MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE"

Transcrição

1 MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS 1 INTRODUÇÃO 2 A ESTRUTURA CONCEPTUAL DE ACORDO COM O SNC 2-1 O Património 2-2 Factos Patrimoniais 3 CONTAS E CLASSES DE CONTAS 3-1 Noção de Conta 3-2 Elementos Constitutivos de uma Conta 3-3 Características da Conta 3-4 Representação gráfica e saldo de uma Conta 3-5 Os Registos Contabilísticos: o Método Diagráfico 3-6 As Demonstrações Financeiras A Estrutura Conceptual do SNC Conjunto Completo de Demonstrações Financeiros Utentes e as suas necessidades de Informação Objetivos das Demonstrações Financeiras Posição Financeira O Desempenho Alterações na Posição Financeira Pressupostos subjacentes e características qualitativas das Demonstrações Financeiras Elementos das Demonstrações Financeiras Reconhecimento dos Elementos das Demonstrações Financeiras Bases para a Apresentação de Demonstrações Financeiras 4 NORMAS CONTABILÍSTICAS E DE RELATO FINANCEIRO (NCRF) 4-1 O que são as NCRF 4-2 O que é a NCRF-PE

2 CAPÍTULO III. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ENQUADRAMENTO FISCAL 1 MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1-1 O Balanço Análise dos modelos de Balanço 1-2 A Demonstração dos Resultados 1-3 A Demonstração dos Fluxos de Caixa A ligação da Demonstração de Fluxos de Caixa com o Balanço e a Demonstração dos Resultados 1-4 Demonstração das Alterações no Capital Próprio no Período Análise das alterações Alterações no período não relacionadas com detentores do capital Operações no período com detentores de capital 1-5 Anexo 2 MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 2-1 Obrigatoriedade, dispensa e exclusão de Consolidação de Contas 2-2 Métodos de Consolidação de Contas 2-3 Procedimentos de Consolidação Introdução Processo de Consolidação segundo o método da consolidação integral Divulgações 3 ENQUADRAMENTO FISCAL 3-1 Sujeitos Passivos e objeto do IRC 3-2 Apuramento do lucro tributável de entidades residentes Considerações Preliminares O Lucro Tributável de acordo com o art.º 17.º do CIRC Introdução Periodização do lucro tributável Resultado Líquido do Exercício Variações patrimoniais Positivas e Negativas Correções nos termos do CIRC Introdução Encargos Não Dedutíveis Para Efeitos Fiscais Realizações de utilidade social e quotizações a favor de associações empresariais Realizações de utilidade social dedutíveis sem limite

3 Realizações de utilidade social dedutíveis com limite Quotizações a favor de associações empresariais CAPÍTULO IV. ESTUDO DAS CONTAS SECÇÃO 1. CLASSE 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 1 INTRODUÇÃO 2 COMPOSIÇÃO DA CLASSE Conta 11 - Caixa Conteúdo Movimentação As diferenças de Câmbio Cálculo e Registo de Diferenças de Câmbio 2-2 Conta 12 - Depósitos à Ordem Considerações gerais Conteúdo e Movimentação Enquadramento Fiscal 2-3 Conta 13 Outros Depósitos Bancários Conteúdo e Movimentação 2-4 Conta 12 Outros Instrumentos Financeiros Introdução Conteúdo Subcontas da conta - Outros Instrumentos Financeiros (Conta 14) Estudo das Subcontas Derivadas Caracterização dos Derivados Conteúdo da Subconta Derivados Subconta 1411 Derivados Potencialmente Favoráveis Subconta Derivados Potencialmente Desfavoráveis Subconta Instrumentos financeiros detidos para negociação Subconta 1421 Ativos Financeiros Subconta 1422 Passivos Financeiros Subconta Outros Ativos e Passivos Financeiros 2-5 Enquadramento Fiscal Imposto do Selo O Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) 2-6 A Classe 1 e as Demonstrações Financeiras

4 2-7 Conclusões SECÇÃO 2. CLASSE 2 CONTAS A RECEBER E CONTAS A PAGAR 3 INTRODUÇÃO 4 ESTUDO E ANÁLISE DE ALGUMAS CONTAS DA CLASSE Conta 21 Clientes Subcontas da conta Clientes Subconta 211 Clientes C/C Alguns exemplos de aplicação Outras subcontas de Clientes 4-2 Enquadramento Fiscal IRC IVA 4-3 Imparidades e Reversões Subconta 219 Perdas por imparidades acumuladas Enquadramento Fiscal 4-4 Conta 22 Fornecedores Análise de algumas subcontas de fornecedores 4-5 Enquadramento Fiscal IVA 4-6 Conta 229 Perdas por imparidades acumuladas 4-7 Conta 23 - Pessoal Análise de algumas subcontas da Conta 23 Pessoal Enquadramento Fiscal IRC IRS Conta 24 Estado e Outros Entes Públicos Análise das subcontas da Conta Enquadramento Fiscal Continuação da análise das subcontas da Conta Enquadramento Fiscal Análise de Outras Contas da Classe Enquadramento Fiscal SECÇÃO 3. CLASSE 3 INVENTÁRIOS E ATIVOS BIOLÓGICOS 5 INTRODUÇÃO 6 ANÁLISE DAS CONTAS DA CLASSE Conta 31 Compras

5 6-2 Conta 32 Mercadorias Algumas subcontas da Conta 32 Mercadorias 6-3 Conta 33 Matérias-Primas, subsidiárias e de consumo 6-4 Conta 34 - Produtos Acabados e Intermédios Algumas considerações gerais Mensuração subsequente e algumas subcontas da Conta 34 Produtos acabados e intermédios 6-5 Conta 35 Subprodutos, Desperdícios, Resíduos e Refugos 6-6 Conta 36 Produtos e Trabalhos em curso 6-7 Conta 37 - Ativos Biológicos 6-8 Conta 38 Reclassificação e Regularização de Inventários e Ativos Biológicos 6-9 Conta 39 Adiantamentos por Conta de Compras 6-10 Enquadramento Fiscal - IVA SECÇÃO 4. CLASSE 4 INVESTIMENTOS 7 GENERALIDADES 8 ESTUDO DE ALGUMAS CONTAS E SUBCONTAS DA CLASSE Conta 41 Investimentos financeiros Mensuração dos Investimentos Financeiros Algumas subcontas da Conta Estudo de algumas subcontas da Conta 41 e dos métodos de mensuração Estudo de subcontas Aplicações dos Métodos de Mensuração dos Investimentos Financeiros 8-2 Conta 42 Propriedades de Investimento Subcontas da Conta 42 Propriedade de Investimento 8-3 Conta 43 Ativos Fixos Tangíveis Reconhecimento e mensuração Subcontas da Conta 43 Ativos fixos tangíveis e sua análise Fatores a considerar na determinação das perdas, por imparidade de um ativo fixo tangível 8-4 Conta 44 Ativos financeiros Introdução Reconhecimento e Mensuração dos Ativos intangíveis Reconhecimento e Mensuração inicial Mensuração após reconhecimento Subcontas da Conta 44 Ativos intangíveis

6 8-5 Conta 45 Investimentos em curso 8-6 Conta 46 Ativos não correntes detidos para venda 8-7 Breves considerações sobre as despesas em I & D e sobre o goodwill 8-8 Enquadramento fiscal do justo valor, das perdas por imparidade, das depreciações e das mais ou menos-valias de Investimento O justo valor numa perspetiva fiscal As perdas por imparidade numa perspetiva fiscal, em ativos fixos tangíveis AS depreciações e amortizações na perspetiva fiscal Introdução Método do Cálculo das Depreciações e Amortizações Bases de Cálculo das Depreciações ou amortizações e respetivas Taxas Período máximo e mínimo de vida útil Análise de algumas situações As mais-valias e menos-valias na perspetiva fiscal SECÇÃO 5. CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS 9 INTRODUÇÃO 10 ANÁLISE DAS CONTAS DA CLASSE Conta 51 Capital Movimentos relativos à constituição de sociedades Aumentos e reduções de capital Registos contabilísticos de aumentos do capital Registo contabilísticos de diminuições do capital Amortização do capital 10-2 Conta 52 Ações (quotas) próprias Análise das subcontas da Conta 52 Ações (quotas) próprias Registos Contabilísticos 10-3 Conta 53 Outros instrumentos de capital próprio Introdução 10-4 Conta 54 Prémios de emissão 10-5 Conta 55 Reservas 10-6 Conta 56 Resultados Transitados 10-7 Conta 57 Ajustamentos em ativos financeiros Introdução Subcontas da Conta 57

7 10-8 Conta 58 Excedentes de revalorização de ativos fixos tangíveis e ativos intangíveis Subcontas da Conta Conta 59 Outras Variações de Capital próprio Análise das subcontas Enquadramento Fiscal SECÇÃO 6. CLASSE 6 GASTOS 11 INTRODUÇÃO 12 ANÁLISE DAS CONTAS E SUBCONTAS DA CLASSE 6 13 ENQUADRAMENTO FISCAL SECÇÃO 7. CLASSE 7 RENDIMENTOS 14 INTRODUÇÃO 15 ESTUDO DAS CONTAS DA CLASSE 7 16 ENQUADRAMENTO FISCAL SECÇÃO 8. CLASSE 8 RESULTADOS 17 INTRODUÇÃO 18 CONTA 81 RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 19 CONTA 89 DIVIDENDOS ANTECIPADOS 20 ENQUADRAMENTO FISCAL 20-1 Do Resultado líquido ao resultado fiscal 20-2 Eliminação da dupla tributação económica de lucros distribuídos 20-3 A dupla tributação económica numa perspetiva fiscal 20-4 Medidas antiabuso fiscal 20-5 Determinação do lucro tributável por métodos indiretos Introdução Aplicação de métodos indiretos Impossibilidade de determinação direta e exata da matéria coletável Métodos indiretos Notificação do sujeito passivo e pedido de revisão do lucro tributável Conclusões sobre a determinação do Resultado Fiscal 20-6 O Regime Especial de Tributação dos grupos de Sociedades Introdução Requisitos de aplicação do regime especial Cessação do regime especial Lucro Tributável do grupo 20-7 Enquadramento Fiscal das SGPS em sede de IRC

8 Introdução Regime Fiscal das SGPS Eliminação da dupla tributação económica e retenção na fonte Mais e menos valias decorrentes da venda de participações de sociedades e encargos financeiros da sua aquisição 20-8 Apuramento da matéria coletável, taxas e liquidação Apuramento da matéria coletável Sujeitos passivos residentes Sujeitos passivos não residentes Liquidação do IRC Competências para a liquidação Base de Liquidação e dedução à coleta Pagamento de IRC De entidades que exerçam a título principal atividade comercial, industrial ou agrícola De entidades que não exerçam a título principal atividade comercial, industrial ou agrícola De entidades não residentes sem estabelecimento estável Obrigações acessórias dos sujeitos passivos e garantias dos contribuintes Obrigações declarativas Obrigações contabilísticas das empresas Outras obrigações acessórias Garantias dos contribuintes Caso Prático: Do Resultado Contabilístico ao Resultado Fiscal CAPÍTULO V. PRESTAÇÃO DE CONTAS E ANÁLISE ECONÓMICO FINANCEIRA DE UMA ENTIDADE 1 PRESTAÇÃO DE CONTAS 1-1 Introdução 1-2 Declaração Periódica de Rendimentos 1-3 Declaração anual de informação contabilística e fiscal (IES) 1-4 A Prestação de Contas e a Legislação Comercial 2 A ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA 2-1 Introdução 2-2 A análise do Balanço e da Demonstração de Resultados

9 2-2.1 Balanço Contabilístico versus Balanço funcional Comparação entre rubricas do Balanço Análise da Demonstração dos Resultados por Natureza 2-3 O Método dos Rácios Introdução Rácios Financeiros Rácios Económicos Rácios Económico-financeiros Rácios de Funcionamento 2-4 Dos Indicadores Financeiros à Análise global do Desempenho: o Balanced Scorecard Introdução O Balanced Scorecard a sua evolução O BSC como um sistema de avaliação de desempenho O BSC como sistema de gestão estratégica O BSC nas organizações sem fins lucrativos Conclusões sobre o Balanced Scorecard CAPÍTULO VI. PRÁTICAS PERNICIOSAS NAS OPERAÇÕES SOCIETÁRIAS 1 INTRODUÇÃO 2 QUANTIFICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DO PROBLEMA 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS FRAUDULENTAS 4 MÉTODO DO JURISTA: UTILIZAÇÃO DE GRUPOS DE SOCIEDADES E TRABALHADORES POR CONTA PRÓPRIA PARA ALTERAR OS RESULTADOS 5 A UTILIZAÇÃO DE SOCIEDADES 5-1 Sociedades patrimoniais com fins ilícitos 5-2 Utilização de sociedades para adquirir bens ou serviços de uso particular ou deduzir todo o tipo de despesas pessoais 5-3 Imputação de rendimentos pessoais às sociedades com o objetivo de tributar menos, poder deduzir despesas ou ocultar rendimentos 5-4 Uso de sociedades ou trabalhadores por conta própria interpostos em sociedades profissionais com o objetivo de receber as retribuições através das mesmas e tributar muito menos 5-5 Utilização das sociedades interpostas ou testas de ferro com o objetivo de falsear/ocultar informação 5-6 Uso de sociedades para realizar transferências de bens

10 5-7 Sociedade ecrã 5-8 Utilização de SICAV (Sociedades de Investimentos de Capital Variável) em fraude à lei 5-9 Branqueamento de capitais Criminalidade Económica e Financeira 6 A IMPRENSA E A CORRUPÇÃO 7 A CORRUPÇÃO E AS CONDICIONANTES ECONÓMICAS, SOCIAIS E POLÍTICAS 8 A CORRUPÇÃO E A FISCALIDADE

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016)

CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) CÓDIGO DE CONTAS Portaria 218/2015, de 23 de Julho (Em vigor desde 1 de janeiro de 2016) Para: MICROENTIDADES Conta Descrição 11 CAIXA 111 Caixa 12 DEPÓSITOS Á ORDEM 1201 Banco A 13 OUTROS DEPÓSITOS BANCÁRIOS

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 )

CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) CÓDIGO DE CONTAS (Portaria n.º 218/2015, de 23 de julho 1 ) 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS * 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros * 14 Outros 141

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: GONDOMAR ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 468-I0060-8 0-06-

Leia mais

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução Índice PPU CD 1. Introdução 1.1. Contabilidade 1.1.1. Importância da Contabilidade 1.1.2. Plano de Negócios e Orçamento 1.1.3. Contabilidade de Gestão ou Analítica 1.1.4. Os Preparadores da Informação

Leia mais

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS

C N 2 - CÓDIGO DE CONTAS o m i s s ã o 1 MEIOS FINANEIROS LÍQUIDOS * 11 aixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Instrumentos financeiros * 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente desfavoráveis

Leia mais

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas PROGRAMA 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira (1 hora: Sandra Alves) 1.1. A Contabilidade Financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas

Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas Contabilidade Geral Carga horária: 52 horas PROGRAMA 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira (1 hora: Sandra Alves) 1.1. A Contabilidade Financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Fiscalidade Carga horária: 36 horas

Fiscalidade Carga horária: 36 horas Fiscalidade Carga horária: 36 horas PROGRAMA 1. O Sistema Fiscal Português (1 hora: Sérgio Cruz) 1.1. Os impostos nos orçamentos do Estado 1.2. Evasão e fraude fiscais 1.3. Benefícios fiscais 1.4. Contencioso

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves José Eduardo Mendonça S. Gonçalves Contribuições dos sócios 51 Capital * Nota: para efeitos de apresentação no Balanço, deduzir saldos das contas: 261 Accionistas c/ subscrição * 262 Quotas não liberadas

Leia mais

Taxonomias e Plano de Contas

Taxonomias e Plano de Contas Taxonomias e Plano de Contas Julho de 2017 Nota: qualquer dúvida ou sugestão poderá ser colocada através da sua Pasta CC Taxonomias e Plano de Contas A Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) é o órgão

Leia mais

Contabilidade Geral. 1. Fundamentos da contabilidade Financeira. 2. Normalização contabilística. 3. Estrutura conceptual da contabilidade financeira

Contabilidade Geral. 1. Fundamentos da contabilidade Financeira. 2. Normalização contabilística. 3. Estrutura conceptual da contabilidade financeira Contabilidade Geral 1. Fundamentos da contabilidade Financeira 1.1. A contabilidade financeira 1.1.1. Conceito e divisões da Contabilidade 1.1.2. A importância da informação financeira para a tomada de

Leia mais

Contabilidade Financeira aos Sabados

Contabilidade Financeira aos Sabados Contabilidade Financeira aos Sabados 1 Com: 2 Técnico de Conta nº 3211 3 Modulo I Contabilidade Geral História e Noção O Património A Conta Demostrações Financeiras 4 Aula nº 3 A CONTA 5 Sumário: A Conta

Leia mais

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA

Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente. Cód. Validação: LISBOA IES Informação Empresarial Simplificada DECLARAÇÃO ANUAL Ano Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração IES/DA Via Internet - Informação Vigente 0 6-I000-0-06-07

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DE 2010 Resumo Antes de discriminar em pormenor as várias rubricas deste mapa, saliente-se a diferença positiva entre os valores activos e passivos, como se pode constatar dos valores abaixo discriminados: ACTIVO

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Sectorial e Consolidação de Contas

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Sectorial e Consolidação de Contas INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 3. Inventários e Activos Biológicos Consideram-se inventários todos os bens armazenáveis adquiridos ou produzidos pela empresa equesedestinamàvendaouaseremincorporadosnaprodução.

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2014 Identificação da Declaração: Data da recepção: 29/06/2015 1. Identificação da Instituição Nome: CENTRO DE APOIO SOCIAL DO NADADOURO Morada: R DA AVÉ

Leia mais

PARTE PRÁTICA (13 valores)

PARTE PRÁTICA (13 valores) PARTE PRÁTICA (13 valores) 1 - A empresa Mãe, SA, detém 80% do Capital da empresa Filha, SA, participação esta que foi adquirida, em N, por 340.000 Euros. Em 31 de Dezembro de N, as empresas do Grupo apresentavam

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Financeira I

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade Financeira I INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 28/10/2015 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 16/12/2015 Ficha de

Leia mais

Índice 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demostrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas

Leia mais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Programa da Componente Profissional Área de Direito Tributário Substantivo e Processual 1.º Ciclo de formação teórico-prática II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Introdução

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

Obrigações Fiscais e a relação com o Estado

Obrigações Fiscais e a relação com o Estado Obrigações Fiscais e a relação com o Estado Fernando Almeida Junho 2017 Imposto Sobre o Rendimento IRS IRC Imposto sobre o Valor Acrescentado Segurança Social IRS Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS

PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS ENTREGUE PEÇAS FINAIS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS NÚCLEO DE ORÇAMENTO DAS ANO DE 2015 E CONTAS DE IPSS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DENOMINAÇÃO: CENTRO DE BEM ESTAR SOCIAL DE SEIXAS

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA

CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA CURPI COMISSÃO UNITÁRIA DE REFORMADOS PENSIONISTAS E IDOSOS DE SÃO JOÃO DA TALHA Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2015 Balanço CURPI SÃO JOÃO DA TALHA BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RUBRICAS

Leia mais

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015

Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 Centro Social de Figueiró do Campo Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro 2015 BALANÇO A 31/12/2015 RUBRICAS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente Activos fixos tangíveis 1.070.124,56 1.076.316,75 Bens

Leia mais

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015)

BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) RUBRICAS BALANÇO (em 31 de Dezembro de 2015) NOTAS Demonstrações Financeiras Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2015 2014 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 4 236.628,46 246.515,69

Leia mais

C I L E A. O Impacto das Normas Internacionais de Contabilidade no Sistema Tributário dos Países que compõem o CILEA. Portugal

C I L E A. O Impacto das Normas Internacionais de Contabilidade no Sistema Tributário dos Países que compõem o CILEA. Portugal C I L E A XXIII Seminário Internacional do CILEA O Impacto das Normas Internacionais de Contabilidade no Sistema Tributário dos Países que Portugal Balneário Camboriú - Santa Catarina Brasil 21 de Julho

Leia mais

3.1.Bases de mensuração usadas na preparação das DFs

3.1.Bases de mensuração usadas na preparação das DFs 1.Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2013 INTRODUÇÃO A empresa ERNESTO JESUINO MARTINS AUGUSTO, NIF.163479127, é um empresário em nome individual tendo sede em Fânzeres, tendo como actividade principal

Leia mais

MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS

MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESÁRIAS MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS Caso Prático nº 4 Determinação da Matéria Colectável Curso EFA NS Técnicas Administrativas Formadora: Dra. Susana Rodrigues Formanda:

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 25/06/2015 1. Identificação da Nome: FUNDAÇÃO MARIA LUISA RUAS Morada: GESTEIRA C. Postal: 3130-062 Localidade:

Leia mais

BALANÇO E CONTAS 2014

BALANÇO E CONTAS 2014 Fundação Manuel Leão BALANÇO E CONTAS 2014 Versão provisória Balanço - (modelo para ME) em 31-12-2014 (montantes em euros) RUBRICAS DATAS NOTAS 2014 2013 ATIVO Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

Questões Frequentes Decreto-Lei n.º 66/2016, de 3 de novembro Regime facultativo de reavaliação do ativo fixo tangível e propriedades de investimento

Questões Frequentes Decreto-Lei n.º 66/2016, de 3 de novembro Regime facultativo de reavaliação do ativo fixo tangível e propriedades de investimento Questões Frequentes Decreto-Lei n.º 66/2016, de 3 de novembro Regime facultativo de reavaliação do ativo fixo tangível e propriedades de investimento 1. Qual o principal objetivo do regime facultativo

Leia mais

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA

APARTAMENTOS TURISTICOS DE AMORIM & SANTOS LDA CARATERIZAÇÃO DA EMPRESA Nome: Setor de Atividade Económica (CAE Rev.3): Classe de Dimensão: Localização da Sede (Distrito): Natureza Jurídica: Maturidade: 55118 - Apartamentos turísticos com restaurante

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, SA

Caixa Geral de Depósitos, SA 164 Relatório e Contas 2011 CGD 1.13. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) 31.12.2011 Pro forma 31.12.2010 Pro forma 01.01.2010 ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões,

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Fiscalidade II

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Fiscalidade II INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 30/07/2013 1. Identificação da Nome: FUNDAÇÃO MANUEL FRANCISCO CLERIGO Morada: R MANUEL FRANCISCO CLERIGO

Leia mais

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos

Fundação Gaspar e Manuel Cardoso I.P.S.S. Instituição Particular de Solidariedade Social Sem Fins Lucrativos INDICE INDICE... 1 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 3 2 REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1 Demonstrações Financeiras... 4 3 PRINCIPAIS POLÍTICAS DE CONTABILIZAÇÃO...

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: Identificação da Declaração: Data da recepção: 13/04/2016 1. Identificação da Nome: SANTA CASA DA MISERICORDIA DE PORTO DE MOS Morada: R FRANCISCO SERRA

Leia mais

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015

Demonstrações Financeiras Individuais Exercício 2015 Exercício 2015 Monteiro & Guimarães, Lda Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 4 Demonstração dos Resultados Individuais em 5 Anexo 1. Nota introdutória...

Leia mais

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS

5. NÚMERO MÉDIO DE UTENTES E DE PESSOAS AO SERVIÇO DA INSTITUIÇÃO REPARTIDO POR VALÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO FINANCEIRA COMPROVATIVO DE ENTREGA DA CONTA DE GERÊNCIA Ano: 2012 Identificação da Declaração: Data da recepção: 27/06/2014 1. Identificação da Instituição Nome: CRECHE HELENA ALBUQUERQUE

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2014 Centro Paroquial e Social de Calheiros RUBRICAS BALANÇO INDIVIDUAL Dezembro 2014 NOTAS Montantes expressos em EURO PERÍODOS 2014 2013 ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 279.778,88 285.103,71

Leia mais

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM

A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Normalização Contabilística: Presente e Futuro - CNC A aplicação da Normalização Contabilística para as Microentidades - NCM Carlos Martins Lisboa, 15 de Dezembro de 2011 ÍNDICE Enquadramento e alguns

Leia mais

Contabilidade Financeira II

Contabilidade Financeira II Contabilidade Financeira II Gestão; Finanças e Contabilidade 2011/2012 Exame - 2ª época 11/junho/2012 Informações e Sugestões 1. A resolução da prova terá início após a leitura do enunciado e o esclarecimento

Leia mais

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores)

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores) INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS Exame Época Normal 01 de Fevereiro de 2013 Duração: 2H 30M Por favor leia com atenção antes

Leia mais

ÍNDICE SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 DECRETO LEI N. 158/2009, DE 13 DE JULHO. Inclui a Declaração de Retificação n.

ÍNDICE SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 DECRETO LEI N. 158/2009, DE 13 DE JULHO. Inclui a Declaração de Retificação n. ÍNDICE SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 DECRETO LEI N. 158/2009, DE 13 DE JULHO (Aprova o SNC) Inclui a Declaração de Retificação n. 67 B/2009, de 11 de setembro, as alterações resultantes da Lei

Leia mais

Centro Social Paroquial de São Nicolau

Centro Social Paroquial de São Nicolau Centro Social Paroquial de São Nicolau Anexo às Demonstrações Financeiras de 2015 1. Caracterização da entidade O Centro Social Paroquial de São Nicolau foi constituído em 1993 e tem a sua sede social

Leia mais

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011

CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 CONTABILIDADE II Caderno de Exercícios Método da Equivalência Patrimonial Ano Lectivo 2010/2011 Fevereiro 2011 EXERCÍCIO Nº 1 Aplicação do MEP 1. A entidade A adquiriu 40% do capital da entidade X por

Leia mais

O envio do questionário da FASE 1 não invalida o preenchimento do questionário da FASE 2.

O envio do questionário da FASE 1 não invalida o preenchimento do questionário da FASE 2. outro logótipo, se se aplicar INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 9966 VÁLIDO ATÉ 2011/12/31 ITENF -

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ESCLEROSE MÚLTIPLA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS Activo 31-12-2015 31-12-2014 Activo não

Leia mais

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas

Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas Tópicos - Concentrações de actividades empresariais Método de Equivalência Patrimonial (Introdução à) Consolidação de Contas NCRF14 Concentrações de actividades empresariais Definições ( 9) Concentração

Leia mais

Portaria n. º 1011/2009, approving the Accounting Code (Código de Contas) was published

Portaria n. º 1011/2009, approving the Accounting Code (Código de Contas) was published Portaria n.º 1011/2009 Foi publicada a Portaria n.º 1011/2009 que aprova o Código de Contas (CC). O Código de Contas constitui um dos elementos fundamentais do Sistema de Normalização Contabilística (SNC),

Leia mais

TOTAL DO ACTIVO , ,68

TOTAL DO ACTIVO , ,68 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2015 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BALLANÇO:: PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2015 ACTIVO NÃO

Leia mais

Tributação das Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos

Tributação das Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos Tributação das Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos Mariana Gouveia de Oliveira Índice 1. Perspetiva Geral 2. Alterações ao Regime de Participation Exemption 3. Reporte de Prejuízos 4. Tributação

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= FUNDAÇÃO PADRE LUIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= BALANÇO EM 31/12/2015 BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas Ativo NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Ativo não corrente Ativos fixos tangíveis

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas Balanço (5 Pocal) Demonstração de Resultados (6 Pocal) Controlo Orçamental Despesa (7.3.1 Pocal) Controlo Orçamental Receita (7.3.2 Pocal) Execução Anual do Plano Plurianual

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I Ano Académico: 2013/2014 Semestre: 1º Docente(s): Helena Brissos de Almeida Luiz Ribeiro Descrição: Em Contabilidade Financeira I analisamos as normas contabilísticas correntemente

Leia mais

Capítulo 1. Conceitos fundamentais. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia

Capítulo 1. Conceitos fundamentais. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Capítulo 1 Conceitos fundamentais EXERCÍCIO 1.01: CONCEITOS FUNDAMENTAIS Para cada uma das seguintes questões escolha a opção mais adequada, marcando a mesma com um círculo. 1. Os recursos utilizados por

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 =========

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2015 ========= ASSOCIAÇÃO DE JUDO DO DISTRITO DO PORTO BALANÇO EM 31/12/2015 Rubricas NOTAS DATAS 31-12-2015 31-12-2014 Activo

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS GRANDES CONTRIBUINTES

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS GRANDES CONTRIBUINTES PAULA ROSADO PEREIRA Doutora em Direito Professora da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Consultora da SRS Advogados TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2013 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 213 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Fundação Comendador Joaquim de Sá Couto 1.2 Sede: Rua do Hospital, 7 4535 São

Leia mais

O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC

O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho BOLETIM INFORMATIVO 07 de Fevereiro de 2014 O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC Contributos para o exercício de uma correcta opção NOTA: - Opção até 28/02/2014

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

Alterações ao SNC Breve Síntese

Alterações ao SNC Breve Síntese Alterações ao SNC 2016 - Breve Síntese A publicação do Decreto-Lei n.º 98/2015 transpõe para o ordenamento jurídico interno a Directiva Europeia de Contabilidade, que em conjunto com a publicação das Portarias

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ACTIVO 2012 2011 PASSIVO E FUNDOS PRÓPRIOS 2012 2011 DISPONIBILIDADES 142,881,801 121,846,458 DEPÓSITOS APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Depósitos à ordem 355,298,564

Leia mais

CURSO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CURSO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS CURSO CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy Consolidação

Leia mais

Plano de Curso PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA E FISCAL DE EMPRESAS. Organização:

Plano de Curso PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA E FISCAL DE EMPRESAS. Organização: Plano de Curso PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA E FISCAL DE EMPRESAS Organização: Objetivos gerais A pós-graduação tem como objetivo a obtenção de competências especializadas nas várias vertentes da

Leia mais

PERSPETIVAS DE REFORMA DO IRS. Miguel Sousa e Silva

PERSPETIVAS DE REFORMA DO IRS. Miguel Sousa e Silva PERSPETIVAS DE REFORMA DO IRS Miguel Sousa e Silva Objetivos da reforma Proteção da família. Fomento da mobilidade social e geográfica. Simplificação do imposto. Proteção da família Quociente familiar:

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) IES DECLARAÇÃO ANUAL (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM A TÍTULO PRINCIPAL ACTIVIDADE COMERCIAL INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) 01 No DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 Artigo 32.º Notificação O Secretário -Geral do Conselho da Europa notificará os Estados membros do Conselho, a Comunidade Europeia, os Estados

Leia mais

FORMAÇÃO SEGMENTADA FORMAÇÃO PERMANENTE FORMAÇÃO DISTÂNCIA

FORMAÇÃO SEGMENTADA FORMAÇÃO PERMANENTE FORMAÇÃO DISTÂNCIA PLANO GLOBAL DE FORMAÇÃO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 2011 FORMAÇÃO SEGMENTADA FORMAÇÃO PERMANENTE FORMAÇÃO DISTÂNCIA ACTUALIZADO 11 DE JANEIRO DE 2011 CÓDIGO CONTRIBUTIVO DA SEGURANÇA SOCIAL FORMAÇÃO SEGMENTADA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 Designação da entidade: Associação de Natação da Madeira; 1.2 Sede: Complexo de Natação Desportiva do Funchal, 9050-021 Funchal; 1.3 NIPC: 511205350; 1.4 Natureza da atividade:

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014 Relatório de Desempenho Controlo de Gestão Junho de 2014. Conteúdo 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 Principais Indicadores... 3 2. DESEMPENHO ECONÓMICO... 4 Comparação com o planeado... 4 Evolução face ao ano

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE ATALAIA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2015 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação ÍNDICE 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

APPDA-Norte, Assoc. Portug. Pert. Desenv. Autismo. Anexo

APPDA-Norte, Assoc. Portug. Pert. Desenv. Autismo. Anexo APPDA-Norte, Assoc. Portug. Pert. Desenv. Autismo Anexo Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B 20 Outubro de 2012 Duração da prova: 90 minutos 1º TESTE INTERMÉDIO Atenção

Leia mais

CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS

CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS A classe 5 representa os fundos aplicados pelos sócios ou proprietários e os resultados não levantados ou distribuídos (que irá constituir as reservas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE JULHO 2016 Dia 11: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade CASFIG Coordenação de Âmbito Social

Leia mais

Venda de 2% do BFA. Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI. 11 Novembro 2016

Venda de 2% do BFA. Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI. 11 Novembro 2016 Venda de 2% do BFA Impacto nas demonstrações financeiras consolidadas e nos rácios de capital do Banco BPI 11 Novembro 2016 Impacto da venda de 2% nas contas consolidadas do BPI Em 7 de Outubro de 2016

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores)

CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS. I GRUPO (5 valores) INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO CONTABILIDADE DOS GRUPOS E DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS Exame de Recurso 18 de Fevereiro de 2013 Duração: 2H 30M Por favor leia com atenção antes

Leia mais

Relatório de Disciplina de Mercado Aviso 10/2007 do Banco de Portugal 31 de Dezembro de 2014

Relatório de Disciplina de Mercado Aviso 10/2007 do Banco de Portugal 31 de Dezembro de 2014 Relatório de Disciplina de Mercado Aviso 10/2007 do Banco de Portugal 31 de Dezembro de 2014 Nota introdutória Este documento Disciplina de Mercado corresponde à resposta da Optimize Investimento SGPS

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS 2014

RELATÓRIO DE CONTAS 2014 RELATÓRIO DE CONTAS 2014 CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO Agência Fontes de Júlio dos Santos Fontes Lda. @ geral@agenciafontes.pt tel. 227 441 281 FICHA TÉCNICA Proprietário CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO

Leia mais

O PROCESSO DE DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE UMA SOCIEDADE

O PROCESSO DE DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE UMA SOCIEDADE O PROCESSO DE DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE UMA SOCIEDADE TESE DE MESTRADO DE SUSANA FINO Maio de 2009 1 Índice 1. Apresentação do caso 2. Resolução do caso a) Direito Societário b) Contabilidade c) Fiscalidade

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR 1.º SEMESTRE DE 2016 O BIM - Internacional de Moçambique, S.A., com o intuito de manter informados os senhores Clientes e o público em geral da evolução da sua actividade,

Leia mais

Anexo. 2. Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras

Anexo. 2. Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras Anexo 1. Identificação da Entidade A SANTA CASA DA MISERICORDIA DE CARREGAL DO SAL é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob a forma de IPSS. Tem como atividade Lar de Idosos, Creche e Estabelecimento

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Aula 14. sobre todas as fases do circuito. Contabilidade Financeira I Francisco Antunes

Aula 14. sobre todas as fases do circuito.  Contabilidade Financeira I Francisco Antunes Aula 14 http://www.webx.ubi.pt/~fantunes Início IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o consumo (embora sejam as empresas as entidades que têm de entregar o imposto ao Estado, quem o suporta

Leia mais