I - DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRONICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I - DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRONICA"

Transcrição

1 I - DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRONICA Quando doenças como Bronquite Crônica e Enfisema Pulmonar são estudados sob a mesma epígrafe, isso significa dentro dos conceitos atuais, separa-los é quase impossível. Inúmeras tentativas foram feitas no sentido de encontrar melhor designação para a DPOC, mas fracassaram. Os pacientes se queixam no decorrer de vários anos, de falta de ar, tosse crônica, evidência obstrutiva de vias aéreas, má tolerância aos exercícios, hiperinsuflação pulmonar e deficiência nas trocas gasosas. Esta doença começa em uma fase precoce, embora não apresenta sintomas significativos na 4º década, costuma-se evoluir para invalidez na 6º ou 7º década. Pacientes obstrutivos apresentam diminuição da VEF ml por ano, onde em indivíduo normal ml Etiologia: Tabagismo (99%) causa doenças cardiovasculares, pulmonares e câncer, não só no pulmão, mas em outros órgãos; poluição, produtos químicos, exposição a fumaça, gases provenientes dos combustíveis Hereditariedade: Alguns pacientes nascem com déficit alfa1 antitripsina (substância que protege o pulmão), podendo causar DPOC em jovens, e o tabagismo facilita ainda mais Quadro clínico: Tosse crônica, no início inflamação dos brônquios, produzindo tosse e pequena quantidade de secreção pela manhã. Com o passar do tempo os sintomas pioram e a tosse aumenta, acompanhada de chiado no peito, dificuldade em respirar (falta de ar aos mínimos esforços e não sentem melhora ao repouso), fadiga

2 (cansaço constante, como resultado falta de O2 no sangue e perda de peso), abaulamento do tórax (aumento o diâmetro AP, por aumentar a quantidade de ar aprisionado dentro dele) Tratamento médico: Broncodilatadores, Antibióticos (infecção brônquica ou pulmonar), Corticóides (diminuição na luz dos brônquios e a sensação de falta de ar, pois facilita a entrada e saída do mesmo). Pacientes com DPOC podem desenvolver doenças associadas, como Insuficiência Respiratória, Arrritmias, Infarto e outras, necessitando de outros medicamentos Principais fatores de descompensação: Pulmonares: Infecção respiratória, onde apresentam Leucocitose e febre, Tromboembolismo (sedentário e edema de MMII), Pneumotórax, deteriorização da própria doença de base. Extrapulmonares: Isquemia Miocárdica (pacientes idosos, fumantes e hipoxemico), Arritmias, uso de sedativo ou drogas e cirurgia abdominal e torácica (ocorre freqüentemente descompensação, devido à mudança da mecânica da caixa torácica) Fase Inicial: Aumento da resistência nas Vias aéreas; Fase Avançada: destruição dos septos alveolares com formação de bolhas, perda da elasticidade, Aumento do VR, diminuição do retorno venoso, diminuição do débito cardíaco, aumento da PA, hipoxemias, alteração na V/Q e retém CO2. Seguem-se as definições oficiais de acordo com a American Thoracic Society, em relação à Bronquite e Enfisema:. II - Bronquite Crônica É uma síndrome clinica caracterizada por tosse crônica com expectoração mucosa ou mucopurulenta, com duração de pelo menos três meses, durante dois anos consecutivos.

3 Segundo alguns autores (Hodgkin e Petty), seria mais correto conceituar a Bronquite Crônica acrescentando a sua definição oficial: com redução do volume expiratório forcado que não melhora significantemente com a inalação de broncodilatadores Etiologia: - Tabagismo; - exposição ocupacional longo período em ambiente poluído; - infecção; - clima seco, onde tem muito pó Fisiopatologia: Na Bronquite, o muco se torna mais espesso, dificultando o movimento ciliar; esse aumento de viscosidade seria explicado pelas alterações histoquímica da célula. O muco e secretado pelas glândulas mucíparas e pelas células caliciformes; a glândula mucíparas tem um volume 100 vezes maior que as células caliciformes. Desde que algumas causas permanentes excite a produção de muco, tais glândulas acabam se hipotrofiando e as células caliciformes tornam-se mais numerosas, sobretudo nos grossos brônquios. Tais células seriam estimuladas pelo pó ou por outras substancia irritantes, agindo diretamente sobre a mucosa, enquanto as glândulas mucíparas dependeriam de um estimulo vagal. A retenção de muco na bronquite crônica se deve ao aumento de sua consistência, redução da atividade ciliar, menor permeabilidade brônquica e a ação da gravidade. Tal efeito resulta na obstrução brônquica favorecendo as infecções na bronquite crônica, o epitélio torna-se cúbico e atrofico, chegando a se tornar plano, quase sem atividade funcional. A hiperplasia, quando ocorre, é mais extensa no epitélio dos brônquios de maior calibre. Os capilares sofrem alterações morfológicas como atrofia, redução do

4 calibre, trombose e deformações varicosas. Como conseqüência dessas alterações tornam o bronquitico crônico mais sujeito a hipoxia, policetemia e insuficiência cardíaca à direita, que os enfisematosos. Tais alterações seriam decorrentes da presença tampões brônquicos, reação inflamatória local e bronquiolite. Neste local a resistência ao fluxo expiratório e sempre maior, tanto nos bronquitico como nos enfisematosos. Hoje tais alterações são conhecidas como doença das pequenas vias. Hipertrofia das glândulas mucosas Aumento das células caliciformes inflamação espessamento do muco retenção do muco (aumento da consistência) diminuição da atividade ciliar diminuição da permeabilidade brônquica diminuição do calibre e atrofia (capilares)

5 2.3 - Radiologia Torácica: espessamento Peribrônquico, e aumento da vascularização pulmonar Ausculta Pulmonar: roncos e sibilos inspiratórios (secreção), e sibilos expiratórios (broncoespasmo) Quadro Clínico: edema de extremidades, Insuficiência Cardíaca, dispnéia aos esforços, Broncoespasmo e Hipóxia. III- Enfisema: É uma alteração anatômica do pulmão, caracterizada por um aumento anormal dos espaços aéreos distais ao bronquíolo terminal, acompanhado por alterações destrutivas das paredes alveolares, com dilatação, hiperdistenção e ruptura dos septos alveolares. Numa conceituação pratica, um tanto simplista, poderíamos dizer que a Bronquite Crônica predominam os fenômenos inflamatórios, no enfisema as alterações destrutivas, tais entidades, no entanto, teriam ainda como denominador comum à redução do fluxo expiratório e como principal fator de risco o fumo Etiologia: Tabagismo: Diante de um portador de DPOC, os especialistas em geral não costuma indagar se ele é ou não fumante, mas sim quantos cigarros fuma por dia e há quanto tempo. È muito raro que um enfisematosos não seja ou tenha sido um grande fumante. O tabagismo, entre todos outras causa contribui isoladamente com 75%. O fumo, devido a substancias irritante, provocam: - hiperplasia e metaplasia do epitélio - ruptura dos septos alveolares - proliferação fibrótica - espessamento das paredes arteriolares.

6 Alterações tissulares: - diminui a mobilidade ciliar - aumenta o numero de células caliciformes - provoca hipertrofia das células mucosas - favorece a inflamação das paredes brônquicas e alveolares - condiciona o broncoespasmo - reduz a atividade macrofogicas - contribui para infecções respiratórias - limita a produção de surfactante - inibe a atividade enzimática antielastase e antioxidante - provoca fibrose - espessamento e ruptura das paredes alveolares O fumo alem de ser responsável direto pelas graves alterações nas estruturas nobre do pulmão, destruindo-as interfere nos mecanismos bioquímicos de defesa da árvore brônquica ao perturbar o equilíbrio elastase-antielastase e oxidante antioxidante. Poluição Atmosférica Deficiência de Alfa-1- antiprotease: Tipos: Enfisema centrolobular/ Centroacinar: Maior incidência em homens, maior de 40 anos, associado à Bronquite crônica, obstrução das vias aéreas é detectável, maior freqüência nos lobos superiores, ocorre lesão inicial com dilatação do bronquíolo, a lesão se se localiza no centro do àcino, neste caso os fenômenos obstrutivos ocorrem mais precocemente. Os bronquíolos respiratórios 1,2,3, estão dilatados, suas paredes destruídas e ao confluírem

7 formam uma coleção aérea única. As paredes dos espaços aéreos mostram-se pigmentados, cronicamente inflamados, com degeneração colagena.. Enfisema Panlobular: Compromete o acino em sua totalidade. O aumento dos espaços aéreos resulta mais da hiperinsuflação do que destruição e os fenômenos obstrutivos ocorrem tardiamente. Histologicamente torne-se impossível de distinguir os alvéolos das demais estruturas. Os brônquios segmentares e lobares, devido ao processo crônico, estão dilatados e deformados. O volume pulmonar esta aumentado. Este tipo encontra-se mais em idosos. Enfisema Perilobular: Localiza-se na periferia do ácino, o ar se posiciona na periferia dos pulmões. Quase sempre associado a outro tipos de enfisemas em estados avançados. Enfisema Cicatricial: Também chamado de irregular. Resulta da distensão, ruptura e abundante proliferação fibrosa das estruturas parenquimatosas próximas às lesões cicatriciais, é comum nos portadores de tuberculose crônica e submetidos à quimioterapia. Apesar da fibrose existente, há mecanismo compensatório provocando hiperinsuflação e impedindo que o volume do pulmão diminua. Enfisema focal: É afecção própria dos indivíduos que trabalham em minas de carvão, encontra-se grande quantidade de partículas de carvão mineral nos bronquíolos e conseqüentemente fibrose do tecido peribronquiolo. Os bronquíolos respiratórios estão dilatados, o parênquima esta distendido, mas não destruídos. Enfisema lobar Congênito: Devido a sua instalação precoce, antes do 6 mês, é considerado como doença de recém nascido, embora sua manifestação ocorrem tardiamente. Enfisema Localizado: Quando os espaços aéreos se dilatam para depois se fundirem, perdem sua individualidade, consistindo-se em uma coleção aérea localizada- a bolha ou

8 vesiculo. As bolhas podem localizar na pleuras superficiais, subpleurais, profundas (parênquima). Enfisema Bolhoso: Indivíduos com formas avançadas de enfisema podem apresentar-se com bolhas de volume variado, única ou múltiplas. Enfisema Senil: envelhecimento Idoso. Enfisema unilateral: Pulmão translúcido hipertransparencia de todo hemitorax, numa radiologia de PA, chama a atenção de ausência quase total da trama broncovascular. Na maioria dos casos acomete um só pulmão, um lóbulo ou um segmento. Enfisema intersticial: Ocorre quando o ar dos espaços aéreos atinge o espaço intersticial devido à desintegração aguda do tecido alveolar e bronquiolar Patogenia: No enfisematosos ocorre a destruição do parênquima pulmonar onde ocorre diminuição da luz do brônquio (por obstrução- bronquite) e uma diminuição da tração radial, onde o fluxo expiratório diminui encontrando uma barreira sabe-se que o DPOC usa muita a musculatura expiratória criando uma forca maior para ocorrer à expiração, onde esta expiração vai ser lenta e turbulenta. Também sabe-se que a pressão da pleura no individuo normal é de 10 a 12 cm de água, no enfisematosos o pulmão esta hiperinsuflado a pressão da pleura positiva podendo chegar ate a zero, vai contrair a musculatura abdome e da expiração aumentando a pressão pleural ficando + positiva ocorrendo à saída do volume pulmonar, onde ele vai ser fraco e turbulento. A pressão alveolar vai diminuir também diminuindo a forca e elevando cada vez mais a forca tração radial, ocorrendo à diminuição do fluxo expiratório, onde a forca de tração radial esta maior não consegui esvaziar o alvéolo todo e colaba o ducto alveolar aprisionando ar dentro do alvéolo.

9 3.4 - Fisiopatologia: As alterações fundamentais da microarquitetura pulmonar que ocorrem no DPOC, como o aumento anormal dos espaços aéreos, ruptura das paredes alveolares e estenose bronquiolar, reduzem não só a superfície respiratória, como a dos leitos capilares. Tais manifestações vão prejudicar o funcionamento normal do pulmão, basicamente, por aumentarem a resistência ao fluxo aéreo expiratório. Tais desordens irão provocar distúrbios respiratórios, bioquímicos e circulatórios. Distúrbios ventilatorios: Por deficiência do fole toracoparietal são devidos: a) aumento da resistência ao fluxo expiratório: É constante nos portadores de DPOC. Aproximadamente 80% dos obstáculos estão localizados na vias respiratória centrais (traquéia, brônquios principais lobares, segmentares e subsegmentares); A resistência das vias respiratórias é inversamente proporcional ao volume pulmonar e diretamente proporcional ao fluxo. Quando um individuo normal respira tranqüilamente, o fluxo se faz de maneira laminar, que e desejável. Em condições patológicas, quando o fluxo terá que ser necessariamente maior para vencer a resistência anormal, surge um fenômeno de turbulência, reduzindo a ventilação. No enfisematosos ocorre a destruição do parênquima pulmonar onde ocorre diminuição da luz do brônquio (por obstrução- bronquite) e uma diminuição da tração radial, onde o fluxo expiratório diminui encontrando uma barreira sabe-se que o DPOC usa muita a musculatura expiratória criando uma forca maior para ocorrer à expiração, onde esta expiração vai ser lenta e turbulenta. Também sabe-se que a pressão da pleura no individuo normal é de 10 a 12 cm de água, no enfisematosos o pulmão esta hiperinsuflado a

10 pressão da pleura positiva podendo chegar ate a zero, vai contrair a musculatura abdome e da expiração aumentando a pressão pleural ficando + positiva ocorrendo à saída do volume pulmonar, onde ele vai ser fraco e turbulento. A pressão alveolar vai diminuir também diminuindo a forca e elevando cada vez mais a forca tração radial, ocorrendo à diminuição do fluxo expiratório, onde a forca de tração radial esta maior não consegui esvaziar o alvéolo todo e colaba o ducto alveolar aprisionando ar dentro do alvéolo. b) distribuição ventilatoria irregular: Os alvéolos de um pulmão normal funcionam harmonicamente, fazendo com que durante o ciclo respiratório eles se encham na inspiração e se esvaziam na expiração, independe a freqüência respiratória. No enfisema, devido à obstrução das vias respiratórias e a perda de retratilidade elástica, esse mecanismo esta alterado, isto é, o pulmão perde sua capacidade de mudar bruscamente de pressão, condicionando a entrada e saída de ar dos alvéolos. Como tais alterações não são de destruição uniforme,pois a grupos de alvéolos normais ao lado de alvéolos morfologicamente lesados, a inspiração promove a entrada fácil e preferencial do ar através dos bronquíolos permeáveis, ate os alvéolos normais; nessa área durante a expiração o ar também sai sem encontra obstáculos. Desde que o bronquíolo estejam estenosados, o ar exige mais tempo tanto para entrar quanto para sair dos alvéolos. Devido a esse atraso do fluxo aéreo, o ar não completa o ciclo ventilatório vindo ate o exterior, mas passa de um alvéolo normal, cujo bronquíolo esta permeável, para outro, com bronquíolo estenosado. Enquanto os alvéolos cujos bronquíolos normais já estão na fase expiratória, aqueles cujos bronquíolos estão estenosados ainda estão iniciando a fase inspiratória. Esse fenômeno é conhecido como ar pendular. c) Destruição alveolar:

11 As alterações destrutivas das paredes do alvéolo contribuem decisivamente para a perda da retratividade pulmonar. Quando o pulmão se torna menos retrátil, a resistência ao fluxo aéreo expiratório aumenta e os espaços aéreos se distendem com mais facilidade (maior complacência). Essas alterações vão interferir na pressão intrapleural, a pressão intrapleural ao enfisematosos não e tão negativa quanto no individuo normal. Enquanto no individuo normal o nível oscila amplamente entre 10 e 20, no enfisematosos o mesmo não acontece, pois os níveis se mantém em torno de zero. Desde que a pressão pleural se torne menos negativa, o ato de respirar fica mais difícil. Essas alterações perturbam não só a ventilação, como também a perfusão. O aumento da resistência ao fluxo expiratório e a distribuição alveolar provoca alterações dinâmicas e estáticas da caixa torácica, reduzindo sua distensibilidade. Distúrbio da Perfusão A passagem de O2 para os capilares encontra-se prejudicada não só pela redução da superfície respiratória, como também pelas alterações do leito capilar. Essa é a justificativa para explicar por que a relação ventilação perfusão (V/Q) também esta perturbada; a ventilação no pulmão do enfisematosos não e uniforme, havendo zonas bem ventiladas, ao lado de outras mal ou não ventiladas. Os grupos de alvéolos mal ventilados também são mal perfundidos. Assim sendo, a relação (V/Q) nas partes superiores do pulmão é baixo, como acontece particularmente nos portadores de enfisema do tipo centrolobular (tipo BB), provocando hipoxemia grave. No enfisema Panlobular (tipo PP) sucede o oposto, as bases são homogeneamente distraídas comprometendo todo o lobo, alterado alvéolos e capilares. Nestes casos haverá áreas muito ventiladas, mas pouco perfundida; resultando numa hipoxemia discreta.

12 Distúrbio Ácido-Básico ACIDOSE RESPIRATORIA ALCALOSE RESPIRATORIA *Elimina Cloro e amônia *Retém Sódio e potássio *Elimina Sódio e potássio * Retém Cloro e amônia Distúrbio Circulatório A) Alterações anatômicas: Consideramos o pulmão enfisematosos como uma barreira que dificulta a descarga do ventrículo direito, entre outras razões, pela redução do leito capilar. Isso traz como conseqüência, o aumento da pressão na pequena circulação, levando ao Cor Pulmonale e a redução do debito cardíaco. B) Alterações Funcionais: O aumento da pressão endotoracica faz com que a pressão pleural se torne menor, isto é, menos negativa, aproximando-se de zero. Essa mudança de regime irá repercutir também na cavidade pericárdio. Tais alterações pleuropulmonares irão interferir na função cardíaca, dificultando a chegada do sangue aos átrios. Essa redução do afluxo venoso resulta na estase que se refletira na diminuição do debito e conseqüentemente insuficiência cardíaca.

13 3.5 - Quadro clínico: - dispnéia mínimo esforços - tosse produtiva - sibilância - Desnutrição (indivíduo grave) No primeiro contato com a maioria dos portadores de DPOC nota-se dois tipos opostos de pacientes chamam nossa alteração: Exame físico: - O Enfisematoso Tipo PP: É longilineo, com mais idade de 50 a 70 anos, capacidade física reduzida, emagrecimento acentuado, fácies angustiada, pele e mucosa bem coradas, sem cianose. Sua postura no leito é bem característica, sentado com ambas às mãos apoiadas no leito, inclinando-se para frente numa tentativa de aumentar a pressão abdominal, matem os lábios semicerrados, lutam para aumentar o fluxo expiratório. O diâmetro Antero-posterior do tórax e aumentado, clavícula saliente e horizontalizadas, espaços intercostas alargadas com os arcos costais horinzontalizados, redução da musculatura toraco-addominal, hipertrofia dos músculos respiratórios acessórios. O tipo respiratório é torácico, turbulência vias do pescoço significa hipertensão venosa leva a um aumento da pressão artéria pulmonar, Insuficiência cardíaca à direita e cor pulmonale, cianose- hipoxemia grave. - O Enfisematoso tipo BB: É brevelinio, ocorre em adultos com 40 a 50 anos de idade, nos surtos graves de bronquite apresenta dispnéia moderada dependendo do grau intensidade Broncoespasmo, sonolento, sua face cianótica.

14 3.6.A - Palpação - Tipo PP: imobilidade torácica quase total - Tipo BB: alteração da caixa torácica discreta 3.6.B - Percussão: - Tipo PP: ocorre hipersonoridade difusa em todo pulmão - Tipo BB: Normal 3.6.C - Ausculta - Tipo PP: Murmúrio reduzido, raros estertores crepitantes - Tipo BB: expiração rude, roncos e sibilos abundantes 3.6.D - Radiologia - Tipo PP: Costelas horizontalizadas, aumento Antero-posterior, retificação diafragmatica, hipertransparencia em campos pulmonares, área cardíaca verticalizadas. - Tipo BB: aumento da área cardíaca (VD), aumento da trama, hiperinsuflado. 3.6.E - Capacidade Vital: - Tipo PP: Diminuído - Tipo BB: muito diminuído Capacidade Pulmonar Total: - Tipo PP: normal ou aumentado - Tipo BB: pouco aumento Volume Residual: - Tipo PP: muito aumentado - Tipo BB: pouco aumentado Complacência: - Tipo PP: aumentada

15 - Tipo BB: pouco aumentada Difusão: - Tipo PP: muito diminuída - Tipo BB: normal PO2 Arterial: - Tipo PP: ligeiramente diminuído - Tipo BB: muito diminuído PCO2 arterial: - Tipo PP: normal - Tipo BB: aumentada Debito cardíaco: - Tipo PP: baixo - Tipo BB: quase normal Estadiamento do DPOC: - Fase 1: Assintomático; Infecção respiratória freqüente (pneumonia) VR pode estar aumentado PO2 no limite inferior do normal VEF1 e demais testes normais - Fase 2 : Hipersecreção e aumento da obstrução Infecção respiratória de repetição VR aumentado Retração elástica diminuída PaO2 moderamente diminuída

16 Teste deste de fluxo normal - Fae 3 : Sintomas mais graves Infecção respiratória de repetição Alteração V/Q Tratamento: O DPOC deixar de fumar Tratamento farmacológico: Broncodilatadores- Corticoides Para quadro de broncoespasmo. Tratamento Fisioterápico: Pacientes hospitalizado: Oxigenoterapia, inaloterapia (broncodilatador), Manobras de Higiene Brônquica, exercícios respiratórios preconizando aumento do tempo expiratório. Ambulatorial: orientações quanto à doença e suas repercussões, salientar agressividade do fumo, inaloterapia, cinesioterapia (resp). O enquadramento do enfisematosos dentro das suas possibilidades funcionais respiratórias farão com que a sua atividade física se restrinja, mas não se anule. O repouso exagerado leva a uma quase impotência funcional locomotora, esse paciente se torna incapaz de caminhar não pela difusão pulmonar, mas sem pela atrofia muscular, portando exercícios físicos e cinesioterapia e muito indicado. No enfisema o diafragma sofre um deslocamento do tórax para o abdome se retifica, perdendo quase toda a sua função. O paciente devera aprender a respirar com o abdome, exigindo o Maximo do seu diafragma. Durante a inspiração devera contrair o abdome e expandir as bases pulmonares, na expiração, com os lábios semicerrados com auxilio das mãos espalmadas abaixo das ultimas costelas, comprimir o abdome para dentro e para cima. Repetir 10 a 20 vezes em 2 a 3 sessão diárias, outras manobras como encher balões

17 de borracha varias vezes ao dia e soprar através de um tubo imerso em água. Desde que o paciente tenha condições de suportar, incentivar a marcha. Exercícios de tosse, drenagem postural de todo os segmentos pulmonares, técnica de percussão torácica associada à drenagem postural, pratica de exercícios destinados a coordenar a atividade física com respiração, mobilização passiva e ativa de MMSS e MMII. Paciente hipersecretivo fazer manobra de higiene brônquica (VC, TP,DP) associado à aspiração, Manobras de desensuflaçao pulmonar. Reabilitação Pulmonar: Definida como um programa dirigido ao paciente e a sua família por uma equipe multiprofissional, com o objetivo de tornar o indivíduo mais independente dentro de sua comunidade Avaliação: identificar o grau de obstrução, feito PFP, avaliação da fisioterapia, avaliação diária com expirômetro de incentivo (Pick Flow), avaliação da diminuição das crises (caso não diminua, o trabalho está sendo improdutivo) Avaliação física (teste de caminhada 6 minutos, passos largos, acompanhado com oxímetro) Teste AVD S simulação tomar banho, fazer barba; Testes específicos (anaeróbico), esteira com gradativo aumento da inclinação; Escala de Borg graduação até 15, percepção de esforços a casa 3 segundos, tolerância no paciente na esteira (monitorar freqüência cardíaca e oxímetro) Teste endurance quanto de carga o paciente tolera. MMII: esteira (15-20 segundos, aquecimento, alongamento) Caminhada (aumento gradativo) Bicicleta (s/ carga e com carga)

18 MMSS: Reexpanção pulmonar; exercícios diagonais- Kabath, recrutamento de grandes grupos musculares, iniciando repetições curtas e carga mediante teste realizado. Orientar como conservar energia muscular (fazer barba sentado, usar roupão no lugar de toalha) Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI): Os aparelhos que gerem pressão positiva através de mascaras nasais ou orofaciais tem sido utilizados de modo crescente, como forma de suporte ventilatório nos episódios agudos. - CPAP Pressão Positiva Continua nas Vias Respiratórias - BIPAP inspiratórios e expiratório Conduta Nutricional: Dietoterapia: ciência que estuda e aplica uma dieta com princípio terapêutico, tendo dieta normal como padrão, com finalidade de oferecer ao organismo debilitado, nutrientes adequado ao tipo da doença, condições físicas, nutricionais e psicológicas. A avaliação baseia-se na história clínica (aborda aspecto como redução de peso nos últimos seis meses, alteração na ingestão dietética, presença de sintomas gastrintestinais náuseas, vômitos, anorexia, diarréia) e exame físico como perda de gordura subcutânea (região abaixo dos olhos, tríceps e bíceps), perda muscular (ombros, clavícula, escápula, costela, músculo do dorso da mão, joelho, quadríceps, Gastrocnemio e Sóleo), edema resultante de desnutrição e ascite. Exames realizados: Hemograma (Eritrócito, Hemoglobina, Volume corpuscular médio (HCM), Hemoglobina corpuscular médio (HCM), contagem global de leucócitos, linfócitos e plaquetas, Sódio, Potássio, Glicemia, Uréia, Creatinina, Gasometria.)

19 Os pacientes com DPOC possuem aumentam da taxa metabólica em decorrência do gasto energético. - Carboidratos: importante que considere o coeficiente respiratório, implicando um produção alta de dióxido de carbono, acentuando a hipergênese e o acúmulo de CO2. - Proteínas: deve ser uma dieta hiperproteica, para manutenção da força pulmonar e muscular, assim como a função imunológica. Por outro lado, uma ingestão exagerada, pode aumentar o impulso respiratório, levando ao quadro de dispnéia e fadiga. - lipídios: oferecem alto valor calórico e produz uma quantidade prejudicial de dióxido de carbono em sua metabolização. Importante considerar o tipo de lipídios, pois o aumento do consumo de gordura saturada leva o aparecimento de dislipidemia. - Fibras - Ingestão líquida: atua como agente de manutenção de fluidez das secreções brônquicas.

20

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

FISIOTERAPIA FMRP/USP. Ft. Daniella Vento Prof. Paulo Roberto Barbosa Evora

FISIOTERAPIA FMRP/USP. Ft. Daniella Vento Prof. Paulo Roberto Barbosa Evora FISIOTERAPIA FMRP/USP Ft. Daniella Vento Prof. Paulo Roberto Barbosa Evora Doenças Obstrutivas Enfisema Bronquite Asma Doenças Restritivas Sarcoidose Pneumonia Mucovicidose Doenças Mistas Fibrose Cística

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações:

Doenças Obstrutivas DPOC. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Epidemiologia. DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: DOENÇAS OBSTRUTIVAS Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: secreções, líquido, corpo estranho. Doenças Obstrutivas B- Na parede da via aérea: contração do músculo liso (asma),

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

- TC Tórax - - Terminologia descri7va - - Lesões elementares / padrões fundamentais - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave.

- TC Tórax - - Terminologia descri7va - - Lesões elementares / padrões fundamentais - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave. - TC Tórax - - Lesões elementares / padrões fundamentais - - Terminologia descri7va - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave Abril 2012 Aprisionamento aéreo a) Inspiração b) Expiração - Retenção

Leia mais

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA CONTEÚDO FUNDAMENTOS DE FISIOTERAPIA MÉTODOS & TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO, TRATAMENTO & PROCEDIMENTOS EM FISIOTERAPIA PROVAS DE FUNÇÃO MUSCULAR, CINESIOLOGIA & BIOMECÂNICA

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório DOENÇAS OBSTRUTIVAS Aparelho respiratório Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: : secreções, líquido, l corpo estranho. B- Na parede da via aéreaa rea: : contração do músculo

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Compreender a Doença Pulmonar

Compreender a Doença Pulmonar Compreender a Doença Pulmonar INTRODUÇÃO Para compreendermos o funcionamento do organismo, muitas vezes descrevemo-lo como sendo formado por várias partes ou sistemas. Assim, por exemplo, temos o sistema

Leia mais

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.:

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.: PROFESSOR: Mônica Narciso BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Questões Discursivas 01-

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

PATOLOGIAS RESPIRATÓRIAS (continuação) LISBOA, 2008

PATOLOGIAS RESPIRATÓRIAS (continuação) LISBOA, 2008 PATOLOGIAS RESPIRATÓRIAS (continuação) LISBOA, 2008 DOENÇAS RESPIRATÓRIAS RESTRITIVAS As que se caracterizam por uma diminuição da expansão dos pulmões com diminuição da capacidade pulmonar com perda da

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO Primeira Edição Novembro de 2014 Fundação Portuguesa do Pulmão Edição: TDA Consulting,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)*

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO De acordo com a Sociedade Americana do Tórax (American Toraxic Society), os elementos diagnósticos para a DPOC são a história clínica,

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório

OBJETIVO DA AULA. PULMÕES sistema respiratório RESUMO. PULMÕES sistema respiratório Fluxo laminar. PULMÕES sistema respiratório PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA - Definir DPOC; DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) PROF. DRD. CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE

Leia mais

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO As nossas células necessitam de: Oxigénio; Nutrientes; Eliminar Dióxido de Carbono; Entre outros. O nosso organismo

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Definição Programa multiprofissional de cuidados a pacientes com alteração respiratória crônica, que

Leia mais

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo.

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. Adelina Feitosa. Barbalha, 17 de abril de 2008. Mecânica da ventilação

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Propedêutica no Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Profª Daniele Domingues Zimon Profª Adriana Cecel Guedes DPOC DPOC é um estado patológico caracterizado pela limitação

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Tratamento - Oxigenioterapia; - Fisioterapia respiratória; - Ventilação mecânica; - Antibioticoterapia; - Hidratação; - Nutrição.

Tratamento - Oxigenioterapia; - Fisioterapia respiratória; - Ventilação mecânica; - Antibioticoterapia; - Hidratação; - Nutrição. Insuficiência Respiratória Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO Insuficiência respiratória é toda a situação que não permite

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Gabriela

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO NC, sexo masculino, 66 anos, realiza TC de tórax por suspeita de fibrose pulmonar. Queixa-se de falta

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO DE ENFISEMA PULMONAR POR TC ATRAVÉS DO PÓS PROCESSAMENTO DE IMAGENS.

A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO DE ENFISEMA PULMONAR POR TC ATRAVÉS DO PÓS PROCESSAMENTO DE IMAGENS. A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO DE ENFISEMA PULMONAR POR TC ATRAVÉS DO PÓS PROCESSAMENTO DE IMAGENS. Autora: Camila Alexandre Gentil E-mail: camilagentil@yahoo.com.br RESUMO O trabalho tem como objetivo,

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia

Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia Figura 1: Fotografia da mão esquerda do paciente Figura 2: Radiografia do tórax em PA Enunciado Paciente do sexo feminino, 8 anos, comparece ao PA do HC-UFMG

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

GRUPO 24 FISIOTERAPIA

GRUPO 24 FISIOTERAPIA Não deixe de preencher as informações a seguir. SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015 SISTEMA RESPIRATÓRIO Afecções do Sistema Respiratório 1 2 Rinite Rinite Inflamação das membranas mucosas do nariz. Sintomas: Congestão nasal; Coriza (purulenta na rinite bacteriana); Prurido e espirros.

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FISIOTERAPIA

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FISIOTERAPIA 1- Parturiente, 23 anos, G1P0A0, encontra-se na sala de pré-parto com queixa de algia em baixo ventre e região lombossacra, ao exame apresentou dinâmica uterina presente, dilatação uterina de 5 cm, e feto

Leia mais

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS 1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 01. A tuberculose, ainda hoje, apresenta-se como um grave problema de saúde pública mundial. A via de transmissão do seu agente etiológico mais comum, o Mycobacterium

Leia mais

Avaliação Cardiorrespiratória. Avaliação do paciente pneumopata Ambulatório / Home Care. Sinais e Sintomas. Anamnese. Dispinéia. Dispineia 26/02/16

Avaliação Cardiorrespiratória. Avaliação do paciente pneumopata Ambulatório / Home Care. Sinais e Sintomas. Anamnese. Dispinéia. Dispineia 26/02/16 Avaliação do paciente pneumopata Ambulatório / Home Care Avaliação Cardiorrespiratória Anamnese Sinais e Sintomas Ausculta Pulmonar Exame Físico Avaliação Muscular Respiratória Avaliação de Peak Flow Ventilometria

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

Exame Clínico do Sistema Respiratório

Exame Clínico do Sistema Respiratório Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia - SBPT Pneumologia na Graduação Porto Alegre 11-12/ 06 / 2010 Exame Clínico do Sistema Respiratório Sérgio Saldanha Menna Barreto Faculdade de Medicina

Leia mais

TROCA E TRANSPORTE DE GASES

TROCA E TRANSPORTE DE GASES TROCA E TRANSPORTE DE GASES Difusão dos gases através da membrana respiratória Unidade Respiratória Cada alvéolo: 0,2 mm Parede Unidade respiratória: delgada Capilares Membrana Respiratória ou Membrana

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto ANATOMIA TORÁCICA O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e mediastino.

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar I - INTRODUÇÃO O que é respiração? Respiração celular Ocorre no interior das mitocôndrias subs orgânicas + O2 energia + CO2 + H2O Respiração pulmonar Trocas gasosas entre o ar atmosférico e o sangue Hemerson

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON SISTEMA RESPIRATÓRIO A respiração é a troca de substâncias gasosas entre o ar que

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula : Estuda a Estrutura Estática do Corpo Humano É Utilizada para Classificar e Descrever as Lesões de acordo com Sua Localização Prever Lesões de Órgãos Internos, baseando-se na Localização Externa da Lesão

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Identificação das Limitações do Organismo Humano

Identificação das Limitações do Organismo Humano Disciplina: Ergonomia Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 03 Noções Básicas de Anatomia e Fisiologia Identificação das Limitações do Organismo Humano SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR É o responsável pela movimentação

Leia mais

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães

Caso Clínico. Luana Silva Bessa Guimarães Caso Clínico Luana Silva Bessa Guimarães Identificação Id: sexo masculino, 31 anos, natural e procedente de Fortaleza, pardo, católico, auxiliar de produção. Cansaço e inchaço nas pernas" Queixa Principal

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S CONCURSO PÚBLICO C A D E R N O D E P R O V A S CADERNO 4 ESPECIALIDADE: FISIOTERAPIA HOSPITALAR COM ÊNFASE EM TERAPIA INTENSIVA PROVA: FISIOLOGIA PULMONAR, FISIOPATOLOGIA PULMONAR E RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS

Leia mais

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Especialização em Fisioterapia Intensiva Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Fisioterapia Intensiva Neonatal e pediátrica Conteúdo programático Anatomia e fisiologia cardiorrespiratória

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Técnicas de Fisioterapia Hospitalar. Inspiração= relaxamento da musculatura torácica superior e da contração diafragmática;

Técnicas de Fisioterapia Hospitalar. Inspiração= relaxamento da musculatura torácica superior e da contração diafragmática; Biomecânica da Respiração Técnicas de Fisioterapia Hospitalar Inspiração= relaxamento da musculatura torácica superior e da contração diafragmática; Expiração= relaxamento diafragma e leve contração abdominal,

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

Doenças pulmonares obstrutivas e patologia do. interstício pulmonar

Doenças pulmonares obstrutivas e patologia do. interstício pulmonar FMUP - Seminário Biopatologia 2 de Novembro de 2006 Doenças pulmonares obstrutivas e patologia do interstício pulmonar Os dois grandes grupos de doença pulmonar são as doenças obstrutivas e as doenças

Leia mais

M I N I S T É RI O D OS D ES B RA V A DO R ES SISTEMA RESPIRATÓRIO

M I N I S T É RI O D OS D ES B RA V A DO R ES SISTEMA RESPIRATÓRIO M I N I S T É RIO DOS D E S B RA V A DO R E S SISTEMA RESPIRATÓRIO Posicione o seu leitor de QR Code do seu tablete ou celular e tenha acesso direto a loja www.lojanacontramao.com.br acompanhe nossa loja

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais