Locomotivas. Gilberto Felipe Pinho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Locomotivas. Gilberto Felipe Pinho"

Transcrição

1

2 Agenda Motivação Introdução Classificação a Vapor Diesel Elétricas Outros tipos Transporte Ferroviário no Brasil 2

3 Motivação Visita à América Latina Logística; 3

4 Introdução O que é uma locomotiva? 4

5 Comparativo -Facilidade de troca -Flexibilidade -Segurança -Ruído -Eficiência -Confiabilidade -Necessidade de dar meia volta com o trem 5

6 Introdução Origem do transporte ferroviário : Trilhos de pedra na Grécia (600 A.C.); Trilhos de madeira na Alemanha (séc. XVI). 6

7 Cassificação: Força Motriz Vapor Diesel Elétrica Híbrida Mecânico Convencional Elétrico GTEL Célula Combustível 7

8 a Vapor Máquinas à vapor surgem no séc. XVII; 1º motor comercialmente viável: séc. XVIII (Newcomen) Revolução Industrial; James Watt aumenta a eficiência em 75%; 1784 Escócia Primeiro protótipo; 1804 Reino Unido Locomotiva comercial; 8

9 a Vapor 9

10 a Vapor 10

11 a Vapor 11

12 a Vapor 12

13 a Vapor 13

14 a Vapor 14

15 a Vapor 15

16 a Vapor 16

17 a Vapor 17

18 a Vapor 18

19 a Vapor 19

20 a Vapor 20

21 Diesel 1892 Invenção do Motor Diesel; 1912 Expiração da patente; 21

22 Diesel Problemas: Motores grandes e pesados; Transmissão mecânica para múltiplas rodas; 22

23 Diesel Começaram a avançar nas pesquisas após a WWI; Substituíram definitivamente as a Vapor após a WWII; 23

24 Diesel-Mecânico 24

25 Diesel-Elétrico 25

26 Elétricas Segunda metade do séc. XIX - primeiras tentativas (anteriores às Diesel); Thomas Edison possuiu a patente de uma Locomotiva Elétrica; 26

27 Elétricas 27

28 Elétricas Baterias ineficientes e os elevados custos de eletrificação das ferrovias inibiram o desenvolvimento; 28

29 Elétricas No fim do séc. XIX voltou a receber incentivo como transporte urbano; 29

30 Elétricas Continuou seu desenvolvimento no séc. XX; Amplamente utilizada no transporte de passageiros; 30

31 Elétricas Continuou seu desenvolvimento no séc. XX; Amplamente utilizada no transporte de passageiros; 31

32 Elétricas Custo da infraestrutura faz com que somente ferrovias de uso constante sejam eletrificadas; 32

33 Elétricas No Japão, todas as linhas são eletrificadas; O recorde de velocidade para trens é detido por um TGV; 33

34 Elétricas Inicialmente eram utilizados motores de corrente contínua; Quando a tecnologia dos motores de corrente alternada foi melhor dominada, tornaram-se a escolha preferencial; 34

35 Outros tipos GTEL Gas Turbine Eletric Locomotive; Célula Combustível; Gasolina; MAGLEV; 35

36 No Brasil Incentivos sem resultados entre 1828 e 1850; Pioneiro: Barão de Mauá ; Ligação entre a Baía de Guanabara e a Raiz da Serra de Petrópolis; 36

37 No Brasil ,1 km ,7 km km km km km km km km Problemas decorrentes da expensão: Diferentes bitolas; Traçados sinuosos; Pequenas ferrovias espalhadas pelo território; 37

38 No Brasil 1922 Primeiro trecho eletrificado; 2011 Somente 1121 km ligados à rede; 38

39 No Brasil Entre 1957 e 1971 Estatização e unificação; Década de 90 Privatização; 39

40 No Brasil Entre 1957 e 1971 Estatização e unificação; Década de 90 Privatização; 40

41 No Brasil 41

42 No Brasil Projetos futuros: Trem de Alta Velocidade Rio-São Paulo; Apresentado em 2008, já sofreu vários atrasos; Nenhuma empresa interessou-se pelo projeto; Edital adiado para outubro deste ano. 42

43 Dúvidas? 43

44 Referências en.wikipedia.org; howstuffworks.com; rffsa.gov.br; all-logistica.com.br; railway-technical.com; 44

45 45

Comboios em Portugal. Índice. Comboios de Mercadorias Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto FEUP

Comboios em Portugal. Índice. Comboios de Mercadorias Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto FEUP Comboios em Portugal Ana Correia José Henriques Luís Moreira Miguel Cunha Miguel Seixas Nuno Pereira CIV212 MIEC Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Projecto FEUP Índice de transporte; e evolução

Leia mais

A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas

A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas A indústria metroferroviária brasileira - investimentos e perspectivas 7º Seminário sobre Ferrovias: Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário Vicente Abate - Presidente da ABIFER

Leia mais

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999):

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999): Prof. Andressa Caracterização Geral A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Os transportes contêm três elementos: Infraestrutura - é a malha de transporte: rodoviária,

Leia mais

O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS

O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS Estudantes & Autores: Eduardo Ribeiro Rui Ribeiro Gonçalo Veloso Jóni Cabral Manuel Azevedo Curso: MIEM Turma: 1M8_3 Unidade Curricular: Projeto

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Gestão da Inovação Aula 2 Surgimento da inovação relacionada à ciência São José dos Campos, abril de 2011 Inovações da Segunda Revolução Industrial Aprimoramento

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Estradas de Ferro Introdução

Departamento de Eng. Produção. Estradas de Ferro Introdução Departamento de Eng. Produção Estradas de Ferro Introdução Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 História 3 Provas ou 2 Provas (individual) 1 Trabalho ou 2

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

Desiro Mainline. A nova geração de Trens Regionais da Siemens. Março de Transportation Systems. pagina 1

Desiro Mainline. A nova geração de Trens Regionais da Siemens. Março de Transportation Systems. pagina 1 Desiro Mainline Transportation Março de 2006 A nova geração de Trens Regionais da Siemens pagina 1 Soluções para todas as demandas Pass. p.h.p.s. 100,000 Capacidade de transporte dos diversos sistemas,

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ: LENTES 413EE TEORIA

REFRAÇÃO DA LUZ: LENTES 413EE TEORIA 1 TEORIA 1. POTÊNCIA DE UMA FONTE DE CALOR Como o calor é uma forma de energia, podemos dizer que as fontes de calor são corpos ou sistemas termodinâmicos (como o Sol) capazes de transferir calor para

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FERROVIÁRIOS

RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FERROVIÁRIOS RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FERROVIÁRIOS 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo 16/09/2016 HISTÓRIA DA FERROVIA O Nascimento do Trem Carruagem a vapor de Richard

Leia mais

Uma estrela no. Tecnologia. Segurança. Interoperacionalidade. Flexibilidade. Conforto. Eficiência Energética

Uma estrela no. Tecnologia. Segurança. Interoperacionalidade. Flexibilidade. Conforto. Eficiência Energética Velaro Tecnologia e Segurança em Alta Velocidade Apresentação: Eng. Juarez Barcellos Filho Mobility Division, Siemens Ltda. Pág. 1 Siemens Siemens Ltda. Ltda. 2010 2010 Velaro A plataforma da Siemens para

Leia mais

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes Laboratório de Tecnologia de Pavimentação IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Profa. Dra. ROSÂNGELA MOTTA Março,

Leia mais

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Grandes preocupações da humanidade Aquecimento Global

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

MagLev-Cobra. Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan.

MagLev-Cobra. Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan. MagLev-Cobra Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan rms@ufrj.br 1 Roteiro 1. Tecnologia MagLev na UFRJ 2. Reduções de Custos em relação ao

Leia mais

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Guilherme Quintella Chairman UIC South America 13 de Setembro de 2012 UIC União Internacional de Ferrovias» Fundada em 1922 com sede em Paris»

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências:

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências: 1. econômicas 2. sociais 3. políticas Educação para o Trabalho 1 Aperfeiçoamento Escravismo, feudalismo

Leia mais

A potência em constante evolução. Técnica de locomotivas

A potência em constante evolução. Técnica de locomotivas A potência em constante evolução. Técnica de locomotivas Voith Turbo Lokomotivtechnik A competência na técnica das locomotivas, desde a Engenharia à produção, incluindo a manutenção, adquirida pela Voith

Leia mais

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda 1 Introdução O fenômeno da combustão sempre esteve diretamente ligado à história da humanidade desde os primórdios de sua existência. No início, através do fogo espontâneo presente na natureza. Pelas suas

Leia mais

ENERGIA E HISTÓRIA Dominando o conhecimento sobre energia

ENERGIA E HISTÓRIA Dominando o conhecimento sobre energia 2 ENERGIA E HISTÓRIA Dominando o conhecimento sobre energia . prêmio jovem cientista 17 caderno do professor O uso da energia marcou as diferentes formas de civilização humana desde a pré-história até

Leia mais

TRENS DE ALTA VELOCIDADE

TRENS DE ALTA VELOCIDADE TRENS DE ALTA VELOCIDADE LINHA RIO SÃO PAULO OS PROJETOS AVALIADOS TRANSCORR RSC, desenvolvido sob a coordenação do GEIPOT (empresa vinculada ao MT, atualmente em processo de liquidação), com recursos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GERAÇÃO DISTRIBUIDA. Prof. Electo Eduardo Silva Lora

FUNDAMENTOS DA GERAÇÃO DISTRIBUIDA. Prof. Electo Eduardo Silva Lora FUNDAMENTOS DA GERAÇÃO DISTRIBUIDA Prof. Electo Eduardo Silva Lora electo@unifei.edu.br Avg. Generation Cost, $/MW 1930 1990 1950 1970 1980 50 200 600 1,000 Plant Size, MW O retorno às ideias de Edison

Leia mais

Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha

Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha 1 No âmbito da UC Projeto FEUP vamos abordar os seguintes tópicos: Custos energéticos na viagem Porto Vila Real; Meios

Leia mais

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1

Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas. Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas Fontes alternativas de energia - micro e pequenas centrais hidrelétricas 1 PCH's De acordo com a resolução No. 394-04/12/1998 da ANEEL Agência Nacional de Energia

Leia mais

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Agenda Introdução sobre veículos elétricos Desafios para a adoção em massa

Leia mais

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. website:

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S.   website: UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk Suméria por volta de 4.000 A.C. Egípcios

Leia mais

Histórico do Comércio

Histórico do Comércio Histórico do Comércio A palavra significa ato de negociar, vender, revender, comprar, em resumo, são todas as relações de negócios. O homem negocia desde a Pré-História, onde o excedente dos produtos que

Leia mais

Aplicações em sistemas de transporte

Aplicações em sistemas de transporte LEVITAÇÃO MAGNÉTICA: Aplicações em sistemas de transporte 1. Introdução (técnicas de levitação) 2. Levitação Eletromagnética (EML) 3. Levitação Eletrodinâmicas (EDL) 4. Levitação Supercondutora (SML) R.M.

Leia mais

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS AGENDA 1 2 3 Situação atual Objetivos Benefícios Estratégia Conclusão Situação atual 3 Fabricantes de vagões de carga 2 Fabricantes de Locomotivas 70 Fabricantes

Leia mais

Revolução Industrial I e II

Revolução Industrial I e II HISTÓRIA ORIGEM PIONERISMO INGLÊS CURIOSIDADES INVEÇÕES ENTRE OUTROS RELAÇÕES DE TRABALHO Revolução Industrial I e II Editoras/Grupo: Ana Clara, Kaline, Maria Bheatriz Sumário Pagina 3- O que foi a Revolução

Leia mais

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO ENERGIA Do fogo a energia elétrica O fogo O fogo é a rápida oxidação de um material combustível liberando calor, luz e produtos de reação, tais como o dióxido de carbono

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Elétrica PROGRAMA. Pré-Requisito: ELET0053 MATERIAIS ELÉTRICOS ELET0031 ELETROMAGNETISMO 2

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Elétrica PROGRAMA. Pré-Requisito: ELET0053 MATERIAIS ELÉTRICOS ELET0031 ELETROMAGNETISMO 2 PROGRAMA Disciplina: MÁQUINAS PRIMÁRIAS Código: ELET0052 Carga Horária Semestral: 60 HORAS Obrigatória: sim Eletiva: Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: ELET0053 MATERIAIS

Leia mais

Etanol eficiente, A alternativa brasileira para o controle dos gases de efeito estufa (GEE) Sustentabilidade

Etanol eficiente, A alternativa brasileira para o controle dos gases de efeito estufa (GEE) Sustentabilidade Etanol eficiente, A alternativa brasileira para o controle dos gases de efeito estufa (GEE) PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUSTENTÁVEL. Sustentabilidade Eficiência Energética Conectadas e Sincronizadas

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO E POTÊNCIAS MUNDIAIS

INDUSTRIALIZAÇÃO E POTÊNCIAS MUNDIAIS INDUSTRIALIZAÇÃO E POTÊNCIAS MUNDIAIS MODOS DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL 1 O artesanato O artesanato, primeira forma de produção industrial, surgiu no fim da Idade Média com o renascimento comercial e urbano

Leia mais

1. A carroça de fogo (De Feierwon )

1. A carroça de fogo (De Feierwon ) V. O Luxemburgo país industrial (Luxembourg wird ein Industrieland) 1. A carroça de fogo (De Feierwon ) Uma nova força: o vapor (Eine neue Kraft: der Dampf) Nos diversos sectores, os moinhos de energia

Leia mais

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Painel 4 - A Competitividade da Indústria Metroferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 12 de setembro de 2012 ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES LEONARDO SOUZA

AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES LEONARDO SOUZA AUTOR: LEONARDO SOUZA SOARES Apresentar proposta de classificação de vias em âmbito nacional, de forma a permitir padronização de conceitos entre as diversas ferrovias brasileiras. Normas e conceitos mundiais;

Leia mais

Revoluções Industriais REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A INDÚSTRIA. Formada sobre as bases de acumulação do capital através do mercantilismo.

Revoluções Industriais REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A INDÚSTRIA. Formada sobre as bases de acumulação do capital através do mercantilismo. A INDÚSTRIA É o setor da economia que congrega o processo de transformação da matéria-prima em vários tipos de bens. A industria possui uma forte relação com os recursos naturais, sendo sua produção associada:

Leia mais

A Administração e suas perspectivas

A Administração e suas perspectivas Teoria Básica da Administração Introdução Professor: Roberto César A Administração e suas perspectivas A teoria geral da administração seguiu uma linha de raciocino, e cada teoria procurou enfatizar uma

Leia mais

Ver também Túnel do Canal da Mancha.

Ver também Túnel do Canal da Mancha. Estrada de ferro, Sistema de transporte sobre trilhos, que compreende a via permanente e outras instalações fixas, o material rodante e o equipamento de tráfego. É também chamado ferrovia ou via férrea.

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA... 1 1.1 Variáveis e Transformações Termodinâmicas... 1 1.2 Primeiro Princípio da Termodinâmica... 1 1.3 Segundo Princípio da Termodinâmica... 2 1.4 Expressões das Variáveis

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 1º 1 PERCURSO 26 (PARTE 3) A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA ENERGIA: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E CONSTEXTO ATUAL ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS 1 PETRÓLEO

Leia mais

Ana Cristina, Angela, Marcos, Michele, Rafael, Rosane e Sidimar 3º Adm C

Ana Cristina, Angela, Marcos, Michele, Rafael, Rosane e Sidimar 3º Adm C Ana Cristina, Angela, Marcos, Michele, Rafael, Rosane e Sidimar 3º Adm C Os primeiros vestígios Grécia Antiga Em 1350, relatos na catedral Freiburg Revolução Industrial sec. XVIII Emergiu na Europa no

Leia mais

Relação limite entre a força lateral ( L ) e a força vertical ( V) na roda do trem.

Relação limite entre a força lateral ( L ) e a força vertical ( V) na roda do trem. pág. 1/11 Relação limite entre a força lateral ( L ) e a força vertical ( V) na roda do trem. Figuras do livro : Tratado de Estradas de Ferro Vol. II Eng. José Eduardo S. Castello Branco e Eng. Ronaldo

Leia mais

Painel "Logística como Fator de Competitividade. "Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE".

Painel Logística como Fator de Competitividade. Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE. Painel "Logística como Fator de Competitividade "Importância da Ferrovia Transnordestina para o Complexo de SUAPE". Agenda Painel "Logística como Fator de Competitividade A Transnordestina Indução de Oportunidades

Leia mais

Fontes Alternativas para a Expansão do Sistema de Distribuição

Fontes Alternativas para a Expansão do Sistema de Distribuição Fontes Alternativas para a Expansão do istema de Distribuição Antonia ônia Alves Cardoso Diniz, Ph.D. uperintendência de Expansão e Mercado da Distribuição - ED Gerência Coordenação da Expansão da Distribuição

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira Antecedentes Históricos da Administração Professor Maurício Teixeira Abordagens Mostrar a história Incipiente preocupação com a Administração na antiguidade Influencias da Administração Filosóficas Da

Leia mais

Índice ELETROSERRA MOTOSERRA GASOLINA ROÇADEIRA GASOLINA APARADOR DE CERCA VIVA SOPRADOR / ASPIRADOR FOLHAS

Índice ELETROSERRA MOTOSERRA GASOLINA ROÇADEIRA GASOLINA APARADOR DE CERCA VIVA SOPRADOR / ASPIRADOR FOLHAS Linha JARDINAGEM Índice ELETROSERRA 06 MOTOSERRA GASOLINA 07 ROÇADEIRA GASOLINA 08 APARADOR DE CERCA VIVA 09 SOPRADOR / ASPIRADOR FOLHAS 10 FÁBRICA II FUNDIÇÃO USINAGEM PINTURA MONTAGEM Fidelidade às normas

Leia mais

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE AULA 8 ACIONAMENTO E MECANISMOS DE ELEVAÇÃO PROF.: KAIO DUTRA Acionamento Manual e Alavanca de Comando Um acionamento manual pode ser empregado em mecanismos de baixa

Leia mais

A visão da ANTF na normalização do CB06/ABNT

A visão da ANTF na normalização do CB06/ABNT Mário Machado Barcellos Consultor Técnico da ANTF Juiz de Fora, 28 de outubro de 2011 A visão da ANTF na normalização do CB06/ABNT www.antf.org.br Associadas ANTF Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com

Leia mais

Países pioneiros no processo de industrialização. IFMG Campus Betim 2015

Países pioneiros no processo de industrialização. IFMG Campus Betim 2015 Países pioneiros no processo de industrialização IFMG Campus Betim 2015 São o Reino Unido, a França, a Bélgica e os Estados Unidos. Vamos estudar: Reino Unido: primeiro a se industrializar, mas seu PIB

Leia mais

PROVA DE FÍSICA - 1 o TRIMESTRE 2012

PROVA DE FÍSICA - 1 o TRIMESTRE 2012 PROVA DE FÍSICA - 1 o TRIMESTRE 2012 PROF. VIRGÍLIO NOME Nº 9º ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação Objetos fixos, fluxos e rede de transporte Do ponto de vista da circulação, o espaço geográfico é uma combinação de objetos

Leia mais

Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos

Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA I Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos Industrialização e Imperialismo Heranças africanas A Primeira Guerra Mundial A Revolução Russa

Leia mais

FORD TRANSIT 2009 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

FORD TRANSIT 2009 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 FORD TRANSIT 2009 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Modelo... Van/Furgão Motor... Ford Duratorq 2.4 L TDCI Número de cilindros... 4 Potência (cv/rpm)... 115,6 (85 kw)/ 3.500 Torque (kgfm/rpm)... 31,63 (310 Nm)/

Leia mais

O Corredor Campinas São Paulo Rio

O Corredor Campinas São Paulo Rio O Corredor Campinas São Paulo Rio PIB do Corredor: 40% PIB do Brasil RM Rio de Janeiro 11 milhões habitantes 12,3% PIB do Brasil RM Campinas 2,6 milhões habitantes 4,15% PIB do Brasil RM São Paulo 19 milhões

Leia mais

Série

Série Série 5600 1 http://www.trainlogistic.com A Série 5600, mais conhecida como Eurosprinter ou Siemens, é um tipo de locomotiva elétrica ao serviço das operadoras Comboios de Portugal e CP Carga. Esta Série

Leia mais

Células de Hidrogênio

Células de Hidrogênio Células de Hidrogênio Dr. Julio Cesar Martins da Silva quimijulio@gmail.com Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN/CNEN-SP Centro de Células a Combustível e Hidrogênio - CCCH Av. Prof. Lineu

Leia mais

Texto da questão. I. A primeira Revolução Industrial aconteceu na Grã-Bretanha, com o algodão.

Texto da questão. I. A primeira Revolução Industrial aconteceu na Grã-Bretanha, com o algodão. Questão 1 No final do século XVIII e durante todo o século XIX aconteceu na Inglaterra a Revolução Industrial. Quais afirmativas são corretas com relação à Revolução Industrial? I. A primeira Revolução

Leia mais

Tempo de qualidade e redução de custos na colheita mecanizada

Tempo de qualidade e redução de custos na colheita mecanizada Tempo de qualidade e redução de custos na colheita mecanizada Marco Lorenzzo Cunali Ripoli, Ph.D. Gerente de Marketing Estratégico para Cana-de-Açúcar América Latina Compromisso Confiabilidade das soluções

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA - ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM LOGÍSTICA

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA - ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM LOGÍSTICA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA - ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM LOGÍSTICA ESTUDO DE VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO MODAL FERROVIARIO ANA JÚLIA NUNES ANDREOTTI CÉLIO CIRINO

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Unidade Curricular: Projeto FEUP Equipa: 1M06_01

Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Unidade Curricular: Projeto FEUP Equipa: 1M06_01 Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Unidade Curricular: Projeto FEUP Equipa: 1M06_01 Eduardo Miranda Moreira da Silva João Diogo de Oliveira Dias Boavida Barroso Marco Samuel Carvalho Ribeiro Sara

Leia mais

Prof. Luís Fernando Pagotti

Prof. Luís Fernando Pagotti Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti energia não pode ser criada nem destruída, só pode ser transformada! Como Converter Energia? Combustores;

Leia mais

A aplicação da Engenharia Mecânica nas Energias não Renováveis

A aplicação da Engenharia Mecânica nas Energias não Renováveis A aplicação da Engenharia Mecânica nas Energias não Renováveis A Evolução das Energias não Renováveis Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Turma 1M08 Equipa 1: João Amorim Mário Morgado Henrique Carneiro

Leia mais

Fontes energéticas. 8º ano Professor Gustavo Macieira

Fontes energéticas. 8º ano Professor Gustavo Macieira Fontes energéticas 8º ano Professor Gustavo Macieira Formas de energia Forno solar Com a ajuda de um carpinteiro, confeccione um baú de madeira, forrando-o com papel alumínio e colando um espelho do lado

Leia mais

Introdução. Produção simultânea de potência mecânica ou elétrica e de calor útil a partir de uma única fonte de calor

Introdução. Produção simultânea de potência mecânica ou elétrica e de calor útil a partir de uma única fonte de calor Cogeração Parte 1 Introdução Cogeração Produção simultânea de potência mecânica ou elétrica e de calor útil a partir de uma única fonte de calor OBS: alguns consideram também ciclo combinado como cogeração

Leia mais

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade ENERGIA Em busca da sustentabilidade Características de uma boa fonte de combustível i) Fornecer grande quantidade de energia por unidade de massa ou volume (Rendimento); ii) Facilmente disponível; iii)

Leia mais

SEMANA 1 INFORMÁTICA BÁSICA

SEMANA 1 INFORMÁTICA BÁSICA SEMANA 1 INFORMÁTICA BÁSICA Semana 1 Unidade 1 a natureza e o trabalho Unidade 2 - Tecnologias e mercado de trabalho SÍNTESE DAS UNIDADES Equipe de Formação: Fernanda Quaresma da Silva Hailton David Lemos

Leia mais

Máquinas térmicas, refrigeradores e 2 a lei da Termodinâmica

Máquinas térmicas, refrigeradores e 2 a lei da Termodinâmica Máquinas térmicas, refrigeradores e 2 a lei da Termodinâmica Processos irreversíveis. Máquinas térmicas. Ciclo de Carnot 2 a lei da Termodinâmica: enunciado de Kelvin-Planck. Refrigeradores. 2 a lei da

Leia mais

Movendo-se na cidade: Bicicleta Elétrica Híbrida.

Movendo-se na cidade: Bicicleta Elétrica Híbrida. Movendo-se na cidade: Bicicleta Elétrica Híbrida. Acadêmico: Guilherme Boff Orientador: Walter Strobel Neto Justificativa: O trânsito nas grandes cidades torna-se mais caótico cada dia. Engarrafamentos,

Leia mais

Turismo Ferroviário Desenvolvendo toda uma cadeia de serviços!

Turismo Ferroviário Desenvolvendo toda uma cadeia de serviços! Turismo Ferroviário Desenvolvendo toda uma cadeia de serviços! Adonai Arruda Filho Vice-presidente ABOTTC Associação Brasileira de Trens Turísticos e culturais Dir. Brasileiro ALAF (Asociación Latinoamericana

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Fevereiro de 2016 Equipamento que transforma energia elétrica

Leia mais

São Paulo, setembro de 2010

São Paulo, setembro de 2010 16ª SEMANA DE TECNOLOGIA METRO-FERROVIÁRIA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE METRÔ AEAMESP. SOLUÇÕES DE TRANSPORTE MAIS ADEQUADAS PARA AS CIDADES O BNDES E OS INVESTIMENTOS NO SETOR DE TRANSPORTES

Leia mais

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008

Bombas Hidráulicas. Nelson R. Amanthea. Jun2008 Bombas Hidráulicas Nelson R. Amanthea Jun2008 Objetivos Introdução Máquinas Hidráulicas Bombas Hidráulicas Recalque Sistemas de Bombeamento Denominação o Deslocamento Direto o Cinéticas Bombas Centrífugas

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS CONCESSIONÁRIAS 1- NOVOESTE Ferrovia Novoeste S.A. 2- FCA Ferrovia Centro-Atlântica S.A. 3- MRS MRS Logística S.A. 4- FTC Ferrovia Tereza Cristina S.A. 5- ALL

Leia mais

USO EFICIENTE DO ETANOL VEICULAR NO BRASIL

USO EFICIENTE DO ETANOL VEICULAR NO BRASIL USO EFICIENTE DO ETANOL VEICULAR NO BRASIL ÔNIBUS ELÉTRICO HÍBRIDO A ETANOL São Paulo SP, 21 de novembro de 2013 NABOR FERREIRA CABRAL Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Engenheiro Mecânico

Leia mais

SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL IMPERIALISMO

SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL IMPERIALISMO SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL & IMPERIALISMO Observe as imagens e reflita! Definição O que podemos definir como práticas imperialistas? Quem as praticava? Onde as praticava? Quais os objetivos a serem alcançados

Leia mais

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO?

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? MEIO AMBIENTE MUDANÇA CLIMÁTICA VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? Comparação das Emissões Totais e por Habitante de São Paulo, em GWP (t CO2 eq)

Leia mais

1ª Revolução Industrial

1ª Revolução Industrial Modelos de Administração da Produção Evolução dos Sistemas de Produção A Revolução Industrial trouxe uma produção acelerada, porém faltava organização e método. (Frederick Taylor 1856-1915) (Henry Ford

Leia mais

Ships. Instituto Superior TécnicoT

Ships. Instituto Superior TécnicoT Energy in Transports Ships Instituto Superior TécnicoT Objectivo do Navio Cada navio tem uma missão, ou função, e é concebido, construído, equipado e de modo específico e bem caracterizado. Exemplos de

Leia mais

ZÍZIMO MOREIRA FILHO VINÍCIUS RODRIGUES BORBA

ZÍZIMO MOREIRA FILHO VINÍCIUS RODRIGUES BORBA ZÍZIMO MOREIRA FILHO VINÍCIUS RODRIGUES BORBA 1680 Holandês Huygens propôs o motor movido à pólvora; 1688 Papin, físico e inventor francês, desenvolve motor à pólvora na Royal Society de Londres. O motor

Leia mais

2.1 Breve história da termodinâmica

2.1 Breve história da termodinâmica 2.1 Breve história da termodinâmica TERMODINÂMICA calor força, movimento No início, estudava os processos que permitiam converter calor em trabalho (força e movimento). 2.1 Breve história da termodinâmica

Leia mais

Placas de Circuito Impresso

Placas de Circuito Impresso Placas de Circuito Impresso Origem Anteriormente à invenção dos transistores os circuitos eletrônicos baseavam-se em válvulas à vácuo que, por serem relativamente grandes, dispensavam maiores preocupações

Leia mais

Fonte Características Vantagens Desvantagens

Fonte Características Vantagens Desvantagens Fonte Características Vantagens Desvantagens Hidrelétrica Uso da força dos rios para produção de energia elétrica Fonte não poluente e renovável Alto custo de implantação e grande impacto ambiental e econômico

Leia mais

SEM Aula 1 Introdução e Motivação. Prof. Dr. Marcelo Becker

SEM Aula 1 Introdução e Motivação. Prof. Dr. Marcelo Becker SEM0104 - Aula 1 Introdução e Motivação Prof. Dr. Marcelo Becker SEM - EESC - USP Prof. Dr. Marcelo Becker - SEM EESC USP Sumário da Aula Informações sobre o Curso Introdução Histórico Exemplos de Aplicação

Leia mais

Trens Regionais e Turísticos. João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos

Trens Regionais e Turísticos. João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos Trens Regionais e Turísticos João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos O início Decreto nº 55.564, de 15 de março de 2010 amplia as atribuições da STM e permite que atue no transporte

Leia mais

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Dr. Electo Eduardo Silva Lora Eng. Mateus Henrique Rocha Fórum Nacional sobre Carvão Vegetal Belo Horizonte, 21 de outubro de 2008. Núcleo de Excelência

Leia mais

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Aproveitamento da energia eólica Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Formas de aproveitamento Denomina-se energia eólica a energia cinética contida nas massas de ar em movimento

Leia mais

A roda: a maior invenção tecnológica

A roda: a maior invenção tecnológica A roda: a maior invenção tecnológica A roda parece ter sido inventada, há cerca de 6000 anos, na Mesopotâmia. Foi uma invenção de importância extraordinária, não só porque promoveu uma revolução no campo

Leia mais

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação.

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. ENERGIA origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. A mais antiga forma de energia é a produzida pelos músculos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 24/2015 Campus Santos Dumont FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 24/2015 Campus Santos Dumont FOLHA DE PROVA Tema 01: DESENHO TÉCNICO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Nos desenhos técnicos, são empregados vários tipos e espessuras de linhas. Descreva os principais tipos e sua função na representação

Leia mais

Classificação de Máquinas quanto ao tipo de Excitação

Classificação de Máquinas quanto ao tipo de Excitação Classificação de Máquinas quanto ao tipo de Excitação Máquinas de cc podem ser classificadas conforme as interconexões entre os enrolamentos do campo e da armadura. Ela pode ser basicamente de quatro formas:

Leia mais

Aula 01 Introdução ao Controlo Sistemas

Aula 01 Introdução ao Controlo Sistemas Aula 01 Introdução ao Controlo Sistemas Controlo de Sistemas Controlo de Sistemas área muito ampla A palavra sistema (system) tem um significado muito amplo. Coisas muito diferentes podem ser exemplos

Leia mais

MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov

MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov MRS Logística Negócios nos Trilhos Nov - 2011 Quem somos Concessionária Pública de Transporte Ferroviário, que interliga os três principais centros industriais do país: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos XVII Assembleia Geral da CIT 27 e 28/06/2012 - Manaus/AM Sávio Neves Diretor Institucional ANPTrilhos Presidente ABOTTc

Leia mais

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Grupo Light Distribuição Geração Serviços de Energia Restrita a parte do estado do RJ (incluindo a Grande Rio) Light Energia Itaocara Paracambi

Leia mais