1. A criação: projeto do amor de Deus. amor caridade 2. O indivíduo: os valores.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. A criação: projeto do amor de Deus. amor caridade 2. O indivíduo: os valores."

Transcrição

1 VISÃO de PESSOA HUMANA para FRANCISCO: Uma visão contrastante Para a nossa reflexão tomaremos dois textos-base: Rnb 23, 1-5 e 2CtaF E a partir destes textos nos serviremos de outros que possam vir a enriquecer a visão franciscana de pessoa humana. O referido texto da Rnb faz uma proclamação laudativa de Deus na sua comunhão trinitária. Ali o homem (esta expressão é usada por Francisco. Significa 'pessoa humana, o ser humano ), juntamente com toda a criação, ocupa um lugar especial. Deus e homem aparecem inseparáveis e, em qualquer modo, interdependentes. Nosso intento é perceber a antropologia de Francisco: a pessoa como indivíduo, como ser de grandeza e, também, de miséria. 1. A criação: projeto do amor de Deus. Antes de olhar para o homem, Francisco (Fco) contempla Deus. De Deus celebra a potência, a alteridade, a suma grandeza, a senhoria e a paternidade (e por isso mesmo sua pequenez e proximidade), como que insinuando que o homem só pode ser compreendido em toda a sua dignidade a partir de Deus. A grandeza de Deus se põe como fundamento e garantia daquela do homem. A 'aventura' de Deus e do homem será apresentada dentro do quadro de ação de graças. Render graças é, para Fco, uma necessidade primária: só nos primeiros versículos da Oração (Rnb 23, 1-5) a expressão aparece 4 vezes! O "dar graças" pressupõe, antes de tudo, o acolhimento e o reconhecimento de uma graça, de um dom gratuito, sem pretender conservá-lo ou atribuí-lo a si! É preciso devolvê-lo a Deus. "E restituamos todos os bens ao Senhor Deus altíssimo e sumo e reconheçamos que todos os bens são dele e por tudo demos graças a ele, de quem procedem todos os bens" (Rnb 17,17). O primeiro dom que o homem recebe é o si mesmo", o chamado à própria existência como pessoa vivente, capaz de conhecimento e amor. Fco vê a origem de um tal dom nas profundidades do Pai. Agradecendo a Deus por causa dele mesmo, descobre que o abismo divino não é centrado sobre si mesmo, mas que "a sua vontade e o seu santo amor" (Rnb 23, 1-5) se dirigem na direção da obra da criação. A solidariedade de Deus acontece no participar-se. As palavras amor e caridade, nos Escritos, designam quase sempre o amor do Pai e de Jesus pelos homens: este amor está na origem da criação: é participado ao ser humano, feito no amor e para amar. As duas palavras expressam relação. O fazer diz o ser! (Qual fazer escolhemos? Quais, nossas opções?). O homem, cúlmine da criação, faz parte do todo da criação, dos seres espirituais e corporais, que o Pai criou pelo único Filho e com o Espírito Santo. No coração da pessoa está o dinamismo da Trindade Santa. 2. O indivíduo: os valores Imagem e semelhança de Deus. Nos Escritos, dois textos falam da pessoa como imagem e semelhança de Deus". No hino do capítulo 23 da Rnb, onde fala da criação e do homem, no vértice desta obra do Pai: "Criaste todas as coisas espirituais e corporais e nos fizeste à tua imagem e semelhança e nos colocaste no paraíso" (Rnb 23, 2-3). 1

2 Com mais solenidade, a Admoestação V insiste e precisa: "Considera, ó homem, a que excelência te elevou o Senhor, criando-te e formando-te segundo o corpo à imagem do seu dileto Filho e, segundo o espírito, à sua própria semelhança" (AdmV,l). É evidente que a antropologia bíblica (Gn 1,26) marca fortemente Francisco: o homem é imagem de Deus. Faz até uma anotação original. Ele, o homem, se eleva acima de todas as realidades criadas porque só ele é uma espécie de réplica de Deus, só ele carrega a Sua Imagem. Recebendo de Deus "todo o corpo, toda a alma e toda a vida" (Rnb 23, 8), matéria e espírito, o homem é, como Deus, um ser pessoal, consciente e sobretudo capaz de uma relação de amor, de compaixão, de misericórdia. Entre ele e Deus existe uma relação de semelhança, de busca: um recorda o outro, um diz do outro. Após a exclamação de estupor e de encantamento pela sublime condição e grandeza do homem, a Admoestação introduz uma distinção entre imagem e semelhança, distinção clássica, objeto de reflexão já dos Padres da Igreja (Orígenes e outros). Segundo Fco, o homem, com o seu corpo é imagem não tanto do Deus incorpóreo e invisível, mas do Filho dileto, Jesus, protótipo celeste de Adão. Formando o corpo do homem - e o texto não se limita a Adão do Gênesis, mas vale para cada pessoa - Deus tinha diante dos olhos a forma humana de seu Unigênito. Daqui a incomparável dignidade do corpo, dom de Deus dado a nós (Rnb 23,8). O espírito do homem é criado à semelhança de Deus (o texto latino não permite precisar se se trata da semelhança do próprio Filho ou, em geral, de Deus!) A originalidade de Fco consiste no afirmar que o homem traz a imagem do Filho, até no seu próprio corpo. Nos dois textos o homem é colocado no paraíso; a Rnb o diz explicitamente e a Admoestação na sua abertura: "a que excelência te elevou o Senhor" (diz Thaddée Matura, Francesco un altro volto, 106). O «nós» tem um significado de atualidade: nós somos contemporâneos tanto da criação quanto da entrada no Éden da felicidade. O que Fco quer dizer com esta imagem do paraíso do qual caímos é explicado na Admoestação II: enquanto o homem (no caso Adão) reconhece o que é e de que o que faz de bom provém de Deus "pode comer dos frutos de qualquer árvore do paraíso", pois assim não vai contra a obediência e se move no espaço da verdadeira liberdade. Não obstante sua grandeza, qual ícone de Deus, e destinado a grandes coisas, "nós caímos por nossa culpa" (Rnb 23,4). Assim o homem experimenta, também, a miséria. Vamos, então, deter-nos nestes dois aspectos da realidade humana, assim como os percebe Fco: a sua excelência e a sua decadência Estruturas e valores da pessoa humana. Somos enriquecidos por dons: Francisco esclarece em que consiste esta "sublime condição - excelência" na qual Deus colocou o homem desde a sua origem e descreve quais são os bens que o Senhor Deus "fez e faz a nós!" (Rnb 23, 8) e que continuará a nos fazer no futuro (2CtaF 61). O primeiro bem é "todo o nosso corpo" criado à imagem do Filho. Isto restabelece ao corpo o seu justo valor e relativiza o ascetismo ou o desprezo do corpo tantas vezes atribuído a Francisco; outro dom é "toda a nossa alma", semelhança, busca e desejo de Deus. Segue, por fim, "toda a nossa vida" (como que a nossa alma em movimento!). São valores elementares, concretos, simples. Constituem a totalidade do ser 2

3 humano chamado à comunhão com Deus. Todos os dons, qualidades e aptidões fazem parte destes bens. É óbvio que o valor destes bens pode ser pervertido. Isto acontece quando um dom é entendido como próprio e quando alguém procura tirar dele vantagem em favor próprio (cf. Adm 7) Dinamismo do amor: somos todos criados para amar! Francisco lança um apelo-convite a todas as pessoas do mundo-universo: "que perseveremos todos na verdadeira fé e penitência, porque de outra forma ninguém poderá salvar-se" (Rnb 23, 7). Explicitando este convite conclamativo, continua: "Amemos todos, de todo o coração, com toda alma, com todo o pensamento, com todo o vigor (Mc 12,30) e fortaleza, com todo o entendimento (Mc 12,33), com todas as forças (cf. Lc 10,27), com todo empenho, com o todo afeto, com todas as entranhas, com todos os desejos e vontades ao Senhor Deus" (Rnb 23, 8). Aos seis vocábulos tomados da bíblia, Fco acrescenta outros seis. Tudo é reconduzido ao amor por Deus, ao desejo de Deus, à relação permanente com Ele. Francisco enumera 12 dinamismos de amor. O dinamismo do amor se multiplica em possibilidades inauditas: o centro da pessoa é uma extraordinária concentração de energias. A pessoa humana, segundo Francisco, é capaz de grandes coisas, pois Deus colocou nela uma série de possibilidades para serem realizadas. Francisco quer que amemos com intensidade afetiva e voluntária. Não é um peso que nos é imposto: Deus nos dá a graça de particiarmos do seu jeito de amar. Isto é amar com amor maternal-paternal, amor misericórdia, com compaixão e com paixão. Estar todo envolvido e dado no ato de amar. Amar com a prática da vida. Não só amar, mas ser amor "Fazer mais e maiores coisas, mas sem deixar estas" (2CtaF 36). Na Rnb 17, Francisco previne os Frades contra a tentação de se apoiar nas boas obras e assim pensar serem perfeitos e salvos: "não se gloriar nem se regozijar consigo mesmos nem se exaltar interiormente das boas palavras e obras, e menos ainda, de nenhum bem que Deus muitas vezes faz ou diz e opera neles e por eles" (v. 6). Seis Admoestações retomam esta advertência: II, 3; VIII, 3; XII, 2; XVII, 1; XXII, 2; XXVIII, 1. Evidentemente, este era um perigo na vida dos primeiros Frades, pois viviam heroicamente o radicalismo evangélico das origens! Muitos procuravam a Ordem: era aprovada pela Igreja... estudiosos se faziam frades e pessoas importantes da sociedade! A tentação era pensar que esta vida os tornava santos e lhes dava motivo de glória, desconsiderando que tudo é graça de Deus. Porém, olhando o texto positivamente, vemos Deus, agindo nos Frades e neles e, graças a eles, fazendo o bem. De fato, Francisco reconhece que Deus realiza, naqueles que se confiam a ele, "mais e coisas maiores" (2CtaF 36); o homem não é só capaz de realizá-las (deixando Deus nele agir), mas pode fazê-las por meio de palavras ou obras, ou por meio de intuições e conhecimentos espirituais ("os bens que o Senhor lhe mostra" - Adm 22,2). Estas "palavras e obras" não vêm atribuídas aos Frades ou aos cristãos como uma realidade que esses possuam: Francisco fala indicando a pobreza e o pecado do homem; fala do bem a realizar 3

4 num tom de convite e exortação: o mal está presente, o bem é proposto para o futuro. Então, se os convites e as exortações para agir bem são tantas e insistentes é porque Francisco acredita que o homem será capaz de responder positivamente, isto é: que é capaz da sua dignidade! O que seriam estas "muitas outras coisas e maiores"! Limitar-nos-emos a elencá-las. Rnb 22,26: "removido todo impedimento e todo cuidado e postergada toda preocupação, do melhor modo que puderem, eforcem-se por servir, amar, honrar e adorar o Senhor Deus com o coração limpo e com a mente pura, pois é isso que ele deseja acima de tudo". Rnb 23, 9.10: "Portanto, nada mais desejemos, nada mais queiramos, nada mais nos agrade ou deleite a não ser o nosso Criador, Redentor... Nada, portanto, nos impeça, nada nos separe, nada se interponha entre nós". Este nada fala da importância do que está em questão: o objetivo central, que engloba e absorve todo o resto, é a experiência de Deus. Sempre que Fco fala disso usa expressões absolutas: «nada» ou «sobretudo» ("desejar acima de tudo" ou "acima de todas as coisas" - Rnb 17,16; 23, 8; Rb 10, 9). Este é o caminho proposto para Deus: caminho exigente, árduo, radical, contudo possível. Do mesmo modo é possível (e obrigação que brota de dentro) amar o próximo como Jesus o amou (Jo 15,12; Rnb 11,5), com um amor humilde, compassivo, concreto, semelhante ao de uma mãe (Rnb 9, 11; Rb 6, 9). Amor que, no Espírito, será serviço e obediência recíprocos (Rnb 5, 13), mas também ajuda, perdão e rejeição de toda e qualquer perturbação frente ao mal (Rnb 5, 7-8; Rb 7, 4; 2CtaF 42-43; CtaM 11). Este amor terá concretude e será oferecido não só àqueles que parecem «inúteis» (o doente: Adm XXV, 1), mas também aos inimigos, chegando, assim, ao ápice do amor. E sobre isto Francisco retorna com insistência (Rnb 22, 1; Rb 10, 11; 2CtaF 38; Adm IX; POS 8). Chamado a construir uma relação de amor, de louvor e de serviço com Deus e com o próximo, o homem é ainda convidado ao discernimento e à liberdade espirituais. Conforme os Escritos, Francisco acredita no discernimento que o Espírito realiza. As Regras, mesmo sendo textos legislativos, deixam várias decisões ao juízo pessoal (18 vezes na Rnb, 13 vezes na Rb!). Mesmo se o termo discernimento não é usado, as expressões 'espiritualmente' (8 vezes), 'com a bênção de Deus' (7 vezes), 'como lhes parecer' (7 vezes), 'como lhes parecer mais oportuno' (5 vezes) e, bem entendido, os verbos 'possam', 'se o quiserem', exprimem suficientemente o espaço da liberdade espiritual no qual se move o agir humano "Chegar até ao Altíssimo". A grandeza da pessoa diz respeito ao que é, ao que é vocacionada, ao que pode fazer: é imagem de Deus, rica de valores, de dinamismos, de possibilidades: é chamada a grandes coisas. Mas o que a torna maior ainda é a sublime experiência espiritual à qual é chamada já nesta vida, antes da entrada definitiva no Reino (POS 3). Dois textos mostram a qual altura Deus conduz os seus amigos. Um é a Oração conclusiva da Carta a toda Ordem (50-52): "Onipotente, eterno, justo e misericordioso, dai-nos a nós, míseros, por vossa causa fazer o que sabemos que quereis e sempre querer o que vos agrada, para que, interiormente purificados, interiormente iluminados e abrasados pelo fogo do Santo Espírito, possamos seguir os passos (cf. 4

