Gestão da melhoria contínua: modelo de boas práticas e aplicação em uma empresa de médio porte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da melhoria contínua: modelo de boas práticas e aplicação em uma empresa de médio porte"

Transcrição

1 Gestão da melhoria contínua: modelo de boas práticas e aplicação em uma empresa de médio porte Rosicler Simões (UFSCar) Dário Henrique Alliprandini (Faculdade Etapa e PPGEP/UFSCar) Resumo Este artigo apresenta a concepção e aplicação de um modelo de gestão da melhoria contínua para uma empresa manufatureira de médio porte. A gestão da melhoria contínua, neste trabalho, foi abordada através de vários contextos, na visão de vários autores, incluindo os clássicos na gestão da qualidade. Entre os assuntos abordados estão aspectos gerais da melhoria contínua da produção, tipos de melhoria, abordagens habilitadoras da melhoria contínua da produção, modelos para gestão da melhoria contínua, aspectos estruturais da melhoria contínua da produção, habilidades para a melhoria contínua da produção e ferramentas da melhoria contínua. Através de uma pesquisa teórica foi previamente concebido um modelo referencial que inclui um conjunto de boas práticas de melhoria contínua. Em seguida foi aplicado o método de pesquisa-ação para estabelecer os passos da implementação, sua avaliação e o aprendizado geral. A proposta deste trabalho foi de contribuir como guia na gestão da melhoria contínua, mediante a disponibilização de um modelo de boas práticas e a sistemática para a aplicação do mesmo. Palavras-chave: Melhoria Contínua (MC); Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ); Boas Práticas. 1. Introdução No mundo atual, o aumento da concorrência, as rápidas mudanças tecnológicas, a diminuição do ciclo de vida dos produtos e as maiores exigências por parte dos consumidores demandam das empresas agilidade, produtividade e alta qualidade que dependem essencialmente da eficiência e eficácia dos seus processos. Para Toledo & Martins (1998) somente a manutenção dos padrões de desempenho não é suficiente para aumentar a capacidade competitiva. É necessário ainda, que a empresa desenvolva melhorias nos seus atuais padrões. As ações de melhoria contínua podem proporcionar rupturas (breakthroughs) ou simplesmente pequenos incrementos, dependendo das necessidades e disponibilidades de recursos da empresa. A melhoria contínua passou a ser requisito dos padrões internacionais NBR ISO 9001 (2000) e ISO/TS (2002), pelo qual a empresa deve continuamente melhorar a eficácia do SGQ por meio do uso da política da qualidade, objetivos da qualidade, resultados de auditorias, análise de dados, ações corretivas e preventivas e análise crítica pela direção. O conceito de melhoria contínua implica um processo sem fim, analisando criticamente os trabalhos e resultados de uma operação. A forma mais usual de realizar a melhoria contínua é por meio do ciclo de planejar, fazer, checar e agir (ciclo PDCA), seqüência na qual os estágios da solução de problemas são vistos como operacionalizando um ciclo. Para Shiba et al. (1997), qualquer atividade pode ser melhorada se sistematicamente se planejar a melhoria, compreender a prática atual, planejar e implementar as soluções, analisar o resultado e suas causas, e começar o ciclo novamente. 1

