Problemas Produção. Requisitos. Prof. Ana Paula A. de Castro. Prazos e custos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Problemas Produção. Requisitos. Prof. Ana Paula A. de Castro. Prazos e custos"

Transcrição

1 PRODUTOS ENGENHARIA DE SOFTWARE - I Prof. Ana Paula A. de Castro Problemas Produção Ciclos de vida Projetos Requisitos Características Especificação dos requisitos Engenharia dos requisitos Gestão dos requisitos Prazos e custos PRODUTOS Realismos de prazos e custos Planejamento de projetos Controle de projetos Conformidade com os requisitos Garantia da qualidade Gestão de configurações Gestão de contratos Desenho Modelos de Maturidade Projetos O desenvolvimento de um software é feito dentro de um projeto. Todo projeto tem: Data de início Data de fim; Uma equipe; E outros recursos. Um projeto representa a execução de um processo.

2 Projetos Enunciar os problemas Quando um projeto é bem definido, terá fases que permitam avaliar o progresso de um projeto e corrigir seus rumos quando ocorrerem problemas. Por que os sistemas informatizados... não fazem o que deveriam fazer? porque os problemas têm que ser enunciados; antes de serem resolvidos. As fases devem ser terminadas por marcos, ou seja, pontos que representam estados significativos do projeto. Marco de conclusão do projeto resultado; Enunciar os problemas Enunciar os problemas Problemas têm que ser enunciados antes de serem resolvidos. O que é necessário fazer é uma coisa. Problemas tem que ser enunciados antes de serem resolvidos. O que os clientes querem é outra coisa.

3 Enunciar os problemas Enunciar os problemas Problemas tem que ser enunciados antes de serem resolvidos. O que os clientes pedem é ainda outra coisa. Problemas tem que ser enunciados antes de serem resolvidos. O que os engenheiros de software entendem é mais outra coisa. Enunciar os problemas Requisitos Problemas tem que ser enunciados antes de serem resolvidos. O que acaba sendo feito... O valor de um produto vem de suas características, se tratando de software pode ser dividida em: funcionais que representam os comportamentos que um programa ou sistema deve aprender diante de certas ações de seus usuários; não-funcionais que quantificam determinados aspectos do comportamento.

4 Requisitos Requisitos O valor de um produto vem de suas características, se tratando de software pode ser dividida em: O valor de um produto vem de suas características, se tratando de software pode ser dividida em: funcionais que representam os comportamentos que um programa ou sistema deve aprender diante de certas ações de seus usuários; Ex. Em um terminal de caixa automático, os tipos de transações bancárias suportadas são características funcionais. não-funcionais que quantificam determinados aspectos do comportamento. Ex. A facilidade de uso, o tempo de resposta e o tempo médio entre falhas são características não funcionais. Requisitos Os requisitos são as características que definem os critérios de aceitação de um produto, podendo ser: Explícitos são aqueles descritos em um documento que específica os requisitos de um produto, ou seja, um documento de especificação de requisitos. Normativos são aqueles que decorrem de leis, regulamentos, padrões e outros tipos de normas a que tipo de produto deve obedecer. Implícitos são expectativas dos clientes e usuários, que são cobradas por esses, embora não documentadas Enunciar os problemas Princípios da Engenharia de Requisitos: boas especificações de requisitos são indispensáveis; não representam custos supérfluos; mas investimentos necessários; a participação dos usuários é fundamental; para que as suas necessidades sejam atendidas;

5 Enunciar os problemas Enunciar os problemas Princípios da Engenharia de Requisitos: uma boa especificação de requisitos custa: tempo e dinheiro; a ausência de uma boa especificação de requisitos custa: muito mais tempo e dinheiro. Instabilidade dos requisitos, ocorre quando clientes e usuários trazem novos requisitos, ou alterações dos requisitos, quando o desenvolvimento já esta em fase adiantada: perda de tempo e dinheiro; às vezes é inevitável; que fazer? Enunciar os problemas Na Engenharia de Software, a instabilidade é tão danosa quanto nas outras engenharias. Ex. Na construção civil - Mudar a planta de um edifício durante a construção, geralmente é preciso desfazer parte do que já foi construído - Será que o remendo é satisfatório? Enunciar os problemas A boa engenharia de requisitos reduz a instabilidade desses, ajudando a obter os requisitos corretos em um estágio anterior ao desenvolvimento. As vezes alterações de requisitos são inevitáveis.

6 Enunciar os problemas Enunciar os problemas A engenharia de requisitos está sujeita a limitações humanas; A engenharia de requisitos está sujeita a limitações humanas; Mesmo que o levantamento seja perfeito, podem ocorrer alterações de requisitos por causas externas aos projetos. Mesmo que o levantamento seja perfeito, podem ocorrer alterações de requisitos por causas externas aos projetos. Ex. Ex. A legislação pode mudar no meio do projeto, requerendo alterações nos relatórios que o produto deve emitir. Enunciar os problemas Gestão dos requisitos é a disciplina da engenharia de software que: procura manter sob controle os requisitos de um produto; mesmo diante de alterações inevitáveis.

7 Realismo de Realismo de Estourar cronogramas e orçamentos é parte da rotina da maioria dos profissionais de software. No próximo contrato que oferta irão escolher? Clientes e gerentes se desesperam com os atrasos dos projetos de software e sofrem prejuízos. Realismo de Realismo de No próximo contrato que oferta irão escolher? O que prometer melhor prazo e/ou menor custo. Se for um projeto interno da organização, farão todo tipo de pressão para conseguir que os desenvolvedores prometam prazos politicamente agradáveis, embora irreais.

8 Realismo de Realismo de Estimar prazos e custos faz parte da rotina de qualquer ramo da engenharia. Para um produto ser viável, não basta atender aos requisitos desejados, tem de ser produzido dentro de certos parâmetros de prazo e custo. Por que os sistemas informatizados... são entregues com atraso? custam mais caro do que o previsto? Realismo de Por que os sistemas informatizados... são entregues com atraso? custam mais caro do que o previsto? Porque faltam: gestão do escopo; planejamento do projeto; controle do projeto. Realismo de Gestão do escopo O escopo descreve todos os produtos de um projeto, serviços necessários para realizá-los e resultados finais esperados. Descreve também como o projeto será realizado para que alcance seus objetivos com os recursos e funções especificados.

9 Realismo de Exemplo: Gestão do escopo Escopo do produto de um sistema online de pagamento de contas: Descreve seus objetivos comerciais, como este vai funcionar, suas características, as tecnologias necessárias. O escopo do projeto: Descreve as etapas, os recursos disponíveis, como o produto será desenvolvido. Realismo de Realismo de Um triângulo crítico da Engenharia de Software: Um triângulo crítico da Engenharia de Software: Requisitos Requisitos Aumentos de requisitos levam a aumentos de prazos ou custos, ou de ambos Prazos Custos Prazos Custos

10 Realismo de Um triângulo crítico da Engenharia de Software: Realismo de Requisitos Requisitos Reduções de requisitos podem levar a reduções de prazos ou custos, mas nem sempre satisfaz. Prazos Custos Prazos Custos Não existe fórmula mágica para melhoria de processos (requisitos) sem alterarmos prazos e/ou custos. Realismo de Realismo de A cultura do prazo artificial: os sistemas só são propostos quando a necessidade deles é para ontem; os prazos são fixados de forma comercial ou política, e não técnica: o sistema já foi vendido o ministro vem inaugurar Não me interessa como você vai fazer, desde que entregue no prazo! Pressionados o suficiente, programadores prometem qualquer prazo.

11 Realismo de Conseqüências da cultura do prazo ruim: Produtos de má qualidade e mais caros do que deveriam (clientes); Perda de credibilidade e prejuízos (gerentes) Estresse e má qualidade de vida (desenvolvedores) Realismo de Dado um prazo, sempre se consegue fazer alguma coisa. Resta ver se é a coisa que deveria ser feita. Realismo de Planejamento de Projetos Para cumprir compromissos de prazos e custos, esses compromissos têm de ser assumidos com base em requisitos bem levantados, analisados e documentados. E os planos dos projetos têm de ser feitos com boas técnicas de estimativa e análise de tamanho, esforços, prazos e riscos. O desenvolvimento de software é feito dentro de um projeto. data de início; data de fim; equipe; gerente do projeto; outros recursos. Um projeto representa a execução de um processo.

12 Planejamento de Projetos Processo bem definido: é documentado; subdivisões permitem avaliar o progresso; e corrigir rumos; subdivisões terminadas por marcos: estados significativos do projeto; Planejamento de Projetos Planejamento de Projetos Processo bem definido: marcos associados a resultados concretos; verificáveis; o produto é um resultado; associado ao marco de conclusão do projeto. Os processos de desenvolvimento de software são intensivos em mão de obra. Métodos resolvem: apenas uma parte dos problemas. Ferramentas resolvem: uma parte ainda menor dos problemas. Ferramentas e métodos avançados: só têm utilidade nas mãos de pessoas capacitadas.

13 Planejamento de Projetos Planejamento de Projetos Receitas para reduzir custos. Fazer uma boa especificação: para não ter que mudá-la durante o desenvolvimento. nada é mais caro que resolver os problemas errados. Se for preciso modificar requisitos: controlar as mudanças; por meio da gestão dos requisitos. Receitas para reduzir custos. Identificar e resolver problemas o mais cedo possível. O custo de correção dos defeitos cresce muito ao longo do tempo. Planejamento de Projetos Controle de Projetos Executar projetos é mais do que fazer planos. Fazer orçamentos e cronogramas é fácil. Cumpri-los é muito mais difícil. Sem controle, compromissos não se cumprem. O controle dos projetos compreende: acompanhamento dos projetos; comparando-se o planejado com o realizado; busca de alternativas para contornar problemas; surgidos na execução;

14 Controle de Projetos Conformidade com Requisitos O controle dos projetos compreende: replanejamento dos projetos; quando não é possível manter os planos anteriores; dentro de um grau razoável de variação; renegociação dos compromissos assumidos; envolvendo todas as partes interessadas. A qualidade de um produto está ligado com os respectivos requisitos. Conformidade com Requisitos Conformidade com Requisitos A qualidade de um produto está ligado com os respectivos requisitos. Ex. Um carro popular pode ser de boa qualidade, e um carro de luxo pode ser de má qualidade. Ex. Um carro popular pode ser de boa qualidade, e um carro de luxo pode ser de má qualidade. Por que?

15 Conformidade com Requisitos Garantir a qualidade Ex. Um carro popular pode ser de boa qualidade, e um carro de luxo pode ser de má qualidade. O que decide a qualidade é comparação com os respectivos requisitos: O confronto entre a promessa A realização de cada produto Por que os sistemas informatizados......são de baixa qualidade? Porque a qualidade não é planejada......portanto, não é garantida! Garantir a qualidade Garantir a qualidade A qualidade dos produtos depende da qualidade dos processos. O que é mal especificado: é mal desenhado. O que é mal desenhado: é mal implementado. O que é mal implementado: é muito difícil de consertar. Exemplo: Construção de um carro

16 Garantir a qualidade Garantir a qualidade Exemplo: Construção de um carro Exemplo: Construção de um carro Garantir a qualidade Garantir a qualidade Todos os produtos intermediários devem ser conferidos. O que não passar na verificação não está pronto. Verificar custa tempo e dinheiro. Não verificar custa muito mais. A garantia da qualidade não existe se não for obsessiva. Todos conferem melhor o trabalho alheio. Quem confere não pode ser quem desenvolve.

17 Garantir a qualidade Garantir a qualidade é produzida por: técnicas corretas; nas mãos de pessoas capacitadas. Conferir não cria qualidade: apenas descobre problemas. não é luxo, é a necessidade mais básica. Prazos e custos só podem ser definidos a partir de objetivos de qualidade. Com qualidade zero, pode-se fazer qualquer coisa dentro do prazo. Garantir a qualidade Gestão de Configurações Tempo de desenvolvimento A curva prazo qualidade: Real Um produto de software é composto por muitos artefatos: códigos executáveis; Códigos-fonte; modelos; relatórios; outros documentos. Ilusório 100% do processo (medida em % de defeitos removidos)

18 Gestão de Configurações Gestão de Configurações Exemplos de artefatos Artefatos oficiais: A aprovação dos resultados assinala que um marco do projeto foi cumprido; Artefatos informais: Documentos e modelos temporários de trabalho dos desenvolvedores A maioria dos artefatos evolui ao longo do projeto e até ao longo de toda vida de um produto. Importante que os resultados sejam guardados e controlados. Necessidade de atualizar em caso de manutenção; Gestão de Configurações Gestão de Contratos Organizar e controlar os artefatos é o objetivo da gestão de configurações. Sem ela, é impossível atingir sequer níveis razoáveis de qualidade. Versões corrigidas são perdidas; versões defeituosas reaparecem. O número de itens diferentes produzidos em projetos de software: ultrapassa os limites da memória e da atenção humanas; mesmo em pequenos projetos. Empresas de software preferem terceirizar o desenvolvimento de software Contratam profissionais liberais;

19 Gestão de Contratos Garantir a qualidade Subcontratação - elo fraco da qualidade. A mesma qualidade que se oferece ao cliente deve ser exigida dos fornecedores. Falha dos fornecedores nunca é desculpa! A gestão de contratos determina como: especificar o produto a ser desenvolvido; correta e completamente; fazer uma boa seleção entre os candidatos a subcontratado; avaliando o realismo das propostas; Garantir a qualidade Desenhar os produtos A gestão de contratos determina como: acompanhar o desempenho do subcontratado; detectando precocemente problemas; planejar e executar os procedimentos de aceitação do produto. Problemas de desenho (design): Existe sempre um desenho: entre os requisitos e o código. Os defeitos de desenho geralmente são graves: quase tão graves quanto os de requisitos.

20 Desenhar os produtos Desenhar os produtos Problemas de desenho (design): Os defeitos de desenho são freqüentes: quase tão freqüentes quanto os defeitos de implementação; quando os desenvolvedores não são competentes em desenho. Muitos programadores nunca tiveram formação em técnicas de desenho: mesmo quando têm excelente domínio de uma linguagem de programação. Ex.: Na construção erros de desenhos podem levar a quais problemas??? Desenhar os produtos Desenhar os produtos Ex.: Na construção erros de desenhos podem levar a quais problemas??? Vazamentos Perigo de incêndios Rachaduras Desabamentos Vazamento é novamente de hidrogênio líquido. Voo foi adiado para julho. A NASA adiou o lançamento do ônibus espacial Endeavour, que estava previsto para esta quarta-feira (17/06/2009), depois de descobrir um vazamento potencialmente perigoso durante o reabastecimento da nave. Um representante da agência afirmou que o ônibus espacial será lançado apenas no dia 11 de julho. A nave estava pronta para o lançamento no Centro Espacial Kennedy, na Flórida. A declaração divulgada pela NASA informou que, por volta das 01h55 (horário local), os responsáveis pelo ônibus espacial "cancelaram o lançamento do ônibus espacial Endeavour em sua missão STS-127". "Apesar dos esforços para descobrir quais eram os problemas, os engenheiros não conseguiram diminuir o vazamento de hidrogênio líquido." Este é o segundo adiamento do lançamento da Endeavour. O ônibus espacial decolaria no último sábado, dia 13 de junho, mas as autoridades detectaram o vazamento de hidrogênio, muito inflamável. Apesar de a nave ter sido consertada o problema voltou a aparecer e a NASA decidiu adiar o lançamento até o mês de julho.

21 Desenhar os produtos Resultados típicos de defeitos de desenho: dificuldade de uso; lentidão; problemas imprevisíveis e irreprodutíveis; perda de dados; dificuldade de manutenção; dificuldade de adaptação e de expansão. A maturidade de uma organização em engenharia de software mede o grau de: competência técnica gerencial Que essa organização possui para produzir software de boa qualidade, dentro de prazos e custos razoáveis de previsíveis. Empresas com baixa maturidade em software: Os processos são informais; Ou seja, existem apenas na cabeça dos praticantes. ORGANIZAÇÕES MADURAS Papéis e responsabilidades bem definidas Existe base histórica É possível julgar a qualidade do produto A qualidade dos produtos e processos é monitorada O processo pode ser atualizado Comparação ORGANIZAÇÕES IMATURAS Processo improvisado Não Existe base histórica Não há maneira objetiva de julgar a qualidade do produto e funcionalidade do produto sacrificados Não há rigor no processo a ser seguido Existe comunicação entre o gerente e seu grupo Resolução de crises imediatas

22 Para tornar uma empresa mais madura e capacitada, é realmente preciso melhorar a qualidade dos seus processos. Êxito dos processos: Medida de quanto os processos contribuem para que os produtos sejam entregues aos clientes e usuários com melhor qualidade, por menor custo e em prazo mais curto. Onde o retorno do investimento em capacitação é maior? Formar pessoas é difícil, caro e demorado. Recrutar pessoas capacitadas também. Onde o retorno do investimento em capacitação é maior? Tecnologia tem seu próprio ritmo de evolução. Tecnologia demais é problema e não solução. Onde o retorno do investimento em capacitação é maior? Mudanças de processo podem trazer melhorias a prazo mais curto.

23 Problema: Ferramentas não fazem milagres. Metodologias não fazem milagres. Métodos gerenciais não fazem milagres. Os processos também não fazem milagres! A capacitação em processos é, ela própria, um processo. O objetivo do processo de capacitação é o amadurecimento de uma cultura da qualidade. O amadurecimento dos processos se faz passo a passo. Existem níveis de maturidade. O SW-CMM * é o paradigma mais difundido de níveis de maturidade. O CMM focaliza os processos, que considera o fator de produção com maior potencial de melhoria a prazo mais curto. Fatores como tecnologias e pessoas, só são tratados pelo CMM na medida em que interagem os processos. SW-CMM Capability Maturity Model Desenvolvido pelo departamento defesa americana. de

24 SW-CMM classifica as organizações em cinco níveis distintos, cada um com suas características próprias. O processo de desenvolvimento é desorganizado e até caótico. Poucos processos são definidos e o sucesso depende de esforços individuais e heróicos. Os processos básicos de gerenciamento de projeto estão estabelecidos e permitem acompanhar custo, cronograma e funcionalidade. É possível repetir o sucesso de um processo utilizado anteriormente em outros projetos similares. Tanto as atividades de gerenciamento quanto de engenharia do processo de desenvolvimento de software estão documentadas, padronizadas e integradas em um padrão de desenvolvimento da organização Todos os projetos utilizam uma versão aprovada e adaptada do processo de desenvolvimento de software.

25 São coletadas medidas detalhadas da qualidade do produto e processo de desenvolvimento de software. Tanto o produto quanto o processo de desenvolvimento de software são entendidos e controlados quantitativamente. O melhoramento contínuo do processo é conseguido através de um feedback quantitativo dos processos e pelo uso pioneiro de idéias e tecnologias inovadoras.

P R O C E SSO D E D E S E N VOLVIMENTO D E S O F T WAR E

P R O C E SSO D E D E S E N VOLVIMENTO D E S O F T WAR E Tópicos desta Aula: Custo de desenvolver um software. Para quem se desenvolve um software? Tempo: Amigo ou Inimigo? Definição: Atividades e Responsabilidades? REALISMO DE PRAZOS E CUSTOS Por que tantos

Leia mais

Construção. Transição

Construção. Transição Análise de Sistemas Processo de Engenharia de Software 1. ESQUEMA GERAL (Ciclo de Vida de Software) Ciclo de Vida 2. PRODUTOS 2.1. PROBLEMAS Percepção da Necessidade Concepção Elaboração Desenvolvimento

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE (30h) Introdução: desenvolvimento

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha Introdução à Qualidade de Software Profº Aldo Rocha Agenda O que é Qualidade? O que é Qualidade de Software? Qualidade do Produto e do Processo Normas e Organismos Normativos Qualidade de Software e Processos

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução e uma Visão do Processo de Software

Engenharia de Software: Introdução e uma Visão do Processo de Software Engenharia de Software: Introdução e uma Visão do Processo de Software (Algumas partes deste material correspondem a excertos do livro de Wilson Pádua Filho, Editora LTC - Direitos autorais respeitados)

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos A seguir, orientações fundamentais para a elaboração dos documentos do projeto, tendo em vista a complexidade inerente neste processo. Este roteiro

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Manutenção e Ferramentas CASE. Marcos L. Chaim Segundo Bimestre 2003 Mestrado Profissional IC/Unicamp

Manutenção e Ferramentas CASE. Marcos L. Chaim Segundo Bimestre 2003 Mestrado Profissional IC/Unicamp Manutenção e Ferramentas CASE Marcos L. Chaim Segundo Bimestre 2003 Mestrado Profissional IC/Unicamp O que é manutenção de software? mudanças que devem ser feitas nos programas de computadores depois de

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Gestão de defeito: Descreva! Sumário. Introdução. Problema. Justificativa. Metodologia. Referencial teórico. Demonstração do Mantis.

Gestão de defeito: Descreva! Sumário. Introdução. Problema. Justificativa. Metodologia. Referencial teórico. Demonstração do Mantis. Gestão de defeito: Descreva! Sumário Introdução Problema Justificativa Metodologia Referencial teórico Demonstração do Mantis Introdução Não saber descrever um comportamento executado e onde está o defeito

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

Engenharia de Software: fundamentos, métodos e padrões. (Excertos de livro a ser publicado pela Editora LTC proibida a reprodução)

Engenharia de Software: fundamentos, métodos e padrões. (Excertos de livro a ser publicado pela Editora LTC proibida a reprodução) Engenharia de Software: fundamentos, métodos e padrões (Excertos de livro a ser publicado pela Editora LTC proibida a reprodução) Wilson de Pádua Paula Filho Março de 2000 Página em branco 2 Manual do

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Software Gerenciamento de Requisitos Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Requisitos (ER) Engenharia de O termo Engenharia implica em dizer que um processo sistemático

Leia mais

UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco Manutenção de Software

UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco Manutenção de Software UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco Manutenção de Software Prof. Ricardo A. Ramos Ciclo de Vida de Software 2 Manutenção de Software Alterações efetuadas no software depois de sua liberação.

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Conceitos de Qualidade CES-32 / CE-230

Leia mais

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Modernização e Evolução do Acervo de Software Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Tópicos 1. Estudo Amplo sobre Modernização 2. Visão IBM Enterprise Modernization 3. Discussão - Aplicação

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento de Software. Apresentação (Ementa) e Introdução

Projeto de Desenvolvimento de Software. Apresentação (Ementa) e Introdução Projeto de Desenvolvimento de Software Apresentação (Ementa) e Introdução Msc. Eliezio Soares Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas IFRN Mestrado em Sistemas e Computação - DIMAp / UFRN Experiência

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

C Por que é preciso fazer rápido o produto web?

C Por que é preciso fazer rápido o produto web? C Por que é preciso fazer rápido o produto web? Já falamos sobre algumas denições e requisitos para se ter uma startup. Depois falamos sobre como ter ideias de produtos para a startup e que essas ideias

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Introdução a Engenharia de Software

Introdução a Engenharia de Software Introdução a Engenharia de Software Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Histórico 1968: Crise do Software Nasce a Engenharia de Software 1970s:

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Qualidade de Software Produto de Software Processo de Software Modelo de Qualidade CMM Qualidade Qualidade de Software Na visão popular: Luxo Mais caro, complexo = maior

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais Avaliar é... Emitir juízo de valor sobre algo. Avaliação Econômica é... Quantificar o impacto e o retorno econômico de um projeto, com base em

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Requisitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Requisito O que é um REQUISITO? Em software: É a CARACTERIZAÇÃO do que o

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais