Prática 2: Cultura de Microrganismos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prática 2: Cultura de Microrganismos"

Transcrição

1 Prática 2: Cultura de Microrganismos Introdução Os microrganismos tal como outros organismos vivos necessitam de obter os nutrientes apropriados do seu meio ambiente. Assim se queremos cultivar e manter microrganismos vivos em laboratório, necessitamos de os colocar em meios de cultura, contendo os nutrientes apropriados para o seu crescimento. Para além de nutrientes é igualmente necessário que as condições de oxigénio (presença ou ausência), ph e pressão osmótica sejam adequadas ao crescimento desses microrganismos. Na preparação dos meios e na manutenção das culturas de microrganismos é importante observar as necessárias condições de assépsia, de modo a se evitarem contaminações com outros microrganismos. Os meios de cultura dividem-se primeiramente em meios sólidos, aqueles que contêm agar, e meios liquidos, sem agar. Ambos os meios são preparados com água destilada, aquecidos até que se dissolvam completamente e posteriormente esterilizados por autoclavagem a 121oC. Nos meios sólidos o crescimento pára por exaustão de nutrientes, devendo realizar-se a transferência de colónias para novo meio. No entanto estes meios permitem a individualização das colónias. Os meios liquidos permitem melhor difusão de metabólitos, mas não o isolamento de colónias. Após autoclavagem, os meios sólidos vertem-se em caixas de petri de forma a cobrir uniformemente o fundo da caixa e após solidificação guardam-se por 24h na estufa a 37oC para testar a sua esterilidade e em seguida no frigorifico até à altura das sementeiras. Os meios sólidos podem também ser vertidos em tubos de ensaio de vidro. Os meios liquidos são mantidos em tubos de ensaio de vidro (os meios ditos sólidos estão liquidos quando saiem do autoclave e solidificam após o arrefecimento). Quanto ao grau nutritivo dos meios de cultura consideram-se: meios nutritivos gerais: contendo elementos minerais e metabólitos orgânicos. Ex. Agar Nutriente, Caldo Nutriente meios enriquecidos: contendo produtos biológicos (sangue, soro), vitaminas. Ex: Agar Sangue, meio geral não selectivo. meios complexos: contêm todos os ingredientes necessários para o crescimento de um determinado microrganismo, mas não se conhecem as quantidades exactas de todos os componentes.

2 meios definidos: aqueles em que se sabe a concentração exacta dos seus componentes. A composição destes meios varia consoante os requisitos dos organismos a cultivar. Classificam-se ainda os meios em: Selectivos, meios para selecção de determinados grupos de bactérias, os quais contêm substâncias que inibem o crescimento de outras bactérias distintas daquelas que nos interessam (meios sólidos). Ex: Agar Pseudomonas, Tiossulfato-citrato-bilis-sacarose (TCBS) para Vibrio, Agar MacConkey para coliformes. Diferenciais, para identificação de microrganismos, meios sólidos com a composição quimica adequada para evidenciar uma caracteristica bioquimica (meios sólidos). Ex: MacConkey Agar pª isolamento de coliformes, patogénios intestinais na água produtos derivados do leite, e espécimens biológicos. Neste agar após 24h a 35oC as colónias de Escherichia coli são vermelhas e mucóides, enquanto que as colónias de Salmonella e Shigella são brancas. Indicadores, meios liquidos, com a mesma função dos diferenciais, servem para evidenciar uma caracteristica bioquímica, mas não para separar as colónias positivas e as negativas. O ph do meio é ajustado antes de autoclavar. A cultura de báctérias é iniciada num meio estéril por transferência de inoculo para o meio estéril através de uma ansa. Essa ansa é esterilizada à chama antes e depois desta operação. Após a inoculação de um meio com bactérias, é necessário incubar o meio num ambiente adequado aos requisitos de crescimento dos microrganismos. O crescimento de bactérias num meio liquido identifica-se por turvação do meio, formação de uma pelicula na sua superficie, ou aparecimento de sedimento, enquanto que num meio sólido por aparecimento de colónias. Os meios liquidos são designados de caldos (broth). Os meios sólidos podem ainda ser vertidos em tubos de ensaio de vidro, os quais são inclinados, de modo a que, durante a solidificação do meio, se forme um slope ou slant (Fig.1). Este slant oferece uma superficie adequada ao cultivo de microrganismos aeróbios e anaeróbios facultativos. Para inoculação de microrganismos nestes slants, utiliza-se uma ansa recta e o tipo de sementeira chama-se por picada (agar stab) (Fig.1). A sementeira por picada faz-se também em meios sólidos mantidos em tubos de vidro sem slant. Este tipo de cultura utiliza-se para a manutenção de cultura stocks, em meios designados de conservação (3g de Tryptose Soy Broth, TSB; 3g de BactoAgar em 100 ml de água destilada, acrescentar 1.5g de NaCl para Vibrio). Estas culturas stock são mantidas em laboratório, podendo ser utilizadas para experiências.

3 As culturas em meio sólido são convenientes para isolamento de colónias de bactérias. As colónias de diferentes espécies de bactérias diferem no tamanho, forma, textura e cor. A cultura de bactérias em meio sólido faz-se por sementeira por "streak" (esgotamento) ou por "pour plate" (incorporação). No tipo de cultura por streak, utilizam-se placas de petri com meio sólido e faz-se a sementeira com uma ansa esterilizada arrastando a ansa levemente sobre o meio (Fig. 2). O objectivo é a obtenção de cólonias isoladas para se poderem posteriormente identificar. Após a incubação e havendo crescimento devemos observar a forma da colónia, os seus bordos, a cor, se houve hémolise (caso de cultura em meios com sangue). Na técnica de pour plate, a inoculação do agar é feita antes da sua solidificação (no entanto após retirada do meio do autoclave é necessário deixá-lo arrefecer até 45oC). Nesta técnica o meio de cultura arrefecido mas ainda liquido é misturado com inóculo de bactérias, posteriormente vertido em caixas de petri e incubado. Assim as colónias podem desenvolver-se por todo o meio (Fig. 3) Material e Métodos -Balões de fundo chato e pescoço curto -Tubos de ensaio de vidro -Algodão cardado, gaze, papel de embrulho e fio -Caixas petri esterilizadas -Balança -Placa de aquecimento -Goblets e provetas -Agar nutriente e caldo nutriente desidratados -Água destilada. Para a preparação dos meios Agar e Caldo Nutriente proceder do seguinte modo: 1- Pesar as quantidades dos meios desidratados de acordo com as instruções do seu orientador. Diluir o meio desidratado em água destilada, mexer bem até dissolver todo o pó. 2- Cozinhar os meios tendo o cuidado de agitar os balões de quando em quando, de modo a que permanecem com aspecto homogéneo e não se formem grânulos. 3- Após o cozimento rolhar os balões de Agar Nutriente com rolha confeccionada com algodão cardado e gaze. Envolver a rolha após colocada com papel de embrulho e amarrar bem com o fio de embrulho. 4- Dispender o Caldo Nutriente por tubos de ensaio até metade do tubo e igualmente rolhar os tubos com algodão cardado.

4 5- Leve os balões de Agar Nutriente e os tubos do Caldo Nutriente a autoclavar por 15 minutos à temperatura de C. 6- Após a esterilização retire os meios da autoclave. Deixe arrefecer o Agar Nutriente até cerca de 45 0 C. Em seguida dispense o meio em caixas de petri esterilizadas, cerca de 20ml em cada uma delas. O procedimento será o seguinte: abra a tampa ligeiramente, verta a quantidade necessária de meio, feche a tampa e movimente a caixa de modo a espalhar o meio homogéneamente por todo o seu fundo. Deixe o meio solidificar. 7- Inverta as caixas, identifique-as com data e tipo de meio e incube por 48h a 37 0 C para a prova de esterilidade. Incube também os tubos de Caldo Nutriente. 8- Guarde todos os meios após a prova de esterilidade no frigorífico, até a próxima aula prática. 9- Trabalhe sempre junto da chama da lamparina ou Bunsen Na aula seguinte poderá analisar os meios e verificar se efectivamente estão estéreis. Será então possivel elaborar o seu relatório sobre preparação de meios de cultura e esterilização. Bibliografia de apoio: Seeley, H.W. Jr., VanDemark, P.J., Lee, J.J. (1991). Microbes in action. W.H. Freeman & Company, New York: chapter 8 & 9. DIFCO Manual: pp. 4-16

5 Anexos: Figura 1 & 2: (1) Slope ou Slant de Agar ; (2) Sementeira por esgotamento (Streak Plate) (a). Retirado de Black, Figura 3: Sementeira por incorporação (Pour-Plate) e por espalhamento (Spread-Plate). Retirado de Black, 2002.

estauração LUME I - Iniciação VO Higiene e Segurança Alimentar na R Paulo Baptista / Mário Linhares Forvisão - Consultoria em Formação Integrada, S.A.

estauração LUME I - Iniciação VO Higiene e Segurança Alimentar na R Paulo Baptista / Mário Linhares Forvisão - Consultoria em Formação Integrada, S.A. Higiene e Segurança Alimentar na Restauração VOLUME I - Iniciação Paulo Baptista / Mário Linhares Forvisão - Consultoria em Formação Integrada, S.A. ficha técnica Título Higiene e Segurança Alimentar na

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10. Manuseio Armazenagem Abastecimento

MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10. Manuseio Armazenagem Abastecimento MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10 Manuseio Armazenagem Abastecimento O novo óleo Diesel S-10 da Petrobras, disponível a partir de janeiro de 2013, com teor máximo de enxofre de 10mg/kg (ppm = partes por milhão)

Leia mais

CONSELHO EXECUTIVO DA FARMÁCIA HOSPITALAR

CONSELHO EXECUTIVO DA FARMÁCIA HOSPITALAR PREFÁCIO Este manual, resulta dos esforços e entusiasmo de uma equipa pluridisciplinar, constituída pelo Conselho Executivo do Plano de Reestruturação da Farmácia Hospitalar, que no âmbito das medidas

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR ADITIVOS QUÍMICOS

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR ADITIVOS QUÍMICOS CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS POR ADITIVOS QUÍMICOS Os produtos alimentícios de qualidade microbiológica duvidosa não somente fazem correr riscos sanitários aos consumidores como também têm conseqüências extremamente

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 10

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 10 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 10 OXIGÊNIO DISSOLVIDO E MATÉRIA ORGÂNICA EM ÁGUAS Prof. Dr. Roque Passos Piveli 1 AULA 10 - OXIGÊNIO DISSOLVIDO E MATÉRIA ORGÂNICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 26 DE AGOSTO DE 2003.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 26 DE AGOSTO DE 2003. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 26 DE AGOSTO DE 2003. Oficializar os Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas

Leia mais

Eficiência energética nos edifícios residenciais

Eficiência energética nos edifícios residenciais Manual do Consumidor 1 Eficiência energética nos edifícios residenciais Textos Pieraldo Isolani Membros do Grupo de Trabalho Transnacional que colaboraram: Riccardo Comini - Adiconsum, Itália Florence

Leia mais

De onde vem... o leite? Comissão Europeia Agricultura e Desenvolvimento Rural

De onde vem... o leite? Comissão Europeia Agricultura e Desenvolvimento Rural De onde vem... o leite? Comissão Europeia Agricultura e Desenvolvimento Rural Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia. Linha telefónica gratuita (*) : 00 800 6

Leia mais

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL Organização Mundial de Saúde DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR, ZOONOSES E DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA

Leia mais

Guia para a utilização eficiente dos electrodomésticos

Guia para a utilização eficiente dos electrodomésticos Guia para a utilização eficiente dos electrodomésticos Aprenda a Poupar Energia, o Meio Ambiente e Dinheiro. www.ecosave.org.pt Ficha técnica: Título: Guia para a utilização eficiente dos electrodomésticos

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Gustavo Echenique Silveira 00136186 Orientadora: Prof. Dra. Aline Schilling Cassini Dezembro, 2010 AGRADECIMENTOS

Leia mais

URINA (manhã) Urina Tipo II -Exame sumário de Urina

URINA (manhã) Urina Tipo II -Exame sumário de Urina Primeira O A NOTA: 1 URINA (manhã) Urina Tipo II -Exame sumário de Urina urina da manhã (ao levantar) ou obtida na altura em que o paciente vai efectuar a colheita dos produtos biológicos. recipiente utilizado

Leia mais

Pequi (Caryocar brasiliense)

Pequi (Caryocar brasiliense) 1 Manual Tecnológico Aproveitamento Integral do Fruto do Pequi (Caryocar brasiliense) Luis Roberto Carrazza João Carlos Cruz e Ávila Manual Tecnológico de Aproveitamento Integral do Fruto do Pequi (Caryocar

Leia mais

CAMPINAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA. Bacharelado em Química Tecnológica. Roteiro de Aulas Práticas. Prof. José Francisco Bernardes Veiga Silva

CAMPINAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA. Bacharelado em Química Tecnológica. Roteiro de Aulas Práticas. Prof. José Francisco Bernardes Veiga Silva CAMPINAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA Bacharelado em Química Tecnológica Roteiro de Aulas Práticas Prof. José Francisco Bernardes Veiga Silva CEATEC ÍNDICE AULA CONTEÚDO PÁGINA 01 Influência da Concentração

Leia mais

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNICAMP Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS Professores responsáveis: Prof. Dr. Adriana Vitorino Rossi Prof. Márcia Zanchetta

Leia mais

URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES Clenderson Corradi de Mattos Gonçalves 1 Júlio César Teixeira 2 Flávio Moreno Salvador 1 1 INTRODUÇÃO A utilização de fontes alternativas de proteína na produção de bovinos

Leia mais

PROTECÇÃO DURADOURA DA SUBSTÂNCIA DOS EDIFÍCIOS COM PROTECTORES DE SILICONE SILRES BS PARA ESTRUTURAS ARQUITECTÓNICAS

PROTECÇÃO DURADOURA DA SUBSTÂNCIA DOS EDIFÍCIOS COM PROTECTORES DE SILICONE SILRES BS PARA ESTRUTURAS ARQUITECTÓNICAS PROTECÇÃO DURADOURA DA SUBSTÂNCIA DOS EDIFÍCIOS COM PROTECTORES DE SILICONE SILRES BS PARA ESTRUTURAS ARQUITECTÓNICAS Creating tomorrow s solutions Hidrofugação: Protecção segura contra a humidade Índice

Leia mais

Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Coordenação-Geral de Apoio Laboratorial

Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Coordenação-Geral de Apoio Laboratorial Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Coordenação-Geral de Apoio Laboratorial MANUAL DE MÉTODOS ANALÍTICOS OFICIAIS PARA FERTILIZANTES E CORRETIVOS Brasília

Leia mais

GABARITO COMENTADO DAS QUESTÕES DA 2ª PROVA DE 1ª FASE DA UERJ 2011. Utilize as informações a seguir para responder às questões de números 22 e 23.

GABARITO COMENTADO DAS QUESTÕES DA 2ª PROVA DE 1ª FASE DA UERJ 2011. Utilize as informações a seguir para responder às questões de números 22 e 23. GABARITO COMENTADO DAS QUESTÕES DA 2ª PROVA DE 1ª FASE DA UERJ 2011 Utilize as informações a seguir para responder às questões de números 22 e 23. No esquema abaixo, estão representadas as duas etapas

Leia mais

Emília Nunes João Breda

Emília Nunes João Breda Emília Nunes João Breda Fundos Estruturais MINISTÉRIO DA SAÚDE Direcção-Geral da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Direcção-Geral da Saúde Emília Nunes João Breda Autores Emília Nunes - Médica de Saúde Pública,

Leia mais

PORTARIA N 210 DE 10 DE NOVEMBRO DE 1998 (*)

PORTARIA N 210 DE 10 DE NOVEMBRO DE 1998 (*) PORTARIA N 210 DE 10 DE NOVEMBRO DE 1998 (*) O SECRETARIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 83, item IV do Regimento

Leia mais

ADENSAMENTO DO CONCRETO POR VIBRAÇÃO

ADENSAMENTO DO CONCRETO POR VIBRAÇÃO ADENSAMENTO DO CONCRETO POR VIBRAÇÃO Gestão de Equipamentos e Obras Dezembro 2005 Apresentação A falta de literatura especializada em nosso idioma e o comportamento das pessoas envolvidas no trabalho de

Leia mais

Apostila de Eletrodos Revestidos

Apostila de Eletrodos Revestidos Apostila de Eletrodos Revestidos Apostila de Eletrodos Revestidos INTRODUÇÃO... 3 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODOS REVESTIDOS... 5 ELETRODOS REVESTIDOS PARA A SOLDAGEM DE AÇOS CARBONO... 6 ELETRODOS

Leia mais

Fenomenologia da combustão e extintores

Fenomenologia da combustão e extintores VOLUME VII Fenomenologia da combustão e extintores António Matos Guerra, José Augusto Coelho e Ruben Elvas Leitão 2.ª edição, revista e actualizada Escola Nacional de Bombeiros SINTRA 2006 2 Fenomenologia

Leia mais

Acromatografia é um método

Acromatografia é um método ATUALIDADES EM QUÍMICA Ana Luiza G. Degani Quezia B. Cass Paulo C. Vieira A seção "Atualidades em química" procura apresentar assuntos que mostrem como a química é uma ciência viva, seja com relação a

Leia mais

5 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS POR LODOS ATIVADOS

5 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS POR LODOS ATIVADOS 5 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS POR LODOS ATIVADOS Marcos von Sperling, Adrianus C. van Haandel, Eduardo Pacheco Jordão, José Roberto Campos, Luiz Fernando Cybis, Miguel Mansur Aisse,

Leia mais

Boas Práticas Agrícolas para Produção de Alimentos Seguros no Campo. Cuidados até a Colheita. Série Qualidade e Segurança dos Alimentos

Boas Práticas Agrícolas para Produção de Alimentos Seguros no Campo. Cuidados até a Colheita. Série Qualidade e Segurança dos Alimentos Boas Práticas Agrícolas para Produção de Alimentos Seguros no Campo Cuidados até a Colheita Série Qualidade e Segurança dos Alimentos CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI CONSELHO NACIONAL DO SENAI

Leia mais

Uma parcela significativa das

Uma parcela significativa das José Roberto Guimarães e Edson Aparecido Abdul Nour Neste artigo é descrita a situação atual de tratamento de águas residuárias no Brasil, bem como os principais processos de tratamento. São discutidos

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

Orientações do Programa de Vigilância Sanitária das Piscinas

Orientações do Programa de Vigilância Sanitária das Piscinas Orientações do Programa de Vigilância Sanitária das Piscinas Departamento de Saúde Pública 2014 Orientações para Execução do Programa de Vigilância Sanitária das Piscinas Administração Regional de Saúde

Leia mais