FM Consultoria em Áudio Montagem e Manutenção de Sistema de Áudio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FM Consultoria em Áudio Montagem e Manutenção de Sistema de Áudio"

Transcrição

1 TREINAMENTO DE ÁUDIO MÓDULO 03 MESA DE SOM ANALÓGICA Mesa de som, console ou mixer querem dizer a mesma coisa. São misturadores de sons. Costumamos chamar de mixers as mesas dos DJs e pequeninas mesas, usadas, por exemplo,por tecladistas em shows. Já o termo console é mais associado aos modelos de grande porte. Visto como um luxo por alguns que começam a adquirir seus equipamentos ou como um verdadeiro bicho-de-sete-cabeças por outros, o item central de qualquer estúdio costuma ser desprezado por muitos daqueles que estão se iniciando no universo da produção musical ou da gravação de áudio, atrasando o seu desenvolvimento. É quase impossível operarmos um estúdio sem a mesa, e ela é um dos principais componentes que garantem ou comprometem a qualidade do nosso som. Mesmo os mini-estúdios baseados num computador com uma placa de som de dois canais dependem da mesa virtual incluída no programa de gravação. Essas mesas virtuais, contudo, não possuem entradas para os microfones ou para os instrumentos. E conectar e desconectar as fontes sonoras a toda hora pode danificar uma placa de som mais frágil. As mesas são mais robustas do que as placas de som. Os microfones trabalham em níveis de volume bem abaixo dos instrumentos eletrônicos e demais aparelhos de som, como tocadores de CD, de MiniDisc, teclados, baterias ou mesas e placas de som. Para operarem em níveis compatíveis com os dos demais aparelhos, os microfones precisam ser pré-amplificados, isto é, amplificados antes de entrarem no sistema de som. Podemos utilizar pré-amplificadores avulsos para os microfones e enviar o som dali para a placa de som. Existe uma grande quantidade de bons modelos no mercado. Por outro lado, podemos utilizar os preamps dos canais de uma mesa de som, o que costuma sair bem mais em conta. Há também placas de som com ótimos preamps (ou ótimos preamps que também são placas de som!). Desde que tenham qualidade suficiente para não desconstruir nosso projeto, podemos usar uns ou outros. (Veja mais em Microfones no Módulo 02).

2 Mesmo os produtores que não pretendem jamais usar sons captados fora do computador, isto é, os que só usam sons sampleados e colhidos na internet ou em CDs, terão que mixar (misturar) as partes do seu arranjo em uma mesa virtual com o apoio de inúmeros plug-ins. Que, não por acaso, costumam ser iguaizinhos às mesas analógicas e aos efeitos conectados a elas. Assim, compreender o funcionamento dessas mesas e o endereçamento dos canais é útil para todos nós, usuários ou não. Hoje, há uma imensa variedade de marcas e modelos de mesas para home studios, igrejas, casas de shows. Todos são iguais e todos são diferentes. Iguais porque se baseiam nos mesmos recursos, nos mesmos conceitos; diferentes porque varia a quantidade de cada recurso (canais, por exemplo), variam os nomes atribuídos a eles pelos fabricantes, variam as posições dos controles e dos conectores, além de outras variações de design e a presença ou a ausência de cada recurso nas mesas menores. Cada fábrica oferece grande variedade de modelos analógicos, digitais e até mesmo mesas híbridas, com entradas e controles analógicos e conversores digitais para conexão direta com o computador (firewire e USB). As marcas mais em evidência nos mercados mundial e brasileiro, seja pela qualidade, seja pela boa relação custo/benefício têm sido a Allen & Heath, a Behringer, a Mackie, a Phonic, a Soundcraft, a Tascam, a Yamaha, a Ciclotron, a Oneal. Há inúmeros outros fabricantes, alguns mais dedicados a mesas de grande porte ou mesas para eventos ao vivo. Estas mesas de P.A. também poderão ser usadas por nós, desde que tenham preamps e equalizadores de som claro e limpo, sem causar distorções nem adicionar ruídos.

3 Mesas analógicas Grosso modo, essas mesas se resumem a dois tipos de recursos: volumes e conexões. Os volumes, aqui, se referem aos controles de intensidade, aos níveis dos efeitos, ao balanço de cada som à esquerda e à direita do campo auditivo, aos níveis de graves e agudos, ao volume geral e aos volumes de saída para os monitores e para os fones. As conexões são as entradas e saídas de som, através de conectores e cabos diversos, mas incluem também o endereçamento interno de uma seção da mesa para outra. Seções da mesa. Os controles da mesa analógica se agrupam em duas seções principais: os canais de entrada e a seção máster, ou principal. Os conectores são sempre relativos a uma seção ou a outra. Máster. Também é conhecida como mix, main(s), main mix, left/right, L-R e quantos outros nomes a inspiração do pessoal do marketing das companhias conseguir conceber. São os controles mestres, principais ou gerais da mesa. Por exemplo, se abaixarmos o volume máster, composto de um ou dois faders que controlam o nível geral dos canais masters de saída, cortamos o som de toda a mesa. Os controles coletivosde endereçamentos auxiliares para efeitos também se localizam

4 nesta seção.a maioria dos controles da seção máster é relativa às funções dos canais de entrada. Assim, a melhor maneira de compreendermos tudo isto é conhecer os canais. Compreender os canais permite entender a mesa toda. Para nossa sorte, mesmo que sejam muitos, eles são todos iguais. Canais de entrada. Têm a forma de uma fileira vertical de botões deslizantes (os chamados faders), giratórios (knobs) e chaves liga-desliga, as switches. Geralmente, o canal consiste num pré-amplificador com controles do volume, do equalizador, do panorama estéreo, controles auxiliares e de endereçamento do áudio. Conectores de entrada. Os canais das mesas atuais costumam ter uma entrada XLR (Cannon) e outra P10. Se ligarmos um instrumento através de uma direct box, ou o cabo de um microfone, usaremos à entrada XLR. Caso a fonte sonora seja um instrumento elétrico ou eletrônico, como um baixo ou um teclado, podemos usar cabos desbalanceados na entrada P10, desde que os cabos sejam curtos (poucos metros) e de boa qualidade. (Veja mais em Cabos e Conectores Módulo 01.) Ajustes de ganho e volume. Como os microfones têm níveis de intensidade do sinal mais baixos (baixa impedância) do que outras fontes de alta impedância, como os teclados e outros aparelhos de som, precisaremos calibrar todos esses níveis para que todas as fontes sonoras possam atuar juntas e equilibradas. Após conectarmos a fonte sonora à entrada do canal, vamos ajustar seu ganho ou seu volume de entrada.

5 Junto às entradas de cada canal da mesa, costuma haver uma chave MIC/LINE. Ou, então, temos uma entrada com a inscrição MIC e outra entrada LINE. Escolhemos a entrada ou a posição da chave de acordo com a fonte sonora: baixa impedância em MIC e alta impedância em LINE. Temos, então, que nivelar os canais de entrada para que cada instrumento ou microfone possa encher o canal com o seu sinal. Quanto mais sinal obtivermos, menor o ruído na hora de mixar o produto final. Se captássemos um sinal fraco, teríamos que amplificá-lo na mixagem. Neste caso, o ruído (gerado durante a gravação e a mixagem pelos cabos que ligam a mesa ou o preamp à placa de som) cresceria na mesma proporção. Por outro lado, se exagerarmos o nível de entrada, teremos a saturação do circuito do preamp e conseqüentes distorções do sinal original. O meio-termo, aqui, é chegar perto do limite, sem superá-lo. Muitos manuais chegam a dizer work in yellow! (trabalhe no amarelo), ou seja, leve os picos de volume à faixa de LEDs (indicadores luminosos) amarelos. Nem distorceremos o som nem daremos chance para que os ruídos tenham um papel de destaque na nossa mixagem final. Para ajustarmos o ganho, temos que neutralizar o fader (atenuador/reforçador de volume), geralmente situado na parte inferior do canal. Temos duas opções: se houver uma chave chamada PFL (Pre Fade Listening ou audição pré-fader), ela desliga o fader, deixando o sinal com o seu nível nominal de entrada, sem aumentar nem diminuir este nível. Se a mesa não tiver o PFL, deslizamos o fader até a posição 0 db (zero decibel), com o mesmo resultado. Com o músico tocando ou cantando o trecho mais forte da canção, aumentamos o botão GAIN ou TRIM (no alto do canal ou junto dos conectores) até os indicadores do LED chegarem na zona amarela, sem deixar que apareçam as luzes vermelhas ( PEAK, ou pico). Repetimos a operação canal por canal. Daí em diante, deixamos os botões de ganho e qualquer ajuste de volume

6 será realizado através dos faders. Controles do panorama estéreo. Os botões de PAN permitem mover o som de cada instrumento ou voz para o centro, ou gradativamente para a esquerda ou a direita. Com isso, posicionamos as partes de nosso arranjo e criamos o efeito estéreo ou estereofônico. Vamos supor que o sinal de cada canal esteja sendo enviado para as saídas máster esquerda e direita (ou L-R) para ser ouvido nos monitores. Metade do sinal é enviada por dentro da mesa para o máster esquerdo e a outra metade para o máster direito. Isto acontecerá enquanto o botão de PAN estiver na posição central. Quando giramos o PAN de um canal para a direita, por exemplo, o volume daquele canal será aumentado na saída máster direita e diminuído no máster esquerdo. Quanto mais girarmos o botão, maior será a diferença. Se virarmos o PAN para a esquerda, teremos o efeitosimétrico: o som se moverá para a esquerda. Com o PAN no centro e, portanto, o mesmo nível nos dois monitores, nossos dois ouvidos percebem sinais idênticos e o cérebro interpreta o som como estando no meio. Um instrumento estéreo (teclado, bateria, CD player) tem duas saídas (L-R) conectadas a dois canais da mesa. Para manter o efeito estereofônico, giramos o PAN do canal esquerdo todo para a esquerda e o PAN do canal direito todo para a direita.também usamos o PAN com funções de endereçamento para gravação e outras, que veremos mais à frente. Canais estéreo. As mesas para home studios também costumam ter canais estéreo de entrada. Os sons das saídas esquerda e direita do instrumento são enviados para dois conectores P10 (L-R), controlados por uma única fileira de botões e enviados para as saídas da mesa, automaticamente, um pela esquerda e o outro pela direita, como um amplificador de som estéreo comum. Neste caso, o controle PAN é substituído pelo balance (BAL) ou balanço. Este,literalmente, balanceia os sinais esquerdo e direito da fonte sonora estéreo, equilibrando os dois níveis ao aumentar um lado enquanto automaticamente diminui o nível do outro lado. Para ouvidos menos treinados, o efeito do BAL é semelhante ao do PAN. A diferença é que o PAN dosa quanto de um sinal mono vai para a saída esquerda e quanto vai para a saída direita, enquanto o BAL dosa os volumes de dois canais, o esquerdo e o direito, enviando-os respectivamente para as duas saídas. Os canais estéreo costumam ter só entradas P10 de linha, sem a presença

7 do controle de ganho. Mudo. A chave MUTE (mudo) corta o som de um canal, evitando movimentos desnecessários no fader. Solo. Esta chave, usada na fase inicial da gravação ou da mixagem (a passagem de som ), permite ouvirmos o sinal de um só canal (ou de só alguns) para facilitar certos ajustes, como, por exemplo, isolarmos o baixo e o bumbo para equalizarmos seus timbres. Durante a gravação ou a mixagem propriamente ditas, as chaves SOLO devem permanecer desligadas. Equalizadores (EQ). Representados pelos botões azuis nas figuras, controlam o timbre de cada fonte sonora, ajustando os níveis dos graves, dos médios e dos agudos. Dependendo do modelo, os canais das mesas podem ter desde simples controles de grave (LO ou Low) e agudo (HI ou High) até poderosos equalizadores paramétricos com varredura em várias bandas de freqüências. É mais comum as mesas apresentarem controles de freqüências baixas (abaixo de 80 ou 100 Hz), médias (em torno de 1 ou 2,5 khz) e altas (acima de 10 ou 12 khz). As mesas maiores têm uma ou duas faixas de paramétricos nos médios, mais controles simples de tonalidades aguda e grave. Vejamos mais sobre Equalizadores (Módulo VI- Processadores). Canais auxiliares. Nas figuras, os knobs auxiliares são aos vermelhos (AUX 1, AUX 2...). Controlando os níveis de diversas funções (efeitos, monitores, saídas alternativas para gravação), podem ser chamados de auxiliares (AUX), seu nome genérico, de EFFECT, EFX, FX (efeitos) ou também de MONITOR ou MON (monitor). Os conectores de saída dos canais auxiliares podem se chamar AUX SEND, SEND OUT, AUX OUT e os de entrada, AUX RETURN, RETURN IN ou AUX IN. Send é o mando, o ato de mandar, no caso, mandar o som para algum lugar como um processador de efeitos ou um amplificador de monitores. Os técnicos brasileiros, com sua inspiração infinita, criaram o termo mandada, que já se institucionalizou no meio do áudio profissional, por assim dizer. A mandada de efeitos ou a mandada de monitor é nada mais, nada menos que a conexão AUX

8 SEND. Já a volta do efeito é a conexão de entrada AUX RETURN. O som é enviado ou mandado da mesa para o processador de efeitos e o efeito ali criado retorna para a mesa. Efeitos. Um controle auxiliar ou de efeitos determina quanto sinal de um canal será enviado até um processador de som, tal como um reverberador ou delay (eco), pelas saídas auxiliares da mesa, de forma que um mesmo processador possa ser usado por vários canais em intensidades diferentes. Os sons de diversos canais, devidamente misturados, são enviados por uma saída auxiliar (mono ou estéreo) até o processador, retornando á mesa por uma entrada ou retorno auxiliar (mono ou estéreo) e misturados aos sons originais ( secos ) a partir do instante em que se juntam no máster e são enviados para nossos ouvidos pelos monitores. Para compreendermos bem, vamos exemplificar aplicando o efeito de reverberação a três fontes sonoras: uma voz, um violão e um baixo. Queremos muito efeito na voz, pouca reverberação no violão e nenhuma reverberação no baixo. A solução é extremamente simples: em cada canal, temos um controle Aux 1. Giramos bastante esse controle no canal da voz, só um pouco no canal do violão e deixamos esse controle fechado no canal do baixo. Pronto! A voz reverbera mais que o violão e o baixo permanece seco. O truque consiste no seguinte: enquanto os sons da voz, do violão e do baixo vão para o máster com os volumes que estipulamos nos respectivos faders,

9 réplicas suas vão para a saída Aux Send 1 com os volumes determinados pelos controles Aux 1 de cada canal. No exemplo, os sons da voz e do violão vão para o reverberador pela saída Aux Send 1. Mais som de voz do que de violão, já que os botões foram regulados diferentemente. O reverberador, portanto, gera mais efeito de voz do que de violão. E é isto o que sai do reverberador: muito efeito de voz e pouco de violão. O sinal gerado pelo reverberador vai para a mesa, entrando pelos canais auxiliares de retorno ou Aux Return. Na mesa, o som do reverberador tem o nível controlado por um knob acima do máster chamado Return 1. O reverberador fica ajustado no nível máximo do efeito para que os sons originais da entrada não saiam junto com a reverberação criada. Então, só a reverberação entra na mesa pelo Return. A intensidade de cada som continua sendo ajustada no seu fader e a intensidade do efeito sobre cada som é ajustada no botão auxiliar do seu canal. Temos quatro fontes sonoras chegando à seção máster: a voz, o violão, o baixo e o reverberador. São cinco sonoridades ao todo: a voz, a reverberação da voz, o violão, a reverberação do violão e o baixo. Acontece que o cérebro humano só consegue distinguir três desses sons, assim combinados: a voz com muita reverberação, o violão com pouca reverberação e o baixo seco, sem efeito. Este é o verdadeiro truque. Conexão de vários efeitos. Usando um segundo processador de efeitos, como um defasador, mais conhecido como Phaser, queremos aplicá-lo no baixo com bastante intensidade e, em menor intensidade, também no violão. Continuando em nosso exemplo, não queremos adicionar este efeito à voz.

10 Basta agora usarmos as conexões e os controles AUX 2. Nesta segunda fileira de botões auxiliares, deixamos o auxiliar dois fechado no canal da voz, pouco aberto no canal do violão e mais aberto no canal do baixo. Isto é suficiente para termos o efeito desejado, desde que tenhamos feito as ligações corretas. Na mesa, a saída Aux Send 2 envia os sons do baixo e do violão (mais fraco) para a entrada do processador de Phaser e a saída dele retorna com o efeito para a entrada Aux Return 2 da mesa de som. Temos agora sete sons chegando ao máster da mesa por cinco entradas: três canais com a voz, o violão e o baixo e os dois canais auxiliares com o reverberador e o phaser. Os sete sons são a voz, a reverberação da voz, o violão, a reverberação do violão, o phaser do violão, o baixo e o phaser do baixo. No entanto, continuamos ouvindo só três elementos: 1) a voz com muita reverberação; 2) o violão com pouca reverberação e pouco phaser; 3) o baixo com muito phaser. Monitor. Os conectores auxiliares podem enviar mixagens alternativas aos monitores e fones de palco ou estúdio para os músicos, que muitas vezes precisam ouvir uma mixagem diferente daquela escutada pelo produtor no estúdio ou pelo público num evento. É só conectar a saída Aux send a um amplificador de fones ou de monitores de palco. Com os controles auxiliares de mesmo número, o operador realiza nova mixagem na mesa e a

11 envia exclusivamente para aquele amplificador. Pre-fader e post-fader. Pré e pós: antes e depois. Usamos os controles auxiliares para nivelar os efeitos ou a monitoração dos diversos canais. São procedimentos distintos e, embora utilizem o mesmo recurso da mesa de som, têm características e necessidades diferentes. Quando adicionamos um efeito a um canal, o controle auxiliar deve depender do volume do canal ajustado no fader. Se aumentarmos ou diminuirmos o volume da voz, o nível do efeito deve ser sempre proporcional a ele. Porém, quando enviamos uma mixagem alternativa ao monitor de um músico, através da saída Aux send, o controle auxiliar dosa o volume de cada canal para o músico, enquanto o fader ajusta o volume daquele mesmo canal para o público, através das saídas máster. Por esta razão, aqui, fader e auxiliar devem ser independentes um do outro. Cada um com o seu volume. Nas mesas, o botão pre/post fader, ou apenas PRE, indica se o sinal de entrada que chega ao auxiliar passa antes pelo fader (post fader) ou se o sinal se bifurca em Y, indo para o auxiliar uma réplica do sinal que vai para o fader, mas com níveis independentes um do outro. Em resumo, o mais comum é ajustarmos a posição pre quando usamos a saída como monitor e a posição post quando a saída é para os efeitos. As saídas diretas enviam o som de cada canal de entrada diretamente à entrada da placa de som para gravação. Os subgrupos ou submasters são canais coletivos que gerenciam outros canais. Por exemplo, se temos vários canais onde entram os sons das peças de uma bateria ou de um naipe de instrumentos de sopro, podemos agrupá-los e equalizá-los em separado. Numa mixagem, isto é muito útil para controlarmos o volume de toda a seção de sopros ou de toda a bateria. Os volumes individuais continuam controlados nos canais, mas o volume do grupo também pode ser controlado com o uso de um único fader ou um par estéreo de faders. Como os subgrupos também têm suas saídas diretas, podemos usar estes conectores para enviar os sons até a placa de gravação. Enviando o som de um canal para uma pista de gravação através de um subgrupo, dispensamos o uso da saída direta do canal. Com isso, não temos que conectar os cabos entre a mesa e a placa de som toda vez que formos gravar por uma entrada ou por outra. Os cabos permanecem conectados dos subgrupos da mesa às entradas da placa de som.

12 Para enviar o som para algum subgrupo, basta apertar o botão com o número do par de subgrupos que fica ao lado do fader do próprio canal. Enviamos os sons dos canais de entrada para os canais subgrupos ou para os canais masters acionando chaves (1/2, 3/4, 5/6, 7/8, MASTER etc., dependendo do porte da mesa,). Essas chaves ficam situadas ao lado do fader de cada canal. Mandam o som do canal para o máster estéreo ou para um par estéreo de subgrupos. Normalmente, o som é enviado a um par de subgrupos (por exemplo, 1/2) e o controle de PAN torna o sinal mais presente no subgrupo esquerdo ou direito. Se quisermos mandar um som mono de um canal (como um bumbo) para uma única entrada da placa de som, devemos fazê-lo através de um único subgrupo, evitando desperdício de metade do sinal no subgrupo vizinho. Para isso, giramos o PAN do canal de entrada todo para a esquerda se o subgrupo de destino for de número ímpar (1, 3, 5 ou 7). Se o subgrupo tiver número par (2, 4, 6 ou 8), gire o PAN do canal todo para a direita. Assim, se quisermos gravar um tambor da bateria pela entrada 5 de uma placa de oito canais, enviamos o som do canal da mesa com o tambor para o subgrupo 5/6 e viramos o PAN do canal do tambor todo para a esquerda. Três opções de endereçamento para gravação e monitoração. 1. Gravação de uma fonte sonora de cada vez! Usamos um canal de entrada e um de saída (subgrupo ou saída direta) da mesa e sempre a mesma entrada da placa. Além de ser menos dispendioso, este método ainda pode soar melhor em muitos casos, por evitar os vazamentos dos sons para os canais dos outros. Enviamos os sons, um de cada vez, sempre, se possível, do mesmo canal da mesa para o mesmo subgrupo. Dali, os sons são gravados em cada pista do programa, usando sempre a mesma entrada. Este endereçamento para as pistas é configurado no software. Para ouvirmos o que está sendo gravado, caso a placa tenha só duas saídas, toda a mixagem será feita na mesa virtual do computador, chegando em dois canais da mesa e monitorada em estéreo. Se houver mais saídas de áudio na placa, podemos monitorar as diversas pistas que estamos gravando através de vários canais da mesa de som, agilizando o trabalho de monitoração. Cada instrumento ou voz chega à mesa por um diferente canal, permitindo uma equalização rápida nos momentos mais estressantes da captação dos músicos, cantores e outros artistas. Neste caso, a escolha entre o software ou uma mesa analógica para monitorar é também uma questão de gosto.

13 2. Gravação simultânea de várias fontes sonoras por canais separados. É a gravação multipista mais típica e a mais cara, também. O caso típico é a bateria. Outros, uma banda de jazz ou uma orquestra. Muitas bandas de rock e de outros gêneros também preferem gravar assim, apesar dos vazamentos, do áudio, para preservar o sentimento original e coletivo do grupo em cada canção. Exemplifiquemos este endereçamento com uma bateria e oito microfones. Entramos com os oito microfones em oito canais da mesa. O objetivo é gravar em oito pistas separadas para mais adiante termos mais flexibilidade na mixagem da bateria. Através de oito subgrupos, enviamos todos os canais para o PC. Ouvimos todos eles retornando a outros oito canais da mesa, os canais de monitoração. Podemos otimizar os sons captados, gravando-os no máximo volume (no amarelo ) e enviando um para cada pista. Os canais de monitoração, que são os que vêm do computador para a mesa, permitem que alteremos qualquer som durante a gravação, ao gosto do baterista e do nosso, sem afetar o material gravado. Assim, não comprometemos o resultado da mixagem definitiva, que é outro procedimento de responsabilidade. Os canais de entrada vão para os subgrupos para serem gravados, enquanto os canais de monitoração voltam do PC e vão para o máster para serem ouvidos nos monitores do jeito que a gente quiser. 3. Gravação de vários canais em uma ou duas pistas. Quem for usar uma placa de áudio de dois canais nem precisa calcular a quantidade de subgrupos que sua mesa deverá ter. Poupemos o seu trabalho: são 2 (dois), o esquerdo e o direito. Se tiver mais subgrupos, vão sobrar, ate que a placa seja substituída por outra com o mesmo numero de subgrupos de sua mesa. Isto implica em duas possibilidades. Gravar os sons um a um e mixar tudo pelo computador (o que pode ficar ótimo, dependendo do gênero musical e dos músicos, além da nossa habilidade como produtores) ou gravar os sons agrupados e, portanto, já mixados na entrada, o que, talvez, exija ainda mais habilidade do produtor e do técnico de gravação, já que sua atenção estará dividida entre os diversos músicos sendo gravados. Imaginemos aquela bateria outra vez: entrando por oito canais na mesa, terá que sair toda de uma vez pelo subgrupo 1-2 e ser gravada em estéreo no computador. Também será monitorada por dois canais, que devem ficar com os controles de PAN abertos em estéreo. É fácil imaginarmos que não poderemos mixar essa bateria depois que ela for gravada. Isto terá que ser feito durante a gravação, obrigatoriamente, apesar da cerveja já ter acabado ou do baterista ter outro compromisso.

14 Em outras palavras, quem for gravar grupos de instrumentos ou vozes simultaneamente deverá usar placas de oito ou mais canais (ou várias placas, se for o caso) e mesas de som com oito ou mais subgrupos. Depender somente das saídas diretas dos canais pode tornar o trabalho menos versátil, quando queremos gravar efeitos, por exemplo. A conta final da mesa é: um par de subgrupos da mesa para cada par de entradas da placa de som. Um canal de entrada para cada fonte sonora mais um canal de entrada (ou retorno) para cada saída da placa de som e mais um canal estéreo para cada teclado, bateria eletrônica, MD e outros. Relaxe: masters são sempre dois, o esquerdo e o direito. No entanto, a maioria dos estúdios utiliza loops e samples para substituir diversos instrumentos, como a bateria. Isto ocorre em todos os gêneros musicais, da música regional à música clássica composta atualmente. E em todos os gêneros de pop, do rock ou do jazz. Sem falar no que é produzido pelas maiores gravadoras, apesar dos recursos financeiros. Já existem grupos vocais com CDs premiados em que as vozes foram gravadas uma por uma. Talvez isto os tenha ajudado a merecer os prêmios. A arte está tanto na música quanto no áudio, eles são interdependentes. Este pessoal economiza na mesa de som e na placa, já que dá para produzir CDs de ótima qualidade com uma boa placa de áudio de dois canais, bons programas e uma boa dose de humildade do produtor e dos músicos para tentar e errar até acertar. Insert. Em cada canal dessas mesas pode haver um conector P10 ou banana estéreo. Quando adicionamos efeitos, misturamos o som original com o do efeito, como é o caso do reverberador, do chorus ou do delay. Quando inserimos compressores, noise gates ou equalizadores externos (racks ou plug-ins), queremos processar o som integralmente. Não faz sentido juntar uma voz cheia de vazamentos com a saída processada de um noise gate com a voz limpinha. O resultado será a voz limpa mais a voz suja, ou seja, não vai dar certo. Queremos substituir o som original pelo som processado, e não somálos. Por isso, não podemos usar os canais auxiliares ao trabalhar com processadores que alteram a natureza do material de áudio, como o redutor de ruídos, o compressor e o equalizador. Ao inserirmos o conector P10 ou banana estéreo na entrada de insert, o som do canal, em vez de seguir para o máster ou para um subgrupo, é inteiramente desviado para uma das vias do cabo de insert até entrar no processador por um dos plugues mono da outra ponta do fio. Na saída do processador, o outro conector mono permite que o sinal processado volte para a mesa pela contra-mão do próprio cabo de insert, retornando ao canal pelo outro pólo do mesmo conector estéreo e seguindo o seu rumo em direção ao máster ou ao subgrupo. Vejamos mais sobre insert`s no (Módulo VI Periféricos)

15 Automação. As mesas com automação podem ser controladas por um computador. Diversos procedimentos de mixagem, difíceis de serem realizados simultaneamente, podem ser preparados no computador e repetidos infinitas vezes durante o processo. Vários controles da mesa são automatizados, como os faders, PAN e outros. O recurso chamado recall permite recuperar as posições dos controles de uma mixagem feita antes. Algumas mesas vêm com automação interna, independente do computador, e todo o processamento on board, isto é, com multiprocessadores de efeitos internos. Mesas digitais. Mesas digitais têm conversores AD nas entradas e transmitem e recebem o sinal do computador por cabos de fibra ótica ou similares, mantendo o som definitivamente no campo digital. O sinal que circula e é processado pela mesa digital é uma torrente de bits que representam as ondas sonoras numericamente, enquanto o sinal que percorre as mesas analógicas é feito de ondas elétricas de tensão variável. Pode ser melhor ou pior, embora as mesas analógicas comecem numa faixa de preço bem abaixo das digitais mais em conta. Do outro lado, nos grandes estúdios, as melhores ainda são as analógicas. Aprofundaremos mais sobre Mesa Digital no (Módulo VII) Superfícies de controle, apesar do aspecto, não são mesas de som, mas controles remotos das mesas virtuais. Preservam a ergonomia da operação das mesas tradicionais, porém com os recursos do computador. Existem diversos modelos, compatíveis com os programas do mercado. As mais interessantes são que têm moving faders, que são botões motorizados que obedecem o computador. Mesas com conexão firewire e USB. Analógicas ou digitais, dispensam a placa de som por já a trazerem dentro de si. Se pretender usar, prefira a conexão firewire (escrito em 2006). Alguns exemplos é a Mackie Onix / Yamaha MG166 USB / Phonic. Mesas virtuais. As mais usadas hoje, vêm como telas de programas como Cubase, Logic, Nuendo, Performer, Pro Tools, Reason e Sonar. São as mais completas, com todos os recursos das maiores mesas, automação total, e grande quantidade de canais e recursos em geral, além de mixagem estéreo ou surround. Escolha a mesa de seu estúdio, igreja, teatro, bar, restaurante de acordo com as necessidades e características do mesmo. Ouça os preamps, os equalizadores, verifique o número de canais, de subgrupos, a quantidade de mandadas e retornos auxiliares, mas leve em conta, principalmente, as suas reais necessidades e a qualidade do som.

16

Subgrupos e endereçamentos encontre o seu caminho na mesa de som

Subgrupos e endereçamentos encontre o seu caminho na mesa de som Subgrupos e endereçamentos encontre o seu caminho na mesa de som Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Já se perguntaram como é que um único operador pode tomar conta de uma grande mesa de som com 40,

Leia mais

Faremos um passeio através de uma mesa de som como se fóssemos o sinal de áudio que por ela passa.

Faremos um passeio através de uma mesa de som como se fóssemos o sinal de áudio que por ela passa. Mesas para PA Caros amigos, falaremos um pouco sobre os recursos encontrados nas mesas de mixagens direcionadas para utilização em PA (Public Adress = sonorização direcionada ao público, mas que hoje engloba

Leia mais

Montando seu Estúdio Digital

Montando seu Estúdio Digital Montando seu Estúdio Digital 1. Definição da configuração ideal Antes de tudo, é preciso saber o que você pretende fazer em seu estúdio, para podermos definir os componentes necessários para a realização

Leia mais

Autor: Rafael Gonçalves da Penha

Autor: Rafael Gonçalves da Penha Reunião de Jovens da Ig. Cristã Maranata Autor: Rafael Gonçalves da Penha A Ig. Maranata, no dia 15 de novembro, fez grandes reuniões com os jovens. Esta aqui foi a reunião de Vitória/ES, realizada no

Leia mais

novamente nos encotramos através da M&T. Desta vez veremos os recursos encontrados nas mesas para utilização no monitor.

novamente nos encotramos através da M&T. Desta vez veremos os recursos encontrados nas mesas para utilização no monitor. Mesas Para Monitor Olá amigos, novamente nos encotramos através da M&T. Desta vez veremos os recursos encontrados nas mesas para utilização no monitor. Antes de entrarmos no assunto proposto, gostaria

Leia mais

Sistema portátil PA Entretainer 3 Manual Simplificado

Sistema portátil PA Entretainer 3 Manual Simplificado Introdução Sistema portátil PA Entretainer 3 Manual Simplificado 2 X 150W estéreo Processador de efeitos incorporado com 99 efeitos 4 Entradas de Linha/Micro 2 Entradas estéreo, 2 receptores UHF de microfones

Leia mais

O mixer Folio Notepad deve ser conectado unicamente a fonte de alimentação fornecida.

O mixer Folio Notepad deve ser conectado unicamente a fonte de alimentação fornecida. Guia do Usuário Introdução Obrigado por adquirir um mixador Folio Notepad, criado com orgulho para você pela equipe Spirit formada por Andy, Colin, Chris, James, Simon, Mukesh, Graham, Martin, Paul, Matt,

Leia mais

habro.com.br/alto habro.com.br/alto

habro.com.br/alto habro.com.br/alto habro.com.br/alto Caixas Acústicas PS2TWA* Caixa bi-amplificada com 150 watts (EIAJ), 2 alto-falantes de 8, resposta 65Hz-20KHz, 118dB SPL máximo. MS154* Caixa passiva 3 vias, 2 alto-falantes de 15, DSP

Leia mais

INTERFACES DE ÁUDIO USB

INTERFACES DE ÁUDIO USB Focusrite 1 SCARLETT 2i2 - Interface de áudio com 2 entradas e 2 saídas - Conversão 96kHz/24-bit com 2 pré-amplificadores Focusrite - 2 Combo Jack (Mic/Linha) com chave seletora (Iinha/Inst) - Controles

Leia mais

catálogo de produtos

catálogo de produtos catálogo de produtos Caixas Acústicas PS2TWA Caixa bi-amplificada com 150 watts (EIAJ), 2 altofalantes de 8, resposta 65Hz-20KHz, 118dB SPL máximo. PS2TW Caixa acústica passiva 150W 2 vias, 2 alto-falantes

Leia mais

Acabando com a "Guerra do Volume"

Acabando com a Guerra do Volume Acabando com a "Guerra do Volume" Autor: Fernando A. B. Pinheiro Desde que comecei a trabalhar com sonorização em igrejas, há 15 anos, sempre vi uma guerra ser travada a cada culto e evento realizado.

Leia mais

WORKSHOP SONORIZAÇÃO

WORKSHOP SONORIZAÇÃO WORKSHOP SONORIZAÇÃO 1. Introdução - O propósito da sonorização A sonorização é necessária sempre que for preciso fazer com que um determinado programa, voz ou música, seja ouvido por um número maior de

Leia mais

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES Antes de ligar este aparelho pela primeira vez, leia atentamente este manual de instruções. Ele é completo e contém todas as informações necessárias para o bom e seguro funcionamento

Leia mais

USB AUDIO INTERFACE I T

USB AUDIO INTERFACE I T USB AUDIO INTERFACE EN DE FR ES PT IT ZH JA Sumário Mensagem da equipe de desenvolvimento...2 Controles e terminais do painel...3 Painel frontal... 3 Painel traseiro... 4 Software... 6 Como usar o UR12...9

Leia mais

Guia do Usuário. Sumário

Guia do Usuário. Sumário Sumário Introdução... 2 Iniciando... 4 Utilizando o Folio LX7... 6 Ajustes e Solução de Problemas...20 Aplicações... 22 Diagrama de Bloco de Sistema... 27 Informação Técnica... 28 Guia do Usuário Precauções

Leia mais

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES Antes de ligar este aparelho pela primeira vez, leia atentamente este manual de instruções. Ele é completo e contém todas as informações necessárias para o bom e seguro funcionamento

Leia mais

Atualmente, existem vários tipos de software para MIDI. Vamos falar das características principais de alguns deles :

Atualmente, existem vários tipos de software para MIDI. Vamos falar das características principais de alguns deles : Dicas MIDI O que são softwares plug-ins? São softwares que necessitam de um programa "hospedeiro" para trabalhar. A instalação de plug-ins em seu software acrescenta janelas e funções e principalmente

Leia mais

Manual de Operação PT

Manual de Operação PT PT Manual de Operação Conteúdo Conteúdo Mensagem da equipe de desenvolvimento...2 Controles e terminais do painel...3 Painel frontal...3 Painel traseiro...5 Software...7 Uso da UR22mkII...10 Conexões...10

Leia mais

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES A DIVISION OF ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES Antes de ligar este aparelho pela primeira vez, leia atentamente este manual de instruções. Ele é completo e contém todas as informações necessárias para o bom

Leia mais

CURSO DE ÁUDIO E TÉCNICAS DE GRAVAÇÃO EM ESTÚDIO

CURSO DE ÁUDIO E TÉCNICAS DE GRAVAÇÃO EM ESTÚDIO CURSO DE ÁUDIO E TÉCNICAS DE GRAVAÇÃO EM ESTÚDIO Nos encontramos na música O AfroReggae e a Natura acreditam na cultura. Por isso, estamos juntos mais uma vez para revelar talentos e dar voz aos jovens

Leia mais

Professional 24 and 32-Input, 4-Bus Studio/Live Mixing Console Krystal Preamps Digital FX Processor Premium EQs USB Interface.

Professional 24 and 32-Input, 4-Bus Studio/Live Mixing Console Krystal Preamps Digital FX Processor Premium EQs USB Interface. Professional 24 and 32-Input, 4-Bus Studio/Live Mixing Console Krystal Preamps Digital FX Processor Premium EQs USB Interface Manual do Usuário Instruções de Segurança Siga todas as instruções e avisos

Leia mais

MÓDULOS PLUG & PLAY. MÓDULO ADL Manual de referência

MÓDULOS PLUG & PLAY. MÓDULO ADL Manual de referência MÓDULOS PLUG & PLAY MÓDULO ADL Manual de referência Parabéns pela aquisição de um produto STUDIO R! Eles foram projetados para anos de operação confiável sob as mais rigorosas condições. Seu STUDIO R deverá

Leia mais

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES A DIVISION OF ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES Antes de ligar este aparelho pela primeira vez, leia atentamente este manual de instruções. Ele é completo e contém todas as informações necessárias para o bom

Leia mais

ELABORADA POR OLYMPIKUSBRASIL CURSOS

ELABORADA POR OLYMPIKUSBRASIL CURSOS ELABORADA POR OLYMPIKUSBRASIL CURSOS Todos os direitos reservados. ÍNDICE Mesa de som 04 Visão Geral 04 Superfície de controle 04 Controle de ganho 06 Equalização 10 Equalização subtrativa 14 Ajustando

Leia mais

O presente material se baseia nos equipamentos fornecidos pelo PES às ICM, um kit composto pelos seguinte equipamentos: ( que chamaremos de KIT )

O presente material se baseia nos equipamentos fornecidos pelo PES às ICM, um kit composto pelos seguinte equipamentos: ( que chamaremos de KIT ) Prefácio O presente material se baseia nos equipamentos fornecidos pelo PES às ICM, um kit composto pelos seguinte equipamentos: ( que chamaremos de KIT ) 1 mesa de som 6 canais ( MXS6 ou MXS6II Wattsom

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

do plug mono (dois contatos Tip e Sleeve).

do plug mono (dois contatos Tip e Sleeve). Conectores Autor: David Distler Uma ligeira observação em qualquer loja de componentes eletrônicos constatará que existe grande diversidade de conectores bem como vários fabricantes de cada tipo. Afinal,

Leia mais

CJ50TUBE AMPLIFIER MANUAL DO USUÁRIO. REV. A - Pg 1

CJ50TUBE AMPLIFIER MANUAL DO USUÁRIO. REV. A - Pg 1 CJ50TUBE AMPLIFIER MANUAL DO USUÁRIO REV. A - Pg 1 APRESENTAÇÃO Agradecemos a aquisição de um produto da Rotstage. O amplificador CJ50 foi desenvolvido para o guitarrista que tem estilo e faz estilos.

Leia mais

Ligação áudio balanceado com conector P10 estéreo

Ligação áudio balanceado com conector P10 estéreo O Power Click modelo MX 4x4 é um sistema de audição por headphone com 4 entradas de som (inputs) e 4 conexões para headphones. Cada headphone recebe todos os inputs. Portanto, os 4 inputs são ouvidos simultâneamente

Leia mais

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE SOM 2.0 CANAIS HI-FI ÍNDICE Prefacio...2 Conteúdo da Embalagem...2 Informações de segurança...3 Funções do Painel Frontal...4 Funções Painel Traseiro...4 Conexões do

Leia mais

Relação entre os diversos níveis na amplificação de sinais

Relação entre os diversos níveis na amplificação de sinais Relação entre os diversos níveis na amplificação de sinais Caros amigos, Um sistema de sonorização têm basicamente a função de transformar energias. Capta-se a energia acústica, através dos microfones

Leia mais

COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg

COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg COMO DIGITALIZAR E FINALIZAR SEUS PROGRAMAS DE RÁDIO EM CD 1 Mariana Moura e Marcelo Berg Para que possamos digitalizar nossos programas de rádio gravados em fita cassete, utilizaremos: - o próprio gravador

Leia mais

www.powersystemsaudio.com.br

www.powersystemsaudio.com.br Prezado Cliente, Parabéns pela aquisição de um dos mais conceituados amplificadores automotivos do mercado brasileiro. Os produtos Power Systems são fabricados com as melhores marcas de componentes do

Leia mais

Apostilas em formato A4 Impressas individualmente

Apostilas em formato A4 Impressas individualmente Apostilas em formato A4 Impressas individualmente Não são cópias Papel e impressão de Alta Qualidade OBS: a qualidade das apostilas impressas é superior à qualidade da amostra que você vê aqui. 23.4 Comparativo

Leia mais

Especificações técnicas

Especificações técnicas Especificações técnicas I INFORMAÇÕES GERAIS E ÁREA COMUM Nome do teatro: Teatro Maria de Lourdes Sekeff Capacidade de público: 273 lugares. Possui ar condicionado. Divulgação e manutenção do site do Depto.

Leia mais

Model 7 Pré-amplificador com Timbre Lock. Manual do Usuário

Model 7 Pré-amplificador com Timbre Lock. Manual do Usuário Model 7 Pré-amplificador com Timbre Lock Manual do Usuário Model 7 Pré-amplificador com Timbre Lock Manual do Usuário Queremos agradecer sua escolha do AUDIOPAX Model 7. Sabemos que você deve estar ansioso

Leia mais

Sinais Desbalanceados/Balanceados e Sinais Mono/Estéreo

Sinais Desbalanceados/Balanceados e Sinais Mono/Estéreo Sinais Desbalanceados/Balanceados e Sinais Mono/Estéreo - Introdução Compilado por: Eng. Adriano uiz Spada Attack do Brasil Os sinais s s possuem características bem diferenciadas, o que nos permite identificá-los

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO XENYX 1002B. Mixer de linha/mic com design de baixo ruído, 2 grupos e 10 entradas com operação opcional a bateria

MANUAL DO USUÁRIO XENYX 1002B. Mixer de linha/mic com design de baixo ruído, 2 grupos e 10 entradas com operação opcional a bateria MANUAL DO USUÁRIO XENYX 1002B Mixer de linha/mic com design de baixo ruído, 2 grupos e 10 entradas com operação opcional a bateria OBRIGADO! Muito obrigado o mixer Behringer de 10 entradas modelo XENYX

Leia mais

EQ EQ EQ EQ EQ EQ EQ EQ HIGH HIGH HIGH HIGH HIGH HIGH HIGH HIGH MID MID MID MID MID MID MID MID LOW LOW LOW LOW LOW LOW LOW LOW

EQ EQ EQ EQ EQ EQ EQ EQ HIGH HIGH HIGH HIGH HIGH HIGH HIGH HIGH MID MID MID MID MID MID MID MID LOW LOW LOW LOW LOW LOW LOW LOW POWEED MIXE POWEED MIXE MID MID MID MID MID MID MID MID ET IM db 2 3 -db -db -db -db MASTE INE INE INE INE HI-Z (Guitar) HI-Z (Bass) MASTE OUT PHONES MIC 1 MIC 2 MIC 3 MIC 4 MIC 5 MIC 6 MIC 7 MIC 8 IN

Leia mais

Manual do Usuário. Manual do Usuário Soundcraft EFX/EPM Edição 1110 1

Manual do Usuário. Manual do Usuário Soundcraft EFX/EPM Edição 1110 1 MANUAL DO USUÁRIO Manual do Usuário Estes produtos podem sofrer alterações sem prévio aviso. Todas as figuras neste manual são meramente ilustrativas. Cód.: 207582 Rev.: 00 09/11 Manual do Usuário Soundcraft

Leia mais

Consoles de Áudio Teletronix. Instruções para montagem dos cabos e conectores. Entradas da Mesa/Console. Saídas da Mesa/Console.

Consoles de Áudio Teletronix. Instruções para montagem dos cabos e conectores. Entradas da Mesa/Console. Saídas da Mesa/Console. Índice Entradas da Mesa/Console Ligação dos conectores do MIC. 0 Ligação dos conectores do MIC. 0 (com Processador/Gerador) Ligação dos conectores do MIC. 0 Ligação dos conectores do MIC. 0 (com Processador/Gerador)

Leia mais

Esta ilustração mostra como utilizar o pedal Nova Modulator em uma configuração Mono (1 amplificador)

Esta ilustração mostra como utilizar o pedal Nova Modulator em uma configuração Mono (1 amplificador) Manual do usuário 1 Características do Nova Modulator Sete efeitos de modulação com qualidade de estúdio Pedal com duplo circuito 9/18 Presets programáveis pelo usuário Sincronizador LFO LFO trigger Tap

Leia mais

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES A DIVISION OF ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES Antes de ligar este aparelho pela primeira vez, leia atentamente este manual de instruções. Ele é completo e contém todas as informações necessárias para o bom

Leia mais

Portfólio de comunicação wireless da Phonak Informações do produto

Portfólio de comunicação wireless da Phonak Informações do produto Portfólio de comunicação wireless da Phonak Informações do produto Durante todo este tempo recebemos informações importantes para entender perfeitamente o que importa para você. Cada nova geração de produtos

Leia mais

Meteoro. Nitrous GS160 ELG

Meteoro. Nitrous GS160 ELG Meteoro Nitrous GS160 ELG Manual do Proprietário Desenvolvido pelo Especialista de Produtos Eduardo Parronchi Conteúdo Início /Apresentação...3 Notas Importantes...4 Descrição do Painel...5 Ligando o NITROUS

Leia mais

Introdução... 2. Características das placas de som... 2

Introdução... 2. Características das placas de som... 2 á Placa de som: principais características... 2 Introdução... 2 Características das placas de som... 2 Conversores ADC e DAC... 2 Resolução das placas de som... 2 Taxa de amostragem... 3 Resposta de freqüência...

Leia mais

SUMÁRIO 2.1 CUIDADOS INICIAIS...7 2.2 ATIVAÇÃO...7 2.3 DESCRIÇÃO DOS CONTROLES MLM-500...8 2.3.1 PAINEL FRONTAL...8 2.3.2 PAINEL TRASEIRO...

SUMÁRIO 2.1 CUIDADOS INICIAIS...7 2.2 ATIVAÇÃO...7 2.3 DESCRIÇÃO DOS CONTROLES MLM-500...8 2.3.1 PAINEL FRONTAL...8 2.3.2 PAINEL TRASEIRO... SUMÁRIO SEÇÃO 1 DADOS GERAIS 1.1 INTRODUÇÃO...3 1.2 APRESENTAÇÃO...3 1.3 ASSISTÊNCIA TÉCNICA...4 1.4 INSPEÇÃO NO ATO DO RECEBIMENTO...4 1.5 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MISTURADOR DE LINHAS DE MICROFONE MLM-500...4

Leia mais

CINEMA SB100 alto-falante de barra de som com energia própria

CINEMA SB100 alto-falante de barra de som com energia própria CINEMA SB100 alto-falante de barra de som com energia própria Manual de consulta rápida Obrigado por escolher este produto da JBL O alto-falante de barra de som energizado JBL Cinema SB100 é um sistema

Leia mais

KX-VC300 Unidade de Videoconferência HD

KX-VC300 Unidade de Videoconferência HD Quebrando todas as barreiras da distância Essa compacta Unidade de videoconferência HD KX-VC300, foi projetada para diminuir a distancia, e agilizar reuniões e atividades em grupos, ajudando a diminuir

Leia mais

Bem-vindo ao melhor do entretenimento.

Bem-vindo ao melhor do entretenimento. Manual do usuário Bem-vindo ao melhor do entretenimento. Agora, com a Vivo TV, você tem alta qualidade de som e imagem para assistir a uma programação completa com canais infantis, seriados, programas

Leia mais

Além de operador, também trabalho na área de eletrônica, assim acho que o multímetro é um bom começo para o kit de uma case.

Além de operador, também trabalho na área de eletrônica, assim acho que o multímetro é um bom começo para o kit de uma case. Case Técnica Com certeza, a maleta do agente 007 não ficou famosa apenas pelo charme de James Bond. Ela continha um verdadeiro arsenal, bem como recursos inimagináveis capaz de livrar qualquer um do sufôco.

Leia mais

HEADPHONE MONITOR. Monitor de áudio para uso com headphone. Modelo individual (1 headphone), para monitoração de 2 sinais de áudio.

HEADPHONE MONITOR. Monitor de áudio para uso com headphone. Modelo individual (1 headphone), para monitoração de 2 sinais de áudio. MONTOR Monitor de áudio para uso com headphone. Modelo individual (1 headphone), para monitoração de 2 sinais de áudio. O Power Click modelo MC 01 é indicado para cantores e locutores que necessitem de

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Externa. Manual de Instalação e Operação Versão 1.0 Março de 2007

Sistema de Gerenciamento de Externa. Manual de Instalação e Operação Versão 1.0 Março de 2007 CL-10 Sistema de Gerenciamento de Externa Manual de Instalação e Operação Versão 1.0 Março de 2007 SELECT MODE PORTUGUÊS TALK RETURN CL-10 Line Communication System INSTALAÇÃO! A Billy Broadcasting comunica

Leia mais

Audio Control. Enhanced Stereo Audio Equalizer and 3 way crossover LEIA COM ATENÇÃO ESTE MANUAL!

Audio Control. Enhanced Stereo Audio Equalizer and 3 way crossover LEIA COM ATENÇÃO ESTE MANUAL! Audio Control Enhanced Stereo Audio Equalizer and 3 way crossover LEIA COM ATENÇÃO ESTE MANUAL! APRESENTAÇÃO: Parabéns! Você adquiriu um produto SounDigital de ótima qualidade! Obrigado por confiar na

Leia mais

RIDER TÉCNICO. SISTEMA DE ÁUDIO P.A. = 01 Console de áudio marca Yamaha LS9

RIDER TÉCNICO. SISTEMA DE ÁUDIO P.A. = 01 Console de áudio marca Yamaha LS9 SISTEMA DE ÁUDIO P.A. = 01 Console de áudio marca Yamaha LS9 RIDER TÉCNICO EQUIPAMENTOS DE APOIO 01 DVD PLAYER; 02 CD player; 01 MINIDISC MD; 01 Projetor Multimídia marca Sanyo 4500 Ansi Lumens "FIXO";

Leia mais

Sumário. O Programa. Módulos. Básico Intermediário Avançado. Níveis de Desenvolvimento

Sumário. O Programa. Módulos. Básico Intermediário Avançado. Níveis de Desenvolvimento Sumário O Programa Módulos Básico Intermediário Avançado Níveis de Desenvolvimento Básico (Conceitos e exemplos isolados) Intermediário (Produção completa de um techo musical) Avançado (Projeto de conclusão

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO LDP-CX2496. Processador Digital para Gerenciamento de Transdutores

MANUAL DO USUÁRIO LDP-CX2496. Processador Digital para Gerenciamento de Transdutores MANUAL DO USUÁRIO LDP-CX2496 Processador Digital para Gerenciamento de Transdutores CONTEÚDO 1. Introdução 2. Características 3. Instruções de Segurança 4. Elementos de controle 5. Conexões 6. Controle

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário Principais Recursos Canais de entrada... página 16 Com até dezesseis canais de entradas para microfone/line (dez no MG166CX- USB e no MG166C-USB) ou até quatro canais de entradas

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

Tecnologia em Áudio. www.institutosantana.com

Tecnologia em Áudio. www.institutosantana.com Apresentação Os cursos de áudio do Instituto Santana qualificam o aluno a atuar como profissional em qualquer área onde se exige um profissional do som. Nosso sistema de ensino é conhecido como EAD,ou

Leia mais

Manual do Usuário. ZT Amplifiers. Lunchbox. Amplificador de Guitarras LBG2

Manual do Usuário. ZT Amplifiers. Lunchbox. Amplificador de Guitarras LBG2 Manual do Usuário ZT ZT Amplifiers Lunchbox Amplificador de Guitarras LBG2 Features Top Panel AMBIENCE TONE VOLUME GAIN INPUT 6 5 4 3 2 1 Rear Panel Speaker Out Volume 7 8 Guitar Amplifier LBG2 Out 9 Voltage

Leia mais

PERCEPTION live. AKG Acoustics GmbH Lemböckgasse 21 25, A-1230 Vienna/AUSTRIA, phone: (+43-1) 86654-0* e-mail: sales@akg.com

PERCEPTION live. AKG Acoustics GmbH Lemböckgasse 21 25, A-1230 Vienna/AUSTRIA, phone: (+43-1) 86654-0* e-mail: sales@akg.com Microfones Fones de ouvido Microfones s/fios Fones de ouvido s/fios Microfones de cabeça Componentes acústicos AKG Acoustics GmbH Lemböckgasse 21 25, A-1230 Vienna/AUSTRIA, phone: (+43-1) 86654-0* e-mail:

Leia mais

Primeiramente, muito obrigado por escolher a mesa digital da Série Si da Soundcraft.

Primeiramente, muito obrigado por escolher a mesa digital da Série Si da Soundcraft. GUIA RÁPIDO Guia Rápido INTRODUÇÃO Primeiramente, muito obrigado por escolher a mesa digital da Série Si da Soundcraft. Esse Guia Rápido dará uma grande noção das principais funções da console e permitirá

Leia mais

Guia do Usuário. Sumário. Precauções de Segurança... 3. Iniciando... 9. Usando o Folio F1... 10. Regulando & Solucionando Problemas..

Guia do Usuário. Sumário. Precauções de Segurança... 3. Iniciando... 9. Usando o Folio F1... 10. Regulando & Solucionando Problemas.. Sumário Precauções de Segurança... 3 Iniciando... 9 Usando o Folio F1... 10 Regulando & Solucionando Problemas.. 24 Aplicações... 26 Diagrama de Sistema de Bloco... 31 Informação Técnica... 32 Folha de

Leia mais

Use estos equipos, solamente con el adaptador proporcionado, modelo AA-57180700. PRECAUCION : Utilice únicamente la fuente de alimentación que acompaña al equipo. Si es necesario sustituir la fuente original,

Leia mais

Por favor, leia atentamente este manual para obter detalhes quanto o correto equipamento.

Por favor, leia atentamente este manual para obter detalhes quanto o correto equipamento. TIME USB MP3 / WMA PLAYER MODE FD - FD+ MIC 1 LEVEL MIC 2 LEVEL LINE LEVEL L / R MIC2 INPUT LINE INPUT TREBLE BASS MP3/WMA LEVEL LINE OUT CLIP CORD AUTOMATIC VOLTAGE SELECTOR 100-240Vac 50 / 60Hz Nur Sicherung

Leia mais

Lendo Diagrama de Blocos

Lendo Diagrama de Blocos Lendo Diagrama de Blocos Olá amigos, Ficamos felizes em saber que todos as locadoras e estúdios de gravação estão nadando em dinheiro após esta riquíssima campanha política. Antes de gastarem seus milhões

Leia mais

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br www.mvmob.com.br 1 1. Introdução Este guia foi produzido para auxiliar educandos e educadores durante as ofi cinas oferecidas pelo projeto MVMob - Minha Vida Mobile, como material de subsídio pedagógico.

Leia mais

Guia do Usuário http://www.spirit.by.soundcraft.co.uk CONTEÚDO

Guia do Usuário http://www.spirit.by.soundcraft.co.uk CONTEÚDO CONTEÚDO Vista Superior 1 Introdução 3 Instalação & Precaução de Segurança 3 Conectando 4 Instalando 5 Conhecendo seu console 9 Usando seu Console Folio SX 16 Características Avançadas 18 Aplicações 20

Leia mais

G u i a R á p i d o d e I n s t a l a ç ã o

G u i a R á p i d o d e I n s t a l a ç ã o C r o C r s o s o s v o v e e r r E l e t r ô n i c i c o o 2 2 V i V a s i a s G u i a R á p i d o d e I n s t a l a ç ã o Se desejar um rápido esclarecimento sobre a instalação do crossover eletrônico

Leia mais

SUMMIT. Guia do Usuário. Português. Mixer Digital de 16 Canais e 8 sub grupos SUMMIT

SUMMIT. Guia do Usuário. Português. Mixer Digital de 16 Canais e 8 sub grupos SUMMIT SUMMIT Mixer Digital de 16 Canais e 8 sub grupos SUMMIT Português Guia do Usuário INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O aparelho não deve ser exposto ao contato com líquidos e nem pode servir como apoio a recipientes

Leia mais

uad-2 QUAD

<!--:pt-->uad-2 QUAD<!--:--> Descrição A UAD-2 QUAD DSP é uma placa desenvolvida exclusivamente para aumentar o poder de processamento de sua DAW, ela possui quatro processadores de alto desempenho da Analog Devices dedicados totalmente

Leia mais

MONITOR STATION. Estação de Controle de Estúdio. Manual do Usuário V1.0. 2007, PreSonus Audio Electronics, Inc. Todos os Direitos Reservados.

MONITOR STATION. Estação de Controle de Estúdio. Manual do Usuário V1.0. 2007, PreSonus Audio Electronics, Inc. Todos os Direitos Reservados. MONITOR STATION Estação de Controle de Estúdio Manual do Usuário V1.0 2007, PreSonus Audio Electronics, Inc. Todos os Direitos Reservados. GARANTIA LIMITADA PRESONUS PreSonus Audio Electronics Inc. garante

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. A plataforma de controle deverá necessariamente possuir a facilidade de adição de "plug-ins, com

MEMORIAL DESCRITIVO. A plataforma de controle deverá necessariamente possuir a facilidade de adição de plug-ins, com Anexo I MEMORIAL DESCRITIVO Trata o presente memorial descritivo da locação de equipamentos para sonorização e iluminação nas dependências internas e externas do Theatro Pedro II, para a 14ª Feira Nacional

Leia mais

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO 1 - INSTRUÇÕES INICIAIS IMPORTANTE LEIA COM ATENÇÃO!. Certifique-se de que a voltagem no equipamento é compatível com a tensão da rede elétrica. Este equipamento foi desenvolvido

Leia mais

QUICK GUIDE PRIMEIROS PASSOS (CL & QL) Introdução

QUICK GUIDE PRIMEIROS PASSOS (CL & QL) Introdução QUICK GUIDE PRIMEIROS PASSOS (CL & QL) Introdução Uma vez comprado um sistema que trabalha com áudio em rede, seja CL ou QL, uma série de procedimentos são necessários para deixar o sistema pronto para

Leia mais

Guia do usuário. Sistema sem-fio UHF UWS-21 / UWS-22

Guia do usuário. Sistema sem-fio UHF UWS-21 / UWS-22 Guia do usuário Sistema sem-fio UHF UWS-21 / UWS-22 Introdução O seu novo sistema sem-fio foi desenvolvido para lhe dar o melhor do mundo da sonorização: a liberdade de um sistema sem-fio, com excelente

Leia mais

Manual do Usuário. TVA Digital

Manual do Usuário. TVA Digital Manual do Usuário TVA Digital AF_Manual_TV_SD_8.indd 1 AF_Manual_TV_SD_8.indd 2 Parabéns por escolher a TVA Digital! Além de optar por uma excelente programação, você terá uma série de recursos e interatividade.

Leia mais

Gerenciador de Áudio HD Realtek Manual do Usuário para o Sistema Operacional Vista

Gerenciador de Áudio HD Realtek Manual do Usuário para o Sistema Operacional Vista Gerenciador de Áudio HD Realtek Manual do Usuário para o Sistema Operacional Vista 27 de fevereiro de 2008 Copyrights da Realtek Semiconductor 2008 Índice Índice A. PARA COMEÇAR...4 B. INTRODUÇÃO...7 1.

Leia mais

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens

Aprenda a Trabalhar com Telemensagens Aprenda a Trabalhar com Telemensagens 5 Incluindo dicas de Cestas, Flores, Presentes e Internet Do Iniciante ao Profissional www.as2.com.br 1 Aprenda a Trabalhar com Telemensagens FASCÍCULO 5 Adquira o

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

KX-VC600 Videoconferência IP Full HD

KX-VC600 Videoconferência IP Full HD Quebrando as barreiras da distância A Unidade de videoconferência IP FullHD Panasonic KX-VC600, foi projetada para diminuir a distância, e agilizar reuniões e atividades em grupos, ajudando a diminuir

Leia mais

RIDER TÉCNICO LEO JAIME COM BANDA (7 MÚSICOS) EQUIPE LOCAL

RIDER TÉCNICO LEO JAIME COM BANDA (7 MÚSICOS) EQUIPE LOCAL RIDER TÉCNICO LEO JAIME COM BANDA (7 MÚSICOS) Para realizar o espetáculo serão necessários: EQUIPE LOCAL Três carregadores na chegada e na saída do show. A equipe deve receber o equipamento que chegará

Leia mais

Instruções de Utilização. Pré-amplificador de 8 vias 0530 00

Instruções de Utilização. Pré-amplificador de 8 vias 0530 00 Instruções de Utilização Pré-amplificador de 8 vias 0530 00 Descrição das funções O pré-amplificador de 8 vias amplifica os sinais de áudio de 8 fontes como, p. ex., o rádio, o leitor de CD, etc., para

Leia mais

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre 17:47:08 Introdução à Informática com Software Livre 1 17:47:09 Audacity 2 Audacity 17:47:09 Audacity é um Software Livre de edição digital de áudio, disponível principalmente nas plataformas: Windows,

Leia mais

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES A DIVISION OF ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES Antes de ligar este aparelho pela primeira vez, leia atentamente este manual de instruções. Ele é completo e contém todas as informações necessárias para o bom

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final Computadores VII: Digitalizando Sons - Final A2 Texto 4 http://www.bpiropo.com.br/fpc20050808.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 08/08/2005 Autor: B.Piropo Semana passada vimos

Leia mais

Manual do Usuário. ZT Amplifiers. Lunchbox Acoustic. Amplificador de Guitarras LBA1

Manual do Usuário. ZT Amplifiers. Lunchbox Acoustic. Amplificador de Guitarras LBA1 Manual do Usuário ZT ZT Amplifiers Lunchbox Acoustic Amplificador de Guitarras LBA1 Features 1 2 3 4 Top Panel I N S T R U M E N T VOLUME GAIN BASS TREBLE REVERB 3 2 1 OFF FEEDBACK CUT M I C R O P H O

Leia mais

Manual do Usuário SPI- 720 SPI- 720 Sistema de som sem fio para Iphone/Ipod ou computador

Manual do Usuário SPI- 720 SPI- 720 Sistema de som sem fio para Iphone/Ipod ou computador SPI- 720 Sistema de som sem fio para Iphone/Ipod ou computador Ler este manual completamente antes de utilizar o produto e guardá- lo para futuras referências. 1. Características do Produto O SPI- 720

Leia mais

Produção fonográfica: Etapas e Envolvidos

Produção fonográfica: Etapas e Envolvidos Produção fonográfica: Etapas e Envolvidos A produção fonográfica começou no início do século XX e passou por diversas transformações por conta de aspectos tecnológicos, culturais e econômicos. Hoje, com

Leia mais

Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores

Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores Autor: Fernando A. B. Pinheiro Entrar em uma loja e escolher os falantes é facílimo. Conseguir um marceneiro para fabricar

Leia mais

USO E APLICAÇÕES - ATIVA FUNÇÕES BATERIA INTERNA 12V GERAL

USO E APLICAÇÕES - ATIVA FUNÇÕES BATERIA INTERNA 12V GERAL CERTIFICADO DE GARANTIA ATENÇÃO: Este Certificado terá validade somente mediante a apresentação da competente Nota Fiscal de compra. Sem a nota fiscal de compra o previsto neste Certificado não terá efeito.

Leia mais

O que comprar? para todos os orçamentos

O que comprar? para todos os orçamentos O que comprar? HOME STUDIOS para todos os orçamentos Montar um estúdio em casa, hoje, é muito mais barato do que a maioria das pessoas imagina. Além da forte valorização do real diante do dólar, o governo

Leia mais

M12 Mixer Splitter Ativo - 12x48

M12 Mixer Splitter Ativo - 12x48 M12 Mixer Splitter Ativo - 12x48 Um novo e revolucionário produto, que distribui sinais de microfones e instrumentos musicais para até 4 consoles de áudio. - 1 - O Mixer Splitter M12 é um produto único

Leia mais

Linha de Módulos de Comando

Linha de Módulos de Comando RKM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E CONTROLE LTDA. Rua Catão Coelho, 215 PORTO ALEGRE RS Fone: (51) 3029-3250 www.rkmautomacao.com.br Linha de Módulos de Comando RKM Aurora MANUAL DE CONFIGURAÇÃO Rev. 1.0 Abril

Leia mais

Muita ATENÇÃO senhores contratantes produtores e técnicos de sonorizações locais!

Muita ATENÇÃO senhores contratantes produtores e técnicos de sonorizações locais! Muita ATENÇÃO senhores contratantes produtores e técnicos de sonorizações locais! Antes de mudar sobre quaisquer circunstâncias este Rider técnico, entre em contato com urgência com a equipe técnica. FONTES

Leia mais

Mixer KIKO Gerenciador de áudio MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NLL-4C LEIA ESTE MANUAL ANTES DE USAR O MIXER.

Mixer KIKO Gerenciador de áudio MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NLL-4C LEIA ESTE MANUAL ANTES DE USAR O MIXER. Mixer KIKO Gerenciador de áudio NLL-4C MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA ESTE MANUAL ANTES DE USAR O MIXER. O Mixer KIKO, fabricado pela Eletroleve, centraliza os controles de volumes dos áudios que

Leia mais

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client?

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Assim que abrir o DVR Client, no canto superior direito há um grupo de opções denominado Login, preencha de acordo

Leia mais

Como usar o Virtual DJ

Como usar o Virtual DJ Como usar o Virtual DJ O Virtual DJ é um programa de remixagem de mp3, ideal para quem sempre quis experimentar os aparelhos utilizados pelos DJs, que permitem fazer modificações em trilhas de forma aparentemente

Leia mais