OS DIFERENTES SIGNIFICADOS E CONCEPÇÕES SOBRE A NATUREZA DA CIÊNCIA (NOS) SEGUNDO LEDERMAN E ALLCHIN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS DIFERENTES SIGNIFICADOS E CONCEPÇÕES SOBRE A NATUREZA DA CIÊNCIA (NOS) SEGUNDO LEDERMAN E ALLCHIN"

Transcrição

1 OS DIFERENTES SIGNIFICADOS E CONCEPÇÕES SOBRE A NATUREZA DA CIÊNCIA (NOS) SEGUNDO LEDERMAN E ALLCHIN Rachel Rodrigues Lima 1 (FM)* 1 Palavras-Chave: História da Ciência, Ensino, Natureza da Ciência. Resumo: A incorporação do estudo da natureza da Ciência (NOS) e mudança nas concepções dos estudantes, sobre a mesma são defendidos por especialistas e programas curriculares. Para muitos pesquisadores, conhecer sobre NOS e reconhecer sua importância são requisitos para ensino efetivo da Ciência. No entanto, não é consenso dentro da comunidade científica o significado e os componentes da NOS. Este trabalho compara as visões de Lederman e Allchin sobre o assunto. Dentre muitas outras diferenças, Lederman acredita que aspectos de NOS deve ser explorados explicitamente enquanto Allchin defende a utilização de estudos de casos históricos ou contemporâneos. Apresentamos também aos educadores, na perspectiva de cada autor, maneiras para avaliar e desenvolver o entendimento de NOS dos seus alunos. INTRODUÇÃO Visando principalmente o conhecimento do conteúdo e resultados em testes, o ensino tradicional tende a ignorar importantes componentes da Ciência, como fatores sociais, culturais, crenças pessoais, entre outros. No entanto, apenas o conhecimento do conteúdo científico é insuficiente para a compreensão da Ciência. Pesquisadores em educação (por exemplo, Lederman et. al., 2002; Osborne et. al., 2003; Bartholomew et. al., 2004; Allchin, 2012), defendem a incorporação do estudo da natureza da Ciência (NOS) no ensino e acreditam na necessidade de mudanças das concepções dos estudantes, pois a maioria apresenta interpretações simplistas sobre a Ciência. Assim, conhecer os componentes de NOS e promover o desenvolvimento de concepções adequadas sobre esse tema têm sido objetos de pesquisas destes e de outros pesquisadores nos últimos tempos. Segundo Matthews, conhecer sobre NOS e reconhecer a importância desse estudo são requisitos para um ensino efetivo de Ciências, pois A capacidade de distinguir a boa Ciência de paródias e pseudo Ciência depende de uma compreensão da natureza da Ciência. (Matthews, 1998, p.163). Na comunidade científica, existem algumas divergências sobre o significado e os principais elementos de NOS. Neste trabalho serão apresentados e comparados os significados e concepções de NOS de dois importantes pesquisadores do ensino de Ciências: Norm G. Lederman e Douglas Allchin. Estes autores forma escolhidos considerando que o primeiro é bastante conhecido pelas pessoas que se interessam pela área, enquanto o segundo, apesar de ter ideias interessantes, não nos parece muito conhecido no Brasil. Nesse sentido, este trabalho pode apresentar novas perspectivas para professores interessados em introduzir NOS em suas práticas docentes.

2 Para educadores de Ciências, também é fundamental conhecer sobre NOS, seus componentes, sua importância no ensino e quais maneiras podem avaliar o entendimento de NOS dos seus alunos, a fim de desenvolver práticas que os favoreçam ensinar a mesma. Por isso também serão abordadas as principais implicações dos trabalhos de Lederman e Allchin para a atuação dos educadores. SIGNIFICADOS E CONCEPÇÕES SOBRE NATUREZA DA CIÊNCIA (NOS) LEDERMAN Segundo Lederman:... NOS se refere à epistemologia e sociologia da Ciência, Ciência como uma maneira de conhecimento, ou valores e crenças inerentes ao conhecimento científico e seu desenvolvimento. (Lederman, 2006, p. 303). Para Lederman et al., NOS difere do processo científico:... as pessoas muitas vezes confundem NOS com processos científicos (...) consideramos processos científicos como atividades relacionadas com a coleta e interpretação de dados, e a derivação de conclusões. (Lederman et al, 2002, p. 499). Segundo os autores, o processo científico está relacionado com o ato de fazer Ciências, por exemplo, na observação, na coleta, na intepretação de dados, na formulação de hipóteses, validação e comunicação do conhecimento. Por outro lado, NOS se relaciona com o conhecimento, os entendimentos, a criatividade, ao fato de a produção do conhecimento ser guiada por teorias e não compreende os processos da Ciência. Existem divergências sobre o significado da NOS, mas, de acordo com Lederman et al., elas são irrelevantes para o ensino no nível K Dentro da comunidade científica, existe consenso sobre a importância do estudo da NOS, sobre as principais concepções inerentes e que devem ser incluídas nos currículos de Ciências. Segundo Lederman (2006), são aspectos de consenso em relação ao conhecimento científico os fatos de ele: ser provisório (objeto de mudança); ser fundamentado empiricamente; ser subjetivo (influenciado pelas teorias e crenças pessoais ou de um grupo); envolver a inferência, a imaginação e a criatividade humana na formulação de explicações; ser social e culturalmente influenciado. Lederman et al. ainda acrescentam como importantes aspectos a observação e a inferência, a não existência de um método universal de se fazer Ciência e os significados e as relações entre teorias e leis científicas. Essa lista de aspectos contém ideias complexas sobre a Ciência e que podem não ser acessíveis a todos os estudantes, sendo, por isso, importante a sensibilidade do professor ao desenvolver e aplicar atividades. Os aspectos de NOS podem ser 1 K-12 Sigla utilizada no sistema americano de ensino. Comparada com o sistema brasileiro compreende o Ensino Básico.

