Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( MDL ): o que é e como as cidades podem se beneficiar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( MDL ): o que é e como as cidades podem se beneficiar"

Transcrição

1 Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( MDL ): o que é e como as cidades podem se beneficiar Financial and Technical Solutions for Sustainable Cities 8 Junho 2010 Conjunto Caixa Cultural Brasília, Brasil

2 Aumento dos gases do efeito estufa ( GHG ) Fonte: IPCC, Climate Change, 2001

3 O efeito estufa Fonte: UNEP, 2010

4 Emissões por fonte de GHG Fonte: WRI, 2008

5 Os acordos internacionais United Framework Convention on Climate Change ( UNFCCC ) Objetivo: estabilizar a concentração global de GHG na atmosfera Nações desenvolvidas (parte do Annex I): Objetivo de restaurar suas emissiões de GHG de volta aos níveis de 1990 Promover capacity building in, e facilitar a trasferência tecnológica para países em desenvolvimento afim de mitigar e adaptar aos efeitos das mudanças climáticas Conceito: responsabilidades comuns, mas diferenciadas de acordo com suas respectivas capacidades Protocolo de Kyoto ( PK ) países desenvolvolvidos e economias em trasição (partes do Annexo-B do PK) concordaram em 1997: Reduzir suas emissões de GHG em 5.2 % abaixo dos níveis de 1990 entre Criar mecanismos financeiros para gerenciar os custos de redução dos GHG Status: Em força desde 2005 Após ratificação de mais de 55 Partes à UNFCCC, representando 55 % das emissões de CO2 globais EUA não ratificou tal protocolo Acordo de Marrakech: Nov define as regras para implementação do PK

6 Os acordos internacionais Copenhagen Dez 2009 Acordado entre US, China, India, Brasil e Africa do Sul no último dia e >100 assinaram o acordo, ie. >80% das emissões globais. Objetivo: limitar a temperatura global média a 2 C Transferência de tecnologia e financiamento ( $100b / ano até 2020) Limites para os países desenvolvidos até 2020: Japão: 25% abaixo do nível em 1990 Nova Zelandia: 10-20% abixo de 1990 Austrália: 5-25% abaixo de 2000 Europa: 20-30% abaixo de 1990 Estados Unidos: 17% abaixo de 2005 Esquemas cap and trade para alcançar os níveis de redução efetivamente + investimentos em energia renovável e eficiente Ações Nacionais de Mitigação Apropriadas ( NAMAs ): objetiva o crescimento econômico de baixo carbono a partir de atividades voluntárias. China: redução entre 40-45% das emissões até 2020 (base 2005) India: redução entre 20-25% das emissões até 2020 (base 2005) Novos instrumentos para investimento em energia renováveis e eficientes

7 Políticas nacionais de mudança climática São Paulo: Política Estadual de Mudanças Climáticas do Estado de São Paulo (PEMC) de 9 de novembro de 2009; Brasil: Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC) de 29 de Dezembro de 2009 NAMAs: enviados à UNFCCC em janeiro de 2010: estimativa de redução: 36.1% to 38.9% até 2020

8 Políticas / instrumentos para mitigação Instrumentos Vantagens Limitações Cap-and-trade e mercado de Carbono Permite o mercado fixar o preço do carbono Menor custo de abatimento Engaja o setor privado Interação entre mercados Volatidade nos preços Leakage internacional Altos custos de trasação Taxa de Carbono Preço/valor claro Mobiliza recursos do setor público Problemas naaplicação nos diferentes setores Não quantifica as reduções Politicamente não atrativo Políticas / Regulação Subsídios em tecnologias limpas Pesquisa e desenvolvimento

9 Fonte: WB State and Trends of the Carbon Market 2008, Stern 2007, Point Carbon 2008, IPCC 2007, McKinsey Reduções de 50 GtCO 2 e/ano até 2050 atualmente apenas 4 GtCO 2 e em 2008) 1. Esforço necessário para reduzir 50 GtCO 2 e até 2050 Nível de redução necessário é dramático perto do atual, para evitar aumento de temperatura à níveis inaceitáveis Alcançar estabilização a 550 ppm CO 2 e até 2050 necessita reduções de 60% comparado a business-as-usual. As próximas décadas são fundamentais. Fonte: Stern, Volume de Carbono negociado (GtCO 2 e) other project-based Primary CDM Secondary CDM other allowances EU ETS Volume de Carbono negociado (traded) foi de 8.7GtCO 2 (comparade to 4 GtCO 2 ) em 2009, porém o real volume físico de de novas reduções não chega a metade deste. Existe uma diferença enorme entre os números necessários e os atualmente alcançados

10 Mercado Global em Bilhões USD other project-based Primary CDM Secondary CDM other allowances EU ETS

11 O Protocolo e o mercado de Carbono Business as-usual MDL / JI Emissões entre 1990 e ALLOWANCES Formas de redução Emissões em 1990 linha de base Ações domésticas MDL / JI: Offsets obtidos por países não Anexo-I JI: Offsets obtidos por países do Anexo-I; Kyoto Baseline emissions Emissões dentro do nível permitido por Kyoto Allowances ou Permissões: instrumentos obtidos pelos países do Anexo-I Maior parte das reduções devem ser feitas em casa

12 Carbon Market and the Kyoto Protocol 1. Kyoto creates binding greenhouse gas emission limit of about 5.2% but the growth in emissions imply reductions of the range of 20-30% from business as usual for most OECD 2. Collapse of many former Soviet Union economies allows these countries to engage in trade of allowances Germany Remaining emission reduction target can be met by 1. transfer of ALLOWANCE from another country with commitment OR 2. transfer of OFFSET from a developing country with no commitment At least 50% Emission reduction domestically Transfer of ALLOWANCE Between the Two countries Poland 1990 Emissions Emissions according to Kyoto Protocol Commitment Actual Emissions due to Economic growth Actual Emissions due to Economic growth Emissions according to Kyoto Protocol Commitment 1990 Emissions

Floresta, Clima e Negociaçõ. ções Internacionais rumo a Copenhagen

Floresta, Clima e Negociaçõ. ções Internacionais rumo a Copenhagen Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Colóquio Mudanças Climáticas e Convenções Internacionais sobre o Meio Ambiente Floresta, Clima e Negociaçõ ções Internacionais rumo a Copenhagen Carlos Rittl

Leia mais

Workshop Internacional de Créditos de Carbono para o Sistema Cooperativista

Workshop Internacional de Créditos de Carbono para o Sistema Cooperativista Workshop Internacional de Créditos de Carbono para o Sistema Cooperativista Financiadores e Investidores de Projetos de MDL Novembro/2009 Índice da apresentação Competitividade na economia de Baixo Carbono

Leia mais

Projetos de MDL. Porto Seguro, 15 de Agosto de Sustentabilidade a chave para o futuro

Projetos de MDL. Porto Seguro, 15 de Agosto de Sustentabilidade a chave para o futuro Projetos de MDL Porto Seguro, 15 de Agosto de 2008 Sustentabilidade a chave para o futuro Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro - BSMB Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro - BSMB Em 2005, BSMB iniciou suas atividades

Leia mais

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados;

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados; MUDANÇAS CLIMÁTICAS 1 A Rio-92 Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados; O tema principal foi

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Roberto Schaeffer (PPE/COPPE/UFRJ) Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, 23 de maio de 2013 Objetivo

Leia mais

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Marcelo Theoto Rocha matrocha@esalq.usp.br 1 2 O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)

Leia mais

Mudanças Globais do Clima: uma história em andamento. Brasilia 7 de Maio de 2008

Mudanças Globais do Clima: uma história em andamento. Brasilia 7 de Maio de 2008 Mudanças Globais do Clima: uma história em andamento. Brasilia 7 de Maio de 2008 A Fonte das Informações O Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC). Estabelecido em 1988 por convênio

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Acordo mundial de luta contra as alterações climáticas: de Paris a Marrakech

Acordo mundial de luta contra as alterações climáticas: de Paris a Marrakech INFORMAÇÃO NOVEMBRO 2016 Acordo mundial de luta contra as alterações climáticas: de Paris a Marrakech ACORDO DE PARIS Na 21.ª Conferência das Partes na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações

Leia mais

Estado de São Paulo. Fernando Rei Diretor Presidente da CETESB IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO

Estado de São Paulo. Fernando Rei Diretor Presidente da CETESB IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO Mudanças Climáticas e Ações do Governo do Estado de São Paulo Fernando Rei Diretor Presidente da CETESB IV CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO SP, a Agenda Climática e a CETESB 35 milhões de hab.

Leia mais

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Eduardo Viola Professor Titular Instituto de Relações Internacionais Universidade de Brasília

Leia mais

Acordo de Paris é aprovado

Acordo de Paris é aprovado Acordo de Paris é aprovado Durante a COP 21, os 195 países membros da Convenção do Clima aprovaram, por consenso, o texto do novo acordo climático que substituirá o Protocolo de Quioto e passará a valer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA RENATO XIMENES BOLSANELLO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA RENATO XIMENES BOLSANELLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA RENATO XIMENES BOLSANELLO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS: UM ESTUDO

Leia mais

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono.

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Os serviços envolvem uma ampla faixa de consultoria, desde

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Economia do Carbono. Guilherme Marcel

Economia do Carbono. Guilherme Marcel Economia do Carbono Guilherme Marcel Economia do Carbono: Economia de baixo carbono é um termo que serve para nomear as empresas e países que melhoram seus processos produtivos a fim de reduzir o impacto

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

autoridades competentes do Brasil para os propósitos deste Memorando, doravante referidos como a "Parte brasileira",

autoridades competentes do Brasil para os propósitos deste Memorando, doravante referidos como a Parte brasileira, Memorando de Entendimento entre o Ministério da Ciência e Tecnologia e o Ministério do Meio Ambiente da República Federativa do Brasil e o Ministério do Meio Ambiente e Território da República da Itália

Leia mais

Fórum Internacional de Estudos Estratégicos para o Desenvolvimento Agropecuário e Respeito ao Clima FEED Mudanças

Fórum Internacional de Estudos Estratégicos para o Desenvolvimento Agropecuário e Respeito ao Clima FEED Mudanças Fórum Internacional de Estudos Estratégicos para o Desenvolvimento Agropecuário e Respeito ao Clima FEED 2011 Mudanças Agricultura e Florestas REDD plus após a decisão da COP16: como fomentar projetos

Leia mais

ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013

ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013 ANÁLISE DO CONSUMO ENERGÉTICO E DA EMISSÃO CO 2 e DA VALLOUREC TUBOS DO BRASIL S.A NO PERÍODO DE 2008 À 2013 Autoras: Camila Quintão Moreira Fabiana Alves Thaíse de Oliveira Souza Porto Alegre 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Itaú Índice de Carbono Estratégia Protegida Multimercado Crédito Privado FI. Setembro de 2009

Itaú Índice de Carbono Estratégia Protegida Multimercado Crédito Privado FI. Setembro de 2009 Itaú Índice de Carbono Estratégia Protegida Multimercado Crédito Privado FI Setembro de 2009 Índice 1. Mercado Financeiro de Carbono 2. Tese de Investimento 3. Fundo Itaú Índice de Carbono Estratégia Protegida

Leia mais

PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS

PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS A QUESTÃO AMBIENTAL PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS Impacto Ambiental deve ser entendido como um desequilíbrio resultante da ação do homem(ligado ao modo de produção) sobre o meio ambiente. Alguns exemplos:

Leia mais

As Mudanças Climáticas e o Brasil

As Mudanças Climáticas e o Brasil SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÄVEIS 2016 As Mudanças Climáticas e o Brasil Carlos Rittl, Dr. Observatório do Clima Secretário Executivo Setembro, 2016 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Introdução a Mercados de Carbono Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Resumo da apresentação 1. Comércio de emissões - conhecimento básico 2. Tipos de crédito de carbono 3. Conectando compradores e vendedores

Leia mais

III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis

III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis III Forum Brasileiro de Energia Mercado Voluntário de Carbono, alternativa de leverage para energias renováveis Cristiano McMannis Segundo o Relatório State and Trends of Carbon Market 2011, publicado

Leia mais

Economia de Floresta em Pé

Economia de Floresta em Pé Seminário Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia Economia de Floresta em Pé 12/Julho/2011 Porto Velho, Rondônia AGENDA MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO CARBONO DE FLORESTA REDD NA PRÁTICA

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Vittorio Medioli) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Vittorio Medioli) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à redução de emissões de gases de efeito estufa. Senhor Presidente: Nos termos do art. 113, inciso I e 1

Leia mais

PROJETOS DE ENERGIA RENOVÁVEL LOCALIZADOS NO BRASIL REGISTRADOS NO PRIMEIRO E NO SEGUNDO PERÍODO DO PROTOCOLO DE QUIOTO

PROJETOS DE ENERGIA RENOVÁVEL LOCALIZADOS NO BRASIL REGISTRADOS NO PRIMEIRO E NO SEGUNDO PERÍODO DO PROTOCOLO DE QUIOTO PROJETOS DE ENERGIA RENOVÁVEL LOCALIZADOS NO BRASIL REGISTRADOS NO PRIMEIRO E NO SEGUNDO PERÍODO DO PROTOCOLO DE QUIOTO Autores: Alice de Moraes Falleiro Andressa Hubner Maria do Carmo Cauduro Gastaldini

Leia mais

Overview of the GHG Protocol. - Rachel Biderman

Overview of the GHG Protocol. - Rachel Biderman Overview of the GHG Protocol - Rachel Biderman O Greenhouse Gas Protocol O GHG Protocol foi lançado em 1998 por Parceria multi-stakeholder entre empresários, ONGs, governos e outros Objetivos Simplificar

Leia mais

Posição e Perspetivas das Organizações de Produtores Florestais

Posição e Perspetivas das Organizações de Produtores Florestais Workshop Serviços do Ecossistema em Espaços Florestais Contributos para uma Economia Verde em Portugal Posição e Perspetivas das Organizações de Produtores Florestais 29. 02. 2012 Agenda 2 1. Atividades

Leia mais

Greenhouse Gas Protocol: Ferramentas para gestão de emissões na cadeia de valor

Greenhouse Gas Protocol: Ferramentas para gestão de emissões na cadeia de valor Greenhouse Gas Protocol: Ferramentas para gestão de emissões na cadeia de valor Rachel Biderman World Resources Institute (WRI BRASIL) rbiderman@wri.org www.wri.org Greenhouse Gas Protocol Lançado em 1998

Leia mais

Panorama Mundial do Mercado de Crédito de Carbono 1

Panorama Mundial do Mercado de Crédito de Carbono 1 Panorama Mundial do Mercado de Crédito de Carbono 1 Sara Gurfinkel Marques de Godoy.(1) Fernando Amaral de Almeida Prado Jr.(2) (1) Sara Gurfinkel, bacharel em economista FEA/USP, mestre em Economia Política

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

ISAIAS DE CARVALHO MACEDO. Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético (NIPE UNICAMP)

ISAIAS DE CARVALHO MACEDO. Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético (NIPE UNICAMP) ISAIAS DE CARVALHO MACEDO Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético (NIPE UNICAMP) QUANTIFICAÇÃO DA REDUÇÃO DE DANOS CLIMÁTICOS DECORRENTE DE PROCESSOS PARA MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GEE, COMO

Leia mais

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio Introdução É fundamental adaptarmos o debate europeu e global sobre as alterações climáticas e a segurança energética à missão de construir uma sociedade de baixo carbono. A reforma do sector da é uma

Leia mais

Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento

Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Desafios e Futuro A Sustentabilidade é o futuro da indústria A busca pela Eficiência Energética e Os esforços para redução dos

Leia mais

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ENTENDENDO O MERCADO DE REGULAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ENTENDENDO O MERCADO DE REGULAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL ENTENDENDO O MERCADO DE REGULAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO O QUE É O AQUECIMENTO GLOBAL? O QUE É O AQUECIMENTO GLOBAL? Variação na Temperatura da Superfície da Terra nos

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO FÓRUM AGENDA AMBIENTAL NA AGU AGU CARBONO NEUTRO Mayra Motta Advogada da União mayra.motta@agu.gov.br BRASILIA, DF-2012 AGU CARBONO NEUTRO APRESENTAÇÃO: Introdução. Nome e Descrição do Projeto Alinhamento

Leia mais

Cidades Brasileiras e Emissões de Gases de Efeito Estufa

Cidades Brasileiras e Emissões de Gases de Efeito Estufa Cidades Brasileiras e Emissões de Gases de Efeito Estufa Carlos Rittl, Dr. Observatório do Clima Junho de 2014 Sumário Aspectos Críticos Caso: Município de São Paulo Exemplos: iniciativas Aspectos Críticos

Leia mais

III Fórum Nacional de Produtos para a Saúde no Brasil 1º

III Fórum Nacional de Produtos para a Saúde no Brasil 1º III Fórum Nacional de Produtos para a Saúde no Brasil 1º.9.2016 Um pouco da nossa história Foi fundada e esse ano completou 83 anos de existência Laboratórios farmacêuticos nacionais e internacionais e

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Alterações Climáticas

Alterações Climáticas Alterações Climáticas Ponto situação políticas públicas Notas sobre biocombustíveis Junho de 2011 Políticas Nacionais de Clima pré-2012 23 Caminho para cumprir Quioto 100 Emissões estimadas para 2010 (PNAC

Leia mais

X Congreso Latinoamericano de Dinámica de Sistemas III Congreso Brasileño de Dinámica de Sistemas I Congreso Argentino de Dinámica de Sistemas

X Congreso Latinoamericano de Dinámica de Sistemas III Congreso Brasileño de Dinámica de Sistemas I Congreso Argentino de Dinámica de Sistemas 1 Hipótese Dinâmica do Mercado de Carbono para Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Dynamic Hypothesis of Carbon Market for Clean Development Mechanism Projects Simone Leticia Raimundini, MSc.,

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS Apresentado por: Engº Francisco J. P. Oliveira Setembro / 2010 Objetivo Demonstrar de forma sucinta projetos de MDL, que envolvam a obtenção de créditos de

Leia mais

Prof. Dr. Fernando Sarti

Prof. Dr. Fernando Sarti Os Desafios do Pré-sal: Riscos e Oportunidas para o País Sessão 3: O Brasil po se tornar uma referência em petróleo em águas profundas? As Políticas Industrial e Inovação Prof. Dr. Fernando Sarti Unicamp,

Leia mais

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo

O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo Seminário FGV EAESP São Paulo - Novembro 2016 1 - Contexto brasileiro O Brasil e sua matriz 4,4% 2,4% 2,6% 1,1% 7,6% 11,3% 70,6% Hydro Biomass Wind Natural

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Garo Batmanian Especialista Senior de Meio Ambiente Setembro 28, 2011 Banco Mundial ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Grande Consumidor

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Mudanças Climáticas: O Papel da C&T. Carlos A Nobre Centro de Ciência do Sistema Terrestre

Mudanças Climáticas: O Papel da C&T. Carlos A Nobre Centro de Ciência do Sistema Terrestre Mudanças Climáticas: O Papel da C&T Carlos A Nobre Centro de Ciência do Sistema Terrestre Brasília, 08 de Setembro de 2009 Parte I A Ciência aponta para a necessidade e urgência de ações para mitigar as

Leia mais

Brasil, a mudança do clima e o período pós-quioto

Brasil, a mudança do clima e o período pós-quioto Brasil, a mudança do clima e o período pós-quioto Eliezer Martins Diniz * RESUMO - O artigo discute a negociação de um acordo no período pós-quioto e o posicionamento do Brasil face a esse tema. Para isso,

Leia mais

Opções de financiamento existentes no mercado para estruturação de projetos. 18 de agosto de 2006. Luzia Hirata. Sustainability Solutions.

Opções de financiamento existentes no mercado para estruturação de projetos. 18 de agosto de 2006. Luzia Hirata. Sustainability Solutions. Opções de financiamento existentes no mercado para estruturação de projetos 18 de agosto de 2006 Luzia Hirata Sustainability Solutions P w C Network Global PwC Cerca de 400 profissionais na área de Sustentabilidade

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE ACORDO DE PARIS CONTRIBUIÇÃO BRASILEIRA RISCOS E OPORTUNIDADES 05/05/2016

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE ACORDO DE PARIS CONTRIBUIÇÃO BRASILEIRA RISCOS E OPORTUNIDADES 05/05/2016 ACORDO DE PARIS CONTRIBUIÇÃO BRASILEIRA RISCOS E OPORTUNIDADES 05/05/2016 O NOVO ACORDO: PARIS AGREEMENT É o novo marco legal sob a Convenção do Clima (4 anos de negociação). Está embasado nas intensões

Leia mais

Polos Verdes no Estado do Rio de Janeiro

Polos Verdes no Estado do Rio de Janeiro Polos Verdes no Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 13 de Junho de 2012 SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SUBSECRETARIA DE ECONOMIA VERDE Subsecretaria De Economia Verde Renováveis & Rio Capital da

Leia mais

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas 4o. Congresso de Tecnologia na Cadeia Produtiva da Cana de Açúcar em Mato Grosso do Sul CANASUL 2010 Campo Grande, Agosto 2010 Isaias C Macedo NIPE/UNICAMP

Leia mais

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente Conferência Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas da COP 21 (Paris, 2015) à COP 22 (Marrakech, 2016) Auditório do Novo Edifício da Assembleia da República 25 de Outubro de 2016

Leia mais

PERSPECTIVAS DA GESTÃO URBANA FACE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

PERSPECTIVAS DA GESTÃO URBANA FACE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 PERSPECTIVAS DA GESTÃO URBANA FACE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O contexto atual e, sobretudo, os prognósticos do IPCC, apontam a necessidade de consideráveis mudanças nas estruturas de organização da sociedade

Leia mais

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Future Trends: Global Perspective Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Brazil Wind Power 2010 Rio de Janeiro 1 September 2010 Members include the following leading players:

Leia mais

Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades O que podemos fazer

Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades O que podemos fazer Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades O que podemos fazer Campanha Internacional Cidades Pela Proteção do Clima do ICLEI CCP TM 13ª SEMANA DE TECNOLOGIA FERROVIÁRIA São Paulo, 29 de agosto de 2007

Leia mais

Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações

Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações Emissões de Carbono e a análise de ciclo de vida de produto Programa Brasileiro GHG PROTOCOL Centro de Estudos em Sustentabilidade

Leia mais

O potencial para fazer referência a mecanismos de mercado em INDCs Nota de informação

O potencial para fazer referência a mecanismos de mercado em INDCs Nota de informação Briefing Note September 2015 O potencial para fazer referência a mecanismos de mercado em INDCs Nota de informação Antecedentes INDCs Como a sessão da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

QUANTO E ONDE SE INVESTE

QUANTO E ONDE SE INVESTE Outubro, 2016 Energias Limpas FINANCIAMENTO NOS BRICS QUANTO E ONDE SE INVESTE Em 2015, as economias emergentes começaram a investir mais que os países ricos em energia limpa pela primeira vez. Cerca de

Leia mais

RELATÓRIO QUARTO WORKSHOP SOBRE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO 11 E 12 DE SETEMBRO DE 2013

RELATÓRIO QUARTO WORKSHOP SOBRE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO 11 E 12 DE SETEMBRO DE 2013 RELATÓRIO QUARTO WORKSHOP SOBRE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO 11 E 12 DE SETEMBRO DE 2013 RELATÓRIO Foi realizado nos dias 11 e 12 de Setembro

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Ações do MMA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Ações do MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Qualidade Ambiental Workshop de Treinamento sobre Formulaçã ção o de Projeto para o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (CDM) e para o Protótipo tipo Fundo de Carbono

Leia mais

Para Sempre Brasil. Audiência Pública Comissão de Minas e Energia Câmara dos Deputados (1)

Para Sempre Brasil. Audiência Pública Comissão de Minas e Energia Câmara dos Deputados (1) Para Sempre Brasil Audiência Pública Comissão de Minas e Energia Câmara dos Deputados 21.05.2014 2014 (1) 108 anos de desenvolvimento industrial e sustentável Hydro liderou a industrialização e modernização

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA PARA O MUNICÍPIO DE SABARÁ 1

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA PARA O MUNICÍPIO DE SABARÁ 1 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA PARA O MUNICÍPIO DE SABARÁ 1 KRETTLI, Luísa Guimarães; PIMENTA, Mariana Antunes ; ALVARENGA, Luiza Helena Barbosa; MICHELLI, Andressa Miguez de Souza; NASCIMENTO,

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Notas sobre mudanças climáticas

Notas sobre mudanças climáticas Notas sobre mudanças climáticas ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial e Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

O Brasil e a Conferência de Paris

O Brasil e a Conferência de Paris O Brasil e a Conferência de Paris José Domingos Gonzalez Miguez Secretaria Execu8va Ministério do Meio Ambiente Dois Trilhos na Convenção sobre Mudança do Clima Grupo de Trabalho Ad Hoc sobre a Plataforma

Leia mais

Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro. Enase 2009

Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro. Enase 2009 Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro Enase 2009 Objetivo: agregar todos segmentos do setor elétrico, geradores de todas fontes, transmissores, distribuidores e consumidores para discutir e apresentar

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas

Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Energia e Ambiente Seminário: A Diversidade como Valor: Energia e Ecossistemas Fernando Caetano Universidade Aberta fcaetano@univ-ab.pt As necessidades actuais 85% da energia consumida mundialmente, provém

Leia mais

O MERCADO DE CARBONO COMO INSTRUMENTO DE CONSERVAÇÃO DA FLORESTA AMAZÔNICA MARIANO RUA LAMARCA JÚNIOR; CÉSAR ROBERTO LEITE DA SILVA; IEA/PUCSP

O MERCADO DE CARBONO COMO INSTRUMENTO DE CONSERVAÇÃO DA FLORESTA AMAZÔNICA MARIANO RUA LAMARCA JÚNIOR; CÉSAR ROBERTO LEITE DA SILVA; IEA/PUCSP O MERCADO DE CARBONO COMO INSTRUMENTO DE CONSERVAÇÃO DA FLORESTA AMAZÔNICA MARIANO RUA LAMARCA JÚNIOR; CÉSAR ROBERTO LEITE DA SILVA; IEA/PUCSP SAO PAULO - SP - BRASIL crlsilva@iea.sp.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

O papel da lata de alumínio para bebidas na Economia Circular

O papel da lata de alumínio para bebidas na Economia Circular O papel da lata de alumínio para bebidas na Economia Circular Renault de Freitas Castro Presidente Executivo Abralatas Fórum Internacional Waste Expo Brasil 22 Novembro de 2016 São Paulo- SP - Brasil A

Leia mais

Mariano Colini Cenamo mariano@idesam.org.br

Mariano Colini Cenamo mariano@idesam.org.br IntroduçãoaosMercadosde de Carbono Mariano Colini Cenamo mariano@idesam.org.br CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA TÉCNICOS DO GOVERNO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE SEMA FOREST

Leia mais

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz:

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz: Sumário dos resultados-chave do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Grupo de Trabalho III de Mitigação de Mudanças Climáticas Bangkok, Maio de 2007 Não é

Leia mais

AÇÃO AMBIENTAL 2015 - FIRJAN: Painel 1 Visão Geral sobre Mudança do Clima e Perspectivas para a COP21

AÇÃO AMBIENTAL 2015 - FIRJAN: Painel 1 Visão Geral sobre Mudança do Clima e Perspectivas para a COP21 AÇÃO AMBIENTAL 2015 - FIRJAN: Painel 1 Visão Geral sobre Mudança do Clima e Perspectivas para a COP21 Adriano Santhiago de Oliveira Diretor Departamento de Mudanças Climáticas Secretaria de Mudanças Climáticas

Leia mais

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Mudanças Climáticas e Economia Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Junho de 2009 Aquecimento global como falha de mercado O clima tem forte relação com a atividade econômica: Interação mais conhecida

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Introdução ao REDD. (Emissões Reduzidas de Desmatamento e Degradação - Reducing Emissions from Deforestation and Degradation)

Introdução ao REDD. (Emissões Reduzidas de Desmatamento e Degradação - Reducing Emissions from Deforestation and Degradation) Introdução ao REDD (Emissões Reduzidas de Desmatamento e Degradação - Reducing Emissions from Deforestation and Degradation) Celia A. Harvey, Olaf Zerbock and Jon Philipsborn Climate Change Initiatives

Leia mais

QUANTO VALE A FLORESTA AMAZÔNICA?

QUANTO VALE A FLORESTA AMAZÔNICA? Moving Beyond Technical Hurdles in Regulated and Voluntary Carbon Markets [Evoluindo além m das Tecnicalidades nos Mercados Regulamentados e Voluntários] Paulo Moutinho moutinho@ipam.org.br, pmoutinho@whrc.org

Leia mais

Política Internacional de Mudanças Climáticas

Política Internacional de Mudanças Climáticas Política Internacional de Mudanças Climáticas Olaf Zerbock Com materiais de: Laura Ledwith Pennypacker (CI Center for Conservation in Government-CCG) Conteúdo - Estrutura da UNFCCC (Convenção- Quadro das

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS

O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS O MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO PARA PROJETOS ENERGÉTICOS 5º CONGRESSO INTERNACIONAL DE BIOENERGIA Curitiba, PR, Agosto de 2010 Marcelo Schmid NOVEMBRO / 2008 marcelo@ideiaambiental.org.br MERCADO DE

Leia mais

Ethanol Summit. Conjuntura Econômica e Energia Renovável. Antonio Delfim Ne-o. 07 de julho de 2015 São Paulo, SP

Ethanol Summit. Conjuntura Econômica e Energia Renovável. Antonio Delfim Ne-o. 07 de julho de 2015 São Paulo, SP Ethanol Summit Conjuntura Econômica e Energia Renovável Antonio Delfim Ne-o 07 de julho de 2015 São Paulo, SP 1 I.1. PIB e Componentes Selecionados (1996 = 100) 180 170 Consumo das Famílias 160 150 140

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

1 de 6 22/04/2008 16:14

1 de 6 22/04/2008 16:14 1 de 6 22/04/2008 16:14 Contate-nos Meu Site Mapa do Site Institucional Relações com Investidores Boletim Contratos Agronegócio Serviços ISO 9001 Home Mercado de Carbono Perguntas Frequentes PERGUNTAS

Leia mais