Professora Jeane Melo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professora Jeane Melo"

Transcrição

1 Professora Jeane Melo

2 Roteiro Lista Encadeada Alocação: Estática x Dinâmica O que são Ponteiros?

3 Ponteiros Variáveis que Armazenam Endereços de Memória Mas, toda variável não é armazenada na memória?

4 Ponteiros Toda variável é armazenada na memória. Mas, os ponteiros armazenam variáveis que armazenam o endereço de memória. Variáveis são armazenadas na memória(gavetas) As gavetas possuem uma localização, endereço. Ponteiros apontam para o ENDEREÇO da Memória (Ponteiros sabem em que gaveta está a variável)

5 Ponteiros Variável Comum O conteúdo é um valor (instâncias de um determinado tipo) Ao atribuirmos um valor modificamos apenas o conteúdo da variável atual Ponteiros Referência: indica um endereço na memória Ao modificarmos o valor armazenado naquela referência alteramos os valores das variáveis que apontam para ela.

6 Ponteiros Em C/C++ Por default, as variáveis armazenam valores Criar ponteiros explicitamente Em Java Tipos primitivos armazenam valores Tipos compostos (classes) armazenam referências

7 Alocação Estática Quantidade Memória Prédefinida. Conteúdo armazenados em endereços estáticos. Exemplo: var num: integer; Num := 5;

8 Alocação Dinâmica Alocação de memória feita em tempo de execução Qual a relação de Alocação Dinâmica de memória e Ponteiros?

9 Alocação Dinâmica Ponteiros sabem em que gaveta está a variável. O comando malloc escolhe em que gaveta será guardada a variável que armazena o ENDEREÇO de memória.

10 Endereços e Ponteiros Variáveis Endereços (fictícios) char c; int i; struct { int x, y; } ponto; int v[4]; c i ponto v[0] v[1] v[2] v[3] Se i é uma variável &i é seu endereço

11 Endereços e Ponteiros Ponteiro Tipo especial de variável que armazena endereços NULL Se p armazena o endereço de i, então *p é o valor do objeto apontado por p (*p=i) Para declarar um ponteiro para um inteiro em C usamos: int *p

12 Endereços e Ponteiros Para usarmos as funções relacionadas com alocação dinâmica em C (malloc e free), precisamos incluir a biblioteca stdlib no início do programa: #include <stdlib.h> A função malloc (abreviatura de memory allocation) aloca um bloco de bytes consecutivos na memória do computador e devolve o endereço desse bloco A função free libera a porção de memória alocada por malloc

13 Alocação Dinâmica A memória é alocada no momento em que é requisitada. C e Java possuem comandos para alocação de memória ( criar as caixinhas ) Java: Ponto p = new Ponto(800,600); C: struct Ponto *p; p = (struct Ponto *) malloc(sizeof(struct Ponto));

14 Alocação Dinâmica Em C, precisamos liberar o espaço alocado para uma variável antes de eliminar uma referência para esta. Para isto utilizamos o comando free : free(p) Em Java, não é necessário tal operação, esta é realizada a cada garbage collection

15 Alocação Estática X Dinâmica Estática A quantidade de memória é definida previamente e não muda durante a execução do programa. Alocação consecutiva Acesso direto Não permite a adição de elementos durante a execução (dinamicamente)

16 Alocação Estática X Dinâmica Dinâmica A quantidade de memória utilizada pelo programa pode variar durante a execução do mesmo. Cada elemento é representado separadamente Os elementos são conectados através de ponteiros Flexibilidade Mais espaço Não é possível acessar um elemento diretamente

17 Alocação Estática X Dinâmica Acesso direto Estática Inserção e remoção no final da lista Inserção e remoção no meio da lista Dinâmica O acesso não é direto Inserção e remoção de elementos Memória adicional para armazenar os ponteiros

18 Lista Encadeada Listas Posição relativa dos elementos Os elementos são dispostos linearmente a 1 a 2 a 3... a n a 1 - primeiro elemento a n - último elemento O elemento a i, é precedido do elemento a i-1 e seguido do elemento a i+1

19 Lista Encadeada Operações comuns Busca Inserção Remoção Substituição Outras operações Ordenação, União, Particionamento, Determinação do total de elementos.

20 Lista Encadeada Listas Arrays Encadeamento Pilhas, Filas Listas Encadeadas

21 Lista Encadeada Lista Exemplo mais simples de alocação dinâmica Lista de pares (armazenam uma quantidade variável de elementos do mesmo tipo) Cada par é representado por um registro que consiste de um elemento e de um endereço Normalmente contém uma referência para o 1 o nó da lista Lista elemento prox NULL elemento prox elemento prox elemento prox NULL

22 Lista Encadeada Usando OO (java) A lista é composta por células (ou nós) Cada célula (ou nó) possui um Objeto (info) e um apontador(next) para um o próximo elemento da lista class Node { int valor; Node next; }

23 Lista Encadeada O último nó da lista não aponta para lugar nenhum (null). public Node (int valor) { this.valor = valor; this.next = null; }

24 Lista Encadeada Classe Lista class Lista { Node inicio; public Lista() { this.inicio = null; } //Acrescentamos as operações associadas public void inserir(int valor) {...} }

25 Lista Encadeada Criar uma classe Nó (ou Node) com dois atributos: um para guardar um objeto(info) e outro para guardar uma referência ao próximo nó da lista. Criar uma classe que represente uma lista encadeada Nesta classe teremos um nó que representa o início da lista (denominado cabeça) Para as operações de inserção, verificamos se a lista está vazia.

26 Lista Encadeada sequência de células cada célula contém um objeto de algum tipo e o endereço da célula seguinte Supondo que os objetos são do tipo int (Em C: ) struct cel { }; int conteudo; struct cel *prox; Conteudo Prox typedef struct cel celula; //tratar como um novo tipo de dados

27 Lista Encadeada celula c; // declaração de uma célula celula *p; // declaração de um ponteiro para célula c.conteudo //conteúdo da célula c.prox // endereço da próxima célula p->conteudo // conteudo da celula p->prox //endereço da próxima celula

28 Lista Encadeada // criando uma lista celula *ini; ini = malloc (sizeof (celula)); ini->prox = NULL; //imprimindo uma lista void imprima (celula *ini) { celula *p; for (p = ini->prox; p!= NULL; p = p->prox) printf ("%d\n", p->conteudo); }

29 Lista Encadeada void insere (int x, celula *p) { celula *nova; nova = malloc (sizeof (celula)); nova->conteudo = x; nova->prox = p->prox; p->prox = nova; }

30 Lista Encadeada p Insere Após inserção elto1 prox elto2 prox X prox NULL p X prox elto1 prox elto2 prox NULL

31 Lista Encadeada //buscar um elemento x em uma lista encadeada celula *busca (int x, celula *ini) { celula *p; p = ini->prox; while (p!= NULL && p->conteudo!= x) p = p->prox; return p; }

32 Lista Encadeada void remove (celula *p) { celula *morta; morta = p->prox; p->prox = morta->prox; free (morta); }

33 Lista Encadeada void buscaeremove (int y, celula *ini) { celula *p, *q; p = ini; q = ini->prox; while (q!= NULL && q->conteudo!= y) { p = q; q = q->prox; } if (q!= NULL) { p->prox = q->prox; free (q); } }

34 Lista Encadeada P elemento prox elemento prox elemento prox NULL P MORTA elemento prox elemento prox elemento prox NULL

35 Lista Encadeada Outros tipos de Lista Circular Duplamente encadeada

36 Lista Circular Lista elemento prox elemento prox elemento prox Lista NULL elemento prox elemento prox elemento prox

37 Lista Duplamente Encadeada Cada celula passa a ter três campos: elemento o conteúdo propriamente dito prox endereço da próxima célula ant endereço da célula anterior

38 Lista Duplamente Encadeada Lista ant elemento prox ant elemento prox ant elemento prox NULL

39 Exercício Implemente a lista encadeada em Java ou C Faça uma apresentação (ppt) sobre a sua implementação Entrega: Sexta-feira 13/05 (impresso Código + apresentação)

40 Referências Capítulo 10 - Cormen Lista encadeada (Paulo Feofiloff - IME-USP)

Lista Encadeada (Linked List)

Lista Encadeada (Linked List) Lista Encadeada (Linked List) As listas ou listas encadeadas são a estrutura de dados mais simples concebível excetuando-se naturalmente os arrays. Listas encadeadas nada mais são que uma seqüência de

Leia mais

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Alocação de Memória Linguagem de Programação Estruturada 1 Alocação dinâmica e ponteiros Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Sumario Introdução Alocação Estática

Leia mais

1. Listas sequenciais versus listas ligadas. Lista sequencial

1. Listas sequenciais versus listas ligadas. Lista sequencial Alocação Dinâmica Listas Ligadas 1. Listas sequenciais versus listas ligadas Lista sequencial Uma lista sequencial é um conjunto de elementos contíguos na memória. Um vetor é o melhor exemplo de lista

Leia mais

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS Listas Lineares Como visto anteriormente, as operações básicas para o nosso TAD Lista Linear são: FLVazia Vazia Retira Insere Imprime A implementação através de arrays

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados Tipos Abstratos de Dados Tipo Abstrato de Dados ou TAD Idéia principal: desvincular o tipo de dado (valores e operações) de sua implementação: O que o tipo faz e não como ele faz! Vantagens da desvinculação:

Leia mais

Estruturas de Dados Aulas 3 e 4: Uso da. 14/03/2011 e 16/03/2011

Estruturas de Dados Aulas 3 e 4: Uso da. 14/03/2011 e 16/03/2011 Estruturas de Dados Aulas 3 e 4: Uso da memória e Vetores 14/03/2011 e 16/03/2011 Uso da memória Existem 3 maneiras de reservar o espaço da memória: Variáveis globais (estáticas) Espaço existe enquanto

Leia mais

Módulo 4. Listas Encadeadas. Algoritmos e Estruturas de Dados II C++ (Rone Ilídio)

Módulo 4. Listas Encadeadas. Algoritmos e Estruturas de Dados II C++ (Rone Ilídio) Módulo 4 Listas Encadeadas Algoritmos e Estruturas de Dados II C++ (Rone Ilídio) 1 Ponteiro para struct Ponteiro pode apontar para qualquer tipo de dados A partir de um ponteiro para uma variável cujo

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 02: Alocação Dinâmica de Memória Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Aula 10 Alocação Dinâmica de Memória Listas Encadeadas. prof Leticia Winkler

Aula 10 Alocação Dinâmica de Memória Listas Encadeadas. prof Leticia Winkler Aula 10 Alocação Dinâmica de Memória Listas Encadeadas prof Leticia Winkler 1 Prof. Leticia Winkler 2 Alocação de Memória Reservar na memória (principal), o espaço para guardar a informação através da

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados Prof. Osório PIP/CA - Aula 04 Pag.: 1

Algoritmos e Estruturas de Dados Prof. Osório PIP/CA - Aula 04 Pag.: 1 Algoritmos e Estruturas de Dados Prof. Osório PIP/CA - Aula 04 Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação

Leia mais

Matrizes esparsas: definição

Matrizes esparsas: definição Matrizes esparsas: definição o objetivo é mostrar os métodos de armazenamento e manipulação de matrizes esparsas esparsidade de uma matriz é a relação entre o número de elementos nulos de uma matriz e

Leia mais

5. Vetores e alocação dinâmica

5. Vetores e alocação dinâmica 5. Vetores e alocação dinâmica W. Celes e J. L. Rangel 5.1. Vetores A forma mais simples de estruturarmos um conjunto de dados é por meio de vetores. Como a maioria das linguagens de programação, C permite

Leia mais

Árvores. Sérgio Carlos Portari Júnior

Árvores. Sérgio Carlos Portari Júnior Árvores Sérgio Carlos Portari Júnior Árvores São estruturas de dados adequadas para apresentação de hierarquias. Uma árvore é composta por um conjunto de nós. Existe um nó r, denominado raiz, que contém

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

Conceitos. Pilhas e Filas. Conceitos e Implementação em linguagem C. Maria Adriana Vidigal de Lima. Março

Conceitos. Pilhas e Filas. Conceitos e Implementação em linguagem C. Maria Adriana Vidigal de Lima. Março Conceitos e Implementação em linguagem C Março - 2009 1 Conceitos 2 Organização dos dados Em determinadas aplicações, as pilhas e filas representam estruturas de dados importantes, nas quais seus elementos

Leia mais

Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos MAC122

Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos MAC122 Prof. Dr. Paulo Miranda IME-USP Vazamento de memória & Erros em tempo de execução Vazamento de memória Introdução: Vazamento de memória (memory leak),

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Pilhas A estrutura de dados Pilha emula a forma de organização de objetos intuitiva que é utilizada diariamente nos mais diversos contextos da vida humana. Containeres são empilhados e desempilhados diariamente

Leia mais

Trabalho 3: Agenda de Tarefas

Trabalho 3: Agenda de Tarefas INF 1620 Estruturas de Dados Semestre 08.2 Trabalho 3: Agenda de Tarefas O objetivo deste trabalho é a implementação de um conjunto de funções para a manipulação de uma agenda de tarefas diárias, de forma

Leia mais

Tipos Abstractos de Dados (TADs) e Java

Tipos Abstractos de Dados (TADs) e Java Tipos Abstractos de Dados (TADs) e Java Neste capítulo apresentamos a metodologia de desenvolvimento dos TADs em Java, introduzimos o conceito de estrutura linear e sua implementação utilizando a estrutura

Leia mais

INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Nome:

INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Nome: INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Considere um arquivo texto que descreve um conjunto de retângulos e círculos. Cada linha do arquivo contém a descrição de uma figura. O primeiro caractere da linha indica

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados

Tipos Abstratos de Dados Tipos Abstratos de Dados Prof. Rui Jorge Tramontin Jr. UDESC - Rui J. Tramontin Jr. 1 Índice Introdução Definição de Tipos Abstratos de Dados Exemplos de TADs Implementação de TADs Implementação em C Exemplo

Leia mais

Introdução à Programação C

Introdução à Programação C Introdução à Programação C Fabio Mascarenhas - 2014.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/introc Vetores de ponteiros Podemos também ter vetores de qualquer tipo, inclusive ponteiros A sintaxe é a mesma para

Leia mais

10. Listas Encadeadas

10. Listas Encadeadas 10. Listas Encadeadas W. Celes e J. L. Rangel Para representarmos um grupo de dados, já vimos que podemos usar um vetor em C. O vetor é a forma mais primitiva de representar diversos elementos agrupados.

Leia mais

Filas Exemplo de Aplicação

Filas Exemplo de Aplicação Filas Exemplo de Aplicação Uma aplicação interessante para filas é a ordenação por distribuição, descrita a seguir. Seja uma lista l composta de n chaves, cada qual representada por um inteiro numa base

Leia mais

INF1007: Programação 2 9 Tipos Abstratos de Dados. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 9 Tipos Abstratos de Dados. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 9 Tipos Abstratos de Dados (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Módulos e compilação em separado Tipo abstrato de dados Exemplo 1: TAD Ponto Exemplo 2: TAD Círculo Exemplo 3:

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 03: Tipos Abstratos de Dados (TADs) Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

1.Quais serão os valores de x, y e p ao final do trecho de código abaixo? int x, y, *p;y = 0; p = &y; x = *p; x = 4; (*p)++; --x; (*p) += x;

1.Quais serão os valores de x, y e p ao final do trecho de código abaixo? int x, y, *p;y = 0; p = &y; x = *p; x = 4; (*p)++; --x; (*p) += x; PONTEIROS 1.Quais serão os valores de x, y e p ao final do trecho de código abaixo? int x, y, *p;y = 0; p = &y; x = *p; x = 4; (*p)++; --x; (*p) += x; 2.Os programas (trechos de código) abaixo possuem

Leia mais

struct LISTA item quant

struct LISTA item quant UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU ESTRUTURA DE DADOS - PROF. H. Senger IMPLEMENTAÇÃO DE LISTAS COM VETORES A implementação de listas utilizando vetores é simples. Existe apenas uma pequena questão, com relação

Leia mais

Métodos Computacionais. Fila

Métodos Computacionais. Fila Métodos Computacionais Fila Definição de Fila Fila é uma estrutura de dados dinâmica onde: Inserção de elementos se dá no final e a remoção no início O primeiro elemento que entra é o primeiro que sai

Leia mais

Programação Imperativa. Lição n.º 16 A pilha de execução

Programação Imperativa. Lição n.º 16 A pilha de execução Programação Imperativa Lição n.º 16 A pilha de execução A pilha de execução Registos de execução. Arrays locais. Caso da alocação dinâmica. Segmento de dados. 11/17/16 Programação Imperativa 2 A pilha

Leia mais

Árvore Binária Exemplo de Implementação

Árvore Binária Exemplo de Implementação Estrutura de Dados Árvore Binária Exemplo de Implementação Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Lista Encadeada - Exemplo Exemplo de código para a implementação de uma árvore binária encadeada

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas, Listas

Estruturas de Dados Pilhas, Filas, Listas PMR2300 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Introdução Estruturas de dados são objetos que armazenam dados de forma eficiente, oferecendo certos serviços para o usuário (ordenação eficiente

Leia mais

Curso de C. Memória Dinâmica 17/05/2010 16:33 1

Curso de C. Memória Dinâmica 17/05/2010 16:33 1 Curso de C Memória Dinâmica 17/05/2010 16:33 1 Memória Dinâmica Curso C - IC/UNICAMP Roteiro: Memória dinâmica Vetores dinâmicos Listas ligadas 17/05/2010 16:33 @Arnaldo V. Moura, Daniel F. Ferber 2 Conceitos:

Leia mais

5 Arrays. 5.1 Criando um array. 5.2 Inicializando arrays. c:\>java Array Janeiro tem 31 dias.

5 Arrays. 5.1 Criando um array. 5.2 Inicializando arrays. c:\>java Array Janeiro tem 31 dias. 5 Arrays Arrays são grupos de variáveis do mesmo tipo. As arrays podem armazenar variáveis de qualquer tipo (tipo de dado primitivo ou objetos), mas é importante lembrar que todos os valores devem ser

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados

Tipos Abstratos de Dados Tipos Abstratos de Dados Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 03 Algoritmos e Estruturas de Dados I Qual a diferença entre um algoritmo e um programa? Algoritmos e Estruturas de Dados

Leia mais

Programação Estruturada I

Programação Estruturada I Programação Estruturada I Introdução a Linguagem C Prof. Thiago Caproni Tavares 1 Prof. Mateus dos Santos 2 1 thiago.tavares@ifsuldeminas.edu.br 2 mateus.santos@ifsuldeminas.edu.br Última Atualização:

Leia mais

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES ALGORITMOS DE BUSCA EM LISTAS COM ALOCAÇÃO SEQÜENCIAL Busca em Listas Lineares A operação de busca é

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

//Declaração do TAD pilha. // As operações definidas para esse tipo são criar() push() pop() destroi() // typedef struct pilha TPilha;

//Declaração do TAD pilha. // As operações definidas para esse tipo são criar() push() pop() destroi() // typedef struct pilha TPilha; Declaração do TAD pilha. As operações definidas para esse tipo são criar() push() pop() destroi() typedef struct pilha TPilha; cria a pilha e retorna o ponteiro para o tipo Pilha TPilha* criar(void); Empilha

Leia mais

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Introdução a Programação Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a relação entre ponteiros e strings Ponteiros para strings X Vetores de Caracteres Vetores de ponteiros

Leia mais

16/11/2015 Lista Tipo de dado Lista - Implementação Lista - Implementação Lista - Implementação 3

16/11/2015 Lista Tipo de dado Lista - Implementação Lista - Implementação Lista - Implementação 3 Listas, pilhas e filas Profa. Vânia de Oliveira Neves Slides baseados no material da Profa. Graça Nunes Listas Lista Lista Uma Lista Linear é uma coleção ordenada de componentes de um mesmo tipo. Ela é

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I

Algoritmos e Estruturas de Dados I Algoritmos e Estruturas de Dados I Prof. Daniel M. Martin (daniel.martin@ufabc.edu.br) Aula 8 Aplicação de Fila Calcular a distância entre pessoas no Facebook Aplicação de Fila Calcular a distância entre

Leia mais

Computação L2. Linguagem C++ Observação: Material Baseado na Disciplina Computação Eletrônica.

Computação L2. Linguagem C++ Observação: Material Baseado na Disciplina Computação Eletrônica. Computação L2 Linguagem C++ ovsj@cin.ufpe.br Observação: Material Baseado na Disciplina Computação Eletrônica. Alfabeto São os símbolos ( caracteres ) permitidos na linguagem: Letras (maiúsculas e minúsculas);

Leia mais

/*(Atenção: Em se tratando de uma lista estaticamente alocada, temos utilizado a estratégia de passa o tamanho máximo do vetor.)*/

/*(Atenção: Em se tratando de uma lista estaticamente alocada, temos utilizado a estratégia de passa o tamanho máximo do vetor.)*/ ========================TDA.H #include "info.h" #define TRUE 1 #define FALSE 0 #define INI_LISTA 1 #define OK 1; #define NOK -1; typedef struct nolista{ info dados; struct nolista *prox; struct nolista

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador Programas operam sobre dados Dados são relacionados e possuem estrutura Como representar e manipular dados em um computador Para representar um baralho precisamos: Representar cartas: naipe e valor struct

Leia mais

Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas. Amarrações

Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas. Amarrações Linguagens de Programação Conceitos e Técnicas Amarrações Conceituação Amarração (ou binding) é uma associação entre entidades de programação, tais como entre uma variável e seu valor ou entre um identificador

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores ! Variáveis, Tipos de Dados e Operadores Engenharias Informática Aplicada 2.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) VARIÁVEL VARIÁVEL É um local lógico, ligado a um endereço físico da memória

Leia mais

Técnicas de Programação:

Técnicas de Programação: Técnicas de Programação: Programação Orientada a Objeto PROF. PROTÁSIO DEE-UFPB Classes e Objetos Classe É uma estrutura de dados que pode conter: Objeto Dados, e Funções. É uma instância de uma classe.

Leia mais

Estruturas (Registros)

Estruturas (Registros) Estruturas (Registros) Agrupa conjunto de tipos de dados distintos sob um único nome string string inteiro inteiro inteiro float float Cadastro Pessoal Nome Endereço Telefone Idade Data de Nascimento Peso

Leia mais

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 14 Árvores Binárias Edirlei Soares de Lima Árvores Uma estrutura de dados do tipo árvore permite que dados sejam organizados de maneira hierárquica.

Leia mais

EAD Árvore árvore binária

EAD Árvore árvore binária EAD Árvore árvore binária - Uma árvore binária é um conjunto finito de elementos (nodos) que pode ser vazio ou particionado em três subconjuntos: - raiz da árvore (elemento inicial, que é único); - subárvore

Leia mais

Alocação dinâmica de memória

Alocação dinâmica de memória Alocação dinâmica de memória Jander Moreira 1 Primeiras palavras Na solução de problemas por meio algoritmos ou programas, é comum surgir a necessidade de manter todo o conjunto de dados a ser processado

Leia mais

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 1. Um número racional é expresso por dois inteiros: um numerador e um denominador (este último diferente de zero!). Implemente um TAD para representar números

Leia mais

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipo de dados, tipo abstrato de dados, estruturas de dados Termos parecidos, mas com significados diferentes Tipo de dado Em linguagens de programação

Leia mais

Funções recursivas. O exemplo mais comum: int fat(int n){ if(n == 0) return 1; return n*fat(n-1); }

Funções recursivas. O exemplo mais comum: int fat(int n){ if(n == 0) return 1; return n*fat(n-1); } Funções Recursivas Funções recursivas O exemplo mais comum: int fat(int n){ if(n == 0) return 1; return n*fat(n-1); Versão sem recursão: int fat(int n){ int i = 0; int f = 1; for(i=1; i

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 06 Tipos Estruturados Edirlei Soares de Lima Dados Compostos Até agora somente utilizamos tipos de dados simples: char, int, float, double. Muitas vezes

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 7 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais

Módulo 18 - Tabelas de Dispersão

Módulo 18 - Tabelas de Dispersão Estruturas de Dados Módulo 18 - Tabelas de Dispersão 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Exercícios Adicionais P3 e P4 de 2001 a 2003: http://www.inf.puc-rio.br/~inf1620/p&l/links.html 2/6/2005

Leia mais

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Representação em C Ordens de percurso em árvores binárias Altura de uma árvore

Leia mais

Para entender o conceito de objetos em programação devemos fazer uma analogia com o mundo real:

Para entender o conceito de objetos em programação devemos fazer uma analogia com o mundo real: Introdução a Orientação a Objetos com Java Autor: Professor Victor Augusto Zago Menegusso. Orientação a Objetos É um paradigma de programação que define a estrutura de um programa baseado nos conceitos

Leia mais

Métodos Computacionais. Árvores

Métodos Computacionais. Árvores Métodos Computacionais Árvores Árvores Vetores e Listas são ótimos para representar estrutura de dados lineares, mas não para modelar dados hierárquicos Exemplos de dados hierárquicos: sistema de arquivos

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton nilton@comp.uems.br Introdução A linguagem C foi inventada por Dennis Ritchie e

Leia mais

Fundamentos de Programação

Fundamentos de Programação Fundamentos de Programação CP41F Aula 38 Prof. Daniel Cavalcanti Jeronymo Declaração de tipos (typedef). Tipos enumerados (enum). Registros (struct). Uniões (union). Universidade Tecnológica Federal do

Leia mais

Árvores Binárias - continuação

Árvores Binárias - continuação Tópicos Avançados em Estrutura de Dados 6º Período Ciência da Computação Uma Aplicação de Árvores Binárias Árvores Binárias - continuação As árvore binárias são estruturas importantes toda vez que uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA Responda 1) Quem desenvolveu a linguagem C? Quando? 2) Existe alguma norma sobre a sintaxe da linguagem C? 3) Quais são os tipos básicos de dados disponíveis na linguagem C? 4) Quais são as principais

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

JAVA. José de Siqueira UFMG - ICEx - DCC

JAVA. José de Siqueira UFMG - ICEx - DCC ESTRUTURAS DE DADOS JAVA BÁSICAS EM José de Siqueira UFMG - ICEx - DCC 1 o semestre de 2005 O Tipo Abstrato de Dados Pilha O TAD pilha tem quase as mesmas operações apresentadas anteriormente: 1. empilha(o):

Leia mais

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo Sistemas de s Introdução O armazenamento e a recuperação de informações

Leia mais

Pilha. SCC-202 Algoritmos e Estruturas de Dados I. Lucas Antiqueira

Pilha. SCC-202 Algoritmos e Estruturas de Dados I. Lucas Antiqueira Pilha SCC-202 Algoritmos e Estruturas de Dados I Lucas Antiqueira Pilha O que é? Para que serve? 2 Problema: chamada de sub-rotinas Rotina A 1 print A 2 call C 3 call B 4 call D 5 return Rotina B 1 call

Leia mais

Transformação de Chave - Hashing

Transformação de Chave - Hashing UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Transformação de Chave (Hashing) e Gomes da Costa yandre@din.uem.br 1 Transformações de Chave, ou Tabela Hash, ou Tabelas de Dispersão; Hashing

Leia mais

Números positivos ordenados

Números positivos ordenados Sumário Armazenamento de dados Vectores Vectores dinâmicos Listas Tipos de dados dinâmicos Declaração Uso Exemplos Armazenamento de dados Tamanho conhecido antes compilação Vectores BI vect[200] Tamanho

Leia mais

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial Índice i Índice Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial 1. A Estrutura Abstrata de Dados Lista... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Implementação de Listas utilizando armazenamento

Leia mais

Sumário. Armazenamento de dados. Tipos de dados dinâmicos. Exemplos. Vectores Vectores dinâmicos Dados dinamicos. Declaração Uso 10-1

Sumário. Armazenamento de dados. Tipos de dados dinâmicos. Exemplos. Vectores Vectores dinâmicos Dados dinamicos. Declaração Uso 10-1 Sumário Armazenamento de dados Vectores Vectores dinâmicos Dados dinamicos Tipos de dados dinâmicos Declaração Uso Exemplos 10-1 Armazenamento de dados Tamanho conhecido antes compilação Vectores BI vect[200]

Leia mais

Arrays. Declaração e criação de arrays

Arrays. Declaração e criação de arrays Arrays Os arrays são estruturas de dados que consistem em itens de dados relacionados do mesmo tipo. São entidades estáticas no sentido de que, uma vez criadas, mantém o mesmo tamanho, embora uma referência

Leia mais

Dados armazenados em um objeto podem ser tanto primitivos, tais como inteiros ou caracteres, ou referências para outros objetos.

Dados armazenados em um objeto podem ser tanto primitivos, tais como inteiros ou caracteres, ou referências para outros objetos. 2. Classes e Objetos Uma classe é um modelo que define os atributos e métodos comuns a um conjunto de objetos de forma encapsulada. Atributos são informações ou dados que descrevem, categorizam ou quantificam

Leia mais

Índice. Capítulo 3 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento não sequencial

Índice. Capítulo 3 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento não sequencial Índice i Índice Capítulo 3 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento não sequencial 1. Listas ligadas armazenamento não sequencial... 1 1.1. Nodos e ligações... 1 1.2. Início duma lista... 2 1.3.

Leia mais

C++ - Funções Virtuais (Polimorfismo) Base. Deriv0 Deriv1 Deriv2. print( ) print( ) print( ) dv0 dv1 dv2. p[0] = &dv0; p[1] = &dv1; p[2] = &dv2;

C++ - Funções Virtuais (Polimorfismo) Base. Deriv0 Deriv1 Deriv2. print( ) print( ) print( ) dv0 dv1 dv2. p[0] = &dv0; p[1] = &dv1; p[2] = &dv2; C++ - Funções Virtuais (Polimorfismo) Polimorfismo : (assumir várias formas) Em C++ indica a habilidade de uma única instrução chamar diferentes funções e portanto assumir formas diferentes. Veja isto

Leia mais

Árvores. ! utilizada em muitas aplicações. ! modela uma hierarquia entre elementos. ! O conceito de árvores está diretamente ligado à recursão

Árvores. ! utilizada em muitas aplicações. ! modela uma hierarquia entre elementos. ! O conceito de árvores está diretamente ligado à recursão Árvores 1 Árvores! utilizada em muitas aplicações! modela uma hierarquia entre elementos! árvore genealógica! diagrama hierárquico de uma organização! modelagem de algoritmos! O conceito de árvores está

Leia mais

Algoritmos e Programação II. Coleções. Coleções. Baseado no material do Prof. Julio

Algoritmos e Programação II. Coleções. Coleções. Baseado no material do Prof. Julio Algoritmos e Programação II Baseado no material do Prof. Julio Coleções Java disponibiliza classes que facilitam o agrupamento e processamento de objetos em conjuntos: Coleções (Java Collections Framework).

Leia mais

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO Tópicos Estrutura Básica B de Programas C e C++ Tipos de Dados Variáveis Strings Entrada e Saída de Dados no C e C++ INTRODUÇÃO O C++ aceita

Leia mais

Fundamentos de Algoritmos (5175/31)

Fundamentos de Algoritmos (5175/31) UEM/CTC Departamento de Informática Curso: Ciência da Computação Professor: Flávio Rogério Uber Fundamentos de Algoritmos (5175/31) Material Original: Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa (UEM/DIN)

Leia mais

Computação I (MAB120) DCC/UFRJ

Computação I (MAB120) DCC/UFRJ Computação I (MAB120) DCC/UFRJ Aula 12: vetores 13 de maio de 2016 Objetivos dessa aula Apresentar o conceito de Tipos Compostos Homogêneos Apresentar o conceito de vetores Apresentar as operações básicas

Leia mais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Organização de um Processo em Memória Quando um processo é criado, o SO aloca uma porção da memória física da máquina para a criação do espaço

Leia mais

Linguagens de Programação. Tipos. Carlos Bazilio

Linguagens de Programação. Tipos. Carlos Bazilio Linguagens de Programação Tipos Carlos Bazilio bazilio@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bazilio/cursos/lp Definições Tipos de dados primitivos: tipos de dados que não são definidos em termos de outros tipos

Leia mais

PROVA P2 INF1007-31/10/2014 Programação II

PROVA P2 INF1007-31/10/2014 Programação II ALUNO: MATRÍCULA: (Nome Completo em Letra de Imprensa) ASSINATURA: TURMA: Instruções Gerais: 1. A duração da prova é de 1:50h; 2. A tolerância de entrada é de 30 min após o início da prova. Se um aluno

Leia mais

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 Índice i Índice Capítulo 4 Estrutura de Dados não sequencial com armazenamento não sequencial ( Árvore ) 1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 2. Árvores binárias... 2

Leia mais

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

Vetores Unimensionais

Vetores Unimensionais Vetores Unimensionais Objetivos Entender a importância e a necessidade do uso de Vetores Definição de Manipulação de Vetores Inserir elementos em um vetor (usando laços ou não) Imprimir elementos de um

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Introdução à Programação. Programação Imperativa (Registros X Classes e Métodos Nativos )

Introdução à Programação. Programação Imperativa (Registros X Classes e Métodos Nativos ) Introdução à Programação Programação Imperativa (Registros X Classes e Métodos Nativos ) Tópicos da Aula Hoje aprenderemos como podemos modelar algo parecido com classes em linguagens imperativas Tipos

Leia mais

http://www.dcc.ufmg.br/algoritmos/transparenc ias.php

http://www.dcc.ufmg.br/algoritmos/transparenc ias.php Estruturas Aula 8: 10/09/2008 Listas de Informação (parte 2) TAD /* FLVazia(Lista). Faz Lista a lista (1) /* Insere(x, Input: Output: Pré-condição: Pós-condição: L L ficar L édefinida vazia */ Pós-condição:

Leia mais