2 Para Mesquista & Alliprandini (2003), atualmente é razoável admitir que as empresas carecem da coordenação das atividades de melhoria dentro de uma visão sistêmica dos processos existentes. As atividades normalmente focam a solução necessária para se adequar a um outro indicador de desempenho, mas não estendem a análise para implicações em outros processos. Este artigo apresenta a concepção e a aplicação de um modelo de gestão da melhoria contínua para uma empresa manufatureira de médio porte. Para isto foram estabelecidos os objetivos de: a) desenvolver um modelo referencial através de um conjunto das boas práticas da melhoria contínua da produção, e b) aplicar o modelo em uma empresa de médio porte, avaliar os resultados e o aprendizado geral. 2. Método de pesquisa A pesquisa realizada caracterizou-se por ser explicativa, com o método de pesquisa-ação e uma abordagem qualitativa. Conforme a estrutura da pesquisa da Figura 1, a pesquisa iniciou com os conceitos teóricos, através de estudos de autores que tratam a gestão da melhoria contínua. Por meio da pesquisa teórica foi concebido um modelo referencial que inclui um conjunto de boas práticas da melhoria contínua da produção. Em seguida foi aplicado o método de pesquisa-ação na visão de Thiollent (2003) para estabelecer a sistemática de implementação, a aplicação, avaliação dos resultados e o aprendizado geral. CONCEITOS TEÓRICOS Concepção da Gestão de MC da Produção: Modelo e Aplicação SISTEMÁTICA DE COMO IMPLEMENTAR O MODELO APLICAÇÃO EMPRESA ESTUDADA Diagnóstico Dificuldades Resultados Aprendizado CONCLUSÕES 3. Revisão teórica sobre melhoria contínua Figura 1 Estrutura da pesquisa O tema melhoria contínua neste trabalho foi abordado considerando: aspectos gerais da MC da produção, tipos de melhoria, abordagens habilitadoras da MC da produção, modelos para gestão da MC, aspectos estruturais da MC da produção, habilidades para a MC da produção e ferramentas da MC. a) Aspectos gerais da MC produção: segundo Slack et al. (1997) todas as operações, não importa quão bem gerenciadas, são passíveis de melhoramentos, porém, elas precisam de alguma forma de medida de desempenho, como um pré-requisito para melhoramento. Após a determinação da prioridade de melhoramento, uma operação precisa considerar as abordagens ou estratégias adequadas ao processo de melhoramento. Para Slack et al. (1997) existem duas particulares estratégias diferentes e, até opostas em alguma medida, que são o melhoramento revolucionário e o melhoramento contínuo. O melhoramento 2

3 revolucionário também chamado de melhoramento baseado em inovação, vê a taxa de melhoramento ocorrendo com pouca freqüência, mas gerando grandes e dramáticas mudanças. Para o melhoramento contínuo, presume-se uma série sem fim de pequenos passos incrementais de melhoramento. Na MC o tamanho de cada passo não é o mais importante, senão a probabilidade de que o melhoramento vai continuar; b) Tipos de melhoria: Shiba et al. (1997) além de ilustrar a inter-relação entre pensamento (reflexão, planejamento, análise) e experiência (obtenção de informação do mundo real, como entrevistas, experiências ou mensurações numéricas), exibe três tipos de solução de problema ou de melhoria, que são controle de processo, melhoria reativa e melhoria proativa; c) Abordagens habilitadoras da MC da produção: a melhoria contínua é tratada em: Kaizen - conforme Imai (1994), a melhoria contínua está intrínseca, considerando que Kaizen significa contínuo melhoramento, envolvendo todos, inclusive gerentes e operários. KAIZEN significa um esforço constante não apenas para manter, mas também para aperfeiçoar os padrões, pois ele exige os esforços pessoais de praticamente todos; Sistema de Gestão da Qualidade - segundo a ABNT/CB-25 (2000) a MC está entre os oitos princípios da gestão da qualidade, alinhados aos requisitos da norma NBR ISO 9001(2000); Gestão da Qualidade Total - conhecida nos países ocidentais como TQM, essa filosofia de gestão é baseada no princípio de melhoria contínua de produtos e processos conforme Toledo & Carpinetti (2000). Para Merli (1993), a filosofia da Qualidade Total abrange quatro prioridades fundamentais, sendo a MC uma delas, enquanto Shiba et al. (1997) visualiza a melhoria contínua no contexto do TQM, dentro do modelo de quatro revoluções no pensamento administrativo; Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ) - entre os oito critérios de excelência, a melhoria contínua está no ciclo de Aprendizado conforme o Diagrama de Gestão, corroborando com a evolução das práticas de gestão; Produção Enxuta - Cusumano (1994) inclui a melhoria contínua de processo incremental entre os princípios da produção enxuta para alcançar alto nível de qualidade (poucos defeitos) e produtividade. Para Womack & Jones (1998) entre os cinco princípios base da produção enxuta, a perfeição significa melhorar o processo buscando o aperfeiçoamento contínuo em relação a um estado ideal; Seis Sigma - reconhecido como estratégia gerencial e utiliza de forma sistêmica, diversos métodos e ferramentas que elevam exponencialmente a competência empresarial para solucionar problemas complexos e implementar projetos de novos produtos e processos, gerando expressivos resultados financeiros e a melhoria do negócio (BANAS, 2001); d) Modelos para gestão da MC: o modelo de MC segundo Poirier & Houser (1993), o modelo para MC segundo Kaye & Anderson (1999), o modelo para gestão de competências para MC da produção de Mesquita (2001) e os elementos do método de desdobramento de melhoria de Carpinetti et al. (2000), serviram de base para a concepção do modelo de gestão da melhoria contínua apresentado neste trabalho; e) Aspectos estruturais da MC da produção: De Leede & Looise (1999) vêem as organizações como estruturas em três domínios: produto relacionado ao mercado; processo relacionado à tecnologia e capital humano relacionado à mão de obra. Savolainen (1999) afirma que não existe uma melhor maneira para implementar MC, mas sim padrão de comportamento emergente que seja específico a cada organização; f) Habilidades para a MC da produção: Bessant & Francis (1999) mencionam que MC é constituída por três elementos: caminho, posição e processo. O caminho e a posição estão vinculados ao ambiente de produto e mercado, e o processo caracteriza o modo com que 3

4 se fazem as coisas nas organizações, as quais descreve como a mesma aborda questões de inovação, aprendizagem e renovação, baseada em níveis de maturidade; g) Ferramentas da MC: para Carpinetti (1996) dentro dos métodos da qualidade estão o PDCA (método de resolução de problemas) e o QFD (método usado para traduzir as necessidades e os desejos dos clientes em requisitos de projetos dos produtos e serviços) e como ferramentas organizacionais menciona 5S, Brainstorming, 5W2H, Padronização, Análise de Valor, Benchmarking. 4. Gestão da melhoria contínua A gestão da melhoria contínua concebida neste trabalho está representada na Figura 2, através de um modelo que inclui um conjunto de boas práticas da melhoria contínua e a sistemática de implementação deste modelo. Modelo de boas práticas da melhoria contínua O modelo de boas práticas tem como propósito a interação e coordenação das atividades de MC da produção de forma integrada. O modelo apresentado tem como foco central o ser pensante e atuante, pois em cada etapa do modelo existe a representação do homem como função/agente principal de qualquer sistema, responsável pela evolução das atividades da MC, conforme detalhamento estruturado em quatro Fases: GESTÃO DA MELHORIA CONTÍNUA MODELO DE BOAS PRÁTICAS FASE 3 MEDIÇÃO Indicadores Satisf. Cliente Recl. Cliente $ Refugo CLIEN CLIENTE FASE 1 - PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CONCORRÊNCIA COMUNICAÇÃO FASE 2 - EXECUÇÃO Processos, Padronização ISO 9000 Competências, Fornecedores, Normas Regulamentares, TI, Ferramentas de Apoio Auditoria Interna Ações: Corretiva Preventiva Melhoria FASE 4 AUDITORIA E AÇÕES CLIENTE FASE 3 MEDIÇÃO Indicadores Qualidade Produtividade Lucratividade SISTEMÁTICA DE IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO DE BOAS PRÁTICAS Figura 2 Gestão da melhoria contínua Fase 1 - Planejamento: simbolizada pela cabeça do modelo, inclui o pensar, ver, ouvir, sentir e falar. Representa o planejar, onde estão definidos o Planejamento Estratégico, a Concorrência, o Cliente e a Comunicação. Fase 2 - Execução: simbolizada pelo corpo do modelo, representa a digestão do processo de melhoria. Representa a execução das atividades definidas na Fase 1, porém para isso os Processos precisam estar definidos, é necessário que haja uma Padronização utilizando-se um 4

5 modelo de referência para a execução das atividades do SGQ (NBR ISO 9001 ou ISO/TS ou outro referencial). Os Fornecedores, as Normas Regulamentares, e as Competências também devem ser conhecidas. Na execução dessas atividades devem ser utilizadas Ferramentas de Apoio (5S, CEP, PDCA, FMEA, Plano de Sugestões), incluindo a Tecnologia de Informação. As normas NBR ISO 9001 ou ISO/TS são referenciadas devido o reconhecimento mundial delas, além de ser um alicerce para se conduzir as atividades de MC. Fase 3 - Medição: simbolizada pelos braços do modelo, representa a medição das atividades de melhoria planejadas. Representada através de Indicadores de Desempenho, mostra os resultados das atividades de melhoria contínua definidas nas Fases 1 e 2. Fase 4 - Auditoria e Ações: simbolizadas pelo caminhar do modelo, atua na ação e estão sustentadas pela auditoria interna, que verifica a conformidade de todas as atividades definidas no plano de ação, gerando as ações de correção, prevenção e a própria atividade de melhoria como integrante do modelo, caracterizando a evolução da MC. Sistemática para aplicação do modelo de boas práticas da melhoria contínua Para a aplicação do modelo de boas práticas, apresentado na Figura 2, foi utilizado o método de pesquisa-ação, estabelecendo a sistemática estruturada em seis passos conforme Figura 3, e discutida na pesquisa de campo. 1. Fazer diagnóstico 2. Avaliar dificuldades 3. Definir Plano de Ação 6. Novo Diagnóstico 4. Monitorar Figura 3 Sistemática para aplicação do modelo de boas práticas da melhoria contínua 5. Pesquisa de campo 5. Auditar A aplicação do modelo de gestão da melhoria contínua, conforme sistemática definida na Figura 3, aconteceu em uma empresa localizada no interior do estado de São Paulo, operando com 170 funcionários em dois turnos. A empresa produz peças metálicas usinadas para aplicação industrial nos ramos eletrodoméstico e automotivo. O SGQ da empresa está certificado em conformidade com a norma NBR ISO 9001:2000, e em processo de implementação da ISO/TS 16949:2002, com previsão para certificar em Passo 1 - Diagnóstico: de acordo com a proposta deste trabalho, o primeiro passo para a aplicação do modelo inicia com um diagnóstico, para avaliar o estágio em que a empresa se encontra em relação à prática da mesma. O diagnóstico foi realizado conforme o roteiro definido no Quadro 1 que contempla todos os itens dentro de cada uma das quatro fases do modelo de boas práticas proposto. FASE 1- Pla 1 ATIVIDADES A SEREM AVALIADAS Definição dos objetivos e estratégias com foco na melhoria da Planejamento qualidade, produtividade e lucratividade, considerando o ambiente Estratégico interno e externo. 5

