Escola Secundária de Cacilhas Tejo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Secundária de Cacilhas Tejo"

Transcrição

1 Escola Secundária de Cacilhas Tejo Plano de Melhoria

2 1. Introdução PLANO DE MELHORIA O presente Plano de Melhoria resulta da articulação entre o relatório da Avaliação Externa da Inspeção-Geral da Educação e Ciência homologado em 24 de setembro de 2013, na sequência da ação inspetiva, realizada entre os dias 11 e 12 de março de 2013 na Escola Secundária de Cacilhas-Tejo, o Programa de Acompanhamento da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, iniciado em outubro de 2013, e o Projeto Educativo para o triénio de Além dos documentos referidos, foram ainda tidos em consideração outros dados, como, por exemplo, o Relatório de Avaliação do Projeto Educativo anterior e o Relatório da Autoavaliação de Escola. Pretende-se, através deste Plano de Melhoria, definir um conjunto de ações consistentes que se traduzam na melhoria efetiva da Escola Secundária de Cacilhas-Tejo. Para a definição deste Plano contribuíram vários elementos dos órgãos de administração e gestão (Diretora, Coordenadora dos Cursos Científico- Humanísticos, Coordenador dos Cursos Profissionais, Representante do Departamento de Apoio Socioeducativo e Presidente do Conselho Geral) bem como a equipa coordenadora do Projeto Educativo e a equipa de Autoavaliação da Escola a quem coube a elaboração final deste Plano de Melhoria com as ações que procurarão dar resposta às cinco áreas prioritárias recomendadas pela Inspeção- Geral da Educação e Ciência e que a seguir se transcrevem: A identificação objetiva das causas do insucesso escolar que possibilite a definição de ações de melhoria adequadas para a sua redução; O incentivo à participação dos pais e encarregados de educação nos processos de decisão para que estes possam contribuir para o desenvolvimento da Escola; A assunção de uma lógica de trabalho cooperativo e interdisciplinar, transversal a todas as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica, de forma a garantir a articulação das diversas aprendizagens e percursos educativos mais sustentados; A implementação generalizada de processos de supervisão da atividade letiva em sala de aula, enquanto fator de desenvolvimento profissional dos docentes, com vista ao aperfeiçoamento das práticas de ensino e, consequentemente, à melhoria das aprendizagens e dos resultados; A implementação de um processo de monitorização sistemático e de avaliação da eficácia das ações de melhoria, com vista a uma estratégia concertada, conducente à melhoria dos resultados e à consolidação de uma cultura de autoavaliação organizacional, enquanto garante do progresso sustentado da Escola. 2 Plano de Melhoria

3 Dada a importância do Projeto Educativo enquanto instrumento estruturante para a Escola, o Plano de Melhoria tem em conta os objetivos, as estratégias e as metas aí explicitados e, por isso, só após a reformulação do Projeto Educativo 1 ficaram reunidas as condições para a elaboração do Plano de Melhoria o qual tem um horizonte temporal de um ano letivo (2013/2014), o que se prende com o modo como estão definidas as metas do Projeto Educativo. Na elaboração deste Plano de Melhoria foi utilizado para a explicitação das ações a implementar o modelo de ficha da CAF 2 ao qual se introduziram algumas alterações que, pensamos, se ajustam melhor às necessidades da Escola. Estas fichas refletem o modo como a Escola perspetiva a implementação das ações de melhoria e contêm, entre outras, a informação sobre os objetivos e resultados esperados com as ações, os domínios e as metas do Projeto Educativo em que se enquadram bem como as atividades a realizar, os envolvidos na sua coordenação e operacionalização, os indicadores de avaliação e os prazos em que o processo se vai desenvolver. 2. Áreas prioritárias/fichas das ações de melhoria 2.1. Área Prioritária - A identificação objetiva das causas do insucesso escolar que possibilite a definição de ações de melhoria adequadas para a sua redução Ficha de Ação de Melhoria AÇÃO DE MELHORIA Designação da Ação de Melhoria Identificação e análise de causas de insucesso e definição de ações para a sua redução Dirigente responsável Equipa coordenadora da ação Equipa operacional Diretora da Escola, professora Margarida Coordenadoras dos Diretores de Turma, professoras Fátima Gaspar e Helena Pedroso; Professoras Clara Pires, Céu Santos e Mª João Bule Domínio de Intervenção do PE Diretores de turma e professores dos vários conselhos de turma; Professores do Programa Sucesso Departamentos/Grupos de recrutamento Comissão de estatística A. Desenvolvimento Curricular 1 Projeto Educativo aprovado a 15 de janeiro de CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) 3 Plano de Melhoria

4 Descrição da ação de melhoria Criação de instrumentos para a identificação e análise de causas do insucesso escolar e implementação de ações para a sua redução Objetivo (s) da ação de melhoria Melhorar os resultados escolares Atividades a realizar AÇÃO 1 - PROGRAMA SUCESSO 3 no 11º e no 12º ano dos cursos Científico-Humanísticos - Produção de relatórios de avaliação no final de cada período. AÇÃO 2 - IDENTIFICAÇÃO DE CAUSAS DO INSUCESSO -Levantamento das classificações negativas de entrada dos alunos em disciplinas estruturantes: Cursos Científico-Humanísticos Ciências e Tecnologias: Português, Matemática, Ciências Físicas e Naturais Línguas e Humanidades: Português, História, Língua Estrangeira Ciências Socioeconómicas: Português, Matemática e Geografia Cursos profissionais Português, Língua Estrangeira e Matemática - Levantamento das classificações negativas nos exames nacionais de 9º ano nas disciplinas de Português e de Matemática dos alunos do 10º ano/1º ano; - Confronto dos dados iniciais com os resultados do 1º período nas disciplinas em causa nos cursos Científico-Humanísticos e respetiva monitorização ao longo do ano letivo; - Identificação dos alunos do 10º/1º ano encaminhados para outros cursos; - Identificação dos alunos do 10º/1º ano sinalizados mas não encaminhados para outros cursos e identificar as causas do não-encaminhamento; - Aplicação de um questionário aos alunos dos Cursos Científico-Humanísticos que no final do 1º período não estariam em condições de transitar ou de concluir o curso; - Produção de um relatório sobre as causas do insucesso com base nos dados recolhidos (fevereiro); - Apresentação e análise dos relatórios nas várias estruturas de gestão curricular com vista à sugestão de estratégias de intervenção adequadas e à redação final dos mesmos. 3 Destinado a alunos que, nos cursos científico-humanísticos transitaram: 1- com classificação inferior a dez valores em disciplinas sujeitas a exame nacional; 2- com a classificação de 10 valores na disciplina,mas a mesma resultou de votação em conselho de turma; 3 -no caso das disciplinas trienais, transitaram do 11º para o 12º ano com a classificação de 10 valores mas tiveram a classificação de 8 ou 9 valores no 10º ano. 4 Plano de Melhoria

5 AÇÃO 3 - ATUAÇÃO NOS CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS (REGULAR E RECORRENTE) E CURSOS PROFISSIONAIS AO NÍVEL DO CONSELHO DE DEPARTAMENTO/ GRUPO - Criação nos departamentos/grupos de instrumentos de avaliação formativa, reforçando os procedimentos de autoavaliação (janeiro/fevereiro); - Aplicação dos instrumentos de avaliação formativa (ao longo do ano letivo); - Reflexão sobre a aplicação dos instrumentos e registo de conclusões. AÇÃO 4 - PLANO DE INTERVENÇÃO NOS CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS 4 AO NÍVEL DO CONSELHO DE DEPARTAMENTO/ GRUPO - Elaboração (janeiro/fevereiro) de um plano de intervenção sempre que exista no Departamento/ Grupo uma disciplina com 50% ou mais de classificações inferiores a 10 valores. - Operacionalização do plano (2º/3ºperíodos). - Avaliação do plano de intervenção: - produção de relatório de avaliação intermédia (final do 2º período); - produção de um relatório final com recomendações para o ano letivo seguinte nas turmas de continuidade (final do 3º período). AO NÍVEL DO CONSELHO DE TURMA - Elaboração (janeiro/fevereiro) de um plano de intervenção sempre que se verifique uma das seguintes situações: - disciplinas com 50% ou mais de classificações inferiores a 10 valores 5 ; - 5 ou mais alunos com mais de 2 classificações inferiores a 10 valores; - outras consideradas relevantes pelo Conselho de Turma. - Operacionalização do plano (2º /3ºperíodos). - Avaliação do plano de intervenção -produção de relatório de avaliação intermédia (Conselho de turma de avaliação do 2º período); -produção de um relatório final com recomendações para o ano letivo seguinte nas turmas de continuidade (Conselho de Turma de avaliação do 3º período.) Resultado(s) esperado(s) ENSINO REGULAR Atingir uma taxa de sucesso global (transição e conclusão) entre 65-70%; Atingir uma taxa de conclusão do Ensino Secundário entre 50-55%; Aproximar os resultados da média global interna e externa, por disciplina (a diferença 4 O modelo do plano de intervenção deve conter obrigatoriamente os seguintes pontos: descrição da problemática identificada, objetivos, estratégias, calendarização, intervenientes, monitorização/avaliação. O Conselho de Turma deve decidir quem coordena o desenvolvimento do plano de acordo com a problemática identificada e o perfil dos docentes (não tem de ser o Diretor de Turma). 5 Entende-se como turma a unidade orgânica estipulada no horário do professor. 5 Plano de Melhoria

6 não deve ultrapassar os 2 valores). ENSINO PROFISSIONAL Atingir uma taxa de sucesso global (transição e conclusão) entre 72-75%; Atingir uma taxa de conclusão do Ensino Secundário entre 60-65%. ENSINO RECORRENTE Atingir uma taxa de sucesso global (transição e conclusão) entre 65-70%. Indicadores de avaliação Taxas de transição e de conclusão nos diferentes cursos; Desvio entre CIF-CE. Data de início Data de conclusão Setembro de 2013 Julho de 2014 Revisão e avaliação da ação de melhoria (mecanismos e datas) PROGRAMA SUCESSO relatórios (janeiro, abril/maio e junho de 2014). CAUSAS DO INSUCESSO relatórios (fevereiro/março). ATUAÇÃO NOS CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS (REGULAR E RECORRENTE) E CURSOS PROFISSIONAIS E PLANO DE INTERVENÇÃO NOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS - - relatório global (até final de junho); - apresentação e análise do relatório global nas várias estruturas de gestão curricular com vista à redação final do mesmo (julho) Área Prioritária - O incentivo à participação dos pais e encarregados de educação nos processos de decisão para que estes possam contribuir para o desenvolvimento da Escola Ficha de Ação de Melhoria AÇÃO DE MELHORIA Designação da Ação de Melhoria Participação dos pais e encarregados de educação no desenvolvimento da Escola Dirigente responsável Diretora da Escola, professora Margarida Equipa coordenadora da ação Diretora e coordenadoras dos Diretores de Turma Professor António Moreira Equipa operacional Diretora, professora Margarida Coordenadoras dos Diretores de Turma Diretores de Turma Representantes dos Pais e Encarregados de Educação 6 Plano de Melhoria

7 Domínio de Intervenção do PE D Envolvimento da Comunidade Descrição da ação de melhoria Criação de mecanismos para o incentivo à participação dos pais e encarregados de educação nos processos de decisão para que estes possam contribuir para o desenvolvimento da Escola Objetivo (s) da ação de melhoria Melhorar o envolvimento dos pais e Encarregados de Educação na vida da Escola Atividades a realizar AÇÃO 1 - Receção em setembro dos Pais e Encarregados de Educação dos alunos que iniciam o 10º/1º ano; AÇÃO 2 -Sensibilização dos Pais e Encarregados de educação para a importância da criação de uma Associação de pais e Encarregados de Educação e levantamento dos potenciais interessados (Conselhos de Turma intercalares, reuniões com Diretores de Turma ao longo do 1º período); AÇÃO 3 - Reunião com todos os potenciais interessados com vista à criação da Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Secundária de Cacilhas (janeiro); AÇÃO 4 - Sessão pública de apresentação do Projeto Educativo (1ª quinzena de fevereiro); AÇÃO 5 - Aplicação de questionário aos Pais e Encarregados de Educação com vista à organização de atividades direcionadas para os mesmos e de relevância para o desenvolvimento da Escola (2º período); AÇÃO 6 - Realização de atividade(s) com Pais e Encarregados de Educação. Resultado (s) esperado(s) Participação de Pais e Encarregados de Educação no desenvolvimento da Escola. Indicadores de avaliação Nº de reuniões/atividades realizadas com Pais e Encarregados de Educação; Nº de presenças de Pais e Encarregados de Educação em reuniões/atividades na Escola; Eleição dos Corpos Sociais da Associação de Pais e Encarregados de Educação da ESCT. Data de início Data de conclusão Setembro de 2013 Julho de 2014 Revisão e avaliação da ação de melhoria (mecanismos e datas) Relatório intermédio sobre a participação dos pais em reuniões/atividades (final do 2º período); Relatório final global da participação dos Pais e Encarregados de Educação e reformulação de estratégias em função das conclusões obtidas (julho de 2014). 7 Plano de Melhoria

8 2.3. Área Prioritária - A assunção de uma lógica de trabalho cooperativo e interdisciplinar, transversal a todas as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica, de forma a garantir a articulação das diversas aprendizagens e percursos educativos mais sustentados Ficha de Ação de Melhoria AÇÃO DE MELHORIA Designação da Ação de Melhoria Desenvolvimento do trabalho cooperativo e interdisciplinar, transversal a todas as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica, de forma a garantir a articulação das diversas aprendizagens e percursos educativos mais sustentados Dirigente responsável Equipa coordenadora da ação Equipa operacional Diretora da Escola, professora Margarida Diretora, Coordenadores dos Cursos Científico- Humanísticos e Coordenador dos Cursos profissionais Professora Ana Meireles Domínio de Intervenção do PE Coordenadores de Departamento/Grupo Comissão de estatística Professores A Desenvolvimento Curricular B -Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica Descrição da ação de melhoria Criação de instrumentos comuns de suporte à análise de resultados escolares nos vários grupos de recrutamento, trabalho cooperativo na modalidade de coadjuvação e criação de condições para a partilha de boas práticas pedagógicas. 8 Plano de Melhoria Objetivo (s) da ação de melhoria Melhorar os resultados escolares; Melhorar as práticas de reflexão e trabalho cooperativo; Promover a articulação e a cooperação entre as estruturas de gestão curricular. Atividades a realizar AÇÃO 1 - Criação de uma grelha comum de suporte à análise de resultados escolares nos vários grupos de recrutamento (janeiro) AÇÃO 2 - Criação de uma grelha comum de suporte ao balanço das diferentes modalidades de apoio nos vários grupos de recrutamento (janeiro) AÇÃO 3 - Realização de coadjuvações nos vários grupos de recrutamento (ao longo do ano letivo) AÇÃO 4 - Realização de reuniões de estruturas de gestão curricular para partilha de boas

9 práticas pedagógicas (2º e 3º períodos) Resultado (s) esperados Realizar até 3 coadjuvações por grupo disciplinar; Realizar até 3 reuniões de estruturas de gestão curricular sobre boas práticas pedagógicas. Indicadores de avaliação Grelhas comuns para balanço de resultados dos alunos e das diferentes modalidades de apoio; Número de coadjuvações realizadas; Número de reuniões realizadas sobre boas práticas pedagógicas. Data de início Data de conclusão Setembro de 2013 Julho de 2014 Revisão e avaliação da ação de melhoria (mecanismos e datas) Análise de relatórios intermédios sobre as coadjuvações e reformulação de estratégias em função das conclusões obtidas (final do 2º e 3º períodos); Análise do relatório final sobre as coadjuvações e tomada de decisões para o próximo ano letivo com base nas conclusões apresentadas (julho de 2014); Análise de relatório das reuniões das estruturas de gestão curricular sobre boas práticas pedagógicas e tomada de decisões para o próximo ano letivo com base nas conclusões apresentadas (julho de 2014) Área Prioritária - A implementação generalizada de processos de supervisão da atividade letiva em sala de aula, enquanto fator de desenvolvimento profissional dos docentes, com vista ao aperfeiçoamento das práticas de ensino e, consequentemente, à melhoria das aprendizagens e dos resultados Planeamento e realização do ensino e das aprendizagens para a obtenção de melhores resultados escolares no Departamento de Ciências Experimentais Ficha de Ação de Melhoria AÇÃO DE MELHORIA 6 Designação da Ação de Melhoria Planeamento e realização do ensino e das aprendizagens para a obtenção de melhores resultados escolares no Departamento de Ciências Experimentais. Dirigente responsável Equipa coordenadora da ação Equipa operacional 6 Ação prevista no Programa de Acompanhamento da Inspeção Geral de Educação e Ciência 9 Plano de Melhoria

10 Diretora da Escola, Coordenadora do professora Margarida Departamento de Ciências Experimentais e Coordenadora do Grupo de Biologia Domínio de Intervenção do PE Professores do Departamento de Ciências Experimentais B Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica (Objetivo Promover práticas de supervisão pedagógica) Descrição da ação de melhoria Criação dos mecanismos para o planeamento e realização do ensino e das aprendizagens para a obtenção de melhores resultados escolares no Departamento de Ciências Experimentais Objetivo (s) da ação de melhoria 1. Observação, partilha e reflexão, entre os docentes que lecionam as disciplinas de Física e Química A e Biologia e Geologia (10.º e 11.º anos), das suas práticas pedagógicas; 2. Conceção e utilização de instrumentos autorreguladores do processo de ensino e de aprendizagem. Atividades a realizar PARA OBJETIVO 1 AÇÃO 1 Criação de uma grelha de registo de observação de aulas que contemple, entre outros, os seguintes aspetos: - Diferenciação e adequação das estratégias pedagógicas em função das características e dos ritmos de aprendizagem dos alunos; - Esclarecimento, atempado, das dúvidas aos alunos; - Orientação dos alunos nas tarefas a realizar; - Gestão equilibrada do tempo em sala de aula; - Reforço positivo. AÇÃO 2 Observação de aulas, entre os pares pedagógicos, no sentido de partilhar as estratégias de ensino e aprendizagem utilizadas que se revelaram como mais eficazes (supervisão horizontal). AÇÃO 3 - Reflexão (docente observado e observador), em reunião após a observação das aulas, com vista a analisar a eficácia das estratégias pedagógicas utilizadas pelos docentes. AÇÃO 4 - Partilha, no departamento curricular, dos resultados obtidos no âmbito da ação 3. AÇÃO 5 - Criação, por parte dos docentes do Departamento, de um instrumento que possibilite registar as principais conclusões da reflexão ocorrida no âmbito da ação 3. PARA OBJETIVO 2 AÇÃO 6 - Conceber, no departamento de Ciências Experimentais, matrizes de testes de avaliação sumativa, por ano de escolaridade. AÇÃO 7 - Implementar um procedimento de auscultação aos alunos, por escrito, das 10 Plano de Melhoria

11 principais dificuldades sentidas aquando da realização dos testes de avaliação sumativa. AÇÃO 8 - Entregar a correção (por escrito) do teste de avaliação sumativa aos alunos com a identificação, na própria folha de teste, do tipo de erro detetado. AÇÃO 9 - Criar, por parte dos docentes do Departamento, instrumentos que possibilitem acompanhar a implementação dos procedimentos pedagógicos autorreguladores referidos no âmbito da ação 7. Resultado (s) esperados Concretizar um plano de supervisão num Departamento (Ciências Experimentais) Indicadores de avaliação Concretização das medidas do plano da Inspeção Geral da Educação e Ciência Data de início Data de conclusão Outubro de 2013 Junho de 2014 Revisão e avaliação da ação de melhoria (mecanismos e datas) Registo da reflexão e balanço sobre aulas observadas e sobre a construção e utilização de instrumentos autorreguladores (no final de cada período) Práticas de reflexão e trabalho colaborativo Ficha de Ação de Melhoria AÇÃO DE MELHORIA 7 Designação da Ação de Melhoria Práticas de reflexão e trabalho colaborativo Dirigente responsável Coordenadora da ação Equipa operacional Diretora da Escola, professora Margarida Coordenadora do Departamento de Ciências Experimentais Domínio de Intervenção do PE Professores do Departamento de Ciências Experimentais B Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica (Objetivo Melhorar as práticas de reflexão e trabalho colaborativo) Descrição da ação de melhoria Criação dos mecanismos que sustentem as práticas de reflexão e trabalho colaborativo no Departamento de Ciências Experimentais Objetivo (s) da ação de melhoria Desenvolvimento de práticas de reflexão e de trabalho colaborativo entre os docentes do Departamento de Ciências Experimentais 7 Ação prevista no Programa de Acompanhamento da Inspeção Geral de Educação e Ciência 11 Plano de Melhoria

12 Atividades a realizar AÇÃO 1 - Promover, por parte do Coordenador de Departamento, reuniões conjuntas entre os docentes com vista a promover a reflexão sobre o planeamento, a realização e avaliação do processo de ensino e aprendizagem. AÇÃO 2 - Definir, por parte do Coordenador de Departamento, no início de cada período letivo, a ordem de trabalhos para cada uma das reuniões previstas. AÇÃO 3 Criar, por parte do Coordenador de Departamento, os instrumentos que possibilitem a implementação das ações 1 e 2. Resultado (s) esperados Desenvolvimento de práticas de reflexão e de trabalho colaborativo entre os docentes do Departamento de Ciências Experimentais. Indicadores de avaliação Número de reuniões realizadas em cada período letivo Data de início Data de conclusão Outubro de 2013 Junho de 2014 Revisão e avaliação da ação de melhoria (mecanismos e datas) Relatório com o balanço do trabalho efetuado no âmbito das práticas de reflexão e trabalho colaborativo (no final de cada período) 2.5. Área Prioritária - A implementação de um processo de monitorização sistemático e de avaliação da eficácia das ações de melhoria, com vista a uma estratégia concertada, conducente à melhoria dos resultados e à consolidação de uma cultura de autoavaliação organizacional, enquanto garante do progresso sustentado da Escola Ficha de Ação de Melhoria AÇÃO DE MELHORIA Designação da Ação de Melhoria Criação dos mecanismos para a implementação de um processo sistemático de monitorização e de avaliação da eficácia das ações de melhoria Dirigente responsável Equipa coordenadora da ação Equipa operacional Diretora da Escola, professora Margarida Equipa de autoavaliação Domínio de Intervenção do PE Equipa de autoavaliação Equipas específicas 12 Plano de Melhoria

13 B Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica Descrição da ação de melhoria Implementação e desenvolvimento de um plano de avaliação contínua do serviço prestado pela Escola Objetivo (s) da ação de melhoria Desenvolver um plano de avaliação contínua do serviço prestado Atividades a realizar AÇÃO 1 - Constituição da equipa de autoavaliação; AÇÃO 2 - Auscultação das estruturas de gestão curricular; AÇÃO 3 - Elaboração e apresentação da proposta de Plano de Melhoria; AÇÃO 4 - Incorporação no Plano de Melhoria das propostas de alteração apresentadas; AÇÃO 5 - Implementação do Plano de Melhoria; AÇÃO 6 - Avaliação do Plano de Melhoria Resultado (s) esperados Elaborar, implementar e avaliar o Plano de Melhoria com vista à consolidação de uma cultura de autoavaliação organizacional conducente à melhoria dos resultados e ao desenvolvimento da Escola. Indicadores de avaliação Ações de melhoria; Taxa de concretização das ações de melhoria; Grau de eficácia das ações de melhoria. Data de início Data de conclusão Outubro de 2013 Julho de 2014 Revisão e avaliação da ação de melhoria (mecanismos e datas) Relatório de avaliação intermédia do Plano de Melhoria de acordo com os momentos previstos nas diferentes ações e recomendações para eventuais reformulações. Relatório de avaliação final e apresentação de recomendações para ações futuras. (julho) 3. Considerações finais Após a aprovação do Plano de Melhoria pelos órgãos competentes, deverá o mesmo ser amplamente divulgado, pelos meios considerados mais eficazes, junto de todas as partes interessadas de modo a que todos o conheçam e possam envolver-se ativamente na construção da melhoria da Escola. A avaliação que resultar da implementação das ações de melhoria deverá ser tida em conta na planificação do próximo ano letivo, nomeadamente nas áreas contempladas neste plano. Escola Secundária de Cacilhas-Tejo, 17 de janeiro de Plano de Melhoria

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Código 171591 Designação Agrupamento de Escolas do Algueirão Data da intervenção Início 18.01.2017

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

Plano de Melhoria para 2015/2016

Plano de Melhoria para 2015/2016 Plano de Melhoria para 2015/2016 Ano letivo de 2015/2016 Preâmbulo justificativo O recebeu, de 17 a 20 de novembro de 2014, a visita da equipa de avaliação externa (constituída no âmbito da Área Territorial

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

Plano de Melhoria JULHO/ 2013

Plano de Melhoria JULHO/ 2013 JULHO/ 2013 Índice 2 Introdução 3 I Ponto de partida 4 II Componentes do Plano 5 A. Objetivos, metas e indicadores 5 B. Ações a implementar 8 C. Cronograma 10 D. Intervenientes 10 E. Recursos 10 F. Monitorização,

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Áreas de Melhoria sugeridas no relatório

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

ANO LETIVO

ANO LETIVO ANO LETIVO 2011-2012 1.º PERÍODO DATA HORA ATIVIDADES Realização de exames de alunos autopropostos de 9.º 1 a 30 de Setembro A designar ano (02 a 06/09) Realização dos exames de módulos para conclusão

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANEDO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANEDO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANEDO PLANO DE MELHORIA 2013-2015 ÍNDICE PLANO DE MELHORIA... 2 ÁREAS DE MELHORIA... 2 PLANO DE AÇÃO... 3 1. A monitorização da implementação das medidas de apoio delineadas,

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Autoavaliação Interna 2014/17

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Autoavaliação Interna 2014/17 PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Auto Interna 2014/17 Introdução O presente Plano de Melhoria resulta, em grande parte, das reflexões retiradas da leitura atenta do Relatório

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Foi aprovado a 17 de março de 2016, em Conselho de Ministros, o Decreto-Lei que procede à terceira alteração ao Decreto-Lei

Leia mais

MATRIZ DE RESPONSABILIDADES. Página 1 de 7

MATRIZ DE RESPONSABILIDADES. Página 1 de 7 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição de projeto educativo e do plano de desenvolvimento educativo e formativo Informado Informado Informado A1. Planeamento Estratégico 3 Carta

Leia mais

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I ANO LECTIVO DE 2015-2016 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Disciplina de Matemática Critérios de Avaliação

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Autonomia Avaliação externa dos estabelecimentos de educação e ensino Delegação de competências Professor bibliotecário Manuais escolares

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016 PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO - 2015/2016 Ações a realizar: Aplicação do Modelo CAF Educação (ciclo diagnóstico organizacional) a partir de janeiro; Aplicação do Modelo Framework de Desenvolvimento Pedagógico

Leia mais

Objetivos e Metas 2014/2015

Objetivos e Metas 2014/2015 Projeto Educativo / Plano Anual de Atividades Objetivos e Metas 2014/2015 1 Indicadores de desempenho (2013-2014) Quadro 1 Resultados da Avaliação Interna Indicadores 2013/2014 Taxa de abandono Ensino

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Ações de Melhoria (PAM) Equipa de Autoavaliação: Albertina Pinto, Ana Paula Costa, Ana Paula Neves, Ana Spínola, Benjamim Sampaio, Dina Paulino, Francisco

Leia mais

Apresentação Programa TEIP3

Apresentação Programa TEIP3 Apresentação Programa TEIP3 Programa TEIP O Programa TEIP visa estabelecer condições para a promoção do sucesso educativo de todos os alunos e, em particular, das crianças e dos jovens que se encontram

Leia mais

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Revistos e aprovados na reunião de Departamento de 13 de setembro de 2016 Introdução O princípio consensualmente

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA INSTITUTO POLITÉNICO DE LISBOA Maio de 2012 REGULAMENTO DO ESTÁGIO Preâmbulo De acordo com o previsto na alínea 3

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NOS RESULTADOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS,CAMINHA

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NOS RESULTADOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS,CAMINHA Ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando, refazendo e retocando o sonho pelo qual se pôs a caminhar. Paulo Freire AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria.

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria. Índice Introdução 3 Identificação dos pontos fortes do. 3 Identificação das Áreas de Melhoria. 4 Priorização das Áreas de Melhoria. 6 Ações de melhoria modelo de ficha. 8 Ações de melhoria. 8 2 Introdução

Leia mais

Agenda Início do ano letivo

Agenda Início do ano letivo Agenda Início do ano letivo 2016 / 2017 Período de funcionamento das aulas de acordo com o horário normal 1º Período Início : 16 de (Pré-escolar e 1º Ciclo) 19 de (2º e 3º Ciclos e E.S) Termo : 16 de dezembro

Leia mais

Plano de Articulação Curricular

Plano de Articulação Curricular Plano de Articulação Curricular 2014-2015 Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa Índice 1.Introdução... 3 2 2.Prioridades... 4 3.Operacionalização do Plano de Articulação Curricular... 5 4.Monitorização

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 ÁREA A - RESULTADOS... 4 EIXO 1 APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS... 4 EIXO 2 PREVENÇÃO DO ABANDONO, ABSENTISMO E INDISCIPLINA... 5 EIXO

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Intermédio

Plano de Ações de Melhoria Intermédio MMA 2011 Plano de Ações de Melhoria Intermédio PAM Intermédio 2016/2017 Janeiro de 2017 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria Inicial 2.1. Enquadramento estratégico das ações de melhoria

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Exames Nacionais de Língua Portuguesa e Matemática 9º ANO As provas de exame de Língua Portuguesa e de Matemática incidem sobre as aprendizagens e competências

Leia mais

Relatório de Análise dos Resultados dos Exames Nacionais Secundário AREN_ º e 12ºano

Relatório de Análise dos Resultados dos Exames Nacionais Secundário AREN_ º e 12ºano Relatório de Análise dos Resultados dos Exames Nacionais Secundário AREN_2015 11º e 12ºano Equipa Observatório da Qualidade: Rosa Cruz (Pré-Escolar) Eliana Antunes (Pré-Escolar) Mário Rafeiro (1ºCEB) Rosa

Leia mais

ÁREA - PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS

ÁREA - PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS PLANO DE MELHORIA A avaliação externa à Escola Portuguesa de Macau (EPM), levada a cabo em dezembro de 2012 pela Inspeção Geral da Educação e Ciência, incidiu em três grandes domínios: resultados, prestação

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

RELATÓRIO SECÇÃO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. BERNARDO

RELATÓRIO SECÇÃO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. BERNARDO RELATÓRIO SECÇÃO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. BERNARDO ÍNDICE Introdução... 3 Projeto educativo e avaliação das atividades... 3 Avaliação das atividades... Erro! Marcador não definido.

Leia mais

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos Metas Indicadores 1. Promover a Educação Intercultural/ Melhorar valências da escola Inclusiva. a) Reduzir a taxa de desistência escolar

Leia mais

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Pais/Encarregados de Educação CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia Agrupamento de Escolas de Arganil 2º/3º CEB e Secundário

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR DE BIOLOGIA E GEOLOGIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem e deve ser sistemática e cuidadosa para ser objetiva e rigorosa.

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO FINAL

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO FINAL RELATÓRIO FINAL Código DGAE: 400026 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO / ESCOLA ATI: Designação: Escola-Sede: Endereço: Área territorial de inspeção do Centro Escola Secundária de Avelar Brotero Escola Secundária

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

Conselho de Formação de Professores PLANO ANUAL GERAL DE FORMAÇÃO

Conselho de Formação de Professores PLANO ANUAL GERAL DE FORMAÇÃO Conselho de Formação de Professores PLANO ANUAL GERAL DE FORMAÇÃO 2016-2017 Preâmbulo O Plano Anual Geral de Formação é um documento de planeamento anual das atividades comuns à Prática Pedagógica Supervisionada

Leia mais

Relatório de Avaliação Provas Finais de 1º ciclo

Relatório de Avaliação Provas Finais de 1º ciclo Relatório de Avaliação Provas Finais de º ciclo 2/2 Escola Básica de º ciclo com Pré-Escolar de Boaventura Relatório de Avaliação Provas Finais de Ciclo 2/2 O presente relatório de avaliação incide sobre

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014-2015 Com vista ao sucesso escolar dos alunos e ao desejo da melhoria do serviço prestado pelo Agrupamento de Escolas Pedro Alexandrino, é elaborado este Plano Anual de Atividades

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO 2014-2017 B I B L I O T E C A E S C O L A R Nota Introdutória A Biblioteca Escolar existe para servir toda a comunidade escolar.

Leia mais

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período JANEIRO Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período Receção dos alunos e diálogo sobre as férias de Natal Elaboração de um texto sobre as mesmas Prof./Educ. e Responsáveis Dia de Reis Comemoração desta

Leia mais

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Mestranda: Fabiana Isabel

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 11º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2016/2017 1 O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação,

Leia mais

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 ENTIDADE PROMOTORA Município de Ponte de Sor NIPC: 506806456 Coordenação e Monitorização por parte da equipa de Coordenação dos Projetos Socioeducativos ENTIDADES PARCEIRAS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS MEDIDAS DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 INDÍCE 1. Introdução.. 3 2. Medidas de promoção do sucesso escolar.....3 3. Apoio ao estudo no 1.º

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Manual Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Reuniões de Turma As reuniões com os diretores de turma (no 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário) ou com

Leia mais

Critérios de Avaliação na educação pré-escolar

Critérios de Avaliação na educação pré-escolar Critérios de Avaliação na educação pré-escolar 1 - Modalidades de avaliação e suas funções O ato de avaliar contempla duas vertentes fundamentais: A avaliação da ação educativa - avaliação da qualidade

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arganil PLANO DE MELHORIA 2015/2018

Agrupamento de Escolas de Arganil PLANO DE MELHORIA 2015/2018 PLANO DE MELHORIA 2015/2018 Plano de Melhoria 2015/2018 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA... 4 3. PLANO DE MELHORIA... 5 3.1. ANÁLISE SWOT... 5 3.2. AÇÕES DE MELHORIA... 7 3.3.

Leia mais

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3 Índice 1. Princípios orientadores e funções da avaliação 2 2. Objetivos da avaliação 2 3. Processos de avaliação 3 3.1. Diagnóstica 3 3.2. Formativa 3 3.3. Instrumentos de avaliação 4 3.3. Períodos de

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Plano Plurianual de Atividades 2014/2017 0 Índice Índice... 1 Introdução... 2 DIMENSÃO PEDAGÓGICA... 3 DIMENSÃO CÍVICA... 7 DIMENSÃO ESCOLA, FAMÍLIA, COMUNIDADE... 9 DIMENSÃO

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A letivo: 2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Francês, 3º Ciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE 161718 Regimento Interno do Departamento da Educação pré escolar 2013//2014 Constituição do departamento O departamento curricular da educação pré-escolar é constituído

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONTEMOR-O-NOVO Plano de Ações de Melhoria (PAM) Equipa de Autoavaliação: Hélder Manuel Lopes Batista, Luís Guilherme Sampaio Lima, Maria Joaquina Azinheira Barreiros Igreja,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2011/2012

PLANO DE ATIVIDADES 2011/2012 1º Período BibliotecaEscolar Agrupamento de Escolasde Águeda PLANO DE ATIVIDADES 2011/2012 Ações/Atividades Responsáveis/ dinamizadores Público alvo Avaliação/ Evidências Domínios/ subdomínios setembro/

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Melhoria de Resultados Escolares no 1º CEB

Melhoria de Resultados Escolares no 1º CEB AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS RELATÓRIO FINAL DO PLANO DE MELHORIA IMPLEMENTADO Melhoria de Resultados Escolares no 1º CEB Novembro de 2013 1 1. Introdução O desenvolvimento do trabalho enquadrou-se na

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600)

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600) Direcção Regional de Educação do Centro AULA ASSISTIDA Nº 16 PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA EM ARTES VISUAIS ANO LECTIVO 2011/2012 PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA IDENTIFICAÇÃO PROFESSOR ESTAGIÁRIO

Leia mais

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 25-Set-2012 1. FUNDAMENTAÇÃO DO PROJETO Garantir o cumprimento do Currículo do 1º Ciclo, no que respeita à área da Expressão e Educação Físico-Motora;

Leia mais

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016 Reunião - Encarregados de Educação 1.º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 09 de setembro de 2016 Ordem de Trabalhos 1 Projeto Educativo 2 Normas de funcionamento 3 Apresentação 4 Plano Anual de Atividades 2 Ordem

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº.: S_DGE_2014/1836 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para:

CIRCULAR. Circular nº.: S_DGE_2014/1836 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para: CIRCULAR Data: 2014/05/07 Circular nº.: S_DGE_2014/1836 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Assunto: Adoção de manuais escolares com efeitos no ano letivo de 2014/2015 Para: Secretaria Regional Ed. dos Açores Secretaria

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016

ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016 ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016 Avaliação das aprendizagens dos alunos A 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E CURSOS CIENTÍFICOHUMANÍSTICOS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais