LEI MUNICIPAL Nº 3326/91, DE SUMÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI MUNICIPAL Nº 3326/91, DE 04-06-1991 SUMÁRIO"

Transcrição

1 LEI MUNICIPAL Nº 3326/91, DE "Dispõe sobre o Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Municipais e dá outras providências" SUMÁRIO TÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES...4 TÍTULO II - DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA...5 CAPÍTULO I - DO PROVIMENTO...5 SEÇÃO I - DISPOSIÇÕES GERAIS...5 SEÇÃO II - DO CONCURSO PÚBLICO...5 SEÇÃO III DA NOMEAÇÃO...6 SEÇÃO IV - DA POSSE E DO EXERCÍCIO...6 SEÇÃO V - DA ESTABILIDADE...7 SEÇÃO VI - DA RECONDUÇÃO...8 SEÇÃO VII - DA READAPTAÇÃO...8 SEÇÃO VIII - DA REVERSÃO...8 SEÇÃO IX - DA REINTEGRAÇÃO...9 SEÇÃO X - DA DISPONIBILIDADE E DO APROVEITAMENTO...9 CAPÍTULO II - DA VACÂNCIA...9 TÍTULO III - DAS MUTAÇÕES FUNCIONAIS...10 CAPÍTULO I - DA SUBSTITUIÇÃO...10 CAPÍTULO II - DA REMOÇÃO...10 CAPÍTULO III - DO EXERCÍCIO DE FUNÇÃO DE CONFIANÇA...11 TÍTULO IV - DO REGIME DE TRABALHO...11 CAPÍTULO I - DO HORÁRIO E DO PONTO...11 CAPÍTULO II - DO SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO...12 CAPÍTULO III -DO REPOUSO SEMANAL...12 TÍTULO V - DOS DIREITOS E VANTAGENS...13 CAPÍTULO I - DO VENCIMENTO E DA REMUNERAÇÃO...13 CAPÍTULO II - DAS VANTAGENS...14 SEÇÃO I - DAS INDENIZAÇÕES...15 SEÇÃO II - DOS ADICIONAIS...16 SEÇÃO III - DAS GRATIFICAÇÕES...18 SEÇÃO IV - DOS AUXÍLIOS...19 CAPÍTULO III - DAS FÉRIAS...19 CAPÍTULO IV - DAS LICENÇAS...20 SEÇÃO I - DISPOSIÇÕES GERAIS...21 SEÇÃO II - DA LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE...21 SEÇÃO III - DA LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO...21 SEÇÃO IV - DA LICENÇA À GESTANTE, ADOTANTE E PATERNIDADE...22 SEÇÃO V - DA LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA...22 SEÇÃO VI - DA LICENÇA PARA O SERVIDOR MILITAR...23 SEÇÃO VII - DA LICENÇA PARA CONCORRER A CARGO ELETIVO...23 SEÇÃO VIII - DA LICENÇA PARA O DESEMPENHO DE MANDATO CLASSISTA...23 SEÇÃO IX - DA LICENÇA PARA ATENDIMENTO A FILHO EXCEPCIONAL...23 SEÇÃO X - DA LICENÇA PARA PARTICIPAR DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO, ESPECIALIZAÇÃO OU CAPACITAÇÃO TÉCNICA E PROFISSIONAL...24 SEÇÃO XI - DA LICENÇA PARA SERVIDOR ESTUDANTE...25

2 SEÇÃO XII - DA LICENÇA PARA TRATAR DE INTERESSES PARTICULARES...26 SEÇÃO XIII - DA LICENÇA-PRÊMIO...26 CAPÍTULO V - DO EXERCÍCIO DO MANDATO ELETIVO...27 CAPÍTULO VI - DA CEDÊNCIA...27 CAPÍTULO VII - DO TEMPO DE SERVIÇO...27 CAPÍTULO VIII - DO DIREITO DA PETIÇÃO...29 TÍTULO VI - DO REGIME DISCIPLINAR...30 CAPÍTULO I - DOS DEVERES...30 CAPÍTULO II - DAS PROIBIÇÕES...31 CAPÍTULO III - DA ACUMULAÇÃO...32 CAPÍTULO IV - DAS RESPONSABILIDADES...32 CAPÍTULO V - DAS PENALIDADES...33 CAPÍTULO VI - DO PROCESSO DISCIPLINAR EM GERAL...35 SEÇÃO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES...35 SEÇÃO II - DA SUSPENSÃO PREVENTIVA...36 SEÇÃO IV - DO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR...37 SEÇÃO V - DA REVISÃO DO PROCESSO...40 TÍTULO VII - DA SEGURIDADE SOCIAL DO SERVIDOR...41 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS...41 CAPÍTULO II - DOS BENEFÍCIOS...42 SEÇÃO I - DA APOSENTADORIA...42 SEÇÃO II - DO AUXÍLIO-NATALIDADE...44 SEÇÃO III - DO SALÁRIO FAMÍLIA...44 SEÇÃO IV - DA PENSÃO POR MORTE...44 SEÇÃO V - DO AUXÍLIO-FUNERAL...46 SEÇÃO VI - DO AUXÍLIO-RECLUSÃO...47 CAPÍTULO IV - DO CUSTEIO...47 TÍTULO VIII - DA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO...47 TÍTULO IX - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS, TRANSITÓRIAS E FINAIS...48 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS...48 CAPÍTULO II - DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS...49 Anexos: ALTERAÇÕES / REGULAMENTAÇÕES Lei Municipal nº 3341/91, de , que: dispõe sobre a alteração do Regime Jurídico dos Servidores Públicos Municipais e dá outras providências Lei Municipal nº 3530/92, de , que: altera dispositivos da lei municipal nº 3326/91, de e dá outras providências Lei Municipal nº 3537/92, de , que: acrescenta parágrafo ao artigo 234 da lei municipal nº 3326/91, de , e dá outras providências Lei Municipal nº 3620/92, de , que: regulamenta o estágio probatório previsto no art. 25 da lei municipal nº 3326/91 de 04 de junho de 1991

3 Lei Municipal nº 3854/94, de , que: dispõe sobre a incidência da remuneração do regime suplementar de trabalho na gratificação natalina paga aos servidores municipais Lei Municipal nº 4018/96, de , que: acrescenta inciso v ao art. 234 da lei municipal nº 3326/91, de Lei Municipal nº 4062/97, de , que: acrescenta parágrafo único ao artigo 109 da lei municipal nº 3326/91, de Lei Municipal nº 4388/00, de 15/12/2000, que: dispõe sobre o cumprimento do estágio probatório. Lei Municipal nº 4677/03, de 17/07/2003, que: acrescenta parágrafo único ao artigo 258. Lei Complementar nº 057/08, de 24/03/2008, que: altera o caput e o parágrafo 1º do artigo 3º. Lei Complementar nº 066/08, de 22/09/2008, que: altera a redação dos artigos 126,127 e 128, seção IV da licença a gestante, adotante e paternidade e artigo 150, capítulo VII do tempo de serviço.

4 LEI MUNICIPAL Nº 3326/91, DE "Dispõe sobre o Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Municipais e dá outras providências" EVANDRO BEHR, Prefeito Municipal de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO SABER, de conformidade com o que determina a Lei Orgânica do Município, em seu Art. 99, Inciso III que a Câmara de Vereadores aprovou e EU, sanciono e promulgo a seguinte, L E I : TÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O regime jurídico único dos servidores públicos municipais é o estatutário, instituído por esta lei, que regula o provimento e vacância dos cargos públicos, os direitos e vantagens, os deveres e as responsabilidades a eles atribuídas, observados os princípios e as normas da Constituição Federal, Estadual e da Lei Orgânica do Município. Art. 2 - Para os efeitos desta Lei, servidor público é a pessoa legalmente investida em cargo público, de provimento efetivo ou em comissão. Art. 3 - Cargo público é o criado por lei, em número certo, com denominação própria, remunerado pelos cofres municipais, ao qual corresponde um conjunto de atribuições e responsabilidades cometidas a servidor público. Art. 4 - A investidura em cargo público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, ressalvadas as nomeações para cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração. Parágrafo Único - A investidura em cargo do magistério municipal, será por concurso público de provas e títulos. Art. 5 - Os cargos em comissão e funções gratificadas serão criados com atribuições definidas de chefia, assessoramento e assistência, sendo de livre nomeação e exoneração observados os requisitos gerais exigidos para o provimento em cargos públicos podendo a lei estabelecer requisitos específicos de

5 escolaridade, habilitação profissional, saúde e outros, e não serão organizados em carreira. Art. 6 - Os cargos públicos são acessíveis a todos os brasileiros que preencham os requisitos legais. Art. 7 - A boa conduta pública e privada é condição precípua para o ingresso no serviço público municipal. Art. 8 - É vedado cometer ao servidor atribuições diversas das de seu cargo, exceto encargos de direção, chefia ou assessoramento e comissões legais. TÍTULO II - DO PROVIMENTO E DA VACÂNCIA CAPÍTULO I - DO PROVIMENTO SEÇÃO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 9 - São requisitos básicos para ingresso no serviço público municipal: I - ser brasileiro; II - ter idade mínima de dezoito anos; III - estar quite com as obrigações militares e eleitorais; IV - gozar de boa saúde física e mental, comprovada mediante exame médico; V - ter atendido as condições prescritas em lei para o cargo. I - nomeação; II - recondução; III - readaptação; IV - reversão; V - reintegração; VI - aproveitamento; VII - promoção. Art Os cargos públicos serão providos por: Art O provimento dos cargos públicos far-se-à mediante ato da autoridade competente de cada poder. posse. Art A investidura em cargo público ocorrerá com a SEÇÃO II - DO CONCURSO PÚBLICO Art As normas gerais para realização de concursos serão estabelecidas em regulamento.

6 1 - Além das normas gerais, os concursos serão regidos por instruções especiais, que deverão ser expedidas pelo órgão competente, com ampla publicidade. 2 - Às pessoas portadoras de deficiência física é assegurado o direito de se inscrever em concurso público para provimento de cargo, cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são portadoras e para as quais serão destinadas 5% (cinco por cento) das vagas oferecidas no concurso. Art Os limites de idade para inscrição no concurso público serão fixados em Lei, de acordo com a natureza de cada cargo. Parágrafo Único - O candidato deverá comprovar que, na data da abertura das inscrições, não havia ultrapassado a idade limite máxima para o recrutamento. Art O prazo de validade do concurso será de até dois anos prorrogável, uma vez, por igual prazo. Parágrafo Único - Durante o prazo improrrogável previsto no Edital de Convocação, o candidato aprovado em concurso público será convocado com prioridade sobre os novos concursados para assumir cargo na carreira. SEÇÃO III DA NOMEAÇÃO Art A nomeação será feita: I - em comissão, quando se tratar de cargo que, em virtude de lei, assim deva ser provido; II - em caráter efetivo, nos demais casos. Parágrafo Único - A nomeação em caráter efetivo obedecerá a ordem de classificação dos candidatos no concurso público. SEÇÃO IV - DA POSSE E DO EXERCÍCIO Art Posse é a aceitação expressa das atribuições, deveres e responsabilidades inerentes ao cargo público, com o compromisso de bem servir, formalizada com a assinatura de termo pela autoridade competente e pelo compromissando. 1 - A posse dar-se-à no prazo de até quinze dias contados da data de publicação do ato de nomeação, podendo, a pedido, ser prorrogado por igual período. 2 - Em se tratando de servidores em licença, ou afastados por qualquer outro motivo legal, o prazo será contado do término do impedimento. 3 - No ato da posse o servidor apresentará, obrigatoriamente, declaração sobre o exercício de outro cargo, emprego ou função

7 pública, e, nos casos que a lei indicar, declaração de bens e valores que constituem seu patrimônio. inspeção médica oficial. Art A posse em cargo público dependerá de prévia Parágrafo Único - Só poderá ser empossado aquele que for julgado apto física e mentalmente para o exercício do cargo. cargo pelo servidor. Art Exercício é o desempenho das atribuições do 1 - É de quinze dias o prazo para o servidor entrar em exercício, contados da data da posse. 2 - Será tornado sem efeito o ato de nomeação, se não ocorrer a posse e o exercício, nos prazos legais. 3 - O exercício deve ser dado pelo chefe da repartição para qual o servidor for designado. Art Nos casos de reintegração, reversão e aproveitamento, o prazo de que trata o parágrafo 1 do artigo anterior será contado da data da publicação do ato. interrompem o exercício. Art A promoção, a readaptação e a recondução, não Art O início, a interrupção e o reinicio do exercício serão registrados no assentamento individual do servidor. Parágrafo Único - Ao entrar em exercício o servidor apresentará ao órgão de pessoal, os elementos necessários ao assentamento individual. SEÇÃO V - DA ESTABILIDADE Art São estáveis, após 02 (dois) anos de efetivo exercício, os servidores nomeados em virtude de concurso público. Art O servidor estável só perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado ou mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa e a disponibilidade remunerada até decisão definitiva. Art Ao entrar em exercício, o servidor nomeado para cargo de provimento efetivo, ficará sujeito a estágio probatório por período de 24 meses, durante o qual a sua aptidão e capacidade serão objeto de avaliação para o desempenho do cargo, observados os seguintes fatores: I - assiduidade; II - disciplina; III - eficiência; IV - produtividade;

8 V - responsabilidade. Parágrafo Único - A regulamentação do estágio probatório será definida em lei. SEÇÃO VI - DA RECONDUÇÃO Art Recondução é o retorno do servidor estável ao cargo anteriormente ocupado. 1 - A recondução decorrerá de: a) falta de capacidade e eficiência no exercício de outro cargo de provimento efetivo; e b) reintegração do anterior ocupante. 2 - A hipótese de recondução de que trata a alínea " a " do parágrafo anterior, será apurada nos termos do disposto no Art. 25 e somente poderá ocorrer no prazo de dois anos a contar do exercício em outro cargo. 3 - Inexistindo vaga, serão cometidas ao servidor as atribuições do cargo de origem, assegurados os direitos e vantagens decorrentes, até o regular provimento. SEÇÃO VII - DA READAPTAÇÃO Art Readaptação é a investidura do servidor em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física ou mental verificada em inspeção médica. 1 - A readaptação será efetivada em cargo de igual padrão de vencimento ou inferior. 2 - Realizando-se a readaptação em cargo de padrão inferior ficará assegurado ao servidor vencimento correspondente ao cargo que ocupava. 3 - Inexistindo vaga serão cometidas ao servidor as atribuições do cargo indicado, até o regular provimento. SEÇÃO VIII - DA REVERSÃO Art Reversão é o retorno do servidor aposentado por invalidez à atividade no serviço público municipal, verificado, em processo, que não subsistem os motivos determinantes da aposentadoria. 1 - A reversão far-se-à a pedido ou de ofício, condicionada sempre à existência de vaga. 2 - Em nenhum caso poderá efetuar-se a reversão sem que, mediante inspeção médica, fique provada a capacidade para o exercício do cargo. 3 - Somente poderá ocorrer reversão para cargo anteriormente ocupado ou, se transformado, no resultante da transformação.

9 Art Será tornada sem efeito a reversão e cassada a aposentadoria do servidor que, dentro do prazo legal, não entrar no exercício do cargo para o qual haja sido revertido, salvo motivo de força maior, devidamente comprovado. anos de idade. Art Não poderá reverter o servidor que contar setenta Art A reversão dará direito à contagem do tempo em que o servidor esteve aposentado, exclusivamente para nova aposentadoria. SEÇÃO IX - DA REINTEGRAÇÃO Art Reintegração é a investidura do servidor estável no cargo anteriormente ocupado, quando invalidada a sua demissão por decisão judicial, com ressarcimento de todas as vantagens. Parágrafo Único - Reintegrado o servidor e não existindo vaga, aquele que houver ocupado o cargo será reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indenização, aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade. SEÇÃO X - DA DISPONIBILIDADE E DO APROVEITAMENTO Art Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, pelo órgão a que servir, o servidor estável ficará em disponibilidade remunerada. Art O retorno à atividade de servidor em disponibilidade far-se-á mediante aproveitamento em cargo, órgão ou cargo equivalente por sua natureza e retribuição àquele de que era titular. Parágrafo Único - No aproveitamento terá preferência o que estiver há mais tempo em disponibilidade e, no caso de empate, o que contar mais tempo de serviço público municipal. Art O aproveitamento de servidor que se encontre em disponibilidade há mais de doze meses dependerá de prévia comprovação de sua capacidade física e mental, por junta médica oficial. Parágrafo Único - Verificada a incapacidade definitiva, o servidor em disponibilidade será aposentado. Art Será tornado sem efeito o aproveitamento e cassada a disponibilidade se o servidor não entrar em exercício no prazo legal, contado da publicação do ato de aproveitamento, salvo doença comprovada por inspeção médica.

10 CAPÍTULO II - DA VACÂNCIA Art A vacância do cargo público decorrerá de: I - exoneração; II - demissão; III - readaptação; IV - recondução; V - aposentadoria; VI - falecimento. Art Dar-se-à a exoneração: I - a pedido; II - de ofício quando: a) se tratar de cargo em comissão; b) de servidor não estável nas hipóteses do Art. 25 desta Lei; c) ocorrer posse de servidor não estável em outro cargo inacumulável. Art A abertura de vaga ocorrerá na data da publicação da Lei que criar o cargo ou do ato que formalizar qualquer da hipóteses previstas no Art. 37. Art A vacância de função gratificada dar-se-á por dispensa, a pedido ou de ofício, ou por destituição. Parágrafo Único - A destituição será aplicada como penalidade, nos casos previstos nesta Lei. TÍTULO III - DAS MUTAÇÕES FUNCIONAIS CAPÍTULO I - DA SUBSTITUIÇÃO Art Dar-se-á a substituição de titular de cargo em comissão ou de função gratificada durante o seu impedimento legal. Art O substituto fará jus ao vencimento do cargo em comissão ou do valor da função gratificada quando regularmente designado, se a substituição ocorrer por prazo igual ou superior a quinze dias. Art Excepcionalmente, atendida a conveniência da administração, o titular do cargo em comissão ou função gratificada poderá ser nomeado ou designado, cumulativamente, como substituto para outro da mesma natureza, até que se verifique a nomeação ou designação do titular, devendo perceber o vencimento correspondente a apenas um cargo. CAPÍTULO II - DA REMOÇÃO

11 Art Remoção é o deslocamento do servidor efetivo de uma para outra repartição, com o respectivo cargo, sem prejuízo dos direitos. 1 - A remoção poderá ocorrer: I - a pedido, atendida a conveniência do serviço; II - de ofício, no interesse da administração. competente. Art A remoção será feita por ato da autoridade CAPÍTULO III - DO EXERCÍCIO DE FUNÇÃO DE CONFIANÇA Art O servidor ocupante de cargo de provimento efetivo indicado para cargo em comissão poderá optar pelo provimento sob a forma de função gratificada correspondente. Art A designação para o exercício da função gratificada, que nunca será cumulativa com o cargo em comissão, será feita por ato expresso da autoridade competente. Art O valor da função gratificada será percebido cumulativamente com o vencimento do cargo de provimento efetivo Art O valor da função gratificada continuará sendo percebido pelo servidor nos afastamentos remunerados previstos em Lei. Art Será tornada sem efeito a designação do servidor que não entrar no exercício da função gratificada no prazo de dois dias a contar do ato de investidura. Art O provimento de função gratificada poderá recair também em servidor de outra entidade posto a disposição do município sem prejuízo de seus vencimentos. Art A Lei indicará os casos e condições em que os cargos em comissão serão exercidos preferencialmente por servidores ocupantes de cargos de provimento efetivo Art O exercício de função gratificada ou de cargo em comissão só assegurará direitos ao servidor durante o período em que estiver exercendo o cargo ou a função Parágrafo Único - Afastando-se do cargo em comissão ou da função gratificada o servidor perderá a respectiva remuneração TÍTULO IV - DO REGIME DE TRABALHO CAPÍTULO I - DO HORÁRIO E DO PONTO

12 Art Os chefes do Poder Executivo e do Poder Legislativo determinarão o horário de expediente nas respectivas repartições. Art O horário normal de trabalho de cada cargo ou função é o estabelecido na legislação específica, não podendo ser superior a oito horas diárias e quarenta semanais, facultada a compensação de horários e a redução de jornada, mediante acordo individual ou convenção coletiva de trabalho Art A freqüência do servidor será controlada: I - pelo ponto; II - pela forma determinada em regulamento, quanto aos servidores não sujeitos a ponto. 1 - Ponto é o registro, mecânico ou não, que assinala o comparecimento do servidor ao serviço e pelo qual se verifica, diariamente, a sua entrada e saída. 2 - Salvo nos casos de inciso II deste artigo, é vedado dispensar o servidor do registro do ponto e abonar faltas injustificadas ao serviço. CAPÍTULO II - DO SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO Art Considera-se serviço extraordinário aquele prestado além da carga horária diária a que está sujeito o servidor. Art A prestação de serviços extraordinários só poderá ocorrer por expressa determinação da autoridade competente, mediante solicitação fundamentada do chefe da repartição, ou de ofício, com concordância do servidor, salvo serviços essenciais definidos em lei, e as situações de calamidade pública. 1 - O serviço extraordinário será remunerado com o acréscimo de 50% (cinqüenta por cento) em relação a hora normal de trabalho. 2 - Salvo casos excepcionais, devidamente justificados, não poderá o trabalho em horário extraordinário exceder a duas horas diárias. Art O serviço extraordinário, excepcionalmente, poderá ser realizado sob a forma de plantões para assegurar o funcionamento dos serviços municipais ininterruptos. Parágrafo Único - O plantão extraordinário visa a substituição do plantonista titular legalmente afastado ou em falta ao serviço. Art O exercício de cargo em comissão ou de função gratificada, exclui a remuneração por serviço extraordinário, salvo imperiosa necessidade de serviços e com prévia autorização em proposta fundamentada ao chefe do Poder a que pertencer o servidor.

13 CAPÍTULO III -DO REPOUSO SEMANAL Art O servidor tem direito a repouso remunerado, num dia de cada semana, preferencialmente aos domingos, bem como nos dias feriados, civis e religioso. 1 - A remuneração do dia de repouso corresponderá a um dia normal de trabalho. 2 - Consideram-se já remunerados os dias de repouso semanal do servidor mensalista, cujo vencimento remunera trinta dias. Art Perderá a remuneração do repouso o servidor que tiver faltado, sem motivo justificado, ao serviço durante a semana, mesmo que em apenas um dia. 1 - São motivos justificados as concessões, licenças e afastamentos previstos em lei, nas quais o servidor continua com direito ao vencimento normal, como se em exercício estivesse. 2 - O professor municipal só perderá o repouso semanal caso não recupere na mesma semana as aulas em que não compareceu. Art Nos serviços públicos ininterruptos poderá ser exigido o trabalho nos dias feriados civis e religiosos, hipótese em que as horas trabalhadas serão pagas com acréscimo de 100 (cem) por cento, salvo a concessão de outro dia de folga compensatória, neste caso com a concordância expressa do servidor. TÍTULO V - DOS DIREITOS E VANTAGENS CAPÍTULO I - DO VENCIMENTO E DA REMUNERAÇÃO Art Vencimento é a retribuição pecuniária paga ao servidor pelo efetivo exercício do cargo público, correspondendo ao valor básico fixado em lei nunca inferior ao salário mínimo estabelecido pela União aos Trabalhadores Urbanos e Rurais. Parágrafo Único - O Magistério Público Municipal terá piso salarial profissional, conforme Art. 206, inciso V da Constituição Federal e artigo 177, inciso IV da Lei Orgânica do Município de Santa Maria. Art Remuneração é o vencimento acrescido das vantagens pecuniárias, permanentes ou temporárias, estabelecidas em Lei. Art Nenhum servidor poderá perceber, mensalmente, a título de remuneração, importância superior à soma dos valores percebidos como remuneração em espécie, a qualquer título, no âmbito dos respectivos Poderes, pelo Prefeito. Art Os vencimentos dos servidores públicos municipais acrescidos das vantagens de caráter permanente, são irredutíveis.

14 Art Os vencimentos referentes aos cargos do Poder Legislativo não poderão ser superiores aos do Poder Executivo. 1 - É vedado a vinculação ou equiparação de vencimentos, para efeitos de remuneração pessoal do serviço público, ressalvado o disposto no caput e no parágrafo 1 do Art. 39 da Constituição Federal. 2 - É assegurado aos servidores da Administração Municipal isonomia de vencimentos para cargos de atribuições iguais ou assemelhadas no mesmo poder ou entre servidores do Poder Executivo e Legislativo, ressalvadas as vantagens de caráter individual e a as relativas à natureza ou ao local de trabalho. Art A relação de valores entre a maior e a menor remuneração dos servidores públicos é a estabelecida em Lei. Art O servidor perderá: I - A remuneração dos dias que faltar injustificadamente, ao serviço, bem como dos dias de repouso da respectiva semana. II - A parcela da remuneração diária, proporcional aos atrasos, ausências e saídas antecipadas, iguais ou superiores a trinta minutos III - Metade da remuneração da hipótese prevista no 1 do Art Art Salvo por imposição legal, ou mandato judicial, nenhum desconto incidirá sobre a remuneração ou provento. Parágrafo Único - Mediante autorização do servidor, poderá haver consignação em folha de pagamento a favor de terceiros, a critério da administração. Art As reposições devidas à Fazenda Municipal poderão ser feitas em parcelas mensais, corrigidas monetariamente, e mediante desconto em folha de pagamento. 1 - O valor de cada parcela não poderá exceder a vinte por cento da remuneração do servidor. 2 - O servidor será obrigado a repor, de uma só vez, a importância do prejuízo causado a Fazenda Municipal em virtude alcance, desfalque ou omissão em efetuar o recolhimento ou entradas nos prazos legais. Art O servidor em débito com o Erário, que for demitido, exonerado ou que tiver a sua disponibilidade cassada, terá de repor a quantia de uma só vez. Parágrafo Único - A não quitação do débito implicará em sua inscrição em dívida ativa e cobrança judicial. CAPÍTULO II - DAS VANTAGENS

15 Art Ao servidor público, além do vencimento, serão pagas as seguintes vantagens: I - indenizações; II - adicionais; III - gratificações; IV - auxílios. 1 - As indenizações não se incorporam ao vencimento ou provento para qualquer efeito. 2 - As gratificações, os adicionais e os auxílios somente incorporam-se aos vencimentos ou proventos nos casos e condições indicados em lei. Art Os acréscimos pecuniários por servidor público municipal não serão computados nem acumulados, para fins de concessão de acréscimo ulteriores, sob mesmo título ou idêntico fundamento. SEÇÃO I - DAS INDENIZAÇÕES I - diárias; II - ajuda de custo. Art Constituem indenizações ao servidor: SUBSEÇÃO I - DAS DIÁRIAS Art Ao servidor que, por determinação da autoridade competente, se deslocar eventual ou transitoriamente do Município, no desempenho de suas atribuições, ou em missão ou estudo de interesse da administração, serão concedidas, além do transporte, diárias para cobrir as despesas de alimentação, pousada e locomoção urbana. 1 - Nos casos em que o período de afastamento for inferior a 12 horas as diárias serão pagas por metade. 2 - Nos deslocamentos para a Capital do Estado e para fora deste, as diárias serão multiplicadas por 1,5 e 2,5 respectivamente. 3 - O valor das diárias será estabelecido em Lei. Art Se o deslocamento do servidor constituir exigência permanente do cargo, não fará jus a diárias. Art O servidor que receber diárias e não se afastar da sede, por qualquer motivo, fica obrigado a restituí-las integralmente, no prazo de três dias. Parágrafo Único - Na hipótese de o servidor retornar ao Município em prazo menor do que o previsto para o seu afastamento, restituirá as diárias recebidas em excesso, em igual prazo.

16 Art Os servidores que participarem de grupos de trabalho, em missão eventual no interior do Município, farão jus a 20% (vinte por cento) do valor da diária, quando o deslocamento implicar em pernoite, e dez por cento (10%) quando não for exigido pernoite. SUBSEÇÃO II - DA AJUDA DE CUSTO Art A ajuda de custo destina-se a cobrir as despesas de viagem e instalação do servidor que for designado para exercer missão fora do Município, por tempo que justifique a mudança temporária de residência Parágrafo Único - A concessão da ajuda de custo ficará a critério da autoridade competente, que considerará os aspectos relacionados com a distância percorrida, o número de pessoas que acompanharão o servidor e a duração da ausência. Art A ajuda de custo não poderá exceder o dobro do vencimento do servidor, salvo quando o deslocamento for para o exterior, caso em que poderá ser até de quatro vezes o vencimento, desde que arbitrada justificadamente. SEÇÃO II - DOS ADICIONAIS Art Constituem adicionais dos servidores municipais: I - adicionais por tempo de serviço; II - adicional pelo exercício de atividades em condições insalubres, perigosas ou penosas; III - adicionais noturno; IV - adicional de férias. SUBSEÇÃO I - DOS ADICIONAIS POR TEMPO DE SERVIÇO Art Consideram-se adicionais por tempo de serviço a gratificação de quinze e vinte e cinco por cento e os avanços trienais Art O servidor público efetivo perceberá automaticamente a gratificação adicional de quinze e vinte e cinco por cento, quando completar, respectivamente, quinze e vinte e cinco anos de serviço público contados na forma da Lei. 1 - A concessão da gratificação de vinte e cinco por cento far-se-á pelo acréscimo de dez por cento à gratificação de quinze por cento. 2 - V E T A D O.

17 Art A cada três anos de efetivo exercício o servidor público efetivo fará jus a um acréscimo de cinco por cento sobre o vencimento básico, automaticamente concedido. Parágrafo Único - V E T A D O. Art Para concessão dos adicionais será considerado o tempo de serviço público federal, estadual e municipal. Art Os adicionais por tempo de serviço incidirão sobre o vencimento básico do cargo acrescido do valor da função gratificada percebida pelo servidor. SUBSEÇÃO II - DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE E PENOSIDADE Art Os servidores que executam com habitualidade atividades insalubres, perigosas ou penosas, fazem jus a um adicional sobre o vencimento do cargo. Parágrafo Único - As atividades insalubres, perigosas ou penosas, serão definidas em lei própria. Art O exercício de atividades em condições de insalubridade, assegura ao servidor a percepção de um adicional respectivamente de quarenta, vinte e dez por cento, segundo a classificação nos graus máximo, médio e mínimo, sobre o vencimento. Art O adicional de periculosidade ou penosidade será de trinta por cento, sobre o vencimento. Art Os adicionais de insalubridade, periculosidade e penosidade não são acumuláveis, cabendo ao servidor optar por um deles, quando for o caso. Art O direito ao adicional de insalubridade, periculosidade ou penosidade, cessa com a eliminação das condições ou dos riscos que deram causa a sua concessão. Art A administração municipal cuidará da redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança. SUBSEÇÃO III - DO ADICIONAL NOTURNO Art O servidor que prestar trabalho noturno fará jus a um adicional de 25% (vinte e cinco por cento) sobre o vencimento do cargo.

18 1 - Considera-se trabalho noturno, para efeitos deste artigo, o executado entre as 22 horas de um dia e as 05 horas do dia seguinte. 2 - Nos horários mistos, assim entendidos os que abrangem períodos diurnos e noturnos, o adicional será pago proporcionalmente às horas de trabalho noturno. 3 - Em se tratando de serviço extraordinário o acréscimo de que trata este artigo incidirá sobre o valor da hora noturna de trabalho acrescido do respectivo percentual de extraordinário. SUBSEÇÃO IV - DO ADICIONAL DE FÉRIAS Art Independentemente de solicitação, será pago ao servidor público, por ocasião das férias, um adicional de 1/3 da remuneração correspondente ao período de férias. SEÇÃO III - DAS GRATIFICAÇÕES Art Constituem gratificações dos servidores municipais: I - gratificação natalina; II - gratificação de produtividade individual; III - gratificação de representação; IV - gratificação pelo exercício de função em locais de difícil acesso ou provimento; V - gratificação de unidocência; VI - gratificação pelo exercício do magistério no turno da noite; VII- V E T A D O. SUBSEÇÃO I - DA GRATIFICAÇÃO NATALINA Art A gratificação natalina corresponderá a 1/12 (um doze avos), por mês de efetivo exercício, da remuneração integral devida ao servidor em dezembro do ano correspondente. Parágrafo Único - A fração igual ou superior a quinze dias de exercício no mesmo mês será considerada como mês integral. Art A gratificação natalina será paga até o dia vinte do mês de dezembro de cada ano. Art O servidor exonerado ou demitido receberá a gratificação natalina proporcionalmente ao número de meses de exercício no ano, com base na remuneração do mês em que ocorrer o desligamento. Art A gratificação natalina é devida integralmente aos inativos e pensionistas do Município.

19 SUBSEÇÃO II - DA GRATIFICAÇÃO DE PRODUTIVIDADE INDIVIDUAL Art Os servidores ocupantes de cargos cujas atribuições prevêem a fiscalização dos tributos municipais farão jus a gratificação de produtividade individual, de acordo com Lei específica. SUBSEÇÃO III - DA GRATIFICAÇÃO DE REPRESENTAÇÃO Art A gratificação de representação será atribuída ao servidor investido em cargo em comissão ou função de confiança, cujo exercício determine despesas extraordinárias, conforme em Lei. SUBSEÇÃO IV - DAS GRATIFICAÇÕES ESPECÍFICAS Art São gratificações específicas para os membros do Magistério Público Municipal: I - gratificação pelo exercício de função em locais de difícil acesso ou provimento; II - gratificação de unidocência; III - gratificação pelo exercício do Magistério no turno da noite; IV - V E T A D O. Parágrafo Único - A regulamentação das gratificações específicas para os membros do Magistério Municipal, é definida no Plano de Carreira. SEÇÃO IV - DOS AUXÍLIOS SUBSEÇÃO I - DO AUXÍLIO PARA DIFERENÇA DE CAIXA Art O servidor que, por face das atribuições próprias de seu cargo, pague ou receba em moeda corrente, perceberá um auxílio para diferença de caixa, no montante de 10% (dez por cento) do vencimento básico. 1 - O servidor que estiver respondendo legalmente pelo tesoureiro ou caixa, durante os impedimento executando serviços de pagamento ou recebimento e nas férias regulamentares. SUBSEÇÃO II - DO AUXÍLIO-TRANSPORTE Art O auxílio-transporte é direito do Servidor Público Municipal nos termos da legislação própria. CAPÍTULO III - DAS FÉRIAS Art O servidor gozará obrigatória e anualmente trinta dias consecutivos ou em 2 (duas) parcelas, de férias, ressalvadas as hipóteses em que haja legislação específica.

20 1 - É proibido levar a conta de férias qualquer falta ao trabalho. 2 - O gozo de férias em uma ou duas parcelas, nenhuma inferior a dez dias, será deferida levando-se em conta o interesse do servidor, desde que não haja prejuízo ao serviço. Art Perderá o direito de férias o servidor que no ano antecedente ao em que deveria gozá-las, tiver: I - incorrido em mais de trinta faltas não justificadas ao trabalho; II - pedido licença para tratar de assuntos particulares por mais de trinta dias. Art Para o primeiro período aquisitivo de férias serão exigidos 12 (doze) meses de exercício. Art A concessão das férias, mencionando o período de gozo, será participado por escrito ao servidor, com antecedência de, no mínimo 30 dias, cabendo a este assinalar a respectiva notificação. Parágrafo Único - As férias somente poderão ser interrompidas por motivo de calamidade pública, comoção interna, convocação para júri, serviço militar ou eleitoral ou por motivo de superior interesse público. Art Vencido o prazo máximo legal, para o gozo das férias, sem que a administração as tenha concedido é facultado ao servidor, dentro dos 90 dias seguintes, escolher a época de gozo do período de férias a que tenha direito, bastando, para tanto, comunicar por escrito ao setor competente, com antecedência mínima de dez dias. Art O servidor perceberá durante as férias a remuneração integral, acrescida do adicional de férias previsto no Art. 96 desta Lei, observando-se o disposto no 1 deste artigo. 1 - É facultado ao servidor 1/3 (um terço) das férias em abono pecuniário, desde que o requeira com pelo menos 60 (sessenta) dias de antecedência. 2 - No cálculo do abono pecuniário será considerado o valor do adicional de férias. 3 - O pagamento da remuneração das férias, por solicitação do servidor, será feito dentro dos cinco dias anteriores ao início do gozo. 4 - Na hipótese das férias parceladas, poderá o servidor indicar, dentre os dois períodos, aquele em que utilizará a faculdade de que trata o parágrafo anterior. Art No caso de exoneração será devida ao servidor a remuneração correspondente ao período de férias cujo direito tenha adquirido.

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES GABINETE DO PREFEITO SUMÁRIO POR ARTIGOS

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES GABINETE DO PREFEITO SUMÁRIO POR ARTIGOS 1 SUMÁRIO POR ARTIGOS TÍTULO I CAPÍTULO ÚNICO DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 ao 5º Art. 1 ao 5 TÍTULO II CAPÍTULO I PROVIMENTO Art. 6º ao 31 PROVIMENTO VACÂNCIA SEÇÃO I SUBSTITUIÇÃO DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Lei Complementar nº 46 de 31/01/1994 (Atualizada até a Lei Complementar nº 328, de5/9/2005)

Lei Complementar nº 46 de 31/01/1994 (Atualizada até a Lei Complementar nº 328, de5/9/2005) Lei Complementar nº 46 de 31/01/1994 (Atualizada até a Lei Complementar nº 328, de5/9/2005) Institui o Regime Jurídico Único para os servidores públicos civis da administração direta, das autarquias e

Leia mais

Resolução nº 1073, de 10 de outubro de 2001 Texto consolidado com todas as alterações posteriores RESOLUÇÃO Nº 1073, DE 10 DE OUTUBRO DE 2001.

Resolução nº 1073, de 10 de outubro de 2001 Texto consolidado com todas as alterações posteriores RESOLUÇÃO Nº 1073, DE 10 DE OUTUBRO DE 2001. Resolução nº 1073, de 10 de outubro de 2001 Texto consolidado com todas as alterações posteriores RESOLUÇÃO Nº 1073, DE 10 DE OUTUBRO DE 2001. REGULAMENTO ADMINISTRATIVO DA TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO ESTADO DE PERNAMBUCO

ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO ESTADO DE PERNAMBUCO ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO ESTADO DE PERNAMBUCO LEI Nº 6.123, DE 20 DE JULHO DE 1968. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado do Amazonas Organizador: Ronnie Frank Torres Stone

Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado do Amazonas Organizador: Ronnie Frank Torres Stone Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado do Amazonas Organizador: Ronnie Frank Torres Stone Lei 1.762 de 14 de novembro de 1986. Dispõe sobre o Estatuto Dos Funcionários Públicos Civis do Estado

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 1.654, DE 6 DE JANEIRO DE 2006. Publicado no Diário Oficial nº 2.080 Dispõe sobre o Estatuto dos Policiais Civis do Estado do Tocantins. O Governador do Estado do Tocantins Faço saber que a Assembléia

Leia mais

LEI nº 869, de 5 de julho de 1952

LEI nº 869, de 5 de julho de 1952 LEI nº 869, de 5 de julho de 1952 Dispõe sobre o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado de Minas Gerais. (Vide Lei nº 10.254, de 20/7/1990.) (Vide inciso I do art. 8º da Lei nº 20.010, de 5/1/2012.)

Leia mais

PREFEI TURA MUNI CI PAL DE FORTALEZA Procuradoria Geral do Município TÍ TULO I DOS PRI NCÍ PI OS GERAI S

PREFEI TURA MUNI CI PAL DE FORTALEZA Procuradoria Geral do Município TÍ TULO I DOS PRI NCÍ PI OS GERAI S TÍ TULO I DOS PRI NCÍ PI OS GERAI S Art. 1 º - Esta Lei regula o regime jurídico dos servidores municipais de Fortaleza, tendo em vista o disposto no art. 39, da Constituição da República Federativa do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS MUNICIPAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS MUNICIPAIS PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS MUNICIPAIS LEI No. 531 DE 18 DE JANEIRO DE 1985 Publicada no ór gão oficial da Prefeitura, em 23/01/85. NITERÓI 1985 LEI No. 531, DE 18

Leia mais

PREÂMBULO TITULO I TÍTULO II

PREÂMBULO TITULO I TÍTULO II Constituição do Estado do Maranhão 1 PREÂMBULO A Assembléia Constituinte do Estado do Maranhão usando dos poderes que lhe foram conferidos pela Constituição Federal, invocando a proteção de Deus, visando

Leia mais

Promulgada em 05 de outubro de 1989 * Emendas Constitucionais de n o 01/1990 a n o 40/2007 CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

Promulgada em 05 de outubro de 1989 * Emendas Constitucionais de n o 01/1990 a n o 40/2007 CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE Promulgada em 05 de outubro de 1989 * Emendas Constitucionais de n o 01/1990 a n o 40/2007 CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE PREÂMBULO Nós, representantes do povo sergipano, reunidos em Assembléia Estadual

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ PREÂMBULO

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ PREÂMBULO CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ PREÂMBULO Nós, representantes do povo, em Assembléia Constituinte, sob a proteção de Deus, continuadores das tradições de combatividade, firmeza, heroísmo e abnegação dos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ PREÂMBULO Nós, os primeiros Deputados Estaduais, representantes do povo amapaense, reunidos em Assembléia Estadual Constituinte para instituir o ordenamento básico e reafirmar os valores que fundamentam

Leia mais

Constituição do Estado do Pará

Constituição do Estado do Pará 1 Constituição do Estado do Pará Atualizada até a edição da Emenda Constitucional nº 51 de 14 de dezembro de 2011 publicada no DOE de 20/12/2011. 2 Governo do Estado do Pará Consultoria Geral do Estado

Leia mais

Constituição do Estado do Pará

Constituição do Estado do Pará 1 Constituição do Estado do Pará Atualizada até a edição da Emenda Constitucional nº 61 de 11 de junho de 2014, DOE nº 32670 de 25/06/2014. 2 Governo do Estado do Pará Consultoria Geral do Estado Constituição

Leia mais

Emendas Constitucionais nº 01/1990 a 99/2014

Emendas Constitucionais nº 01/1990 a 99/2014 Emendas Constitucionais nº 01/1990 a 99/2014 1 2 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO 17ª LEGISLATURA MESA DIRETORA THEODORICO FERRAÇO Presidente SOLANGE LUBE ROBERTO CARLOS 1º Secretário

Leia mais

Apresenta CLT - CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO. ÍNDICE TÍTULO I Introdução arts. 1 a 12 TÍTULO II Das Normas Gerais de Tutela arts.

Apresenta CLT - CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO. ÍNDICE TÍTULO I Introdução arts. 1 a 12 TÍTULO II Das Normas Gerais de Tutela arts. Apresenta CLT - CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO ÍNDICE TÍTULO I Introdução arts. 1 a 12 TÍTULO II Das Normas Gerais de Tutela arts. 13 a do Trabalho 223 TÍTULO III Das Normas Especiais de Tutela do Trabalho

Leia mais

Regimes Próprios de Previdência Social

Regimes Próprios de Previdência Social Ministério da Previdência Social Secretaria de Políticas de Previdência Social Regimes Próprios de Previdência Social Consolidação da Legislação Federal Atualizada até 3 de julho de 2013 SUMÁRIO Lista

Leia mais

Constituição do Estado da Bahia

Constituição do Estado da Bahia Constituição do Estado da Bahia Promulgada em 05 de outubro de 1989 Atualizada e acompanhada dos textos das Emendas Constitucionais n os : 01, de 05 de julho de 1990; 02, de 12 de junho de 1991; 03, de

Leia mais

Constituição do Estado de Minas Gerais

Constituição do Estado de Minas Gerais Constituição do Estado de Minas Gerais Atualizada e acompanhada dos textos das Emendas à Constituição nºs 1 a 91. 15ª edição Belo Horizonte Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais 2013 1ª edição

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO

CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO DECRETO-LEI N.º 5.452, DE 1º DE MAIO DE 1943 Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SANTA CATARINA - NOVEMBRO - - 2009 -

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SANTA CATARINA - NOVEMBRO - - 2009 - CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SANTA CATARINA - NOVEMBRO - - 2009 - Constituição do Estado de Santa Catarina Edição atualizada em novembro de 2009 Promulgada em 5 de outubro de 1989 Publicada no Diário da

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA Promulgada em 5 de outubro de 1989 Atualizada e acompanhada dos textos integrais das Emendas Constitucionais n s. 1 a 31, bem como dos dispositivos e expressões suspensos

Leia mais

educação infantil, ensino fundamental e médio, curso técnico e profissionalizante e pré-vestibular 2014/ 2015

educação infantil, ensino fundamental e médio, curso técnico e profissionalizante e pré-vestibular 2014/ 2015 C O N V E N Ç Ã O COL E T I V A D E T R A B A L H O D O S PR O F E S S O R E S educação infantil, ensino fundamental e médio, curso técnico e profissionalizante e pré-vestibular 2014/ 2015 Sindicato dos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL administrativa do texto constitucional promulgado em 28 de setembro de 1989 com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nºs 01/1990 a 24/2002. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RONDÔNIA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR ESTADO DO PIAUÍ LEI ORGÂNICA MUNICIPAL PREÂMBULO

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR ESTADO DO PIAUÍ LEI ORGÂNICA MUNICIPAL PREÂMBULO CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR ESTADO DO PIAUÍ LEI ORGÂNICA MUNICIPAL PREÂMBULO NÓS, REPRESENTANTES DO POVO, INVESTIDOS DE PODERES CONSTITUINTE, CONTINUADORES DE NOSSA TRADIÇÃO DE LUTA E HEROÍSMO HERDADOS

Leia mais

ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS

ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 1º. O Presidente da República, o Presidente do Supremo Tribunal Federal e os membros do Congresso Nacional prestarão o compromisso de manter, defender

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE001337/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076653/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.028834/2014-99 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2007 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2007 De um lado o SINDEPRESTEM - Sindicato das Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros, Colocação e Administração de Mão-de-Obra e de Trabalho Temporário no Estado

Leia mais

CONTRATO COLECTIVO DE TRABALHO

CONTRATO COLECTIVO DE TRABALHO CONTRATO COLECTIVO DE TRABALHO entre AEEP Associação dos Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo e FENPROF Federação Nacional dos Professores e outros CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º

Leia mais