Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização"

Transcrição

1 Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização

2 Objetivo Analisar a importância da função produção e operações nas organizações e sua hierarquia identificando as decisões que envolvem a gestão dos recursos a serem transformados e dos recursos transformadores (pessoal, equipamentos, materiais e consumidores). Administração da produção e operações - presente em qualquer organização Segundo Slack (1999), a administração da produção trata da maneira pela qual as organizações produzem bens e serviços. Tudo o que vestimos, comemos, consumimos, lemos, entre outros, chega a nós graças aos gerentes de produção que organizam sua produção. Embora nem sempre as pessoas que supervisionam a produção são chamadas gerentes de produção, na verdade elas realmente o são. É o caso, por exemplo, dos gerentes de operações, gerentes administrativos ou supervisores acadêmicos, responsáveis pela gestão das atividades de produção em um banco, empresa aérea ou universidade que são empresas voltadas a serviços e não necessariamente à produção de bens. Qualquer operação produz bens ou serviços, ou um misto dos dois, e faz isso por um processo de transformação. Transformação é o uso de recursos (inputs) para mudar o estado ou condição de algo (transformação) para produzir bens ou serviços (outputs). Por exemplo, os hospitais possuem inputs de médicos, enfermeiros e outros funcionários da área médica, administradores, funcionários de limpeza, camas, equipamento médico, produtos farmacêuticos, sangue, rouparia etc. Seu propósito é transformar pacientes doentes 2

3 em pacientes saudáveis. Os outputs da operação são pacientes tratados, resultados de exames médicos, pesquisa médica e procedimentos médicos práticos. Levando-se em conta essa argumentação do autor, pode-se dizer que toda e qualquer organização produz algo transformando os diversos tipos de recursos (ou insumos) utilizados em bens ou serviços. Entretanto, há diferenças entre operações diferentes. Se ficarmos bem afastados, digamos do prédio de um hospital ou de uma fábrica de automóveis, eles podem parecer os mesmos. É provável que cada um deles seja um grande edifício em que entram funcionários e ocorrem entregas. Entretanto, basta aproximarmo-nos dessas duas operações para observar o surgimento de diferenças claras. De início, um dos edifícios abriga operações da manufatura, produzindo bens físicos, e o outro envolve operação de serviço que produz mudanças nas condições fisiológicas, nos sentimentos e no comportamento dos pacientes. A natureza dos processos contidos em cada edifício também será diferente. A fabrica de automóveis contém corte e conformação de metais e processos de montagem, enquanto o hospital contém diagnóstico, processos assistenciais e terapêuticos conjuntos separados de instalações (máquinas, prédios etc.) que empregam tecnologias de processos muito diferentes. Todavia, talvez a diferença mais importante entre as duas operações seja a natureza de seus inputs. Ambas possuem funcionários e instalações com inputs de produção, mas agem sobre coisas diferentes. A fábrica de automóveis usa os funcionários e instalações para transformar aço, plástico, tecido, pneus e outros materiais em veículos que, finalmente, são entregues aos consumidores. Por outro lado, os funcionários e a tecnologia de um hospital transformam os próprios consumidores. Os pacientes são parte do input de produção são eles que serão processados. Isso tem implicações sobre como a produção precisa ser administrada. 3

4 A tabela 1 mostra que é possível descrever uma ampla variedade de operações levando em conta as especificidades de seus inputs e outputs. Tabela 1 Operações descritas em termos dos processos de input-transformação-output Extraído de Slack (1999:25) 4

5 Produção na organização função central A função produção é central para a organização porque produz os bens e serviços que a são a razão de sua existência, mas não é a única nem, necessariamente, a mais importante. Existem outras funções com suas responsabilidades específicas. Na prática, diferentes organizações adotarão estruturas organizacionais e definirão funções também diferentes. A idéia aqui, segundo Slack (1999), é mostrar que a função produção como uma das funções principais da organização. Entendemos como função principal aquela diretamente relacionada ao produto final da organização, ou seja, está associada tanto à competência essencial (o que a organização sabe fazer sua vocação) como ao negócio essencial (o que a organização faz utilizando sua competência - tipo de produto ou e serviço que produz ou presta). Entendemos como função de apoio aquela não menos importante que a principal, mas que está diretamente associada ao suporte e apoio a ela. Para Slack (1999), dentre as funções principais estão a função marketing; a função desenvolvimento de produto/ serviços; a função produção; a função comercial ou vendas, entre outras. E dentre as funções de apoio estão a função recursos humanos, a função compras, a função engenharia / suporte técnico, entre outras. Tomando por base a competência essencial e o negócio essencial de um hipermercado, por exemplo, a função compras caracteriza-se como uma função principal e não de apoio. 5

6 Ou seja, entendendo os conceitos de função principal e de função de apoio é possível identificar com maior clareza em que grupo classificar as funções da organização. Todavia, independentemente do tipo e especificidade da organização, a função produção e operações sempre se enquadrará como função principal. É importante destacar também que os nomes das funções, as fronteiras e responsabilidades variam entre as organizações complicação particularmente verdadeira para a função produção. Isso leva a alguma confusão sobre as fronteiras práticas da função produção. A figura 1 mostra em linhas gerais como seria a inter-relação típica entre a função produção e algumas outras em uma organização. Figura 1 Relacionamento interfuncional da função produção Extraído de Slack (1999:31) 6

7 Modelo de administração da produção O propósito fundamental da administração da produção, transformação de recursos de input em bens e serviços é ilustrado pelo modelo geral da administração da produção que serve de base para entendermos como funciona o processo de transformação da produção sob o ponto de vista estratégico organizacional, como mostra a figura 2. Figura 2 Modelo geral da administração da produção Extraído de Slack (1999:25) 7

8 Dentro do processo de transformação estão as três áreas de atividade que selecionam, localizam e organizam a transformação de recursos, que determinam a natureza e o timing (tempo) do fluxo dos recursos transformados. Há as atividades de Projeto (design), Planejamento e Controle e a de Melhoria. A reação do mercado ao output de bens e serviços produzidos determinará se a produção está sendo bem administrada. Se a maneira como os bens e serviços são produzidos satisfazer aos consumidores, o papel da função produção em contribuir para objetivos competitivos ou estratégicos será confirmado. Caso contrário, os objetivos estratégicos da função produção precisarão ser revistos. Esses objetivos são aperfeiçoados e operacionalizados na estratégia de produção da organização. Nesse sentido, operacionalizados significa que os objetivos estratégicos da organização e suas atividades são coerentes. Isso é mostrado como uma conexão entre a estratégia de produção e, principalmente, a atividade de projeto (design), mas, na realidade, a estratégia de produção influenciará também as atividades de planejamento e controle e de melhoria. O papel e posição competitiva da organização estão relacionados à decisão empresarial sobre o posicionamento da organização perante a concorrência sem seu segmento. Muitas vezes, é importante para uma organização não figurar como primeira em seu segmento, pelo menos em determinado período de tempo. E o exemplo das redes de televisão aberta no Brasil, aonde a Rede Globo figura como a primeira e a Rede SBT como a segunda e assim por diante. 8

9 Hierarquia do sistema de produção O modelo input-transformação-output pode ser também utilizado dentro das várias unidades ou departamentos que, por sua vez, funcionam como versões reduzidas da organização como um todo ou operação global de que fazem parte. A organização como um todo, ou operação global, é denominada macrooperação e as várias unidades ou departamentos são denominados microoperações. Como geralmente uma unidade ou departamento é fornecedor ou cliente de outro dentro da organização, prevalece aqui os conceitos cliente interno e fornecedor interno, sendo que no conjunto todas as unidades (microoperações) devem colaborar para a realização da operação global (macrooperação). O Departamento de Recursos Humanos, por exemplo, é fornecedor do Departamento de Produção quando recruta e treina funcionários para trabalharem a linha de produção. O Departamento de Vendas, por exemplo, é cliente do Departamento de Produção quando solicita a fabricação de uma determinada quantidade de produtos que serão entregues ao cliente, em atendimento ao pedido especial, e assim por diante. Por exemplo, a função produção de uma grande rede de televisão possui inputs de artistas, apresentadores e pessoal técnico, câmera, equipamentos de gravação e transmissão, notícia, ensaios etc. Ela transforma isso em programas acabados que veicula na rede. Todavia, nessa operação global, há muitas operações menores como, por exemplo: as oficinas que produzem o cenário e as instalações da produção; os departamentos de rouparia que costura as roupas para as produções correntes e as etoca para as próximas produções; os pesquisadores que testam idéias de programas com audiências potenciais e dão informações e orientação aos produtores, entre outros. 9

10 A operação global de uma rede de televisão pode ser denominada macrooperação, enquanto seus departamentos podem ser denominados microoperações. Tipos de Operações de Produção Notamos que as operações são similares entre si na forma de transformar recursos de input em output de bens e serviços. Todavia, a natureza das organizações e dos negócios que elas conduzem, faz com que sejam identificadas algumas diferenças entre as operações. Há quatro medidas (dimensões) particularmente importantes para distinguir diferentes operações, independentemente do sistema de produção em que a organização esteja enquadrada: Volume - Se a organização tiver como foco trabalhar com grandes volumes deverá estruturar sua operação, levando em conta a necessidade de padronização, trabalho repetitivo, sistematização, supervisão rígida, maior aporte de capital intensivo. Geralmente, prevalecerá os ganhos com economia de escala, ou seja, pequenas margens de lucro por unidade e grandes margens no total. Como exemplo de empresas focadas em volume está a rede de lanches MacDonald s. Variedade - Se o foco for trabalhar com volumes menores, prevalecerá na uma estrutura menor, menos normatizada, sem padronização e voltada para a customização dos produtos ou serviços, com grandes margens de lucro por unidade de produto o serviço oferecido a custos unitários altos. Prevalece nesse caso, flexibilidade e o trabalho não repetitivo amplamente voltado à satisfação das necessidades do cliente. Como exemplo de empresas focadas em variedade está o serviço de táxi.pode-se assumir como verdadeiro que quanto maior o volume menor a variedade e quanto maior a variedade menor o volume 10

11 Variação - Organizações que trabalham com variação devem se estruturar de forma a lidar com os altos e os baixos picos de demanda. Devem adotar um sistema de gestão flexível de forma a adequar a capacidade instalada a essa variação da demanda. Os hotéis de temporada, por exemplo, lidam com essa situação. Na alta temporada, aumentam sua capacidade contratando mão-de-obra temporária e aumentando o estoque dos recursos para atender a um maior número de hóspedes. Na baixa temporada, no entanto, dispensam a mão de obra e reduzem a capacidade para suportar a baixa receita em detrimento dos custos da estrutura. Incentivam as empresas a fazerem convenções no hotel a preços promocionais para obter alguma receita. Existem empresas que estabelecem suas estratégias de produção considerando a variação. É o caso, por exemplo, das panificadoras que fabricam no início do segundo semestre do ano, os panetones que serão vendidos e consumidos no natal. Visibilidade (contato com o consumidor) - Em organizações focadas no alto contato com o cliente há uma estrutura ampla de atendimento, ou seja, muitas vezes com mais pessoal de linha de frente (frontdesk) do que clientes a serem atendidos. O atendimento bem feito (cordial, gentil e prestimoso, por exemplo) ajuda a trazer vantagem competitiva para a organização. É o caso de lojas de varejo, hotéis e restaurantes de alto padrão. Entretanto, é importante considerar os casos de organizações que adotam operações mistas, isto é, de alto e de baixo contato com o consumidor, como é o caso dos bancos que possuem em sua estrutura um pessoal de linha de frente (gerência, caixas e atendentes) e outro pessoal de retaguarda (assistentes administrativos, escriturários, pessoal de compensação etc.). O contato com o consumidor está também associado à percepção da qualidade em serviços, como falamos anteriormente (vide figura 2 anterior). A figura 3 mostra a tipologia de operações, ilustrando essa argumentação. 11

12 Figura 3 Tipologia de operações Extraído de Slack (1999:48) Proteção da produção A produção é vulnerável às incertezas ambientais em termos de oferta e demanda. Duas formas são abordadas de proteção da produção: Proteção física significa manter estoque de recursos, seja input para o processo de transformação ou output. Quando a organização faz proteção física da produção 12

13 defronta-se com um importante dilema. Se fizer estoques terá condições de atender ao cliente pronta entrega de bens. Entretanto, terá que arcar com os custos de manter tais estoques. Outro aspecto a ser considerado é que, por serem intangíveis, os serviços não podem ser estocados, fazendo com que a organização mantenha clientes em filas de espera ou que armazene tão somente os bens ou aspectos tangíveis inerentes ao serviço. É o caso, por exemplo, dos hospitais que estocam grandes quantidades de vacinas ou remédios ou dos consultórios odontológicos que agendam consultas com antecedência. Proteção organizacional significa atribuir as responsabilidades das várias funções da organização, de modo que a função produção seja protegida do ambiente externo pelas mesmas. Nesse caso, outras áreas assumem responsabilidades em relação a determinados produtos ou serviços que serão produzidos. No desenvolvimento de projetos de produtos de alta tecnologia, por exemplo, a área financeira direciona um maior volume de recursos financeiros do que para produtos já em produção. Nesse caso, ao adotar essa prática, a área financeira funciona como uma espécie de garantia para que o produto seja lançado e produzido com sucesso. Outras áreas ou funções são também envolvidas, de forma que o cliente final não venha a ter a falta do produto ou a entrega do mesmo com atraso. 13

14 Bibliografia SLACK, NIGEL; et al. Administração da Produção Edição Compacta, SP Atlas, Sites / vídeos interessantes HOTEL MERCURE-PARIS um exemplo de organização que trabalha com variedade e variação. media.shtml 14

15 Este documento é de uso exclusivo da Universidade Anhembi Morumbi, está protegido pelas leis de Direito Autoral e não deve ser copiado, divulgado ou utilizado para outros fins que não os pretendidos pelo autor ou por ele expressamente autorizados. 15

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção Apresentação Professor e alunos. Contextualização Quais os objetivos da disciplina: Apresentar os fundamentos da Administração de. O que se espera da disciplina: Realizar estudos de técnicas e instrumentos

Leia mais

O que significa Gestão de Operações?

O que significa Gestão de Operações? O que significa Gestão de Operações? Introdução à Gestão de Operações QUESTÕES BÁSICAS Quais são as similaridades entre todas as operações produtivas? Como as operações produtivas diferem umas das outras?

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

AULA 1 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO

AULA 1 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO AULA 1 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO Definir Organizações OBJETIVOS Demonstrar que organizações podem ser vistas como sistemas; Como o modelo input-transformaçãooutput pode ser utilizado para descrever

Leia mais

AULA 1 ADMINSTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

AULA 1 ADMINSTRAÇÃO DA PRODUÇÃO AULA 1 ADMINSTRAÇÃO DA PRODUÇÃO OBJETIVOS Definir Administração da Produção (AP) Demonstrar que a AP aborda questões tanto de organizações de manufatura quando de serviços; Como o modelo input-transformaçãooutput

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção Objetivos Discutir o papel da função produção nos planos estratégicos da organização e analisar

Leia mais

DISCIPLINA: RELAÇÕES DA PRODUÇÃO TEMA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

DISCIPLINA: RELAÇÕES DA PRODUÇÃO TEMA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES DISCIPLINA: RELAÇÕES DA PRODUÇÃO TEMA: ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Diz respeito àquelas atividades orientadas para produção de um bem físico ou à prestação de um serviço. Daniel Moreira Produção:

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2009 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Introdução aos estudos da Administração da Produção 1 Introdução aos estudos da Administração da Produção UNIDADE I Evolução Histórica Objeto de estudo: ambiente, contexto

Leia mais

SPD II - 2012. Sistemas Produtivos II

SPD II - 2012. Sistemas Produtivos II SPD II - 2012 A Produção exerce um papel estratégico nas organizações, o qual precisa ser compreendido claramente. A configuração dos processos produtivos depende de características de produtos e mercados,

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Gestão de Operações. Introdução a Engenharia de Produção

Gestão de Operações. Introdução a Engenharia de Produção Gestão de Operações Introdução a Engenharia de Produção Operações e Produtividade Produção: criação de bens e serviços Gestão de operações: conjunto de atividades que criam os bens e serviços por meio

Leia mais

27/10/2014. Gestão da Qualidade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade

27/10/2014. Gestão da Qualidade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade. Qualidade e Produtividade Gestão da Qualidade Reflexões É hora de aprender de novo. Ainda não defini o que, porém será em algum lugar, em alguma ocasião, mas tem de ser logo." Lord Beaverbrook (83 anos) "Qualidade começa com EDUCAÇÃO

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação.

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação. Fascículo 8 Planejamento e controle da capacidade Prover a capacidade produtiva para satisfazer a demanda atual e futura é uma responsabilidade fundamental da atividade de administração da produção. Um

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas Administração das Operações Produtivas MÓDULO 5: PAPEL ESTRATÉGICO E OBJETIVOS DA PRODUÇÃO Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Contudo, os diferentes aspectos do planejamento e controle podem ser vistos como a representação da conciliação entre suprimento e demanda.

Contudo, os diferentes aspectos do planejamento e controle podem ser vistos como a representação da conciliação entre suprimento e demanda. Fascículo 7 Planejamento e Controle O projeto físico de uma operação produtiva deve proporcionar recursos capazes de satisfazer as exigências dos consumidores. O planejamento e controle preocupam-se com

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

GESTÃO DAS OPERAÇÕES 18/01/2016 VAMOS NOS CONHECER AVALIAÇÕES

GESTÃO DAS OPERAÇÕES 18/01/2016 VAMOS NOS CONHECER AVALIAÇÕES GESTÃO DAS OPERAÇÕES VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI Especialista em Gestão de Projetos,

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO

CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO CLASSIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO Wattson Perales UFRN / CT / DEPT - Campus Universitário Natal RN 59072-970 e-mail: wattson@ct.ufrn.br After a bibliographic review about the theme on the most used

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Princípios da Teoria de Sistemas 1 Grupos diferentes dentro de uma organização necessitam

Leia mais

Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 5

Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 5 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 5 Por que é importante um bom projeto de produtos e serviços? rojeto de produtos e serviços Quais são os estágios no projeto de produtos e serviços?

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 3º Encontro - 24/02/2012 18:50 às 20:30h 02 Matar um elefante é fácil. Difícil é remover o cadáver. (Mikhail Gorbachev Estadista

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 2 Gestão estratégica da produção - Introdução e evolução histórica da gestão da produção e

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Processos e Layouts Produtivos

Processos e Layouts Produtivos Processos e Layouts Produtivos Produção Segurança Tecnologia de processos Layout Projeto de organização do trabalho Fernando Gonçalves Amaral Estudos de ou Layout Aplicação: Em todos os setores produtivos

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE II: E-business Global e Colaboração Prof. Adolfo Colares Uma empresa é uma organização formal cujo o objetivo é produzir s ou prestar serviços

Leia mais

Avaliação de Processos

Avaliação de Processos Avaliação de Processos Avaliação de Processos Um fator-chave para o sucesso das organizações é sua capacidade de medir seu desempenho Tal informação em uma base temporal contínua, fornece aos gerentes

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa.

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. DEPARTAMENTALIZAÇÃO CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. Ou Departamentalização é o agrupamento, de acordo com um critério específico de

Leia mais

Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Capítulo II Manutenção e Produção

Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Capítulo II Manutenção e Produção Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Capítulo II Manutenção e Produção 1 A função Manutenção Política Orçamento Direção Material Pós-venda Sub-contratação Comercial Manutenção Recursos Humanos

Leia mais

Caracterização do papel da função produção em indústrias de pequeno porte (SME) da cidade de São Carlos: um estudo de casos

Caracterização do papel da função produção em indústrias de pequeno porte (SME) da cidade de São Carlos: um estudo de casos Caracterização do papel da função produção em indústrias de pequeno porte (SME) da cidade de São Carlos: um estudo de casos Mariangela Salviato Balbão (UFSCar) marib@dep.ufscar.br Luciane Meire Ribeiro

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

08/03/2009. Como mostra a pirâmide da gestão no slide seguinte... Profª. Kelly Hannel. Fonte: adaptado de Laudon, 2002

08/03/2009. Como mostra a pirâmide da gestão no slide seguinte... Profª. Kelly Hannel. Fonte: adaptado de Laudon, 2002 Pirâmide da Gestão Profª. Kelly Hannel Fonte: adaptado de Laudon, 2002 Diferentes tipos de SIs que atendem diversos níveis organizacionais Sistemas do nível operacional: dão suporte a gerentes operacionais

Leia mais

ABERTURA DE EMPRESAS

ABERTURA DE EMPRESAS ABERTURA DE EMPRESAS PLANO DE CONTABILIDADE COM FIDELIDADE 2 ANOS ESCRITÓRIO - Abertura de empresa sem custo no plano de fidelidade; ESCRITÓRIO DE COMERCIO - Carência de 03 (três) meses (honorário); ESCRITÓRIO

Leia mais

Sistemas de e-business. Objetivos do Capítulo

Sistemas de e-business. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma empresa, seus clientes e parceiros de

Leia mais

Projeto em Gestão da Produção PROJETO DE PROCESSOS TIPOS DE PROCESSOS Cap 4 Slack

Projeto em Gestão da Produção PROJETO DE PROCESSOS TIPOS DE PROCESSOS Cap 4 Slack AULA 7 ADMINSTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Projeto em Gestão da Produção PROJETO DE PROCESSOS TIPOS DE PROCESSOS Cap 4 Slack Localizacao Capacidade Pessoal Layout Tecnologia Fornecedores Produtos Processos Estoques

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 COMPETITIVIDADE Rentabilidade Fluxo de caixa Crescimento de mercado GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 2 FOCO EM RESULTADOS Gestão dos processos associados

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 11 Sistemas de E-business Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons

Leia mais

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos Plano Aula 10 24/10/2011 - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos 1 Exercício de Desenvolvimento Pessoal O objetivo deste exercício é praticar os conceitos de Controle

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Administração Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Luciano Venelli Costa Objetivos Diferenciar um de um processo. Compreender o ambiente que cerca os s. Identificar as fases do ciclo de vida de um.

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Wyoming Liquor Division

Wyoming Liquor Division Wyoming Liquor Division O abastecimento por comando de voz permite que uma grande variedade de bebidas de primeira categoria chegue ao Estado dos Caubóis automação que traz resultados O abastecimento por

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Lean Business e Lean Office

Lean Business e Lean Office 1 Pós Graduação em Engenharia Produção Ênfase na Produção Enxuta Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Disciplina: Lean Business e Lean Office SISTEMAS PRODUÇÃO Um conjunto (finito!) elementos - humanos,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Um encontro de serviço é um período de tempo durante o qual clientes interagem diretamente

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Temos assim os pontos importantes a considerar na atividade de projeto:

Temos assim os pontos importantes a considerar na atividade de projeto: Projeto em gestão de produção Segundo Sir Monty Finneston (1987), projeto é o processo conceitual através do qual algumas exigências funcionais de pessoas, individualmente ou em massa, são satisfeitas

Leia mais

Gestão da Qualidade por Processos

Gestão da Qualidade por Processos Gestão da Qualidade por Processos Disciplina: Gestão da Qualidade 2º Bimestre Prof. Me. Patrício Vasconcelos adm.patricio@yahoo.com.br Gestão da Qualidade por Processos Nas empresas, as decisões devem

Leia mais

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO, PRODUÇÃO E NEGÓCIOS

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO, PRODUÇÃO E NEGÓCIOS MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO, PRODUÇÃO E NEGÓCIOS Sistemas Produtivos I Prof. MSc. Wellington Tavares 30/11 e 01/12/12 ICAP Instituto Superior de Tecnologia 1 Índice A Introdução (p. 3) B As

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma

Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma 1 Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma empresa, seus clientes e parceiros de negócios: de recursos

Leia mais

Sistemas de Informações e o Uso comercial

Sistemas de Informações e o Uso comercial ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ASI Elabora por Prof.Mestra Rosimeire Ayres Conectan a Empresa à Rede Intranet Internet Extranet B2B B2C B2E C2C As empresas estão se tornan empresas conectadas

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional 1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional Conteúdo 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora Atlas Administração - Teoria, Processo e Prática

Leia mais