Seminário Internacional de Emissões - AEA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário Internacional de Emissões - AEA"

Transcrição

1 Seminário Internacional de Emissões - AEA Redução de Emissões de CO 2 nos Transportes: eficiência e biocombustíveis Francisco E. B. Nigro Professor São Paulo: 25/04/2013

2 Agenda Legislação sobre Mudanças Climáticas Participação dos Transportes nas Emissões de CO 2 Energia em Transportes e PIB Políticas Públicas para Redução de Emissões de CO 2 Contribuição dos Biocombustíveis Contribuição da Eficiência Veicular Consumo de Veículos Flexíveis Contribuição da Pesquisa e Desenvolvimento Política Regulatória Metas de Consumo do Inovar-Auto Considerações Finais

3 Legislação sobre Mudanças Climáticas Lei Nº de 29/12/ Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC A meta voluntária equivale a não aumentar as emissões totais de GEE (base 2005), sobretudo pela redução do desmatamento. Lei Estadual Nº de 09/11/ Institui a Política Estadual de Mudanças Climáticas PEMC Um desafio considerável: redução global de 20% das emissões de CO 2 no Estado, relativas a 2005, em 2020, ainda que sendo aceitas compensações com outros GEE.

4 Participação das Emissões de CO 2 em São Paulo Como o desmatamento em São Paulo é desprezível, a meta a ser atingida depende essencialmente dos setores econômicos que agregam valor ao PIB.

5 Consumo de Energia em Transportes no Brasil Cerca de 90% do consumo energético em transportes está no setor rodoviário, quase 8% no setor aéreo e o restante nos setores aquaviário e ferroviário. No setor rodoviário, 50% do consumo é para veículos com motorização Otto, quase que exclusivamente dedicados ao transporte individual de passageiros e o restante, a veículos diesel, dedicados ao transporte de cargas e coletivo de passageiros.

6 Redução das Emissões de CO 2 nos Transportes Forte ligação do PIB com o uso de transportes. Em um cenário BAU - Business As Usual, isto se reflete na correlação entre uso de energia e PIB. Alternativas para reduzir o crescimento das emissões de CO 2 sem abrir mão do crescimento do PIB (como fazer do limão a limonada?): Substituir energia fóssil por renovável (emissão de CO 2 com carbono renovável não é contabilizada pelo IPCC) Aumentar a eficiência do transporte: mudança modal; aumento de eficiência veicular; substituição de transporte individual por coletivo Alteração do paradigma econômico agregando maior valor ao que é produzido, reduzindo a participação dos transportes Cada país, ou região, tenta minimizar as perdas e maximizar os benefícios conforme as potencialidades que acredita ter, por exemplo: recursos naturais, recursos humanos bem formados, capital financeiro, liderança em inovação, cultura competitiva, etc.

7 Políticas Públicas para Redução de Emissões de CO 2 Comando e Controle Benefícios/ Malefícios Regulatória Alteração de alíquotas de tributos conforme o consumo de combustível ou emissão de CO 2 Demanda Consciente Etiquetagem veicular No caso brasileiro, inclusive pelo estágio do mercado automotivo nacional, uma política regulatória, obrigatoriamente federal, é essencial. Políticas complementares estaduais e ou municipais de incentivos e penalizações tributárias podem auxiliar na mudança do comportamento dos consumidores, promovendo a economia de combustíveis e redução das emissões de CO 2.

8 Contribuição dos Biocombustíveis Substituição de gasolina C por etanol hidratado em parcela significativa da frota de autos e derivados e motos flexíveis. Aumento da oferta de etanol a preço competitivo Política pública de longo prazo para o setor sucro-energético Aumento do percentual de biodiesel no diesel Realizar testes na frota existente com BX, para X>5 Tornar mandatórios percentuais de X% de mistura Substituição parcial de querosene de aviação por biocombustível Acompanhar de perto e antecipar resoluções da ICAO International Civil Aviation Organization para estabelecer uma indústria de biocombustível de aviação drop-in no país. Tornar mandatório algum percentual de mistura no Brasil O fortalecimento da vantagem competitiva da agricultura brasileira nos mercados internacionais pode trazer significativos benefícios econômicos, ambientais e sociais.

9 Contribuição dos Biocombustíveis Cenário econômico de crescimento moderado do país dentre 2012 e 2020 de 3,6% a.a. A correlação histórica do consumo energético em transportes com o PIB permite estimar a demanda de energia nos segmentos Otto e Diesel para o ano de 2020 Cenário Verde para biocombustíveis em 2020 compreendendo: 88% dos automóveis e derivados novos licenciados serão flex 50% das motocicletas novas licenciadas no período serão flex Gás natural veicular representará 8% do consumo energético em 2020 A oferta de etanol em 2020 será suficiente e seu preço será competitivo com a gasolina C de modo a possibilitar que 55% da frota flex brasileira opere com etanol hidratado. Biodiesel estará sendo misturado a 10% em todo diesel comercializado no país

10 Contribuição dos Biocombustíveis Extrapolação para um Cenário Verde PIB 3,6% a.a CO 2 0,6% a.a A evolução das emissões evitadas pelo etanol, anidro ou hidratado, e pelo biodiesel pode ser vista na parte negativa do gráfico, enquanto as emissões líquidas de cada segmento são mostradas como positivas. Os valores estimados para 2020 pressupõem o cenário verde apontado, implicando em um aumento mínimo da produção de etanol em 13% a.a. e de biodiesel de 12% a.a.

11 Contribuição dos Biocombustíveis Foram construídos dois modelos de simulação de frota com motorização Otto, um com passos anuais e outro com mensais, incluindo autos e derivados a gasolina C, a etanol e flexíveis, e motociclos a gasolina e flexíveis, para simular os consumos de gasolina C, etanol hidratado e gás natural, para o país e para o estado de São Paulo. Os modelos consideram curvas de sucateamento e de utilização com a idade e diferenças de consumo por ano de fabricação conforme dados da Cetesb.

12 Contribuição dos Biocombustíveis A simulação pelo modelo frota de passos mensais, conjugada com a venda mensal de combustíveis no estado permite calcular a fração da frota flexível que opera com etanol mês a mês. Utilizando-se os preços médios de combustíveis no estado, levantados pela ANP, é possível construir o gráfico que mostra o comportamento do consumidor final

13 Aumento da Eficiência no Transporte Para os veículos de transporte individual de passageiros Inovar-Auto P&D em motores que utilizem etanol Para os veículos de transporte de cargas e coletivo de passageiros [redução do consumo por TKU (Tonelada Km de carga Útil)] Melhor gestão para reduzir viagens em vazio Aumento da eficiência dos caminhões e ônibus Ampliação da participação do transporte sobre trilhos e aquaviário Para a aviação comercial Melhor eficiência operacional (redução de tempos de aproximação e taxiamento) Aumento da eficiência de novos aviões

14 Contribuição da Redução de Consumo Veicular Redução de consumo Redução de emissões de CO 2 Economia de renovável Substituição adicional de fóssil Benefícios: Aumento da competitividade global da indústria instalada Fortalecimento da cadeia automotiva Aumento da eficiência econômica (redução de despesas) Benefício aos consumidores ao longo da vida do veículo Aumento da sustentabilidade ambiental Desvantagem: Aumento do preço dos veículos com a inclusão da tecnologia

15 Consumo de Combustível pelos Veículos Flexíveis Embora alguns modelos de veículos sub-compactos consumam, em termos energéticos, 10% mais etanol do que gasolina C no ciclo FTP- 75 (urbano), em média o consumo de etanol é cerca de 1% superior ao de gasolina C, conforme mostrado pela inclinação da reta média

16 Consumo de Combustível pelos Veículos Flexíveis Para a mesma classe de veículos sub- compactos, o PBEV Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular mostra um consumo energético de etanol, em média cerca de 3% superior ao de gasolina C no ciclo estrada..pode-se observar que alguns modelos consomem até 10% mais etanol do que gasolina C.

17 Consumo de Combustível pelos Veículos Flexíveis

18 Consumo de Combustível pelos Veículos Flexíveis

19 Consumo de Combustível pelos Veículos Flexíveis Os dados do PBEV mostram que os veículos flexíveis geralmente possuem menor eficiência quando operando com etanol do que com gasolina C. Considerando o valor médio ponderado pelo número de veículos flexíveis novos licenciados em 2012, obtém-se uma eficiência 2,3% menor durante a operação com etanol.

20 Contribuição da Pesquisa e Desenvolvimento Produtos/processos para aumentar eficiência no uso de etanol como combustível para automóveis e derivados partida e operação a frio com etanol; motores de cilindrada reduzida com sobrecarregamento; desligamento e religamento automático de cilindros e/ou do motor; controle eletrônico de abertura e fechamento de válvulas; redução de inércia, atrito e desgaste na operação com etanol; injeção de etanol diretamente na câmara de combustão; propulsão híbrido-elétrica que use etanol como combustível; processos de combustão para aproveitamento das propriedades peculiares do etanol; novos materiais e componentes que atendam às especificidades do uso de etanol; aditivos para o combustível e lubrificantes adequados ao uso do etanol.

21 Política Regulatória para Redução de Emissões Meta para 2015 Apresentação: IHS Automotive - Brasília, 28/05/2012 Exigências maiores para veículos mais pesados

22 Metas de Consumo para o Inovar-Auto Limite de consumo de energia médio por fabricante, ponderado pelo número de veículos comercializados, ensaiados segundo o ciclo combinado da ABNT NBR 7024 com E22 e/ou E100

23 Inovar-Auto em uma Comparação Internacional Global Comparison of Light-Duty Vehicle Fuel Economy/GHG Emissions Standards divulgado pelo ICCT The International Council on Clean Transportation agosto/2011

24 Contribuição do Inovar-Auto em 2020 Extrapolação para um Cenário Verde A contribuição de uma redução média de consumo nos veículos Otto, que se inicia em 2014 e atinge 19% em 2017 tem um impacto de 13 MtCO 2 nas emissões em 2020, calculado como se toda a frota operasse com gasolina A. Desconsiderando as emissões de CO 2 referentes ao uso de etanol previsto para 2020, o efeito fica reduzido a 6 MtCO 2. O valor parece pequeno no curto prazo, mas é muito significativo à medida que a frota mais antiga vai sendo substituída.

25 Considerações Finais A forte correlação entre o aumento do PIB e do consumo de energia em transportes torna difícil conciliar crescimento econômico com redução de emissões de CO 2 nos transportes. A substituição de combustíveis fósseis por renováveis é uma alternativa desejável devido ao abatimento direto das emissões líquidas de CO 2 que propicia. Ainda que as emissões de CO 2 derivadas do uso de renováveis sejam contabilizadas como nulas, é importante aumentar a eficiência de aplicação dos biocombustíveis para expandir seu potencial de substituição dos combustíveis fósseis. Ainda que o abatimento de emissões de CO 2 associado à redução de consumo do Programa Inovar-Auto seja relativamente pequeno no ano de 2020, seu efeito é crescente à medida que os veículos mais antigos são substituídos. Para atingir uma futura redução das emissões de CO 2 pelo setor de transportes será necessário adotar políticas públicas de longo prazo, na forma de legislação, que simultaneamente assegurem a produção de biocombustíveis e o aumento da eficiência veicular.

26 OBRIGADO

Etanol eficiente, A alternativa brasileira para o controle dos gases de efeito estufa (GEE) Sustentabilidade

Etanol eficiente, A alternativa brasileira para o controle dos gases de efeito estufa (GEE) Sustentabilidade Etanol eficiente, A alternativa brasileira para o controle dos gases de efeito estufa (GEE) PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUSTENTÁVEL. Sustentabilidade Eficiência Energética Conectadas e Sincronizadas

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR O Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular é um programa de eficiência energética para veículos leves coordenado

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

Alterações Climáticas

Alterações Climáticas Alterações Climáticas Ponto situação políticas públicas Notas sobre biocombustíveis Junho de 2011 Políticas Nacionais de Clima pré-2012 23 Caminho para cumprir Quioto 100 Emissões estimadas para 2010 (PNAC

Leia mais

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO?

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? MEIO AMBIENTE MUDANÇA CLIMÁTICA VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? Comparação das Emissões Totais e por Habitante de São Paulo, em GWP (t CO2 eq)

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Versão 02/03/16 Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Donizete Tokarski Diretor Superintendente Audiência Pública da Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento

Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Desafios e Futuro A Sustentabilidade é o futuro da indústria A busca pela Eficiência Energética e Os esforços para redução dos

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

Planos Setoriais de Redução de Emissões na Indústria. GEx, 30/05/2011

Planos Setoriais de Redução de Emissões na Indústria. GEx, 30/05/2011 Planos Setoriais de Redução de Emissões na Indústria GEx, 30/05/2011 Plano Siderurgia Estado atual: em reunião com IABr decidiu-se: Retomar discussão da norma técnica sobre requisitos para produção de

Leia mais

Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro. Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação

Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro. Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação Combustíveis Sustentáveis de Aviação Contribuição ao NDC Brasileiro Pedro Scorza Dir. de Biocombustíveis de Aviação Brasília, 7 de dezembro de 2016 Produtoras de Biodiesel Associadas Insumos Tecnologia

Leia mais

BRASIL. 1. Introdução:

BRASIL. 1. Introdução: BRASIL BRASIL 1. Introdução: O Brasil tem a regulamentação de emissões de veículos leves baseada nos procedimentos americanos e a de veículos pesados e motocicletas baseada em procedimentos europeus e

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS AGENDA 1 2 3 Situação atual Objetivos Benefícios Estratégia Conclusão Situação atual 3 Fabricantes de vagões de carga 2 Fabricantes de Locomotivas 70 Fabricantes

Leia mais

COMBUSTÍVEIS. Diesel

COMBUSTÍVEIS. Diesel COMBUSTÍVEIS COMBUSTÍVEIS Diesel O Diesel é o combustível mais utilizado no Brasil. A maior parte da frota comercial brasileira é movida a óleo diesel. Assim como a gasolina, ele é um sub-produto do petróleo,

Leia mais

BIODIESEL DE SOJA PERSPECTIVA DE USO NO BRASIL

BIODIESEL DE SOJA PERSPECTIVA DE USO NO BRASIL BIODIESEL DE SOJA PERSPECTIVA DE USO NO BRASIL Dra. Roseli Aparecida Ferrari DEA UEPG Email ferrarir@uepg. @uepg.br PRODUÇÃO DE BIODIESEL BIODIESEL É um combustível renovável produzido a partir de óleos

Leia mais

Scania e Clariant desenvolvem projeto pioneiro de sustentabilidade para caminhões a etanol

Scania e Clariant desenvolvem projeto pioneiro de sustentabilidade para caminhões a etanol Scania e Clariant desenvolvem projeto pioneiro de sustentabilidade para caminhões a etanol Única fabricante a oferecer caminhões pesados movidos ao biocombustível, Scania consolida a primeira venda do

Leia mais

Biodiesel obtenção e aplicação

Biodiesel obtenção e aplicação UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENG. AGRÍCOLA Biodiesel obtenção e aplicação João Valdenor Pereira Filho; Orientador:

Leia mais

Perspectivas para o biodiesel no Brasil

Perspectivas para o biodiesel no Brasil Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Palma de Óleo Perspectivas para o biodiesel no Brasil Fábio Guerra Assessor Econômico Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília DF 17 de março

Leia mais

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL Prof.º: Carlos D Boa - geofísica Introdução Biocombustíveis (Biodiesel, Etanol e Hidrogênio) Biogás Biomassa Energia Eólica Energia das Marés Energia Hidrelétrica Energia Solar

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Garo Batmanian Especialista Senior de Meio Ambiente Setembro 28, 2011 Banco Mundial ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Grande Consumidor

Leia mais

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado.

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado. Vantagens diretas para a sociedade 2.1.1 Economia de espaço viário O uso de qualquer veículo de transporte coletivo traz vantagens na ocupação do espaço viário disponível, em relação aos automóveis e às

Leia mais

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil SEMINÁRIO INTERNACIONAL: USO EFICIENTE DO ETANOL Aurélio César Nogueira Amaral Diretor 20.09.2016 Missões da ANP REGULAR Estabelecer as normas

Leia mais

Panorama da Inovação no Setor e Efeitos Econômicos da Paridade. Depto de Biocombustíveis BNDES Marcelo Soares Valente

Panorama da Inovação no Setor e Efeitos Econômicos da Paridade. Depto de Biocombustíveis BNDES Marcelo Soares Valente Panorama da Inovação no Setor e Efeitos Econômicos da Paridade Depto de Biocombustíveis Marcelo Soares Valente Principais Pontos Tratados Panorama e importância histórica (e para o futuro) da Inovação

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 4 Eficiência Energética e Uso Racional de Energia slide 1 / 22 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA & USO RACIONAL DE ENERGIA DEFINIÇÕES: Uso racional da energia:

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA "Polí&cas Públicas: Buscando Estabilidade e Previsibilidade" MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Ricardo de Gusmão Dornelles Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis

Leia mais

MEDIÇÃO DA EMISSÃO DE ALDEÍDOS E ÁLCOOL NÃO QUEIMADO EM MOTOCICLETAS OPERANDO NOS CICLOS WMTC E ECE R40

MEDIÇÃO DA EMISSÃO DE ALDEÍDOS E ÁLCOOL NÃO QUEIMADO EM MOTOCICLETAS OPERANDO NOS CICLOS WMTC E ECE R40 Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 MEDIÇÃO DA EMISSÃO DE ALDEÍDOS E ÁLCOOL NÃO QUEIMADO EM MOTOCICLETAS OPERANDO NOS CICLOS WMTC E ECE R40 Alfred Szwarc 1, Gabriel Murgel

Leia mais

NOVOS MATERIAIS E TECNOLOGIAS PARA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

NOVOS MATERIAIS E TECNOLOGIAS PARA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NOVOS MATERIAIS E TECNOLOGIAS PARA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA 67º CONGRESSO ABM - 02/08/2012 LUÍS CARLOS MONTEIRO SALES, DSc. ENGENHARIA DO PRODUTO INTEGRAÇÃO VEÍCULO CENÁRIO DRIVERS DE TECNOLOGIA PARA

Leia mais

Capacidade de um sistema de produzir atividade externa ou de gerar trabalho.

Capacidade de um sistema de produzir atividade externa ou de gerar trabalho. A questão das alternativas energéticas passou ser de fundamental importância para os programa de sustentabilidade na sociedade contemporânea quer nos programa governamentais como para as organizações empresariais.

Leia mais

MOTORES Flex. Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM. UFRJ Dezembro de 2012

MOTORES Flex. Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM. UFRJ Dezembro de 2012 MOTORES Flex Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM UFRJ Dezembro de 2012 FLEX FUEL BRASILEIRO Permite a utilização de álcool hidratado (E100), gasolina (E22) ou qualquer mistura

Leia mais

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura

Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura Rio de Janeiro, 04/julho/2013 Ministério de Fundação Getúlio Vargas Instituto Brasileiro de Economia Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura III Seminário sobre Matriz e Segurança Energética Brasileira

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BIOGÁS E BIOMETANO QUEM SOMOS Fundadada em dezembro de 2013 Missão ser um canal de interlocução com a sociedade civil, os governos federal e estaduais, as autarquias e os órgãos

Leia mais

Política Nacional de Biogás

Política Nacional de Biogás Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biogás Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis Diretor Substituto ricardo.gomide@mme.gov.br São Paulo, 4 de setembro de 2014 Regras

Leia mais

ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013

ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013 ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013 Autoras: Camila Quintão Moreira Fabiana Alves Thaíse de Oliveira Souza Porto Alegre 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA São Paulo, 05/09/2012 Ministério de Minas e Energia ABINEE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA ABINEE TEC 2012 TALK SHOW MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Altino Ventura Filho Secretário

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 No segmento de refino, a produção de derivados atingiu 2,02 milhões de barris/dia,

Leia mais

Capacitação da Indústria. Nacional e Perspectivas de. Ampliação do Fornecimento. Local de Bens e Serviços para o. Setor de Óleo e Gás

Capacitação da Indústria. Nacional e Perspectivas de. Ampliação do Fornecimento. Local de Bens e Serviços para o. Setor de Óleo e Gás Capacitação da Indústria Nacional e Perspectivas de Ampliação do Fornecimento Local de Bens e Serviços para o Setor de Óleo e Gás 1 Agentes Governamentais Indústria Nacional Operadoras de P&G Missão Maximizar

Leia mais

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel Renata Lèbre La Rovere GEI/IE/UFRJ Selena Herrera LIMA/COPPE/UFRJ 1 O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel - PNPB BIODIESEL: combustível produzido

Leia mais

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros LARCI/ICAL Latin American Regional Climate Initiative Alguns aspectos sobre a reciclagem de orgânicos no Brasil 1- Porque reciclar orgânicos

Leia mais

PROJEÇÃO DA PRODUÇÃO E CONSUMO DE DIESEL E BIODIESEL DA REGIÃO CENTRO-OESTE ATÉ O ANO 2030.

PROJEÇÃO DA PRODUÇÃO E CONSUMO DE DIESEL E BIODIESEL DA REGIÃO CENTRO-OESTE ATÉ O ANO 2030. PROJEÇÃO DA PRODUÇÃO E CONSUMO DE DIESEL E BIODIESEL DA REGIÃO CENTRO-OESTE ATÉ O ANO 2030. Mônica Joelma do Nascimento Anater 1 ; Eduardo Mirko Valenzuela Turdera 2 ; Vanessa Martins de Oliveira 3, Milena

Leia mais

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. PERFIL DA PRODUÇÃO Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 935 mil empregos formais (RAIS 2014). Divisas Externas: US$

Leia mais

Destaques Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões

Destaques Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões Reunião Pública com APIMEC - SP Resultados 2010 e 4T10 06 de Abril de 2011 Destaques 2010 Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões Receita Bruta

Leia mais

Evolução das emissões de CO 2. nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal. PCEEE 22 de Junho 2012

Evolução das emissões de CO 2. nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal. PCEEE 22 de Junho 2012 PCEEE 22 de Junho 2012 Evolução das emissões de CO 2 nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal Mafalda Sousa - Quercus A.N.C.N. Laura Carvalho, Ana Rita Antunes - Quercus A.N.C.N. Francisco Ferreira

Leia mais

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade ENERGIA Em busca da sustentabilidade Características de uma boa fonte de combustível i) Fornecer grande quantidade de energia por unidade de massa ou volume (Rendimento); ii) Facilmente disponível; iii)

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Roberto Schaeffer (PPE/COPPE/UFRJ) Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, 23 de maio de 2013 Objetivo

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2011 SAP Brasil Ltda Nome fantasia: SAP Brasil - CNPJ: 74.544.297/0001-92 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: J.

Leia mais

Emissões de CO 2 pelo uso de combustíveis. Érica Ferraz Vanderley John Vanessa Bessa

Emissões de CO 2 pelo uso de combustíveis. Érica Ferraz Vanderley John Vanessa Bessa Emissões de CO 2 pelo uso de combustíveis Érica Ferraz Vanderley John Vanessa Bessa Combustíveis Fósseis Carbono retido na crosta terrestre durante eras geológicas Renováveis Carbono retirado da atmosfera

Leia mais

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas O GPA em números - Eleito uma das 10 empresas mais admiradas do Brasil e vencedor no setor Varejo Supermercados em estudo da revista Carta Capital. - Listada no ranking

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 8.723, DE 28 DE OUTUBRO DE 1993. Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001. Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e

Leia mais

VENDAS DE GASOLINA CAEM 13% EM JANEIRO

VENDAS DE GASOLINA CAEM 13% EM JANEIRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XI 10/março/2016 n. 486 VENDAS DE GASOLINA CAEM 13% EM JANEIRO Os dados mais recentes sobre as vendas de combustíveis nos postos brasileiros disponibilizados

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO COM A INCLUSÃO DAS EMISSÕES DE ABASTECIMENTO, NO PERÍODO DE 2006 A 2014

A EVOLUÇÃO DAS EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO COM A INCLUSÃO DAS EMISSÕES DE ABASTECIMENTO, NO PERÍODO DE 2006 A 2014 Blucher Engineering Proceedings Setembro de 2015, Número 1, Volume 2 A EVOLUÇÃO DAS EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO COM A INCLUSÃO DAS EMISSÕES DE ABASTECIMENTO, NO PERÍODO DE 2006 A 2014 Cristiane

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio FONTE DE HIDROCARBONETOS

Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio FONTE DE HIDROCARBONETOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio FONTE DE HIDROCARBONETOS PETRÓLEO: ECONOMIA E POLÍTICA Energia petróleo fonte de combustível e matéria-prima. Distribuição das reservas de petróleo

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

Fornecimento de Energia

Fornecimento de Energia Taxa ou subsídio (US$/gigajoule) para: Fornecimento de Energia Carvão Petróleo Gás 0 continuaria o nível atual de subsídio. +US$7/GJ seria um subsídio alto -US$7/GJ seria uma taxa alta Renováveis (eólica

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA Agosto de 2002 Produção Mensal na Região Centro-Sul Álcool

Leia mais

Recomendação de políticas Sustentabilidade ambiental

Recomendação de políticas Sustentabilidade ambiental Recomendação de políticas A oportunidade Considerando que os datacenters estarão entre os principais consumidores mundiais de energia elétrica até meados da próxima década, o desenvolvimento contínuo de

Leia mais

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás

SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás. Série Informações Energéticas, 004. Resumo Executivo. Petróleo e Gás 2º trimestre/2013 R SECRETARIA DE ENERGIA Subsecretaria de Petróleo e Gás Série Informações Energéticas, 004 Resumo Executivo Petróleo e Gás Resumo Executivo São Paulo V.02 02/2013 agosto / 2013 Resumo

Leia mais

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE CLÁUDIO CASIMIRO claudio.casimiro@ceeeta.pt A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será diferente Peter Drucker Paradigma Actual - UE Nos

Leia mais

CONTEÚDO PREVENÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DE

CONTEÚDO PREVENÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DE PREVENÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS CONTEÚDO PREVENÇÃO DA PRODUÇÃO DE RESÍDUOS NO CONTEXTO DE INDÚSTRIA DE ÓLEOS LUBRIFICANTES SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE ÓLEOS LUBRIFICANTES USADOS (SIGOU) PREVENÇÃO

Leia mais

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis

Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Perspectivas Mundiais dos Biocombustíveis Sillas Oliva Filho Maio, 2007 Petrobras e os Biocombustíveis Uso dos Biocombustíveis no Mundo Motivação para os Biocombustíveis Atividades da Petrobras nos Biocombustíveis

Leia mais

DTEA Transportes, Energia e Ambiente 1

DTEA Transportes, Energia e Ambiente  1 DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA Transportes, Energia e Ambiente http://dtea.ist.utl.pt 1 Veículos e

Leia mais

Após aumento, preço do combustível praticado pela maior parte das principais cidades Catarinenses apresenta queda em março

Após aumento, preço do combustível praticado pela maior parte das principais cidades Catarinenses apresenta queda em março Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 03 Março/2015 Após aumento, preço do combustível praticado pela maior parte das principais cidades

Leia mais

Mais Demanda por Recursos com os Mesmos Recursos: o Aumento da Frota de Veículos em São Paulo

Mais Demanda por Recursos com os Mesmos Recursos: o Aumento da Frota de Veículos em São Paulo Mais Demanda por Recursos com os Mesmos Recursos: o Aumento da Frota de Veículos em São Paulo Mário de Souza Nogueira Neto Centro Universitário FEI São Bernardo do Campo, Amanda Carvalho S. Nogueira -

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 Associados 2 Histórico do Setor Elétrico - Brasileiro 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Base Conceitual do Novo Modelo - MPs 144 e 145 Instituição do PROINFA Regulamentação

Leia mais

EPDM de cana-de-açúcar

EPDM de cana-de-açúcar EPDM de cana-de-açúcar Daniel Taylor Gerente de Desenvolvimento de Novos Negócios da linha de negócios EPDM da unidade de negócios Technical Rubber Products da LANXESS AUTOMOTIVE DAY BRASIL, 6 de outubro

Leia mais

Preço da gasolina praticado pelas principais cidades Catarinenses apresenta variação de R$ 0,497 por litro

Preço da gasolina praticado pelas principais cidades Catarinenses apresenta variação de R$ 0,497 por litro Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 05 Maio/2015 Preço da gasolina praticado pelas principais cidades Catarinenses apresenta variação

Leia mais

Bioeconomia e e sua contribuição para a Economia Circular

Bioeconomia e e sua contribuição para a Economia Circular Bioeconomia e e sua contribuição para a Economia Circular Beatriz Luz Sustentabilidade Químicos Renováveis 3 Dezembro 2014 II Workshop Tecnológico Design for Environment (DfE): oportunidades e desafios

Leia mais

MegaPolo2013 O Aumento da Competitividade do Polo Industrial de Cubatão

MegaPolo2013 O Aumento da Competitividade do Polo Industrial de Cubatão MegaPolo2013 O Aumento da Competitividade do Polo Industrial de Cubatão Dezembro 2013 Fábrica: Cubatão Início das operações: 1964 3º maior produtor de cloro, soda e derivados do país Linha de Produção:

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2009 RL Sistemas de Higiene Ltda Nome fantasia: RL Sistemas de Higiene Ltda - CNPJ: 48.241.905/0001-80 Tipo da empresa:

Leia mais

Biodiesel Medida Provisória nº 647 de de julho de 2014 Audiência Pública - Senado Federal

Biodiesel Medida Provisória nº 647 de de julho de 2014 Audiência Pública - Senado Federal Biodiesel Medida Provisória nº 647 de 2014 16 de julho de 2014 Audiência Pública - Senado Federal Aumento de mistura e seus impactos positivos Brasil é 2º maior mercado mundial de biodiesel e o 3º maior

Leia mais

Entre os levantamentos de preços divulgados pela ANP, Balneário Camboriú apresenta maior variação no preço da gasolina em janeiro

Entre os levantamentos de preços divulgados pela ANP, Balneário Camboriú apresenta maior variação no preço da gasolina em janeiro Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 01 Janeiro/2015 Entre os levantamentos de preços divulgados pela ANP, Balneário Camboriú apresenta

Leia mais

INOVAÇÕES AMBIENTAIS ENERGIA Fundação Dom Cabral 07/06/2011

INOVAÇÕES AMBIENTAIS ENERGIA Fundação Dom Cabral 07/06/2011 INOVAÇÕES AMBIENTAIS ENERGIA Fundação Dom Cabral 07/06/2011 TECNOLOGIA NUCLEAR, TECNOLOGIA MINERAL, CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS, MEIO AMBIENTE, SAÚDE MESTRADO E DOUTORADO CONTRIBUIÇÕES ASSOCIADAS

Leia mais

PLATAFORMA BRASILEIRA DE BIOQUEROSENE

PLATAFORMA BRASILEIRA DE BIOQUEROSENE PLATAFORMA BRASILEIRA DE BIOQUEROSENE OsPilaresdo Bioquerosenede Aviação Social Ambiental Econômico Inovação Tecnológica Desafio da aviação: Crescimento sem aumento no impacto ambiental Utilizar menos

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

Hyundai celebra a abertura da Primeira Linha Mundial de Produção em Série de veículos com Pilha de Combustível a Hidrogénio (Fuel Cell) Emissões Zero

Hyundai celebra a abertura da Primeira Linha Mundial de Produção em Série de veículos com Pilha de Combustível a Hidrogénio (Fuel Cell) Emissões Zero Hyundai celebra a abertura da Primeira Linha Mundial de Produção em Série de veículos com Pilha de Combustível a Hidrogénio (Fuel Cell) Emissões Zero A Hyundai produz o primeiro ix35 com pilha de combustível

Leia mais

1. conhecimento. O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos. Bloco desidratado (teor de água: 80%)

1. conhecimento. O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos. Bloco desidratado (teor de água: 80%) 1. conhecimento O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos Lodos concentrados (teor de água> 95%) Desidratação física Bloco desidratado (teor de água: 80%) Processo de secagem

Leia mais

A NOVA GASOLINA S50 E O PROCONVE L6

A NOVA GASOLINA S50 E O PROCONVE L6 A NOVA GASOLINA E O PROCONVE L6 Rogério N. de Carvalho 1, Pedro C. Vicentini 1, Ricardo A. B. de Sá 1, Antônio Carlos S. Villela 1, Sérgio W. Botero 1 1 Petróleo Brasileiro S. A. - PETROBRAS E-mails: rogerio.carvalho@petrobras.com.br,

Leia mais

FINANCIAMENTO DO TPU VIA TAXAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS

FINANCIAMENTO DO TPU VIA TAXAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS FINANCIAMENTO DO TPU VIA TAXAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS O USO DA CIDE PARA CUSTEIO DO TPU Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Gráfico: variação dos preços de tarifas

Leia mais

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda SEEG >> QUEM FAZ O SEEG 2 SEEG é promovido pelo Observatório do Clima (OC) Quatro instituições selecionadas pelo OC coordenaram o processo técnico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SETOR DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO NO AQUECIMENTO GLOBAL - O CASO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

A IMPORTÂNCIA DO SETOR DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO NO AQUECIMENTO GLOBAL - O CASO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A IMPORTÂNCIA DO SETOR DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO NO AQUECIMENTO GLOBAL - O CASO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Suzana Kahn Ribeiro COPPE - Programa de Engenharia de Transportes Universidade Federal do Rio

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2010 RL Sistemas de Higiene Ltda Nome fantasia: RL Sistemas de Higiene Ltda - CNPJ: 48.241.905/0001-80 Tipo da empresa:

Leia mais

Resolução ANP Nº 30 DE 29/06/2015

Resolução ANP Nº 30 DE 29/06/2015 Resolução ANP Nº 30 DE 29/06/2015 Publicado no DO em 30 jun 2015 Altera a Resolução ANP nº 40 de 2013, que regula as especificações das gasolinas de uso automotivo, consoante as disposições contidas no

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Motores de Combustão Interna

Motores de Combustão Interna Motores de Combustão Interna Professora: Jaciana Silva de Santana Email: jacianasantana@ifpe.recife.edu.br 6 - Temperatura de Auto-Ignição Propriedade dos Combustíveis É a temperatura na qual aquecendo

Leia mais

Santa Catarina inicia com altas nos preços da gasolina em fevereiro

Santa Catarina inicia com altas nos preços da gasolina em fevereiro Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 02 Fevereiro/2015 Santa Catarina inicia com altas nos preços da gasolina em fevereiro Desde

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE João Roberto Loureiro de Mattos joaol@pitágoras.com.br jrdemattos@oi.com.br 1ª ENGENIO - SEMANA DO NÚCLEO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO DA FACULDADE PITÁGORAS 10 de

Leia mais

IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS ROTAS DA SOJA E DA MAMONA

IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS ROTAS DA SOJA E DA MAMONA IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS ROTAS DA SOJA E DA MAMONA Marcelo Pereira da Cunha NIPE Unicamp Arnaldo César da Silva Walter FEM Unicamp Manoel Régis

Leia mais

Um caminho para economizar energia e preservar o meio ambiente. Estudos de Casos Edifício de escritórios Hospital Shopping Center Hotel

Um caminho para economizar energia e preservar o meio ambiente. Estudos de Casos Edifício de escritórios Hospital Shopping Center Hotel Um caminho para economizar energia e preservar o meio ambiente. Edifício de escritórios Hospital Shopping Center Hotel Introdução A função de um cabo de potência é conduzir a energia elétrica da forma

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS. Incorporação de Biocombustíveis no Mercado Português para o Cumprimento da Metas da RED para 2020

BIOCOMBUSTÍVEIS. Incorporação de Biocombustíveis no Mercado Português para o Cumprimento da Metas da RED para 2020 BIOCOMBUSTÍVEIS Incorporação de Biocombustíveis no Mercado Português para o Cumprimento da Metas da RED para 2020 Março 2010 1 OBJECTIVOS Propor: Possível cenário para o cumprimento das metas da UE até

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE POLUIÇÃO CAUSADA POR MOTOCICLETAS

LEGISLAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE POLUIÇÃO CAUSADA POR MOTOCICLETAS LEGISLAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE POLUIÇÃO CAUSADA POR MOTOCICLETAS ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais