Prof. Adriano Maranhão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Adriano Maranhão"

Transcrição

1 Prof. Adriano Maranhão

2

3 Memória Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos residentes na memória principal, melhor será o compartilhamento do processador; Necessidade de uso otimizado; O S.O. não deve ocupar muita memória; É um dos fatores mais importantes em um projeto de S.O..

4 Gerenciamento de Memória Algumas funções do Gerenciador de memória: Controlar quais as unidades de memória estão ou não estão em uso, para que sejam alocadas quando necessário; Liberar as unidades de memória que foram desocupadas por um processo que finalizou; Tratar do Swapping entre memória principal e memória secundária. Transferência temporária de processos residentes na memória principal para memória secundária.

5 Gerenciamento de Memória Técnicas de Alocação de Memória: Alocação Contígua Simples; Alocação Particionada Estática; Alocação Particionada Estática Absoluta; Alocação Particionada Estática Relocável; Alocação Particionada Dinâmica.

6 Alocação Contígua Simples Alocação implementada nos primeiros sistemas e ainda usada nos monoprogramáveis; A Memória é dividida em duas áreas: Área do Sistema Operacional Área do Usuário Um usuário não pode usar uma área maior do que a disponível; Sem proteção: Um usuário pode acessar a área do Sistema Operacional.

7 Alocação Contígua Simples Registrador de proteção delimita as áreas do sistema operacional e do usuário; Sistema verifica acessos à memória em relação ao endereço do registrador; A forma de alocação era simples, mas não permitia utilização eficiente de processador e memória;

8 Alocação Contígua Simples Programas de usuário limitados pelo tamanho da memória principal disponível. Solução: Overlay Dividir o programa em módulos; Permitir execução independente de cada módulo, usando a mesma área de memória; Área de Overlay Área de memória comum onde módulos compartilham mesmo espaço. Memória principal Sistema Operacional Área do Módulo Principal Área de Overlay A B C

9 Alocação Particionada Multiprogramação. Necessidade do uso da memória por vários usuários simultaneamente. Ocupação mais eficiente do processador; A memória foi dividida em pedaços de tamanho fixo chamados partições; O tamanho de cada partição era estabelecido na inicialização do sistema; Para alteração do particionamento, era necessário uma nova inicialização com uma nova configuração.

10 Alocação Estática Decisão tomada quando o programa é compilado. Quando o programa é executado o Sistema operacional lê o mesmo e cria um processo, sendo o programa uma noção estática e o processo o programa em execução, ele é criado em armazenamento primário e após isso recebe um espaço na memória. O espaço de memória é dividido em varias partes, uma das partes se chama segmentos de memória, que armazena dados estáticos, e outro se chama segmento de código que guarda instruções do programa.

11 Alocação Particionada Estática Alocação Particionada Estática Absoluta: Compiladores gerando código absoluto; Endereços relativos ao início da memória; Programas exclusivos para partições específicas. Alocação Particionada Estática Relocável: Compiladores gerando código relocável; Endereços relativos ao início da partição; Programas podem rodar em qualquer partição.

12 Alocação Particionada Estática Proteção: Registradores com limites inferior e superior de memória acessível. Programas não ocupam totalmente o espaço das partições, gerando uma fragmentação interna. Reg Reg Memória principal Sistema Operacional Partição A Partição B Partição C

13 Alocação dinâmica Decisão é adiada até a execução. (Permite Swapping) Os objetos alocados dinamicamente podem ser criados e liberados a qualquer momento, em qualquer ordem, o que difere dos objetos locais das funções, que são criados e destruídos em uma ordem específica. Dado isto, é preciso organizar a memória para objetos dinâmicos de uma forma que possibilite o gerenciamento do tempo de vida dos objetos por parte do programador. A memória reservada para objetos dinâmica costuma ser chamada de heap, existem várias formas de organizar um heap.