3 abordados em diferentes níveis de aprofundamento de forma a se adequar às condições de ensino. O entendimento dos estudantes sobre NOS pode ser facilitado se ela for empregada, por exemplo, dentro de um contexto de investigação científica, que inclui o tradicional processo científico e o desenvolvimento de habilidades como observação, inferências, previsão, interpretação, análise de dados, entre outros. Porém, a investigação científica também se relaciona com o processo do conhecimento e raciocínio científico. E segundo Lederman:... estudantes devem ser hábeis para fazer investigação assim como conhecer sobre a investigação. (Lederman, 2006, p. 309) O desenvolvimento de atividades dentro de um contexto de investigação científica pode favorecer a desconstrução de imagens distorcidas da Ciência, como por exemplo, a de que não existe um único método científico com etapas determinadas e a serem seguidas. No entanto, Lederman relata que essa abordagem deve ser realizada de forma explicita, ou seja, expressando claramente as concepções da Ciência a fim de se favorecer o desenvolvimento de uma compreensão aprofundada sobre como o conhecimento científico é produzido e suas implicações. Destaca também que, para isso, é necessária à participação reflexiva dos alunos. Alguns currículos de ensino defendem a incorporação da História e da Filosofia da Ciência, pois acreditam que atividades nessas perspectivas podem aumentar as concepções dos estudantes sobre NOS. Todavia, Lederman (2006) relata que cursos com essas abordagens promoveram pequeno impacto no entendimento dos estudantes sobre a NOS. O fato de o autor reconhecer que o contexto histórico deve ser abordado para engajar e dar aos alunos apreço ao esforço científico, mas que os aspectos da NOS devem ser trabalhados de forma explicita, indica sua crença em que tal abordagem é mais efetiva que as abordagens implícitas e históricas na promoção do entendimento da NOS e da investigação científica. A abordagem explicita deve ser realizada trabalhando os vários aspectos de NOS no contexto de uma discussão reflexiva possibilitando experiências sobre a prática da Ciência. Isso pode ser alcançado através da investigação orientada, por exemplo, as atividades laboratoriais, que envolvem os alunos em discussões sobre suas práticas. Segundo o autor, o estudo de NOS e da investigação científica não deve ser um estudo adicional, ou seja, como um novo conteúdo. Ao contrário, deve ocorrer de forma unificada, mesmo em um contexto mais tradicional de ensino de Ciências com seus princípios e concepções. ALLCHIN Allchin não apresenta uma definição clara e objetiva do que seria Natureza da Ciência nos artigos utilizados como referência neste trabalho. Entretanto, analisando esses artigos e o método proposto de avaliação das concepções de NOS, percebe-se que, para ele, Ciência se relaciona tanto com a maneira de saber quanto com as práticas científicas. Ele também defende que o ensino de NOS deve incluir as contribuições de historiadores, filósofos, sociólogos e demais áreas que estudam a Ciência.

4 Em suas próprias palavras, temos uma evidência da importância dessas contribuições para Allchin no ensino de NOS quando aborda o respeito pelos interessados. O conteúdo de NOS deve ser fiel (não contradizer) achados de historiadores, filósofos e sociólogos da Ciência, bem como de outros que estudam a Ciência a partir de um ponto de vista relativamente remoto. (Allchin, 2011, p. 531) Mesmo existindo consenso entre os educadores de Ciência sobre a importância e o valor do ensino de NOS, há muito a ser realizado. Isso ocorre porque há poucas experiências criadas a serem incorporadas nas salas de aula de forma a informar e envolver os professores nessas atividades. As listas com princípios de consenso sobre NOS e presentes na comunidade científica, nos documentos curriculares e nos métodos de avaliação como o Views of Nature of Science Questionnaire (VNOS) são, para Allchin, deficientes, incompletas e ou possuem enfoque equivocado. Allchin acredita que as listas não fazem uma contextualização dos princípios que apresentam e omitem outros relevantes, como o papel da credibilidade, a interação social, os financiamentos, as motivações, o processo de validação de novos métodos, as fraudes, os erros, entre outros. A afirmação declarativa de que a Ciência é provisória, sem contexto, pode ser grosseiramente enganosa. É preciso habilidade para aplicar o conhecimento adequadamente, mais do que mero acordo ou desacordo com certos princípios. (Allchin, 2011, p. 528) O autor defende que o ensino de NOS deve desenvolver uma alfabetização científica funcional que possibilite tomadas de decisões públicas ou pessoais. Para tal, é necessário interpretar, entender conceitos científicos, ser capaz de avaliar provas, analisar a credibilidade, as incertezas e as possíveis fontes de erros de forma a orientálos em suas decisões. Promover essas habilidades é um desafio, pois é necessária a elaboração de atividades que permitam aos alunos articular esses componentes de NOS dentro de um contexto e nas salas de aula. Segundo o autor, os estudos de caso são uma boa ferramenta e podem ser empregados em situações históricas ou contemporâneas. Os estudos de caso devem abordar a NOS de forma multifacetada, ser um trabalho bem delimitado, detalhado e com contextos ricos. Essa abordagem deve proporcionar experiências e compreensão de como a Ciência trabalha, preparando os alunos para participar de uma sociedade onde a Ciência e as tecnologias são cada vez mais importantes. É essencial também que durante os estudos de caso isso ocorra de forma explicita e promovendo reflexão. Nos estudos de casos relacionados a contextos contemporâneos, podem ser utilizadas notícias ou situações problemáticas, mas essas devem ser tratadas com cuidados, pois precisam de uma solução clara para julgar e interpretar o problema. Os estudos de casos históricos também são importantes facilitadores para a aprendizagem da NOS. Esses casos devem ser bem fundamentados histórica, sociológica e filosoficamente, para evitar visão diferente, caricata e com abordagem ingênua de NOS. Exemplos de estudos de casos históricos são encontrados na coleção da Universidade Minnesota, onde cada caso proposto destaca aspectos da NOS com base em episódios históricos da Ciência. Esses casos foram montados de forma a contemplar os seguintes itens:

5 retratar a natureza da Ciência; retratar a tentativa (ou provisoriedade) da natureza da Ciência; retratar o contexto humano e cultural da natureza da Ciência; retratar a História em seu contexto original; utilizar a aprendizagem por investigação. Os casos de Minnesota normalmente apresentam um formato de caso interrompido, ou seja, como uma narrativa intercalada com problemas científicos, para promover reflexão do aluno. É importante que os casos motivem os alunos a refletir e discutir sobre os problemas, aprendendo de forma mais eficaz. Sendo assim, o papel do professor é identificar o nível dos alunos, escolher problemas motivadores e acessíveis, promover discussões e desenvolvimento de habilidades analíticas. Para o autor, os recursos geralmente utilizados na implantação nas salas de aula do ensino de NOS não são suficientes para um aprendizado eficiente, pois professores tendem a seguir velhos hábitos e a resistir a mudanças. O estudo de NOS, se realizado de forma integrada e contextualizada, pode contribuir para aprendizagem do conteúdo. Para mudar essa atitude de paralisação dos professores é importante o incentivo à formação continuada e à promoção da polarização desse ensino. COMPARAÇÃO DOS SIGNIFICADOS E CONCEPÇÕES SOBRE NATUREZA DA CIÊNCIA (NOS) Allchin, diferentemente de Lederman, não apresenta um significado explícito do que seja NOS. Entretanto, comparando seus trabalhos, é possível perceber que as ideias dos autores são distintas. Lederman é enfático em dizer que NOS está relacionada com a epistemologia, com a sociologia e que não envolve o processo científico. Já Allchin não faz essa separação, pois relaciona a Ciência tanto com a maneira como sabemos quanto com suas práticas. Lederman reconhece que os significados de NOS são diferentes na comunidade científica, mas afirma que isso é insignificante para o ensino no nível básico. Ambos os autores concordam e citam em seus trabalhos a importância do ensino da NOS e o reconhecimento desse estudo na comunidade científica. A lista de princípios foi utilizada por Lederman et al. no desenvolvimento do VNOS, um dos métodos de avaliações da NOS mais utilizados. Para Allchin, as listas com ideias sobre a Ciência são deficientes e deixam de fora alguns princípios importantes, por exemplo, a confiabilidade das afirmativas científicas. O estudo da natureza da Ciência possui objetivos semelhantes para os dois autores. Ambos acreditam que, com o entendimento de NOS, são desenvolvidas habilidades de observação, análise, interpretação, avaliação e conclusão. Allchin destaca que essas habilidades são relevantes para as tomadas de decisão. Já Lederman acredita que podem desmistificar visões distorcidas da Ciência. Com esse embasamento, os alunos compreendem melhor como o conhecimento científico é construído, qual a sua importância e como ele é influenciado pelas crenças, cultura, sociedade, economia, entre outros. As propostas de cada autor para a prática de ensino da NOS são diferentes. Lederman defende que os princípios podem ser aplicados no contexto da investigação científica. Por outro lado, Allchin utiliza os estudos de casos históricos ou contemporâneos. As maneiras de desenvolver a aprendizagem são diferentes, mas

6 ambos concordam que essas práticas devem acontecer de forma explícita e promover a reflexão dos estudantes. Os autores também possuem ideias semelhantes sobre o papel do professor, pois para eles compete ao professor: identificar o nível adequado da abordagem a ser de acordo com as características dos alunos, dar orientações, ser motivador, fomentador e facilitador de discussões. Na tabela 1 são apresentadas, de forma condensada, quais as principais concepções de Lederman e Allchin. Tabela 1: Comparativo das concepções de Lederman e Allchin Aspectos Lederman Allchin NOS Relacionada com a epistemologia e sociologia. Separa NOS dos processos científicos. Habilidades Desenvolvidas Lista de Princípios Práticas de Ensino Papel do Professor Observação e análise. Utilizada no desenvolvimento de seu método de avaliação, o VNOS. Investigação científica. Explicita e reflexiva. Identificar nível dos estudantes para elaboração das atividades. Promover discussões. RELEVÂNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR Não separa NOS dos processos científicos. Habilidades para tomada de decisões. São deficientes e descontextualizadas. Estudos de casos. Explicita e reflexiva. Identificar nível dos estudantes para elaboração das atividades. Promover discussões. Como vimos, Lederman e Allchin defendem a importância e a incorporação do ensino de NOS no ensino de ciências. Para isso, é essencial reconhecer essa relevância e que esse estudo seja incluído nos currículos e adotado em sala de aula. Infelizmente, durante a formação dos professores o estudo de NOS e da epistemologia é, muitas vezes, ignorado. Assim, é necessário que os profissionais participem constantemente de cursos de formação continuada, buscando ou aperfeiçoando seus conhecimentos. Para o profissional da educação, conhecer sobre a importância do ensino de NOS e as possíveis práticas para seu desenvolvimento em sala é fundamental. Nesse trabalho, vimos exemplos de duas atividades possíveis: a investigação científica e os estudos de casos. Entretanto, a utilização dessas atividades é apenas o primeiro passo para a incorporação da NOS. Segundo Lederman e Abd-El-Khalick, citados por Bartholomew e Osborne (2004):... o conhecimento da natureza da ciência era apenas um requisito necessário, mas não, por si só, suficiente para garantir a prática efetiva. (Bartholomew e Osborne, 2004, p. 678) É preciso também querer romper a barreira, por exemplo, do ensino conteudista, fechado, autoritário e que prioriza os testes. Ou seja, é preciso mudar a visão de ensino-aprendizagem tradicional e dos professores.

7 Os estudos de caso e a investigação científica são atividades que favorecem a discussão reflexiva com os alunos, a construção de argumentos, de tomada de decisões e capacidade de desconstruir visões distorcidas da Ciência. Das práticas de ensino apresentadas nesse trabalho a que se destacou por mais clareza e objetividade foi a de Allchin. O autor mostrou os estudos de casos em contextos históricos bem construídos e com possibilidades de serem abordados no contexto do ensino de vários conteúdos. Ele também ofereceu mais informações das ações dos professores no momento de conduzir as discussões e escolher o estudo de casos. CONCLUSÃO Neste trabalho, apresentamos e comparamos os significados da natureza da Ciência (NOS) para dois importantes pesquisadores do ensino de Ciências - Lederman e Allchin. Como vimos, eles possuem algumas concepções semelhantes e outras distintas. As principais semelhanças são a importância que ambos destinam ao ensino de NOS e a maneira explícita e reflexiva das discussões. Por outro lado, as principais diferenças de concepções estão relacionadas ao significado de NOS e à importância que cada atribui às listas de princípios. Ao contrário de Lederman, para Allchin as listas são descontextualizadas e deficientes em termos de favorecer a utilização dos conhecimentos sobre a ciência na análise de situações cotidianas. As práticas de ensino dos autores também são diferentes. Lederman defende o ensino explícito da lista de princípios. Allchin defende a utilização dos estudos de casos, contemporâneos ou históricos práticas vistas por ele como capazes de promover compreensão sobre como o conhecimento científico é produzido, como é influenciado pelas crenças, pela economia e quais são suas implicações. A apresentação dessas concepções é importante, pois informa e reforça a necessidade da implantação dessas práticas escolares pelos professores. Estes, além de conhecerem essa importância, devem reconhecer seu papel como educadores e mudar sua visão de ensino-aprendizagem. À nosso ver, a compreensão dessas semelhanças e distinções é importante pois, além de informar sobre e reforçar a importância de modificar o ensino de ciências nessa perspectiva, pode auxiliar professores interessados em introduzir natureza da ciência em suas práticas docentes. AGRADECIMENTOS Às professoras Rosária Justi e Paula Mendonça, pela oferta da disciplina Natureza do Conhecimento Científico e suas Implicações na Pesquisa em Educação em Ciências, na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Em especial a professora Rosária Justi, pela colaboração na revisão do trabalho. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALLCHIN, D. (2011). Evaluating Knowledge of the Nature of (Whole) Science. Science Education, 95(3),

8 ALLCHIN, D. (2012). The Minnesota Case Study Collection: New Historical Inquiry Case Studies for Nature of Science Education. Science & Education, 21(9), BARTHOLOMEW, H., OSBORNE, J., & RATCLIFFE, M. (2004). Teaching Students Ideas About Science : Five Dimensions of Effective Practice. Science Education, 88(5), LEDERMAN, N. G., ABD-AL-KHALICK, F., BELL, R. L., & SCHWARTZ, R. S. (2002). Views of Nature of Science Questionnaire: Toward Valid and Meaningful Assessment of Learners Conceptions of Nature of Science. Journal of Research in Science Teaching, 39(6), LEDERMAN, N. G. (2006). Syntax of Nature of Science within Inquiry and Science Instruction. In L. B. Flick & N. G. Lederman (Eds.), Scientific Inquiry and Nature of Science (pp ). Dordrecht: Springer. MATTHEWS, M. R. (1998). In Defense of Modest Goals When Teaching about the Nature of Science. Journal of Research in Science Teaching, 35(2), OSBORNE, J., COLLINS, S., RATCLIFFE, M., MILLAR, R., & DUSCHL, R. (2003). What Ideas-about-Science Should Be Taught in School Science? A Delphi Study of the Expert Community. Journal of Research in Science Teaching, 40(7),

Natureza da Ciência e Ensino de Ciências

Natureza da Ciência e Ensino de Ciências Natureza da Ciência e Ensino de Ciências O que é Ciência afinal? O que é Ciência afinal? O que diferencia o conhecimento científico de outras formas de conhecimento? O que é Ciência afinal? O que diferencia

Leia mais

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Universidade Tecnológica Federal do Paraná Curso Ciências Biológicas Licenciatura Campus Santa Helena Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br

Leia mais

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 08 de março de 2012 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

Revisão da literatura. Guilhermina Lobato Miranda

Revisão da literatura. Guilhermina Lobato Miranda Revisão da literatura Revisão da literatura Difícil de fazer A maioria dos estudantes de mestrado e doutoramento não sabe como fazer A maioria das revisões da literatura são fracas ou pobres Quando há

Leia mais

DIFICULDADES RELATADAS POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NO PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA: ESTUDO DE CASO DE ESCOLAS ESTADUAIS EM GRAJAÚ, MARANHÃO 1

DIFICULDADES RELATADAS POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NO PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA: ESTUDO DE CASO DE ESCOLAS ESTADUAIS EM GRAJAÚ, MARANHÃO 1 DIFICULDADES RELATADAS POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NO PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA: ESTUDO DE CASO DE ESCOLAS ESTADUAIS EM GRAJAÚ, MARANHÃO 1 Camila Jorge Pires Graduanda em Licenciatura em Ciências Naturais/Química

Leia mais

Metodologia Científica. Aula 2

Metodologia Científica. Aula 2 Metodologia Científica Aula 2 Proposito da aula Conhecer a definição de Metodologia Científica; A importância da Metodologia Científica; Objetivos da Metodologia Científica enquanto disciplina; Divisão

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Isabel Rodrigues Diniz Graduanda em História pelo PARFOR da E-mail: eldinhasoares@hotmail.com José

Leia mais

Didática das Ciências Naturais

Didática das Ciências Naturais ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Didática das Ciências Naturais Prof. Nelson Luiz Reyes Marques ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Necessidades formativas do professor

Leia mais

História da Ciência e Epistemologia Aplicadas ao Ensino de Química Paulo Alves Porto Instituto de Química - USP 17 / 09 / 2004

