estão presentes nas Referências. O mesmo ocorre com a data de publicação das obras de Bernardo Carvalho, informadas no parágrafo subsequente.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "estão presentes nas Referências. O mesmo ocorre com a data de publicação das obras de Bernardo Carvalho, informadas no parágrafo subsequente."

Transcrição

1 Investigando as estruturas memorialísticas de Dois Irmãos, de Milton Hatoum, e de Nove Noites, de Bernardo Carvalho Renan Augusto Ferreira Bolognin, bolsista CNPQ Profª Drª Rejane Cristina Rocha, Orientadora Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Apresentação Nossa pesquisa interessa-se pelo estudo da ficção brasileira contemporânea. Seus problemas e hipóteses partem de um trabalho de iniciação científica concluído em janeiro de 2012, sob a orientação da Profa. Dra. Rejane Cristina Rocha, no qual investigamos As cadeias de causas e os efeitos no diálogo das memórias em Dois Irmãos, como pesquisa voluntária pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Nesta pesquisa, e comunicação proposta, damos o prosseguimento da análise do romance Dois Irmãos (2007), de Milton Hatoum, e acrescentamos a análise do romance Nove Noites (2004), de Bernardo Carvalho, com vistas a obtermos considerações crítico-teóricas a respeito de como os narradores destes romances lidam com as memórias em suas narrativas. O autor do romance Dois Irmãos (2007) é um amazonense chamado Milton Hatoum, nascido no dia 19 de agosto de Destaca-se, no Brasil, pelo tri-jabuti, atribuídos a Relato de um certo oriente (1989) 1, Dois Irmãos (2000) e Cinzas do Norte (2002). Durante a juventude, Hatoum estudou no Colégio de Aplicação da UNB, em 1967, cursou arquitetura e urbanismo na USP e, posteriormente, exerceu as profissões de jornalista cultural e professor universitário de história da arquitetura. Através de uma bolsa angariada, durante os anos 80, teve a oportunidade de conhecer as cidades de Madri e Barcelona e estudar literatura comparada na universidade de Sorbonne (Paris III). Ao todo, a obra de Hatoum está disponibilizada em 14 países e em 10 línguas distintas. Desde 1998 reside em São Paulo e é colunista do Jornal de São Paulo e do site Terra magazine Bernardo Carvalho é um autor carioca, nascido no ano de Destacou-se no cenário literário depois de receber o prêmio Portugal Telecom de Literatura Brasileira pelo romance Nove Noites (2002) e, posteriormente, o Jabuti em 2003 pelo romance Mongólia (2003). Jornalista de formação, Bernardo Carvalho se graduou em 1983 na PUC/RJ. Em 1986, mudou-se para São Paulo e trabalhou como diretor do suplemento Folhetim, da Folha de São Paulo de 1987 a Depois, tornou-se correspondente de Paris, em 1990, e de Nova Iorque, de 1991 a Além disso, iniciou mestrado em cinema na Escola de Comunicações e Artes, da Universidade de São Paulo, no ano de 1989, e o concluiu no ano de 1983, mesmo ano de sua primeira obra literária: Aberração. Sua obra está disponibilizada atualmente em mais de dez idiomas e é considerado um dos grandes autores da literatura brasileira contemporânea. Sobre as duas obras, devemos, antes de tudo, fazer um breve resumo dos enredos de ambas. Em Dois Irmãos (2007), temos a narrativa da chegada de libaneses à Manaus. Entre estes, Zana e seu pai Galib fundam o Biblos, um restaurante de comida típica libanesa com tempero manauara. Com o passar do tempo, um mascate, também libanês, chamado Halim, apaixona-se por Zana e declara-se sob as vistas de todos que estavam almoçando no restaurante. Embora Halim estivesse envergonhado com a situação, consegue casar-se com a pretendente. Com o passar do casamento, conhecem a índia Domingas, que era mal tratada em um convento e é agregada na mesma casa dos libaneses recém-casados, ainda que Halim desconfiasse que ela atrapalharia suas núpcias eternas com Zana. 1 Os anos dessas obras não referem-se ao ano de publicação dos romances, mas sim ao ano de publicação das edições e/ou reimpressões que estão presentes nas Referências. O mesmo ocorre com a data de publicação das obras de Bernardo Carvalho, informadas no parágrafo subsequente.

2 Em seguida à chegada de Domingas, Zana insiste a Halim para que tenham três filhos, outro pedido visto a contragosto por Halim. Porém, a libanesa engravida e dá a luz aos dois irmãos gêmeos que intitulam a obra (Yaqub e Omar), e a Rânia. Anos mais tarde, nasce Nael, filho de Domingas. Após uma parte de sua vida como agregado e serviçal da família, Nael se indaga sobre sua paternidade a partir de retalhos das memórias da família, principalmente os contados pelo avô Halim, e por Domingas. Ou seja, no contar de Nael estão impressos fatos que ele não experimentou. Nove Noites (2004) tem um enredo baseado no porquê de um antropólogo estadunidense com futuro promissor, chamado Buell Quain, suicidar-se durante seu período de estudo na tribo dos índios Krahô, na noite de 2 de agosto de 1939, após receber supostas más notícias da família. Nesta obra há dois narradores: um que chamamos de narrador principal, que é inominado, e interessa-se pelas razões do suicídio do americano a partir de uma notícia de jornal lida na manhã 12 de maio de 2001, quase 62 anos após o suicídio. Para desfazer sua obsessão, o narrador principal recorre a documentos que possam ajudá-lo a solucionar o mistério do suicídio do americano, como, por exemplo, cartas do próprio suicida e fotos da época, além de procurar pessoas que, possivelmente, envolveram-se com Quain. De modo a existir uma grande barreira temporal, que impeça a sobrevivência da maioria destes informantes, há raras exceções, como a do professor Luís de Castro Faria, que conviveu com Quain. A respeito do suicídio de Quain há outra instância narrativa, na qual o sertanejo-engenheiro Manoel Perna, morto em 1946, escreve em itálico uma narrativa epistolar. Nela, aparecem frequentemente os dizeres Isto é para quando você vier, que, provavelmente, seriam relacionadas a um destinatário que poderia dizer o real motivo do suicídio do antropólogo, mas isso nunca acontece. Além do mais, a esta instância narrativa o narrador principal, provavelmente, não tenha acesso, pois quando pergunta aos dois filhos do engenheiro a respeito de alguma suposta chave que solucione o misterioso suicídio de Quain, lhe dizem que ele não deixou nada por escrito. Ao aproximamos ambos os romances, perceberemos que existem alguns pontos de contato em relação à estruturação narrativa deles. Em primeiro lugar, os dois possuem narradores que narram de uma perspectiva de sujeitos que não experimentaram parte dos fatos narrados, ou seja, à margem dos fatos. No caso de Dois Irmãos (2007), Nael recorre aos familiares para saber a respeito do passado. Já em Nove Noites (2004), o narrador principal recorre a documentos e testemunhos para solucionar o mistério de Buell Quain. Além do mais, por vezes, aliadas a essas memórias, os narradores fragmentarão a dita ordem linear do discurso, acrescentando ao presente da narração fatos do passado. A partir da base teórica proporcionada pelos princípios narratológicos de Gérard Genette (1995) como objetivos gerais estudaremos as criações de cadeias de causas e efeitos das memórias (Pellegrini, 2004) e os problemas da análise do funcionamento estrutural memorialístico em Dois Irmãos (2007) e em Nove Noites (2004). A partir destes objetivos gerais, nossos objetivos específicos serão os seguintes: a) Compreender como as memórias dos narradores e de outros personagens são manejadas estruturalmente pela voz dos narradores; b) Estudar como a construção do fluxo memorialístico nos dois romances indicia e/ ou pode significar uma ferramenta narrativa para a construção da identidade dos narradores e personagens dos romances; c) Discutir a maneira pela qual os contrastes entre tempo da história e tempo do discurso contribuem para a utilização das memórias nos romances em questão;

3 d) Descrever mecanismos narrativos que indiquem a memória como reflexo da fragmentação identitária dos narradores e personagens; e) Descrever como a presença de memórias nos dois romances pode representar na literatura brasileira contemporânea um traço significativo e, se sim, como podemos entendê-lo; As nossas análises concentrar-se-ão nos romances, então, de acordo com as justificativas abaixo: 1. O tempo como principal elemento de toda a articulação narrativa. Ou seja, tanto em Dois Irmãos (2007), quanto em Nove Noites (2004), as memórias são a principal referência ao modo de manipulação narrativa e o principal eixo das estruturações da ordem da história. 2. O tempo é nos dois romances um meio eficazmente utilizado pelos narradores para a construção da própria identidade, no caso de Nael, narrador de Dois Irmãos (2007), ou para a construção da própria identidade e da de outrem, como sucede, no mistério que cerceia o suicídio de Buell Quain em Nove Noites (2004). 3. As memórias proporcionam nos dois romances encadeamentos de causas e efeitos que têm motivações específicas de cada narrador e podem representar um dos porquês do uso frequente de estruturas memorialísticas na literatura brasileira contemporânea. Nas perspectivas tomadas acima as memórias são efetivamente integradas às obras em questão de modo a representarem inserções de fatos, obviamente do passado, embora não estejam cronologicamente organizadas. Isto é, durante a narração dos dois romances nos damos conta de que o passado, muitas vezes, mescla-se com o presente e também com o futuro da narrativa. Ou como diz Regina Dalcastagné (2005): não é de estranhar que esbarremos vez ou outra em personagens que, para confirmar sua existência, precisem organizar um passado (DALCASTAGNÉ, 2005, p.116) ou vejamos tais mesclas temporais como consequência das identidades, como um tipo de tentativa de reparação de uma realidade estilhaçada (RIAUDEL, 2009, p.253). Os personagens Nael e o narrador principal de Nove Noites (2004), que organizam a narração dos romances, são partidos ou divididos, embora vivenciem suas experiências como unificados e tentem, desde o início de seus relatos, organizálos de modo a conferir-lhes uma ilusão de totalidade. Ocorre, porém, que, ao depender dos relatos das memórias alheias para comporem suas próprias memórias, o tecido de suas identidades se desfia na medida em que se fia a própria narrativa que procuram construir. Por isso, a busca de suas constituições identitárias poderão produzir relatos estilhaçados de memória que devem ser encaixados. Em Dois Irmãos (2007), por exemplo, o narrador Nael não conhece todas as histórias advindas antes de seu nascimento e, por isso, serve-se das memórias de outros personagens do romance, principalmente, seu avô Halim e a mãe Domingas para descobrir quem é realmente seu pai entre os dois irmãos. Em Nove Noites (2004), a busca pelo descobrimento da razão do suicídio do americano se converte em uma quase obsessão do narrador principal. Porém, isso não impede que os narradores de ambos os romances completem as lacunas de suas narrativas com interpretações do passado e/ou com outras disposições de ordens temporais, pois a eles é impossível ter acesso a todas as memórias por não terem experimentado a história original. Para exemplificar, observem os trechos a seguir, que se referem a Dois Irmãos (2007): EU NÃO SABIA NADA DE MIM, como vim ao mundo, de onde tinha vindo. A origem: as origens. Meu passado, de alguma forma palpitando na vida dos meus antepassados, nada disso eu sabia. Minha infância, sem nenhum sinal de origem. É como esquecer uma criança dentro de um barco num rio deserto, até que uma das margens a acolhe (HATOUM, 2007, p.54, grifos do autor).

4 Alguns fatos acontecidos antes do nascimento de Nael apontam para o que as memórias poderiam completar em sua identidade: saber o passado é se relacionar com os que o hajam experimentado. Ainda assim, o desconhecimento do passado não o impede de narrar, o que nos parece um grande motivo para estudar como as memórias, ainda que não sejam completamente conhecidas pelos seus narradores, possam ser narradas. Evidentemente, neste envolvimento entre as memórias e a constituição da identidade existe em comum, além do tempo, a confiança entre os interlocutores. A identidade deste narrador poderá ser construída, então, através de relatos de outros personagens, de acordo com a proximidade de seu interlocutor: Foi Domingas quem me contou a história da cicatriz no rosto de Yaqub. Ela pensava que um ciuminho reles tivesse sido a causa da agressão. Vivia atenta aos movimentos dos gêmeos, escutava conversas, rondava a intimidade de todos. [...] A minha história também depende dela, Domingas. (HATOUM, 2007, p.20) O trecho acima diz respeito ao fluxo de memórias de Domingas, manipulado por um narrador que tende a valorizar a peculiar utilização de códigos temporais e de focalização ativados em tal situação narrativa (LOPES; REIS, 1988, p.121). O apelo às memórias feito por Nael o permite, de alguma forma, reviver o passado não vivido, com quem mantém vínculos diretos (ou afetivos) e, assim, encaixar mais uma peça entre os fragmentos de sua identidade. Do mesmo modo, há alguns funcionamentos intrigantes das memórias em Nove Noites (2004), como quando Manoel Perna diz a seu interlocutor: Passei anos à sua espera, seja você quem for, contando apenas com o que eu sabia e mais ninguém, mas já não posso contar com a sorte e deixar desaparecer comigo o que confiei à memória (CARVALHO, 2004, p. 8, grifos do autor). No entanto, ainda que chame um interlocutor para essas memórias, a quem pertence o outro lado da história, nunca saberemos ao certo quem é. Com o avançar da leitura pensamos que este seria o narrador principal, mas ao longo descobrimos que tampouco é ele o interlocutor, pois Manoel Perna já havia morrido há muito 2. Isto indica que as memórias em si não são totalmente confiáveis, pois esquecem alguns de seus significados no tempo. Também por isso, não são integrais, ou seja, são fragmentadas e dependem da relação com outro interlocutor para darem a impressão de completas. O próprio Manoel Perna, narrador de Nove Noites (2004), dá uma razão para a confiança nas memórias: As histórias dependem antes de tudo da confiança de quem as ouve, e da capacidade de interpretá-las (CARVALHO, 2004, p. 8, grifos do autor), à maneira de Nael confiar nas memórias da mãe e do avô. Contrário a isso, o narrador principal de Nove Noites (2004) não é consanguíneo de nenhum dos personagens que lhe conta sobre Buell Quain, tampouco se pode dizer que mantenha laços de amizade enraizados com os personagens que lhe auxiliam em sua busca pelo motivo do suicídio. Sua manipulação narrativa é de algumas memórias de Buell Quain, sobretudo, oriundas de pesquisas a seu respeito. Além disso, a narrativa sobre o americano não é gratuita, uma vez que a identidade do narrador principal se pode ver familiarizada ou contrastada com a do etnólogo americano: Buell Quain também havia acompanhado o pai em viagens de negócios. Quando tinha catorze anos, foram a uma convenção do Rotary Club na Europa. Visitaram a Holanda, a Alemanha e os países escandinavos. E daí em diante nunca mais parou de viajar. Mas de para Quain, que saía do Meio-Oeste para a civilização, o exótico foi logo associado a uma espécie de paraíso, à diferença e à possibilidade de escapar ao seu próprio meio e aos limites que lhe haviam sido impostos por nascimento, para mim as viagens com o meu pai proporcionaram antes de mais nada uma visão e uma consciência do exótico como parte do inferno (CARVALHO, 2004, p. 64). 2 O narrador Manoel Perna conforme a página 134 do romance morreu no ano de 1946, o que representa 7 anos depois do suicídio de Buell Quain, o que atesta a possível amizade entre ambos. Sobre o narrador principal além de não sabermos o nome, tampouco sabemos sua data de nascimento, mas podemos intuir cerca de 30 a 40 anos, pois se parece a um jornalista experiente, mas não deve chegar aos 60 anos e, provavelmente, nasceu anos depois da morte de Manoel Perna, pois ambos não chegam a se conhecer, o que indica que a narrativa central está distante do tempo do suicídio do etnólogo são o fato histórico do 11 de setembro de 2002, comentado entre as páginas e o interesse pela história de Quain a partir de uma notícia de jornal de 2001.

5 Acima, por exemplo, evidencia-se o contraste entre as viagens de Quain e as do narrador, ambos juntos aos pais, e o resultado destas para cada um. Embora sejam diferentes experiências, ambos conheceriam o inferno entre os indígenas. A grande dificuldade encontrada neste estudo, além do complexo embaraço de estruturas temporais que se mesclam entre si, é lidar, também, com o confiável de uma memória, pois os narradores as manipulam sem terem, muitas vezes, experimentado os fatos narrados e, ainda assim, as refletem em suas próprias identidades. Ao buscar as memórias em um passado mais distante que o do próprio nascimento, os narradores permitem que haja dois movimentos na narrativa: 1. Referente às estruturas narrativas que são manipuladas no tempo da narração, ou seja, as misturas dos tempos passados (analepse), presente e futuro (prolepse) 3 ocorrendo não linearmente, de acordo com a manipulação que o narrador faz do tempo narrativo; e 2. Referente ao fato de que ao narrador é interessante contar as memórias de acordo com o que é conveniente conhecer e, assim, formar a própria identidade. Desenvolvimento Nossa pesquisa é de caráter teórico e analítico, isto é, os procedimentos metodológicos são relacionados à leitura e à discussão do referencial teórico. Em nosso caso, o referencial utilizado fundamentar-se-á, principalmente, em: questões temporais e memorialísticas a respeito dos textos literários, embasadas pela perspectiva narratológica de Gérard Genette; nos romances Dois Irmãos (2007) e Nove Noites (2004), em outros romances de Milton Hatoum e Bernardo Carvalho; outros pesquisadores que hajam realizado estudos sobre obras de ambos os autores; estudos que discutam o termo identidade, desde que destaquem a mesma perspectiva teórica de Stuart Hall; e a sistematização de um Relatório Final. Nossas propostas metodológicas são as seguintes: a) Leitura e discussão do corpus da pesquisa: com o propósito de edificar uma base teórica sólida sobre os estudos narratológicos, discussões a respeito de Memória e de Identidade Fragmentada. b) análise do corpus: feita mediante o aparato teórico-metodológico oferecido pela narratologia genettiana. c) sistematização da pesquisa: em um Relatório Final de Pesquisa. Toda a metodologia proposta acima pretende elucidar como as estruturas das memórias no texto literário agem semanticamente. A partir do estudo das memórias, pelo viés narratológico, pretendemos estabelecer relações entre elas e a ilusão de identidade unificada, que é transmitida pelo narrador. Tais relações são realizadas: [...] na impossibilidade de resolver o impulso contraditório contra a tradição - por algum motivo impregnado à personalidade, buscaria o passado como uma forma de dotar-se da graça de uma estabilidade (QUEIROZ, 2008, p , grifos do autor). A estabilidade alcançada seria possibilitada através da utilização das memórias, sendo que elas estão, obrigatoriamente, contidas na estruturação das narrativas e, consequentemente, na manipulação dos respectivos narradores. Tais discussões, entre memória e identidade, são as que nos permitem propor como objetos de nossa pesquisa as obras de Milton Hatoum e Bernardo Carvalho. Os resultados pretendidos estão diretamente relacionados à discussão e interpretação de questões teóricas relativas às estruturas das narrativas, à crítica literária contemporânea e à fortuna crítica a respeito das obras e dos autores em questão. Ressalta-se que a partir de tais reflexões teórico-críticas os resultados pretendidos tangem a possibilidade de encontrar no período contemporâneo 3 Analepse e prolepse são terminologias de Genette (1975) para os estudos da ordem temporal no discurso literário.

6 motivações para a existência de tantos romances que se utilizam de memórias. Em relação aos resultados obtidos, citamos a compreensão alcançada na pesquisa anterior, que se relaciona diretamente à utilização das memórias como diretamente proporcional à unificação identitária. Dos objetivos, justificativas, métodos e resultados deste trabalho, notamos que nossa fundamentação teórica relacionava-se aos estudos que dizem respeito ao funcionamento das estruturas narrativas emparelhada ao conceito de identidade. De maneira a não esbarrarmos em conflitos teóricos a respeito, seguimos os princípios teóricos de Stuart Hall (2006) em A identidade cultural na pós-modernidade, sobretudo quando discute a identidade como um todo não coeso, uma composição mesclada de fragmentos diferentes, que refletirá no estilhaçamento temporal dos dois romances 4. Para estudarmos este estilhaçamento, destacamos as terminologias tempo da história, o tempo do discurso, o narrador e a focalização, tratadas por Genette (1975) 5 no Discurso da Narrativa (1995), como ferramentas para descrevermos tal semelhança, que passa desde a narração até o encaixamento de memórias na narrativa. A este respeito, as considerações crítico-teóricas feitas sobre as memórias terão fundamento por conta de as consideramos como os principais componentes da arquitetura narrativa, isto é, as memórias de narradores ou personagens dos romances são o principal eixo pelo qual as narrativas movimentam-se. Conclusão A pesquisa discutirá a construção das cadeias de causas e efeitos elaboradas a partir da investigação/recomposição das memórias nos romances postos em questão, as quais nos levarão à reflexão sobre a manipulação dos tempos da narrativa pelos narradores e a questões inerentes à constituição identitária na literatura brasileira contemporânea. Ademais, propõe-se outra via de análise do romance Dois Irmãos (2007), que já contava com vasta fortuna crítica, mas pouca referente a estudos estruturais. Avaliaremos, também, se os mergulhos temporais verticais e horizontais nas memórias, propostos por Tânia Pellegrini (2004) como métodos de análise para os romances de Hatoum, também podem ser mecanismos de análise eficientes para o romance Nove Noites (2004). Deste modo, pretendemos alcançar em nossas análises a compreensão de como aos mecanismos literários se integram à interpretação de questionamento concernente à constituição/recuperação/invenção da identidade individual e também, social e cultural na literatura brasileira contemporânea. Ou seja, como as estruturas narrativas podem representar a tentativa de constituição/ construção identitária dos narradores e/ou personagens. Na pesquisa anterior havíamos comprovado a possibilidade dessa constituição identitária ser buscada pelo narrador Nael, de Dois Irmãos (2007), através das memórias 6 que outros personagens lhe contavam, pois assim ele consegue reunir estilhaços que dizem respeito à sua paternidade, origem e, portanto, família. Resumidamente, buscamos compreender: a) as articulações entre memória e narração; b) os outros tempos da enunciação e suas relações temporais com a memória; c) a organização estrutural das memórias; d) a relação das memórias com a 4 Sobre o difuso conceito identidade nos propomos também a pesquisar outros autores que tratem dele, como: BAUMAN, Zygmunt. Identidade Entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005, tomando as precauções necessárias para não esbarrarmos em conflitos teóricosmetodológicos. 5 Como bibliografia essencial para tratar e aprofundar os conceitos acima, nos apoiaremos no Dicionário de termos de teoria da narrativa, de Ana Cristina M. Lopes e Carlos Reis (1988), o qual explicita detalhadamente, também, a terminologia a respeito de tipos de narrador, tempo da história e tempo do discurso, Eu narrante e Eu narrado, discutida por Genette (1975) no Discurso da narrativa 6 Nesse sentido nos apoiaremos nas memórias enquanto experiências vivenciadas por outros personagens da obra que foram testemunhadas ao narrador, das quais nos basearemos em: SARLO, Beatriz. Crítica do testemunho: sujeito e experiência. In: Tempo passado: cultura da memória e guisada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

7 constituição identitária; e) se há e por que há nos romances dos dois autores algum traço de estruturas memorialísticas em comum que pode ser especificado no tratamento/ construção das memórias ficcionais na contemporaneidade. Como principais aparatos teóricos de nossa pesquisa, enfatizaremos os estudos realizados por Gérard Genette em Discurso da Narrativa (1995), auxiliados pela lexicalização dos temas propostos por ele pelos portugueses Carlos Reis e Ana M. Cristina Lopes, em Dicionário de teoria da narrativa (1988) e estudos que aprofundem as questões identitárias como A identidade cultural na pós-modernidade, de Stuart Hall (2006). Nos dois romances, nos quais pretendemos demonstrar o funcionamento das memórias, encontraremos diferentes utilizações da estrutura narrativa. Por isso, trabalharemos este problema inicial sobre o viés da análise estrutural da narrativa, para que possamos explicitar quais as motivações dos narradores de ambos os romances para manipularem as estruturas de determinada maneira. Estudaremos estes funcionamentos temporais e espaciais como procedimentos narrativos articulados nos próprios textos, sem separá-los do contexto histórico-social da literatura brasileira contemporânea. Referências Bibliográficas CARVALHO, Bernardo. Nove Noites. São Paulo: Companhia das Letras, CHIARELLI, Stefania. Vidas em trânsito As ficções de Samuel Rawet e Milton Hatoum. São Paulo: Annablume, DALSCATAGNÉ, Regina. Vivendo a ilusão biográfica. A personagem e o tempo na narrativa brasileira contemporânea. In: Literatura e Sociedade, nº 8. São Paulo: Vida e Consciência, ECO, Umberto. Seis passeios pelo bosque da ficção. Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, GENETTE, Gerard. Discurso da narrativa. 3. ed. Trad. Fernando Cabral Martins. Lisboa: Vega, HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Trad. Tomáz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP &A, 2006.HATOUM, Milton. Dois Irmãos. São Paulo: Companhia das Letras, HATOUM, Milton. Dois Irmãos. São Paulo: Companhia das Letras, LE GOFF, Jacques. Memória*. In: História e Memória. Trad. Bernardo Leitão. 5 ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp,2003. LOPES, Ana Cristina M.; REIS, Carlos. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Ed. Ática, PELLEGRINI, Tânia. Milton Hatoum e o regionalismo revisitado. Disponível em: <http://muse.jhu.edu/journals/luso-brazilian_review/v041/41.1pellegrini01.html>. Acesso em: 08/OUT/2010. QUEIROZ, Carlos Eduardo Japiassú de. A escritura da memória como fundamento identitário do eu. Disponível em: <http://www.abralic.org.br/revista/2008/12/40/download>. Acesso em: 15/JUN/2011. p

8 RIAUDEL, Michel. Quando a ficção se recorda, quando o sentido passa a resistir. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/nec/n84/n84a14.pdf>. Acesso em: 25/JUN/2011.p SARLO, Beatriz. Crítica do testemunho: sujeito e experiência. In: Tempo passado: cultura da memória e guisada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR Letícia Tadra do Carmo 105 Universidade

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Resgatando a memória do lugar e sua importância para a recuperação da interação entre jovens e idosos Rosilene Silva de Oliveira 1. Justificativa Os atores

Leia mais

A HISTÓRIA QUE SE TEM E A HISTÓRIA QUE SE QUER: SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE O LIVRO "TERRA VERMELHA" EM SALA DE AULA

A HISTÓRIA QUE SE TEM E A HISTÓRIA QUE SE QUER: SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE O LIVRO TERRA VERMELHA EM SALA DE AULA 121 A HISTÓRIA QUE SE TEM E A HISTÓRIA QUE SE QUER: SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE O LIVRO "TERRA VERMELHA" EM SALA DE AULA Aline Apolinário Furtunato - linefurtunato@hotmail.com Cinthia Torres Aranha - cta.cinthia.torres@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA IHG109 - METODOLOGIA DA PESQUISA EM GEOGRAFIA COMO ELABORAR SEU PROJETO DE PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA IHG109 - METODOLOGIA DA PESQUISA EM GEOGRAFIA COMO ELABORAR SEU PROJETO DE PESQUISA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA IHG109 - METODOLOGIA DA PESQUISA EM GEOGRAFIA COMO ELABORAR SEU PROJETO DE PESQUISA Professor: Msc. Rogério R. Marinho 2015 COMO ELABORAR SEU

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel Mendel, o pai da genética - Parte I Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel 5 minutos para cada áudio. Avaliar se o

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA José Fernando Fernandes Pereira Universidade Cruzeiro do Sul jnandopereira@gmail.com Resumo: O presente texto

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014 1 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Dom Pedrito 2014 2 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Trabalho cujo objetivo passar conhecimento básico e avançado na Disciplina

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO.

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 A Direção da revista PERSPECTIVAS SOCIAIS, do PPGS/UFPEL, torna público a CHAMADA DE TRABALHOS ACADÊMICOS, para a edição 1/2015,

Leia mais

Experiencia aprobada especialmente por el Comité de Selección de OMEP para su publicación electrónica:

Experiencia aprobada especialmente por el Comité de Selección de OMEP para su publicación electrónica: Experiencia aprobada especialmente por el Comité de Selección de OMEP para su publicación electrónica: Construcción de un proyecto educativo en el Museo de Arte: pensando la mediación cultural para la

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Depoimentos de Intercambistas Brasileiros 2 Carolina Castro foi aos Estados Unidos em 2011 Programa Longa Duração O ano

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Ricardo Carvalho de Figueiredo Universidade Federal de Minas Gerais Professor Assistente Doutorando em Artes EBA/UFMG

Leia mais

O PSICODIAGNÓSTICO E SUA IMPORTÂNCIA NA INICIAÇÃO CLÍNICA DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA

O PSICODIAGNÓSTICO E SUA IMPORTÂNCIA NA INICIAÇÃO CLÍNICA DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA O PSICODIAGNÓSTICO E SUA IMPORTÂNCIA NA INICIAÇÃO CLÍNICA DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA 2015 Ananda Vieira Moraes Graduanda do curso de Psicologia da Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE). Bolsista de

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

MÁSCARAS E IMPOSTURAS EM O SOL SE PÕE EM SÃO PAULO 1. Eline Marques dos Santos (UFS) 2

MÁSCARAS E IMPOSTURAS EM O SOL SE PÕE EM SÃO PAULO 1. Eline Marques dos Santos (UFS) 2 MÁSCARAS E IMPOSTURAS EM O SOL SE PÕE EM SÃO PAULO 1 Eline Marques dos Santos (UFS) 2 Introdução O romance O sol se põe em São Paulo, de Bernardo Carvalho, é construído por personagens que passam pelo

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Juventude e Relações Humanas

Juventude e Relações Humanas SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

A Identidade do Anjo 1. Raquel MÜTZENBERG 2 Isadora SPADONI 3 Mariana MARIMON 4 Marluce SCALOPPE 5 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT

A Identidade do Anjo 1. Raquel MÜTZENBERG 2 Isadora SPADONI 3 Mariana MARIMON 4 Marluce SCALOPPE 5 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT A Identidade do Anjo 1 Raquel MÜTZENBERG 2 Isadora SPADONI 3 Mariana MARIMON 4 Marluce SCALOPPE 5 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT RESUMO Documentário expositivo de 10 minutos que aborda

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA Suele França Costa, Nara Rubia Martins, Carlos Eduardo de Quadro, Juliana Eliza Viana, Douglas Almeida Silva, Rafael de Paula

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 7 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda? Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE?

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - POLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL PROFESSORA MORGANA BOZZA ALUNAS DA TURMA 71 DA ESCOLA

Leia mais

ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL

ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL Resumo Bruno da Silva Piva Picon 1 - UFPR Sérgio Camargo 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Formação de Professores e

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

CONSTRUINDO E ORGANIZANDO O ÁLBUM DE FAMÍLIA

CONSTRUINDO E ORGANIZANDO O ÁLBUM DE FAMÍLIA CONSTRUINDO E ORGANIZANDO O ÁLBUM DE FAMÍLIA Luciana Fávero UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução "Construir e organizar um álbum de fotografia para meus avós maternos, a fim de que o registro

Leia mais

MATERIALIDADES DA LITERATURA. Osvaldo Manuel Silvestre

MATERIALIDADES DA LITERATURA. Osvaldo Manuel Silvestre MINICURSO MATERIALIDADES DA LITERATURA Osvaldo Manuel Silvestre (Universidade de Coimbra, Portugal) Promoção Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária Pró-Reitoria de Pesquisa/ FAEPEX Minicurso

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal CONCLUSÃO Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal afirmarmos que todos os objetivos da pesquisa foram atingidos. Mesmo porque o campo mostrou-se muito mais amplo e

Leia mais

MONOGRAFIA : COMO FAZER

MONOGRAFIA : COMO FAZER Alguns sites que tratam sobre monografias http://www.admbrasil.com.br/abnt.htm http://planeta.terra.com.br/servicos/monografiaabnt/ http://www.sinescontabil.com.br/trabs_profissionais/fazendo_uma_monografia.htm

Leia mais

A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless.

A aproximação intercultural entre os romances de formação Doidinho e Die Verwirrung des Zöglings Törless. Cristiane Maria Bindewald Universidade Federal do Paraná A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless. Este trabalho é resultado do nosso

Leia mais

LER a partir dos 8 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL. O livro qu e. só queria. ser lido JOSÉ JORGE LETRIA. Ilustrações de Daniel Silva

LER a partir dos 8 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL. O livro qu e. só queria. ser lido JOSÉ JORGE LETRIA. Ilustrações de Daniel Silva LER a partir dos 8 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro qu e só queria ser lido JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Daniel Silva Apresentação da obra Esta é a história de um livro triste. Triste

Leia mais

A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira

A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira Quando falávamos em projetos nas cadeiras teóricas da faculdade não conseguia

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Mercedes Bêtta Quintano de Carvalho Pereira dos Santos ( Centro Universitário São Camilo) GT 02 Formação de Professores As alunas

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais