Sérgio Simka ORTOGRAFIA NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sérgio Simka ORTOGRAFIA NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS"

Transcrição

1 Sérgio Simka ORTOGRAFIA NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS

2

3 Introdução

4

5 Introdução V Mais do que um livro voltado à gramática da língua portuguesa, este vem com a vontade de tornar o ensino de nosso idioma mais prazeroso, menos maçante, menos cansativo, mais atrativo. Daí a maneira não tradicional, mais despojada, de passar o conteúdo. Trata-se de uma tentativa de alterar o rumo de nosso ensino de língua, a começar por apresentar novas maneiras de ver velhos conteúdos. Este dá continuidade a seus precedentes: Português, Crase e, dentro da coleção Não é um Bicho-de- -sete-cabeças, editada pela Ciência Moderna, a partir de Todos têm vale a repetição o objetivo de apresentar o universo de nossa língua de modo que as pessoas vejam o idioma com outro olhar, cheio de encantamento, com um brilho de gosto, cancelando suas ideias anteriores, cheias de desgosto. O conteúdo aqui abordado foi testado em oficinas, por isso possui um caráter prático. A preocupação que alicerça a metodologia consiste em que os conteúdos gramaticais devem contribuir para a ascensão linguística da pessoa, ou seja, que esses conteúdos não permaneçam na superficialidade, na teoria, mas sejam usados no dia a dia, tanto na escrita, quanto na fala, proporcionando-lhe, consequentemete, uma mudança em sua convicção de que a língua portuguesa é complicada. Assim, quando a pessoa, por exemplo, pedir, numa situação específica de comunicação (num restaurante), um chope em vez do consagrado um chopps, estará praticando a língua em sua modalidade-padrão, o que não a assustará, porque a maneira de expressar-se faz parte de seu eu linguístico, de sua personalidade de linguagem.

6 VI Ortografia não é um Bicho-de-sete-cabeças Tal justificativa pode parecer de um simplismo arrasador, convenhamos, mas, pelo menos, estamos enfrentando o monstro do encino de português que tive, concerteza, foi péssimo. Simples assim. Mas, como o leitor vai poder ver, todo o livro traduz-se numa ampla justificativa para o conjunto do uso das palavras. Trata-se, enfim, de uma leitura deste autor com relação ao ensino de ortografia, que submeto ao leitor (e aos colegas professores) com o intuito de promover um ensino de português que desperte no ser humano o seu potencial linguístico, motivando-o a ser bem- -sucedido em sua própria língua. Muita luz! Prof. Sérgio Simka

7 Sumário

8

9 Sumário IX 1 - Porque a ortografia faz, sim, toda a diferença Ditado ortográfico Dissertação de mestrado Abaixo-assinado Texto literário Notícia Anúncio publicitário Carta Fôlder Diário Poema Emprego dos porquês Exercícios para o lar Jogo ortográfico... 71

10

11 1 Porque a ortografia faz, sim, toda a diferença

12

13 Porque a ortografia faz, sim, toda a diferença 3 Muitos poderão dizer que se trata de preciosismo deste autor preocupar-se com a maneira como as palavras são grafadas, quando existem problemas mais graves, como o mau uso do acento grave, que muitos acham que é crase, a exigir dos professores maior atenção. Pode até ser, mas, mesmo quando o professor trabalha o texto em sala de aula, este se inicia pela palavra. Imagine um texto sobre corrupção cujo título seja: Corrupção nascional. Não há erro de digitação: o infeliz candidato a um curso de direito atribuiu à sua redação esse título sobrenatural. Fico imaginando se o indivíduo não costuma grafar piscina deste jeito: picina. Em julho de 2010 ministrei na Casa da Palavra, um espaço cultural da Prefeitura de Santo André-SP, uma oficina de escrita e gramática à qual concorreram umas 70 pessoas interessadas nos segredos de como escrever um bom texto. E, óbvio, comecei o primeiro módulo discutindo as impropriedades que o redator pode cometer caso seu conhecimento gramatical seja tão robusto quanto o seu pagamento no final do mês. No final de duas horas, dentre outras situações de comunicação que me permitiram abordar mais de 80 erros quanto à ortografia, ainda me dei ao luxo de declamar um poema à minha mulher, que participava da oficina: Ó musa, ó pomo do amor, eu cobrir-lhe-ei de diademas e aplicar-lhe-ei um ósculo mádido diante do venusto pélago, caso fores morar comigo em Diadema. Lógico que, por ser a minha mulher, ela não me olhou como se eu tivesse me transformado num E.T. ou numa coisa repugnante, tipo professor de português que perdera completamente a gramática de sua vida.

14 4 Ortografia não é um Bicho-de-sete-cabeças Traduzindo o poeminha numa linguagem menos alienígena, até que a declaração de amor ficou uma graça. Se o pessoal da oficina se emocionou? Bem, confesso que vi o pessoal indo embora com lágrimas nos olhos. Por que é que está olhando para estas linhas com esses olhos abertos? As próximas páginas vão apresentar, de forma prática, regras importantes para quem precisa empregar competentemente a variedade-padrão da língua portuguesa na produção de textos mais formais (textos escolares, acadêmicos, institucionais), ampliando no leitor sua competência comunicativa. Pois o texto precisamos insistir, qualquer que seja sua modalidade ou gênero, principia pela palavra. E uma palavra escrita errada, ou usada em sentido oposto ao que o redator havia pensado, pode trazer prejuízos incalculáveis à comunicação. Então, não demore um minuto sequer para ficar conhecendo os 80 erros e evitá-los na comunicação. E, também, conhecer a tradução do poeminha romântico.

Normas Gramaticais da Língua Portuguesa AULA 1. Temas: Tipos de Textos Níveis de Linguagens

Normas Gramaticais da Língua Portuguesa AULA 1. Temas: Tipos de Textos Níveis de Linguagens Normas Gramaticais da Língua Portuguesa AULA 1 Temas: Tipos de Textos Níveis de Linguagens Como você deve recordar, iniciamos o módulo de Redação Oficial comentando sobre o que é o texto, isto é, uma unidade,

Leia mais

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios.

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios. 2ª Língua Portuguesa 5º Ano E.F. Objeto de Estudo Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: norma-padrão e variedades linguísticas. Usos

Leia mais

VITOR HUGO BITTENCOURT DA SILVA PROJETO SOCIAL: REFORÇO ESCOLAR DE LÍNGUA PORTUGUESA RESPONSABILIDADE SOCIAL

VITOR HUGO BITTENCOURT DA SILVA PROJETO SOCIAL: REFORÇO ESCOLAR DE LÍNGUA PORTUGUESA RESPONSABILIDADE SOCIAL VITOR HUGO BITTENCOURT DA SILVA PROJETO SOCIAL: REFORÇO ESCOLAR DE LÍNGUA PORTUGUESA RESPONSABILIDADE SOCIAL Porto Alegre 2013 VITOR HUGO BITTENCOPURT DA SILVA PROJETO SOCIAL: REFORÇO ESCOLAR DE LÍNGUA

Leia mais

UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 5- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 5- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 5- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 Nivel 5 No português 5, continuará a realizar o trabalho iniciado no

Leia mais

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores.

META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. ATIVIDADES PERMANENTES COM GÊNEROS TEXTUAIS Aula 8 META Apresentar rotinas de trabalho que promovam a familiaridade dos alunos com os diversos comportamentos leitores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre O que é gênero? São as características peculiares a cada tipo de texto ou fala, ou seja, a maneira como

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL PORTUGUÊS O trecho a seguir faz parte de uma matéria sobre erros de português cometidos inclusive por jornalistas e foi extraído da revista Imprensa, ano III, n. 34 (In. MESQUITA, Roberto Melo. Gramática.

Leia mais

Programa de Português 2º Ano

Programa de Português 2º Ano Programa de Português 2º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

PROGRAMA DE NIVELAMENTO

PROGRAMA DE NIVELAMENTO PROGRAMA DE NIVELAMENTO Teófilo Otoni-MG PROGRAMA DE NIVELAMENTO 01. Justificativa Em razão das dificuldades apresentadas pelos alunos ingressantes na graduação, decorrentes de deficiências no Ensino Fundamental

Leia mais

MARATONA BANCO DO BRASIL ELIAS SANTANA GRAMÁTICA

MARATONA BANCO DO BRASIL ELIAS SANTANA GRAMÁTICA MARATONA BANCO DO BRASIL ELIAS SANTANA GRAMÁTICA Os alunos, em uma aula de Português, receberam como tarefa passar a frase abaixo para o plural e para o passado (pretérito perfeito e imperfeito), levando-se

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE ITU EE PROF. ANTONIO BERRETA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE ITU EE PROF. ANTONIO BERRETA LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Boas Práticas Como tornar as aulas atraentes e cativar a atenção dos alunos? Isso não é tarefa fácil para os professores, ainda mais hoje em dia, com o avanço das

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE PROPOSTA DE CONCURSO: SOLETRANDO

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE PROPOSTA DE CONCURSO: SOLETRANDO INSTITUTO Programa de Desenvolvimento BRASIL da Educação SOLIDÁRIO - PDE PROPOSTA DE CONCURSO: SOLETRANDO Ler e escrever, não são capacidades natas. Precisam ser realizadas em situações reais, onde se

Leia mais

Marketing Relacional Com s

Marketing Relacional Com  s Marketing Relacional Com Emails Olá, aqui é o Elpídio Viana do Sequencia Insider, um treinamento onde eu ensino a gerar mais vendas, autoridade e reconhecimento com uma sequencia de e- mail informativa.

Leia mais

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado

Um Mundo de Letras. Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores. Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado Um Mundo de Letras Nível de Ensino/Faixa Etária: Formação de Professores Áreas Conexas: Português (Alfabetização) Consultor: Angelita Machado RESUMO Este vídeo apresenta 5 episódios: Um mundo imerso em

Leia mais

COLÉGIO ADVENTISTA DE ALTAMIRA Ementa de Curso para Portfólio

COLÉGIO ADVENTISTA DE ALTAMIRA Ementa de Curso para Portfólio DISCIPLINA:. Língua Portuguesa SÉRIE/ TURMA:. 9º ano A/B BIMESTRE: 4º 1 e 2 - Texto Perder, ganhar, viver. Pag.( 230, 231 e 232) Leitura do texto; discussão; atividade escrita. Pag. ( 232 e 233) - Atividade

Leia mais

Estudar na Espanha: passo-a-passo

Estudar na Espanha: passo-a-passo Estudar na Espanha: passo-a-passo Vir estudar na Espanha, especialmente para fazer cursos universitários, significa enfrentar uma grande burocracia. As universidades costumam exigir muitos documentos e

Leia mais

Crase Preposição a + artigo feminino a

Crase Preposição a + artigo feminino a CRASE Crase Preposição a + artigo feminino a Vamos à piscina Quem vai, sempre vai a algum lugar. Piscina é um substantivo feminino antecedido do artigo do mesmo gênero. Portanto, neste caso constitui-se

Leia mais

DISCIPLINA 01 EXPRESSÃO ESCRITA TOTAL 20

DISCIPLINA 01 EXPRESSÃO ESCRITA TOTAL 20 DISCIPLINA 01 EXPRESSÃO ESCRITA - 2014 UNIDADES DIDÁTICAS HORAS PÁGINA I. A SELEÇÃO VOCABULAR: CRITÉRIOS E APLICAÇÕES II. GRAMÁTICA DE TEXTO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 10 10-03 05 06 TOTAL 20 Plano de Disciplinas

Leia mais

Atividades de ortografia para imprimir

Atividades de ortografia para imprimir Atividades de ortografia para imprimir Atividades de português com ortografia para imprimir, com as seguintes letras do alfabeto: G e J, P e B, Ch e X, Lh, SS e Sc, entre outros exercícios do tipo: Vamos

Leia mais

Como Apresentar um Seminário. Roland Cunha Montenegro

Como Apresentar um Seminário. Roland Cunha Montenegro Como Apresentar um Seminário Roland Cunha Montenegro 2 Tópicos Motivação O que é uma apresentação? Audiência Organização Layout Postura Cuidados Especiais 3 Motivação Repasse de experiência Apontar erros

Leia mais

Uso de Metáforas em Poesia e Canção

Uso de Metáforas em Poesia e Canção Uso de Metáforas em Poesia e Canção Ângela Gonçalves Trevisol Tamara dos Santos A partir de observações em sala de aula para a disciplina de Seminário para o ensino de literatura brasileira percebemos

Leia mais

Chama-se revisão de texto o conjunto de procedimentos por meio dos quais um texto é trabalhado até o ponto

Chama-se revisão de texto o conjunto de procedimentos por meio dos quais um texto é trabalhado até o ponto Chama-se revisão de texto o conjunto de procedimentos por meio dos quais um texto é trabalhado até o ponto em que se decide que está, para o momento, suficientemente bem escrito. PCNs, 1997:80 Constitui-se

Leia mais

CONQUISTE UM BOM EMPREGO

CONQUISTE UM BOM EMPREGO CONQUISTE UM BOM EMPREGO ÍNDICE CAPÍTULO 1 CURRÍCULO... 9 FUNÇÕES DO CURRÍCULO... 10 CAPÍTULO 2 ETAPAS DO CURRÍCULO... 23 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO... 27 OBJETIVOS... 32 FORMAÇÃO ACADÊMICA... 33 IDIOMAS...

Leia mais

PLANO DE AULAS. P3) Montagem de painel criativo com o tema educação ambiental e ocupação urbana. Valor 10 pontos.

PLANO DE AULAS. P3) Montagem de painel criativo com o tema educação ambiental e ocupação urbana. Valor 10 pontos. PLANO DE AULAS 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Matemática Componente Curricular/Disciplina: Leitura, Interpretação e Produção de Textos Carga Horária Total: 63,3h - Aulas semanais: 4 Professor(es)

Leia mais

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto MÍDIAS NA ESCOLA Continuando nossos estudos... Agosto - 2015 PARA RECORDAR! LEITURA: UM ENFOQUE ALÉM DO TEXTO QUAL O GÊNERO? QUAL O SUPORTE? QUEM ESCREVEU? QUANDO ESCREVEU? PARA QUEM ESCREVEU? PARA QUE

Leia mais

Português. Vozes Verbais. Professor Carlos Zambeli.

Português. Vozes Verbais. Professor Carlos Zambeli. Português Vozes Verbais Professor Carlos Zambeli www.acasadoconcurseiro.com.br Português VOZES VERBAIS Voz é a forma assumida pelo verbo para indicar a relação entre ele e seu sujeito. Escrevi uma redação!

Leia mais

COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS NA ESCOLA Vicente Martins

COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS NA ESCOLA Vicente Martins COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS NA ESCOLA Vicente Martins vicente.martins@uol.com.br No presente artigo, oferecemos uma proposta de quatro oficinas ou encontros pedagógicos para a melhoria do Ensino

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA MATÉRIA: Português PROFESSORAS: Débora Campos e Flávia Moreira ANO: 8º - Ensino Fundamental O HOMEM, CONSIDERADO NA SUA ESSÊNCIA E NAS SUAS RELAÇÕES, É O ENIGMA DE MAIS DIFÍCIL

Leia mais

ESTUDO DE CASO PARA O TRE-RJ

ESTUDO DE CASO PARA O TRE-RJ Aula Demonstrativa Estudo de Caso para o TRE-RJ (AJA) (com correção individual + dicas em vídeo) Professores: o Marco Antônio e o Júnia Andrade www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa

Leia mais

O TRABALHO COM A ORALIDADE: CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II A RESPEITO DA FALA PÚBLICA

O TRABALHO COM A ORALIDADE: CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II A RESPEITO DA FALA PÚBLICA O TRABALHO COM A ORALIDADE: CONCEPÇÕES DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II A RESPEITO DA FALA PÚBLICA Márcia Cristina Pereira dos Santos Universidade Federal de Minas Gerais/Mestrado Profissional em Letras/Faculdade

Leia mais

ÁREA DO CONHECIMENTO: LÍNGUA E LINGUAGEM 4º ANO EF

ÁREA DO CONHECIMENTO: LÍNGUA E LINGUAGEM 4º ANO EF ÁREA DO CONHECIMENTO: LÍNGUA E LINGUAGEM Bingo de nomes (Para começo de conversa) Game LP - Interface 3 - Pág. 18 Circunstâncias/Apresentação pessoal (Para começo de conversa) Animação Interativa LP -

Leia mais

Discursivas do Cespe Um segredinho essencial para quem quer começar bem a discursiva

Discursivas do Cespe Um segredinho essencial para quem quer começar bem a discursiva Discursivas do Cespe Um segredinho essencial para quem quer começar bem a discursiva Profª. Júnia Andrade Olá, amigos! Passada a temporada morna do pós-copa do Mundo, em que tudo neste Brasil parou de

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA. Formadora: Maria Antónia Branca

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA. Formadora: Maria Antónia Branca CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA Formadora: Maria Antónia Branca Luanda, Janeiro de 2017 Este curso, a realizar pelo Centro de Formação e

Leia mais

Um Guia para Elaborar Boas Apresentações. Profº:Ricardo Leal Lozano MSc

Um Guia para Elaborar Boas Apresentações. Profº:Ricardo Leal Lozano MSc Um Guia para Elaborar Boas Apresentações Profº:Ricardo Leal Lozano MSc 1. Introdução OS DEZ ERROS DE UMA APRESENTAÇÃO RUIM 1. Proposta ou objetivo confuso 2. Informações demais 3. Escrever para os olhos

Leia mais

Redação (Aula 01) Profª Dayane Cristine Negri Profº Rafael Semensi Profª Tatiane Matos Vieira 02/03/2.010

Redação (Aula 01) Profª Dayane Cristine Negri Profº Rafael Semensi Profª Tatiane Matos Vieira 02/03/2.010 Redação (Aula 01) 02/03/2.010 Profª Dayane Cristine Negri Profº Rafael Semensi Profª Tatiane Matos Vieira 1 Contato: MSN: rafaelsemensi@hotmail.com e-mail pessoal: rafasemensi@gmail.com Rafael Semensi

Leia mais

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Learning Outcomes Matrix, English Version Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Compilado por: LMETB Título do módulo Perfil pessoal Matriz dos resultados da aprendizagem Nível introdutório

Leia mais

OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: reconhecer situações didáticas que enfatizem (ou não) a funcionalidade do gênero.

OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: reconhecer situações didáticas que enfatizem (ou não) a funcionalidade do gênero. A FUNCIONALIDADE DOS GÊNEROS Aula 3 META Esta aula enfatiza a abordagem funcional que deve predominar nas aulas sobre gêneros. Traz exemplos do cotidiano escolar que suscitam uma discussão sobre a efi

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: LIBRAS Código da Disciplina: NDC139 Curso: Faculdade de Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7 período Faculdade responsável: NDC Programa em vigência a partir

Leia mais

Olhando o Aluno Deficiente na EJA

Olhando o Aluno Deficiente na EJA Olhando o Aluno Deficiente na EJA ConhecendoJoice e Paula Lúcia Maria Santos Tinós ltinos@ffclrp.usp.br Apresentando Joice e Paula Prazer... Eu sou a Joice Eu sou a (...), tenho 18 anos, gosto bastante

Leia mais

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA José Fernandes Vilela (UFMG) Quando se indaga por que ensinar teoria gramatical, está-se, na verdade, indagando para que ensiná-la. Ou seja, estão-se buscando, em linguagem pedagógica,

Leia mais

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º Relativos ao programa dos anos transactos e do ciclo de estudos. A História da Língua Portuguesa: do indo-europeu ao português moderno. alguns processos de transformação. o mundo lusófono O Texto Dramático:

Leia mais

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Linguagem Coloquial e Culta Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Introdução Os critérios que determinam a norma (padrões de uso)de uma língua se estabelecem ao longo do tempo principalmente pela ação da

Leia mais

Os cinco. redigir um texto RENAN GOMES DE LIMA. Docente no Senac/RO

Os cinco. redigir um texto RENAN GOMES DE LIMA. Docente no Senac/RO Os cinco erros mais comuns ao se redigir um texto RENAN GOMES DE LIMA Docente no Senac/RO Todo profissional deve, por meio de sua redação, ser alguém capaz de se fazer entendido, utilizando para isso argumentos

Leia mais

RELAÇÃO DE CURSOS 2017

RELAÇÃO DE CURSOS 2017 RELAÇÃO DE CURSOS 2017 Os nossos cursos temáticos são destinados àqueles que querem estudar a língua inglesa de forma prática e divertida. O estudo de temas como cinema, cultura, culinária e até matemática

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA E DA ESCRITA ATRAVÉS DE GÊNEROS TEXTUAIS Andreia Rezende Garcia Reis* 1

A PRÁTICA DA LEITURA E DA ESCRITA ATRAVÉS DE GÊNEROS TEXTUAIS Andreia Rezende Garcia Reis* 1 A PRÁTICA DA LEITURA E DA ESCRITA ATRAVÉS DE GÊNEROS TEXTUAIS Andreia Rezende Garcia Reis* 1 Resumo: Este texto é um relato de experiência referente à prática de leitura e escrita de textos nas aulas de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PORTUGUÊS

DEPARTAMENTO DE PORTUGUÊS de referência de referência de referência DEPARTAMENTO DE PORTUGUÊS Critérios de Avaliação 2016/2017 Português 2.º ciclo (5º e 6º) Oralidade 20% Leitura e escrita 40% Educação literária 10% Gramática 15%

Leia mais

Portanto ditado pode continuar a fazer parte das ferramentas pedagógicas do professor e da escola do XXI.

Portanto ditado pode continuar a fazer parte das ferramentas pedagógicas do professor e da escola do XXI. 1 O que é o dit2me? O dit2me é uma plataforma web de ditados online, os textos são escritos por professores credenciados, do ensino publico em Portugal, lido na língua original, por voz humana, Mas porque

Leia mais

MATERIAIS PARA PROFESSORES, PAIS E FILHOS

MATERIAIS PARA PROFESSORES, PAIS E FILHOS Nível de competência B2 Oficina de escrita (Adaptada de Materiais para o Novo Programa de Português do Ensino Básico SD3_Ano7_FT03) Vai propor a aquisição de novas obras para a biblioteca escolar. Comece

Leia mais

DÚVIDAS E DIFICULDADES MAIS FREQUENTES NO TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO MODELO ENEM

DÚVIDAS E DIFICULDADES MAIS FREQUENTES NO TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO MODELO ENEM DÚVIDAS E DIFICULDADES MAIS FREQUENTES NO TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO MODELO ENEM LABORATÓRIO DE REDAÇÃO Corretoras: Patrícia Peres Rayane Ferreira Tainá Veras COMPETÊNCIA I SIGNIFICADO DAS COMPETÊNCIAS

Leia mais

senhor texugo e dona raposa a confusão

senhor texugo e dona raposa a confusão projeto pedagógico senhor texugo e dona raposa a confusão Uma História em Quadrinhos Senhor Texugo e Dona Raposa 2. A CONFUSÃO Série Premiada Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA 3º ANO LÍNGUA PORTUGUESA MARCÍLIA. CONTEÚDOS: Leitura e compreensão de textos - Gêneros

PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA 3º ANO LÍNGUA PORTUGUESA MARCÍLIA. CONTEÚDOS: Leitura e compreensão de textos - Gêneros PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA MARCÍLIA 3º ANO LÍNGUA PORTUGUESA Suprime a esperança de chegar e ocultam-se as forças para andar. Santo Agostinho Livros: 1. Português Linguagens 2 William Cereja e Thereza Cochar

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria CETEC - 774, de 24/09/2015 (atualizado 2º semestre/2016) Etec Professora Maria Cristina Medeiros Código: 141 Município:

Leia mais

MINHA VIDA E A REVISTA AO PÉ DA LETRA

MINHA VIDA E A REVISTA AO PÉ DA LETRA MINHA VIDA E A REVISTA AO PÉ DA LETRA Cinthya Torres Melo 1 Universidade Federal de Pernambuco 1. Uma Breve Retrospectiva ao Fim dos Anos 90... Tudo começou em 1998 com uma bolsa de Aperfeiçoamento Científico

Leia mais

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 69 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10 / 09 /2015 Etec Tiquatira Código: Município: São Paulo Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS

Leia mais

TEMAS E INSTRUÇÕES PARA A REDAÇÃO

TEMAS E INSTRUÇÕES PARA A REDAÇÃO TEMAS E INSTRUÇÕES PARA A REDAÇÃO Seguem-se três temas os quais você deverá ler e analisar. Selecione um deles e use o número de seu tema como título para a criação de um texto dissertativo. No final proceda

Leia mais

Capacitação em Informática Educativa Módulo a distância. Plano de Atividades Mitos do Folclore

Capacitação em Informática Educativa Módulo a distância. Plano de Atividades Mitos do Folclore Capacitação em Informática Educativa Módulo a distância Escola Estadual Professor João Mestre Professora: Ana Alice Caovila Pereira Função: Professor para Ensino do Uso da Biblioteca Plano de Atividades

Leia mais

Programa de Português 4º Ano

Programa de Português 4º Ano Programa de Português 4º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola. HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA I EMI 1º ANO. Prof. Andriza

LÍNGUA PORTUGUESA I EMI 1º ANO. Prof. Andriza LÍNGUA PORTUGUESA I EMI 1º ANO Prof. Andriza andriza.becker@luzerna.ifc.edu.br Ementa da disciplina: Revisão da gramática aplicada ao texto oral e escrito: Fonética; regras de acentuação, ortografia (Novo

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PLANO DE ENSINO - 2º SEMESTRE - 2011 Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Sigla: Comex Turno: Vespertino/Noturno Disciplina: Comunicação Empresarial Professor: Vilma Moreira Ferreira Carga

Leia mais

A seguir, confira alguns textos que podem colaborar para sua reflexão:

A seguir, confira alguns textos que podem colaborar para sua reflexão: PAUSA PARA LEITURA CONTEÚDOS Leitura reflexiva: o mercado de trabalho depois da juventude AMPLIANDO SEUS CONHECIMENTOS Para muitas pessoas, com o passar dos anos, conseguir um emprego é um grande desafio.

Leia mais

CARREIRA DE SUCESSO: Por que o inglês para negócios é tão importante?

CARREIRA DE SUCESSO: Por que o inglês para negócios é tão importante? CARREIRA DE SUCESSO: Por que o inglês para negócios é tão importante? O mercado de trabalho está bastante exigente e afunilado: aqueles que querem destacar-se em suas profissões para alcançar melhores

Leia mais

Escola Secundária de Penafiel. Critérios de avaliação de Espanhol Ensino Secundário. Domínio: Cognitivo / Operativo. Testes escritos 60%

Escola Secundária de Penafiel. Critérios de avaliação de Espanhol Ensino Secundário. Domínio: Cognitivo / Operativo. Testes escritos 60% Escola Secundária de Penafiel Critérios de avaliação de Espanhol Ensino Secundário Domínio: Cognitivo / Operativo Testes escritos 60% Avaliação Formativa / Sumativa Compreensão 5% Produção oral 20% 30%

Leia mais

Plano Nacional de Leitura Rede Bibliotecas Escolares Revista Visão Júnior. Conheço um escritor

Plano Nacional de Leitura Rede Bibliotecas Escolares Revista Visão Júnior. Conheço um escritor Plano Nacional de Leitura Rede Bibliotecas Escolares Revista Visão Júnior Gostavas de conhecer pessoalmente os autores dos livros que lês? Queres saber como trabalham? Tens perguntas para lhes fazer? Participa

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Cláudio Luiz Melo da Luz Cíntia Luzana da Rosa Daise da Silveira Manenti

Formação e Gestão em Processos Educativos. Cláudio Luiz Melo da Luz Cíntia Luzana da Rosa Daise da Silveira Manenti 1 O USO DO LIVRO DIDÁTICO DO PNLD DO ENSINO MÉDIO: UM ESTUDO DAS PRÁTICAS DOCENTES PARA A FORMAÇÃO DOS ALUNOS CONSIDERANDO A RELAÇÃO ENTRE CONTEÚDOS GRAMATICAIS E POESIA Formação e Gestão em Processos

Leia mais

REGULAMENTO DE NIVELAMENTO

REGULAMENTO DE NIVELAMENTO MANTIDA PELA INSTITUIÇÃO PAULISTA DE ENSINO E CULTURA - IPEC REGULAMENTO DE NIVELAMENTO 1 1. Introdução No Brasil, os alunos ingressantes no ensino superior apresentam muitas dificuldades em acompanhar

Leia mais

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas.

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas. Resolução Unesp-41, de 12-7-2007 Publicada no D.O.E. de 13/07/2007 - Seção I pag 53 (Alterada pela Resolução UNESP 20 de 31-3-2009 Publicada no D.O.E. de 01/04/2009, Seção I, página 42 e Resolução UNESP

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 3 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

COLÉGIO KENNEDY REDE PITÁGORAS Colégio Kennedy, 51 anos, educando e inovando sempre.

COLÉGIO KENNEDY REDE PITÁGORAS Colégio Kennedy, 51 anos, educando e inovando sempre. COLÉGIO KENNEDY REDE PITÁGORAS Colégio Kennedy, 51 anos, educando e inovando sempre. PLANO DE ESTUDO DE PORTUGUÊS 3ª ETAPA 4º ANO EFI PROFESSORA : FLÁVIA LETÍCIA ALUNO(A): 1) Leias as frases a seguir.

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Eventos FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM, FALA, ESCRITA E LEITURA ARGUMENTAÇÃO

FUNÇÕES DA LINGUAGEM, FALA, ESCRITA E LEITURA ARGUMENTAÇÃO AULA 1 e 2 FUNÇÕES DA LINGUAGEM, FALA, ESCRITA E LEITURA ARGUMENTAÇÃO Profa. Dra. Vera Vasilévski Comunicação Oral e Escrita UTFPR/Santa Helena A linguagem (oral e escrita) é um sistema de comunicação

Leia mais

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Análise Estética (formal) Análise Estilística (figuras de linguagem) Análise Gramatical (morfossintática) Análise Semântica (de significado) Análise

Leia mais

Processo Seletivo FAETEC RESPOSTAS DOS RECURSOS DA REDAÇÃO

Processo Seletivo FAETEC RESPOSTAS DOS RECURSOS DA REDAÇÃO RESPOSTAS DOS RECURSOS DA REDAÇÃO Inscrição 1633900 O requerente perdeu 3,5 pontos na redação pelos seguintes motivos: Os parágrafos foram longos, a leitura ficou cansativa, poderia ter fracionado mais

Leia mais

O DIVERTIDO PRAZER DE LER

O DIVERTIDO PRAZER DE LER O DIVERTIDO PRAZER DE LER Para aprofundar nossos conhecimentos acadêmicos e aperfeiçoamento profissional, desenvolver competência, habilidades de leitura formamos leitores críticos e capacitados para lutar

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E TECNOLOGIAS: LÍNGUA PORTUGUESA 1ª SÉRIE

LINGUAGENS, CÓDIGOS E TECNOLOGIAS: LÍNGUA PORTUGUESA 1ª SÉRIE LINGUAGENS, CÓDIGOS E TECNOLOGIAS: LÍNGUA PORTUGUESA 1ª SÉRIE Série Área de Conhecimento 1-LÍNGUA PORTUGUESA 1ª SÉRIE Linguagens e códigos e suas tecnologias Carga Horária Anual DIURNO: 147h 160 aulas

Leia mais

Anexo 2.2- Entrevista G1.2

Anexo 2.2- Entrevista G1.2 Entrevistado: E1.2 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 53 anos Masculino Cabo-Verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: 4ª classe Imigrações prévias : -- Língua materna: Outras línguas: Agregado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA EDU236 Fundamentos da Educação: Sociologia - 30 36 2 0 3º EDU237 Fundamentos da Educação: Filosofia - 30 36 2 0 3º LET812 Estudos de Leitura - 60 72 2 2 3º LET872 Teoria

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A LINGUAGEM

REFLEXÕES SOBRE A LINGUAGEM REFLEXÕES SOBRE A LINGUAGEM Olá, «Agora vamos assistir a uma Apresentação para fazermos algumas Reflexões sobre a Linguagem. Ao final desta unidade espera-se que você possa entender alguns aspectos que

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº042-PROEC/UNICENTRO, DE 28 DE MAIO DE 2013. Altera o 2º, do art. 1º, e os anexos I e II da Resolução nº133-proec/unicentro, de 26 de outubro de 2012 e aprova o Relatório Final. A PRÓ-REITORA

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS - FISE TEMPO DE TRABALHO

CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS - FISE TEMPO DE TRABALHO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS - FISE Total de vagas Anuais: 100 vagas anuais Carga Horária Total do Curso: 4.240 horas-aula Integralização do Curso: Mínimo 08 semestres Turno: Noturno Portaria de Reconhecimento

Leia mais

Puxa Conversa. Guia do Marido Bom de Papo. Programa AMOR DE MARIDO

Puxa Conversa. Guia do Marido Bom de Papo. Programa AMOR DE MARIDO Puxa Conversa Guia do Marido Bom de Papo Programa AMOR DE MARIDO Olá amigo, é comum ouvir de nossas mulheres que nós, maridos, não gostamos muito de termos conversas íntimas com elas, de saber como foi

Leia mais

Programação da 2ª Etapa 8º Ano do Ensino Fundamental Débora e Rafaella

Programação da 2ª Etapa 8º Ano do Ensino Fundamental Débora e Rafaella Programação da 2ª Etapa 8º Ano do Ensino Fundamental Débora e Rafaella Língua Portuguesa QUAL DEVE SER NOSSO ANSEIO TODO DIA? PLANEJAR SEMPRE O MELHOR, MAS SEM NUNCA CANSAR DE PLANEJÁ- LO. Sto. Agostinho

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO AFAC PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO INGLÊS 1º E 2º ANO 1º ANO MÓDULO 1 O MUNDO PESSOAL E QUOTIDIANO

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO AFAC PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO INGLÊS 1º E 2º ANO 1º ANO MÓDULO 1 O MUNDO PESSOAL E QUOTIDIANO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO AFAC PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO INGLÊS 1º E 2º ANO 1º ANO MÓDULO 1 O MUNDO PESSOAL E QUOTIDIANO ANO LECTIVO DE 2011/2012 Objectivos Domínios lexicais

Leia mais

O planejamento de artigos científicos

O planejamento de artigos científicos O planejamento de artigos científicos Prof.ª Ana Maria Torres Alvarez Universidade Federal de Ouro Preto Julho de 2009 Iniciando a conversa Quem tem facilidade para escrever trabalhos científicos? Quem

Leia mais

Candidatos surdos comemoram tema da redação do Enem e novo recurso da videoprova

Candidatos surdos comemoram tema da redação do Enem e novo recurso da videoprova O tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, que tratou dos desafios para a formação educacional de surdos no Brasil, surpreendeu muitos professores e candidatos por abordar uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ TÓPICOS EM GRAMÁTICA NORMATIVA PROFESSORA: CLAUDETE LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ TÓPICOS EM GRAMÁTICA NORMATIVA PROFESSORA: CLAUDETE LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ TÓPICOS EM GRAMÁTICA NORMATIVA PROFESSORA: CLAUDETE LIMA Sequência Didática Tema: Estudo dos artigos. Delimitação do tema: O uso do artigo definido e indefinido na língua

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. ISIDORO DE SOUSA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESPANHOL. Domínios

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. ISIDORO DE SOUSA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESPANHOL. Domínios Ano letivo 2012/2013 3º- ciclo 1 2 3 Domínios Afetivo Cognitivo Tem uma atitude negativa em relação à aprendizagem; Mostra-se desatento: não abre o livro, não copia apontamentos; Não faz, habitualmente,

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Materna: uma entrevista com Luiz Carlos Travaglia. ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. LINGUÍSTICA APLICADA AO

Leia mais

Introdução à Direção de Arte

Introdução à Direção de Arte Introdução à Direção de Arte A Tarefa do Publicitário O objetivo final de toda propaganda é vender mercadoria, mas para consegui-lo, o publicitário precisa vencer alguns obstáculos. A Tarefa do Publicitário

Leia mais

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e MORFOSSINTAXE Quando analisamos a que classe gramatical pertencem as palavras de determinada frase, estamos realizando sua análise morfológica. A morfologia é a parte da gramática que estuda a classificação,

Leia mais

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS 1 ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS Resumo Karina Ávila Pereira Universidade Federal de Pelotas Este artigo refere se a um recorte de uma tese de Doutorado em Educação

Leia mais

Unidade 1 O que é o Celpe-Bras?

Unidade 1 O que é o Celpe-Bras? Unidade 1 O que é o Celpe-Bras? UNIDADE 1 1. O que é o Celpe-Bras? O Celpe-Bras é o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros desenvolvido e outorgado pelo Ministério da Educação

Leia mais

Concurso Literário Para escrever e gostar é só começar!

Concurso Literário Para escrever e gostar é só começar! Concurso Literário Para escrever e gostar é só começar! O segundo Concurso Literário Para escrever e gostar é só começar do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, Campus Caxias do Sul, promovido

Leia mais

Olá! 32 SEMANAS DE ESTUDO 20 MÓDULOS POR SEMANA 768 HORAS DE ESTUDO. Como montamos o seu Plano de Estudos: Resumo do Plano de Estudos: Matérias:

Olá! 32 SEMANAS DE ESTUDO 20 MÓDULOS POR SEMANA 768 HORAS DE ESTUDO. Como montamos o seu Plano de Estudos: Resumo do Plano de Estudos: Matérias: Olá! Há diversas maneiras de estudar. Cada estudante tem suas preferências: no quarto ou na cozinha; com música ou em silêncio; escrevendo ou só ouvindo. A prática de estudo de cada um tem a ver com as

Leia mais

INSTITUIÇÕES ATENDIDAS - VESTIBULARES VUNESP

INSTITUIÇÕES ATENDIDAS - VESTIBULARES VUNESP Unesp - Redação INSTITUIÇÕES ATENDIDAS - VESTIBULARES VUNESP Centro Universitário de Várzea Grande, Centro Universitário de Votuporanga, Centro Universitário São Camilo, Centro Universitário Senac, Colégio

Leia mais