História da Ciência e Epistemologia Aplicadas ao Ensino de Química Paulo Alves Porto Instituto de Química - USP 17 / 09 / 2004 Mesa-redonda: Implicações da pesquisa nas atividades de formação de professores História da Ciência e Epistemologia Aplicadas ao Ensino de Química Paulo Alves Porto Instituto de Química - USP 17 / 09 /

Leia mais

Preparo de aula - Professor. Andrew Graham

Preparo de aula - Professor. Andrew Graham Preparo de aula - Professor Andrew Graham Sumário Cap. 03 Como ensinar com estudos de caso Cap. 04 Preparo para ensino através de casos Cap. 05 Escrever ou pesquisar um caso 03 Como ensinar com estudos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h Pedagogia 1º Semestre Biologia Educacional EDC602/ 60h Ementa: Identificar os processos biológicos fundamentais diretamente relacionados à situação ensino-aprendizagem. Análise dos fatores genéticos e

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã EE: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 Priscilla Régia de Castro PEREIRA 2 Ivanilton José de OLIVEIRA 3 Introdução Dentre as pesquisas existentes

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Licenciatura em Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos,

Leia mais

Lueny Amorim de oliveira (1); Lainne Saraiva Garreta (1); Malena Correia Costa (2) Antônia Gomes do Nascimento (3)

Lueny Amorim de oliveira (1); Lainne Saraiva Garreta (1); Malena Correia Costa (2) Antônia Gomes do Nascimento (3) A HISTÓRIA DA QUÍMICA COMO INSTRUMENTO MOTIVADOR NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE QUÍMICA NAS TURMAS DE 1 ANO DO ENSINO MÉDIO: PERCEPÇÃO DOS EDUCANDOS. Lueny Amorim de oliveira (1);

Leia mais

Curso de Especialização Lato Sensu - Ensino de Ciências - EaD

Curso de Especialização Lato Sensu - Ensino de Ciências - EaD Curso de Especialização Lato Sensu - Ensino de Ciências - EaD CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR Módulo 1 Carga horária total: 210 Introdução ao Estudo a Distância Introdução à Pesquisa em Ensino de

Leia mais

FICHA IV - ESPECÍFICA POR SUBPROJETO. Ensino-aprendizagem

FICHA IV - ESPECÍFICA POR SUBPROJETO. Ensino-aprendizagem FICHA IV - ESPECÍFICA POR SUBPROJETO Ensino-aprendizagem 1. Quais os materiais didáticos na área do(s) subprojeto(s) existentes na escola? Recursos didáticos, materiais diferenciados e/ou alternativos.

Leia mais

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso.

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso. ATIVIDADE INTEGRADORA CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR CIRCUITO: 9 PERIODO: 7º Caro (a) aluno (a), Esta atividade deverá ser desenvolvida individualmente

Leia mais

OS BENEFÍCIOS E AS DIFICULDADES DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO NA ÁREA DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO TÉCNICO

OS BENEFÍCIOS E AS DIFICULDADES DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO NA ÁREA DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO TÉCNICO OS BENEFÍCIOS E AS DIFICULDADES DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO NA ÁREA DA QUÍMICA NO NÍVEL MÉDIO TÉCNICO Taís Lima Sousa (1); Magna Macêdo Fernandes (1); Rodson Regi de Sousa Correia (2) Instituto

Leia mais

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: LINGUAGEM E ESTRUTURAÇÃO MUSICAL II Teoria e Percepção Musical II. Desenvolvimento da leitura musical em quatro claves de referência:

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã EE: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ITAQUAQUECETUBA. Prof.ª Marli Rodrigues Siqueira Dirigente Regional de Ensino PLANEJAMENTO ESCOLAR

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ITAQUAQUECETUBA. Prof.ª Marli Rodrigues Siqueira Dirigente Regional de Ensino PLANEJAMENTO ESCOLAR DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ITAQUAQUECETUBA Prof.ª Marli Rodrigues Siqueira Dirigente Regional de Ensino PLANEJAMENTO ESCOLAR 2017 ENCAMINHAMENTOS PARA O ANO LETIVO 2017 O que é Planejamento? Compreendendo

Leia mais

Material Didático Estratégias de Ensinagem. Método do Caso e Workshop

Material Didático Estratégias de Ensinagem. Método do Caso e Workshop Material Didático Estratégias de Ensinagem Método do Caso e Workshop 2015 1 Sumário Método do Caso... 3 Definição de Workshop... 6 Referências... 7 2 Método do Caso Os casos de ensino (Teaching Cases)

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE O ENSINO DE GEOGRAFIA: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DE ENSINAR GEOGRAFIA

REFLEXÃO SOBRE O ENSINO DE GEOGRAFIA: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DE ENSINAR GEOGRAFIA REFLEXÃO SOBRE O ENSINO DE GEOGRAFIA: A IMPORTÂNCIA E AS DIFICULDADES DE ENSINAR GEOGRAFIA OLIVEIRA, Divino José Lemes de 1 ; CHAGAS, Frank Luiz Rosa 2 ; ALVES, Washington Silva 3 Universidade Estadual

Leia mais

APRENDIZAGEM POR PROBLEMAS: UM MÉTODO CENTRADO NO ALUNO E PROMOTOR DO TRABALHO COLABORATIVO

APRENDIZAGEM POR PROBLEMAS: UM MÉTODO CENTRADO NO ALUNO E PROMOTOR DO TRABALHO COLABORATIVO APRENDIZAGEM POR PROBLEMAS: UM MÉTODO CENTRADO NO ALUNO E PROMOTOR DO TRABALHO COLABORATIVO Isabel Chagas 1, Gonçalo Pereira 1, Fernando Rebola 2, Dulce Mourato 1, Cláudia Faria 1 1 Centro de Investigação

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Pós Graduação em Ensino de Música Ciclo: 2º Ramo: Ano: 1º Designação: Psicologia da Aprendizagem Créditos: 6 Departamento: Ciências Sociais e Pedagogia Tipo: S Área

Leia mais

CURSOS / OFICINAS DE ENSINO 1º SEMESTRE 2017 (2016.2)

CURSOS / OFICINAS DE ENSINO 1º SEMESTRE 2017 (2016.2) CURSOS / OFICINAS DE ENSINO 1º SEMESTRE 2017 (2016.2) MUNICIPIOS CURSO / OFICINA / CH OBJETIVO PÚBLICO ALVO DATAS Água Branca Amarante Anísio de Abreu Estatística Básica aplicada a Educação 30h Computação

Leia mais

II Simpósio Nacional de Educação em Astronomia

II Simpósio Nacional de Educação em Astronomia II Simpósio Nacional de Educação em Astronomia 24 a 27 de Julho de 2012 Instituto de Física, Universidade de São Paulo, São Paulo (SP) 1ª Circular e Chamada de Trabalhos O II Simpósio Nacional de Educação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

Sobre Metodologia Científica

Sobre Metodologia Científica 2013 Sobre Metodologia Científica Sergio Scheer TC022 Introdução a Engenharia UFPR Motivação Para que serve Metodologia Científica? Ciência e Conhecimento A produção de Conhecimento: Pesquisa O Processo

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2 O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental Aula 2 Objetivos da aula Conhecer os a pluralidade de interpretações sobre os processos de ensino aprendizagem em Ciências; Discutir

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informática e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA

CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA O Centro de Extensão e Pesquisa, além de contribuir para a formação integral do aluno, tem como objetivo geral desenvolver projetos de pesquisa e extensão e como objetivos

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Pamela dos Santos Bezerra IFSP Câmpus Caraguatatuba

Leia mais

Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Três Corações Minas Gerais Julho de 2011

Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Três Corações Minas Gerais Julho de 2011 Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva Três Corações Minas Gerais Julho de 2011 Do ponto de vista político... O movimento mundial pela inclusão é uma ação política,

Leia mais

Professor ou Professor Pesquisador

Professor ou Professor Pesquisador Professor ou Professor Pesquisador Cláudio Luis Alves do Rego Cúneo 1 Resumo O perfil de professor pesquisador tem sido associado à oportunidade de prática reflexiva daquele professor que busca a pesquisa

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE ENSINO PARA O CONTEÚDO DE POLARIDADE

AVALIAÇÃO DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE ENSINO PARA O CONTEÚDO DE POLARIDADE AVALIAÇÃO DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE ENSINO PARA O CONTEÚDO DE POLARIDADE INTRODUÇÃO Thiago Pereira da Silva¹ E-mail:thiagoellisson@yahoo.com.br Paulo Deyvit Rodrigues de Sousa² E-mail: paulodaivid@gmail.com

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014 A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA BARROSO, Poliana Polinabarroso@saocamilo-es.br BICALHO, Alessandro Erick alessandrobicalho@saocamilo-es.br

Leia mais

Ciência tecnologia e Sociedade - CTS

Ciência tecnologia e Sociedade - CTS Ciência tecnologia e Sociedade - CTS Ou CTSA ciência, tecnologia, sociedade e ambiente QFL 4630 Maria Eunice Movimento CTS educacional diferentes abordagens - Desenvolvimento científico e tecnológico deve

Leia mais

AS ETAPAS DA PESQUISA AS ETAPAS DA PESQUISA

AS ETAPAS DA PESQUISA AS ETAPAS DA PESQUISA AS ETAPAS DA PESQUISA Prof. MSc: Anael Krelling 1 O planejamento e a execução de uma pesquisa fazem parte de um processo sistematizado que compreende etapas que podem ser detalhadas da seguinte forma:

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO TEXTO 2 http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2310-6.pdf acesso em http://pt.wikipedia.org/wiki/conselho_de_classe 09 de outubro de 2014 CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL

Leia mais

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas.

Objetivo: Apresentar o Caderno V de modo a compreender sua concepção metodológica a partir de oficinas. Pacto Nacional Para o Fortalecimento do Ensino Médio Encontro de Planejamento Professor Formador de IES Duílio Tavares de Lima 03/2015 CADERNO 5 - Áreas de conhecimento e integração curricular Tema: Apresentação

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: CPF: Curso: 1ª AVALIAÇÃO ONLINE METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO

Aluno(a): / / Cidade Polo:   CPF: Curso: 1ª AVALIAÇÃO ONLINE METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: 1ª AVALIAÇÃO ONLINE METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Preencha o GABARITO: 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões

Leia mais

Competências Pessoais e Sociais

Competências Pessoais e Sociais Aula 2 :: Pensamento Crítico Conceitos fundamentais e ideias chave O que é isto de pensamento crítico? Conseguem pensar numa situação em que exerceram pensamento crítico? O que é isto de pensamento crítico?

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA EM LIVROS DIDÁTICOS 1

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA EM LIVROS DIDÁTICOS 1 A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA EM LIVROS DIDÁTICOS 1 Maria Lucivânia Souza dos Santos Universidade Federal de Pernambuco lucivaniasousa1@gmail.com Edelweis José Tavares Barbosa Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

BLOG DA SAÚDE. Autores: Grazieli Ferreira da Rosa 1 ; Alessandra Domingues Malheiro 2 ; Ana Paula Saccol 3 ; Anderson de Souza 4 INTRODUCÃO

BLOG DA SAÚDE. Autores: Grazieli Ferreira da Rosa 1 ; Alessandra Domingues Malheiro 2 ; Ana Paula Saccol 3 ; Anderson de Souza 4 INTRODUCÃO BLOG DA SAÚDE Autores: Grazieli Ferreira da Rosa 1 ; Alessandra Domingues Malheiro 2 ; Ana Paula Saccol 3 ; Anderson de Souza 4 INTRODUCÃO Tendo o IFC a missão de proporcionar educação profissional comprometida

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EMENTAS DO CURSO DE FILOSOFIA Currículo Novo (a partir de 2010/1) NÍVEL I HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA Reflexão acerca da transição do pensamento mítico ao filosófico. Estudo de problemas, conceitos e

Leia mais

MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NO ENSINO DE QUÍMICA

MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NO ENSINO DE QUÍMICA MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NO ENSINO DE QUÍMICA Rafaela Luna NASCIMENTO 1, Maria Roberta de Oliveira PINTO 1 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB, Campus I, Campina Grande-PB.

Leia mais

Seminário de Pesquisa RIS Problema de Pesquisa em Saúde. Julio Baldisserotto, Dr; MSc;CD

Seminário de Pesquisa RIS Problema de Pesquisa em Saúde. Julio Baldisserotto, Dr; MSc;CD Seminário de Pesquisa RIS Problema de Pesquisa em Saúde Julio Baldisserotto, Dr; MSc;CD Problema de Pesquisa em Saúde A ciência e o crescimento do conhecimento estão sempre partindo de problemas e talvez

Leia mais

Regulamento. Projeto Integrador PI FACEQ

Regulamento. Projeto Integrador PI FACEQ Regulamento Projeto Integrador PI FACEQ (aprovado pela DAS e Conselho Acadêmico em 19 de janeiro de 2012) (alterado pelo Conselho Acadêmico em 23 de julho de 2012) Projeto Integrador FACEQ (aprovado pela

Leia mais

UMA VISÃO SOBRE JOGOS LÚDICOS COMO MÉTODO FACILITADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

UMA VISÃO SOBRE JOGOS LÚDICOS COMO MÉTODO FACILITADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA UMA VISÃO SOBRE JOGOS LÚDICOS COMO MÉTODO FACILITADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA Maiane Sousa Pereira (1); Mairis Sousa Pereira (1); Adriely de Castro Silva (2); PEREIRA, Maiane S., SOUSA PEREIRA, Mairis,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Escola de Engenharia Curso: Licenciatura em Química Núcleo Temático: Químico Pedagógico Disciplina: Conteúdo e Metodologia do Ensino de Química I Código da Disciplina: 06013201 Professor(es):

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PAULINO BOTELHO Ensino Técnico Código: 091 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação: Técnico em

Leia mais

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores.

Palavras-chave: Subprojeto PIBID da Licenciatura em Matemática, Laboratório de Educação Matemática, Formação de professores. 00465 A IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA Regina Helena Munhoz Professora Adjunta Departamento de Matemática UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina RESUMO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Fundamentos e Metodologia em Educação Infantil II Código da Disciplina: EDU 334 Curso: Pedagogia Período de oferta da disciplina: 6º Faculdade responsável: PEDAGOGIA

Leia mais

APROXIMAÇÕES ENTRE O PISA E SAEB

APROXIMAÇÕES ENTRE O PISA E SAEB APROXIMAÇÕES ENTRE O PISA E SAEB PISA Breve histórico Educação comparada: antiga área de investigação Sputinik, 1957 IEA: International Association for the Evaluation of Educational Achievement, 1958 1960:

Leia mais

HISTÓRIA DA CIÊNCIA NO ENSINO DE CIÊNCIAS

HISTÓRIA DA CIÊNCIA NO ENSINO DE CIÊNCIAS HISTÓRIA DA CIÊNCIA NO ENSINO DE CIÊNCIAS Salete Linhares Queiroz (IQSC USP) Quando a abordagem histórica deve ser usada no ensino de ciências? Osvaldo Pessoa Jr. Revista Ciência e Ensino, vol. 1, 1996.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROFESSORA NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias Componente

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) A Didática e os fundamentos educacionais

Leia mais

ANÁLISE HISTÓRICA DOS CONTEÚDOS EXISTENTES NO LIVRO DIDÁTICO DE CIÊNCIAS

ANÁLISE HISTÓRICA DOS CONTEÚDOS EXISTENTES NO LIVRO DIDÁTICO DE CIÊNCIAS ANÁLISE HISTÓRICA DOS CONTEÚDOS EXISTENTES NO LIVRO DIDÁTICO DE CIÊNCIAS Autor(es): Ewerton Jefferson Barbosa Ferreira Layrla Gabriele Santos de Sousa Luciano Feitosa do Nascimento Rhuan Rommell Bezerra

Leia mais

ANÁLISE DAS RESOLUÇÕES DE PROBLEMAS ENVOLVENDO CÍRCULO E CIRCUNFERÊNCIA NA PRODUÇÃO DAS PEÇAS DE ARTESANATO COM CAPIM DOURADO

ANÁLISE DAS RESOLUÇÕES DE PROBLEMAS ENVOLVENDO CÍRCULO E CIRCUNFERÊNCIA NA PRODUÇÃO DAS PEÇAS DE ARTESANATO COM CAPIM DOURADO ANÁLISE DAS RESOLUÇÕES DE PROBLEMAS ENVOLVENDO CÍRCULO E CIRCUNFERÊNCIA NA PRODUÇÃO DAS PEÇAS DE ARTESANATO COM CAPIM DOURADO Luciana Tavares de Sousa; Rochelande Felipe Rodrigues Aluna do Curso de Licenciatura

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Técnicas de Negociação Administração A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

OFICINAS TEMÁTICAS NO ENSINO DE QUIMICA: DISCUTINDO UMA PROPOSTA DE TRABALHO PARA PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO.

OFICINAS TEMÁTICAS NO ENSINO DE QUIMICA: DISCUTINDO UMA PROPOSTA DE TRABALHO PARA PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO. OFICINAS TEMÁTICAS NO ENSINO DE QUIMICA: DISCUTINDO UMA PROPOSTA DE TRABALHO PARA PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO. José Djhonathas Firmino de Vasconcelos LIMA 1,Antonio Nóbrega de SOUSA 2, Thiago Pereira da

Leia mais

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik

Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC. Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Unidade III METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CÊ CIÊNCIASC Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik O ensino de ciências segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais O ensino de Ciências tem

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Avaliação do Ensino Aprendizagem Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Contextualização histórica

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

A Webquest como proposta metodológica para o ensino de Matemática

A Webquest como proposta metodológica para o ensino de Matemática na Contemporaneidade: desafios e possibilidades A Webquest como proposta metodológica para o ensino de Fernando Henrique Pereira Mestrando em Ensino de Universidade Federal Tecnológica do Paraná UTFPR

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DISCIPLINAS 1. Introdução à Pesquisa em Letras 2. Metodologia de ensino de línguas estrangeiras I: perspectivas teóricas e abordagens

Leia mais

Minicurso: Jogos e Dinâmicas de Grupo. Fabiana Sanches e Rosa Maria

Minicurso: Jogos e Dinâmicas de Grupo. Fabiana Sanches e Rosa Maria Minicurso: Jogos e Dinâmicas de Grupo Fabiana Sanches e Rosa Maria As dinâmicas são instrumentos, ferramentas que estão dentro de um processo de formação e organização, que possibilitam a criação e recriação

Leia mais

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A

V Jornada das Licenciaturas da USP/IX Semana da Licenciatura em Ciências Exatas - SeLic: A O LIVRO INFANTIL UTILIZADO PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIO DO PROFESSOR Autoras: Camila Karolina de Freitas, Adriana Aparecida da Silva e Juliana Renovato Vizza Orientador: Luís

Leia mais

English version at the end of this document

English version at the end of this document English version at the end of this document Ano Letivo 2016-17 Unidade Curricular ÉTICA NO NEGÓCIO IMOBILIÁRIO Cursos AVALIAÇÃO E GESTÃO DA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA (pós-graduação) Tronco comum Unidade Orgânica

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Fonoaudiólogo, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS.

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. Luciana Barros Farias Lima Instituto Benjamin Constant Práticas Pedagógicas Inclusivas

Leia mais

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS 1 ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS Resumo Karina Ávila Pereira Universidade Federal de Pelotas Este artigo refere se a um recorte de uma tese de Doutorado em Educação

Leia mais

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento.

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento. UMA INTRODUÇÃO À TEORIA DA PROBABILIDADE: O USO DE AULAS MULTIMÍDIAS COMO FACILITADOR DO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM Diánis Ferreira Irias dianis.irias@hotmail.com Laura Lima Dias laura_limadias@hotmail.com

Leia mais

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características A Educação Profissional e Tecnológica Conceituação Princípios Objetivos Características Conceituação A educação profissional tecnológica, integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, a ciência

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DO CARGO DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DO CARGO DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Anexo I da Resolução 02/2010 - ICED PROVA ESCRITA MATÉRIA: CANDIDATO(A): AVALIADOR(A): VALORAÇÃO PONTUAÇÃO ATRIBUIDOS 01. Inclui os elementos fundamentais (introdução, desenvolvimento

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM: DISCUSSÃO DE PRINCÍPIOS PARA ELABORAÇÃO DE UM CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA

BASE NACIONAL COMUM: DISCUSSÃO DE PRINCÍPIOS PARA ELABORAÇÃO DE UM CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA BASE NACIONAL COMUM: DISCUSSÃO DE PRINCÍPIOS PARA ELABORAÇÃO DE UM CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA Ruy Pietropaolo, UNIAN-SP, rpietropolo@gmail.com Resumo O texto a seguir apresenta as bases

Leia mais

Estrutura Relatório de Pesquisa sobre temática Aprendizagem (Doutorado, Mestrandos, TCC ou pesquisa)

Estrutura Relatório de Pesquisa sobre temática Aprendizagem (Doutorado, Mestrandos, TCC ou pesquisa) Estrutura Relatório de Pesquisa sobre temática Aprendizagem (Doutorado, Mestrandos, TCC ou pesquisa) Título: Deve estar relacionado com o objetivo geral da pesquisa Deve ter como mínimo dois conceitos

Leia mais

5 De F A ma

5 De F A ma Educação Física 5 De F A ma Uma Breve Revisão... Em 07 de abril de 2005 entra em vigor no Estado de Minas Gerais a resolução SEE N.º 666; Em agosto de 2011, é instituído o PIP CBC; No ano de 2012 o PIP

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

Etapas da Pesquisa. 1 Etapas da Pesquisa. Especialização em Engenharia de Soldagem

Etapas da Pesquisa. 1 Etapas da Pesquisa. Especialização em Engenharia de Soldagem Etapas da Pesquisa 1 Etapas da Pesquisa Sumário Introdução Etapas do planejamento da pesquisa 2 Etapas da Pesquisa Introdução Planejamento e execução da pesquisa (etapas) Escolha do tema; Revisão de literatura;

Leia mais

N Disciplina Nº CR C. H. Conteúdo Natureza. Introdução a EAD 4 60 DP Mód. 1 Obrigatória. Introdução à Filosofia 4 60 FG Mód.

N Disciplina Nº CR C. H. Conteúdo Natureza. Introdução a EAD 4 60 DP Mód. 1 Obrigatória. Introdução à Filosofia 4 60 FG Mód. Apresentação O curso de Filosofia licenciatura, na modalidade a distância, é resultado do desejo de iniciar um trabalho inter e multidisciplinar na qualificação de profissionais que atuam ou atuarão na

Leia mais

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO GESTÃO EDUCACIONAL E O DESAFIO DA COMUNICAÇÃO

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO GESTÃO EDUCACIONAL E O DESAFIO DA COMUNICAÇÃO GESTÃO EDUCACIONAL E O DESAFIO DA COMUNICAÇÃO Heloísa Lück Diretora Educacional CEDHAP Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado www.cedhap.com.br A realização dos objetivos de toda organização de trabalho

Leia mais