Eficiência territorial dos vários modos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eficiência territorial dos vários modos"

Transcrição

1 Exercício Resolvido 2 Eficiência territorial dos vários modos Numa via rodoviária urbana com três pistas por sentido circulam actualmente 4000 passageiros/hora por sentido no período de ponta da manhã (das 7 às 8h), entre os quais 75% correspondem a movimentos pendulares que percorrem uma distância média de 10km (considere que os restantes movimentos percorrem em média 3km), independentemente do modo de transporte. A largura de cada pista é de 3,25 metros. A capacidade máxima das vias é de 1200veículos/hora.pista. A velocidade na capacidade é de 25 km/h. A velocidade máxima de 50km/h atinge-se com um fluxo de 300 veículos/hora.pista. Considere que cada veículo ocupará (em média) 15,5m 2 quando está estacionado (70% do estacionamento na via pública -12,5m 2, e 30% fora da via pública 22,5m 2 ). Considere também que o tempo de estacionamento a ser considerado para os movimentos pendulares deve incluir todo o tempo (7horas) em que o carro está estacionado fora do período de ponta (e sem ser usado para outras deslocações). Para as restantes viagens, compara-se o tempo de estacionamento com o período de ponta considerado (2 horas). A taxa de ocupação dos veículos da hora de ponta corresponde a 1,5 passageiros/veículo. a) Qual é a eficiência territorial nesta via no período considerado para as fases móvel e imóvel de utilização do automóvel? b) O alargamento da rede de metro de superfície nesta zona da cidade inclui a construção de uma ligação que ocupa parte do corredor desta via, sendo necessário transformar uma das vias para a construção da respectiva infra-estrutura. A largura do Metro ocupa a mesma largura de pista que a rodovia. A capacidade de cada composição do metro é de 600 lugares. Prevê-se uma frequência de 10 composições/hora que circulam com uma velocidade comercial de 30km/h. Supõe-se que a procura em termos de pessoas transportadas se mantém constante e prevê-se uma transferência de 20% das viagens (todas relativas a movimentos pendulares) para o metro. Qual é a eficiência territorial deste corredor de transportes após a introdução do metro de superfície? Comente os resultados. c) Comente o nível de saturação das vias comparando o fluxo que circula nas vias e a sua capacidade máxima, em ambos os cenários. 1

2 Resposta Alínea a) Sequência de cálculos para o automóvel: 1. Estimar o fluxo por movimento (v/hora.pista): passageiros f = % Distr. Viagens por movimento TaxaOcupação nºpistas 2. A velocidade de circulação média nas 3 pistas é calculada por interpolação linear (nesta gama de velocidades): v = 50 + f Estimar as horas de deslocação por tipo de movimento (pendular e outros): 4. Estimar a ocupação longitudinal. t Desloca ção = dist. percorrida velocidade OcupLong m = 1000 d, d = f v 5. Estimar os recursos consumidos na fase móvel (espaço.tempo), para cada tipo de movimento (os recursos totais consumidos resultam do somatório dos dois tipos de movimentos considerados). m 2. min = fluxo largura pista ocupação longitudinal nºpista t desloca ção Estimar a deslocação por modo e tipo de movimento: pass. km = Tx Ocupação fluxo dist percorrida nºpistas 7. Calcular a Eficiência Territorial (fase móvel): Eficiência Territorial (móvel) = 8. Calcular o tempo de estacionamento para o automóvel: pass. km m 2. min Horas Estacionamento = Período do dia em análise t Desloca ção, ( Valor definido pelo enunciado dependendo do tipo de movimento) 2

3 9. Estimar os recursos consumidos na fase imóvel (espaço.tempo), para cada tipo de movimento (os recursos totais consumidos resultam do somatório dos dois tipos de movimentos considerados). m 2. min = fluxo espaço estacionamento médio oras estacionamento Calcular a Eficiência Territorial (fase móvel+imóvel): pass. km Eficiência Territorial (móvel + imóvel) = (m 2. min ) móvel + (m 2. min ) im óvel 3

4 Resultados: Automóvel Distribuição Passageiros Densidade Ocupação Longitudinal Velocidade Horas em circulação/ estacionado (%) (veic/h) (v/km) (m/v) (km/h) (h) m2.min pass.km Fase móvel - Movimentos pendulares 75% Eficiência Territorial (pass.km/ min.m2) - Outros movimentos 25% Total 100% Fase imóvel - Movimentos pendulares 75% Outros movimentos 25% Total 100% Total Automóvel

5 Resposta Alínea b) Sequência de cálculos para o automóvel: 1. Estimar a nova distribuição de viagens depois da transferência de passgeiros dos movimentos pendulares para o Metro: %dist mov.pendulares _TI = 75%(repartição inicial) (1 20%)(viagens transferidas)=60% %dist outros mov _TI = 25% repartição inicial %dist Metro = 75% repatição inicial 20%(viagens transferidas)=15% (Os restantes cálculos são idênticos à alínea a) Sequência de cálculos para o Metro: 2. Estimar a taxa de ocupação média das composições do Metro (pass/veic): Tx Ocupação = Passageiros %dist Metro nº de circulações na ora de ponta 3. Estimar a ocupação longitudinal das composições do Metro: Ocup Long(m/composição) = Velocidade Comercial frq Metro Estimar as horas de deslocação por tipo de movimento (pendular e outros): t Desloca ção = dist. percorrida velocidade Neste caso, a distância percorrida no Metro considera-se 10km pois assumiu-se que todas as viagens transferidas eram de movimentos pendulares. 11. Estimar os recursos consumidos (espaço.tempo). m 2. min = frq Metro largura pista ocupação longitudinal t desloca ção Estimar a deslocação: 6. Calcular a Eficiência Territorial: pass. km = Tx Ocupação frq dist percorrida fluxo Eficiência Territorial = pass. km m 2. min 5

6 Distribuição Passageiros Tx ocupação Densidade Ocupação Longitudinal Horas em circulação/ estacionado m2.min pass.km Eficiência Modos Velocidade Territorial (%) (pass/v) (V/h) (v/km) (m/v) (km/h) (h) (pass.km/ m 2.min) Fase móvel Movimentos pendulares 60% 1, Outros movimentos pendulares 25% 1, Total 85% Fase móvel Movimentos pendulares 60% Outros movimentos pendulares 25% Total 85% Total automóvel 1, Metro superfície 15% Agregado Nota: Só são contabilizadas as viagens de Metro que foram transferidas dos movimentos pendulares e não incorpora viagens que correspondam a outros movimentos nomeadamente os que são gerados pelo efeito de rede do próprio Metro (viagens com origem e/ou destino que passam a utilizar aquela ligação que antes não existia). Assim, a taxa de ocupação do Metro é de 80/600~13%, o que é claramente uma taxa de utilização baixa para a HP. 6

7 Conclui-se na alínea anterior que a eficiência territorial aumentou em cerca de 14% (=0,0021/0, ), depois da introdução do metro, em substituição da 3ª via rodoviária. Note-se que, nestes cálculos, não estão incluídas outras viagens geradas pelo efeito de conectividade da rede do metro (por exemplo, viagens que foram desviadas de outros arcos da rede de transportes). Resposta Alínea b) (v/h.pista) Capacidade Máxima da via (v/h.pista) % Utilização Cenário inicial % Cenário com Metro % Com a introdução do Metro, as vias rodoviárias aproximam-se muito da sua capacidade máxima. A funcionalidade do sistema pode ser posta em causa, nomeadamente a probabilidade de paralisação do sistema aumenta drasticamente (nomeadamente quando ocorrem acidentes que restringem ainda mais a capacidade da via, apesar de temporariamente). 7

Teste 1A h00 Parte Prática. Sem consulta e com utilização de calculadora. GRUPO 1 (5,0 val.)

Teste 1A h00 Parte Prática. Sem consulta e com utilização de calculadora. GRUPO 1 (5,0 val.) GRUPO 1 (5,0 val.) Atualmente, uma autoestrada suburbana com 3 vias de circulação (3,50 m de largura), em cada faixa de rodagem, é utilizada por 12000 pessoas que se deslocam em automóvel particular na

Leia mais

Correntes de Tráfego. Grandezas e Relações Fundamentais

Correntes de Tráfego. Grandezas e Relações Fundamentais Correntes de Tráfego Grandezas e Relações Fundamentais 1 Fluxos Rodoviários São constituídos pelos condutores e pelos veículos interagindo entre si assim como com outros elementos da via e do ambiente

Leia mais

Linha: Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG)

Linha: Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG) Linha: Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG). A ligação, representada na

Leia mais

FATEC Faculdade de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Transportes e Obras de Terra - Prof. Edson 1- RAIO MÍNIMO DE CURVATURA HORIZONTAL

FATEC Faculdade de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Transportes e Obras de Terra - Prof. Edson 1- RAIO MÍNIMO DE CURVATURA HORIZONTAL 1- RAIO MÍNIMO DE CURVATURA HORIZONTAL Os raios mínimos de curvatura horizontal são os menores raios das curvas que podem ser percorridas em condições limite com a velocidade diretriz e à taxa máxima de

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOÃO GUALBERTO

COLÉGIO SÃO JOÃO GUALBERTO RESOLUÇÃO COMENTADA Prof.: Pedro Bittencourt Série: 1ª Turma: A Disciplina: Física Nota: Atividade: Avaliação mensal 1º bimestre Valor da Atividade: 10 Instruções Esta avaliação é individual e sem consulta.

Leia mais

Linha: Manaus (AM) Caracaraí (RR)

Linha: Manaus (AM) Caracaraí (RR) Linha: Manaus (AM) Caracaraí (RR) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Manaus (AM) Caracaraí (RR), com uma extensão de 642,20 km. A ligação

Leia mais

Fís. fevereiro. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão)

Fís. fevereiro. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) 06 10 fevereiro Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA

Leia mais

Seminário de Transporte Ferroviário Transportes e Negócios

Seminário de Transporte Ferroviário Transportes e Negócios Seminário de Transporte Ferroviário Transportes e Negócios Ana Cristina Dourado > 1 de Outubro de 2009 > A FERTAGUS, empresa do GRUPO BARRAQUEIRO, venceu o concurso internacional para a exploração Ferroviária

Leia mais

Probabilidade de morte (%) <5% Velocidade do veículo na colisão (km/h)

Probabilidade de morte (%) <5% Velocidade do veículo na colisão (km/h) 30 29 28 27 26 25 24 23 22 21 20 19 18 17 16 15 14 13 12 11 10 98 76 54 32 1 30 Probabilidade de morte (%) 1 0.8 0.6 0.4 0.2

Leia mais

RETRÓGRADO OU REGRESSIVO: É quando o móvel aumenta suas posições no passar do tempo, ou seja, movimenta-se no mesmo sentido do referencial.

RETRÓGRADO OU REGRESSIVO: É quando o móvel aumenta suas posições no passar do tempo, ou seja, movimenta-se no mesmo sentido do referencial. MRU Movimento Retilíneo Uniforme MRU é o movimento de qualquer móvel com as seguintes características: O móvel percorre distâncias iguais em intervalos de tempo iguais Velocidade constante. Como não varia

Leia mais

9º Ano/Turma: Data / /2016

9º Ano/Turma: Data / /2016 Estudante: Educadora: Daiana Araújo 9º Ano/Turma: Data / /2016 C.Curricular: Ciências / Física 1) Em uma situação corriqueira do dia a dia, um observador parado no acostamento vê dois automóveis que percorrem

Leia mais

Velocidade escalar média.

Velocidade escalar média. Exercícios: Velocidade escalar média. 1- Transformar: a) 90 km/h em m/s; b) 10m/s em km/h. 2- (FUVEST-SP) um ônibus saí de São Paulo às 8h e chega a Jaboticabal, que dista 350 km da capital, às 11 h 30

Leia mais

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP)

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Andrelândia (MG) - São Paulo (SP). A ligação, representada na

Leia mais

Movimento fev retilíneo e uniforme. 01. Resumo 02. Exercícios de Aula 03. Exercícios de Casa 04. Questão Contexto

Movimento fev retilíneo e uniforme. 01. Resumo 02. Exercícios de Aula 03. Exercícios de Casa 04. Questão Contexto 08 Movimento fev retilíneo e uniforme (MU) 01. Resumo 02. Exercícios de Aula 03. Exercícios de Casa 04. Questão Contexto RESUMO Ao estudarmos o Movimento Uniforme (ou MU) estamos nos referindo aos movimentos

Leia mais

Transportes Colectivos

Transportes Colectivos Exercício Resolvido 3 Transportes Colectivos A Carris pretende estudar um serviço diário nocturno alternativo à actual carreira de eléctricos 28 entre os términos dos Prazeres e Martim Moniz. O serviço

Leia mais

Capítulo 3 FLUXO DE VEÍCULOS. Tecnologia dos Transportes

Capítulo 3 FLUXO DE VEÍCULOS. Tecnologia dos Transportes Capítulo 3 FLUXO DE VEÍCULOS Tecnologia dos Transportes INTRODUÇÃO Um veículo e uma via, somente os dois, sem interferência externa Aumento da quantidade de veículos velocidade diminui A qualidade do serviço

Leia mais

1 Movimento Circular Lista de Movimento circular Cinemática do Ponto Material 7

1 Movimento Circular Lista de Movimento circular Cinemática do Ponto Material 7 Sumário 1 Movimento Circular 3 1.1 Lista de Movimento circular................................... 3 2 Cinemática do Ponto Material 7 3 Equilíbrio de Corpos no Espaço 9 3.1 Equilíbrio de Partícula.....................................

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA. Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA. Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada 01 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ESTRADA Respostas para as suas dúvidas sobre as novas regras do Código da Estrada Índice Introdução 4 Bicicletas 5/6 Transporte de Crianças 7 Documentos 8 Pagamentos de Coimas

Leia mais

Faça uma pergunta em goo.gl/slides/jtrgc2. Ocupação do território, emprego e demografia

Faça uma pergunta em goo.gl/slides/jtrgc2. Ocupação do território, emprego e demografia Centro Algarvio Faça uma pergunta em goo.gl/slides/jtrgc2 Ocupação do território, emprego e demografia Tendências Demográficas População Residente Em 2011 residiam 258.235 hab. (+15% face a 2001). Maiores

Leia mais

Linha: Joinville (SC) - Gramado (RS)

Linha: Joinville (SC) - Gramado (RS) Linha: Joinville (SC) - Gramado (RS) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Joinville (SC) Gramado (RS), com uma extensão de 755,20 km. A ligação

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Unidades de medidas, Velocidade e Aceleração média

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Unidades de medidas, Velocidade e Aceleração média Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 1 o ano Disciplina: Física - Unidades de medidas, Velocidade e Aceleração média UNIDADES DE MEDIDAS

Leia mais

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO 1) (PUC-MG) Um objeto, movendo-se em linha reta, tem, no instante

Leia mais

30's Volume 1 Física

30's Volume 1 Física 30's Volume 1 Física www.cursomentor.com 30 de dezembro de 2013 Q1. Niltom saiu de casa às 14 h 37 min para um compromisso. Chegou lá às 15 h 29 min. Quantos segundos decorreram desde a saída de casa até

Leia mais

MOVIMENTO RETILÍNEO E UNIFORME

MOVIMENTO RETILÍNEO E UNIFORME MOVIMENTO RETILÍNEO E UNIFORME Definição: O movimento uniforme é quando a velocidade escalar é constante, o que significa afirmar que o móvel percorre sempre a mesma distância a cada unidade de tempo.

Leia mais

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado.

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado. Vantagens diretas para a sociedade 2.1.1 Economia de espaço viário O uso de qualquer veículo de transporte coletivo traz vantagens na ocupação do espaço viário disponível, em relação aos automóveis e às

Leia mais

Q3. Uma partícula obedece a seguinte função horária:

Q3. Uma partícula obedece a seguinte função horária: 30's Volume 3 Física www.cursomentor.com 1 de dezembro de 2013 Q1. Um livro tem 600 páginas. Cada página tem em média 0 linhas e cada linha tem em média 20 palavras. Se uma pessoa digitar a uma taxa de

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1. Matemática e suas Tecnologias Matemática. A figura representa o gráfico de uma função.

Atividade extra. Exercício 1. Matemática e suas Tecnologias Matemática. A figura representa o gráfico de uma função. Atividade extra Exercício 1 A figura representa o gráfico de uma função. Fonte:http://www.pucrs.br/famat/mbotin/matematica/Modificacao_funcoes20072.pdf Qual conjunto representa o domínio dessa função?

Leia mais

Aplicação dos conceitos de posição, velocidade e aceleração. Aplicação de derivadas e primitivas de

Aplicação dos conceitos de posição, velocidade e aceleração. Aplicação de derivadas e primitivas de Ano lectivo 2010-2011 Engenharia Civil Exercícios de Física Ficha 4 Movimento a uma Dimensão Capítulo 3 Conhecimentos e e capacidades a adquirir a adquirir pelo pelo aluno aluno Aplicação dos conceitos

Leia mais

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Estoril, 5 a 7 de Abril 2006 Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Ana Bastos Silva, Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra João Pedro Silva, Dep. Engª Civil da ESTG, Instituto Politécnico

Leia mais

Problemas de Correntes de Tráfego e de Filas de Espera

Problemas de Correntes de Tráfego e de Filas de Espera Probleas de Correntes de Tráfego e de Filas de Espera 1 Exercício 1: U ciclista, praticando todos os dias, a diferentes horas, inclui no seu traecto u percurso de 1K ao longo de ua pista para bicicletas,

Leia mais

BIMESTRAL - FÍSICA - 1ºBIMESTRE

BIMESTRAL - FÍSICA - 1ºBIMESTRE BIMESTRAL - FÍSICA - 1ºBIMESTRE Série: 3ªEM Gabarito 1- Uma pessoa percorreu, caminhando a pé, 6,0 km em 20,0 minutos. A sua velocidade escalar média, em unidades do Sistema Internacional, foi de: * 2,0

Leia mais

Fundamentos de Mecânica IGc, Licenciatura, Noturno (2016) Lista 01

Fundamentos de Mecânica IGc, Licenciatura, Noturno (2016) Lista 01 1. O prefixo giga significa: (a) 10 3 (b) 10 6 (c) 10 9 (d) 10 12 (e) 10 15 2. O prefixo mega significa: (a) 10-9 (b) 10-6 (c) 10-3 (d) 10 6 (e) 10 9 3. O prefixo pico significa: (a) 10-12 (b) 10-6 (c)

Leia mais

EXERCÍCIOS RODOVIAS DE PISTA DUPLA CONVENCIONAIS

EXERCÍCIOS RODOVIAS DE PISTA DUPLA CONVENCIONAIS EXERCÍCIOS FREEWAYS 1) Qual o nível de serviço, na hora pico, em uma freeway com 6 faixas de rolamento (3 faixas por sentido) e volume unidirecional de pico de 5000 veic/h? Qual o nível de serviço daqui

Leia mais

Linha: Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC)

Linha: Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC) Linha: Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Sarandi (RS) - Balneário Camboriú (SC), com uma extensão

Leia mais

Fís. fevereiro. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão)

Fís. fevereiro. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) 06 10 fevereiro Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA

Leia mais

Recuperação de Física - Giovanni

Recuperação de Física - Giovanni Nome: nº Ano: LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA Recuperação de Física - Giovanni 1 - Qual a diferença entre o movimento uniforme (MU) e o movimento uniformemente variado (MUV)? 2 - A equação que representa

Leia mais

Estrada de Rodagem Distância de Visibilidade 2ª Parte

Estrada de Rodagem Distância de Visibilidade 2ª Parte Estrada de Rodagem Distância de Visibilidade ª Parte Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (7) 994-3300 Nas rodovias de pistas simples e duas faixas de trânsito, faz-se necessário

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico 1 O que é a Eco-condução: Critérios e Importância Tiago Farias Instituto

Leia mais

Mais Bicicletas, Melhores Cidades A Promoção do Uso da Bicicleta no âmbito do PAMUS A Mobilidade Urbana Sustentável no NORTE 2020

Mais Bicicletas, Melhores Cidades A Promoção do Uso da Bicicleta no âmbito do PAMUS A Mobilidade Urbana Sustentável no NORTE 2020 Mais Bicicletas, Melhores Cidades A Mobilidade Urbana Sustentável no NORTE 2020 O Município da Maia Divisão de Planeamento Territorial e Projetos Câmara Municipal da Maia Mais Bicicletas, Melhores Cidades

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO MODELO 1:

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO MODELO 1: Distância (km) MODELO 1: 1) Sabendo que a velocidade da luz no vácuo vale 300.000 km/s, calcule quantas voltas a luz efetuaria ao redor da Terra em 1 segundo (suponha que viaje sobre o Equador, cujo comprimento

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Capítulo 1 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Tecnologia dos Transportes 2 SISTEMAS DE TRANSPORTE E SOCIEDADE De extrema importância para o desenvolvimento de uma sociedade O desenvolvimento está diretamente

Leia mais

A sinalização presente indica: Fim da estrada com prioridade. Mudança de direcção da via com prioridade. Proximidade de um cruzamento.

A sinalização presente indica: Fim da estrada com prioridade. Mudança de direcção da via com prioridade. Proximidade de um cruzamento. A referência IC 17, colocada na sinalização indica: Que circulo no itinerário complementar nº 17. Que faltam 17 kms para o início da A1. Que me encontro no km 17, da via em que circulo. A sinalização presente

Leia mais

Características do Tráfego

Características do Tráfego Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Características do Tráfego 2 1 Teoria do Fluxo de Tráfego -Propõe-se

Leia mais

Cinemática Gráficos Cinemáticos 1- Na figura estão representados os diagramas de velocidade de dois móveis em função do tempo. Esses móveis partem de um mesmo ponto, a partir do repouso, e percorrem a

Leia mais

a) Sabendo disso, preencher o diagrama de Superelevação adotando o método de BARNETT (α 1 =0,25% e α 2 =0,50%), deixando os cálculos no pautado.

a) Sabendo disso, preencher o diagrama de Superelevação adotando o método de BARNETT (α 1 =0,25% e α 2 =0,50%), deixando os cálculos no pautado. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1 1 a QUESTÃO - Sabendo que a superelevação plena de uma curva do projeto rodoviário da BR262/ES será calculada com o Pivô

Leia mais

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres 1º semestre/2007 Aula 4 Conceitos Básicos de Engenharia de Tráfego CARACTERÍSTICA DO TRÁFEGO 1. Volume e composição do tráfego 2. Variações

Leia mais

(Queda Livre, Lançamentos Verticais, velocidade media, mru, mruv, derivada e integrais)

(Queda Livre, Lançamentos Verticais, velocidade media, mru, mruv, derivada e integrais) Movimento vertical (Queda Livre, Lançamentos Verticais, velocidade media, mru, mruv, derivada e integrais) 1. Três bolinhas idênticas, são lançadas na vertical, lado a lado e em seqüência, a partir do

Leia mais

4 Resultados: Comparação entre modais

4 Resultados: Comparação entre modais 71 4 Resultados: Comparação entre modais 4.1 Introdução A determinação do custo de transporte de gás natural se baseou na estimativa dos custos de investimento e operacionais para diferentes combinações

Leia mais

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes Laboratório de Tecnologia de Pavimentação IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Profa. Dra. ROSÂNGELA MOTTA Março,

Leia mais

Física I. Aula 02: Movimento Retilíneo. Tópico 02: Velocidade; Movimento Retilíneo Uniforme

Física I. Aula 02: Movimento Retilíneo. Tópico 02: Velocidade; Movimento Retilíneo Uniforme Tópico 02: Velocidade; Movimento Retilíneo Uniforme Aula 02: Movimento Retilíneo Observe o movimento da tartaruga acima. Note que a cada segundo, ela anda 10cm e mantém sempre esse movimento. A velocidade

Leia mais

ALGUMAS RAZÕES ESPECIAIS

ALGUMAS RAZÕES ESPECIAIS ALGUMAS RAZÕES ESPECIAIS VELOCIDADE MÉDIA Se uma viagem de 210 km é realizada em 3 horas por um automóvel, podemos imaginar a viagem da seguinte maneira: Daí, dizemos que a velocidade média desenvolvida

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Física - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Física - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Física - Inglês 1 Fazer os exercícios no caderno, indicando as páginas dos mesmos. Exercícios propostos pelo livro

Leia mais

Física Professor Dutra / Movimento Retilíneo Uniforme Exercícios (Resolução) Exercício 1. Resolução. S 0 = 15 m Posição Inicial. V = 2 m/s Velocidade

Física Professor Dutra / Movimento Retilíneo Uniforme Exercícios (Resolução) Exercício 1. Resolução. S 0 = 15 m Posição Inicial. V = 2 m/s Velocidade Física Professor Dutra / Movimento Retilíneo Uniforme Exercícios () Física Movimento Retilíneo Uniforme Resoluções dos Exercícios Professor Dutra Exercícios () 1)Um móvel parte da posição 15 m com velocidade

Leia mais

Linha: São Félix do Xingu (PA) - Teresina (PI)

Linha: São Félix do Xingu (PA) - Teresina (PI) Linha: São Félix do Xingu (PA) - Teresina (PI) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação São Félix do Xingu (PA) - Teresina (PI), com uma extensão

Leia mais

Cálculo da Capacidade

Cálculo da Capacidade Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Cálculo da 2 1 - É o máximo de veículos que podem atravessar uma

Leia mais

Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel)

Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel) Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel) Dados de março de 2010 Sumário 1 Avaliação Geral...3 1.1 Consumo de espaço, tempo e energia por auto, ônibus e moto...3 1.2 Custos para

Leia mais

FÍSICA 9ºano 2º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

FÍSICA 9ºano 2º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA 9ºano 2º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 1. Um atleta deseja percorrer 25 km em 2 h. Por dificuldades encontradas no trajeto, percorre 10 km com a velocidade média de 8 km/h.

Leia mais

Movimento. Movimento e Repouso são conceitos relativos. PORQUÊ?

Movimento. Movimento e Repouso são conceitos relativos. PORQUÊ? Movimento Movimento e Repouso são conceitos relativos. PORQUÊ? 1 Movimento -Referencial Referencial Durante o voo as posições ocupadas pelo avião variam no decurso do tempo x x x x x x Avião está em Movimento

Leia mais

INTRODUÇÃO À. Capítulo 2 CINEMÁTICA

INTRODUÇÃO À. Capítulo 2 CINEMÁTICA INTRODUÇÃO À Capítulo 2 Introdução CINEMÁTICA à Cinemática Conceitos iniciais Uma pessoa está viajando sentada num ônibus que se aproxima de um ponto de parada. A pessoa está em movimento ou em repouso?

Leia mais

Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável?

Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável? Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável? MIEC Porto Novembro 2013 Grupo: 11MC01_1 Supervisor: Sara Ferreira Monitores: André Lopes Christopher Ribeiro Delcio

Leia mais

Cinemática REVISÃO ENEM 1. SISTEMAS DE REFERÊNCIA

Cinemática REVISÃO ENEM 1. SISTEMAS DE REFERÊNCIA REVISÃO ENEM Cinemática CINEMÁTICA é a parte da Mecânica que descreve os movimentos, sem levar em consideração as causas do mesmo. Os conceitos de espaço, movimento, repouso e trajetória são relativos,

Leia mais

- Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP Linha 5 e Santiago Linha 4 (gabarito médio) - CMSP e CMRJ - Carros Novos (gabarito largo)

- Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP Linha 5 e Santiago Linha 4 (gabarito médio) - CMSP e CMRJ - Carros Novos (gabarito largo) CUSTOS COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE TRANSPORTE Nestor S. Tupinambá set/2004 1 COMPARAÇÃO DOS DIFERENTES MODOS Vamos usar dados dos seguintes Metrôs - Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

MOVIMENTO UNIFORME E VELOCIDADE MÉDIA APOSTILA 3 CAPÍTULO 12 E 13 DE FÍSICA

MOVIMENTO UNIFORME E VELOCIDADE MÉDIA APOSTILA 3 CAPÍTULO 12 E 13 DE FÍSICA MOVIMENTO UNIFORME E VELOCIDADE MÉDIA APOSTILA 3 CAPÍTULO 12 E 13 DE FÍSICA Movimento O que é o movimento? É a variação de posição espacial de um objeto ou ponto material em relação a um referencial no

Leia mais

Equipe de Física. Física

Equipe de Física. Física Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 1R Ensino Médio Equipe de Física Data: Física Movimento Uniforme Quando um móvel se desloca com uma velocidade constante, diz-se que este móvel está em um movimento

Leia mais

ESTUDO DE CAPACIDADE. Fluxo Interrompido CAPACIDADE ~ FLUXO DE SATURAÇÃO S = fluxo de saturação (V eq /htv) para largura de via entre 5,5 e 18,0m

ESTUDO DE CAPACIDADE. Fluxo Interrompido CAPACIDADE ~ FLUXO DE SATURAÇÃO S = fluxo de saturação (V eq /htv) para largura de via entre 5,5 e 18,0m ESTUDO DE CAPACIDADE CAPACIDADE DE TRÁFEGO (C): é o máximo fluxo que pode atravessar uma seção ou um trecho de via, nas condições existentes de tráfego, geometria e controle, em um determinado período

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: Física Série: 1ª Professor (a): Marcos Vinicius Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

OPERAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO

OPERAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO OPERAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO Prof. Luis Antonio Lindau LASTRAN Laboratório Sistemas de Transportes DEPROT - Departamento de Engenharia de Produção e Transportes UFRGS Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Aula 7. Relações básicas: volume, densidade e velocidade

Aula 7. Relações básicas: volume, densidade e velocidade Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 7 Relações básicas: volume, densidade e velocidade 7.1. Relações básicas: modelo linear de

Leia mais

O DESENHO DE CIDADES SEGURAS. MARTA OBELHEIRO Coordenadora de Segurança Viária, WRI Brasil

O DESENHO DE CIDADES SEGURAS. MARTA OBELHEIRO Coordenadora de Segurança Viária, WRI Brasil O DESENHO DE CIDADES SEGURAS MARTA OBELHEIRO Coordenadora de Segurança Viária, WRI Brasil PROBLEMA MUNDIAL O número de carros mais que dobrará, de 1 BILHÃO hoje para 2,5 BILHÕES em 2050 QUASE METADE das

Leia mais

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL

CAOS LOGÍSTICO REGIONAL CAOS LOGÍSTICO REGIONAL O POLO, O PORTO E AS CIDADES NÃO PODEM PARAR Carolina Lembo Gerente do Departamento de Infraestrutura ÍNDICE 1. Contextualização 2. Vantagens do Polo de Cubatão 3. Entraves Logísticos

Leia mais

EMTA Barometer Nome da Região e Cidade: Organismos responsáveis pelo preenchimento: Área Metropolitana de Lisboa (Lisboa)

EMTA Barometer Nome da Região e Cidade: Organismos responsáveis pelo preenchimento: Área Metropolitana de Lisboa (Lisboa) Nome da Região e Cidade: Organismos responsáveis pelo preenchimento: AML, GPERI, IMTT* * (IMTT) Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, (GPERI) Gabinete de Planeamento Estratégico e Relações

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORME

Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORME Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORME 1) (FGV-SP) Numa corrida de Fórmula 1 a volta mais rápida foi feita em 1 min

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA 1ª ÉPOCA DO ANO LECTIVO 2001/2002 28/01/2002 13 h DURAÇÃO: 2h 00m 1. Diga como varia qualitativamente, ao longo do tempo, desde o início de exploração até ao horizonte de projecto, numa conduta adutora

Leia mais

VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL VULNERABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Uso de SIG no Ministério dos Transportes CONSTRUCTION AND INFRASTRUCTURE Rio de Janeiro, 12 de Setembro de 2013 Ministério dos Transportes

Leia mais

Professora FLORENCE. A aceleração pode ser calculada pelo gráfico através da tangente do ângulo α.

Professora FLORENCE. A aceleração pode ser calculada pelo gráfico através da tangente do ângulo α. 1. Um ponto material desloca-se sobre uma reta e sua velocidade em função do tempo é dada pelo gráfico. Pedem-se: a) a equação horária da velocidade (função de v = f(t)) v(m/s) b) o deslocamento do ponto

Leia mais

Movimento Circular Uniforme (MCU) Conceitos iniciais

Movimento Circular Uniforme (MCU) Conceitos iniciais Movimento Circular Uniforme (MCU) Conceitos iniciais Acima temos descrito um MCU que tem como principais características: Período constante. Frequência constante. Velocidade tangencial constante em módulo.

Leia mais

A sinalização desta via pública, informa-me que circulo: Na auto-estrada A25. Na estrada nacional A25. Na estrada nacional N16.

A sinalização desta via pública, informa-me que circulo: Na auto-estrada A25. Na estrada nacional A25. Na estrada nacional N16. A referência IC 17, colocada na sinalização indica: Que circulo no itinerário complementar nº 17. Que faltam 17 kms para o início da A1. Que me encontro no km 17, da via em que circulo. A sinalização com

Leia mais

Lista 4 MUV. Física Aplicada a Agronomia

Lista 4 MUV. Física Aplicada a Agronomia Sigla: Disciplina: Curso: FISAP Física Aplicada a Agronomia Agronomia Lista 4 MUV 01) A posição de um objeto movendo-se ao longo do eixo x é dada por x = 3t - 4t² + t³, onde x está em metros e t em segundos.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOSÉ I - VRSA MATEMÁTICA 6.º ANO 2014/15

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOSÉ I - VRSA MATEMÁTICA 6.º ANO 2014/15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOSÉ I - VRSA MATEMÁTICA 6.º ANO 014/15 Ficha 3 Sequências e proporcionalidade direta NOME N.º Turma 1. Em relação às sequências seguintes escreva os cinco primeiros termos e

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

AULA 11 ESTRADAS I 11/11/2010 CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL

AULA 11 ESTRADAS I 11/11/2010 CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL CONCORDÂNCIA VERTICAL AULA 11 ESTRADAS I PROF. Msc. ROBISON NEGRI O projeto de uma estrada em perfil é constituído de greides retos, concordados dois a dois por curvas verticais. Os greides retos são definidos pela sua declividade,

Leia mais

Exercícios cinemática Conceitos básicos e Velocidade média

Exercícios cinemática Conceitos básicos e Velocidade média Física II Professor Alexandre De Maria Exercícios cinemática Conceitos básicos e Velocidade média COMPETÊNCIA 1 Compreender as Ciências Naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas,

Leia mais

2/5. a. ( ) 6,90 bots b. ( ) 11 bots c. ( ) 10,08 bots d. ( ) 9,45 bots e. ( ) 7 bots

2/5. a. ( ) 6,90 bots b. ( ) 11 bots c. ( ) 10,08 bots d. ( ) 9,45 bots e. ( ) 7 bots 1. O robô Lucas caiu e se quebrou. O engenheiro Henrique informou que seria necessária a substituição de três parafusos e a troca de óleo. Sabendo que o óleo custa 3,45 bots e cada parafuso 2,21 bots quanto

Leia mais

Estudo de circulação da Rua de Costa

Estudo de circulação da Rua de Costa Estudo de circulação da Rua de Costa Cabral PELOURO DA MOBILIDADE Apresentação preliminar - Março 2015 ENQUADRAMENTO No âmbito do projeto Via Livre, que envolve a STCP, PM e DMGVP, a rua de Costa Cabral

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NA MARGEM SUL

QUALIDADE DE VIDA NA MARGEM SUL QUALIDADE DE VIDA NA MARGEM SUL Há quem afirme que nos últimos 40 anos não houve visão de conjunto para o desenvolvimento da Margem Sul. Sobre esta falsa questão, entendo que é necessário dizer o seguinte:

Leia mais

Funções de uma rodovia

Funções de uma rodovia 3. HIERARQUIA DAS RODOVIAS Funções de uma rodovia Função É o tipo de serviço que a via proporciona. É o desempenho da via para a finalidade do deslocamento. Mobilidade: atender à demanda do tráfego de

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DISCIPLINA FÍSICA I EXERCÍCIO 1 EXERCÍCIO 2

LISTA DE EXERCÍCIOS DISCIPLINA FÍSICA I EXERCÍCIO 1 EXERCÍCIO 2 DISCIPLINA FÍSICA I LISTA DE EXERCÍCIOS EXERCÍCIO 1 As extremidades de um segmento de reta AB tem coordenadas A(-80 cm, 80 cm) e B(80 cm, 160 cm). Trace o segmento de reta num referencial cartesiano (x,y)

Leia mais

área do buraco é que corresponde à da área da folha. Temos que a velocidade média é calculada pela distância dividida pelo tempo:

área do buraco é que corresponde à da área da folha. Temos que a velocidade média é calculada pela distância dividida pelo tempo: 01) Uma folha quadrada foi dobrada duas vezes ao longo de suas diagonais, obtendo-se um triângulo. Em seguida, foi feito um corte reto na folha dobrada, paralelo ao lado maior desse triângulo, passando

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 13 MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (MUV)

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 13 MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (MUV) FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 13 MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (MUV) Como pode cair no enem? A contribuição dada à Física por Newton à Física foi muito grande, mas não se pode esquecer da genialidade de Galileu,

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

Conteúdo: Cinemática Resumo para a Prova. Turma: 9º ano

Conteúdo: Cinemática Resumo para a Prova. Turma: 9º ano Conteúdo: Cinemática Resumo para a Prova. Turma: 9º ano A cinemática é a parte da Mecânica que descreve o movimento, determinando a posição, a velocidade e a aceleração de um corpo em cada instante. Os

Leia mais

Unidade 5: Força e movimento

Unidade 5: Força e movimento Unidade 5: Força e movimento Desde a antiguidade até os dias atuais que nós, seres humanos, estudamos e aprendemos sobre a produção do movimento e como dominá-lo. E essa constante evolução tecnológica

Leia mais

Gás natural para veículos como uma solução para transportes

Gás natural para veículos como uma solução para transportes Gás natural para veículos como uma solução para transportes Conteúdos Introdução: O GNV em Ibérica GNC e GNL como combustíveis Veículos a gás natural Funcionamento com GNC e GNL Rentabilidade e Amortização

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS 11 PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS PROJETO EOMÉTRICO DE VIAS 2 - CURVAS HORIZONTAIS SIMPLES 2.1 - INTRODUÇÃO O traçado em planta de uma estrada deve ser composto de trechos retos concordados com curvas

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 11 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

FLUXO DE VEÍCULOS. Prof. Dr. Renato da Silva Lima (35) Fluxo de Veículos

FLUXO DE VEÍCULOS. Prof. Dr. Renato da Silva Lima  (35) Fluxo de Veículos www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br (35) 3629-1296 FLUXO DE VEÍCULOS Introdução Diagrama Espaço x Tempo Comportamento de uma corrente de tráfego Princípios Fundamentais do Relação Fundamental

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa 2012

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa 2012 COLÉGIO NOSS SENHOR D PIEDDE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2012 Disciplina: Ciências no: 2012 Professor (a): Felipe Turma: 8º NO Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça

Leia mais