Universidade Federal de São Carlos. Pró-Reitoria de Pesquisa. Coordenadoria de Iniciação Científica e Tecnológica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de São Carlos. Pró-Reitoria de Pesquisa. Coordenadoria de Iniciação Científica e Tecnológica"

Transcrição

1 Universidade Federal de São Carlos Pró-Reitoria de Pesquisa Coordenadoria de Iniciação Científica e Tecnológica Trabalho análogo à escravidão: a emergência de uma fórmula? Élica dos Santos Souza Bacharelado em Linguística Roberto Leiser Baronas Departamento de Letras Centro de Educação e Ciências Humanas São Carlos /

2 1.a Introdução ao Problema O presente projeto de Iniciação Científica inscreve-se nas reflexões desenvolvidas no Laboratório de Estudos Epistemológicos e de Discursividades Multimodais - LEEDiM 1, eixo de pesquisa 01, deslocamentos epistemológicos e metodológicos. Nos últimos dez anos, sobretudo, a partir de implantação de políticas públicas governamentais sobre os direitos humanos, o tema trabalho escravo ganhou bastante notoriedade nos mais diversos campos: judiciário; político; midiático, entre outros. Pouquíssimos temas tiveram no cenário brasileiro uma repercussão semelhante. Uma simples procura por essa expressão no site de buscas Google apresentará mais de ocorrências. Caso consideremos outras variações desse sintagma, tais como trabalho análogo à escravidão ou trabalho semelhante à escravidão, as ocorrências passam longe de Esse dado quantitativo por um lado evidencia que se trata de um fenômeno relevante para os estudos da linguagem e, por outro, que os enunciadores foram instados a se manifestar sobre esse tema. Neste projeto de Iniciação Científica, temos como objetivo analisar discursivamente como a mídia deu/dá em narrativa os deslizamentos de sentido do sintagma trabalho análogo à escravidão. Trabalharemos mais especificamente com textos veiculados em dois jornais de grande circulação nacional: Folha de S. Paulo 1 O Laboratório de Estudos Epistemológicos e de Discursividades Multimodais - LEEDIM está organizado em torno de dois grandes programas de pesquisa. No primeiro, objetiva-se discutir inicialmente, os deslocamentos epistemológicos e metodológicos produzidos por autores brasileiros e franceses no domínio da Análise do Discurso de orientação francesa do final dos anos oitenta até os dias atuais; num segundo momento, verifica-se em que medida esses deslocamentos epistemológicos e metodológicos podem ser aplicados a diferentes corpora de diferentes geografias e, por último, faz-se uma descrição/interpretação da escrita da história linguageira dos conceitos da Análise do Discurso de orientação francesa tanto na geografia francesa quanto na brasileira. No segundo, busca-se compreender o modo como os mais diversos suportes midiáticos por meio de textos multimodais constroem uma escrita da história de campanhas presidenciais brasileiras bastante distinta da história oficial veiculada nos editoriais, nos artigos de opinião, nas análises políticas, por exemplo. Elege-se como corpus de análise textos multimodais: fotografias derrisórias, fotomontagens, charges impressas, charges eletrônicas, caricaturas políticas, textos sobre o anedotário político brasileiro e blogs de comentários políticos veiculados por jornais, sites e revistas brasileiras de grande circulação nacional durante os primeiros e segundos turnos das campanhas presidenciais brasileiras de 1998, 2002, 2006 e A Análise do Discurso de orientação francesa em diálogo com os estudos da Nova História são as perspectivas teóricometodológicas que sustentam os programas de pesquisa do LEEDIM. A criação do Laboratório justificase entre outras razões diante da necessidade premente de se constituir redes de pesquisa envolvendo diversas universidades brasileiras como forma de solidificar a pesquisa no campo das Ciências da Linguagem e, sobretudo, nos domínios da epistemologia da Análise do Discurso e das discursividades multimodais. O LEEDiM conta com apoio financeiro do CNPq, processo número /

3 (Folha) e O Estado de S. Paulo (Estadão). Como recorte temporal, estabelecemos o período compreendido entre os alunos de 2002 a É importante ressaltar que não é nosso objetivo aqui realizar uma análise de conteúdo, tentando evidenciar a verdadeira posição dos jornais acerca da temática trabalho escravo. Nosso objetivo central é compreender no período histórico delimitado em que medida a sequência verbal trabalho escravo ao se transformar em trabalho análogo à escravidão e/ou trabalho semelhante à escravidão pode ser compreendida como uma fórmula. Em outras palavras, objetivamos verificar nesses jornais, ao longo do período estabelecido, como esse sintagma, embora formalmente estável do ponto de vista da descrição e da explicação linguística, põe-se a funcionar pelo trabalho da mídia nos discursos do espaço público como um lugar discursivo, isto é, uma sequência tão partilhada quanto problemática, conhecendo um regime discursivo que a torna uma fórmula. E também compreender em que medida tais deslizamentos de sentido implicam uma espécie de neutralização dos embates discursivos. Para dar conta de nosso objetivo, nos apoiaremos, dado o caráter heurístico de suas pesquisas, em Krieg-Planque (2003 e 2010). A analista francesa do discurso, ao analisar a fórmula purificação étnica posta a circular durante os anos noventa em textos de diversos jornais franceses, cuja temática eram os conflitos étnicos na antiga Iugoslávia, estabelece como critérios para que uma sequência linguística possa ser considerada uma fórmula os seguintes funcionamentos linguístico-discursivos: a) se caracteriza por uma cristalização; b) se inscreve numa dimensão discursiva; c) funciona como um referente social e d) comporta um aspecto polêmico. Tomaremos esses critérios para verificar a emergência ou não da fórmula trabalho análogo à escravidão e/ou trabalho semelhante à escravidão. E em caso positivo, se tais critérios são suficientes para descrever tal emergência. Sobre tais critérios de acordo com Krieg- Planque é possível dizer que: a) O caráter estável da fórmula; Por estabilidade da fórmula, Krieg-Planque entende que a materialidade significante que a constitui deve se manter de forma constante ao longo de um determinado período. b) A inscrição da fórmula na dimensão discursiva; Conforme aponta Krieg-Planque, a noção de fórmula não é linguística. Ela é, antes de mais nada, uma noção discursiva. A fórmula não existe sem os usos que a tornam uma 3

4 fórmula. São esses usos discursivos que a tornam uma fórmula no sentido discursivo do termo, ou seja, são os discursos produzidos pelos enunciadores acerca dessa temática que possibilitam que trabalho análogo à escravidão assuma a condição de fórmula. c) O funcionamento da fórmula como um referente social; No entender de Krieg-Planque, para que a fórmula se constitua enquanto tal, deve se apresentar como um referente social. A linguista francesa toma de empréstimo essa noção do trabalho de Pierre Fiala e Marianne Ebel (1983) e, segundo ela, tal noção se mostra pertinente, pois possibilita dar conta do fato de que a fórmula possui muitas significações e muitas das quais são contraditórias. Como referente social, a fórmula é um signo que evoca alguma coisa para todos num dado momento (...) Para que esse signo evoque alguma coisa para todos, é preciso que ele seja conhecido de todos. A notoriedade do signo (...) é, assim, uma condição necessária à existência formulaica (KRIEG-PLANQUE, 2010). Krieg-Planque nos diz que a fórmula, como referente social, é um signo que evoca alguma coisa para todos ao mesmo tempo. Ela é conhecida por designar alguma coisa. A fórmula refere: ela reenvia ao mundo. Falar sobre a fórmula enquanto um referente social implica, no entendimento de Planque, que gera polêmica. d) O aspecto polêmico da fórmula. A quarta e última característica da fórmula, segundo Krieg-Planque, é que a fórmula (...) abriga dinâmicas sociopolíticas. Entendemos disso que ela põe em jogo algo de grave. Grave não necessariamente num sentido dramático, mas no sentido em que ela põe em jogo a existência de pessoas: a fórmula põe em jogo modos de vida, recursos materiais, a natureza e as decisões de um regime político do qual os indivíduos dependem, seus direitos, seus deveres, as relações de igualdade ou de desigualdade entre cidadãos, a solidariedade entre humanos, a ideia que as pessoas fazem da nação de que se sentem membros. (KRIEG- PLANQUE, 2010) Em outros termos, o caráter polêmico da fórmula, além de mobilizar os indivíduos para que se manifestem, digam alguma coisa a seu respeito, coloca em discussão a própria subjetividade desses indivíduos. Ou seja, ela insta os sujeitos a dizer sobre os limites de suas subjetividades. No entendimento de Krieg-Planque (2010): (...) as fórmulas participam do peso da história, esse peso que lastreia os destinos individuais. É porque ela abriga uma dinâmica, porque ela põe em jogo a existência de pessoas, porque ela tem um valor descritivo de fatos políticos e sociais é que ela é objeto de polêmica. Polemizando em 4

5 torno dela, os atores-locutores não polemizam por nada : eles polemizam pela descrição do real. (KRIEG-PLANQUE, 2010). 1.b Informações Complementares Relativas ao Projeto Assinale abaixo a alternativa referente à necessidade de aprovação do projeto pelo comitê de ética em pesquisas. ( ) EXIGE aprovação ( X ) NÃO EXIGE aprovação Terá direito a uma 2ª bolsa o(a) orientador(a) de bolsista de Iniciação Científica FAPESP vigente durante o ano de 2011/2012 ou CNPq Balcão - Edital MCT CNPq 12/2010, ou outro tipo de bolsa de IC obtida diretamente pelo orientador junto a agências de fomento e com vigência em 2011/2012, respeitando-se a ordem de classificação de acordo com os critérios aplicados pelo Comitê PIBIC. As orientações de bolsistas PIBIC e PIBITI não atendem esta condição. Orientou bolsista IC com vigência 2011/2012 atendendo à condição acima? ( ) NÃO ( X ) SIM Agência de Fomento: FAPESP Processo número: 2011/

6 2 Objetivos 2.1) Objetivo geral Analisar o sintagma trabalho análogo à escravidão em diversos contextos enunciativos do jornal Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo, no período compreendido entre os anos de 2002 a 2012, verificando em que medida essa seqüência verbal pode ser considerada uma fórmula. 2.2) Objetivos específicos a) Descrever como o sintagma trabalho análogo à escravidão se cristaliza linguisticamente e se nesse processo de cristalização houve variação; b) Verificar como o sintagma em questão se inscreve numa dimensão discursiva; c) Compreender como a ocorrência funciona como um referente social; d) Apreender que aspectos polêmicos o sintagma em questão comporta; e) Compreender como o sintagma trabalho análogo à escravidão é submetido pelos suportes midiáticos pelos quais transita ao regime discursivo da aforização. 6

7 3 Metodologia Inicialmente, selecionaremos os textos nos quais o sintagma trabalho análogo à escravidão se dá a circular. Trata-se da organização do arquivo de nossa pesquisa. Num segundo momento, de posse do arquivo da pesquisa, realizaremos a segmentação do corpus. Para tanto e levando-se em consideração que lidaremos com uma massa muito grande de textos mobilizaremos o Programa de Estatística Textual Léxico 3. Esse programa possibilitará a realização de um tratamento estatístico da seqüência lingüística trabalho análogo à escravidão. Esse primeiro tratamento dos dados evidenciará não só a forma cristalizada e os possíveis deslocamentos do enunciado e/ou em que gênero discursivo e/ou em que ano e/ou que tipo de suporte midiático essa ocorrência aparece mais, por exemplo, mas também e, sobretudo, as suas principais características lexicométricas. Para realizar a segmentação do corpus é preciso estabelecer suas as balizas ou repartições. Por exemplo: <ano=2002> <semana=01> <gênero textual=01>. Tais balizas referem-se ao ano, à semana em que o texto foi publicado e também ao gênero que tal texto se inscreve. Depois de estabelecidas as balizas, os arquivos serão salvos como texto sem formatação. Estabelecidos os critérios procederemos à análise lexicométrica dos dados. Num terceiro momento, de posse das características lexicométricas do objeto, faremos a análise discursiva a partir dos critérios estabelecidos por Krieg-Planque (2007 e 2010) verificando em que medida a pequena frase em questão: a) se caracteriza por uma cristalização; b) se inscreve numa dimensão discursiva; c) funciona como um referente social; d) comporta um aspecto polêmico e, e) é submetida ao regime enunciativo da aforização. 7

8 4 Resultados Esperados Esperamos que a nossa pesquisa de Iniciação Científica possa contribuir mesmo que minimamente para a elucidação dos caminhos lingüísticos e discursivos pelos quais o sintagma trabalho análogo à escravidão percorreu ao longo de dez anos de existência. Com essa elucidação acreditamos por um lado, poder evidenciar de uma forma um pouco mais refinada, a despeito da sua propalada neutralidade comunicacional, a forma como a instituição midiática organiza, por meio dos seus discursos, as relações de poder e de opinião, e, por outro, poder contribuir com os próprios profissionais que se dedicam à atividade da comunicação, pois a compreensão do trabalho dos comunicadores passa necessariamente, em parte, por uma análise discursiva: as noções de fórmula, mas também as de pequena frase, de elemento de linguagem, de argumento ou ainda de slogan contribuem para essa compreensão. 8

9 5 Forma de Análise dos Resultados Pretendemos avaliar os resultados de nossa pesquisa de três maneiras. Inicialmente, submeteremos resultados parciais de nosso trabalho em forma de painel à comissão científica do congresso de iniciação científica e tecnológica da UFSCar em outubro vindouro. Num segundo momento, depois de concluirmos o relatório final de iniciação científica elaboraremos um artigo científico e o submeteremos ao conselho editorial de uma revista científica da área de lingüística com vistas a sua publicação. E, por último, elaboraremos um projeto de pesquisa e o submeteremos a um Programa de Pós-Graduação em Lingüística com vistas ao ingresso no mestrado. 9

10 6 Cronograma de Trabalho Etapas Anos 2012/2013 Meses 1. Leitura da bibliografia sobre fórmulas discursivas; X X X 2. Resenha dos textos; X X X X 3.Recorte do corpus da pesquisa; X X X X 4. Elaboração das análises; X X X 5. Elaboração do relatório parcial; X X 6. Participação em eventos nacionais; X X 7. Elaboração do relatório final; X X 8. Elaboração de artigo e de projeto de mestrado. X 10

11 7 Referências Bibliográficas ADAM, Jean-Michel (2000), «L hyperstructure : un mode privilégié de présentation des événements scientifiques?», Les Carnets du Cediscor, Paris, Presses de la Sorbonne Nouvelle, n 6, p ADAM, Jean-Michel et Marc BONHOMME (2003 rééd.), L argumentation publicitaire. Rhétorique de l éloge et de la persuasion, Paris, Nathan, coll. Fac Linguistique. Actes du colloque «Le français parlé dans les médias : les médias et le politique» (Lausanne / 2009) Marcel Burger, Jérôme Jacquin, Raphaël Micheli (éds) AUTHIER-REVUZ, Jacqueline (1982), «Hétérogénéité montrée et hétérogénéité constitutive : éléments pour une approche de l autre dans le discours», DRLAV. Revue de linguistique, Centre de recherche de l Université Paris 8, n 26, p (1995), Ces mots qui ne vont pas de soi. Boucles réflexives et non-coïncidences du dire, Paris, Larousse, 2 tomes. BAKHTINE, Mikhaïl ([1975] 1978), Esthétique et théorie du roman, Paris, Gallimard, coll. Tel. BEZES, Philippe (2009), Réinventer l Etat. Les réformes de l administration française ( ), Paris, Presses Universitaires de France, coll. Le Lien social. BONHOMME, Marc (2008), «La syntaxe publicitaire : entre sciences du langage et sciences de la communication», dans Marcel BURGER (dir.), L analyse linguistique des discours médiatiques. Entre sciences du langage et sciences de la communication, Québec, Université de Laval, Editions Nota Bene ; p BORZEIX, Anni et Béatrice FRAENKEL (dir.) (2001), Langage et travail. Communication, cognition, action, Paris, CNRS Editions, coll. Communication. BOUTET, Josiane (2002), «La part langagière du travail, bilan et perspectives», Langage & Société, Paris, Editions de la Maison des Sciences de l Homme, n 98, p (2008), La vie verbale au travail. Des manufactures aux centres d appel, Toulouse, Editions Octares, coll. Travail et activité humaine. DESROSIERES, Alain (2008), L argument statistique. I. Gouverner par les nombres. II. Pour une sociologie historique de la quantification, Paris, Les Presses de l Ecole des Mines, coll. Sciences sociales, 2 tomes. FAYE, J-P. Introdução às linguagens totalitárias: teoria e transformação do relato. São Paulo, Perspectiva, FACQ-MELLET, Caroline (2005), «Analyse discursive des questions au Gouvernement : places et rôles du groupe R.P.R. ( )». Thèse de doctorat en sciences du langage, Université Paris 10 - Nanterre. FILLIETTAZ, Laurent (2008), «Compétences professionnelles et compétences langagières en situation de risque. La régulation langagière d un événement en milieu industriel», Langage & Société, Paris, Editions de la Maison des Sciences de l Homme, n 125, p FISHMAN, Mark (1980), Manufacturing the News, Austin, University of Texas Press. FIALA, P. E EBEL, M. Sous le consensus, Ia xénophobee. Paroles, arguments, contextes ( ), Lausanne: Institut de science politique, Mémoires et documents, GRUNIG, Blanche-Noëlle (1990), Les mots de la publicité : l architecture du slogan, Paris, Editions du CNRS. HUBE, Nicolas (2008), Décrocher la «Une». Le choix des titres de première page de la presse quotidienne en France et en Allemagne ( ), Strasbourg, Presses 11

12 Universitaires de Strasbourg, coll. Sociologie politique européenne. Actes du colloque «Le français parlé dans les médias : les médias et le politique» (Lausanne / 2009) Marcel Burger, Jérôme Jacquin, Raphaël Micheli (éds) 12 JACOBS, Geert (1999), Preformulating the News. An analysis of the metapragmatics of press releases, John Benjamins Publishing, Pragmatics & Beyond New Series 60. JEANNE-PERRIER, Valérie (2005), «L écrit sous contrainte : les systèmes de management de contenu (CMS)», Communication & Langages, Paris, Nathan, n 146, p JEANNE-PERRIER, Valérie (2006), «Des outils d écriture aux pouvoirs exorbitants?», Réseaux, Paris, Hermès Science Publications, n 137, p JEANNERET, Yves et Cécile TARDY (dir.) (2007), L écriture des médias informatisés. Espaces de pratiques, Paris, Hermès Science Publications. KALIFA, Dominique, Philippe REGNIER, Marie-Eve THERENTY et Alain VAILLANT (dir.) (2010), La Civilisation du Journal. Histoire culturelle et littéraire de la presse française au XIXe siècle, Paris, Nouveau-Monde Editions. KRIEG-PLANQUE, Alice (2003), «Purification ethnique». Une formule et son histoire, Paris, CNRS Editions, coll. Communication.. (2006a), «Formules et lieux discursifs : propositions pour l analyse du discours politique», Semen. Revue de sémio-linguistique des textes et discours, Besançon, Presses Universitaires de Franche-Comté, n 21, p KRIEG-PLANQUE, Alice (2006b), «L intentionnalité de l action mise en discours. Le caractère intentionnel des crimes de masse sur la scène médiatique», dans Marc LE PAPE, Johanna SIMEANT, Claudine VIDAL (dir.), Crises extrêmes. Face aux massacres, aux guerres civiles et aux génocides, Paris, Editions La Découverte, coll. Recherches ; p (2007), «Travailler les discours dans la pluridisciplinarité. Exemples d une manière de faire en analyse du discours», dans Simone BONNAFOUS et Malika TEMMAR (dir.), Analyse du discours et sciences humaines et sociales, Paris, Ophrys, coll. Les chemins du discours ; p (2008), «La notion d observable en discours. Jusqu où aller avec les sciences du langage dans l étude des pratiques d écriture journalistique?», dans Marcel BURGER (dir.), L analyse linguistique des discours médiatiques. Entre sciences du langage et sciences de la communication, Québec, Université de Laval, Editions Nota Bene ; p (2009), La notion de «formule» en analyse du discours. Cadre théorique et méthodologique, Besançon, Presses Universitaires de Franche-Comté.. (2010a), «Un lieu discursif : Nous ne pourrons pas dire que nous ne savions pas. Etude d une mise en discours de la morale», Mots. Les langages du politique, Lyon, ENS Editions, n 92, p A noção de fórmula em análise do discurso quadro teórico e metodológico. Trad. Salgado e Possenti. São Paulo: Parábola, 2010b.. (à paraître), «La formule développement durable : un opérateur de neutralisation de la conflictualité», Langage & Société, Paris, Editions de la Maison des Sciences de l Homme. Actes du colloque «Le français parlé dans les médias : les médias et le politique» (Lausanne / 2009) Marcel Burger, Jérôme Jacquin, Raphaël Micheli (éds).. (2011). Por uma análise discursiva da comunicação: a comunicação como antecipação de práticas de retomada e de transformação dos enunciados. Tradução de 12

13 Luciana Salazar Salgado. In: Revista de Popularização Científica em Ciências da Linguagem Linguasagem nº 16, São Carlos, SP: LAPOUSTERLE, Jean (2009), L influence des groupes de pression sur l élaboration des normes. Illustration à partir du droit de la propriété littéraire et artistique, Paris, Dalloz-Sirey, coll. Nouvelle bibliothèque des thèses. LEGAVRE, Jean-Baptiste (1992), «Off the record, mode d emploi d un instrument de coordination», Politix. Revue des sciences sociales du politique, Paris, n 19, p LEGLISE, Isabelle (dir.) (2004), Pratiques, langues et discours dans le travail social. Ecrits formatés, oral débridé, Paris, L Harmattan, coll. Espaces discursifs. LINDHOLM, Maria (2007), La Commission européenne et ses pratiques communicatives. Etude des dimensions linguistiques et des enjeux politiques des communiqués de presse, Linköping (Suède), Linköping University Press, Studies in Language and Culture, Faculty of Arts and Sciences. MAINGUENEAU, D. Novas tendências em Análise do Discurso. Campinas: Pontes & Editora da Unicamp, Análise de textos de comunicação. São Paulo: Editora Cortez, Gênese dos discursos. Trad. Sírio Possenti. Curitiba: Criar Edições, Cenas da enunciação. Curitiba, PR: Criar Edições, Doze conceitos em Análise do Discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2010a.. Aphorisations politiques, médias et circulation des énoncés, 2010b. (no prelo). MOUILLAUD, Maurice et Jean-François TETU (1989), Le journal quotidien, Lyon, Presses Universitaires de Lyon. OGER, Claire (2003), «Communication et contrôle de la parole : de la clôture à la mise en scène de l institution militaire», Quaderni. La revue de la communication, Paris, Editions Sapientia, n 52, p (2007), «Analyse du discours et sciences de l information et de la communication : au-delà des corpus et des méthodes», dans Simone BONNAFOUS et Malika TEMMAR (dir.), Analyse du discours et sciences humaines et sociales, Paris, Ophrys, coll. Les chemins du discours ; p OGER, Claire et Caroline OLLIVIER-YANIV (2006), «Conjurer le désordre discursif. Les procédés de lissage dans la fabrication du discours institutionnel», Mots. Les langages du politique, Lyon, ENS Editions, n 81, p OLLIVIER-YANIV, Caroline (2003), «La fabrique du discours politique : les écrivants des prises de parole publiques ministérielles», dans Simone BONNAFOUS, Pierre CHIRON, Dominique DUCARD, Carlos LEVY (dir.), Discours et rhétorique politique. Actes du colloque «Le français parlé dans les médias : les médias et le politique» (Lausanne / 2009) Marcel Burger, Jérôme Jacquin, Raphaël Micheli (éds) 14 Antiquité grecque et latine, Révolution française, monde contemporain, Rennes, Presses Universitaires de Rennes, coll. Res Publica ; p (2008), La communication comme outil de gouvernement.définition et enjeux de la politique du discours, mémoire pour l habilitation à diriger des recherches (HDR) en Sciences de l information et de la communication, Université Paris 12 - Val-de-Marne. PANDER MAAT, Henk (2007), «How promotional language in press releases is dealt with by journalists. Genre mixing or genre conflict?», Journal of Business Communication, 44, p PECHEUX, Michel, (1983). Discurso: estrutura ou acontecimento. 2 ed. Campinas: Pontes. 13

14 . ([1975] 1990), Les vérités de La Palice. Linguistique, sémantique, philosophie, Paris, Maspero. De larges extraits sont repris dans Pêcheux (1990), p (1990), L inquiétude du discours. Textes de Michel Pêcheux choisis et présentés par Denise Maldidier, Paris, Editions des Cendres. RABATEL, Alain (dir.) (2004), «Effacement énonciatif et discours rapportés», Langages, Paris, Larousse, n 156. ROUBAN, Luc (2004), «Les cabinets du gouvernement Jospin, », Revue administrative, Paris, Presses Universitaires de France, n 339, p SALMON, Christian (2008), Storytelling, La machine à fabriquer des histoires et à formater les esprits, Paris, La Découverte. SAWICKI, Frédéric et Pierre MATHIOT (1999), «Les membres des cabinets ministériels socialistes en France ( ) : recrutement et reconversion. Première partie : caractéristiques sociales et filières de recrutement» ; et «Les membres des cabinets ministériels socialistes en France ( ) : recrutement et reconversion. Seconde partie : stratégies de reconversion», Revue française de science politique, Paris, Editions de la FNSP, vol. 49, n 1, février 1999, p ; et vol. 49, n 2, avril 1999, p SLEURS, Kim et Geert JACOBS (2005), «Beyond preformulation : an ethnographic perspective on press releases», Journal of Pragmatics, 37, p (2003), «Constructing press releases, constructing quotations : A case study», Journal of Sociolinguistics, 7, p SOUCHIER, Emmanuël, Yves JEANNERET et Joëlle LE MAREC (dir.) (2003), Lire, écrire, récrire. Objets, signes et pratiques des médias informatisés, Paris, Editions de la Bibliothèque publique d information, coll. Etudes et recherche. TOURNIER, Maurice (1985), «Texte propagandiste et coocurrences ; hypothèses et méthodes pour l étude de la sloganisation», Mots. Mots, Ordinateurs, Textes, Sociétés, Paris, Presses de la FNSP, n 11, p Actes du colloque «Le français parlé dans les médias : les médias et le politique» (Lausanne / 2009) Marcel Burger, Jérôme Jacquin, Raphaël Micheli (éds) 15. TREILLE, Eric (2007), «Ecrire par délégation. Pratiques d écriture des assistants parlementaires de députés socialistes», Mots. Les langages du politique, Lyon, ENS Editions, n 85, p TUCHMAN, Gaye (1978), Making News. A Study in the Construction of Reality, New York, The Free-Press. VATIN, François (dir.) (2009), Evaluer et valoriser. Une sociologie économique de la mesure, Toulouse, Presses Universitaires du Mirail, coll. Socio-logiques

Por uma análise discursiva da comunicação: a comunicação como antecipação de práticas de retomada e de transformação dos enunciados

Por uma análise discursiva da comunicação: a comunicação como antecipação de práticas de retomada e de transformação dos enunciados Por uma análise discursiva da comunicação: a comunicação como antecipação de práticas de retomada e de transformação dos enunciados Alice Krieg-Planque Université Paris-Est Créteil (UPEC) / Céditec (EA

Leia mais

DA PANAFORIZAÇÃO À METAFORIZAÇÃO: O CASO DE UMA PEQUENA FRASE SEM EIRA NEM BEIRA TEXTUAL RESUMO

DA PANAFORIZAÇÃO À METAFORIZAÇÃO: O CASO DE UMA PEQUENA FRASE SEM EIRA NEM BEIRA TEXTUAL RESUMO DA PANAFORIZAÇÃO À METAFORIZAÇÃO: O CASO DE UMA PEQUENA FRASE SEM EIRA NEM BEIRA TEXTUAL Roberto Leiser BARONAS Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Conselho

Leia mais

A noção de fórmula em análise do discurso: quadro teórico e metodológico

A noção de fórmula em análise do discurso: quadro teórico e metodológico 229 A noção de fórmula em análise do discurso: quadro teórico e metodológico [KRIEG-PLANQUE, Alice. São Paulo: Parábola, 2010. 144 p.] Eduardo Caliendo Marchesan * O livro que aqui apresentamos, A noção

Leia mais

Le texte multimodal dans les manuels scolaires au Brésil: une approche méthodologique pour la construction et l analyse d un corpus de discours

Le texte multimodal dans les manuels scolaires au Brésil: une approche méthodologique pour la construction et l analyse d un corpus de discours Le texte multimodal dans les manuels scolaires au Brésil: une approche méthodologique pour la construction et l analyse d un corpus de discours Jocenilson Ribeiro Universidade Federal de São Carlos UFSCar-Brasil

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS 72 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com uma linguagem particular, os advogados, como locutores/enunciadores, gerenciaram as diversas vozes/ enunciadores existentes na petição inicial e na contestação em ação de união

Leia mais

Da Arqueologia à Genealogia a questão do sujeito no percurso filosófico de Michel Foucault

Da Arqueologia à Genealogia a questão do sujeito no percurso filosófico de Michel Foucault Fabiane Marques de Carvalho Souza Da Arqueologia à Genealogia a questão do sujeito no percurso filosófico de Michel Foucault Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Filosofia

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE FRANCÊS 9º ANO ANO LETIVO 2015/2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE FRANCÊS 9º ANO ANO LETIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS - GRUPO DISCIPLINAR DE PORTUGUÊS E FRANCÊS PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE FRANCÊS 9º ANO ANO LETIVO 2015/2016 Competências Gerais: Compreender textos escritos de natureza diversificada,

Leia mais

de manuais concebidos segundo a Perspectiva Acional

de manuais concebidos segundo a Perspectiva Acional 1. NOME COMPLETO: HYANNA C. DIAS DE MEDEIROS 2. E-MAIL: hyanna.medeiros@usp.br 3. ALUNO: X EX-ALUNO: 4. PESQUISA : X INICIAÇÃO CIENTÍFICA MESTRADO DOUTORADO 5. ÁREA DE PESQUISA: X LÍNGUA, LINGUÍSTICA E

Leia mais

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO CURSO: JORNALISMO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: TEORIAS DA COMUNICAÇÃO Estudo do objeto da Comunicação Social e suas contribuições interdisciplinares para constituição de uma teoria da comunicação.

Leia mais

Cronos, Natal-RN, v. 10, n. 2, p. 203-208, jul./dez. 2009

Cronos, Natal-RN, v. 10, n. 2, p. 203-208, jul./dez. 2009 203 BERNARD LAHIRE É professor de sociologia da École normale supérieure de Lyon E directeur du Groupe de Recherche sur la Socialisation (CNRS). É autor, entre outros livros, de À quoi sert la sociologie?,

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

Prova Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho

Prova Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS (iniciação) 11º Ano de Escolaridade Prova 376 2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP ANEXO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E LITERATURAS ESTRANGEIRAS ÁREA DE LÍNGUA FRANCESA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E LITERATURAS ESTRANGEIRAS ÁREA DE LÍNGUA FRANCESA 1 LÍNGUA ESTRANGEIRA 1 FRANCÊS EMENTA: Introdução às práticas de compreensão e produção orais e escritas da língua através do uso de estruturas e funções comunicativas elementares. Introdução ao sistema

Leia mais

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa

Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa 2014. 1 Métodos e Técnicas do Trabalho Científico e da Pesquisa FACULDADE POLIS DAS ARTES Professor: Tiago Silva de Oliveira E-mail: psicotigl@yahoo.com.br Noturno/2014.1 Carga Horária 80h 1 Dia da Semana

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

O FIM DA FILOSOFIA EM M. HEIDEGGER. Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado em Filosofia

O FIM DA FILOSOFIA EM M. HEIDEGGER. Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado em Filosofia Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado em Filosofia Eduardo Boaventura de Souza O FIM DA FILOSOFIA EM M. HEIDEGGER Salvador 2005 Eduardo Boaventura de Souza O FIM

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL PLANO DE ENSINO 2012-1 DISCIPLINA: Antropologia PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h II EMENTA A partir de uma perspectiva histórico-evolutiva, a disciplina

Leia mais

3. QUANTIDADE E DURAÇÃO DA BOLSA Será concedida 01 (uma) bolsa, com duração de 01 (um) mês.

3. QUANTIDADE E DURAÇÃO DA BOLSA Será concedida 01 (uma) bolsa, com duração de 01 (um) mês. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO IPEA/PROCIN Nº 008/2015 - CONCESSÃO DE BOLSAS O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), fundação pública vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência

Leia mais

ANÁLISE DE PRÉ-PROJETO

ANÁLISE DE PRÉ-PROJETO BAREMA 01 ANÁLISE DE PRÉ-PROJETO ITENS DE AVALIAÇÃO Pontuação Máxima 1. Tema e Relevância do Projeto Pertinência com a proposta do curso 01 Originalidade 01 2. Delimitação do Problema Abordagem clara do

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Manual para a elaboração do TCC em formato Monografia Curso de Publicidade e Propaganda 1º/2015. Monografia: disposições gerais Monografia é uma das alternativas oferecidas pela UPM como Trabalho de Conclusão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO - PRPI EDITAL 01/2015-PRPI/UFCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO - PRPI EDITAL 01/2015-PRPI/UFCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO - PRPI EDITAL 01/2015-PRPI/UFCA A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação da Universidade Federal do Cariri (PRPI - UFCA) torna pública a

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: IV CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA GEOGRAFIA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Geografia:

Leia mais

Lisez attentivement le questionnaire et répondez sincèrement aux questions en indiquant la ou les réponses qui conviennent.

Lisez attentivement le questionnaire et répondez sincèrement aux questions en indiquant la ou les réponses qui conviennent. PROTOCOLE D ENQUÊTE DESTINÉ AUX PROFESSEURS DE FRANÇAIS À PRAIA Lisez attentivement le questionnaire et répondez sincèrement aux questions en indiquant la ou les réponses qui conviennent. Première partie

Leia mais

1ª Circular - Chamada de Trabalhos

1ª Circular - Chamada de Trabalhos 1ª Circular - Chamada de Trabalhos Datas: Local de Realização: De 22 a 26 de Junho de 2011 (quarta - domingo) Universidade Federal Fluminense, Campus Gragoatá, Bloco O (ICHF), Niterói, Rio de Janeiro.

Leia mais

APPEL À COMMUNICATIONS CHAMADA DE TRABALHOS

APPEL À COMMUNICATIONS CHAMADA DE TRABALHOS APPEL À COMMUNICATIONS CHAMADA DE TRABALHOS 4 ème Congrès TRANSFORMARE Centre Franco Brésilien de Recherches en Innovation, Organisations et Durabilité ISC Institut Supérieur de Commerce de Paris 22, bd

Leia mais

A formação do engenheiro para as próximas décadas

A formação do engenheiro para as próximas décadas Seminário Inovação Pedagógica na Formação do Engenheiro Universidade de São Paulo Maio de 2003 A formação do engenheiro para as próximas décadas Henrique Lindenberg Neto Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE DISCIPLINA: Análise do Discurso CARGA HORÁRIA: 45 horas PROFESSORA: Dra. Laura Maria Silva Araújo

Leia mais

Curso de Relações Internacionais - 3º período Disciplina: Método de Pesquisa Objetivo quatro módulos Avaliação

Curso de Relações Internacionais - 3º período Disciplina: Método de Pesquisa Objetivo quatro módulos Avaliação 1 Curso de Relações Internacionais - 3º período 2014.1 Disciplina: Método de Pesquisa Prof. Patricia Rivero Aula teórico-prática: quinta-feira das 16:40 às 20:10h Local: Anexo CFCH, sala 4 Objetivo Essa

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL N 31/2016 SUBMISSÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL N 31/2016 SUBMISSÃO DE PROJETOS DE PESQUISA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL N 31/2016 SUBMISSÃO DE PROJETOS DE PESQUISA A Pró-reitoria de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão, PRPGPE, torna público ao corpo docente do Centro

Leia mais

PÚBLIO, Marcelo Abilio

PÚBLIO, Marcelo Abilio PÚBLIO, Marcelo Abilio Né le 10 juin 1975 à Sorocaba-SP (Brésil) m.publio@gmail.com Situation actuelle Depuis 2013 : Enseignant-Chercheur en photographie, audiovisuel et cinéma d animation à l'université

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA O ESTUDO DO ENSINO DO PORTUGUÊS A FALANTES DE OUTRAS LÌNGUAS O CONCELHO DE ÉVORA. Ao meu pai, no meu coração, para sempre.

CONTRIBUTOS PARA O ESTUDO DO ENSINO DO PORTUGUÊS A FALANTES DE OUTRAS LÌNGUAS O CONCELHO DE ÉVORA. Ao meu pai, no meu coração, para sempre. Ao meu pai, no meu coração, para sempre. iii Agradecimento O meu primeiro agradecimento vai para a Professora Doutora Maria José Grosso que para além da orientação científica indispensável, sempre me apoiou,

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação GRADE DE HORÁRIOS 2017/1 08/12/ :04

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação GRADE DE HORÁRIOS 2017/1 08/12/ :04 Curso: 1 Ciências Sociais (Noturno) Licenciatura ADM.515..1-8 ADM.516..1-1 ADM.518..1-9 ADM.5..1- EDU.1..1-3 EDU.16..1-1 HIS.77.1.1-8 1 LET.135.1.3-1 1 SOC.3.1.1-6 1 SOC.35.1.1-1 SOC.16..1-1 SOC.18.1.1-6

Leia mais

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Introdução Relativamente ao Curso Técnico Superior Profissional em Assessoria e Comunicação Organizacional, a área a que se refere o n. 1 do

Leia mais

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 21, DE 02 DE JUNHO DE

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 21, DE 02 DE JUNHO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA EDITAL DE EXTENSÃO Nº 21, DE 02

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curso Algumas Informações Importantes: a) O modelo da proposta está especificado

Leia mais

EDITAL 01/2009 CHAMADA PARA ARTIGOS REVISTA GÊNERO E DIREITO DISCIPLINA A CHAMADA DE ARTIGOS PARA

EDITAL 01/2009 CHAMADA PARA ARTIGOS REVISTA GÊNERO E DIREITO DISCIPLINA A CHAMADA DE ARTIGOS PARA EDITAL 01/2009 CHAMADA PARA ARTIGOS REVISTA GÊNERO E DIREITO DISCIPLINA A CHAMADA DE ARTIGOS PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA GÊNERO E DIREITO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM GÊNERO E DIREITO - UNIVERSIDADE

Leia mais

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Estudos da Língua(gem) Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux et l Analyse de Discours Eni P. ORLANDI * UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS (Unicamp)

Leia mais

Table des matières / Índice

Table des matières / Índice Table des matières / Índice Avant-propos / Prefácio Antonella Romano Des plantes, des paysages, des hommes entre la France & le Brésil 11 Plantas, paisagens, homens entre a França e Brasil 21 Présentation

Leia mais

UM ESTUDO DA EXPRESSÃO MELHOR IDADE EM TEXTOS MIDIÁTICOS, À LUZ DO CONCEITO DE FÓRMULA DISCURSIVA.

UM ESTUDO DA EXPRESSÃO MELHOR IDADE EM TEXTOS MIDIÁTICOS, À LUZ DO CONCEITO DE FÓRMULA DISCURSIVA. UM ESTUDO DA EXPRESSÃO MELHOR IDADE EM TEXTOS MIDIÁTICOS, À LUZ DO CONCEITO DE FÓRMULA DISCURSIVA. Cristiane Souza Nascimento MACEDO 1 (UEM) Pedro Luis Navarro BARBOSA 2 (UEM) Introdução Atualmente, são

Leia mais

BAREMA PARA PROVA DE TÍTULOS EM CONCURSO PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA*

BAREMA PARA PROVA DE TÍTULOS EM CONCURSO PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA* Para cada título as pontuações listadas abaixo devem ser interpretadas de forma relativa. Para a atribuição de uma nota absoluta a cada candidato a banca examinadora deverá observar os seguintes aspectos:

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Roraima Centro de Comunicação Social, Letras e Artes Visuais Coordenação do Curso de Letras

Ministério da Educação Universidade Federal de Roraima Centro de Comunicação Social, Letras e Artes Visuais Coordenação do Curso de Letras PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO LT 136 DISCIPLINA Língua Francesa V CREDITOS CARGA HORARIA PRÉ-REQUISITO T P O 60 HORAS LT135 Língua Francesa IV 04 - - CENTRO CCLA COORDENAÇÃO CCL EMENTA Prática intensiva

Leia mais

Gustavo Grandini BASTOS * Fernanda Correa Silveira GALLI **

Gustavo Grandini BASTOS * Fernanda Correa Silveira GALLI ** DOI: 10.5433/2237-4876.2013v16n2p355 ROMÃO, Lucília Maria Sousa. Exposição do Museu da Língua Portuguesa: arquivo e acontecimento e(m) discurso. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011. 236 p. Nas exposições

Leia mais

Programação das atividades letivas para 2015/2016 Francês Nível 1 (Iniciação) - 10º Ano - Curso Profissional 123 Horas = 148 tempos letivos

Programação das atividades letivas para 2015/2016 Francês Nível 1 (Iniciação) - 10º Ano - Curso Profissional 123 Horas = 148 tempos letivos Programação das atividades letivas para 2015/2016 Francês Nível 1 (Iniciação) - 10º Ano - Curso Profissional 123 Horas = 148 tempos letivos Competências Essenciais Conteúdos Período Previstas Avaliação

Leia mais

A NOÇÃO DE FORMAÇÃO DISCURSIVA: UMA RELAÇÃO ESTREITA COM O CORPUS NA ANÁLISE DO DISCURSO

A NOÇÃO DE FORMAÇÃO DISCURSIVA: UMA RELAÇÃO ESTREITA COM O CORPUS NA ANÁLISE DO DISCURSO A NOÇÃO DE FORMAÇÃO DISCURSIVA: UMA RELAÇÃO ESTREITA COM O CORPUS NA ANÁLISE DO DISCURSO Vanice Maria Oliveira SARGENTINI sargentini@uol.com.br Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Introdução No

Leia mais

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE Mestrado em Tradução Tradução da primeira parte de Droit de la Famille de Dominique Fenouillet Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR

Leia mais

TRABALHOS / NORMAS. 1. Normas para Submissão de Trabalhos: 1.1 COMUNICAÇÃO ORAL

TRABALHOS / NORMAS. 1. Normas para Submissão de Trabalhos: 1.1 COMUNICAÇÃO ORAL TRABALHOS / NORMAS 1. Normas para Submissão de Trabalhos: 1.1 COMUNICAÇÃO ORAL a) Será considerada Comunicação Oral, ensaios, estudos e resultados de pesquisa abordando temáticas novas ou já estabelecidas

Leia mais

Doutoramento ès Sciences Économiques et Sociales, Université de Genève, Suíça, 2008-2012.

Doutoramento ès Sciences Économiques et Sociales, Université de Genève, Suíça, 2008-2012. Curriculum Vitae Luísa Maria d Andrade Godinho Dados Pessoais Nacionalidade: portuguesa Naturalidade: Grenoble, França Email: Lgodinho@autonoma.pt Formação Científica Doutoramento ès Sciences Économiques

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

Bienvenue au Cours Préparatoire Bemvindos à Primária

Bienvenue au Cours Préparatoire Bemvindos à Primária Bienvenue au Cours Préparatoire Bemvindos à Primária Ce qui ne change pas O que não se altera entre o pré-escolar e o 1º ano no LFIP L organisation administrative/a organização administrativa -Les contacts

Leia mais

Edital 01/2016 Programa de Iniciação Científica

Edital 01/2016 Programa de Iniciação Científica Edital 01/2016 Programa de Iniciação Científica A Faculdade Promove de Minas Gerais, Faculdade Promove de Belo Horizonte, Faculdade Promove de Tecnologia,Escola de Engenharia Kennedy, Faculdade Kennedy

Leia mais

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL, COOPERATIVISMO E ECONOMIA SOLIDÁRIA Práticas e Saberes da Agricultura Familiar

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL, COOPERATIVISMO E ECONOMIA SOLIDÁRIA Práticas e Saberes da Agricultura Familiar NORMAS PARA ENVIO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS 1. INFORMAÇÕES GERAIS O Seminário Internacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, Cooperativismo e Economia Solidária é um evento no âmbito

Leia mais

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 Sumário Introdução, 1 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 2 Como a linguagem funciona, 31 1 Análise do discurso, 31 2 O estudo da linguagem,

Leia mais

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina.

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina. Agrupamento de Escolas de Barrancos INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO FRANCÊS maio de 2016 Prova 16 2016 1ª/2ª Fase 3.º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita + Oral

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA

REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA 1 REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA Em conformidade com o que estabelece o Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Sociais

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

Direito do Consumidor: a Visão da Empresa e a Jurisprudência ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Direito do Consumidor: a Visão da Empresa e a Jurisprudência ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Direito do Consumidor: a Visão da Empresa e a Jurisprudência ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início

Leia mais

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ Reconhecida pelo Decreto Governamental n.º 70.906 de 01/08/72 e Portaria n.º 1.062

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru Curso 1503 / 1504 - Licenciatura em Matemática 1701 - Bacharelado em Meteorologia 3002 / 3003 - Licenciatura em Pedagogia Ênfase Identificação Disciplina 0004460A - Leitura e Produção Textual Docente(s)

Leia mais

PLANO DE AULA. Geografia Urbana de Natal/RN: Problemas ambientais e falta de planejamento

PLANO DE AULA. Geografia Urbana de Natal/RN: Problemas ambientais e falta de planejamento Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Educação Departamento de Práticas Educacionais e Currículo Estágio Supervisionado para Formação de Professores para o Ensino Médio Curso de Geografia

Leia mais

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1 ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA Sheila Elias de Oliveira 1 Eduardo Guimarães 2 tem se dedicado desde a década de 1980 à reflexão sobre o sentido na linguagem e nas línguas de um ponto de vista

Leia mais

1. ELABORAÇÃO DOS RESUMOS SIMPLES

1. ELABORAÇÃO DOS RESUMOS SIMPLES NORMAS PARA ELABORAÇÃO E SUBMISSÃO DE RESUMOS SIMPLES DOS TRABALHOS CIENTÍFICOS E ATIVIDADES NO CONGRESSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ACRE CONC & T IFAC 2016 Despertando Talentos Com

Leia mais

REGULAMENTO PARA O ENVIO DOS RESUMOS DE TRABALHOS PARA O VIII Simpósio de Pesquisa e Iniciação Científica 2016 (SPIC)

REGULAMENTO PARA O ENVIO DOS RESUMOS DE TRABALHOS PARA O VIII Simpósio de Pesquisa e Iniciação Científica 2016 (SPIC) REGULAMENTO PARA O ENVIO DOS RESUMOS DE TRABALHOS PARA O VIII Simpósio de Pesquisa e Iniciação Científica 2016 (SPIC) O resumo científico a ser submetido ao VIII SPIC deverá constar, explícita e obrigatoriamente,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTRATÉGIA E SEGURANÇA INTERNACIONAL Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTRATÉGIA E SEGURANÇA INTERNACIONAL Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular ESTRATÉGIA E SEGURANÇA INTERNACIONAL Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Relações Internacionais 3. Ciclo

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II

PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II 1. IDENTIFICAÇÃO PROGRAMA DA DISCIPLINA MARKETING II CURSO: ADMINISTRACAO ANO: 2014 DISCIPLINA: MARKETING II CÓDIGO: ADM10598 PERÍODO: 2014/1 CARGA HORÁRIA: 60h PROFESSOR (A): MICHEL VASCONCELOS 2. DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 Competências Transversais Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

O ETUI recebe apoio financeiro da União Europeia

O ETUI recebe apoio financeiro da União Europeia O ETUI recebe apoio financeiro da União Europeia Seminário Internacional Eles e elas no emprego e no trabalho: questões de justiça e de saúde Ils et elles en emploi et au travail: questions de justice

Leia mais

Disciplina: FRANCÊS Código: 16 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira II, Nível 3)

Disciplina: FRANCÊS Código: 16 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira II, Nível 3) INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: FRANCÊS Código: 16 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira II,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

Sequência Didática e o Ensino do Gênero Artigo de Opinião. Ana Luiza M. Garcia

Sequência Didática e o Ensino do Gênero Artigo de Opinião. Ana Luiza M. Garcia Sequência Didática e o Ensino do Gênero Artigo de Opinião Ana Luiza M. Garcia Organização do Encontro O TRABALHO COM SD A SD DO GÊNERO ARTIGO DE OPINIÃO JOGOS (VIRTUAIS e QP BRASIL ) Questões-chave O que

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Farmácia Qualificação:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA EDU236 Fundamentos da Educação: Sociologia - 30 36 2 0 3º EDU237 Fundamentos da Educação: Filosofia - 30 36 2 0 3º LET812 Estudos de Leitura - 60 72 2 2 3º LET872 Teoria

Leia mais

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO OFERTA DE DISCIPLINAS 2015.1 ALUNOS REGULARES DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS (ALUNOS REGULARES): MESTRADO

Leia mais

1. Montagem de espetáculos de Teatro Adulto , Montagem de espetáculos de Teatro para Infância e Juventude. 100.

1. Montagem de espetáculos de Teatro Adulto , Montagem de espetáculos de Teatro para Infância e Juventude. 100. Artistas, grupos, companhias, escolas, produtores culturais, arte-educadores e pesquisadores podem apresentar propostas de projetos de teatro dentro das linhas de ação abaixo, conforme Resolução da Comissão

Leia mais

Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV

Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV O IEDUV traz para Vitória do Espirito Santo e em especial para o Brasil, o I Workshop Internacional de Ergonomia, neste

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria Cetec nº 774 de 24 / 09 / 2015. ETEC de Tiquatira Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA ICHLA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA Currículo Novo - 2010/02 - Noturno. RECONHECIMENTO RENOVADO PELA PORTARIA Nº 1.657, DE 07/10/2010 - D.O.U. DE 08/10/2010

Leia mais

Edital de Seleção 2016 X Curso de Atualização: A Teoria e as Questões Políticas da Diáspora Africana nas Américas

Edital de Seleção 2016 X Curso de Atualização: A Teoria e as Questões Políticas da Diáspora Africana nas Américas Edital de Seleção 2016 X Curso de Atualização: A Teoria e as Questões Políticas da Diáspora Africana nas Américas CRIOLA, através do Programa MultiVersidade Criola, um espaço de formação feminista e anti-racista

Leia mais

FORMULÁRIO DE CADASTRO DE TÍTULOS NOME DO CANDIDATO: ÁREA / DISCIPLINA: NÚMERO DE INSCRIÇÃO:

FORMULÁRIO DE CADASTRO DE TÍTULOS NOME DO CANDIDATO: ÁREA / DISCIPLINA: NÚMERO DE INSCRIÇÃO: CONCURSO PÚBLICO DO INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DE SURDOS EDITAL Nº 29/2013 E EDITAL Nº 04/2014 PROVA DE TÍTULOS PARA OS CARGOS DE PROFESSOR DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR FORMULÁRIO DE CADASTRO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APCN

ORIENTAÇÕES PARA APCN Identificação Área de Avaliação: Letras/Linguística Coordenador de Área: Dermeval da Hora Oliveira (UFPB/JP) Coordenador-Adjunto de Área: Ida Maria Santos Ferreira Alves (UFF) Coordenador-Adjunto de Mestrado

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Normas e Critérios para Concessão de Bolsas por quota - CAPES e CNPq 2014/2015 (* Alterações aprovadas em reunião do Conselho do Programa realizada no dia 22 de agosto

Leia mais

II CONGRESSO 2015 FAMINAS-BH COMPARTILHANDO IDEAIS NA BUSCA POR DIAS MELHORES: DISCUTINDO A SUSTENTABILIDADE

II CONGRESSO 2015 FAMINAS-BH COMPARTILHANDO IDEAIS NA BUSCA POR DIAS MELHORES: DISCUTINDO A SUSTENTABILIDADE CHAMADA DE TRABALHOS: A comissão técnico-científica do II CONGRESSO FAMINAS-BH 2015 convida para a submissão de trabalhos técnicos para apresentação e discussão no evento. TEMA: SUSTENTABILIDADE: SOCIAL,

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A letivo: 2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Francês, 3º Ciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS

PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS Novo Código código anterior Nome da disciplina Ementa Bibliografia Pré-requisitos C/H Equivalências LEM1001 ----- Metodologia de Ensino de (Português como) Língua Estrangeira

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

A PROPÓSITO DAS NOÇÕES DE FÓRMULA E DE PERCURSO PARA A ANÁLISE DE DISCURSO

A PROPÓSITO DAS NOÇÕES DE FÓRMULA E DE PERCURSO PARA A ANÁLISE DE DISCURSO A PROPÓSITO DAS NOÇÕES DE FÓRMULA E DE PERCURSO PARA A ANÁLISE DE DISCURSO 15 Jefferson Voss 1 Unicamp / CNPq jeffersonvoss@yahoo.com.br RESUMO Tendo em vista a discussão sobre a noção de percurso como

Leia mais

Estudos da Língua(gem)

Estudos da Língua(gem) Estudos da Língua(gem) Luis CLáudio AguiAr gonçalves* Universidade estadual do sudoeste da Bahia (UesB/Brasil) Coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nível superior (Capes) MAriA da ConCeição FonseCA-siLvA*

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Edital n o 01/2016 Seleção de Projetos de Pesquisa A Coordenadoria do Mestrado Acadêmico e Pesquisa

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DISCIPLINAS 1. Introdução à Pesquisa em Letras 2. Metodologia de ensino de línguas estrangeiras I: perspectivas teóricas e abordagens

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC AÇÕES AFIRMATIVAS

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC AÇÕES AFIRMATIVAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC AÇÕES AFIRMATIVAS EDITAL PIBIC-AF/ CNPq/UPE 2012-2013 APRESENTAÇÃO O programa PIBIC nas Ações Afirmativas resulta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA PPGF/MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA PPGF/MESTRADO 1. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ÉTICA E FILOSOFIA POLÍTICA PROFESSOR: Dr. Marcelo de Sant Anna Alves Primo CARGA HORÁRIA: 90 Horas 6 Créditos INÍCIO: 26/08/2014 TÉRMINO: 16/12/2014 DIAS DE AULAS: terça-feira

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA GERAL DA CIVILIZAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA GERAL DA CIVILIZAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA GERAL DA CIVILIZAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Turismo 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

EDITAL N 007/2015 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E/OU TECNOLÓGICA

EDITAL N 007/2015 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E/OU TECNOLÓGICA EDITAL N 007/2015 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E/OU TECNOLÓGICA O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) Câmpus Canoas,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: DR. JOSÉ LUIZ VIANA COUTINHO Código: 073 Município: JALES/ SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Reconhecimento da dimensão ética nos fenômenos sociais e psicológicos, assim como nas produções e ações humanas.

PLANO DE ENSINO. Reconhecimento da dimensão ética nos fenômenos sociais e psicológicos, assim como nas produções e ações humanas. PLANO DE ENSINO CURSO: PSICOLOGIA SÉRIE: 9º SEMESTRE UNIDADE DE ENSINO: Ética e Cidadania CARGA HORÁRIA SEMANAL: 2 Horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 44 horas I - EMENTA Reconhecimento da dimensão ética

Leia mais

Currículo. Prof. Doutor Artur Anselmo de Oliveira Soares

Currículo. Prof. Doutor Artur Anselmo de Oliveira Soares Currículo Prof. Doutor Artur Anselmo de Oliveira Soares Professor Associado com Agregação Membro da Comissão Científica do Departamento de Estudos Portugueses e-mail: aa@fcsh.unl.pt Formação: Metodologia

Leia mais