Locomotivas. Gilberto Felipe Pinho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Locomotivas. Gilberto Felipe Pinho"

Transcrição

1

2 Agenda Motivação Introdução Classificação a Vapor Diesel Elétricas Outros tipos Transporte Ferroviário no Brasil 2

3 Motivação Visita à América Latina Logística; 3

4 Introdução O que é uma locomotiva? 4

5 Comparativo -Facilidade de troca -Flexibilidade -Segurança -Ruído -Eficiência -Confiabilidade -Necessidade de dar meia volta com o trem 5

6 Introdução Origem do transporte ferroviário : Trilhos de pedra na Grécia (600 A.C.); Trilhos de madeira na Alemanha (séc. XVI). 6

7 Cassificação: Força Motriz Vapor Diesel Elétrica Híbrida Mecânico Convencional Elétrico GTEL Célula Combustível 7

8 a Vapor Máquinas à vapor surgem no séc. XVII; 1º motor comercialmente viável: séc. XVIII (Newcomen) Revolução Industrial; James Watt aumenta a eficiência em 75%; 1784 Escócia Primeiro protótipo; 1804 Reino Unido Locomotiva comercial; 8

9 a Vapor 9

10 a Vapor 10

11 a Vapor 11

12 a Vapor 12

13 a Vapor 13

14 a Vapor 14

15 a Vapor 15

16 a Vapor 16

17 a Vapor 17

18 a Vapor 18

19 a Vapor 19

20 a Vapor 20

21 Diesel 1892 Invenção do Motor Diesel; 1912 Expiração da patente; 21

22 Diesel Problemas: Motores grandes e pesados; Transmissão mecânica para múltiplas rodas; 22

23 Diesel Começaram a avançar nas pesquisas após a WWI; Substituíram definitivamente as a Vapor após a WWII; 23

24 Diesel-Mecânico 24

25 Diesel-Elétrico 25

26 Elétricas Segunda metade do séc. XIX - primeiras tentativas (anteriores às Diesel); Thomas Edison possuiu a patente de uma Locomotiva Elétrica; 26

27 Elétricas 27

28 Elétricas Baterias ineficientes e os elevados custos de eletrificação das ferrovias inibiram o desenvolvimento; 28

29 Elétricas No fim do séc. XIX voltou a receber incentivo como transporte urbano; 29

30 Elétricas Continuou seu desenvolvimento no séc. XX; Amplamente utilizada no transporte de passageiros; 30

31 Elétricas Continuou seu desenvolvimento no séc. XX; Amplamente utilizada no transporte de passageiros; 31

32 Elétricas Custo da infraestrutura faz com que somente ferrovias de uso constante sejam eletrificadas; 32

33 Elétricas No Japão, todas as linhas são eletrificadas; O recorde de velocidade para trens é detido por um TGV; 33

34 Elétricas Inicialmente eram utilizados motores de corrente contínua; Quando a tecnologia dos motores de corrente alternada foi melhor dominada, tornaram-se a escolha preferencial; 34

35 Outros tipos GTEL Gas Turbine Eletric Locomotive; Célula Combustível; Gasolina; MAGLEV; 35

36 No Brasil Incentivos sem resultados entre 1828 e 1850; Pioneiro: Barão de Mauá ; Ligação entre a Baía de Guanabara e a Raiz da Serra de Petrópolis; 36

37 No Brasil ,1 km ,7 km km km km km km km km Problemas decorrentes da expensão: Diferentes bitolas; Traçados sinuosos; Pequenas ferrovias espalhadas pelo território; 37

38 No Brasil 1922 Primeiro trecho eletrificado; 2011 Somente 1121 km ligados à rede; 38

39 No Brasil Entre 1957 e 1971 Estatização e unificação; Década de 90 Privatização; 39

40 No Brasil Entre 1957 e 1971 Estatização e unificação; Década de 90 Privatização; 40

41 No Brasil 41

42 No Brasil Projetos futuros: Trem de Alta Velocidade Rio-São Paulo; Apresentado em 2008, já sofreu vários atrasos; Nenhuma empresa interessou-se pelo projeto; Edital adiado para outubro deste ano. 42

43 Dúvidas? 43

44 Referências en.wikipedia.org; howstuffworks.com; rffsa.gov.br; all-logistica.com.br; railway-technical.com; 44

45 45

A função de ligar a produção ao consumo; A evolução do sistema de transporte está associada às mudanças econômicas do Brasil;

