Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil"

Transcrição

1 Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil

2 2

3 Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil Brasília, dezembro de 2012

4 A apresentação dos fatos contidos nesta publicação, bem como as opiniões nela expressas não são necessariamente as da ONU, da Embaixada dos Países Baixos, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e da Delegação da União Europeia, nem comprometem essas organizações. As indicações de nomes e a apresentação do material ao longo desta publicação não implicam a manifestação de qualquer opinião por parte das organizações a respeito da condição jurídica de qualquer país, território, cidade, região ou de suas autoridades, tampouco a delimitação de suas fronteiras ou limites.

5 Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil

6 Publicado pela Organização das Nações Unidas no Brasil. Esta publicação é fruto de uma parceria entre o Sistema das Nações Unidas no Brasil, a Embaixada do Reino dos Países Baixos, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH) e a Delegação da União Europeia no Brasil. ONU, 2012 É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. Impresso no Brasil. Redação de texto: Aline Falco Revisão técnica: ONU, SDH e Embaixada do Reino dos Países Baixos Revisão gramatical: Reinaldo Reis Capa e projeto gráfico: Edson Fogaça Fotos: Raphael Carmona/ Iluminart Dez faces da luta pelos direitos humanos no Brasil. Brasília: ONU, Embaixada do Reino dos Países Baixos, SDH e UE, p. ISBN: Direitos Humanos 2. Direito a Terra 3. Direito a Moradia 4. Prevenção do Crime 5. Direitos Civis Povos Indígenas 6. Direitos Civis Quilombolas 7. Direitos Civis Prisioneiros 8. Direitos Civis Delinquência Juvenil 10. Direitos Civis Pescadores 11. Brasil I. Nações Unidas

7 Sumário Apresentações...9 Ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Sra. Maria do Rosário Nunes...11 Embaixador dos Países Baixos no Brasil, Sr. Kees Rade...13 Coordenador Residente da ONU no Brasil, Sr. Jorge Chediek...15 Embaixadora, Chefe da Delegação da União Europeia, Sra. Ana Paula Zacarias...17 A ONU e a proteção aos defensores de direitos humanos...19 O Brasil e a proteção aos defensores de direitos humanos...21 Dez faces da luta pelos direitos humanos no Brasil...23 Alexandre Anderson de Souza...25 Eliseu Lopes...33 Evane Lopes...39 Gleydson Gleber Bento Alves de Lima Pinheiro...47 João Luís Joventino do Nascimento...53 Júlio César Ferraz de Souza...63 Leonora Brunetto...69 Maria Joel Dias...77 Rosivaldo Ferreira Dias...85 Saverio Paolillo...93

8

9 9 Apresentações

10 A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) tem a satisfação de apresentar o livro Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil. Esta publicação é fruto de uma virtuosa parceria com a União Europeia, a Embaixada do Reino dos Países Baixos e o Sistema das Nações Unidas no Brasil. As dez defensoras e defensores que relatam nesta publicação sua vida e a atuação na promoção e defesa dos direitos humanos são lideranças que dão voz a muitas brasileiras e muitos brasileiros que protagonizam a luta contra o arbítrio, a violência, a injustiça e a desigualdade. Eles representam todos os defensores incluídos e acompanhados pelo Programa Nacional e pelos Programas Estaduais de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos. Essa política de proteção às pessoas representa o esforço e compromisso do Estado Brasileiro com a plena realização desses direitos. A aprovação da Política Nacional de Proteção às Defensoras e aos Defensores de Direitos Humanos, em 2007, por meio do Decreto 6.044, do então Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, e a continuidade dessa ação pela Presidenta Dilma Rousseff constitui um passo decisivo na consolidação da democracia brasileira. Democracia esta que, bem como o Estado de Direito, é uma conquista de homens e mulheres imprescindíveis que, a seu tempo, enfrentaram as mais perversas forças pagando inclusive com a própria vida pela ousadia de serem defensoras e defensores de Direitos Humanos. Infelizmente, muitas das ameaças à vida e à integridade física dessas pessoas persistem em nossa sociedade, seja por ação de agentes do próprio Estado ou pelas mãos de particulares. É nosso compromisso enfrentar as fontes dessas ameaças inibindo e penalizando os perpetradores das violações. Mas esse é também um dos nossos maiores desafios. Bem como assegurar que as defensoras e defensores possam continuar a sua luta diária em segurança. A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República busca incansavelmente a superação das causas que geram a situação de risco e ameaça. Essa atuação 11

