Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 12/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus São João del-rei

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 12/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus São João del-rei"

Transcrição

1 Questão 01 Considere um instrumento de medição básico de tensão de alcance 10 V e corrente máxima igual a 5 ma. Foi calculado um resistor de 24 Ω, com a finalidade de aumentar o calibre para 130 V. Calcule mais dois resistores adicionais para aumentar os calibres para 240 V e 330V, respectivamente, como mostrado na Figura 1. a) 18 Ω e 66 Ω b) 2 Ω e 6 Ω c) 48 Ω e 66 Ω d) 18 Ω e 22 Ω e) 22 Ω e 18 Ω Figura 1: Instrumento básico de medição de tensão. Questão 02 Suponha que um fio elétrico de comprimento L tenha resistência elétrica R. Qual será a resistência equivalente entre os pontos A e B, caso esse fio seja ligado, conforme mostrado na Figura 2? Observe que são dois segmentos iguais entre os pontos A e C e dois segmentos iguais entre os pontos B e C. Considere o comprimento de um dos segmentos AC igual a!!". a) R/10 b) R/4 c) R/2 d) R/5 e) R/3 Figura 2: Ligação do fio elétrico. Pag. 1 de 9

2 Questão 03 Determine o valor da impedância Z L da carga que maximiza a potência média absorvida pelo circuito da Figura 3. Figura 3: Circuito elétrico. a) (4 j3)ω b) (6 + j1)ω c) (6 j1)ω d) (4 + j3)ω e) (4 j4)ω Questão 04 Determine o valor da tensão Vx no circuito apresentado na Figura 4. a) 2 V b) 4 V c) 6 V d) 8 V e) 5 V Figura 4: Circuito elétrico. Pag. 2 de 9

3 Questão 05 A chave S do circuito da Figura 5 se encontra na posição A há um longo período. Em t=0 s, a chave é mudada para a posição B. Determine v(t), para t 0. a) 2e t V b) 2(3 e 0,5t )V c) 2(3+ e 0,05t )V d) 6e t V e) 6V Figura 5: Circuito elétrico. Questão 06 Calcule o fator de potência da carga apresentada no circuito da Figura 6. a) 0,707 atrasado b) 0,866 adiantado c) 0,866 atrasado d) 0,500 adiantado e) 0,707 adiantado Figura 6: Circuito elétrico. Pag. 3 de 9

4 Questão 07 Calcule o valor da corrente i(t) no circuito mostrado na Figura 7. Figura 7: Circuito elétrico. a) 2 2 cos(4t) A b) 2 cos(4t - 45 ) A c) 2 2 cos(4t - 45 ) A d) 2 2 cos(4t ) A e) 2 cos(4t ) A Questão 08 Em relação ao dimensionamento do condutor neutro, analise as assertivas a seguir: I - Para o dimensionamento da seção do condutor neutro em função da terceira harmônica (TDH3) e suas múltiplas, são consideradas as seguintes faixas: TDH3 < 15%, 15% TDH3 33% e TDH3 > 30%. II - Em um circuito trifásico, a seção do condutor neutro pode ser menor que a seção do condutor de fase, desde que, obrigatoriamente, a seção do condutor de fase seja maior que 25 mm 2, o circuito seja equilibrado e apresente o TDH3 < 15% e que o condutor neutro seja protegido contra sobrecorrentes. III - Em um circuito com a corrente fundamental igual a 110 A, a corrente de terceira harmônica igual a 57 A e a corrente de quinta harmônica igual a 29 A, a seção do condutor neutro pode ser igual à seção do condutor fase. IV - A corrente no condutor neutro em um circuito trifásico com neutro, com TDH3 > 33%, é calculada por: IN = fh x IP, sendo IN a corrente no neutro, fh o fator harmônico, IP a corrente de projeto, incluindo as harmônicas. V - A taxa de TDH3 > 33% é mais comum em circuitos que alimentam computadores e outros equipamentos de tecnologia de informação. Pag. 4 de 9

5 É CORRETO o que se afirma em: a) I, II, III e IV, apenas. b) III, IV e V, apenas. c) I, II, IV e V, apenas. d) I, III, IV e V, apenas. e) II, III e V, apenas. Questão 09 Sabendo que a principal finalidade dos fusíveis é proteger os elementos de uma instalação elétrica, e considerando as categorias dos fusíveis, assinale a alternativa CORRETA em relação aos fusíveis de efeito retardado. a) Podem ser utilizados em aplicações simples, nas quais a carga alimentada pela rede elétrica não apresenta picos de corrente. b) São utilizados em circuitos nos quais a corrente de partida dos equipamentos assume valores bem superiores aos que possuem nas condições normais de funcionamento, ou em situações em que ocorre sobrecarga momentânea dos circuitos, como no caso dos motores elétricos e das cargas capacitivas. c) São utilizados quando a corrente consumida pelo equipamento, por meio de sua ligação às tomadas, não assume valores elevados. d) São aplicados em circuitos que não apresentam considerável variação de corrente entre a ligação do circuito no equipamento e o seu funcionamento normal. e) São empregados quando a carga a ser alimentada possui circuitos eletrônicos constituídos por elementos semicondutores, tiristores, GTO's e diodos, interrompendo a corrente quando houver um curto-circuito, evitando danos aos circuitos. Questão 10 Em relação à norma da ABNT, NBR 5410:2008, assinale a afirmação INCORRETA. a) É aplicada a todas as instalações elétricas cuja tensão nominal é igual ou inferior a 1000 V em corrente alternada, ou a 1500 V em corrente contínua. b) Fixa todas as condições de operação das instalações de baixa tensão, para garantir o seu funcionamento adequado, além de garantir a segurança de pessoas e animais domésticos e a conservação de bens. c) Define as condições de operação das instalações elétricas residenciais e comerciais em geral, estabelecimentos públicos e institucionais, estabelecimentos industriais, instalações agropecuárias e hortigranjeiras, edificações pré-fabricadas, reboques ou trailers, campings, marinas e locais análogos, canteiros de obras, feiras, exposições e outras instalações temporárias. d) Pode ser aplicada, em certas condições, em instalações de tração elétrica, de veículos automotivos, de embarcações e aeronaves, equipamentos para supressão de perturbações radioelétricas, instalações de iluminação pública, redes públicas de distribuição de energia, instalações de proteção contra quedas diretas de raios, instalações em minas e instalações de cercas eletrificadas. e) A sua aplicação não dispensa o respeito aos regulamentos de órgãos públicos aos quais a instalação deve satisfazer. Pag. 5 de 9

6 Questão 11 Sobre as máquinas de indução, marque a opção INCORRETA. a) O motor de indução pode ser considerado um transformador com um secundário rotativo, cujo acoplamento magnético entre o primário e o secundário depende da relação de espiras e da velocidade relativa do secundário em relação ao campo indutor girante. b) A velocidade do motor de indução varia, ligeiramente, com carga aplicada ao eixo. c) Os parâmetros do circuito equivalente da máquina de indução podem ser obtidos experimentalmente, através de ensaios semelhantes aos aplicados em um reator. d) As correntes elevadas que circulam no enrolamento do estator e do rotor é função do carregamento da máquina. e) O rotor pode ser constituído de barras de material condutor curto-circuitadas nas extremidades (gaiola de esquilo) ou de enrolamentos curto-circuitados externamente (rotor bobinado). Questão 12 O diagrama elétrico, a seguir, representa o: ( V, θ ) ( av, θ ) p ( V, θ ) m m m Im 1:a y m Im a) modelo de um transformador em fase. b) circuito equivalente de uma linha de transmissão longa. c) circuito equivalente de uma linha de transmissão curta. d) modelo π de uma linha de transmissão. e) modelo de um transformador defasador. Questão 13 Os sistemas de proteção de descargas atmosféricas, de forma geral, são constituídos de três partes bem definidas e totalmente interligadas, as quais são: a) sistema de captores, de descidas e de aterramento. b) sistema de descida, aterramento natural e não natural. c) sistema de captores naturais, de descidas naturais e aterramentos naturais. d) sistema de captores naturais e não naturais, de descidas naturais e de aterramentos naturais. e) sistema de captores naturais, de descidas naturais e aterramentos não naturais. Pag. 6 de 9

7 Questão 14 A seguir, no Quadro 1, são apresentados os equipamentos elétricos de um dado setor de uma instalação. Para o dimensionamento do alimentador elétrico para esse setor, é necessário o cálculo da demanda. Nesse caso, o valor da demanda é: Número de Carga Tipo de PN VN FP R Equipamentos carga 2 Tornos MIT 5 CV 220 V 0,85 0,75 1 Bebedouro MIM 0,5 CV 127 V 0,67 0,68 3 Fresas MIT 3 CV 220 V 0,84 0,77 1 Plaina MIT 2 CV 220 V 0,83 0,72 1 Serra MIT 1 CV 220 V 0,75 0,68 1 Tomada Bancada de trifásica trabalho 3F + N 1800 VA Quadro 1: Equipamentos elétricos de uma instalação. Considere: PN é a Potência nominal (mecânica) individual em CV; VN é a tensão nominal em V; FP é o fator de potência; R é o rendimento, MIT é o Motor de Indução Trifásico; MIM é o Motor de Indução Monofásico. Adotar para os motores o fator de utilização igual a 0,8, o fator de simultaneidade igual a 0,85 e a demanda da iluminação igual a 3400 VA. a) 23,8 VA. b) 26,4 VA. c) 31,68 VA. d) 23,8 W e) 26,4 W Questão 15 Considerando as Medidas de Controle e Segurança em projetos, que são apresentadas na Norma Regulamentadora nº 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade, assinale a alternativa CORRETA. a) As empresas devem atualizar os esquemas unifilares das instalações elétricas dos seus estabelecimentos. b) O Prontuário de Instalações Elétricas não deve conter documentação comprobatória de treinamentos realizados. c) O projeto das instalações elétricas não deve prever as condições para a adoção de aterramento temporário. d) O memorial descritivo do projeto elétrico não deve especificar as características relativas à proteção contra choques elétricos, queimaduras e outros riscos adicionais. e) As medidas de proteção coletiva prioritárias são o emprego de tensão de segurança e, na sua impossibilidade, a desenergização elétrica. Pag. 7 de 9

8 Questão 16 Considerando a Segurança em Instalações Elétricas Desenergizadas e Energizadas e os Trabalhos envolvendo Alta Tensão, que são apresentados na Norma Regulamentadora nº 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade, assinale a alternativa CORRETA. a) A NR-10 apresenta os procedimentos para desenergização e reenergização de instalações elétricas que não podem ser alterados. b) Para que uma instalação elétrica seja considerada desenergizada, deve-se efetuar o seccionamento, constatação da ausência de tensão e instalação da sinalização de impedimento de reenergização. c) As operações elementares como ligar e desligar circuitos elétricos, realizadas em baixa tensão, com materiais e equipamentos elétricos em perfeito estado de conservação, adequados para operação, devem ser realizadas por profissional autorizado. d) Os trabalhadores envolvidos com atividades em instalações elétricas em alta tensão devem dispor de equipamento que permita a comunicação permanente com os demais membros da equipe ou com o centro de operação durante a realização do serviço. e) Os serviços em instalações elétricas energizadas em alta tensão podem ser realizados individualmente. Questão 17 Considerando a Habilitação, Qualificação, Capacitação e Autorização dos Trabalhadores apresentadas na Norma Regulamentadora nº 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade, assinale a alternativa CORRETA. a) O trabalhador capacitado deve trabalhar sob a responsabilidade de profissional capacitado e autorizado. b) O trabalhador que retornar ao trabalho após afastamento de quatro meses não deve realizar treinamento de reciclagem. c) A capacitação terá validade para a empresa que capacitou o trabalhador e para outras empresas caso ele mude de emprego. d) O engenheiro eletricista deverá participar de treinamento básico e complementar quando atuar no Sistema Elétrico de Potência, sendo um dos itens para que possa ser considerado autorizado. e) É considerado profissional legalmente habilitado aquele que comprovar conclusão de curso específico na área elétrica reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino. Questão 18 Considerando a Norma Regulamentadora nº 16 Atividades e Operações Perigosas, assinale a alternativa CORRETA. a) O adicional de periculosidade assegura ao trabalhador a percepção de adicional de 30% sobre o salário mínimo. b) Considerando as atividades com energia elétrica, para fins de pagamento do adicional de periculosidade, o trabalho intermitente se equipara ao eventual, não gerando direito ao referido pagamento. c) É responsabilidade do trabalhador solicitar à empresa a caracterização de periculosidade. d) Os trabalhadores que efetuam corte e poda de árvores na manutenção de redes de linhas aéreas de alta tensão não têm direito ao adicional de periculosidade. e) Os trabalhadores que desenvolvem atividades em instalações elétricas alimentadas por extra-baixa tensão não têm direito ao adicional de periculosidade. Pag. 8 de 9

9 Questão 19 Considerando a Norma Regulamentadora nº 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos, assinale a alternativa CORRETA. a) É permitida, nas máquinas e nos equipamentos, a utilização de chaves tipo faca nos circuitos elétricos. b) As máquinas e áreas de circulação podem ficar posicionadas de forma a permitirem o transporte e a movimentação aérea de materiais sobre os trabalhadores. c) O empregador deve adotar medidas apropriadas de proteção em máquinas, sempre que houver pessoas com deficiência envolvidas. d) Os dispositivos de acionamento do tipo comando bimanual não devem ser utilizados quando se deseja manter as mãos do operador fora da zona de perigo. e) Os dispositivos de parada de emergência não devem prevalecer sobre todos os outros comandos das máquinas. Questão 20 Considerando os Sistemas de Segurança, Manutenção e Capacitação, apresentados na Norma Regulamentadora nº 12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos, assinale a alternativa CORRETA. a) As manutenções preventivas devem ser registradas em livro próprio no qual deve ser lançada indicação conclusiva quanto às condições de segurança da máquina. b) As barreiras ópticas e cortinas de luz não são exemplos de sensores de segurança. c) A capacitação de operadores de máquinas deve ter a carga horária de 8 horas. d) As proteções, os dispositivos e os sistemas de segurança são itens opcionais das máquinas e dos equipamentos. e) O empregador não deve manter inventário das máquinas em que serão identificados os sistemas de segurança. Pag. 9 de 9

NR 10. Prof. Felipe A. Camargo

NR 10. Prof. Felipe A. Camargo QMASS NR 10 Prof. Felipe A. Camargo NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE 01 10.1 - OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 10.1.1 Esta NR estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais

EXIGÊNCIA PARA FUNCIONÁRIOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS!

EXIGÊNCIA PARA FUNCIONÁRIOS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS! Treinamento: Obrigatoriedade prevista na NR-10: Todos devem ter Treinamento básico de 40 horas; Trabalhos em SEP e proximidades o Treinamento complementar, além do básico, mais 40 horas Conteúdo e carga

Leia mais

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Objetivos da aula Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação triângulo e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores.

Leia mais

Diretor Executivo da ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade

Diretor Executivo da ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade Engenheiro Eletricista Edson Martinho Diretor Executivo da ABRACOPEL Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade abracopel@abracopel.org.br 11-99688-1148 PROXIMIDADE COM A

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil Instalações Elétricas Prof.ª Letícia Chaves Fonseca Normas Técnicas: Instalações Elétricas ABNT NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão CELG-D: NTC-04 Fornecimento de Energia

Leia mais

Segurança em instalações e projetos, conforme a nova NR-10

Segurança em instalações e projetos, conforme a nova NR-10 Segurança em instalações e projetos, conforme a nova João Cunha Algumas questões iniciais 2 Norma x Regulamento Regulamento Técnico: Documento aprovado por órgãos governamentais em que se estabelecem as

Leia mais

Projetos Elétricos Especiais

Projetos Elétricos Especiais Projetos Elétricos Especiais Prof. Laís Hauck de Oliveira Disciplina de Projetos Elétricos Especiais - PEE Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Universidade do

Leia mais

Dispositivos de proteção

Dispositivos de proteção Dispositivos de proteção Conceitos básicos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Segurança e Saúde do Trabalho ao seu alcance! NR-10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou efeito de prevenir ou de se prevenir;

Leia mais

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira NBR 5410 Evolução: Primeira edição em 1941 (Norma Brasileira para Execução de Instalações Elétricas). Segunda edição em 1960. Terceira edição

Leia mais

Eng. Everton Moraes. Método LIDE - Máquinas Elétricas

Eng. Everton Moraes. Método LIDE - Máquinas Elétricas Eng. Everton Moraes Eng. Everton Moraes Método LIDE - Máquinas Elétricas 1 Método LIDE - Máquinas Elétricas Sumário 1. Ligação dos motores de indução trifásico (MIT)... 3 1.1. Ligação de Motores de Indução

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA NR-10 NAS OPERADORAS METROFERROVIÁRIAS IMPACTOS E OPORTUNIDADES

IMPLANTAÇÃO DA NR-10 NAS OPERADORAS METROFERROVIÁRIAS IMPACTOS E OPORTUNIDADES IMPLANTAÇÃO DA NR-10 NAS OPERADORAS METROFERROVIÁRIAS IMPACTOS E OPORTUNIDADES Engº Wilmar Fratini Comissão Metroferroviária - GT de Gestão Integrada São Paulo - 29.08.07 Norma Regulamentadora nº 10 SEGURANÇA

Leia mais

Indústria da Construção Foco NR-12. Engº Seg. Bruno C. Bilbao Adad

Indústria da Construção Foco NR-12. Engº Seg. Bruno C. Bilbao Adad Máquinas e Equipamentos na Indústria da Construção Foco NR-12 Engº Seg. Bruno C. Bilbao Adad CENÁRIO Estimativas indicam que Máquinas e equipamentos participam com aproximadamente 50% do total de

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente.

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. 4.4. Chave de Partida Série-Paralelo As chaves de partida série-paralelo são utilizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO UNERSDADE FEDERAL DO PARÁ NSTTUTO DE TECNOLOGA FACULDADE DE ENGENHARA ELÉTRCA DSCPLNA: NSTALAÇÕES ELÉTRCAS Prof.a : CARMNDA CÉLA M. M. CARALHO CAPÍTULO - SÃO GERAL DO SSTEMA ELÉTRCO.- NTRODUÇÃO A energia

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Prof. Marcos Fergütz fev/2014 - O Surto - Geração da Sobretensão(Surto): Descarga Atmosférica (raio) Direta; Indução por descarga

Leia mais

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010 Capítulo 3 Proteção contra choques elétricos fundamentos 2008 by Pearson Education slide 1 3.1 A corrente elétrica no corpo humano A publicação IEC/TS 60479-1: Effects of current on human beings and livestock.

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

Eletricista de Instalações

Eletricista de Instalações Eletricista de Instalações UFCD 1183- Variadores de velocidade - instalação e ensaio 2014/ 2015 Aperfeiçoamento nos métodos de produção e sua racionalização, mediante a automação e o controle os processos.

Leia mais

Certificado de Registro (Averbação) Fundaçăo BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA

Certificado de Registro (Averbação) Fundaçăo BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA Certificado de Registro (Averbação) Fundaçăo BIBLIOTECA NACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS DE ELETRICIDADE, Educação de Inclusão Social Todos

Leia mais

CONTROLE TRADICIONAL

CONTROLE TRADICIONAL CONTROLE TRADICIONAL Variação da tensão do estator Os acionamentos de frequência e tensão variáveis são os mais eficientes Existem também acionamentos com tensão variável e frequência fixa Para um acionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório EXPERIÊNCIA 08 RESISTÊNCIA DE ISOLAMENTO 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta aula é a determinação

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6.514/77 -Portaria 3.214/78 de 08/06/1978.

LEGISLAÇÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6.514/77 -Portaria 3.214/78 de 08/06/1978. ENG GLAUBER MAURIN LEGISLAÇÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6.514/77 -Portaria 3.214/78 de 08/06/1978. Aprova as Normas Regulamentadoras NR do Capítulo V, título II, da CLT- Consolidação das Leis do

Leia mais

Apresentado por Hilton Moreno

Apresentado por Hilton Moreno Apresentado por Hilton Moreno Cuidando dos seus bens mais valiosos. Um projeto de conscientização e orientação sobre a necessidade de modernizar as instalações elétricas, minimizando os riscos de acidentes,

Leia mais

MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS. Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana)

MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS. Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana) MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana) OBJETIVOS Compreender os princípios básicos de funcionamento

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 4 : Motores de indução trifásicos (MIT). Partida manual, reversão e ligação em estrela/triângulo. 1 - Introdução: Chaves manuais de partida de motores de indução trifásicos

Leia mais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais OBJETIVO Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais Garantir o funcionamento adequado da instalação e a conservação

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II Data: / / 20 Aluno(a): 1ª Aula Prática: Partida de motores de indução monofásicos com contatores. Prof. Epaminondas de Souza Lage 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito -É assim chamado todo material que possui a propriedade de conduzir ou transportar energia elétrica. -Os condutores devem ser analisados sobre seguintes aspectos.

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA Objetivo Formar profissional com habilitação Técnica de Nível Médio em Eletrotécnica, para atuar nos diversos segmentos do mercado, tais como: concessionárias de energia elétrica,

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para projeto de melhoria do fator de potência nas instalações elétricas das unidades

Leia mais

Entenda a nova Norma Regulamentadora NR-10

Entenda a nova Norma Regulamentadora NR-10 Entenda a nova Norma Regulamentadora NR-10 *Autor: Engº Jaques Sherique A nova NR-10 teve como base um texto técnico, elaborado por 53 empresas do setor energético. Esta norma que teve por base o tripartidarismo

Leia mais

TE 158 Operação de sistemas elétricos de potência Lista de exercícios. Fator de Potência

TE 158 Operação de sistemas elétricos de potência Lista de exercícios. Fator de Potência TE 158 Operação de sistemas elétricos de potência Lista de exercícios Fator de Potência Cargo: Engenheiro Pleno - Eletricista Ano: 2006 Órgão: CORREIOS/DF Instituição: AOCP 1. Determine a potência ativa

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 Fernando Moreno Suarte Júnior Engenheiro Civil, Arquiteto e Urbanista Pós Graduação - MBA em Gestão Eficaz de Obras e Projetos Palmas

Leia mais

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v.

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v. 1) Um indutor de 10 mh tem uma corrente, i = 5cos(2000 t ), obtenha a tensão vl. V = 100 sen(2000 t ) V L 2) Um circuito série com R=10 Ω e L=20 mh, tem uma corrente de i = 2s en(500 t ). Calcule a tensão

Leia mais

PRRH. Téc. em Eletrotécnica

PRRH. Téc. em Eletrotécnica Téc. em letrotécnica Nome: Inscrição: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos 01 Suponha que uma pessoa está em pé sobre uma plataforma isolada. Seu potencial é elevado em 200.000 Volts em relação à terra.

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique PARTIDA DIRETA O motor

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Art. 1 o Os equipamentos objeto desta regulamentação

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

26/11/ Agosto/2012

26/11/ Agosto/2012 26/11/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/11/2012 2 Motores Elétricos Conceitos Motor elétrico é uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. É o mais usado de todos os tipos de

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

Eletrônica Geral Curso Técnico de Automação Industrial Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Geral Curso Técnico de Automação Industrial Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Geral Curso Técnico de Automação Industrial Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Exercícios Teórico-práticos (Transformadores de potência) 3.º Ano, 1.º Semestre 2007-2008 1. Desenhe o diagrama vectorial de um transformador monofásico em carga,

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-021 ADENDO AS NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADAS DO SISTEMA ENERGISA À NORMA REGULAMENTADORA Nº010 NR 010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES...

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Elétrica de Autos 1. O movimento ordenado de elétrons livres em um condutor

Leia mais

SEGURANÇA FRENTE A RISCOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO NORMAS E RECOMENDAÇÕES

SEGURANÇA FRENTE A RISCOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO NORMAS E RECOMENDAÇÕES SEGURANÇA FRENTE A RISCOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO NORMAS E RECOMENDAÇÕES ACIDENTES PRODUZIDOS POR ELETRICIDADE CONTATOS DIRETOS Contatos com partes da instalação energizadas CONTATOS INDIRETOS Contatos

Leia mais

Apostila de Instalações Elétricas

Apostila de Instalações Elétricas 6.10.9 - Mista: combina uma incandescente e um tubo de descarga com alta pressão. Funciona em tensão de 220 V, sem reator. Emite cerca de 30 lumen/w. Possui vida útil de cerca de 6.000h. É uma alternativa

Leia mais

NR-12 aplicada à máquinas da linha amarela. Marcus C. Lacerda Engenheiro Mecânico e Sócio-diretor OPERACTION

NR-12 aplicada à máquinas da linha amarela. Marcus C. Lacerda Engenheiro Mecânico e Sócio-diretor OPERACTION NR-12 aplicada à máquinas da linha amarela Marcus C. Lacerda Engenheiro Mecânico e Sócio-diretor OPERACTION Mercado de Máquinas Pesadas - Brasil (Estimativa) Retroescavadeiras Pás carregadeiras Escavadeiras

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA.

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM SITUAÇÕES DE RISCO QUE ENVOLVA ELETRICIDADE

NORMAS DE SEGURANÇA EM SITUAÇÕES DE RISCO QUE ENVOLVA ELETRICIDADE NORMAS DE SEGURANÇA EM SITUAÇÕES DE RISCO QUE ENVOLVA ELETRICIDADE Anderson Rocha Ramos¹, Bruna Neves de Andrade², Felipe Matos Lopes dos Santos 3, Phablo Cabral de Oliveira 4,Silvani Ramos de Oliveira

Leia mais

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos. Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho com Máquinas e Equipamentos Thiago Freitas Engº Segurança do Trabalho Tem o objetivo de evitar que o trabalhador entre em contato com partes móveis da máquina. Definições Maquinas

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Dimensionamento de Condutores Elétricos Livro: João Mamede Filho Instalações Elétricas Industriais 2 Dimensionamento de

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES 1- Introdução Em certos trabalhos efetuados por motores elétricos, há ocasiões em que o motor deixa de ser necessário e há energia de sobra a qual poderá, porventura ser aproveitada.

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Módulo IV POTÊNCIA E VALOR EFICAZ UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Potência Instantânea Potência entregue a um elemento em um

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Outros tópicos transformadores Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Placa de identificação Transformadores para Instrumentos São dispositivos utilizados de modo a tornar compatível

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22 Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22 1 Título Prática 1 - Fonte de Alimentação Regulável 2 Objetivos Desenvolvimento de uma fonte de alimentação regulável. 3 Fundamentos

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Indicações para os traçados e a utilização de diagramas Para se saber como os elementos são interligados e também para um perfeito entendimento dos comandos elétricos é necessária a correta interpretação

Leia mais

EVENTO BUS WAY ACE/CELESC

EVENTO BUS WAY ACE/CELESC EVENTO BUS WAY ACE/CELESC DISJUNTORES Definição Disjuntor Disjuntor: dispositivo de seccionamento automático para proteção de circuitos elétricos. Normas Vigentes no Brasil * NBR NM 60898:2004 (em processo

Leia mais

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA FINALIDADE Este memorial refere-se ao projeto(de acordo com a NT-002/2011 R03 da COELCE) de implantação de uma subestação aérea de 225kVA, atendendo à BM Pré-Moldados LTDA. Localidade:, Rodovia BR 222,

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz Esquemático Simplificado Instalação residencial 3-Medidor 1-levantamento das potências (cargas) a serem instaladas na residência. NT-001 NT-001 Potência Total instalada

Leia mais

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: ELETROTÉCNICO DATA: 20/03/2016 HORÁRIO: 9h às 11h

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: ELETROTÉCNICO DATA: 20/03/2016 HORÁRIO: 9h às 11h PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SEDUC FOLHA DE ANOTAÇÃO DO GABARITO - ATENÇÃO: Esta parte somente deverá ser destacada pelo fiscal da sala, após o término da prova. RASCUNHO PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO:

Leia mais

Motores de indução e ligações

Motores de indução e ligações Motores de indução e ligações Os motores elétricos são máquinas elétricas bastante simples cuja finalidade é converter a energia elétrica em energia mecânica, e com isso obter movimento. As máquinas elétricas

Leia mais

1. Sistemas Trifásicos

1. Sistemas Trifásicos Sistemas Elétricos de Potência 1. Sistemas Trifásicos Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível em: http://paginapessoal.utfpr.edu.br/raphaelbenedito

Leia mais

Contatores e combinações de contatores

Contatores e combinações de contatores Dispositivo /06/0 :8 Page 86 es e combinações de contatores es para manobra de motores es 3RT Schütze und Schützkombinationen s a S2 Circuito auxiliar Dados nominais dos contatos auxiliares conforme IEC

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Os No-break s desempenham um papel fundamental na prevenção de uma queda repentina de energia. Equipamentos essenciais em seu dia-a-dia.

Os No-break s desempenham um papel fundamental na prevenção de uma queda repentina de energia. Equipamentos essenciais em seu dia-a-dia. Os No-break s desempenham um papel fundamental na prevenção de uma queda repentina de energia. Equipamentos essenciais em seu dia-a-dia. Fabricamos com conhecimento e tecnologia para você e sua empresa.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 O que são vasos e caldeiras para fins de aplicação da NR 13? Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior

Leia mais

CIDADE DE CAMAQUÃ INSTRUÇÕES GERAIS. a c d

CIDADE DE CAMAQUÃ INSTRUÇÕES GERAIS. a c d SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC / SETEC CIDADE DE CAMAQUÃ INSTRUÇÕES GERAIS 1 - Este caderno de prova é constituído por 40 (quarenta) questões objetivas. 2 - A prova terá duração máxima de 04 (quatro) horas.

Leia mais

Questionário Escolhas Múltiplas CORRECÇÃO

Questionário Escolhas Múltiplas CORRECÇÃO Temática Máquinas Eléctricas Capítulo Teste os seus conhecimentos Questionário Escolhas Múltiplas CORRECÇÃO FUNCIONAMENTO EM REGIME MOTOR E GERADOR DA MÁQUINA SÍNCRONA INTRODUÇÃO Esta correcção é relativa

Leia mais

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10:

Procedimentos que o Grupo Arteseg Oferece com sua Consultoria NR10: Adequação e Consultoria à norma NR10 A NR10 é uma norma regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego que estabelece uma série procedimentos e condutas para a realização de atividades que envolvem

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS E DISPOSITIVOS DE ACIONAMENTOS CAPÍTULO 07

MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS E DISPOSITIVOS DE ACIONAMENTOS CAPÍTULO 07 MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS E DISPOSITIVOS DE ACIONAMENTOS CAPÍTULO 07 2 7.1 Introdução O motor de indução trifásico apresenta relativa vantagem com relação ao monofásico, já que possui partida mais

Leia mais

PRÁTICA 5 - PARTIDA ELETRÔNICA: INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR

PRÁTICA 5 - PARTIDA ELETRÔNICA: INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR 1 Introdução Comandos Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara PRÁTICA 5 - PARTIDA ELETRÔNICA: INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR O funcionamento dos inversores de frequência com controle escalar está

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO Edição de Julho de 2.002 OBJETIVO Este fascículo compõe um regulamento geral, que tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

Maquinas, equipamentos e ferramentas diversas na construção civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Maquinas, equipamentos e ferramentas diversas na construção civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho na construção civil Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho A operação de máquinas e equipamentos que exponham o operador ou terceiros a riscos só pode ser feita por trabalhador

Leia mais

Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt Auto- Excitado e Série

Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt Auto- Excitado e Série Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt uto- Excitado e Série 1. Objetivos Os objetivos desse ensaio são: a) Construir a curva característica de tensão-carga

Leia mais

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Introdução Este catálogo apresenta os cabos nus de alumínio (CA) e alumínio com alma de aço (CAA), de fabricação Prysmian, nas bitolas padronizadas para distribuição

Leia mais

Inversor Trifásico 1CV e 2CV

Inversor Trifásico 1CV e 2CV Inversor Trifásico 1CV e 2CV Página 1 de 10 Esta linha de inversores de frequência da Neotec tende a unir a versatilidade do seu firmware com o desempenho a um baixo custo. Com isso pode ser inserido em

Leia mais

Avaliação de Demanda em Unidades Residenciais

Avaliação de Demanda em Unidades Residenciais Avaliação de Demanda em Unidades Residenciais 22/05/2014 Agenda Conceitos do Ambiente Regulado Metodologia de Avaliação: fundamentos Processo da RECON BT Nova realidade? Ponto de Atenção: Tarifa Branca

Leia mais

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos 1 COMANDOS INDUSTRIAIS Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Simulado 1 (S1) QUESTÕES DE CONCURSOS / ENADE * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 02 - PARTIDA DIRETA E REVERSORA 1 REVISÃO BIBLIOGRAFICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CADERNO DE EXERCÍCIOS 1. Duas cargas pontuais q1 = 30µ C e q2 = 100µ C encontram-se localizadas em P1 (2, 0) m e P2 (0, 2) m. Calcule a força eléctrica que age sobre

Leia mais

BEM-VINDO. Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12. TEMA Conceitos Fundamentais

BEM-VINDO. Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12. TEMA Conceitos Fundamentais BEM-VINDO Ao Seminário Estadual sobre Segurança em Máquinas com NR 12 TEMA Conceitos Fundamentais Marcelo Vandresen, Dr.Eng.Mec. 1989 - Tecnico em Mecânica Manutenção 1994 - Engenheiro Mecânico 1995 -

Leia mais

Máquina Assíncrona COMANDO

Máquina Assíncrona COMANDO SECÇÃO DE MÁQUNAS ELÉCTRCAS E ELECTRÓNCA DE POTÊNCA MÁQUNAS ELÉCTRCAS LEM/LEA Máquina Assíncrona COMANDO 2005/2006 - OBJECTVO DO TRABALHO Determinação do comportamento de uma máquina assíncrona quando

Leia mais