6 2 Concorrência Identificação de pontos fortes e fracos em relação à concorrência. 3 Clientes Atendimento às necessidades dos clientes, ouvindo e antecipando às expectativas. 4 Comunicação Sistemática definida e implementada para a comunicação. FASE 2 Execução continuação - ATIVIDADES A SEREM AVALIADAS 5 Processo Definição e monitoramento dos processos internos. 6 Padronização Execução das atividades do SGQ através de modelo de referência: NBR ISO 9001 ou ISO TS ou outro referencial. 7 Fornecedores Identificação de pontos de melhoria nos fornecedores e novas fontes. 8 9 Normas Regulamentares Ferramentas de Apoio 10 Competências 11 Tecnologia da Informação Cumprimento das normas regulamentares/ legislação ambiental. Conhecimento e prática das ferramentas: 5S, CEP, PDCA, FMEA. Definição e implementação de um Plano de Sugestões. Identificação das competências de toda a organização em função da Educação, Habilidade, Experiência e Treinamento. Identificação dos sistemas informatizados que são utilizados para as atividades da qualidade. FASE 3 Medição 12 Indicadores de Desempenho Definição de quais Indicadores de Desempenho são monitorados: Qualidade, Produtividade, Lucratividade, Satisfação de Cliente, Reclamação de Cliente, Custo de Refugo e outros. FASE 4 Auditoria e Ações 13 Auditoria Interna Definição da sistemática e implementação da auditoria interna. 14 Ação Corretiva Definição da sistemática e implementação da ação corretiva. 15 Ação Preventiva Definição da sistemática e implementação da ação preventiva. 16 Ação de Melhorias Definição da sistemática e implementação de ação de melhoria. Quadro 1 Diagnóstico para a aplicação do modelo de boas práticas da melhoria contínua Passo 2 Dificuldades: dando seqüência à proposta deste trabalho, o segundo passo para a implementação da gestão da melhoria contínua é avaliar as dificuldades encontradas durante o diagnóstico e identificar as oportunidades de melhoria conjuntamente, pesquisador e os participantes responsáveis pelas atividades que foram avaliadas no diagnóstico. Uma das grandes dificuldades para efetuar o diagnóstico, que é o cérebro do modelo de boas práticas, foi o fator da empresa não ter a prática do Planejamento Estratégico que é um dos pontos de sustentação e visão dos negócios da empresa. A falta de disponibilidade do pessoal para tratar de assuntos que não estão na rotina do trabalho, foi também algum dos fatores de dificuldades. Criar um ambiente onde a autoridade seja delegada, e menos centralizadora, de modo que as pessoas sejam encorajadas e aceitem a responsabilidade de assumir compromissos, podem ajudar na evolução das atividades de melhoria. Foi também observado durante o diagnóstico que o turn-over da empresa é bastante significativo, sendo mais um ponto de dificuldade que ficou em evidência. Melhorar a qualificação do pessoal, mantendo atividades de treinamentos não só nas técnicas e metodologias adotadas, mas garantir que as pessoas estejam capacitadas para as atividades 6