11 compreende articulação de medidas e ações com os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e com a sociedade civil organizada. Além disso, a SDH/PR atua para a consolidação da política de proteção aos defensores de direitos humanos por meio da construção de um sistema de proteção às pessoas ameaçadas, para o qual estão sendo criados os marcos normativos assecuratórios da institucionalização e da garantia de sua permanência como parte da atuação do Estado Brasileiro para a proteção dos direitos humanos. Sem encontrar similar em outras nações, o Programa de Proteção às Defensoras e Defensores de Direitos Humanos tem como diretriz visibilizar as justas lutas de cada uma dessas pessoas e de suas comunidades, bem como afirmar enfaticamente ser inadmissível que ainda tenhamos de lidar com ameaças às pessoas por sua dedicação ao fortalecimento de nossa democracia e a efetivação dos direitos humanos. Dessa forma, este livro pretende ser mais um instrumento nessa busca por visibilidade. É nosso desejo também que ele possa repercutir de modo a incentivar outras nações a proteger seus nacionais nos embates contrários à perda de direitos já consolidados e/ou na busca da afirmação de direitos ainda não reconhecidos em suas legislações. Por fim, ressalto mais uma vez a importância da atuação conjunta do Estado, da sociedade civil, das defensoras e defensores de direitos humanos e de cada cidadã e cidadão para a consolidação do Estado Brasileiro como nação forte na qual os direitos humanos de todas e todos sejam os esteios de nosso ambiente democrático. Maria do Rosário Nunes Ministra de Estado Chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República 12

12 A Embaixada do Reino dos Países Baixos no Brasil tem a honra de apresentar as histórias de Júlio, Evane, Rosivaldo, Eliseu, Maria Joel, Gleydson, João Luís, Alexandre, Saverio e Leonora. Esses defensores dos direitos humanos exercem papel essencial na defesa das liberdades fundamentais no Brasil e na mobilização das pessoas, visando a conquista de melhorias de interesse de toda a sociedade. A coragem por eles demonstrada a cada dia de sua vida merece nosso respeito e apoio prático. Por esse motivo, é prioridade da política de direitos humanos neerlandesa ressaltar o trabalho desses homens e mulheres. Os Países Baixos farão o que estiver ao seu alcance para destacar os esforços de defensores de direitos humanos em todo o mundo, divulgando seu trabalho para o conhecimento público. O Ministério das Relações Exteriores neerlandês financia projetos de ONGs que prestam apoio a defensores de direitos humanos: aprimorando suas capacidades; auxiliando em trabalhos conjuntos com as Nações Unidas; reforçando sua segurança; e mesmo oferecendo abrigo, caso se encontrem sob ameaça. Para nós, é motivo de orgulho o fato de que, em 2013, a Cidade de Haia servirá de Cidade Abrigo, onde, pela primeira vez, quatro defensores de direitos humanos permanecerão por um período de três meses, podendo descansar e, ao mesmo tempo, participar de um programa de capacitação e de encontros com personalidades relevantes na área de direitos humanos. Nesta publicação, que faz parte da implementação desta política no Brasil, o leitor encontrará entrevistas com dez defensores de direitos humanos brasileiros. Todas essas entrevistas são excepcionais; até mesmo extraordinárias. A publicação é uma forma de valorizar essas pessoas e seu contundente trabalho, uma vez que oferece a oportunidade de divulgar suas trajetórias, ressaltando a coragem que demonstram em sua vida cotidiana e seus esforços no sentido de melhorar a situação dos direitos humanos para a sociedade como um todo. 13

13 Nesse sentido, merecem todo o nosso apreço e apoio os trabalhos da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República que, incansavelmente, durante os últimos quinze anos, vem implementando, promovendo e assegurando os direitos de cidadania neste país de dimensões continentais onde, dependendo do local, a situação dos direitos humanos ainda apresenta variados desafios. Em certas áreas, contudo, decisivas melhorias vêm sendo conquistadas. A proteção oferecida aos defensores de direitos humanos é apenas um exemplo desse empenho. É com grande satisfação que aproveitamos esta oportunidade para relatar as histórias desses defensores de direitos humanos e ressaltar a importância da sua atuação. Felizmente, os Países Baixos compartilham com a União Europeia e o Brasil de um consenso quanto à preeminência do trabalho dos defensores de direitos humanos. As diretrizes de direitos humanos da União Europeia constituem estratégico instrumento para a implementação da política neerlandesa nessa matéria. Nosso objetivo é cooperar o máximo possível com as autoridades brasileiras, a União Europeia e seus Estados- Membros e com entidades do Sistema das Nações Unidas para auxiliar na atuação dos defensores de direitos humanos. Por meio desta publicação, estamos colocando em prática esta estratégia. Esperamos que o leitor tire proveito das entrevistas e da documentação informativa que compõem esta publicação e que, por entender melhor a luta dessas mulheres e homens tão corajosos, encontre caminhos para ajudá-los nesse combativo trabalho. Kees Rade Embaixador dos Países Baixos no Brasil 14

14 Recebemos com muito prazer o convite da Embaixada do Reino dos Países Baixos para a parceria na elaboração da publicação Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil, juntamente com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e a Delegação da União Europeia no Brasil. Esta obra foi elaborada com o propósito de ressaltar e apoiar o valioso trabalho desenvolvido pelos defensores de direitos humanos no Brasil. Nomes muitas vezes desconhecidos nacional e internacionalmente, mas cujas histórias precisam ser ouvidas pelo poder inspirador que carregam em suas lutas e trajetórias de vida. As comemorações do Dia dos Direitos Humanos de 2012 têm como tema os direitos das pessoas de serem ouvidas em público e incluídas nos processos decisórios de formulação de políticas sejam elas mulheres, jovens, minorias, pessoas com deficiência, povos indígenas, pobres ou marginalizados. A presente publicação tenta contribuir para essa missão, ecoando vozes capazes de fomentar a construção de uma sociedade e mundo cada vez mais justos e seguros para todos aqueles que querem e precisam ter acesso aos seus direitos. Proteger os defensores e apoiá-los em seu trabalho deve constituir o aspecto central das estratégias dos Estados em matéria de direitos humanos. O apoio aos defensores dos direitos humanos também se caracteriza como um aspecto da cooperação internacional em todas as esferas no contexto do desenvolvimento, democratização e processos similares. A Declaração sobre Defensores dos Direitos Humanos (1998) afirma que todos têm uma responsabilidade no que diz respeito a promoção e a proteção dos direitos humanos. É esta a grande contribuição da obra: sensibilizar um número ainda maior de pessoas sobre a questão, para que elas também se tornem defensoras dos direitos humanos, à sua própria maneira. 15

15 O Brasil tem avançado muito, particularmente com o trabalho da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República ao longo de mais de uma década. No entanto este país, dono de dimensões continentais e uma diversidade étnica e cultural muito grande, ainda enfrenta obstáculos consideráveis nesta luta. Nesse sentido, o trabalho conjunto e as parcerias pela promoção dos direitos humanos representam uma contribuição inelutável na consolidação deste caminho. Por isso, não importa quão longa e quão difícil seja a jornada. O que importa é fazermos nosso melhor para que a justiça sempre prevaleça e para que todas as pessoas possam desfrutar dos direitos e da dignidade que merecem. Jorge Chediek Coordenador Residente da ONU no Brasil 16

16 Os defensores dos direitos humanos são a mais alta expressão da luta pela promoção e proteção dos direitos humanos e liberdades fundamentais, uma luta combatida principalmente em silêncio. A Delegação da União Europeia está muito orgulhosa em apoiar esta publicação, que comemora o excelente trabalho feito por dez defensores brasileiros. O apoio aos defensores dos direitos humanos é um elemento de longa data da política da União Europeia em matéria de direitos humanos. No contexto das Diretrizes da UE para os Defensores dos Direitos Humanos, a Delegação da UE para o Brasil apoia a Secretaria de Direitos Humanos na sua atividade de preparação do Plano Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos. Atuamos juntos com os Estados- -Membros representados no Brasil e estamos envolvidos com o Governo brasileiro e com a sociedade civil numa discussão rica, franca e construtiva para melhor proteger os defensores dos direitos humanos. Gostaria assim de felicitar a Embaixada dos Países Baixos no Brasil, o Sistema das Nações Unidas e a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República por esta percuciente iniciativa, e que é também uma boa representação da nossa atuação conjunta para a proteção dos direitos humanos. Ana Paula Zacarias Embaixadora, Chefe da Delegação da União Europeia no Brasil 17

17 A ONU e a proteção aos defensores de direitos humanos A expressão direitos humanos já é bastante conhecida e difundida. Ela é adotada em todo o mundo com o advento da Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas, em 10 de dezembro de Naquela época, foi a primeira vez em que se falou globalmente de direitos que todos os seres humanos devem ter garantidos. A data é comemorada anualmente como o Dia Internacional dos Direitos Humanos. Desde então, em todo o planeta, milhões de pessoas vêm atuando para promover e proteger os direitos humanos. São os chamados Defensores de Direitos Humanos. De maneira geral, são pessoas que, individualmente ou em grupos, atuam para garantir na prática o que os princípios da Declaração Universal preconizam. Os defensores atuam principalmente recolhendo e disseminando informações, fazendo advocacy e mobilizando a opinião pública a respeito de violações de direitos, bem como oferecendo apoio e suporte a quem teve seus direitos humanos violados. Essa atuação pode acontecer nas mais diversas áreas: educação, execuções sumárias, conflito por terras, meio ambiente, discriminação, mutilação genital, acesso à saúde, questões trabalhistas, entre muitas outras. Vale destacar que, de acordo com o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, um defensor de direitos não precisa se reconhecer como tal. O seu papel não exige qualificação professional, mas sim consideração pelos outros seres humanos e a noção de que todos têm direito ao conjunto completo de direitos humanos. Na realidade, faz parte de sua função a vontade de ver esse ideal tornar-se realidade. Em todo o mundo, uma boa parte desses defensores de direitos humanos estavam e estão sujeitos a violação de seus próprios direitos. São alvos de excecuções, torturas, prisões arbritárias, ameaças de morte, assédio moral, difamação, restrição de sua liberdade de ir e vir e de sua liberdade de expressão. 19

18 Essas violações foram a principal motivação para a criação da Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos, comumente conhecida como a Declaração sobre os Defensores de Direitos Humanos, de 9 de dezembro de As Nações Unidas consideram que a implementação dos padrões internacionais de direitos humanos em seus Estados-Membros depende em grande parte da contribuição dos indivíduos e grupos de defesa de direitos humanos. E onde governos, estados, leis nacionais, polícia, judiciário, e o Estado não proveem proteção adequada aos direitos humanos, os defensores acabam sendo os últimos a terem seus direitos protegidos. Dessa forma, eles requerem uma proteção especial. A Declaração sobre os Defensores de Direitos Humanos foi promulgada em 1998, por ocasião do 50º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ela reconhece a defesa dos direitos humanos com um direito em si, bem como reconhece as pessoas que fazem isso como defensores de direitos humanos. Embora não tenha poder vinculante, a declaração contém uma série de princípios e direitos baseados em outros instrumentos internacionas que têm força de lei. Além disso, foi adotada por consenso pela Assembleia Geral e portanto representa um forte compromisso dos Estados-Membros pela sua implementação. A declaração prevê apoio e suporte do Estado às atividades de defensores de direitos humanos. Também delineia alguns deveres específicos dos Estados e as responsabilidades de cada indivíduo no que diz respeito à defesa de direitos humanos. A ideia é que juntos, defensor, estado e indivíduo, possam trabalhar para a garantia da segurança física e psicológica de quem atua defendendo os direitos humanos, bem como possam atuar cada vez mais garantindo os direitos universais da toda e qualquer pessoa. 20

19 O Brasil e a proteção aos defensores de direitos humanos O Brasil vem sendo pioneiro na implementação das diretrizes da ONU presentes na Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de promover e proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos, ou Declaração sobre Defensores de Direitos Humanos. Foi o único país a implementar, em 2004, um Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos executado pelo governo. Ligado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, reconhece a importância dos defensores para a efetivação dos direitos e adota e articula medidas para a proteção de pessoas que atuam na promoção e proteção de direitos e que, por conta dessa atuação, estejam ameaçadas. Em 2007, outro grande avanço aconteceu com a instituição da Política Nacional de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos. O Programa busca incidir na superação das causas que geram a situação de risco e ameaça. Para alcançar esse objetivo, atua na articulação de medidas e ações com os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e com a sociedade civil organizada. Atualmente, está presente em oito estados brasileiros: Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Pernambuco, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Ceará. O defensor é atendido por equipes técnicas estaduais, onde há programa estaduais, ou pela equipe técnica federal, naqueles estados sem programa. Por meio desse atendimento, ele é acompanhado desde a solicitação de inclusão até o seu desligamento. Eles são constantemente monitorados, e o risco e a situação de ameaça em que se encontram são permanentemente avaliados. O programa oferece visitas periódicas no local de atuação do defensor, atendimento psicossocial, acompanhamento das investigações e denúncias e das articulações com os órgãos responsáveis para a implementação das medidas protetivas. A solicitação para ingresso no programa pode ser feita pelo próprio defensor ou por redes de direitos, entidades e organizações da sociedade civil, Ministério Público ou 21

20 qualquer outro órgão público que tome conhecimento da ameaça ou violação à qual a pessoa esteja exposta. A inclusão do defensor levará em conta a gravidade da violação ou da ameaça, a dificuldade de preveni-las ou reprimi-las pelos mecanismos convencionais de segurança pública. Alguns critérios são observados, tais como: Atuação na defesa ou promoção dos direitos humanos deve ficar comprovado que o interessado atue como defensor de direitos humanos; Nexo de causalidade a violação ou ameaça sofrida pelo interessado deve decorrer de sua atuação na defesa ou promoção dos direitos humanos; Anuência às normas o interessado deve aceitar as normas e condições do Programa. Cada Programa possui uma Coordenação, Nacional para o Programa Federal e Estadual para os Programas Estaduais. São órgãos deliberativos que têm como objetivo debater a política e as estratégias de proteção aos defensores dos direitos humanos, deliberar pedidos de inclusão e desligamento, bem como, medidas protetivas a serem adotadas e articuladas junto aos órgãos responsáveis. As medidas protetivas do Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos compreendem articulações com os órgãos e entidades, públicas e privadas, visando à resolução de conflitos e a superação das causas que geram as ameaças; com os órgãos do sistema de justiça dos estados e da União para a defesa judicial e apoio no acompanhamento das violações; com os órgãos de segurança pública dos estados visando a garantia da segurança do defensor de direitos humanos e apuração das violações; de medidas psicossociais; de ações que possibilitem o reconhecimento da atuação do defensor de direitos humanos na sociedade; e, excepcionalmente, a retirada provisória do defensor do seu local de atuação em casos de grave ameaça ou risco iminente. 22

21 Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil Dez pessoas, dez histórias de vida e um denominador comum: uma força extraordinária para exercer sua cidadania e lutar pelos direitos humanos. As entrevistas a seguir buscam dar voz a dez defensores brasileiros, selecionados pelo Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, com atuações em áreas distintas: direito a terra, a vida, a um tratamento adequado e não-violento, ao meio ambiente, a manutenção de comunidades tradicionais, indígenas, quilombolas e de pescadores. As entrevistas mostram a atuação desses dez defensores, as dificuldades e os ganhos coletivos de sua ação e o lado humano da luta, que infelizmente gera perdas, medos e frustrações. Pessoas extraordinárias que continuam e continuarão lutando por um país mais justo, no qual os direitos universais possam ser desfrutados pela totalidade da população. Essa publicação pretende ser uma homenagem a esses cidadãos e cidadãs e, assim, a todas e todos que defendem os direitos humanos. 23

22 Alexandre Anderson de Souza Na luta, encontrei minha paz Desde 2003, o pescador Alexandre Anderson de Souza vem travando uma batalha em favor da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, e de comunidades de pesca artesanais que vivem do que a baía tem para oferecer, frente à construção de empreendimentos petroquímicos que afetam o meio ambiente local. Desde então, colocou a defesa da garantia de condições de vida dignas para milhares de pescadores como principal objetivo de vida, perpassando inclusive questões pessoais. Mesmo sob ameaças e tendo presenciado perdas de companheiros de causa, é difícil para ele pensar em planos para o futuro que não estejam associados a esse objetivo. Alexandre é fundador e presidente da Associação dos Homens do Mar do Rio de Janeiro (Ahomar). Montou um sindicato de pesca no estado e sonha em criar a primeira confederação nacional de pescadores artesanais no país. Vem divulgando a questão no Brasil e no mundo com o apoio de organizações e se articula com técnicos e universidades para comprovar cientificamente os estragos já feitos e o impacto que a continuação desses empreendimentos pode causar. Aos 42 anos, Alexandre quer expandir a sua atuação. Recentemente, passou a ser integrante da executiva nacional do Movimento Nacional pela Regularização dos Territórios Pesqueiros e irá atuar também na região Sul do país. 25

23 Como e por que surgiu a Ahomar? Seu embrião surgiu em 2003, com a criação do Grupo de Homens do Mar da Baía de Guanabara, que congrega líderes de pescadores de Magé, na periferia do Rio de Janeiro. Na época, tinha acabado de acontecer, em 2000, um dos maiores desastres ambientais do Brasil, o vazamento de mais de 1,3 milhão de litros de óleo na Baía de Guanabara. Isso gerou um passivo ambiental muito grande para o meio ambiente. Depois desse acidente, acreditávamos que iriam dar um descanso para a baía. Mas um ano depois começaram a construir um novo duto no mar, atrapalhando a pesca. Dei a ideia de criarmos um grupo para lutar contra esse tipo de empreendimento. Eu nem queria ser líder desse grupo, nem me considerava um, mas os pescadores me convenceram, porque eu era um pouco mais articulado que eles, porque nem sempre vivi da pesca. Por que virou pescador? Meu pai, falecido, era engenheiro civil, minha mãe, dona de casa e irmãs advogada e engenheira. Eu só completei o ensino médio e trabalhei em uma empresa uruguaia e em outra empresa russa que prestavam serviços para a atividade aduaneira. Essa última fechou a sede no Brasil e queria me levar para a Rússia, mas eu preferi ficar com a família. Meu cunhado já era pescador, e resolvi seguir esse caminho. Comprei um barco com o dinheiro da rescisão do meu contrato. E foi aí que comecei a ver o caiçara, o pescador original, sendo massacrado a todo momento. Por isso dei a ideia de criar um grupo, porque não se resolve nada sozinho. Quando o grupo virou associação? Em 2007, o grupo virou a Ahomar. Estávamos com carência de uma estrutura oficial para poder fazer notificações, representações formais, pedidos de documentos. Já estávamos atuando dentro dos órgãos licenciadores e das empresas de petróleo que ocupam a Baía de Guanabara, querendo saber o porquê de estarmos sendo impedidos de pescar e não nos apresentavam uma alternativa para isso. A Ahomar atualmente tem quase dois mil associados em sete municípios da baía. Mas representamos mais de 4,6 mil pescadores, porque a lei diz que ninguém é obrigado a associar-se, mas podemos representar um não-associado se ele nos der permissão. Fizemos ações para seguro defeso, auxílio-maternidade das pescadoras, algumas ações de aposentadoria, que beneficiam o coletivo, não apenas os associados. 26

24 Também criamos um sindicato de pescadores que envolve 13 regiões do Rio de Janeiro. Isso é estratégico porque esse tipo de organização se torna representativa e tem visão e voz em qualquer lugar. Embora o registro ainda não tenha saído, já estamos atuando como sindicato. Com isso, continuamos lutando frente à presença de empreendimentos petroquímicos na Baía de Guanabara, fazendo manifestações, denunciando e dando visibilidade ao problema. Além dos dutos, petroleiros e rebocadores em si, que destroem o nosso espaço de pesca, estão querendo fazer uso industrial do rio Guaxindiba, localizado dentro de uma Área de Proteção Ambiental, o que causará um estrago de grandes proporções ao meio ambiente. Qual o impacto ambiental e social dessa presença? Desde 2003, passamos a verificar que a nossa área de atividade marinha estava sendo tomada sem comunicação, sem audiência pública. Havia navios, lançamentos de dutos, rebocadores, e a comunidade não era ouvida. Verificamos que, já após o vazamento em 2000, houve uma grande diminuição do pescado. A Baía de Guanabara tem uma característica extrativista. Não dá para fazer criadouros, por conta da variação de salubridade da água. Em 2010, começamos a fazer um mapa participativo, com a ajuda da Universidade Federal do Rio de Janeiro, para descobrir as diferenças nas localidades de pesca e na quantidade de pescado entre a década de 1990 e a de Visitamos 28 comunidades e construímos uma revista e um mapa o pescador tem um senso de localização muito poderoso. Não houve divergências: estamos pescando 80% menos em relação ao final dos anos 90. O problema é o empobrecimento. E isso gera um grande impacto na vida do pescador. Temos locais com êxodo o que gera dois problemas: o fim das aldeias de pescadores e do seu entorno (escolas, comércio, cultura), e a pressão e a sobrepesca em outras comunidades pesqueiras para as quais eles migram. Além disso, identificamos suicídios, alcoolismo e um grande risco para os filhos de pescadores. Existia a lógica natural de que o filho de pescador iria ser pescador também. Mas sem peixe e sem dinheiro, existe uma facilidade grande de cooptação pelo tráfico. Existe uma questão histórica importante também ali. O pescador é o coração de toda aquela região, quando se atropela ou destrói esse coração, se mata um todo. A Baía de Guanabara está morrendo e os filhos dela, os pescadores, também. Isso também vai gerar um problema social para moradores que não estão em locais diretamente relacionados com a comunidade. Vão existir cidades fantasmas, aumento da crimina- 27

25 lidade, problemas de logística para onde irão o pescador e o filho do pescador? Vai sempre haver um desgaste social. Além disso, é possível dizer que a Baía de Guanabara é uma bomba-relógio. Temos navios com toneladas de gases ao lado de quartéis de combustíveis e munição. As chances de vazamento, acidente e explosões são grandes e colocam toda a região em risco. O que os pescadores reivindicam nessa luta? Na verdade, nunca procuramos o ressarcimento. Nenhuma empresa pode nos acusar de ter ido pedir dinheiro. Nós fizemos muitas assembleias, e os pescadores sempre falam que não querem dinheiro. Eles não querem parar de pescar, querem ganhar seu sustento como seus bisavôs, avôs e pais: na pesca, com dignidade e com o contato com a natureza. A pesca artesanal tem uma relação muito forte com o local de pesca e moradia. Nós moramos na beira do rio ou mar onde estão nossos barcos, e pescamos onde está a nossa casa. Temos todo o conhecimento do território. Por isso somos artesanais. Se não fosse assim, seríamos pescadores industriais. Queremos o reconhecimento dos nossos direitos de fazer o que sempre fizemos. Se não der para tirar o que já foi implementado na Baía de Guanabara, que pelo menos não se construa mais lá, que não avance. Que os terminais de refinarias que estão lá fiquem até acabar, mas que deixem o restante para nós, que talvez a gente consiga sobreviver e perpetue essa pesca por até mais uns cem anos. Se avançar mais um pouco, a gente vai ficar fora. É preciso achar uma saída digna para os pescadores da Baía de Guanabara. Essa situação se repete nas comunidades de pescadores espalhadas pelo Brasil? Sim. A situação é parecida. Nós estamos perdendo nosso meio de vida para os grandes empreendimentos que vêm enriquecer e valorizar o grande capital. A presença de uma usina de energia eólica, de uma fazenda de carcinicultura, de uma mineradora ou de uma grande petrolífera raramente significa desenvolvimento local ou socioambiental para as comunidades tradicionais ao redor. A responsabilidade social está na cartilha, mas não é aplicada. Na realidade, as comunidades tradicionais, seja de pescadores, quilombolas, indígenas, são consideradas uma pedra no sapato. No nosso caso, a gente está vendo que a Baía 28

Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil

Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil DEZEMBRO/2013 Publicado pela Organização das Nações Unidas no Brasil. Esta publicação é fruto de uma parceria entre o Sistema das Nações Unidas no Brasil,

Leia mais

Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil. Brasília,

Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil. Brasília, Dez faces da luta pelos Direitos Humanos no Brasil Brasília, FEVEREIRO/2015 Publicado pela Organização das Nações Unidas no Brasil. Esta publicação é fruto de uma parceria entre o Sistema das Nações Unidas

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da

Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da Sra. Presidente do Fórum Permanente 2015 Sra. Relatora Especial para nós povos indígenas. Mba'éichapa!!! Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da Grande Assembleia Aty

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio Universidade de São Paulo Glenda Carlos Ferreira de Almeida Nilbberth Pereira da Silva Orientador: Professor Doutor José Coelho Sobrinho Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

Daniel Nunes Pereira

Daniel Nunes Pereira -Excelentíssimos vereadores e vereadoras -Excelentíssimos comendadores e comendadeiras -Excelentíssimos secretários e demais autoridades presentes -Imprensa que democraticamente acompanha diariamente os

Leia mais

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012 Proposta Projeto Brasileiro Brasília, outubro de 2012 1 - Existe, em seu país, política pública, programa ou estratégia de acesso ao Direito, para a população em condição de vulnerabilidade (grupos vulneráveis)?

Leia mais

5 anos da Lei Maria da Penha:

5 anos da Lei Maria da Penha: 5 anos da Lei Maria da Penha: 05 de Agosto Comemoramos nossas conquistas exigindo direitos para todas nós Cinco anos de Lei Maria da Penha: Comemoramos nossas conquistas e repudiamos as desigualdades!

Leia mais

Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Plano Nacional de Enfrentamento ao Plano Nacional de Enfrentamento ao Secretaria Nacional de Justiça Ministério da Justiça Ministério da Justiça MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Presidente da República Luiz Inácio

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais?

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais? Depoimento de Oswaldo Setti de Almeida Filho Ação Moradia Carla- Bom dia, Oswaldo. Oswaldo Bom dia, meu nome... Carla- Eu gostaria que você me falasse primeiro o seu nome completo, a sua data de nascimento

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos / / Fique ligado Notícias / Especiais Promenino Fundação Telefônica 10/12/2012 Os desafios da fiscalização do trabalho infantil Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL WWW.SUPERVISORPATRIMONIAL.COM.BR SUPERVISOR PATRIMONIAL ELITE 1 OS 3 PASSOS PARA O SUCESSO NA CARREIRA DA SEGURANÇA PATRIMONIAL Olá, companheiro(a) QAP TOTAL. Muito prazer, meu nome e Vinicius Balbino,

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS CAS Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social CASEMP

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS CAS Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social CASEMP COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS CAS Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social CASEMP AUDIÊNCIA PÚBLICA Assunto: Os direitos da mulher no Sistema de Seguridade Social Data: 27/04/2010

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

O COMPROMISSO DE TODOS POR UM ENVELHECIMENTO DIGNO NO BRASIL

O COMPROMISSO DE TODOS POR UM ENVELHECIMENTO DIGNO NO BRASIL O COMPROMISSO DE TODOS POR UM ENVELHECIMENTO DIGNO NO BRASIL KARLA GIACOMIN, PRESIDENTE DO CNDI (GESTÃO 2010-2012) Usualmente, eu preferiria falar de improviso, mas considerando a importância da III CONFERÊNCIA

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra...

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra... Canadá Você sabia que... Os indivíduos e as comunidades têm o direito a exprimir as próprias opiniões e a participar, com os governos locais, na tomada de decisões e ações que afetem o seu direito à alimentação.

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Pronunciamento da subsecretária María Otero na Fundação Getúlio Vargas Sexta-feira, 26 de março de 2010 Rio de Janeiro, Brasil

Pronunciamento da subsecretária María Otero na Fundação Getúlio Vargas Sexta-feira, 26 de março de 2010 Rio de Janeiro, Brasil Pronunciamento da subsecretária María Otero na Fundação Getúlio Vargas Sexta-feira, 26 de março de 2010 Rio de Janeiro, Brasil Obrigada pela amável apresentação. E muito obrigada à Fundação Getúlio Vargas

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA Palestra do secretário de Direitos Humanos e Cidadania, Rogério Sottili, no evento Diálogos em Ação: Educação Inclusiva na Cidade

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Elias Nunes Júnior, 20 do 10 de 1958. Nasci em Bom Jesus de Itabapoana, interior do estado. FORMAÇÃO Eu sou formado em Ciências Contábeis, tenho Pós em

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Escolas comunicadoras

Escolas comunicadoras Comunicação e Cultura Local de atuação: Ceará, Pernambuco, Pará e Bahia Data de fundação: 1996 Escolas comunicadoras No Ceará, quase quinhentas mil crianças da rede pública estudam em escolas que unem

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva.

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva. Goiânia e Heidelberg, 02 de setembro de 2015 Senhora Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes, Brasília DF Ref.: Ataque à comunidade Guarani

Leia mais

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após visita ao banco de sangue de cordão umbilical e placentário - Rede BrasilCord Fortaleza-CE, 08 de junho de 2010

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Sr. Ministro, a quem agradeço, em nome do Fórum Nacional de Prevenção

Sr. Ministro, a quem agradeço, em nome do Fórum Nacional de Prevenção DESAFIO DA ERRADICAÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL NO BRASIL Isa Maria de Oliveira * Sr. Ministro, a quem agradeço, em nome do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil,

Leia mais

Povos Indígenas e Desenvolvimento Sustentável:

Povos Indígenas e Desenvolvimento Sustentável: Justiça para os Povos Indígenas O Centro de Recursos Jurídicos para os Povos Indígenas Indian Law Resource Center é uma organização legal e de advocacy sem fins lucrativos criada e dirigida por índígenas

Leia mais

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social III Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social Muito fizemos entre uma conferência e outra... 2 Não, não tenho caminho novo. O

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

III Encontro da Indústria Nuclear ENIN. Recife, 25/11/2013

III Encontro da Indústria Nuclear ENIN. Recife, 25/11/2013 III Encontro da Indústria Nuclear ENIN Benefícios gerados pela implementação e operação da Central Nuclear às comunidades do entorno Recife, 25/11/2013 Coordenação de Responsabilidade Socioambiental e

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO - SNCJS

EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO - SNCJS 1. Apresentação União Brasileira de Educação e Ensino UBEE EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO -

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia

Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia 1 2015 VICE Media LLC Uma Prostituta Carioca Foi (de Novo) Sequestrada e Ameaçada pela Polícia março 19, 2015 Por Matias Maxx Repórter Foto por Matias Max. No ano passado, poucas semanas antes do início

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na Conferência da Organização

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 5 SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE Percepção de diferenças entre índios e não índios no Brasil hoje Estimulada e única, em % Base: Total da amostra (402) NÃO S/ URBANOS POPULAÇÃO NACIONAL

Leia mais

Ano 1 - nº 1 - Set/15

Ano 1 - nº 1 - Set/15 Ano 1 - nº 1 - Set/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José Aníbal créditos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência

Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência OS NOVOS DESAFIOS DO MUNDO GLOBALIZADO: O TRABALHO FORÇADO E O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * Carmen Sottas ** Vamos acabar de uma vez com essa vergonha. Vergonha é a existência de milhares de trabalhadores

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

Manifesto da Marcha das Mulheres Negras 2015 contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver. Brasília 13 de maio de 2015

Manifesto da Marcha das Mulheres Negras 2015 contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver. Brasília 13 de maio de 2015 Manifesto da Marcha das Mulheres Negras 2015 contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver Brasília 13 de maio de 2015 Nós, mulheres negras brasileiras, descendentes das aguerridas quilombolas e que

Leia mais

Dia Internacional da Paz

Dia Internacional da Paz DIA INTERNACIONAL DA PAZ PORTO ALEGRE/RS 21 de setembro de 2015 Dia Internacional da Paz O Dia Internacional da Paz é celebrado em 21 de setembro, fruto de uma iniciativa mundial da ONU estabelecida em

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na cerimónia comemorativa

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Hoje, você agricultor familiar do Grupo B, tem oportunidades. Apresentação

Hoje, você agricultor familiar do Grupo B, tem oportunidades. Apresentação Apresentação Hoje, você agricultor familiar do Grupo B, tem oportunidades de acesso ao crédito orientado e acompanhado do Agroamigo do Banco do Nordeste. O Agroamigo foi criado para lhe atender de forma

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Outubro de 2014 Sumário Cavaleiro da Chama-Vermelha.... 2 Dr. Emanuel.... 2 João Augusto... 3 Mago Horax... 3 Caravana de Koré....

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRA DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DE

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

Campo Grande, 08 de outubro de 2015

Campo Grande, 08 de outubro de 2015 Campo Grande, 08 de outubro de 2015 Deus enxugará toda a lágrima de seus olhos, pois nunca mais haverá morte, nem luto, nem clamor, e nem dor haverá mais. Sim! As coisas antigas se foram! (Ap. 21.4) Nhanderu

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria.

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. 1 Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. Quem somos: A Abrasa Associação Brasileiro-Afro-Brasileira para o Desenvolvimento da Dança, Cultura Educação e Arte, é uma Instituição

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Mobilização de Equipes para Alta Performance

Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Pessoas liderar é influenciar pessoas para que desenvolvam motivação para fazer o que "deve" ser feito com vontade e com o máximo de seu potencial

Leia mais

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE!

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE! O que é o Congresso de Acessibilidade? O Congresso de Acessibilidade é o primeiro evento online TOTALMENTE GRATUITO a ser realizado no Brasil, com foco no público de Pessoas com Deficiência e/ou Necessidades

Leia mais

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos.

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos. Palavras de Humberto Henderson, Representante Regional Adjunto para América do Sul do Escritório do Alto Comissariado das Nacoes Unidas para os Direitos Humanos, Lancamento da Campanha Livres e Iguais

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

A Cooperação UE no Estado de São Paulo

A Cooperação UE no Estado de São Paulo A Cooperação UE no Estado de São Paulo Informações gerais: Superficië (km²): 248.209,426 População (IBGE 2012): 41.901.219 Produto Interno Bruto - PIB (2008) em R$ milhões: 1.003.016 Indice de Desenvolvimento

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais