Departamento de Engenharia Química e de Petróleo TEQ 102 Controle de Processos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento de Engenharia Química e de Petróleo TEQ 102 Controle de Processos"

Transcrição

1 Departamento de Engenharia Química e de Petróleo TEQ 102 Controle de Processos Nomenclatura, Simbologia de Malha de Controle Álgebra de Diagramas de Blocos Prof a Ninoska Bojorge Introdução Em instrumentação e controle, se emprega um sistema especial de símbolos com o objeto de transmitir de uma forma más fácil e específica a informação. Isto é indispensável no projeto, seleção, operação e manutenção dos sistemas de controle. 2 Um sistema de símbolos tem sido padronizado pela ISA (Sociedade de Instrumentistas de América). A seguinte informação é da norma: ANSI/ISA-S (R1992). Profª Ninoska Bojorge

2 Introdução As necessidades e vários usuários para seus processos são diferentes. A norma reconhece estas necessidades, proporcionando métodos de simbolismo alternativos. Se mantêm vários exemplos agregando a informação ou simplificando o simbolismo, segundo se deseje. 3 Os símbolos de equipamento no processo não são parte de esta norma, mas se incluem para ilustrar aplicações de símbolos da instrumentação. Profª Ninoska Bojorge Tipos de Diagramas Um diagrama de fluxo de um processo químico reflexa o movimento de matéria que tem lugar no mesmo e os principais equipamento implicados no processo. Adicionalmente, podem aparecer detalhes referidos aos balanços de matéria e de energia e ao detalhe da instrumentação Tipos: Block flow diagram - (BFD) / Diagramas de blocos Process and flow diagrams - (PFD) / Diagramas de fluxo Process and Instrument Drawings (P&ID) / Diagramas de Processos e instrumentação Plant layout & elevation drawing / Diagrama de distribução de equipos

3 Tipos de Diagramas Diagrama de Blocos (Block Flow Diagram - BFD) Fluxograma de processos (PFD) Diagrama de Processos e Instrumentação (P&ID) Complexidade aumenta Entendimento conceitual aumenta Como engenheiros químicos, nos familiarizamos mais com BFD e PFD, desde o inicio do curso. Sequencia do projeto de um processo Estequiometria Diagrama entrada - saída Condições preliminares do proc. Diagrama geral de blocos Balanço de materiais preliminar Diagramas de Blocos (BFD) Balanço Material, Energia + Especificações do equipamento Fluxograma de Processo(PFD) Informação das malhas e instrum. Process and Instrument Diagram (PI&D)

4 Fluxograma de Blocos - BFD BFD mostra uma imagem de processamento geral de um complexo processo químico. Fluxo de matérias-primas e produtos que podem ser incluídos em um BFD BFD é uma visão superficial da instalação - informação química não é apresentada tb. Fluxograma de blocos (BFD) 8 carvão coqueria coque calcário moagem peneiramento calcário alto forno gusa liquido aciaria minério do ferro beneficiamento minério beneficiado escória gusa sólido fundicação de ferro fundido Diagrama de blocos do processo de obtenção siderúrgica do ferro. Profª Ninoska Bojorge - TEQ/UFF

5 Diagrama de Blocos - BFD 9 Fluxograma de Processos - PFD Consiste numa topologia do processo - que mostra a conectividade de todos os fluxos e os equipamentos principais As informações das correntes que devem estar no PFD, usualmente (não cabem no PFD) são apresentadas em tabelas. Emprega convenções (simbólicas) apropriadas - a consistência é importante na comunicação de informações do processo. 10 Profª Ninoska Bojorge

6 11 Profª Ninoska Bojorge Fluxograma de Processos - PFD 12 PFD mostra todas as informações de engenharia de processo Diagrama desenvolvido em projetos Junior (especialmente no segundo semestre do curso ) Muitas vezes PFD é desenhado em papel tamanho A1/A3 Em livros usualmente apresenta-se as informações num diagrama acompanhado de tabelas. Profª Ninoska Bojorge

7 Profª Ninoska Bojorge - TEQ/UFF 13 Símbolos empregados no PFD

8 Símbolos empregados no PFD

9 Heat exchangers

10 Reactors Tag no PFD Tabela 1: Convenções utilizados para identificar Equipamento de Processos 20 Equipamento de Processos Informação adicional General Format XX-YZZ A/B XX are the identification letters for the equipment classification C - Compressor or Turbine E - Heat Exchanger H - Fired Heater P - Pump R - Reactor T - Tower TK - Storage Tank V - Vessel Y designates an area within the plant ZZ are the number designation for each item in an equipment class A/B identifies parallel units or backup units not shown on a PFD Additional description of equipment given on top of PFD Profª Ninoska Bojorge

11 Fluxograma de Processos - PFD Tabela 2: Resumo de informação contida no PFD Essential Information Stream Number Temperature ( C) Pressure (bar, PSI, etc) Vapor Fraction Total Mass Flow Rate (kg/h) Total Mole Flow Rate (kmol/h) Individual Component Flow Rates (kmol/h) Optional Information Component Mole Fractions Component Mass Fractions Individual Component Flow Rates (kg/h) Volumetric Flow Rates (m 3 /h) Significant Physical Properties Density Viscosity Other Thermodynamic Data Heat Capacity Stream Enthalpy K-values Stream Name Diagrama de Fluxo de Processos (PFD) FLUXOGRAMA DO PROCESSO 22 contêm os principais equipamentos Profª Ninoska Bojorge - TEQ/UFF

12 Diagrama de Processo e Instrumentação (P&ID) O P&ID (Process and Instrument Diagram) 23 Profª Ninoska Bojorge - TEQ/UFF Símbolos comuns para a instrumentação:

13 Tabela 3 Símbolos gerais de instrumentos Primeira Letra Variável medida ou inicial Modificadora Função de informação ou Passiva A Analisador -- Alarme B Chama de queimador Letras subsequentes Função Final Modificadora -- Indefinida Indefinida Indefinida C Condutividade elétrica Controlador (12) -- D Densidade ou massa específica (Density) Diferencial E Tensão elétrica -- Elemento primário F Vazão (Flow) Razão (fração) G Medida dimensional -- Visor H Comando Manual (Hand) I Corrente Elétrica Indicador J Potência Varredura ou seletor L Nível (Level) -- Lâmpada piloto M Umidade (Moisture) N Indefinida -- Indefinida Indefinida Indefinida Tabela 3 Símbolos gerais de instrumentos (cont.) Primeira Letra Letras subsequentes Variável medida ou inicial Modificadora Função de informação ou Passiva Função Final Modificadora O Indefinida -- Orifício de restrição P Pressão ou Vácuo Ponto de teste -- Q Quantidade ou Evento Integrador ou totalizador R Radioatividade Registrador ou Impressor S Velocidade ou frequência (Speed) Segurança -- Chave -- T Temperatura Transmissor -- U Multivariável -- Multifunção Multifunção Multifunção V Viscosidade Válvula -- W Peso ou Força (weigh) -- Poço X Não classificada -- Não classificada Não classificada Não classificada Y Indefinida -- Relé ou cálculo computacional Z Posição Elemento final de controle não Classifi

14 Tabela 4 Símbolos gerais de instrumentos Tipo Localização No Campo No painel principal de controle Atrás do painel principal de controle Painel local ou do equipamento 27 Instrumentos Discretos Diâmetro 12 mm Instrumento compartilhado (Panel view) Computador do Processo Controlador programável (CLP) Interface CLP/Campo/CLP Interface CLP/Supervisório/CLP Interface Interna (lógica) Interface CLP/Panel View/CLP Tabela5 Símbolos e Funções de Processamento de Sinais

15 Instrumentação para um sistema de destilação 30 Profª Ninoska Bojorge - TEQ/UFF

16 Alarme de temperatura alta, instalado na sala de controle acessível ao operador, malha 8, instrumento 2 Cálculo de função no tempo, instalado na sala de controle não acessível ao operador, malha 3, instrumento A Instrumento compartilhado: chave com varredura de nível alto de Temperat. e registrador com varredura de temperat., instalado na sala de controle acessível ao operador, malha 8 instrumento 2 Válvula borboleta com atuador pneumático, malha de pressão 11, falha aberta Indicador de temperatura, instalado no campo, malha 9, instrumento 3 Alarme de temperatura alta, instalado na sala de controle acessível ao operador, malha 8, instrumento 3 Instrumento compartilhado: chave com varredura de nível alto de temperatura e registrador com varredura de temperatura, instalado na sala de controle acessível ao operador, malha 8, instrumento 3 Registrador com varredura de temperatura, instalado no painel, malha 8, instrumento 1 Válvula com atuador pneumático, falha fechada, malha 4 Controlador registrador de vazão, instalado no painel, malha 4 Transmissor de vazão, instalado no campo, malha 4 Controlador registrador de pressão, instalado na sala de controle acessível ao operador, malha 11 Registrador de vazão, instalado na sala de controle acessível ao operador, malha 3 Transmissor de pressão, malha de pressão 11, falha aberta Alarme de nível alto e baixo, instalado no painel, malha 9 Chave de nível alto e baixo, instalado na sala de controle acessível ao operador, malha 9 Transmissor de vazão, instalado no campo, malha 3 Transmissor de nível, instalado no campo, malha 7 Placa de orifício com flange na linha de processo, malha 3 Ganho ou atenuação, malha de vazão, instalado atrás do painel, malha 3, instrumento B Válvula com atuador pneumático, falha aberta, malha de nível 7 Controlador indicador de nível, instalado no painel, malha 7 Placa de orifício com flange na linha de processo, malha 4 Registrador com varredura de temperatura, instalado na sala de controle acessível ao operador, malha 8, instrumento 4

17 Controle Automático de Processo 33 Representação do Sistema (Processos): Variáveis de Entrada perturbação variável manipulada VM Processo VC variável controlada Variável de saída ou variável de processo a controlar Profª Ninoska Bojorge Elementos típicos da Malha de Controle Feedback 34 Controlador de Temperatura e Registrador 3 2 Transmissor de Temperatura 4 Válvula Pneumática de Controle Vapor sensor 1 Trocador de calor Profª Ninoska Bojorge - TEQ/UFF

18 Elementos típicos da Malha de Controle Feedback Termopar como sensor temperature, sinal mv Transmission do sinal Analogico (4-20 ma) Conversão de analógica a digital Número Digital transmissor Transmissão do sinal pneumatico (3-15 psig) E A/D n MV = SP CV n n = K C n En + TI Controlador Digital ( CVn CVn t n 1 1 Ei ti + Td 0 n ) + I fc i/p D/A Número Digital Posicionador da valvula 0-100%) Agente de aquecimento Transmissão do sinal Analog (4-20 ma) Conversão de Digital para analog. Diagrama de Blocos da Malha de Controle Feedback 36 Setpoint SP Resposta desejada da CV Comparação Sinal de controle Variável manipulada e c u + - Perturbação Controlador Atuator Processo Var. Saída CV Variável controlada Sensor Transmissor Dispositivo de medição e transmissão Profª Ninoska Bojorge

19 Diagrama de Blocos de Controle 37 O diagrama de blocos é construído a partir das equações que descrevem um determinado sistema. Um diagrama de blocos de um sistema é uma representação das funções desempenhadas por cada componente e de fluxo de sinais. Este diagrama indica a interrelação que existe entre os vários componentes, onde todas as variáveis do sistema são ligadas às outras através da relação entre a entrada e saída dos blocos. Esta relação é a chamada função de transferência. Diagrama de Blocos de Controle 38 x Variável de entrada G y Variável de saída Função de Transferência G = y x

20 Álgebra de Diagramas de Blocos Para analisar o comportamento de um sistema estabelecese relações entre as varias variáveis deste sistema, pela substituição das variáveis intermediarias, nas equações que descrevem o sistema, de forma que resulte uma expressão que relacione diretamente as variáveis de interesse. Ou através da simplificação do diagrama de blocos. 39 Regra Principal: Não alterar a relação entre as variáveis de entrada e saída dos blocos que se quer simplificar. Álgebra de de Diagramas de Blocos 1) Y = A B C A B C - B - - Y + C - A + Y A + B - C - Y 40 2) Y = G 1 G 2 A A Y Y G 1 G 2 G 2 G 1 A A G 1 G 2 Y

21 Álgebra de Diagramas de Blocos 3) Y = G 1 (A B) 41 A + B - Y G 1 A G 1 + _ Y 4) Y = G 1 A + G 2 B B G 1 Profa. Ninoska Bojorge A + B G 1 + Y G 2 41 Álgebra de Diagramas de Blocos 5) Y = (G 1 + G 2 )A A G 2 + G 1 /G 2 + Y A + Y G G1 + G 2

22 Álgebra de Diagramas de Blocos 6) Conexão de blocos em malha fechada 43 Álgebra de Diagramas de Blocos 7) Movimento de blocos em relação a um somador 44

23 Álgebra de Diagramas de Blocos 8) Movimento de bloco em relação a ponto de junção 45 Álgebra de Diagramas de Blocos 46 9) Movimento de bloco para dentro do ponto de junção

Simbologia e Nomenclatura de de Controle de Processos

Simbologia e Nomenclatura de de Controle de Processos Simbologia e Nomenclatura de de Controle de Processos OUTROS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO Prof a Ninoska Bojorge http://www.professores.uff.br/controledeprocessos-eq Departamento de Engenharia Química e de Petróleo

Leia mais

OUTROS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO

OUTROS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO Simbologia e Nomenclatura de de Controle de Processos OUTROS PROCESSOS DE SEPARAÇÃO Prof a Ninoska Bojorge http://www.professores.uff.br/controledeprocessos-eq ff / t Departamento a e de Engenharia a Química

Leia mais

Simbologia e Identificação

Simbologia e Identificação www.iesa.com.br 1 Simbologia e Identificação As normas de instrumentação estabelecem símbolos gráficos e codificações para a identificação alfa-numérica de instrumentos que deverão ser utilizadas nos diagramas

Leia mais

Normas de Instrumentação Industrial: Simbologia e Identificação

Normas de Instrumentação Industrial: Simbologia e Identificação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Normas de Instrumentação Industrial: Simbologia e Identificação Heitor Medeiros Florencio Objetivos da aula

Leia mais

Simbologia e Identificação

Simbologia e Identificação www.iesa.com.br 1 Simbologia e Identificação As normas de instrumentação estabelecem símbolos gráficos e codificações para a identificação alfa-numéricade instrumentos que deverão ser utilizadas nos diagramas

Leia mais

P&ID - Piping & Instrument Diagram

P&ID - Piping & Instrument Diagram P&ID - Piping & Instrument Diagram Fluxograma de Engenharia Leitura e interpretação de Fluxogramas e Diagramas de Processo Muitos de nós podemos nos lembrar de experiências na infância, quando se desenhavam

Leia mais

Instrumentação. Instrumentação e CLP. Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior

Instrumentação. Instrumentação e CLP. Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Instrumentação Instrumentação e CLP Professor: Andouglas Gonçalves da Silva Júnior Andouglas G. da Silva Júnior ( Professor: Instrumentação Andouglas Gonçalves da Silva Júnior 1 / 18 1 Conceito Denição

Leia mais

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos 107484 Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti

Leia mais

Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação

Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação Aula IV Simbologia e Diagramas de Instrumentação Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br)

Leia mais

Instrumentação Industrial

Instrumentação Industrial Instrumentação Industrial Simbologia e Terminologia da Norma ISA 5.1 Prof.: Welbert Rodrigues Introdução A Norma ISA 5.1 estabelece uma padronização para designar os instrumentos e sistemas de instrumentação

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controle de Processos

Fundamentos de Automação. Controle de Processos Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controle

Leia mais

Controle Básico Realimentado (Feedback)

Controle Básico Realimentado (Feedback) Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS Introdução ao Controle Antecipatório (Feedforward control) Prof a Ninoska Bojorge Controle Básico Realimentado

Leia mais

Instrumentação Aplicada

Instrumentação Aplicada Instrumentação Aplicada Simbologia Não é que eu procure falar difícil, é que as coisas têm nome João Guimarães Rosa Assuntos Conceitos Simbologia Representação Exercícios Assunto Conceitos Conceitos SIMBOLOGIA

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ÁREA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. IFRN Campus Nova Cruz Curso Técnico em Química Prof. Samuel Alves de Oliveira

ASPECTOS GERAIS DA ÁREA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. IFRN Campus Nova Cruz Curso Técnico em Química Prof. Samuel Alves de Oliveira ASPECTOS GERAIS DA ÁREA DE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL IFRN Campus Nova Cruz Curso Técnico em Química Prof. Samuel Alves de Oliveira INTRODUÇÃO É NECESSÁRIO MEDIR E CONTROLAR VARIÁVEIS EM UM PROCESSO INDUSTRIAL

Leia mais

Instrumentação Mecatrônica III. Professor: Anderson Borges /01

Instrumentação Mecatrônica III. Professor: Anderson Borges /01 Instrumentação Mecatrônica III Professor: Anderson Borges E-mail: anderson.borges@ifsc.edu.br 2017/01 Sumário Revisão Revisão Planta: é a parte do processo a ser controlada. Processo: é a operação a ser

Leia mais

Instrumentação Norma ISA 5.1

Instrumentação Norma ISA 5.1 Introdução: Instrumentação Norma ISA 5.1 A Norma ISA 5.1 (Instrument Society of America) estabelece uma padronização para designar os instrumentos e sistemas de instrumentação usados para medição e controle

Leia mais

Norma ISA D5.1. Adrielle de Carvalho Santana

Norma ISA D5.1. Adrielle de Carvalho Santana Norma ISA D5.1 Adrielle de Carvalho Santana Norma ISA D5.1 Estabelecida pela International Society of Automation (ISA) a ISA D5.1 padroniza os símbolos gráficos e codificação para identificação alfanumérica

Leia mais

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2005.1 Objetivos do Capítulo Estudo sistêmico de sistemas de automação industrial. Caracterização dos elementos

Leia mais

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIENCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA LEMA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA E CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Instrumentação, Metrologia e Controle de Processos. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Instrumentação, Metrologia e Controle de Processos. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) DE OPERAÇÃO JÚNIOR Instrumentação, Metrologia e Controle de Processos Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 13 PREFÁCIO... 15 1 INTRODUÇÃO E DEFINIÇÕES GERAIS... 19 1.1 Aplicações da Simulação Dinâmica... 20 1.2 Tipos de Modelos para Sistemas Dinâmicos... 21 1.3 Modelos Matemáticos...

Leia mais

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes 2006

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes 2006 Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial Luiz Affonso Guedes affonso@dca.ufrn.br 2006 Objetivos do Capítulo Estudo sistêmico de sistemas de automação industrial. Caracterização

Leia mais

22/08/16. Introdução. Unidades de Medida. Unidades Fundamentais do SI. Método Científico AULA 4 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (CONCEITOS DE INSTRUMENTAÇÃO)

22/08/16. Introdução. Unidades de Medida. Unidades Fundamentais do SI. Método Científico AULA 4 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (CONCEITOS DE INSTRUMENTAÇÃO) AULA 4 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (CONCEITOS DE INSTRUMENTAÇÃO) Prof. Fabricia Introdução A história da instrumentação está ligada com a necessidade do homem de realizar medidas; } Essa necessidade levou o

Leia mais

Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1

Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 Prof. Eduardo Stockler Tognetti Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Introdução Norma S51 ISA (International

Leia mais

Tipos de controladores e funcionamento

Tipos de controladores e funcionamento Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ141- INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS custo Malhas Outros Processos de controle: de Separação Tipos de controladores e funcionamento

Leia mais

Vazão. Conceito de Vazão

Vazão. Conceito de Vazão Vazão Conceito de Vazão Quando se toma um ponto de referência, a vazão é a quantidade do produto ou da utilidade, expressa em massa ou em volume, que passa por ele, na unidade de tempo. A unidade de vazão

Leia mais

09/03/15. Revolução Industrial. Conceito: Automação Industrial. Revolução Industrial. Automação - Histórico. O que é Automação?

09/03/15. Revolução Industrial. Conceito: Automação Industrial. Revolução Industrial. Automação - Histórico. O que é Automação? Revolução Industrial AULA 2 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (O QUE É AUTOMAÇÃO) Prof. Fabricia O que foi a Revolução Industrial? Foi o principal evento que deu origem a automação industrial. Quando a Revolução Industrial

Leia mais

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica. Sistemas de Controle Realimentados

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica. Sistemas de Controle Realimentados Onde se Encaixa no Contexto da Engenharia Funcionamento Simples Geladeiras Ferros elétricos Máquinas de Lavar Funcionamento Complexo Sistemas Robotizados Aviões 1 Realimentação Sistemas e Sinais Retorno

Leia mais

PQI-2407 CONTROLE DE PROCESSOS QUÍMICOS. Professor: Darci Odloak Ano: 2009

PQI-2407 CONTROLE DE PROCESSOS QUÍMICOS. Professor: Darci Odloak Ano: 2009 PQI-407 CONTROLE DE PROCESSOS QUÍMICOS Professor: Darci Odloak no: 009 1 PQI-407 CONTROLE DE PROCESSOS QUÍMICOS O objetivo é introduzir os conceitos básicos para o entendimento das malhas de controle Porque

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. SDCD - Sistema Digital de Controle Distribuído

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. SDCD - Sistema Digital de Controle Distribuído Sistema Sistema Digital Digital de de Controle Controle Distribuído Distribuído SLIDE - 1 INTRODUÇÃO: AUTOMAÇÃO: Qualquer sistema, apoiado por computadores, que substitua o trabalho humano e que vise soluções

Leia mais

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF 1 Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE PROCESSOS Prof a Ninoska Bojorge Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Sumário Introdução Evolução do Controle de Processo

Leia mais

Controle em Cascata. TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica

Controle em Cascata. TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica Controle em Cascata TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica (Exemplo) CONTROLE DE UM REATOR Realimentação Simples O Processo Reação

Leia mais

CAPÍTULO 8: O CONTROLADOR PID

CAPÍTULO 8: O CONTROLADOR PID CAPÍTULO 8: O CONTROLADOR PID Quando eu terminar este capítulo eu quero ser capaz de completar o seguinte Conhecer os pontos fortes e fracos do controle PID Determinar o modelo do sistema feedback utilizando

Leia mais

PRODUÇÃO DE UMA INTERFACE GRÁFICA (SOFTWARE ACADÊMICO) PARA SIMULAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO

PRODUÇÃO DE UMA INTERFACE GRÁFICA (SOFTWARE ACADÊMICO) PARA SIMULAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PRODUÇÃO DE UMA INTERFACE GRÁFICA (SOFTWARE ACADÊMICO) PARA SIMULAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO F. L. BEZERRA 1, C.H. SODRÉ 2 e A. MORAIS Jr 3 1,2 Universidade Federal de Alagoas, Centro de Tecnologia

Leia mais

Série 700. estidas ANSI Classes 150 e 300 DIN PN 10 a PN 40

Série 700. estidas ANSI Classes 150 e 300 DIN PN 10 a PN 40 Série 7 1 Válvulas Macho Revestidas estidas ANSI Classes e DIN PN 1 a PN 4 As válvulas macho da série 7 foram projetadas para necessidades específicas de válvulas industriais onde se requer estanqueidade

Leia mais

O controle automático tem desempenhado um papel fundamental no avanço da engenharia e da ciência. Ex: sistemas de veículos espaciais, sistemas de

O controle automático tem desempenhado um papel fundamental no avanço da engenharia e da ciência. Ex: sistemas de veículos espaciais, sistemas de 1º Capitulo O controle automático tem desempenhado um papel fundamental no avanço da engenharia e da ciência. Ex: sistemas de veículos espaciais, sistemas de direcionamento de mísseis, sistemas robóticos

Leia mais

PTC3421 Instrumentação Industrial. Introdução V2017A PROF. R. P. MARQUES

PTC3421 Instrumentação Industrial. Introdução V2017A PROF. R. P. MARQUES PTC3421 Instrumentação Industrial Introdução V2017A PROF. R. P. MARQUES A malha básica de controle CONTROLADOR ATUADOR PLANTA SENSOR Abstratamente pensamos nos blocos do diagrama acima como sistemas dinâmicos.

Leia mais

Questões Selecionadas das Provas da Petrobras e Transpetro

Questões Selecionadas das Provas da Petrobras e Transpetro Questões Selecionadas das Provas da Petrobras e Transpetro Questão 1 Em um projeto de automação e controle de um parque industrial, encontramos o fluxograma simplificado de tubulação e instrumentação (P&ID)

Leia mais

TEQ Sistemas de Instrumentação e Controle de Processos Lista de Exercícios nº 3 RESPOSTAS

TEQ Sistemas de Instrumentação e Controle de Processos Lista de Exercícios nº 3 RESPOSTAS Questões TEQ00141- Sistemas de Instrumentação e Controle de Processos Lista de Exercícios nº 3 RESPOSTAS 1- Especifique a ação segura de falha (se é falha-abre ou falha-fecha) apropriada para as válvulas

Leia mais

2.ª Prática Controle (PID) do Nível da Caldeira (Tanque 02) da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos da De Lorenzo

2.ª Prática Controle (PID) do Nível da Caldeira (Tanque 02) da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos da De Lorenzo 1 2.ª Prática Controle (PID) do Nível da Caldeira (Tanque 02) da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos da De Lorenzo OBJETIVO: 1. Fazer o controle (PID) de um determinado nível na

Leia mais

CARGA HORÁRIA CRÉDITOS ASSINATURA DO CHEFE DO DEPARTAMENTO ANO PRÁTICA ESTÁGIO TOTAL

CARGA HORÁRIA CRÉDITOS ASSINATURA DO CHEFE DO DEPARTAMENTO ANO PRÁTICA ESTÁGIO TOTAL UFBA ORGÃO SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIDADE: ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO: ENGENHARIA QUÍMICA CÓDIGO: ENG 363 DISCIPLINA NOME: PROJETO E PLANEJAMENTO

Leia mais

Rosemount 333 HART Tri-Loop

Rosemount 333 HART Tri-Loop Folha de dados do produto Dezembro de 2011 Rosemount 333 Rosemount 333 HART Tri-Loop CONVERSOR DE SINAL HART PARA ANALÓGICO Converte um sinal digital HART em três sinais analógicos adicionais Fácil de

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS QUÍMICOS II PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS DEFINIÇÃO: É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA SIMPLIFICADA POR MEIO DE FIGURAS E LETRAS, DE ESTRUTURA E DO FUNCIONAMENTO DE INSTALAÇÕES DE PROCESSAMENTO. CLASSIFICAÇÃO:

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO

ESTUDO DIRIGIDO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE CAMPUS GARANHUNS CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM ELETROELETRÔNICA Disciplina: Instrumentação Industrial UNIDADE 2 Período Letivo: 2012.2

Leia mais

ENG-032 INSTRUMENTAÇÃO APLICADA À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL DISCIPLINA OPTATIVA

ENG-032 INSTRUMENTAÇÃO APLICADA À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL DISCIPLINA OPTATIVA 1 Universidade Federal da Bahia - UFBA Escola Politécnica EP Departamento de Engenharia Química - DEQ Laboratório de Controle e Otimização de Processos Industriais - LACOI Disciplina: Instrumentação aplicada

Leia mais

Curso Superior Manutenção Industrial. Módulo: Instrumentação

Curso Superior Manutenção Industrial. Módulo: Instrumentação Curso Superior Manutenção Industrial Módulo: Instrumentação INSTRUMENTAÇÃO Agenda: Histórico Instrumentação Ciência que aplica e desenvolve técnicas de medição, indicação, registro e controle de processos

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Outros Processos de Separação. Sistemas de Controle Multivariáveis: Uma Introdução

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Outros Processos de Separação. Sistemas de Controle Multivariáveis: Uma Introdução Departamento de Engenharia Química e de Petróleo FF custo Outros Processos de Separação Sistemas de Controle Multivariáveis: ma Introdução Prof a Ninoska Bojorge Controle de Processos Multivariáveis Controle

Leia mais

Segunda Lista de Instrumentação

Segunda Lista de Instrumentação Segunda Lista de Instrumentação Profª Ninoska Bojorge - TEQ/UFF Monitor : Julia Pinto Tema: Medição de Pressão, Medição de Vazão e Medição de Nível Questão 1: Alguns medidores de Pressão se baseiam na

Leia mais

Sem data Sheet online FLOWSIC30 MEDIDOR DE GÁS

Sem data Sheet online FLOWSIC30 MEDIDOR DE GÁS Sem data Sheet online FLOWSIC30 A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T Informações do pedido Tipo FLOWSIC30 Nº de artigo A pedido As especificações de dispositivo e os dados de desempenho exatos do produto

Leia mais

Instrumentos de Vazão. Adrielle C. Santana

Instrumentos de Vazão. Adrielle C. Santana Instrumentos de Vazão Adrielle C. Santana Instrumentação Instrumentação Instrumentação Introdução Vazão é a quantidade volumétrica ou gravimétrica de determinado fluido que passa por uma determinada seção

Leia mais

ATUADOR CILÍNDRICO PNEUMÁTICO. smar

ATUADOR CILÍNDRICO PNEUMÁTICO. smar ATUADOR CILÍNDRICO PNEUMÁTICO smar DESCRIÇÃO O Atuador Cilíndrico Pneumático ACP301 alia a força de cilindros pneumáticos às potencialidades do posicionador inteligente microprocessado FY301, permitindo

Leia mais

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica TE149 Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica Sinais elétricos Mundo Mundo Real Real Grandezas Físicas Físicas Sensor Atuador Condicionamento e Processamento

Leia mais

Resolução da Lista 5. Questão 1:

Resolução da Lista 5. Questão 1: Resolução da Lista 5 Questão 1: a) A- Ação do Controlador: Quando o nível aumenta (em relação ao set-point), a válvula deve abrir, para re restabelecê-lo ao set-point. Para a válvula abrir, como ela é

Leia mais

hydrostec VÁLVULAS DE REGULAÇÃO MULTIJATO Atuador Redutor Transmissor de posição Suporte Arcada Corpo Eixo Placa móvel Placa fixa

hydrostec VÁLVULAS DE REGULAÇÃO MULTIJATO Atuador Redutor Transmissor de posição Suporte Arcada Corpo Eixo Placa móvel Placa fixa B30.15.0-P VÁLVULAS DE REGULAÇÃO ULTIJATO Regulação da vazão e pressão Atuador Redutor Transmissor de posição Suporte Arcada Corpo Eixo Placa móvel Placa fixa A Válvula Regulação ultijato, foi desenvolvida

Leia mais

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS Prof. Fabricia Neres Tipos de Acionamento Os acionadores são dispositivos responsáveis pelo movimento nos atuadores. Podem ser classificados em: Acionamento Elétrico; Acionamento

Leia mais

Instrumentação Industrial. Diagramas PNI. Leonardo Tôrres. Dezembro de 2006

Instrumentação Industrial. Diagramas PNI. Leonardo Tôrres. Dezembro de 2006 Diagramas PNI Leonardo A. B. Tôrres Dezembro de 2006 Resumo Definição dos conceitos básicos ISA-S5.1-1984. Apresentação das regras para leitura de diagramas de Processo e Instrumentação PNIs (ou Pumping

Leia mais

TERMINOLOGIA. T - Temperatura F - Vazão R - Registrador C - Controladora C - Controlador V - Válvula P - Pressão L - Nível I - Indicador G Visor

TERMINOLOGIA. T - Temperatura F - Vazão R - Registrador C - Controladora C - Controlador V - Válvula P - Pressão L - Nível I - Indicador G Visor Os instrumentos de controle empregados na indústria de processos (química, siderúrgica, papel etc.) têm sua própria terminologia. Os termos utilizados definem as características próprias de medida e controle

Leia mais

FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº de 07 de outubro de 2011.

FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº de 07 de outubro de 2011. FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº 1.417 de 07 de outubro de 2011. CURSO: Engenharia Elétrica DISCIPLINA: Sistemas de Automação PROFESSOR: Allan Jacson LISTA

Leia mais

Denominação O Problema Um pouco de História Motivação Pré-requisitos Conceitos Bibliografia Recursos na Internet C. Capítulo 1. Gustavo H. C.

Denominação O Problema Um pouco de História Motivação Pré-requisitos Conceitos Bibliografia Recursos na Internet C. Capítulo 1. Gustavo H. C. Capítulo 1 Introdução Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Introdução 1/32 Este material contém notas de aula

Leia mais

II INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Eduardo Calsan Tecnologia em Polímeros

II INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Eduardo Calsan Tecnologia em Polímeros II INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Eduardo Calsan Tecnologia em Polímeros Introdução: II Controle Define-se controle ou ação de controle o conjunto sentiranalisar-agir. Ou seja, o controle é feito para

Leia mais

CONTROLADOR DE TEMPERATURA DIGITAL MICROPROCESSADO XMT-904

CONTROLADOR DE TEMPERATURA DIGITAL MICROPROCESSADO XMT-904 CONTROLADOR DE TEMPERATURA DIGITAL MICROPROCESSADO XMT-94 1-CARACTERISTICAS PRINCIPAIS Alimentação 1 ~24Vca. 2 Display LED de alto brilho de 4 dígitos cada. Multi-entrada : Termopar, termoresistência,

Leia mais

Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2)

Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2) Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2) Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo 1. Documentos

Leia mais

Fontes de Alimentação

Fontes de Alimentação ProLine Tecnologia de Interface Fontes de Alimentação Fonte de alimentação de 24 Vcc A Tarefa Os transmissores e condicionadores de sinais não alimentados pela malha de medição precisam de alimentação

Leia mais

Implementação de Controle de Temperatura e Pressão para um Piloto de Regeneradores de Alto-Forno

Implementação de Controle de Temperatura e Pressão para um Piloto de Regeneradores de Alto-Forno Implementação de Controle de Temperatura e Pressão para um Piloto de Regeneradores de Alto-Forno Munaro, C.J., Souza, T.A., Paes, A.A., Mattedi, A. Departamento de Engenharia Elétrica - Universidade Federal

Leia mais

Símbolos e Identificação

Símbolos e Identificação Símbolos e Identificação 1. Introdução A simbologia de instrumentação analógica e digital, compartilhada e integral, distribuída e centralizada se baseia nas seguintes normas americanas (geralmente traduzidas

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos QUEM SOMOS A MEGAPRESS é fabricante de sistemas de pressurização inteligentes e também painéis de comandos voltados para área de aquecimento, possuímos profissionais capazes de desenvolver

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

Automação Industrial AULA 02: Simbologias. Apresentar e trabalhar os símbolos mais utilizados nos projetos de automação. OBJETIVO:

Automação Industrial AULA 02: Simbologias. Apresentar e trabalhar os símbolos mais utilizados nos projetos de automação. OBJETIVO: AULA 02: Simbologias OBJETIVO: Apresentar e trabalhar os símbolos mais utilizados nos projetos de automação. Contextualização: Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3: Nível 2: Nível 4: Gerenciamento

Leia mais

Automação Industrial Profº Túlio de Almeida

Automação Industrial Profº Túlio de Almeida 4. SISTEMAS DE CONTROLE DE PROCESSOS 4.1. INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL A Instrumentação é a ciência que aplica e desenvolve técnicas de medição, indicação, registro e controle de processos de fabricação.

Leia mais

FUNDAMENTOS Definições SISTEMA. Medição : Ato de medir. Medida : mesmo que medição. o resultado da medição.

FUNDAMENTOS Definições SISTEMA. Medição : Ato de medir. Medida : mesmo que medição. o resultado da medição. 1. - Definições Medição : Ato de medir. FUNDAMENTOS Medida : mesmo que medição. o resultado da medição. Instrumento de medida : é o dispositivo pelo qual pode-se avaliar (medir) uma quantidade física,

Leia mais

VÁLVULAS DE CONTROLE PARA SERVIÇOS SEVEROS. Graziano Itri

VÁLVULAS DE CONTROLE PARA SERVIÇOS SEVEROS. Graziano Itri VÁLVULAS DE CONTROLE PARA SERVIÇOS SEVEROS Graziano Itri Série 85-Classes:150 a 600 Série 1000-Classes: 150 a 600 Diâmetros: 1 a 8 Diâmetros: 10 a 24 Série 1000A-Classes: 900 a 2500 Diâmetros: 2 a 24 INTERNOS

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica. Laboratório de Controle e Automação II

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica. Laboratório de Controle e Automação II Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Controle e Automação II Roteiro de Aula Sistemas digitais de controle distribuído Professora:

Leia mais

AULA 07 - LTC38B. Controle Supervisório. Prof. Leandro Castilho Brolin

AULA 07 - LTC38B. Controle Supervisório. Prof. Leandro Castilho Brolin AULA 07 - LTC38B Controle Supervisório Prof. Leandro Castilho Brolin UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná COELE Coordenação de Engenharia Eletrônica RESUMO (1) Ruído em Válvulas de Controle

Leia mais

CAIXAS.pdf 1 02/09/11 14:58 C M Y CM MY CY CMY K Caixas

CAIXAS.pdf 1 02/09/11 14:58 C M Y CM MY CY CMY K Caixas A TROPICAL, com o intuito de melhor atender às necessidades do mercado, oferece a opção de Caixa de Volume Variável de formato circular. Os controladores de fluxo modelo VAV de construção robusta, podem

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Produto A linha de Inversores de Freqüência NXP da Altus atende a grandes aplicações, que necessitam de robustez, desempenho dinâmico, precisão estática e potência. Possui uma vasta gama de

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: CÁLCULO I DISCIPLINA: FÍSICA I Estudo do centro de Massa e Momento Linear. Estudo da Rotação. Estudo de Rolamento, Torque

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS INSTRUMENTAÇÃO EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Válvulas de controle (funções, componentes, tipos e aplicações) Patrícia Lins de Paula 25/03/2012 154 VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar

Leia mais

Relé de Proteção Térmica EP4 - SLIM ANSI 23/ 26/49. Catalogo. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6

Relé de Proteção Térmica EP4 - SLIM ANSI 23/ 26/49. Catalogo. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 Catalogo ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 Relé de Proteção Térmica EP4 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRINCIPAIS CARACTERISTICAS... 3 DADOS TÉCNICOS... 4 ENSAIOS DE TIPO ATENDIDOS... 4 DIMENSÕES...

Leia mais

C-Flow Coriolis Medidor de Vazão Coriolis de Massa

C-Flow Coriolis Medidor de Vazão Coriolis de Massa l Novos tamanhos de até 60,000 kg/hr C-Flow Coriolis Medidor de Vazão Coriolis de Massa CONTECH MEDIDORES DE VAZÃO Aplicação e Recursos Para fluídos (ex. Componentes PU, pinturas) e gases de alta densidade

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLP) Disciplina: TAIE4

Controladores Lógicos Programáveis (CLP) Disciplina: TAIE4 (CLP) Disciplina: TAIE4 Profº. Fernando Barros Rodrigues 1 Um Controlador Lógico Programável (CLP) é um dispositivo eletrônico que possui memória programável para armazenar instruções e executar funções

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 Validade: A partir de 01/91 Departamento: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica: 30H Lab.: 30H Exerc.: 00H ) Créditos: 03 Pré-requisitos: Controle e Servomecanismos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO GÁS

MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO GÁS MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO GÁS Progás Indústria Metalúrgica Ltda. Av. Eustáquio Mascarello, 5 - Desvio Rizzo Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 0800.979. www.progas.com.br - e-mail: progas@progas.com.br

Leia mais

LISTA /1. a) Quanto maior o tempo morto, maior deverá ser a ação b) Quanto maior o ganho do processo menor deverá ser o ganho do controlador.

LISTA /1. a) Quanto maior o tempo morto, maior deverá ser a ação b) Quanto maior o ganho do processo menor deverá ser o ganho do controlador. LISTA 006/ ) (005/, PARTE A) Um sistema dinâmico é modelado por função de transferência de primeira ordem com tempo morto. Comente sobre as seguintes afirmativas: a) Quanto maior o tempo morto, maior deverá

Leia mais

EFEITO DA PRESSÃO SOBRE DINÂMICA E CONTROLE DE COLUNA DE DESTILAÇÃO COM RETIRADA LATERAL

EFEITO DA PRESSÃO SOBRE DINÂMICA E CONTROLE DE COLUNA DE DESTILAÇÃO COM RETIRADA LATERAL EFEITO DA PRESSÃO SOBRE DINÂMICA E CONTROLE DE COLUNA DE DESTILAÇÃO COM RETIRADA LATERAL G. W. de FARIAS NETO, R. P. BRITO, S. R. DANTAS e R. M. L. OLIVEIRA Universidade Federal de Campina Grande, Departamento

Leia mais

SEM561 - SISTEMAS DE CONTROLE

SEM561 - SISTEMAS DE CONTROLE SEM561 - SISTEMAS DE CONTROLE Adriano Almeida Gonçalves Siqueira Aula 1 - Introdução a Sistemas de Controle Índice O que é controle? Exemplo 1: componentes de um sistema de controle Exemplo 2: malha aberta

Leia mais

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. TUBULAÇÕES E VASOS DE PRESSÃO São equipamentos vitais nas plantas industriais das mais diversas áreas da engenharia. Generalidades e Classificação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE MONITORAMENTO E CONTROLE AUTOMÁTICO EM UMA PLANTA PILOTO CURITIBA, AGOSTO DE 2005. UNIVERSIDADE

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Processo de Fabricação de Chips PSI2613_A01-1

Processo de Fabricação de Chips PSI2613_A01-1 Processo de Fabricação de Chips PSI2613_A01-1 Encapsulamento Eletrônico (Packaging) Define-se como a Tecnologia de Interconexão de Componentes Eletrônicos. Esta tecnologia permite definir e controlar o

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Aplicado a Automação Industrial Nelson Chimentão Júnior 09/17/2013 Título Automação do Slide Aplicada

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis

DOSSIÊ TÉCNICO. Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis DOSSIÊ TÉCNICO Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Indexadores: Combustível; Inflamável; Armazenamento; Tanque; Recipiente; Tambores São Paulo, 01 de Julho de 2016. 1. RESULTADO FORNECIDO

Leia mais

TERMOREGULADOR. Esta linha de equipamentos necessitam de uma fonte fria para modular a temperatura. 2

TERMOREGULADOR. Esta linha de equipamentos necessitam de uma fonte fria para modular a temperatura. 2 TERMOREGULADOR Sua variação de controle poder chegar até 0,5ºC, esta precisão se da pelo controle de PID gerido pelo controlador GEFRAN instalado estrategicamente em seu painel frontal e fácil acesso ao

Leia mais

PRODUTOS SOLUÇÕES EM MEDIÇÃO, VAZÃO E NÍVEL

PRODUTOS SOLUÇÕES EM MEDIÇÃO, VAZÃO E NÍVEL PRODUTOS SOLUÇÕES EM MEDIÇÃO, VAZÃO E NÍVEL Elétricos Inteligentes & STVM elétricos inteligentes R edutores M aster station para sistema de telecomando de válvulas motorizadas Eletro-Hidráulicos Especiais

Leia mais

CONTROLE. Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação. Programa da disciplina 2 o Semestre de Prof.

CONTROLE. Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação. Programa da disciplina 2 o Semestre de Prof. Objetivos: CONTROLE Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação Engenharia da Computação T7013A Programa da disciplina 2 o Semestre de 2008 Prof. Valdemir Carrara Conteúdo da disciplina

Leia mais

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE Joinville Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Sistemas de Controle - I ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

Leia mais

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Principais Tipos Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Resfriados a água sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Trocador casco e tubo

Leia mais

Análise de processos químicos (relembrando) Balanço de massa (ou material)

Análise de processos químicos (relembrando) Balanço de massa (ou material) - Conversão de unidades: uso de fatores de conversão - Homogeneidade dimensional: consistência algébrica das unidades de uma equação - Grandezas Adimensionais: Grandezas sem unidades - Trabalhando com

Leia mais

Simbologia de Controle de Processos

Simbologia de Controle de Processos Simbologia de Controle de Processos Seminário Automação Industrial 2º Semestre de 2011 Watson Oliveira RA: 510303-6 Leandro Tassi RA: 517566-0 Prof. Nilson M. Taira Faculdades Integradas de São Paulo Introdução

Leia mais