- Câmara aprova texto-base do projeto que aumenta tributação da folha de pagamentos. - Câmara aprova texto-base de redução da desoneração folha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Câmara aprova texto-base do projeto que aumenta tributação da folha de pagamentos. - Câmara aprova texto-base de redução da desoneração folha"

Transcrição

1 25/06/ Câmara aprova texto-base do projeto que aumenta tributação da folha de pagamentos Picciani inclui o setor calçadista entre os que terão menos aumento de tributação... - Câmara aprova texto-base de redução da desoneração folha Com concessões feitas pelo governo, recomposição da receita deve menor do que a originalmente prevista... - Crédito imobiliário desaba em maio após freio da Caixa Os números de maio do crédito imobiliário deixam claro o tamanho do estrago que a escassez de dinheiro na caderneta de poupança trouxe para o financiamento da casa própria... - Aprovado reajuste do mínimo a aposentados Apesar de apenas a oposição e o PDT orientarem suas bancadas a votar a favor da emenda, praticamente metade dos deputados de PSD, PTB e Pros traíram o governo... - Laudo diz comprovar pagamento de propina da Odebrecht no exterior A Operação Lava-Jato reuniu documentos que comprovariam pagamentos de propina de US$ 7,5 milhões realizados pela Odebrecht a políticos e funcionários da Petrobras no exterior... - Leilão pode mudar para ampliar uso de gás natural O governo está disposto a rever algumas regras dos leilões de energia para viabilizar a participação de um maior número de termelétricas a gás natural nas concorrências... - Grandes petrolíferas já discutem negócios com o Irã Executivos da Royal Dutch Shell se reuniram com autoridades iranianas em Teerã para discutir a possibilidade de investir no setor energético do país...

2 - A retomada do crescimento - Em matéria de crescimento econômico inexiste um receituário de política que possa ser adotado em outros países... - Cemig perde batalha com União por renovação de hidrelétrica As ações da Cemig despencaram ontem na BM&FBovespa após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negar o pedido da companhia para renovar automaticamente a concessão da hidrelétrica de Jaguara... - CVM defende adoção de um código único no Brasil "Adotar um código nacional significa dizer que o mercado tem uma direção. Senão, cada um vai adotar o código em que mais 'se vê'... - Financiamento para obra de metrô é teste para Odebrecht A Odebrecht enfrenta um primeiro grande teste de sua capacidade de crédito depois da implicação da empresa e prisão do presidente do grupo... - InterCement fará nova fábrica em Moçambique A InterCement, cimenteira do grupo Camargo Corrêa, vai investir US$ 250 milhões (em torno de R$ 800 milhões) para erguer uma nova fábrica em Moçambique... - Investimento e dívidas da Petrobras preocupam O mercado espera que a Petrobras apresente na sexta-feira um novo plano de negócios com investimentos de US$ 130 bilhões a US$ 140 bilhões... - Decisão do STJ beneficia empresa em recuperação O Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgou que a ação de cobrança (execução) individual contra empresa que teve pedido de recuperação judicial concedido deve ser extinta... - Julgamento sobre juros de mora é suspenso Os ministros vão esperar uma definição do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o tema... - A linguagem forense: concisão e clareza Recentemente a Suprema Corte norte-americana ameaçou punir um advogado de marcas e patentes que se recusava a escrever com objetividade e clareza... - Odebrecht diz que delegado da PF deu ares de escândalo a bilhete de seu presidente Em nota à imprensa, divulgada na noite desta quarta-feira, 24, maior empreiteira do País, cujo presidente caiu na malha da Lava Jato e está preso desde sexta, 19, argumenta boa fé de Marcelo Odebrecht...

3 - BC piora previsão de contração da economia brasileira neste ano de 0,5% para 1,1% Seria a pior em 25 anos. Para a inflação, projeção foi de 7,9% para 9%, a mais alta desde Com ajuste fiscal, investimentos no PAC já caíram 33% no ano até abril Governo suspende divulgação do balanço quadrimestral do programa, que era feito desde julho de Lava Jato rastreia US$ 7 milhões de propina atribuída a Odebrecht Investigadores buscam através de valores identificados por delatores e autoridades de Mônaco em contas secretas de três ex-funcionários da Petrobrás, entre 2009 e 2012, origem dos pagamentos e de seu operador... - TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MANTÉM SUSPENSÃO DO POLO NAVAL EM MANAUS O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou recurso do Estado do Amazonas e da União... - JUSTIÇA FEDERAL LIBERA LICITAÇÃO DE TERMINAL NO CAIS DO SABOÓ A Justiça Federal suspendeu a liminar que impedia a licitação de uma área de 61,4 mil metros quadrados, atualmente arrendada pela Rodrimar, no Cais do Saboó... - ANTAQ ESTÁ PREPARADA PARA REALIZAR LICITAÇÕES DO BLOCO 1, DIZ POVIA DURANTE AUDIÊNCIA PÚBLICA NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Ao falar sobre as competências da Agência no âmbito do novo marco legal dos portos, Povia disse que a Antaq está preparada para realizar as licitações do Bloco FUNDO DE ENERGIA DO NORDESTE FINANCIARÁ R$ 13 BILHÕES EM NOVOS INVESTIMENTOS Criado pelo governo federal por meio da Medida Provisória 677, o fundo financiará empreendimentos nos segmentos de geração e transmissão, e deve movimentar R$ 2,5 bilhões em recursos até GOVERNO QUER AMPLIAR USO DO GÁS NATURAL NO BRASIL

4 O Ministério de Minas e Energia (MME) apontou, em reunião realizada nesta semana, que deverá manter como foco de governo a ampliação do consumo de gás natural no país... - Advogada de Marcelo Odebrecht diz que PF tenta tumultuar processo Defesa de presidente de empreiteira critica ação da Polícia Federal... - Governo lança plano para aumentar participação do Brasil no comércio internacional No entanto, o ponto mais esperado pelos exportadores brasileiros, o Proex, não terá um acréscimo sobre o orçamento deste ano... - BC piora previsão de contração do PIB de 0,5% para 1,1% e espera inflação de 9% neste ano Se estimativas se confirmarem, será o pior desempenho da economia em 25 anos e a inflação mais alta desde STJ nega pleito da Cemig para renovar concessão da hidrelétrica de Jaguara Por seis votos a dois, Justiça determina que complexo, em Minas Gerais, seja devolvido à União... - Procuradoria diz que há suficiente prova de delito contra exexecutivo da Odebrecht Força-tarefa da Lava Jato confirma necessidade de manter preso Alexandrinho Alencar, por riscos de destruição de provas e continuidade delitiva... - Odebrecht diz que destruir significa rebater Advogados da empreiteira entregaram petição ao juiz da Lava Jato esclarecendo que bilhete encontrado com Marcelo Odebrecht não contém o mais remoto comando para que provas fossem destruídas... - Por envolvimento de construtoras na Lava Jato, TCU investigará Belo Monte

5 O TCU (Tribunal de Contas da União) vai iniciar uma investigação sobre recursos públicos usados na construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte... - Câmara aprova extensão do reajuste do mínimo a todos os aposentados Proposta foi incluída em MP que prorroga fórmula até 2019; governo sofre derrota... - Juiz da Lava-Jato rebate argumentos apresentados por Odebrecht em comunicado publicado em jornais Para Sérgio Moro, texto da construtora é tentativa de confundir opinião pública, valendo-se de amplos recursos financeiros... - Justiça de SP aceita denúncia contra seis executivos por cartel no Metrô Eles são acusados de fraudar licitações para a reforma de 98 trens das linhas 1-Azul e 3-Vermelha, entre 2008 e Governo promete colocar em dia os pagamentos do Minha Casa Minha Vida Ministro Nelson Barbosa diz que prioridade é agilizar cronograma de pagamento das 1,6 milhão de moradias que já estão contratadas... - Odebrecht não quer reconhecer sua responsabilidade, diz Moro No despacho em que decreta a prisão preventiva de Alexandrino Alencar, juiz da Lava Jato afirma que inusitado comunicado da Odebrecht à imprensa apenas reforça a convicção da necessidade da custódia do executivo... - Justiça mantém presos executivos da Andrade Gutierrez O Tribunal Regional Federal da 4ª Região negou nesta quarta-feira (24) habeas corpus para o presidente da empreiteira Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, e para o diretor-executivo da empresa, Elton Negrão de Azevedo Júnior...

6 1ª PARTE NOTICIAS DO DIA 25/06 Fonte: O Globo 25/06/ Câmara aprova texto-base do projeto que aumenta tributação da folha de pagamentos Picciani inclui o setor calçadista entre os que terão menos aumento de tributação POR ISABEL BRAGA BRASÍLIA - Em votação que entrou pela madrugada desta quinta-feira, o plenário da Câmara aprovou o texto base do projeto que aumenta a tributação da folha de pagamentos por 253 votos a favor e 144 votos contra, além de uma abstenção. Depois de já ter aceitado dar tratamento especial a quatro setores da economia no projeto que aumenta a tributação da folha de pagamentos, o governo foi obrigado a ceder novamente na noite de quarta-feira para tentar votar o projeto na Câmara. A votação dos destaques ao texto será feita nesta quinta-feira. O relator do projeto e líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), fez mudanças de última hora em seu texto, incluindo um quinto setor, o calçadista, entre os que podem ter um reajuste menor de imposto. Até quarta-feira, o acordo beneficiava, contra a vontade do governo, call centers, transportes, comunicação social e produtores de alimentos da cesta básica. Em mais uma mudança, Picciani estabeleceu que este último setor terá sua alíquota de tributação mantida em 1%. As folhas dos demais setores terão reajustes menores que os propostos originalmente pelo governo. A inclusão do setor calçadista entre os beneficiados pela alíquota menor atendeu a pedidos da bancada do PP e dos deputados aliados do Rio Grande do Sul. Segundo Picciani, com as novas alterações, o governo, que previa economizar R$ 12,5 bilhões com o fim da tributação de 56 setores, irá economizar pouco mais de R$ 10 bilhões. Ainda estamos fazendo os cálculos, mas deve ficar um pouco acima de R$ 10 bilhões. As negociações vinham sendo feitas e, agora à noite, chegamos a um consenso com o líder (José) Guimarães. O governo entendeu a necessidade de negociar para aprovarmos o texto disse Picciani. A negociação com Guimarães foi feita após derrota do governo em plenário na votação da emenda que estendeu a aposentados e pensionistas a política de

7 valorização do mínimo. Picciani afirmou que, no caso do setor calçadista, a alíquota será de 1,5%. Guimarães reafirmou o apoio do governo ao texto de Picciani e disse que as negociações de última hora foram necessárias para garantir a aprovação do texto. Para Guimarães, a votação do texto base foi uma sinalização importante. Ele reúne a base aliada às 10h desta quinta-feira para pedir que todos os destaques ao texto sejam rejeitados. O governo quer aprovar a matéria e, para isso, negociou politicamente com o relator. Foi a matéria mais dura e difícil de votar. A base votou na medida e esperamos finalizar amanhã (quinta-feira) a votação _ disse Guimarães. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou ontem que a aprovação da proposta é sinal importante para os mercados, no momento em que a economia brasileira enfrenta uma recessão. Ele convocou os deputados para sessões extraordinárias nesta quinta-feira, para concluir a votação. MANDIOCA Durante a discussão do projeto, após a leitura do parecer, deputados tucanos usaram a tribuna para fazer referência a discurso da presidente Dilma Rousseff em cerimônia ontem no lançamento do primeiro Jogos Mundiais dos Povos Indígenas, no estádio Nilson Nelson. No discurso, entre outras coisas, que saudava a mandioca e acha que ela era uma das melhores conquistas do país. O deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) usou a tribuna para ler trechos do discurso de Dilma. Em seguida, o deputado Nilson Leitão (PSDB-MT) também usou a tribuna e afirmou que a presidente Dilma tinha "enfiado" a mandioca no povo brasileiro. Guimarães, incomodado pediu que a expressão fosse retirada dos anais da Casa. Nilson Leitão desceu da tribuna e aproximou-se de Guimarães afirmando que não tinha usado palavra de baixo calão. Deputados do PT que estavam próximos reagiram, avisando ao tucano que não provocasse e houve um início de tumulto. O presidente interrompeu a sessão e pediu respeito. A mandioca foi o cerne da discórdia resumiu Bruno Araújo. No final da sessão, Cunha pediu que a taquigrafia fizesse uma revisão e retirasse expressões ofensivas. VOLTAR

8 Fonte: Estadão 25/ Câmara aprova texto-base de redução da desoneração folha RICARDO DELLA COLETTA, DANIEL CARVALHO, DAIENE CARDOSO E CARLA ARAÚJO - O ESTADO DE S. PAULO Com concessões feitas pelo governo, recomposição da receita deve menor do que a originalmente prevista A Câmara aprovou na madrugada desta quinta-feira, 25, o texto-base do projeto de lei que reduz a desoneração da folha de pagamento de mais de 50 setores da economia. Por pressão da bancada do PP, o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), aceitou incluir o setor calçadista entreas exceções. O relatório da proposta enviada pelo Executivo em março aumenta as alíquotas de recolhimento das empresas que participam do regime especial de tributação. Esta é a última medida do ajuste fiscal e tem sido apontada pela presidente Dilma Rousseff como crucial. Para conseguir a aprovação do texto-base, no entanto, o governo teve que fazer concessões, o que deve resultar numa recomposição de receita menor do que a originalmente prevista. A votação terminou à 1h e será retomada às 9h, quando deputados apreciarão 26 emendas ao texto. Às 10h, haverá reunião da base do governo para discutir o assunto. O texto foi aprovado por 253 votos a favor, 144 contra e uma abstenção. PSDB, PSB, DEM, Solidariedade, PPS e PTB orientaram seus deputados a votar contra o relatório de Picciani. O relator promoveu novas alterações em seu relatório e incluiu entre as exceções outros setores econômicos, além dos previstos inicialmente. Eles terão uma recomposição de alíquotas intermediária, mais suave daquela defendida pelo governo. Foi incluído nesse rol, por exemplo, os calçadistas e artefatos de material têxtil, além de automóveis para o transporte de 10 pessoas ou mais (exceto trolebus). O relator e líder do PMDB, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), ampliou ainda a lista de excepcionalidades para as empresas auxiliares ao transporte aéreo de carga e de passageiros. A previsão original de Picciani era apenas conferir o benefício à comunicação social, transportes, call centers e itens da cesta básica. Houve ainda outra novidade no relatório do peemedebista: os itens alimentícios que compõem a cesta básica, que antes teriam uma majoração parcial nos tributos, não serão mais atingidos pelo projeto, segundo Picciani. Ele incluiu ainda mudanças na tributação de bebidas produzidas na zona franca de Manaus.

9 O governo comemorou o resultado, mas não informou qual a diferença entre a recomposição de receitas estimada e aquela que será alcançada com o texto aprovado. Batalha da mandioca. Depois de tentar obstruir a sessão, que só começou depois das 22h, a oposição fez duras críticas ao projeto e à presidente Dilma Rousseff. "Não é justo e não é correto o que o governo e o que este projeto está fazendo com o Brasil. É um grande equívoco num momento de crise. Este projeto, como está, você está escolhendo quem vai morrer e quem vai ficar vivo", disse o líder em exercício do PSDB, Nilson Leitão (MT). "A mandioca é o que ela está colocando nos brasileiros. É uma irresponsabilidade sem tamanho. Deve ser para isso que ela quer a mandioca. A incompetência desta mulher vai falir o País", disse Leitão, ironizando declaração feita por Dilma no início desta semana, quando a petista fez uma "saudação à mandioca". Líder do governo, o deputado José Guimarães (PT-CE) pediu que as declarações de Leitão fossem retiradas dos anais. "Respeite a instituição, respeite a mulher que é a presidente do Brasil e não use esse tipo de palavra na Câmara dos Deputados", afirmou. Após a resposta de Guimarães, os deputados Décio Lima (PT-SC) e Leitão se desentenderam e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pediu intervenção da Polícia Legislativa no tumulto. A fala de Leitão gerou reação dos parlamentares. "Dilma foi eleita. Quem não aceitar isso vá chorar, se encolhe, vá torcer o próprio cabelo, mas não me venha desrespeitar a presidente eleita", reagiu a líder do PC do B, Jandira Feghali (RJ). Depois da confusão, Leitão tentou minimizar a polêmica e disse que "jamais ofenderia uma mulher". "O meu respeito (a mulher) continua igual, agora meu desrespeito a gestão da presidente Dilma continua cada vez maior", disse. "No meu discurso na tribuna usei aquilo que achei que era conveniente no momento". Ao fim da sessão, Cunha pediu para que colocações desrespeitosas fossem retiradas das atas. VOLTAR

10 Fonte: Valor Econômico 25/06/ Crédito imobiliário desaba em maio após freio da Caixa Por Felipe Marques De São Paulo Os números de maio do crédito imobiliário deixam claro o tamanho do estrago que a escassez de dinheiro na caderneta de poupança trouxe para o financiamento da casa própria. Também mostram o quão dependente a modalidade é da Caixa Econômica Federal, que reduziu radicalmente a liberação de empréstimos e, pela primeira vez, perdeu a liderança no crédito habitacional com recursos da poupança. Dados obtidos com exclusividade pelo Valor mostram que, em maio, foram desembolsados R$ 3,608 bilhões em financiamento habitacional para aquisição de imóveis com recursos da poupança, uma queda de 51% ante o mesmo mês de 2014 e também de 51% na comparação com abril. Tal cifra só se compara à liberada em 2011, antes do salto da modalidade. As informações são parte de um levantamento preliminar restrito que a Abecip, associação que reúne empresas de crédito imobiliário, divulga aos associados. A amostra contempla apenas operações que tiveram "funding" da poupança, o que exclui o programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV). Procurada, a Abecip não retornou pedido de entrevista. Foi a Caixa a grande responsável por essa redução no crédito habitacional. O banco estatal, historicamente o principal financiador da casa própria do país, desembolsou R$ 725 milhões em operações para mutuários em maio. Em abril, o banco havia liberado R$ 4,798 bilhões, ou seja, houve uma queda de 85% na comparação com mês imediatamente anterior. Em maio do ano passado, o banco público desembolsou R$ 4,438 bilhões. Desde 4 de maio, a Caixa passou a financiar apenas 50% do valor de um imóvel usado, no Sistema de Amortização Constante (SAC), e até 40% na tabela Price. Também no meio de abril, o banco público anunciou, pela segunda vez no ano, aumento nos juros do financiamento habitacional. Em algumas linhas, os reajustes chegaram a até 80 pontos-base. O desempenho da Caixa em maio levou à quebra de um paradigma no crédito habitacional brasileiro: o banco público perdeu a liderança do mercado. Em abril, a Caixa respondia por 65,1% do volume desembolsado para mutuários, participação que encolheu para 20,1% em maio. A liderança passou para as mãos

11 do Itaú Unibanco (24,9%), seguido pelo Bradesco (20,4%) e pelo Santander (20,2%). Apenas para fins de comparação, em abril, o Itaú tinha 11,4% de participação, o Bradesco 6,6% e o Santander, 9,1%. A mudança na participação de mercado também mostra que, embora longe de compensar o freio da Caixa, os bancos privados conseguiram desembolsar um volume maior de recursos para aquisição de imóveis em maio. O Itaú desembolsou 12% a mais que no mesmo mês de 2014, ou R$ 898 milhões. O Bradesco, 17% a mais, com R$ 735 milhões, enquanto o Santander incrementou em 8%, com R$ 729 bilhões. Procurada, a Caixa afirmou que sua prioridade neste ano serão linhas com recursos do FGTS, como o MCMV. "É nessa faixa de renda que está concentrado mais de 90% do déficit habitacional. A Caixa ressalta que mantém a liderança para este público, com o market share de 90,8% em termos de estoque e 77% em termos de aplicação", citou em nota. Ainda que os dados de maio tenham sido significativos em mostrar o tamanho do freio do crédito imobiliário brasileiro, são os de junho que darão um melhor quadro do semestre, segundo bancos ouvidos pelo Valor. O motivo é a série de medidas lançadas pelo governo neste mês que previam uma injeção de cerca de R$ 25 bilhões para o crédito imobiliário. O Banco Central (BC) mudou as regras do depósito compulsório da poupança, aumentando o volume de recursos disponíveis para financiamento habitacional, e o governo permitiu uso adicional de recursos do FGTS. Embora a redução no crédito para aquisição de imóveis tenha sido significativa, nos empréstimos para construção de imóveis o quadro foi melhor. Nessa linha, foram desembolsados R$ 1,828 bilhão, uma queda de 6% na comparação anual, com avanço de 32% ante abril. O financiamento à construção com recursos da poupança é uma linha em que a Caixa tem atuação significativamente menor, portanto menos sujeita a flutuação de suas estratégias. O desempenho do crédito imobiliário tem a ver com o tombo na captação da sua principal fonte de recursos, a caderneta de poupança. Os saques têm superado com folga os depósitos neste ano por conta da perda de atratividade do investimento, diante da alta dos juros e do aperto no orçamento das famílias. No acumulado do ano até 17 junho, a retirada líquida da caderneta somava R$ 38 bilhões. A Abecip projeta que a poupança encerre 2015 com resgate de R$ 50 bilhões. A alta da Selic inviabiliza que recursos captados a taxas de mercado sejam usados para o crédito habitacional, sem que os juros cobrados cheguem a níveis assustadores. VOLTAR

12 Fonte: Valor Econômico 25/06/ Aprovado reajuste do mínimo a aposentados Por Raphael Di Cunto e Thiago Resende De Brasília Contra a orientação do governo, a Câmara dos Deputados aprovou ontem, por 206 votos a 179, emenda à Medida Provisória (MP) 672/15, que estende a política de reajuste do salário mínimo até 2019, para que a fórmula seja aplicada também aos aposentados e pensionistas da Previdência Social que recebem benefícios acima do mínimo. Apesar de apenas a oposição e o PDT orientarem suas bancadas a votar a favor da emenda, praticamente metade dos deputados de PSD, PTB e Pros traíram o governo ao aprovarem o destaque. No PP, 19 votaram sim, Figueiredo: A aprovação é importante para pressionar o governo a apresentar uma alternativa, do mesmo modo que ocorreu com o fator previdenciário contra 10 que votaram não. O PT foi mais fiel: apenas dois dos 51 deputados presentes foram contra o Executivo. Em café da manhã com os líderes da base aliada, o PDT já tinha avisado ao governo que votaria a favor de aplicar a política de reajuste do salário mínimo para os aposentados. O ministro da Previdência, Carlos Gabas (PT), respondeu que Dilma vetaria a emenda caso fosse aprovada - segundo cálculos da Pasta, o impacto de um reajuste de 1% nos benefícios previdenciários acima do salário mínimo é de cerca de R$ 2 bilhões por ano. O deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), autor da emenda junto com o líder do SD, Arthur Maia (BA), afirmou, porém, que a presidente Dilma Rousseff não poderá vetar apenas o trecho referente aos aposentados porque a emenda juntou o salário mínimo aos benefícios previdenciários em um único artigo. "Teria que vetar a política toda", disse. Para o líder do PDT, deputado André Figueiredo (CE), a extensão para os aposentados não prejudicaria o ajuste fiscal porque o impacto, se existir, só começaria a partir de "A aprovação é importante para pressionar o governo a apresentar uma alternativa, do mesmo modo que ocorreu com o fator previdenciário", disse. Pela regra atual, o salário mínimo é reajustado em percentual equivalente à inflação acumulada no ano anterior (o Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC), mais o percentual de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.

13 A fórmula é usada desde 2007 e foi instituída por lei em 2011, com validade até janeiro de O modelo, contudo, deve garantir pouca valorização para o salário mínimo nos próximos anos e ter impacto reduzido nas contas públicas por causa da crise econômica. Como o crescimento do PIB em 2014 foi apenas de 0,1%, este será o percentual aplicado de aumento real (acima da inflação) em Para este ano, o Banco Central projeta retração de 1,1% do PIB. O PSOL foi o único partido a votar contra a medida provisória, aprovada por 287 votos a 12, por entender que o texto abre a possibilidade de o governo descontar do INPC o percentual de retração da economia e, com isso, promover um aumento abaixo da inflação. Em 2011, o governo viveu o mesmo cenário, mas, pressionado pelas centrais sindicais, concedeu a inflação de dois anos antes sem desconto. A MP foi encaminhada pela presidente Dilma Rousseff em maio justamente em articulação do governo para evitar que os deputados aprovassem a política de reajuste do mínimo extensiva às aposentadorias. A fórmula desagradava à equipe econômica do governo, que via uma pressão excessiva da valorização do salário mínimo sobre as contas públicas e inflação. VOLTAR Fonte: Valor Econômico 25/06/ Laudo diz comprovar pagamento de propina da Odebrecht no exterior Por André Guilherme Vieira De São Paulo A Operação Lava-Jato reuniu documentos que comprovariam pagamentos de propina de US$ 7,5 milhões realizados pela Odebrecht a políticos e funcionários da Petrobras no exterior. A documentação, a que o Valor teve acesso, vai constar do conjunto de provas que será usado para amparar a acusação por corrupção e

14 formação de cartel contra os presidentes da Odebrecht, Marcelo Odebrecht e da Andrade Gutierrez Otávio Marques de Azevedo, além do executivo Alexandrino de Alencar e de outros cinco investigados presos preventivamente na sexta-feira. Ontem, o juiz Sergio Moro converteu a prisão de Alencar de temporária para preventiva. A denúncia contra os oito presos será oferecida até o final de julho, segundo investigadores. São 25 registros de transações bancárias no período de abril de 2009 a maio de 2012, cujo principal remetente é a Constructora Del Sur S.A., uma offshore usada pela Odebrecht no exterior, segundo a Lava-Jato. A empresa nega vínculo ou relação com a offshore. Apenas uma das remessas, de US$ 300 mil, foi feita pela própria Odebrecht, via Royal Bank of Canada em Genebra para a offshore Canyon View Assets S.A. O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras e delator Paulo Roberto Costa indicou que as contas em nome das offshores Sygnus Assets S.A., no banco PKB Private Bank S.A, Quinus Services S.A., no HSBC, Sagor Holding S.A., no Julius Baer, e conta no Deutsche Bank eram de sua propriedade, porém controladas por Bernando Freiburghaus, apontado como operador de propinas, que está foragido da Justiça e vive na Suíça. Os US$ 23 milhões que Costa mantinha em cinco contas secretas na Suíça teriam como origem propina paga pela Odebrecht e pela Braskem, segundo o ex-diretor, que devolveu os recursos como parte de seu acordo de delação premiada. Braskem e Odebrecht têm reiterado que jamais pagaram propina. A Odebrecht, que o depósito feito na Canyon Assets se refere a remuneração a investidores que adquiriram títulos da empresa. Outras offshores panamenhas relacionadas no laudo pericial como favorecidas por depósitos da Odebrecht são a Pexo Corporation e a Milzart Overseas Holdings, de propriedade do delator e ex-gerente de Engenharia da Petrobras, Pedro Barusco. A PF assinalou que o ex-gerente da conta da Pexo Corporation comunicou que a Odebrecht "não realizava depósitos a partir de suas contas, utilizando-se de conta registrada em nome da offshore Constructora Del Sur". Duas das operações relacionadas na perícia referem-se à Labogen, em transações que passaram por conta do Standard Chartered Bank do Panamá e que tiveram como favorecido a RFY Import & Export Ltd, offshore em Hong Kong usada por Leonardo Meirelles, dono do laboratório Labogen. Alberto Youssef e Meirelles foram condenados por evasão de US$ 444,6 milhões ao exterior entre junho de 2011 e março de A Lava-Jato atribui à Odebrecht e à Andrade Gutierrez uma sofisticada operação de lavagem de dinheiro no exterior. No caso da Odebrecht, a peça principal dessa engrenagem seria Bernardo Freiburghaus. Já a Andrade Gutierrez se utilizaria dos serviços do lobista Fernando Soares, o "Fernando Baiano", preso e processado por corrupção e que atuaria na captação de

15 propinas para o PMDB na diretoria de Internacional da Petrobras. A maior parte do dinheiro que circulou no exterior já teve origem identificada, segundo a PF. "A constatação de que a Constructora Internacional Del Sur efetuou depósitos nas contas offshore de, pelo menos, três dirigentes da Petrobras, Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco e Renato Duque, permite concluir por sua ligação com o esquema criminoso de cartel e propinas que afetou a Petrobras", afirma o relatório de análise. A investigação também verificou que a Andrade Gutierrez, nas informações que prestou à Receita Federal, informou ter contratado a empresa Technis Planejamento e Gestão em Negócios Ltda., de propriedade de Fernando Baiano, a título de prestação de serviços no valor total de R$ ,00. Procurada a Andrade Gutierrez reafirmou " que nunca participou de formação de cartel ou fraude em licitações" e que nem fez "qualquer tipo de pagamento indevido a quem quer que seja, nem participou de esquemas ilícitos de favorecimento a políticos". A empresa Odebrecht disse que nunca manteve relação ou negócios com a Construtora Del Sur e nega envolvimento com qualquer tipo de negócios ilícitos. Sobre a prorrogação da prisão de Alexandrino, a empresa afirmou que viu com espanto a a decisão do juiz federal Sérgio Moro. " Trata-se de medida ilegal, arbitrária, que não atende a nenhum dos requisitos legais", diz a empresa em nota. VOLTAR Fonte: Valor Econômico 25/06/ Leilão pode mudar para ampliar uso de gás natural Por Rodrigo Polito Do Rio O governo está disposto a rever algumas regras dos leilões de energia para viabilizar a participação de um maior número de termelétricas a gás natural nas concorrências. Segundo o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, está em estudo a redução do prazo de comprovação de contratação do combustível para que as térmicas obtenham a habilitação para participar dos leilões. "Pedir 25 anos de contrato está sendo um inibidor de entrada para o leilão. Talvez não seja tão necessário. Pode ser um contrato menor. O quanto [menor], isso pode ser discutido", afirmou ontem Tolmasquim, durante seminário sobre gás natural, no Rio de Janeiro.

16 Pela regra atual, as térmicas são obrigadas a apresentar à EPE um documento comprovando a garantia de suprimento de gás pelo fornecedor por um prazo de 25 anos. Segundo Tolmasquim, ainda não está definido para quanto poderá ser reduzido esse prazo. A ideia é que a medida seja implementada a partir dos leilões de Para o primeiro leilão A-5 deste ano, que negociou contratos de energia para início de fornecimento em 2020, foram inscritas 31 usinas a gás natural, com megawatts (MW) de capacidade instalada. Desse total, porém, apenas sete usinas foram habilitadas, com um total de MW. A medida em estudo pela EPE tem o apoio de representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). "A comprovação da reserva de gás por todo o período contratual da usina mostrou-se restritiva demais", disse Guilherme de Biasi, especialista de regulação da ANP. Para o diretor da Aneel Reive Barros, "é importante reavaliar a forma como os leilões estão sendo desenvolvidos". Estudos preliminares da EPE preveem um crescimento de 49% da oferta de gás natural até 2024, para 169 milhões de metros cúbicos diários. Para o mesmo período, a estatal de estudos energéticos projeta um crescimento de 54% da demanda pelo combustível, totalizando 147 milhões de metros cúbicos diários. De acordo com a diretora do departamento de Gás Natural do MME, Symone Araújo, a projeção de oferta do ministério para 2024 é um pouco mais otimista, de 172 milhões de metros cúbicos diários. Questionada sobre o assunto, não quis responder aos jornalistas. VOLTAR Fonte: Valor Econômico 25/06/ Grandes petrolíferas já discutem negócios com o Irã Por Christopher Adams e Anjli Raval Financial Times Executivos da Royal Dutch Shell se reuniram com autoridades iranianas em Teerã para discutir a possibilidade de investir no setor energético do país. Foi a primeira vez que um grupo petrolífero internacional confirma ter realizado esse tipo de

17 negociação, às vésperas de o país firmar um possível acordo nuclear com o Ocidente. O encontro, realizado neste mês, comprova o crescente interesse das grandes petrolíferas pelo Irã, que ostenta a terceira maior reserva mundial de petróleo e gás, mas que precisará de dezenas de bilhões de dólares em investimento externo para realizar sua ambição de praticamente dobrar a sua produção até o fim da década. A Shell disse ao "Financial Times" que seus altos funcionários se reuniram com colegas em Teerã para discutir dívidas pendentes com a Companhia Nacional Iraniana de Petróleo por petróleo que foi vendido diretamente, mas não pago. "Eles também discutiram potenciais áreas de cooperação comercial, caso as sanções sejam suspensas. Costumamos reavaliar nossos registros de crescimento regularmente, e não excluímos nenhum país aberto ao investimento externo", disse a empresa. "Se um futuro cancelamento das sanções permitir, estaríamos interessados em examinar com o governo do Irã que papel a Shell pode desempenhar no desenvolvimento de seu potencial energético." O Irã produz atualmente cerca de 2,7 milhões de barris de petróleo ao dia. Mas relatório da consultoria em energia Wood Mackenzie, a ser publicado hoje, informa que o país poderá elevar a sua produção de petróleo em 600 mil b/d até o fim de 2017, se fechar um acordo nuclear com os Estados Unidos e a União Europeia, o que implicará a suspensão das sanções. Negociadores ocidentais deram-se prazo até 30 de junho para selar um acordo permanente, que coíba o programa nuclear iraniano em troca da reversão das sanções contra a república islâmica. Os ganhos de longo prazo para Teerã com tal acordo poderiam ser ainda maiores, segundo a Wood Mackenzie, que prevê aumento na capacidade total de produção para até 4,4 milhões de barris diários em Esse aumento, porém, exigiria investimentos de até US$ 50 bilhões, segundo a empresa. O Irã tem metas ainda mais ambiciosas, de elevar sua capacidade de produção de petróleo para cerca de 5 milhões de barris por dia até o fim dos próximos dez anos. Fontes que atuam no setor dizem que, para seduzir as empresas estrangeiras que saíram em 2010, o país prepara-se para substituir os antigos acordos de "recompra", que enfrentavam ampla rejeição, e vem formulando novos, com condições mais atraentes, que tratem os grupos estrangeiros como parceiros em empreendimentos conjuntos e não como contratados. "Os iranianos estão ávidos por trazer de volta as grandes petrolíferas", disse Fereidun Fesharaki, da consultoria Facts Global Energy. Ele destacou que os executivos-chefes da Shell, da francesa Total, da italiana Eni e da russa Lukoil reuniram-se neste mês, em Viena, com o ministro do Petróleo do Irã. VOLTAR

18 Fonte: Valor Econômico 25/06/ A retomada do crescimento Por Ernesto Lozardo Em matéria de crescimento econômico inexiste um receituário de política que possa ser adotado em outros países. No entanto, uma coisa é certa: na ausência de oferta, estímulos ao consumo por meio da expansão fiscal, reduções de impostos, tributos e da taxa de juros sem que o setor produtivo esteja apto a responder aos estímulos à demanda criada, o resultado é inequívoco: risco de descontrole inflacionário, juros elevados, recessão, instabilidade cambial, elevado déficit fiscal e externo, e desemprego. Esse foi o legado do excesso de estímulos sem a correspondente oferta de bens e serviços no período de 2012 e Nos próximos dois anos, o caminho será do reequilíbrio das contas públicas, reformas fiscais, trabalhistas e previdenciárias que possibilitem a redução do nível de inflação, das taxas de juros, e da estabilidade cambial. Porém, essas medidas são necessárias, mas não suficientes para a retomada do crescimento. A taxa de crescimento poderá ficar estacionada em torno de 2% ao ano. Nesta década, o Brasil precisará dobrar essa taxa. O crescimento dependerá de políticas que favoreçam a expansão da oferta de bens e serviços, atendo-se aos seguintes aspectos: eficiência na execução do programa de concessões público na construção da infraestrutura (portos, aeroportos, ferrovias, rodovias e hidrovias); e realizar reformas microeconômicas. Essas duas agendas complementarão o reequilíbrio fiscal e assegurarão a aceleração do crescimento sustentável da economia nacional. Será preciso facilitar e ampliar a inserção da indústria de transformação na cadeia produtiva mundial Essas agendas poderão iniciar-se no momento da aprovação dos ajustes fiscais, da reforma da previdência, do reequilíbrio dos benefícios trabalhistas, da readequação das isenções fiscais da folha de pagamento aos 56 setores produtivos e da terceirização das atividades produtivas não estratégicas. São vários os caminhos para se estimular a oferta. Primeiramente, tolerância zero ao ativismo fiscal e à instabilidade tributária e regulatória do governo federal, pois, na incerteza, o setor privado paralisa investimentos reais, demite mão de obra, reduz estoques e investe em títulos do governo federal. Ademais, para aumentar a oferta, também será preciso facilitar e ampliar a inserção da indústria de transformação na cadeia produtiva mundial. Um dos atalhos mais eficientes para obter esse intento será tornar o custo da infraestrutura nacional compatível com o existente no mercado global. Portanto, a política de concessões pública de infraestrutura deve estimular a concorrência entre os participantes para

19 obter a menor tarifa, sem impor taxa de retorno aos concessionários; criar condições para, em parceria com o BNDES, as instituições do mercado de capitais sejam importantes parceiros na oferta de recursos para as obras de infraestrutura; eliminar o controle das tarifas públicas nos setores de energia, petróleo e gás; fomentar a competitividade das exportações por meio de taxas de câmbio competitivas e novas parcerias de comércio internacional; acabar com o protecionismo das importações, mas regulá-las por meio de tarifas; e promover o papel do Estado Empreendedor. A expansão da oferta também se dá por meio da flexibilidade das regras de ajustes salariais. A regra atual do salário mínimo equivale a supor que o pé de cada brasileiro é idêntico; portanto, todos devem calçar sapatos do mesmo tamanho. Essa fórmula não corresponde à realidade de cada empresa. Como o empresário conhece a base real de remuneração dos seus colaboradores, nesse caso há de se ter espaço à livre negociação regional e setorial sobre os ganhos de produtividade de cada trabalhador. O aumento do salário mínimo deveria resultar de dois componentes: da taxa da média do IPCA nos últimos três anos e, quanto ao fator produtividade, cada empresa o distribuiria entres seus colaboradores de acordo com resultados auferidos no ano anterior. Para ampliar a oferta, a proposta de 85/95 pontos (a soma da idade e do tempo de contribuição para mulher/homem) para a aposentadoria precisa ser aprimorada: manter o fator previdenciário para quem se aposentar em um período anterior a nova regra; inserir a progressividade da regra da aposentadoria até atingir 90/100, e coibir, sob a pena de perda da aposentadoria, o aposentado que permanecer no mercado de trabalho. É primordial recriar o papel do Estado Empreendedor. No Brasil, o Estado já teve essa atribuição. Ele promoveu as condições para o setor privado impulsionar a produtividade inovadora e a prosperidade das famílias. Os empreendedores privados são os que abrem as janelas da oferta de bens e serviços, da inovação e do progresso nacional. De sorte que, a retomada do crescimento econômico terá como combustível insubstituível a consistência da politica macroeconômica, a qual restaurará sua credibilidade; e o BNDES, por meio dos investimentos na infraestrutura em parceria com as instituições do mercado de capitais, será o motor de arranque desse processo. No país há uma elite econômica inovadora e próspera, pois conhece as ameaças patrimoniais que a globalização impõe aos seus negócios. Portanto, ao governo federal e aos representantes do Congresso Nacional cabem adotar políticas fiscalmente responsáveis, reduzindo o custo Brasil, socialmente justas, ecológica e economicamente prudentes. Essas são algumas sugestões que poderão iniciar uma agenda de reformas microeconômicas que ampliará a oferta e atenderá à demanda dos brasileiros, tornando a inflação e o custo Brasil mais civilizados. O sucesso das medidas de

20 ajustes fiscais e econômico conjugadas com a implementação de uma eficaz agenda microeconômica caracterizará o segundo mandato da presidente Dilma como o da restauração e da integração comercial com os principais atores no comércio internacional, notadamente China, União Europeia e Estados Unidos. Ernesto Lozardo é professor de Economia da EAESP-FGV. VOLTAR Fonte: Valor Econômico 25/06/ Cemig perde batalha com União por renovação de hidrelétrica Por Natalia Viri e Maíra Magro De São Paulo e Brasília As ações da Cemig despencaram ontem na BM&FBovespa após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negar o pedido da companhia para renovar automaticamente a concessão da hidrelétrica de Jaguara, por seis votos a dois. O julgamento, adiado diversas vezes, era amplamente aguardado pelo mercado porque essa usina, junto com São Simão, que venceu em janeiro e Miranda, cuja licença vence no próximo mês, são responsáveis por boa parte dos resultados da estatal mineira nos últimos trimestres com a venda de energia no mercado de curto prazo. Empresa não tem direito à renovação automática, disse a ministra Assusete Magalhães, que proferiu o voto decisivo Os papéis preferenciais (PN, sem direito a voto) da Cemig, fecharam o pregão de ontem em baixa de 8,09%, a R$ 12,04. Assim que os votos foram proferidos no meio da tarde, chegaram a amargar queda de quase 10% e chegaram a entrar em leilão. Uma avaliação feita pelo Credit Suisse dá a magnitude da importância das

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Segunda-feira 22 de Junho de 2015. DESTAQUES

Segunda-feira 22 de Junho de 2015. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa sente fraqueza econômica Odebrecht pode sofrer multa de R$ 1,4 bilhão Sabesp suspende obras de tratamento de esgoto por 120 dias Banco do Brasil apresenta plano de aposentadoria incentivada

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 01.06.2015

C L I P P I N G DATA: 01.06.2015 C L I P P I N G DATA: 01.06.2015 Dívidas de Agnelo serão pagas pela ordem cronológica Para atender à lei, governo reformula cronograma para quitar débitos com mais de 900 fornecedores. Um questionamento

Leia mais

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL A unificação das alíquotas do ICMS para acabar com a guerra fiscal será gradual e levará oito anos, anunciou nesta quarta-feira (7/11) o ministro da Fazenda,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência

Leia mais

Janot promete criar nova procuradoria anticorrupção

Janot promete criar nova procuradoria anticorrupção DEBATE Janot promete criar nova procuradoria anticorrupção DE BRASÍLIA - No último debate em busca do aval dos procuradores para permanecer por mais dois anos na chefia do Ministério Público, o procurador-geral

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Fonte: O Globo Data: 16/09/2015 Seção: Economia Versão: Impresso (página 25) e Online Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Retomada de cobrança

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Empresas recuperam em contratos até 39 vezes o valor doado a políticos Seg, 30 de Março de 2015 12:52

Empresas recuperam em contratos até 39 vezes o valor doado a políticos Seg, 30 de Março de 2015 12:52 É política de boa vizinhança. Evidentemente quando você apoia um partido ou um candidato, no futuro eles vão procurar ajudá-lo, afirmou o empresário Cristiano Kok, da empreiteira Engevix, em entrevista

Leia mais

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo Cliente: Trade Energy Veículo: Portal R7 Assunto: Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas Data: 21/01/2015 http://noticias.r7.com/economia/saiba-o-que-vai-mudar-no-seu-bolso-com-as-novas-medidaseconomicas-do-governo-21012015

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Senhor Otavio Leite)

REQUERIMENTO (Do Senhor Otavio Leite) REQUERIMENTO (Do Senhor Otavio Leite) Requer a convocação do Excelentíssimo Senhor Ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, e demais convidados envolvidos abaixado relacionados para prestarem esclarecimentos

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 Morumbi vai ter cobertura 4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 O São Paulo assinará no próximo dia 17 o contrato com a Andrade e Gutierrez para viabilizar

Leia mais

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 Investimentos em queda 4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 As mudanças de atitude do governo em relação ao novo Código de Mineração tornaram mais

Leia mais

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO

GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Dr. Erlanderson de O. Teixeira Planejamento Tributário Teses tributárias Gerenciamento de Passivos Parcelamento www.erlandeson.com.br GERENCIAMENTO TRIBUTÁRIO Carga Tributária Brasileira Porque pagar os

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 32 11/09/15 NESTA EDIÇÃO

Análise Semanal. Edição nº 32 11/09/15 NESTA EDIÇÃO NESTA EDIÇÃO CONJUNTURA ECONÔMICA Adeus, investment grade 2 Cortes, afinal? 3 Ata docopom 4 Indicadores 4 Visões da crise: Dilma 5 Visões da crise: Lula 5 Expectativas Focus 6 CENÁRIO POLÍTICO Impeachment,

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

BALANÇO DO FGTS EM 2012 LUCRO LIQUIDO DE R$ 14.3 BILHÕES PARA O GOVERNO PERDA DE R$ 23.4 BILHÕES MPARA OS TRABALHADORES

BALANÇO DO FGTS EM 2012 LUCRO LIQUIDO DE R$ 14.3 BILHÕES PARA O GOVERNO PERDA DE R$ 23.4 BILHÕES MPARA OS TRABALHADORES BALANÇO DO FGTS EM 2012 LUCRO LIQUIDO DE R$ 14.3 BILHÕES PARA O GOVERNO PERDA DE R$ 23.4 BILHÕES MPARA OS TRABALHADORES Com Base no Balanço Anual do FGTS do ano de 2012, elaborado pela Caixa Econômica

Leia mais

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 17.06 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 DESTAK FGTS amplia teto da renda para imóvel com juro menor Famílias

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015 QUESTÕES FEDERATIVAS EM DEBATE NO SENADO EM 2015 Marcos Mendes 1 Diversas matérias que afetam as relações fiscais federativas estão em tramitação no Congresso Nacional,

Leia mais

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Edvaldo Santana Diretor da ANEEL Lisboa, 29 de maio de 2008 Sumário Descrição dos objetivos Considerações iniciais i i i Regulação e Tarifas: evolução

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

Relatório de Clipping

Relatório de Clipping Relatório de Clipping V Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica Coordenador Prof. Nivalde J. de Castro Rio de Janeiro 24 e 25 de agosto 2 ÍNDICE Matérias Página 1. De 24 de agosto... 4 a 10

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Dívida enfraquece caixa das empresas

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Dívida enfraquece caixa das empresas Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Dívida enfraquece caixa das empresas A legítima demanda dos consumidores pela contínua melhoria da qualidade dos serviços prestados pelas distribuidoras

Leia mais

2015: UM ANO DECISIVO

2015: UM ANO DECISIVO 2015: UM ANO DECISIVO 1. EMENTA: o presente trabalho tem por objetivo abordar as necessidades de mudanças para que o país volte a crescer mais do que neste momento, com um patamar de inflação menor do

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática Planejamento da fiscalização no TCU Um novo paradigma em prática Competências do TCU(art. 70 e 71 da CF) Art. 70 - A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana #100 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Dólar sem freios Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana Festa no exterior Brasileiros continuam gastando cada vez mais fora

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior

Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior Es ecial Não existe previsão de tempo bom para o Brasil nos próximos meses, mas um acordo político e a aprovação dos ajustes no Congresso podem evitar o pior MARCELO SAKATE economia brasileira atingiu

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Wellington Bahnemann São Paulo Mickey Peters, presidente da Duke Energy no Brasil, demonstra entusiasmo ao falar das perspectivas da companhia

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 27.11.2015

C L I P P I N G DATA: 27.11.2015 C L I P P I N G DATA: 27.11.2015 Boa notícia para o mercado: Rollemberg reduz para 30 meses prazo para pagamento de dívidas O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) decidiu encurtar de 60 para 30 meses o

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Livre estipulação das relações trabalhistas ameaça conquistas

Livre estipulação das relações trabalhistas ameaça conquistas BOLETIM 6 Brasília, 9 de novembro de 2015 Livre estipulação das relações trabalhistas ameaça conquistas O deputado Benjamin Maranhão (SD-PB), presidente da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

02/02/2013. Para onde correr?

02/02/2013. Para onde correr? 02/02/2013 Para onde correr? Juros historicamente baixos, crescimento modesto, inflação elevada e um ambiente menos hostil, mas ainda cheio de incertezas. Decidir onde aplicar, num cenário desses, é um

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 50 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 09.07.2015

C L I P P I N G DATA: 09.07.2015 C L I P P I N G DATA: 09.07.2015 Governo perde no Senado e reajuste das aposentadorias segue para sanção O governo perdeu a disputa no Senado em torno da votação da medida provisória do salário-mínimo,

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

Segunda-feira 01 de Dezembro de 2014. DESTAQUES

Segunda-feira 01 de Dezembro de 2014. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa tem queda, mas encerra mês em alta Mercado vê inflação maior e PIB baixo em 2015 Casino vai acelerar expansão do Pão de Açúcar Minério de ferro cai 48% e tem pior cenário Brokers fecha

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Os dados apresentados na exposição de motivos demonstravam que:

Os dados apresentados na exposição de motivos demonstravam que: Alterações promovidas pela Lei nº12.431/11 na Lei das Sociedades por Ações Luiz Rafael de Vargas Maluf Ruberval de Vasconcelos Júnior 08 de setembro de 2011 Reunião do Comitê Societário do CESA Histórico

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Clipping CARF Matérias dos jornais que mencionam o CARF

Clipping CARF Matérias dos jornais que mencionam o CARF O Estado de S.Paulo Clipping CARF Matérias dos jornais que mencionam o CARF Nardes, do TCU, é citado na Zelotes O Estado de S. Paulo - 10/09/2015 Investigadores analisam informações sobre suposto envolvimento

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 16.12.2015

C L I P P I N G DATA: 16.12.2015 C L I P P I N G DATA: 16.12.2015 Terceirização faz parte de estratégia de negócios das empresas A terceirização é uma realidade mundial e o Brasil não foge à regra. Ela está presente no processo de fabricação

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Brasília, 29 de setembro de 2014 1 A Crise mundial reduziu os mercados Baixo crescimento do comércio mundial, principalmente

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 Setor de serviços cresceu 2,1% em julho, menor taxa da série para o mês Alta acumulada em 12 meses também é a menor da série histórica do IBGE. Rondônia teve maior alta,

Leia mais

CONSUMIR? SEU DINHEIRO VOCÊ SABE #212. Especialista diz que brasileiro não sabe comprar

CONSUMIR? SEU DINHEIRO VOCÊ SABE #212. Especialista diz que brasileiro não sabe comprar #212 SEU DINHEIRO A SUA REVISTA DE FINANÇAS PESSOAIS VOCÊ SABE CONSUMIR? Especialista diz que brasileiro não sabe comprar COMO PARAR ANTES DO TEMPO CONHEÇA A MELHOR ESTRATÉGIA PARA LARGAR O BATENTE AOS

Leia mais

O CENÁRIO ECONÔMICO EM 2015

O CENÁRIO ECONÔMICO EM 2015 O CENÁRIO ECONÔMICO EM 2015 Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista Econômico da Rádio Bandeirantes São Paulo 11/11/2014 Qual é o verdadeiro Brasil?

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

enado restringe acesso a abono salarial e seguro-desemprego - 26/05/...

enado restringe acesso a abono salarial e seguro-desemprego - 26/05/... Senado restringe acesso a abono salarial e seguro-desemprego SOFIA FERNANDES EDUARDO CUCOLO VALDO CRUZ DE BRASÍLIA 26/05/2015 21h15 O Senado aprovou nesta terça (26) a medida provisória 665, que restringe

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

Governo já gastou R$ 408 bilhões só em juros este ano Só em setembro, foram R$ 70 bilhões em juros

Governo já gastou R$ 408 bilhões só em juros este ano Só em setembro, foram R$ 70 bilhões em juros BOLETIM 3 Brasília, 4 de novembro de 2015 Governo já gastou R$ 408 bilhões só em juros este ano Só em setembro, foram R$ 70 bilhões em juros Somente em setembro, o setor público gastou nada menos que R$

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Economia global: conjuntura e projeções Economias maduras: recuperação mais lenta São cada vez mais claros os sinais de que a recessão mundial está sendo superada,

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento 1. É com grande satisfação que participo, em nome do Presidente

Leia mais

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 1 ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 Operadora: Bom dia senhoras e senhores, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Arteris, para discussão dos resultados

Leia mais

Valor Econômico 16/01/2015 Belo Monte tem risco de novo atraso

Valor Econômico 16/01/2015 Belo Monte tem risco de novo atraso Valor Econômico 16/01/2015 Belo Monte tem risco de novo atraso As consequências financeiras da operação Lava Jato, da Polícia Federal, para algumas construtoras aumentam o risco de não cumprimento do

Leia mais

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL?

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? 8 REVISTA RI Setembro 2013 É o mercado de capitais brasileiro que precisa das pequenas e médias

Leia mais