14 Alocação Particionada Dinâmica Não existe o conceito de partição dinâmica. O espaço utilizado por um programa é a sua partição. Não ocorre fragmentação interna. Ao terminarem, os programas deixam espalhados espaços pequenos de memória, provocando a fragmentação externa. Memória principal Sistema Operacional Processo A Processo C Processo F Processo E

15 Alocação Particionada Dinâmica Soluções: Reunião dos espaços contíguos. Relocação Dinâmica: Movimentação dos programas pela memória principal. Resolve o problema da fragmentação. Consome recursos do sistema Processador, disco, etc. Memória principal Sistema Operacional Processo A Processo F Processo E

16 Gerência de Memória Mapeamento de bits: Cada bit representa uma unidade de alocação; Raramente é utilizado atualmente. É muito lenta. Mapeamento da Memória com listas ligadas: P: Processo B: Buraco Header P/B início tamanho P/B início tamanho

17 Gerência de Memória Mapeamento da Memória com listas ligadas: Best-Fit (melhor alocação): Espaço mais próximo do tamanho do processo; Tempo de busca grande; Provoca fragmentação. Worst-Fit (pior alocação): Cria o maior espaço possível; Tempo de busca grande; Não apresenta bons resultados. First-Fit (primeira alocação): Melhor performance. Next-Fit (proxima alocação): Performance inferior ao First-Fit.

18 Gerência de Memória Considerações sobre Mapeamento da Memória com listas ligadas : Todos melhoram em performance se existirem listas distintas para processos e espaços, embora o algoritmo fique mais complexo. Listas ordenadas por tamanho de espaço melhoram a performance.

19 Swapping Os processos ficavam na memória principal, mesmo se bloqueados pela espera de algum evento. Solução: Swapping. Técnica para resolver problema de processos que aguardam por espaço livre adequado; Processos não ficam mais na memória o tempo todo.

20 Swapping Um processo residente na memória é levado para o disco (Swapped-Out), dando lugar a outro; O processo Swapped-Out retorna à memória (Swapped-In), sem perceber o que ocorreu. Sistema Operacional Memória principal Sistema Operacional programa A programa B Swap Out Swap In programa A programa H programa E programa G B B programa E programa A programa B

21 Swapping Problema gerado pelo Swapping: Relocação de processos: O tempo gasto com relocação é alto; Um mesmo processo sendo Swapped-Out repetidas vezes gera um alto consumo de CPU.

22 Swapping Vantagens da técnica de Swapping: Permite maior compartilhamento da memória; Aumento no Throughput (quantidade de processos executados por unidade de tempo); Eficiente para sistemas com poucos usuários e pequenas aplicações; Problema: custo do Swapping (in/out).

23 Garbage Collector É o gerenciamento automático de memória, também conhecido como coletores, sendo conhecido em Portugal como reciclagem automática de memória. Este serviço libera os blocos de memória que não sejam mais usados por um programa automaticamente. É oposto ao gerenciamento de memória manual, a alocação explicita e a desalocação dos recursos de memória do computador.

24 As vantagens desse tipo de gerenciamento são: Liberdade do programador: Não é obrigado ficar atento aos detalhes da memória; Menos bugs de gerenciamento de memória: Por se tratar de uma técnica mais confiável; Gerenciamento automático: Mais eficiente que o manual;

25 E entre as desvantagens, podemos citar: O desenvolvedor tende a estar mais desatento em relação a detalhes de memória; O gerenciador automático ainda apresenta limitações.

Sistemas Operacionais Gerência de Memória

Sistemas Operacionais Gerência de Memória Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Computação, Licenciatura Sistemas Operacionais Gerência de Memória Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A memória

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Memória Introdução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Slides baseados nas apresentações dos prof. Tiago Ferreto e Alexandra Aguiar Conceitos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Slide 1 Memória Virtual os primeiros computadores (início dos anos 60) tinham memória principal muito reduzida O PDP-1 funcionava com uma memória de 4096 palavras

Leia mais

Gerência de Memória. Alocação

Gerência de Memória. Alocação Gerência de Memória Alocação Introdução Atribuição de Endereços, Carregamento Dinâmico, Ligação Dinâmica Espaço de Endereçamento Físico versus Lógico Alocação Contígua Simples Overlay Alocação Particionada

Leia mais

Gerenciamento de Memória

Gerenciamento de Memória Gerenciamento de Memória Conceitos básicos Swapping Alocação contígua Paginação Segmentação Segmentação com paginação Atribuição de endereços (ligação) de código e dados na memória A atribuição de endereços

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 12: Gerência de Memória. Ezequiel R. Zorzal

Sistemas Operacionais Aula 12: Gerência de Memória. Ezequiel R. Zorzal Sistemas Operacionais Aula 12: Gerência de Memória Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.realidadeaumentada.com.br Objetivos Fornecer uma descrição de várias maneiras de organizar o hardware de memória.

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Memória. Thiago Leite

Sistemas Operacionais Gerência de Memória. Thiago Leite Sistemas Operacionais Gerência de Memória Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br 1 Hierarquia de memórias Memórias pequenas e rápidas Memórias grandes e lentas 2 Como é o acesso a cada uma delas? Sistema

Leia mais

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos

Capítulo 11 Sistemas de Arquivos Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo Sistemas de s Introdução O armazenamento e a recuperação de informações

Leia mais

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1:

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1: ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares Campus: Data: / / Nome: RA: Turma: Questão 1: Silberschatz, Galvin e Gagne (c) 2007 Os alunos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 13 Gerência de Memória Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso Sumário

Leia mais

AULA 14 - Memória Virtual

AULA 14 - Memória Virtual AULA 14 - Memória Virtual A idéia básica da memória virtual é permitir que programas muito maiores que a memória disponível possam ser executados. Para isso, em 1961 Fotheringham criou o método conhecido

Leia mais

Gerência de memória III

Gerência de memória III Gerência de memória III Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Maio, 2016 1 / 45 Sumário 1 Memória Virtual Segmentação Paginação 2 Alocação de páginas

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 02

LISTA DE EXERCÍCIOS 02 FACULDADE: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS CARGA HORÁRIA: 75 H. A. ANO/SEMESTRE: 2016/01 PROFESSOR: EDUARDO FERREIRA DOS SANTOS HORÁRIOS:

Leia mais

Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional

Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional - Sistema Operacional: Programa que, do ponto de vista do programador, adiciona uma grande quantidade de instruções e funcionalidades bem além das disponibilizadas

Leia mais

Curso: Redes de Computadores

Curso: Redes de Computadores Curso: Redes de Computadores Cadeira de Introdução a Sistemas Operacionais. Bibliografia Sistemas Operacionais Modernos Andew S. Tanembaum Sistema Operacionais Abraham Silberchatz, Peter Galvin e Greg

Leia mais

Gerência de Memória Hermes Senger, Hélio Crestana Guardia

Gerência de Memória Hermes Senger, Hélio Crestana Guardia Gerência de Memória Hermes Senger, Hélio Crestana Guardia Para que os processos sejam executados, é preciso que tanto seus códigos (suas sequências de instruções) quanto os dados que eles manipulam sejam

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais ANHANGUERA Sistemas Operacionais Prof. Esp. Rafael Gross Processos Sumário Introdução Conceito de processo Estrutura do processo Estados do processo Mudanças de estado do processo Criação e eliminação

Leia mais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Organização de um Processo em Memória Quando um processo é criado, o SO aloca uma porção da memória física da máquina para a criação do espaço

Leia mais

Gerência de Memória. Segmentação

Gerência de Memória. Segmentação Gerência de Memória Segmentação Qual a visão que o usuário tem da memória? Com a paginação ocorre a separação entre a visão da memória pelo usuário e a memória física 2 Sistemas Operacionais Memória Segmentada

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Gerência de Memória Virtual (Alocação de Memória Não-Contígua) Apostila 08 UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Gerência de Memória Virtual (Alocação de Memória Não-Contígua) Apostila 08 UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS (Alocação de Memória Não-Contígua) Apostila 08 UNIBAN 3.0 - GERÊNCIA DE MEMÓRIA VIRTUAL As técnicas vistas evoluíram no sentido de maximizar o número de processos residentes na memória

Leia mais

Memória virtual. Sistemas Segmentados

Memória virtual. Sistemas Segmentados Memória virtual Sistema de memória virtual - aquele onde os endereços usados pelos programas podem ser distintos dos endereços físicos da memória central Os endereços que os programas usam são endereços

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I. Introdução

PROGRAMAÇÃO I. Introdução PROGRAMAÇÃO I Introdução Introdução 2 Princípios da Solução de Problemas Problema 1 Fase de Resolução do Problema Solução na forma de Algoritmo Solução como um programa de computador 2 Fase de Implementação

Leia mais

Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado

Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado Arquitetura de computador Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado Arquitetura de Von Neuman A arquitetura de computador proposta por Von Neumann é composta basicamente por: Computadores

Leia mais

Processos. Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa. Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos,

Processos. Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa. Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, Processos Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Objetivos da aula Introduzir a noção de processo um programa em execução que é a base de toda a computação Descrever as várias

Leia mais

Informática Sistemas Operacionais Aula 5. Cleverton Hentz

Informática Sistemas Operacionais Aula 5. Cleverton Hentz Informática Sistemas Operacionais Aula 5 Cleverton Hentz Sumário Introdução Fundamentos sobre Sistemas Operacionais Gerenciamento de Recursos Interface Com Usuário Principais Sistemas Operacionais 2 Introdução

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta CST em Redes de Computadores Introdução Computadores Computadores são compostos, basicamente, de CPU, memória e dispositivos de entrada e saída

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

Administração de Redes em Software Livre Aula 02 Instalando o GNU/Linux (CENTOS Minimal)

Administração de Redes em Software Livre Aula 02 Instalando o GNU/Linux (CENTOS Minimal) Administração de Redes em Software Livre Aula 02 Instalando o GNU/Linux (CENTOS Minimal) Professor: O que precisamos saber antes de iniciar a instalação? 1. Entender a estrutura de diretório do GNU/LINUX;

Leia mais

Programação de Sistemas em Tempo Real

Programação de Sistemas em Tempo Real BCC722 Programação de Sistemas em Tempo Real Processos Prof. Charles Garrocho O conceito de processo Um S.O. executa uma variedade de programas Sistemas de tempo compartilhado: programas Processo: um programa

Leia mais

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF Exercícios Cap I 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) 1.5 1.7, 1.8 e 1.12 Sistemas Operacionais Visão geral e evolução dos SOs Sistema Operacional? Um programa que controla a execução dos programas

Leia mais

Exercícios de revisão V2

Exercícios de revisão V2 Exercícios de revisão V2 1 Uma empresa que possui partições FAT em seus servidores, estava impressionada com um processo em específico na memória, onde o mesmo ocupava um espaço grande. Este servidor dedicado

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais REVISÃO Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMA OPERACIONAL Definição (MACHADO/MAIA, 2007) Conjunto de rotinas executadas pelo processador Controlar o funcionamento

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2)

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2) Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Sistemas Operacionais (SOP A2) Visão Geral Referências: Sistemas Operacionais Modernos. Andrew S. Tanenbaum. Editora Pearson. 3ª ed. 2010. Seção: 1.1

Leia mais

Gerenciamento de Memória

Gerenciamento de Memória Gerenciamento de Memória Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos Introdução Alocação Contígua

Leia mais

INE5412 Sistemas Operacionais I

INE5412 Sistemas Operacionais I INE5412 Sistemas Operacionais I L. F. Friedrich Capítulo 3 Memoria Virtual Projeto/Implementação Sistemas operacionais modernos Terceira edição ANDREW S. TANENBAUM L. F. Friedrich Capítulo 3 Gerenciamento

Leia mais

MEMÓRIA DE COMPUTADOR

MEMÓRIA DE COMPUTADOR MEMÓRIA DE COMPUTADOR O que é memória de computador? Na informática, memória representa todos os dispositivos que podem armazenar informações, temporária ou permanentemente. Ou seja, são os componentes

Leia mais

Prof. Kleber R. Rovai

Prof. Kleber R. Rovai Msn: klrovai@hotmail.com E-mail: Skype: klrovai 2 1 Programa: sequência de instruções com diferentes fluxos de execução comandos condicionais e interativos (entidade passiva); Processo: um programa em

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP. Memórias de Dados e de Programa

Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP. Memórias de Dados e de Programa 4. Memórias de Dados e de Programa Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP 4.1 Memórias Semicondutoras Algumas definições Célula: Dispositivo de armazenamento de 1 bit. Palavra:

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores Questões 1. Um microprocessador realiza uma sondagem periódica (polling) junto a um módulo de E/S a cada 0,5 ms. Cada sondagem em si gasta 500 ciclos.

Leia mais

EA075 Memória virtual

EA075 Memória virtual EA075 Memória virtual Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Motivação Problema: programas cujos tamanhos ultrapassavam

Leia mais

AULA: Introdução à Informática I

AULA: Introdução à Informática I Campus Muriaé Professor: Luciano Gonçalves Moreir Disciplina: Informática Aplicada I AULA: Introdução à Informática I O que é Informática? Pode dizer-se que informática é ciência que estuda o processamento

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES. Nível do Sistema Operacional. Prof.: Agostinho S. Riofrio

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES. Nível do Sistema Operacional. Prof.: Agostinho S. Riofrio PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Nível do Sistema Operacional Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Memória Virtual 3. Paginação 4. Segmentação 5. Instruçoes virtuais de E/S 6. Processamento

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores Organização e Arquitetura de computadores Revisão: hierarquia de memória Utilização do conceito da localidade para apresentar ao usuário toda a quantidade de memória disponível no sistema processador 4-8

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Introdução 2 a edição Revisão: Fev/2003 Sistemas Operacionais Introdução Capítulo 1 O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas Sistema

Leia mais

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Explicitar aos alunos os modelos de entrada e saída em um computador e quais barramentos se aplicam a cada componente: memória,

Leia mais

speedup aprimorado aprimorado Fração aprimorada speedup aprimorado Fração aprimorada speedup aprimorado Tempo original Fração aprimorada aprimorado

speedup aprimorado aprimorado Fração aprimorada speedup aprimorado Fração aprimorada speedup aprimorado Tempo original Fração aprimorada aprimorado Multiprocessadores - A evolução tecnológica dos processadores iria diminuir drasticamente. 2- O caminho para o aumento de desempenho é de unir mais de um processador para realizar a mesma tarefa em menos

Leia mais

Programação Concorrente. 2º Semestre 2010

Programação Concorrente. 2º Semestre 2010 Programação Concorrente 2º Semestre 2 Tópicos de Hoje Assunto: Deadlocks Livro Texto Capítulo 4; Conceitos Iniciais; Tipos de Recursos; Condições necessárias para ocorrência de deadlock; Um sistemas livre

Leia mais

Função Fundamental do SO

Função Fundamental do SO Função Fundamental do SO Gestão do Hardware Uma das funções fundamentais do sistema operativo é gerir os recursos do hardware de um modo o mais transparente possível ao utilizador Recursos principais a

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerenciamento de Memória Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Paula Prata e nas transparências

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais ESCALONAMENTO DE PROCESSOS Processos e Recursos Conceito de Escalonamento O S.O. gerencia recursos computacionais em benefício dos diversos processos que executam no sistema. A questão

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Gestão de memória : registos e alocação Programação de Sistemas Registos e Alocação : 1/11 Introdução (1) A gestão de memória aborda as melhores estratégias para atribuir ( allocate

Leia mais

16/8/2010. A arquitetura de um sistema computacional representa o modelo da organização e funcionamento de um sistema de processamento

16/8/2010. A arquitetura de um sistema computacional representa o modelo da organização e funcionamento de um sistema de processamento Arquitetura de es Organização de um Sistema Computacional Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Introdução A arquitetura de um sistema computacional representa o modelo da organização

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional (SO) deve ser capaz de enviar comando

Leia mais

Memória virtual. Sistemas de Computação

Memória virtual. Sistemas de Computação Memória virtual Fundamentos Memória virtual separação da memória lógica do usuário da memória física somente uma parte do programa precisa estar na memória para execução espaço de endereçamento lógico

Leia mais

11/8/2010. Tópicos. Organização e Indexação de Dados em Memória Secundária

11/8/2010. Tópicos. Organização e Indexação de Dados em Memória Secundária /8/00 Tópicos Organização e Indexação de Dados em Memória Secundária Disciplina Bancos de Dados II Prof Renato Fileto INE/CTC/UF Bancos de dados e acesso a memória secundária Noções de organização de dados

Leia mais

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos)

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Sistema Computacional Peopleware (usuário) Software (programas) Hardware (máquina) Hardware Corresponde à parte material, aos componentes

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 02: Alocação Dinâmica de Memória Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Conceitos e Gerenciamento de Memória

Conceitos e Gerenciamento de Memória Conceitos e Gerenciamento de Memória Introdução Num sistema computacional, temos diferentes tipos de memórias, para diferentes finalidades, que se interligam de forma estruturada e que formam o subsistema

Leia mais

Hierarquia de Memória

Hierarquia de Memória No projeto de um sistema digital, deve-se ter em mente que hardware menor geralmente é mais rápido do que hardware maior. A propagação do sinal é uma das principais causas de atrasos. No caso da memória,

Leia mais

Memória Virtual. Prof. M.Sc. Bruno R. Silva CEFET-MG Campus VII

Memória Virtual. Prof. M.Sc. Bruno R. Silva CEFET-MG Campus VII Prof. M.Sc. Bruno R. Silva CEFET-MG Campus VII Permitir o compartilhamento seguro e eficiente da memória entre vários programas Remover os transtornos de programação de uma quatidade pequena e limitada

Leia mais

Gerência do Processador. Adão de Melo Neto

Gerência do Processador. Adão de Melo Neto Gerência do Processador Adão de Melo Neto 1 Introdução Sistemas Multiprogramáveis: Múltiplos processos podem permanecer na memória principal compartilhando o uso da CPU. POLÍTICA DE ESCALONAMENTO Como

Leia mais

Gestão de memória - Memory Management Unit (MMU)

Gestão de memória - Memory Management Unit (MMU) Gestão de memória - Memory Management Unit (MMU) A distinção entre espaço de edereçamento virtual e espaço de endereçamento físico é fundamental na eficiente gestão do recurso memória física (RAM) por

Leia mais

Introdução à Informática. Alexandre Meslin

Introdução à Informática. Alexandre Meslin Introdução à Informática Alexandre Meslin (meslin@nce.ufrj.br) Objetivos Dispositivos de armazenamento Sistemas de arquivos Memória ROM Memória de apenas leitura Utilizada para armazenar programas e dados

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Linguagem de Montagem e Linguagem de Máquina Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Conceitos básicos Linguagem/código

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Gestão de Programas Introdução Os sistemas operativos gerem um conjunto de funções básicas que têm evoluído ao longo dos tempos.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Implementação são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados Descritor de arquivo

Leia mais

Notas da Aula 1 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 1 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Conceitos Básicos Notas da Aula 1 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Um Sistema Operacional pode ser visto sob dois pontos de vista diferentes. Por um lado, podese dizer que um SO é um software

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva

Organização e Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva Organização e Arquitetura de Computadores Hierarquia de Memória Ivan Saraiva Silva Hierarquia de Memória A Organização de Memória em um computador é feita de forma hierárquica Registradores, Cache Memória

Leia mais

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos Sistemas operacionais modernos criam vários processadores virtuais, cada um para executar um programa. Para monitorar

Leia mais

Modelo de Programação Paralela

Modelo de Programação Paralela Modelo de Programação Paralela As arquiteturas paralelas e distribuídas possuem muitos detalhes Como especificar uma solução paralela pensando em todos esses detalhes? O que queremos? Eecutar a solução

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Cristina Boeres página do curso: http://www.ic.uff.br/~boeres/so.html boeres@ic.uff.br Sistemas Operacionais O que é um SO?! um gerenciador de recursos?! uma interface?! máquina virtual?

Leia mais

Tipos de Sistemas Operacionais

Tipos de Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 TIPOS DE S.O. Monoprogramáveis / monotarefas; Multiprogramáveis / multitarefas: Batch; Tempo compartilhado; Tempo real; Sistemas

Leia mais

Notas da Aula 3 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 3 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 3 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Problemas de Segurança A multiprogramação traz uma série de benefícios, como a melhora do desempenho do sistema e a redução do tempo de resposta

Leia mais

Configurações de performance no SQL Server José Antônio da Cunha CEFET-RN

Configurações de performance no SQL Server José Antônio da Cunha CEFET-RN Configurações de performance no SQL Server 2005 José Antônio da Cunha CEFET-RN Para obter o máximo de performance, DBAs configuram o SQL Server para atender às suas necessidades de negócio e muitas vezes

Leia mais

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 20 e 21/30 Prof.

Leia mais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais Curso: Conceitos Iniciais Discussão inicial O que são Bancos de Dados? Quais os programas de Bancos de Dados mais conhecidos no mercado? Quais as vantagens do uso de Bancos de Dados nas empresas? Como

Leia mais

Banco de Dados Distribuído

Banco de Dados Distribuído Bancos de Dados III Bancos de Dados Distribuídos Introdução Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Banco de Dados Distribuído Vários bancos de dados fisicamente separados, mas logicamente relacionados

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Eleri Cardozo FEEC/Unicamp 1 Definição de Sistema Operacional Um sistema operacional é um gerenciador de recursos de hardware ou uma máquina virtual que oferece uma

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CONTINUAÇÃO CAPÍTULO 5. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CONTINUAÇÃO CAPÍTULO 5. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CONTINUAÇÃO CAPÍTULO 5 Cristina Boeres Mapeamento Associativo por Conjunto! Tenta resolver o problema de conflito de blocos na mesma linha (mapeamento

Leia mais

Programador/a de Informática

Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0770 Dispositivos e periféricos Sessão 4 SUMÁRIO Memórias Primárias RAM ROM Cache Comunicam diretamente com o processador; Armazenam pequenas quantidades de

Leia mais

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA 1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos e técnicas no tratamento automático da informação. Para

Leia mais

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior Estrutura dos Sistemas Operacionais Sérgio Portari Júnior - 2016 1 Sistema Operacional - Formas de acessar o KERNEL do SISTEMA OPERACIONAL (SO) - A linguagem de comandos faz parte do SO O Sistema Operacional

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Aula passada Arquitetura de SDs Estilo Arquitetônico Arquitetura de Sistemas Sistemas Autogerenciáveis Aula de hoje Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos

Leia mais

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos Conceito de Processo Módulo 4: Processos Um Sistema Operacional executa uma variedade de programas: Sistemas de processamento em lotes (batch) processa jobs Sistemas de tempo partilhado (time shared) roda

Leia mais

Memória Compartilhada e Distribuída. _ Notas de Aula _ Prof. Tiago Garcia de Senna Carneiro DECOM/UFOP

Memória Compartilhada e Distribuída. _ Notas de Aula _ Prof. Tiago Garcia de Senna Carneiro DECOM/UFOP Introdução Memória Compartilhada e Distribuída _ Notas de Aula _ Prof. Tiago Garcia de Senna Carneiro DECOM/UFOP Um sistema de memória compartilhada faz a memória física global de um sistema igualmente

Leia mais

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução Unidade 4 Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução 4.1) Converta os seguintes números decimais para hexadecimal: 145, 226, 1043, 3456 91h, E2h, 413h, D80h 4.2) Sem converter as bases, faça as

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados Tipos Abstratos de Dados Tipo Abstrato de Dados ou TAD Idéia principal: desvincular o tipo de dado (valores e operações) de sua implementação: O que o tipo faz e não como ele faz! Vantagens da desvinculação:

Leia mais

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 BC1518-Sistemas Operacionais Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Introdução Espaço de Endereçamento Lógico vs. Físico Estratégias

Leia mais

Compactação e Reuso de Espaço

Compactação e Reuso de Espaço Compactação e Reuso de Espaço Cristina D. A. Ciferri Thiago A. S. Pardo Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Moacir Ponti Jr. Manipulação de Dados Operações básicas adição de registros relativamente simples

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos:

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos: Informática A informática engloba toda atividade relacionada ao uso dos computadores, permitindo aprimorar e automatizar tarefas em qualquer área de atuação da sociedade. Informática é a "Ciência do tratamento

Leia mais

Capítulo 8: Gestão de Memória

Capítulo 8: Gestão de Memória Capítulo 8: Gestão de Memória SUMÁRIO: Conhecimentos de base Gestão de memória? Porquê? Amarração de instruções e dados à memória Endereços lógicos e físicos Locação contígua Paginação Segmentação Segmentação

Leia mais

Estrutura de indexação de arquivos

Estrutura de indexação de arquivos Estrutura de indexação de arquivos Neste capítulo assume-se que um arquivo já existe e possui alguma organização primária desordenada ordenada ou hash Utiliza-se índices, que são estruturas de acesso adicionais

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Aula 03 Prof. Msc Ubirajara Junior biraifba@gmail.com www.ucljunior.com.br Características do computador sistema eletrônico é rápido e

Leia mais

Na segunda aula vamos falar sobre o Processador, funcionamento e seus tipos.

Na segunda aula vamos falar sobre o Processador, funcionamento e seus tipos. AULA 2 Na segunda aula vamos falar sobre o Processador, funcionamento e seus tipos. 1. PROCESSADOR O Processador (CPU) é um chip normalmente que serve para realizar todas as tarefas feitas pelo computador..

Leia mais

a) Computador b) Estrutura do sistema i. Hardware ii.software c) Linguagens de Programação i. Paradigmas e Programação 1.

a) Computador b) Estrutura do sistema i. Hardware ii.software c) Linguagens de Programação i. Paradigmas e Programação 1. a) Computador b) Estrutura do sistema i. Hardware ii.software c) Linguagens de Programação i. Paradigmas e Programação 1. Estruturada 2. Orientada a eventos 3. Orientada a objetos d) Sistemas Operacionais

Leia mais