A função de ligar a produção ao consumo; A evolução do sistema de transporte está associada às mudanças econômicas do Brasil; Geografia A dimensão territorial do país; A função de ligar a produção ao consumo; A evolução do sistema de transporte está associada às mudanças econômicas do Brasil; Segunda metade do século XX: contradição

Leia mais

Comboios em Portugal. Índice. Comboios de Mercadorias Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto FEUP

Comboios em Portugal. Índice. Comboios de Mercadorias Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto FEUP Comboios em Portugal Ana Correia José Henriques Luís Moreira Miguel Cunha Miguel Seixas Nuno Pereira CIV212 MIEC Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto FEUP Índice de transporte; e evolução

Leia mais

A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas

A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas 7º Seminário sobre Ferrovias: Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário Vicente Abate - Presidente da ABIFER

Leia mais

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999):

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999): Prof. Andressa Caracterização Geral A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Os transportes contêm três elementos: Infraestrutura - é a malha de transporte: rodoviária,

Leia mais

O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS

O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS Estudantes & Autores: Eduardo Ribeiro Rui Ribeiro Gonçalo Veloso Jóni Cabral Manuel Azevedo Curso: MIEM Turma: 1M8_3 Unidade Curricular: Projeto

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Gestão da Inovação Aula 2 Surgimento da inovação relacionada à ciência São José dos Campos, abril de 2011 Inovações da Segunda Revolução Industrial Aprimoramento

Leia mais

III ENCONTRO DE FERROVIAS ANTF

III ENCONTRO DE FERROVIAS ANTF III ENCONTRO DE FERROVIAS ANTF Transporte Ferroviário - A Década dos Desafios e das Oportunidades Vicente Abate - Presidente da ABIFER Juiz de Fora, 27 de outubro de 2011 ABIFER, há 34 anos APRESENTAÇÃO

Leia mais

Uma estrela no. Tecnologia. Segurança. Interoperacionalidade. Flexibilidade. Conforto. Eficiência Energética

Uma estrela no. Tecnologia. Segurança. Interoperacionalidade. Flexibilidade. Conforto. Eficiência Energética Velaro Tecnologia e Segurança em Alta Velocidade Apresentação: Eng. Juarez Barcellos Filho Mobility Division, Siemens Ltda. Pág. 1 Siemens Siemens Ltda. Ltda. 2010 2010 Velaro A plataforma da Siemens para

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ: LENTES 413EE TEORIA

REFRAÇÃO DA LUZ: LENTES 413EE TEORIA 1 TEORIA 1. POTÊNCIA DE UMA FONTE DE CALOR Como o calor é uma forma de energia, podemos dizer que as fontes de calor são corpos ou sistemas termodinâmicos (como o Sol) capazes de transferir calor para

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Estradas de Ferro Introdução

Departamento de Eng. Produção. Estradas de Ferro Introdução Departamento de Eng. Produção Estradas de Ferro Introdução Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 História 3 Provas ou 2 Provas (individual) 1 Trabalho ou 2

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais

Transportes Ferroviários

Transportes Ferroviários ENERGIA NOS TRANSPORTES Transportes Ferroviários 2008 Evolução dos transportes Infra-estruturas - Navios Ausência de infra-estruturas construídas pelo homem Inicialmente à vela, o vapor surge no séc. XIX

Leia mais

A Segunda Revolução Industrial

A Segunda Revolução Industrial A Segunda Revolução Industrial Aula 44 As novas tecnologias A Segunda Revolução Industrial atingiu vários países do mundo e deu início à era dos oligopólios e do Capitalismo Financeiro. A expansão da Revolução

Leia mais

Operações ferroviárias tipo push-pull aplicadas a serviços de trens metropolitanos no Brasil. 23ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

Operações ferroviárias tipo push-pull aplicadas a serviços de trens metropolitanos no Brasil. 23ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Operações ferroviárias tipo push-pull aplicadas a serviços de trens metropolitanos no Brasil 23ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Os trens convencionais Locomotiva rebocando um conjunto de vagões

Leia mais

Desiro Mainline. A nova geração de Trens Regionais da Siemens. Março de Transportation Systems. pagina 1

Desiro Mainline. A nova geração de Trens Regionais da Siemens. Março de Transportation Systems. pagina 1 Desiro Mainline Transportation Março de 2006 A nova geração de Trens Regionais da Siemens pagina 1 Soluções para todas as demandas Pass. p.h.p.s. 100,000 Capacidade de transporte dos diversos sistemas,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FERROVIÁRIOS

RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FERROVIÁRIOS RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FERROVIÁRIOS 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo 16/09/2016 HISTÓRIA DA FERROVIA O Nascimento do Trem Carruagem a vapor de Richard

Leia mais

Máquinas de Fluxo Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos

Máquinas de Fluxo Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos 1 Máquinas de Fluxo Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos 2 Introdução Fontes primárias de energia: óleo, carvão, fissão

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

ENERGIA E HISTÓRIA Dominando o conhecimento sobre energia

ENERGIA E HISTÓRIA Dominando o conhecimento sobre energia 2 ENERGIA E HISTÓRIA Dominando o conhecimento sobre energia . prêmio jovem cientista 17 caderno do professor O uso da energia marcou as diferentes formas de civilização humana desde a pré-história até

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências:

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências: 1. econômicas 2. sociais 3. políticas Educação para o Trabalho 1 Aperfeiçoamento Escravismo, feudalismo

Leia mais

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Grandes preocupações da humanidade Aquecimento Global

Leia mais

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes Laboratório de Tecnologia de Pavimentação IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Profa. Dra. ROSÂNGELA MOTTA Março,

Leia mais

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs

Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Infraestrutura Econômica e Desenvolvimento: Transportes, Energia e TICs Fabiano Mezadre Pompermayer Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, Inovação, Produção e Infraestrutura IPEA Instituto de Pesquisa

Leia mais

TRENS DE ALTA VELOCIDADE

TRENS DE ALTA VELOCIDADE TRENS DE ALTA VELOCIDADE LINHA RIO SÃO PAULO OS PROJETOS AVALIADOS TRANSCORR RSC, desenvolvido sob a coordenação do GEIPOT (empresa vinculada ao MT, atualmente em processo de liquidação), com recursos

Leia mais

HIDROVIAS E SUA LOGÍSTICA PARTE 2. Os desafios e perspectivas do transporte ferroviário no Brasil

HIDROVIAS E SUA LOGÍSTICA PARTE 2. Os desafios e perspectivas do transporte ferroviário no Brasil HIDROVIAS E SUA LOGÍSTICA PARTE 2 Os desafios e perspectivas do transporte ferroviário no Brasil Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 18 de setembro de 2014 ABIFER, há mais de 37 anos ABIFER

Leia mais

PROJETO TAV. Rio SP Campinas. Paulo Benites 18.abr.2011

PROJETO TAV. Rio SP Campinas. Paulo Benites 18.abr.2011 PROJETO TAV Rio SP Campinas Paulo Benites 18.abr.2011 Tecnologia TAV não é apenas um TREM Trem de Alta Velocidade requer um Sistema Completo A Integração de Sistemas é crítica: Material Rodante, Infraestrutura,

Leia mais

MagLev-Cobra. Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan.

MagLev-Cobra. Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan. MagLev-Cobra Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan rms@ufrj.br 1 Roteiro 1. Tecnologia MagLev na UFRJ 2. Reduções de Custos em relação ao

Leia mais

LOCOTRATOR HULK EQUIPAMENTOS FERROVIÁRIOS

LOCOTRATOR HULK EQUIPAMENTOS FERROVIÁRIOS LOCOTRATOR HULK EQUIPAMENTOS FERROVIÁRIOS LOCOTRATOR MODELO HULK Força de tração de mais de 2.000 (duas mil) toneladas. Pag. 02 1.Equipamento de pneus rodoviários. fácil mobilidade, equipado com 2.Fácil

Leia mais

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012

Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Linhas de Financiamento Veículos Elétricos Bernardo Hauch Ribeiro de Castro Gerente AI/DEPIP Agosto 2012 Agenda Indústria Automotiva Drivers para difusão Situação atual Linhas do BNDES Indústria Automotiva

Leia mais

Máquinas Térmicas: Cogeração

Máquinas Térmicas: Cogeração Máquinas Térmicas: Conceitos Básicos 1 Geração Distribuída Usina Usina Eólica MCI Área Rural Consumidores Célula Comb. Conservação de Energia Bateria Microturbina CF Geração Distribuída Geração distribuída

Leia mais

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS AULA ZERO Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 Professor: Ramón Silva Sala 4 Prédio Facet ramonsilva@ufgd.edu.br Conteúdo: disponível em https://proframonsilva.wordpress.com/ Motores

Leia mais

Revolução Industrial I e II

Revolução Industrial I e II HISTÓRIA ORIGEM PIONERISMO INGLÊS CURIOSIDADES INVEÇÕES ENTRE OUTROS RELAÇÕES DE TRABALHO Revolução Industrial I e II Editoras/Grupo: Ana Clara, Kaline, Maria Bheatriz Sumário Pagina 3- O que foi a Revolução

Leia mais

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Guilherme Quintella Chairman UIC South America 13 de Setembro de 2012 UIC União Internacional de Ferrovias» Fundada em 1922 com sede em Paris»

Leia mais

A potência em constante evolução. Técnica de locomotivas

A potência em constante evolução. Técnica de locomotivas A potência em constante evolução. Técnica de locomotivas Voith Turbo Lokomotivtechnik A competência na técnica das locomotivas, desde a Engenharia à produção, incluindo a manutenção, adquirida pela Voith

Leia mais

Energia & Sustentabilidade

Energia & Sustentabilidade Energia & Sustentabilidade O que é Energia? O termo energia do grego: "ergos, cujo significado original é trabalho, força em ação. Fontes limpas de energia: a luz do sol; o vento; a água. Energia Elétrica

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Elétrica PROGRAMA. Pré-Requisito: ELET0053 MATERIAIS ELÉTRICOS ELET0031 ELETROMAGNETISMO 2

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Elétrica PROGRAMA. Pré-Requisito: ELET0053 MATERIAIS ELÉTRICOS ELET0031 ELETROMAGNETISMO 2 PROGRAMA Disciplina: MÁQUINAS PRIMÁRIAS Código: ELET0052 Carga Horária Semestral: 60 HORAS Obrigatória: sim Eletiva: Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: ELET0053 MATERIAIS

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GERAÇÃO DISTRIBUIDA. Prof. Electo Eduardo Silva Lora

FUNDAMENTOS DA GERAÇÃO DISTRIBUIDA. Prof. Electo Eduardo Silva Lora FUNDAMENTOS DA GERAÇÃO DISTRIBUIDA Prof. Electo Eduardo Silva Lora electo@unifei.edu.br Avg. Generation Cost, $/MW 1930 1990 1950 1970 1980 50 200 600 1,000 Plant Size, MW O retorno às ideias de Edison

Leia mais

Automação em válvulas

Automação em válvulas Automação em válvulas Evolução notável. 2017-6-29/AFC Automação em válvulas 1 O que é automação? Dicionário online de Português (https://www.dicio.com.br/automacao/) 1 Criação de autômatos (Ato de automatizar).

Leia mais

Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha

Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha 1 No âmbito da UC Projeto FEUP vamos abordar os seguintes tópicos: Custos energéticos na viagem Porto Vila Real; Meios

Leia mais

O QUE É ENERGIA? CONVERSÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. É o princípio de tudo.

O QUE É ENERGIA? CONVERSÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. É o princípio de tudo. 1 O QUE É ENERGIA? É o princípio de tudo. Energia é a força que movimenta todos os corpos do Universo. Esta afirmação contém em si mesma um erro; consegue identificá-lo? Energia é a capacidade de produzir

Leia mais

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. website:

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S.   website: UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk Suméria por volta de 4.000 A.C. Egípcios

Leia mais

CRRC Corporation Ltd.

CRRC Corporation Ltd. CRRC Corporation Ltd. www.crrcgc.cc Perfil da companhia Empresa listada de A + H ações 46 empresas subsidiárias 187.000 empregados UIC ISO IRIS IEC TSI AAR DIN GOST 2 Copyright 2015 CRRC Corporation Limited

Leia mais

Aplicações em sistemas de transporte

Aplicações em sistemas de transporte LEVITAÇÃO MAGNÉTICA: Aplicações em sistemas de transporte 1. Introdução (técnicas de levitação) 2. Levitação Eletromagnética (EML) 3. Levitação Eletrodinâmicas (EDL) 4. Levitação Supercondutora (SML) R.M.

Leia mais

GST1119 TECNOLOGIAS DO TRANSPORTE DE CARGA. Aula 02

GST1119 TECNOLOGIAS DO TRANSPORTE DE CARGA. Aula 02 GST1119 TECNOLOGIAS DO TRANSPORTE DE CARGA Aula 02 1 2 O sistema de transporte doméstico se refere ao conjunto de trabalho, facilidades e recursos que compõem a capacidade de movimentação na economia.

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira Antecedentes Históricos da Administração Professor Maurício Teixeira Abordagens Mostrar a história Incipiente preocupação com a Administração na antiguidade Influencias da Administração Filosóficas Da

Leia mais

A Administração e suas perspectivas

A Administração e suas perspectivas Teoria Básica da Administração Introdução Professor: Roberto César A Administração e suas perspectivas A teoria geral da administração seguiu uma linha de raciocino, e cada teoria procurou enfatizar uma

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

USADOS atualização

USADOS atualização biomassa Marca: Vanmaq. Largura da boca de 500 mm, altura de passagem de 150 mm. Esteira de entrada de 3500 mm. Polia para motor principal. 1 chave reversora, com correias torque team. 2 redutores e 2

Leia mais

AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES LEONARDO SOUZA

AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES LEONARDO SOUZA AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES Apresentar proposta de classificação de vias em âmbito nacional, de forma a permitir padronização de conceitos entre as diversas ferrovias brasileiras. Normas e conceitos mundiais;

Leia mais

PSA PEUGEOT CITROËN. Franck Turkovics

PSA PEUGEOT CITROËN. Franck Turkovics PSA PEUGEOT CITROËN Franck Turkovics Tecnologia Hybrid Air Uma tecnologia de ruptura no mundo dos híbridos Preço vsemissões de CO2 ( base França) Volt 40000 35000 HEV HSD PHEV HSD HEV Hy4 Híbrido Plugin

Leia mais

Planejamento de Transportes: Introdução à Logística

Planejamento de Transportes: Introdução à Logística UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Planejamento de Transportes: Introdução à Logística ESTRATÉGIAS DE LOCALIZAÇÃO Profª. Daniane F. Vicentini Atividades com a maior parcela do custo total de logística: Transportes:

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda 1 Introdução O fenômeno da combustão sempre esteve diretamente ligado à história da humanidade desde os primórdios de sua existência. No início, através do fogo espontâneo presente na natureza. Pelas suas

Leia mais

CENTRO DE PROTOTIPAGEM E INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL BASEADO EM TECNOLOGIA INOVAÇÃO A TODA PROVA.

CENTRO DE PROTOTIPAGEM E INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL BASEADO EM TECNOLOGIA INOVAÇÃO A TODA PROVA. CENTRO DE PROTOTIPAGEM E INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL BASEADO EM TECNOLOGIA INOVAÇÃO A TODA PROVA. Fundada em 2012 a Tracel desenvolveu e absorveu tecnologias proveniente das suas fundadoras,

Leia mais

Lembro a todos que estes slides não servem como embasamento TOTAL para a prova. Prof. Matheus

Lembro a todos que estes slides não servem como embasamento TOTAL para a prova. Prof. Matheus Lembro a todos que estes slides não servem como embasamento TOTAL para a prova Prof. Matheus Indústria e Transportes Prof. Matheus O Processo de Industrialização Indústria: Setor Secundário da economia;

Leia mais

A Segunda Lei da Termodinâmica

A Segunda Lei da Termodinâmica A Segunda Lei da ermodinâmica -Evitar desperdícios - Conservar energia - A Energia total do Universo não muda! A 1ª Lei não conta a história toda! 2ª Lei trata da possibilidade ou impossibilidade de se

Leia mais

Painel "Logística como Fator de Competitividade. "Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE".

Painel Logística como Fator de Competitividade. Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE. Painel "Logística como Fator de Competitividade "Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE". Agenda Painel "Logística como Fator de Competitividade A Transnordestina Indução de Oportunidades

Leia mais

A Competitividade da Indústria Química no contexto da Logística

A Competitividade da Indústria Química no contexto da Logística Brasil: uma vocação natural para a indústria química A Competitividade da Indústria Química no contexto da Logística USUPORT Bahia 29 de Novembro de 2016 País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais

Leia mais

ENGENHARIA: PERSPECTIVAS HISTÓRICAS

ENGENHARIA: PERSPECTIVAS HISTÓRICAS ENGENHARIA: PERSPECTIVAS HISTÓRICAS Introdução a Engenharia Elétrica Professor: André Penteado Bíscaro Alunos: Dácio Schreiner Fernando Henrique Conceição dos Santos Rony Cristian Ramos da Silva Thaynara

Leia mais

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO ENERGIA Do fogo a energia elétrica O fogo O fogo é a rápida oxidação de um material combustível liberando calor, luz e produtos de reação, tais como o dióxido de carbono

Leia mais

Relação limite entre a força lateral ( L ) e a força vertical ( V) na roda do trem.

Relação limite entre a força lateral ( L ) e a força vertical ( V) na roda do trem. pág. 1/11 Relação limite entre a força lateral ( L ) e a força vertical ( V) na roda do trem. Figuras do livro : Tratado de Estradas de Ferro Vol. II Eng. José Eduardo S. Castello Branco e Eng. Ronaldo

Leia mais

1. A carroça de fogo (De Feierwon )

1. A carroça de fogo (De Feierwon ) V. O Luxemburgo país industrial (Luxembourg wird ein Industrieland) 1. A carroça de fogo (De Feierwon ) Uma nova força: o vapor (Eine neue Kraft: der Dampf) Nos diversos sectores, os moinhos de energia

Leia mais

Aula 2 Capítulo 2: a circulação de mercadoria, de informação e de capital financeiro nos diversos territórios

Aula 2 Capítulo 2: a circulação de mercadoria, de informação e de capital financeiro nos diversos territórios Aula 2 Capítulo 2: a circulação de mercadoria, de informação e de capital financeiro nos diversos territórios Revisando o que estudamos até aqui A Globalização é um processo onde a economia, cultura e

Leia mais

O Corredor Campinas São Paulo Rio

O Corredor Campinas São Paulo Rio O Corredor Campinas São Paulo Rio PIB do Corredor: 40% PIB do Brasil RM Rio de Janeiro 11 milhões habitantes 12,3% PIB do Brasil RM Campinas 2,6 milhões habitantes 4,15% PIB do Brasil RM São Paulo 19 milhões

Leia mais

PROVA DE FÍSICA - 1 o TRIMESTRE 2012

PROVA DE FÍSICA - 1 o TRIMESTRE 2012 PROVA DE FÍSICA - 1 o TRIMESTRE 2012 PROF. VIRGÍLIO NOME Nº 9º ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É

Leia mais

Países pioneiros no processo de industrialização. IFMG Campus Betim 2015

Países pioneiros no processo de industrialização. IFMG Campus Betim 2015 Países pioneiros no processo de industrialização IFMG Campus Betim 2015 São o Reino Unido, a França, a Bélgica e os Estados Unidos. Vamos estudar: Reino Unido: primeiro a se industrializar, mas seu PIB

Leia mais

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Agenda Introdução sobre veículos elétricos Desafios para a adoção em massa

Leia mais

Definição sobre usinagem

Definição sobre usinagem Definição sobre usinagem Aplica-se a todos os processos de fabricação onde ocorre a remoção de material sob a forma de cavaco (DIN 8580) Usinagem Confere forma, dimensão e acabamento a peça através da

Leia mais

29/06/2016. Apresentação: Mário Rodrigues Jr. Presidente da VALEC

29/06/2016. Apresentação: Mário Rodrigues Jr. Presidente da VALEC 29/06/2016 Apresentação: Mário Rodrigues Jr. Presidente da VALEC VALEC EMPREENDIMENTOS DA VALEC Em operação: EF 151: Ferrovia Norte Sul FNS, Açailândia/MA - Palmas/TO EF 151: Ferrovia Norte Sul FNS, Palmas/TO

Leia mais

Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial

Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial Revolução Agrícola e o arranque da Revolução Industrial A preferência pela agricultura Que o soberano e a nação nunca percam de vista que a terra é a última fonte de riquezas e que é o agricultor quem

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

Histórico do Comércio

Histórico do Comércio Histórico do Comércio A palavra significa ato de negociar, vender, revender, comprar, em resumo, são todas as relações de negócios. O homem negocia desde a Pré-História, onde o excedente dos produtos que

Leia mais

ENEM 2003 QUESTÕES DE FÍSICA

ENEM 2003 QUESTÕES DE FÍSICA ENEM 2003 QUESTÕES DE FÍSICA 01) Águas de março definem se falta luz este ano. Esse foi o título de uma reportagem em jornal de circulação nacional, pouco antes do início do racionamento do consumo de

Leia mais

Motores Elétricos Lineares

Motores Elétricos Lineares Prof. Antonio Carlos Ferreira Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Engenharia Elétrica ferreira@ufrj.br Organização Princípio de funcionamento Classificação Aplicações transportes Comentários

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA ENERGIA: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E CONSTEXTO ATUAL ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS 1 PETRÓLEO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO ESTRUTURAL DE VIAS SOBRE LASTRO

AVALIAÇÃO DO ESTADO ESTRUTURAL DE VIAS SOBRE LASTRO 11 a. SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA FÓRUM TÉCNICO AVALIAÇÃO DO ESTADO ESTRUTURAL DE VIAS SOBRE LASTRO AUTORES: (1) CÁSSIO EDUARDO LIMA DE PAIVA - UNICAMP (2) JOÃO DINI PIVOTO MRS LOGÍSTICA (3) FERNANDO

Leia mais

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 PCH's De acordo com a resolução No. 394-04/12/1998 da ANEEL Agência Nacional de Energia

Leia mais

Células de Hidrogênio

Células de Hidrogênio Células de Hidrogênio Dr. Julio Cesar Martins da Silva quimijulio@gmail.com Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN/CNEN-SP Centro de Células a Combustível e Hidrogênio - CCCH Av. Prof. Lineu

Leia mais

FORD TRANSIT 2009 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

FORD TRANSIT 2009 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 FORD TRANSIT 2009 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Modelo... Van/Furgão Motor... Ford Duratorq 2.4 L TDCI Número de cilindros... 4 Potência (cv/rpm)... 115,6 (85 kw)/ 3.500 Torque (kgfm/rpm)... 31,63 (310 Nm)/

Leia mais

Raio-X do Comércio Exterior Brasileiro

Raio-X do Comércio Exterior Brasileiro Raio-X do Comércio Exterior Brasileiro DESTAQUES Déficit recorde do setor de manufaturados: O Brasil fechou o ano de 2010 com o maior déficit comercial de sua história do setor manufatureiro, de US$ 70,9

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA... 1 1.1 Variáveis e Transformações Termodinâmicas... 1 1.2 Primeiro Princípio da Termodinâmica... 1 1.3 Segundo Princípio da Termodinâmica... 2 1.4 Expressões das Variáveis

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANA. Campus Campo Largo. Geradores Elétricos Prof. Roberto Sales

INSTITUTO FEDERAL DO PARANA. Campus Campo Largo. Geradores Elétricos Prof. Roberto Sales Geradores Elétricos 2017 Conteúdo Tema: Geração de energia Subtema: Geradores químicos e mecânicos Geradores químicos Contextualização conceitual: Circuito equivalente; Equação do gerador; Curva de carga;

Leia mais

Carga Aérea Crescimento e Estratégias. Por: Marcus Gentil

Carga Aérea Crescimento e Estratégias. Por: Marcus Gentil Carga Aérea Crescimento e Estratégias Por: Marcus Gentil Vídeo de Abertura Agenda Representatividade e Missão Tipos de Cargas e suas Principais Características Participação Comparativa dos Modais Evolução

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Sinalização

Departamento de Eng. Produção. Sinalização Departamento de Eng. Produção Sinalização Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Sistemas de Comunicação e Sinalização A operação ferroviária consiste em imprimir

Leia mais

Invenção da máquina a vapor Escoar com rapidez os produtos. Aplicação à indústria QUAL O FIM??? Governos europeus criaram novos meios de transporte

Invenção da máquina a vapor Escoar com rapidez os produtos. Aplicação à indústria QUAL O FIM??? Governos europeus criaram novos meios de transporte Invenção da máquina a vapor Escoar com rapidez os produtos Aplicação à indústria QUAL O Governos europeus criaram novos meios de transporte FIM??? APARECERAM DESAPARECERAM Após 1825 Surge primeira linha

Leia mais

Prof. Luís Fernando Pagotti

Prof. Luís Fernando Pagotti Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti energia não pode ser criada nem destruída, só pode ser transformada! Como Converter Energia? Combustores;

Leia mais

Fontes Alternativas para a Expansão do Sistema de Distribuição

Fontes Alternativas para a Expansão do Sistema de Distribuição Fontes Alternativas para a Expansão do istema de Distribuição Antonia ônia Alves Cardoso Diniz, Ph.D. uperintendência de Expansão e Mercado da Distribuição - ED Gerência Coordenação da Expansão da Distribuição

Leia mais

Transportes no Brasil

Transportes no Brasil TRANSPORTES 1 Transportes no Brasil Até a década de 1950, a economia brasileira se fundava na exportação de produtos primários, e com isso o sistema de transportes limitou-se aos transportes fluvial e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS TRENS REGIONAIS. Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento Companhia Paulista Trens Metropolitanos - CPTM

A IMPORTÂNCIA DOS TRENS REGIONAIS. Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento Companhia Paulista Trens Metropolitanos - CPTM A IMPORTÂNCIA DOS TRENS REGIONAIS Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento Companhia Paulista Trens Metropolitanos - CPTM REDE DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS SOBRE TRILHOS NA MACROMETRÓPOLE

Leia mais

Figura 1 Locomotiva a vapor Fonte: Burciaga/Freerangestock.com

Figura 1 Locomotiva a vapor Fonte: Burciaga/Freerangestock.com CALOR, ENERGIA E TRABALHO CONTEÚDO 1 a lei da Termodinâmica AMPLIANDO SEUS CONHECIMENTOS Energia e Trabalho Nos dias atuais é muito normal quando falamos sobre o consumo de energia, trazermos juntos uma

Leia mais

Velaro Tecnologia e Segurança em Alta Velocidade

Velaro Tecnologia e Segurança em Alta Velocidade Velaro Tecnologia e Segurança em Alta Velocidade Apresentação: Marco Missawa CEO Rolling Stocks - Pág. 1 O Primeiro Trem de Alta Velocidade do Mundo Construído em 1903 pela Siemens Este veículo, produzido

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE)

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE) EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE) Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br RECAPITULANDO Apresentação da disciplina; Conceito de energia; Conceito de eficiência energética; Panorama energético

Leia mais

A visão da ANTF na normalização do CB06/ABNT

A visão da ANTF na normalização do CB06/ABNT Mário Machado Barcellos Consultor Técnico da ANTF Juiz de Fora, 28 de outubro de 2011 A visão da ANTF na normalização do CB06/ABNT www.antf.org.br Associadas ANTF Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com

Leia mais

Pengcheng. A Primeira Frota de Táxis T. Elétricos no Mundo. Michael Kwei. del Shenzhen Bus Group. Shenzhen, China

Pengcheng. A Primeira Frota de Táxis T. Elétricos no Mundo. Michael Kwei. del Shenzhen Bus Group. Shenzhen, China SHENZHEN BUS Pengcheng A Primeira Frota de Táxis T Elétricos no Mundo uma subsidiária del Shenzhen Bus Group Michael Kwei Shenzhen Bus Group Shenzhen, China www.shenzhenbus.com Onde está Shenzhen Beijing

Leia mais

Ana Cristina, Angela, Marcos, Michele, Rafael, Rosane e Sidimar 3º Adm C

Ana Cristina, Angela, Marcos, Michele, Rafael, Rosane e Sidimar 3º Adm C Ana Cristina, Angela, Marcos, Michele, Rafael, Rosane e Sidimar 3º Adm C Os primeiros vestígios Grécia Antiga Em 1350, relatos na catedral Freiburg Revolução Industrial sec. XVIII Emergiu na Europa no

Leia mais

Máquinas térmicas, refrigeradores e 2 a lei da Termodinâmica

Máquinas térmicas, refrigeradores e 2 a lei da Termodinâmica Máquinas térmicas, refrigeradores e 2 a lei da Termodinâmica Processos irreversíveis. Máquinas térmicas. Ciclo de Carnot 2 a lei da Termodinâmica: enunciado de Kelvin-Planck. Refrigeradores. 2 a lei da

Leia mais

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Painel 4 - A Competitividade da Indústria Metroferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 12 de setembro de 2012 ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar

Leia mais

SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL IMPERIALISMO

SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL IMPERIALISMO SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL & IMPERIALISMO Observe as imagens e reflita! Definição O que podemos definir como práticas imperialistas? Quem as praticava? Onde as praticava? Quais os objetivos a serem alcançados

Leia mais