ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA"

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA Valdemir Antonio Rodrigues FCA Unesp Luis Alberto Bucci Instituto Florestal de São Paulo Danilo Simões Estudante de Pós Graduação Carlos Adolfo Bantel Engenheiro Florestal O relevo é caracterizado desde os topos de morros formando os divisores de águas nas partes mais altas do entorno da microbacia, até o talvegue na linha sinuosa no fundo de vale nas partes mais baixas por onde flui a água, na rede de drenagem ou canais fluviais. O interflúvio é o espaço de escoamento da água entre dois talvegues, formado por duas vertentes (RODRIGUES, 2008). O relevo da microbacia hidrográfica é resultado de um processo de formação geomorfológica ao longo do tempo e espaço. O formato das paisagens, tipos de vegetação e comportamento hidrológico da microbacia tem relação direta com as diferentes declividades do terreno, feições, formas e tipos de relevo e ações antrópicas. A morfometria do relevo pode ser caracterizada analiticamente através dos parâmetros: declividade média; altitude média, amplitude altimétrica, razão de relevo e fator de forma, de acordo com (RODRIGUES & CARVALHO, 2004). As nascentes da microbacia do ribeirão Tamanduá localiza se no reverso da Cuesta de Botucatu, região que compõe o aqüífero Guarani. Constitui se um ambiente adequado para a planificação, caracterização morfométrica, avaliação do relevo e das condições de conservação. A conservação dos recursos hídricos e do ecossistema aquático depende da manutenção de mecanismos naturais desenvolvidos ao longo dos processos evolucionários da paisagem, referidos como serviços ambientais do ecossistema, segundo Lima (2006). A finalidade deste trabalho é a caracterização do relevo e suas classes de declividade; fazer analogia da morfometria com as condições de conservação da microbacia. 1

2 2. MATERIAL E MÉTODOS 2.1 Localização da microbacia A microbacia do ribeirão Tamanduá está circunscrita entre as coordenadas geográficas: 23º 06 15" S a 23º 08 16" S e 48º 30 55" W a 48º 32 30" W de Grw; localizada no município de Itatinga SP, e suas nascentes deságuam no Rio Paranapanema. 2.2 Parâmetros dimensionais da microbacia Os parâmetros dimensionais da microbacia foram: área (A), perímetro (P), maior comprimento (C), maior altitude (AM), menor altitude (Am). O relevo: declividade média; razão de relevo; e fator de forma. A área e o perímetro da microbacia foram medidos através do SIG IDRISI RELEASE TWO. Na delimitação do divisor de águas e cotas foi utilizada a carta do IBGE, município de Itatinga SP, folha SF 22 Z D II 2, na escala 1: No georeferenciamento utilizou se o sistema de informação geográfica IDRISI RELEASE TWO e o Autocad Análise do Relevo O relevo da microbacia foi estudado analiticamente através dos parâmetros: declividade média; altitude média; amplitude altimétrica; razão de relevo; fator de forma; e coeficiente de rugosidade Declividade média da microbacia A declividade da microbacia tem relação importante os processos hidrológicos: escoamento superficial, infiltração, umidade do solo e tempo de concentração da água nos canais de drenagem. A 2

3 declividade média foi calculada pela equação de acordo com (Wisler & Brater, 1964) citado por Lima (1986). D% = [(ΣCn x H)/A] *100 onde: D% = declividade média, %; Σ Cn = somatória do comprimento das curvas de nível, km; H = eqüidistância entre as cotas, km; A = área da microbacia, km 2. A declividade média da microbacia pode ser determinada por um outro método, de acordo com (Bethlahmy, 1973) citado por Lima (1986), através da equação: D% = C/P, onde C é o maior comprimento do canal principal até o espigão, sobre o perímetro (P) da microbacia Altitude média da microbacia A altitude média da microbacia (Hm) foi obtida através da média aritmética entre os valores de maior altitude (AM) observada na cabeceira e a menor altitude (Am) na foz ou desembocadura em (m). Hm = (AM + Am) /2 onde: Hm = altitude média, m; AM = maior altitude, m; Am = menor altitude, m Amplitude altimétrica A amplitude altimétrica (H) é a diferença entre a maior e a menor altitude da microbacia e expressa em metros, conforme a expressão: H = AM Am Onde: 3

4 H = amplitude altimétrica, m; AM = maior altitude, m; Am = menor altitude, m Razão de relevo da microbacia A razão de relevo (Rr) conforme proposição de SCHUMM (1956) através da relação entre a diferença de altitude dos pontos extremos da microbacia ou amplitude altimétrica (H) e o maior comprimento (C), que corresponde à direção do vale principal, entre a foz e o ponto extremo sobre a linha do divisor de águas. A razão de relevo indica a declividade geral ou declive total da superfície da microbacia, STRAHLER (1957). Rr = H/C Onde: Rr = razão de relevo H = amplitude altimétrica, m; C = maior comprimento da microbacia, m Fator de forma da microbacia O fator de forma da microbacia (Ff) foi obtido segundo HORTON (1945), utilizando se a equação: Ff = A / C 2, onde A é a área em km 2 e C o comprimento em km. Geralmente as microbacias em geral apresentam forma de pêra, mas podem ter outras formas que depende da interação clima, geologia entre outras. A superfície da microbacia é sempre côncava, a qual determina a direção do fluxo de água, LIMA (1986). Ff = A / C 2 Onde: Ff = fator de forma; A = área da microbacia, km 2 ; C = comprimento, km. 4

5 Portanto quanto mais próximo de um (1,0) for o fator de forma mais próximo da forma circular e conseqüentemente, maiores as chances de inundação terá a microbacia. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO As características do relevo da microbacia estão apresentados no tabela 1, onde pode se verificar que: a maior e a menor altitude da microbacia é de 930m e 640m respectivamente, com uma altitude média de 785m e amplitude altimétrica de 290m, considerada média. Tabela 1. Características do relevo da microbacia do Tamanduá. Maior Altitude Menor Altitude Altitude Média Amplitude Altimétrica Razão de Relevo Declividade Média Fator de Forma MA ma Hm H Rr D Ff (m) (m) (m) (m) % ,06 21,43 0,25 Essa amplitude relacionada com o maior comprimento da microbacia, que corresponde à direção do vale principal, de 4.623,04 m, resulta numa razão de relevo de 0,06. Segundo STRAHLER (1957), a razão de relevo indica o declive total de 6,0% ou declive geral na direção do vale principal da microbacia. Figura 1. Modelo numérico do terreno com sobreposição das curvas de nível. 5

6 A partir da digitalização das curvas de nível, com eqüidistância de 20 metros, foi elaborado o modelo numérico do terreno (figura 1), que serviu de base para a geração das classes de declividade, segundo Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (EMBRAPA, 1999) figura 1 e tabela 3. Tabela 3. Classes de declividade e tipo de relevo da microbacia. Classes de Legenda Declividades Área (ha) % Área Tipo de Relevo % 3,9044 0,77 Plano % 28,8634 5,67 Suavemente Ondulado % 223, ,03 Ondulado % 228, ,01 Fortemente Ondulado % 21,0128 4,13 Montanhoso 6 > 75 % 2,0123 0,40 Escarpado ou fortemente montanhoso Total 508, A declividade média (D%) da microbacia foi calculada em 21,43%, portanto, considerada alta, estando dentro da classe de declividade de (20 45 %) com um tipo de relevo fortemente ondulado, com uma área de 45,01% o que corresponde a 228,9231 hectares, portanto, encontra se com ampla distribuição na microbacia (figura 2). Figura 2. Classes de declividade (EMBRAPA, 1999). 6

7 A declividade tem uma relação importante com os parâmetros hidrológicos, tais como: a infiltração da água, a umidade do solo, a regulação do tempo do escoamento superficial e a concentração da água das chuvas no canal principal. Quanto maior for à declividade, maior a relação com os processos erosivos do solo, portanto, maiores são os cuidados com as práticas de conservação de solo e água da microbacia. Percentagem de área da microbacia nas classes de declividade 50,00 44,03 45,01 % de área da microbacia 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 5,67 4,13 0,77 0, % 3 8 % 8 20 % % % > 75 % Classes de declividade Figura 3. Percentual da área da microbacia em classes de declividades. Os resultados mostram que a microbacia hidrográfica do ribeirão Tamanduá apresenta um relevo com maior abrangência de 89,04% da área, ou seja, com 44,03% e 45,01% respectivamente entre as classes de declividade de 8 a 20% e 20 a 45%, conforme ilustrada na Figura 3. Para a análise do fator de forma foi utilizada a equação proposta por HORTON (1945), resultando em 0,25 considerado médio. Isto indica que a microbacia, fisiograficamente, apresenta chances de inundações, erosão, assoreamentos de canais e degradação ambiental. 7

8 4. CONCLUSÕES A microbacia apresenta uma área de 5,09 km 2 e 45,01% desta, encontra se na classe de 20 a 45% de declividade, com relevo fortemente ondulado, onde a declividade média é de 21,43%. O perímetro resultou em 11,06 km; o maior comprimento e a largura de 4,5 e 1,65 km; os comprimentos do canal principal e da rede de drenagem total são de 4,62 e 54,51 km. A alta declividade de 21,43%, permitem inferir que o substrato tem menor permeabilidade com menor infiltração da água das chuvas e maior escoamento superficial da água. A microbacia do ribeirão Tamanduá é de 3 a ordem de ramificação de acordo com o sistema de classificação de rios e apresenta uma rede de drenagem com 10 segmentos de rios de 1 a ordem, 03 segmentos de 2 a ordem, 01 segmento de 3 a ordem. O relevo fortemente ondulado com altas declividades permite concluir que é necessário um programa de conservação do solo e água, floresta e manejo da microbacia. Quanto maior for à amplitude altimétrica e menor o comprimento total da microbacia maior será a razão de relevo e conseqüentemente maior é o declive geral da superfície da microbacia hidrográfica. 5. REFERÊNCIAS BILIOGRÁFICAS CARVALHO, W.A., ACHÁ, L.P., FREIRE, O., RENNÓ C.D. Levantamento semidetalhado dos solos da Bacia do Rio Santo Anastácio. Bol. Cient., FCT/UNESP, Presidente Prudente, v. ½, n.2, p. DAVIDE, A. C.; BOTELHO, S. A.; FARIA, J. M. R.; PRADO, N. J. S. Comportamento de espécies florestais de mata ciliar em área de depleção do reservatório da usina hidrelétrica de Camargos Itutinga MG. Revista Cerne, UFLA, Lavras, 1996, v.2; n.1, p

9 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro, p. HORTON, R. E. Erosional development of streams and their drainage basins: hidrophysical appoach to quantitative morphology. Bull. Geol. Soc. Am. Colorado, v. 56, n.3, p , INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Mapa geológico do Estado de São Paulo. São Paulo, v.1, 1981a. 126p. Escala 1: INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Mapa geomorfológico do Estado de são Paulo. São Paulo, v.1, 1981b. 94p. Escala 1: LIMA, W.P. Princípios de hidrologia florestal para o manejo de bacias hidrográficas. Piracicaba: Escola Superior de agricultura Luiz de Queiroz, USP p. LIMA, W. P. A microbacia e o desenvolvimento sustentável. Ação Ambiental, ano 1, n o 3, 1999, p RODRIGUES, V. A.; CARVALHO, W. A. Análise morfométrica da microbacia hidrográfica do Córrego Água Limpa. In: LIVRO, Workshop em Manejo de Bacias Hidrográficas. UNESP, FCA, Botucatu, 2004, p RODRIGUES, V. A. Apostila de microbacia hidrográfica. Material didático para o 5 o ano do Curso de Engenharia Florestal. UNESP, FCA, Botucatu, 2008, 85p. SCHUMM, S.A Evolution of drainage systems and slopes in badlands at Perth Ambory, New Jersey. Bull. Geol. Soc. Am., Colorado, v.67, p , SMITH, K.G. Standards for grading texture of erosional topography. Am. J. Sci., New Haven, v.248, p , STRAHLER, A.N. Quantitative analysis of watershed geomorphology. Trans. Am. Geophys. Union, New Haven, v.38, p ,

Degradação ambiental da microbacia do ribeirão Tamanduá em relação com sua morfometria

Degradação ambiental da microbacia do ribeirão Tamanduá em relação com sua morfometria , pp. 23-28 23 Degradação ambiental da microbacia do ribeirão Tamanduá em relação com sua morfometria Environmental degradation of the micro watershed in the Tamanduá River related with its morphometry

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA MICROBACIA DO RIBEIRÃO DAS ARARAS SP

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA MICROBACIA DO RIBEIRÃO DAS ARARAS SP Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Ensino Superior e Formação Integral FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano XI - Volume 21

Leia mais

AVALIAÇÃO GEOMORFOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO SOROCABUÇU, IBIÚNA, SP

AVALIAÇÃO GEOMORFOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO SOROCABUÇU, IBIÚNA, SP AVALIAÇÃO GEOMORFOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO SOROCABUÇU, IBIÚNA, SP Luiz Augusto Manfré 1 ; Alexandre Marco da Silva 1 ; Rodrigo Custódio Urban 1 1 UNESP Campus

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA. Nomenclatura. Divisor de água da bacia. Talweg (talvegue) Lugar geométrico dos pontos de mínimas cotas das seções transversais

BACIA HIDROGRÁFICA. Nomenclatura. Divisor de água da bacia. Talweg (talvegue) Lugar geométrico dos pontos de mínimas cotas das seções transversais U 6 BCI HIDROGRÁFIC Bacia hidrográfica ou bacia de drenagem de uma seção de um curso d água é a área geográfica coletora de água de chuva que escoa pela superfície do solo e atinge a seção considerada.

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Bacias Hidrográficas Professora: Mayara Moraes Fase terrestre do ciclo hidrológico Elemento fundamental: Bacia hidrográfica. Definição: Área de

Leia mais

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS José Antonio Tosta dos Reis Departamento de Engenharia Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo CICLO HIDROLÓGICO 1 Ciclo hidrológico médio

Leia mais

AAVA. Associação dos Amigos do Vale do Aracatu

AAVA. Associação dos Amigos do Vale do Aracatu AAVA Associação dos Amigos do Vale do Aracatu Conceitos importantes Bacia Hidrográfica Divisor de águas Nascente Bacia Hidrográfica * Bacias hidrográficas são áreas da superfície terrestre separadas topograficamente

Leia mais

NOTA DE AULA CURVAS DE NÍVEL e REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

NOTA DE AULA CURVAS DE NÍVEL e REPRESENTAÇÃO DO RELEVO NOTA DE AULA CURVAS DE NÍVEL e REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Adaptado do Manual de Cartografia do IBGE Escala e Curva de Nível Objetivos da Aula: - Apresentar as principais características a ser analisadas no

Leia mais

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DA HIDROGRAFIA 1.0. Introdução O ciclo hidrológico, se considerado de maneira global, pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, uma vez que a quantidade total da água

Leia mais

DETERMINAÇÃO AUTOMÁTICA DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DOS NAMORADOS-PB A PARTIR DE MDE

DETERMINAÇÃO AUTOMÁTICA DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DOS NAMORADOS-PB A PARTIR DE MDE DETERMINAÇÃO AUTOMÁTICA DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DOS NAMORADOS-PB A PARTIR DE MDE 1 Doutorando em Meteorologia, UACA/ UFCG-PB. CEP: 58429-140, (83)3310-1202. madson_tavares@hotmail.com

Leia mais

Bacias Hidrográficas. Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada. Escola Politécnica. Aula 3

Bacias Hidrográficas. Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada. Escola Politécnica. Aula 3 Universidade de São Paulo PHA3307 Hidrologia Aplicada Escola Politécnica Departamento de Eng. Hidráulica e Ambiental Bacias Hidrográficas Aula 3 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof. Dr. Joaquin Garcia Objetivos

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Bacia hidrográfica: conceitos fundamentais e caracterização fisiográfica. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Bacia hidrográfica: conceitos fundamentais e caracterização fisiográfica. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Bacia hidrográfica: conceitos fundamentais e caracterização fisiográfica Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Conhecer o

Leia mais

Recursos Hídricos e Manejo de Bacias Hidrográficas Profa. Cristiana C. Miranda RECORDANDO NOSSA AULA DE INFILTRAÇÃO..

Recursos Hídricos e Manejo de Bacias Hidrográficas Profa. Cristiana C. Miranda RECORDANDO NOSSA AULA DE INFILTRAÇÃO.. Recursos Hídricos e Manejo de Bacias Hidrográficas Profa. Cristiana C. Miranda RECORDANDO NOSSA AULA DE INFILTRAÇÃO.. Características que influenciam a infiltração da água Textura do solo e composição

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Aula 9 META Apresentar a concepção sistêmica de uma bacia hidrográfi ca e as suas características em termos quantitativos, através da análise morfométrica OBJETIVOS

Leia mais

Biologia Geral e Experimental

Biologia Geral e Experimental Biologia Geral e Experimental Biol. Geral Exper., 9(1):31-37 30.xii.2009 ANÁLISES MORFOMÉTRICAS EM ESTUDOS GEOMORFOLÓGICOS: A BACIA DO RIO CRIXÁS-MIRIM, ESTADO DE GOIÁS Thaís Moreira Alves 1 Thiago Morato

Leia mais

3 - Bacias Hidrográficas

3 - Bacias Hidrográficas 3 - Bacias Hidrográficas A bacia hidrográfica é uma região definida topograficamente, drenada por um curso d água ou um sistema interconectado por cursos d água tal qual toda vazão efluente seja descarregada

Leia mais

A CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOMÉTRICA E SUA EXTRAÇÃO POR SIG NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CARRO QUEIMADO - TRÊS LAGOAS/MS

A CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOMÉTRICA E SUA EXTRAÇÃO POR SIG NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CARRO QUEIMADO - TRÊS LAGOAS/MS A CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOMÉTRICA E SUA EXTRAÇÃO POR SIG NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO CARRO QUEIMADO - TRÊS Braz, A.M.B. 1 ; águas, T.A. 2 ; Costa, K.C.P.C. 3 ; Senis, L.V.S. 4 ; Mirandola Garcia,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DAS BRANQUINHAS, ARNEIROZ-CE

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DAS BRANQUINHAS, ARNEIROZ-CE AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIACHO DAS BRANQUINHAS, ARNEIROZ-CE J. L. Fernandes 1 ; N. S. C. Izídio 2 ; M. M. Pereira 3 ; F. E. R. Oliveira 1 ; G. S. Silva 1

Leia mais

Análise da microbacia do Ribeirão Grande por meio de geotecnologias. Moisés Pereira Galvão Salgado 1

Análise da microbacia do Ribeirão Grande por meio de geotecnologias. Moisés Pereira Galvão Salgado 1 Análise da microbacia do Ribeirão Grande por meio de geotecnologias Moisés Pereira Galvão Salgado 1 1 Divisão de Sensoriamento Remoto - DSR Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Caixa Postal

Leia mais

BACIA HIDROGRAFICA. Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente

BACIA HIDROGRAFICA. Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente BACIA HIDROGRAFICA Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Bacia Hidrográfica Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Governo do Estado de São Paulo Secretaria do

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO 1 Tito José de Barba Avaroma Universidade Federal de Rondônia - UNIR tito.geo.ro@gmail.com Introdução Porto

Leia mais

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP)

Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Zoneamento de risco de incêndios florestais para a bacia hidrográfica do Córrego Santo Antônio, São Francisco Xavier (SP) Aline Kuramoto Gonçalves Faculdade de Ciências Agronômicas/UNESP Campus Botucatu

Leia mais

FLORESTAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA

FLORESTAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS FLORESTAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA Dr. Valdir de Cicco Engenheiro Florestal Pesquisador Científico BOTUCATU - SP. 2013 SUMÁRIO Laboratório de Hidrologia Florestal.

Leia mais

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari.

Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos. Dourados na Bacia do Rio Araguari. 1 Análise morfométrica das microbacias do Córrego da Onça, dos Macacos e dos Dourados na Bacia do Rio Araguari. José Arlindo Braga Neto 1 ; Ana Cláudia Bernardes Brito! ; Kathereyn Jéssica Rosa Fiordelice!

Leia mais

Análise Fisiográfica da Bacia do Rio de Ondas BA. Pedro Henrique Bagnara Fistarol¹ Rhaiane de Santana Brandolff¹ José Yure Gomes dos Santos¹

Análise Fisiográfica da Bacia do Rio de Ondas BA. Pedro Henrique Bagnara Fistarol¹ Rhaiane de Santana Brandolff¹ José Yure Gomes dos Santos¹ Análise Fisiográfica da Bacia do Rio de Ondas BA Pedro Henrique Bagnara Fistarol¹ Rhaiane de Santana Brandolff¹ José Yure Gomes dos Santos¹ ¹Universidade Federal do Oeste da Bahia - UFOB Rua Professor

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Escolha do Traçado Objetivos (i) a delimitação dos locais convenientes para a passagem da rodovia, a partir da obtenção de informações básicas a respeito da geomorfologia

Leia mais

ELEMENTOS ESTRUTURAIS

ELEMENTOS ESTRUTURAIS ELEMENTOS ESTRUTURAIS Fundações Superficiais (diretas): blocos e sapatas Profundas: estacas e tubulões Pilares Pequena altura: maciços ou formados por fustes ligados por vigas transversais Grande altura:

Leia mais

Morphometrical analysis of the hidrographical Matinhos-PR river complex

Morphometrical analysis of the hidrographical Matinhos-PR river complex O ANÁLISE SISTEMA MORFOMÉTRICA HIDROGRÁFICO DO DO RIO COMPLEXO MATINHOS: HIDROGRÁFICO UMA ANÁLISE DO MORFOMÉTRICA RIO MATINHOS-PR Morphometrical analysis of the hidrographical Matinhos-PR river complex

Leia mais

Influência da escala na análise morfométrica de microbacias hidrográficas

Influência da escala na análise morfométrica de microbacias hidrográficas 1062 Marcelo Zanata et al. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.15, n.10, p.1062 1067, 2011 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 239.10 28/12/2010 Aprovado

Leia mais

Cap. 3 Unidade de Conservação

Cap. 3 Unidade de Conservação Cap. 3 BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

FÍSICA DA BACIA HIDROGRÁFICA

FÍSICA DA BACIA HIDROGRÁFICA 4 ANÁLISE C A P Í T U L O II FÍSICA DA BACIA HIDROGRÁFICA 4.1. CARACTERIZACÃO FÍSICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Uma bacia hidrográfica compreende toda a área de captação natural da água da chuva que proporciona

Leia mais

Fernando Doriguel 1, Sérgio Campos 2 & Osmar Delmanto Junior 3

Fernando Doriguel 1, Sérgio Campos 2 & Osmar Delmanto Junior 3 R E V I S T A ISSN: 1808-8759 (cd-rom) 2359-6562 (on-line) CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA MICROBACIA DO CÓRREGO MARIA PIRES, SANTA MARIA DA SERRA, ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Fernando Doriguel 1, Sérgio

Leia mais

Capítulo 139 Características físicas de uma Bacia Hidrográfica

Capítulo 139 Características físicas de uma Bacia Hidrográfica Capítulo 139 Características físicas de uma Bacia Hidrográfica Figura de um pé de milho cuja transpiração vai de 1,3 litros/dia a 3,8 litros/dia 139-1 SUMÁRIO Ordem Assunto Capitulo 139- Características

Leia mais

Caracterização de uma microbacia por meio de geotecnologias

Caracterização de uma microbacia por meio de geotecnologias Caracterização de uma microbacia por meio de geotecnologias Moisés Pereira Galvão Salgado 1 Getulio Teixeira Batista 2 Nelson Wellausen Dias 2 Marcelo dos Santos Targa 2 1 UNITAU, Departamento de Ciências

Leia mais

Sociedade & Natureza ISSN: Universidade Federal de Uberlândia Brasil

Sociedade & Natureza ISSN: Universidade Federal de Uberlândia Brasil Sociedade & Natureza ISSN: 0103-1570 sociedadenatureza@ufu.br Universidade Federal de Uberlândia Brasil Feltran Filho, Antonio; Fátima de Lima, Eleusa CONSIDERAÇÕES MORFOMÉTRICAS DA BACIA DO RIO UBERABINHA

Leia mais

45 mm APLICAÇÃO DO RDE (ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO) NO CURSO PRINCIPAL DA BACIA DO RIO CLARO.

45 mm APLICAÇÃO DO RDE (ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO) NO CURSO PRINCIPAL DA BACIA DO RIO CLARO. APLICAÇÃO DO RDE (ÍNDICE RELAÇÃO DECLIVIDADE-EXTENSÃO) NO CURSO PRINCIPAL DA BACIA DO RIO CLARO. Carina Petsch 1 ; Jéssica Barion Monteiro 1 ; carinapetsch@gmail.com 1 - Universidade Estadual de Maringá;

Leia mais

Análise geomorfométrica da bacia hidrográfica do rio Jacaré, Niterói - RJ

Análise geomorfométrica da bacia hidrográfica do rio Jacaré, Niterói - RJ Análise geomorfométrica da bacia hidrográfica do rio Jacaré, Niterói - RJ Bruno Dias Cardoso de Carvalho¹ Raphael e Silva Girão² Pedro José Farias Fernandes³ ¹ UFF - Instituto de Geociências Departamento

Leia mais

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Roteiro Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Definição de termos e justificativa do estudo Hidrossedimentologia O que é? Por que estudar? Como pesquisar?

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG)

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG) 209 COMPARTIMENTAÇÃO MORFOLÓGICA DA BACIA DO RIO SÃO THOMÉ, MUNICÍPIOS DE ALFENAS, SERRANIA E MACHADO (MG) Emmanuelle Rodrigues de Nazareth 1 ; Marta Felícia Marujo Ferreira. 2 (1) Geógrafa, Universidade

Leia mais

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL

ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL ESTUDO DO RELEVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU, SANTIAGO, RIO GRANDE DO SUL Thiago BAZZAN 1 Vagner Paz MENGUE 2 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 3 RESUMO Os estudos sobre a dinâmica do relevo em

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP)

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP) USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA DOS RIBEIRÕES LAPA/CANTAGALO IPEÚNA (SP) EDUARDO APARECIDO BONIFÁCIO COSTA 1 e MARTA FELÍCIA MARUJO FERREIRA 2 Eduardo_bonifacio88@hotmail.com, martafelicia@uol.com.br

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS Prof. Vinícius C. Patrizzi OBJETIVOS DA DRENAGEM COLETAR, CONDUZIR E LANÇAR, O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL E EM LOCAL ADEQUADO, TODA ÁGUA QUE SE ORIGINA, QUE CORRE/CAI NA

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 BAZZAN, T. ¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria, thiagobaz@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. ² ² Universidade

Leia mais

GEOMORFOLOGIA ANTRÓPICA E RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO ÁGUA FRIA, ANÁPOLIS (GO) Andrelisa Santos de Jesus 1 ; Homero Lacerda 2

GEOMORFOLOGIA ANTRÓPICA E RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO ÁGUA FRIA, ANÁPOLIS (GO) Andrelisa Santos de Jesus 1 ; Homero Lacerda 2 1 GEOMORFOLOGIA ANTRÓPICA E RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO ÁGUA FRIA, ANÁPOLIS (GO) 1 Bolsista PBIC/UEG; Andrelisa Santos de Jesus 1 ; Homero Lacerda 2 2 Orientador, Curso de Geografia,

Leia mais

ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ.

ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ. ANÁLISE DOS PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DO MÉDIO DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-RJ. ANGEL LOO 1 e CLIBSON ALVES DOS SANTOS 2 angeel.loo@hotmail.com, clibsonsantos@gmail.com 1 Estudante

Leia mais

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos 1 Art. 115. As águas pluviais que escoam nos limites das propriedades não poderão aumentar as vazões do sistema de drenagem acima das condições naturais e as intervenções por edificações não poderão introduzir

Leia mais

Marina de Fátima Vilela 1 Zilda Romanovzki 2. Secretaria de Pós-Graduação Viçosa MG, Brasil

Marina de Fátima Vilela 1 Zilda Romanovzki 2. Secretaria de Pós-Graduação Viçosa MG, Brasil O uso do solo e a conservação da vazão dos cursos d água na bacia do ribeirão São Bartolomeu, Viçosa MG. Marina de Fátima Vilela 1 Zilda Romanovzki 2 1 UFV Universidade Federal de Viçosa, Departamento

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? 2. QUAL A IMPORTÂNCIA DA HIDROLOGIA NA ENGENHARIA CIVIL? 3. ASSINALE

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

Análise morfométrica automatizada para bacia do rio Maranhão. Luciana Lira Barros 1 Dr.Valdir Adilson Steinke 2

Análise morfométrica automatizada para bacia do rio Maranhão. Luciana Lira Barros 1 Dr.Valdir Adilson Steinke 2 Análise morfométrica automatizada para bacia do rio Maranhão Luciana Lira Barros 1 Dr.Valdir Adilson Steinke 2 1 Centro Universitário de Brasília - UNICEUB AOS 01 Bloco E apto. 301-70660-015 Brasília -

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DE CONTAS - BA

GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DE CONTAS - BA GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DE CONTAS - BA Lídia Raíza Sousa Lima Chaves Trindade¹, Mariana Carneiro Viana¹, Alison Silva dos Santos¹, Danilo Paulúcio

Leia mais

Características das Bacias Hidrográficas. Gabriel Rondina Pupo da Silveira

Características das Bacias Hidrográficas. Gabriel Rondina Pupo da Silveira Características das Bacias Hidrográficas Gabriel Rondina Pupo da Silveira O que é uma Bacia Hidrográfica? Fonte: DAEE Definição Conjunto de áreas com declividade no sentido de determinada seção transversal

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ.

CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. CARACTERIZAÇÃO E ESTUDO DOS IMPACTOS DAS AÇÕES ANTRÓPICAS SOBRE A BACIA DO RIO COXIPÓ. Adriana Xavier da Silva Bello Graduada em Letras - UNIVAG; Graduanda em Gestão Ambiental (IFMT); Mestranda em Educação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO PRATINHA TRÊS LAGOAS (MS) COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL.

CARACTERIZAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO PRATINHA TRÊS LAGOAS (MS) COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL. 307 CARACTERIZAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO PRATINHA TRÊS LAGOAS (MS) COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL. Luziane Bartoline Alburquerque Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia

Leia mais

MORFOMETRIA DE BACIAS EMBUTIDAS NA GESTÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS - RIO NEGRINHO, SC

MORFOMETRIA DE BACIAS EMBUTIDAS NA GESTÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS - RIO NEGRINHO, SC MORFOMETRIA DE BACIAS EMBUTIDAS NA GESTÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS - RIO NEGRINHO, SC Albert Teixeira Cardoso¹ Joana Nery Giglio ² Masato Kobiyama 3 Fernando Grison 4 Resumo: Este estudo teve por objetivo

Leia mais

MAPEAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO 15 DE OUTUBRO ES

MAPEAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO 15 DE OUTUBRO ES MAPEAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO 15 DE OUTUBRO ES Caroline Bandeira Henrique1 Jessica Butcovsky Ferreira1 Roberta Adrielly Magri1 Stela Lugon Vargas1 Thiago Augusto

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave:

Leia mais

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294 Código Ambiental Atualizado Santa Catarina Santa Catarina é o primeiro estado brasileiro em aprovar e fazer virar lei um código ambiental independente da legislação federal (é importante salientar que

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ

MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ MAPEAMENTO DE UNIDADES DO RELEVO NO OESTE DO RS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO MIRACATÚ Dionara DE NARDIN 1 Luís Eduardo de Souza ROBAINA 2 RESUMO A problemática ambiental tornou-se evidente a

Leia mais

FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: 30 OBJETIVOS

FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: 30 OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA CÓDIGO: GAG044 UNIDADE ACADÊMICA: Instituto de

Leia mais

Quantificação de grandezas Ambientais

Quantificação de grandezas Ambientais Quantificação de grandezas Ambientais Hidrologia Cursos d água Perenes: permanece com água o tempo todo, mesmo em períodos em seca. Intermitentes: escoam durante as chuvas, entretanto secam durante as

Leia mais

Sensoriamento Remoto II

Sensoriamento Remoto II Sensoriamento Remoto II Sensoriamento Remoto por LIDAR (LIDAR Remote Sensing) Aplicações UFPR Departamento de Geomática Prof. Jorge Centeno 2013 copyright@ centenet Vantagens/problemas Vantagens: alta

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. ELABORAÇÃO DE MAPA GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. João Osvaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br), Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br) Universidade Estadual Paulista

Leia mais

PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ

PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ PROPRIEDADES MORFOMÉTRICAS E ASPECTOS FÍSICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ATUBA: CURITIBA-PARANÁ NUNES, F. G. 1 1- UFPR Pós Graduação em Geologia Ambiental. e-mail: fabrizia@ufpr.br RIBEIRO, N. C. 2 2-

Leia mais

CILMARA COSTA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura em Geografia UNIESP/Faculdade Birigui

CILMARA COSTA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura em Geografia UNIESP/Faculdade Birigui CILMARA COSTA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura em Geografia UNIESP/Faculdade Birigui cilmaracosta1@hotmail.com MÁRCIO F. GOMES 1 Professor Orientador - UNIESP/Faculdade Birigui Doutorando

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA COSTEIRA: UM ESTUDO DE CASO1

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA COSTEIRA: UM ESTUDO DE CASO1 ANÁLISE MORFOMÉTRICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA COSTEIRA: UM ESTUDO DE CASO1 Enner Herenio Alcântara ennerha@yahoo.com.br Alexsandro de Jesus Amorim aamorim@yahoo.com.br Laboratório de Sensoriamento Remoto,

Leia mais

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA.

UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. UNIDADES ECODINÂMICAS DA PAISAGEM DO MUNICÍPIO DE JEREMOABO- BA. Ivonice Sena de Souza 1, Ana Paula Sena de Souza 2, Danilo da Silva Carneiro 3, Jumara Souza Alves 4, Marcos Roberto Souza Santos 5, Deorgia

Leia mais

Análise hipsométrica da parte brasileira da bacia do rio Paraguai utilizando dados SRTM

Análise hipsométrica da parte brasileira da bacia do rio Paraguai utilizando dados SRTM Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p. 1106-1115 Análise hipsométrica da parte brasileira da bacia do rio Paraguai utilizando dados SRTM Murilo Raphael Dias Cardoso¹ Leonardo de Castro Araújo¹ Ricardo

Leia mais

Análise e caracterização geoambiental da bacia hidrográfica do córrego da Onça

Análise e caracterização geoambiental da bacia hidrográfica do córrego da Onça Análise e caracterização geoambiental da bacia hidrográfica do córrego da Onça Três Lagoas - MS Mônica de Lima Gonzaga, José Augusto de Lollo Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Faculdade de

Leia mais

USO DA EQUAÇÃO USLE EM SIG NA IDENTIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE EROSÃO LAMINAR

USO DA EQUAÇÃO USLE EM SIG NA IDENTIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE EROSÃO LAMINAR USO DA EQUAÇÃO USLE EM SIG NA IDENTIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DE EROSÃO LAMINAR Jorge Octavio da S. Roriz Graduando em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS André

Leia mais

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) 1 Bolsista PBIC/UEG; Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 2 Orientador, Curso de Geografia, Unidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO MALHEIRO, NO MUNICÍPIO DE SABARÁ MG

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO MALHEIRO, NO MUNICÍPIO DE SABARÁ MG 398 ISSN 1808-3765 CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO MALHEIRO, NO MUNICÍPIO DE SABARÁ MG Wellington Marçal de Carvalho; Edson de Oliveira Vieira; Jussara Machado Jardim Rocha;

Leia mais

Ciclo hidrológico: ciclo fechado no qual a água de movimenta

Ciclo hidrológico: ciclo fechado no qual a água de movimenta Ciclo hidrológico e qualidade da água Ciclo hidrológico: ciclo fechado no qual a água de movimenta A água está em constante movimento e descreve um ciclo na natureza: evapora do mar, açudes, rios lagoas

Leia mais

FOLHA DE PROVA. Tabela 1: Características operacionais de campo. Operação Aração 1,20 5,50 78 Gradagem 3,40 7,10 80 Semeadura 3,50 6,00 65

FOLHA DE PROVA. Tabela 1: Características operacionais de campo. Operação Aração 1,20 5,50 78 Gradagem 3,40 7,10 80 Semeadura 3,50 6,00 65 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Tema 01: MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Um produtor rural realizará a semeadura de soja em um área de 35 ha, após o preparo do solo. O preparo do solo

Leia mais

Análise das características morfométricas e de susceptibilidade a enchentes da sub-bacia do Rio das Fêmeas, Oeste da Bahia com uso de Geotecnologias

Análise das características morfométricas e de susceptibilidade a enchentes da sub-bacia do Rio das Fêmeas, Oeste da Bahia com uso de Geotecnologias Análise das características morfométricas e de susceptibilidade a enchentes da sub-bacia do Rio das Fêmeas, Oeste da Bahia com uso de Geotecnologias Nayara Silva Souza 1 Jossy Mara Simões Cardoso 1 Wanderley

Leia mais

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Universidade Federal de Santa Maria Professores: Jean P.G. Minella, José Miguel Reichert, Dalvan J. Reinert Universidade

Leia mais

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - BACIAS HIDROGRÁFICAS CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITACAIÚNAS-PA

ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - BACIAS HIDROGRÁFICAS CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITACAIÚNAS-PA ARTIGO COM APRESENTAÇÃO BANNER - BACIAS HIDROGRÁFICAS CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITACAIÚNAS-PA BRUNO CHAVES CARVALHO, SILVANA NASCIMENTO E SILVA O estudo das características

Leia mais

APLICAÇÃO DE METODOLOGIAS NA DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO DE DRENAGEM PLUVIAL URBANA CÓRREGO PORTINHO PACHE

APLICAÇÃO DE METODOLOGIAS NA DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO DE DRENAGEM PLUVIAL URBANA CÓRREGO PORTINHO PACHE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E TRANSPORTES APLICAÇÃO DE METODOLOGIAS NA DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO DE DRENAGEM PLUVIAL

Leia mais

RELAÇÃO SOLO-PAISAGEM EM TOPOSSEQUÊNCIA NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO, MINAS GERAIS (BR).

RELAÇÃO SOLO-PAISAGEM EM TOPOSSEQUÊNCIA NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO, MINAS GERAIS (BR). RELAÇÃO SOLO-PAISAGEM EM TOPOSSEQUÊNCIA NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO, MINAS GERAIS (BR). Souza, B. B. de *1 ; Prado, T. A. B. 2 Prado, R. C. 2 ; Vitti, A. C. 3 ; Prado, H. 4 1 Universidade Estadual Paulista

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO

SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO SUSCEPTIBILIDADE E POTENCIALIDADE À EROSÃO LAMINAR NA BACIA DO CÓRREGO BARREIRO - GOIÂNIA GO André Souto REZENDE, GECON/UFG andresoutoufg@hotmail.com Patrícia Araújo ROMÃO, IESA/UFG pat_iesa@yahoo.com.br

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO MEIO FÍSICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DA VEREDA, RIO EMBU MIRIM, SP.

DIAGNÓSTICO DO MEIO FÍSICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DA VEREDA, RIO EMBU MIRIM, SP. DIAGNÓSTICO DO MEIO FÍSICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DA VEREDA, RIO EMBU MIRIM, SP. Rita Monteiro Falcão - Aluna do curso de Geografia da FFLCH/USP. E-mail: rita.falcao@usp.br Emerson Galvani -

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS Bárbara Hollo de Andrade 1 ; Mayara Saragosa Biazi 2 ; Paulo Tarso Sanches de Oliveira 3 ; Dulce Buchala

Leia mais

Geotecnologias para a caracterização morfométrica de bacia hidrográfica

Geotecnologias para a caracterização morfométrica de bacia hidrográfica Geotecnologias para a caracterização morfométrica de bacia hidrográfica Dr. Augusto Francisco da Silva Neto 1 Dr. Carlos Lamarque Guimarães 1 Jacqueline Sobral de Araújo 1,2 Janaína Sobral de Araújo 2

Leia mais

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC HADLICH, G. M.¹ ¹ Universidade Federal da Bahia, Instituto de Geociências, Depto. Geoquímica

Leia mais

Revista Brasileira de Geografia Física

Revista Brasileira de Geografia Física Revista Brasileira de Geografia Física ISSN:1984-2295 Homepage: www.ufpe.br/rbgfe Caracterização Morfométrica como Base para o Manejo da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco Acre Francisco Ivam Castro

Leia mais

Novos conceitos da agropecuária para preservação das bacias hidrográficas

Novos conceitos da agropecuária para preservação das bacias hidrográficas Estratégias Novos conceitos da agropecuária para preservação das bacias hidrográficas Walter de Paula Lima* Centro de Métodos Quantitativos ESALQ/USP Apesar de a água ser um dos elementos essenciais para

Leia mais

ANÁLISE HIDROCLIMÁTICA DE UM SETOR DO MÉDIO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PACOTI-CE.

ANÁLISE HIDROCLIMÁTICA DE UM SETOR DO MÉDIO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PACOTI-CE. ANÁLISE HIDROCLIMÁTICA DE UM SETOR DO MÉDIO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PACOTI-CE. Autor: Pedro Henrique Balduino de Queiroz - Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Ceará- e-mail: pedrobalduino@hotmail.com

Leia mais

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE Caracterização e dinâmica do uso do solo em área de influência direta do município de Conceição do Araguaia, Pará: o caso da sub-bacia do córrego São Domingos Rayane Pacheco Costa 1 Jacqueline Bailão da

Leia mais

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 2 Profª. Priscila Pini

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 2 Profª. Priscila Pini HIDROLOGIA AULA 11 5 semestre - Engenharia Civil ESCOAMENTO SUPERFICIAL 2 Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br INTRODUÇÃO Bacia hidrográfica transforma chuva em vazão Chuva que escoa superficialmente:

Leia mais

RESUMO MORPHOMETRIC CHARACTERIZATION AND LAND S DISTRIBUTIONS OF BATATAIS CITY, SP ABSTRACT

RESUMO MORPHOMETRIC CHARACTERIZATION AND LAND S DISTRIBUTIONS OF BATATAIS CITY, SP ABSTRACT CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA E DISTRIBUIÇÃO DO SOLO DO MUNICÍPIO DE BATATAIS, SP. Marcelo Augusto Berro 1; Prof. Dr. Teresa Cristina Tarlé Pissarra 2 ; Flávia J. de Carvalho Brandão 3 ; Marcelo Zanata 3

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça CICLO HIDROLÓGICO E BACIAS HIDROGRÁFICAS 1) Introdução - Hidrologia: (Hydor = água;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA DO CÓRREGO SÃO PEDRO EM UBERLÂNDIA MG UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA DO CÓRREGO SÃO PEDRO EM UBERLÂNDIA MG UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA DO CÓRREGO SÃO PEDRO EM UBERLÂNDIA MG UTILIZANDO TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO Ana Clara Mendes Caixeta 1 * & Luiz Nishiyama 2 Resumo Este trabalho tem a proposta de

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA Clima urbano e qualidade socioambiental Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim João Lima Sant Anna Neto Este projeto tem como objetivo identificar como se processa a produção do clima urbano em cidades

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PEQUENO EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS (PR)

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PEQUENO EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS (PR) Marcia Regina Gomes de Jesus Soares & Jorge Luiz Moretti de Souza ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PEQUENO EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS (PR) MORPHOMETRIC ANALYSIS OF THE RIVER PEQUENO WATERSHED

Leia mais

Análise morfométrica da microbacia hidrográfica do córrego rico, região nordeste do Estado de São Paulo.

Análise morfométrica da microbacia hidrográfica do córrego rico, região nordeste do Estado de São Paulo. Análise morfométrica da microbacia hidrográfica do córrego rico, região nordeste do Estado de São Paulo. Teresa Cristina Tarlé PISSARRA 1 ; Maurício José BORGES 2 ; João Antonio GALbIAttI 3 ; Flavia Mazzer

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 CARTOGRAFIA DIGITAL COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL DA SUB-BACIA DO RIO COTINGUIBA(SE) LIMA, A. S. 1 ; SANTANA, L. B. 2 ; FONTES, A. L. 3 ; ALMEIDA, J. A. P. 4 RESUMO: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO

MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/ Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 RESUMO MAPA GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DA PORÇÃO SUDOESTE DE ANÁPOLIS- GO EM ESCALA 1/25.000 Frederico Fernandes de Ávila 1,3 ;Homero Lacerda 2,3 1 Bolsista PIBIC/UEG 2 Orientador - Pesquisador 3 Curso de Geografia,

Leia mais