Terminal Rodoviário e Entorno

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Terminal Rodoviário e Entorno"

Transcrição

1 Terminal Rodoviário e Entorno Agosto de 2010 ADVISORY

2 Cronograma da Audiência Pública Agenda da audiência 1) Abertura 10 minutos 2) Apresentação do projeto 40 minutos 3) Manifestações e perguntas 40 minutos 4) Respostas 40 minutos 5) Encerramento 5 minutos Perguntas escritas poderão ser entregues a qualquer tempo à mesa Manifestações seguirão a ordem de inscrição Perguntas não respondidas na audiência serão publicadas no site da BHTrans 2

3 Introdução Projeto Arquitetônico Plano de Negócios Aspectos Jurídicos Cronograma 3

4 Introdução Contexto e Objetivos Benefícios à Sociedade e aos Envolvidos no Projeto Principais Características Físicas do Projeto 4

5 Introdução Contexto e Objetivos Contexto Objetivos do Projeto! Trânsito da região central extremamente saturado, prejudicando a operação do atual Terminal! Necessidade de transformar o TERGIP em terminal urbano! Região de São Gabriel:! Estudos indicaram a região como adequada para receber o equipamento! Necessidade de investimentos e indutores para alavancar o desenvolvimento econômico e social! Construção e operação de um novo Terminal Rodoviário de ônibus! Qualificação e preservação do entorno! Busca de maior eficiência operacional! Minimização do desembolso pelo Poder Concedente! Tornar-se uma referência de projeto bem sucedido tanto no âmbito nacional como internacional Objetivos Gerais! Maior transparência e competitividade no processo licitatório! Finalização do processo licitatório e assinatura do contrato até o final de 2010! Entrada em operação do novo Terminal até o final de

6 Introdução Benefícios à Sociedade e aos Envolvidos no Projeto Prefeitura! Criação de um legado para a população! Melhoria da mobilidade no centro da cidade! Menor desembolso para a Prefeitura! Financiamento do sistema viário de acesso ao Terminal através da Concessão População! Melhoria da qualidade do serviço! Revitalização da região! Criação de um centro de lazer e compras no entorno! Melhoria do sistema viário das regiões Central e de São Gabriel! Maior integração entre os sistemas de transporte, facilitando o acesso ao Terminal Concessionária! Exploração de empreendimentos no entorno a critério dos investidores! Remuneração atrativa do capital! Possibilidade de financiamento competitivo! Potencial de valorização da região, alavancando as unidades de negócio! Financiamento do sistema viário de acesso ao Terminal através da Concessão 6

7 Introdução Principais Características Físicas do Projeto Terminal Rodoviário Shopping * Hotel *! Área total: 70 mil m²! Área construída: 27 mil m²! 56 plataformas! 479 vagas de estacionamento! m² de ABL! Mangueira para 26 ônibus! Mangueira para 75 taxis! Investimento: R$ 59 milhões * Valores de referência! Área construída estimada: m²! Área Bruta Locável: m²! 610 vagas de estacionamento.! Público Alvo: Classes C e D! Fácil acesso ao Terminal Rodoviário (< 300m)! Investimento: R$ 33 milhões! Área construída: m²! 180 quartos com área útil de 17 m²! Fácil acesso às áreas de comércio e serviços existentes no Shopping e no Terminal Rodoviário (< 500m)! Investimento: R$ 13 milhões 7

8 Introdução Projeto Arquitetônico Plano de Negócios Aspectos Jurídicos Cronograma 8

9 Projeto Arquitetônico Localização e Principais Vetores da Região Projeto Básico 9

10 Projeto Arquitetônico Localização e Principais Vetores da Região Estação 1º de Maio Estação São Gabriel Aeroporto da Pampulha Baixa Renda Metrô Ponto em Estudo Baixa Renda Puc-MGcam pus São Gabriel Correios Stola do Brasil Makro Baixa Renda Baixa Renda Parque Municipal Professor Guilherme Lage Renda Média Estação Minas Shopping Minas Shopping Hipermercado Extra 10

11 Projeto Arquitetônico Localização 11

12 Projeto Arquitetônico Localização PEDESTRE TAXI CARRO DE PASSEIO ÔNIBUS 12

13 Projeto Arquitetônico Terminal Rodoviário SUBSOLO 1ºPAVIMENTO 3ºPAVIMENTO 2ºPAVIMENTO 13

14 Projeto Arquitetônico Terminal Rodoviário CARRO DE PASSEIO ACESSO ÔNIBUS EMBARQUE ACESSO EMBARQUE CIRCULAÇÃO VERTICAL CIRCULAÇÃO VERTICAL DE SERVIÇO CIRCULAÇÃO VERTICAL DE SERVIÇO 14

15 Projeto Arquitetônico Terminal Rodoviário ACESSO ÔNIBUS EMBARQUE ACESSO EMBARQUE SAÍDA DESEMBARQUE CIRCULAÇÃO VERTICAL DE SERVIÇO CIRCULAÇÃO VERTICAL DE SERVIÇO 15

16 Projeto Arquitetônico Terminal Rodoviário ÔNIBUS ACESSO EMBARQUE CIRCULAÇÃO CIRCULAÇÃO VERTICAL VERTICAL CIRCULAÇÃO VERTICAL DE SERVIÇO CIRCULAÇÃO VERTICAL DE SERVIÇO 16

17 Projeto Arquitetônico Terminal Rodoviário 17

18 Projeto Arquitetônico Terminal Rodoviário 18

19 Projeto Arquitetônico Terminal Rodoviário 19

20 Projeto Arquitetônico Terminal Rodoviário 20

21 Projeto Arquitetônico Terminal Rodoviário 21

22 Introdução Projeto Arquitetônico Plano de de Negócios Aspectos Jurídicos Cronograma 22

23 Plano de Negócios Fontes de Receita Estudo de Demanda Comparação - TERGIP e São Gabriel Sistema de Mensuração de Desempenho 23

24 Plano de Negócios Fontes de Receitas Fontes de Receita Terminal Rodoviário "Tarifa de embarque "Estacionamento "Locação de áreas comerciais "Publicidade "Sanitários Hotel "Hospedagem "Receitas adicionais de serviços Shopping "Locação de áreas comerciais " % s/obre a receita das lojas " Estacionamento 24

25 Plano de Negócios Estudo de Demanda - Projeção do Fluxo de Passageiros 320 Embarques (Em milhares de passageiros) Interestadual Intermunicipal

26 Plano de Negócios Comparação TERGIP e Terminal São Gabriel TERGIP Terminal São Gabriel Plataformas Vagas de estacionamento Área total ABL Receita líquida anual Custos e despesas anuais Vagas na mangueira 48* mil m² m² R$ 13,6 milhões** R$ 6,3 milhões** mil m² m² R$ 19,2 milhões*** R$ 6 milhões*** 26 a 36 Despacho de encomendas Reduzido Otimizado * Devido à configuração, são utilizadas no máximo 20 plataformas simultaneamente (80 partidas por hora). ** Dados de 2009 *** Projeção para

27 Plano de Negócios Sistema de Mensuração do Desempenho Índice de Qualidade (Pesquisa de Opinião) 6 serviços analisados, totalizando 18 indicadores Ex: Sanitário: limpeza, material utilizado e atendimento Índice de Disponibilidade (Infraestrutura e serviços) 20 indicadores divididos em Utilidades, estruturas gerais e operação Ex: cumprimento do Plano de Operação das Plataformas; quantidade de avarias/ reclamações no estacionamento Índice de Resolução de Falhas (Manutenção) 23 grupos com níveis de atendimento máximos Ex: elevadores inoperantes até 4 horas para conserto Controle da Qualidade dos Serviços Obrigatoriedade de a Concessionária implantar um Sistema de Gestão da Qualidade certificado pela ISO 9001 em até 12 meses do início da operação 27

28 Introdução Projeto Arquitetônico Plano de Negócios Aspectos jurídicos Jurídicos Cronograma 28

29 Aspectos Jurídicos Características do Edital e Contrato Programa de Desapropriação, Remoção e Reassentamento Licença Ambiental 29

30 Aspectos Jurídicos Características do Edital e Contrato Pagamento de multas por desempenho não satisfatório - $ Poder Concedente Outorga - $ Contrato de Concessão Verificador Independente Relatórios QID Terminal Avaliação Fiscalização SPE TERGIP Terminal São Gabriel Empreendimentos Acessórios 30

31 Aspectos Jurídicos Características do Edital e Contrato Natureza da concessão: Objeto:! Concessão comum de serviço público precedida de obra pública.! Implantação e operação do novo terminal! Construção do sistema viário de acesso ao terminal! Implantação de empreendimentos associados (empreendimentos empresariais) em área contígua ao terminal. Prazo da concessão:! 20 anos Procedimento licitatório:! Modalidade: concorrência! Estrutura procedimental: previsão de inversão de fases! Critério de julgamento: maior outorga pela concessão! Previsão de habilitação técnica e econômica dos licitantes 31

32 Aspectos Jurídicos Características do Edital e Contrato Outorga! Pagamento de valor inicial cujo montante será definido no edital: Desembolso de 50% do valor no ato de assinatura do contrato. Desembolso de valor restante após entrega para concessionária da área onde será construído o imóvel.! Proposição de percentual que incidirá sobre todas as receitas da concessão e será pago mensalmente.! A proposição corresponderá a um valor nominal compatível com o plano de negócios do licitante e que exercerá a função de critério de julgamento.! Será vencedor aquele que apresentar o maior valor nominal. 32

33 Aspectos Jurídicos Características do Edital e Contrato Outorga! Premissas para elaboração de proposta comercial fixadas no edital e obrigatórias para todos os licitantes: implantação do Terminal em 18 meses da entrega do terreno; implantação de empreendimentos associados em 30 meses da entrega do terreno pagamento mensal a partir do 18º mês (início da operação do Terminal) pagamento será realizado no terceiro mês seguinte ao mês de referência. entre o 18º e o 30º mês (início da operação do empreendimento associado), pagamento com base na incidência do percentual proposto sobre receitas do Terminal. após o 30º mês: pagamento com base na incidência do percentual proposto sobre receitas totais do Terminal e dos empreendimentos associados ou pagamento de valor nominal indicado na proposta comercial, o que for maior. 33

34 Aspectos Jurídicos Características do Edital e Contrato Habilitação Técnica! Atestado de participação na execução de empreendimento com investimento de, no mínimo, 60 milhões de reais, com recursos próprios ou de terceiros.! Atestado de contratação de financiamento de, no mínimo, 30 milhões de reais.! Comprovação de operação ou administração de pelo menos 1 (um) empreendimento aberto ao público com área edificada equivalente a, no mínimo, (trinta e cinco mil) m2. Habilitação Econômica! Índice de liquidez geral e índice de liquidez corrente iguais a 1.! Garantia de proposta: 1% do valor estimado da contratação. 34

35 Aspectos Jurídicos Características do Edital e Contrato SPE! Sociedade Anônima! Integralização de capital social no valor mínimo de 10 milhões de reais. Condição para assinatura do contrato. Empreendimentos Associados! Lista de empreendimentos autorizados: shopping/centro de compras, hotel, supermercado.! Outros empreendimentos deverão ser autorizados pelo Poder Concedente.! Possibilidade de contratação de terceiros para desenvolvimento de empreendimentos.! Prazo de 4 anos para utilização de área para empreendimentos associados.! Descumprimento do prazo: possibilidade de perda do direito de utilização da área conforme avaliação do Poder Concedente. 35

36 Aspectos Jurídicos Características do Edital e Contrato Programa de Desapropriação, Remoção e Reassentamento Licença Ambiental 36

37 Aspectos Jurídicos Programa de Desapropriação, Remoção e Reassentamento PROJETOS EM FASE DE APROVAÇÃO NA URBEL E SUDECAP PREVISÃO DE INÍCIO DAS NEGOCIAÇÕES OUTUBRO 2010 PREVISÃO DE INÍCIO DAS REMOÇÕES

38 Aspectos Jurídicos Características do Edital e Contrato Programa de Desapropriação, Remoção e Reassentamento Licença Ambiental 38

39 Aspectos Jurídicos Licença Ambiental 1. LICENÇA PRÉVIA Viabilidade Ambiental e Urbanística! Todos os estudos já foram elaborados e apresentados aos diversos órgãos municipais responsáveis pela análise e emissão de parecer conclusivo.! Previsão de concessão da Licença Prévia Setembro LICENÇA DE IMPLANTAÇÃO Análise dos Projetos Executivos! A Licença Prévia listará todos os projetos que deverão ser desenvolvidos pelo empreendedor, de maneira a mitigar os impactos ambientais e urbanos identificados nos estudos.! A concessão da Licença de Implantação é condicionante à aprovação do projeto de arquitetura junto à Prefeitura de Belo Horizonte e emissão do Alvará de Obra.! Previsão de concessão da Licença de Implantação Dezembro LICENÇA DE OPERAÇÃO Autorização para Início das Atividades! A Licença de Operação é condicionante à liberação para início da operação do empreendimento, e será emitida pelo COMAM após o cumprimento, pelo empreendedor, de todas as condicionantes ambientais listadas nas duas etapas anteriores. 39

40 Introdução Projeto Arquitetônico Plano de Negócios Aspectos Jurídicos Cronograma 40

41 Cronograma Cronograma Geral 41

42 Cronograma Geral Cronograma de Atividades Item Manifestação do Comam sobre LP Publicação do Edital Assinatura do Contrato Detalhamento do Projeto Executivo Desapropriação e Remoção Início das Obras Conclusão das Obras e Início da Operação Data Limite 08/Set/10 Set/10 Dez/10 Jul/11 Jul/11 Jul/11 Dez/12 42

43 Obrigado! 43

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção A Urban Systems é uma empresa de Inteligência de Mercado e Soluções há 17 anos no mercado. Realizou mais de 700

Leia mais

1) A quem devo me reportar para solicitar esclarecimentos sobre o conteúdo dos documentos da Chamada Pública.

1) A quem devo me reportar para solicitar esclarecimentos sobre o conteúdo dos documentos da Chamada Pública. Objetivo: Divulgar respostas a questionamentos específicos apresentados pelas partes interessadas na Chamada Pública, de forma a garantir a ampla divulgação de todas as informações relevantes e pertinentes

Leia mais

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo.

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo. Tribunal de Contas da União MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS DE LICITAÇÃO PARA OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS O exame de

Leia mais

Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada

Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada Câmara de Transporte e Logística FIESC Florianópolis/SC 26 de julho de 2012 Histórico O Reino Unido foi o pioneiro na institucionalização financeira,

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA - PPP 7 DE OUTUBRO DE 2016

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA - PPP 7 DE OUTUBRO DE 2016 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA - PPP 7 DE OUTUBRO DE 2016 OBJETO DA PPP Parceria Público-Privada para: 1) Manutenção e Operação dos edifícios já existentes (câmpus Barcelona e Centro); 2) Construção do novo

Leia mais

Audiência Pública Lei 8.666/93

Audiência Pública Lei 8.666/93 Audiência Pública Lei 8.666/93 Art. 39. Sempre que o valor estimado para uma licitação ou para um conjunto de licitações simultâneas ou sucessivas for superior a 100 (cem) vezes o limite previsto no art.

Leia mais

ANEXO X CÁLCULO DA INDENIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS NÃO AMORTIZADOS

ANEXO X CÁLCULO DA INDENIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS NÃO AMORTIZADOS ANEXO X CÁLCULO DA INDENIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS NÃO AMORTIZADOS EXPLORAÇÃO, MEDIANTE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA, DA GESTÃO DE ÁREAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL DO SUMIDOURO, MONUMENTO NATURAL

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Brasília. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Brasília. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Brasília Setembro/2013 Brasília: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro Copa do Mundo da FIFA Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 2014 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro O MTUR e a Ponto de partida : garantias oferecidas pelo governo federal, estados e

Leia mais

Contato QUEM SOMOS ATUAÇÃO. A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem. Oscar Niemeyer

Contato QUEM SOMOS ATUAÇÃO. A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem. Oscar Niemeyer QUEM SOMOS A SENTIDO ARQUITETURA é uma empresa especializada em elaboração de Projetos, Regularização de Imóveis e Consultoria em legalização imobiliária. A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem.

Leia mais

Sugestão para alteração: a outorga terá o prazo de 25 (vinte e cinco) anos, conforme estabelecido no Contrato.

Sugestão para alteração: a outorga terá o prazo de 25 (vinte e cinco) anos, conforme estabelecido no Contrato. 1 Item 7.1 do Edital Sugestão para alteração: a outorga terá o prazo de 25 (vinte e cinco) anos, conforme estabelecido no. Justificativa: Colabora na viabilidade do projeto. o prazo é adequado para a viabilidade

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento. Modelo de Aferição por Parcelas e Portaria 130/2013

Programa de Aceleração do Crescimento. Modelo de Aferição por Parcelas e Portaria 130/2013 Programa de Aceleração do Crescimento Modelo de Aferição por Parcelas e Portaria 130/2013 Modelo de Aferição Por Parcelas Histórico: Com o advento do PAC2 foram estabelecidas algumas medidas a fim de otimizar

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

Workshop Parcerias Público- Privadas em Saneamento Básico PPP Alto Tietê Sabesp

Workshop Parcerias Público- Privadas em Saneamento Básico PPP Alto Tietê Sabesp Workshop Parcerias Público- Privadas em Saneamento Básico PPP Alto Tietê Sabesp Clique para editar o estilo do subtítulo mestre O projeto e sua importância O Projeto e sua importância Escopo Concessão

Leia mais

10ª Semana de Tecnologia Metroviária

10ª Semana de Tecnologia Metroviária 10ª Semana de Tecnologia Metroviária Estratégias e Consolidação de Novos Negócios e a Importância dos Empreendimentos Associados Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô Gerência de Comercialização

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014

MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 MOBILIDADE URBANA E AEROPORTO: TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 TPS pav. térreo TPS Vista do saguão TPS pav. superior PERSPECTIVA Lado TERRA PERSPECTIVA Lado AR Item 2011 2012 Revisão

Leia mais

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Municípios: 14 População: 3.690.547 hab Área: 2.768,45 km 2 ARAÇOIABA SÃO LOURENÇO DA MATA MORENO 49.205 189 90.402 277 15.108 90 CABO DE SANTO AGOSTINHO

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS RESOLUÇÃO Nº 003/2007 DP/SUSER Estabelece e regulamenta o Programa de Estacionamento Especial para pessoas com deficiência e dificuldade de locomoção e dá outras providências O DIRETOR PRESIDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FORMIGA

CÂMARA MUNICIPAL DE FORMIGA CÂMARA MUNICIPAL DE FORMIGA ESTADO DE MINAS GERAIS Praça Ferreira Pires, 04 CNPJ. 20.914.305/0001-16 Fone: (37) 3329-2600 - CEP 35.570-000 www.camaraformiga.mg.gov.br Emenda à Lei Orgânica nº 013/2008

Leia mais

COOPERATIVA HABITACIONAL MARISTA RUA 138 QD 52 LTS 6, 7, 8 E 9 SETOR MARISTA GOIÂNIA- GO PLANO DE NEGÓCIO

COOPERATIVA HABITACIONAL MARISTA RUA 138 QD 52 LTS 6, 7, 8 E 9 SETOR MARISTA GOIÂNIA- GO PLANO DE NEGÓCIO COOPERATIVA HABITACIONAL MARISTA RUA 138 QD 52 LTS 6, 7, 8 E 9 SETOR MARISTA GOIÂNIA- GO PLANO DE NEGÓCIO 1 FORMATO: Estamos promovendo um novo empreendimento habitacional no formato de cooperativa a ser

Leia mais

Licitação da Solução de Registro Eletrônico em Saúde. Paulo Cesar de Araújo Gerente

Licitação da Solução de Registro Eletrônico em Saúde. Paulo Cesar de Araújo Gerente Paulo Cesar de Araújo Gerente SRES Constituída dos seguintes serviços: 1. Disponibilização do Software RES 2. Serviços de Integração com a Base Única 3. Serviços de Manutenção Evolutiva 4. Serviços de

Leia mais

5.1 1 a Rodada de Licitações Sob o Regime de Partilha de Produção

5.1 1 a Rodada de Licitações Sob o Regime de Partilha de Produção 26ª Reunião Ordinária 25 de junho de 2013 5.1 1 a Rodada de Licitações Sob o Regime de Partilha de Produção Licitação da Área de Libra Regime de Partilha Resolução CNPE n o 4, de 22 de maio de 2013 Prospecto

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP 1ª Conferência - março de 2016 tema: lançamento do processo de elaboração do Plano O QUE É MOBILIDADE URBANA? Mobilidade é a forma de deslocamento

Leia mais

CARTA CONVITE N.º 003/2012 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE /2012 ANEXO I

CARTA CONVITE N.º 003/2012 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE /2012 ANEXO I CARTA CONVITE N.º 003/2012 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.01.03.0044/2012 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAL PÉTREO PARA INFRAESTRUTURA DOS LAGOS 01 E 02 DA FASE ZERO DO SAPIENS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

@aviacaocivil

@aviacaocivil www.aviacaocivil.gov.br faleconosco@aviacaocivil.gov.br /AviacaoGovBr @aviacaogovbr @AviacaoGovBr @aviacaocivil Arranjo Institucional Março PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Formular, coordenar e supervisionar

Leia mais

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou, nesta quarta-feira (29/05), a minuta do Edital de Leilão e do Contrato

Leia mais

TRENS DE ALTA VELOCIDADE

TRENS DE ALTA VELOCIDADE TRENS DE ALTA VELOCIDADE LINHA RIO SÃO PAULO OS PROJETOS AVALIADOS TRANSCORR RSC, desenvolvido sob a coordenação do GEIPOT (empresa vinculada ao MT, atualmente em processo de liquidação), com recursos

Leia mais

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público 1 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, DIRETA E INDIRETA: CONCESSÕES E PERMISSÕES 1.1 FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL:

Leia mais

ANAC 2ª FASE Guarulhos Viracopos Brasília concessão para ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos

ANAC 2ª FASE Guarulhos Viracopos Brasília concessão para ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos ANAC 2ª FASE Guarulhos Viracopos Brasília concessão para ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos - Dia da Triunfo - 30-11-2011 1 Agenda Previsão inicial: 22/10/2011 Edital 22/12/2012 Leilão Obs:

Leia mais

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições:

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 56, DE 6 DE ABRIL DE 2004. Estabelece procedimentos para acesso das centrais geradoras participantes do PROINFA, regulamentando o art.

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

ANEXO II AVALIAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA

ANEXO II AVALIAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA ANEXO II AVALIAÇÃO ECONÔMICO FINANCEIRA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA 1 Sumário 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 - PROJEÇÃO DAS RECEITAS, DESPESAS E INVESTIMENTOS...

Leia mais

Fundação 4~ Instituto de Pesquisa Q e Planejamento. J II I rj para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville =`"""' -"'":42

Fundação 4~ Instituto de Pesquisa Q e Planejamento. J II I rj para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville =`' -':42 Fundação 4~ Instituto de Pesquisa Q e Planejamento J II I rj para o Desenvolvimento Sustentável de =`"""' -"'":42 Parecer Técnico Conclusivo n 359/2016., 04 de outubro de 2016. Requerente: Insbruck Participações

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO GWI RENDA IMOBILIÁRIA

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO GWI RENDA IMOBILIÁRIA I. OBJETO DO FUNDO Relatório da Instituição Administradora Período janeiro a junho 2014 Fundo de Investimento Imobiliário GWI Renda Imobiliária O Fundo de Investimentos Imobiliário GWI Renda Imobiliária,

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Jun/2012 Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento e Projetos Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras

Leia mais

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO O MCIDADES deve coordenar a elaboração dos Planos de RIDE Lei 11.445/07: Art. 52. A União elaborará, sob a coordenação do Ministério das Cidades: I ( ); II - planos

Leia mais

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Projeto Arquitetônico

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Projeto Arquitetônico Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Projeto Arquitetônico O Prêmio Planeta Casa 2012 busca valorizar empresas, organizações da sociedade civil e profissionais das áreas de arquitetura, design,

Leia mais

índice Mega Polo Moda São Paulo: a inspiração Goiás: um estado de opor tunidades Uma alternativa valiosa Infraestrutura Ser viços

índice Mega Polo Moda São Paulo: a inspiração Goiás: um estado de opor tunidades Uma alternativa valiosa Infraestrutura Ser viços G o i â n i a índice Mega Polo Moda São Paulo: a inspiração 4 Goiás: um estado de opor tunidades 6 Uma alternativa valiosa 8 G o i â n i a Infraestrutura 10 Ser viços 12 O Mega Polo Moda São Paulo é o

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 172, DE 10 DE MAIO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos

Leia mais

Oficina de Integração Aérea Sulamericana

Oficina de Integração Aérea Sulamericana Oficina de Integração Aérea Sulamericana O apoio do BNDES aos projetos de integração e de infraestrutura aérea Cleverson Aroeira Chefe do Deptº de Transportes e Logística do BNDES Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

ANEXO 6. Reajustes e Cálculos das Contraprestações Públicas Mensais de Amortização Fixa e Variável e Penalidades

ANEXO 6. Reajustes e Cálculos das Contraprestações Públicas Mensais de Amortização Fixa e Variável e Penalidades ANEXO 6 Reajustes e Cálculos das Contraprestações Públicas Mensais de Amortização Fixa e Variável e Penalidades 1 1. OBJETIVO O objetivo deste anexo é detalhar a forma de cálculo e de reajustes da receita

Leia mais

Licitações, Pregão e Contratos

Licitações, Pregão e Contratos Licitações, Pregão e Contratos Objetivo Destina-se Datas Carga horária Capacitar servidores municipais para a realização de licitações e gestão dos contratos da Administração Municipal. Aos profissionais

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

COP Comissão de Obras Públicas da CBIC

COP Comissão de Obras Públicas da CBIC INSTITUIÇÃO DO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS RDC Analise e posicionamento da Comissão de Obras Públicas COP da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Com ampla participação das entidades

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes que devem ser observadas na regulamentação, na vigilância e na supervisão das instituições de pagamento e dos arranjos de pagamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ / Lei nº 1.589/2010 Regulamenta a implantação de CONDOMÍNIO RESIDENCIAL HORIZONTAL e CONDOMÍNIO RESIDENCIAL VERTICAL e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUAÇU, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão

TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão TIAGO PEREIRA LIMA DIRETOR DA ANTAQ WORLDCUP INFRASTRUCTURE SUMMIT 8 de Dezembro de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela Lei nº 10.233, de 5 de

Leia mais

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4)

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4) PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO Decreto nº.13.528, de 2 de maio de 2014 QUADRO DE DETALHAMENTO DE TAREFAS QDT (ANEXO I) CÓDIGO ATIVIDADE NÍVEL 1 2 3 4 5 6 7 8 Análise e validação das propostas setoriais

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

ANEXO I MODELOS DE CARTAS E DECLARAÇÕES. Lista de modelos. Modelo 1 Carta de apresentação da PROPOSTA COMERCIAL (item 16.

ANEXO I MODELOS DE CARTAS E DECLARAÇÕES. Lista de modelos. Modelo 1 Carta de apresentação da PROPOSTA COMERCIAL (item 16. ANEXO I MODELOS DE CARTAS E DECLARAÇÕES Lista de modelos Modelo 1 Carta de apresentação da PROPOSTA COMERCIAL (item 16.1 do EDITAL) Modelo 2 Carta de apresentação dos documentos de HABILITAÇÃO (item 17.1.1

Leia mais

CONVERSANDO COM A SET

CONVERSANDO COM A SET Departamento de Outorgas CONVERSANDO COM A SET Patrícia Ávila / William Ivo Brasília, agosto de 2012 REGULAMENTO DO SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO E RTV/RpTV Decreto nº 7.670, de 2012 Análise mais rigorosa da

Leia mais

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013 1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN Janeiro a Março/2013 As informações financeiras e operacionais abaixo são apresentadas de acordo com a Legislação Societária e as comparações são referentes

Leia mais

Como definir a Vida Útil de Projeto segundo a NBR Arq. Barbara Kelch Colaboradora do GTNormas / AsBEA

Como definir a Vida Útil de Projeto segundo a NBR Arq. Barbara Kelch Colaboradora do GTNormas / AsBEA Como definir a Vida Útil de Projeto segundo a NBR 15.575 Arq. Barbara Kelch Colaboradora do GTNormas / AsBEA Norma de Desempenho ABNT NBR 15.575 Objetivo: Alavancar tecnicamente a qualidade requerida e

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Experiência com o RDC

Experiência com o RDC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES - DPL Av. Desembargador Vitor Lima nº 222, 5º andar Florianópolis SC CEP 88040-400 Telefones: (48)

Leia mais

Sistemática Convencional x Check List

Sistemática Convencional x Check List 1) Analisa a operação Atualização Crédito Aprovado Proposta contendo as condições de Financiamento: Dados do comprador (CNPJ, endereço, local de instalação,cnae, etc...); CNAE Solicitação de Carta de Finalidade,

Leia mais

Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo. O ordenamento do processo de AIA

Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo. O ordenamento do processo de AIA Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo FOGLIATTI, Maria Cristina. Avaliação de impactos ambientais. Rio de Janeiro: Editora Interciência Ltda, 2004. SANCHEZ, Luis Henrique.

Leia mais

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES 2009-2014 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS MINHA CASA, MINHA VIDA - ENTIDADES PMCMV ENTIDADES/ FDS Produção e aquisição de unidades habitacionais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 09/2014

TERMO DE REFERÊNCIA 09/2014 TERMO DE REFERÊNCIA Concessão de uso de áreas destinadas à exploração comercial de MÁQUINA PARA VENDA DE REFRIGERANTES, SALGADO E/OU SUCO e área para DEPÓSITO DE MERCADORIAS, localizadas no Terminal de

Leia mais

PPP Summit 2013 Desafios vinculados à estruturação dos projetos de PPP: Condução dos estudos de viabilidade Tomás Anker

PPP Summit 2013 Desafios vinculados à estruturação dos projetos de PPP: Condução dos estudos de viabilidade Tomás Anker PPP Summit 2013 Desafios vinculados à estruturação dos projetos de PPP: Condução dos estudos de viabilidade Tomás Anker Maio, 2013 Agenda 1. Fundo PSP Brazil e o que fazemos 2. Estruturação: Critérios

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES 08.892.340/0001-86 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

Como os Correios aplicam o Acordo de Níveis de Serviços nos contratos de prestação de serviços?

Como os Correios aplicam o Acordo de Níveis de Serviços nos contratos de prestação de serviços? Como os Correios aplicam o Acordo de Níveis de Serviços nos contratos de prestação de serviços? A experiência na contratação e gestão de serviços de limpeza predial com Critérios de Qualidade Por Monica

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

GARANTIAS EM PPP. Arena Fonte Nova

GARANTIAS EM PPP. Arena Fonte Nova GARANTIAS EM PPP Arena Fonte Nova I - Mecanismo de Pagamento SUMÁRIO Legislação; Fluxo Financeiro da Garantia de Pagamento; Adesões ao Mecanismo de Garantia; Bloco de Contratos; Controle de Pagamentos

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS OPORTUNIDADES PROMOVER ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E ALÍVIO DOS VOLUMES DE TRÁFEGO IMPORTANTE VIA ESTRUTURAL.

Leia mais

Fernando Fonseca. Diretor Geral Substituto

Fernando Fonseca. Diretor Geral Substituto Fernando Fonseca Diretor Geral Substituto São Paulo, 24 de fevereiro de 2016 Concessão Porto Organizado Total/Parcial de Porto Organizado = Flexibilidade do modelo Direito de exploração de Instalação Portuária

Leia mais

Os Blocos de Imóveis Passíveis de Desapropriação

Os Blocos de Imóveis Passíveis de Desapropriação Os Blocos de Imóveis Passíveis de Desapropriação de Avaliações e Perícias de Engenharia e pela ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. As desapropriações necessárias à implantação da Linha 18 -

Leia mais

Decreto nº 4.333, de 30 de junho de 2015.

Decreto nº 4.333, de 30 de junho de 2015. Decreto nº 4.333, de 30 de junho de 2015. Regulamenta a instalação de Abrigos de Ônibus no Sistema de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros do Município de Taquaritinga, que especifica e dá outras

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA OUTORGA DA CONCESSÃO DO SERVIÇO COLETIVO PÚBLICO, NA MODALIDADE CONVENCIONAL, EM ÁREAS NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS.

ASPECTOS JURÍDICOS DA OUTORGA DA CONCESSÃO DO SERVIÇO COLETIVO PÚBLICO, NA MODALIDADE CONVENCIONAL, EM ÁREAS NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS. ASPECTOS JURÍDICOS DA OUTORGA DA CONCESSÃO DO SERVIÇO COLETIVO PÚBLICO, NA MODALIDADE CONVENCIONAL, EM ÁREAS NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS. Gabriela Pinheiro Travaini Sérgio Marasco Torrecillas Curitiba, setembro

Leia mais

Localização Estratégica

Localização Estratégica Porto Maravilha Localização Estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Aeroporto Santos Dumont Oceano Atlântico 2 km Maracanã 5 km Pão de Açúcar Corcovado 7 km 6 km Copacabana 8 km Perímetro Porto

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C.

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C. ANEXO II CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DAS USINAS HIDRELÉTRICAS INTEGRANTES DO LOTE C O Lote C é composto pelas Usinas Hidrelétricas Garcia, Bracinho, Cedros, Salto e

Leia mais

SECRETARIA DE TRANSPORTES

SECRETARIA DE TRANSPORTES SECRETARIA DE TRANSPORTES Major Events Grandes Eventos 2013 Copa das Confederações 2013 Jornada Mundial da Juventude Católica 2014 Copa do Mundo de Futebol 2016 Jogos Olímpicos Soluções de Mobilidade para

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Formas de Atuação. Operações Diretas. Operações Indiretas. Contratadas diretamente com o BNDES. Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES

Formas de Atuação. Operações Diretas. Operações Indiretas. Contratadas diretamente com o BNDES. Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Outubro de 2013 Formas de Atuação Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES EMPRESÁRIO Informação e Relacionamento Instituição

Leia mais

IGUATEMI ANUNCIA EXPANSÃO DO IGUATEMI PORTO ALEGRE

IGUATEMI ANUNCIA EXPANSÃO DO IGUATEMI PORTO ALEGRE IGUATEMI ANUNCIA EXPANSÃO DO IGUATEMI PORTO ALEGRE São Paulo, 27 de abril de 2012 A Iguatemi Empresa de Shopping Centers S.A. (IGUATEMI) [Bovespa: IGTA3], uma das maiores empresas full service no setor

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

Quais são as vantagens do REIOI para os projetos de irrigação?

Quais são as vantagens do REIOI para os projetos de irrigação? o que é REIOI? Criado pelo Governo Federal pela Lei Federal n 11.488, de 15 de junho de 2007, o REIDI é o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura, que inclui também os projetos

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

CARTILHA DE INFORMAÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO CREDITÍCIO

CARTILHA DE INFORMAÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO CREDITÍCIO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Programa de Apoio ao Empreendimento Produtivo do Distrito Federal CARTILHA DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

EDITAL N 01/2016 HESTIA/UFRGS

EDITAL N 01/2016 HESTIA/UFRGS EDITAL N 01/2016 HESTIA/UFRGS A Incubadora Tecnológica Hestia torna público que abrirá processo seletivo para apoio a novos empreendimentos nas áreas de Engenharia e Física, na modalidade pré-incubação,

Leia mais

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento BRA 03/015

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento BRA 03/015 ANEXO III CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Este Anexo contém a descrição dos procedimentos e critérios a serem adotados para avaliação, julgamento e classificação das propostas das licitantes concorrentes.

Leia mais

Lei nº /2015. Decreto nº de 30 de setembro de 2015

Lei nº /2015. Decreto nº de 30 de setembro de 2015 Programa Mais Leite Saudável Lei nº 13.137/2015 Decreto nº 8.533 de 30 de setembro de 2015 Elaboração de projetos para auxiliar produtores rurais de leite no desenvolvimento da qualidade e da produtividade

Leia mais

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sistema IntegradodeTransporte de porônibus de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sumário Premissas e condicionantes do Projeto Conceito e características

Leia mais

SEBRAE SEBRAE DA LEI GERAL DAS. Quem são os Pequenos Negócios?

SEBRAE SEBRAE DA LEI GERAL DAS. Quem são os Pequenos Negócios? A IMPLEMENTAÇÃO DA LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS EM MATO GROSSO Quem são os Pequenos Negócios? PRODUTOR RURAL Pessoa física ou jurídica que explora a terra, com fins econômicos ou de subsistência

Leia mais

SHOPPING METRÔ TUCURUVI

SHOPPING METRÔ TUCURUVI MÍDIA KIT SHOPPING METRÔ TUCURUVI SHOPPING METRÔ TUCURUVI SHOPPING METRÔ TUCURUVI 5 pavimentos de lojas 9 âncoras 6 salas cinema 53 operações de alimentação 223 lojas 32 mil m² de ABL 60 mil veículos por

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet São José do Rio Preto - SP 29.setembro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

Relatório Gerencial - CSHG Realty BC II FIP

Relatório Gerencial - CSHG Realty BC II FIP CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO Relatório Gerencial - CSHG Realty BC II FIP 2 Trimestre de 2009 1. Palavra do Gestor Prezado Investidor, Durante o segundo trimestre de 2009 o Fundo acompanhou as obras e vendas

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A Lâmina de informações essenciais sobre o Tokyo-Mitsubishi UFJ Leader FI Referenciado DI CNPJ Nº 00.875.318/0001-16 Informações referentes à Janeiro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família. (PROESF Fase 2) AQUISIÇÕES de BENS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS

Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família. (PROESF Fase 2) AQUISIÇÕES de BENS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família (PROESF Fase 2) AQUISIÇÕES de BENS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS Aquisições através das Regras do Banco Mundial O Artigo 42 5º da Lei 8.666 permite que os

Leia mais

6 O Projeto da MG-050

6 O Projeto da MG-050 61 6 O Projeto da MG-050 Em 2006, foi lançado o edital do Projeto PPP da MG-050 com o objetivo de recuperação, ampliação e manutenção da Rodovia MG-050. O projeto engloba ainda trechos da BR-265 (entre

Leia mais