Angola continua atrás do bauxite. 180 MILHÕES DE DÓLARES Valor das remessas enviadas para Portugal pelos cidadãos lusos que vivem em Angola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Angola continua atrás do bauxite. 180 MILHÕES DE DÓLARES Valor das remessas enviadas para Portugal pelos cidadãos lusos que vivem em Angola"

Transcrição

1 NÚMERO DA SEMANA 180 MILHÕES DE DÓLARES Valor das remessas enviadas para Portugal pelos cidadãos lusos que vivem em Angola Mais cimento Uma nova fábrica de cimento foi inaugurada em Benguela. A nova fábrica de cimento Cimentfort fica localizada no município da Catumbela. A Cimentfort tem uma capacidade de produção actual de cerca de 720 mil toneladas de cimento por ano a qual deverá, no entanto, aumentar para um milhão de toneladas no final de Recentemente foram inauguradas em Angola as fábricas de cimento da Nova Cimangola e Bom Jesus. Guiné-Bissau Novos Serviços A TAAG anunciou ontem, quinta-feira, que os possuidores de ipads já têm disponível, no APPLE Store, a aplicação TAAG Angola Airlines, que para além de informação sobre Angola e a TAAG, horários e voos, dá a possibilidade de realizar reservas, compras e checkin online, pesquisa de bagagem desaparecida e acesso ao programa de passageiro frequente. Silos agrícolas Dois silos para armazenar e conservar cereais serão instalados no município do Chicomba, província da Huíla, no âmbito do Programa de Investimento Público, informou ontem a administradora municipal, Lúcia Francisca. Segundo a administradora, a construção de silos para os agricultores é muito importante porque enfrentam dificuldades em termos de armazenamento e conservação da produção agrícola. Angola continua atrás do bauxite >>P.04 actual Aeroporto Catumbela na rota internacional >>P. 05 Entrevista Empresários Huambo e a agro-indústria >> P.06 FECHO RTP Isabel dos Santos não quer televisão >>P.11

2 02 31 Agosto 2012 Análise Angola na encruzilhada O título é da responsabilidade da equipa económica do Banco Português de Investimento (BPI), que em Angola é um dos principais accionistas do Banco Fomento Angola (BFA). Numa interessante análise à economia nacional a partir de um olhar externo, Cristina Casalinho e Carmen Camacho (autoras do artigo) envolvem o leitor num jogo de perguntas e respostas. Depois de um crescimento médio anual real de 11 por cento na última década, o primeiro período sólido de paz após mais de trinta anos de conflito armado, Angola depara-se com importantes desafios: - Será a diversificação da economia capaz de gerar ritmos de crescimento económico anuais reais na ordem de 6-7 por cento como se antecipa? - Haverá meios públicos disponíveis para executar o necessário plano de investimentos indispensável para potencializar a diversificação económica? - Será o crescimento económico previsto suficiente para permitir o acréscimo de rendimento das populações, sabendo que a população angolana cresce a um ritmo de 3 por cento/ano e que 50 por cento da população tem menos de 20 anos? - As instituições em Angola evoluirão suficientemente rápido para evitar obstaculizar o crescimento económico? - Ou seja, o ambiente de negócios evoluirá no sentido positivo e com a rapidez desejável? - Como progredirá o risco político? Angola encontra-se numa encruzilhada. Embora o passado recente aponte na direcção correcta e as autoridades pareçam sensibilizadas para os riscos latentes, os próximos dez anos poderão determinar se Angola se tornará uma economia exemplar na África Subsariana ou se sucumbirá à maldição dos estados ricos em recursos naturais do continente. O desafio da diversificação económica Em Abril de 2012, cumpriu-se uma década sobre o fim do conflito militar em Angola. Após dez anos de A manutenção do preço internacional do petróleo em patamares elevados tem permitido a observação de saldos excedentários das contas públicas e externas convergência para uma economia normalizada, importa avaliar a evolução recente e perspectivar o futuro próximo. O crescimento económico médio anual real entre 2002 e 2012 situou-se em 11 por cento, registando-se no período de 2005 a 2007 expansões reais da actividade económica superiores a 20 por cento/ano. Em termos nominais, o sucesso é ainda mais impressionante, na medida em que a taxa de crescimento média anual se situa em 21.7 por cento. A crise económico-financeira de 2008, acompanhada pela estabilização da produção petrolífera, trouxe abrandamento da actividade, a qual atingiu o acréscimo mínimo da década em 2009 com 2.4 por cento. Para 2012, após dois anos de crescimento económico real de 3.4 por cento, projecta-se um ritmo de expansão na ordem de 8 por cento (segundo o Fundo Monetário Internacional ou 10 por cento de acordo com o Ministério das Finanças), beneficiando da entrada em exploração de novos poços petrolíferos, em substituição de antigos, e da persistência do preço internacional do petróleo em torno de 100 dólares/barril. A manutenção do preço internacional do petróleo em patamares elevados tem permitido a observação de saldos excedentários das contas públicas e externas, a concretização de um importante plano de projectos infra-estruturais e um incremento regular do rendimento médio das populações. Se os anos de 2002 a 2004 foram marcados pelo sucesso do plano de estabilização económica, o qual permitiu a queda da inflação de níveis de três dígitos para valores inferiores a 20 por cento e o regresso de solidez às contas públicas e às rela-

3 31 Agosto Na última década, o principal motor de crescimento da economia angolana foi a indústria petrolífera ções externas, os anos seguintes de 2005 a 2008 caracterizaram-se pela duplicação da produção petrolífera, passando de valores inferiores a um milhão de barris/dia para cerca de dois milhões/dia. Simultaneamente, o preço do petróleo registou um movimento ascendente, que atingiu o seu apogeu em Julho de 2008, quando se situou em 120 USD/barril. Em 2009, a economia angolana registou um forte abrandamento, empurrado pelas políticas orçamentais e cambiais restritivas, destinadas a contrariar o sobre-aquecimento da procura materializado em défice da balança corrente e em acentuada queda de reservas cambiais. O deslize do preço do petróleo e a restritividade das políticas económicas implicaram uma queda da procura interna, arrefecendo a actividade económica. Em 2010 e 2011, a produção petrolífera abranda por envelhecimento dos poços mais antigos, mas a subida do preço internacional permite o aumento do rendimento da economia, a recomposição das reservas cambiais, o regresso a excedentes das contas públicas e externas. Entretanto, as autoridades liquidaram os pagamentos atrasados que se acumularam em 2009 e 2010 devido ao abrandamento da actividade económica, o programa de investimentos públicos adquiriu novo fôlego e o rendimento da economia voltou a crescer; contudo, a um ritmo mais lento que no passado recente. A entrada em laboração de novos poços petrolíferos irá repor parte da produção perdida em 2010 e 2011, Evolução recente da economia angolana e previsões Cenário base BPI (Abr 2012) PIB real global (tv, %) Petrolífero Não-petrolífero Produção de petróleo (mbpd) Preço do petróleo (USD/barril) Défice público em % do PIB Balança corrente em % do PIB Inflação (IPC, final de período), % Cenário base FMI (Abr 2012 e Dez 2011) Cenário base FMI (Abr 2012 e Dez 2011) PIB real global (tv, %) Petrolífero Não-petrolífero Produção de petróleo (mbpd) tv, % Preço do petróleo (USD/barril) Défice público em % do PIB Balança corrente em % do PIB Inflação (IPC, final de período), % Fonte: BNA, Min. Finanças, FMI, BPI. 13.8% 12.3% 15.0% % % 17.1% 13.2% possibilitando o retorno do crescimento a patamares próximos de 10 por cento em 2012; todavia, a questão que se impõe sobre Angola na próxima década é: será possível retornar a ritmos de crescimento sustentável em torno de 10 por cento como registado nos anos ? O crescimento futuro da economia angolana será determinado pelo sucesso na prossecução da normalização e diversificação da actividade económica. Na última década, o principal motor de crescimento da economia angolana foi a indústria petrolífera. Porém, a sua capacidade propulsora terá atingido o seu potencial. Dificilmente, no curto prazo, Angola voltará a ultrapassar o seu nível potencial de exploração estimado em 1.9 milhões de barris/dia. É importante o preço do petróleo manter-se acima de 75 USD/barril para assegurar a capacidade do Estado concretizar o seu plano de investimento sem desequilibrar as contas públicas e externas. Se, na última década, Angola conseguiu apresentar taxas de crescimento elevadas devido à explosão da produção petrolífera e a uma base do produto não-petrolífero praticamente inexistente, na próxima década, a expansão económica terá necessariamente de advir dos sectores não-petrolíferos, ou seja, terá de ancorar na diversificação da economia para fora das indústrias extractivas E 2012P 2013P 2014P 2015P 13.8% 12.3% 14.8% % 10.0% 13.2% 2.4% -5.1% 8.1% % 10.0% 14.0% 2.4% -5.1% 8.1% % % -11.7% 14.0% 3.1% - 7.5% % 9.0% 15.3% 3.4% - 7.6% % 9.0% 15.3% 3.2% -6.1% 8.6% % 9.2% 11.4% 3.4% - 7.7% % 8.1% 11.4% 9.7% 9.8% 9.7% % 8.9% 10.0% 9.7% 11.6% 10.4% 1.9% 11.6% % 9.7% 10.0% A expansão da indústria do gás natural poderá ajudar a aliviar esta pressão, retirando-lhe urgência, mas não a elimina. Segundo o FMI, Angola é o país da África Subsariana que mais dependerá do petróleo (de uma única commodity) em termos de exportações e de receitas orçamentais. Como se pode ver pela composição do produto interno bruto, a diversificação da economia angolana nos últimos anos baseou-se em sectores não-transaccionáveis, como comércio e construção, os quais pouco terão contribuído para a redução da dependência de importações, embora sejam sectores empregadores e, no segundo caso, promovam o surgimento de actividades relacionadas a 7.5% 5.6% 9.0% % 5.7% 9.5% 6.8% 8.7% 1.96% % 6.2% 7.0% 5.4% 0.0% 8.5% % 4.1% 9.0% 6.3% 8.5% % 5.5% 6.0% 5.4% 0.0% 8.0% % 8.0% 6.2% 8.3% % 3.9% 6.0% montante. Todavia, o aparecimento de indústrias em termos de integração vertical ficou aquém das expectativas, como pode ser ilustrado pela modesta evolução da indústria ligeira. Acresce que, nalguns sectores como construção civil, se assiste a um aparente esgotamento da possibilidade de ampliação de actividade nos moldes actuais pois, nalguns segmentos do mercado parece observar-se excesso de capacidade instalada e dificuldades de escoamento da oferta existente. Por outro lado, ao nível da construção de infra-estruturas, de equipamentos sociais e de habitação social, observa-se forte potencial incremental. Angola conseguiu apresentar taxas de crescimento elevadas devido à explosão da produção petrolífera e a uma base do produto não-petrolífero praticamente inexistente

4 04 31 Agosto 2012 Negócios A TAAG volta a escalar o município do Soyo, província do Zaire, a partir da próxima semana, três anos depois de suspender as operações que garantiam a ligação aérea entre Luanda/Mbanza Congo/Soyo/Cabinda Bauxite Guiné quer rever acordo com Angola As autoridades do Governo de transição guineense, há três meses no poder em Bissau, querem ver aumentados os 10 por cento das quotas atribuídas ao país no acordo, rubricado entre a Guiné-Bissau e Angola, em 2007, e que concede à empresa mista Bauxite Angola (BA) o direito de exploração dos jazigos de fosfato do Boé, situados a mais de 200 quilómetros da capital, no sudeste do território. A acta síntese do encontro de trabalho entre uma delegação guineense, conduzida pelo ministro dos Recursos Naturais e Energia, Daniel Gomes, e uma equipa de três dirigentes da BA, dirigida pelo seu presidente do Conselho de Administração, Bernardo Campos, realizada a 15 deste mês, indica que os 10 por cento não espelham a realidade, pelo que a revisão da participação guineense na sociedade é considerada um elemento importante no relançamento das atividades da BA na Guiné-Bissau. O ministro da Presidência do Conselho de Ministros e porta-voz do Governo, Fernando Vaz, que é o nº 2 do Executivo de Bissau resultante do golpe de Estado de Abril último, é mais explícito a este respeito. Num balanço sobre a estada da missão angolana, realizada entre 14 e 16 do corrente mês, por iniciativa da parte guineense, o governante afirmou que é inadmissível que a Guiné-Bissau, dono da bauxite, fique com 10 por cento, e que Angola com 90 por cento dessa exploração, mesmo depois da amortização do investimento, estimado em cerca de 300 milhões de dólares. Vaz quer que as quotas sejam alteradas para valores justos e adiantou que deviam ser 60 por cento para o investidor e 40 por cento para a Guiné-Bissau. Precisou que após a amortização, que calculou num prazo de seis anos, estas percentagens seriam invertidas, cabendo 60 por cento à Guiné e 40 por cento à BA. De acordo com a acta do encontro, a parte guineense manifestou total abertura em relação ao prosseguimento da cooperação com Angola, enquanto a BA se disponibilizou a prosseguir as suas atividades no país, e solicitou que Bissau formalize, por escrito, a sua proposta de renegociação dos termos do acordo relativos à participação guineense na sociedade.o BA pediu também mais celeridade na constituição das duas empresas de direito guineense, indispensáveis à parceria para a exploração mineira e para a gestão do porto de águas profundas de Buba, localizado no sul, a cerca de 270 km de Bissau. A parte guineense prometeu que o assunto ia ser resolvido com a maior brevidade possível. Em resposta à exigência guineense da delimitação e concessão da licença de arrendamento da área de mineração, a missão angolana esclareceu que a ausência deste documento deve-se à burocracia da administração local, que não respondeu a três pedidos da BA para a obtenção da licença desde A Bauxite Angola garantiu que vai avançar com a edificação de uma sede própria na Guiné, assim como com a construção de um Centro de Formação Profissional e de um Laboratório de Análises Mineralógicas em Buba, que constam dos pedidos da parte guineense, que pretende também que técnicos nacionais de níveis médio e superior sejam integrados no projeto. Os responsáveis de BA informaram ainda que o estudo de viabilidade técnico-económico e do impacto ambiental do projeto deve ser concluído dentro de quatro meses por uma equipa multidisciplinar de especialistas angolanos, brasileiros, portugueses e franceses. A missão da BA, de três elementos, foi recebida em audiência pelo primeiroministro de transição guineense, Rui de Barros. Fernando Lopes Pereira, Correspondente na Guiné-Bissau Cunene Porto seco custou 4 mil milhões de kwanzas Quatro mil milhões de kwanzas foram investidos pelo Governo angolano na construção do porto seco de Santa Clara, província do Cunene, com serviços integrados da Alfândega, do Serviço de Migração e Estrangeiros, da Polícia Fiscal, do Comércio, da Saúde e dependências bancárias. Inaugurado nesta segunda-feira pelo ministro das Finanças, Carlos Lopes, a estrutura tem também uma área administrativa com mais de vinte compartimentos, espaços para a instalação de agências bancárias e um armazém em estrutura metálica. O porto seco, que ocupa uma área de 60 hectares, sendo 40 reservado para o parqueamento de mercadoria, vai realizar serviços de cobrança de impostos em matéria de importação e exportação, operações económicas e trabalho de apoio a turistas. Turismo Chineses são os que mais gastam em Portugal Os viajantes angolanos têm a fama, e também o proveito, de serem dos que mais compram produtos em Portugal. Mas de acordo com a Global Blue, empresa financeira que também opera no negócio do reembolso de Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), os turistas da China são, individualmente, os que mais dinheiro despendem em compras em Portugal, particularmente de artigos de luxo. Os dados referem-se apenas a turistas de fora da União Europeia, os únicos elegíveis para compras livres de impostos ( tax free ) de produtos que sejam exportados e transportados pelos turistas na sua bagagem, não incluindo, por isso, despesas em hotelaria e restauração. De acordo com a Global Blue, os turistas chineses gastam em média cerca de 700 dólares por compra de produtos de marcas como a Louis Vuitton, Prada ou Loewe.

5 31 Agosto Actual Mais de catorze mil toneladas de peixe foram capturados pelo sector piscatório da província do Namibe, no primeiro trimestre do corrente ano Aeroporto internacional da Catumbela custa 250 milhões de dólares O novo aeroproto da Catumbela, província litoral de Benguela e pronto para acolher em simultâneo quatro aviões Boeing , como também quatro Boeing 767 ou 22 aviões de pequeno e médio porte, custou 250 milhões de dólares. Neste aeroporto estão em estudo novas ligações internacionais. O Aeroporto Internacional de Catumbela espera-se que movimente, no futuro, 2,2 milhões de passageiros e pode ser utilizado por qualquer tipo de avião. A infra-estrutura deverá ser em breve apresentada como alternativa a Luanda pela sua capacidade e resistência, segundo informou Manuel Ceita, presidente do conselho de administração da Empresa Nacional de Aeroportos e Navegação Aérea (ENANA). Segundo este responsável, para começar a receber voos internacionais, o novo aeroporto, que substitui a chamada Catumbelinha, aguarda o certificado do Instituto Nacional da Aviação Civil (INAVIC) de Angola, estando em estudo ligações da TAAG com a Namíbia e Portugal, havendo também contactos informais com a TAP. Tudo isso será anunciado muito em breve, prometeu Manuel Ceita. Quintiliano dos Santos Angola é a terceira fonte de remessas para Portugal Angola já é a terceira principal origem das remessas de emigrantes portugueses, tendo sido a fonte de 147 milhões de euros em remessas em 2011, segundo dados do Banco de Portugal (BdP). Num ano em que as remessas totais dos emigrantes se mantiveram quase iguais às do ano anterior, o montante enviado pelos portugueses residentes em Angola cresceu quase 10 por cento. Nos números do BdP, as remessas dos portugueses em Angola, calculados em 120 mil, estavam assim em 2011 já bastante acima das recebidas de destinos tradicionais da emigração portuguesa, como os Estados Unidos (130 milhões de euros), a Alemanha (113 milhões), o Luxemburgo (68 milhões) ou o Canadá (40 milhões). As principais fontes de remessas de emigrantes continuam a ser a França e a Suíça. Estes dois países representaram mais de metade dos valores enviados para Portugal em 2011: 868 milhões de euros no caso da França, 681 milhões de euros no caso da Suíça. As remessas dos emigrantes em Angola corresponderam a apenas 6 por cento do total. No entanto, é da comunidade portuguesa em Angola que tem vindo o maior crescimento nos últimos anos. Em 2001, o montante enviado pelos emigrantes residentes em Angola era praticamente residual 8,8 milhões de euros, 0,2 por cento do total das remessas. O crescimento nas remessas vindas de Angola só começou de forma sustentada a partir de Angola já é a terceira principal origem das remessas de emigrantes portugueses, tendo sido a fonte de 147 milhões de euros em remessas em 2011, segundo dados do Banco de Portugal (BdP). Num ano em que as remessas totais dos emigrantes se mantiveram quase iguais às do ano anterior, o montante enviado pelos portugueses residentes em Angola cresceu quase 10 por cento. Nos números do BdP, as remessas dos portugueses em Angola, calculados em 120 mil, estavam assim em 2011 já bastante acima das recebidas de destinos tradicionais da emigração portuguesa, como os Estados Unidos (130 milhões de euros), a Alemanha (113 milhões), o Luxemburgo (68 milhões) ou o Canadá (40 milhões). As principais fontes de remessas de emigrantes continuam a ser a França e a Suíça. Estes dois países representaram mais de metade dos valores enviados para Portugal em 2011: 868 milhões de euros no caso da França, 681 milhões de euros no caso da Suíça. As remessas dos emigrantes em Angola corresponderam a apenas 6 por cento do total. No entanto, é da comunidade portuguesa em Angola que tem vindo o maior crescimento nos últimos anos. Em 2001, o montante enviado pelos emigrantes residentes em Angola era praticamente residual 8,8 milhões de euros, 0,2 por cento do total das remessas. O crescimento nas remessas vindas de Angola só começou de forma sustentada a partir de Lunda Sul 1,2 milhões em projectos Mais de um milhão de dólares foi o valor dispendido pela Sociedade Mineira de Catoca (SMC) para a implementação do projecto de apoio ao desenvolvimento económcio e social da província da Lunda-Sul, revelou o seu director-geral, Ganga Júnior. Segundo uma nota de imprensa da diamantífera, o governo da Lunda-Sul e a SMC assinaram, em Março de 2011, um protocolo com a finalidade de preparar as condições para o arranque do PADES - Programa de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Social da Lunda Sul, que incluiu a formação, treinamento do empresariado, e ainda a vertente produtiva que tem a ver com a selecção e multiplicação de sementes e criação de pescado (cacussos). Referindo-se à contribuição de Catoca no desenvolvimento da Lunda Sul, Cândida Narciso deixou claro que, os diamantes extraídos por Catoca, não se podendo comer, estão a ser aplicados no desenvolvimento do nosso povo. Vamos por isso desejar que Catoca cresça mais e possa distribuir cada vez mais os seus rendimentos. Por seu lado, o director-geral da SMC afirmou reconhece que as riquezas resultantes dos diamantes são esgotáveis e por isso está aplicá-las no desenvolvimento sustentável, considerando que o programa terá êxitos por haver experiências de outros locais, como na Zâmbia, onde está a ser um sucesso. Neste momento dois técnicos de agricultura e pescas recebem formação no Brasil, num esforço de Catoca em parceria com a Fundação Odebrecht que assessora a aplicação do PADES. Segundo Jorge Armando Segunda, vice-governador provincial e coordenador do projecto, na aldeia de Lundjate, a cerca de 150 quilómetros de Saurimo, mais de 26 hectares de terra têm já estacas de mandioqueira e de batateira precoces e de alto rendimento que serão distribuídas às associações de camponeses ao longo da campanha agrícola. Na comuna de Mona-Quimbundo (75 km de Saurimo), onde se fez o lançamento do PADES, foram construídos 10 tanques de 200 metros cúbicos cada, que receberam os primeiros alevins (crias de tilápia) lançados pela governadora da Lunda Sul e pelo director da SM de Catoca. Numa primeira fase o programa conta com 30 trabalhadores das aldeias circunvizinhas, cujos resultados são esperados nos próximos meses.

6 06 31 Agosto 2012 Entrevista A agro-indústria é uma das maiores apostas do Huambo Imaculada Conceição Henriques Matias é uma figura incontornável do empresariado do planalto central, mais concretamente da cidade do Huambo. Proprietária da empresa Imacuhuambu, Lda reparte a sua vida entre o empresariado e a docência universitária. Numa entrevista ao NJ ela narra os meandros da sua actividade multifacética. Texto de Hortêncio Sebastião Fotos cedidas Espero que os futuros engenheiros acabem o curso com a grande preocupação de resolver os problemas da agricultura de subsistência que predomina no país e transformá-la em agricultura comercial ou de auto-suficiência Como começou a sua vida empresarial? Formei a empresa em Apercebendo-me da falta de produtos fitofarmacêuticos na província, criei a empresa na tentativa de resolver esse problema. Não foi possível porque uns meses depois tive de assumir o cargo de gestora de projectos na Organização Não-Governamental norte-americana World Vision. Com responsabilidades acrescidas não sobrava tempo para prosseguir com outras tarefas. As actividades da empresa ficaram-se apenas pela elaboração de projectos agrícolas para obtenção de crédito (com pouco volume de trabalho). Só em 2010, depois de deixar a organização, foi possível reestruturar a empresa e aumentar o volume de trabalho. Que actividade desenvolvia na World Vision? Trabalhei na área de gestão de projectos agrícolas no âmbito da formação e assistência técnica no seio das comunidades rurais de baixa renda. E hoje volvidos alguns anos há frutos desse seu trabalho naquela ONG? Sim, graças aos seis anos de assistência e formação agrícola ganhei muita prática e actualmente consigo transmitir com segurança e propriedade aos alunos da Faculdade de Ciências Agrárias do Huambo todos os problemas e dificuldades que os agricultores vivem no campo. Espero que os futuros engenheiros acabem o curso com a grande preocupação de resolver os problemas da agricultura de subsistência que predomina no país e transformá-la em agricultura comercial ou de auto-

7 31 Agosto A agricultura familiar que se faz no Huambo tem ainda vários problemas técnicos, logísticos e comerciais que impedem uma concorrência justa com as importações suficiência. A sua empresa dedica-se a diversos negócios. É uma paixão ou apenas persegue o lucro e a acumulação de dividendos? A empresa foi criada para abarcar várias vertentes: rendimento financeiro, filantropia e investigação científica. Até à data apenas desenvolvo projectos com fins lucrativos, porém, esforços e contactos estão a ser feitos para contemplar as outras áreas. Como vê o Huambo no domínio empresarial? Bastante promissor, pois a província está em ebulição com novos investimentos e a agricultura vai crescer muito nos próximos tempos. Neste momento, com o arranque da barragem hidroeléctrica do Gove, a agro-indústria é uma das maiores apostas no Huambo. Em seu entender qual é, hoje, o perfil do empresário local? O empresariado no Huambo hoje é caracterizado maioritariamente pela juventude, empreendedorismo, um pouco eufóricos demais quando se trata de ganhar dinheiro, com pouca noção de risco, que por outro lado é próprio do jovem empreendedor. Seria bom que houvessem workshops com trocas de experiências com outros empresários a nível nacional e internacional. Ao que parece, na província do Huambo, a agricultura e a indústria são dois dos pilares que mais investimentos têm atraído. Sim, mas é por uma questão tradicional, pois o Huambo já teve um dos maiores parques industriais do país e foi o celeiro de Angola. Então pelo menos sabe-se que é possível, é como um sonho que com empreendedorismo pode ser realizado. Por exemplo o Huambo é uma potência agrícola, devido ao seu clima quase todas as culturas podem ser produzidas cá e com bons rendimentos desde que sejam utilizadas novas tecnologias. Neste momento estão a ser colhidas várias toneladas de hortícolas com maior destaque para a batata e a cebola. Na actividade de consultoria que faz que sectores têm procurado mais os seus serviços? A agricultura, pecuária e exploração de madeiras. Mas o Huambo também vive de importações de bens. Uma provável viragem desse estado de coisas é possível? Mas como? Sim, vive de importação de bens agrícolas, por exemplo existe à venda no Huambo batata para consumo que é importada. Sendo uma província que pode produzir batata durante todo ano não se justificam importações de batata rena. O problema é que a agricultura familiar que se faz no Huambo tem ainda vários problemas técnicos, logísticos e comerciais que impedem uma concorrência justa com as importações. Neste caso específico da batata, um dos principais problemas é a utilização de sementes de baixa qualidade o que implica logo à partida uma produção com vários problemas (contaminação com doenças, baixo rendimento, tamanho reduzido) que deixam espaço para o aparecimento de produtos importados. Assim como de outros produtos alimentares frescos e em conserva que podem ser produzidos localmente e ainda estão a ser importados. Como concilia a vida empresarial com a docência? Lecciono a cadeira de culturas alimentares numa universidade aqui, e recentemente fui indicada para assumir o cargo de chefe do departamento de produção vegetal. Consigo levar perfeitamente estas duas tarefas, pois como se trata da mesma área científica, até se torna gratificante porque a experiência adquirida como empresária é utilizada muitas vezes como exemplo prático do que não se deve fazer ou de como deve ser feito. Ainda assim considera-se uma empresária de sucesso? Não, por enquanto não posso dizer que já seja uma empresária de sucesso porque reestruturei a empresa Perfil Imaculada Conceição Ferreira Henriques Matias, natural do Huambo, mãe de um filho é licenciada em Engenharia agronómica, detém mestrado em produção agrícola tropical e Doutoramento em engenharia agronómica, especializada em protecção fitossanitária das plantas. Nos tempos livres, lê, pratica desporto e viaja para conhecer novos lugares. há bem pouco tempo e o projecto que irá levar-me para o sucesso está no início. Porém, considero-me uma empresária que está a ser bem sucedida dentro das metas que traçou com vista ao sucesso previsto para daqui a quatro anos. Quando é que finalmente teremos a cidade do Huambo aquela Cidade Vida dos tempos passados? Mais cedo do que se pensa, pois tal como disse acima, com a entrada em funcionamento da barragem hidroeléctrica do Gove, o Caminho de Ferro de Benguela em funcionamento e caso as direcções provinciais consigam organizar-se para apoiar o empresariado provincial, esta província será procurada por muita gente interessada em investir. Considero-me uma empresária que está a ser bem sucedida dentro das metas que traçou com vista ao sucesso previsto para daqui a quatro anos

8 08 31 Agosto 2012 Empresas A fazenda Pedras Negras no município de Cacuso, Kwanza-Norte, ganhou novas infraestruturas administrativas e tecnológicas, com a sua inauguração nesta terça-feira Nova marca Mami com produtos nacionais embalados no Bailundo Recolher e trocar produtos do campo é aposta da empresa AGIPEC, que lançou na sexta-feira, 24, nas terras do Bailundo, província do Huambo, o projecto denominado Venda Yetu. Esta iniciativa visa dar um contributo para a redução da fome e da pobreza, aumentando a riqueza nacional, através de uma rede de pontos de recolha e troca de produtos do campo. Os produtos (feijão, crueira e milho), numa primeira fase, são transformados e embalados com a designação Mami, made in Bailundo, e depois são distribuídos para os principais centros urbanos. De acordo com Miguel Tropa, CEO da AGIPEC, a acção abrange todas as províncias do país, particularmente as do interior, e é dirigido às comunidades rurais que têm dificuldade de escoamento dos seus produtos. A pretensão é comprar os bens produzidos pelos agricultores, e suprir todas as necessidades dos mesmos com fornecimento de produtos de grande carência no campo. Vamos adquirir das populações rurais produtos agrícolas, feijão, bombó, fuba de milho feita na pedra, e como contrapartida vamos disponibilizar a essas mesmas populações bens de primeira necessidade como óleo, arroz, massa alimentar, fósforos, velas, sabão, sal e peixe seco, a preços iguais aos praticados nos centros urbanos, esclareceu. O armazém e a agro-indústria implementados no Bailundo servirão cerca de 20 mil cidadãos distribuídos em nove aldeias nomeadamente, Bange, Hengue, Cululu, Lunge, Capunda, Chamacuma, Chissole, Cuvale e Cahiungo, numa média de cinco mil habitantes por aldeia. Miguel Tropa, apontou que com a efectivação deste projecto, os produtores rurais melhorarão o seu custo de vida e aumentará o acesso a bens de consumo, melhorará o rendimento das populações e vai gerar empregos directos ao recrutar pessoal para sua indústria, pólos e lojas, garantindo o escoamento e consequente produção agrícola, disse. Para os próprios agricultores aumenta a produção, substitui importações, criando matériasprimas para a indústria. Os produtos que estão a ser embalados no Bailundo têm nesta fase os formatos de um, dois, cinco, 15, 22 e 25 quilos, segundo Miguel Tropa, reafirmando que o método adoptado visa não descriminar clientes, ou seja, com estes formatos estão contemplados os clientes retalhistas, bem como armazenistas. Para a implementação do projecto nesta fase embrionária foram gastos cerca de 386 mil dólares. Jorge Fernandes, no Huambo Satisfação popular Com alguma dificuldade para comunicar em português, foi no entanto possível perceber (com a tradução possível do Umbundu para a língua veicular), que os habitantes da aldeia do Banje no Bailundo, e os felizes contemplados pelo projecto nesta fase piloto, manifestaram a sua alegria em poder fazer permutas com bens de consumo que apenas conseguem dificilmente. O agricultor Beto, disse ao NJ que este acto vai motivar os agricultores para que produzam mais para beneficiar não só os consumidores urbanos com produtos feitos em Angola e por angolanos, mas vai acima de tudo minimizar as perdas de grandes quantidades de produtos que se tem assistido. JF Rating de Angola mantém-se estável As agências de rating americanas resolveram manter a notação de risco do crédito soberano de Angola em BB nas tabelas da Fitch e da Standard & Poor s, elevando a perspectiva de estável para positiva, e em Ba3 na tabela da Moody s. A conclusão decorre do fortalecimento das contas internas e externas e das perspectivas de crescimento robusto de Angola, que se mantém habilitado a conquistar, no próximo ano, o acréscimo de mais um B à sua notação, dizem as agências citadas. Nesta perspectiva, vaticina-se que Angola poderá ingressar no grupo dos países classificados com o grau de investimento. De acordo com o comunicado do Ministério das Finanças, a agência Fitch considera que as políticas económicas prudentes ajudaram o país a reconstruir e fortalecer as contas públicas e externas. Em sua opinião, esse facto tornou menos vulnerável a um choque adverso do preço do petróleo preparando o país para um período de crescimento sustentado. A Standard & Poor s considera que o sector petrolífero vai continuar a crescer a médio prazo, indicando como crucial o facto de que Angola ganhou reputação como um parceiro confiável na indústria de petróleo. A agência considera que isso tem atraído muitas das maiores empresas mundiais de petróleo para o país. Por sua vez, a agência Moody s identificou os factores principais para elevar, de estável para positiva a classificação BB, destacando as perspectivas de forte crescimento económico sustentado pela expansão gradual da produção de petróleo. A esse respeito, a Moody s vaticina que a produção de crude em Angola deverá ultrapassar dois milhões de barris por dia em 2013, continuando a apoiar a diversificação da economia e o desenvolvimento de infra-estruturas.

9 31 Agosto Conjuntura Uma representação do Balcão Único do Empreendedor foi inaugurada ontem, quartafeira, no município do Namacunde, 35 quilómetros a sul da cidade de Ondjiva, província do Cunene Brasil Previstos investimentos de 66,5 mil milhões de dólares O Brasil será nos próximos anos um foco de oportunidades para empresas de construção e gestão de estradas e linhas de caminhosde-ferro em resultado do programa de 66,5 mil milhões de dólares para modernização e expansão das infraestruturas do país. O Programa de Investimentos em Logística, que privilegia parcerias público-privadas (PPP), foi lançado a 15 de Agosto no Palácio do Planalto, em Brasília, pela presidente brasileira, Dilma Rousseff, que afirmou que o programa de concessões de estradas e linhas de caminhos-deferro vai permitir ultrapassar décadas de atraso nas redes de transportes. O governo brasileiro pretende com o programa, gerido pela Empresa de Planeamento de Logística (EPL), reforçar a competitividade da economia reduzindo os custos de transporte no país. Prevê a aplicação de 133 mil milhões de reais (66,5 mil milhões de dólares) em 9 troços de estradas e em 12 troços de caminhos-de-ferro. O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, adiantou que 91 mil milhões de reais serão investidos em mais de 10 mil quilómetros de caminhos-de-ferro e 42,5 mil milhões em 7500 quilómetros de estradas. Várias das principais redes viárias do país serão ampliadas, prevendose a cobrança de portagens. A ser ultimado em Brasília está também um plano de investimentos num programa para modernizar os aeroportos e portos brasileiros, além da rede de água e saneamento. À EPL caberá o estudo logístico, planeamento de investimentos, desenho de projectos e tornar a participação dos investidores privados atractiva. Portos e caminhos-de-ferro Portugal e Moçambique vão desenvolver infra-estruturas Portugal e Moçambique vão criar uma empresa de capitais mistos para desenvolver projectos de infra-estruturas ferro-portuárias, disse quarta-feira, em Maputo, o secretário de Estado adjunto da Economia e do Desenvolvimento Regional português, António Almeida Henriques. O tema deverá ser discutido num encontro des ministros dos Transportes da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), que vai decorrer na capital moçambicana, Maputo, que contará com a participação do ministro português da Economia, Álvaro Santos Pereira, disse à agência noticiosa portuguesa Lusa o secretário de Estado. Já há contactos entre as autoridades portuguesas e moçambicanas, que serão representadas no projecto por empresas dos dois países já identificadas, assegurou o secretário de Estado adjunto da Economia e do Desenvolvimento Regional de Portugal. O secretário de Estado adjunto, que se deslocou à capital moçambicana para participar na Feira Internacional de Maputo (Facim), disse que as exportações de Portugal para Moçambique cresceram 44 por cento em 2011 e no primeiro semestre deste ano já aumentaram 34 por cento nos bens de consumo e 23 por cento nos bens e serviços. Moçambique já está entre os dez países com maior investimento português e as exportações daquele país para a antiga colónia portuguesa têm registado sucessivos recordes desde Pelo menos 140 empresas portuguesas ou moçambicanas de capitais portugueses participam, desde o dia 27 de Agosto e até 2 de Setembro na Facim, maior feira empresarial anual de Moçambique. Moçambique Sul-africanos vendem licença para exploração de ouro A PanAfrican Resources, da África do Sul, vendeu uma licença de exploração de ouro em Manica, Moçambique, a uma subsidiária do grupo australiano Terranova Minerals por 52,4 milhões de rands em dinheiro e em acções, informou a empresa cotada nas bolsas de Joanesburgo e de Londres. No comunicado divulgado, o presidente da PanAfrican Resources, Jan Nelson, disse que a venda vai permitir que a empresa se concentre no desenvolvimento dos activos de que dispõe na África do Sul, nomeadamente na mina de ouro de Baberton. A Terranova Minerals, que efectuou a compra através da sua subsidiária moçambicana, Auroch Minerals, entregará, além do dinheiro, 96 milhões de acções à PanAfrican Resources, o que significa que esta empresa continuará presente, embora de forma indirecta, no projecto de exploração de ouro de Manica. Os termos de venda incluem a entrega imediata de 17,5 milhões de rands (2 milhões de dólares australianos) e 25 milhões de acções da Terranova Minerals, decorrendo as restantes entregas nos próximos quatro anos de acordo com um calendário que estipula a obtenção de determinadas metas. A Terranova Minerals está envolvida em projectos de extracção de ouro na Austrália Ocidental.

10 10 31 Agosto 2012 Mercados Dados cedidos pelo ACTIVIDADE ECONÓMICA Confiança empresarial alemã cai pelo quarto mês consecutivo A confiança dos empresários da maior economia da Zona Euro recuou pelo quarto mês seguido em Agosto, afectada pela persistência da crise da dívida soberana na região. O instituto de pesquisa económica IFO, com sede em Munique, publicou esta segunda-feira (27) a queda do seu índice que mede o sentimento empresarial na Défice comercial japonês afunda para $6,5 mil milhões O Japão, terceira economia do mundo, publicou na quartafeira, dia 22, um défice comercial em Julho muito além das expectativas, devido a persistente crise na Zona Euro (ZE). O défice atingiu assim 517,4 mil milhões de ienes (cerca de $6,5 mil milhões), ou seja quase o dobro do valor previsto pelos analistas, a inverter a tendência dos últimos meses. O excedente realizado no mês anterior foi revisto para 60,3 mil milhões de ienes, conforme comunicou o Ministro das Finanças em Tóquio. a mediana das estimativas, de 28 analistas inqueridos pela Bloomberg News, ou seja, o valor limite pelo qual temos uma repartição exacta de 50% de previsões inferiores e 50% de previsões Alemanha, de 103,2 em Julho para 102,3 pontos em Agosto. Este indicador, resultado de um inquérito feito a 7 mil quadros executivos, atingiu o seu valor mais baixo desde o mês de Março de Esta informação vem confirmar o abrandamento da economia do país, cujo crescimento de 0,3% no segundo trimestre foi mais lento, quando comparado com os três primeiros meses do ano de 0,5%. O principal factor apontado, para justificar este resultado decepcionante, é o impacto que a crise da dívida provocou à economia alemã, que levou à redução da procura pelas exportações e que levou os empresários a adiar as suas decisões de investimento. O forte crescimento das vendas para superiores, cifrava-se em um défice de 270 mil milhões de ienes. Esta queda inesperada é devida por um lado, pela crise da dívida soberana na ZE e o abrandamento da economia chinesa, que travaram as exportações e, por outro lado, o aumento dos preços do petróleo que impulsionou a subida das importações. As exportações caíram 8,1% China pondera adoptar novos estímulos para aumentar as exportações O Primeiro-Ministro chinês, Wen Jiabao, sugeriu que se tomassem medidas adicionais para impulsionar as exportações o que poderia ajudar a atingir as metas económicas estabelecidas para este ano. Este apelo surge numa altura em que se assiste a uma redução do lucro nas empresas industriais reforçando o cenário de que o abrandamento da economia está a aprofundarse. Segundo a agência oficial de notícias Xinhua, Wen Jiabao afirmou durante uma visita de inspecção à província de Guangdong, a maior exportadora da China, que o 3º trimestre era um período crucial para concretização das metas estabelecidas para este ano em relação ao crescimento das exportações. A visita abrangeu as províncias costeiras do país que dependem directamente das exportações, com o objectivo de tentar estimular a confiança dos empresários numa economia que corre o risco de registar a menos expansão dos últimos 13 anos. Wen Jiabao, apelou para o pagamento mais atempado dos descontos dos impostos de exportação, maior uso do seguro de crédito à exportação, bem como a redução das inspecções e das taxas para aliviar a carga sobre as empresas, e o aumento da cobertura dos riscos cambias dos produtos financeiros. Os analistas económicos chineses destacam o facto de que a deterioração significativa nas exportações é resultado da diminuição da procura externa para a qual o governo chinês pouco pode fazer, sugerindo mais medidas para estimular a procura interna. os mercados não europeus e do consumo doméstico continuam a sustentar a economia alemã para que a mesma se mantenha pouco vulnerável ao actual tumultuo. Porém, a Bundsbank, banco central alemão, alerta para a incerteza persistente que poderá levar a maior economia europeia a abrandar ainda mais nos próximos meses. em ritmo anual, contra uma queda esperada de 2,9%, enquanto o valor das importações cresceu 2,1%. A moeda nacional, o iene, que cotava naquele dia 79,22/$, às 11h20 de Tóquio, registou uma valorização de 5% face ao dólar desde meados de Março, o que vem penalizar consideravelmente as exportações. Monitor da Crise Financeira na Europa CDS Yelds PIB 2. º Trim Dívida Défice 5 anos 2012 PAÍS 10 anos (Bp) Var.Hom. PIB 2010 PIB 2011 Portugal Irlanda Itália Grécia Espanha Hungria Bélgica França Alemanha Reino Unido 663,75 427,50 446,00 N.A. 487,00 432,00 151,00 135,00 58,50 51,50 9,23% 5,84% 5,73% 23,55% 6,36% 7,37% 2,50% 2,07% 1,36% 1,51% 1,34% 2,18% 4,11% 6,20% 1,39% 0,04% 0,82% 0,63% 1,20% -2,50% 107,80% 108,20% 120,10% 165,30% 68,50% 80,60% 98,00% 85,80% 81,20% 85,70% -4,20% -13,10% -3,90% -9,10% -8,50% 4,30% -3,70% -5,20% -1,00% -8,30% Taxas de JURO TBC- 63 dias TBC- 182 dias EURIBOR 1 M EURIBOR 6 M EURIBOR 12 M LIBOR 1 M LIBOR 6 M LIBOR 12 M LUIBOR 1 M LUIBOR 6 M LUIBOR 12 M MOEDA AKZ AKZ EUR EUR EUR USD USD USD AKZ AKZ AKZ Taxas de CÂMBIO SPOT Cotação USD/AKZ EUR/AKZ ZAR/AKZ EUR/USD GBP/USD USD/ZAR USD/BRL USD/CNY Mercados Accionistas Índice DOW JONES S & P 500 NASDAQ FTSE 100 BOVESPA PSI 20 Nikkei Ago-12 3,85 4,07 0,124 0,555 0,823 0,236 0,712 1,037 0,073 0,089 0, Ago-12 95, ,377 11,380 1,2499 1,5794 8,4447 2,0336 6, Ago , , , , , , ,39 Var. Sm. Bp 20,00 83,00-0,60-4,60-4,50-0,01-0,71-0,71-0,02-0,01 0,01 Var. Sem. 169,57% 1,19% -1,07% 1,24% 0,52% 1,32% 0,82% -0,04% Var.Sem. -1,11% -0,54% -0,10% -0,82% -1,98% -0,11% -0,94% IPC Mensal 2,80% 1,60% 3,10% 1,30% 2,20% 5,80% 2,00% 1,90% 1,70% 2,60% Var. Ac. Bp Var. Acum. -0,13% -3,44% -3,43% -4,21% 1,15% 5,05% 10,68% 1,00% Var.Acum. 5,36% 10,44% 16,03% 1,35% -1,51% -12,98% 7,45% EMPRESAS DODSAL ganha contracto de $450 milhões O grupo Dodsal dos Emiratos Árabes Unidos, ganhou um contracto de empreitada da Abu-Dhabi Gás Industries Company (GASCO) para a construção de dois gasodutos. A construção dos mesmos será Banco M&T compra o Hudson City por $3.7 mil milhões O banco M&T Corp, que tem entre os seus maiores investidores Warren Buffet, proprietário da Berkshire Hathaway, chegou a acordo para a compra do Hudson City Bancorp, com o principal objectivo de expandir a sua posição em Nova Jersey (E.U.A), num negócio calculado em $3.7 mil milhões. O negócio prevê que cada accionista receba $ por acção, montante disponível em stock ou cash. O banco M&T sedeado em Buffalo, Nova Iorque, feita a partir de uma fábrica de processamento de gás na região sudoeste de Abu-Dhabi na zona industrial situada na região nordeste da cidade, compreendendo uma extensão de 297 km. Entre os beneficiários constam a fábrica Emirates Aluminium (EMAL) e todos os empreendimentos localizados na nova região industrial localizada entre Abu-Dabhi e Dubai. O projecto esta orçado em $450 milhões e tem a vai beneficiar de 135 novas agências, 97 das quais em Nova Jersey, tornando-se o quarto maior banco do estado em depósitos. Segundo o CEO do Banco M&T, Robert G. Wilmers, o negócio vai permitir fornecer a comunidade uma conclusão prevista para Gasco é uma joint-venture entre a Abu Dhabi National Oil Company (ADNOC) que detêm 68%, a Shell e a Total com 15% cada uma, e os restantes 2% pertencem a Partex. gama completa de contas correntes e de poupança, débito e cartões de crédito, empréstimos home equity e opções de crédito, além de outros pequenos negócios e serviços bancários comerciais. O Hudson City foi o maior banco Commodities Matérias primas Brent Crud oil (Angola) Gas Natural Ouro Spot Platina americano a renunciar a uma ajuda do governo. O JPMorgan Chase & Co. é o intermediário pelo Hudson City no negócio, ficando a acessória 27-Ago ,72 113,35 2, , ,99 Var. Sem. -0,99% -1,35% -0,47% 2,69% 2,23% 78% $11 mil milhões 3,75 mil milhões Var.Acum. 5,89% 1,57% -29,34% 6,30% 9,47% jurídico por conta da Sullivan & Cromwell. O M&T está a receber a acessória da Evercore Partners Inc. e do Wachtell, Lipton, Rosen & Katz. O banco M&T sedeado em Buffalo, Nova Iorque, vai beneficiar de 135 novas agências. Percentagem da produção de petróleo no Golfo do México suspensa com o encerramento de seis refinarias em antecipação a chegada da tempestade tropical «Isaac» É o montante de divisas vendido pelo BNA desde o início do ano até 29 de Agosto, numa altura em que a Moody s, agência de notação financeira, mantém a classificação do rating de Angola. Montante em dívida de cupão zero que o Tesouro Italiano conseguiu colocar no mercado, a uma taxa de 3,064%, pagando assim juros mais baixos que o mês anterior para se financiar.

11 31 Agosto Fecho Oito mil e 23 famílias vulneráveis do município de Kwanhama, província do Cunene, beneficiam de apoio de bens alimentares, vestuário e gado de tracção animal, entregues pela ADRA Isabel dos Santos rejeita RTP O radar de Isabel dos Santos em Portugal abrange parcerias estruturadas com actividades em Angola, como a banca, distribuição de televisão e energia, frisou um assessor da empresária Luanda Instituto superior reforça formação nos transportes A empresária rejeita categoricamente qualquer cenário de investimento em conteúdos em Portugal, garantiu o porta-voz da empresária angolana ao Diário Económico. A filha do Presidente da República é o segundo potencial candidato a colocar-se de fora da corrida à concessão da RTP, depois da portuguesa Ongoing ter assumido que desistiu do negócio, como o Jornal de Negócios, de Portugal, noticiou esta terça-feira. O radar de Isabel dos Santos em Portugal abrange parcerias estruturadas com actividades em Angola, como a banca, distribuição de televisão e energia, sublinhou o mesmo responsável. Recorde-se que a empresária é a maior accionista da Zon, que em Angola é o principal parceiro na Zap, e tem interesses no BPI (com forte presença no Banco Fomento Angola BFA), BIC e Galp Energia. Segundo o jornal português, o desinteresse de Isabel dos Santos no negócio da RTP é extensível à Zon, que se tem colocado de fora da lista de potenciais interessados na privatização do canal público luso. O novo modelo [de gestão privada para a televisão do Estado] não altera aquela que tem sido a posição da empresa sobre este tema, assegurou fonte oficial da empresa ao Diário Económico, também de Portugal. Nos últimos meses tem-se vindo a registar um interesse até agora inédito de interesses angolanos na comunicação social portuguesa. Tudo começou com a entrada do grupo Newshold no capital do semanário Sol, que entretanto começou a ser distribuído no país com uma versão local. Mais tarde foi noticiada a entrada de capital angolano num dos principais grupos de media portugueses a Cofina, responsável por diversos títulos como o diário Correio da Manhã, a revista Sábado, o diário desportivo Record, entre muitos outros. Recentemente vários meios de comunicação de Portugal noticiaram o interesse angolano na privatização, ou concessão, do único canal público português de televisão, a Rádio e Televisão de Portugal (RTP). AEBRAN promove negócios A Associação de Empresários e Executivos Brasileiros em Angola (AEBRAN), vai promover de 3 a 8 de Setembro, a oitava edição da Semana do Brasil com diversos eventos comerciais e sociais, anunciou a organização. Numa nota de imprensa que o NJ teve acesso a AEBRAN informa que o evento tem por finaldade abrir novas oportunidades e fomentar negócios, com a participação de de empresários e executivos. A iniciativa inclui uma palestra a ser proferida pelo governador do Banco Nacional de Angola, José de Lima Massano, a realizar-se num dos hotéis de Luanda. Para incentivar o desenvolvimento do turismo, a 8ª Edição da Semana do Brasil irá oferecer também ao público brasileiro e a toda sociedade luandense, a possibilidade de conhecer a gastronomia brasileira através do 1º Festival Gastronómico Brasileiro em Angola, lê-se ainda no documento. No leque das actividades estão incluidos os restaurantes (Esplanada Grill, Emporium Bistrô, Bay Side e Chitaka), que desenvolverão o seu próprio menu para a semana em causa. O Instituto Superior de Gestão Logística e Transportes (ISGEST), localizado no município de Belas, em Luanda foi inaugurado quartafeira, 29, pelo ministro dos Transportes, Augusto Tomás. O ISGEST surge como à necessidade de formar líderes, administradores, dirigentes e quadros capazes de desenvolver programas de investigação científica e de assistência técnica ligadas à gestão, logística e aos transportes. A instituição universitária pretende ser, no futuro, uma referência no país e na região nas áreas de formação de gestão, logística e transportes. O ISGEST é um Instituto Superior, inserido no sistema educativo nacional angolano, vocacionado para o ensino, formação, para a Consultoria e Investigação Científica e para Assistência Técnica nas áreas de Gestão, Logística e dos Transportes. O Ordenamento do Território, do Planeamento Urbanístico, Desenvolvimento Regional e das Tecnologias e Sistemas de Informação fazem parte dos objectivos da sua criação. O ISGEST terá cinco eixos de actuação, como licenciatura, projectos de investigação científica, mestrado, doutoramento, formação permanente e programas de póslicenciatura. O ISGEST, localizado na localidade da Camama, munícipio de Belas, está inserido num Campus Universitário de dez hectares e poderá albergar três mil e quinhentos estudantes em cada ano lectivo. Renato Azevedo, presidente da AEBRAN

12

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By nov-5 abr-6 set-6 fev-7 jul-7 dez-7 mai-8 out-8 mar-9 ago-9 jan-1 jun-1 nov-1 abr-11 set-11 fev-12 jul-12 dez-12 mai-13 out-13 mar-14 ago-14 jan-15 jun-15 nov-15 abr-16 Dep. Estudos Económicos e Financeiros

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Serviço Grupagem Aérea para Luanda, agora também disponível com saídas do Porto nos voos de fimde-semana

Serviço Grupagem Aérea para Luanda, agora também disponível com saídas do Porto nos voos de fimde-semana Número 11 6 de Julho 2010 Serviço Grupagem Aérea para Luanda, agora também disponível com saídas do Porto nos voos de fimde-semana Para mais informações contacte-nos através do email comercial.africa@rangel.com

Leia mais

Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo

Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo 1 27 de Abril de 2015 Relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo Foi divulgado o quarto relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em 2015, com destaque para

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos

Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos 1 10 de Março de 2015 Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos As taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro (BT) angolano, títulos de dívida de curto prazo (inferior a

Leia mais

A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte)

A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte) 1 26 de Outubro de 2015 A economia Angolana não entrará em recessão: Esta é a frase de ordem! (1parte) Em Outubro de 2014 o Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2015 previa uma taxa de crescimento real

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD 1 16 de Março de 2015 Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD O Euro transaccionou a 1,0696 USD, o nível mais baixo dos últimos 12 anos, e só em 2015 acumula uma depreciação de cerca de 12.

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

O relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de Julho

O relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de Julho 1 2 Julho de 215 O relatório da Organização dos Países Exportadores de Petróleo de Julho Foi divulgado o relatório de Julho da Organização dos Países Exportadores do Petróleo, em que são analisadas as

Leia mais

2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica?

2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica? 1 26 de Janeiro de 2015 2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica? A actual conjectura económica torna inevitável a seguinte questão: 2015, será um ano de mais medidas de austeridade ou

Leia mais

N.º 2134 16 de Maio de 2016. BANCO TERRA ANUNCIA RESULTADOS POSITIVOS 14-05-2016 in Notícias

N.º 2134 16 de Maio de 2016. BANCO TERRA ANUNCIA RESULTADOS POSITIVOS 14-05-2016 in Notícias N.º 2134 16 de Maio de 2016 BANCO TERRA ANUNCIA RESULTADOS POSITIVOS 14-05-2016 in Notícias O Banco Terra de Moçambique (BTM) anunciou pela primeira vez ao longo da sua história, resultados positivos em

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD 1 9 de Fevereiro de 2015 Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD Os preços de referência do crude (WTI e Brent) estão a transaccionar acima dos 50 USD, o que poderá representar um momento de

Leia mais

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Razões do reajuste do AKZ no Mercado Cambial

Razões do reajuste do AKZ no Mercado Cambial 15 Junho de 2015 Razões do reajuste do AKZ no Mercado Cambial Assistiu-se a uma desvalorização do AKZ na última sexta-feira, dia 5 de Junho, de aproximadamente 110,582 AKZ para 117,47 AKZ por unidade de

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

2011 / Portugal 2012 / Brasil. 2013 / Angola. 2014 / Cabo Verde

2011 / Portugal 2012 / Brasil. 2013 / Angola. 2014 / Cabo Verde 2011 / Portugal 2012 / Brasil 2013 / Angola 2014 / Cabo Verde Índice: - Porquê GetOut? - O Congresso do Empreendedor Lusófono - Angola - Missão ao Congresso Porquê GetOut? Portugal: Crescimento económico

Leia mais

Evolução da venda de divisas do Banco Nacional de Angola

Evolução da venda de divisas do Banco Nacional de Angola 29 de Setembro de 214 Evolução da venda de divisas do Banco Nacional de Angola Nos primeiros oito meses de 214, o Banco Nacional de Angola (BNA) vendeu divisas num montante de 13,398 mil milhões de USD,

Leia mais

www.sodepacangola.com

www.sodepacangola.com EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA Título do projecto: PROJECTO KUKULA KU MOXI, NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DAS CADEIAS DE DISTRIBUIÇÃO PARA O AGRONEGÓCIO (ASDP) 1. Introdução

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013 JULHO 2013 EM MOÇAMBIQUE, COMO EM PORTUGAL O BPI e o BCI disponibilizam as Soluções Moçambique-Empresas, um conjunto de produtos e serviços desenhados para empresas que pretendam investir ou exportar para

Leia mais

01 Junho de 2015. Política de compra de activos do BCE

01 Junho de 2015. Política de compra de activos do BCE 01 Junho de 2015 Política de compra de activos do BCE A Zona euro tendo experimentado algumas dificuldades no que se refere ao nível de crescimento das economias, reflectido no crescimento moderado da

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

SERVIÇO: Carga Aérea para envios > 100kg. VOOS: Fins-de-semana. VALIDADE: Mês de Abril. CONTACTO: comercial.africa@rangel.com

SERVIÇO: Carga Aérea para envios > 100kg. VOOS: Fins-de-semana. VALIDADE: Mês de Abril. CONTACTO: comercial.africa@rangel.com Número 9 27 de Abril 2010 SERVIÇO: Carga Aérea para envios > 100kg VOOS: Fins-de-semana VALIDADE: Mês de Abril CONTACTO: comercial.africa@rangel.com Breves Rangel Novas exigências para a Exportação de

Leia mais

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 14 de Abril de 2008 Resumo de Imprensa Segunda-feira, 14 de Abril de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Crise custa 860 milhões aos bancos portugueses (págs. 1, 4 a 6) Quase mil milhões. É este o custo da crise internacional para os

Leia mais

Relatório Económico do Fundo Monetário Internacional

Relatório Económico do Fundo Monetário Internacional 1 de Novembro de 214 Relatório Económico do Fundo Monetário Internacional O Fundo Monetário Internacional (FMI) indica no seu último relatório que a economia mundial deverá apresentar um crescimento na

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO CAPITAL: LISBOA CAPITAL: LUANDA AIA Março 2012 OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO Caracterização do Mercado Angolano 1,2 milhões de Km2 Fronteiras com RDC, Zâmbia

Leia mais

A queda das bolsas chinesas e o seu impacto

A queda das bolsas chinesas e o seu impacto A queda das bolsas chinesas e o seu impacto 31 Agosto de 215 No dia 24 de Agosto a bolsa de Shangai registou a maior queda dos últimos 8 anos, ganhando rótulo de black monday. O índice composto de Shangai

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014

DESTAQUES LEGISLATIVOS OUTUBRO 2014 ANGOLA DESTAQUES LEGISLATIVOS BANCÁRIO E FINANCEIRO DESPACHO PRESIDENCIAL N.º 189/14 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Sumário: Autoriza a celebração dos Acordos de Financiamento entre a TAAG Linhas Aéreas de Angola,

Leia mais

Ana Maria Dias Aluna da Licenciatura em Geografia Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa E-mail: anamar_dias@sapo.pt

Ana Maria Dias Aluna da Licenciatura em Geografia Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa E-mail: anamar_dias@sapo.pt 1 São Tomé e Príncipe e o Ouro Negro Resumo da conferência proferida pelo Doutor Gerhard Seibert na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (11 de Maio de 2007)? Ana Maria Dias Aluna da Licenciatura

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Encontro Ministerial «Desafios para Cooperação entre China e os Paises de Lingua Portuguesa no dominio das Infra-estruturas: Alternativas de Financiamento» Visão e Estrategia

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Cronograma Processos Marítimos - Luanda

Cronograma Processos Marítimos - Luanda Número 10 28 de Maio 2010 Cronograma Processos Marítimos - Luanda Breves Rangel Já saíu o terceiro número da Revista Interna, a MyRangel "O caminho faz-se caminhando. A MyRangel está a seguir o percurso

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste Questões Frequentes 1. Porque não organizar o Fundo Petrolífero como um Fundo Fiduciário separado (em vez de o integrar no Orçamento de Estado)? 2. Por que razão deve

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 RESUMO DE IMPRENSA Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Queda nos lucros da banca retira 80 milhões ao Fisco. Resultados dos quatro maiores bancos privados caíram mais de 40% no primeiro

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana #100 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Dólar sem freios Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana Festa no exterior Brasileiros continuam gastando cada vez mais fora

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Podíamos estar muito mais longe do que estamos, revela a Coordenadora Nacional do PAR em

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais