MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado"

Transcrição

1 Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado

2 MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado Ministro Luiz Caros Bresser Pereira Chefe de Gabinete José Water Vazquez Fiho Secretária-Executiva Cáudia Costin Secretária da Reforma do Estado Angea Santana Secretário de Recursos Logísticos Rainer Weiprecht Secretário de Recursos Humanos Luiz Caros de Ameida Capea Secretário de Articuação Instituciona Caros Cesar Pimenta Presidente da ENAP Escoa Naciona de Administração Púbica Regina Sivia Viotto Monteiro Pacheco Responsáve Técnico peo Caderno nº 6 Ciro Campos Christo Fernandes

3 Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns Caderno 6 MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado Brasíia - DF / 1997

4 Conseho Editoria Ciro Campos Christo Fernandes - presidente Cáudio Seiji Sato Frederico Raphae C. Durão Brito Sheia Maria Reis Ribeiro Seene Marinho Machado Letícia Schwarz Marianne Nassuno Projeto e Editoração Gráfica João Caros Machado Ribeiro Roberta Cruz Cáudio Seiji Sato José Murio C. Carvaho Júnior Seene Marinho Machado Roberta Figueiredo Abreu Cruz João Caros Machado Ribeiro Antônia da Siva Farago Thaisis Barboza Souza (estagiária) Copyright MARE. 1ª Edição, 6 de outubro de 1997 Reimpressão em 15 de outubro de 1997 MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado Saa 740, Fones: (061) Espanada dos Ministérios, boco C. Brasíia - DF CEP Impresso no Brasi Brasi. Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado. A Reforma do apareho do estado e as mudanças constitucionais: síntese & respostas a dúvidas mais comuns / Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado. Brasíia: MARE, p. (Cadernos MARE da reforma do estado; c.6) 1. Reforma administrativa Brasi. 2. Organização administrativa Brasi. 3. Administração púbica Brasi. I. Títuo. II. Série. CDD

5 Sumário A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais - Uma Síntese Uma Administração Púbica Eficiente... 7 Os Principais Pontos da Reforma... 8 O que a Sociedade ganha com a Reforma O que o Servidor Púbico ganha com a Reforma O que muda com a Emenda Constituciona A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais Perguntas e Respostas A Reforma O Regime Jurídico A Estabiidade A Remuneração... 23

6 Uma Síntese 7 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais - Uma Síntese Uma Administração Púbica Eficiente Oobjetivo da reforma é permitir que a administração púbica se torne mais eficiente e ofereça ao cidadão mais serviços, com maior quaidade. Ou seja, fazer mais e mehor com os recursos disponíveis. A redução de custos será perseguida ao mesmo tempo em que se promove a contínua revisão e aperfeiçoamento das rotinas e processos de trabaho, simpificando procedimentos, desburocratizando e estabeecendo metas e indicadores de desempenho e de satisfação do cidadão. De outro ado, a reforma do apareho do Estado é fundamenta para assegurar a estabiidade do Pano Rea: o governo precisa coibir o desperdício e racionaizar o gasto púbico. O que o governo quer com a reforma é impedir que os gastos aumentem, consumindo os recursos do Estado, sem que haja uma contrapartida de eficiência e quaidade nos serviços prestados. A atua Constituição impõe obstácuos de difíci remoção para a apicação de poíticas votadas para a cobrança de desempenho do serviço púbico e para a racionaização das despesas. A mehoria da eficiência exigirá também a descentraização dos serviços, aproximando-os da sociedade e do cidadão, retirando do Estado atividades que possam ser mehor executadas por entidades púbicas apoiadas peo Estado. Também será indispensáve redefinir os mecanismos de controe convencionais, votados para o controe de processos, burocratizado e ineficaz, redirecionando-os para a avaiação de resutados. A proposta de reforma administrativa entrou na agenda da sociedade brasieira, está nos jornais, é discutida peo cidadão. Hoje o país conta com uma administração mais transparente, tem consciência do tamanho do probema e as decisões a serem tomadas peo Congresso poderão refetir o que pensa a sociedade.

7 8 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais Os Principais Pontos da Reforma A reforma do apareho do Estado requer a aprovação de mudanças na Constituição para a sua competa impementação. Mas, a reforma não se imita à revisão de dispositivos constitucionais. Abrange também a revisão de outras eis e normas, a concepção de novos instrumentos de gestão e de formas inovadoras de organização da administração, procurando assimiar o que há de mais avançado nas teorias e métodos de administração, na experiência internaciona e na própria trajetória da administração púbica brasieira. Os principais projetos e medidas já em andamento na administração federa são os seguintes: dotar os órgãos centrais do Estado de maior capacidade de formuação e acompanhamento das poíticas púbicas, especiamente através da criação de novas carreiras e fortaecimento das existentes, votadas para a formuação de poíticas púbicas e a reguação, de modo a assegurar o recrutamento contínuo, nos próximos anos, de quadros com ata capacitação técnica; rever as estruturas e competências dos órgãos e entidades da administração federa, visando a redução de níveis hierárquicos, a adoção de formatos organizacionais mais eves e fexíveis e a descentraização de competências para Estados e Municípios; estimuar o panejamento estratégico em todos os órgãos e entidades, compreendendo a definição de missão, objetivos e metas, conjugada à impantação de indicadores de desempenho e de processos contínuos de mehoria da gestão; descentraizar e mehorar o desempenho gerencia na prestação de serviços púbicos na área socia, mediante impantação de Organizações Sociais, sem vincuação administrativa com o Estado, mas fomentadas com recursos púbicos e controadas por contratos de gestão; fortaecer a capacidade reguatória do Estado, particuarmente sobre os setores produtivos objeto de privatização de empresas estatais, mediante criação de Agências Reguatórias, especiamente nas atividades exporadas por concessão estata; mehorar o desempenho na prestação de serviços púbicos típicos de Estado, em atividades como arrecadação, segurança e previdência socia, mediante impantação de Agências Executivas, com maior autonomia administrativa e controe com ênfase nos resutados acançados, mediante contrato de gestão;

8 Uma Síntese 9 profissionaizar o servidor, com treinamento permanente, avaiação de desempenho e participação em programas de mehoria contínua dos processos de trabaho; racionaizar e readequar o perfi e a distribuição do quadro de servidores, com a fixação da otação necessária de servidores em cada órgão ou entidade e o remanejamento, treinamento ou afastamento de servidores desnecessários; modernizar a egisação do servidor púbico e rever priviégios, propondo ao Legisativo emendas à egisação vigente e à própria Constituição, contempando, particuarmente, o estabeecimento de restrições às aposentadorias precoces e a revisão de benefícios descabidos, fixados na egisação vigente; controar custos, por meio da impantação de sistemas de informações gerenciais, particuarmente para o acompanhamento de despesas, de modo a tornar caro para os administradores púbicos o custo rea de suas unidades e programas; rever a egisação que rege as compras e contratações, visando a obtenção de preços mehores e a agiização de procedimentos requeridos; apicar as tecnoogias da informática à mehoria da gestão, de modo a possibiitar a disseminação do trânsito de documentos por meio eetrônico e o acesso com rapidez, peos gerentes, à informação no formato adequado às necessidades do processo decisório.

9 10 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais O que a Sociedade ganha com a Reforma Uma administração púbica eficiente: a mehoria da eficiência significa que o Estado será capaz de gerar mais benefícios, na forma de prestação de serviços à sociedade, com os mesmos recursos disponíveis. Ou seja, o Governo entende que o probema não é simpesmente de cortar gastos, mas gastar com eficiência e responsabiidade o que se tem. O equiíbrio das contas nos Estados e Municípios: Estados e Municípios terão condições egais de promover, de forma mais eficaz, seus processos de ajustamento das contas púbicas. Existe hoje uma grave situação de quase inadimpência em muitos Estados e Municípios, nos quais a foha de pagamentos responde por até 91% da receita disponíve. O ajustamento é necessário e a sociedade só tem a ganhar, ainda que possam haver custos sociais ocaizados com o desigamento de servidores. O Estado deixa de ser um obstácuo à retomada do desenvovimento econômico: hoje o setor privado já se ajustou e está votando a investir. O Estado, entretanto, continua amarrado peo desequiíbrio das contas e pea desorganização interna, perda de técnicos quaificados, baixo desempenho e persistência no uso de formas atrasadas de gestão. O Governo não quer desmontar o Estado. As experiências bem sucedidas no mundo inteiro mostram que é fundamenta uma burocracia ági, moderna, capaz de panejar e promover as condições necessárias para o crescimento sustentado e sociamente justo. Serviços púbicos com quaidade: a retirada de normas e controes desnecessários, a fexibiização de gestão e a ênfase no desempenho vão ajudar a administração púbica a oferecer serviços mehores, com maior quaidade. O serviço púbico poderá assimiar o que há de positivo na experiência de gestão das organizações e empresas mais modernas, direcionando a sua atuação para a satisfação do cidadão/ contribuinte.

10 Uma Síntese 11 O que o Servidor Púbico ganha com a Reforma O servidor ganhará o respeito da sociedade: a opinião púbica tem hoje uma imagem muito negativa do servidor. Para reverter esta imagem, a sociedade precisa saber que a maioria dos servidores trabaha muito e é dedicada ao idea de servir ao púbico. Por isso os servidores não devem temer medidas que visam favorecer a sua profissionaização. Cobrar desempenho e até mesmo, como medida extrema, demitir o servidor que não se empenha no seu trabaho, não é perseguir a categoria, mas reforçar a sua profissionaização. A estabiidade só se justifica no interesse do Estado: ea não deve ser confundida com eternização no cargo púbico. O servidor terá certeza de que seu trabaho é necessário: é preciso que os servidores tenham caro que a função do Estado não é dar empregos, mas prestar os serviços que a sociedade, o contribuinte, necessitam. Dessa forma, não faz sentido manter empregos desnecessários. Os Estados ou Municípios que, diante de uma situação insustentáve nas contas púbicas, tiverem de se ajustar peo desigamento de servidores, poderão, daqui para a frente, retomar o crescimento acauteando-se contra o empreguismo. O servidor terá o seu desenvovimento profissiona estimuado: serão impementados programas de treinamento em massa e sistemas de promoção do servidor vincuados a cursos de aperfeiçoamento. O quadro de servidores será renovado: a abertura de concursos e a organização de carreiras irá renovar o quadro de servidores, com a entrada de sangue novo e representará um avanço nas condições de trabaho e na quaidade dos serviços. As condições de trabaho vão mehorar: novos métodos de gestão, maior autonomia e profissionaização da gerência, indicadores de desempenho, sistemas de avaiação permanente do servidor e dos órgãos, serão projetos que deverão, a ongo prazo, produzir uma verdadeira revoução gerencia no serviço púbico, que hoje está muito defasado em reação às organizações privadas.

11 12 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais O que muda com a Emenda Constituciona A Proposta de Emenda Constituciona n.º 173, que trata da reforma do apareho do Estado, foi encaminhada peo Governo ao Congresso Naciona, em agosto de 1995, tendo sido objeto de Substitutivo, eaborado peo deputado Moreira Franco, no qua foram mantidas - e mesmo ampiadas - muitas das propostas básicas do texto origina e negociadas, no âmbito do Congresso, aguns dos dispositivos de maior sensibiidade poítica. O Substitutivo, aprovado em votação de 1º turno, contém inúmeras importantes aterações ao texto constituciona, da qua podem ser destacadas, pea sua importância para o prosseguimento da reforma, os itens que se seguem. Estabiidade o tempo de exercício exigido para aquisição da estabiidade é ampiado de 2 para 3 anos e se torna obrigatória a avaiação de desempenho do servidor no estágio probatório, como requisito para a estabiidade; poderá ocorrer a perda do cargo, peo servidor estáve, por insuficiência de desempenho, apurada mediante avaiação periódica; poderá ainda, ocorrer a perda do cargo peo servidor estáve, quando a despesa com pessoa utrapassar imite previsto na Constituição vigente (art. 169) e reguamentado atuamente pea Lei Compementar n.º 82/95; a adoção desta medida só será permitida se, previamente, for promovida a redução em peo menos 20% das despesas com cargos em comissão e a demissão dos servidores admitidos sem concurso púbico, aos quais não tenha sido concedida a estabiidade, nos termos da Constituição de 1988; os servidores estáveis que vierem a ser dispensados receberão indenização correspondente a uma remuneração por ano de serviço e os cargos que ocupavam deverão ser obrigatoriamente extintos, proibida a criação de cargos com atribuições iguais ou assemehadas durante um período de 4 anos; os servidores que exerçam atividades excusivas de Estado, que requeiram garantias especiais, poderão ser objeto de reguamentação diferenciada para a perda do cargo; o texto constituciona estabeece que estas garantias deverão acançar, peo menos, as atividades de fiscaização e arrecadação

12 Uma Síntese 13 tributária, previdenciária e do trabaho, controe interno, segurança púbica, dipomacia, advocacia e defensoria púbica; outros cargos poderão também merecer garantias especiais, desde que previsto na ei; o servidor estáve poderá ser coocado em disponibiidade com proventos proporcionais, no caso de extinção ou de decaração de desnecessidade do seu cargo. Remunerações fica instituído teto de remuneração único para os três Poderes e para União, Estados, Distrito Federa e Municípios, correspondente ao subsídio dos Ministros do Supremo Tribuna Federa; na nova regra, o teto não permite nenhuma exceção: engoba efetivamente todas as parceas remuneratórias, incusive as vantagens pessoais e incide sobre os proventos e pensões, aém de acançar as situações de acumuação de remunerações e proventos; os reajustes e aterações de remuneração só poderão ocorrer mediante aprovação de projeto-de-ei, sujeito ao veto presidencia; ou seja, o Legisativo e o Judiciário perdem a prerrogativa da auto-fixação da remuneração dos seus servidores; a isonomia deixa de constar do texto constituciona: passa a ser questão de ordem administrativa e não mais objeto de questionamentos e reinvindicações na Justiça. Regime Jurídico dos Servidores o texto constituciona deixa de estabeecer a obrigatória instituição de regime jurídico único para os servidores da administração direta, autárquica e fundaciona; dessa forma, a União, Estados, Distrito Federa e Municípios poderão, a seu critério, adotar mais de um regime, incusive o regime ceetista, de modo a mehor atender às pecuiaridades de cada segmento da administração. Contratos de Gestão poderão ser ceebrados contratos de gestão nos órgãos e entidades da Administração Púbica, para ampiar a sua autonomia, incusive para a definição da remuneração dos seus servidores; a autonomia ampiada, entretanto, fica vincuada a um controe mais rigoroso e efetivo, reaizado peo contrato de gestão e direcionado para a avaiação dos resutados acançados.

13 14 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais Fexibiização de Gestão das Estatais será permitida a adoção de egisação diferenciada para as empresas estatais, em reação às icitações e contratos; a ei estabeecerá o estatuto da empresa estata exporadora de atividades econômicas, definindo mecanismos diferenciados de controe e de ampiação da sua autonomia. Descentraização para Estados e Municípios a ei poderá permitir a constituição de consórcios púbicos e convênios para a gestão associada de serviços púbicos e para a transferência de serviços, pessoa ou bens entre as esferas de Governo, faciitando o processo de descentraização de muitas atividades e serviços atuamente exercidas pea União. Controe Socia da Administração Púbica a participação do cidadão na Administração Púbica será fortaecida, mediante ei que reguamentará o direito de audiência e de participação na tomada de decisões que he digam respeito, as recamações reativas à prestação dos serviços púbicos, o acesso a informações e a representação contra abusos e negigência na prestação dos serviços púbicos. Economia de despesas em cada órgão ou entidade os recursos economizados, provenientes de despesas de manutenção dos órgãos e entidades da administração púbica, poderão ser apicados em programas de quaidade, no treinamento e modernização interna ou até mesmo em gratificações ou prêmios de produtividade, destinados aos servidores; a ei deverá reguamentar este mecanismo de estímuo à redução de gastos, vincuado à concessão de benefícios diretamente ao servidor ou na forma de mehoria das suas condições de trabaho.

14 Perguntas e Respostas 15 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais Perguntas e Respostas A Reforma O que é a reforma do apareho do Estado? A reforma do apareho de Estado é a mudança nas eis, na organização, nas rotinas de trabaho e na cutura e comportamento da administração púbica, visando a mehoria da eficiência e do atendimento às necessidades da sociedade. São diversos projetos, dos quais as emendas constitucionais representam apenas uma parte, que serão desenvovidos nos próximos anos, com o ativo envovimento dos servidores e a participação da sociedade. O que é o apareho de Estado? O apareho de Estado é o Estado como organização, que conta com servidores púbicos, recursos financeiros, máquinas, equipamentos e instaações, para a prestação de serviços no interesse da sociedade. O apareho de Estado é o executor das decisões que são tomadas peo Governo. Daí, a necessidade de que atue com eficiência e presteza, em respeito ao contribuinte e procurando sempre dar respostas às necessidades da sociedade. Por que o Governo decidiu fazer esta reforma? Porque há um consenso naciona de que a administração púbica não tem conseguido atender adequadamente à sociedade. O cidadão que sustenta a administração púbica com o pagamento de impostos deseja mais eficiência com mehores serviços. E o Governo entende que o probema hoje no Brasi não é pura e simpesmente reduzir o Estado, mas reorganiza-o e até permitir o seu crescimento saudáve naqueas áreas onde ee é efetivamente necessário, para assegurar serviços sociais de mehor quaidade para todos. Quais são as mudanças que acontecerão na Constituição? As mudanças ocorrerão nos seguintes pontos principais: fim da obrigatoriedade de adoção de um regime jurídico único para os servidores;

15 16 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais mudança das regras que regem a estabiidade; maior transparência na poítica de remuneração; maior fexibiidade de gestão na administração. Quais os resutados que o Governo espera da reforma? O governo espera que a reforma conduza a uma administração púbica mais eficiente, com serviços púbicos de quaidade e com capacidade técnica de contribuir para o desenvovimento econômico e socia do país. Espera também que a reforma faciite o equiíbrio das contas, especiamente dos Estados e Municípios e reduza desperdícios. Aém disso, quando acançarmos uma administração mais eficiente, estaremos também revaorizando o servidor e conquistando o respeito da sociedade peo seu trabaho. A reforma do apareho de Estado se concui com a aprovação das emendas constitucionais? Não. As emendas constitucionais são apenas um momento de um processo muito mais ampo. Outros projetos importantes estão sendo impementados, no âmbito do Governo Federa, como por exempo: a criação de novas carreiras e a abertura de concursos para a admissão de servidores, com ato níve de quaificação, nos ministérios, autarquias e fundações da União; a impantação de novos modeos institucionais para a organização dos serviços prestados peo Estado; a reestruturação organizaciona e o desenvovimento de métodos de gestão inovadores, votados para a quaidade na administração púbica, com a participação do servidor; a oferta de programas de treinamento em massa para os servidores; a impantação do panejamento de objetivos e metas e de indicadores de desempenho e de eficiência, nos órgãos da administração.

16 Perguntas e Respostas 17 O Regime Jurídico O regime jurídico único vai acabar? Na verdade, o que o Governo pretende é o fim da obrigatoriedade de adoção de um único regime jurídico para os servidores. Ou seja, poderá existir mais de um regime jurídico, se a União, os Estados ou os Municípios assim o quiserem. Será possíve, incusive, a adoção do regime da CLT, utiizado nas empresas estatais e no setor privado. O objetivo é permitir maior fexibiidade gerencia, conforme as pecuiaridades de cada setor. O que é regime jurídico? O regime jurídico é a ei com base na qua são definidos os direitos, deveres e demais parâmetros que devem reguar o reacionamento entre empregado e empregador. O chamado Regime Jurídico Único RJU é o regime jurídico dos servidores púbicos civis da administração direta, das autarquias e das fundações, instituído pea Lei n.º 8.112/90. O RJU regua a reação entre os servidores púbicos e a administração. A este regime se incorporaram, por ocasião de sua criação, em 1990, os funcionários púbicos que eram regidos pea antiga Lei n.º 1.711/52 (o Estatuto dos Funcionários Púbicos Civis da União) e os empregados púbicos que eram regidos peo regime ceetista. A permissão de vários regimes não poderá desorganizar a administração? Ees não vão desorganizar a administração se atenderem à necessidade de adequar o regime jurídico às necessidades de cada segmento do apareho de Estado. Em outras paavras, poderão ser criados regimes diferenciados ou adotado o regime ceetista, conforme as características de cada área de atividade. Naqueas áreas onde estas características se aproximam mais do que é encontrado no setor privado, por exempo, poderá ser adotado o regime ceetista. Os servidores estatutários poderão ser enquadrados no regime ceetista? Não. Se for adotado o regime ceetista, ee será utiizado para a contratação de novos servidores em atividades onde este regime seja mais adequado. Os servidores que já estão no regime da ei n.º 8.112/ 90 poderão continuar como estatutários.

17 18 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais A Estabiidade O Governo é contra a estabiidade do servidor púbico? O Governo não é contra a estabiidade, quando ea representa uma efetiva garantia do Estado para o exercício das suas funções, por intermédio de seus servidores. O que o Governo não quer é a estabiidade como puro e simpes priviégio dos servidores. Por isso o Governo defende o aperfeiçoamento dos dispositivos que reguam a estabiidade na nossa Constituição. Por que os servidores púbicos precisam da estabiidade? A estabiidade é uma proteção para o Estado. O servidor púbico estáve, no seu trabaho, é um agente dos poderes púbicos. Ee age em nome do Estado e por esta razão pode estar sujeito a pressões e confitos no momento em que, para fazer cumprir a ei e as decisões do Estado, ee contraria interesses. Mas, esta proteção deve ser entendida como uma garantia do Estado e não como um priviégio ou um direito individua do servidor. A estabiidade é prejudicia à administração púbica? Ea se torna prejudicia no momento em que deixa de ser tratada como uma garantia da administração para ser entendida como um priviégio ou um direito do servidor. Para uma boa gestão na administração púbica ou em quaquer organização, ninguém pode deixar de ser cobrado peo seu desempenho e compromisso com o trabaho. A estabiidade não pode ser um obstácuo ao afastamento dos maus servidores. O Governo vai acabar com a estabiidade? A estabiidade não vai acabar. Será aperfeiçoada de modo a se tornar compatíve com a cobrança de desempenho do servidor e com a necessidade de reduzir o excesso de quadros. Ou seja, o Governo vai rever as condições em que a estabiidade é concedida, conforme as características de cada atividade do Estado. Nem todos os servidores precisam do mesmo tipo de estabiidade. Aguns, pea natureza do seu trabaho, requerem uma estabiidade mais rígida; outros, não. Haverá diferenças nas regras da estabiidade? Os servidores que exercem as chamadas atividades excusivas de Estado poderão ter regras e garantias diferenciadas, na reguamentação da demissão por insuficiência de desempenho ou por excesso de despesas, que passarão a estar previstas no texto constituciona. O objetivo é assegurar uma proteção mais rígida para estes servidores, em virtude da natureza de suas atividades, que os expõe a pressões e

18 Perguntas e Respostas 19 situações confitivas. É o caso, por exempo, de servidores que atuam na fiscaização e arrecadação de tributos. Quais as diferenças, com reação à estabiidade, entre a Constituição atua e a proposta do Governo? A diferença está em que, na Constituição atua, o servidor só perde o cargo por ter cometido aguma fata grave apurada em processo judicia ou administrativo. Estas fatas graves estão definidas em ei como desvios de conduta, prática de atos desonestos, abandono do serviço, etc. Ou seja, a atua Constituição já admite a perda da estabiidade, nos casos de corrupção ou de grave descumprimento dos deveres do servidor. A proposta de emenda acrescentou a estas possibiidades duas outras: o desempenho insuficiente e o excesso de despesas. O desigamento do servidor poderá ocorrer por insuficiência de desempenho, como uma forma de afastar do serviço púbico os servidores descompromissados com o seu trabaho. O desigamento por excesso de despesas poderá ocorrer para a contenção dos gastos com pessoa. Com a estabiidade mais fexíve, o servidor não poderá denunciar irreguaridades de seus superiores? As garantias em favor do servidor permanecem. Ee não poderá ser exonerado por insuficiência de desempenho sem ter sido submetido a processo de avaiação, assegurado o direito a ampa defesa. O desigamento por excesso de despesas não poderá ser reaizado de forma individua, para acançar um servidor especificamente, porque os critérios para definir quem será desigado terão de ser impessoais. Como o Governo poderá atribuir a um servidor a insuficiência de desempenho? Através de sistemas permanentes de avaiação de desempenho, com regras conhecidas previamente peo servidor e que deverão avaiar a todos, incusive chefias. A insuficiência de desempenho será definida conforme as regras de cada sistema de avaiação e vai considerar as características de cada tipo de trabaho e as atribuições e responsabiidades do servidor. Estas regras deverão ainda prever critérios para a recomendação da dispensa do servidor, que só se apicará aos casos de sucessivas avaiações desfavoráveis, assegurada ao servidor a oportunidade de se submeter a treinamento ou a mudança de função ou oca de trabaho. O servidor não poderá sofrer injustiças na sua avaiação? Para proteger o servidor contra injustiças ou equívocos, a demissão por insuficiência de desempenho só poderá ocorrer através de procedimento de avaiação periódica de desempenho. Será um tipo

19 20 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais de processo administrativo previsto pea emenda constituciona, que garante a isenção e o direito de defesa do servidor nestes casos. Ou seja, mesmo apresentando um desempenho insuficiente, isto terá de ser devidamente apurado, com direito a defesa por parte do servidor. Se o servidor tem um desempenho insuficiente, a cupa não é da chefia? Para a sociedade, a responsabiidade é de todos, chefias e subordinados. Por esta razão, a avaiação de desempenho acançará os servidores, independentemente de sua posição. A avaiação de desempenho vai deixar o servidor amedrontado, prejudicando o seu trabaho? O servidor que eva o seu trabaho a sério não tem o que temer. A avaiação de desempenho será para ee uma forma de mostrar a quaidade do seu trabaho e até de apontar as fahas que dificutam a obtenção de bons resutados e exigir souções da chefia, quando for o caso. Aém disso, os sistemas de avaiação de desempenho serão a base a partir da qua se impantarão gratificações de produtividade, em futuro próximo. Como será o desigamento do servidor por excesso de despesas? Quando se constatar objetivamente o crescimento das despesas com pessoa aém de um imite fixado em ei, a administração poderá reduzir a quantidade de servidores até cumprir o imite. O servidor estáve poderá perder o cargo? Sim, mas somente depois de esgotadas outras aternativas de redução de despesas com a foha. Antes de recorrer ao afastamento de servidores estáveis, a administração púbica deverá, obrigatoriamente, diminuir em peo menos 20% a despesa com cargos em comissão e funções de confiança e demitir os servidores não-estáveis que não prestaram concurso púbico. Estes servidores são aquees que, na data de promugação da Constituição, em 5 de outubro de 1988, não foram beneficiados pea estabiidade porque não contavam com peo menos 5 anos de efetivo exercício. Então, existe uma ei que estabeece imitações para os gastos com pessoa? Sim. A Lei Compementar n.º 82/95, aprovada peo Congresso em março de 1995, reguamentou o art. 169 da Constituição, estipuando em 60% da receita disponíve o imite de gastos com a foha de pagamentos dos servidores. Esta ei acança a União, Estados, Distrito Federa e Municípios. Os Governos deverão se ajustar a este imite até o fina de 1998 sendo que, enquanto o ajustamento não acontecer, ficam proibidos reajustes ou aterações de remuneração dos seus servidores.

20 Perguntas e Respostas 21 Poderá haver redução de cargos em áreas onde há carência de servidores? A administração púbica poderá indicar quais atividades, órgãos ou unidades administrativas serão objeto de redução de pessoa. Dessa forma, será possíve evitar prejuízos ao funcionamento daqueas áreas onde não se verifica pessoa em excesso. O enxugamento de quadros deverá ser feito com critério, observando a diversidade de situações que hoje se observa na administração púbica: em agumas áreas há pessoa ocioso enquanto em outras há carência de servidores. A dispensa por excesso de despesas não será usada para perseguir servidores? Não. A ei vai reguar o desigamento por necessidade da administração púbica, estabeecendo que a escoha dos servidores a serem desigados terá de obedecer a critérios impessoais. Ou seja, nenhum dirigente poderá apontar nomes para este desigamento. Ee terá de escoher um critério entre os permitidos pea ei e apicá-o. Que critérios poderão ser estes? Por exempo, os servidores com menor tempo de serviço; os mais jovens; os de maior remuneração; os soteiros, etc. O objetivo é impedir que a escoha obedeça a preferências pessoais dos dirigentes. Aém disso, a emenda constituciona determina que o cargo ocupado peo servidor exonerado por este motivo será automaticamente extinto, ficando proibida a sua recriação por um período de 4 anos. Muitas vezes o empreguismo não é uma forma de mehorar a situação da popuação em regiões mais pobres? O empreguismo é sempre um ma, porque só resove o probema de uma minoria priviegiada peo cargo púbico. Os recursos do Estado devem atender a todos os cidadãos. O emprego púbico só se justifica se houver trabaho a ser prestado, para atender a reais necessidades da sociedade. Quem for demitido será indenizado? Sim. No caso dos servidores estáveis, a Constituição deverá prever indenização equivaente a uma remuneração por ano de serviço. O que muda no estágio probatório do servidor? O estágio probatório passa a ter uma duração maior, de 3 anos. Será obrigatória, também, a reaização de avaiação periódica do servidor durante este período. Com uma maior duração do estágio probatório será possíve a avaiação criteriosa do trabaho do servidor e da sua postura, antes da concessão da estabiidade.

21 22 A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais Como fica a situação de quem está cumprindo o estágio probatório? O servidor que já estiver nomeado por ocasião da promugação da emenda constituciona terá de cumprir o prazo de 2 anos de estágio probatório, conforme previsto na atua Constituição. O prazo de 3 anos só vae para os que forem nomeados depois da aprovação da emenda. O que muda na disponibiidade? A disponibiidade dará ao servidor direito à percepção de remuneração proporciona ao tempo de serviço púbico. O que é a disponibiidade? A disponibiidade é o afastamento do servidor do seu cargo, quando este cargo não é mais necessário, até o seu reaproveitamento em outra coocação. A disponibiidade é um mecanismo para a reorganização da administração púbica sem a dispensa dos servidores, que podem ser recicados e preparados para serem inseridos em outras atividades. Durante a disponibiidade o servidor fica afastado de suas atividades, podendo empregar este tempo em programas de treinamento oferecidos pea administração com vistas ao seu reposicionamento em outra função.

22 Perguntas e Respostas 23 A Remuneração A isonomia vai acabar? A isonomia é retirada do texto constituciona, mas não deixará de orientar a poítica remuneratória da administração. O que é a isonomia? A isonomia é o princípio segundo o qua servidores que desempenhem as mesmas funções em diferentes órgãos devem receber a mesma remuneração. Ou seja, a administração púbica não deve permitir a existência de discrepâncias entre um órgão e outro ou entre um poder e outro, na fixação do saário dos seus servidores, uma vez que todos são servidores de um único Estado. Existe isonomia de fato na administração púbica? Persistem inúmeros desequiíbrios na estrutura de remuneração dos servidores, cuja correção vai exigir uma maior transparência e coordenação entre os diversos setores da administração. Por que retirar a isonomia da Constituição? Porque a presença deste dispositivo no texto da Constituição permitia a proiferação de demandas na Justiça pea equiparação de vencimentos. Se o probema for enfrentado desta forma, nunca se acançará de fato a isonomia, porque sempre que um setor conseguir, isoadamente, a sua equiparação de vencimentos, imediatamente outro setor peiteará o mesmo, sucessivamente. A correção dos desequiíbrios só poderá ocorrer a ongo prazo, na medida em que existam recursos disponíveis. Vai mudar aguma coisa nos reajustes dos servidores? Sim. Na fixação dos reajustes ou de quaquer ateração na remuneração dos servidores, os três Poderes, Executivo, Legisativo e Judiciário, ficam obrigados a apresentar projeto de ei, sujeito à sanção peo Presidente da Repúbica. Atuamente, muitas destas mudanças no Legisativo e no Judiciário são promovidas através de atos internos, dificutando a transparência e o equiíbrio entre os Poderes. Esta medida vai contribuir positivamente para a efetiva adoção de uma poítica de isonomia na administração púbica.

23 Cadernos MARE da Reforma do Estado 1. A Reforma do Estado dos Anos 90: Lógica e Mecanismos de Controe 2. Organizações Sociais 3. Exposição no Senado sobre a Reforma da Administração Púbica 4. Programa da Quaidade e Participação na Administração Púbica 5. Restruturação Estratégica e Mehoria da Gestão do MARE 6. A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese e Respostas a Dúvidas mais Comuns 7. A Reforma Administrativa na Imprensa Seeção de Artigos Produzidos no MARE 8. Conseho de Reforma do Estado 9. Agências Executivas Internet Para conhecer mehor a Reforma do Estado e da Administração Púbica visite a homepage do MARE Na homepage do MARE você encontrará: Pubicações (Cadernos MARE da Reforma do Estado, Jorna do Servidor, Artigos, etc.) Estatísticas Acompanhamento dos Projetos Prioritários do MARE Sistemas de Informações do Governo (compras, pessoa, organizaçoes) Informações Gerais (egisação, concursos, ista de autoridades do Governo Federa, etc.) ENAP - Escoa Naciona de Administração Púbica e muito mais

24 MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado Espanada dos Ministérios, boco C, saa 740 Fones: (061) Brasíia - DF CEP Internet:

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence)

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence) Rua Eucides da Cunha, 377 Centro de Osasco 0800 771 77 44 www.fipen.edu.br Centra de Informações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão da Produção e Logística Gestão do Comércio e Negócios Gestão de Serviços

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão

CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA. Cartilha de orientação ao cidadão CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria Municipa de Desenvovimento Urbano, apresenta esta cartiha

Leia mais

PONTO 1: Formas de Provimento PONTO 2: Formas de Vacância 1. FORMAS DE PROVIMENTO DE CARGO: READAPTAÇÃO: Art. 24 da Lei 8.112/90.

PONTO 1: Formas de Provimento PONTO 2: Formas de Vacância 1. FORMAS DE PROVIMENTO DE CARGO: READAPTAÇÃO: Art. 24 da Lei 8.112/90. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Formas de Provimento PONTO 2: Formas de Vacância 1. FORMAS DE PROVIMENTO DE CARGO: READAPTAÇÃO: Art. 24 da Lei 8.112/90. Readaptação envolve a troca de cargo, sem concurso

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Política do grupo para HIV/AIDS

Política do grupo para HIV/AIDS Poítica do grupo para HIV/AIDS A Ango American pc reconhece a tragédia humana causada pea epidemia de HIV/AIDS, particuarmente na África sub-saariana. Estamos preocupados com a gravidade e as impicações

Leia mais

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO APRESENTAÇÃO Este manual é

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE DIRETORIA DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Centra de Apoio e Acompanhamento

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65)

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2010. Pano de Benefícios I NORDESTE em iquidação extrajudicia. (Cadastro Naciona de Pano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) - CNPJ: 27.901.719/0001-50 NOTAS EXPLICATIVAS

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665

Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Medidas Provisórias nº 664 e nº 665 Perguntas e respostas Ministério da Previdência Social Auxílio-Doença Benefício pago ao segurado em caso de incapacitação temporária para o trabalho por doença ou acidente

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS

REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS João Dado Deputado Federal Solidariedade/SP Julho - 2014 Até Junho/98 EC-19/98 Jun EC-20/98 - Dez EC-41/03 EC-47/05 Lei 12.618/12 Estabilidade no Emprego Irredutibilidade Salarial

Leia mais

Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º

Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º PROVIMENTO ART. 8º Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º Significa o preenchimento de um cargo público, consubstanciado mediante ato administrativo de caráter funcional, pois o ato é que materializa ou formaliza

Leia mais

ADVOGADOS INGRESSO 2009. USP- Consultoria Jurídica amc

ADVOGADOS INGRESSO 2009. USP- Consultoria Jurídica amc ADVOGADOS INGRESSO 2009 USP- Consultoria Jurídica amc 1 RELAÇÕES DE TRABALHO NA UNIVERSIDADE 1 - Servidores Titulares de Cargos Efetivos DOCENTES a) Estatuto dos Funcionários Públicos P Estado de São Paulo

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

Modernização da Gestão Administrativa. e da. Previdência do Servidor Público

Modernização da Gestão Administrativa. e da. Previdência do Servidor Público Modernização da Gestão Administrativa e da Previdência do Servidor Público (Brasília, 14 de maio de 2015) 2 Projeto de Lei Complementar Institui o Regime de Previdência Complementar Novo Regime abrange

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES Maria Carolina Matias Morales Toda a regulamentação existente em torno da contratação de mão de obra estrangeira para trabalho em

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº XXX, DE XXX DE XXXXX DE 2015 Regulamenta o teletrabalho no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL 1 CONCEITO A Emenda Constitucional nº 19/98 estabelece que o servidor nomeado

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES 1) Já completei 25 anos como professora em sala de aula, tenho hoje 45 anos de idade, com esta idade vou aposentar

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN CONCURSO DE DESIGN A Fábrica do Empresário é um projeto promovido pea Associação de Desenvovimento Empresaria da Benedita ADEB, que pretende assumirse como a oportunidade de promover o tecido empresaria

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 131/2010 Dispõe sobre a criação do Fundo Especial dos Procuradores, Consultores Jurídicos, Assessores Técnicos Jurídicos e Advogados Públicos Municipais de Foz do Iguaçu. Autor: Vereador

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal.

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal. LEI ORGÂNICA DA RFB Definição: Trata-se de projeto de lei com a finalidade de regulamentar o disposto no art. 50 da Lei nº 11.457, que criou a Receita Federal do Brasil, englobando as atividades da extinta

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais?

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Atividades Paralelas 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Sim. Nos limites da lei e desde que observadas as restrições

Leia mais

contribuição previdenciária de aposentados e pensionistas, e a PEC 63, que resgata o ATS.

contribuição previdenciária de aposentados e pensionistas, e a PEC 63, que resgata o ATS. Neste ano histórico em que completa 60 anos de vitoriosa trajetória associativa, a Amagis é agraciada ao ser escolhida para sediar, novamente, onze anos depois, outro importante encontro integrativo como

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS

Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS Fundações Estatais e Contratos de Gestão: fortalecimento do Estado na área social e em particular para hospitais públicos -SUS VI Fórum Brasileiro sobre Reforma do Estado Rio de Janeiro Pedro R. Barbosa

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal)

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) ATIVIDADES PARALELAS 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

*5097551B21* COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

*5097551B21* COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 5.999, DE 2005 (Apensos os PLs n OS 6.076, de 2005, 6.085, de 2005, 6.118, de 2005, 6.122, de 2005, 6.257, de 2005, e 6.306, de 2005) Dispõe sobre

Leia mais

Incentivos e financiamiento

Incentivos e financiamiento Incentivos e financiamiento Regime Fisca Vigente O sistema fisca espanho é moderno e competitivo. A carga fisca existente na Espanha (medido com a porcentagem dos impostos e os encargos sociais em reação

Leia mais

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013 Matérias na Câmara PEC 185/2012 Acrescenta parágrafos ao art. 37 da Constituição Federal para estabelecer data certa para a revisão geral anual da remuneração dos servidores públicos e dá outras providências.

Leia mais

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a Nordeste: o domínio agrário-mercanti A UU L AL A Nesta aua, veremos por que o Nordeste é a região que apresenta maiores desiguadades sociais, com um marcante níve de pobreza e um ato níve de destruição

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE

Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE Assunto: Comparando o Regime Próprio de Previdência Social com o INSS. ANÁLISE A Previdência Social no Brasil é um direito previsto pela Constituição Federal e se organiza por três regimes previdenciários

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 012, DE 20 DE MAIO DE 2014 Estabelece normas para o afastamento de servidores

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Altera dispositivos da Lei Complementar Estadual n.º 308, de 25 de outubro de 2005, e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Antonio Bulhões Deputado Federal - PRB/SP

Antonio Bulhões Deputado Federal - PRB/SP Caros amigos e amigas, Comemoramos, no último dia 1º de Outubro, o Dia Internacional da Terceira Idade. Por essa razão, estamos trazendo uma matéria referente ao Estatuto do Idoso, que contém informações

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293 CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA INFORMAÇÕES: www.viaveha.es.gov.br Te: 3149-7293 Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação Habite-se A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 006 2 2 APRESENTAÇÃO Este manual é uma ferramenta de consulta

Leia mais

AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR

AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Afastamento do servidor de suas atividades

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS PGDP MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 3 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Capítulo I Da Assembléia Geral

Capítulo I Da Assembléia Geral 1 Regimento Interno do Núcleo de Gestão do Porto Digital Título I Do Regimento Interno Art. 1º O presente Regimento Interno tem como objetivo estabelecer as normas que regerão internamente o Núcleo de

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Universidade Federal Fluminense

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Universidade Federal Fluminense ESTÁGIO PROBATÓRIO Lei nº 12.772 de 28 de Dezembro de 2012 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos do Magistério Federal; - sobre a Carreira do Magistério Superior, de que trata a Lei

Leia mais

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Material de apoio para estudo: slides trabalhados em sala de aula com acréscimo de

Leia mais