Equipamento para Teste Automático de Qualidade de Energia e Harmônicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equipamento para Teste Automático de Qualidade de Energia e Harmônicos"

Transcrição

1 Equipamento para Teste Automático de Qualidade de Energia e Harmônicos Johnny J. Mafra Jr. Rodrigo Netto Lacerda Pedro Rodrigues Silva Fundação para Inovações Tecnológicas - FITec Belo Horizonte, Brazil Daniel Senna Guimarães Carlos Alberto Monteiro Leitão CEMIG D Belo Horizonte, Brazil Resumo É apresentado um equipamento automático para a geração de sinais de potência com a possibilidade de fazer scripts para testes funcionais, de confiabilidade e de resistência para a validação de hardware e software de equipamentos eletro-eletrônicos. Ou seja, o equipamento desenvolvido permite testar além dos ensaios de conformidade normalmente feitos, para os quais existem diversos equipamentos disponíveis comercialmente. A fonte do equipamento permite gerar sinais de qualidade de energia especificados na IEC e de harmônicos especificados na IEC , além dos harmônicos especificados na IEC Esse tipo de teste é fundamental para determinar a sensibilidade e suportabilidade de equipamentos. Palavras-chaves Equipamento de teste automático, teste sistêmico, qualidade de energia, harmônicos no sistema de potência. I. INTRODUÇÃO A introdução das Redes Inteligentes de Energia, ou Smart Grid, gerou a necessidade de testar as diversas novas tecnologias presentes nos equipamentos. Equipamentos que tradicionalmente eram eletromecânicos, agora tiveram introduzidas as tecnologias eletrônica e de telecomunicações. Garantir que esses equipamentos tenham um bom desempenho em campo é uma tarefa complexa. Foram desenvolvidos testes de conformidade e confiabilidade através de normalizações nacionais e internacionais, mas isso se revelou insuficiente. Características fundamentais para o bom funcionamento em campo ainda não eram avaliadas, como funcionalidades e resistência [1]. Este projeto desenvolveu, portanto, um simulador de protocolos de comunicação usados no programa de Smart Grid da Cemig D, denominado Cidades do Futuro. Esse simulador é controlado através de um script, para exercitar as diversas características do protocolo, como é tradicional nessa área [2]. Mas além de tratar os protocolos, o script per - Este trabalho foi financiado pelo Programa de P&D ANEEL da CEMIG D, através do Projeto D424. mite controlar uma fonte de potência e realizar testes funcionais, de confiabilidade, de resistência, tanto de software quanto de hardware. Os protocolos já implementados são o ABNT NBR [3] para medidores de energia elétrica, o DNP3 [4] para equipamentos de automação da distribuição, o Zigbee SEP (Smart Energy Profile) 1.1 para a HAN (Home Area Network) [5] e [6]. O simulador foi projetado de forma modular e flexível, de maneira a facilitar a inclusão de novos protocolos. Testes de funcionalidade são implementados nos scripts através de exercício de tensão e corrente, envio de comandos e leitura de registradores com os resultados dos testes para comparação com valores teóricos esperados. Assim, podem ser testadas funcionalidades de hardware e software. As primeiras focadas no exercício que se faz na tensão e na corrente, como variação de amplitude e frequência ou a adição de transitórios, por exemplo. As segundas através da avaliação dos registradores. Testes de confiabilidade e resistência são implementados através de scripts que repetem os testes funcionais um grande número de vezes. Esses testes podem envolver o exercício de fenômenos de qualidade de energia, como variações de tensão, frequência e harmônicos. Podem ser gerados sinais de qualidade de energia especificados na IEC [7] e de harmônicos especificados na IEC [8], além dos harmônicos especificados na IEC [9]. Mas pode-se ir além do especificado nessas normas para testes de avaliação feitos internamente pelos fabricantes dos equipamentos com o objetivo de determinar a sua real sensibilidade e suportabilidade. A fonte selecionada para uso no equipamento foi escolhida para atender aos testes de variação de tensão e corrente em regime permanente e harmônicos. Em versões futuras pode ser incluída uma fonte adicional de transitórios que atenda ensaios como o impulso de descargas atmosféricas (1,2 x 50µs) ou o Electrical Fast Transient (EFT) (5ns x 50ns), que são de grande importância para determinar a robustez de equipamentos eletrônicos.

2 II. O SIMULADOR O diagrama de blocos do simulador é mostrado na Fig. 1. Ele apresenta de forma esquemática toda a infra-estrutura fornecida pelo equipamento de teste, na qual está incluída uma bancada para montar os equipamentos em teste, ou DUT (Device Under Test), interfaces físicas de comunicação e conectores de tensão e alta corrente, que pode atingir até 120A. A fonte pode fornecer diretamente 20A trifásicos e a corrente de 120A é obtida através de três transformadores de corrente 6:1 conectados na saída da fonte. O simulador contém os seguintes módulos de software: Interpretador de Scripts: módulo de software responsável pela leitura e validação do arquivo de script, baseado em padrão XML [10], que descreve o cenário de teste. O módulo recebe como entrada o nome do arquivo de script e produz como saída um conjunto de listas de comandos consistentes a serem executadas pelo executor de comandos. Executor de Comandos: módulo de software responsável pela execução das listas de comandos criadas pelo módulo interpretador de scripts. O módulo interage com os módulos de protocolo e de controle da fonte requisitando o envio e recebimento de mensagens. O módulo é responsável também por coletar estatísticas e gerar um log em disco durante a execução das listas de comandos. construir as mensagens descritas nos comandos recebidos do executor de comandos para que elas possam ser enviadas para as interfaces físicas. Os módulos são também responsáveis por decodificar as mensagens recebidas nas interfaces físicas de acordo com as regras de cada protocolo. As mensagens decodificadas são então repassadas para o executor de comandos. A. Estrutura do Script O script deve ser um arquivo XML programado com o formato apresentado abaixo, que apresentam os comandos básicos para a execução de um script de controle da fonte. <transport> <transportdef name="..." type="..." init="..."> </transportdef> </transport> <channel> <channeldef name="..." transport="..." protocol="..." open="..."> </channeldef> </channel> <init> <send> <pause milliseconds= XXXX /> </init> O funcionamento do equipamento se baseia na programação de uma configuração inicial de condição de tensão e corrente para então enviar comandos de modificação, incluindo variações de tensão e harmônicos. Assim, ao final de cada comando de modificação a fonte retorna ao estado inicial. Após o envio de um comando para a fonte deve ser definida uma pausa no script, o tempo de pausa deve ser definido com base no tempo de atuação do comando enviado. A condição inicial define se a ligação é monofásica, bifásica ou trifásica, se é delta ou estrela, o fator de potência, os valores de tensão e corrente e em quais fases elas estarão presentes e frequência entre outros parâmetros para permitir grande flexibilidade de testes. B. Tipos de Teste Fig. 1. Diagrama de Blocos do Equipamento de Teste. Controle da Fonte: módulo de software responsável pela comunicação com a fonte. O módulo interage com o módulo executor de comandos, recebendo comandos que serão mapeados para o protocolo proprietário de comunicação com a fonte. Respostas de comandos e eventos da fonte recebidos através do protocolo proprietário da fonte são mapeados pelo módulo em eventos para serem processados pelo módulo executor de comandos. Módulos de Protocolo: módulos de software, sendo um para cada protocolo suportado, que são responsáveis por mapear os comandos recebidos do executor de comandos em mensagens específicas dos respectivos protocolos. Os módulos têm a responsabilidade de A seguir são descritos os tipos de testes que podem ser realizados no equipamento de teste: Teste de variação de tensão: Esse teste permite ser configurado para atender a todos os requisitos da IEC e além. Os testes descritos nessa norma incluem os chamados VTCD (variações de Tensão de Curta Duração), também conhecidos como SAG e SWELL. Nele se programa a amplitude para a qual a tensão deve variar, a duração dessa variação, a quantidade de repetições da variação, o tempo entre repetições e o tempo de descida e de subida para a variação. A fonte utilizada permite programar tensões de até 300V trifasicamente ou 600V na configuração monofásica. As figuras a seguir mostram alguns exemplos de formas de onda de tensão possíveis de se obter. Assim, os ensaios especificados na norma podem ser feitos, além de muitos outros necessários para verificar a confiabilidade e resistência, bastando elaborar o script. A Fig. 2 mostra três faltas de 1 segundo de duração com 50ms entre elas. A Fig. 3

3 mostra uma sub-tensão de 50% da tensão nominal com 1 minuto de duração. Observe que nela está apresentada apenas a envoltória, devido ao grande tempo de aquisição de dados. A Fig. 4 mostra faltas de energia de 300ms de duração com 1 segundo entre elas. A Fig. 5 mostra sub-tensão de 30% da tensão nominal com duração de um ciclo e tempo de recuperação de 30 ciclos e intervalo entre as faltas de 10 segundos, ou seja, há uma rampa de subida da tensão com 30 ciclos de duração. Também é apresentada apenas a envoltória. Teste de harmônicos: É possível fazer ensaios de acordo com a IEC como os mostrados a seguir. Na Fig. 6 temos o ensaio com terceiro e quinto harmônicos na tensão e na Fig.7 a chamada forma de onda flat curve também na tensão. É possível gerar tensão e corrente com qualquer conteúdo harmônico até 3kHz para tensão e 1kHz para corrente. Assim, na Fig. 8 é apresentada a forma de onda dos sub-harmônicos, como especificado na IEC e na Fig. 9 os harmônicos pares. No entanto, não é possível gerar harmônicos pares até 120A porque o TC (Transformador de Corrente) satura. Nesse caso, o limite de corrente é de 20A. O equipamento pode gerar os sinais de tensão e corrente descritos acima com precisão melhor que 0,2%. Fig. 4. Faltas de 300ms com 1s entre elas. Fig. 5. Rampa de tensão. Fig. 2. Faltas de 1s e 50ms entre elas. Fig. 6. Tensão com 3 e 5 harmônicos. Fig. 3. Sub-tensão. Fig. 7. Tensão flat curve.

4 </recv> <send channel="channelserial"> cmd : 06 Fig. 8. Corrente com sub-harmônicos. Fig. 9. Corrente com harmônicos pares. C. Testes Funcionais, de Confiabilidade e de Resistência Uma vez dominados esses blocos básicos de ensaios com tensão e corrente, nos quais pode se incluir falta de energia e de harmônicos, podem ser feitos com facilidade testes funcionais, de confiabilidade e de resistência. Testes funcionais podem ser feitos, por exemplo, injetando-se corrente em um medidor de energia e depois de algum tempo se verificando se o contador de energia incrementou corretamente. No exemplo abaixo é mostrado parte de um script XML para programar a fonte com 120V, 10A e Fator de Potência 1 durante 10 minutos. Então é enviado um comando de leitura do protocolo ABNT NBR 14522, com a respectiva sinalização, para verificar o correto registro dos dados. <send channel="channeldll"> cmd : vi tipo : estrela fios: 4 energia : ativa tensao : 120 : 120 : 120 corrente : 10 : 10 : 10 carga : ABC freq : 60 angulo : 0 : 120 : 240 : 0 : 120 : 240 <pause milliseconds="600000" /> <recv channel="channelserial" cmd="05" optional="true" /> <send channel="channelserial"> cmd : 23 leitor : null : 00 : 60 crc : calc <recv channel="channelserial" cmd="05" optional="true" /> <recv channel="channelserial" cmd="23"> $(energiafinal) : 05 Testes de confiabilidade e resistência podem ser feitos da mesma maneira. Por exemplo, o script a seguir mostra um ensaio simples de resistência para falta de energia, envolvendo poucas ocorrências. Ele repete dez vezes a seguinte sequência de ocorrências, apenas para exercitar as possibilidades: 3 faltas de 500ms espaçadas de 2s, 2 faltas de 1s espaçadas de 2s e 1 falta de 2s. <init> cmd : vi tensao : 127 corrente : 0 carga : A rampa : 0 <pause milliseconds="500" /> </init> <traffic repeat="10"> duracao : 500 : ms repet : 3 tentre : 2000 : ms <pause milliseconds="6000" /> duracao : 1000 : ms repet : 2 tentre : 2000 : ms <pause milliseconds="5000" /> duracao : 2000 : ms repet : 1 tentre : 1 : ms <pause milliseconds="2500" /> </traffic> III. CONCLUSÕES Scripts desse tipo podem ser feitos com grande número de repetições para tentar encontrar pontos fracos tanto no hardware quanto no software de equipamentos. Esses circuitos podem ser sensíveis a falta de energia, de diferentes durações ou sensíveis à presença de harmônicos em diferentes frequências. O primeiro devido a latências ou

5 interrupções concorrentes no firmware ou constantes de tempo de hardware. O segundo devido à resposta de frequência de circuitos analógicos, incluindo a fonte. Esses ensaios podem ser feitos pelos fabricantes, durante o desenvolvimento, para depurar o produto ou podem ser feitos durante a etapa de homologação do produto em laboratórios de certificação. IV. REFERÊNCIAS [1] Y. Mashiach, E. Abramowitz, N. Calamaro. Metering system engineering. The discipline of functional acceptance testing (FAT) and metrological test Approval, Metering International, Issue 4, pp , [2] Protocol Testing. (2005). Network Protocol Testing Overview. [Online]. Available: [3] ABNT Intercâmbio de informações para sistemas de medição de energia elétrica, NBR [4] DNP Users Group. (2000). A DNP3 Protocol Primer. [Online]. Available: [5] Zigbee Alliance. (2008, Jan.). Zigbee Specification. [Online]. Available: zigbee.org. [6] Zigbee Alliance. (2008, Dec.). Zigbee Smart Energy Profile Specification. [Online]. Available: zigbee.org. [7] IEC Electromagnetic compatibility (EMC) Part 4-11: Testing and measurement techniques voltage dips, short interruptions and voltage variations immunity tests. IEC , 2. ed [8] IEC Electromagnetic compatibility (EMC) Part 4-13: Testing and measurement techniques Harmonics and inter-harmonics including mains signaling at a.c. power port, low frequency immunity tests. IEC , ed [9] IEC Electricity metering equipment (a.c.) Particular requirements Part 21: Static meters for active energy (classes 1 and 2). IEC , 1 a ed [10] T. Bray, J. Paoli, C. M. Sperberg-McQueen, E. Maler, F. Yergeau. (2008, Nov. 26). Extensible Markup Language (XML) 1.0 (Fifth Edition). [Online]. Available:

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados DC2 Regras e esquemas de ligações de equipamentos de medição e contagem em pontos de ligação à RNT Data de Publicação: Abril

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Qualidade de Energia no Brasil

Qualidade de Energia no Brasil Qualidade de Energia no Brasil "Qualquer problema de energia manifestado na tensão, corrente ou nas variações de freqüência que resulte em falha ou má operação de equipamentos de consumidores". Distúrbio

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados

Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados Documento complementar ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados DC3 - Procedimentos de ensaio, verificação e modelos de relatórios em pontos de medição e telecontagem em ligações à RNT Data

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO INSTALAÇÃO PERMANENTE. Da Proteção contra choque elétrico em condições normais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO INSTALAÇÃO PERMANENTE. Da Proteção contra choque elétrico em condições normais ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 10 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Fundação Instituto Nacional de Telecomunicações FINATEL

Leia mais

Main power para distribuição de AC provisória para sistemas de sonorização de médio a grande porte. (1) (2)

Main power para distribuição de AC provisória para sistemas de sonorização de médio a grande porte. (1) (2) RMP-63 10U 01 Características: Main power para distribuição de provisória para sistemas de sonorização de médio a grande porte. Trabalha tanto em redes 380VΔ / 220VΥ como 220VΔ / 127VΥ. (1) (2) Entrada

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil PROCEDIMENTOS PARA DIAGNOSTICAR E MITIGAR EFEITOS PROVOCADOS POR VTCDS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil PROCEDIMENTOS PARA DIAGNOSTICAR E MITIGAR EFEITOS PROVOCADOS POR VTCDS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS VI SBQEE 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 01 7688 Tópico: Análise, Diagnóstico e Soluções PROCEDIMENTOS PARA DIAGNOSTICAR E MITIGAR EFEITOS PROVOCADOS POR VTCDS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA - - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - Acreditação Nº 474 Data da Acreditação 27/09/2010 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação 27/09/2016

Leia mais

MEDIÇÃO INTELIGENTE. www.ecilenergia.com.br

MEDIÇÃO INTELIGENTE. www.ecilenergia.com.br MEDIÇÃO INTELIGENTE Medidores BT Direto e Indireto (Monofásico, Bifásico e Trifásico) Medidor Indireto THS Medidor de Balanço Gateways para Rede FAN Santana de Parnaíba - SP/ Brasil Alameda Europa, 54

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

Automação Soluções para Smart Grid. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Soluções para Smart Grid. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Soluções para Smart Grid Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas A qualidade das soluções em sistemas elétricos e eletroeletrônicos, agora também para Smart Grid. A WEG desenvolveu

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Planejamento e racionalização do consumo de energia (Gestão): Sobretensão; Análise da confiabilidade do sistema elétrico; Subtensão;

Planejamento e racionalização do consumo de energia (Gestão): Sobretensão; Análise da confiabilidade do sistema elétrico; Subtensão; EMBRASUL Analisador de Energia RE7000/PT (Portátil) Avaliação de energia: Planejamento e racionalização do consumo de energia (Gestão): Sobretensão; Análise da confiabilidade do sistema elétrico; Subtensão;

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 02 7687 Tópico: Aplicação de Novas Tecnologias DESENVOLVIMENTO DE EQUIPAMENTO PARA GERAÇÃO DE VARIAÇÕES DE TENSÃO DE CURTA DURAÇÃO (VTCD)

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ANALISADOR DIGITAL DE QUALIDADE DE ENERGIA Código ETD-00.046 Data da emissão 30.04.2010 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3

Leia mais

Conceitos gerais sobre qualidade da energia

Conceitos gerais sobre qualidade da energia 28 Capítulo I Conceitos gerais sobre qualidade da energia Por Gilson Paulilo* O termo qualidade da energia inclui uma gama de fenômenos, abrangendo áreas de interesse de sistemas da energia elétrica até

Leia mais

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA COELBA SISTEMA FOTOVOLTAICO DO ESTÁDIO PITUAÇU - SALVADOR SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA ANEXO IX

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA COELBA SISTEMA FOTOVOLTAICO DO ESTÁDIO PITUAÇU - SALVADOR SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA ANEXO IX COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA COELBA SISTEMA FOTOVOLTAICO DO ESTÁDIO PITUAÇU - SALVADOR SOLICITAÇÃO DE PROPOSTA ANEXO IX AVALIAÇÃO DOS COMPONENTES DO SISTEMA GERADOR FOTOVOLTAICO 1. Módulos

Leia mais

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 Suporte redes do tipo: Monofásico; Bifásico, com neutro comum; Trifásico com ligação estrela com e sem neutro Trifásico

Leia mais

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

ENSAIOS DE CAPACITORES EM POLIPROPILENO METALIZADO COM RESISTÊNCIA EXTERNA DE DESCARGA

ENSAIOS DE CAPACITORES EM POLIPROPILENO METALIZADO COM RESISTÊNCIA EXTERNA DE DESCARGA RELATÓRIO DE ENSAIO N o 64801 Página: 1 de 14 INTERESSADO: Potencial Equipamentos Elétricos Ltda Rua Rodolfo Vieira Pamplona, 3200. Gaspar Mirim Gaspar, SC ORDEM DE SERVIÇO: 44167 DATA DE EMISSÃO: 30/04/07

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC)

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC 04 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) EXPERIÊNCIA DA CEMIG NA

Leia mais

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Módulos sem fio para Smart Metering Por Peder Martin Evjen, M.Sc.E.E., Managing Director, Radiocrafts AS A tendência em AMR e Smart Metering é utilizar tecnologia

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - VII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS DE ALTA TENSÃO - GSE

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ

GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA - GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCQ - 14 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema.

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema. Kyle Distribution Switchgear...a proteção que faltava para seu sistema. Confiabilidade do Sistema Além das Expectativas Complete o quebra-cabeças do seu sistema de proteção com o Relé para Religador Form

Leia mais

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo DM Catálogo Módulo de Aquisição de Dados e Controle O Módulo de Aquisição de Dados e Controle - DM efetua a interface de sistemas digitais com qualquer equipamento analógico ou eletromecânico que não possui

Leia mais

Tecnologias para o sistema Elétrico do Futuro: Smart Grid. Marco Amorim Gerente de Negócios para o segmento de Energia National Instruments

Tecnologias para o sistema Elétrico do Futuro: Smart Grid. Marco Amorim Gerente de Negócios para o segmento de Energia National Instruments Tecnologias para o sistema Elétrico do Futuro: Smart Grid Marco Amorim Gerente de Negócios para o segmento de Energia National Instruments #1 Geração, Transmissão e Distribuição de Eletricidade Complexidade

Leia mais

4.1.2) Conexão física dos medidores... 38 4.1.3) Critérios de expurgo no conjunto de leituras... 38 4.2) Medição da flutuação de tensão... 39 4.

4.1.2) Conexão física dos medidores... 38 4.1.3) Critérios de expurgo no conjunto de leituras... 38 4.2) Medição da flutuação de tensão... 39 4. RESUMO O presente relatório tem por objetivo principal apresentar proposições relacionadas com a definição do procedimento de medição para os diversos parâmetros diretamente associados com os fenômenos

Leia mais

UMG 511 Analisador de qualidade de energia Classe A. de acordo com IEC 61000-4-30 UMG 511

UMG 511 Analisador de qualidade de energia Classe A. de acordo com IEC 61000-4-30 UMG 511 UMG 511 UMG 511 Analisador de qualidade de energia Classe A de acordo com IEC 61000-4-30 O analisador de qualidade de energia UMG 511 é particularmente adequado para monitorar a qualidade da energia de

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 6. PROCEDIMENTOS 08 7. ALTERAÇÕES 09 8. ANEXOS 09 Elaboração: Anderson Muniz Data: 04/10/2011.

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE GERADORES DE ESD E EFT UTILIZADOS EM ENSAIOS DE COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA

CALIBRAÇÃO DE GERADORES DE ESD E EFT UTILIZADOS EM ENSAIOS DE COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA METROLOGIA-00 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 00, Recife, Pernambuco - BRASIL CALIBRAÇÃO DE GERADORES DE ESD E EFT UTILIZADOS EM ENSAIOS DE COMPATIBILIDADE

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO III

LABORATÓRIO INTEGRADO III FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO III Experiência 02: TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS - FUNCIONAMENTO Prof. Norberto Augusto Júnior I) OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

abb Características Ficha técnica IDM 96 Multimedidor Três displays de LED

abb Características Ficha técnica IDM 96 Multimedidor Três displays de LED Ficha técnica IDM 96 Multimedidor Multimedidor para sistemas trifásicos ou monofásicos com medição de 56 variáveis elétricas. Possui medição de harmônicas até a 63ª ordem, THD para corrente e captura de

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o Nobreak senoidal on-line - dupla convers o modelos isolados e n o isolados com PFC opcional 3,2 a 20 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas PERFIL O nobreak inteligente

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

Produtos de Baixa Tensão. Medidores

Produtos de Baixa Tensão. Medidores Produtos de Baixa Tensão Medidores Indicadores analógicos e digitais Indicadores analógicos Voltímetros e amperímetros ferro-móvel Amperímetros e voltímetros True RMS para conexão direta ou através de

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre Série 67 - Relé de potência para PCI 50 SÉRIE 67 Características 67.22-4300 67.23-4300 Montagem em circuito (abertura 3 mm) 50 Relé de potência para PCI Versões com 2 e 3 contatos N, com dupla abertura

Leia mais

DIVISÃO DE SUBTRANSMISSÃO DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO. Especificações Técnicas de Distribuição

DIVISÃO DE SUBTRANSMISSÃO DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO. Especificações Técnicas de Distribuição COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE SUBTRANSMISSÃO DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO Especificações Técnicas de Distribuição Medidores de Energia e Acessórios para

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PRODUTOS. Painéis de controle Controladores eletrônicos para grupos geradores

APRESENTAÇÃO DE PRODUTOS. Painéis de controle Controladores eletrônicos para grupos geradores APRESENTAÇÃO DE PRODUTOS Painéis de controle Controladores eletrônicos para grupos geradores APLICAÇÕES AMF Automatic Mains Failure em caso de falhas de alimentação da rede (Grupo gerador individual) ATS

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS HDS SISTEMAS DE ENERGIA ANTECIPANDO SOLUÇÕES, GERANDO RESULTADOS A HDS

Leia mais

NOVOS ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA SÉRIE QUALISTAR MODELOS CA 8331 CA 8333 CA 8336 CA 8435 PARA USO EXTERNO, COM ÍNDICE IP 67

NOVOS ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA SÉRIE QUALISTAR MODELOS CA 8331 CA 8333 CA 8336 CA 8435 PARA USO EXTERNO, COM ÍNDICE IP 67 NOVOS ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA SÉRIE QUALISTAR MODELOS CA 8331 CA 8333 CA 8336 CA 8435 PARA USO EXTERNO, COM ÍNDICE IP 67 Nota prévia: os três analisadores de qualidade de energia da série

Leia mais

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 04 167 Tópico: Análise, Diagnósticos e Soluções MONITORAMENTO DA QUALIDADE

Leia mais

WattStation Carregador de Veículos Elétricos

WattStation Carregador de Veículos Elétricos GE Industrial Solutions WattStation Carregador de Veículos Elétricos GE imagination at work Design WattStation A segunda coisa mais interessante na sua garagem Por que não escolher um carregador com uma

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG GPC / 02 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V TEMA 2 SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG Gomes, N.S.(*) Andrade, S.R.C. Costa, C.A.B. Coutinho, C. E. B. CEMIG

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

Simulação em tempo real via Hardware-in-the-Loop (HIL) em rede elétrica altamente dinâmica. Murilo Almeida - Typhoon HIL, Inc

Simulação em tempo real via Hardware-in-the-Loop (HIL) em rede elétrica altamente dinâmica. Murilo Almeida - Typhoon HIL, Inc Simulação em tempo real via Hardware-in-the-Loop (HIL) em rede elétrica altamente dinâmica. Murilo Almeida - Typhoon HIL, Inc A rede elétrica está se tornando altamente dinâmica. A Eletrônica de Potência

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 1KVA - 2KVA -3KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 1KVA - 2KVA -3KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 1KVA - 2KVA -3KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS HDS SISTEMAS DE ENERGIA ANTECIPANDO SOLUÇÕES, GERANDO RESULTADOS A HDS Sistemas

Leia mais

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy.

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. Monitoramento altamente confiável com valor agregado ACM avançado ACM básico Contadores

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Relé de Proteção Marca: Schneider Modelo: SEPAM T87 Funções: 50 ou PIOC sobrecorrente instantâneo e 51 ou PTOC sobrecorrente temporizado Ferramenta Utilizada: CE-6006

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Por algum motivo nos encontra em todo o lado!

Por algum motivo nos encontra em todo o lado! Por algum motivo nos encontra Novidades de produto 2010 Janitza. Sempre um passo à frente! A Janitza investe cerca de 8% da facturação anual em investigação e desenvolvimento de novos produtos. Ao introdzir

Leia mais

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica.

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica. Estudo do Impacto de Geradores Distribuídos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Oliveira, F. B. R. 1 Cardoso, J. B. 2 Resumo: Os Sistemas Elétricos de Potência se estabelecem como unidades de

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica

A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica 1 A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica A. B. de Vasconcellos, Dr.,UFMT, B.C. Carvalho, Dr.,UFMT, T.I.R.C. Malheiros, PhD, IFMT, C.H. Beuter,

Leia mais

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007 Sistem a de Monitoração On-line de Capacitância e Tangente Delta de Buchas Condensivas Marcos E. G. Alves* Jorge C. da Silva** * Treetech Sistem as Digitais Ltda. ** C em ig S.A. RESUMO Em geral, apesar

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Fernando Petenel e Cristiano Panazio Resumo Este artigo apresenta uma análise de uma rede Smart Grid baseada na norma IEC 61850

Leia mais

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo PDI Preparação para Dissertação

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controladores baseados no princípio do modelo interno cassiano@ieee.org 1 Objetivos da aula Projeto de um controlador PID para o controle da tensão de saída de um inversor

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais