NCE/14/00016 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NCE/14/00016 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos"

Transcrição

1 NCE/14/00016 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outra(s) Instituição(ões) de Ensino Superior / Entidade(s) Instituidora(s): A.2. Unidade(s) orgânica(s) (faculdade, escola, Instituto, etc.): Faculdade De Letras (UL) A.3. Designação do ciclo de estudos: Ética, Democracia e Desafios Societais A.4. Grau: Doutor A.5. Área científica predominante do ciclo de estudos: Filosofia A.6.1 Classificação da área principal do ciclo de estudos (3 algarismos), de acordo com a Portaria n.º 256/2005, de 16 de Março (CNAEF): 226 A.6.2 Classificação da área secundária do ciclo de estudos (3 algarismos), de acordo com a Portaria n.º 256/2005, de 16 de Março (CNAEF), se aplicável: <sem resposta> A.6.3 Classificação de outra área secundária do ciclo de estudos (3 algarismos), de acordo com a Portaria n.º 256/2005, de 16 de Março (CNAEF), se aplicável: <sem resposta> A.7. Número de créditos ECTS necessário à obtenção do grau: 240 A.8. Duração do ciclo de estudos (art.º 3 DL-74/2006, de 26 de Março): 4 anos / 8 semestres A.9. Número de vagas proposto: 15 A.10. Condições específicas de ingresso: Os candidatos à inscrição no ciclo de estudos deverão ser titulares do grau de mestre ou equivalente legal. A selecção dos candidatos basear-se-á numa avaliação do seu curriculum vitae e numa entrevista. Relatório da CAE - Novo Ciclo de Estudos 1. Instrução do pedido Deliberações dos órgãos que legal e estatutariamente foram ouvidos no processo de criação do ciclo de estudos: Existem, são adequadas e cumprem os requisitos legais Evidências que fundamentam a classificação de cumprimento assinalada: A proposta de ciclo de estudos (CE) foi aprovada sucessivamente pelos órgãos estatutariamente pág. 1 de 9

2 intervenientes no processo: Conselho Científico da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL), Conselho Pedagógico da FLUL, Reitor da Universidade de Lisboa (UL). A ata do Conselho Científico de 18/06/2014, anexa ao pedido, refere a aprovação de outros cursos, mas não do curso sob pedido de aprovação. Relativamente a este diz-se que "foi discutida e aprovada a alteração da designação do curso de doutoramento para Ética, Democracia e Tecnologia, aprovada em reunião de 4/06/2014", depreendendo-se, portanto, que a criação foi efetivamente aprovado em reunião do mesmo órgão Docente(s) responsável(eis) pela coordenação da implementação do ciclo de estudos: Foi indicado e tem o perfil adequado Evidências que fundamentam a classificação de cumprimento assinalada: Os docentes responsáveis têm categoria académica e perfil académico adequados à responsabilidade que assumem: um Professor Catedrático, especialista em Filosofia Política, um Professor Associado, especialista em Filosofia da Cultura e um Professor Auxiliar, especialista em Ética. Todos têm vínculo a tempo completo com a instituição. 2. Condições específicas de ingresso, estrutura curricular e plano de estudos Condições específicas de ingresso: Existem, são adequadas e cumprem os requisitos legais Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinalada: As condições específicas de ingresso são adequadas e cumprem os requisitos legais. De qualquer modo, as condições poderiam ser menos restritivas e contemplar também as outras duas possibilidades definidas no nº 1 do art. 30 do Decreto Lei 74/ Estrutura Curricular e Plano de Estudos: Existem, são adequados e cumprem os requisitos legais Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinalada: A estrutura curricular e o plano de estudos apresentados obedecem aos requisitos legais gerais. O curso prevê 3 ramos, com uma estrutura comum, partilhando algumas unidades curriculares (opções) e seminários de formação e acompanhamento de investigação, a par de outras UC diferenciadoras entre os 3 ramos. Os créditos estão devidamente estabelecidos e identificam-se as horas de trabalho e de contacto de cada unidade curricular. 3. Descrição e fundamentação dos objetivos, sua adequação ao projeto educativo, científico e cultural da Instituição e unidades curriculares 3.1. Dos objectivos do ciclo de estudos Foram formulados objectivos gerais para o ciclo de estudos: Foram definidos objectivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências) a desenvolver pelos estudantes: O ciclo de estudos está inserido na estratégia institucional de oferta formativa face à missão da Instituição: Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas em 3.1.1, e : Os objetivos gerais para o ciclo de estudos (CE) e os objetivos de aprendizagem são definidos e formulados de forma clara. Os objetivos são compatíveis com a missão e a estratégia da instituição e enquadramse na experiência demonstrada pela instituição. O ciclo de estudos insere a sua estratégica na da pág. 2 de 9

3 instituição, pondo ao seu serviço a formação humanística, filosófica e ética Pontos Fortes: 1) A inserção numa instituição prestigiosa na formação na área das Humanidades, com a qual são compatíveis os objetivos definidos para o CE. 2) Contributo do CE para a missão da UL e da FLUL: especificamente pretende-se aprofundar o contributo da filosofia e da ética para tratar questões centrais no âmbito do funcionamento das instituições democráticas e dos desafios societais colocados pelas novas tecnologias. 3) Combinar num mesmo ciclo de estudos a formação doutoral e a investigação em ética teórica, ética pública e as éticas aplicadas. 4) Tematização da Técnica como especialidade filosófica, o que é raro em Portugal, alinhando assim pela importância que a nível internacional lhe é crescentemente dada. 5) Importância e peso dos seminários de formação para a investigação (embora este também seja um domínio passível de alguma simplificação, transferindo algum do seu peso para a formação científica) Recomendações de melhoria: 1) Após a conclusão do primeiro ano de funcionamento efetivo do CE rever globalmente os objetivos de cada UC para os coordenar com os objetivos gerais do CE. 2) Apesar da vocação reconhecida como "multidisciplinar", o curso é estritamente filosófico, quer no seu desenho curricular, quer pelos docentes que o suportam. Falta abertura a outros cursos, de áreas das Ciências Sociais, da Saúde ou da Tecnologia, pelo menos a título de unidades curriculares optativas Adequação ao projecto educativo, científico e cultural da instituição A Instituição definiu um projecto educativo, científico e cultural próprio: Os objectivos gerais definidos para o ciclo de estudos são compatíveis com o projecto educativo, científico e cultural da Instituição: Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas em e : Existe um projeto educativo, científico e cultural definido pela instituição, no qual a Filosofia se destaca pela sua contribuição formativa e crítica no âmbito das Humanidades Pontos Fortes: 1) O lugar privilegiado da Ética filosófica no projeto educativo das Humanidades, que o CE contribui para salientar. 2) Contributo do CE para realizar o projeto cultural e formativo da FLUL e da UL, combinando formação avançada e investigação. 3) Inclusão da formação individual, da organização de atividades de investigação científica e da internacionalização em torno das questões da ética como contributos ativos do CE para a realização do projeto Educativo da FLUL Recomendações de melhoria: Nada a mencionar Da organização do ciclo de estudos Os conteúdos programáticos de cada unidade curricular são coerentes com os respectivos objectivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências): As metodologias de ensino (avaliação incluída) de cada unidade curricular são coerentes com os respectivos objectivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências): pág. 3 de 9

4 Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas em e : Os conteúdos programáticos das unidades curriculares (UC) são coerentes, procurando quer apoiar a generalidade das investigações, desde a elaboração do projeto até à sua culminação, quer a formação especializada. É patente a atenção dos programas ao cumprimento de ambas as finalidades Pontos Fortes: 1) A atenção às metodologias de investigação e à inserção em projetos de investigação realizados em centro de investigação. 2) A atenção à importância da dinâmica de grupo no apoio às investigações em curso. 3) A adequada cobertura disciplinar das três vertentes que caraterizam o CE. 4) A inclusão das mais recentes orientações da investigação nas UC que integram o plano de estudos Recomendações de melhoria: 1) A UC História da Ética privilegia a Ética Antiga e de facto não inclui a contemporaneidade (em especial seu desenvolvimento na relação com o Direito e a Política). 2) Os objetivos de aprendizagem de Ética e política pública e de Ética ambiental, se bem que da responsabilidade de um mesmo docente, deveriam ser diferenciados para corresponder às diferenças de programa. 3) Objetivos de aprendizagem de Ética em Portugal deveriam ser apresentados na forma canónica e não como descrição do conteúdo (e o campo de facto é o programa). Dado o nível do CE: 4) As UC que apresentam apenas 1 elemento de avaliação deveriam contemplar outras vertentes (v.g. Ética em Portugal). 5) Estas UC incluem mais que 1 elemento de avaliação e deveriam indicar o respetivo peso percentual: Seminário de monitorização I e II; Investigação integrada I e II; Ética e política pública; Ética ambiental; Teorias da decisão; Instituições democráticas; Antropologia, cultura e religião; Filosofia da Técnica. 4. Recursos docentes 4.1. O corpo docente cumpre os requisitos legais (corpo docente próprio, academicamente qualificado e especializado na(s) área(s) fundamental(ais)): 4.2. A maioria dos docentes tem ligação estável à Instituição por um período superior a três anos. A Instituição mostra uma boa dinâmica de formação do seu pessoal docente: 4.3. Existe um procedimento de avaliação do desempenho do pessoal docente, de forma a garantir a necessária competência científica e pedagógica e a sua actualização: 4.4. Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinalada em 4.1., 4.2. e 4.3: O corpo docente que assegura a lecionação do CE é altamente qualificado (3 professores catedráticos, 6 associados e 3 auxiliares), com ligação estável à instituições (todos com mais de 3 anos de pertença), com especializações diversificadas e nas áreas de formação fundamental do CE, com experiência no acompanhamento de dissertações e teses, com direção e participação em projetos de investigação, apresentando também um registo notável quanto à publicação de trabalhos científicos na área do CE Pontos fortes: 1) Corpo docente próprio (94.3 %), academicamente qualificado (100%), especializado (100%). 2) A plena adequação do corpo docente ao cumprimento dos objetivos do CE, quer do ponto de vista teórico, quer do ponto de vista metodológico. 3) A qualificada cobertura de todas as variantes e UC que compõem o CE Recomendações de melhoria: pág. 4 de 9

5 1) Embora com capacidade do corpo docente para cobrir todas as necessidades, seria desejável uma maior abertura a docentes de outras procedências disciplinares, em colaborações pontuais, de tipo teórico ou prático, ou em intercâmbio com programas doutorais com proximidade temática. 2) De modo a suprir pontuais carências de docentes nas UC previstas, incluir a possibilidade de criar outras opções, ou a sua frequência ocorrer em outros CE da instituição ou de outras instituições. 5. Descrição e fundamentação de outros recursos humanos e materiais 5.1. O ciclo de estudos dispõe de outros recursos humanos indispensáveis ao seu bom funcionamento: 5.2. O ciclo de estudos dispõe das instalações físicas (espaços lectivos, bibliotecas, laboratórios, salas de computadores, etc.) necessárias ao cumprimento dos objectivos: 5.3. O ciclo de estudos dispõe dos equipamentos didácticos e científicos e dos materiais necessários ao cumprimento dos objectivos: 5.4. Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas em 5.1, 5.2 e 5.3.: A FLUL e a UL dispõem de recursos humanos não docentes qualificados e adequados para o funcionamento do CE. Os espaços são adequados ao nível de ensino, incluindo salas de aula com equipamentos didáticos e TIC atualizados, espaços de investigação, e bibliotecas com equipamentos e recursos bibliográficos para o estudo e investigação de nível doutoral Pontos fortes: 1) Infraestruturas de elevada qualidade e suficientes para o funcionamento do CE e a realização de investigação. 2) Bibliotecas próprias com recursos bibliográficos adequados Recomendações de melhoria: 6. Actividades de formação e investigação 6.1. Existe(m) centro(s) de investigação, em que os docentes desenvolvem a sua atividade científica, reconhecido(s) e com boa avaliação, na área predominante do ciclo de estudos: 6.2. Existem publicações científicas do pessoal docente afecto ao ciclo de estudos, na área predominante do ciclo de estudos, em revistas internacionais com revisão por pares nos últimos cinco anos: 6.3. Existem actividades científicas, tecnológicas, culturais e artísticas desenvolvidas na área do ciclo de estudos e integradas em projectos e/ou parcerias nacionais e internacionais: 6.4. Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas em 6.1, 6.2 e 6.3.: Os docentes desenvolvem atividade científica de relevo (nomeadamente em encontros científicos de diversa magnitude, em projetos e em grupos de investigação), publicamente reconhecida e de ampla divulgação. As publicações dos docentes são de qualidade reconhecida, com impacto na comunidade científica; especializadas e diversificadas, incluindo monografias, obras colectivas, capítulos de livros, artigos em revistas nacionais e internacionais. O CE tem ligação privilegiada a 2 unidades de investigação (Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa; Centro de Filosofia e História da Ciência da UL). Apesar das contingências e das incertezas pág. 5 de 9

6 geradas pelo processo de avaliação das UI&D iniciado em 2013, os docentes e a FLUL detêm um histórico de atividade que dá garantia de continuidade de um elevado padrão de qualidade na investigação realizada e a realizar no âmbito disciplinar do CE Pontos fortes: 1) Alto nível de produtividade académica e internacionalização do corpo docente, quer no âmbito pedagógico, quer no científico (publicações; organização e participação em encontros científicos; dinamização de atividades e projetos científicos). 2) Docentes integrados em 2 unidades de investigação, e colaborações ou projetos conjuntos com outras. 3) Experiência e atividade em projetos de investigação tematicamente associados ao CE. 4) Diversidade, número, volume de atividade e qualidade das unidades de investigação da FLUL. 5) Objetivo de integrar os doutorandos em projetos de investigação durante a realização das respetivas teses Recomendações de melhoria: 1) Também aqui seria desejável uma maior abertura na relação com a investigação com outros domínios disciplinares, com importância para as éticas aplicadas, políticas públicas e tecnologia. 7. Actividades de desenvolvimento tecnológico, prestação de serviços à comunidade e formação avançada 7.1. A oferta destas actividades corresponde às necessidades do mercado e à missão e objectivos da Instituição: 7.2. Evidências que fundamentam a classificação de cumprimento assinalada em 7.1.: A procura de informação e competência ética é, na atualidade, de especial relevância, a todos os níveis, desde a sociedade civil até às instâncias de decisão. É especialmente importante o seu contributo para a constituição de órgãos de aconselhamento ético, para a formação de opinião pública estruturada e fundamentada, para a tomada de decisão política e institucional, para a gestão de recursos humanos e ambientais, para a preservação e gestão responsável dos bens públicos e privados, etc. A criação do CE procura responder a essa necessidade, que é sensível em diversos domínios de atividade. O CE integra-se, além disso, numa instituição promotora dos estudos filosóficos e de uma educação liberal, pelo que «contribui para a integração dos estudantes que o frequentam nas tradições de conhecimento e debate que constituem as Humanidades» Pontos fortes: 1) O carácter central da reflexão sobre a Ética e a Filosofia política no âmbito da Filosofia e desta nos estudos humanísticos e na discussão de questões de fronteira, que a instituição promove. 2) A especial relevância da Ética e das Éticas aplicadas na atualidade, quer no plano teórico, quer no plano profissional, quer no plano político-decisório. 3) A crescente procura de capacitação ética para o exercício profissional em diferentes domínios de atividade Recomendações de melhoria: A vocação prática e de aplicação do conhecimento ético deveria ser mais potenciado no próprio CE. Também aqui se justifica a já mencionada abertura a outros domínios disciplinares, de modo a que a partir da Filosofia se realize investigação sobre problemas novos e em áreas de fronteira. 8. Enquadramento na rede do ensino superior público 8.1. Os estudos apresentados (com base em dados do ME) mostram previsível empregabilidade dos formados por este ciclo de estudos: pág. 6 de 9

7 Em parte 8.2. Os dados de acesso (DGES) mostram o potencial do ciclo de estudos para atrair estudantes: 8.3. O novo ciclo de estudos será oferecido em colaboração com outras Instituições da região que leccionam ciclos de estudos similares: Não 8.4. Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas em 8.1, 8.2 e 8.3.: Tratando-se de um novo CE e sem correspondência em outras instituições não há dados que permitam comparações. Mas, por corresponder a uma nova oferta, é previsível que o CE seja procurado por profissionais em busca de capacitação e especialização, para os quais a questão da empregabilidade não se porá (ou representará mesmo uma mais valia profissional) Pontos fortes: 1) Novo CE que responde a um crescente interesse académico e profissional por questões éticas (fundamentais ou aplicadas), interligando a Ética com os desafios colocados pela sociedade, a ação política e as tecnologias. 2) CE preenche uma lacuna na rede de ensino superior público. 3) CE em área de ponta na investigação científica e filosófica. 4) Abertura do CE à procura de candidatos de diferentes áreas científicas Recomendações de melhoria: 1) Considerar a possibilidade de colaboração futura com outras instituições de ensino superior público com formação doutoral não especializada nesta área. 2) Colaboração com CE de doutoramento em Filosofia da mesma instituição. 9. Fundamentação do número total de créditos ECTS do novo ciclo de estudos 9.1. A atribuição do número total de unidades de crédito e a duração do ciclo de estudos estão justificadas de forma convincente: 9.2. Existe uma metodologia para o cálculo dos créditos ECTS das unidades curriculares: 9.3. Existe evidência de que a determinação das unidades de crédito foi feita após consulta aos docentes: 9.4. Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas em 9.1, 9.2 e 9.3.: A duração do CE (8 semestres, 240 créditos) é compatível com os limites fixados no Decreto Lei 74/2006. A opção por esta duração justifica-se pela «combinação de módulos de ensino com o treino de competências de investigação. O cálculo dos créditos de cada unidade curricular segue o estabelecido pela FLUL e corresponde ao trabalho expectável dos estudantes e às horas de contacto previstas Pontos fortes: 1) Número e diversidade de UC oferecidas em opção aos 3 ramos do CE. 2) Razoabilidade das horas de trabalho individual e horas de contacto. 3) Diversidade dos tipos de horas de contacto (teórico-práticas, orientação tutorial, seminário) Recomendações de melhoria: 1) Considerar a redução do número de créditos em UC metodológicas, reforçando o peso das UC com programa científico, pois neste nível de ensino deve sobretudo ser realizada investigação e já não a aprendizagem de como se faz investigação. pág. 7 de 9

8 10. Comparação com ciclos de estudos de Instituições de referência no Espaço Europeu de Ensino Superior O ciclo de estudos tem duração e estrutura semelhantes a ciclos de estudos de Instituições de referência do Espaço Europeu de Ensino Superior: O ciclo de estudos tem objectivos de aprendizagem (conhecimentos, aptidões e competências) análogos às de outros ciclos de estudos de Instituições de referência do Espaço Europeu de Ensino Superior: Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas em 10.1 e 10.2.: A proposta de CE fundamenta adequadamente a sua especialização temática. É indicada a existência de um ciclo de estudos com estrutura e conteúdo similares (que obteve Mención de Calidad do Ministerio de Educación y Ciencia de Espanha), o que sublinha o caráter diferenciador desta proposta, relativamente às formações doutorais em Filosofia. A presente proposta sublinha a maior preponderância dada na sua organização ao aprofundamento da especialização doutoral Pontos fortes: 1) Proposta diferenciadora em relação às ofertas nacionais e europeias de formação doutoral em Filosofia Recomendações de melhoria: 11. Estágios e períodos de formação em serviço Existem locais de estágio e/ou formação em serviço: Não aplicável São indicados recursos próprios da Instituição para acompanhar os seus estudantes no período de estágio e/ou formação em serviço: Não aplicável Existem mecanismos para assegurar a qualidade dos estágios e periodos de formação em serviço dos estudantes: Não aplicável São indicados orientadores cooperantes do estágio ou formação em serviço, em número e com qualificações adequadas (para ciclos de estudos de formação de professores): Não aplicável Evidências que fundamentam as classificações de cumprimento assinaladas em 11.1 a 11.4.: Pontos fortes: Recomendações de melhoria: 12. Conclusões Recomendação final: O ciclo de estudos deve ser acreditado Período de acreditação condicional, em anos (se aplicável): <sem resposta> pág. 8 de 9

9 12.3. Condições (se aplicável): <sem resposta> Fundamentação da recomendação: O ciclo de estudos cumpre os requisitos legais e a sua estrutura curricular e plano de estudos são adequados à área científica principal, oferecendo ramos de especialização opcionais, para as quais o corpo docente possui preparação científica e filosófica de elevado nível. Para além do que foi dito ao longo deste relatório, devem ser realçados ainda os seguintes pontos: 1) Âmbito temático preenche uma lacuna na oferta de formação doutoral especializada pelo ensino superior público em Portugal. 2) Qualificação e experiência do corpo docente na supervisão de formação pós graduada e em investigação científica. 3) Combinação de formação filosófica teórica, trabalho prático e integração na investigação. 4) Contributo do ciclo de estudos para a missão da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e da Universidade de Lisboa, potenciando a sua influência na sociedade através da formação qualificada em questões de grande atualidade e importância na sociedade do conhecimento. 5) Ciclo de estudos predominantemente em Filosofia que explora de modo inovador o contributo deste domínio de estudos para a investigação em questões de ponta e com grande relevância social e económica, mas onde há carência de quadros com formação adequada. 6) Instituição de reconhecida competência e qualidade na formação pós graduada, com instalações, pessoal e recursos adequados para o seu funcionamento como ciclo de estudos cientificamente atrativo e inovador. 7) Expectativa de procura de estudantes e profissionais em busca de formação e capacitação nas áreas do ciclo de estudos. 8) O ciclo de estudos representa um importante contributo para o desenvolvimento do conhecimento e de competências analíticas e críticas a nível regional, nacional e internacional, em áreas muito sensíveis para as sociedades contemporâneas. Apesar da recomendação de acreditação, a direção do ciclo de estudos deve considerar as seguintes recomendações gerais em sede da sua formalização: 1) Integração do nível académico no nome do ciclo de estudos (A12.1 da Proposta), ex.: Programa doutoral em Ética, Democracia e Desafios societais, ou Doutoramento em Ética, Democracia e Desafios societais, ou 3º ciclo em Ética, Democracia e Desafios societais. 2) Rever as fichas de unidades curriculares de acordo com o indicado em neste parecer. 3) Após a conclusão do primeiro ano de funcionamento efetivo do ciclo de estudos rever globalmente os objetivos de cada unidade curricular para incrementar a coordenação com os objetivos gerais do ciclo de estudos. 4) Contemplar a abertura do ciclo de estudos aos contributos de outras áreas disciplinares, seja por módulos das UC, seja por colaborações inter ou intra institucionais. 5) Prever no plano de estudos a criação de opções para além da lista fixa proposta (que é um ativo enriquecedor da proposta de plano de estudos), ou a possibilidade de serem frequentadas em outros ciclo de estudos afins, da mesma ou de outras instituições. 6) Integrar nas condições de acesso (A10 da proposta do ciclo de estudos) as possibilidades definidas no nº 1 do art. 30 do Decreto Lei 74/2006. pág. 9 de 9

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico Do Porto A.1.a.

Leia mais

NCE/10/00981 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00981 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00981 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a.

Leia mais

NCE/14/02071 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/02071 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/02071 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico Do Cávado

Leia mais

NCE/14/01991 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01991 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01991 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Aveiro A.1.a.

Leia mais

NCE/11/01336 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01336 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01336 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal A.1.a.

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) Versão de 17 de maio de 2012 1 CARACTERIZAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS A.1. Instituição

Leia mais

NCE/15/00108 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00108 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00108 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

NCE/10/01446 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01446 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01446 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a.

Leia mais

NCE/15/00058 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00058 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00058 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outra(s)

Leia mais

NCE/12/01716 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01716 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01716 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação

Leia mais

NCE/10/02211 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02211 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02211 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico Do Cávado E

Leia mais

ACEF/1314/04432 Relatório final da CAE

ACEF/1314/04432 Relatório final da CAE ACEF/1314/04432 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

NCE/09/00527 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/00527 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/00527 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Porto 1.a. Descrição da Instituição

Leia mais

NCE/10/00551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: IPUMI - Instituto para a Promoção

Leia mais

CEF/0910/28076 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28076 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28076 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

ACEF/1112/23132 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/23132 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/23132 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

ACEF/1112/14427 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14427 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14427 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Bragança A.1.a.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento desenvolve e complementa o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

ACEF/1213/14387 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/14387 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/14387 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Bragança A.1.a.

Leia mais

ACEF/1516/07512 Relatório final da CAE

ACEF/1516/07512 Relatório final da CAE ACEF/1516/07512 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Trás-Os-Montes E Alto Douro A.1.a.

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

Doutoramento em Saúde Pública

Doutoramento em Saúde Pública Doutoramento em Saúde Pública Normas regulamentares Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/UNL), em cumprimento do disposto no Decreto-Lei

Leia mais

ACEF/1415/14747 Relatório final da CAE

ACEF/1415/14747 Relatório final da CAE ACEF/1415/14747 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Outras

Leia mais

NCE/10/01266 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01266 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01266 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: IPVC + IPBragança + IPCB + IPPortalegre

Leia mais

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

ACEF/1112/05342 Relatório final da CAE

ACEF/1112/05342 Relatório final da CAE ACEF/1112/05342 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Portucalense Infante D. Henrique

Leia mais

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se ao Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia, curso não conferente

Leia mais

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES Curso do do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS DO DESPORTO Artigo 1.º Criação 1. A Universidade da Beira

Leia mais

ACEF/1314/01897 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1314/01897 Relatório preliminar da CAE ACEF/1314/01897 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

CEF/0910/26666 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26666 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26666 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1.º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha,

Leia mais

Regulamento de criação e funcionamento de cursos não conferentes de grau

Regulamento de criação e funcionamento de cursos não conferentes de grau Regulamento de criação e funcionamento de cursos não conferentes de grau O permanente progresso científico e tecnológico exige que a aprendizagem não se circunscreva à formação inicial mas se consubstancie

Leia mais

CEUDISEG. Direção de Segurança. Regulamento

CEUDISEG. Direção de Segurança. Regulamento CEUDISEG Direção de Segurança Curso de Extensão Universitária Regulamento Artigo 1.º Criação 1. É criado, na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa (FDUNL), através do CEDIS Centro de Investigação

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

CEF/0910/26206 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26206 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26206 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Artigo 1º (âmbito)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Artigo 1º (âmbito) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO Preâmbulo Tem vindo a aumentar o número de candidatos, especialmente estrangeiros, que pretendem realizar estudos

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem DOSSIER DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR BRAGA, 2006 1 PEDIDO DO REGISTO DE CRIAÇÃO DO CURSO DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM Regulamento da PGDEEC 0 Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES (PDEEC) Departamento de Engenharia

Leia mais

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa Papel das Escolas e dos Orientadores Cooperantes no Mestrado em Ensino Documento de orientação aprovado pela Comissão Pedagógica dos Mestrados em Ensino em 25 de maio de 2016 O presente documento dirige-se

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações

Leia mais

ACEF/1213/04587 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/04587 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/04587 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO EDITAL Apresentação O Mestrado em Ensino de Educação Musical no Ensino Básico é um curso de 2º Ciclo de estudos com um total de 120 ECTS, duração

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL:

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Domínio Cognitivo e Motor (Código A71) Educadores de Infância e Professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário Curso de

Leia mais

NCE/09/00757 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/00757 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/00757 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Católica Portuguesa 1.a. Descrição

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 Sendo a transparência dos processos de candidatura e recrutamento de estudantes um dos elementos constituintes do sistema interno

Leia mais

ACEF/1213/05347 Relatório final da CAE

ACEF/1213/05347 Relatório final da CAE ACEF/1213/05347 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Portucalense Infante D. Henrique

Leia mais

Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social

Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social Artigo 1.º Condições específicas de ingresso 1. O Conselho Técnico-científico pronuncia-se sobre o regime de ingresso no curso, ouvido o Conselho

Leia mais

CEF/0910/27256 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27256 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27256 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cespu

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Desporto Ciclo: 1º Ramo: Licenciatura em Desporto Ano: 3º Designação: ECONOMIA E MARKETING DO DESPORTO Créditos: 6 Departamento: Ciências e Tecnologias Tipo: Área

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Doutoramento em Economia 2010/2011 O Programa O Programa de Doutoramento em Economia tem como objectivo central proporcionar formação que permita o acesso a actividades profissionais de elevada exigência

Leia mais

CEF/0910/26191 Relatório Preliminar da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26191 Relatório Preliminar da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26191 Relatório Preliminar da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Matemática Regulamento interno do 3º Ciclo de Estudos Conducentes à obtenção do Grau de Doutor em Matemática e Aplicações Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL E COMPUTADORES 1 Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação U LISBOA / -- IDIRETORI Despacho D-23/2015 Por decisão do Conselho Científico da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de, na sua reunião de 1 de julho de 2015, deliberou, por unanimidade, alterar

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA Maio de 2012 REGULAMENTO DO ESTÁGIO Preâmbulo De acordo com o previsto na alínea 3

Leia mais

ACEF/1213/10432 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/10432 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/10432 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA NOME DO CURSO Português: Formação Avançada em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS ARTº. 1 (NATUREZA, OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO) 1. O Departamento de Engenharia

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

PARECER N.º 267 / 2010

PARECER N.º 267 / 2010 PARECER N.º 267 / 2010 ASSUNTO: ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENFERMEIRO ESPECIALISTA, NO MOMENTO ACTUAL A atribuição do título enfermeiro especialista certifica um profissional com um conhecimento aprofundado

Leia mais

DESPACHO RT-1/2002. Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento

DESPACHO RT-1/2002. Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento DESPACHO RT-1/2002 Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento Geral dos Cursos de Doutoramento da Universidade do Minho, anexo ao presente despacho. Universidade do Minho, 4

Leia mais

Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura Consideração Prévia

Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura Consideração Prévia Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura Consideração Prévia A Dissertação para Conclusão do Mestrado Integrado em Arquitectura

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 20 BOLSAS DE DOUTORAMENTO PROGRAMA DOUTORAL EM BIOLOGIA E ECOLOGIA DAS ALTERAÇÕES GLOBAIS

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 20 BOLSAS DE DOUTORAMENTO PROGRAMA DOUTORAL EM BIOLOGIA E ECOLOGIA DAS ALTERAÇÕES GLOBAIS CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 20 BOLSAS DE DOUTORAMENTO PROGRAMA DOUTORAL EM BIOLOGIA E ECOLOGIA DAS ALTERAÇÕES GLOBAIS Em Fevereiro de 2011, têm início as actividades lectivas do primeiro doutoramento em

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão!

Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão! O Conhecimento como Paixão A Engenharia como Profissão! Cursos de Engenharia Cursos de Tecnologia Engenharia do Ambiente Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação

Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação 1. Descrição da unidade curricular A unidade curricular de Estágio e Projecto de Graduação

Leia mais

Regulamento de Estágios - Mestrados

Regulamento de Estágios - Mestrados Regulamento de Estágios - Mestrados (Em anexo, formulário do plano de estágio e ficha de avaliação do estágio) Faro, Setembro de 2012 1. ENQUADRAMENTO A estrutura curricular dos Mestrados da Faculdade

Leia mais

ACEF/1213/15792 Relatório final da CAE

ACEF/1213/15792 Relatório final da CAE ACEF/1213/15792 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Liderança e Gestão Intermédia na Escola 14 15 Edição Instituto

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2014. A CÂMARA DE ENSINO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias e

RESOLUÇÃO Nº 02/2014. A CÂMARA DE ENSINO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias e RESOLUÇÃO Nº 02/2014 Estabelece normas e prazos para elaboração, reformulação e avaliação dos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da Univasf. A DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS. 1 Dimensão Pedagógica... 50% 2 Dimensão Técnica e Científica... 35% 3 Dimensão Organizacional... 15%

DISPOSIÇÕES GERAIS. 1 Dimensão Pedagógica... 50% 2 Dimensão Técnica e Científica... 35% 3 Dimensão Organizacional... 15% GRELHA DE AVALIAÇÃO PARA SERIAÇÃO DE CANDIDATOS A CONCURSO DOCUMENTAL PARA PROFESSOR ADJUNTO DA ÁREA CIENTÍFICA DE ENGENHARIA MECÂNICA, SUBÁREA DISCIPLINAR DE CONSTRUÇÕES MECÂNICAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1)

Leia mais

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Colégio de Pós Graduações Regulamento do Mestrado em Psicologia Clínica Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF) confere o grau de Mestre em Psicologia Clínica. Artigo 2º Objectivos Gerais

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

ACEF/1112/14367 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14367 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14367 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Bragança A.1.a.

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP)

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Página 1 de 7 CAPÍTULO I Conceitos, objetivo e âmbito Artigo 1º Conceitos

Leia mais

REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS PELA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Introdução No desenvolvimento da Lei

REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS PELA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Introdução No desenvolvimento da Lei REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS PELA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Introdução No desenvolvimento da Lei e do Regulamento dos Doutoramentos da Universidade de

Leia mais

ACEF/1213/10077 Relatório final da CAE

ACEF/1213/10077 Relatório final da CAE ACEF/1213/10077 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra A.1.a. Outras

Leia mais

CEF/0910/26356 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26356 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26356 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Maiêutica

Leia mais

NORMAS DE CANDIDATURA. Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela

NORMAS DE CANDIDATURA. Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela NORMAS DE CANDIDATURA PROGRAMA DE ACÇÕES UNIVERSITÁRIAS INTEGRADAS LUSO FRANCESAS / PAUILF 2012 Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela Data de abertura: 22 de Março

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. (Ensino Politécnico)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. (Ensino Politécnico) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (Ensino Politécnico) Janeiro.2017 A1.1 Instituição de ensino superior A1.2 Entidade instituidora I A INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR A2

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Atividades de Apoio Educativo

Atividades de Apoio Educativo Plano Curricular 2012 2013 Plano Anual de Atividades Atividades de Apoio Educativo Departamento/Estrutura: Orientações para as Atividades de Apoio Educativo Receção Biblioteca Manuel Monteiro Zonas de

Leia mais

Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura. Consideração Prévia

Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura. Consideração Prévia Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura Consideração Prévia A Dissertação para Conclusão do Mestrado Integrado em Arquitectura

Leia mais

ACEF/1112/07062 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/07062 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/07062 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/06602 Relatório final da CAE

ACEF/1112/06602 Relatório final da CAE ACEF/1112/06602 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Católica Portuguesa A.1.a. Identificação

Leia mais

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO 1 - Justificação As Ciências da Saúde têm registado nos últimos anos um progresso assinalável em múltiplos domínios. Este progresso assenta, em grande

Leia mais