7 que desenvolvem, também foram pontos registrados como dificuldades. Passo 3 - Plano de ação: o terceiro passo da sistemática proposta para a implementação da gestão da MC é definir um plano de ação para eliminar as dificuldades encontradas, assim como operacionalizar as oportunidades de melhorias identificadas. Nesta pesquisa algumas ações foram propostas pela pesquisadora, sendo que algumas chegaram até serem implementadas, porém outras ações, em função da complexidade que as mesmas exigem, precisam ser melhor definidas junto aos participantes da organização. Passo 4 - Monitoramento : o quarto passo da sistemática para a implementação da gestão da melhoria contínua é o monitoramento da implementação das ações definidas. Conforme mencionado no passo anterior, apenas algumas ações estão implementadas, entre elas: na Fase 2 - Execução, o Plano de Sugestões dentro do item Ferramentas de Apoio foi uma das ações propostas durante o desenvolvimento da pesquisa e concretizada. Foi desenvolvido e implementado o Projeto MPC (Melhoria, Prevenção, Correção) que incentiva os funcionários a darem sugestões e após aprovação e implementação, os mesmos recebem bônus. No período de Março de 2005 à Fevereiro de 2006, foram apresentados 39 projetos tendo 19 projetos implementados, 13 considerados inviáveis e 07 estão em análise. Passo 5 - Auditoria: a auditoria interna é o quinto passo da sistemática proposta, para verificar a implementação das ações definidas no passo três, assim como a eficácia das mesmas. Nesta pesquisa, esta etapa ocorreu somente para o item Plano de Sugestões, o qual está sendo cumprido. Passo 6 - Novo diagnóstico: O sexto e último passo proposto para a implementação da gestão da MC utilizando o modelo proposto pela autora é realizar um novo diagnóstico a partir da nova situação. Neste estágio são identificadas as atividades de melhoria contínua realizadas, através do resultado da auditoria juntamente com o plano de ação. Caso isso não ocorra, na identificação das dificuldades são verificados os pontos fracos na sua respectiva evolução e é reavaliado o plano de ação. O novo diagnóstico deve seguir os seis passos definidos da sistemática. 6. Conclusão Foi possível apresentar neste artigo a gestão da melhoria contínua através de um modelo de boas práticas e a sistemática para implementá-lo. A implementação do modelo foi parcialmente concluída, pois como nem todas as ações foram definidas com prazos e responsáveis, a avaliação do resultado das ações e a conclusão da eficácia do modelo foram dificultadas. Porém, entre as ações apresentadas como implementadas, ficou caracterizado que houve melhoramento. O sucesso nos resultados depende totalmente do empenho dos administradores da organização em definir o plano de ações consistentes com as carências apresentadas. A proposta deste trabalho foi de contribuir para a gestão da MC, disponibilizando um modelo de referência de boas práticas de MC e a sistemática de implementação, do qual outras empresas possam beneficiar-se no processo de sua implementação. Aprendizagem Apesar da empresa em estudo ter o seu SGQ em cumprimento com as normas NBR ISO 9001:2000, e sendo a melhoria contínua um dos requisitos, não é suficiente para que a empresa possa sustentar as atividades de melhoria contínua, de forma sinérgica e global. É importante que as atividades estejam sempre direcionadas, levando-se em consideração os 7

8 objetivos e metas da organização, conforme tratado no modelo proposto. Perspectivas futuras Como possibilidades para pesquisas futuras, é possível avaliar em outras empresas de médio porte, não necessariamente no ramo de usinagem, a consistência do modelo proposto para as boas práticas da MC e aplicado nesta pesquisa, assim como sua flexibilidade para se ajustar às especificidades locais e sensibilidade para detectar oportunidades de melhoria. Uma outra questão seria dar continuidade da pesquisa na própria empresa em estudo, monitorando o plano de ação, auditando e realizando um novo diagnóstico. Com isso pode ser possível avaliar o amadurecimento do modelo e fazer os ajustes necessários para a gestão da melhoria contínua. Referências ABNT/CB-25- Associação Brasileira de Normas Técnicas. Comitê Brasiliero de Normas Técnicas, BANAS - Qualidade, Artigo publicado n(a): edição no. 105, Fevereiro BESSANT, J. & FRANCIS, D. Developing strategic continuous improvement capability. International Journal of Operations & Production management, Vol.19, n.11, p , CARPINETTI, L.C.R. Gestão da Qualidade: Conceitos e Ferramentas. Apostila Gráfica EESC-USP, 131 páginas, CARPINETTI, L.C.R. et al. Proposta de um Modelo Conceitual para o Desdobramento de Melhorias Estratégicas. Gestão & Produção, Vol. 7, n.1, p , CUSUMANO, M.A. The limits of lean. Sloan Management Review / Summer. p , DE LEEDE, J. & LOOISE, J.K. R. Continuous improvement and the mini-company concept. International Journal of Operations & Production Management, Vol. 19, n.11, p , IMAI, M. Kaizen, A Estratégia para o Sucesso Competitivo, 5º edição, São Paulo: IMAM, ISO/TS The Quality System Requirements for the Design/Development, Production, Installation and Servicing of Automotive Related Products ABNT: KAYE, M. & ANDERSON, R. Continuous improvement: the tem essential criteria International Journal of Quality & Reliability Management,. MCB University Press Vol.169, Nº 5, p , MERLI, G. - The TQM Approach to Capturing Global Markets IFS, UK, MESQUITA, M. Competências essenciais para melhoria contínua da produção: estudo de caso em empresas da indústria de autopeças. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção-UFSCar. São Carlos, 109 p., MESQUITA, M. & ALLIPRANDINI, D.H. Competências essenciais para melhoria contínua da produção: estudo de caso em empresas da indústria de autopeças. Gestão & Produção, Vol.10, n.1, p , NBR ISO Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos, São Paulo, ABNT, PALADINI, E. P. Qualidade total na prática: implantação e avaliação de sistema da qualidade total 2. ed. São Paulo: Atlas, cap.4, POIRIER, C.C. & HOUSER, W.F. Business Partnering for Continuous Improvement - The continuous improvement model, cap.2, p , SAVOLAINEN, T.I. Cycles of continuous improvement: realizing competitive advantages through quality. International Journal of Operations & Production Management, Vol.19, n.11, p , SHIBA, S. et al., TQM: quatro revoluções na gestão da qualidade, vários tradutores Porto Alegre: Bookman, cap. 4,5 e 7,

9 SLACK, N. et al. Administração da Produção, vários tradutores, 1º edição, São Paulo: Atlas, cap. 18, p , THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação.12 ed. São Paulo: Cortez, TOLEDO, J.C. & CARPINETTI, L.R. Gestão da Qualidade. A Fábrica do Futuro, cap. 13, Editora Banas, TOLEDO, J. C. & MARTINS, R. A. Proposta de modelo para a elaboração de programas de gestão para a qualidade total. Revista de Administração, FEA-Usp, Vol.33, n.2, p , WOMACK, J.P. & JONES, D.T. A Mentalidade Enxuta nas Empresas: elimina o desperdício e cria riqueza. Rio de Janeiro, Editora Campus,

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO DO PROCESSO DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2000

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO DO PROCESSO DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2000 XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MEDIÇÃO DE DESEMPENHO DO PROCESSO DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2000 Patricia Lopes de Oliveira (UFSCar) patricia@ccdm.ufscar.br

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Profº Adilson Spim 09/09/2012

Profº Adilson Spim 09/09/2012 Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 Princípios e Requisitos Por que Qualidade e ISO 9000? Conquistar e manter mercados; Reduzir desperdícios. Gestão da Qualidade Atendimento de requisitos e redução de desperdícios

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA. Tem como propósito contribuir na melhoria da competitividade e sustentabilidade das organizações.

NOSSA HISTÓRIA. Tem como propósito contribuir na melhoria da competitividade e sustentabilidade das organizações. INSTITUCIONAL NOSSA HISTÓRIA Desde 1988, ano de sua fundação, a Qualtec desenvolve as melhores soluções para seus clientes na implantação, auditoria e treinamentos de sistema de gestão e estratégia corporativa

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Implementação de Sistemas da Qualidade: uma visão por projetos

Implementação de Sistemas da Qualidade: uma visão por projetos Implementação de Sistemas da Qualidade: uma visão por projetos Vanderli Correia Prieto (POLI/USP) vanderli@prietoassociados.com.br Evandro Prieto (POLI/USP) evandro@prietoassociados.com.br Marly Monteiro

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Julho/2014 a Março/2015. Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento.

Julho/2014 a Março/2015. Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento. Julho/2014 a Março/2015 Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento. Conteúdo. Por que realizar nossos treinamentos? 4 Nossa abordagem 4 Nossos instrutores

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade Total, do inglês Total Quality Management - TQM é uma estratégia de administração completa que tem como objetivo

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Alisson Oliveira da Silva (FAHOR) as000699@fahor.com.br Matheus Weizenman (FAHOR) mw000944@fahor.com.br

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos?

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos? Portfólio 1. Quem Somos? Somos uma Equipe de Auditores, Consultores e Assessores Empresariais com diversas competências para melhorar o desempenho de qualquer negócio por meio de SISTEMAS DE GESTÃO DA

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes.

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. NOSSA HISTÓRIA Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. Estamos preparados para atuar no desenvolvimento, implementação, aprimoramento, treinamento

Leia mais

Proposta para estruturação da gestão da melhoria contínua em uma fabricante de bebidas

Proposta para estruturação da gestão da melhoria contínua em uma fabricante de bebidas Proposta para estruturação da gestão da melhoria contínua em uma fabricante de bebidas Recebido em: 23/01/09 Aprovado em: 24/03/10 Carla Simão Zampini (UFSCar, SP, Brasil) csimao@bebidasipiranga.com.br

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Palavras-chave Melhores práticas, inovação, geração de valor, qualidade, serviços, gestão de serviços, suporte em TI, melhoria contínua, orientação a processos,

Leia mais

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1 Certificação NBR Requisitos A partir da versão 1994, a série ISO 9000 passou a ser conhecida como família ISO 9000 ; leva em conta duas situações, a contratual e não contratual; Para a situação não contratual

Leia mais

Fatores críticos para a implantação de projetos de melhoria contínua em indústrias

Fatores críticos para a implantação de projetos de melhoria contínua em indústrias 1 Fatores críticos para a implantação de projetos de melhoria contínua em indústrias RESUMO Os resultados de projetos de melhoria contínua nas empresas dependem de fatores que compõem o ambiente em que

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA Andréia Pereira da Fonseca, Unisalesiano de Lins, e-mail: andreia.fonseca@bertin.com.br Ariane de Carvalho Naya, Unisalesiano de Lins, e-mail:

Leia mais

Como agregar valor durante o processo de auditoria

Como agregar valor durante o processo de auditoria QSP Informe Reservado Nº 55 Fevereiro/2006 Como agregar valor durante o processo de auditoria Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA NORMA ABNT NBR ISO 10014:2008

A IMPORTÂNCIA DA NORMA ABNT NBR ISO 10014:2008 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

A estruturação de um programa prático de Gestão da Qualidade Total em uma grande empresa baseado em uma sistemática simplificada

A estruturação de um programa prático de Gestão da Qualidade Total em uma grande empresa baseado em uma sistemática simplificada A estruturação de um programa prático de Gestão da Total em uma grande empresa baseado em uma sistemática simplificada Moacir Godinho Filho (Universidade Federal de São Carlos). E-mail: moacir_godinho@uol.com.br

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria PPGE3M/UFRGS DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br SATC 2013 Fone: 3308-9966 Programa da Disciplina Apresentação da disciplina Conceitos preliminares.

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Julho15. Dificuldades e Estratégias Para a Adequação à ISO 9001:2015

Julho15. Dificuldades e Estratégias Para a Adequação à ISO 9001:2015 Julho15 Dificuldades e Estratégias QUALIDADE MAPEAMENTO DE PROCESSO INDICADORES DE DESEMPENHO PESQUISA FERRAMENTAS DE APERFEIÇOAMENTO CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO MEIO AMBIENTE RESPONSABILIDADE SOCIAL SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Total Quality Management. Prof. André Jun Nishizawa Capítulo 3

Total Quality Management. Prof. André Jun Nishizawa Capítulo 3 Total Quality Management Prof. Capítulo 3 Sumário Gerenciamento por processo Padronização Gerenciamento da rotina Gerenciamento pelas diretrizes Sistemas de gestão normatizados Auditorias da qualidade

Leia mais

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1 Os processos Requisitos ISO 9001 s internas S1E1 Metodologia Esta capacitação em s Internas de Sistemas de Gestão da Qualidade prevê a construção do conhecimento por meio de exercícios teórico-práticos

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA O PSQ DAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO EM AÇO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA O PSQ DAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO EM AÇO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA O PSQ DAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO EM AÇO Luís Henrique Piovezan / SENAI - Escola SENAI Orlando Laviero Ferraiuolo, Fábio Ikeda / SENAI - Escola SENAI Orlando Laviero

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

MODELO DE EXCENCIA DA GESTÃO DA FNQ E NORMAS NBR ISO 9004/ NBR ISO 9001: MODLEOS COMPLEMENTARES OU CONCORRENTES

MODELO DE EXCENCIA DA GESTÃO DA FNQ E NORMAS NBR ISO 9004/ NBR ISO 9001: MODLEOS COMPLEMENTARES OU CONCORRENTES 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 MODELO DE EXCENCIA DA GESTÃO DA FNQ E NORMAS NBR ISO 9004/ NBR ISO 9001: MODLEOS COMPLEMENTARES OU CONCORRENTES Sergio Bonfa (UFSCar) sbonfa@uol.com.br As organizações,

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 NORMAS ABNT ISSO/IEC 27001 E 27002 (Antiga ISSO/IEC 17799) A norma ISO/IEC 27001. A norma ISO/IEC

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade.

O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade. O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade. Jairo Siqueira 1 Resumo Este estudo apresenta um modelo para avaliação do grau

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS PARA MELHORIA CONTÍNUA DA PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS

COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS PARA MELHORIA CONTÍNUA DA PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS PARA MELHORIA CONTÍNUA DA PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS Melissa Mesquita Arvin Meritor, LVS Wheels Division, Av. Major José Levy Sobrinho, 2700,

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Implantação de sistema de gestão da qualidade em empresa de pequeno porte: avaliação de resultados

Implantação de sistema de gestão da qualidade em empresa de pequeno porte: avaliação de resultados Implantação de sistema de gestão da qualidade em empresa de pequeno porte: avaliação de resultados Hélio Massaharu Ujihara (UNITAU) hujihara@terra.com.br Alvaro Azevedo Cardoso (UNITAU) azevedo@unitau.br

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA ANÁLISE DO DESEMPENHO GLOBAL COM A MELHORIA CONTÍNUA EM ORGANIZAÇÕES DE EXCELÊNCIA

INTEGRAÇÃO DA ANÁLISE DO DESEMPENHO GLOBAL COM A MELHORIA CONTÍNUA EM ORGANIZAÇÕES DE EXCELÊNCIA INTEGRAÇÃO DA ANÁLISE DO DESEMPENHO GLOBAL COM A MELHORIA CONTÍNUA EM ORGANIZAÇÕES DE EXCELÊNCIA Resumo Daniel Gueiber (COPEL UTFPR) E-mail: dgueiber@brturbo.com.br Cezar Augusto Romano (UTFPR) E-mail:

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é Identificação de problemas em seu sistema da gestão A melhoria contínua deve ser vista como uma atividade constante que tem como objetivos aumentar o envolvimento de todos da equipe, o aperfeiçoamento

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO SISTEMA DE SELEÇÃO USINICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA ISO 14000

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica ISSN 1984-9354 Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica Priscyla Abramowicz (LATEC/UFF) Resumo: A Indústria farmacêutica deve, por legislação,

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Alguns de nossos clientes...

Alguns de nossos clientes... www.perdazero.com.br perdazero@perdazero.com.br Quem somos A Perda Zero é uma empresa de consultoria, com sede em Porto Alegre-RS. Suas atividades iniciaram em 1990, com o objetivo de atuar nas organizações

Leia mais

TÍTULO: A GESTÃO NAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS: DA NBRISO9000 E ALÉM

TÍTULO: A GESTÃO NAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS: DA NBRISO9000 E ALÉM TÍTULO: A GESTÃO NAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS: DA NBRISO9000 E ALÉM CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

Leia mais

Palavras-chaves: Gestão da Qualidade, Ferramentas da Qualidade, Norma ISO 9000, Programas da Qualidade.

Palavras-chaves: Gestão da Qualidade, Ferramentas da Qualidade, Norma ISO 9000, Programas da Qualidade. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

QUALIDADE: NÃO MAIS UM DIFERENCIAL, E SIM UMA SOBREVIVÊNCIA PARA AS INSTITUIÇÕES

QUALIDADE: NÃO MAIS UM DIFERENCIAL, E SIM UMA SOBREVIVÊNCIA PARA AS INSTITUIÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MBA EM GESTÃO DA QUALIDADE ELISANGELA ELIAS FERNANDES QUALIDADE: NÃO MAIS UM DIFERENCIAL, E SIM UMA SOBREVIVÊNCIA PARA

Leia mais

PNQS 2014 IGS RDPG PRÊMIO CIPA

PNQS 2014 IGS RDPG PRÊMIO CIPA PNQS 2014 IGS RDPG PRÊMIO CIPA Mudança de cultura na gestão de segurança e saúde por meio do estímulo e reconhecimento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a

Leia mais