5 1Pd 2,21) de vosso dileto Filho Nosso Senhor Jesus Cristo, e, unicamente por vossa graça chegar até vós, ó Altíssimo, que em Trindade perfeita e unidade simples viveis e reinais e sois glorificado como Deus onipotente por todos os séculos dos séculos. Amém". Esta Oração descreve um itinerário concreto no qual a ação da pessoa (saber, querer, fazer, seguir as pegadas de Cristo) é subordinada àquela do Espírito (que purifica, ilumina, torna ardente ou abrasa), a fim de chegar, somente por meio da graça do Pai, ao mistério glorioso da sua comunhão trinitária. Vejamos: já nesta vida, libertos do que não é o essencial, se soubermos conservar um coração puro e se deixarmos que o Espírito repouse sobre nós para preparar uma habitação e moradia a Deus onipotente, Pai, Filho e Espírito Santo, tornamo-nos filhos do Pai dos céus e fazemos as suas obras agindo como ele. Como Maria, filha e serva do altíssimo sumo Rei, o Pai celeste, como Clara e as irmãs, que merecem os mesmos títulos, os filhos do Pai podem cantar a sua alegria: Ó, como é glorioso e santo e sublime ter no céu um Pai (2CtaF 54). A experiência de Pai, nesta vida, permanece velada e fragmentária. Na Paráfrase do Pai nosso, Fco afirma que o Pai nosso santíssimo, luz, amor e sumo bem reina já nos anjos e nos santos, doando a eles pleno coonhecimento, inflamando-os de amor e cumulando-os de felicidade. Quanto a nós, pedimos-lhe que o seu nome seja santificado, que brilhe em nós o conhecimento de vós para que conheçamos qual seja a largura dos vossos benefícios, do seu mistério de Pai, que ainda nos escapa. Somente quando o Pai nos chamará ao seu Reino, teremos finalmente dele uma visão clara, um amor perfeito, uma beata companhia e uma alegria eterna (cf. POS 2-3). O Pai é a figura central e tudo está voltado par Ele. Também o Filho, que revela o seu nome, chamando-o de Meu Pai. Francisco, quando reza como o Filho lhe ensinou, está endereçado ao Pai. O Pai é o centro da Trindade, origem de cada ação e par quem tudo retorna. O Pai Onipotente tem um Filho dileto. Ao Pai são apresentados nossos pedidos que, por causa de si mesmo e por somente por sua graça, serão atendidos. Vem traçado um itinerário no qual a atividade humana, dependente de Deus, se une à passividade pedida para sermos purificados, iluminados e acesos no fogo divino. Os guias nesse caminho são o Espírito Santo e o Filho dileto. Para onde conduzem as pegadas do Dileto, quando estamos acesos no Espirito, senão ao Pai? Chegar a vós. Esta é a meta final do itinerário. Se o amor, o por causa de vós mesmo (propter timetipsum) faz sair de si o Pai na direção da sua obra no mundo, reconduz tudo a si. O outro texto é da segunda Carta aos Fiéis (48-56): "E à medida que todos aqueles e aquelas fizerem tais coiss e perseverarem até ao fim, pousará sobre eles o Espírito do Senhor' (Is 11,2), e Ele fará neles habitação e um lugar de repouso (Jo 14,23); e eles serão filhos do Pai celestial (Mt 5,45), cujas obras realizam. E são esposos, irmãos e mães de Nosso Senhor Jesus Cristo (cf. Mt 12,48-50). Somos esposos, quando a alma fiel se une a Jesus Cristo pelo Espírito Santo. Somos seus irmãos, quando fazemos a vontade do Pai, que está nos céus (Mt 12,50); somos suas mães, quando o trazemos em nosso coração e nosso corpo (1Cor 6,20) através do amor e da consciência pura e sincera; damo-lo à luz por santa operação que deve brilhar (Mt 5,16) como exemplo para os outros. Como é honroso e santo ter no céu um Pai! Como é santo, consolador e deleitável ter no céu 5

6 um esposo! Como é santo e como é querido, agradável, aprazível, humilde, tranqüilizador, doce, amorável e sobre todas as coisas desejável ter um tal irmão que entregou sua vida por suas ovelhas (Jo 10,15) e por nós orou ao Pai". Aqui a experiência espiritual é mais centrada na obra do Espírito. Esta experiência mística é expressa através das relações de filho, esposo, irmão e mãe que o Espírito cria entre o Pai, o Filho e "aqueles e aquelas" (homens e mulheres) que perseveram na vida cristã. Eis o significado da "sublime condição" na qual a pessoa foi criada e colocada por Deus. Isto é importante sempre ter presente, mesmo diante de tantos textos que apresentam o lado mais sombrio do ser humano. A visão de pessoa humana de Francisco é, realmente, contrastante: a incomparável dignidade parece ser anulada com aquilo que é dito de nós como "míseros e pecadores" (Rnb 23, 8; Rnb 22,6 e 2CtaF 46). 3. O indivíduo: o negativo. Francisco não olha o ser humano de modo estático (ontológico), mas dinâmico, inserido na história da salvação e atento ao caminho pessoal de cada um. As nossas origens são gloriosas: criados "à imagem e semelhança", conduzimos a bom e pleno termo a obra de Deus; e é no nosso hoje que partecipamos do paraíso no qual Deus nos colocou. Acontece, porém, a queda: "E nós caímos por nossa culpa". A afirmação por nossa culpa, Fco desculpa Deus, autor do bem (isto lemos também em Rnb 22, 6 e em 2CtaF 46). A Admoestação II narra em que consiste esta culpa: o homem se crê proprietário do bem que descobre em si; considera-se autônomo e auto-suficiente em relação a Deus, "apropria-se da própria vontade e exalta-se dos bens que o Senhor diz e opera nele" (Adm 11,3); torna-se ou se crê centro e acima dos demais, não mais vendo as demais pessoas a partir do olhar do próprio Deus; não mais cuidador (guardião e responsável) e bom pastor como Deus: Onde está o seu irmão? Caim respondeu: Não sei. Por acaso eu sou o guarda do meu irmão? (Gn 4,9). Eis a raiz de todo o pecado. No lugar da liberdade que o homem pensa poder se dar, desta maneira sobrevém, no entanto, a escravidão (e nós caímos por nossa culpa, Rnb 23,4). Sempre que Francisco olha com atenção a situação atual da pessoa, para poder descrevê-la, recorre a expressões fortes, que temos dificuldade em aceitar e compreender. Vejamos: "E estejamos firmemente convencidos de que não temos coisa própria nossa senão os nossos vícios e pecados" (Rnb 17, 7); somos (nóss como entidade erigida, desvinculados de Deus, nossa Fonte) "miseráveis e míseros, pútridos e fétidos, ingratos e maus" (Rnb 23, 8); Pois por nossa própria culpa somos asquerosos, míseros e contrários ao bem, mas dispostos para o mal (Rnb 22, 6); "e mantenhamos nossos corpos em opróbrio e desprezo, pois somos por nossa própria culpa míseros e pútridos, fétidos e vermes" (2CtaF 46). A expressão "vícios e pecados" é muito usada nos Escritos! Encontramo-la 12 vezes (em especial na carta aos Fiéis e na Rnb). Como acontece na Carta aos Gálatas 5, 24, por 'vícios' entendem-se as más tendências, as paixões egoísticas; 'pecados' são as ações concretas e voluntárias que derivam dos vícios. Só para nos darmos conta de como Fco é sabedor do mal moral no homem, vejamos a série de vocábulos que usa: miseráveis e míseros, ingratos e maus, contrário ao bem, inclinado e decidido ao mal, pecadores, pútridos, fétidos, vermes (consomem a carne, a vida, 6

7 destroem a força e sujam o sangue. O contrário é: mãe, guardião, ministra/o, irmã, irmão... Ver paralelo 1CtaF II, 18). Estas expressões têm origem bíblica (Ap 3,17; Lc 6,35; Rm 1,28-32; 3,9-20; 1Cor 6,7-11) e da tradição agostiniana. Agostinho diz, por exemplo: "de nosso não temos que maldade e pecado" e ainda "para que visse como andava torpe, disforme, sujo, manchado e ulceroso. Via-me e horrorizava-me" (Confissões VIII, 7,16). A visão de Fco vai nesta linha. Estranho é sua insistência sobre os aspectos olfativos (pútrido, fétido: 3 vezes: na repulsa, como o nosso corpo reage?) A fonte do mal: o coração do homem Podemos pensar que este pessimismo antropológico era a tônica na Idade Média e que Fco tenha sido simplesmente influenciado e que essa visão corresponda à sua experiência. Isto explicaria esta concepção um tanto negativa. Contudo, além dessas possíveis e prováveis influências e das suas experiências pessoais, o que fortemente impressionou o Santo são as palavras do Senhor sobre "o mal que procede do coração do homem" (Mt 7,21), citadas 4 vezes (Rnb 22,8; 1CtaF II, 12; 2CtaF 37.69). Somos inclinados e levados ao mal porque "como diz o Senhor no Evangelho: 'É do coração do homem que provêm maus pensamentos, adultérios, fornicação, homicídios, furtos, cobiças, maldades, fraudes, devassidão, maus olhares, falsos testemunhos, blasfêmias, orgulho, insensatez. Todas estas maldades procedem do interior e mancham o homem' (Mc 7,21-23)" (Rnb 22,7-8). Tudo isso provêm de uma única fonte impura o coração do homem (o centro da pessoa, desconectada de Deus). Sendo filhos do Altíssimo = relações de gratuidade e de interesse e ajuda mútuas: Deus é bom! Sendo filhos do diabo = relações de interesse, submissão e descomprometimento com o outro, o próximo: ingratos e maus. Este pessimismo antropológico se embasa na declaração de Jesus Cristo "que conhecia o homem por dentro" (Jo 2,25), "ingrato e mau" (Lc 6, 27-36). O 'coração', para Francisco, é o centro unificador da pessoa; verdadeiro e próprio «eu» quando se distancia de Deus e se perverte, torna-se fonte envenenadora capaz de corromper o todo da pessoa. O coração é também o campo de batalha onde Deus e o inimigo (o diabo) combatem para se estabelecer. Fco insiste na responsabilidade da pessoa, e isto é importante: "E nós por nossa culpa caímos". Ainda: "Não foram tampouco os espíritos malignos que o crucificaram, mas tu em aliança com eles o crucificaste e o crucificas ainda, quando te deleitas em vícios e pecados" (Adm V, 3). Quando se peca ou se perde uma luta espiritual, é-se tentado a dar a culpa ao inimigo (o diabo) ou ao próximo. É bom não errarmos quanto à identidade do inimigo! É fácil e cômodo apontar para fora. "Cada um tem sob o seu domínio o inimigo, isto é, o próprio corpo (o «eu» pecador), por meio do qual ele peca" (Adm 10,2). Verdade é que "o diabo quer privar-nos do amor de Nosso Senhor Jesus Cristo e da vida eterna e consigo arrastar a todos para o inferno" (Rnb 22,5). A estratégia do Mal é bem analisada nos Escritos: sugere, engana (ilusão), corrompe, torna cego (Adm 2,4; 2CtaF 69; Rnb 5, 10; 8, 5). Em suma: "E muito nos acautelemos da malícia e sutilidade de Satanás, que não quer que o homem eleve o seu espírito e coração para o Senhor seu Deus. Ele anda por aí e gostaria, sob as aparências duma recompensa ou vantagem, de atrair para o seu lado o coração do homem e sufocar-lhe na memória a palavra e os preceitos do Senhor; ele quer obcecar o coração do homem por meio das solicitudes e cuidados 7

8 mundanos e nele habitar" (Rnb 22, 19-20) e fazer dos homens seus filhos (1Jo 3,10; 1CtaF 16; 2CtaF 66; Rnb 21, 9). Francisco adverte que "só a santa sabedoria confunde Satanás e todas as suas astúcias e a santa caridade confunde todas as diabólicas e carnais tentações" (EV 9 e 13) Deleitar-se em vícios e pecados". O homem é capaz de realizar o bem, é criado para fazer o bem e este bem a realizar é sempre apresentado como profundamente desejado por ele. Curiosamente, porém, a situação presente e atual do ser humano é apresentada na situação degradante e pecadora, e não cheia de satisfação e de elogios. A propósito, vejamos o que significam as expressões 'operam' ou 'deleitar-se' (2CtaF 64 e Adm 5,3). Fazer o mal e nisto encontrar prazer significa uma série de comportamentos negativos. Os que mais aparecem são os comportamentos negativos nas relações interpessoais. Uma longa lista encontramos na Rnb, capítulo 11: acusar-se um ao outro, discussões vãs, brigar, irar-se, murmurar, criticar, julgar e condenar, manter os olhos nos erros do outro e no preconceito. A ira e o perturbamento são perigos constantes contra a paz interior e exterior (Adm XI; XIV; XXVII, 2; Rnb 5,10; Rb 7,3; 2CtaF 44). A Adm XXVII elenca os pecados opostos às virtudes: medo e ignorância, ira e perturbação, cobiça e avareza, nervosismo e divagação, prodigalidade e dureza de coração. Fco também pede que se cuide do olhar, do desejo e da fornicação (Rnb 12 e 13). Para Fco a pessoa é responsável pelo seu pecado. Diz: "enxergam, conhecem, sabem e praticam o mal e perdem deliberadamente suas almas" (2CtaF 68. As posturas de pecado são citadas logo anteriormente, nos versículos 63-67). Então, estes exemplos mostram que Francisco não se iludia no tocante à pessoa humana. Tinha um fino conhecimento psicológico do ser humano "Apropriar-se dos bens de Deus". A pior situação, no entanto, não é aquela onde o mal é reconhecido como tal, onde ele se mostra às claras; mas onde o mal é feito a partir do bem. Francisco teme, acima de todas as coisas, que a pessoa, reconhecido o bem que o Senhor faz e diz nela e através dela, em vez de restituí-lo a Deus com uma ação de graças de louvação, o atribua a si mesma, apropriando-se deste bem ('apropriar' é usado 6 vezes). Na Adm II, 3 diz: "Come, porém, da árvore da ciência do bem e do mal aquele que reclama sua vontade como propriedade sua e se vangloria dos bens que o Senhor diz e opera nele". Quem se retém proprietário do que é, da sua existência de homem e de crente, realiza pessoalmente o pecado original: pensa elevar-se, como Adão, quase a um ser divino, autônomo e auto-suficiente. É necessário, porém, não se apropriar de nada: nem dos bens materiais (Rnb 7,13; Rb 6, 2), nem das responsabilidades de governo (Adm IV, 1-2), nem da tarefa de pregação (Rnb 17, 4), nem, sobretudo, da própria vontade (Adm II, 3), isto é, do valor que é o próprio eu. Francisco não pára aí. Diz que o Frade nem deve atribuir a si o conhecimento espiritual das Escrituras, porque se não a retribui (dar de volta) ao Senhor, ao qual pertence todo bem, torna-se "letra que mata" (cfr. 2Cor 3,6; Adm VII), pois não deixa o Senhor nele falar e o Espírito fluir através dele. Francisco considera esta atitude um roubo, como aquele de Judas (Jo 12,6; Adm IV,3). E tem 8

9 conseqüências. A primeira é a "soberba e a vanglória" (Rnb 17,9; Rb 10, 8), cujas manifestações internas são caracterizadas pelos verbos exaltar-se, considerar-se importantes, crer-se auto-suficiente (Adm II; XII; XVII). Francisco acautela e exorta os Frades quanto a este mal, particularmente aqueles mais expostos a esta tentação (Adm V, 3-7; Rnb 17, 5-8). Estas atitudes, diz, são oriundas do "espírito da carne que tem grande interesse em fazer muito em palavras e pouco em obras, nem procura a piedade e santidade interior do espírito, mas antes visa e deseja uma piedade e santidade que apareça por fora diante dos homens" (Rnb 17,12). Estes não conservam em seus corações os bens que o Senhor lhes manifesta, mas querem mostrá-los aos outros com palavras e não com as obras. E até se gloriam do que os outros fazem: "È, pois, uma grande vergonha para nós outros servos de Deus, terem os santos praticado tais obras, e nós querermos receber honra e glória somente por contar e pregar o que eles fizeram" (Adm 6,3). A outra conseqüência diz respeito ao próximo: trata-se da inveja, do desejar o bem que é de um outro e isto com tristeza por não possuí-lo. Francisco também aqui acautela os Frades contra este vício (Rb 10, 8). Denuncia a raiz deste mal: "Todo aquele, pois, que tem inveja do seu irmão por causa do bem que o Senhor por ele diz e faz, comete pecado de blasfêmia, porque tem inveja do próprio Altíssimo, que é quem diz e f az todo bem" (Adm VIII, 3). Não se deve ficar triste, sinal de inveja e ciúme, mas "gozar dos bens dos outros como dos nossos" (POS 7) e não querer receber do próximo mais do que eu mesmo daria de mim ao Senhor meu Deus (Adm XVII) como que fazer o outro melhor do que eu sou para Deus. Francisco sabe contrapor, assim, o amor incondicional de Deus e a condição pecadora do homem. Exalta a pura gratuidade desse amor absoluto de Deus. Para sair desta miserável condição é proposto o caminho da conversão: não se empenhar significa expor-se ao risco da danação eterna "Perder-se no inferno". Francisco é simples e segue a orientação de Jesus. Assim, como na pregação de Jesus, a rejeição do dom da salvação, possibilidade ligada à liberdade humana, fecha o homem na negação de si mesmo e o leva à ruína absoluta. Diz Fco: "Os que não querem provar 'como é doce o Senhor' (SI 33,9) e 'amam mais as trevas do que a luz' (Jo 3,19), porque não querem cumprir os mandamentos de Deus, esses são malditos. É deles que foi dito pelo Profeta: 'malditos os que se afastam dos vossos mandamentos '(SI 118,21)" (2CtaF 16-17). Francisco quer a salvação de todos. Dá graças a Deus porque o Senhor mostrou o caminho da salvação. Eis que recorda o juízo universal de Mt 25. Mostra o fogo eterno aos que não fizerem penitência e não reconhecerem o Pai e, o seio do Pai, o reino preparado para os que reconheceram, adoraram e serviram o Pai em penitência (Rnb 23,7-8). No final do Cântico das criaturas retorna ao mesmo tema: "Ai dos que morrerem em pecado mortal! Felizes os que ela achar conformes à tua santíssima vontade, porque a morte segunda não lhes fará mal!" (v. 13). O mesmo discurso encontramos na Rnb 21,7-9. As motivações da rejeição e da danação não devem ser procuradas em Deus, mas na vontade do homem. Morrer em pecado mortal consiste em não reconhecer Deus e em não fazer penitência: 9

10 não praticar a misericórdia e a compaixão. Aqui a lógica de Francisco é incrivelmente simples, popular: enganado pelo diabo, de quem é filho e cujas obras faz (Jo 8,41 e Rnb 21, 8), tornado cego, privado da inteligência espiritual, o homem não se perde por acaso, mas por uma escolha voluntária pessoal: "Só enxergam, conhecem, sabem e praticam o mal e perdem deliberadamente suas almas" (2CtaF 68). A preocupação pastoral de Francisco com os que não acolhem a Boa-nova é dramaticamente descrita por ele: "Onde e como quer que um homem venha a morrer em pecado mortal sem a devida reparação - e ele pôde fazer penitência, mas a não fez - o diabo lhe arranca a alma do corpo sob tal angústia e medo que ninguém é capaz de conhecer senão quem no experimenta em sua própria pele... O corpo comem-no os vermes. E assim ele perde a alma e o corpo neste mundo passageiro, e irá para o inferno, onde será atormentado para sempre" (2CtaF 82.85). Francisco, a exemplo do que Jesus faz no Evangelho, não ignora o risco da liberdade do homem e da conseqüente responsabilidade. Claro, usa uma retórica própria de seu tempo. Contudo, servia para chamar a atenção sobre a seriedade do viver e de suas conseqüências, visto estar em jogo a escolha e destino últimos. Isto porque ele, no seu amor misericordioso por todos, não pode admitir que alguém se perca. Parece que Fco sente em sintonia com o que o sentir de Jesus: Ovelha desgarrada, filho pródigo... Com certeza, a possibilidade positiva (conversão, salvação, bem-aventurança final) ocupa, na perspectiva de Francisco, um lugar de maior relevo. Este caminho de conversão conduz à felicidade. Visto agora este tema não ser do nosso interesse, elencamos, apenas, vias que Frei Francisco mostra e sobre as quais insiste: ter o coração voltado ao Senhor (relação com Deus); viver como católicos (a vida na Igreja); amar o nosso próximo como a nós mesmos (o amor do próximo, prática da caridade misericordiosa); nada reter para si; seguir as pegadas de Nosso Senhor Jesus Cristo. Porto Alegre, Natal do Senhor Frei João Inácio Müller, ofm. 10

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus SEMINÁRIO DE VIDA NO ESPÍRITO Tema geral: Cura Interior Autor: Pe. Fernando PREGAÇÃO: Tema: Curados para Amar Senhor se queres podes me curar Mt. 8, 1-4 1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva

Leia mais

Vício é uma palavra proveniente do latim vitium que significa falha ou defeito; é um mau hábito que causa dependência física ou emocional; é uma fuga

Vício é uma palavra proveniente do latim vitium que significa falha ou defeito; é um mau hábito que causa dependência física ou emocional; é uma fuga Introdução Ouço uma voz que me diz: O homem necessita de alguém que lhe esclareça quem ele é, que o instrua acerca de seus deveres, que o dirija para a virtude, renove seu coração, que o restabeleça em

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ SEIA 23 DE JUNHO 2013 ENTRADA NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, POVO SACERDOTAL, IGREJA SANTA

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

O primeiro texto em II Rs 6:1 7 (versão RA), onde um servo perdeu um machado e o profeta Eliseu faz um ato profético e o machado flutua.

O primeiro texto em II Rs 6:1 7 (versão RA), onde um servo perdeu um machado e o profeta Eliseu faz um ato profético e o machado flutua. Vigie com os Valores e Ferramentas espirituais. Veremos dois textos que falam sobre perda, e tiraremos a lição para nossas vidas, para Não perdermos o que Deus já nos deu, e para que isso não aconteça,

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos Servos de Maria e ficou conhecido como o protetor contra o câncer.

Leia mais

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas?

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas? Jesus deu a resposta aos fariseus naquele dia. Portanto, deem aos pobres o que está dentro dos seus copos e dos seus pratos, e assim tudo ficará limpo para vocês. (Lc 11.41). Com aquela Palavra, Ele tocou

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

I DOMINGO DA QUARESMA

I DOMINGO DA QUARESMA I DOMINGO DA QUARESMA LITURGIA DA PALAVRA / I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 Leitura do Livro do Génesis O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se

Leia mais

NOVE DIAS COM IRMÃ CLARA FIETZ NA ESCOLA DE JESUS CRISTO

NOVE DIAS COM IRMÃ CLARA FIETZ NA ESCOLA DE JESUS CRISTO NOVE DIAS COM IRMÃ CLARA FIETZ NA ESCOLA DE JESUS CRISTO ORAÇÃO DO INÍCIO DA NOVENA SENHOR JESUS CRISTO, Vós nos encorajastes a Vos trazer nossa preocupação na oração. Se me pedirdes alguma coisa em meu

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

A Bíblia afirma que Jesus é Deus

A Bíblia afirma que Jesus é Deus A Bíblia afirma que Jesus é Deus Há pessoas (inclusive grupos religiosos) que entendem que Jesus foi apenas um grande homem, um mestre maravilhoso e um grande profeta. Mas a Bíblia nos ensina que Jesus

Leia mais

O FRUTO DO ESPÍRITO 1 - A CARIDADE, A ALEGRIA E A PAZ.

O FRUTO DO ESPÍRITO 1 - A CARIDADE, A ALEGRIA E A PAZ. O FRUTO DO ESPÍRITO O Espírito Santo nos guia para as alturas de Deus, para que possamos viver já nesta terra a semente da vida divina que está em nós. O fruto do Espírito são perfeições que o Espírito

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida 1 GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida Introdução Muitos de nós ouvimos, com certa freqüência, pregadores que ao fazerem apelo, dizem coisas do tipo: dê uma chance para Jesus ou ainda deixe Jesus entrar

Leia mais

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento?

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento? OS SACRAMENTOS Os sacramentos da nova lei foram instituídos por Cristo e são sete, a saber: o Batismo, a Crisma ou Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimônio.

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária Caro jovem,, Que alegria saber que como você muitos jovens estão encontrando um caminho para a oração pessoal e diária. Continue animado com a busca de um relacionamento mais pessoal

Leia mais

CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO

CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO Assinatura do Registo A assinatura do Registo será colocada na Liturgia, conforme prática local ou critério do Oficiante. Celebração da Santa Ceia No caso de ser pedida a Celebração

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS COLABORADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO -ACHUAP-

ASSOCIAÇÃO DOS COLABORADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO -ACHUAP- 1 ASSOCIAÇÃO DOS COLABORADORES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO -ACHUAP- DIA 15.06.2010 MOMENTO ORANTE ECUMÊNICO PELA PASSAGEM DO 59º ANIVERSÁRIO DA ACHUAP (para propiciar momento de silêncio e

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS

DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS Movendo Pessoas da Congregação para os Comprometidos para que não mais sejamos como meninos Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.

Leia mais

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13)

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) CONFISSÃO E ARREPENDIMENTO O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) A consequência natural do arrependimento é a confissão.

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO 25-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Como se deu a entrada messiânica em Jerusalém? No tempo estabelecido,

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015]

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] 1 Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] Página 9 Na ilustração, Jesus está sob a árvore. Página 10 Rezar/orar. Página 11 Amizade, humildade, fé, solidariedade,

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós.

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós. Lausperene Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos

Leia mais

AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X.

AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X. 1 AS VIRTUDES TEOLOGAIS. A VIRTUDE DA FÉ. Catecismo de São Pio X. Precisamos aprender como devemos agir. Já que Deus nos deu tantas coisas boas, é normal que procuremos viver dentro de Sua Lei, praticando

Leia mais

Centralidade da obra de Jesus Cristo

Centralidade da obra de Jesus Cristo Centralidade da obra de Jesus Cristo MÓDULO 3 3ª AULA AULA 3 MÓDULO 3 SALVAÇÃO EM CRISTO Jesus no Centro Por que deve ficar claro isso? Dá para evangelizar sem falar de Jesus? É possível partir de outro

Leia mais

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã.

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. ROSÁRIO ANGLICANO contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. O Círculo do Rosário Anglicano simboliza a roda do tempo; na tradição cristã o número 4 representa os quatro braços da cruz: quando

Leia mais

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras)

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Mostre o "Homem em Pecado" separado de Deus Esta luz (aponte para o lado direito) representa

Leia mais

Sagrado Coração de Jesus

Sagrado Coração de Jesus Trezena em honra ao Sagrado Coração de Jesus Com reflexões sobre suas doze promessas a Santa Margarida Maria de Alacoque EDITORA AVE-MARIA Introdução Antes de o prezado leitor iniciar esta Trezena em honra

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

A Experiência do Novo Nascimento

A Experiência do Novo Nascimento Pr. Patrick Robert Briney Mission Boulevard Baptist Church A Experiência do Novo Nascimento A Série das Verdades do Evangelho (caderno 6) The Born Again Experience Tradução Pr. Anastácio Pereira de Sousa

Leia mais

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007)

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Por favor, poderiam abrir em primeira aos Coríntios, a primeira

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.

fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. ACESSO A DEUS Texto Base: Rm 5.2 =... pôr intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. Introdução: Ter acesso

Leia mais

. Os cristãos davam vida ao mundo!

. Os cristãos davam vida ao mundo! Confira o artigo retirado da edição 72 da Revista Renovação: É fato: os primeiros cristãos marcaram a história da humanidade. Em Pentecostes, inaugurou-se uma nova forma de se viver, surpreendente para

Leia mais

O Céu e o inferno na visão Espírita

O Céu e o inferno na visão Espírita O Céu e o inferno na visão Espírita Há muitas moradas na casa de meu Pai; se assim não fosse eu vo-lo teria dito... (Jesus Jo. 14: 1-3) Cleto Brutes Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013 ROTEIRO PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE RIO2013 Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude - CNBB CANTO DE ENTRADA (Canto a escolha) (Este momento de oração pode ser associado

Leia mais

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote ARQUIDIOCESE DE FLORIANÓPOLIS ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009 Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote 1 - MOTIVAÇÃO INICIAL: Dir.: Em comunhão

Leia mais

Solenidade da Assunção de Nª Senhora. Ano B

Solenidade da Assunção de Nª Senhora. Ano B Solenidade da Assunção de Nª Senhora Admonição Inicial Cântico Inicial (Tu és o Sol) Refrão: Tu és o sol de um novo amanhecer! Tu és farol, a vida a renascer Maria! Maria! És poema de amor! És minha Mãe

Leia mais

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo Livro 1 página 4 Lição Um Um Novo Princípio O Poder Transformador de Cristo Da Palavra de Deus: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo

Leia mais

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus OBJETIVOS 1) Analisar em que se resume a autoridade do Cristo. 2) Esclarecer como o Espiritismo explica essa autoridade. IDEIAS PRINCIPAIS 1) Sob a autoridade moral do Cristo, somos guiados na busca pela

Leia mais

Cântico: Dá-nos um coração

Cântico: Dá-nos um coração Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos que vivem

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

O MANDAMENTO DA CARIDADE Santo Tomás de Aquino

O MANDAMENTO DA CARIDADE Santo Tomás de Aquino O MANDAMENTO DA CARIDADE Santo Tomás de Aquino (Conferências sobre os dez mandamentos, proêmio.) 1. Introdução. Três coisas são necessárias à salvação do homem, a saber: a ciência do que se há de crer,

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO O que é uma pessoa cristã? É a pessoa que acredita que o Deus vivo é revelado em e por meio de Jesus Cristo, que aceita Jesus Cristo como Senhor e Salvador, que

Leia mais

Lição Oito. Amando aos Outros. (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida)

Lição Oito. Amando aos Outros. (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida) Livrinho 2 Pàgina 60 Lição Oito Amando aos Outros (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida) O amor fica ao centro real do Cristianismo. Ele resume numa só palavra a própria essência da fé cristã. Foi

Leia mais

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO A pessoa de Maria foi desde os primeiros séculos do cristianismo uma grade fonte de inspiração para o povo cristão. De fato nas catacumbas de Roma, onde os cristãos

Leia mais

Portanto, sempre existiu aqueles que eram de Deus, e aqueles que não eram de Deus, ou seja, os santos, e os pecadores.

Portanto, sempre existiu aqueles que eram de Deus, e aqueles que não eram de Deus, ou seja, os santos, e os pecadores. Santidade ao Senhor Antigo Testamento Ex 28:36 "Também farás uma lâmina de ouro puro e nela gravarás à maneira de gravuras de selos: Santidade ao Senhor." Novo testamento 1 Pe 1:15 "mas, como é santo aquele

Leia mais

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO JEJUM DO AVIVAMENTO 1 Dia do Jejum do Avivamento Leitura: Romanos 13:10 à 14 Introdução: Avivamento ou avivar é tornar mais vivo, mais desperto e renovado. O avivamento está ligado a disposição de reformar,

Leia mais

Tipos de cristãos que amadurecem

Tipos de cristãos que amadurecem Tipos de cristãos que amadurecem TEXTO BÍBLICO BÁSICO Romanos 12.1-5 1 Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que

Leia mais

Verdade. A vida eterna está em Jesus Cristo

Verdade. A vida eterna está em Jesus Cristo Verdade 3 A vida eterna está em Jesus Cristo Primeiro Dia A chegada da morte Remédios, exames, hospitais, aparelhos sofisticados, equipamentos de segurança e proteção visam preservar e proteger a vida.

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Ano Novo 2013 Carta Pastoral do Bispo D. Paulo Otsuka Yoshinao Diocese de Kyoto A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Fiquem sempre alegres no Senhor! Fl.4,4. O maior presente do cristianismo é

Leia mais

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO O Baptismo, porta da vida e do reino, é o primeiro sacramento da nova lei, que Cristo propôs a todos para terem a vida eterna, e, em seguida, confiou à

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

O tempo é chegado", dizia ele. "O Reino de Deus está próximo. Arrependam-se e creiam nas boas novas!" (Mc 1:15).

O tempo é chegado, dizia ele. O Reino de Deus está próximo. Arrependam-se e creiam nas boas novas! (Mc 1:15). O tempo é chegado", dizia ele. "O Reino de Deus está próximo. Arrependam-se e creiam nas boas novas!" (Mc 1:15). Filosofia humanista: Pensamentos positivos e maravilhosos acerca de si mesmos. Dá grande

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

ROTEIRO PARA INTERCESSÃO NOS EVENTOS

ROTEIRO PARA INTERCESSÃO NOS EVENTOS ROTEIRO PARA INTERCESSÃO NOS EVENTOS 1. Por se tratar de uma batalha espiritual os membros da equipe de intercessão devem preparar se no período que anteceder o evento através das práticas espirituais

Leia mais

O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO

O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO PROGRAMA A HORA MILAGROSA Assim nos ensinou o Santo Irmão Aldo sobre o poder da oração e da santificação: Todo o filho de Deus deve ser dado à oração e à meditação.

Leia mais

LECTIO DIVINA Domingo V da Páscoa Ano B

LECTIO DIVINA Domingo V da Páscoa Ano B LECTIO DIVINA Domingo V da Páscoa Ano B Autor: Ricardo Grzona e Cristian Buiani, frpo Tradução: Adriano Israel (PASCOM) PRIMEIR LEITURA: Atos dos Apóstolos 9, 26-31 SALMO RESPONSORIAL: Salmo 21 SEGUNDA

Leia mais

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA ÍNDICE GERAL PRÓLOGO I. A Vida do homem conhecer e amar a Deus II. Transmitir a fé a catequese III. Finalidade e destinatários deste

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30 PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:2730 FILIPENSES 1:2730 Somente deveis portarvos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos

Leia mais

CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Congregação das Irmãs Missionárias de São Carlos B. Scalabrinianas Centro de Estudos Migratórios Cristo Rei-CEMCREI Rua Castro Alves, 344 90430-130 Porto Alegre-RS cemcrei@cpovo.net www.cemcrei.org.br

Leia mais

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia.

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Caríssimos Irmãos e Irmãs: Assim que Maria Madalena vira o túmulo vazio, correu à Jerusalém atrás de Pedro e João. Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde

Leia mais

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória.

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória. 1 A OBRA DA CRUZ Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo. Gálatas 6.14 OBJETIVO. Este sermão tem

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

1-SANTÍSSIMA TRINDADE

1-SANTÍSSIMA TRINDADE Ordinário 1-SANTÍSSIMA TRINDADE A E7 A A7 D BM A E7 A EM NOME DO PAI, EM NOME DO FILHO, EM NOME DO ESPÍRITO SANTO, ESTAMOS AQUI. (BIS) D E C#M F#M BM E7 A D E C#M F#M PARA LOUVAR E AGRADECER, BENDIZER

Leia mais

XV DOMINGO DO TEMPO COMUM

XV DOMINGO DO TEMPO COMUM XV DOMINGO DO TEMPO COMUM Jesus chamou os doze Apóstolos e começou a enviá-los dois a dois 1. Admonição de entrada 2. Entrada: Em nome do Pai Refrão: Em nome do Pai, em nome do Filho, em nome do Espírito

Leia mais