DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO ENGº DOMINGOS SIMÕES PEREIRA POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA DO IX GOVERNO CONSTITUCIONAL DA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO ENGº DOMINGOS SIMÕES PEREIRA POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA DO IX GOVERNO CONSTITUCIONAL DA"

Transcrição

1 REPÚBLICA DA GUINÉ- BISSAU DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO ENGº DOMINGOS SIMÕES PEREIRA POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA DO IX GOVERNO CONSTITUCIONAL DA GUINÉ-BISSAU E O ORÇAMENTO GERAL DE ESTADO NA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR Bissau, 22 de Setembro de 2014

2 Sua Excelência Senhor Presidente da Assembleia Nacional Popular Suas Excelências Senhores Deputados da Nação Caros colegas, membros do Governo Minhas senhoras e meus senhores, É com muita satisfação e imbuído de um forte sentimento patriótico e de humildade que, em nome do IX Governo Constitucional, que apresento a Vossa Excelência, Senhor Presidente, e a todos os digníssimos deputados, o programa do Governo da Guiné-Bissau, eleito democráticamente a 13 de Abril do ano em curso. Este programa fundamenta-se no compromisso eleitoral do PAIGC e, leva em devida conta o carácter inclusivo da governação, tendo definindo quatro eixos fundamentais: a) Consolidação o Estado de direito democrático, através da promoção da boa governação e reforma das instituições do Estado; b) Promoção do crescimento económico e a redução da pobreza; c) Promoção do desenvolvimento e a valorização dos recursos humanos; d) Redinamização da política externa, a integração regional e o enquadramento dos guineenses no exterior. Digníssimos deputados, Encontrando-nos aqui na Casa do Povo, queremos renovar a nossa determinação em confrontar e mobilizar todos os guineenses para que nos próximos quatro anos se assista a uma alteração qualitativa e substancial da perceção internacional que se tem do país, mas também da própria confiança com que os guineenses avaliam a sua condição de vida e a sua determinação em torná-la bem melhor e muito promissora para as gerações futuras. Neste contexto, o presente programa tem um horizonte temporal de referência de quatro anos, para qual a condição estruturante da estabilidadde política, governativa e

3 parlamentar se assume uma condição de base para que depois possamos normalizar o funcionamento das instituições do Estado e consequentemente reverter o rumo e as perspetivas de combater a pobreza corrigindo substancialmente os indicadores sociais para finalmente se conquistarem as permissas de desenvolvimento. Temos objectivos e metas concretas para transformar a Guiné-Bissau num país atractactivo para os seus cidadãos e para o investimento na economia, criando oportunidades para todos de forma justa, inclusiva e equitativa, favorecendo deste modo o dinamismo à nossa economia e colocando-a ao serviço de geração de renda para as famílias e capaz de criar o emprego e valorização da mão-de-obra nacional. O nosso sentimento e a nossa visão para o país, fundamentam-se no princípio de mobilização política coletiva e patriótica para relançarmos a Guiné-Bissau na senda da unidade para o progresso. Isso significa colocar a governação no centro da satisfação das necesidades básicas dos guineenses e da sua segurança humana, salvaguardando o pressuposto de termos uma população saudável, instruída, segura e auto-suficiente em termos alimentares e com acesso à justiça, num ambiente de diálogo contínuo e parmente com todas as forças vivas da Nação. É com essa responsabilidade, que hoje venho apresentar nesta augusta câmara um programa e governo cujo o Orçamento Geral de Estado para o ano 2014 situa-se na ordem de 140 mil milhões de Francos Cfa.(cerca de 213 mil euros) milhões de francos CFA. Em conformidade com a visão estratégica por nós defendida, o programa do IX Governo Constitucional para além de estabelecer planos concretos para o que é preciso ser feito a curto prazo, incorpora também estratégias de médio prazo, sem perder de vista o longo prazo (dez a vinte anos). Mas reconhecendo a necessidade de conjugar o atendimento imediato das necessidades mais prementes sem comprometer a programação e visão futurística dos objetivos fixados, eis porque o governo propõe três níveis e prioridades de intervenção, através de: A. Programa de urgência

4 B. Programa de contingência C. Programa de desenvolvimento O programa de urgência consubstancia o conjunto de medidas de curto prazo, numa espécie de terapia de choque para estancar e tentar controlar o estado caótico de funcionamento de várias instituições nas situações que as encontramos. Todos os setores e correspondentes departamentos Ministeriais e Secretarias de Estado foram instruídas e encorajadas a apresentar um programa a ser executado nos primeiros seis meses que já está em curso. Todavia, uma atenção particular foi reservada àqueles catalogados como de maior incidência e gravidade, como a : 1. Regularização dos salários em atraso na Função Pública; 2. Salvamento do ano letivo 2014/15; 3. Alerta e antecipação dos resultados do ano agrícola; 4. Resgate da campanha de comercialização da castanha de caju; 5. Prevenção da Cólera e Ébola; 6. Melhoria no fornecimento de eletricidade e água potável. O programa de contingência representa o conjunto de contratos, obrigações e diligência assinados pelo Estado, com participação do Estado ou de interesse público e que necessitam de clarificação antes do seu devido redirecionamento para o programa de desenvolvimento. Entre outros, isto inclui: 1. Contratos de pesquisa e exploração de recursos naturais, nomeadamente, Fosfato de Farim, Bauxite do Boé, Arreia pesada de Varela 2. Prospeção e viabilidade do petróleo da Guiné-Bissau tanto na zona exclusiva como na de gestão conjunta com o Senegal; 3. Litígio com a TERTIR, a construção de porto de águas profundas em Buba e o acordo aéreo com Portugal; 4. Situação das empresas com capital público: EAGB, Guiné Tel e Guiné Telecom, 5. Auditoria multidisciplinar às empresas privatizadas por objetivos na década de 2000;

5 6. Auditoria aos Fundos autónomos com participação do Estado ou de interesse público: FUNPI, Fundo Rodoviário, Fundo do Turismo, Fundo de Mineração, e outros; Excelência Senhor Presidente da ANP Diníssimos Deputados Senhoras e Senhores O nosso país e o nosso sistema político tem sido confrontado com constrangimentos de várias ordens e latitudes que minam possibilidades de diálogos e que têm levado a situações de radicalismos politicos e à consequente instabilidade. estamos convencidos que para o sucesso desta nossa governação será importante um amplo consenso nacional e politico, queremos aqui assumir solenemente que estamos motivados para o virar da página deste ciclo de disputas políticas fractecidas e colocando diálogo político partidário e societário no centro da gravidade da consolidação da cultura democrática no espaço que legitima o poder do povo que é a ANP. Neste sentido, permitam-me anunciar que este o governo vai inaugurar debates bimensais com o parlamento de modo que a nossa governação possa ser monitorizada, fiscalizada, apropriada e legitimada por aqueles que o povo conferiu o seu poder de representação, com vista a garantirmos transparência e eficácia na gestão da coisa pública e salvaguardar os interesses da nação. Iremos ainda trazer a discussão aspetos importantes como eventual a revisão constitucional, da lei eleitoral e a lei dos partidos políticos, mas acima de tudo, Lançar o Programa de Diálogo Nacional inclusivo, a favor da paz e reconciliação nacional. Do Setor Privado à Sociedade Civil, sera importante a participação de todos na implementação da agenda estratégica de desenvolvimento do país, ancorados nas metas nacionais, tendo no governo o seu parceiro, pois, acreditamos que todos os guineenses (dentro e for a do governo; dentro e for a do país), podem fazer algo por esta Nação, estão por isso convocados assumir com esforço, dedicação, patriotismo e com o seu trabalho a reconstrução de uma nova Guiné-Bissau mais justa e mais inclusive.

6 Sabemos o rumo que queremos dar ao país, o desafio está em mobilizar os meios necessários e aplicar-lhes no tempo previsto e no setor prioritário para além da contingência, de forma que os nossos objetivos possam ter maiores probabilidades de serem concretizados de forma efetiva. Nesta senda, teremos de apostar no redimensionamento, disciplinização e modernização da Administração Pública, melhorar a nossa capacidade de arrecadação das receitas internas, sanear as finanças públicas, mas também moralizar e ajustar os níveis e custos da representação política. Neste último, contamos efetivamente com a Comissão de Ética da ANP para ajudar o país a reencontrar-se não só ao nível do governo, mas de todos os órgãos da soberania. Naquilo que nos compete, quero assegurar que este governo irá proceder a submissão anual das contas públicas ao crivo do Parlamento e do Tribunal de Contas. Esta dimensão de responsabilização e integridade na utilização dos rercusos públicos é uma condição que se impõe, pois, temos plena consciência e sabemos que não é possível abordar e resolver todas as prioridades ao mesmo tempo com as quais o país tem, na medida em que somos um país de parcos recursos financeiros, logisticos e infraestruturais, levando com que o nosso Orçamento Geral de Estado ainda sejafinanciado pela Comunidade Internacional em mais de 50%. Por isso, iremos estabelecer como meta a retoma gradual do crescimento económico até se atingir um crescimento de pelo menos 7% no fim da legislatura e vamos Implementar uma política fiscal responsável com vista a melhorar o desempenho da administração fiscal de modo a atingir a pressão fiscal de 15%. Só com provas de boa governação, respeito pelos direitos humanos, garantia de liberdades democráticas, boa gestão dos recursos natuaris e a manutenção da paz e estabilidade, poderemos potenciar o aumento do apoio da Comunidade Internacional e os países amigos da Guiné-Bissau, não só no que concerne à cooperação para o desenvolvimento, mas também no plano de investimento, permitindo o nosso país fazer parte de forma efetiva do xadrez geoestrategico do ponto de vista das relações económicas, comerciais e diplomática.

7 Porém, para que tudo isso aconteça, temos que conquistar a estabilidade, mas também temos de capazes de mudar a nossa forma de pensar e fazer a governação, através da planificação coordenada do nosso desenvolvimento que se quer durável, enquanto desafio de um Estado que se quer emancipar e moderno. É baseado nesses pressupostos que iremos criar e implementar a Agência Nacional do Planeamento Estratégico e uma entidade nacional para a coordenação da Ajuda ao Desenvolvimento, permitindo ao nosso país atingir metas de desenvolvimento e enfrantar um novo alinhamento para as metas de sustentabilidade. Um outro desafio que vamos assumir nesta legislature é no domínio de estender a presença do Estado ao nível do espaço nacional de forma efetiva e orgaznizada, através nomedamente da descentralização e realização das eleições autárquicas. Para o efeito, o governo irá promover a criação um Conselho Nacional de Descentralização, lançar as bases para a operacionalizar comissões nstaladoras de Câmaras Municipais nos setores administrativos que devem ascender à municípios e ainda adotar a Politica Nacional do Ordenamento do Território. Excelência Senhor Presidente da ANP Excelências Dgníssimos Deputados Senhoras e Senhores Pretendemos com este programa levar a governação ao centro da satisfação das necessidades da mais premenetes, particularmente de grupos mais vulneráveis através de uma ação de desenvolvimento baseado na humanização das políticas públicas. A começar pelas nossas crianças - flores da nossa luta, os nossos jovens - razão da nossa democracia, as mulheres firkidjas da nossa sociedade, as famílias mais pobres a nossa guineidade, os idosos e os nossos heróis Combatentes da Liberdade da Pátria - vanguarda da nossa identidade. Queremos com isto dizer que vamos desenvolver uma governação também virada para a

8 proteção social deverá ser encarada não apenas numa perspetiva assistencialista, mas através de desevolvimento de alguma ações afirmativas que permitem engajar o Estado no aumento das capacidades do seu capital humano, produtivo, económico e importantes ganhos sociais. O governo vai considerar de forma particularmente atenta e consequente a assistência social a todos os trabalhadores, incluindo agentes de defesa e segurança, de forma a dignificar a nossa administração pública e favorecer com que os que servem a honram com seu desempenho e dedicação. Comprometemo-nos a potenciar, melhorar e maximizar a qualidade e o acesso à saúde, à educação, à formação profissional, à informação, à justiça social e à cultura dos guineenses. Isto porque entendemos que o desenvolvimento do capital social é efetivo, quando colocamos pessoa humana como prioridade de qualquer outro interesse. Assim, vamos celebrar as nossas conquistas, valorizando os guineenses e reforçar o nosso sentido de pertença a esta patria de Amílcar Cabral. Ao nível sectorial eis as medidas mais emblemáticas em que o nosso governo irá apostar: Defesa e Segurança o Reorganizar, modernizar e redimensionamento as Forças Armadas, adoptando-as das reais capacidades do cumprimento das suas missões republicanas de garantir a soberania, a independência nacional e a integridade territorial; assegurar a sua capacitação, profissionalização e salvaguardar o fundo de pensões para implementação das reformas; Administração Pública o Adotar o princípio de submissão a concursos para o ingresso e ascensão na função pública; Lutar contra a corrupção; adotar a governação electrónica; Melhorar o funcionamento da Inspecção Geral do Trabalho por forma a que possa exercer eficazmente as suas funções em todo o território nacional; Efetuar a necessária reforma do sistema de Segurança Social;

9 Justiça o Garantir o acesso à justiça a todos os cidadãos, através dos tribunais setoriais e regionais; Criar a figura de Provedor da Justiça; Criar tribunais arbitrais, principalmente em matéria de conflitos económicos, e melhorar o funcionamento do tribunal comercial; Agricultura e Segurança Alimentar o Elaborar a política nacional de segurança alimentar; Promover a intensificação e diversificação da produção de culturas alimentares (cereais, raízes, tubérculos, hortofrutícolas, leguminosas, etc ); Aumentar a taxa de cobertura sanitária de animais de 20% para 60% em 2018; Aclarar, regulamentar e aplicar a Lei da Terra, revendo a Constituição, no que tange a propriedade privada do solo; Dinamizar a pesquisa agrária aplicada, implicando os agricultores e colocando à sua disposição sementes melhoradas e técnicas culturais adaptadas, reorientando global e conjugadamente a investigação e a formação profissional, através de um sistema coordenado de programação e de avaliação e com base numa rede de unidades produtivas privadas e colaborantes; Água e Energia o Melhoria da rede de abastecimento de água da cidade de Bissau através da substituição de parte da rede já obsoleta e, aumento da capacidade de armazenamento da água e criação de condições para o seu tratamento, extensão da rede para os novos bairros da cidade e construção de mais fontanários públicos; realização da Mesa Redonda para o lançamento do projecto de construção da Barragem Multifuncional de Campossa/Rio Geba; Criar a Agência de Regulação do subsetor da Eletricidade e Águas Urbanas; Implementar e/ou adotar o estatuto da Utilidade Pública das localidades previstas para o Projeto Energia da OMVG (postes de Saltinho, Bambadinca, Mânsoa e Bissau.

10 Trajetória da linha 225 kv) e da rede de 30 kv previstas ao nível nacional; Lançar a iluminação pública em cerca de 37 km através de candeeiros solares; Construir uma Central Térmica de 55 MW em Bôr (em duas fases de 25MW); Construção da Central Fotovoltaica de 10 MW em Ponta Gardete; Construir uma Central Fotovoltaica de 5 MW em Mafanco; Promover a reforma da Empresa de Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau EAGB; Indústria o Elaborar a Carta de Política do Setor industrial; Promover o Recenseamento Industrial; Criar um laboratório de referência multisetorial; Elaborar o Plano Nacional de Desenvolvimento sobre a Propriedade Industrial; Transportes e Telecomunicações o Elaborar o Plano Rodoviário Nacional; Conservar e reabilitar as pistas rurais para o desenclavamento das zonas de produção; Reabilitar e construir 498 km das estradas de ligação entre a Guiné-Bissau e os países vizinhos; Fazer aquisição de novas jangadas/navios para as travessias de Cubumba, Barro, São João/Bolama, Bissau/Enxudé, Tche tche e Fulamori; Construir a ponte de Farim mais os 23 km de ligação à Tanhaf (Senegal); Construir a estrada Boké-Quebo e estudos para a contrução do troço Bedanda-Cacine; Construir a estrada Buba-Catió e realizar estudos para a construção do troço Buba-Fulacunda- SãoJoão/Tite; Realizar o estudo da construção do porto de contentores de PICKIL e estabelecer uma estratégia de mobilização do financiamento da sua construção; Realizar o estudo da construção das pontes de Contuboel e Tche Tche e estabelecer uma estratégia de mobilização do financiamento para a construção; Estabelecer uma estratégia nacional para a viabilização do Projecto Regional do Porto de águas profundas em Buba; Construir o posto de pesagem em Safim

11 (UEMOA) no quadro de controlo dos veículos pesados, respeitando a norma estabelecida pela UEMOA. Comércio o Eliminar as barreiras não tarifarias e excesso de postos de controlo; Melhorar o abiente económico, Garantir a estabilidade dos preços dos produtos de primeira necessidade em colaboracao com o sector privado; Incentivar a diversificação das nossas exportações, o comércio transfronteiriço e reforcar a capacidade de intevenção das estuturas de fiscalização nas fronteiras; Desenvolver uma estratégia para o sector do comércio (Promover, facilitar, diversificar e desenvolver a atividade comercial na Guiné-Bissau); Informatização dos serviços Centrais e Regionais do Ministério e criação do Site Oficial do Ministério do Comércio e de Artesanato. Ambiente o Criar um Sistema Nacional de Alerta Precoce visando o fornecimento de informações sobre as probabilidades de ocorrência de riscos e desastres naturais, susceptíveis de engendrar perdas de vidas humanas, de modos subsistente e de infraestruras económicas; Desenvolver e operacionalizar um Sistema Nacional de Zonagem Agro-ecológica de apoio à tomada de decisão na gestão do uso do solo, aumento da produtividade agrícola e diminuição da vulnerabilidade climática; Promover a extensão das áreas protegidas através da criação de duas novas áreas terrestres (Dulombi e Boé) e três corredores de fauna (Quebo-Cuntabane, Salifo e Tchetche) reforçando o Sistema Nacional de Áreas Protegidas, que passará de 11.3% actuais para 26.3%; Fomentar as acções contra o uso e consumo indevido de Organismos Geneticamente Modificados na óptica da prevenção da saúde humana e da conservação dos recursos biológicos; Promover a criação de um mecanismo perene de financiamento durável das acções de luta contra

12 seca e desertificação, ao abrigo das orientações estratégicas do GEF para a área de gestão durável das terras; Turismo o Adotar um Documento de Estratégia Nacional para o Desenvolvimento do Turismo na Guiné-Bissau e realizar um crescimento sustentável a longo prazo; Redefinir o quadro jurídico e institucional que suporta o funcionamento das atividades do Turismo; Adotar um Plano Nacional de Promoção do Turismo na Guiné-Bissau através de uma estratégia de comunicação multimédia transversal no quadro de uma política de acção junto dos investidores e empresas especializadas neste domínio nomeadamente nos Eventos Turísticos Internacionais; Requalificar o património natural do Arquipélago dos Bijagós enquanto oferta Turística principal, pondo ênfase na sua riqueza ecológica ; Definir um ordenamento territorial das actividades Turísticas no âmbito da eleição de Zonas Turísticas Especiais ; o Conselho Nacional do Turismo (CNT), Direcção Geral do Ambiente, Célula de Avaliação do Impacto Ambiental (CAIA), União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), Instituto da Biodiversidade e Áreas Protegidas (IBAP), Associação da Hotelaria/ Restauração e Turismo, Agências de Viagens; Organizações não Governamentais (ONG), Meios de Comunicação Social para a informar e sensibilizar a opinião Pública sobre as Potencialidades Turísticas do País; Implementar o Salão de Turismo de Bissau; Transportes e Comunicações o Promover a modernização dos serviços de telecomunicações para uma maior cobertura e eficiência dos serviços móveis, fixos e de internet, nomeadamente por meio de utilização da fibra ótica; Realizar trabalhos de reabilitação essencial e de melhoria dos serviços no porto de Bissau (dragagem, aumento do cais de atracagem, etc.);

13 Equipamento e modernização do Aeroporo Internacional Osvaldo Vieira e Serviços de Meteorlogia; Pescas e Economia Marítima o Rever a Lei Geral das Pescas, o Regulamento da Pesca Industrial, o Decreto que cria a Comissão Interministerial da Fiscalização Marítima, FISCMAR e dos Estatutos do CIPA; Elaborar a regulamentação para aplicação do sistema de controlo por via satélite e similares; Rever os manuais de procedimento, qualidade e boas práticas do laboratório e da inspecção de pescado; Rever o protocolo do Plano Nacional do Controlo de Camarão (PNACC) e Plano Nacional de Vigilância Ambiental e Resíduos (PNVAR); Reforçar as capacidades da FISCAP, através de dotação orçamental, de aquisição de meios náuticos e instalação de sistemas de controlo por via satélite (VMS, AIS, etc.), bem como a construção e equipamento de instalações próprias; conclusão das obras e equipamento do Laboratório de Controlo de Qualidade de Pescado, bem como a construção e equipamento de instalações próprias para os serviços da investigação científica, estatísticas de pesca e administração; Saúde Pública o Atualizar e reforçar a implementação do Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário (PNDS II), co-prioridade no combate á malária, tuberculose VIH/Sida; Melhorar os serviços de saúde reprodutiva, assegurando o aumento das consultas pré-natais das grávidas e da proporção de partos realizados por pessoal qualificado; Criar uma unidade hospitalar moderna em Bissau, através de parceria público-privada, para atendimento e resolução de casos mais complexos, reduzindo significativamente as evacuações médicas para o estrangeiro; Criar centros hospitalares especializados: Centro de diagnóstico médico, Unidade de Hemodiálise; Reabilitar o Centro de

14 doenças tropicais; Apostar numa política preventiva de saúde pública. Educação Nacional o Eliminar a exclusão e desigualdade de oportunidade, mormente no acesso à educação escolar entre crianças de diferentes meios social, cultural e geográfico, dando uma atenção especial ás crianças com necessidades educativas especiais; Lançar bases sustentáveis para concretizar a extensão da escolaridade básica obrigatória até ao fim do terceiro ciclo do ensino basico (1º ao 9º ano de escolaridade); Democratizar o acesso ao ensino superior, adaptando-o ao sistema LMD e melhorar a eficácia interna e externa; Modernizar a administração e a gestão do sistema de ensino e promover reformas conducentes ao descongestionamento e o normal funcionamento das estruturas administrativas e de gestão do sistema educativo; Promover os Estados Gerais da Educação, antecedido de uma ampla consulta nacional, através das conferências regionais para criar consensos alargados sobre um plano estratégico de desenvolvimento tendo como horizonte temporal o ano de 2025; Construir uma visão estratégica para um sistema educativo que permita cumprir as metas assumidas na Carta da Política Educativa ; Reforçar a componente educação para a paz, cidadania e defesa dos direitos humanos entre as competências transversais integrantes da política curricular nos diferentes níveis de ensino e formação, destacando a sua importância na construção da paz e da identidade nacional; Elaborar e aprovar a Carta de Politica Nacional da Alfabetização e Educacao de Adultos e o respectivo Plano de Ação; Dotar o Subsistema do Ensino Superior e Investigação Cientifica de um orçamento específico que se situe em função das expectativas de crescimento económico, na proporção de, pelo menos, 1% do PIB (a média nos países africanos é na ordem dos 0,6 % e na OCDE é na ordem de 1,2% por cento), para a concretização da sua missão de ensino, investigação e pesquisa; Construir uma

15 Biblioteca Nacional; Criar e consolidar a Agência Nacional de Avaliações e Creditação; Comunicação Social o Desenvolvimento urgente da capacidade operacional dos órgãos e das diferentes estruturas de comunicação social através de novas infraestruturas (Edifício da Rádio e da Televisão), Reequipamento dos órgãos no quadro da transição analógico/digital para o ano 2015, Modernização e equipamento da Agência Noticiosa da Guiné (ANG); redimensionamento, reestruturação, reequipamento e modernização do sector público da comunicação social e implementação de medidas para a sua viabilização económica e financeira (empresarialização dos órgãos públicos); redefinição em conjunto com a ANP, das competências e atribuições do Conselho Nacional de Comunicação Social; Cultura e Desportos o Criar um quadro jurídico-legal de base que rege o funcionamento das Instituições Culturais; Elaborar o documento da Política de desenvolvimento cultural e a sua implementação; Recuperação, melhoria e construção de novos recintos para a prática desportiva diversificada em todo país, dando primazia no desporto escolar; Criação do Museu da Resistência para preserver a história da nossa independência; Promover a preservação, o restauro e a valorização do património fílmico e audiovisuais nacionais, em particular sobre o acervo da Luta de Libertação Nacional; Negócios Estrangeiros, Cooperação Internacional e Comunidades o Redimensionar e dignificar as nossas representações diplomáticas no exterior e reforçar a sua missão de atracção de investimentos públicos e privados para o país; Reconquistar e desenvolver as relações de

16 amizade e de parceria bilateral e multilateral, particularmente com a União Africana, a União Europeia, e reforçar as nossas relações com as instituições de Bretton Woods (Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional) e espaços da noss aintegração regional (CPLP, CEDEAO); Coordenar esforços com os países da sub-região na luta contra o crime organizado e o tráfico de droga; Sua Excelência Senhor Presidente da ANP Excelências Senhores Deputados, Senhoras e Senhores Podemos ser acusados de estar a apresentar um programa demasiado ambicioso, mas nos parece que os 41 anos da nossa independência sem desenvolvimento, sendo delas 20 em regime democrático com deficiência, impoõe que um governo saído de uma transição política resultante de subverção de ordem consititucional, tenha que assumir a responsabilidade de elaborar e implementar políticas que favoreçam a consolidação do quadro institucional normativo e functional, como condição indispensável para sustentar as nossas aspirações ao desenvolvimento. Nesta base, agradecemos ao povo guineense pela luta persistente pela democracia, vamos honrar a sua confiança com a capaciadde de resposta das instituições da república. Agradecemos a Comunidade Internacional pelo apoio e solidariedade ao povo guineense, mais uma vez demonstrada na contribuição deste orçamento de Estado e, vamos fazer de tudo para usar de froma exemplar a sua contribuição e aumentar a nossa capacidade de governar bem e melhorar os indices sociais hoje tão frágeis. Deste modo, o presente programa não pode ser caracterizado de ambicioso, pois é o mínimo que podemos apresentar para alavancar o país e integrar a Guiné-Bissau na economia mundial. Com a equipa governamental que tenho a honra e privilégio de liderar, com o apoio da Sua Excelência Senhor Presidente da República e do parlamento, garanto-vos digníssimos deputados, ao povo guineense e a Comunidade

17 Internacional, que este programa é exequível, foi devidamente ponderado, e revelou-se absolutamente necessário. Agradeço antecipadamente, a todos os digníssimos Deputados da Nação, as vossas valiosas contribuições para desenvolvermos, em conjunto, esta terra de esperanças e fazer dela terra de homens e mulheres unidos sob o desígnio de uma única bandeira - unidade. Finalizo dizendo que nunca foi por falta de sonho, vontade, competência e qualidades do nosso povo que limitou o nosso desenvolvimento, mas antes a ausência de construção de amplos consensos políticos na sociedade guineense, impedindo a estabilização do nosso país para o bem-estar e conforto sustentado. Desde modo, a realidade que vivemos hoje, deve ser enacarada como uma oportunidade histórica de fazermos da democracia eleitoral e participativa um instrumento ao alcence da nossa sociedade para a construção da nossa felicidade, aumento da nossa autoestima e reconhecimento no concerto das nações, com um Programa, um Governo, um Parlamento e uma Nação mobilizadas e comprometidas para garantir a salvaguarda da protecção do interesse público do povo guineense, visando a transformação política, económica, social, cultural desta nossa mada patria forjada na luta, vivendo na paz e no progresso. Muito obrigado, Que Deus abençoa a Guiné-Bissau!

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Encontro Ministerial «Desafios para Cooperação entre China e os Paises de Lingua Portuguesa no dominio das Infra-estruturas: Alternativas de Financiamento» Visão e Estrategia

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA UM NOVO PASSO Seminário 16 de abril de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Leia mais

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto

Actividades relacionadas com o património cultural. Actividades relacionadas com o desporto LISTA E CODIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE ACTIVIDADES Actividades relacionadas com o património cultural 101/801 Artes plásticas e visuais 102/802 Cinema, audiovisual e multimédia 103/803 Bibliotecas 104/804 Arquivos

Leia mais

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com Plano de Atividades 2014 (Revisão) www.andonicanela.com PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014 REVISTO INTRODUÇÃO e VERTENTE ESTRATÉGICA A LPN como a mais antiga e mais consistente organização não governamental

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Como podem as estatísticas nacionais contribuir aos avanços direccionados a satisfação das necessidades

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

República de Moçambique Ministério das Finanças SISTAFE

República de Moçambique Ministério das Finanças SISTAFE República de Moçambique Ministério das Finanças SISTAFE Data de Geração: 01/10/2012 Orçamento do Estado para Ano de 2013 Código Designação 0101 Presidência da República 150,000.00 0.00 150,000.00 0105

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO

O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO Painel 2: Serviço público de excelência casos de sucesso na Administração Pública O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO 08 de Outubro de 2010 Visão da Cidade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

População, Recursos e Ambiente Desenvolvimento Sustentável 5ª aula teórica PRINCÍPIO DA PROCURA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Conferência de Estocolmo: 1º Conferência ONU sobre Ambiente e Estabelecimentos

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL. Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson

CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL. Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL Mindelo, 24 de Julho de 2015 Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson Senhora Ministra da Juventude,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS

PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS Nota justificativa A dependência alimentar do exterior é bastante acentuada no nosso país, ultrapassando os

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP)

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) 1 REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda.

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda. Programa do XI Governo Regional dos Açores Política Ambiental Senhora Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do Governo, Na Resolução que adotou a histórica

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Versão 0/Junho 2006 INDICE 1. Introdução 2. Visão, missão, valores 3. A estrutura do plano 4. Programa 1 6. Programa 2 Reforço da administração da justiça

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global Grupo Parlamentar Português sobre População e Cumprimentos: Desenvolvimento Assembleia da República 18 de Novembro

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial 0352 Abastecimento Agroalimentar 22000 1049 Acesso à Alimentação 0351 Agricultura Familiar - PRONAF 1215 Alimentação Saudável 1016 Artesanato Brasileiro 28000 0135 Assentamentos Sustentáveis para Trabalhadores

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais