Distúrbios Circulatórios. Profa. Dra. Enny Fernandes Silva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Distúrbios Circulatórios. Profa. Dra. Enny Fernandes Silva"

Transcrição

1 Distúrbios Circulatórios Profa. Dra. Enny Fernandes Silva

2

3 Ciclo cardíaco células-coração-pulmão Diástole: o coração se enche de sangue Sístole: contração cada ventrículo (70 ml) 72 batidas por minuto irá impulsionar 5 litros por ventrículo, ou 10 litros/minuto Coração direito (bombeia sangue pra os pulmões) e esquerdo (bombeia sangue para os órgãos periféricos)

4 A diástole é o enchimento das câmaras cardíacas com o volume de sangue. A sístole é a expulsão do sangue das câmaras cardíacas. Existem dois tipos de sístole, a atrial e a ventricular. Cada uma é precedida por uma diástole

5 Assim que o ventrículo começa a se contrair, a válvula aórtica se abre e a mitral se fecha, para evitar que o sangue retorne aos pulmões. Com a aórtica aberta e o ventrículo se contraindo, a pressão na aorta aumenta, acompanhando o aumento da pressão ventricular, pois o volume ventricular diminuiu

6 A grande circulação ou circulação sistêmica: é o movimento do sangue que sai pela aorta e retorna pelas veias cavas inferior e superior de volta ao átrio esquerdo. A pequena circulação ou circulação pulmonar: é o movimento do sangue que sai do ventrículo direito através da artéria pulmonar, passando pelos capilares pulmonares (local onde o sangue entra em contato com o leito alveolar e é oxigenado). Depois de oxigenado o sangue retorna para o átrio esquerdo através das veias pulmonares, seguindo para o ventrículo esquerdo e a grande circulação. A terceira circulação ou circulação coronariana: é o movimento o sangue a partir dos seios coronarianos localizados na raiz da aorta. Estes seios dão origem a artéria coronária direita e tronco da coronária esquerda. Assim que o miocárdio é irrigado, o sistema venoso coronariano trás de volta o sangue para o átrio direito

7 Hemodinâmica Princípios que norteiam o fluxo de sangue no sistema cardiovascular (por exemplo pressão, resistência, etc) Artérias: parede espessa, tecido elástico, músculo liso e tecido conjuntivo, sangue sob alta pressão Arteríolas: músculo liso bem desenvolvido Capilares: uma única camada de células endoteliais: troca de substancias Veias e vênulas: tem menos tec. elástico. Ap. volume de sangue sob baixa pressão

8

9 Função dos ventrículos como bombas: Sístole: válvulas átrio - ventriculares fechadas Pressão no átrio aumenta Termina sístole: as válvulas se abrem, ventrículos enchem Ventrículos se contraem (contração isométrica) válvulas atiro ventriculares se fecham. abrir as válvulas semilunares e superar as pressões na aorta e ateria pulmonar átrios relaxam, (diástole) as válvulas aórtica e pulmonar se fecham (o sangue tenta refluxar). ventrículo continua a relaxar até a as válvulas átrio ventriculares se abrirem reiniciando o ciclo.

10 Válvulas As válvulas se fecham e se abrem sempre passivamente, devido a gradientes de pressão. válvulas átrio ventriculares: finas e flexíveis requerem muito pouco fluxo retrogrado para ocasionar o seu fechamento, válvulas semilunares;muito mais pesadas, requerem um forte fluxo retrogrado durante alguns milissegundo. válvulas semilunares se fecham assim com um estalido, átrios ventriculares: fechamento suave Aorta, tronco pulmonar= semilunares mitral (atrio-ventrículo esquerdo), atrioventricular (atrioventrículo direito)

11 1. Início da diástole, abertura das válvulas tricúspide e mitral e enchimento ventricular 2. Fechamento das válvulas de entrada, final da diástole 3. Contração ventricular, abertura das válvulas pulmonar e aórtica - sístole ventricular 4. Final da sístole ventricular, fechamento das válvulas pulmonar e aórtica 5. Reinício da diástole atrial e ventricular.

12 Pressão arterial Pressão diastólica: é a pressão na artéria durante o relaxamento ventricular Pressão sistólica:é a pressão na artéria após o sangue ter sido ejetado do ventrículo esquerdo durante a sístole Pressão de pulso: é a diferença entre pressão diastólica e sistólica (volume sistólico)

13

14 Uma diminuição no número de plaquetas pode desencadear hemorragias. Normalmente, o hemograma evidencia entre e plaquetas. Quando esse valor é inferior a , até mesmo o sangramento de pequenos ferimentos podem ser graves. Uma elevação no número de plaquetas é pouco comum e pode predispor à formação de coágulos (que podem provocar, por exemplo, um derrame).

15

16 coagulação 1) a parede vascular, incluindo o endotélio e tecido sub-endotelial; 2)plaquetas(através do fator de von Willebrand) 3)proteínas solúveis prócoagulantes (fatores), 4) anti-coagulantes e fibrinolíticas. 3 etapas: Fase vaso plaquetária Fase plasmática Fibrinólise

17 Lesão do vaso sanguíneo Contração vascular Exposição do colágeno Liberação de tromboplastina tecidual Agregação de plaquetas trombina Tampão temporário fibrina Tampão definitivo

18 1) tampão primário 2) tampão secundário: plaquetas sob ação do ADP, tromboxano e trombina se contraem O processo culmina com a adesão e agregação plaquetária. A trombina: porção central no processo de coagulação membrana das plaquetas + fator tissular (uma proteína de membrana que é exposta à corrente sangüínea em algumas situações)+ fatores de coagulação O processo de coagulação é finalizado com o desencadeamento da cascata de coagulação e culmina com a deposição de fibrina. Esta cascata é esquematicamente dividida em via "Intrínseca" e via "Extrínseca".

19 Mecanismo da coagulação Via intrínseca (colágeno) via extrínseca XII XI IX VII VIII X fibrinogênio (II)PROTROMBINA V e Ca2+ (III)TROMBINA FIBRINA (FROUXA) XIII FIBRINA (FIRME)

20 Via Intrínseca fatores: presentes no sangue circulante, e a reação em cadeia é desencadeada pelo contato com plaquetas ativadas ou componentes do tecido subendotelial. fator XII (Hageman), pré-calicreina e o cininogênio de alto peso molecular, apesar do mecanismo exato ainda não seja conhecido. O fator XII ativado converte o próximo fator da coagulação (fator XI) para sua forma enzimática XIa. O fator XIa, em uma reação cálcio dependente, ativa o fator IX. O fator IX ativado juntamente com o fator VIII e o cálcio, formam um complexo que ativam o fator X

21 Via Extrínseca um fator tissular inicia a cadeia de eventos ao formar um complexo com o fator VII. O complexo fator tissular-fator VIIa ativa primariamente o fator X, mas também os fatores IX e XI, o que interliga as vias intrica e extrínseca. Deve ser notado que fosfolipídeos da parede plaquetária, juntamente com o fator Xa, podem ativar o fator VII, sendo uma outra ponte de ligação entre as vias intrínseca e extrínseca

22 Via Comum O Fator X encontra-se na intercessão das então chamadas vias intrínseca e extrínseca. A presença do fator VIIIa aumenta em até vezes a taxa de ativação do fator X pelo fator IX, o fator VIII é então um co-fator muito importante. Para ser totalmente ativo o fator Xa deve formar um complexo com o fator Va, o que aumenta em vezes a ativação da protrombina por parte do fator Xa. A trombina age então convertendo o fibrinogênio em fibrina, que é o resultado final da cascata de coagulação.

23

24

25

26 TROMBOSE DAS ARTÉRIAS DA RETINA Olho normal Imagem do Fundo do Olho num caso de Trombose das Artérias da Retina onde podem ser observadas hemorragias "em chama", o adelgaçamento das Artérias e a excessiva dilatação das veias

27 Trombose É o entupimento de uma veia do corpo. As conseqüências são graves, mas não impedem a oxigenação e a nutrição das células. Normalmente, o que entope as veias são coágulos formados por substâncias do próprio sangue. O repouso contínuo deixa a circulação mais lenta e facilita a coagulação. Conseqüências Pernas: muita dor, inchaço e vermelhidão. Pulmões embolia (tecidos morrem por falta de oxigênio e nutrição).

28 Os grupos de risco Obesos Os tecidos comprimem os vasos, o sangue passa a circular mais rapidamente e tem as chances de coagulação aumentadas. Pacientes recém-submetidos a uma cirurgia ortopédica ou ginecológica Tendem a ficar muito tempo com as pernas paradas. Tratamento Uma opção para evitar o trombo na veia é fazer exercícios e colocar as pernas para cima com freqüência. Há também a alternativa do tratamento com medicamentos

29 Drogas anti-coagulantes Heparina não-fracionada (uma família de mucopolissacarídeos com cadeias de tamanho variável). A ação anti-coagulante da heparina é obtida através da ligação com dois anti-coagulantes naturais. A heparina não é absorvida pelo trato gastrointestinal, logo sua única via de administração é a parenteral A heparina se liga a monócitos, cels. endoteliais e outras proteínas.isto explica a resistência a heparina. Complicação: hemorragia

30 Drogas anti-coagulantes A Heparina de baixo peso molecular (HBPM) melhor biodisponibilidade, maior meia vida A HBPM é atualmente a droga ideal para se utilizar em mulheres grávidas.

31 Drogas anti-coagulantes Anticoagulantes Orais: Os anticoagulantes são derivados da 4-hidroxicumarina (cumarínicos) ou do indan-1,3-diona (compostos indandiônicos). Warfarin sódico e os outros cumarínicos são anticoagulantes orais, lipossolúveis (sua ação impedindo a ativação da vitamina K ) Os anticoagulantes orais apresentam efeitos potencialmente tóxicos e incluem fenômenos trombóticos, hemorragia, necrose cutânea, reações hematológicas,renais e hepáticas.

32 Drogas anticoagulantes hirudina é um inibidor da trombina, a quem ela se liga com grande afinidade. (meia vida em indivíduos jovens é de aproximadamente 60 minutos). Diferente da heparina não fracionada e da HBPM, a hirudina penetra no trombo e neutraliza a trombina ligada a fibrina. reduz a deposição plaquetária após lesão vascular. Como a hirudina não é inibida pelas proteínas plasmáticas e pelo endotélio, seu agente anticoagulante é mais previsível.

33 Drogas anticoagulantes Aspirina: inibe irreverssivelmente a cicloxigenase, inibe seletivamente a via de formação do tromboxano, impedindo apenas parcialmente a agregação plaquetária induzida pelo ADP, colágeno e baixos níveis de trombina.

34 Drogas Trombolíticas Os trombolíticos agem ativando tanto o plasminogênio solúvel quanto o ligado à superfície, para formar a plasmina. A plasmina quando gerada dissolve o trombo digerindo a fibrina. Estreptoquinase: principal reação adversa: hemorragia Uroquinase é um ativador direto do plasminogênio

35 DISTÚRBIOS CIRCULATÓRIOS com obstrução vascular: TROMBOSE EMBOLIA

36 TROMBOSE Significa a coagulação patológica do sangue dentro dos vasos ou dentro do coração, durante a vida. VENOSA - ARTERIAL - INTRA_ CARDÍACA Portanto: Não é trombo o coágulo que se forma nos hematomas. Não é trombo o coágulo que se forma dentro de um tubo de ensaio. Não é trombo o coágulo que se forma após a morte da pessoa.

37 TROMBOSE: venosa VENOSA ( veia porta)

38 TROMBOSE: arterial ARTERIAL (artéria ilíaca E)

39 TROMBOSE: arterial LUZ

40 TROMBOSE: intra-cardíaca Trombo: ventrículo esquerdo Vegetações: trombos nas válvulas

41 Formação do trombo Vaso Intacto Primeiro tampão Lesão endotelial Tampão estável

42 TROMBOSE: mecanismos 1) ALTERAÇÃO NA PAREDE e/ou no seu REVESTIMENTO ENDOTELIAL: Qualquer lesão das células endoteliais, com desnudamento e exposição do colágeno subjacente. aterosclerose alterações cicatriciais no endocárdio pós-infarto anóxia produzida por estase venosa traumatismo vascular (ex. injeções)

43 TROMBOSE: mecanismos 2) ALTERAÇÃO na VELOCIDADE do FLUXO SANGUÍNEO Redução do fluxo (estase sanguínea) ou turbilhonamento do sangue. Varizes (estase venosa) Imobilização prolongada no leito congestão venosa Insuficiência cardíaca Placas ateroma Bifurcações arteriais turbilhonamento do sangue/ Aneurismas redemoinhos Fibrilação cardíaca

44 TROMBOSE: mecanismos 3) ALTERAÇÕES nos CONSTITUINTES do SANGUE Distúrbios hematológicos Aumento nº plaquetas (ex. pós-parto; pós-cirurgias) Aumento do fibrinogênio (pós-cirurgias) Liberação de tromboplastina tecidual (ex. certos cânceres; infecções com formação muitas toxinas no sangue (coagulação intra-vascular disseminada) Deficiência de anti-coagulantes fisiológicos (AT-heparina, PS)

45 TROMBOSE ISQUEMIA AGUDA (déficit súbito de sangue) com necrose INFARTO sem necrose ANGINA

46 Classificação dos trombos: 1- De acordo com sua cor (macroscopia) Trombos brancos ou fibrinosos Constituídos principalmente de plaquetas e fibrina dispostas em camadas alternadas (estrias) Artérias Trombos vermelhos ou de coagulação ou estase Assemelham-se ao coágulo, constituídos principalmente de hemácias Veias Trombo misto 2- De acordo com a oclusão Trombos murais Preserva-se na luz do vaso Trombos oclusivos

47 O infarto pode ser: Infarto anêmico ou branco- ocorrem da oclusão de artérias em órgãos compactos rim Infarto hemorrágico ou vermelho Necrose + hemorragia maciça, por oclusão venosa em órgãos com dupla circulação Pulmão e intestinos

48

49 EMBOLIA PULMONAR: É uma causa de morte em 10-20% de todas as mortes hospitalares. 95% das embolias pulmonares origina-se de trombos venosos profundos da perna.

50 Condições clínicas que mais se associam com trombose venosa: Idade avançada Repouso prolongado no leito Imobilização Insuficiência cardíaca Estados pós-operatórios e pós-parto Outras

51 EMBOLIA SISTÊMICA: Significa êmbolos que são veiculados na circulação arterial. Seguem um caminho muito variado, mas quase sempre causam infarto.

52 EMBOLIA SISTÊMICA: principais locais de destino Membros inferiores ( 70-75%) Cérebro (10%) Vísceras (10%): art. mesentéricas, renais, etc Membros superiores (7-8%)

53 EMBOLIA SISTÊMICA: focos de origem 60-65% dos êmbolos sistêmicos origina-se do coração (ventrículo esquerdo), após infarto.

54 EMBOLIA: consequências pulmonar MORTE SÚBITA INFARTO PULM. clinica// inaparente sistêmica cérebro: INFARTO membros inf: GANGRENA rim: INFARTO

55 Distúrbios Hemodinâmicos São alterações na velocidade de circulação sangüínea. A manutenção de um fluxo constante de oxigênio e nutrientes é fundamental para o funcionamento e sobrevivência das células. dependendo da intensidade e duração do retardo de sangue, pode ser letal. A diminuição do fornecimento do oxigênio às células, reduzido pela diminuição do fluxo, também é acompanhada de um acúmulo dos níveis de gás carbônico inversamente proporcional aos do oxigênio.

56 Trombo e Trombose Trombo é a coagulação do sangue sobre o endotélio vascular. Podem ser formados em artérias, veias e no coração. Os fenômenos de coagulação e fibrinólise são antagônicos e responsáveis pela manutenção do estado fluido do sangue. Em ocasiões onde ocorre desequilíbrios dos processos, tendendo à coagulação, pode-se formar o trombo. Denomina-se trombose, a presença de um trombo aderido ao endotélio vascular Os trombos, habitualmente possuem um corpo (cabeça) e uma cauda que pode ficar solta sem estar presa ao endotélio e também podem ser formados tanto em artérias como em veias. Coágulo: Denomina-se coágulo quando a coagulação do sangue ocorre fora do sistema circulatório, isto é, no interstício e para tanto, deve ocorrer previamente uma hemorragia e nesse caso também podendo ser arterial ou venosa.

57 Causas de formação de trombos: 1- Em artérias: Os trombos arteriais mais frequentemente são formados por lesões endoteliais onde ocorre a exposição do plasma sanguineo ao fator contato (colágeno), desencadeando o processo de coagulação. A patologia que mais frequentemente atinge as artérias; provocando lesões endoteliais é a arterioesclerose Os trombos podem ser formados sobre o endocárdio do ventrículo esquerdo podendo adquirir grandes volumes. Podem causar obstruções ( infarto com isquemia e anoxia) Podem deslocar-se por completo ou parcialmente: obstruções (uma trombo embolia). Os trombo êmbolos cardíacos ao deslocarem-se podem obstruir vasos do encéfalo (trombo embolia encefálica ) ou seguirem pela aorta descendente, embolizando artérias mesentéricas, renais, e também as artérias dos membros inferiores. A estase arterial também pode provocar a formação de trombos (cardiopatia chagásica crônica) Essa lesão é comum e propicia a causa de morte mais freqüente no chagásico crônico subitamente; a trombo embolia encefálica.

58 Causas de formação de trombos: em artérias: Figura1: Trombose na artéria coronária. Figura 2: Trombo aderido ao endotélio vascular.

59 2- Em veias: As tromboses venosas ocorrem quase que exclusivamente por estase de sangue. A grande dificuldade do retorno venoso dos membros inferiores em direção ao coração propicia a formação de trombos, principalmente nas grandes veias, femoral, poplítea e nas veias da panturrilha da perna. Nos indivíduos acamados, sedentários e com profissões de pouca movimentação (sentados) tendem a sofrer de tromboses. Também a presença de varizes (veias tortuosas repletas de sangue) facilitam as tromboses. Nas longas viagens de avião, uma porcentagem de pessoas sofrem de tromboses venosas que podem resultar em morte por trombo embolia pulmonar. Todas as causas que aceleram a formação de varizes nos membros inferiores estão correlacionadas à formação de trombos venosos. Frequentemente a presença de varizes está associada a tromboses que provocam ulcerações denominadas úlceras varicosas e que também podem infectar provocando a trombo flebite. A destruição progressiva das válvulas venosas propicia a estase sangüínea o que predispõe a formação de trombos e suas complicações.

60 Figura 3: Varizes em membro inferior. Figura 4: Trombo embolia pulmonar

61 Êmbolo e Embolia Êmbolo é a presença de substâncias estranhas no sangue circulante e ao pararem em vasos de menor diâmetro provocam embolias com conseqüente infarto por isquemia e anoxia. A grande maioria dos êmbolos são formados à partir de trombos que se descolam das paredes dos vasos transformando-se em trombo êmbolos, mas existem formas menos freqüentes de embolias. A trombo embolia pulmonar constitui a mais freqüente complicação resultado de trombos nas grandes veias das pernas que se deslocam até o coração onde são mastigados pela contração cardíaca, e pelo ventrículo direito, alojam-se na bifurcação do tronco pulmonar podendo oclui-lo totalmente. Trata-se de complicação grave que determina infarto nos pulmões e cor pulmonale agudo.

62 Embolia de líquido amniótico: É a entrada de líquido amniótico na circulação materna antes ou no decorrer do parto. O líquido contêm prostaglandina F2 (PDF2) e componentes fetais (células descamadas da pele fetal) que apresenta grande atividade pró coagulante. Por isso, com freqüência instala-se coagulação intravascular disseminada. A gestante apresenta dispnéia, cianose, hipotensão arterial e as vezes convulsões e hemorragias associadas à coagulopatia com risco de morte de 60 80% das pacientes. Embolia gasosa: Conhecida como Mal dos Caixões desde o século XVII. Nos escafandristas de grandes profundidades ao retornarem à superfície, grande parte do N2 presente no plasma, retorna ao estado gasoso com a súbita mudança de pressão atmosférica e formam-se bolhas de gás que obstruem a micro circulação periférica, muscular, pulmonar, encefálica tendo como conseqüência anoxia de estase determinando cianose, convulsões que levavam à morte em poucos minutos. Com os posteriores estudos, desenvolvimentos técnicos foi desenvolvida a câmara barométrica que recolocava os mergulhadores à pressão normal de maneira lenta e gradual. Embolia Gordurosa: É a presença de gotículas de lipídeos intravasculares que se formam em algumas situações: fraturas de ossos longos com medula óssea gordurosa e traumatismo extenso ou queimadura no tecido adiposo. Embolia por Placas de Ateromas: Placas ateromatosas podem se romper e seu conteúdo, misturado com restos de trombos, ser deslocado na circulação, fenômeno chamado de ateroembolia. Embora esses fenômenos possam ocorrer espontaneamente, são mais frequentemente observados após cirurgia cardiovascular, cateterismo ou angiografia. Embolia por Células Tumorais: Significa a existência de células malignas na circulação. Quase sempre tais êmbolos são assintomáticos. A importância maior da embolia de células tumorais é a disseminação do câncer e a formação de metástases.

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS PARTE 2 Disciplina: Patologia Geral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Jair FUNÇÕES Transporte de gases dos pulmões aos tecidos e dos tecidos aos pulmões Transporte dos nutrientes das vias digestivas aos tecidos Transporte de toxinas Distribuição

Leia mais

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA & COAGULAÇÃO Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA Fenômeno fisiológico, dinâmico: mantém o sangue fluido no interior dos vasos e impede sua saída para os tecidos(trombose e hemorragia)

Leia mais

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA Profª Tatiani UNISALESIANO PROCESSO DE HEMOSTASIA- COAGULAÇÃO DO SANGUE Toda vez que ocorre ferimento e extravasamento de sangue dos vasos, imediatamente são desencadeados

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Elab.: Prof. Gilmar

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Elab.: Prof. Gilmar 1 SISTEMA CARDIOVASCULAR 2 Funções Gerais: Transporte de gases respiratórios:o sangue carrega oxigênio dos pulmões para as células do corpo e dióxido de carbono das células para aos pulmões. Transporte

Leia mais

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel Cardiologia Introdução Disfunções circulatórias levam as pessoas a adoecerem. Origem congênita ( já nasce com a doença, como a deficiência na formação de válvulas cardíacas) Origem infecciosa ( bactérias

Leia mais

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Sistema Circulatório Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Conceito e função do sistema circulatório O sistema circulatório é responsável pela circulação

Leia mais

Embolia Pulmonar. Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência

Embolia Pulmonar. Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência Embolia Pulmonar Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência Embolia Pulmonar - Conceito Entre os agravos respiratórios que apresentam elevados índices de morbidade destaca-se

Leia mais

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema Sistema Cardiovascular Prof. Dr. Leonardo Crema Visão Geral do Sistema Circulatório: A função da circulação é atender as necessidades dos tecidos. Sistema Circulartório= Sistema Cardiovascular É uma série

Leia mais

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba 1.Petéquias: DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO O PACIENTE QUE SANGRA alteração dos vasos ou plaquetas 2.Equimoses, melena, hematúria, hematêmese,

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O sangue Líquido vermelho e viscoso que circula no nosso organismo, sem parar, e que tem várias funções no organismo: Transporte de gases e nutrientes Regulação da temperatura Defesa

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR O coração consiste em duas bombas em série Circulação Pulmonar Circulação Sistêmica Pequena Circulação ou Circulação Pulmonar Circulação coração-pulmão-coração. Conduz o sangue venoso

Leia mais

Sistema cardiovascular. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

Sistema cardiovascular. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Sistema cardiovascular Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Sistema sanguíneo Tem como função transportar nutrientes até às células e retirar as excretas. Constituído por coração, artérias, veias e capilares.

Leia mais

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor.

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor. Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor Componentes: Vasos sanguíneos, Coração, Sangue http://www.afh.bio.br/cardio/cardio3.asp

Leia mais

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários COAGULAÇÃO SANGUÍNEA A coagulação sanguínea trata-se de uma serie de castas enzimáticas que vão se ativando gradativamente e aumentando os fatores

Leia mais

OBS: o sangue (tecido sanguíneo) é o líquido impulsionado por este sistema.

OBS: o sangue (tecido sanguíneo) é o líquido impulsionado por este sistema. Coração ( bomba ); Vasos sanguíneos ( tubos ); OBS: o sangue (tecido sanguíneo) é o líquido impulsionado por este sistema. Transporte de substâncias (O 2, CO 2, nutrientes, hormônios, metabólitos, etc.);

Leia mais

Sistema Circulatório. Ms. Roberpaulo Anacleto

Sistema Circulatório. Ms. Roberpaulo Anacleto Sistema Circulatório Ms. Roberpaulo Anacleto Sistema Circulatório É o sistema pelo qual são transportados nutrientes: Gases; Hormônios; Hemácias. Para as células do organismo e também a partir delas, a

Leia mais

Prof: Clayton de Souza da Silva

Prof: Clayton de Souza da Silva Prof: Clayton de Souza da Silva Sangue O sangue é a massa líquida contida num compartimento fechado, o aparelho circulatório, que a mantém em movimento regular e unidirecional, devido essencialmente às

Leia mais

HEMORRAGIA Mecanismos Per rexis: ruptura Per diabrosis: corrosão Per diapedesis: aumento de permeabilidade

HEMORRAGIA Mecanismos Per rexis: ruptura Per diabrosis: corrosão Per diapedesis: aumento de permeabilidade HEMORRAGIA Saída de sangue do interior dos vasos para o interstício, cavidades ou exterior do organismo HEMORRAGIA Mecanismos Per rexis: ruptura Per diabrosis: corrosão Per diapedesis: aumento de permeabilidade

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA 3 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE BIOLOGIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE BIOLOGIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROFa. FLÁVIA CARLETE NOME Nº 8º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão

Leia mais

Bombear e forçar o sangue através dos vasos sanguíneos do corpo, fornecendo a cada célula do corpo nutrientes e oxigénio.

Bombear e forçar o sangue através dos vasos sanguíneos do corpo, fornecendo a cada célula do corpo nutrientes e oxigénio. Função : Bombear e forçar o sangue através dos vasos sanguíneos do corpo, fornecendo a cada célula do corpo nutrientes e oxigénio. Dimensão, forma e localização: Tamanho de um punho fechado; Forma de um

Leia mais

Comparação entre dois métodos de retirada do suporte ventilatório em pacientes no pós-operatório de cirurgia cardíaca 1

Comparação entre dois métodos de retirada do suporte ventilatório em pacientes no pós-operatório de cirurgia cardíaca 1 Sistema cardiovascular Sistema condutor do sangue e seus nutrientes por todo o corpo ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDÍACA Formação: Coração: órgão propulsor da corrente sangüínea Sistema vascular: composto por

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

EDUCAÇÃO É ESSENCIAL!

EDUCAÇÃO É ESSENCIAL! 1. O termo hipóxia refere-se à condição na qual a disponibilidade ou a utilização de oxigênio está reduzida. Os indivíduos B, C, D e E, relacionados na tabela a seguir, estão submetidos a diferentes formas

Leia mais

ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS

ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS Alguns pacientes são propensos a ter hipercoagulabilidade, ou seja, formar trombos de forma patológica. São pacientes que normalmente apresentam doenças

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I SISTEMA CARDIOVASCULAR Fisiologia Humana I Fornecer e manter suficiente, contínuo e variável o fluxo sanguíneo aos diversos tecidos do organismo, segundo suas necessidades metabólicas para desempenho das

Leia mais

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia do Sistema Cardiovascular Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Introdução ao Sistema Cardiovascular Coração e sistema fechado de vasos. Sangue move-se continuamente por gradiente de pressão.

Leia mais

RESUMO APARELHO CARDIOVASCULAR

RESUMO APARELHO CARDIOVASCULAR Veia (vaso que volta ao coração) Artéria (vaso que sai do coração) No lado direito do coração só circula sangue venoso, e no lado esquerdo só circula sangue artrial. Refira funções do aparelho cardiovascular

Leia mais

Como funciona o sistema respiratório?

Como funciona o sistema respiratório? Como funciona o sistema respiratório? O sistema respiratório é responsável pela ventilação pulmonar. " O diafragma contrai-se e desloca-se para baixo. " Os músculos intercostais contraem-se, afastando

Leia mais

OS TECIDOS PROF LUIS BRUNO

OS TECIDOS PROF LUIS BRUNO OS TECIDOS PROF.: LUIS BRUNO HISTOLOGIA E TECIDOS Histologia (do grego hystos = tecido + logos = estudo) é o estudo dos tecidos biológicos, sua formação, estrutura e função. Tecidos, é um conjunto de células

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS - São caracterizadas por alterações

Leia mais

Biofísica da circulação. Hemodinâmica cardíaca. Forças e mecanismos físicos relacionados à circulação sanguínea

Biofísica da circulação. Hemodinâmica cardíaca. Forças e mecanismos físicos relacionados à circulação sanguínea Biofísica da circulação Hemodinâmica cardíaca Forças e mecanismos físicos relacionados à circulação sanguínea Sistema circulatório 1) Sistema cardiovascular coração, vasos sanguíneos, sangue, sistema de

Leia mais

Histologia. Professora Deborah

Histologia. Professora Deborah Histologia Professora Deborah Histologia Histologia (do grego hystos = tecido + logos = estudo) é o estudo dos tecidos biológicos, sua formação, estrutura e função. Tecidos É um conjunto de células que

Leia mais

É formado pelo plasma, que representa cerca de 55 a 65% da composição sanguínea e pelos elementos figurados (hemácias, plaquetas e leucócitos) que

É formado pelo plasma, que representa cerca de 55 a 65% da composição sanguínea e pelos elementos figurados (hemácias, plaquetas e leucócitos) que SANGUE HUMANO Adulto: geralmente de 5 a 6 litros É responsável pelo transporte de substâncias pelo corpo, como aminoácidos, nutrientes, gases respiratórios, excretas, hormônios, etc. Também responde pela

Leia mais

5 Observe a figura abaixo e responda.

5 Observe a figura abaixo e responda. 5 Nome: Data: UniDaDE 7 1 As artérias e veias apresentam morfologias e funções distintas. As artérias transportam o sangue do coração para os tecidos. Já as veias transportam o sangue dos tecidos até o

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR O CORAÇÃO COMO BOMBA: ESTRUTURA E FUNÇÃO Anatomia Cardíaca Bomba Cardíaca: Função Ventricular e Ciclo Cardíaco Débito Cardíaco e seus Componentes FC: Regulação Intrínseca e Extrínseca

Leia mais

Circulação coronariana, hipertensão e isquemia

Circulação coronariana, hipertensão e isquemia O conceito de pressão de pulso A chamada pressão de pulso é a amplitude da variação entre a pressão sistólica e a pressão diastólica num determinado momento. A complacência arterial é um dos parâmetros

Leia mais

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina O SANGUE HUMANO Professora Catarina SANGUE Principais funções: Transportar O 2 e nutrientes a todas as células do corpo; Recolher CO 2 e excreções; Transportar hormônios; Proteger o corpo contra a invasão

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE V: SISTEMA RESPIRATÓRIO

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE V: SISTEMA RESPIRATÓRIO FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE V: SISTEMA RESPIRATÓRIO Funções Troca de gases com o ar atmosférico; Manutenção da concentração de oxigênio; Eliminação da concentração de dióxido de carbônico; Regulação da ventilação.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA CARDIOVASCULAR ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Introdução Cada seguimento do sistema circulatório tem uma estrutura histológica própria, e seu papel no processo geral da circulação é diferente. Termos

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema Sistema Cardiovascular Prof. Dr. Leonardo Crema Visão Geral do Sistema Circulatório: A função da circulação é atender as necessidades dos tecidos. Sistema Circulartório= Sistema Cardiovascular É uma série

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR Aula 6 DÉBITO CARDÍACO

Leia mais

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS Leonardo Oliveira Moura Dissecção da Aorta Emergência aórtica mais comum Pode ser aguda ou crônica, quando os sintomas duram mais que 2 semanas Cerca de 75%

Leia mais

DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. ALUNO(a):

DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. ALUNO(a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem 1) (UFSCar/2009) O sistema circulatório dos vertebrados mostra uma evolução ocorrida entre os grandes grupos.

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO 1 Ventilação e metabolismo energético Equivalente ventilatório de oxigênio: Relação entre volume de ar ventilado (VaV) e a quantidade de oxigênio consumida pelos tecidos (VO2) indica

Leia mais

Capítulo 3 página 254 a ª série Professora Priscila Binatto

Capítulo 3 página 254 a ª série Professora Priscila Binatto Capítulo 3 página 254 a 270 2ª série Professora Priscila Binatto Elementos Figurados Glóbulos Vermelhos Hemácias ou eritrócitos formato bicôncavo Presente em todos vertebrados mamíferos anucleadas Gerada

Leia mais

Avaliação da Hemostasia

Avaliação da Hemostasia Avaliação da Hemostasia Plaquetas Produção : medula óssea Megacariócito plaquetas circulantes Remoção: baço, medula óssea e fígado Meia vida das plaquetas 5 a 6 dias Plaquetas - Funções Hemostasia e trombose

Leia mais

Sistema Circulatório. Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular. Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular. Angiologia

Sistema Circulatório. Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular. Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular. Angiologia Sistema Circulatório Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular Angiologia Sistema Circulatório Funções Meio de transporte Ligação metabólica entre diferentes

Leia mais

ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima

ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima Sistema Cardiovascular ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima INTRODUÇÃO: CONCEITO: O sistema cardiovascular ou circulatório é formado por uma vasta rede de tubos, que põe em comunicação todas as partes

Leia mais

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro:

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: TROCAS GASOSAS E CONTROLE DO TRANSPORTE DE GASES Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: 1. Trocas gasosas 1.1. Locais

Leia mais

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm).

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm). Revisar alguns conceitos da fisiologia cardiovascular; Revisar alguns conceitos da fisiologia do exercício do sistema cardiovascular; Estudar as adaptações do treinamento aeróbico e de força no sistema

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

REVISÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisioterapia Aplicada às Disfunções Cardiovasculares/6º Período Profa. Ivana Arigoni Pinheiro

REVISÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisioterapia Aplicada às Disfunções Cardiovasculares/6º Período Profa. Ivana Arigoni Pinheiro REVISÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Fisioterapia Aplicada às Disfunções Cardiovasculares/6º Período Profa. Ivana Arigoni Pinheiro Sistema fechado e unidirecional de circulação de sangue para transporte de

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia Trocas Gasosas

Exercícios de Aprofundamento Biologia Trocas Gasosas 1. (Unesp 2014) Os gráficos representam a concentração de três gases no sangue assim que passam pelos alvéolos pulmonares. É correto afirmar que os gráficos que representam as concentrações dos gases O

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Circulatório

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Circulatório ACERVO DIGITAL FASE II Histologia do Sistema Circulatório I Material: Aorta Técnica: Weigert Observação com aumento total de 40x: Nesse aumento e nesse campo microscópico é possível observar-se a luz da

Leia mais

Caso clínico. S.A.G, 35 anos

Caso clínico. S.A.G, 35 anos Caso clínico S.A.G, 35 anos Negra, casada, prendas domésticas. Natural de Poços de Caldas - MG, Procedente de Botucatu - SP. G4 P3 A0 C0 DUM: 23/07/2014 1º US: 27/10/2014 (14s 1d DUM correta) IG: 32s 5d

Leia mais

O coração como fonte embolígena: não basta realizar ecocardiograma transesofágico. É preciso ser bem feito

O coração como fonte embolígena: não basta realizar ecocardiograma transesofágico. É preciso ser bem feito O coração como fonte embolígena: não basta realizar ecocardiograma transesofágico. É preciso ser bem feito Lueneberg ME, Monaco CG, Ferreira LDC, Silva CES, Gil MA, Peixoto LB, Ortiz J. Rev.Bras.Ecocard

Leia mais

Ano: 8 Turma: 81 e 82

Ano: 8 Turma: 81 e 82 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 2ª Etapa 2013 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 8 Turma: 81 e 82 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

2/3/2012. Considerações iniciais. Alterações Circulatórias. Nomenclatura. Hiperemia (Congestão Ativa) HIPEREMIA E/OU CONGESTÃO CONGESTÃO

2/3/2012. Considerações iniciais. Alterações Circulatórias. Nomenclatura. Hiperemia (Congestão Ativa) HIPEREMIA E/OU CONGESTÃO CONGESTÃO Considerações iniciais Órgãos; Proporção da distribuição de fluidos; Equilíbrio dos gradientes de pressão: forças de Starling. DISTÚRBIOS HIDRO E HEMODINÂMICOS Alterações Circulatórias HIPEREMIA E/OU CONGESTÃO

Leia mais

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS Profª MSc Monyke Lucena Átomos Compostos químicos Célula Tecidos Órgão Sistema Organismo Os animais apresentam diferentes tipos de tecidos,

Leia mais

Sistema Cardiovascular

Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular SISTEMA CARDIOVASCULAR Profª Drª. SILVANA CÂMARA TORQUATO O sistema cardiovascular apresenta como função: o transporte de substâncias (gases, nutrientes, resíduos metabólicos, hormônios)

Leia mais

AULA-9 PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Profª Tatiani

AULA-9 PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Profª Tatiani AULA-9 PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Tatiani Na circulação sistêmica, as artérias tem o papel de distribuir o sangue com oxigênio e demais nutrientes( glicose, aminoácidos, ácido graxo, vitaminas, sais

Leia mais

Ano: 8 Turma: 81 e 82

Ano: 8 Turma: 81 e 82 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 2ª Etapa 2013 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 8 Turma: 81 e 82 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Fisiologia do Sistema Circulatório. Cardiovascular

Fisiologia do Sistema Circulatório. Cardiovascular Fisiologia do Sistema Circulatório Cardiovascular Profa. Débora Martinho Morsch FACCAT OU CARDIOVASCULAR O Sistema Circulatório tem a função de transportar e distribuir nutrientes, O 2, hormônios, para

Leia mais

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO CARACTERÍSTICAS O sangue é o único tecido conjuntivo líquido do copo; Funções: + Transporte (O 2, CO 2, nutrientes, resíduos, hormônios); + Regulação (ph, temperatura,

Leia mais

Autores: TR. Alexandra Santos TR. Cláudia Marra TR. Joana Coimbra TR. Luís Pinto TR. Manuel Valentim TR. Pedro Coelho TR. Rui Esteves TR.

Autores: TR. Alexandra Santos TR. Cláudia Marra TR. Joana Coimbra TR. Luís Pinto TR. Manuel Valentim TR. Pedro Coelho TR. Rui Esteves TR. Autores: TR. Alexandra Santos TR. Cláudia Marra TR. Joana Coimbra TR. Luís Pinto TR. Manuel Valentim TR. Pedro Coelho TR. Rui Esteves TR. Sónia Roios O tromboembolismo pulmonar é uma doença frequente,

Leia mais

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON Enfermagem em Clínica Médica Doença de Addison Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com DOENÇA DE ADDISON A insuficiência adrenal (IA) primária, também denominada doença de Addison, geralmente

Leia mais

QUESTÕES SISTEMA CARDIOVASCULAR

QUESTÕES SISTEMA CARDIOVASCULAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2ª TURMA(S):

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Introdução. Não confundir com As veias que formam um padrão e podem ser vistas por baixo da pele das pernas (especialmente em pessoas de

Introdução. Não confundir com As veias que formam um padrão e podem ser vistas por baixo da pele das pernas (especialmente em pessoas de Introdução O que são as varizes? As veias varicosas, vulgarmente chamadas varizes, são muito comuns. São veias dilatadas e nodulares, de cor azulada que vemos nas pernas das pessoas quando usam calções,

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC

Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC Insuficiência Cardíaca: desempenho do coração inadequado para atender as necessidades metabólicas periféricas, no esforço ou no repouso, o coração torna-se incapaz

Leia mais

Distúrbios hemodinâmicos

Distúrbios hemodinâmicos Distúrbios hemodinâmicos DISTÚRBIOS HEMODINÂMICOS Distúrbios que acometem a irrigação sanguínea e o equilíbrio hídrico Alterações hídricas intersticiais: - Edema Alterações no volume sanguíneo: - Hiperemia,

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR Fisiologia do Sistema Respiratório A respiração pode ser interpretada como um processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio, ou como um conjunto de reações químicas

Leia mais

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo Filtração Glomerular Prof. Ricardo Luzardo O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

AULA PRÁTICA 13. SISTEMA CIRCULATÓRIO e MÚSCULO CARDÍACO

AULA PRÁTICA 13. SISTEMA CIRCULATÓRIO e MÚSCULO CARDÍACO AULA PRÁTICA 13 SISTEMA CIRCULATÓRIO e MÚSCULO CARDÍACO O sistema circulatório é constituído por dois componentes funcionais: o sistema vascular sanguíneo e o sistema vascular linfático. O sistema vascular

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

CONTROLE DE ANTICOAGULAÇÃO

CONTROLE DE ANTICOAGULAÇÃO CONTROLE DE ANTICOAGULAÇÃO VOCÊ USA MAREVAN OU COUMADIN? O QUE SÃO ESSES MEDICAMENTOS? PORQUE FAZER CONTROLE DO SANGUE? O QUE É ANTICOAGULAÇÃO ORAL? O QUE É ANTICOAGULAÇÃO ORAL? É um tratamento medicamentoso

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

Choque Elétrico PALESTRANTE: MARCOS AURÉLIO BARBOSA.

Choque Elétrico PALESTRANTE: MARCOS AURÉLIO BARBOSA. Choque Elétrico PALESTRANTE: MARCOS AURÉLIO BARBOSA. Choque Elétrico É o conjunto de perturbações de natureza e efeitos diversos, que se manifesta no organismo humano ou animal, quando este é percorrido

Leia mais

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki Plaquetas e hemostasia Cláudia Minazaki Plaquetas Corpúsculos anucleados em forma de disco Derivados dos MEGACARIÓCITOS (fragmentos citoplasmáticos) Plaquetas Funções: Manutenção da integridade vascular

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira VARIZES DE MEMBROS INFERIORES Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira Definição Dilatação, alongamento, tortuosidade com perda funcional, com insuficiência valvular Incidência: 3/1 sexo feminino;75%

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

17/11/2016. Válvula em espiral e cecos pilóricos = aumentam área de absorção no intestino. Anfíbios: cloaca; não apresentam dentes; língua protrátil.

17/11/2016. Válvula em espiral e cecos pilóricos = aumentam área de absorção no intestino. Anfíbios: cloaca; não apresentam dentes; língua protrátil. Peixes cartilaginosos Sistema digestório Sistema cardiovascular Peixes ósseos Válvula em espiral e cecos pilóricos = aumentam área de absorção no intestino. Aves: Anfíbios: cloaca; não apresentam dentes;

Leia mais

Tema B TECIDO CONJUNTIVO

Tema B TECIDO CONJUNTIVO Tema B TECIDO CONJUNTIVO 1 Características gerais 2 Características dos principais tipos de tecido conjuntivo 2.1 Tecido conjuntivo propriamente dito 2.1.1 Laxo 2.1.2 Denso: modulado e não modulado 2.2

Leia mais

RESUMO ATEROSCLEROSE, TROMBOSE E EMBOLIA PATOLOGIA GERAL ATLAS VIRTUAL DE PATOLOGIA FAMERP FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

RESUMO ATEROSCLEROSE, TROMBOSE E EMBOLIA PATOLOGIA GERAL ATLAS VIRTUAL DE PATOLOGIA FAMERP FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ATEROSCLEROSE A aterosclerose é um tipo de arteriosclerose que é uma doença inflamatória crônica caracterizada pela formação de ateromas dentro dos vasos sanguíneos. Os ateromas são placas, compostas especialmente

Leia mais

Apresenta abundante material intersticial (matriz intersticial) e células afastadas.

Apresenta abundante material intersticial (matriz intersticial) e células afastadas. TECIDO CONJUNTIVO Apresenta abundante material intersticial (matriz intersticial) e células afastadas. A matriz intersticial apresenta: substância fundamental amorfa. fibras proteicas. Os principais tipos

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir: Estado de Choque OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de Definir: Estado de Choque; Classificação do Estado de Choque; Sinais e sintomas; Choque compensado / descompensado; Conduta no tratamento

Leia mais

-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue.

-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue. Hemostasia A hemostasia é a manutenção da homeostasia do sistema sanguíneo. Isso consiste na interrupção fisiológica de hemorragias, evitando perdas de sangue e lesões vasculares, e também na manutenção

Leia mais

Tromboembolismo Pulmonar. Fernanda Queiroz

Tromboembolismo Pulmonar. Fernanda Queiroz Tromboembolismo Pulmonar Fernanda Queiroz EMBOLIA PULMONAR DEFINIÇÃO: É a obstrução de vasos da circulação arterial pulmonar causada pela impactação de particulas cujo diâmetro seja maior do que o do vaso

Leia mais

Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro. Sistema Circulatório

Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro. Sistema Circulatório Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro Sistema Circulatório Coração Conceito: É um órgão muscular central do aparelho circulatório, que funciona como uma bomba dupla de sucção e

Leia mais

Classificação LIPÍDIOS

Classificação LIPÍDIOS LIPÍDIOS DEFINIÇÃO Substâncias caracterizadas pela sua baixa solubilidade em água e alta solubilidade em solventes orgânicos. Suas propriedades físicas refletem a natureza hidrofóbica das suas estruturas

Leia mais

ANEXO 02 CHAVES DE CORREÇÃO. Área Ciências

ANEXO 02 CHAVES DE CORREÇÃO. Área Ciências ANEXO 02 CHAVES DE CORREÇÃO Área 001 - Ciências 1) Descreva de maneira detalhada os eventos da meiose especificamente os cinco estágios da prófase I. Valor: 02 (dois) pontos. Resposta: a) Leptóteno: Cromossomos

Leia mais