PROGRAMA DESCENTRALIZADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DESCENTRALIZADO"

Transcrição

1 PROGRAMA DESENTRALIZADO BRASIL/ITÁLIA LIGURIA, EMILIA-ROMAGNA, TOSCANA, PROGRAMA DESCENTRALIZADO MARCHE E UMBRIA. DE COOPERAÇÃO BRASIL-ITÁLIA EXPERIÊNCIAS e RESULTADOS 2003/2010

2

3 índice INTRODUÇÃO...7 HISTÓRICO...8 ÁREAS DE INTERVENÇÃO E BENEFICIÁRIOS...11 CONCRETIZA-SE O PROGRAMA BRASIL PRÓXIMO...17 ATIVIDADES DE AÇÕES REALIZADAS ATÉ 2010 E PLANO OPERATIVO 2011/ A ECONOMIA DO TURISMO...22 APOIO À PEQUENA E MÉDIA EMPRESA...31 DIVERSIFICAÇÃO PRODUTIVA...33 COOPERATIVISMO...36 POLÍTICAS SOCIAIS...40

4

5 PROGRAMA DESCENTRALIZADO DE COOPERAÇÃO BRASIL-ITÁLIA EXPERIÊNCIAS e RESULTADOS 2003/2010

6 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 6

7 Foto: PR/Tadeu INTRODUÇÃO O Programa Brasil Próximo é resultado de acordos entre os governos do Brasil e da Itália e tem por objetivo viabilizar projetos de cooperação com foco no desenvolvimento local, em parceria com estados e municípios. Posse do Comitê de Direção e Controle - Brasília Em dezembro de 2009 foi instalada em Brasília a Comissão Intersetorial para a gestão do programa. Criada pelo Presidente da República do Brasil, a comissão tem a missão de coordenar o programa e é formada por representantes de 18 ministérios. O decreto determina ainda que a Secretaria-Geral da Presidência da República seja responsável pela secretaria executiva da comissão. O processo que antecedeu a criação do programa caracterizou-se pela integração das experiências de cooperação dos estados da Itália central Umbria, Marche, Toscana, Emilia-Romagna e Liguria. 7

8 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 O Brasil Próximo valorizou competências específicas e iniciou o intercâmbio de experiências de políticas públicas bem sucedidas brasileiras e experiências italianas no campo do desenvolvimento regional integrado, vistas como viáveis para serem implementadas em alguns territórios brasileiros. Inspiradas pela visão comum de que um novo mundo é possível do primeiro Fórum Social Mundial de Porto Alegre (2000), os estados italianos, comprometidos com a promoção de parcerias no setor da economia social e cultura com os governos locais no Brasil, deram início ao intercâmbio de experiências sobre as questões do desenvolvimento econômico local, políticas sociais e culturais. HISTÓRICO Em 2002, os estados de Umbria e Marche promoveram dois seminários no Brasil. O primeiro aconteceu em Recife (PE), com o tema Governo local, participação dos cidadãos e políticas públicas para a inclusão social", com foco no desenvolvimento das empresas sociais. O segundo, realizado em Porto Alegre, teve como tema "Brasil/Itália: uma escolha para o desenvolvimento local. A partir daí foram criadas diversas parcerias entre as cidades de Porto Alegre e Caxias do Sul (RS), Piracicaba e Rio Claro (SP), Uberlândia e Juiz de Fora (MG), e Recife (PE) e os estados italianos Marche, Umbria e Toscana, sendo que esta aderiu ao processo no final de Foram assinados protocolos e memorandos visando promover, principalmente, projetos de desenvolvimento local. A partir de 2003, as parcerias se intensificaram diante de um quadro de relações formais entre governos. Em 22 de maio daquele ano 8

9 foi assinado em Roma um protocolo pelos presidentes das regiões Marche, Toscana e Umbria. O documento tinha como objetivo iniciar uma nova fase de cooperação com o Brasil para, sobretudo, construir uma rede de trocas, intercâmbios e ações comuns entre os sujeitos públicos e privados dos dois países, tendo em vista o desenvolvimento local. Entre as ações previstas no protocolo estavam o apoio às políticas sociais; a promoção do desenvolvimento local, facilitando a troca de experiências entre as agências e entre as pequenas e médias empresas; o apoio à inovação e reestruturação dos sistemas de produção, com a criação de formas alternativas de emprego; e a melhoria dos serviços públicos locais. Tal iniciativa resultou na assinatura, em 2003, de memorando durante o seminário internacional "Brasil-Itália: a importância das cidades no desenvolvimento local", entre os três estados italianos e a Presidência da República do Brasil, realizado em Juiz de Fora (MG). A seguir, uma declaração conjunta firmada em Perugia, em 2003, pelos governadores dos estados de Marche, Toscana e Umbria e pelo Ministério da Cultura do Brasil, deu origem ao compromisso de desenvolver ações concretas de colaboração e de intercâmbio a serem configuradas em um acordo internacional de cooperação institucional. Ainda em 2003, uma delegação de 30 representantes de entidades públicas e privadas brasileiras realizou visita técnica às regiões italianas. Em 2004 uma delegação brasileira assinou, na Itália, os termos de colaboração entre o governo brasileiro e a Umbria, a Toscana e o Marche, dando início ao projeto de cooperação descentralizada Percurso de Colaboração para a Implementação de Políticas de Desenvolvimento Local Integrado entre os estados Marche, 9

10 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 Toscana, Umbria, Emilia-Romagna e a Presidência da República Federativa do Brasil. Em 2004, foi promovido um seminário de formação para técnicos do governo federal e de municípios para definir metodologias e instrumentos baseados na experiência que as regiões italianas adquiriram ao longo dos anos em desenvolvimento local. Na ocasião foi assinado o termo de colaboração entre o governo brasileiro e o estado de Emilia-Romagna, que trouxe para o projeto sua experiência no âmbito do cooperativismo. Nesta época, foram ainda firmados protocolos entre a União e os estados do Piauí e do Amazonas, tendo em vista efetivar a cooperação. O Brasil apostou na aquisição de novas competências para o desenvolvimento econômico, na transferência de sistemas produtivos da fábrica ao território e na ampliação do setor de serviços. A cooperação descentralizada italiana é baseada na reciprocidade e no interesse mútuo das partes; está estreitamente ligada ao território; dirige suas ações a partir das exigências expressas pelo território e considera fundamental a parceria entre os territórios, bem como a valorização das competências e especificidades. O projeto, articulado em quatro componentes desenvolvimento local, economia da cultura, políticas sociais e cooperativismo tem por objetivos: - difundir e adaptar instrumentos, políticas públicas e estratégias utilizadas pelos estados da Itália Central para a promoção do desenvolvimento local e regional, sobretudo no que diz respeito à pactuação política, institucional e social que está na base do crescimento econômico e da coesão social do território; 10

11 - fortalecer a articulação entre as diferentes esferas de governo envolvidas no Protocolo, assegurando maior coordenação entre os atores envolvidos em diversas escalas territoriais no país; - capacitar representantes dos ministérios e outros organismos do Executivo federal nas áreas de planejamento integrado das políticas sociais, economia da cultura e cooperativismo. A repactuação federativa para construir uma estratégia de desenvolvimento é o princípio fundamental sobre o qual foram desenvolvidas as linhas de atuação previstas no âmbito do Acordo de Cooperação com os estados italianos. Há ainda as seguintes metas previstas: - promover e qualificar os serviços de apoio às pequenas e médias empresas; - elaborar estudos de viabilidade para facilitar as condições de intercâmbio dos setores produtivos; - elaborar metodologias de planejamento territorial integrado e reorganizar os serviços públicos locais; - desenvolver instrumentos metodológicos para a integração das políticas sociais com especial referência aos territórios; - promover cultura, turismo e formação. ÁREAS DE INTERVENÇÃO E BENEFICIÁRIOS Os territórios, propostos pelo Brasil e aprovados pelos estados italianos, são: Manaus e Alto Solimões (AM), Serra das Confusões (PI), 11

12 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 São Carlos e Araraquara (SP), Bagé e Santa Maria (RS) e Mantiqueira (SP, MG e RJ). As áreas de intervenção identificadas foram: assistência à criação de consórcios intermunicipais e agências de desenvolvimento/centros de serviços; intervenções nos setores madeira/móveis, energias renováveis, setor integrado de turismo, artesanato, enogastronomia, cultura, agroindústria, mecânica, carne e couro. Paralelamente à realização dos estudos de viabilidade, a linha temática do desenvolvimento econômico local previu outras áreas de Foto: Cristina Sampaio Cooperativa de Produção Florestal do Alto Solimões - Benjamin Constant (AM) 12

13 atuação como a assistência técnica à inovação do modelo institucional; a realização de atividades de capacitação locais (workshops locais, já realizados) ou na Itália (visita de estudo). No campo das políticas sociais prevê-se a atuação nos territórios da Serra das Confusões (PI) e Baixada Fluminense (RJ) com foco no cooperativismo e tendo como característica principal o intercâmbio, a assistência técnica e a formação profissional. Em março de 2005 aconteceu em Florença, na Itália, um seminário de formação sobre as políticas sociais para funcionários das administrações locais brasileiras. Anteriormente haviam sido organizados três seminários em conjunto com técnicos do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e, em junho de 2006, foi realizado em Brasília um seminário internacional sobre o cooperativismo econômico local. A partir deste momento iniciou-se a elaboração de estudos de viabilidade para identificar projetos-piloto, cuja realização foi considerada estratégica no âmbito do desenvolvimento econômico local integrado nos territórios brasileiros escolhidos. Em julho de 2006 foi apresentado ao Presidente brasileiro o estágio de cada um dos projetos, a partir dos estudos de viabilidade realizados no período Estes estudos identificaram ações possíveis de cooperação com o governo federal e demais parceiros brasileiros na implementação de medidas de descentralização e desenvolvimento local, articulada nos territórios escolhidos. Na reunião com o Presidente da República do Brasil esteve presente o vice-ministro dos Assuntos Exteriores da Itália, Donato Di Santo, além de ministros brasileiros, governadores e vice-governadores 13

14 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 das regiões italianas, representantes dos ministérios do Comitê gestor e representantes dos territórios envolvidos. Na ocasião foram assinados dois memorandos de intenção, um com a região Liguria que aderiu ao processo com o compromisso de realizar estudos para valorização e preservação ambiental, e outro com o estado do Piemonte. A quantidade de atores envolvidos no processo faz com que o acordo de cooperação seja complexo, tornando imprescindível assegurar a articulação e o diálogo no âmbito local, nacional e internacional. Para enfrentar este desafio constituiu-se um comitê gestor binacional Brasil-Itália e um comitê gestor de cada país. Por meio da Portaria nº 73, publicada no Diário Oficial da União de 29 de agosto de 2006, foi criado, pelo lado brasileiro, um Grupo de Trabalho (GT) Interministerial para a implementação das ações decorrentes dos Acordos de Colaboração e para o fortalecimento da articulação interministerial no âmbito do governo federal e entre este e os governos estaduais e municipais envolvidos na cooperação. O GT teve como objetivo promover maior articulação e coordenação entre os atores envolvidos. Em setembro do mesmo ano, reuniu-se pela primeira vez o Conselho Ítalo-Brasileiro de Cooperação Econômica, Industrial, Financeira e para o Desenvolvimento (Comista) com a participação de ministérios, agências de pesquisa, de regulação e de cooperação governamentais dos dois países para debater a cooperação em andamento e parcerias futuras. Na declaração final do encontro, ressaltou-se o desenvolvimento da cooperação descentralizada entre os dois países e o crescente 14

15 Foto: Cristina Sampaio interesse dos estados italianos em atuar em cooperação com o Brasil. Por ser um novo arranjo que difere dos canais tradicionais de cooperação para o desenvolvimento, conclui-se que seria necessário construir um arcabouço jurídico próprio e uma melhor coordenação entre os dois Ministérios de Relações Exteriores a fim de estimular e orientar a ação das regiões italianas. Missão técnica binacional de 2008 O Ministério das Relações Exteriores italiano sugeriu a elaboração de um acordo entre os governos para abrigar a cooperação descentralizada, com a finalidade de corrigir a assimetria ocasionada pela formalização de Termos de Colaboração entre estados italianos e o governo brasileiro. Em março de 2007, durante visita do presidente do Conselho de Ministros da República Italiana, Romano Prodi, a declaração conjunta dos dois chefes de Estado expressa satisfação com o 15

16 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 papel desempenhado pela cooperação descentralizada no Brasil e, de modo especial, pelas ações de cooperação em favor do desenvolvimento local realizadas no âmbito do acordo de parceria de Posteriormente, em 17 de outubro de 2007, foi assinado em Roma, pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, por parte do governo brasileiro, e pelo Ministro das Relações Exteriores, do governo italiano, o Protocolo Adicional ao Acordo Básico de Cooperação Técnica entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Italiana sobre a Cooperação Descentralizada, que integrou o Acordo Básico de Cooperação Técnica de 30 de outubro de 1972 com adequadas disposições em matéria de cooperação descentralizada. A institucionalização do acordo trouxe impulso às atividades iniciadas em Delegações de técnicos brasileiros e italianos realizaram, em 2008, missões aos territórios de intervenção do projeto para avaliar cada uma das propostas de projeto surgidas no triênio de cooperação descentralizada As missões serviram para organizar os comitês de gestão locais e identificar os responsáveis pela interlocução entre os comitês locais e comitê gestor binacional. Neste período foram realizadas seis visitas técnicas binacionais com a participação de técnicos brasileiros e italianos em Manaus/ Alto Solimões, Piauí, Centro Paulista, Serra da Mantiqueira e Baixada Fluminense. Em agosto de 2009 aconteceu o Seminário de Gestão de Áreas Protegidas, que contou com a presença de diretores de parques nacionais do Piauí, Maranhão e Ceará e de sete parques nacionais 16

17 italianos, que debateram gestão e legislação. No mês de outubro de 2009 foi realizado em Campos de Jordão (SP) um seminário sobre economia do turismo com a participação de prefeitos e técnicos de 17 cidades da Serra da Mantiqueira. CONCRETIZA-SE O PROGRAMA BRASIL PRÓXIMO Foi instituída, em maio de 2009, por meio de decreto do Presidente da República, a Comissão Intersetorial para coordenar e acompanhar as ações e programas do Protocolo de Cooperação entre a Presidência da República Federativa do Brasil e os estados italianos de Umbria, Marche, Toscana e Emilia-Romagna. A comissão é composta por representantes de 18 ministérios, e é coordenada pela Secretaria-Geral da Presidência da República, Secretaria de Relações Institucionais e Gabinete Pessoal do Presidente da República. Em 16 de setembro de 2009, o Ministério dos Assuntos Exteriores da Itália aprovou financiamento a fundo perdido de sete milhões de euros (triênio ) para atividades e ações dos projetos da parceria com o Brasil, desde então denominado programa Brasil Próximo. Em 12 de novembro de 2009, uma portaria instituiu a secretaria executiva responsável pela coordenação da Comissão Intersetorial, presidida pela Secretaria-Geral da Presidência da República e formada por representantes da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, pelo Gabinete Pessoal do Presidente da República e da Secretaria-Geral. 17

18 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 Foto: Rita Dedola Assinatura de Compromisso pelos prefeitos do Centro Paulista Na Itália, a coordenação é feita por representantes da direção-geral de Cooperação para o Desenvolvimento do Ministério dos Assuntos Exteriores, representantes de cada um dos estados e da Embaixada da Itália no Brasil. Em dezembro aconteceu a primeira reunião da Comissão Intersetorial do Programa Brasil Próximo. Além dos representantes do governo federal, do Sebrae Nacional, dos estados do Piauí e Amazonas e prefeituras envolvidas, participaram o embaixador da Itália no Brasil e membros das cinco regiões italianas. Na ocasião, foi apresentado o Plano Operativo do Programa de Cooperação Brasil Próximo 2010/2013. ATIVIDADES DE 2010 Em julho de 2010 foi realizada missão de técnicos dos municípios e universidades do projeto do Centro Paulista. Em setembro, 18

19 missão institucional sobre Fundos Garantidores; em outubro, a de técnicos de turismo do Projeto da Serra da Mantiqueira e, em novembro, missão técnica/institucional do Projeto de Valorização da Cadeia do Azeite Extravirgem da Região da Campanha (RS). O programa Brasil Próximo se insere na nova abordagem da cooperação descentralizada Brasil/Itália com o objetivo de alcançar adequadas sinergias com as respectivas cooperações nacionais e tornar ainda mais significativo o impacto das intervenções propostas derivadas dos diagnósticos, seminários e oficinas realizadas no triênio e que serão implementadas pelo programa até o final de Os resultados esperados do programa são a valorização do patrimônio ambiental e cultural, o fortalecimento do sistema cooperativista, o aumento da eficácia dos sistemas locais de produção e a melhoria dos processos de democracia participativa. Foto: Arquivo Pessoal Missão técnica binacional Comunidade do Bom Caminho/Benjamin Constant (AM) 19

20 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA O item XII do Plano de Ação da Parceria Estratégica entre a República Federativa do Brasil e a República Italiana, assinado pelo Presidente da República do Brasil e pelo presidente do Conselho de Ministros da Itália, em 12 de abril de 2010, em Washington, versa sobre a Cooperação Descentralizada e garante que: O Brasil e a Itália, em consonância com as políticas externas conduzidas pelos governos, acompanharão, no âmbito do Conselho Brasil-Itália de Cooperação Econômica, Industrial, Financeira e para o Desenvolvimento, as ações e atividades desenvolvidas pela Cooperação Descentralizada, incluindo as ações da Comissão Intersetorial do Programa "Brasil Próximo", instituída em maio de 2009, com a participação de suas respectivas agências de cooperação. Com o intuito de troca de informações e fortalecimento do potencial econômico regional de ambos os países, as partes apoiarão iniciativas, programas e projetos no âmbito da Cooperação Descentralizada entre estados e municípios do Brasil e regiões e entidades locais da Itália, cabendo ao nível nacional o acompanhamento dessas ações, à luz do "Protocolo Adicional ao Acordo Básico de Cooperação Técnica entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Italiana sobre Cooperação Descentralizada", assinado em 17 de outubro de No dia 19 de maio de 2010, por meio do Decreto Legislativo nº 279, o Congresso Nacional Brasileiro aprovou o texto do Protocolo Adicional ao Acordo Básico de Cooperação Técnica entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Italiana sobre a Cooperação Descentralizada, assinado em Roma, em 17 de outubro de

21 UMBRIA JAZZ BRASIL Desde 2006, Umbria Jazz é parte integrante da campanha de comunicação que a Região Umbria e a Presidência da República iniciaram para apoiar e difundir o projeto de cooperação internacional entre estados italianos (Umbria, Marche, Toscana, Emilia-Romagna, Liguria) e o governo federal brasileiro. O Festival Umbria Jazz é um dos principais festivais de jazz do mundo e acontece, anualmente, na cidade de Perugia ha 36 anos. Em suas diversas edições contou com apresentações de cantores como João Gilberto, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Lani Andrade, Djavan e Carlinhos Brown, entre outros. No Brasil, a iniciativa, realizada em parceria com a Caixa Econômica Federal, a Fundazione Umbria Jazz e a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal, já está na sua quarta edição, contando com apresentações de expoentes do jazz dos dois países em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Em 2008, foram realizadas também apresentações em Curitiba e Salvador. 21

22 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 DEPOIMENTO DO INSTITUTO CHICO MENDES A RESPEITO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DAS CONFUSÕES (PI) O Parque Nacional da Serra das Confusões é uma Unidade de Conservação de Proteção Integral criada pelo Decreto Federal s/ nº de 02/10/98, com área de hectares e perímetro de 325 km, abrangendo parte dos municípios de Jurema, Tamboril do Piauí, Canto do Buriti, Alvorada do Gurgueia, Cristino Castro, Guaribas e Bom Jesus, todos localizados na região sudeste do Piauí, a qual apresenta os menores Índices de Desenvolvimento Humano do país (IBGE, 2000). Neste contexto, o Instituto Chico Mendes da Conservação da Biodiversidade ciente da realidade local focou a gestão da visitação do Parque Nacional da Serra das Confusões na geração de empregos e oportunidades de aumento de renda às populações carentes da região. Esse modelo inovador de gestão proporciona o desenvolvimento sustentável na região. AÇÕES REALIZADAS ATÉ 2010 E PLANO OPERATIVO 2011/2013 A ECONOMIA DO TURISMO» Projeto: Observatório sobre turismo da Região da Mantiqueira Campos do Jordão, Santo Antônio 22

23 do Pinhal, São Bento do Sapucaí (SP); Sapucaí Mirim, Piranguinho, Piranguçu, Itajubá, Maria da Fé, Cristina, Carmo de Minas, São Lourenço e Caxambu (MG) Tem como finalidade auxiliar os municípios no que diz respeito ao desenvolvimento integrado do território da Mantiqueira, referente à implementação de programa de desenvolvimento regional integrado. A iniciativa tem como eixo principal o turismo, a agricultura, o artesanato e a cultura, com atenção especial à melhoria das condições de vida da comunidade local. A estratégia é envolver os atores locais, públicos e privados (municípios, órgãos do governo estadual e federal, sindicatos, associações comunitárias e culturais, ONGs, empresas privadas e universidades), na definição das políticas. Com o apoio dos representantes da Toscana será desenvolvida ação propositiva e de acompanhamento para criação de instância para promover e coordenar a oferta turística na Serra da Mantiqueira. Objetivos - Criação de portal turístico do território para dar visibilidade turística e comercial à iniciativa por meio da internet e também coordenar ações promocionais. - Criação de um observatório sobre turismo (em andamento) para implementar um sistema de monitoramento da demanda e da oferta turística do território. Terá a finalidade de realizar a identificação quantitativa e qualitativa dos fluxos turísticos. Estão previstas ainda missões ao território italiano. 23

24 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 Foto: Cristina Sampaio Centro de Artesanato de Amtü - Atalaia do Norte Resultados esperados - Elaboração de uma metodologia para o desenvolvimento territorial capaz de promover o turismo e os produtos a ele ligados. A metodologia deverá, ao mesmo tempo, proteger, valorizar e renovar os recursos naturais presentes na biodiversidade do território por meio de um sistema de governança baseada na cooperação estratégica, técnica e financeira em nível intermunicipal; 24

25 - Realização de mapeamento do mercado turístico da Mantiqueira mediante a instrumentação para identificar dados quantitativos e qualitativos, relativos aos territórios de vocação turística visando ao aprimoramento das políticas federais e das intervenções de desenvolvimento turístico em nível local; - Reforço das capacidades de gestão dos sujeitos públicos e privados que participam do desenvolvimento territorial turístico e nos setores coligados. Ações desenvolvidas (até novembro de 2010) - Criação da Associação de Desenvolvimento Integrado do Território da Mantiqueira (ADTIM) em 13 de fevereiro de 2006, em Itajubá (MG); - Convênio (732828/2010) assinado entre o Ministério do Turismo e a ADTIM para Inventariação Turística dos Municípios de Abrangência do Território Mantiqueira (valor global do convênio: R$ ,50; - Oficina de Trabalho para reelaboração do projeto em 8 de setembro de 2009 em Santo Antônio do Pinhal; - Seminário de Trabalho da ADITM com os municípios que compõe o projeto para criação de Plano de Trabalho (27 a 30 de outubro de 2009/Campos do Jordão/SP); - Encontro de Parceiros (MG e SP), promovido pela Presidência da República, Ministério do Turismo e Associação de Desenvolvimento Integrado do Território Mantiqueira; 25

26 Experiências E RESULTADOS 2003/ Missão Técnica Região Toscana Seminário em Florença: Como Construir um Modelo de Observatório Turístico Regional, de 16 a 24 de outubro de Orçamento italiano (2011/2013) Valor total: ,00, sendo ,00 oriundos da contribuição do Ministério dos Assuntos Exteriores da Itália e ,00 da contribuição da região.» Projeto: Alto Solimões Apoio ao desenvolvimento econômico integrado da Região do Alto Solimões (municípios de Tabatinga, Benjamin Constant, Atalaia do Norte e Ilha de Aramaçan/AM) Objetivos O objetivo do projeto é apoiar o desenvolvimento econômico integrado da Região do Alto Solimões, implantando processos que utilizem o patrimônio natural para o crescimento econômico-social sustentável e ecocompatível. A atuação junto à cadeia produtiva do turismo desenvolvendo oferta dirigida ao setor do Turismo Sustentável e à exploração certificada dos recursos florestais são elementos de inovação, inclusive com características de experimentação, possível modelo para outras áreas da Região Amazônica. Ações já desenvolvidas e valores dispendidos - Criação do Fórum de Desenvolvimento do Alto Solimões; - Aquisição de equipamentos por meio do Ministério da Integração, no valor de R$ 790 mil. 26

27 Foto: Cristina Sampaio Ações previstas Rio Solimões - Apoio à secretaria técnica do fórum, formada pelos setores da sociedade civil do Alto Solimões, como administrações públicas, universidades, ONGs, igrejas e associações de forma a garantir a continuidade do projeto; - Garantia de recursos financeiros visando à construção do plano estratégico, das metodologias, modelos e instrumentos e início de política de marca regional para a promoção integrada do território; - Criação, gestão e promoção de um produto turístico regional inovador (bioparque), que são centros temáticos de visita organizada e de percursos na floresta nos municípios envolvidos; - Estruturação da oferta de hospedagem e alimentação, além de venda de produtos locais. A ação se vale da comprovada experiência da Fundação Acquario di Genova na construção de produtos 27

28 Experiências E RESULTADOS 2003/2010 turísticos inovadores de entretenimento e de educação. As áreas temáticas para visita são aquicultura, fauna local, plantas úteis ao homem, explorações e gestão sustentável de florestas; - Implantação de centro de acolhimento turístico e de educação ambiental em Tabatinga, porta de entrada da região para turistas que vêm do Brasil, Colômbia e Peru. Orçamento italiano (2011/2013) Valor total: ,00, sendo ,40 de contribuição do Ministério dos Assuntos Exteriores da Itália e ,60 da contribuição das regiões.» Projeto: Valorização Turística da Região da Serra das Confusões (PI) Objetivos O objetivo é auxiliar os municípios locais, o governo do estado do Piauí e o governo federal no desenho e atuação de uma intervenção de promoção e valorização econômica do Parque da Serra das Confusões, de forma a constituir um eixo que leve ao desenvolvimento integrado do território, por meio da criação de um produto turístico. As intervenções se inserem no quadro total das ações dos diversos níveis de governo. Essas ações visam ao desenvolvimento social inclusivo, a melhoria da qualidade de vida das populações, à conservação do território e do meio ambiente, à melhoria da infraestrutura e ao desenvolvimento econômico sustentável. As ações seguem uma metodologia de programação capaz de envolver, desde o início, os atores locais, públicos e privados (municípios, órgãos do governo estadual e federal, sindicatos, associações 28

29 Foto: Cristina Sampaio comunitárias, e culturais, ONGs, empresas privadas e universidades), na definição das intervenções e das políticas. Ações já desenvolvidas e valores Parque Nacional da Serra das Confusões - Pinturas Rupestres - Obras de infraestrutura (reformas, ampliação e melhorias) no Parque da Serra das Confusões, contratadas pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes), com recursos da compensação ambiental. Valor: R$ ,97; - Construção de estrada no entorno do Parque da Serra das Confusões (em processo de licitação), contratada pelo governo do estado do Piauí. Valor: R$ ,21. Orçamento italiano (2011/2013) Valor total: ,00, sendo ,00 da contribuição do Ministério dos Assuntos Exteriores da Itália e ,00 oriundos do cofinanciamento das regiões. 29

30 Foto: Cristina Sampaio Experiências E RESULTADOS 2003/

31 APOIO À PEQUENA E MÉDIA EMPRESA» Projeto: Criação de uma Rede de Instrumentos de Apoio às Pequenas e Médias Empresas da Região Centro Paulista (municípios de Araraquara, Gavião Peixoto, Ribeirão Bonito, São Carlos, Descalvados, Itirapina e Rio Claro) Objetivos - Criar estrutura de assistência às pequenas e médias empresas para coordenar e articular serviços e programas nos três níveis de governo, instituições e atores econômicos da área, e promover a inovação de produto, de processo e de gestão; - Instituir metodologias para articular com os instrumentos e as redes existentes e atender às crescentes necessidades de participação, expressas pelos atores locais, tendo em vista um planejamento econômico local adequado; - Aplicar a experiência das regiões italianas, cujo modelo de desenvolvimento se baseia nas pequenas e médias empresas e no pacto entre o setor público e o privado em apoio às administrações e às instituições locais do Centro Paulista que se ocupam de desenvolvimento econômico local; - Apoiar as associações entre pequenas e médias empresas com base setorial e territorial, desenvolvendo as cadeias produtivas, incentivando o acordo público-privado, promovendo a transferência tecnológica e de conhecimento entre universidades e pequenas e médias empresas, contribuindo com o desenvolvimento local de modo integrado. Parque Nacional da Serra das Confusões - Catedral 31

Capitalização das boas práticas no âmbito do Programa Brasil Próximo

Capitalização das boas práticas no âmbito do Programa Brasil Próximo Capitalização das boas práticas no âmbito do Programa Brasil Próximo Projetos Projeto Observatório do Turismo da Região da Mantiqueira Projeto Apoio ao Desenvolvimento Econômico Integrado da Região do

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA BRASIL PRÓXIMO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA BRASIL PRÓXIMO Subchefia de Assuntos Federativos Secretaria de Relações Institucionais Presidência da República PROGRAMA DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA BRASIL PRÓXIMO Cooperação entre a Presidência da República e Regiões

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 Informações gerais da cidade Ofertas de capacitação Demandas de capacitação

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA Os Governadores e Governadoras, Intendentas e Intendentes, Prefeitas e Prefeitos do MERCOSUL reunidos no dia 16 de julho de 2015, na cidade de Brasília DF, por meio do Foro Consultivo

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria do Desenvolvimento da Produção Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas O Fórum F Permanente e os Fóruns F Regionais das

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROJETOS FRANCO-BRASILEIROS DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA TRILATERAL EM BENEFÍCIO DO HAITI E DO CONTINENTE AFRICANO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROJETOS FRANCO-BRASILEIROS DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA TRILATERAL EM BENEFÍCIO DO HAITI E DO CONTINENTE AFRICANO EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROJETOS FRANCO-BRASILEIROS DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA TRILATERAL EM BENEFÍCIO DO HAITI E DO CONTINENTE AFRICANO I. CONTEXTO Em junho de 2010, realizou-se, no Palácio do Itamaraty,

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA COORDENAÇÃO ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA Ministério Público - Procuradoria Regional dos Direitos

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL:

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: III ENCONTRO LATINO AMERICANO E CARIBENHO SOBRE MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: Participação dos Estados Eugênio Cunha São Paulo 14 de março de 2008 SUMÁRIO PARTE I NÍVEL INSTITUCIONAL

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Governança social integrada e desenvolvimento local: o plano de desenvolvimento sustentável da Costa das Baleias - Bahia

Governança social integrada e desenvolvimento local: o plano de desenvolvimento sustentável da Costa das Baleias - Bahia Governança social integrada e desenvolvimento local: o plano de desenvolvimento sustentável da Costa das Baleias - Bahia 25/06/ 2013 1 Contexto Região, situada ao Extremo Sul da Bahia, necessita de um

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES SECRETARIA DE HABITAÇÃO, SANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LATUS CONSULTORIA II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES Ijuí - Julho 2010 O MARCO JURÍDICO-INSTITUCIONAL

Leia mais

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, de modo a facilitar sua compreensão

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local Histórico Esta campanha tem sua origem no contexto do V Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) em agosto de 2010 no Recife PE. Nessa ocasião, o enfoque do evento foi: Transformando

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda (SPETR) O SPETR deve estruturar e integrar as seguintes funções/ações básicas e complementares: seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, orientação profissional,

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais