Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS. Prof. Fernando Leonel

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS. Prof. Fernando Leonel"

Transcrição

1 Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel

2 Conteúdo da aula de hoje 1. Processo de inventário físico 2. Gestão de compras / contratos de fornecimento 3. Comprar ou fabricar? 4. Gestão dos recursos patrimoniais

3 Inventário Físico Consiste na contagem física dos itens de estoques. No caso de diferenças, devem ser realizados os ajustes necessários. Os ajustes devem ser feitos conforme orientações contábeis e tributárias, e registrados nos livros de inventários da empresa.

4 Inventário Físico Motivo principal: sem realizar o levantamento dos estoques, não é possível apurar os lucros. Situação leite longa vida Margem baixíssima No caso de perder uma unidade, o que ocorre com a margem operacional do produto?

5 Inventário Físico 1,25 1,34 Custo Venda 1,9 1,8 1,7 16 1,6 1,5 1,4 1,3 1,2 1,1 1

6 Inventário Físico 1,34 1,29 1,25 Venda Custo + CT Custo

7 Inventário Físico Digamos que a diferença entre o custo + o custo operacional represente $ 1,29 e o preço de venda $ 1,34 Cada item terá a margem líquida de $ 0,05 e no caso de perder um item seria necessário vender 26 unidades de leite longa vida para recuperar o prejuízo.

8 Inventário Físico Processo de inventário físico: Para se ter um inventário confiável e realizado de maneira correta e tranquila, são necessários alguns cuidados: 1. Definir data, local e itens a serem inventariados. 2. Bloquear movimentos durante inventários. 3. Definir duplas de inventários. 4. Gerar lista de contagem (cego). 5. Gerar lista de lugares livres. 6. Fazer primeira contagem

9 Inventário Físico 7. Fazer segunda contagem 8. Contar e registrar valores Caso haja alguma divergência de valores entre as duplas, realizar outras contagens. 9. Conciliar com dados do sistema. 10.Corrigir o estoque contábil. 11.Encerrar

10 Inventário Físico Outra situação importante, é levantar o número de pessoas necessárias para realizar a tarefa no prazo determinado. Se o inventário foi programado para dois dias, a empresa não poderá ter recebimentos e saídas de itens de estoque. Portanto terminar no prazo estipulado é fundamental.

11 Inventário Físico

12 Interatividade O que é necessário fazer antes do início do inventário? a) Lançar as informações divergentes b) Bloquear movimentos durante inventários c) Mudar os itens de localização d) Somar as quantidades de estoque e) NDA.

13 Gestão de compras O setor de compras é responsável pelo suprimento de materiais necessários ao funcionamento da empresa. Deve acontecer: No tempo certo Na quantidade necessária Na qualidade requerida No melhor preço de aquisição

14 Gestão de compras O processo de compras inicia na escolha dos fornecedores. Não se deve ter apenas um fornecedor Monopólio Oligopólio Para manter a competitividade procure sempre realizar cotações de preços

15 Gestão de compras Visite o fornecedor periodicamente, crie critérios de qualidade que envolvam: Treinamento de colaboradores Equipamentos Segurança Embalagens Escolha de matérias-primas Sempre procure conhecer o que o mercado diz sobre este fornecedor. Trabalhe com as informações de órgãos de defesa ao consumidor.

16 Gestão de compras Na elaboração do contrato de fornecimento são necessárias algumas cláusulas: Prazo para pagamento Penalidades por atrasos Política de trocas Não exclusividade Qual tipo de embalagem e produtos que serão negociados Ficar atento ao tipo de tributação dos estados Lead time Se possível negociações de descontos para épocas especiais

17 Gestão de compras Colocação de pedidos, fax, ou edi Na área interna: Definir o mix de compra ativo do fornecedor e de que forma serão comprados. Definir o ponto de pedido, de quantidade fixa e data variável ou da data fixa e quantidade variável

18 Gestão de compras Realizar pesquisas de forma intensas internas e externas para checar o comportamento da demanda. Evitando obsolescência e perda de oportunidades de negócios Fique atento às notícias que envolvam seus produtos, dólar, paralisações em portos e greves de transportes, safra e entressafra de matérias-primas.

19 Interatividade O que é política de trocas? a) É a forma que o fornecedor troca a matéria-prima do produto. b) É a forma de devolução ou substituição do produto avariado ou vencido no estoque do cliente. c) É a forma que o fornecedor encontra para trocar o cliente mal pagador d) No caso do fornecedor não atender as regras da empresa, como ele será substituído. e) NDA.

20 Comprar ou fabricar? Com o objetivo de manter sempre os menores custos, decidir terceirizar uma operação ou internalizar, pode interferir diretamente na política de investimentos da empresa. Buscar a alternativa mais econômica pode ser um caminho.

21 Comprar ou fabricar? Na fabricação de produtos: Matéria-prima Mão de obra direta Mão de obra indireta Custos adicionais Compra e manutenção de equipamentos Espaço físico Na compra de produtos Valor da peça Frete Mão de obra indireta

22 Comprar ou fabricar? O foco da decisão entre comprar ou fabricar deve ser responder estas perguntas: O que a empresa considera estratégico? No que a empresa tem mais experiência? O que a empresa faz com melhor qualidade? Ter a ciência que para manter a fabricação interna são necessários: investimentos t contínuos pesquisas contínuas em processos treinamentos contínuos

23 Comprar ou fabricar? Outros fatores que interferem na tomada de decisão de comprar ou fabricar. Demanda média: ter uma demanda que justifique a produção interna; Pico de demanda: se há muita flutuação, pode ser complicado ou impossível a produção interna atendê-la; Nível de estoque: será função da confiabilidade do atendimento; Compra de matéria-prima e componentes: maiores investimento, controles e riscos

24 Indicadores de desempenho em compras Todas as atividades internas da empresa devem ser medidas quanto ao seu desempenho. Criar parâmetros de qualidade ou pontos à melhorar No caso do setor de compras, itens a serem medidos: Quantidade comprada x vendida Participação do item na empresa x mercado Evolução do lead time

25 Indicadores de desempenho em compras Evolução dos preços comparativos Percentual de quebra, recebido nota fiscal/físico. Exemplo frango resfriado. Quantidade recebida/quantidade comprada. Exemplo produtos importados Exemplo: quantidade unidades vendidas dividido unidades compradas. índice = = 098 0,

26 Interatividade Para manter uma produção interna... a) Qualquer demanda pode ser atendida internamente. b) Não é necessário manter um local específico para a produção. c) Todos os itens sendo fabricados pela empresa, a torna mais competitiva. d) A empresa deve concentrar seus esforços no que sabe fazer melhor. e) NDA.

27 Gestão dos recursos patrimoniais Entende-se por recursos patrimoniais as instalações e equipamentos necessários para dar suporte as operações da empresa. Entre elas: prédios, equipamentos, veículos, móveis, etc... A empresa deve ter um controle da localização deste bens, definir um responsável direto e traçar um plano de manutenção. Realizar inventários periódicos dos itens.

28 Gestão dos recursos patrimoniais Os recursos patrimoniais sofrem desgastes, para garantir competitividade, deve-se programar a reposição desses bens. Essa operação de reposição envolve um valor geralmente alto, e pode interferir na capacidade de operação de uma empresa. Isso justifica a gestão eficiente desses recursos.

29 Gestão dos recursos patrimoniais Aquisição de novos equipamentos Deve ser adotado um critério de aquisição para novos equipamentos, primeiramente definindo sua capacidade de uso, nível de desgaste, tecnologia empregada e condições para o uso. Exemplo, compra de um equipamento que seja necessário um treinamento específico ou em língua estrangeira.

30 Gestão dos recursos patrimoniais Pontos importantes a serem observados em contratos de fornecimento. Condições de pagamento ou financiamento Responsabilidade pelo transporte Prazo para o equipamento atingir o desempenho especificado Garantia por parte do fabricante Peças de reposição

31 Gestão dos recursos patrimoniais Manutenção preventiva e corretiva Manuais de operação Treinamento Penalidades Seguros Plano de contingências, back up

32 Gestão dos recursos patrimoniais Para evitar uma decisão errada, procurar simular o funcionamento deste equipamento, prever possíveis problemas ou dificuldades. Procurar conhecer empresas que utilizam este equipamento e levantar pontos fortes e fracos

33 Gestão dos recursos patrimoniais Codificação Existe a necessidade de registrar, controlar e codificar os bens considerados imobilizados e passíveis de depreciação. Uma forma de controlar é por meio de ficha individual ou arquivo de computador, registrando a data de aquisição, código de inventário, valor inicial, critérios de depreciação, centro de custo, registro de melhorias que altere o valor do bem.

34 Gestão dos recursos patrimoniais Essas informações registradas são importantíssimas na oportunidade de um sinistro que envolva o bem. O conceito de depreciação pode ser aceito como perda do valor do bem, cada bem possui uma porcentagem legal a ser considerada. Móveis e utensílios 10% a.a. Veículos 20% a.a. Maquinários 10% a.a. a Com estas informações é possível dimensionar o que a empresa possui de recursos patrimoniais e qual seu valor.

35 Interatividade Como a empresa deve fazer o controle de seus recursos patrimoniais? a) Terceirizar o controle b) Registrar, identificar e inventariar c) Depreciar o bem a cada ano d) Substituir quando apresentar problemas e) NDA.

36 ATÉ A PRÓXIMA!

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 02: Cadeias de Valor

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 02: Cadeias de Valor GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 02: Cadeias de Valor Objetivos O aluno deverá ser capaz de: Entender a visão cíclica de uma Cadeia de Suprimentos. Conhecer os ciclos de processos de uma Cadeia

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE RECURSOS. Prof. Fernando Leonel

Unidade II GESTÃO DE RECURSOS. Prof. Fernando Leonel Unidade II GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Análise ABC. 2. Quais relatórios são possíveis com a análise ABC. 3. Unitização de estoques. 4.

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Planejamento Estratégico Aula 7 Cadeia de Valor São José dos Campos, março de 2011 Cadeia de Valor A vantagem competitiva de uma empresa não resulta simplesmente

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA MÉDICA ENGENHARIA CLÍNICA. Iliane Alencar por Yuri Araújo

AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA MÉDICA ENGENHARIA CLÍNICA. Iliane Alencar por Yuri Araújo AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA MÉDICA ENGENHARIA CLÍNICA Iliane Alencar por Yuri Araújo 1. INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA Avaliação tecnológica Contrato de compra Processos de Aquisição Especificações Técnicas Recebimento

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E. Profa. Marinalva Barboza

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E. Profa. Marinalva Barboza Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Compras no contexto logístico Compras no contexto logístico Essa cadeia é essencial e de extrema importância para todas as áreas: Gestor

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Administração dos Serviços de Compra

Administração dos Serviços de Compra Administração dos Serviços de Compra Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Noções Fundamentais de Compras A arte de comprar está se tornando cada vez mais uma profissão e cada vez menos um

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 11: Gestão de Estoques AULA 11: GESTÃO DE ESTOQUES

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 11: Gestão de Estoques AULA 11: GESTÃO DE ESTOQUES GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 11: Gestão de Estoques Gestão de Estoques Ao final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Conhecer os termos mais usados sobre o tema. Conhecer os métodos e

Leia mais

Aquisição de Recursos Materiais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva

Aquisição de Recursos Materiais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva 5 CAPÍTULO Aquisição de Recursos Materiais 1 Recursos Materiais São os itens ou componentes que uma empresa utiliza nas suas operações do dia a dia, na elaboração do seu produto final ou na consecução

Leia mais

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional e Plano Financeiro Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional 1.Layout Por meio do layout ou arranjo físico, você irá definir como será a distribuição dos diversos setores

Leia mais

Como manter um nível adequado de estoques?

Como manter um nível adequado de estoques? Como manter um nível adequado de estoques? 1 INTRODUÇÃO Sabe-se que ao manter grandes volumes de estoques a empresa irá arcar com custos desnecessários em armazenagem, movimentações e controles, além de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão de Estoques. Conhecimento. Organização. Informação PROFA. JULIANA SCHMIDT GALERA

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão de Estoques. Conhecimento. Organização. Informação PROFA. JULIANA SCHMIDT GALERA Gestão de Estoques Conhecimento Organização Informação CUSTOS DOS ESTOQUES Juros: Juros médios recebidos em aplicações financeiras ou rentabilidade mínima exigida pela empresa. J = Valor médio do estoque

Leia mais

Conceito de estoque e Apuração do Resultado do Exercício Seção 6

Conceito de estoque e Apuração do Resultado do Exercício Seção 6 Conceito de estoque e Apuração do Resultado do Exercício Seção 6 Prof. Me. Hélio Esperidião O que é estoque? Conceito de Estoque Estoque é a acumulação de recursos materiais em um sistema de produção,

Leia mais

Logística: gerenciando a cadeia de suprimentos. Prof Annibal Affonso Neto Doutor em Estratégia Competitiva

Logística: gerenciando a cadeia de suprimentos. Prof Annibal Affonso Neto Doutor em Estratégia Competitiva Logística: gerenciando a cadeia de suprimentos Prof Annibal Affonso Neto Doutor em Estratégia Competitiva Objetivo Esta palestra tratou do gerenciamento logístico e da cadeia de suprimentos. Logística:

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer o que são estratégias de posicionamento logístico Compreender as políticas

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01 Prova 01 Acadêmico(a): 24/11/2014 Matrícula: Assinatura: Obs: Rubricar cada página da avaliação Pergunta 01 Em toda a cadeia de suprimentos, a utilização de equipamentos e de dispositivos de movimentação

Leia mais

Função e Funcionamento das principais contas

Função e Funcionamento das principais contas 2017/09/22 13:54 1/15 e das principais contas e das principais contas 1.1.1.1 CAIXA Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa. Debita-se pelo recebimento

Leia mais

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 Planejamento Mestre da Produção (PMP) e Cálculo das Necessidades de Materiais (MRP) Longo/médio

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução CONTABILIDADE COMERCIAL Unidade III 7 FATOS QUE ALTERAM OS VALORES DE COMPRA E VENDA DE MERCADORIAS Introdução Após a apresentação dos sistemas de inventário de mercadorias (permanente e periódico), dos

Leia mais

Pergunta importante:

Pergunta importante: Conceitos e visões sobre os custos da Qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A qualidade é custo ou investimento? Pergunta importante: O custo da qualidade da sua organização está revertendo em

Leia mais

Centro de Ensino Superior do Amapá - CEAP Curso de Administração. Prof a. Nazaré da Silva Dias Ferrão

Centro de Ensino Superior do Amapá - CEAP Curso de Administração. Prof a. Nazaré da Silva Dias Ferrão Centro de Ensino Superior do Amapá - CEAP Curso de Administração Prof a. Nazaré da Silva Dias Ferrão A gestão de estoque constitui uma série de ações que permite ao administrador verificar se os estoques

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017:

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017: CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA: QUESTÕES DE REVISÃO 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS,

Leia mais

Ajuste a valor justo dos ativos imobilizados da empresa XYZ LTDA na adoção inicial das IFRS

Ajuste a valor justo dos ativos imobilizados da empresa XYZ LTDA na adoção inicial das IFRS Ajuste a valor justo dos ativos imobilizados da empresa XYZ LTDA na adoção inicial das IFRS Caso real Sobre o estudo No estudo realizado, aplicou-se o CPC PME - NBC TG 1000 Contabilidade para Pequenas

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Gestão Empresarial PME GO UP

Gestão Empresarial PME GO UP Gestão Empresarial PME GO UP COM A SOLUÇÃO EM CLOUD, VOCÊ GARANTE SEGURANÇA, PERFORMANCE E DISPONIBILIDADE PARA O SEU NEGÓCIO. A Senior dispõe de todas as soluções em cloud, atuando na modalidade SaaS,

Leia mais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Gestão de Compras Antes da Primeira Guerra Mundial papel burocrático Década de 70 crise do petróleo Insumos raros e preços em alta Cenário de dúvidas

Leia mais

Sebrae. A importância da gestão dos estoques

Sebrae. A importância da gestão dos estoques E-books Sebrae Crédito e Finanças A importância da gestão dos estoques Metas quanto ao tempo de entrega ao cliente Definição dos níveis de flutuação dos estoques nas questões de vendas e consumo Definição

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

Na aula anterior trataremos sobre: Na aula de hoje trataremos sobre: ead. 1. Compras Especiais 2. Análise em Compras 3. Cadastro de Fornecedores

Na aula anterior trataremos sobre: Na aula de hoje trataremos sobre: ead. 1. Compras Especiais 2. Análise em Compras 3. Cadastro de Fornecedores Na aula anterior trataremos sobre: 1. Compras Especiais 2. Análise em Compras 3. Cadastro de Fornecedores Na aula de hoje trataremos sobre: 1. Estoques 1.1. Tipos de Estoque 2. Inventário 2 1. Estoques

Leia mais

22/08/2014. Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios. Conceito de Planejamento. Conceito de Controle

22/08/2014. Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios. Conceito de Planejamento. Conceito de Controle Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios Conceito de Planejamento É a função administrativa que determina antecipadamente quais os objetivos a serem atingidos e

Leia mais

CPC 28. Propriedade para Investimento. Balanço Patrimonial - Grupos. Definição de PI. Investimentos Participações Permanentes em outras sociedades

CPC 28. Propriedade para Investimento. Balanço Patrimonial - Grupos. Definição de PI. Investimentos Participações Permanentes em outras sociedades CPC 28 Propriedade para Investimento PAULA NARDI Balanço Patrimonial - Grupos Ativo Circulante ATIVO Ativo Não Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Investimento Propriedade para Investimento Imobilizado

Leia mais

#$%& "# $ % $ % '( ') *$ Sinal da demanda. Alienação. Ciclo da Administração. Identificar fornecedor. Patrimoniais. Comprar o bem.

#$%& # $ % $ % '( ') *$ Sinal da demanda. Alienação. Ciclo da Administração. Identificar fornecedor. Patrimoniais. Comprar o bem. ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS Materiais Estoques Patrimoniais Instalações Materiais Auxiliares Equipamento Matéria Prima Compras Produto em Processo Produto Acabado Logística Interna Logística Externa Prédios

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL. Profª Divane Silva

Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL. Profª Divane Silva Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL Profª Divane Silva Objetivos Gerais Desenvolver com os alunos conhecimentos necessários para as seguintes competências: Avaliar os fundamentos teóricos da contabilidade

Leia mais

Princípio da competência O princípio da competência determina que todas as vendas, os custos e as despesas devem ser considerados na apuração do resultado da empresa no período em que ocorrerem, independentemente

Leia mais

Gestão de estoques

Gestão de estoques Gestão de estoques 1 2 0 1 5 1. Relato das visitas Agenda 08 de maio de 2015 Estruturação do plano de ação e busca de informações pendentes 2. Entrega das provas e correção conjunta (revisão) 3. Fechamento

Leia mais

Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017

Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017 Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017 Correção Exercícios de Fixação 2- Utilizando os dados apresentados pela Cia ABC no exemplo, na data de 20X0, considere que

Leia mais

DESTAQUES. Após tornar-se efetiva a operação, a EDF Internacional remanescerá com 10% das ações da Companhia.

DESTAQUES. Após tornar-se efetiva a operação, a EDF Internacional remanescerá com 10% das ações da Companhia. Rio de Janeiro, Brasil, 25 de Julho de 2006 - A LIGHT S.A. ( LIGT3 ), controladora das empresas do GRUPO LIGHT, anuncia seu resultado relativo ao 1 Semestre de 2006. A cotação do dólar em 30/06/2006 era

Leia mais

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 01: Gestão das Cadeias de Suprimentos

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 01: Gestão das Cadeias de Suprimentos GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 01: Gestão das Cadeias de Suprimentos Objetivos O aluno deverá ser capaz de: Entender os principais conceitos de Cadeia de Suprimentos Conhecer a origem da Cadeia

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 13: Estratégias Logísticas de Transporte

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 13: Estratégias Logísticas de Transporte GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 13: Estratégias Logísticas de Transporte Estratégias Logísticas de Transporte Ao final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Compreender o papel e as estratégias

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE A atual legislação estabelece a sequencia de apresentação dos vários elementos da demonstração do resultado para efeitos de publicação. Uma estrutura baseada

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 A T I V O 2013 2012 P A S S I V O 2013 2012 ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE DISPONIBILIDADES 138.306,74 147.777,56 Caixa 387,34 201,39 OBRIGAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP

Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP AULA 10 Supply Chain Management (SCM) Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana

Leia mais

COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ

COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ A seguir, os comentários da Prova de Auditor Fiscal do ISS Jundiaí! Vislumbramos, a princípio, duas possibilidades de recursos. A questão 58, se confirmado

Leia mais

PROVA DE CONTABILIDADE. Em relação às receitas extra-orçamentárias, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONTABILIDADE. Em relação às receitas extra-orçamentárias, é correto afirmar, EXCETO: 18 PROVA DE CONTABILIDADE QUESTÃO 41 Em relação às receitas extra-orçamentárias, é correto afirmar, EXCETO: a) Compreende os recebimentos efetuados e os provenientes de apropriação da despesa orçamentária,

Leia mais

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade I Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos A Administração de Materiais Objetivos do módulo Analisar os principais conceitos sobre: Administração de suprimentos Administração de

Leia mais

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO 2016 EDITAL COMPLEMENTAR Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROCESSO SELETIVO

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO BANCO CENTRAL TÉCNICO ÁREA 1

CONTROLE DE CONTEÚDO BANCO CENTRAL TÉCNICO ÁREA 1 CONTROLE DE CONTEÚDO BANCO CENTRAL TÉCNICO ÁREA 1 PORTUGUÊS 1 Elaboração de textos para comunicações de rotina (e-mails, despachos, carta e ofício - Redação Oficial) 2 Acentuação Gráfica 3 Tipologia, Interpretação

Leia mais

Unidade II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES. Profa. Rachel Brandão

Unidade II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES. Profa. Rachel Brandão Unidade II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profa. Rachel Brandão Indicadores econômico-financeiros Índices como indicadores: Indispensável ao analista Quantidade? Variável Amplitude e agrupamento :

Leia mais

Reduções de Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos

Reduções de Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos Reduções de Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos Ricardo Amadeu Da Silva Coordenador Comitê de Logística CEISE Br Diretor Presidente - TransEspecialista 1 Gestão de Suprimentos A gestão da cadeia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 06 Recebimento de materiais Conceito de qualidade Padrões de qualidade Inspeção de qualidade Recebimento quantitativo Procedimentos operacionais

Leia mais

Contabilidade Básica I Seção 1 Definições

Contabilidade Básica I Seção 1 Definições Contabilidade Básica I Seção 1 Definições Prof. Me. Hélio Esperidião Objetivos: Compreender os princípios elementares da contabilidade. Surgimento A Contabilidade teve seu surgimento reconhecido durante

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

Conceito de Orçamento INTRODUÇÃO AO ORÇAMENTO 16/08/2016

Conceito de Orçamento INTRODUÇÃO AO ORÇAMENTO 16/08/2016 Conceito de Orçamento INTRODUÇÃO AO ORÇAMENTO O orçamento compreende um conjunto de ações sistematizadas que têm como objetivo projetar e controlar os resultados financeiros da empresa em um determinado

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica Antonio Cabral acabral@maua.br Roteiro Desafio; Sistemas; O custo e o valor do controle de processo; Mapeamento; Principais indicadores usados

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA

INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA PROF. ADM ENDERSON FABIAN INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA AULA PARA AS TURMAS DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 Conteúdo 1 O Que é o 2 Por Que o Nível de Serviço é Importante 3 Administração do Nível de Serviço 4 Fixação

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6 QUESTIONÁRIO 6 (Questões Exame de Suficiência 1 2013) 2. Relacione os grupos do Ativo descritos, na primeira coluna, com as suas respectivas propriedades, na segunda coluna, e, em seguida, assinale a opção

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos Fonte: Prof. Chiesa 1 Economia Empresa : Prof. Volney Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com ORÇAMENTO DE CUSTO DE PRODUÇÃO Orçamento do Custo de Produção

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas Unidade III ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção Prof. Fabio Uchôas Planejamento e controle da produção Planejamento e controle Objetiva garantir que os processos

Leia mais

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas

Douglas Fabian. Bacharel em Administração. MBA Gestão Estratégica de Pessoas Douglas Fabian Bacharel em Administração MBA Gestão Estratégica de Pessoas PLANO DE NEGÓCIOS PLANO DE NEGÓCIOS O que é um plano de negócios? INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO É um documento que especifica, em

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória FUCAMP Fundação Carmelitana Mário Palmério INTRODUÇÃO FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso: Ciências Contábeis Disciplina Contabilidade Introdutória Ano Letivo: Semestre: 2016 1º A história

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Terceiro Trimestre de 2008

Confab Anuncia Resultados para o Terceiro Trimestre de 2008 Confab Anuncia Resultados para o Terceiro Trimestre de 2008 São Paulo, 30 de outubro de 2008. Confab Industrial S.A. (BOVESPA: CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes ao

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade III GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade III GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Supply chain: a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas.

Leia mais

Decisões sobre política de estoques. Administração de Logística e da Cadeia de Suprimentos

Decisões sobre política de estoques. Administração de Logística e da Cadeia de Suprimentos Decisões sobre política de estoques Administração de Logística e da Cadeia de Suprimentos Avaliação dos estoques Razões a favor dos estoques Melhorar serviço ao cliente Reduzir custos Economia de escala

Leia mais

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Exercício 3.1 A seguir estão relacionadas as operações realizadas pela sociedade de prestação de serviços Remendão S/A, em janeiro/x2

Leia mais

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os CRISE Contabilidade Escreve, oficializa É a ciência que registra os Possuem denominador financeiro comum acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Conjunto de bens direitos e obrigações

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Unidade II SISTEMA DE QUALIDADE Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Sistemas e Ferramentas de Gestão da Qualidade Estudaremos neste módulo técnicas e metodologias trabalhadas na área da administração

Leia mais

Curso: Administração Período: 4º Professor: Hiago Ricardo de Mello Francisco Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária II.

Curso: Administração Período: 4º Professor: Hiago Ricardo de Mello Francisco Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária II. Curso: Administração Período: 4º 20172 Professor: Hiago Ricardo de Mello Francisco Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária II Observações: 1) O trabalho precisa ser entregue impresso com as

Leia mais

Etec Gustavo Teixeira

Etec Gustavo Teixeira ETEC GUSTAVO TEIXEIRA SÃO PEDRO Etec Gustavo Teixeira PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 236/03/2016 de 27/06/2016. Processo n /2016 AVISO

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO CONTEXTO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO CONTEXTO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO CONTEXTO OPERACIONAL O cenário do mercado brasileiro de brinquedos não teve grandes alterações em relação ao ocorrido em 2010. A Associação dos Fabricantes de Brinquedos ABRINQ,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos. Capítulo 12 Bowersox

Gerenciamento de Depósitos. Capítulo 12 Bowersox Gerenciamento de Depósitos Capítulo 12 Bowersox Gerenciamento de Depósitos Estoque local de processamento Agrega custos Serviços preparação para entrega Break Bulk e Cross-docking Redução dos custos de

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS Wagner Viana SL 01 SL 02 SL 03 Oficina Objetivos Distinguir gestão do Fluxo de Caixa da apuração e análise de resultados; Apresentar

Leia mais

Título do Projeto:

Título do Projeto: RELATÓRIO DA ANÁLISE FINANCEIRA DATA www.estudosfinanceiros.com.br Título do Projeto: Localização: O presente relatório apresenta e descreve as necessidades de investimento e custos para a industrialização

Leia mais

Relação Custo x Volume x Lucro

Relação Custo x Volume x Lucro Relação Custo x Volume x Lucro Prof. Flávio Smania Ferreira 4 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Margem de Contribuição A Margem

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO DE DESEMPENHO Indicadores relacionados com o faturamento Faturamento (valor) Faturamento no Exterior (valor) Faturamento Estimado (valor) Evolução do Faturamento (valor ou %) Evolução do Faturamento estimado

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Emerson Carlos Baú Msc Ciências Econômicas

PLANO DE NEGÓCIOS. Emerson Carlos Baú Msc Ciências Econômicas PLANO DE NEGÓCIOS Emerson Carlos Baú Msc Ciências Econômicas O QUE É PLANO DE NEGÓCIO? Um Plano de Negócio é um documento que descreve os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para que

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

Apresentar as estratégias que o administrador pode adotar para gerar valor à organização.

Apresentar as estratégias que o administrador pode adotar para gerar valor à organização. Igor Leal Aderaldo Apresentar as estratégias que o administrador pode adotar para gerar valor à organização. Explicar como a administrador pode combinar financiamentos de curto e longo prazo para otimizar

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde Aula 1- Contextualização Prof.: Marcelo Valverde Plano de ensino: Contabilidade de Custo e Gerencial UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de

Leia mais

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes Contas Natureza da Conta Saldo Aumenta Diminui Patrimoniais Ativo Devedora D C Passivo Credora C D PL Credora C D Resultado Receita

Leia mais

Levantamento dos ativos críticos para o sucesso da Organização.

Levantamento dos ativos críticos para o sucesso da Organização. Faculdade de Tecnologia SENAC - Goiás Projeto Integrador Segurança da Informação Levantamento dos ativos críticos para o sucesso da Organização. Diego Miranda José Rodrigues Neto Romário Sena Warley Gabriel

Leia mais

Desejamos um ótimo Curso!

Desejamos um ótimo Curso! Desejamos um ótimo Curso! Gestão & Controles Imagem do curso Quem sou eu? Entrada > Saida Simples! Recursos da farmácia Recursos disponíveis CMV Recursos da farmácia Recursos disponíveis CMV Recursos da

Leia mais

Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007.

Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007. Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007. CONTABILIDADE GERAL 56 Na empresa Nutricional S/A, o resultado do exercício havia sido apurado acusando

Leia mais

SINAES CIÊNCIAS CONTÁBEIS ENADE 2006 QUESTÕES DE CUSTOS

SINAES CIÊNCIAS CONTÁBEIS ENADE 2006 QUESTÕES DE CUSTOS SINAES CIÊNCIAS CONTÁBEIS ENADE 2006 QUESTÃO 16 A Empresa Custa Karo Ltda. apresentou, em determinado momento, os dados abaixo: Produto Alpha Produto Beta Margem de Contribuição (considerando somente R$

Leia mais

Orçamentos, propostas, contratos, prazos e cronograma

Orçamentos, propostas, contratos, prazos e cronograma Orçamentos, propostas, contratos, prazos e cronograma Introdução Você sabe como elaborar uma proposta de trabalho de consultoria organizacional? Quanto você pode cobrar pelo trabalho que irá realizar?

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Sistemas de Informação Gerenciais Seção 1.2 Conceitos e perspectivas em SI Seção 1.3 Classificação dos SI 1 EMPRESA E TECNOLOGIA 2 Contexto Já perceberam que as empresas no mundo moderno estão relacionadas

Leia mais