 7, em frente à ponta do Criminoso, vindo da baía do Aratu, informar à Praticagem que está entrando no canal Cotegipe, em demanda da baía de Todos os Santos; quando trafegando no canal, se escutar mensagem de embarcação que esteja se dirigindo para ele alertá-la sobre sua presença no canal e informar sua posição; se ocorrer cruzamento de navios no canal, o de menor porte deve facilitar a manobra do maior; no terminal da Dow Química: a atracação ou desatracação no período diurno só pode ser feita por navios de porte bruto até.000t, comprimento até 180m e boca até 32,m; a atracação ou desatracação no período noturno só pode ser feita por navios de porte bruto até.000t, comprimento até m e boca até 32,m; no canal de acesso ao terminal de Madre de Deus: não deve haver ultrapassagem na altura dos alinhamentos dos pares de bóias Madre de Deus 1 2 e 6, assim como na área compreendida entre as bóias Madre de Deus 11, 13, 14 e 16; o cruzamento na área compreendida entre as bóias Madre de Deus 1, 2, e 6 é desaconselhável. O navio que vai entrar no canal deve aguardar, fora do canal, que o navio que sai ultrapasse o alinhamento do par de bóias Madre de Deus 1 2, para então investir; Corr. 1-06

16 (Folheto nº 11/06) 132 ROTEIRO COSTA LESTE o cruzamento na área compreendida entre as bóias Madre de Deus 11, 13, 14 e 16 é desaconselhável. O navio em demanda do terminal deve dar preferência de passagem ao que sai, devendo aguardar sua passagem, no máximo, na altura da bóia Madre de Deus 11; as manobras na bacia de evolução e no canal junto ao terminal devem ser efetuadas com a devida cautela, a fim de evitar que a água movimentada pela força das máquinas de propulsão não afete a segurança dos navios atracados e recebendo combustível; nos postos P-1 e P-2 do terminal de Madre de Deus: podem atracar navios de porte bruto até 1.000t e de comprimento até 27m no período diurno e 2m no período noturno; a atracação ou desatracação deve ser com maré enchente; no posto P-1, navios de porte bruto até 3.000t podem desatracar com qualquer maré; 1 no posto P-2, navios de porte bruto até 3.000t podem atracar ou desatracar com qualquer maré; se houver navio atracado ao posto P-1, somente navios de comprimento até 180m podem desatracar com maré vazante; no posto P-3 do terminal de Madre de Deus: podem atracar navios de porte bruto até t e de comprimento até 176m no período diurno e 162m no período noturno; a atracação ou desatracação deve ser com maré enchente; o calado máximo recomendado para atracação no período noturno é de 11m (36 pés); no posto P-4 do terminal de Madre de Deus: 2 podem atracar navios de porte bruto até 1.000t e de comprimento até 27m no período diurno e 2m no período noturno; a atracação deve ser no estofo da maré e a desatracação com maré vazante; para atracação na preamar, navios de porte bruto até.000t devem sair de Salvador 2, horas antes da preamar e navios de porte bruto acima de.000t devem sair de Salvador 3 horas antes da preamar; para atracação na baixamar, navios de qualquer porte bruto devem sair de Salvador 2 horas antes da baixamar, observando o calado máximo recomendado; o calado máximo recomendado para atracação no período noturno é de 11m (36 pés); 3 no posto PS-1 do terminal de Madre de Deus: podem atracar navios de porte bruto até.000t e comprimento até 14m; e a atracação pode ser feita com qualquer maré. POLUIÇÃO É proibido despejar nas águas da baía de Todos os Santos e ter no convés do navio com risco de cair na água qualquer tipo de detrito, lixo, óleo ou substância poluente. Devem ser observadas as normas constantes nos itens Preservação ambiental, Carga e descarga de petróleo e seus derivados, produtos químicos a granel e gás Corr. 1-06

17 BAÍA DE TODOS OS SANTOS 133 liquefeito e Mercadorias perigosas, das páginas 27 e 28, para evitar a poluição e preservar o meio ambiente marinho na baía de Todos os Santos. O lixo de bordo deve ser recolhido em recipientes adequados, mantidos tampados. Não é permitido que recipientes de lixo fiquem dependurados pela borda do navio ou acumulados no convés, de onde possam rolar para o mar. É proibido efetuar qualquer tipo de esgoto que não seja de águas servidas, com descarga direta para o mar. A retirada de produtos químicos só pode ser feita por firma credenciada e com a aprovação da Administração do Porto. PORTO DE SALVADOR Carta 12 A área portuária é delimitada pelo cais do porto, quebra-mar Sul e quebra-mar Norte (vistas III-22 e III-23). RECURSOS PORTUÁRIOS Cais comercial onde podem atracar navios de porte bruto até 0.000t, dividido em trechos: trecho I, nos armazéns 1 e 2, com 384m de comprimento, 8m de profundidade, 2 berços e 1 cabeços espaçados de 2m e numerados de 9 a 23, do sul para o norte; trecho II, no armazém 3, com 19m de comprimento 9,2m de profundidade, 1 berço e 7 cabeços espaçados de m e numerados de 1 a 7, do sul para o norte; trecho III, no armazém 4, com m de comprimento, 8,7m de profundidade, 1 berço e 4 cabeços espaçados de m e numerados de 7 a, do sul para o norte; trecho IV, no armazém (do cabeço 37 ao 39), com 60m de comprimento, 9,3m de profundidade e 2 cabeços espaçados de m e numerados 37 e 38, do sul para o norte; e trecho V, do armazém (a partir do cabeço 39) ao armazém 9 e cais de carvão, com 716m de comprimento, m de profundidade com flutuante e 8m sem flutuante e cabeços espaçados de 2m e numerados de 39 a 68, do sul para o norte. Cais de ligação (trecho VI) onde podem atracar navios de porte bruto até.000t, com 2m de comprimento, 12m de profundidade e 7 cabeços espaçados de m e numerados de 2 a 8, de leste para oeste. Cais de contêineres (cais de Águas de Meninos ) onde podem atracar navios de porte bruto até.000t, dividido em 2 trechos: trecho VII (Sul), com 2m de comprimento, 12m de profundidade e 8 cabeços espaçados de m e numerados de 1 a 8, do sul para o norte; e trecho VIII (Norte), com 13m de comprimento, 12m de profundidade e cabeços espaçados de m e numerados de 8 a 12, do sul para o norte. Rampa roll-on/roll-off com 18m de comprimento, 12m de largura, 8,3m de profundidade e 4 cabeços numerados de 1 a 4, de oeste para leste. Armazéns 9 armazéns e 3 alpendres, com superfície total de m², e 1 frigorífico com capacidade para 2.600t de mercadoria frigorificada

18 134 ROTEIRO COSTA LESTE 1 Silos 2 silos para trigo, com capacidade para t (Moinho da Bahia) e.000t (Moinho Salvador). Pátios 1 pátio para carga pesada, com área de 960m²; 1 para granéis sólidos, com 6.m²; 1 para cargas perigosas, com 1.8m²; 1 para cargas diversas, com 1.000m²; e 1 para contêineres, com 9.890m². Equipamentos - Tipo Quantidade Capacidade Guindaste elétrico 22 3,2t (1), t (1), 6,3t(3), 12t (2) e t (1) Guindaste sobre rodas 2 t e 66t Empilhadeira 39 3t (33), 7t (4) e 12t (2) Empilhadeira para contêineres 2 t Ponte rolante 2t Descarregador de cereais 1 t/h Transportador de cereais 3 t/h (1) e 0t/h (2) Elevador de cereais 1 0t/h Sugador móvel de cereais sobre 4 60t/h rodas Balança automática de cereais 1 0t/h de fluxo contínuo Moega 2 0t/h Caçamba 3 2,m³, 3,2m³ e 4m³ Transteiner 2 t Trator sobre rodas 6 42cv (4) e 8cv (2) Balança rodoviária 1 60t Rebocadores 11 rebocadores, com potência de 660 cv a 1.0 cv. Cábreas não há. Telefone pode ser instalado a bordo, mediante solicitação à companhia telefônica. Coleta de lixo é feita por caminhão da Prefeitura de Salvador ou por chata de firma particular. SUPRIMENTOS Aguada ao longo do cais há 3 hidrantes de 2 pol, com vazão de m³/h. Energia elétrica há disponibilidade de energia elétrica em corrente alternada de 2/380/4V, 60 Hz. Combustíveis e lubrificantes o fornecimento pode ser feito por caminhões, chatas e tambores, no cais comercial, pela Petrobras. Gêneros há disponibilidade de todos os tipos de gêneros e em qualquer quantidade, podendo ser adquiridos por meio de firmas especializadas ou diretamente na rede de supermercados. Sobressalentes há facilidade de obtenção de sobressalentes em geral. REPAROS Há diversos estaleiros e oficinas de reparos navais.

19 A Base Naval de Aratu pode executar qualquer tipo de reparo, dispondo de dique seco e sistema de elevação de navio. SOCORRO Navios da Marinha do Brasil especializados em socorro e salvamento estão permanentemente sediados no porto de Salvador. O Comando do 2º Distrito Naval, coordenador das atividades de busca e salvamento da área marítima da costa Leste, também tem sede em Salvador. O telefone do SALVAMAR LESTE é (71) O auxílio no combate a incêndio a bordo é dado pelo Corpo de Bombeiros de Salvador, telefone 193. COMUNICAÇÕES Marítima há linhas regulares de navegação entre Salvador e localidades do interior da baía de Todos os Santos. Há uma linha de ferry boat entre Salvador e a ilha de Itaparica; a estação de Salvador fica em área adjacente ao porto e a da ilha de Itaparica em Bom Despacho, ambas com 2 gavetas. Salvador é porto de escala de navios de cabotagem e longo curso. Ferroviária o porto é ligado ao ramal da Ferrovia Centro Atlântica que sai de Salvador para o interior do estado. Rodoviária Salvador é ligada às demais cidades do estado e regiões do Brasil, por estradas pavimentadas. As distâncias a algumas cidades da Bahia são as seguintes: Feira de Santana Alagoinhas Jequié Itabuna 11km 114km 369km 449km Vitória da Conquista 22km Aérea o aeroporto internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães dista 28km do porto. Há vôos diários para as principais cidades do Brasil, com conexões para linhas internacionais. Há táxis aéreos para cidades do interior. HOSPITAIS Hospital Aliança Avenida Juracy Magalhães Junior, 39; telefone Hospital Professor Jorge Valente Avenida Garibaldi, 213, Rio Vermelho; telefone Hospital Santa Isabel Praça Conselheiro Almeida Couto, 00, Nazaré; telefone Hospital Geral do Estado Avenida Vasco da Gama, snº; telefone AUTORIDADES BAÍA DE TODOS OS SANTOS 13 Comando do 2º Distrito Naval Avenida das Naus, snº, Conceição da Praia; telefones (71) (Salvamar Leste), (71)3-37 (Seção de Operações) e (71) (mesa); fac-símile (71)3-3726;

20 136 ROTEIRO COSTA LESTE Capitania dos Portos da Bahia (Agente da Autoridade Marítima) Avenida das Naus, snº, Conceição da Praia, CEP ; telefone (71) ; fac-símile (71) ; Companhia Docas do Estado da Bahia (Codeba) Administração do Porto de Salvador (Porsal) (Autoridade Portuária) Avenida da França, 11, CEP 0-000; telefones (71) (geral), (71) (administração) e (71) (tráfego); fac-símile (71) ; Delegacia da Receita Federal Avenida Frederico Pontes, 3, Edifício Ministério da Fazenda, sala 0; telefones (71) 3-20/21; fac-símile (71) Serviço de Vigilância Sanitária Avenida da França, snº, 8º andar; telefone (71) ; fac-símile (71) Delegacia de Polícia Marítima da Polícia Federal Avenida Oscar Pontes, 339; telefone (71) /6003/6004; fac-símile (71) Polícia Civil (Radiopatrulha) Telefone 190. FERIADOS MUNICIPAIS Além dos feriados nacionais relacionados no capítulo II, são feriados na cidade de Salvador os seguintes dias comemorativos: 24 de junho São João; 2 de julho Independência da Bahia; e 8 de dezembro Nossa Senhora da Conceição. PORTO DE ARATU Carta 13 O porto é especializado na movimentação de granéis sólidos e líquidos, produtos gasosos e óleos vegetais. A área portuária é delimitada pelo terminal de produtos gasosos, na ponta do Marinho; terminal de granéis sólidos, na ponta João Pessoa; e a ilha da Maré (vistas III- 24 e III-2). RECURSOS PORTUÁRIOS Píer I do terminal de granéis sólidos O berço Norte tem 13,2m de comprimento, profundidade de 12m, 9 cabeços espaçados de 24m e 12 defensas espaçadas de 7m. O berço Sul tem 2,6m de comprimento, profundidade de 12m, 9 cabeços espaçados de 24m, 23 defensas espaçadas de 7m e 2 dolfins espaçados de 286,6m. Píer II do terminal de granéis sólidos Possui somente 1 berço. Tem 2m de comprimento, profundidade de 12m, cabeços espaçados de 16m e 24m e 16 defensas espaçadas de 12m. Píer do terminal de granéis líquidos O berço Norte tem 0m de comprimento, profundidade de 12m, 3 dolfins de atracação, 3 dolfins de amarração, 6 cabeços de escape rápido e um conjunto de defensas em cada dolfim de atracação.

AUXÍLIOS VISUAIS À NAVEGAÇÃO: FARÓIS, FAROLETES, BARCAS- FARÓIS, BÓIAS, BALI- ZAS E SISTEMAS DE BALIZAMENTO

AUXÍLIOS VISUAIS À NAVEGAÇÃO: FARÓIS, FAROLETES, BARCAS- FARÓIS, BÓIAS, BALI- ZAS E SISTEMAS DE BALIZAMENTO 13 AUXÍLIOS VISUAIS À NAVEGAÇÃO: FARÓIS, FAROLETES, BARCAS- FARÓIS, BÓIAS, BALI- ZAS E SISTEMAS DE BALIZAMENTO 13.1 IMPORTÂNCIA DA SINALIZAÇÃO NÁUTICA; CLASSIFICAÇÃO DOS SINAIS DE AUXÍLIO À NAVEGAÇÃO Além

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR DECRETO Nº 1.530, DE 22 DE JUNHO DE 1995 Declara a entrada em vigor da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, concluída em Montego Bay, Jamaica, em 10 de dezembro de 1982. O PRESIDENTE DA

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 010/DAT/CBMSC) SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 010/DAT/CBMSC) SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 010/DAT/CBMSC)

Leia mais

4) Um silvo longo emitido pelo apito do agente de trânsito significa: a) Seguir com atenção b) Motorista aposto c) Parar d) Diminuir a marcha

4) Um silvo longo emitido pelo apito do agente de trânsito significa: a) Seguir com atenção b) Motorista aposto c) Parar d) Diminuir a marcha 1) O condutor que estiver com o direito de dirigir suspenso e for encontrado dirigindo será punido com: a) Remoção do veículo b) Cassação do documento de habilitação c) Suspensão do direito de dirigir

Leia mais

NOMENCLATURA BRASILEIRA DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO

NOMENCLATURA BRASILEIRA DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO NOMENCLATURA BRASILEIRA DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZAM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidenta Dilma Roussef Ministro da Fazenda Guido Mantega Secretário-Executivo

Leia mais

3 TRANSPORTE: TRÁFEGO VIÁRIO E DEMANDA POR TRANSPORTE E

3 TRANSPORTE: TRÁFEGO VIÁRIO E DEMANDA POR TRANSPORTE E 3 TRANSPORTE: TRÁFEGO VIÁRIO E DEMANDA POR TRANSPORTE E 3.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo objetiva avaliar sob a ótica operacional e de impacto no tráfego, as modificações propostas dentro do projeto

Leia mais

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS

RBHA 91 REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS REGRAS GERAIS DE OPERAÇÃO PARA AERONAVES CIVIS Este arquivo contém o texto do RBHA 91, aprovado pela Portaria nº 482/DGAC de 20 de março de 2003, publicada no Diário Oficial da União nº 76, de 22 de abril

Leia mais

Portos: o que foi feito, o que falta fazer

Portos: o que foi feito, o que falta fazer Portos: o que foi feito, o que falta fazer 13 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI PRESIDENTE Robson Braga de Andrade 1º VICE-PRESIDENTE Paulo Antonio Skaf (licenciado) 2º VICE-PRESIDENTE

Leia mais

LOGÍSTICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE

LOGÍSTICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE LOGÍSTICA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE 1 COLEÇÃO DE ESTUDOS SOBRE DIRETRIZES PARA UMA ECONOMIA VERDE NO BRASIL Autor: Paulo Fleury 2 Realização: Fundação Brasileira para

Leia mais

Manual de Transporte Vertical em Edifícios Elevadores de Passageiros, Escadas Rolantes, Obra Civil e Cálculo de Tráfego.

Manual de Transporte Vertical em Edifícios Elevadores de Passageiros, Escadas Rolantes, Obra Civil e Cálculo de Tráfego. Manual de Transporte Vertical em Edifícios Elevadores de Passageiros, Escadas Rolantes, Obra Civil e Cálculo de Tráfego. PREFÁCIO É com satisfação que Elevadores Atlas Schindler dá continuidade a este

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 227, DE 09 DE FEVEREIRO DE 2007. Estabelece requisitos referentes aos sistemas de iluminação e sinalização de veículos.

RESOLUÇÃO Nº 227, DE 09 DE FEVEREIRO DE 2007. Estabelece requisitos referentes aos sistemas de iluminação e sinalização de veículos. RESOLUÇÃO Nº 227, DE 09 DE FEVEREIRO DE 2007 Estabelece requisitos referentes aos sistemas de iluminação e sinalização de veículos. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência que lhe

Leia mais

ANEXO. (a que se refere o artigo 11.º da lei) CÓDIGO DA ESTRADA TÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 1.

ANEXO. (a que se refere o artigo 11.º da lei) CÓDIGO DA ESTRADA TÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 1. ANEXO (a que se refere o artigo 11.º da lei) CÓDIGO DA ESTRADA TÍTULO I Disposições gerais CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Definições legais Para os efeitos do disposto no presente Código e legislação

Leia mais

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBIO PLANO DE MANEJO DA APA COSTA DOS CORAIS

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBIO PLANO DE MANEJO DA APA COSTA DOS CORAIS INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBIO PLANO DE MANEJO DA APA COSTA DOS CORAIS Dezembro de 2012 Dezembro Tamandaré-PE de 201Tamandaré-PE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

5006-(2) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 227 1-10-1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

5006-(2) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 227 1-10-1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA 5006-(2) DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 227 1-10-1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto Regulamentar n. o 22-A/98 de 1 de Outubro A revisão do Código da Estrada, feita através do Decreto-Lei

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Colaboradores Ministério Público do Estado de Minas Gerais UFMG PUC Minas Sinduscon-MG

FICHA TÉCNICA. Colaboradores Ministério Público do Estado de Minas Gerais UFMG PUC Minas Sinduscon-MG Realização FICHA TÉCNICA Realização Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia Crea-MG - Comissão Permanente de Acessibilidade Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Secretaria Municipal

Leia mais

GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS

GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS MINISTÉRIO DA DEFESA MD35-G-01 GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS 2007 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR DE DEFESA GLOSSÁRIO DAS FORÇAS ARMADAS 4 a Edição 2007 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA

Leia mais

Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas

Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas FEV 2001 NBR 5419 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Ministério da Administração Interna CÓDIGO DA ESTRADA CÓDIGO DA ESTRADA

Ministério da Administração Interna CÓDIGO DA ESTRADA CÓDIGO DA ESTRADA Decreto-Lei n.º 265-A/2001 de 28 de Setembro Com as alterações introduzidas pela Lei n.º 20/2002 de 21 de Agosto 1 TíTULO I Disposições gerais CAPíTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Definições legais

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MUNICIPAL 2013-2016 APUCARANA PARANÁ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MUNICIPAL 2013-2016 APUCARANA PARANÁ PLANO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MUNICIPAL 2013-2016 APUCARANA PARANÁ 1 INDICE 1. APRESENTACAO 4 2. OBJETIVO 4 3. CARACTERISTICAS DO MUNICIPIO 4 3.1 CARACTERÍSTICAS FÍSICO-AMBIENTAIS 5 3.1.1

Leia mais

ABASTECIMENTO INDUSTRIAL

ABASTECIMENTO INDUSTRIAL Glossário de Termos Utilizados na Logística Este dicionário de termos técnicos logísticos é o resultado de uma ampla pesquisa que utilizou como fontes publicações técnicas em logística como a Revista Tecnologística,

Leia mais

Código de Trânsito Brasileiro

Código de Trânsito Brasileiro MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO Código de Trânsito Brasileiro Com as alterações das Leis: Lei nº 9.602, de 21 de janeiro de 1998 Lei nº 9.792, de

Leia mais

Estudos de BRT no Brasil. caderno técnico

Estudos de BRT no Brasil. caderno técnico Estudos de BRT no Brasil caderno técnico Estudos de BRT no Brasil Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) Julho / 2011 4 Estudos de BRT no Brasil Sumário Mensagem do presidente da

Leia mais

MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA A SEGURANÇA E CONFORTO NOS ESTÁDIOS DE FUTEBOL

MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA A SEGURANÇA E CONFORTO NOS ESTÁDIOS DE FUTEBOL MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA A SEGURANÇA E CONFORTO NOS ESTÁDIOS DE FUTEBOL FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS / FGV 1 MANUAL DE RECOMENDAÇÕES PARA A SEGURANÇA E CONFORTO NOS ESTÁDIOS DE FUTEBOL 2010 2 INDICE A )

Leia mais

ANEXO A Especificações Técnicas de Segurança para Linhas de Transmissão

ANEXO A Especificações Técnicas de Segurança para Linhas de Transmissão ANEXO A Especificações Técnicas de Segurança para Linhas de Transmissão 1 DISPOSIÇÃO GERAL Em todas as fases da obra deverá ser observado o que dispõe as Normas Regulamentadoras da Portaria 3.214/78 e

Leia mais

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO 18.1 Objetivo e Campo de Aplicação 18.2 Comunicação Prévia 18.3 Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

Saídas de emergência em edifícios

Saídas de emergência em edifícios DEZ 2001 NBR 9077 Saídas de emergência em edifícios ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro RJ

Leia mais

NAVEGAÇÃO NAS REGIÕES POLARES

NAVEGAÇÃO NAS REGIÕES POLARES 41 NAVEGAÇÃO NAS REGIÕES POLARES 41.1 INTRODUÇÃO a. LIMITES E GEOGRAFIA DAS REGIÕES POLARES Qualquer definição de limites das regiões polares não satisfaz completamente às necessidades de todos os que

Leia mais

AVALIAÇÃO ESTRUTURADA DOS EFEITOS DE UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE LASTRO NO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CARGA

AVALIAÇÃO ESTRUTURADA DOS EFEITOS DE UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE LASTRO NO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CARGA AVALIAÇÃO ESTRUTURADA DOS EFEITOS DE UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE LASTRO NO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CARGA Allan J. Ribeiro Soraya C. O. Santos allan.jr.20@gmail.com sorayaoliveira@msn.com Faculdade de Tecnologia

Leia mais

ASSIM SE FAZ O CAMINHO

ASSIM SE FAZ O CAMINHO # 159 ano XXXIX MARÇO/ABRIL 2012 ASSIM SE FAZ O CAMINHO Os projetos de transportes e logística que tornam possível levar e trazer tudo aquilo que a imaginação concebe e que o desenvolvimento exige Balsa

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DGADR DSPFSV DSPFSV 2/10 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS DIRECÇÃO-GERAL DE AGRICULTURA

Leia mais