Jornal Correio Braziliense ou Armazém Literário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornal Correio Braziliense ou Armazém Literário"

Transcrição

1 Jornal Correio Braziliense ou Armazém Literário

2 A história dos jornais no Brasil... A censura e a proibição de tipografias na colônia, impostas pela Coroa Portuguesa, impediu por muito tempo que o Brasil tivesse acesso a imprensa. Em 10 de Maio de 1747 a ordem régia de D. João V, executando o sequestro de todas as letras de imprensa que se encontrassem no Brasil. Somente em 1808 é que surgem os dois primeiros jornais brasileiros. Em junho, o Correio Braziliense e em setembro do mesmo ano, a Gazeta do Rio de Janeiro.

3 Curiosidade... Em ambos os jornais ainda se escrevia Brasil com z. O 1º jornal brasileiro foi criado em Londres... Não foi tão brasileiro assim né.

4 Hipólito José da Costa Nasceu na Colônia do Sacramento, (hoje território do Uruguai), em 25 de março de 1774 Em 1792, estudou Filosofia e Direito em Portugal, na Faculdade de Coimbra. Em Portugal em 1800, foi nomeado Diretor da Imprensa Régia. Em 1802, viajou à Inglaterra como atividade secreta, iria reunir-se com os maçons na Inglaterra para tratar de assuntos das Casas Maçônicas Portuguesas. Ao retornar a Lisboa, foi preso por ordem do Santo Ofício, pois a maçonaria era condenada pela igreja. Em 1805, fugiu da prisão com a ajuda de amigos maçons, indo estabelecer-se na Inglaterra, onde se tornou amigo do príncipe herdeiro, o Duque de Sussex, filho do rei inglês Jorge III. Neste país atuou como professor de Línguas.

5 Em 1º de junho de 1808, Hipólito José da Costa publicou, em Londres, o primeiro número do jornal Correio Braziliense ou Armazém Literário, em fascículos mensais, com cerca de 80 páginas. Até 1822, quando foi extinta sua edição, o jornal havia produzido 175 fascículos. A publicação foi proibida de circular no Brasil e em Portugal devido aos artigos que pregavam liberdade de expressão, a independência do Brasil, além de condenar a aristocracia parasitária do Reino e a exploração econômica de Portugal em relação ao Brasil. Em função dos artigos que criticavam a política do governo português, a veiculação do jornal tornou-se ilegal. No entanto, o Correio Braziliense circulou de forma clandestina no Brasil e na metrópole portuguesa.

6 Algumas curiosidades... Em formato de livro, não tinha colunas nas páginas. Não havia anúncios. Para manutenção do jornal, de periodicidade mensal, eram necessárias 300 assinaturas pontuais. Páginas por edição: geralmente, de 70 a 140 Maior número de páginas: 236 (Nº 51, agosto de 1812) Menor número de páginas: 48 (Nº 175, dezembro de 1822) Total de páginas: Subtítulo: Armazém Literário

7 Algumas campanhas preconizadas no Correio Braziliense Liberdade de imprensa. Garantia da propriedade. Responsabilidade dos ministros. Publicação dos orçamentos e das contas do Tesouro público. Segurança de ninguém ser preso sem culpa formada (visto que Hipólito fora preso pela Inquisição). Acesso de todos aos cargos públicos, eliminando-se os favoritismos. Abolição da Inquisição, do juízo da inconfidência, dos foros especiais e das penas infamantes. Mudança da Capital para o interior do País. Abolição da escravatura, de maneira gradual e controlada. Instalação de alto-fornos no Brasil (precursores da implantação da siderurgia no Brasil: Hipólito da Costa e José Bonifácio de Andrade e Silva). Promoção do progresso do Brasil, erguendo-o da situação de colônia à Nação.

8 A criação do primeiro jornal brasileiro era a defesa concreta de um ideal de liberdade de comunicação... E hoje 206 anos depois a Biblioteca da Faculdade de Jaguariúna têm o imenso prazer de receber exemplares deste importantíssimo Jornal...

9 Recebemos no mês de Abril de 2014, 11 exemplares do Jornal Correio Braziliense. A doação foi feita pela assessora de imprensa Cristina Tordin, NCO - Núcleo de Comunicação Organizacional Embrapa Meio Ambiente (Embrapa) Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária)

10 Os exemplares estão em perfeitas condições de conservação e prontos para fazer parte do nosso acervo!

11

12

13

14

15 É inegável que temos em mãos um documento histórico. Cumpriu com dignidade e louvor a vinculação de suas ideias frente a um momento decisivo para a história do Brasil. Ajudou a escrever a história e fez parte dela. Aperfeiçoou-se juntamente com o desenvolvimento de um país. Foi uma janela de liberdade em períodos de opressão e transformação que conduziriam à Independência do Brasil. O autor como o seu veículo de informação sempre esteve ao lado do povo: vigiando os poderes, delatando e propagando indignação diante de imoralidades e injustiças, ajudando a compreender planos econômicos, elucidando a nova ordem social e econômica. Responsável pelo surgimento da imprensa brasileira, uma nação que pode hoje se orgulhar de ter órgãos de imprensa que se situam entre os melhores do mundo, e que há 206 anos conta e preserva a história de um país. Lucas Dal Bó (Estudante do 4º ano do curso de Comunicação Social Jornalismo e colaborador da Faculdade de Jaguariúna no setor de Telefonia)

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real.

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. O que foram os movimentos de pré-independência? Séculos XVIII e XIX grandes mudanças afetaram o Brasil... MUNDO... Hegemonia das ideias

Leia mais

A Vinda da Família Real para o Brasil

A Vinda da Família Real para o Brasil A Vinda da Família Real para o Brasil Napoleão Bonaparte - No início do séc. XIX, a França e a Inglaterra eram as duas principais potências do mundo. - No início do séc. XIX, a França e a Inglaterra eram

Leia mais

REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS (CONJURAÇÃO BAIANA E INCONFIDÊNCIA MINEIRA)

REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS (CONJURAÇÃO BAIANA E INCONFIDÊNCIA MINEIRA) REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS (CONJURAÇÃO BAIANA E INCONFIDÊNCIA MINEIRA) PERÍODO JOANINO (1808 1821) PROF. JOÃO GABRIEL DA FONSECA joaogabriel_fonseca@hotmail.com Voltaire Rousseau Declaração de Independência

Leia mais

A Guerra das Laranjas e a Questão de Olivença num contexto internacional

A Guerra das Laranjas e a Questão de Olivença num contexto internacional Languages Thomas Strobel A Guerra das Laranjas e a Questão de Olivença num contexto internacional Seminar paper UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Letras Departamento de Língua e Cultura Portuguesa Ano

Leia mais

O processo de independência do Brasil. Prof. Dieikson de Carvalho

O processo de independência do Brasil. Prof. Dieikson de Carvalho O processo de independência do Brasil Prof. Dieikson de Carvalho Levantes no Brasil A chegada da Família Real no Brasil Contexto sóciopolítico da Europa A chegada da Família Real no Brasil INGLATERRA MAIOR

Leia mais

BRASIL COLÔNIA ( )

BRASIL COLÔNIA ( ) 2 - REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS: Século XVIII (final) e XIX (início). Objetivo: separação de Portugal (independência). Nacionalistas. Influenciadas pelo iluminismo, independência dos EUA e Revolução Francesa.

Leia mais

biografia de tiradentes

biografia de tiradentes biografia de tiradentes Tiradentes (1746-1792) foi o líder da Inconfidência Mineira, primeiro movimento de tentativa de libertação colonial do Brasil. Ganhou a vida de diferentes maneiras, além de militar

Leia mais

A Exploração do Ouro

A Exploração do Ouro A Mineração A Exploração do Ouro Dois tipos de empreendimentos, que visavam a exploração do ouro, foram organizados: as lavras e as faiscações. As lavras, unidades produtoras relativamente grandes, chegavam

Leia mais

HEMEROTECA Coleção de Jornais 2015/2016

HEMEROTECA Coleção de Jornais 2015/2016 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA NÚCLEO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA HISTÓRICA HEMEROTECA Coleção de Jornais Organização e Produção: Orientação

Leia mais

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/07 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatos históricos, ocorridos durante as crises política, econômica e militar portuguesa/européia

Leia mais

História e Geografia de Portugal

História e Geografia de Portugal 6.º Ano História e Geografia de Portugal Joana Simas Localização Tempo 2.ª metade do século XIX (1851-1900) Espaço Portugal: Portugal na segunda metade do século XIX Contextualização Aspetos Políticos

Leia mais

José Pacheco. Escola da Ponte

José Pacheco. Escola da Ponte José Pacheco Escola da Ponte Biografia O Prof. José Francisco Pacheco, nasceu em 10 de maio de 1951. Educador português que hoje aposentado tem sua residência atual no Brasil, sendo considerado um Peregrino

Leia mais

EM PRODUÇÃO.

EM PRODUÇÃO. ANA LÚCIA TEIXEIRA - Jornalista e fotógrafa Registro profissional número: 13.982 Jornalista com 20 anos de experiências em fotografia e editoria de publicações impressas. Publicações de livros, revistas

Leia mais

A MÚSICA NA SÉ DE CASTELO BRANCO APONTAMENTO HISTÓRICO E CATÁLOGO DOS FUNDOS MUSICAIS

A MÚSICA NA SÉ DE CASTELO BRANCO APONTAMENTO HISTÓRICO E CATÁLOGO DOS FUNDOS MUSICAIS MARIA LUÍSA FARIA DE SOUSA CERQUEIRA CORREIA CASTILHO A MÚSICA NA SÉ DE CASTELO BRANCO APONTAMENTO HISTÓRICO E CATÁLOGO DOS FUNDOS MUSICAIS FACULDADEDE LETRAS COIMBRA, 1992 ÍNDICE Pag. Nota introdutória........

Leia mais

Considerando o interesse de medir com regularidade os conteúdos da Web em português de forma a ter uma informação precisa sobre a sua evolução;

Considerando o interesse de medir com regularidade os conteúdos da Web em português de forma a ter uma informação precisa sobre a sua evolução; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL em matéria de reforço

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA 1ª AVALIAÇÃO CORRETOR 1 01 02 03 04 05 06 07 08 Reservado à CCV AVALIAÇÃO FINAL Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Reservado à CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

[25 de Abril: Dia da Liberdade / 25. April: Nelkenrevolution]

[25 de Abril: Dia da Liberdade / 25. April: Nelkenrevolution] [25 de Abril: Dia da Liberdade / 25. April: Nelkenrevolution] 1. Observa as seguintes imagens. O que te sugerem? 2. Completa a seguinte frase. Para mim, a liberdade é II. 1. Lê atentamente o seguinte texto.

Leia mais

Representações sociais de Portugal e dos portugueses nos livros didáticos da disciplina de História no ensino fundamental brasileiro

Representações sociais de Portugal e dos portugueses nos livros didáticos da disciplina de História no ensino fundamental brasileiro Representações sociais de Portugal e dos portugueses nos livros didáticos da disciplina de História no ensino fundamental brasileiro João José Saraiva da Fonseca Objetivo Analisar as representações sociais

Leia mais

Nunes Pinto de Carvalho, Iva Cristina

Nunes Pinto de Carvalho, Iva Cristina Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Nunes Pinto de Carvalho, Iva Cristina Cartão do Cidadão n.º 12550162 emitido em Lisboa e válido até 16/03/2014 N.I.F. 202445542 Estado

Leia mais

Thais Jerônimo Duarte RESUMO

Thais Jerônimo Duarte RESUMO UNICENTRO, Guarapuava/PR 17 e 18 de junho de 2010 Thais Jerônimo Duarte RESUMO O saber linguístico é um produto histórico, resultado da interação entre diferentes tradições. Os objetos de estudo da História

Leia mais

O maior assombro da nossa história é a unidade nacional Tristão de Ataíde.

O maior assombro da nossa história é a unidade nacional Tristão de Ataíde. 9_ EVOLUÇÃO DO SISTEMA DEFENSIVO Fortalezas, cidades e altos muros, Por eles vereis, filha, edificados. (Os Lusíadas, C II, 156) Portugal pode e deve orgulhar-se de haver possuído um dos maiores conjuntos

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 06 O GOVERNO-GERAL

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 06 O GOVERNO-GERAL HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 06 O GOVERNO-GERAL Como pode cair no enem O sistema de capitanias hereditárias, criado no Brasil em 1534, refletia a transição do feudalismo para o capitalismo, na medida em

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Programa 2 Código Programa Comunicação CAIS 0106 3 Projetos Memória do Confea 4 Gestor Especial - Coordenador(a) 5 Tipo de Projeto Especial 6 Gestor(a) 6 Programa Wanessa Borges Severino CAIS

Leia mais

MÍDIA KIT.

MÍDIA KIT. MÍDIA KIT Em 3 anos de existência, o Observatório da Televisão é um dos maiores sites de notícias, críticas e entrevistas sobre televisão do Brasil. Conta em sua equipe com jornalistas, colaboradores e

Leia mais

Almanaque nº 15 - ECOTURISMO

Almanaque nº 15 - ECOTURISMO Estar presente na comunidade e poder falar de Educação Ambiental de uma forma lúdica aliada ao conceito de um almanaque cultural, assim nasceu o Almanaque Menino Caranguejo. Com o objetivo de trazer em

Leia mais

Dossier Europa. Imprensa Comunidades Portuguesas

Dossier Europa. Imprensa Comunidades Portuguesas Dossier Europa Imprensa Comunidades Portuguesas 2014 AJBB Network Arnado Business Center Rua João de Ruão, n.º 12-1.º Escritório 49 3000-229 Coimbra (Portugal) T. (+351) 239 716 396 publicidade@ajbbnetwork.com

Leia mais

Paulo é um dos grandes homens do cristianismo e um exemplo para todos nós: Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo (1 Co 11:1)

Paulo é um dos grandes homens do cristianismo e um exemplo para todos nós: Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo (1 Co 11:1) APÓSTOLO PAULO Paulo é um dos grandes homens do cristianismo e um exemplo para todos nós: Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo (1 Co 11:1) Mas o Senhor lhe disse: Vai, porque este é para

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DO BRASIL. Prof. Victor Creti Bruzadelli

INDEPENDÊNCIA DO BRASIL. Prof. Victor Creti Bruzadelli INDEPENDÊNCIA DO BRASIL Prof. Victor Creti Bruzadelli Era das Revoluções Conceito de Eric Hobsbawn: Processo amplo de decadência do Antigo Regime e da ascensão de novos modelos políticos e grupos sociais

Leia mais

Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo

Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Funcionário de Brasília ganha 247% a mais que o da iniciativa privada

Funcionário de Brasília ganha 247% a mais que o da iniciativa privada Funcionário de Brasília ganha 247% a mais que o da iniciativa privada 39,7% dos trabalhadores do Distrito Federal são funcionários públicos Em São Paulo, só 13,3% dos empregados trabalham para o governo

Leia mais

'. A. Guia de Fontes Portuguesas para a História da Ásia. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo. Volume I

'. A. Guia de Fontes Portuguesas para a História da Ásia. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo. Volume I '. A y Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo Guia de Fontes Portuguesas para a História da Ásia Volume I Elaborado por: Fernanda Olival Isabel Castro Pina Maria Cecília Henriques Maria João

Leia mais

Estado Novo Autor: Prof. Mário Rui

Estado Novo Autor: Prof. Mário Rui 1933-1974 Autor: 1. O derrube da 1.ª República 28 de Maio de 1926 O Marechal Gomes da Costa marcha sobre Lisboa, à fente de uma coluna militar, vinda de Braga. A 1.ª República é derrubada. Instaura-se

Leia mais

Almanaque nº 11 - PRAIA LIMPA

Almanaque nº 11 - PRAIA LIMPA Estar presente na comunidade e poder falar de Educação Ambiental de uma forma lúdica aliada ao conceito de um almanaque cultural, assim nasceu o Almanaque Menino Caranguejo. Com o objetivo de trazer em

Leia mais

Imagem Institucional Setembro/2003

Imagem Institucional Setembro/2003 Imagem Institucional Recorte de notícias editado pela Assessoria de Imprensa Ranking "Exame 100 Melhores para Você Trabalhar" é um dos destaques do mês Oretorno de imagem da Unimed do Brasil, medido com

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE PORTUGAL NA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE DO BRASIL A HISTÓRIA DA CONTABILIDADE É AQUELA DE SUA CULTURA

IMPORTÂNCIA DE PORTUGAL NA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE DO BRASIL A HISTÓRIA DA CONTABILIDADE É AQUELA DE SUA CULTURA IMPORTÂNCIA DE PORTUGAL NA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE DO BRASIL A HISTÓRIA DA CONTABILIDADE É AQUELA DE SUA CULTURA NÍVEIS CULTURAIS PROFISSIONAIS NIVEIS CULTURAIS EM CONTABILIDADE NO BRASIL A CONTABILIDADE

Leia mais

Imagem Institucional outubro/2003

Imagem Institucional outubro/2003 Imagem Institucional outubro/2003 Recorte de notícias editado pela Assessoria de Imprensa "Top of Mind" da Folha de S. Paulo, pelo 10º ano consecutivo, é o destaque do mês Oretorno de imagem da Unimed

Leia mais

MEIO: JORNAL APOSTILA JORNAL - 01 PROF.: MARCELO MESQUITA MATÉRIA: FUNDAMENTOS DE MIDIA PUBLICITARIA (COM ) ALUNO: TURMA: MATRÍCULA/RA:

MEIO: JORNAL APOSTILA JORNAL - 01 PROF.: MARCELO MESQUITA MATÉRIA: FUNDAMENTOS DE MIDIA PUBLICITARIA (COM ) ALUNO: TURMA: MATRÍCULA/RA: APOSTILA JORNAL - 01 PROF.: MARCELO MESQUITA MATÉRIA: FUNDAMENTOS DE MIDIA PUBLICITARIA (COM020-9001359) ALUNO: TURMA: MATRÍCULA/RA: 1 - TIRAGEM/CIRCULAÇÃO - 2 - PERIODICIDADE 3 - FORMATOS 4 - TABELA DE

Leia mais

Processo Indicativo para o Patrimônio Mundial PATRIMÔNIO NATURAL E CULTURAL DO BRASIL

Processo Indicativo para o Patrimônio Mundial PATRIMÔNIO NATURAL E CULTURAL DO BRASIL PATRIMÔNIO NATURAL E CULTURAL DO BRASIL http://whc.unesco.org/en/statesparties/br EVOLUÇÃO DO SISTEMA DEFENSIVO Fortalezas, cidades e altos muros, Por eles vereis, filha, edificados. (Os Lusíadas, C II,

Leia mais

Orçamento Quadro de Detalhamento de Despesas

Orçamento Quadro de Detalhamento de Despesas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO - PROPLAN DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO ORÇAMENTO 2012 - QUADRO DE DETALHAMENTO DA DESPESA RECURSOS DO TESOURO Material

Leia mais

índice Nota Introdutória 3 Capítulo 1 - Sociedades de iniciados e de Eleitos: as elites, a Igreja e as Maçonarias 4

índice Nota Introdutória 3 Capítulo 1 - Sociedades de iniciados e de Eleitos: as elites, a Igreja e as Maçonarias 4 índice Nota Introdutória 3 Capítulo 1 - Sociedades de iniciados e de Eleitos: as elites, a Igreja e as Maçonarias 4 1. Da especulação à realidade. Iniciados e células e grupos de iniciados 4 2. Sociedades

Leia mais

FICHA DE DESCRIÇÃO DE COLEÇÕES

FICHA DE DESCRIÇÃO DE COLEÇÕES UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO REGIONAL FICHA DE DESCRIÇÃO DE COLEÇÕES COLEÇÃO: DOCUMENTOS ORIGINAIS 1. ÁREA DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. Código de referência: BR CDR DORIG 1.2. Título:

Leia mais

Datas Especiais. MARÇO 08 - Dia Internacional da Mulher 11 - Dia Internacional das Vítimas do Terrorismo 14 - Dia dos Animais Dia Nacional da Poesia

Datas Especiais. MARÇO 08 - Dia Internacional da Mulher 11 - Dia Internacional das Vítimas do Terrorismo 14 - Dia dos Animais Dia Nacional da Poesia Datas Especiais JANEIRO 01 - Dia da Confraternização Universal Dia Mundial da Paz 04 - Dia Mundial do Braille 06 - Dia de Reis Dia da Gratidão 07 - Dia da Liberdade de Cultos 08 - Dia do Fotógrafo Dia

Leia mais

!" #$! %&% '( CAUSAS: ! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0*

! #$! %&% '( CAUSAS: ! # $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* º º !" #$! %&% '( CAUSAS:! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* -/ - !"#$%&'(#)*' $%+&,)* $-./0*1+2 23)4 15 $$ '6 & ) * + *, -$. / ++.) */ Séc. XIV e XV John Wyclif (Inglaterra) Jan Hus

Leia mais

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL 1820-1822 COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS O 7 DE SETEMBRO: A INDEPENDÊNCIA FOI SOMENTE O GRITO DO IPIRANGA? OS SIGNIFICADOS DA INDEPENDÊNCIA Emancipação ou

Leia mais

Obras raras: definição de critérios de raridade para o Acervo de Escritores Mineiros da UFMG

Obras raras: definição de critérios de raridade para o Acervo de Escritores Mineiros da UFMG Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Obras raras: definição de critérios de raridade para o Acervo de Escritores Mineiros da UFMG Nina C. Mendonça Campos de Miranda (UFMG) - ninacm40@yahoo.com.br Flávia Silvestre

Leia mais

Aula Conceitos editoriais

Aula Conceitos editoriais Nesta aula, vamos ver alguns conhecidos e nem tão conhecidos jargões e expressões do jornalismo. Esse conhecimento permite ficar mais familiarizado com a linguagem jornalística. Manchete O jornal normalmente

Leia mais

ARQUIVO NACIONAL DO RIO DE JANEIRO

ARQUIVO NACIONAL DO RIO DE JANEIRO ARQUIVO NACIONAL DO RIO DE JANEIRO Rua Azeredo Coutinho, 77 - Centro - CEP 20230-170 - Rio de Janeiro Tel: (21)3806-6135 Fax: (21)2242-5494 E-mail: acesso@arquivonacional.gov.br Home-page: http://www.mj.gov.br/an

Leia mais

Primeiro Concurso literário ICBIE 2015

Primeiro Concurso literário ICBIE 2015 Primeiro Concurso literário ICBIE 2015 O Concurso representa a terceira etapa do Projeto LeiturArte Itapagipe, contemplado pelo edital Arte em Toda Parte - Ano II, e lançado pela Fundação Gregório de Mattos

Leia mais

CATÁLOGO DE PERIÓDICOS DO CDPH JORNAIS

CATÁLOGO DE PERIÓDICOS DO CDPH JORNAIS CATÁLOGO DE PERIÓDICOS DO CDPH JORNAIS LONDRINA Bom Domingo : Jornal da Semana Londrina Semanário (1950) Circularam apenas 7 edições; Combate, O Londrina Semanário (1963-1965) Até 1963 era mensal; Circulou

Leia mais

NASCE CHATÔ, UM ÍCONE DO JORNALISMO BRASILEIRO

NASCE CHATÔ, UM ÍCONE DO JORNALISMO BRASILEIRO Umbuzeiro -PB - Brasil - Quarta-Feira, 04 de Outubro de 1892 NASCE CHATÔ, UM ÍCONE DO JORNALISMO BRASILEIRO Na cidade de Umbuzeiro, Estado da Paraíba, divisa com Pernambuco e a 200 Km da capital João Pessoa,

Leia mais

Senhoras e Senhores Deputados, com a população de Indaiatuba, os 50 anos do jornal A. Tribuna de Indaiá. Com intensa participação na recente

Senhoras e Senhores Deputados, com a população de Indaiatuba, os 50 anos do jornal A. Tribuna de Indaiá. Com intensa participação na recente O SR. NEUTON LIMA (PTB-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, É para nós uma grande alegria comemorarmos, junto com a população de Indaiatuba, os 50 anos do

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS A correção de uma questão será restrita somente ao que estiver apresentado no espaço correspondente,

Leia mais

Geografia. Fernando Novaes Nº06 Guilherme Trujillo Nº12 Gabriel Thomaz-Nº07 Larissa Cocito Nº18 Leonardo Garcia Nº20 Vinicius Ichinoseki Nº30

Geografia. Fernando Novaes Nº06 Guilherme Trujillo Nº12 Gabriel Thomaz-Nº07 Larissa Cocito Nº18 Leonardo Garcia Nº20 Vinicius Ichinoseki Nº30 Geografia Fernando Novaes Nº06 Guilherme Trujillo Nº12 Gabriel Thomaz-Nº07 Larissa Cocito Nº18 Leonardo Garcia Nº20 Vinicius Ichinoseki Nº30 O processo de colonização anglosaxônica Teve como colonizadores

Leia mais

Imagem Institucional Dezembro/2003

Imagem Institucional Dezembro/2003 Imagem Institucional Recorte de notícias editado pela Assessoria de Imprensa Entrevista com Celso Barros da revista Forbes é destaque do mês Oretorno de imagem da Unimed do Brasil, medido com base na centimetragem

Leia mais

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dias Toffoli. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a apuração de crimes

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PARA LIDERANÇAS SOCIAIS

CURSO DE FORMAÇÃO PARA LIDERANÇAS SOCIAIS CURSO DE FORMAÇÃO PARA LIDERANÇAS SOCIAIS A proposta dessa formação básica é contribuir para a estruturação de vínculos sociais e institucionais de ação coletiva, formando redes de controle social sobre

Leia mais

IN MEMORIAM E EVOCAÇÃO

IN MEMORIAM E EVOCAÇÃO IN MEMORIAM E EVOCAÇÃO Capitão-de-mar-e-guerra Armando José Dias Correia Almirante António Manuel Fernandes da Silva Ribeiro VICE-ALMIRANTE ANTÓNIO EMÍLIO DE ALMEIDA AZEVEDO BARRETO FERRAZ SACCHETTI ::

Leia mais

8 Definir e compreender os princípios fundamentais do Direito processual penal;

8 Definir e compreender os princípios fundamentais do Direito processual penal; DIREITO E PROCESSO PENAL [5453310] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS 1 Definir e compreender o conceito de Direito Penal; 2 Definir e compreender o problema dos fins das penas; 3 - Definir e compreender

Leia mais

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na Atividade de Estudo Geo/História 5º ano Nome: 1- LIGUE os itens abaixo corretamente. 2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na América? 3- ASSINALE as afirmativas erradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM História Carol Av. Trimestral 27/05/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948)

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) PREÂMBULO Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui

Leia mais

Como definir a Maçonaria?

Como definir a Maçonaria? 1 Como definir a Maçonaria? A Maçonaria define-se a si própria como uma «sociedade iniciática» e uma «organização filantrópica e de procura filosófica» cujos membros são recrutados por cooptação. Afirma-se

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN SEGUNDO REINADO 1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS SEGUNDO REINADO Golpe da maioridade 1840 Novo gabinete do governo Liberal de curta existência. Conservadores retornam ainda no mesmo ano ao governo.

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA

REFORMA E CONTRARREFORMA REFORMA E CONTRARREFORMA CONHECER E COMPREENDER A REFORMA PROTESTANTE Porque houve uma Reforma religiosa na Europa? Venda de indulgências Luxo da Igreja Corrupção Falta de vocação de membros do Clero Afastamento

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 515/VIII ALTERA A COMPOSIÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA, CRIADO PELA LEI N.º 14/90, DE 9 DE JUNHO

PROJECTO DE LEI N.º 515/VIII ALTERA A COMPOSIÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA, CRIADO PELA LEI N.º 14/90, DE 9 DE JUNHO PROJECTO DE LEI N.º 515/VIII ALTERA A COMPOSIÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA, CRIADO PELA LEI N.º 14/90, DE 9 DE JUNHO Exposição de motivos O Conselho Nacional de Ética para

Leia mais

Como escrever um comunicado de imprensa?

Como escrever um comunicado de imprensa? Como escrever um comunicado de imprensa? (Press Release) Iremos de seguida descrever uma abordagem, passo-a-passo, com o objectivo de se redigir correctamente uma nota informativa (press release) para

Leia mais

Contexto Histórico da Comunicação Social em Caxias do Sul_. Paulo Cancian_

Contexto Histórico da Comunicação Social em Caxias do Sul_. Paulo Cancian_ Contexto Histórico da Comunicação Social em Caxias do Sul_ Paulo Cancian_ ZYOFFSETTV.COM_ Contexto Histórico da Comunicação Social em Caxias do Sul_02 ZYOFFSETTV.COM_ Áreas Meio eletrônico (rádio, TV geração

Leia mais

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 Antecedentes da implantação da República em Portugal O século XIX foi um período particularmente perturbado para Portugal. - A partir de 1870, o país sofreu, como

Leia mais

Editoria: Dia a Dia. Assunto: Campanha contra a pólio deverá vacinar 360 mil. CLIPPING IMPRESSO Página: C3 Data: 16/06/2012

Editoria: Dia a Dia. Assunto: Campanha contra a pólio deverá vacinar 360 mil. CLIPPING IMPRESSO Página: C3 Data: 16/06/2012 Amazonas em Tempo Coluna: -- Campanha contra a pólio deverá vacinar 360 mil (X) Press-release da assessoria de imprensa ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação C3 Editoria: Geral Jornal Hoje Coluna:--

Leia mais

Discurso da cerimónia de entrega de cédulas em mais 300 homens e mulheres sérios, honestos e de íntegra coluna vertebral; mais 300

Discurso da cerimónia de entrega de cédulas em mais 300 homens e mulheres sérios, honestos e de íntegra coluna vertebral; mais 300 Discurso da cerimónia de entrega de cédulas em 31.05.2005 Porque hoje admitimos no seio da OA mais cerca de 300 Advogados; portanto, mais 300 homens e mulheres sérios, honestos e de íntegra coluna vertebral;

Leia mais

GearBest melhora o serviço de venda e suporte para Portugal

GearBest melhora o serviço de venda e suporte para Portugal GearBest melhora o serviço de venda e suporte para Portugal Date : 12 de Maio de 2017 O acesso a produtos não disponíveis no nosso país e a preços muito em conta faz das lojas online chinesas uma excelente

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486 Luís Vaz de Camões 1º Abs Joana Santos nº2486 Ano lectivo: 2010/2011 Índice.. 2 Introdução...3 Vida de Luís de Camões.. 4 Obra. 5 Conclusão 6 Bibliografia..7 2 Neste trabalho irei falar sobre Luís Vaz

Leia mais

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. O LEGADO DO LIBERALISMO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. O LEGADO DO LIBERALISMO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX 1. O liberalismo, uma ideologia centrada na defesa dos direitos humanos Liberalismo - opõe-se ao absolutismo e às tiranias - defende liberdade de iniciativa económica - promove a burguesia - defende os

Leia mais

Os Arquivos da Inquisição

Os Arquivos da Inquisição A/495306 Maria do Carmo Jasmins Dias Farinha Os Arquivos da Inquisição Série IDD's Arquivo Nacional da Torre do Tombo Serviço de Publicações e Divulgação Lisboa -1990 Nota prévia 7 Prefácio Introdução

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 8º ano Data: / /2016 Professor: Piero/Thales 3º bimestre Nota: (valor: 1,0) a) Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os

Leia mais

POLITÉCNICO DE SANTARÉM. Parte I - Questionário. Raciocínio lógico, matemático, compreensão de linguagem escrita e conhecimentos gerais

POLITÉCNICO DE SANTARÉM. Parte I - Questionário. Raciocínio lógico, matemático, compreensão de linguagem escrita e conhecimentos gerais DURAÇÃO: 1 HORA TOLERÂNCIA: 15 MINUTOS PROVA DE CULTURA GERAL (2010-2011 2011) Parte I - Questionário Raciocínio lógico, matemático, compreensão de linguagem escrita e conhecimentos gerais Indique a resposta

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

A Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva o seu papel no estudo, preservação e divulgação das Artes Decorativas portuguesas

A Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva o seu papel no estudo, preservação e divulgação das Artes Decorativas portuguesas A Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva o seu papel no estudo, preservação e divulgação das Artes Decorativas portuguesas Isabel Mayer Godinho Mendonça Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola

Leia mais

AS LUTAS DE LIBERTAÇÃO NACIONAL ÁSIA E ÁFRICA SÉCULO XX COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS

AS LUTAS DE LIBERTAÇÃO NACIONAL ÁSIA E ÁFRICA SÉCULO XX COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS AS LUTAS DE LIBERTAÇÃO NACIONAL ÁSIA E ÁFRICA SÉCULO XX COLÉGIO PEDRO II PROFESSOR: ERIC ASSIS A partilha do Continente Africano após a Conferência de Berlim (1885) O NEOCOLONIALISMO ENTRE OS SÉCULOS XIX

Leia mais

A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas

A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas Aula 13 e 14 A Economia Mineradora (Século XVIII) 1 A Economia Mineradora do Século XVIII Setor 1601 2 As Reformas Pombalinas 3 ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Analisar a crise do Antigo Sistema Colonial

Leia mais

À GLORIA DO SUPREMO ARQUITETO DO UNIVERSO. Peça de Arquitetura. A participação da Maçonaria e dos Maçons no Movimento Republicano. Antônio Carlos Rios

À GLORIA DO SUPREMO ARQUITETO DO UNIVERSO. Peça de Arquitetura. A participação da Maçonaria e dos Maçons no Movimento Republicano. Antônio Carlos Rios À GLORIA DO SUPREMO ARQUITETO DO UNIVERSO Peça de Arquitetura A participação da Maçonaria e dos Maçons no Movimento Republicano Antônio Carlos Rios Marechal Deodoro da Fonseca Iniciado na Maçonaria em

Leia mais

Quadros políticos na Era Napoleônica: visões da política externa aos olhos de D. Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1810)

Quadros políticos na Era Napoleônica: visões da política externa aos olhos de D. Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1810) Quadros políticos na Era Napoleônica: visões da política externa aos olhos de D. Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1810) Debora Cristina Alexandre Bastos e Monteiro de Carvalho Os tratados de Aliança

Leia mais

GRUPO I O ESTADO NOVO NO QUADRO INTERNACIONAL (DÉCADAS DE 30 A 50 DO SÉCULO XX) Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos:

GRUPO I O ESTADO NOVO NO QUADRO INTERNACIONAL (DÉCADAS DE 30 A 50 DO SÉCULO XX) Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos: EXAME HISTÓRIA A 1ª FASE 2009 página 1/5 GRUPO I O ESTADO NOVO NO QUADRO INTERNACIONAL (DÉCADAS DE 30 A 50 DO SÉCULO XX) Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos: Doc. 1 O Estado Novo,

Leia mais

A Administração Colonial

A Administração Colonial A Administração Colonial HISTÓRIA DO BRASIL Prof. Alan Carlos Ghedini O primeiros 30 anos Até 1530 Desinteresse da Coroa Portuguesa pela nova Colônia Comércio das especiarias ainda era o foco Houve apenas

Leia mais

Filosofia Portuguesa e Universalidade da Filosofia

Filosofia Portuguesa e Universalidade da Filosofia Obras de José Marinho LISBOA 2007 Volume VIII Filosofia Portuguesa e Universalidade da Filosofia e outros textos Edição de Jorge Croce Rivera SUB Hamburg A/472203 IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA Apresentação

Leia mais

DECRETO N.º 27/XIII. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho

DECRETO N.º 27/XIII. Artigo 1.º Objeto. Artigo 2.º Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho DECRETO N.º 27/XIII Regula o acesso à gestação de substituição, procedendo à terceira alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho (procriação medicamente assistida) A Assembleia da República decreta, nos

Leia mais

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. A IMPLANTAÇÃO DO LIBERALISMO EM PORTUGAL

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. A IMPLANTAÇÃO DO LIBERALISMO EM PORTUGAL 1. A ação reformadora da regência de D. Pedro [cartismo] Mouzinho da Silveira Lista de medidas [1832-33]: libertação da terra - extinção de morgadios, forais, dízimos, bens da Coroa liberdade de comércio

Leia mais

A imprensa no Brasil não surgiu em 1º de junho de 1808

A imprensa no Brasil não surgiu em 1º de junho de 1808 A imprensa no Brasil não surgiu em 1º de junho de 1808 MESSAGI Jr, Mário Doutorando/Unisinos UFPR/PR Resumo: A historiografia brasileira (Rizzini, 1957. Lustosa, 2003. Werneck, 1983. Melo de Souza, 1986)

Leia mais

HORÁRIO DE AULA Educação Infantil

HORÁRIO DE AULA Educação Infantil HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE MÚSICA MÚSICA HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE MÚSICA HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE HIGIENE MÚSICA HIGIENE HIGIENE

Leia mais

PRIMEIRO REINADO A formação do Estado nacional brasileiro

PRIMEIRO REINADO A formação do Estado nacional brasileiro PRIMEIRO REINADO 1822-1831 A formação do Estado nacional brasileiro 1. A Confederação do Equador A Confederação do Equador foi um movimento político e revolucionário ocorrido na região Nordeste do Brasil

Leia mais

BANCO DE ATIVIDADES Presente História 5 ano - 4 bimestre Avaliação

BANCO DE ATIVIDADES Presente História 5 ano - 4 bimestre Avaliação História 5 ano - 4 bimestre Unidade 4 1. Escreva um pequeno texto sobre o governo Getúlio Vargas. Não esqueça de incluir dois argumentos favoráveis e dois desfavoráveis. Dê um título para o texto. 2. Leia

Leia mais

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SUMÉ Lei n 1.176/2015. ANEXO I (art. 25)

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SUMÉ Lei n 1.176/2015. ANEXO I (art. 25) ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SUMÉ Lei n 1.176/2015 ANEXO I (art. 25) Tabela 1 ADMINISTRAÇÃO DIRETA QUADRO PERMANENTE DE PESSOAL CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO 1. ÓRGÃO DE DECISÃO

Leia mais

Colorir sobre o 7 de Setembro

Colorir sobre o 7 de Setembro Desenhos para Pintar e Colorir sobre o 7 de Setembro 7 de Setembro Olá amigos e amigas do SOESCOLA. Hoje trago para vocês algumas sugestões de Desenhos para Colorir com o tema da Independência do Brasil

Leia mais

ATIVIDADES DE APOIO LÍNGUA PORTUGUESA

ATIVIDADES DE APOIO LÍNGUA PORTUGUESA COLÉGIO CRISTO REDENTOR/ACADEMIA DE COMÉRCIO CONGREGAÇÃO D VERBO DIVINO SVD ATIVIDADES DE APOIO LÍNGUA PORTUGUESA Leia a notícia publicada em 29 de janeiro de 2014 no portal G1: Justiça autoriza estudante

Leia mais

Imagem Institucional Fevereiro/2004

Imagem Institucional Fevereiro/2004 Imagem Institucional Recorte de notícias editado pela Assessoria de Imprensa Hospital Unimed Sorocaba Inaugura Nova Ala é destaque do mês Oretorno de imagem da Unimed do Brasil, medido com base na centimetragem

Leia mais

MERCANTILISMO. A política econômica dos Estados Modernos. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco

MERCANTILISMO. A política econômica dos Estados Modernos. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco MERCANTILISMO A política econômica dos Estados Modernos Prof.: Mercedes Danza Lires Greco No feudalismo, a riqueza = terra. Entre os séculos XV e XVIII, a riqueza = dinheiro. Principal atividade geradora

Leia mais

Editoria: Cidades A Crítica

Editoria: Cidades A Crítica Editoria: Cidades Coluna: Resumo 441.435 mil imóveis de Manaus já foram inspecionados (X) Press-release da assessoria de imprensa ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação C2 Editoria: Economia

Leia mais