DIAGRAMA DE BLOCOS PINAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGRAMA DE BLOCOS PINAGEM"

Transcrição

1 PCF8583 O PCF8583 É UM RTC (REAL TIME CLOCK) DESENVOLVIDO PELA PHILIPS SEMICONDUCTOR. COMO CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS SÃO: INTERFACE I2C FUNÇÃO DE CLOCK E CALENDÁRIO REGISTRADORES ENDEREÇAVEIS (HH,MM...) 240 BYTES DE RAM, ALÉM DOS CITADOS ACIMA CRISTAL DE 32768Hz FORMATO DE HORA: 24 OU 12 INCREMENTO DE ENDEREÇO AUTOMÁTICO ALARME PROGRAMÁVEL, COM INTERRUPÇÃO ENDEREÇO DO ESCREVO (LEITURA) A1 ENDEREÇO DO ESCRAVO (ESCRITA) A0

2 DIAGRAMA DE BLOCOS PINAGEM

3 CONTROL/STATUS REGISTER

4 REGISTROS FORMATO DA HORA OS DADOS SÃO ARMAZENADOS EM FORMATO BCD 4+4 NIBLES = EXEMPLO 64 SEGUNDOS =

5 SETANDO HORA unsigned char sec, min1, hr, day, mn, year; void Read_Time(char *sec, char *min, char *hr, char *day, char *mn, char *year) I2C_Start(); I2C_Wr(0xA0); I2C_Wr(2); I2C_Repeated_Start(); I2C_Wr(0xA1); *sec =I2C_Rd(1); *min =I2C_Rd(1); *hr =I2C_Rd(1); *day =I2C_Rd(1); *mn =I2C_Rd(0); I2C_Stop(); //~ void Transform_Time(char *sec, char *min, char *hr, char *day, char *mn, char *year) *sec = ((*sec & 0xF0) >> 4)*10 + (*sec & 0x0F); *min = ((*min & 0xF0) >> 4)*10 + (*min & 0x0F); *hr = ((*hr & 0xF0) >> 4)*10 + (*hr & 0x0F); *year = (*day & 0xC0) >> 6; *day = ((*day & 0x30) >> 4)*10 + (*day & 0x0F); *mn = ((*mn & 0x10) >> 4)*10 + (*mn & 0x0F); //~ void main() Soft_I2C_Config(&PORTD, 4,3); // Initialize full master mode Soft_I2C_Start(); // Issue start signal Soft_I2C_Write(0xA0); // Address PCF8583 Soft_I2C_Write(0); // Start from word at address 0 (config word) Soft_I2C_Write(0x80); // Write 0x80 to config. (pause counter...) Soft_I2C_Write(0); // Write 0 to cents word Soft_I2C_Write(0); // Write 0 to seconds word Soft_I2C_Write(0x30); // Write 0x30 to minutes word Soft_I2C_Write(0x11); // Write 0x11 to hours word Soft_I2C_Write(0x30); // Write 0x24 to year/date word Soft_I2C_Write(0x08); // Write 0x08 to weekday/month Soft_I2C_Stop(); // Issue stop signal Soft_I2C_Start(); // Issue start signal Soft_I2C_Write(0xA0); // Address PCF8530 Soft_I2C_Write(0); // Start from word at address 0 Soft_I2C_Write(0); // Write 0 to config word (enable counting) Soft_I2C_Stop(); // Issue stop signal While(1) Read_Time(&sec,&min1,&hr,&day,&mn,&year); Transform_Time(&sec,&min1,&hr,&day,&mn,&year); //~! Extras

6 //Relogio DS1307 //Acerta hora unsigned char txt[6]; //utilizada para conversao de binario para txt para ser impresso short hora_atual; short minuto_atual; short segundo_atual; void Escreve_Memoria(unsigned int endereco, unsigned char dado); unsigned char Le_Memoria(unsigned int endereco); //Passa como parametro as hora em binario (decimal) e entao converte para BCD //para acertar a hora... void acerta_hora(short hora, short minuto, short segundo) short hora_bcd; short minuto_bcd; short segundo_bcd; hora_bcd = (hora / 10) * 16 + (hora % 10); minuto_bcd = (minuto / 10) * 16 + (minuto % 10); segundo_bcd = (segundo / 10) * 16 + (segundo % 10); Escreve_Memoria(0,segundo_bcd); //11 segundos Escreve_Memoria(1,minuto_bcd); //11 minutos Escreve_Memoria(2,hora_bcd); //11 horas //Passa como parametro tres variaveis que receberao a hora //A hora lida é em bcd e deve novamente ser transformada em Binario para o usuário void le_hora(short *hora, short *minuto, short *segundo) short hora_binario; short minuto_binario; short segundo_binario; segundo_binario = Le_Memoria(0); minuto_binario = Le_Memoria(1); hora_binario = Le_Memoria(2); *hora = ((hora_binario & 0xF0) / 16) * 10 + (hora_binario & 0x0F); *minuto = ((minuto_binario & 0xF0) / 16) * 10 + (minuto_binario & 0x0F); *segundo = ((segundo_binario & 0xF0) / 16) * 10 + (segundo_binario & 0x0F); void Escreve_Memoria(unsigned int endereco, unsigned char dado) I2C1_Start(); // issue I2C start signal I2C1_Wr(0xD0); // send byte via I2C (device address + W) I2C1_Wr(endereco); // send byte (address of EEPROM location) I2C1_Wr(dado); // send data (data to be written) I2C1_Stop(); delay_ms(16);

7 unsigned char Le_Memoria(unsigned int endereco) unsigned char dado_lido; I2C1_Start(); // issue I2C start signal I2C1_Wr(0xD0); // send byte via I2C (device address + W) I2C1_Wr(endereco); // send byte (address of EEPROM location) I2C1_Repeated_Start(); // issue I2C signal repeated start I2C1_Wr(0xD1); // send byte (device address + R) dado_lido = I2C1_Rd(0u); // Read the data (NO acknowledge) I2C1_Stop(); return(dado_lido); void main() I2C1_Init(100000); Delay_ms(100); UART1_Init(9600); Delay_ms(100); // initialize I2C communication // Wait for UART module to stabilize // Initialize UART module at 9600 bps // Wait for UART module to stabilize UART1_Write_Text("Start"); //Acerta hora para 11:11:11 hora_atual = 11; minuto_atual = 12; segundo_atual = 17; acerta_hora(hora_atual,minuto_atual,segundo_atual); UART1_Write_Text("CELESC INFORMA..."); while(1) le_hora(&hora_atual,&minuto_atual,&segundo_atual); UART1_Write(13); UART1_Write(10); //converte inteiro para string inttostr(hora_atual,txt); UART1_Write_Text(txt); UART1_Write_Text(":"); //converte inteiro para string inttostr(minuto_atual,txt); UART1_Write_Text(txt); UART1_Write_Text(":"); //converte inteiro para string inttostr(segundo_atual,txt); UART1_Write_Text(txt); delay_ms(1000);

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO

Leia mais

Sistemas Microcontrolados

Sistemas Microcontrolados Sistemas Microcontrolados Aula 4: Programação em C para PIC Marco Jose da Silva mdasilva@utfpr.edu.br Compiladores C para PICs C18 HI-TECH CCS IAR MikroC http://www.microchip.com/ http://www.htsoft.com/

Leia mais

Medição de Temperatura com DS1820

Medição de Temperatura com DS1820 Medição de Temperatura com DS1820 Objectivo: Projectar um termómetro, usando o sensor 1-wire DS1820 num PSoC. Material Necessário: Placa de desenvolvimento EasyPSoC4 da Mikroelektronica, sensor Dallas

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Representação de Dados (inteiros não negativos)

Representação de Dados (inteiros não negativos) Representação de Dados (inteiros não negativos) 1 Memória Armazena instruções e dados durante a execução de um programa A memória principal pode ser vista como um array de bytes, cada um com seu endereço

Leia mais

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Cap. 02 Fundamentos de Linguagens Sumário : Linguagem, alfabeto e gramática

Leia mais

Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores

Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 introdução a C tópicos ciclo de desenvolvimento sistemas numéricos tipos de

Leia mais

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br 1 Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br Continuando com o artigo apresentado na edição passada de comunicação USB com o PIC, continuaremos nesta edição o estudo do

Leia mais

Prática 8: Comunicação SPI. 8.1 Introdução e objetivos. 8.2 Princípios básicos do protocolo SPI

Prática 8: Comunicação SPI. 8.1 Introdução e objetivos. 8.2 Princípios básicos do protocolo SPI Prática 8: 8.1 Introdução e objetivos Comunicação SPI O protocolo SPI (serial peripheral interface) é um método de comunicação utilizado para interconectar dispositivos ou chips de tal forma que estes

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Professor Juliano D Ornelas Benfica Desenvolvimento de Firmware em Linguagem C para Sistemas

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

Portas de entrada e saída; Interrupções; Interrupções externas; Temporizadores Contadores; Interface Serial

Portas de entrada e saída; Interrupções; Interrupções externas; Temporizadores Contadores; Interface Serial Periféricos Integrados do 8051 Portas de entrada e saída; Interrupções; Interrupções externas; Temporizadores Contadores; Interface Serial Periféricos Integrados do 8051 Portas de entrada e saída O 8051

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

Manual dos comandos em Modbus-RTU

Manual dos comandos em Modbus-RTU ALFA INSTRUMENTOS ELETRÔNICOS LTDA Manual dos comandos em Modbus-RTU Última alteração Número do documento 20/06/2013 09:12 Este documento contém os comandos disponíveis no protocolo de comunicação Modbus-RTU

Leia mais

Módulo Lógica Programação com aplicações em Java. Projeto khouse Profissionalizante Profª Larissa Brandão

Módulo Lógica Programação com aplicações em Java. Projeto khouse Profissionalizante Profª Larissa Brandão Educação Módulo Lógica e Ética de Programação com aplicações em Java Projeto khouse Profissionalizante Profª Larissa Brandão Educação e Ética Fundamentos da Programação Objetivos: Reconhecer as diferenças

Leia mais

Acetatos de apoio às aulas teóricas

Acetatos de apoio às aulas teóricas Microprocessadores e Aplicações Acetatos de apoio às aulas teóricas Ana Cristina Lopes Dep. Engenharia Electrotécnica http://orion.ipt.pt anacris@ipt.pt Ana Cristina Lopes, 24 de Outubro de 2004 Microprocessadores

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO:

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: Página 2 0. Objetivos deste treinamento Quem está fazendo este módulo avançado II é porque já passou pelos módulos anteriores. Portanto não serão abordados aqui os tópicos já

Leia mais

Variáveis e Comandos de Atribuição

Variáveis e Comandos de Atribuição BCC 201 - Introdução à Programação Variáveis e Comandos de Atribuição Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/47 Estrutura Básica de um programa C I < d i r e t i v a s do pré p r o c e s s a d o r > < d e c l

Leia mais

VIII. VARIÁVEIS. Tabela I ARQUITETURA DA MEMÓRIA. 0x0000 0x34 0x0001 0xB0 0x0002 0x23. 0xFFFF 0x00

VIII. VARIÁVEIS. Tabela I ARQUITETURA DA MEMÓRIA. 0x0000 0x34 0x0001 0xB0 0x0002 0x23. 0xFFFF 0x00 Fundamentos da Programação 32 A. Conceito Variáveis contém dados: VIII. VARIÁVEIS de entrada que o computador precisa manipular; de saída que o computador precisa imprimir; e temporários, utilizados de

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Entradas/Saídas Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Problemas a resolver Como identificar a interrupção? Motivo da interrupção Que rotina executar? Como

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Técnico em Informática Professora Michelle Nery

Linguagem de Programação JAVA. Técnico em Informática Professora Michelle Nery Linguagem de Programação JAVA Técnico em Informática Professora Michelle Nery Agenda Regras paravariáveis Identificadores Válidos Convenção de Nomenclatura Palavras-chaves em Java Tipos de Variáveis em

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Barramentos ISA e PCI. Gustavo G. Parma

Barramentos ISA e PCI. Gustavo G. Parma Barramentos ISA e PCI Gustavo G. Parma Barramento Coleção de fios paralelos utilizados para transmitir endereços dados sinais de controle Internos ou Externos à CPU Internos: Via de dados Externos: utilizado

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação 68 Linguagens de Programação Uma linguagem de programação é um vocabulário e um conjunto de regras gramaticais usadas para escrever programas de computador. Esses programas instruem o computador a realizar

Leia mais

Representação de Dados

Representação de Dados Representação de Dados Representação binária Exemplo: 15213 10 11101101101101 2 Vantagens: Implementação eletrônica Possibilidade de armazenar elementos com dois estados Transmissão eletrônica confiável

Leia mais

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a:

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a: PIC16F628a O PIC16F628a é um microcontrolador fabricado pela Microchip Technology (www.microchip.com), com as seguintes características: - composto de 18 pinos; - possui somente 35 instruções no seu microcódigo;

Leia mais

Manual do Desenvolvedor Criptografia de Arquivos do WebTA

Manual do Desenvolvedor Criptografia de Arquivos do WebTA Manual do Desenvolvedor Criptografia de Arquivos do WebTA Versão 1.4 Índice 1. Objetivo..3 2. Processo..3 3. API de Criptografia - Biblioteca Java..4 3.1 WEBTACryptoUtil..4 3.1.1 decodekeyfile..4 3.1.2

Leia mais

EL68E Sistemas Embarcados Prof. Douglas RENAUX

EL68E Sistemas Embarcados Prof. Douglas RENAUX EL68E Sistemas Embarcados Prof. Douglas RENAUX Memórias Tecnologias de Memórias Voláteis x Não-Voláteis Estáticas x Dinâmicas Tipos: ROM PROM EPROM Flash SRAM SDRAM DDR Conceitos Organização externa x

Leia mais

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões.

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. 1 Estruturas da linguagem C 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. Identificadores Os identificadores seguem a duas regras: 1. Devem ser começados por letras

Leia mais

Técnicas de Programação: ESTRUTURAS, UNIÕES E TIPOS DEE UFPB

Técnicas de Programação: ESTRUTURAS, UNIÕES E TIPOS DEE UFPB Técnicas de Programação: ESTRUTURAS, UNIÕES E TIPOS DEFINIDOS PELO USUÁRIO Prof. Protásio DEE UFPB 1 Estruturas É uma coleção de variáveis que são referenciadas sob um único nome. Uma estrutura fornece

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

Tipos de Dados Simples

Tipos de Dados Simples Programação 11543: Engenharia Informática 6638: Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 3 Tipos de Dados Simples Tipos de Dados Simples Objectivos: Hierarquia de tipos de dados Tipos de dados simples

Leia mais

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes ITENS FUNDAMENTAIS Profª Angélica da Silva Nunes CONCEITOS BÁSICOS Hardware - é a parte física do computador, tais como: teclado, monitor de vídeo, etc. Software - são os programas e aplicativos que permitem

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

insfcanceof new public switch transient while byte continue extends for int null

insfcanceof new public switch transient while byte continue extends for int null Palavras -chave de JAV A abstract catch do final implements long private static throw void boolean char double finally import native protected super throws volatile break class float insfcanceof new public

Leia mais

Real Time Clock MC146818A,DS12C887

Real Time Clock MC146818A,DS12C887 Real Time Clock MC146818A,DS12C887 Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

APRESENTAÇÃO SOBRE O DSP ADSP-21160M

APRESENTAÇÃO SOBRE O DSP ADSP-21160M [ ADSP-21160M ] APRESENTAÇÃO SOBRE O DSP ADSP-21160M RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES ORIENTADOR Marcelo Portes de Albuquerque (CBPF) LPS Laboratório de Processamento de Sinais (UFRJ) CAT - Coordenação de Atividades

Leia mais

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

Sistemas Embebidos I , Tiago Miguel Dias ISEL, ADEETC - Secção de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores

Sistemas Embebidos I , Tiago Miguel Dias ISEL, ADEETC - Secção de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores Sistemas Embebidos I Licenciatura em Eng. de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Mestrado em Engenharia de Electrónica e Telecomunicações

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. Microcontrolador PIC 16F877

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. Microcontrolador PIC 16F877 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba MINICURSO Microcontrolador PIC 16F877 Alison Lins de Lima Fábio Montenegro Pontes Jonathan B. da Silva Rafael Tavares Coutinho Thiago Pinto

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Periféricos e Interfaces 2003/2004 Cursos de Informática e Ensino de Informática Exame

Leia mais

LINGUAGEM C. Estrutura básica de um programa

LINGUAGEM C. Estrutura básica de um programa LINGUAGEM C Estrutura básica de um programa Um programa em linguagem C é constituído por uma sequência de funções (módulos) que em conjunto irão permitir resolver o problema proposto. Estas funções contêm

Leia mais

Fundamentos de Programação

Fundamentos de Programação Fundamentos de Programação CP41F Aula 38 Prof. Daniel Cavalcanti Jeronymo Declaração de tipos (typedef). Tipos enumerados (enum). Registros (struct). Uniões (union). Universidade Tecnológica Federal do

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos

Comunicação em Sistemas Distribuídos Comunicação em Sistemas Distribuídos A diferença mais importante entre os Sistemas Distribuídos e os Sistemas Uniprocessadores é a comunicação inter-processo. Nos uniprocessadores esta comunicação é feita

Leia mais

LINGUAGEM C PARA O 8051

LINGUAGEM C PARA O 8051 LINGUAGEM C PARA O 8051 Disciplina de Microcontroladores Prof. Rubão VARIÁVEIS E TIPOS DE DADOS SIMPLES Char 8 bits Short e int 16 bits Long 32 bits Float 32 bits Unsigned int 16 bits Unsigned long 32

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Modbus RTU PLC300. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Modbus RTU PLC300. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Modbus RTU PLC300 Manual do Usuário Manual do Usuário Modbus RTU Série: PLC300 Idioma: Português N º do Documento: 10000850708 / 03 Data

Leia mais

Guia Rápido de Comunicação USB via HID Terminal em Microcontroladores PIC

Guia Rápido de Comunicação USB via HID Terminal em Microcontroladores PIC Guia Rápido de Comunicação USB via HID Terminal em Microcontroladores PIC Autor: Eng. Rahul Martim Juliato (rahul.juliato@gmail.com) Este artigo apresenta de forma prática alguns passos para realizar uma

Leia mais

Programação C para microcontroladores PIC

Programação C para microcontroladores PIC Programação C para microcontroladores PIC eletrocursos.gnomio.com 1/6 Sumário Histórico do Documento... 3 Treinadores Responsáveis... 3 Carga Horária... 3 Ementa... 3 Objetivos... 3 Conteúdo Programático...

Leia mais

Nota de Aplicação IHM 002

Nota de Aplicação IHM 002 N.A 002 Comunicação IHM M e PLC PM serial RS485 Protocolo MODBUS RTU Objetivo: Este documento descreve os procedimentos a serem realizados para fazer a comunicação MODBUS entre PLC e IHM Ativa. Este driver

Leia mais

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31

Algoritmia e Programação APROG. Linguagem JAVA. Básico. Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 APROG Algoritmia e Programação Linguagem JAVA Básico Nelson Freire (ISEP DEI-APROG 2012/13) 1/31 Linguagem Java Estrutura de um Programa Geral Básica Estruturas de Dados Variáveis Constantes Tipos de Dados

Leia mais

Revisão C++ - Parte 1

Revisão C++ - Parte 1 Revisão C++ - Parte 1 Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 5/3/2010 OBJETIVO DA AULA Revisar os principais comandos

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Entradas/Saídas Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Relembrar a recepção com espera activa Para receber um byte pela porta

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 Blocos de Dados. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 8-1

Programação Básica em STEP 7 Blocos de Dados. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 8-1 Conteúdo Página Áreas de Armazenamento para Dados... 2 (DBs)... 3 Visão Geral dos Tipos de Dados no STEP 7... 4 Tipos de Dados Elementares no STEP 7... 5 Criando um Novo Bloco de Dados... 6 Editando, Salvando,

Leia mais

Organização de Computadores Como a informação é processada?

Organização de Computadores Como a informação é processada? Curso de ADS/DTEE/IFBA Organização de Computadores Como a informação é processada? Prof. Antonio Carlos Referências Bibliográficas: 1. Ciência da Computação: Uma visão abrangente - J.Glenn Brokshear 2.

Leia mais

Objetivos do Capítulo

Objetivos do Capítulo Capítulo 33 Arquivos e Fluxos de Dados Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra Objetivos do Capítulo Analisar os conceitos de fluxo de entrada e de fluxo de saída de

Leia mais

Introdução à Computação MAC0110

Introdução à Computação MAC0110 Introdução à Computação MAC0110 Prof. Dr. Paulo Miranda IME-USP Aula 2 Variáveis e Atribuições Memória Principal: Introdução Vimos que a CPU usa a memória principal para guardar as informações que estão

Leia mais

Linguagem de Programação C

Linguagem de Programação C Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Computação Linguagem de Programação C Prof. Ricardo Pezzuol Jacobi rjacobi@cic.unb.br Variáveis vari veis em um programa C est o associadas a posi es

Leia mais

2. Constantes e Variáveis

2. Constantes e Variáveis 2. Constantes e Variáveis Neste capitulo veremos como os dados constantes e variáveis são manipulados pela linguagem C. O que são constantes inteiras, reais, caracteres e strings. Quais são as regras de

Leia mais

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE PROJETO FINAL REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Prof a.dr a.thatyana de Faria Piola Seraphim (ECO) Prof.Dr.Enzo Seraphim (ECO) Universidade Federal de Itajubá thatyana@unifei.edu.br seraphim@unifei.edu.br Introdução - História A linguagem de programação

Leia mais

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional UNIX. O C é derivado de uma outra linguagem: o B,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO 1 OBJETIVO... 2 2 REMOTA... 2 2.1 DESCRIÇÃO GERAL... 2 2.2 ALIMENTAÇÃO... 2 2.3 RELÓGIO INTERNO... 2 2.4 ENTRADA DE PULSOS... 2 2.5 ENTRADA DIGITAL AUXILIAR... 2 2.6 REGISTRO DA CONTAGEM DE PULSOS (LOG)

Leia mais

Capítulo 6. Java IO - Ficheiros

Capítulo 6. Java IO - Ficheiros Capítulo 6. Java IO - Ficheiros 1/26 Índice Indice 6.1 - Entrada e saída de dados 6.2 - Ficheiros de texto 6.3 - Ficheiros com formato proprietário 6.4 - A classe File 2/26 Índice 6.1 Entrada e saída de

Leia mais

Projeto: Camada Independente de Dispositivo

Projeto: Camada Independente de Dispositivo Projeto: Camada Independente de Dispositivo Introdução Esse documento tem como finalidade demonstrar como será implementada a Camada Independente de Software. Estrutura A camada independente de software

Leia mais

Exemplos de Programas em C para o 8051 para o compilador crossware EEL Prof. Raimes Moraes

Exemplos de Programas em C para o 8051 para o compilador crossware EEL Prof. Raimes Moraes Exemplos de Programas em C para o 8051 para o compilador crossware EEL7030 - Prof. Raimes Moraes /* HELLO.C Programa Exemplo No 1 - Ilustra programa para a escrita de dados na porta serial #include

Leia mais

Tipo de Dados em Linguagem C

Tipo de Dados em Linguagem C Tipo de Dados em Linguagem C Principais tipos de dados em C int : tipo de dados inteiros (exemplo: 1, -3, 100, -9, 18, etc.) float : tipo de dados reais (exemplo: 1.33, 3.14, 2.00, -9.0, 1.8, etc.) Ocupa

Leia mais

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA 1) Qual será o valor da string c, caso o programa rode com a seguinte linha de comando? > java Teste um dois tres public class Teste { public static void main(string[] args) { String a = args[0]; String

Leia mais

Sistemas Embebidos I , Tiago Miguel Dias ISEL, ADEETC - Secção de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores

Sistemas Embebidos I , Tiago Miguel Dias ISEL, ADEETC - Secção de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores Sistemas Embebidos I Licenciatura em Eng. de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Mestrado em Engenharia de Electrónica e Telecomunicações

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

Sintaxe Geral Tipos de Dados. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

Sintaxe Geral Tipos de Dados. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. Sintaxe Geral Tipos de Dados Comentários Comentários: De linha: // comentário 1 // comentário 2 De bloco: /* linha 1 linha 2 linha n */ De documentação: /** linha1 * linha2 */ Programa Exemplo: ExemploComentario.java

Leia mais

O protocolo I2C. Fig. 1 Diagrama em blocos e pinos do circuito integrado PT2313.

O protocolo I2C. Fig. 1 Diagrama em blocos e pinos do circuito integrado PT2313. O protocolo I2C 1 - Introdução O protocolo I2C ou I 2 C, também chamado IIC, foi criado para possibilitar a comunicação entre circuitos integrados com um número reduzido de fios, reduzindo o número de

Leia mais

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo Programando em C# Orientado a Objetos By: Maromo Agenda Módulo 1 Plataforma.Net. Linguagem de Programação C#. Tipos primitivos, comandos de controle. Exercícios de Fixação. Introdução O modelo de programação

Leia mais

Alarmes e Erros CNC Proteo

Alarmes e Erros CNC Proteo Alarmes e Erros CNC 1 Códigos de Erro 1.1 Erro ( 0 ) : NO ERROR Texto: "Código de erro inválido" "Invalid Error Code" 1.2 Erro ( 1 ) : ERROR_BP_WAS_UNABLE_TO_OPEN_INPUT_FILE Texto: "Não foi possível abrir

Leia mais

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interface Hardware/Software Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interrupção INT 1Ah Ler o Relógio; Atualizar o Relógio; Ler a Data; Atualizar a Data. 2 Interrupção - INT 1Ah Ler

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

Programando em C++ Histórico da Linguagem C

Programando em C++ Histórico da Linguagem C Programando em C++ Joaquim Quinteiro Uchôa joukim@comp.ufla.br DCC-UFLA, 2002 Programando em C++ p.1/38 Histórico da Linguagem C Linguagem C: 1972 - Laboratório Bells, por Dennis Ritchie, a partir da linguagem

Leia mais

Persistência de Dados

Persistência de Dados Persistência de s Universidade do Estado de Santa Catarina - Udesc Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Departamento de Ciência da Computação Tecnologia de Sistemas de Informação Estrutura de s II - DAD

Leia mais

O Enforcado. 22 de Maio de 2010. Turma 2MIEIC1, Grupo 1

O Enforcado. 22 de Maio de 2010. Turma 2MIEIC1, Grupo 1 O Enforcado 22 de Maio de 2010 Turma 2MIEIC1, Grupo 1 Autores: Nuno Machado Matos, 080509140, ei08140@fe.up.pt Tiago Daniel Sá Cunha, 080509142, ei08142@fe.up.pt 1. Resumo O nosso projecto teve como objectivos

Leia mais

Noções sobre Objetos e Classes

Noções sobre Objetos e Classes Noções sobre Objetos e Classes Prof. Marcelo Cohen 1. Elementos de programação Revisão de programação variáveis, tipos de dados expressões e operadores cadeias de caracteres escopo de variáveis Revisão

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

Manual Técnico Interface Modbus

Manual Técnico Interface Modbus Manual Técnico Interface Modbus RTA Interface Modbus 05/2007-1 - Histórico de Revisões Ver. Num. Data Responsável Observações 1.000 17/05/07 Marcos Romano Criação Inicial RTA Rede de Tecnologia Avançada

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ENG10032 Microcontroladores

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ENG10032 Microcontroladores Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ENG10032 Microcontroladores 1 Objetivo Roteiro de Laboratório 10 Inter Integrated

Leia mais

Manual HDBS Revisão 1.1

Manual HDBS Revisão 1.1 Manual HDBS Revisão 1.1 1 1 - Introdução 1.1 Sistemas de arquivos FAT Os cartões de memória MMC e SD muito populares hoje em dia. O seu pequeno tamanho e grande capacidade o tornam ideal para câmeras digitais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MICROCONTROLADOR PIC 18F452 / PROTEUS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MICROCONTROLADOR PIC 18F452 / PROTEUS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MINI CURSO MICROCONTROLADOR PIC 18F452 / PROTEUS Orientando: João Luiz Glovacki Graneman de Melo Orientador: Prof. Dr. Gideon Villar Leandro

Leia mais

Modelagem de banco de dados com MySQL Workbench

Modelagem de banco de dados com MySQL Workbench Modelagem de banco de dados com MySQL Workbench Após o término desse curso, você estará apto à: Teoria: Reconhecer os principais tipos de dados suportados pelo MySQL 5.0 Otimizar espaço pela escolha certo

Leia mais

3 Introdução às chamadas ao sistema

3 Introdução às chamadas ao sistema 3 Introdução às chamadas ao sistema 3.1 Chamadas ao sistema e à BIOS As chamadas ao sistema ou System Calls consistem nos serviços disponibilizados pelo núcleo do sistema operativo. O principio é semelhante

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos 1 Manipulação de Arquivos Para realizar E/S em arquivo, você precisa incluir o arquivo-cabeçalho fstream.h nos programas. Esse arquivo define muitas classes e valores importantes. Abrindo e fechando um

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA CALIBRAÇÃO DE CENTRAIS INERCIAIS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA CALIBRAÇÃO DE CENTRAIS INERCIAIS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA CALIBRAÇÃO DE CENTRAIS INERCIAIS Aluno: Pedro Schuback Chataignier Orientador: Mauro Speranza Neto Introdução O projeto, iniciado em 2013, visa desenvolver

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais