Programação. Para estas funções, é necessário incluir a biblioteca: Seguem as operações mais comuns com arquivos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programação. Para estas funções, é necessário incluir a biblioteca: Seguem as operações mais comuns com arquivos."

Transcrição

1 1. Funções de E/S cm Arquiv: Prgramaçã Para estas funções, é necessári incluir a bibliteca: #include <stdi.h> Para manipular um arquiv através das funções, é necessári criar um pnteir de arquiv que é um pnteir para infrmações que definem nme, status e psiçã atual d arquiv, entre utras. O cmand a seguir cria este pnteir: FILE *fp; Seguem as perações mais cmuns cm arquivs. 1.1 Abrir um arquiv: A funçã fpen() abre um arquiv e retrna pnteir de arquiv assciad a ele. Os arguments da funçã sã s seguintes: FILE fpen(cnst char* nmearq, cnst char* md); Nmearq é nme u caminh d arquiv que deve ser frnecid diretamente entre aspas u sb a frma de uma variável string que cntenha. Md determina cm arquiv será abert, segund a tabela a seguir: Md Significad r Abre um arquiv-text para leitura w Cria um arquiv-text para escrita a Anexa a um arquiv-text já existente rb Abre um arquiv binári para leitura wb Cria um arquiv binári para escrita ab Anexa a um arquiv binári já existente r+ Abre um arquiv-text para leitura/escrita w+ Cria um arquiv-text para leitura/escrita a+ Anexa u cria um arquiv-text para leitura/escrita r+b Abre um arquiv binári para leitura/escrita w+b Cria um arquiv binári para leitura/escrita a+b Anexa a um arquiv binári para leitura/escrita Um exempl, incluind um métd para detectar err na abertura é dad: FILE *fp; if ((fp = fpen( test.txt, w )) == NULL){

2 } printf( arquiv nã pde ser abert\n ); exit(1); 1.2 Fechar um Arquiv: A funçã fclse() fecha um arquiv que fi abert através da funçã fpen(). Ela retrna zer se a peraçã fi bem sucedida e utr valr se crreu algum err. Sua frma é a seguinte: int fclse(file *fp); fp é pnteir de arquiv d arquiv anterirmente abert. 1.3 Ler de um Arquiv: A funçã fread() permite a leitura de blcs de qualquer tip de dads. Ela retrna númer de blcs efetivamente lids. Sua frma é dada: size_t fread(vid *buffer, size_t num_bytes, size_t cunt, FILE *fp); O tip size_t é mesm que unsigned int. O primeir argument é endereç da variável para nde s dads serã lids, num_bytes é númer de bytes a ser lid, cunt é quants blcs de tamanh num_bytes serã lids e fp é pnteir de arquiv relacinad a arquiv a ser lid. Após executada essa funçã, a psiçã d pnt de inserçã é n final d últim blc lid. Ex: fread (&d, sizef(int), 1, fp); 1.4 Escrever em um Arquiv: A funçã fwrite() permite a escrita de blcs de qualquer tip de dads em um arquiv. Ela retrna númer de blcs efetivamente escrits. Seus arguments sã análgs à funçã de leitura: size_t fwrite(vid *buffer, size_t num_bytes, size_t cunt, FILE *fp); A diferença é que, neste cas, primeir argument é endereç da variável nde se encntram s dads a serem escrits. Cm esta funçã, a psiçã d pnt de inserçã também é a d final d últim blc escrit. 1.5 Fim de Arquiv: A funçã fef() permite verificar se fim d arquiv fi atingid. Ela devlve verdadeir, u seja, um valr nã nul, se fim d arquiv fi atingid e, 0 cas cntrári.

3 int fef(file *fp); 2. Interface Scket: Um scket é uma interface de prgramaçã de aplicaçã (API), que frnece a sintaxe através da qual s serviçs ferecids pr um prtcl pdem ser chamads em um Sistema Operacinal. Na prgramaçã das interfaces scket, mdel utilizad é cliente-servidr. Neste mdel, servidr faz uma abertura passiva, esperand cnexões de um cliente, e cliente faz a abertura ativa da cnexã. A abertura passiva cnsiste na criaçã de um scket e na preparaçã d servidr para uma cnexã, sem efetivamente estabelecê-la. A prta usada pel servidr deve ter um númer cnhecid para que cliente saiba nde tentar a cnexã. As infrmações necessárias sã frnecidas através de uma estrutura de endereçament. Depis de criad scket, ele deve ser assciad a uma prta TCP u UDP, que é feit pela funçã bind(). A partir deste pnt, dependend se é usad TCP u UDP cm prtcl de transprte, a seqüência de funções difere. O UDP, pr ser um prtcl nã-rientad à cnexã, cm própri nme diz, nã estabelece uma cnexã antes de enviar s dads: quand a aplicaçã tem infrmaçã a transmitir, ela simplesmente a envia. Lg, prgrama UDP só fará us das funções recvfrm() e sendt() (que anexa um cabeçalh cntend endereç IP d destin e númer da prta as dads). O TCP é um prtcl rientad à cnexã e precisa de utras funções para estabelecer a mesma. Após scket ter sid assciad a uma prta pela funçã bind(), prcess cntinua da seguinte maneira. Um servidr pde aceitar mais de uma cnexã simultaneamente. Para iss, é necessári que se crie uma fila de cnexões pendentes, nde se define máxim de cnexões ainda nã tratadas pel servidr. A funçã listen() tem este papel. Finalizada essa seqüência, servidr chama a funçã accept(). Ela fica blqueada até que um cliente tente uma cnexã, quand entã um nv scket é criad para atendêla. Cm iss, primeir scket ainda existe e cntinua respnsável pela abertura passiva, send usad em futuras chamadas de accept(). Assim, fi estabelecida uma cnexã full-duplex entre cliente e servidr e a transferência de dads pde cmeçar, utilizand-se as funções send() e recv(). O lad d cliente é ainda mais simples. Também é criad um scket, mas nã é necessári assciá-l a uma prta específica, deixand essa esclha a carg d sistema peracinal. Feit iss, ele chama a funçã cnnect() que pede uma cnexã na prta cnhecida d servidr. Essa funçã inicia a apresentaçã de 3 vias d TCP e só retrna quand a cnexã fr estabelecida u se um err crrer. Terminada a cmunicaçã entre cliente e servidr, s sckets pdem ser fechads. Para usar estas funções, devem ser incluídas as seguintes biblitecas: #include <sys/types.h> #include <sys/scket.h> #include <netinet/in.h> #include <netdb.h>

4 O mdel acima descrit está representad nas figuras abaix e as funções cm seus arguments e valres de retrn sã apresentads em seguida. OBS: As funções read() e write() sã substituídas pr recv() e send(), respectivamente.

5 Criaçã d scket Funçã scket() int scket(int family, int type, int prtcl); O primeir argument indica a família de prtcls que será utilizada. Neste cas, a família da Internet usa valr PF_INET. O segund argument define tip de scket a ser criad. O TCP é rientad a cadeias de bytes e prtant seu valr é SOCK_STREAM. O UDP é rientad a datagramas e assim seu valr é SOCK_DGRAM. O últim argument identifica prtcl específic a ser usad. Neste cas será nul, já que s dis primeirs arguments já identificam exclusivamente prtcl. Cas bem sucedida, a funçã retrna um inteir similar a um descritr de arquivs relacinad a scket criad, através d qual ele pde ser referenciad. Cas cntrári, devlve um valr negativ. Assciaçã d scket a uma prta Funçã bind() int bind(int scket, struct sckaddr *address, int addr_len); O primeir argument é scket criad pela funçã scket(). O segund é a estrutura de endereçament que cntém as infrmações necessárias para estabeleciment da cnexã. O últim é tamanh dessa estrutura, pis, dependend da família e d prtcl utilizads, ele varia.

6 Esta funçã retrna um valr nã nul em cas de sucess. Fila de Cnexões Pendentes Funçã listen() int listen(int scket, int backlg); O últim argument é um inteir que define tamanh da fila. A funçã retrna um valr nã nul em cas de sucess. Estabeleciment da Cnexã Funçã accept() int accept(int scket, struct sckaddr *address, int *addr_len); O segund e terceir arguments sã usads para retrnar a estrutura de endereçament d cliente a qual fi estabelecida uma cnexã, daí ser passad um endereç e nã um valr de variável. A funçã retrna um inteir similar a um descritr de arquiv, que é um clne d scket inicial, referente a esta cnexã recém-criada. Esse nv scket criad pela funçã accept() será fechad quand esta cnexã fr finalizada. Cnexã Funçã cnnect() int cnnect(int scket, struct sckaddr *address, int addr_len); Os arguments sã análgs, prém aqui é valr d tamanh da estrutura de endereçament que é passad à funçã. A funçã retrna um valr nã nul em cas de sucess. Envi de mensagens usand TCP Funçã send() int send(int scket, char *message, int msg_len, int flags); O segund argument é endereç da variável nde se encntra a mensagem que se deseja transmitir pel scket indicad n primeir parâmetr, seguid d tamanh dessa mensagem e de um cnjunt de flags que cntrlam certs detalhes da peraçã mas que pdem receber um valr nul. Recepçã de mensagens usand TCP Funçã recv() int recv(int scket, char *buffer, int buffer_len, int flags); Os arguments sã análgs à funçã send(), send que agra segund argument é endereç da variável nde a mensagem recebida será armazenada.

7 Envi de mensagens usand UDP Funçã sendt() ssize_t sendt(int scket, char *message, int msg_len, int flags, struct sckaddr *address, int addr_len); Tds s arguments têm s mesms significads anterires e flags cntinua pdend ser nul. A funçã retrna númer de bytes enviads u 1, em cas de err. Recepçã de mensagens usand UDP Funçã recvfrm() ssize_t recvfrm(int scket, char *buffer, int buffer_len, int flags, struct sckaddr *address, int *addr_len); Tds s arguments têm s mesms significads anterires. A funçã retrna, além d datagrama recebid (n segund argument), a estrutura de endereçament da rigem de frma que destin pssa enviar-lhe uma respsta (quint argument) e númer de bytes da área de dads recebids u 1 em cas de err. Fechand scket Funçã clse() int clse(int scket); A funçã retrna um valr nul em cas de sucess. Estrutura de endereçament struct sckaddr_in{ shrt int sin_family; unsigned shrt int sin_prt; struct in_addr sin_addr; unsigned char sin_zer[8]; } O primeir item da estrutura define tip de família d prtcl a ser usad. Deve ser atribuíd valr AF_INET que indica a família de prtcls da Internet. Em seguida, vem númer da prta TCP u UDP usada na cmunicaçã entre s prcesss. Para se atribuir valr a este item, é necessári usar uma funçã que transfrma a representaçã de dads d hst na representaçã de dads da rede. Um exempl seria sin.sin_prt = htns (SERVER_PORT); nde SERVER_PORT é númer da prta a ser utilizada. Fi criada uma representaçã de dads para a rede, prque cada hst armazena s bytes em uma determinada rdem, que pderia gerar cnfusã na interpretaçã ds dads recebids.

8 O próxim item é endereç IP d hst de destin. Ele pde ser frnecid de maneira direta u pr uma entrada de dads. N cas d servidr, utiliza-se a cnstante INADDR_ANY que, pr nã especificar um endereç IP, permite que servidr aceite cnexões de qualquer hst. Cm esta estrutura de endereçament serve para qualquer tip de prtcl, s endereçs pdem ter tamanhs diferentes dependend da família. Pr iss, sin_zer existe para zerar a parte da estrutura que nã fi usada, já que é alcad espaç para mair tamanh de endereç pssível. 3. Referências: C Cmplet e Ttal Herbert Schildt Makrn Bks 3ª ediçã (referências sbre prgramaçã em C) Cmputer Netwrks A System Apprach Larry Petersn & Bruce Davie Mrgan Kauffman 2ª ediçã (exempl de um prgrama cliente e de um prgrama servidr usand TCP Capítul 1 Pasta 635 na Xerx da Ângela) Unix Netwrk Prgramming Richard Stevens Prentice Hall 2ª ediçã Vlume 1 (referências sbre prgramaçã de interfaces scket)

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Programação com Sockets TCP e UDP - Cliente. Gustavo Leitão

Programação com Sockets TCP e UDP - Cliente. Gustavo Leitão Programação com Sockets TCP e UDP - Cliente Gustavo Leitão 5/24/2010 INTRODUÇÃO Objetivo da Aula OBJETIVO DA AULA Apresentar ao aluno conceitos e prática em sockets INTRODUÇÃO O que é um socket? INTRODUÇÃO

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Sistemas de Operação Sockets

Sistemas de Operação Sockets Sistemas de Operação Sockets O que é um socket? Uma interface de comunicação entre processos que podem ou não residir na mesma máquina, mas que não precisam estar relacionados. É usado normalmente para

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

sockets interprocess communication Taisy Weber

sockets interprocess communication Taisy Weber sockets interprocess communication Taisy Weber Comunicação entre processos Mecanismos Pipes, FIFO (named pipes), semáforos, message queues. Memória compartilhada. Sockets Definição, chamadas de sistemas,

Leia mais

Bibliotecas. Apoio à Programação Distribuída. Socket. Socket. bibliotecas bibliotecas+ferramentas linguagens de programação distribuídas

Bibliotecas. Apoio à Programação Distribuída. Socket. Socket. bibliotecas bibliotecas+ferramentas linguagens de programação distribuídas Apoio à Programação Distribuída bibliotecas bibliotecas+ferramentas linguagens de programação distribuídas flexibilidade de programação disponibilidade da ferramenta facilidade de desenvolvimento e reuso

Leia mais

TROCA DE MENSAGENS SOCKETS. Comunicando processos através de SOCKETS. SOCKETS com conexão. SOCKETS sem conexão

TROCA DE MENSAGENS SOCKETS. Comunicando processos através de SOCKETS. SOCKETS com conexão. SOCKETS sem conexão TROCA DE MENSAGENS SOCKETS Comunicando processos através de SOCKETS SOCKETS com conexão SOCKETS sem conexão SOCKETS Princípios dos sockets: 2. Fornecer uma interface geral permitindo a construção de aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Aula Prática. Comunicação em SOCKTS. Disciplina: INF01151

Aula Prática. Comunicação em SOCKTS. Disciplina: INF01151 Aula Prática Comunicação em SOCKTS Disciplina: INF01151 Prof. Dr. Cláudio Fernando Resin Geyer Monitor: Julio Anjos Agenda 1 - Objetivo Apresentar na prática a comunicação entre processos usando sockets

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

06/10/2015. Modelo TCP/IP Camada de Transporte DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. UDP User Datagram Protocol. UDP User Datagram Protocol

06/10/2015. Modelo TCP/IP Camada de Transporte DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. UDP User Datagram Protocol. UDP User Datagram Protocol Tecnologia em Jogos Digitais Modelo TCP/IP Camada de Transporte DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES O transporte dos dados na INTERNET é realizado por dois protocolos. PROTOCOLOS TCP E UDP

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados.

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados. IBOCnsle Recuperaçã d Banc de Dads Ferramenta de manutençã para recuperaçã de banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE MAINTENANCE... 3 VALIDATION... 4 BACKUP/RESTORE... 6 BACKUP... 7 RESTORE... 10 3 IBOCnsle MAINTENANCE

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática

Algoritmos e Programação _ Departamento de Informática 16 ARQUIVOS Um arquivo corresponde a um conjunto de informações (exemplo: uma estrutura de dados-registro), que pode ser armazenado em um dispositivo de memória permanente, exemplo disco rígido. As operações

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Cliente/Servidor. Programação com Sockets. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Programação com Sockets. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Programação com Sockets Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Interface através de Sockets Socket é uma API ( Aplication Program Interface ) para acesso aos serviços do protocolo de

Leia mais

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados.

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados. IBOCnsle Instalaçã e Cnfiguraçã Ferramenta para gerenciament d banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE INSTALAÇÃO IBOCONSOLE... 3 CONFIGURAÇÃO IBOCONSOLE... 6 Menu Cnsle... 6 Menu View... 8 Menu Server... 8 Menu

Leia mais

Modelo Cliente/Servidor e Introdução a Sockets

Modelo Cliente/Servidor e Introdução a Sockets Modelo Cliente/Servidor e Introdução a Sockets MC 833 Programação em s de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Juliana Freitag Borin O modelo OSI de 7 camadas Nó origem Nó destino Apresentação

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS.

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS. Históric de Revisões Revisã Data Descriçã da Revisã Mtiv da Revisã 11 20/08/09 Ajustes de hardware dispar Sirene PST 12 14/11/09 AJUSTES SOFTWARE 13 25/11/09 Ajustes de hardware, falha n mdul GSM na trca

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE WSDL (Fundos de Compensação do Trabalho)

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE WSDL (Fundos de Compensação do Trabalho) DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE WSDL (Funds de Cmpensaçã d Trabalh) Versã 1.1 16 de julh de 2015 1 Índice Índice... 2 INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVO... 4 SEGURANÇA... 5 DESCRIÇÃO DOS WEB SERVICE... 6 Serviç

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

Comunicação entre Processos

Comunicação entre Processos Comunicação entre Processos Comunicação memória compartilhada troca de mensagens base de comunicação em sistemas distribuídos Mensagens básicas send (destino, msg) receive (origem, mensagem) questões semântica

Leia mais

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FETAL ANEXO 1 TUTORIAL PARA EXPORTAÇÃO

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Linguagem de. Aula 07. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagem de. Aula 07. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagem de Prgramaçã IV -PHP Aula 07 Prfa Cristiane Kehler cristiane.kehler@canas.ifrs.edu.br Banc de Dads Manipulaçã de Banc de Dads HTML básic códigs cm páginas estáticas HTML + PHP códigs cm páginas

Leia mais

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR Índice Intrduçã... 3 Aspect Gráfic... 4 Regist na aplicaçã... 5 Recuperaçã de Códigs de Acess... 6 Área Reservada... 8 Entrar na Área Reservada... 8 Editar Perfil... 9

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE Web Services (Fundos de Compensação do Trabalho)

DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE Web Services (Fundos de Compensação do Trabalho) DOCUMENTO DE APOIO À UTILIZAÇÃO DE Web Services (Funds de Cmpensaçã d Trabalh) Versã 1.0 21 de mai de 2015 1 Índice Índice... 2 INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVO... 4 SEGURANÇA... 5 DESCRIÇÃO DOS WEB SERVICE...

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex,

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7)

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7) PAINT 1 (Windws7) O Paint é uma funcinalidade n Windws 7 que pde ser utilizada para criar desenhs numa área de desenh em branc u em imagens existentes. Muitas das ferramentas utilizadas n Paint estã lcalizadas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1 Manual de cnfiguraçã de equipament Huawei G73 Huawei G73 Pagina 1 Índice 1. Breve intrduçã... 3 2. Guia rápid de utilizaçã...errr! Bkmark nt defined. 3. Serviçs e Funcinalidades suprtads...errr! Bkmark

Leia mais

MC823 Laboratório de Teleprocessamento e Redes

MC823 Laboratório de Teleprocessamento e Redes MC823 Laboratório de Teleprocessamento e Redes Primeiro Semestre 2008 Carlos R. Senna Prof. Edmundo R. M. Madeira Tecnologias de Comunicação 2 MC823 Funções para cliente-servidor UDP 3 well-known port

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Um Tutorial sobre Sockets Parte I

Um Tutorial sobre Sockets Parte I Um Tutorial sobre Sockets Parte I Por Antonio Marcelo Iniciando As grandes ferramentas utilizadas por especialistas de segurança, hackers e crakers tem como base a linguagem C ANSI ou C ++. Muitos dos

Leia mais

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Introdução Manipulação de arquivos em C Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Manipulação de Arquivo em C Existem dois tipos possíveis de acesso a arquivos na linguagem C : sequencial (lendo

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1 14. Arquivos W. Celes e J. L. Rangel Neste capítulo, apresentaremos alguns conceitos básicos sobre arquivos, e alguns detalhes da forma de tratamento de arquivos em disco na linguagem C. A finalidade desta

Leia mais

Event Viewer - Criando um Custom View

Event Viewer - Criando um Custom View Event Viewer - Criand um Custm View Qui, 06 de Nvembr de 2008 18:21 Escrit pr Daniel Dnda Cnhecend Event Viewer Muit imprtante na manutençã e mnitrament de servidres Event Viewer é uma ferramenta que gera

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Controle de Atendimento de Cobrança

Controle de Atendimento de Cobrança Cntrle de Atendiment de Cbrança Intrduçã Visand criar um gerenciament n prcess d cntrle de atendiment de cbrança d sistema TCar, fi aprimrad pela Tecinc Infrmática prcess de atendiment, incluind s títuls

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução Âmbit d Dcument Mdel de Cmunicaçã Platafrma de Dads de Saúde - Prtal d Prfissinal Revisã 1 O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Platafrma de Dads da Saúde

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Redes e Sub-redes Prf.

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

1 Projeto de software de clientes. 1

1 Projeto de software de clientes. 1 1 Projeto de software de clientes. 1 1.1 Introdução Aplicações clientes são conceitualmente mais simples que aplicações servidoras pois, normalmente, não manipulam concorrência explicita com múltiplos

Leia mais

Aplicação Hibernate1 no NetBeans

Aplicação Hibernate1 no NetBeans Aplicaçã Hibernate1 n NetBeans Hibernate é um framewrk que frnece ferramentas para efetuar mapeament bjet/relacinal para Java. Mapeament bjet/relacinal é prcess de cnversã bidirecinal entre bjets e tabelas

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Usar um dispositivo Android

Usar um dispositivo Android Andrid Cntrle e cmand Transfrme Andrid em um eficiente cntrle remt para uma máquina Linux. pr Dmitri Ppv Usar um dispsitiv Andrid para acessar e cntrlar máquinas Linux remtas nã é uma ideia nva, e uma

Leia mais

Tutorial Sistema Porto Sem Papel

Tutorial Sistema Porto Sem Papel Tutrial Sistema Prt Sem Papel 8 ESTADIA CONVENCIONAL: A estadia cnvencinal é aquela em que a embarcaçã deseja executar uma peraçã de carga, descarga, carga/descarga, embarque/desembarque de passageirs

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Fundamentos de Arquivos SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Arquivos Informação mantida em memória secundária HD Disquetes Fitas magnéticas CD DVD 2 Discos X Memória Principal Tempo de acesso HD:

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Guia de Instalação SIAM. Módulo GPRS/GSM Instalação e Manual do Usuário

Guia de Instalação SIAM. Módulo GPRS/GSM Instalação e Manual do Usuário Guia de Instalaçã SIAM Módul GPRS/GSM Instalaçã e Manual d Usuári Dcument Gerad pr: Amir Bavar Criad em: 02/06/2006 Última mdificaçã: 28/09/2008 SIAM Módul GPRS/GSM Intrduçã: O módul GPRS/GSM é uma pçã

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

Banco de Dados. DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 2015 (2015/1) 1. Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Banco de Dados. DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 2015 (2015/1) 1. Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim Ifes - Campus Cacheir de Itapemirim Banc de Dads DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcels@ifes.edu.br 2015 (2015/1) 1 Agenda Breve revisã ds Cnceits Básics SQL (Linguagem de Cnsulta Estruturada) Subdivisões da

Leia mais

Engenharia Elétrica Eletrônica Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar utilizando o protocolo TCP/IP Prof. Jean Marcelo SIMÃO

Engenharia Elétrica Eletrônica Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar utilizando o protocolo TCP/IP Prof. Jean Marcelo SIMÃO Engenharia Elétrica Eletrônica Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar utilizando o protocolo TCP/IP Prof. Jean Marcelo SIMÃO Engenharia Elétrica Eletrônica Tutorial: Programação

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

5. Lista de Exercícios - Amplificadores e Modelos TBJ

5. Lista de Exercícios - Amplificadores e Modelos TBJ 5. Lista de Exercícis - Amplificadres e Mdels TBJ. Um TBJ tend β = 00 está plarizad cm uma crrente cc de cletr de ma. Calcule s valres de g m, r e e r π n pnt de plarizaçã. Respsta: 40 ma/; 25 Ω; 2,5 kω.

Leia mais

Programação de Sockets em C/C++

Programação de Sockets em C/C++ Programação de Sockets em C/C++ Redes de Comunicação 2011/2012 1 Programação de Sockets em C/C++ 2 TCP 3 UDP Introdução Os sockets são um método de criar conexão entre processos, independente do protocolo.

Leia mais

Analyzing the Effects of Disk- Pointer Corruption João Dias e João Isento

Analyzing the Effects of Disk- Pointer Corruption João Dias e João Isento Analyzing the Effects f Disk- Pinter Crruptin Jã Dias e Jã Isent Estrutura da Apresentaçã Intrduçã; Sistemas de Ficheirs; Mtivações; Type-Aware Pint Crruptin; Resultads; Cnclusões Intrduçã A dispnibilidade

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista Sã Paul, 06 de Julh de 2009. Nº. 341 Divulgar esta infrmaçã para: Diretr Cnselheir Técnic Cnsultres de serviçs Gerente de Serviçs Gerente de Peças Chefe de Oficina Respnsável pela Qualidade Gerente de

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

29-Aug-07. Histórico. Interfaces e Periféricos Redes como interfaces. Abstração da infraestrutura de rede como interface

29-Aug-07. Histórico. Interfaces e Periféricos Redes como interfaces. Abstração da infraestrutura de rede como interface Interfaces e Periféricos Redes como interfaces Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) Histórico Surgimento e popularização das redes criou a necessidade e oportunidade de usá-las como mecanismo

Leia mais