Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /"

Transcrição

1

2

3 Ativo Evento passado Controle Futuros benefícios econômicos Compra, troca, doação, recebimento por dação em pagamento, concessão etc. A entidade deve controlar os benefícios econômicos gerados pelo bem, ainda que não seja sua proprietária. Potencial do bem em contribuir para o fluxo de caixa ou equivalentes de caixa (venda, uso na produção, troca, liquidação de passivo etc.) Muitos ativos, como, por exemplo, contas a receber e imóveis, estão associados a direitos legais, incluindo o direito de propriedade. Ao determinar a existência do ativo, o direito de propriedade não é essencial. Assim, por exemplo, um imóvel objeto de arrendamento mercantil será um ativo, caso a entidade controle os benefícios econômicos que são esperados que fluam da propriedade. Embora a capacidade de a entidade controlar os benefícios econômicos normalmente resulte da existência de direitos legais, o item pode, contudo, satisfazer à definição de ativo mesmo quando não houver controle legal. Por exemplo, o conhecimento (know-how) obtido por meio da atividade de desenvolvimento de produto pode satisfazer à definição de ativo quando, mantendo esse conhecimento (know-how) em segredo, a entidade controlar os benefícios econômicos que são esperados que fluam desse ativo. Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /

4 Ativo Definição Ativo é um recurso controlado pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que fluam futuros benefícios econômicos para a entidade. Evento passado Controle Futuros benefícios econômicos Compra, troca, doação, recebimento por dação em pagamento, concessão etc. A entidade deve controlar os benefícios econômicos gerados pelo bem (ainda que não seja sua proprietária). Reconhecimento Potencial do bem em contribuir para o fluxo de caixa ou equivalentes de caixa (venda, uso na produção, troca, liquidação de passivo etc.). Um ativo é reconhecido no balanço patrimonial quando for provável que benefícios econômicos futuros dele provenientes fluirão para a entidade e seu custo ou valor puder ser mensurado com confiabilidade. Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /

5

6

7

8

9

10

11

12 Itens avaliados Valor justo Valor contábil Ajuste Ativos Passivos PL Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /

13

14 Mais ou Menos-Valia = Valor Justo dos Ativos Líquidos Valor de PL Mais-Valia Valor Justo > Valor de PL Menos-Valia Valor Justo < Valor de PL Goodwill = Custo de Aquisição (Valor de PL + Mais-Valia) Goodwill = Custo de Aquisição (Valor de PL Menos-Valia) Mais-Valia Valor Justo > Valor de PL Valor Justo = Valor de PL + Mais-Valia Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /

15 Menos-Valia Valor Justo < Valor de PL Valor Justo + Menos-Valia = Valor de PL ou Valor Justo = Valor de PL Menos-Valia Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /

16 Goodwill = Custo de Aquisição (Valor de PL + Mais-Valia) ou Goodwill = Custo de Aquisição (Valor de PL Menos-Valia) Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /

17

18

19

20

21

22 Ganho por Compra Vantajosa = Valor Justo dos Ativos Líquidos Custo de Aquisição Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /

23 Valor Pago na Aquisição Valor Justo dos Ativos Líquidos = Compra Vantajosa Rua das Marrecas, 15 Centro CEP Rio de Janeiro RJ. Telefax: (21) /

24

25

26

27

28

29

30

1 Definição, reconhecimento e mensuração de elementos das demonstrações contábeis

1 Definição, reconhecimento e mensuração de elementos das demonstrações contábeis 1 Definição, reconhecimento e mensuração de elementos das demonstrações contábeis... 1 1.1 Itens componentes das demonstrações... 1 1.2 Reconhecimento dos itens das demonstrações... 4 1.3 Mensuração dos

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Antônio Carlos Palácios Vice Presidente Técnico CRCRS O tema no contexto da CONVERGÊNCIA das Normas Contábeis A CRONOLOGIA DA CONVERGÊNCIA

Leia mais

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Universidade Federal de Pernambuco Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profa. Márcia Ferreira E- mail: marcia@ferreiraauditores.com.br

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. CPC 27 Ativo Imobilizado e Depreciação. Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. CPC 27 Ativo Imobilizado e Depreciação. Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27 Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27 O Ponto chave a ser considerado com o Pronunciamento Técnico CPC 27 referente a contabilização dos ativos imobilizado, são exatamente o reconhecimento

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt Contas.cnt 01. Com relação à situação patrimonial, assinale a opção INCORRETA. a) A compra de matéria-prima a prazo provoca aumento no Ativo e no Passivo. b) A integralização de capital em dinheiro provoca

Leia mais

I Seminário de Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo

I Seminário de Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo I Seminário de Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo Lei nº 12.973/2014 x IFRS: Avaliação pelo Valor Justo: Situações de Incidência, Cálculo e Contabilização Eduardo José Zanoteli Doutorando

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras (IAS 1) Conjunto de D.F. Balanço - Contabilidade Financeira II 2008/ 2009 1º Semestre 2 1 Demonstrações Financeiras

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6. Imobilizado, Intangível e Impairment.

Quais são os objetivos do tópico... DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6. Imobilizado, Intangível e Impairment. USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111-Contabilidade e Análise de Balanço DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6., Intangível e Impairment Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

Legislação Tributária Aplicável às Novas Normas Contábeis

Legislação Tributária Aplicável às Novas Normas Contábeis Legislação Tributária Aplicável às Novas Normas Contábeis Tema: Combinação de Negócios São Paulo, dezembro de 2.014 1 Investimentos em Participações Societárias BP da Investida B : Exemplos 1 e 2 2 Contas

Leia mais

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno

TEMA 2.1. Aspectos Contábeis Mensuração de IF: Valor Justo e Custo Amortizado pela Taxa Interna de Retorno FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0561 : Estudos Complementares IV Contabilidade de Instrumentos Financeiros e Derivativos Aspectos Contábeis e Fiscais 2014_02 T20 TEMA

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

Contabilidade Avançada

Contabilidade Avançada Contabilidade Avançada Aula 6 Investimentos: Método da Equivalência Patrimonial Contabilidade Avançada 1 Ágio ou Deságio Ocorre quando a investidora adquire um investimento, que será avaliado pelo Método

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Resoluções de questões- Tropa de Elite Contabilidade Alexandre Américo Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Resoluções de questões- Tropa de Elite Contabilidade Alexandre Américo Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Resoluções de questões- Tropa de Elite Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CURSO AGORA EU PASSO TROPA DE ELITE CURSO DE RESOLUÇÃO

Leia mais

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2015 (Em Reais) Ativo 2015 2014 Passivo 2015 2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26 Sumário 1 Introdução... 1 2 Definição do grupo patrimonial... 1 2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26... 1 2.2 Lei das S/A... 4 3 Plano de Contas Proposto contas patrimoniais para

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE. Michael Dias Corrêa

TEORIA DA CONTABILIDADE. Michael Dias Corrêa TEORIA DA CONTABILIDADE Michael Dias Corrêa Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade Aprovado em 2008 pelo CPC, apresenta os aspectos básicos para a preparação e apresentação das demonstrações para

Leia mais

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs Instruções: - responda apenas 10 perguntas desta lista. A folha com as respostas entrega deverá ser realizada ao início do próximo encontro (21

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 32. Tributos sobre o Lucro. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 12

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 32. Tributos sobre o Lucro. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 12 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 32 Tributos sobre o Lucro Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 12 Índice OBJETIVO Item ALCANCE 1 4 DEFINIÇÕES 5 11 Base

Leia mais

Vimos que no Plano de Contas: O que é Resultado (Lucro/Prejuízo) Quais são os objetivos do tópico...

Vimos que no Plano de Contas: O que é Resultado (Lucro/Prejuízo) Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA isciplina: EA0111 - Noções de ontabilidade para Administradores Tema 04. Regras de Apuração e a emonstração do Resultado Profa. Joanília Neide de Sales ia Quais são os objetivos do tópico... -

Leia mais

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações IR: Lei 12.973/2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações Ricardo Antonio Carvalho Barbosa AFRFB/DRJ/FOR Ágio - Instrução CVM nº 01 de 1978 a) Ágio ou deságio

Leia mais

Melhorias da Estrutura Conceitual

Melhorias da Estrutura Conceitual International Financial Reporting Standards Melhorias da Estrutura Conceitual Mary Barth, Professora de Contabilidade, Stanford University e ex-membro do IASB Bob Garnett, ex-chairman, IFRS Interpretations

Leia mais

Apresentação 3. Agenda. 1. Análise de Alguns Critérios de Avaliação

Apresentação 3. Agenda. 1. Análise de Alguns Critérios de Avaliação Extensão em Gestão Tributária: Contabilidade Empresarial/Societária Apresentação 3 Prof. Dr. Jorge Andrade Costa Agenda 1. Análise de Alguns Critérios de Avaliação 1.1 Aplicações em Títulos e Valores Mobiliários(TVM).

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC 2013.2 43. Uma sociedade empresária contratou um seguro anual, em 1º de agosto de 2013, para cobertura de incêndio, avaliado no valor de R$180.000,00, com vigência a partir da assinatura

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras 75º edição 1 de Abril de 214 à 31 de março de 215 Balanço Anual Ativos Ativos circulante Caixa Títulos a receber Contas a receber mobiliários Produtos Materia-Prima Trabalhos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 A T I V O 31.12.2009 31.12.2008 ATIVO CIRCULANTE 77.677 45.278 DISPONIBILIDADES 46 45 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 1.641 314 APLICAÇÕES EM

Leia mais

ARRENDAMENTO MERCANTIL Aspectos Contábeis

ARRENDAMENTO MERCANTIL Aspectos Contábeis ARRENDAMENTO MERCANTIL Aspectos Contábeis Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 2.1 - Modalidades de Arrendamento 3. Avaliação Dos Componentes Patrimoniais 3.1 - Arrendamento Mercantil Financeiro Nas Entidades

Leia mais

CPC25 Provisões e Passivos Contingentes

CPC25 Provisões e Passivos Contingentes + GEDEC GRUPO DE ESTUDOS EM DIREITO E CONTABILIDADE CPC25 Provisões e Passivos Contingentes LUCIANA I. LIRA AGUIAR lla@marizsiqueira.com.br Reconhecimento Mensuração Divulgação Redução da assimetria de

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E)

(A) (B) (C) (D) (E) 01- FCC 2014 A Cia. Investidora adquiriu 90% das ações da Cia. Gama por R$ 5.000.000,00. Na data da aquisição, o Patrimônio Líquido da Cia. Gama era de R$ 3.500.000,00 e o valor justo líquido dos ativos

Leia mais

ÁGIO. Aspectos Contábeis e Fiscais. Elaine Maria de Souza Funo Controller da EMBRAER S.A

ÁGIO. Aspectos Contábeis e Fiscais. Elaine Maria de Souza Funo Controller da EMBRAER S.A ÁGIO Aspectos Contábeis e Fiscais Elaine Maria de Souza Funo Controller da EMBRAER S.A São Paulo, 27 de novembro de 2012 Sumário Ágio Aspectos contábeis e tributários; Proposta de alteração fiscal; Aquisições

Leia mais

MENSURAÇÃO DO VALOR JUSTO CPC 46

MENSURAÇÃO DO VALOR JUSTO CPC 46 MENSURAÇÃO DO VALOR JUSTO CPC 46 A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO NÃO VEM DE HOJE... NA ANTIGUIDADE... O TEMPO PASSOU, E COM ELE VEIO A ONDA DE FUSÕES E AQUISIÇÕES 1821 1779 NORTH HUDSON S WEST BAY COMPANY COMPANY

Leia mais

NAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRSs e CPCs) Gedec 30/04/2014 Prof. Eliseu Martins

NAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRSs e CPCs) Gedec 30/04/2014 Prof. Eliseu Martins NAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRSs e CPCs) Gedec 30/04/2014 Prof. Eliseu Martins Tratamento das Receitas em diversos documentos: CPC 00 Estrutura Conceitual CPC 30 Receitas CPC 02 Moeda

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE Adequação da Legislação Tributária (MP 627) à Legislação Societária (Contabilidade Societária)

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE Adequação da Legislação Tributária (MP 627) à Legislação Societária (Contabilidade Societária) MEDIDA PROVISÓRIA Nº 627, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Adequação da Legislação Tributária (MP 627) à Legislação Societária (Contabilidade Societária) Introdução O padrão contábil brasileiro mudou de forma

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gov Luis Rocha Balanço Patrimonial- MCASP - Referencia Janeiro/2015 Especificação ExValor Valor Especificação Valor Valor

Prefeitura Municipal de Gov Luis Rocha Balanço Patrimonial- MCASP - Referencia Janeiro/2015 Especificação ExValor Valor Especificação Valor Valor Balanço Patrimonial- MCASP - Referencia Janeiro/2015 ATIVO FINANCEIRO PASSIVO FINANCEIRO 798.430,24 DISPONIVEL 1.028.944,80 RESTOS A PAGAR 798.430,24 CAIXA 227.352,02 Serviço da divida a pagar BANCOS 549.410,16

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

Receitas e Despesas Entretanto, a venda não é o critério de reconhecimento. Normalmente, a teoria da contabilidade privilegia o reconhecimento da rece

Receitas e Despesas Entretanto, a venda não é o critério de reconhecimento. Normalmente, a teoria da contabilidade privilegia o reconhecimento da rece Receitas e Despesas A receita é reconhecida quando pode ser medida em base confiável e grau suficiente de certeza. Em suma, o processo de reconhecimento da receita está ligado à venda. Receitas e Despesas

Leia mais

NOVOS PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS 2010

NOVOS PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS 2010 NOVOS PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS 2010 Ana Beatriz Nunes Barbosa, Julho de 2010 O Ofício-Circular CVM/SNC/SEP nº 002/2010 divulgou pronunciamentos do Comitê De Pronunciamentos Contábeis (CPC) sobre Pronunciamentos,

Leia mais

BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP. Teresina PI. Laudo de Avaliação

BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP. Teresina PI. Laudo de Avaliação BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP Teresina PI Laudo de Avaliação LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO DO BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A BEP EM 30 DE JUNHO DE 2008 GLOBAL AUDITORES INDEPENDENTES, sociedade

Leia mais

Contabilidade e Tributação da Renda Após a Lei nº /14

Contabilidade e Tributação da Renda Após a Lei nº /14 Contabilidade e Tributação da Renda Após a Lei nº 12.973/14 Sergio André Rocha Professor de Direito Financeiro e Tributário da Uerj. Livre-Docente em Direito Tributário pela USP. Sócio Fundador de Sergio

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

CPC 06 Arrendamento Mercantil

CPC 06 Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 06 Arrendamento Mercantil O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) no âmbito da Gestão Contábil com o pronunciamento técnico CPC 06, tem por objetivo determinar,

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 1.588

CARTA CIRCULAR Nº 1.588 CARTA CIRCULAR Nº 1.588 Comunicamos que o item 3 das seções 11 7 11, 13 6 6, 16 7 11 e 17 8 8 do Manual de Normas e Instruções (MNI) passa a vigorar com a redação constante das folhas anexas. 2. Em decorrência

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 02/2016 REVISÃO DE PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS CPC Nº 10. Prazo: 08 de julho de 2016

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 02/2016 REVISÃO DE PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS CPC Nº 10. Prazo: 08 de julho de 2016 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 02/2016 REVISÃO DE PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS CPC Nº 10 Prazo: 08 de julho de 2016 A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC)

Leia mais

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014

Lei /2014 IN RFB 1.515/2014 www.pwc.com.br IN RFB 1.515/2014 Janeiro, 2015 Painel 1 Novo marco legal - geral: Extinção do RTT Novos CPCs Procedimentos de transição e adoção inicial Subcontas Mercado de capitais : Custos e despesas

Leia mais

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei 12.973/2014 Apresentação: Rafael Correia Fuso A formação do ágio / deságio ÁGIO / DESÁGIO CUSTO DE AQUISIÇÃO VALOR PATRIMONIAL Se custo de aquisição > valor patrimonial

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

EAC0561 : Estudos Complementares IV Contabilidade de Instrumentos Financeiros e Derivativos Aspectos Contábeis e Fiscais 2014_02 -Joanília Cia

EAC0561 : Estudos Complementares IV Contabilidade de Instrumentos Financeiros e Derivativos Aspectos Contábeis e Fiscais 2014_02 -Joanília Cia EAC0561 : Estudos Complementares IV Contabilidade de Instrumentos Financeiros e Derivativos Aspectos Contábeis e Fiscais 2014_02 -Joanília Cia 1 Estudo Dirigido para a prova 2 Este estudo vale 30% do valor

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1

Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1 Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1 Objetivos dos Relatórios Financeiros Desem -penho Fluxos de Caixa Posição Financeira e Patrimonial Usuário Externo Propriedade X Gestão Projeção do Futuro Fluxos

Leia mais

ENCERRAMENTO DE BALANÇO

ENCERRAMENTO DE BALANÇO Palestras de atualização profissional, na capital e em municípios do interior do RS, destinadas aos Contadores e Técnicos em Contabilidade registrados no CRCRS. APOSTILA ENCERRAMENTO DE BALANÇO 1 Índice

Leia mais

Capacitação em IFRS e CPCS. (Aspectos Práticos e Operacionais) Exercícios Módulo I

Capacitação em IFRS e CPCS. (Aspectos Práticos e Operacionais) Exercícios Módulo I Capacitação em IFRS e CPCS (Aspectos Práticos e Operacionais) Exercícios Módulo I 1. Publicação das Demonstrações Contábeis - A empresa Rio Preto Softwares S.A. é de capital fechado, está sediada no interior

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18. Investimento em Coligada e em Controlada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18. Investimento em Coligada e em Controlada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 Investimento em Coligada e em Controlada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 28 Índice ALCANCE 1 Item DEFINIÇÕES 2

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE. 1. Introdução O IAS 28 Investments in Associates é aplçicado ao registro de investimentos

Leia mais

Acer Consultores em Imóveis S/A

Acer Consultores em Imóveis S/A Acer Consultores em Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e 31 de Dezembro de 2006 e 2005 Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

A Lei /2014 e o Novo Tratamento Tributário dados às Operações de Combinações de Negócios Pronunciamento Técnico CPC 15

A Lei /2014 e o Novo Tratamento Tributário dados às Operações de Combinações de Negócios Pronunciamento Técnico CPC 15 A Lei 12.973/2014 e o Novo Tratamento Tributário dados às Operações de Combinações de Negócios Pronunciamento Técnico CPC 15 Sumário de Apresentação 1. Introdução: Combinação de Negócios CPC 15 2. Custo

Leia mais

O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil de receitas provenientes de transações e eventos com contraprestação.

O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil de receitas provenientes de transações e eventos com contraprestação. NBC TSP 9 Receita de Transações com Contraprestação Objetivo A receita é definida no documento Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis do International Accounting

Leia mais

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana Elaboração da DFC Método Direto A fim de possibilitar melhor entendimento, vamos desenvolver um exemplo passo a passo da montagem da DFC pelo método direto, tomando por base as informações a seguir: Balanço

Leia mais

A tabela abaixo resume as participações societárias da Companhia e de suas subsidiárias bem como as atividades nas quais estão engajadas: País sede

A tabela abaixo resume as participações societárias da Companhia e de suas subsidiárias bem como as atividades nas quais estão engajadas: País sede Notas explicativas às demonstrações financeiras 1. Contexto operacional Informações gerais e modificações nos negócios A Unipar Participações S.A. (a "Companhia" ou Unipar ) é uma Sociedade Anônima de

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TG 1000 Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TG 1000 Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TG 1000 Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Presidente do CRC/RN: Contador João Gregório Jr. Vice Presidente de DESENPROF: Contadora Liêda Amaral de Souza

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

Disposições anteriores à MP 627/13. Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados

Disposições anteriores à MP 627/13. Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados Escrituração do Lucro Real e Lalur Disposições anteriores à MP 627/13 Principais alterações trazidas pe Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados

Leia mais

Lei nº /2014 REGULAMENTAÇÃO. Novembro de Instrução Normativa RFB nº 1.492/2014 e Instrução Normativa RFB nº 1.493/2014

Lei nº /2014 REGULAMENTAÇÃO. Novembro de Instrução Normativa RFB nº 1.492/2014 e Instrução Normativa RFB nº 1.493/2014 Lei nº 12.973/2014 REGULAMENTAÇÃO Instrução Normativa RFB nº 1.492/2014 e Instrução Normativa RFB nº 1.493/2014 Novembro de 2014 Agenda Objetivo Regime Tributário de Transição RTT Instrução Normativa RFB

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 EFEITOS DAS MUDANÇAS NAS TAXAS DE CÂMBIO E CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 EFEITOS DAS MUDANÇAS NAS TAXAS DE CÂMBIO E CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 EFEITOS DAS MUDANÇAS NAS TAXAS DE CÂMBIO E CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS

Leia mais

EXERCÍCIOS REFERENTE AOS ESTUDOS DISCIPLINARES CONTABILIDADE

EXERCÍCIOS REFERENTE AOS ESTUDOS DISCIPLINARES CONTABILIDADE 1 EXERCÍCIOS REFERENTE AOS ESTUDOS DISCIPLINARES MÓDULO 1 A CONTABILIDADE 6º - Exercício CONTABILIDADE Em relação aos usuários da contabilidade, analise as assertivas abaixo e assina a alternativa correta.

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

Curso Consolidação das Demonstrações Contábeis

Curso Consolidação das Demonstrações Contábeis Curso Consolidação das Demonstrações Contábeis Profa. Márcia Ferreira Neves Tavares, Doutora em Ciências Contábeis. Profa. de Ciências Contábeis da UFPE e sócia da Ferreira & Associados Auditores Independentes.

Leia mais

Comentários da prova Auditor SEFAZ MA Disciplina: Contabilidade Geral e Avançada Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova Auditor SEFAZ MA Disciplina: Contabilidade Geral e Avançada Professor: Feliphe Araújo Comentários da prova Auditor SEFAZ MA Disciplina: Professor: Feliphe Araújo CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA SEFAZ MARANHÃO Olá amigos, Trago para vocês os comentários da prova do concurso para Auditor Fiscal

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R1) EFEITOS DAS MUDANÇAS NAS TAXAS DE CÂMBIO E CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R1) EFEITOS DAS MUDANÇAS NAS TAXAS DE CÂMBIO E CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R1) EFEITOS DAS MUDANÇAS NAS TAXAS DE CÂMBIO E CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE NATAÇÃO DA MADEIRA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 Designação da entidade: Associação de Natação da Madeira; 1.2 Sede: Complexo de Natação Desportiva do Funchal, 9050-021 Funchal; 1.3 NIPC: 511205350; 1.4 Natureza da atividade:

Leia mais

Aspectos Tributários Relevantes

Aspectos Tributários Relevantes Aspectos Tributários Relevantes Fundos de Investimento em Participações e Holdings Estrutura FIP Cumprimento dos Requisitos Histórico Regra 40% Fiscalização Principais Considerações Características Gerais

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA ADMINISTRADORES

Leia mais

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA Prof. Mauricio Pocopetz OBJETIVOS O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer: a contabilização de investimentos em coligadas e em controladas; e definir

Leia mais

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 Sumário Prefácio à Décima Edição, xxi Prefácio à Nona Edição, xxiii Prefácio à Oitava Edição, xxv Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 1.1 Objetivo e definição

Leia mais

Negócio VR da BR LABELS Indústria e Comércio Ltda.

Negócio VR da BR LABELS Indústria e Comércio Ltda. Negócio VR da BR LABELS Indústria e Comércio Ltda. Demonstrações Abreviadas de Receitas e Despesas Diretamente Relacionadas Referentes aos Trimestres Findos em 31 de Março de 2011 e de 2010 e Exercícios

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo

Leia mais

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis CPC 26 / NBC TG 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis FAS 205 Histórico Emitida em 1997, já foi revisada em 2003,2004,2005 e 2007 Substituiu: IAS 1

Leia mais

7708 Diário da República, 1.ª série N.º de setembro de 2015

7708 Diário da República, 1.ª série N.º de setembro de 2015 7708 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 ção à data de relato. Tais dispêndios são reconhecidos na mesma base como se surgissem independentemente de uma reestruturação. NCP 16

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 28 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 28 Investimentos em Associadas ÍNDICE Parágrafos Âmbito 1 Definições 2-12 Influência Significativa 6-10 Método da Equivalência Patrimonial 11-12 Aplicação

Leia mais

6 C ; > OE O ƐƚĂƚƵƐ 6 > 8 2/ 72 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC Exame de Suficiência Edição nº 1/2016 Contabilidade Aplicada ao Setor Público Aula 06 Prof. Marcio José Assumpção 1 Despesa pública: conceito, etapas, estágios e categorias

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 3. Inventários e Activos Biológicos Consideram-se inventários todos os bens armazenáveis adquiridos ou produzidos pela empresa equesedestinamàvendaouaseremincorporadosnaprodução.

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade Contabilidade PARTE 1 G Parte 1 Conceitos Conceito de Contabilidade A Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio, objetivando representá-lo graficamente, evidenciar suas variações, estabelecer

Leia mais