Algoritmo nlog n Unidirecional (Peterson, 82)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Algoritmo nlog n Unidirecional (Peterson, 82)"

Transcrição

1 Algoritmo nlog n Unidirecional (Peterson, 82) tid = UID; while (1) { send(tid); receive(ntid); if (ntid == UID) elected; if (tid > ntid) send(tid); else send(ntid); receive(nntid); if (nntid == UID) elected; if (ntid max(tid, nntid)) tid = ntid; else goto relay; } relay: while (1) { receive(tid); if (tid == UID) elected; send(tid); } Eleicao.fm 13

2 Correção: Algoritmo nlog n Unidirecional (Peterson, 82) em cada fase, apenas um processo tem tid = UID max apenas o processo com UID max consegue receber o seu tid de volta. para cada processo, tid é igual ao do vizinho mais próximo, ou não está mais sendo propagado; apenas o mais alto consegue passar Complexidade de tempo processo sobrevive se processo ativo à sua esquerda não sobrevive. Se há m processos ativos em uma fase, ceiling(m/2) sobrevivem. Então, número de fases até chegar ao final é ceiling(log n) Complexidade de mensagens durante uma fasse, cada processo envia e recebe duas mensagens (menos a última fase). Número de mensagens é 2n logn + n Eleicao.fm 14

3 Algoritmo nlog n Unidirecional (Peterson, 82) Versão melhorada: tid = UID; while (1) { // compara com a esquerda, fase A send(tid); receive(ntid); if (ntid == UID) elected; if (tid > ntid) goto relay; // compara com a direita, fase B send(tid); receive(ntid); if (ntid == UID) elected; if (ntid < tid) goto relay; else id = ntid; } relay: while (1) { receive(ntid); if (ntid == UID) elected; send(ntid); } An O(nlogn) unidirectional algorithm for the circular extrema Problem. G. Peterson, TOPLAS, outubro, 1982 Eleicao.fm 15

4 O problema: Eleição de líder em uma rede geral Considere sistema G com de n vértices, com arestas direcionadas, em uma rede de forma geral. A B F C E D Premissa: processos têm identificadores únicos, que podem ser comparados. processos conhecem o diâmetro da rede. Requisito: eventualmente (em algum ponto no futuro) apenas um processo se declara líder. Eleicao.fm 16

5 Um algoritmo simples para eleição de líder em rede geral Algoritmo Inundação (informal): Cada processo mantém o máximo identificador que conhece até o momento. A cada turno, um processo propaga esse máximo para todas as suas conexões de saída. Após um número de turnos igual ao diâmetro da rede: processo cujo máximo identificador conhecido é o seu próprio identificador se declara líder outros processos se declaram não líderes O algoritmo é correto? Uma propriedade que deve ser provada por indução: Seja imax o vértice que vai ganhar a eleição, e umax o identificador do vértice imax (o de maior identificador entre todos os vértices). Para todo turno t entre 0 e diâmetro, e para todo vértice j, se a distância entre o vértice imax e j é menor do que t, então o máximo valor conhecido por j é umax. Eleicao.fm 18

6 Variáveis: Para cada i, Algoritmo Inundação u = um uid, inicialmente o proprio uid de i max-uid = um uid, inicialmente o próprio uid de i status = {desconhecido, líder, não-lider}, inicialmente desconhecido turnos = um inteiro, inicialmente 0 Código: A cada turno, processo i executa: if turnos < diâmetro then send max-uid to todo processo com o qual i tem conexão de saída turnos := turnos + 1; recebe todas as mensagens com identificadores; max-uid := máximo(max-uid, todos os identificadores recebidos); if turnos = diâmetro then if max-uid = u: then status := líder else status := não-líder Eleicao.fm 19

7 Análise do custo computacional Número total de mensagens enviadas: diâmetro número de arestas da rede Tempo total para eleger o líder: diâmetro turnos Note que o algoritmo inundação também funciona no caso de conhecermos apenas um limite superior para o diâmetro da rede. É possível otimizar??? Eleicao.fm 20

8 Variáveis: Para cada i, Algoritmo Inundação Otimizada u = um uid, inicialmente o proprio uid de i max-uid = um uid, inicialmente o próprio uid de i status = {desconhecido, líder, não-lider}, inicialmente desconhecido turnos = um inteiro, inicialmente 0 nova-info = valor booleano, inicialmente verdadeiro Código: A cada turno, processo i executa: if turnos < diâmetro and nova-info then send max-uid to todo processo com o qual i tem conexão de saída turnos := turnos + 1; recebe todas as mensagens com identificadores; if (algum UID recebido > max-uid) then nova-info := verdadeiro else nova-info := falso max-uid := máximo(max-uid, todos os identificadores recebidos); if turnos = diâmetro then if max-uid = u: then status := líder else status := não-líder Eleicao.fm 21

9 Correção e Análise do custo computacional É fácil ver que a correção se mantém (mas é preciso provar...) Número total de mensagens enviadas é reduzido no caso médio: menor do que (diâmetro número de arestas da rede) quantificação é difícil, depende da topologia da rede Tempo total para eleger o líder: diâmetro turnos É possível otimizar um pouco mais??? Eleicao.fm 22

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-300 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Teste de Caixa Branca 2 Teste de Componentes: Caixa Branca Teste de Caixa Branca Grafo de Fluxo de

Leia mais

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis

Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Ciência de Computadores Sistemas Distribuídos e Móveis Lista de Exercícios Data: 4 de Novembro de 2013 Questões sobre o capítulo 1, Tanenbaum & van Steen: Fundamentos 1) Explique o significado de transparência,

Leia mais

Técnicas de Teste de Software

Técnicas de Teste de Software Técnicas de Teste de Software Fabrício Sousa fabricio@uesb.br Projeto de Caso de Teste Conjunto de técnicas para criação de casos de testes Série de casos de testes que tem grande probabilidade de encontrar

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo Árvores Binárias e Busca Jeane Melo Roteiro Parte 1 Árvores Relação hierárquica Definição Formal Terminologia Caminhamento em Árvores Binárias Exemplos Parte 2 Busca seqüencial Busca Binária Grafos Conjunto

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer- Redes Peer- (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade Permitem que os pares compartilhem recursos diretamente, sem envolver intermediários

Leia mais

Exclusão Mútua e Eleição

Exclusão Mútua e Eleição Exclusão Mútua e Eleição Prof. Raul Ceretta Nunes Curso de Ciência da Comutação ELC1018 - Sistemas Distribuídos 1 Algoritmo Centralizado a) Processo 1 solicita ermissão ao coordenador ara entrar na região

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

Computers do not solve problems, People do! E.R.Davidson

Computers do not solve problems, People do! E.R.Davidson 3. O Problema do Par Mais Próximo (closest pair problem) António Leslie Bajuelos Departamento de Matemática Universidade de Aveiro Mestrado em Matemática e Aplicações Computers do not solve problems, People

Leia mais

Classificação e Pesquisa de Dados

Classificação e Pesquisa de Dados Classificação e Pesquisa de Dados Aula 20 Árvores B e B+ B-Trees (Árvores B) [Bayer & McCreight 1970] UFRGS INF01124 B-Trees (Árvores B) Árvores de pesquisa balanceadas, projetadas para minimizar o tempo

Leia mais

DEMANDA GT METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS E DEFINIÇÃO DE CONTINGENCIAMENTOS EM CONTRATOS DE OBRAS

DEMANDA GT METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS E DEFINIÇÃO DE CONTINGENCIAMENTOS EM CONTRATOS DE OBRAS DEMANDA GT METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE RISCOS E DEFINIÇÃO DE CONTINGENCIAMENTOS EM CONTRATOS DE OBRAS OBJETIVOS Reduzir as incertezas nas definição e quantificação de riscos associados a implantação

Leia mais

Testes Baseados na Implementação. (fluxo de controle) Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins

Testes Baseados na Implementação. (fluxo de controle) Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins Testes Baseados na Implementação (fluxo de controle) Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins 1 Tópicos O que é Grafo de fluxo de controle Critérios de cobertura 2 Referências B.Beizer R.Binder

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer-to-Peer Redes Peer-to to-peer Arquitetura de Redes P2P Integridade e Proteção Redes Peer-to-Peer (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 04: Análise de Algoritmos (Parte 1) Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Processo cooperativo é aquele que pode afetar outros processos em execução no sistema Ou ser por eles afetado Processos

Leia mais

Mo:vação. Árvore AVL. Caracterís:cas. Origem. Exemplo. Exercício 1 Qual é a altura dos nodos 50 e 44?

Mo:vação. Árvore AVL. Caracterís:cas. Origem. Exemplo. Exercício 1 Qual é a altura dos nodos 50 e 44? Mo:vação Árvore AVL Árvores binárias de Pesquisa possuem uma tendência natural de desbalancear 1 2 Rohit Gheyi rohit@dsc.ufcg.edu.br 6 8 1 2 Origem Adelson Velskii, G.; E. M. Landis (1962). "An algorithm

Leia mais

Teoria de Redes e o papel dos bancos no mercado interbancário Brasileiro

Teoria de Redes e o papel dos bancos no mercado interbancário Brasileiro Teoria de Redes e o papel dos bancos no mercado interbancário Brasileiro Daniel Oliveira Cajueiro and Benjamin Miranda Tabak Universidade Católica de Brasília Banco Central do Brasil 7 de maio de 2007

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS PILHA

ESTRUTURA DE DADOS PILHA ESTRUTURA DE DADOS PILHA CONCEITO DE PILHAS - Pilhas são listas lineares onde a inserção de um novo item ou a remoção de um item já existente se dá em uma única extremidade, no topo. Pilha vazia Insere(A)

Leia mais

Aula 14: Instruções e Seus Tipos

Aula 14: Instruções e Seus Tipos Aula 14: Instruções e Seus Tipos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Instruções e Seus Tipos FAC 1 / 35 Conceitos Básicos Diego Passos

Leia mais

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas Listas de Prioridades e Heaps 1 Listas de Prioridades Em muitas aplicações, dados de uma coleção são acessados por ordem de prioridade A prioridade associada a um

Leia mais

Geometria Computacional: Fecho convexo

Geometria Computacional: Fecho convexo Geometria Computacional: INF2604 Geometria Computacional Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC O que é uma região convexa? Uma região é convexa se para qualquer par de pontos dessa região,

Leia mais

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo;

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; O tipo de dados tem por base um tipo simples (enumerável); Na verdade, um set representa o conjunto

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CURSO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO PILHA E FILA Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 7: Recursividade O objetivo desta aula é apresentar o conceito de recursão para solução de problemas. A recursão é uma técnica de programação

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Tecnicas Essencias Greedy e Dynamic

Tecnicas Essencias Greedy e Dynamic Tecnicas Essencias Greedy e Dynamic Paul Crocker RELEASE - Reliable and Secure Computation Group Universidade da Beira Interior, Portugal October 2010 1 / 27 Outline 1 Introdução 2 Exemplo Greedy I : Interval

Leia mais

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS 7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS Até... 7.1 Alocação Estática Alocação de Espaço em Memória Como já foi visto anteriormente, a memória de um computador compõe-se de uma sequência de palavras,

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

Matemática Discreta para Computação e Informática

Matemática Discreta para Computação e Informática Matemática Discreta para Computação e Informática P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Computação e Informática

Leia mais

Aluísio Eustáquio da Silva

Aluísio Eustáquio da Silva 1 Aluísio Eustáquio da Silva SciLab Programável Material didático usado em aulas de Programação de Computadores, Algoritmos e Lógica de Programação Betim Maio de 2012 2 PROGRAMAÇÃO O SciLab permite que

Leia mais

Fluxo Máximo a Custo Mínimo

Fluxo Máximo a Custo Mínimo Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Sistemas e Computação Programa de Educação Tutorial (PET) Demontiê Junior (demontie@dsc.ufcg.edu.br) Fluxo

Leia mais

double x; x = enigmab1(100);

double x; x = enigmab1(100); 8h Universidade Federal do ABC Avaliação: Prova 02 Disciplina: Processamento da Informação Turmas: A4, A5 (8hs) Professor: Jesús P. Mena-Chalco Data: 05/05/2016 Nome: RA: Instruções para a prova (leia

Leia mais

Fila de Prioridade. Siang Wun Song - Universidade de São Paulo - IME/USP. MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008

Fila de Prioridade. Siang Wun Song - Universidade de São Paulo - IME/USP. MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Fila de prioridade Fila de prioridade é uma estrutura de dado que mantém uma coleção de elementos, cada um com uma prioridade associada. Valem as operações seguintes.

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora

Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora Grafos e Algoritmos Computacionais Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes fhcnunes@yahoo.com.br 1 Introdução No dia a dia aparecem muitos problemas envolvendo árvores:

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

ALGORITMOS DISTRIBUÍDOS Algoritmos de eleição

ALGORITMOS DISTRIBUÍDOS Algoritmos de eleição ALGORITMOS DISTRIBUÍDOS Algoritmos de eleição Sistemas Distribuídos 251 Em sistemas distribuídos, diversos algoritmos necessitam que um processo funcione como, inicializador, sequenciador, enfim, ter um

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Processos Um processo

Leia mais

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah,

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, ou a ciência das Equações que, em última análise suscitaram o desenvolvimento

Leia mais

INF Semântica formal N

INF Semântica formal N INF05516 - Semântica formal N Ciência da Computação - UFRGS 2006-2 Marcus Ritt mrpritt@inf.ufrgs.br 23/08/2006 Introdução 2 Agenda............................................................... 3 Semântica

Leia mais

Expressões. Prof. Alberto Costa Neto alberto@ufs.br. Linguagens de Programação. Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe

Expressões. Prof. Alberto Costa Neto alberto@ufs.br. Linguagens de Programação. Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Linguagens de Programação Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Expressão é uma frase de um programa que ao ser avaliada retorna um valor Tipos Literais Agregados Chamadas de Função

Leia mais

Linguagem C: Árvores Binarias

Linguagem C: Árvores Binarias Instituto de C Linguagem C: Árvores Binarias Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Implementação

Leia mais

Diagrama de Voronoi João Comba

Diagrama de Voronoi João Comba Diagrama de Voronoi João Comba Diagrama de Voronoi Voronoi (1907) Tesselagens de Dirichlet (1850) Descarte (1644) Brown (1954): Area Potentially available to a tree Mead (1966): plant polygons Sítios:

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Árvores AVL. Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados

Árvores AVL. Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados Árvores AVL Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados Roteiro (/2) Árvore Binária de Pesquisa - Pior Tempo ABP Balanceada e Não Balanceada Balanceamento de Árvores Balanceamento de ABP Balanceamento

Leia mais

Algoritmos de pesquisa

Algoritmos de pesquisa Define-se pesquisa como a operação que permite encontrar ou concluir que não existe, um dado elemento num dado conjunto. A pesquisa de um elemento pode ser feita num conjunto ordenado ou não. Quando o

Leia mais

Manual Técnico Arduino Supervisório MODBUS & Conversor RS485

Manual Técnico Arduino Supervisório MODBUS & Conversor RS485 Manual Técnico Arduino Supervisório MODBUS & Conversor RS485 2015 Todos os direitos reservados Página 1 de 27 Sumário Manual Técnico...1 Introdução...3 Arduino Supervisório MODBUS...3 Conversor RS485...3

Leia mais

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas MC714 - Sistemas Distribuídos Aula de Hoje Aula Passada Relógios Lógicos Relógios de Lamport Relógios Vetoriais Aula de Hoje Exclusão Mútua Algoritmos de Eleição Exclusão mútua Questão fundamental em SDs

Leia mais

Como configurar o Outlook Express

Como configurar o Outlook Express EMPRESA CATARINENSE DE TECNOLOGIA Como configurar o Outlook Express Publicado em: 26 de agosto de 2003 Antes de usar o Outlook Express para enviar e receber mensagens de e-mail, você precisa configurar

Leia mais

1.2 OPERAÇÕES BÁSICAS EM ALGORITMOS E PROGRAMAS 18

1.2 OPERAÇÕES BÁSICAS EM ALGORITMOS E PROGRAMAS 18 ÍNDICE MÓDULO 1 INTRODUÇÃO À ALGORITMIA 11 1.1 PROGRAMAS E ALGORITMOS 12 Fases da programação 12 Algoritmos e algoritmia 13 Algoritmos em linguagem informal, pseudocódigo e fluxogramas 14 Símbolos utilizados

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 OSPF Open Shortest Path First - OSPF Protocolo aberto e padronizado pelo IETF (RFC 2328), o que permite que diversas plataformas

Leia mais

Introdução à Programação em C (II)

Introdução à Programação em C (II) Introdução à Programação em C (II) Resumo Streams de Texto Leitura e escrita de caracteres Caracteres como números inteiros Exemplos Cópia de Ficheiros Contagem de Caracteres Contagem de Linhas Contagem

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Eduardo Camponogara. DAS-9003: Introdução a Algoritmos

Eduardo Camponogara. DAS-9003: Introdução a Algoritmos Caminhos Mínimos entre Todos os Vértices 1/ 48 Caminhos Mínimos entre Todos os Vértices Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-9003: Introdução

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Redes de Computadores Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Introdução Como as coisas estão conectadas? Redes! A network is a set of vertices or nodes provided with

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Exemplos de Programas em FORTRAN. João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca

Exemplos de Programas em FORTRAN. João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Exemplos de Programas em FORTRAN João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Exemplo I Programa simples de utilização do ciclo DO, com escrita não formatada: PROGRAM exercicio1 DIMENSION A(10) Vai gerar

Leia mais

VETORES. Lista de Exercícios Vetores e Matrizes Prof: Yuri Frota

VETORES. Lista de Exercícios Vetores e Matrizes Prof: Yuri Frota Lista de Exercícios Vetores e Matrizes Prof: Yuri Frota VETORES 1) Faça um programa em Fortran que leia um conjunto de 100 elementos numéricos e os armazene em um vetor. Em seguida, o programa deverá verificar

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

LaSiD/UFBA. Raimundo J. de A. Macêdo

LaSiD/UFBA. Raimundo J. de A. Macêdo Fundamentos de Sistemas Distribuídos Terminação Distribuída LaSiD/UFBA Raimundo J. de A. Macêdo 1 Todos os processos envolvidos numa computação distribuída encerraram suas atividades. Ou seja, estão num

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

GERENCIADOR DE CORREIO ELETRÔNICO (V. 2 26/04/2010)

GERENCIADOR DE CORREIO ELETRÔNICO (V. 2 26/04/2010) GERENCIADOR DE CORREIO ELETRÔNICO (V. 2 26/04/2010) OBJETIVO GERAL Este trabalho possui o objetivo de exercitar a lógica de programação dos alunos do Terceiro ano do Curso de BSI e também desenvolver aplicações

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

Busca em Memória. Secundária

Busca em Memória. Secundária UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Busca em Memória Secundária e Gomes da Costa yandre@din.uem.br 1 Busca de um item em uma massa de dados que não cabe na memória principal; Procura-se

Leia mais

PNNI. Prof. José Marcos C. Brito

PNNI. Prof. José Marcos C. Brito PNNI Prof. José Marcos C. Brito 1 Introdução O PNNI compreende um protocolo de roteamento e um protocolo de sinalização. O PNNI se aplica na interface entre dois switches ou na interface entre duas redes.

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Comandos de repetição while

Comandos de repetição while Programação de Computadores I UFOP DECOM 2014 2 Aula prática 6 Comandos de repetição while Resumo Nesta aula vamos trabalhar com problemas cuja solução envolve realizar um cálculo ou tarefa repetidas vezes,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS E TENOLOGIA DE CARUARU BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÉMERSON REMÍGIO DA SILVA

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS E TENOLOGIA DE CARUARU BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÉMERSON REMÍGIO DA SILVA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS E TENOLOGIA DE CARUARU BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÉMERSON REMÍGIO DA SILVA ANÁLISE E MODELAGEM DE ALGORITMOS PARA ELEIÇÃO DE LÍDER EM SISTEMAS

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel As 52 Palavras Reservadas O que são palavras reservadas São palavras que já existem na linguagem Java, e tem sua função já definida. NÃO podem

Leia mais

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1

Python Condicionais e Loops. Introdução à Programação SI1 Python Condicionais e Loops Introdução à Programação SI1 Conteúdo Comando de Decisão Comandos de Repetição Exercícios 13/06/2013 2 Condicional Controle de fluxo É muito comum em um programa que certos

Leia mais

Programação de Computadores II. Cap. 17 Busca

Programação de Computadores II. Cap. 17 Busca Programação de Computadores II Cap. 17 Busca Livro: Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel. Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004) Slides adaptados dos originais dos profs.:

Leia mais

Redes Complexas Aula 2

Redes Complexas Aula 2 Redes Complexas Aula 2 Aula passada Logística, regras Introdução e motivação Aula de hoje Redes sociais Descobrimento Características Redes Sociais Vértices: pessoas ou grupo de pessoas Arestas: algum

Leia mais

Geometria Computacional VII: Diagramas de Voronoi

Geometria Computacional VII: Diagramas de Voronoi Geometria Computacional VII: Diagramas de Voronoi Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica - UFMG Professor Renato Cardoso Mesquita http://www.ead.eee.ufmg.br/~renato/geocomp/ Diagramas de Voronoi

Leia mais

Geometria Computacional

Geometria Computacional Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Geometria Computacional Tópicos Especiais em Programação

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos Santo André, 2Q2011 1 Parte 1: Algoritmos de Busca Rediscutindo: Representações em Grafos Matriz de Adjacências Matriz de Incidências Lista de Adjacências

Leia mais

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

Programação de Computadores I BCC 701 2015-2 Simulado da Segunda Avaliação 17/12/2015 Valor (10,0) Duração: 110 minutos

Programação de Computadores I BCC 701 2015-2 Simulado da Segunda Avaliação 17/12/2015 Valor (10,0) Duração: 110 minutos Programação de Computadores I BCC 701 2015-2 Simulado da Segunda Avaliação 17/12/2015 Valor (10,0) Duração: 110 minutos ATENÇÃO: Leia com atenção as questões da prova. A interpretação do enunciado faz

Leia mais

Tutorial de Computação Robô Bípede Programa de Controle em Delphi v2010.10

Tutorial de Computação Robô Bípede Programa de Controle em Delphi v2010.10 Tutorial de Computação Robô Bípede Programa de Controle em Delphi v2010.10 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 6 Teste Dinâmico: Técnicas de Especificação SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 TÉCNICAS BASEADAS

Leia mais

Revisão: Variáveis, Expressões, Matrizes, Comandos de Desvio

Revisão: Variáveis, Expressões, Matrizes, Comandos de Desvio Programação de Computadores I UFOP DECOM 2013 2 Aula prática 5 Revisão: Variáveis, Expressões, Matrizes, Comandos de Desvio Tarefa 1: Lei de Gravitação Universal A Lei de Gravitação Universal de Newton,

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

Busca. Prof. Alneu de Andrade Lopes. ICMC - USP - São Carlos

Busca. Prof. Alneu de Andrade Lopes. ICMC - USP - São Carlos Busca Prof. Alneu de Andrade Lopes ICMC - USP - São Carlos Algoritmo de Procura Algoritmo de Procura O problema de procurar, pesquisar alguma informação numa tabela ou num catálogo é muito comum Exemplo:

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação. Equivalência Portugol Java. Linguagem Java

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação. Equivalência Portugol Java. Linguagem Java Linguagem Java Objetivos Compreender como desenvolver algoritmos básicos em JAVA Aprender como escrever programas na Linguagem JAVA baseando-se na Linguagem Portugol aprender as sintaxes equivalentes entre

Leia mais

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário Filas Fila é um tipo de lista linear onde as inserções são realizadas num extremo (final da Fila) e as remoções restritas ao outro (começo da Fila). O primeiro a entrar é o primeiro a sair e último a entrar

Leia mais

Análise Formal de Sistemas

Análise Formal de Sistemas Análise Formal de Sistemas Uma abordagem orientada a linguagem Christiano Braga Instituto de Computação, UFF E. Hermann Haeusler Depto. de Informática, PUC-Rio Escola de Verão, Depto. de Matemática, Unb,

Leia mais

Marco Aurélio Gonçalves da Silva Orientador: Anselmo Antunes Montenegro

Marco Aurélio Gonçalves da Silva Orientador: Anselmo Antunes Montenegro Marco Aurélio Gonçalves da Silva Orientador: Anselmo Antunes Montenegro Universidade Federal Fluminense 31/10/2012 Pixel art é uma forma de arte digital na qual os detalhes da imagem são representados

Leia mais

Capítulo V : A Linguagem Pascal Um Tipo Estruturado de Dados: o array 18. Para limite de n até 2 (* passagens de 1 até (n-1) *)

Capítulo V : A Linguagem Pascal Um Tipo Estruturado de Dados: o array 18. Para limite de n até 2 (* passagens de 1 até (n-1) *) Capítulo V : A Linguagem Pascal Um Tipo Estruturado de Dados: o array 18 _ Métodos de Ordenamentos: Borbulhamento (BubbleSort) Estratégia: Os elementos de um vector a[1..n] estão dispostos por ordem não

Leia mais

Rasterização de linhas e polígonos

Rasterização de linhas e polígonos Rasterização de linhas e polígonos Algoritmos de rasterização de linhas Suponha > incrementa e vê o que acontece com = 5, =3 incrementa e vê o que acontece com Rasterização de Primitivas 1 Algoritmo simples

Leia mais

Identificação da maior elipse com excentricidade prescrita inscrita em um polígono não convexo através do Continuous Grasp

Identificação da maior elipse com excentricidade prescrita inscrita em um polígono não convexo através do Continuous Grasp Identificação da maior elipse com excentricidade prescrita inscrita em um polígono não convexo através do Continuous Grasp Victor Billy da Silva 1 Marcus Ritt 2 João Batista da Paz Carvalho 3 Marcos José

Leia mais

5. Invólucros Convexos no Plano (cont )

5. Invólucros Convexos no Plano (cont ) 5. Invólucros Convexos no Plano (cont ) António Leslie Bajuelos Departamento de Matemática Universidade de Aveiro Mestrado em Matemática e Aplicações Algoritmo Quickhull Foi proposto independentemente

Leia mais