MANUAL DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA SUMÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA SUMÁRIO"

Transcrição

1 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Condições Gerais 4. Participação 5. Benefícios 6. Conclusão 7. Disposições Finais 8. Responsabilidades 9. Anexos 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para a operacionalização do processo de Capacitação de Curta Duração no Exterior, destinada à melhoria do desempenho de seus empregados por meio de ações de aprofundamento e especialização. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma aplica-se aos empregados de todas as Unidades Centrais e Descentralizadas da Embrapa. 3. CONDIÇÕES GERAIS 3.1 A Embrapa, por meio do DGP, definirá periodicamente, por intermédio de PALAVRAS-CHAVE: Curta Duração no Exterior, Capacitação no Exterior REVISÃO: SEÇÃO DO MANUAL - ELABORAÇÃO DGP VERIFICAÇÃO AJU APROVAÇÃO DATA PÁGINAS 01/13

2 Análise de Necessidades de Capacitação, suas necessidades de Capacitação de Curta Duração no Exterior, considerando, dentre outros fatores, os seguintes: a) a necessidade de atualização constante de seus empregados e a formação de equipes de alto nível de capacitação científica e tecnológica que estejam na vanguarda da busca de soluções para o alcance da missão da Embrapa; b) a necessidade de atender aos objetivos e metas estabelecidos no seu Plano Diretor e nos Planos Diretores de suas Unidades, bem como nos macroprogramas, projetos e planos de ação em desenvolvimento. 3.2 A indicação de áreas prioritárias para ações de Capacitação de Curta Duração no Exterior em cada Unidade deverá considerar as metas específicas do PAT e os objetivos dos projetos e planos de ação em execução. 3.3 Serão aprovados os pleitos para capacitação de empregados no exterior que atendam aos seguintes critérios: a) a inexistência de oportunidades com a mesma qualificação técnica no Brasil, compatíveis com os objetivos da Embrapa; b) necessidade da Embrapa em capacitar empregados em áreas vinculadas às metas da Empresa; c) estreita relação do objetivo da capacitação com o projeto ou plano de ação em que o empregado atua, ou poderá vir a atuar; d) capacitação do empregado no desenvolvimento de novas tecnologias ou processos que o evento propiciará; e) nível de excelência e de competência da instituição promotora do evento; f) importância da capacitação para o desenvolvimento de novas tecnologias ou serviços para o projeto, a Unidade, a Embrapa e o Brasil; g) planejamento prévio da participação do empregado no evento; h) disponibilidade de recursos financeiros. 3.4 Serão considerados como capacitação de curta duração no exterior, para efeito desta Norma, todas as modalidades de eventos voltados para o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes, de até 12 meses de duração, realizados fora do País, abrangendo as seguintes categorias: reuniões técnicas, grupos de trabalho, treinamentos, cursos, congressos, workshop, encontro, conferência, seminário, simpósio, visita técnica, estágio e intercâmbio Será aprovada apenas a participação de um empregado de cada Unidade, para o 2

3 mesmo evento quando se utilizar recursos da Embrapa para custeio das despesas com a viagem, salvo nos casos em que o evento contemple mais de uma área prioritária da Empresa, sendo aprovado somente um empregado por área contemplada Entende-se como recurso financeiro da Embrapa aquele previsto no orçamento, bem como aqueles oriundos de acordos de empréstimos internacionais e arrecadação. 3.7 O afastamento do País poderá ser: a) com ônus quando implicarem direito a passagens e/ou diárias, pagas pela Embrapa ou qualquer outra fonte de recursos do Governo Federal, assegurados o vencimento ou salário e demais vantagens do cargo, função ou emprego; b) com ônus limitado quando implicarem direito apenas ao vencimento ou salário e demais vantagens do cargo, função ou emprego, e o custeio de todas as despesas com o afastamento do País for realizado por instituição estadual, privada, estrangeira, ou ainda, pelo próprio empregado; c) sem ônus quando implicarem perda total do vencimento ou salário e demais vantagens do cargo, função ou emprego, e não acarretarem qualquer despesa à Empresa ou ao Governo Federal. 4. PARTICIPAÇÃO 4.1 As inscrições em eventos de Capacitação de Curta Duração no Exterior deverão obedecer, concomitantemente, os procedimentos definidos pela instituição promotora e aqueles definidos para afastamento do País de servidores públicos federais, durante o período de trabalho. 4.2 Os afastamentos do País para participação de eventos de Capacitação de Curta Duração no Exterior serão tramitados em qualquer época do ano, de forma a atender às prioridades da Embrapa, ajustadas às necessidades e atividades do empregado. 4.3 A tramitação do processo de afastamento do País de empregados da Embrapa para participação em ações de Capacitação de Curta Duração no Exterior, somente ocorrerá mediante apresentação da seguinte documentação: a) carta convite ou carta de aceite emitida pela instituição promotora e/ou patrocinadora do evento, oficial, e sua tradução, se escrita em outro idioma que não o português; b) papeleta de afastamento do País, devidamente preenchida e assinada pelo 3

4 empregado e pela Chefia da Unidade, em quatro vias, de acordo com modelo estabelecido; c) correspondência da instituição patrocinadora, assumindo o compromisso do custeio das despesas com a viagem e especificando os benefícios e seus valores, quando a viagem não for custeada pela Embrapa; d) pedido de emissão ou prorrogação do passaporte de serviço por meio de formulário próprio do Ministério das Relações Exteriores, devidamente preenchido e assinado; e) cópia da carteira de identidade, do título de eleitor e do(s) comprovante(s) da última votação; f) duas fotografias 5x7, fundo branco, coloridas, datadas (no máximo seis meses antes da data a ser protocolado o processo no Ministério das Relações Exteriores) e, no caso dos homens, de paletó e gravata; g) formulário de pedido de visto, próprio da(s) embaixada(s) referente(s) ao(s) país(es) de destino, devidamente preenchido, datado, assinado e com foto, quando for o caso; h) formulário de pedido de emissão de seguro de viagem internacional, quando este for pago pela Embrapa, de acordo com formulário próprio; i) Declaração de Aprovação do CTI, ou da Chefia da Unidade no caso das UCs, e conforme item 4.5, no caso de Capacitação de Curta Duração no Exterior que exceda 90 (noventa) dias Toda a documentação deverá ser entregue ao SRH da Unidade para conferência. 4.4 A papeleta referida no item 4.3, alínea b, deverá ser emitida em quatro vias originais Após a conferência pelo SRH, o Chefe-Geral da Unidade deverá assinar e carimbar a papeleta no local reservado ao Chefe da Unidade. Na ausência do Chefe-Geral, o Chefe-Substituto ou o chefe em exercício deverá assinar Em caso de tramitação de afastamento do País do Chefe-Geral da Unidade, a papeleta poderá ser assinada pelo Chefe-Substituto ou Chefe em Exercício. 4.5 As ações de Capacitação de Curta Duração no Exterior superiores a 90 dias deverão ser analisadas e aprovadas pelo CTI da Unidade, quando empregados de UDs, ou pelo CTS, no caso de empregados das UCs, mediante parecer. 4

5 4.5.1 Para a análise citada no item anterior, o empregado encaminhará ao SRH, no caso das UDs, e ao DGP, no caso das UCs, juntamente com os documentos citados no item 4.3: a) plano de trabalho/estudos a serem desenvolvidos durante a capacitação; b) descrição dos impactos relevantes para a Embrapa com o desenvolvimento do estudo/pesquisa previsto; c) curriculum vitae atualizado, datado e assinado; d) memorial técnico contendo justificativa da capacitação em relação às atividades realizadas na Unidade de lotação Após conferência da documentação pelo SRH, no caso das UDs e pelo DGP, no caso das UCs, a documentação citada no item será encaminhada ao CTI, no caso das UDs, e ao CTS, no caso das UCs, para análise e parecer Após aprovação do CTI, no caso das UDs, e do CTS, no caso das UCs, a decisão deverá ser submetida à aprovação da respectiva Chefia da Unidade Caso haja mudança no plano de trabalho/estudo a ser desenvolvido durante a capacitação acima de 90 dias, este deve ser novamente submetido à aprovação do CTI, no caso das UDs, e ao CTS, no caso das UCs. 4.6 É obrigatório o envio do processo completo ao DGP com antecedência mínima de 20 dias do início da viagem O DGP somente tramitará os processos que tenham sido encaminhados pelo SRH e estejam com a documentação completa e os respectivos formulários devidamente preenchidos, conforme a necessidade Ao receber a documentação, o DGP fará a conferência e submeterá à apreciação e aprovação do Diretor-Presidente Em caso de aprovação, a documentação será enviada aos órgãos competentes para aprovação ministerial e posterior publicação no Diário Oficial da União Processos enviados com informações erradas ou incompletas aguardarão as devidas correções para serem tramitados, até o prazo descrito no item

6 4.8 - Processos enviados fora do prazo previsto no item 4.6 serão devolvidos à Unidade de origem. 4.9 Solicitações de prorrogação de treinamento acima de 90 dias deverão ser justificadas e submetidas ao CTI, no caso de empregados das UDs, e ao CTS, no caso de empregados das UCs, para análise, parecer e aprovação Em caso de prorrogação do afastamento é obrigatório o preenchimento de nova Papeleta, indicando, na última linha do campo relativo à justificativa, o período inicial aprovado e a data do DOU, bem como os documentos comprobatórios. 5. BENEFÍCIOS Caso haja disponibilidade de recursos, a Embrapa custeará os gastos com taxa de inscrição, alimentação, diárias e transporte para a participação de empregados em ações de Capacitação de Curta Duração no Exterior, segundo a tabela de valores da Embrapa, observando-se os limites definidos no Anexo C desta Norma Para o afastamento do País, por período igual ou inferior a 10 dias corridos, as diárias serão calculadas considerando os valores constantes da Tabela aprovada pela Embrapa multiplicados pelo número de dias correspondentes ao evento para o qual o empregado irá participar Para afastamento do País maior que 10 dias, o empregado receberá até o 10º dia o valor correspondente à Tabela de diárias, de acordo com o país de destino e, a partir do 11º receberá somente o adicional de diárias, por dia, de acordo com os valores estabelecidos no Anexo C desta Norma O valor da diária será dividido pela metade, referente ao período destinado ao trânsito de partida e chegada Quando o trânsito até o local da capacitação for realizado passando por mais de um país, será considerando o maior valor para cálculo da diária de trânsito Quando o período de trânsito até o local de destino for maior que 24 horas será paga uma diária completa Quando o empregado receber, por outra fonte, hospedagem ou valores destinados a seu custeio, as diárias corresponderão a 35% do valor total de 6

7 diárias calculadas para o período referente a cidade/país onde se realizará o evento, considerando as especificidades indicadas no Anexo C Quando o afastamento for com ônus, e do interesse da Embrapa e do empregado, este poderá financiar parte da viagem. 5.4 A passagem aérea para ações de Capacitação de Curta Duração no Exterior será adquirida com tarifa referente a da classe econômica. 6. CONCLUSÃO DO PROCESSO 6.1 Após o retorno da viagem, o empregado deverá enviar ao DGP, por meio do SRH e observando o prazo máximo de 30 dias, a seguinte documentação: a) comprovantes de embarque aéreo originais, quando a Embrapa custear a viagem; b) relatório de viagem, anexo B, independente da fonte custeadora. 6.2 A não-apresentação dos documentos descritos no item 6.1, após o retorno ao Brasil, impossibilitará a participação do empregado em ações de Capacitação de Curta Duração no Exterior até que a pendência seja sanada. 7. DISPOSIÇÕES FINAIS 7.1 O DGP poderá emitir, em qualquer época, instruções necessárias para o fiel cumprimento desta Norma. 7.2 Os casos omissos a esta Norma serão resolvidos, em primeira instância, pelo DGP e, em última instância, pela DE. 8. RESPONSABILIDADES 8.1 Do Departamento de Gestão de Pessoas: a) elaborar e divulgar os formulários e modelos necessários ao processo de Capacitação de Curta Duração no Exterior; b) orientar o supervisor do SRH quanto a composição dos documentos necessários para encaminhamento do processo de afastamento do País, e demais assuntos afins; c) analisar a documentação enviada pela Unidade no prazo previsto e adotar as 7

8 providências necessárias; d) monitorar o andamento do processo junto ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Ministério das Relações Exteriores e Embaixadas, conforme o caso; e) acompanhar a publicação da autorização do afastamento do País no Diário Oficial da União (DOU); f) adotar as providências necessárias para a obtenção do visto de entrada e permanência no(s) país(es) de destino (quando houver exigência) no passaporte oficial; g) encaminhar ao empregado, por meio do SRH da Unidade, cópia do DOU, contendo a autorização do afastamento do País; h) caso o afastamento seja com ônus para a Embrapa, providenciar, junto às áreas competentes, o pagamento das despesas e a emissão da passagem aérea; i) encaminhar o passaporte oficial ao empregado; j) manter atualizados os controles internos e os dados referentes aos processos de afastamento do País dos empregados da Embrapa; k) receber os documentos citados no item 6.1 desta Norma. 8.2 Da Chefia Geral da Unidade a) opinar sobre a participação do empregado no evento, autorizando por meio de assinatura e carimbo na papeleta a ser encaminhada ao DGP; b) opinar sobre a participação do empregado no evento, autorizando a realização de capacitação acima de 90 dias no exterior, após análise e parecer do CTI, no caso das UDs e do CTS, no caso das UCs. 8.3 Dos SRHs das Unidades a) orientar o empregado que vai viajar quanto a composição dos documentos necessários para encaminhar o pedido de solicitação de afastamento do País; b) receber, conferir e encaminhar para a Chefia da Unidade a documentação recebida do empregado; 8

9 c) encaminhar ao DGP, após o De acordo da Chefia da Unidade, o pedido de solicitação de afastamento do País, com a antecedência mínima de 20 dias do início da viagem; d) acompanhar a tramitação do processo junto ao DGP; e) registrar o evento realizado pelo empregado nos assentamentos funcionais e sistemas de acompanhamento da capacitação; f) receber e encaminhar ao DGP os documentos citados no item 6.1 desta Norma. 8.4 Do empregado a) preencher a Papeleta, de forma clara e objetiva, prestando veridicamente as informações solicitadas; b) traduzir a carta-convite ou carta de aceite, da instituição promotora do evento, e a carta de custeio da instituição custeadora; c) programar previamente a capacitação no seu projeto ou plano de ação, justificando-a, no caso de capacitação superior a 90 dias; d) encaminhar ao SRH de sua Unidade, 30 dias antes da data de início da viagem, toda a documentação requerida; e) representar dignamente o Brasil, por meio da Embrapa, na capacitação solicitada; f) após o evento, disseminar os conhecimentos adquiridos para os demais empregados da Unidade; g) encaminhar ao SRH o relatório de viagem e os comprovantes de embarque aéreo, no prazo de 30 dias após seu retorno, conforme item 6.1 desta Norma. 9

10 Anexo A TERMO DE COMPROMISSO E RESPONSABILIDADE DO EMPREGADO EM TREINAMENTO DE CURTA DURAÇÃO NO EXTERIOR COM PERÍODO SUPERIOR A NOVENTA DIAS Pelo presente TERMO DE COMPROMISSO E RESPONSABILIDADE, eu, (nome), (nacionalidade), (estado civil), residente e domiciliado (endereço completo), portador da Carteira de Identidade n.º, órgão expedidor, CPF, empregado(a) da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA, ocupante do cargo de, matrícula, tendo sido autorizado pela Embrapa para realizar treinamento de curta duração no exterior, com duração de ( ) dias, com início em / /, na (nome da instituição), em (cidade), (estado), (país), assumo, voluntariamente, de acordo com as normas que regem o processo de Treinamento de Curta Duração no Exterior da Embrapa, o compromisso de: 1) Não exceder o prazo para afastamento do País, autorizado pela Embrapa e publicado no DOU; 2) Cumprir o que determina o subitem 6.1 desta Norma; 3) Caso retorne antes do prazo autorizado, devolver à Embrapa o valor excedente despendido para o treinamento. 4) Ao final da capacitação, enviar relatório de atividades realizadas e, caso a viagem tenha sido custeada pela Embrapa, os comprovantes de embarque aéreo originais utilizados no afastamento do País.. Declaro ter conhecimento de que o não cumprimento dos itens anteriores, implicará na impossibilidade de participação em ações posteriores de capacitação de curta duração no exterior., de de Empregado(a): a) Nome: Matrícula: Assinatura: TESTEMUNHAS: a) (nome completo) (lotação) (matrícula) Assinatura: b) (nome completo) (lotação) (matrícula) Assinatura: 10

11 Anexo B RELATÓRIO DE VIAGEM AO EXTERIOR (Decreto , de 18/10/85, artigo 16) I. IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Nome: Cargo: Unidade de lotação: II. IDENTIFICAÇÃO DA VIAGEM Data de saída: / / Data de retorno: / /. País: Cidade: Instituição: Título do evento: Período do evento: / / a / /. Relatório em conjunto? Não Sim (citar os nomes) III. SÍNTESE DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 11

12 12

13 ANEXO C TABELA DE DIÁRIAS PARA VIAGENS DE CURTA DURAÇÃO NO EXTERIOR (em dólares norte-americanos) ESPECIFICIDADES DE PERÍODO 1 - Viagens com período igual ou inferior a 10 dias 2 - Viagens com período entre 11 e 30 dias 3 - Viagens com período entre 31 e 59 dias 4 - Viagens com período entre 60 e 89 dias 5 - Viagens com período igual ou superior a 90 dias VALORES ADICIONAL POR DIA DE VIAGEM De acordo com a tabela de diárias por grupos de países x cargos, considerando o valor multiplicado pelo número de dias. 10 dias serão pagos com valores de diárias definidos na tabela de diárias por grupos de países x cargos, considerando o valor multiplicado pelo número de dias, mais adicional de U$ 50.00, por dia, até o final do período de viagem. 10 dias serão pagos com valores de diárias definidos na tabela de diárias por grupos de países x cargos, considerando o valor multiplicado pelo número de dias, mais adicional de U$ 30.00, por dia, até o final do período de viagem. 10 dias serão pagos com valores de diárias definidos na tabela de diárias por grupos de países x cargos, considerando o valor multiplicado pelo número de dias, mais adicional de U$ 40.00, por dia, até o final do período de viagem. Receberão valor mensal equivalente ao auxílio acadêmico mensal referente aos estudos de doutorado no exterior, conforme o país do afastamento. Grupos Países Diretor Presidente Diretor Executivo Chefe Cargo Nível Superior Cargo Nível Médio 13

14 A Afeganistão, Albânia, Argélia, Armênia, Bangladesh, Belize, Benin, Bolívia, Botsuana, Burkina-Fasso, Burundi, Butão, Cabo Verde, Camarões, Chade, Comores, Congo, Costa do Marfim, Dominica,El Salvador, Equador, Eritréia, Etiópia, Fiji, Filipinas, Gâmbia, Granada, Guatemala, Guiana, Guiné-Conocri, Guiné Equatorial, Haiti, Honduras, Ilhas Marshall, Irã, Kiribati, Laos, Lesoto, Líbano, Libéria, Madagáscar, Malauí, Malf, Malta, Mauritânia, Micronésia, Moldávia, Mongólia, Mianmar, Nauru, Nepal, Nicarágua, Níger, Palau, Papua Nova Guiné, Paquistão, Paraguai, Quirguistão, Rep. Centro África, Rep. Democrática do Congo, Salomão, Samoa, São Cristóvão e Nevis, São Tomé e Príncipe, São Vicente e Granadinas, Serra Leoa, Sri Lanka, Suriname, Suazilândia, Tadjiquistão, Tanzânia, Togo, Tonga, Trinidad e Tobago, Tunísia, Tuvalu, Uganda, Vanuatu, Zâmbia, Zimbábue (Continua)

15 ANEXO C (continuação) B África do Sul, Angola, Antígua e Barbuda, Argentina, Austrália, Azerbaidjão, Barbados, Delarus, Bósnia-Herzegóvina, Bulgária, Camboja, Cazaquistão, Chile, Chipre, Colômbia, Coréia do Norte, Costa Rica, Croácia, Cuba, Djibuti, Egito, Eslováquia, Eslovênia, Estônia, Gabão, Gana, Geórgia, Guiné Bissau, Hungria, Iêmen, Índia, Iraque, Indonésia, Islândia, Iugoslávia, Jamaica, Jordânia, Letônia, Líbia, Lituânia, Macedônia, Malásia, Marrocos, México, Moçambique, Namíbia, Nigéria, Nova Zelândia, Panamá, Peru, Polônia, Quênia, Rep. Dominicana, Romênia, Ruanda, Santa Lúcia, Senegal, Síria, Somália, Sudão, Tailância, Timor Leste, Turcomenistão, Turquia, Ucrânia, Uruguai, Uzbequistão, Venezuela, Vietnã C Alemanha, Andora, Arábia Saudita, Áustria, Barein, Brunei, Bélgica, Canadá, Catar, Cingapura, China, Coréia do Sul, Dinamarca, Emirados Árabes, Espanha, Estados Unidos da América, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Israel, Itália, Kuaite, Liechtenstein, Luxemburgo, Maldivas, Maurício, Noruega, Omã, Países Baixos, Portugal, Reino Unido, Rep. Tcheca, Rússia, San Marino, Seichelles, Suécia, Suiça, Taiwan D Bahamas, Hong Kong, Japão, Mônaco

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A

L A E R T E J. S I L V A MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 )

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Legend # Entrance allowed by presenting Civil Identity Card * - Maximum stay of 90 days every 180 days For more informations: Phone: +55 11 2090-0970

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 Disciplina a concessão de Recursos do PROEX/CAPES para a participação

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 17. TABELA DE VISTOS Apresentamos a seguir uma tabela

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) MRE-DPR JANEIRO/2012

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771 RESOLUÇÃO Nº 001/2015 Dispõe sobre os critérios e valores de concessão e pagamento de auxílio financeiro a alunos para participação em eventos, cursos e trabalhos de campo. O Pró-Reitor de Extensão, da

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DA BAHIA

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DA BAHIA R E S O L U Ç Ã O N.º 007, DE 08 DE JUNHO DE 2009 Normatiza critérios e define procedimentos relativos a autorização de viagem, ao adiantamento de numerário e à prestação de contas com deslocamento à serviço

Leia mais

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart.

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Impressoras série 100 2 Impressora HP Photosmart 130 HP 57 HP Photosmart 100 HP 57 Impressoras

Leia mais

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771 EDITAL N 01/2015/Unifei/Proex, de 14 de janeiro de 2015. CHAMADA PÚBLICA PARA CONCESSÃO DE AUXÍLIO-EXTENSÃO PARA PARTICIPAÇÃO EM ATIVIDADES QUE ENVOLVEM COMPETIÇÕES TECNOLÓGICAS, EVENTOS ESPORTIVOS E CULTURAIS.

Leia mais

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 Sumário Introdução... 14 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 1.1.1. Brasões de Armas da África do Sul... 18 1.1.2. Brasão de armas e Botswana... 23 1.1.3. Brasão de armas do Lesoto...

Leia mais

Plano específico para a modalidade LDI (Longa Distância Internacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit.

Plano específico para a modalidade LDI (Longa Distância Internacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit. A. NOME DA EMPRESA Transit do Brasil S.A. B. NOME DO PLANO Plano Básico de Serviço LDI (Longa Distância Internacional). C. IDENTIFICAÇÃO PARA A ANATEL Plano Básico de Serviço LDI (Longa Distância Internacional).

Leia mais

PORTARIA nº 08/2013.

PORTARIA nº 08/2013. .1. PORTARIA nº 08/2013. NORMATIZA CRITÉRIOS E DEFINE PROCEDIMENTOS RELATIVOS À AUTORIZAÇÃO DE VIAGEM, AO PAGAMENTO DE NUMERÁRIO E À PRESTAÇÃO DE CONTAS COM DESLOCAMENTO À SERVIÇO DO CRMV-MG. O Presidente

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE DIÁRIA PARA PROFESSOR SERVIDOR FEDERAL E PROFESSOR COLABORADOR EVENTUAL, PASSAGEM AÉREA E HOSPEDAGEM

SOLICITAÇÃO DE DIÁRIA PARA PROFESSOR SERVIDOR FEDERAL E PROFESSOR COLABORADOR EVENTUAL, PASSAGEM AÉREA E HOSPEDAGEM SOLICITAÇÃO DE DIÁRIA PARA PROFESSOR SERVIDOR FEDERAL E PROFESSOR COLABORADOR EVENTUAL, PASSAGEM AÉREA E HOSPEDAGEM A solicitação é feita pelo curso a PROPESQ através de processo contendo o formulário

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

Índice. 1. Registro Contrato DCE... 3. Participante 2

Índice. 1. Registro Contrato DCE... 3. Participante 2 Índice 1. Registro DCE... 3 Participante 2 Registro de de Derivativo Contratado no Exterior Nome do Arquivo Tamanho do Registro 1. Registro DCE Caracteres: 1500 Header Seq Campo Formato Posição Conteúdo

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) RESOLUÇÃO N 13/2013, DE 06 DE AGOSTO DE 2013. Dispõe sobre a criação do Programa de Apoio à participação de discentes de graduação e pós-graduação em Eventos Cientificos, Tecnológicos, Esportivos, Culturais

Leia mais

Como não organizar todos os países do mundo?

Como não organizar todos os países do mundo? Como não organizar todos os países do mundo? A FIFA tem federações de 186 países independentes, de 19 regiões não independentes e das 4 regiões do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (abreviado

Leia mais

PORTARIA 007 DE 29 de Setembro de 2015

PORTARIA 007 DE 29 de Setembro de 2015 PORTARIA 007 DE 29 de Setembro de 2015 Altera a Portaria 003 de 14 de Maio de 2014, estabelece novas categorias de profissionais e regulamenta as diárias nacionais internacionais, seguindo os critérios

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

Simples. Conecta + 200. Conecta + 400. Conecta + 800

Simples. Conecta + 200. Conecta + 400. Conecta + 800 REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DO PLANO ALTERNATIVO LDI CSP81 Por este instrumento, em que fazem parte de um lado, DATORA TELECOMUNICAÇÕES LTDA, Prestadora do Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC, inscrita no

Leia mais

Consulta pública - Melhoria dos procedimentos para obtenção de um visto Schengen de curta duração

Consulta pública - Melhoria dos procedimentos para obtenção de um visto Schengen de curta duração Consulta pública - Melhoria dos procedimentos para obtenção de um visto Schengen de curta duração Nos últimos três anos obteve algum visto Schengen de curta duração? A Comissão está a rever os procedimentos

Leia mais

Registro de Contrato de Derivativo Contratado no Exterior... 3 1. Registro Contrato DCE... 3 2. Alteração de Contrato DCE...11

Registro de Contrato de Derivativo Contratado no Exterior... 3 1. Registro Contrato DCE... 3 2. Alteração de Contrato DCE...11 Versão: 21/11/2011 Conteúdo Registro de Contrato de Derivativo Contratado no Exterior... 3 1. Registro Contrato DCE... 3 2. Alteração de Contrato DCE...11 Participante 2 Registro de Contrato de Derivativo

Leia mais

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de (países ordenados por continente) Ásia Brunei 14 dias --- Camboja 30 dias c) --- Coreia do Sul 90 dias --- Filipinas 14 dias --- Indonésia

Leia mais

A) Lista dos países terceiros cujos nacionais devem possuir um visto para transporem as fronteiras externas. 1. Estados:

A) Lista dos países terceiros cujos nacionais devem possuir um visto para transporem as fronteiras externas. 1. Estados: Lista dos países terceiros cujos nacionais estão sujeitos à obrigação de visto para transporem as fronteiras externas e lista dos países terceiros cujos nacionais estão isentos dessa obrigação A) Lista

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

Índice. 1. Registro de Cliente Não Residente...3 2. Registro Contrato DVE...7. Participante 2

Índice. 1. Registro de Cliente Não Residente...3 2. Registro Contrato DVE...7. Participante 2 Índice 1. Registro de Cliente Não Residente...3 2. Registro Contrato DVE...7 Participante 2 Títulos do Agronegócio Nome do Arquivo Tamanho do Registro 1. Registro de Cliente Não Residente Caracteres: 453

Leia mais

ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO

ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO Documento atualizado em 20/12/2013. O Programa de Fomento à Pesquisa 2014 oferece aos estudantes regularmente matriculados nos cursos de pós-graduação da UFRGS (mestrado acadêmico,

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

VIAGEM - INFORMAÇÕES IMPORTANTES VISTO. Muitos paises exigem o visto para o brasileiro, segue tabela:

VIAGEM - INFORMAÇÕES IMPORTANTES VISTO. Muitos paises exigem o visto para o brasileiro, segue tabela: Associação Paulista do Ministério Público VIAGEM - INFORMAÇÕES IMPORTANTES Para que não haja nenhum imprevisto em sua Viagem, segue algumas dicas para viagens nacionais e internacionais, pois cada país

Leia mais

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 1. Do objeto: O Ministério das Relações Exteriores (MRE), por intermédio do Departamento Cultural (DC), a Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Central de Atos TJMG Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Sumário 1 Introdução... 3 2 O modelo de arquivo... 3 3 Tabelas... 5 3.1 PAPEIS DA PARTE... 5 3.2 TIPO DE ATO... 5 3.3 PAÍSES... 6 1 Introdução

Leia mais

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes,

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, passa a pagar 0,080. Notas: Este tarifário é taxado

Leia mais

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015 Uzo Sempre 8 Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,085 SMS Todas as redes nacionais 0,085 MMS Todas as redes nacionais 0,590 Todas as redes nacionais - Video 0,790 Dados Internet

Leia mais

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA.

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA. Quem programa o quê? ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA BOTSWANA CABO VERDE EGIPTO GUINÉ-BISSAU LÍBIA MARROCOS MAURÍCIAS MOÇAMBIQUE NAMÍBIA QUÉNIA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SENEGAL SEYCHELLES SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA

Leia mais

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. em vigor a partir de 1/2/2013 1. preço por minuto / Destino. sms / mms

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. em vigor a partir de 1/2/2013 1. preço por minuto / Destino. sms / mms em vigor a partir de 1/2/2013 1 / Benfica Telecom sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,185 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,082 SMS Todas as redes nacionais 0,093 SMS (tarifa reduzida)

Leia mais

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS/Internet Voz Todas as redes nacionais 0,186 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,140 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim VISTOS CONSULARES - Você vai para o exterior? Uma das primeiras providências a ser tomada é procurar saber se o país de seu destino exige visto no passaporte junto à embaixada ou ao consulado para permitir

Leia mais

DIRETORIA DE PROGRAMAS COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS CGPE EDITAL CAPES/MEC E SECEX/MDIC Nº 19/2009 PRÓ-COMEX

DIRETORIA DE PROGRAMAS COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS CGPE EDITAL CAPES/MEC E SECEX/MDIC Nº 19/2009 PRÓ-COMEX Instruções para Apresentação de Projetos do Programa de Apoio ao Ensino e à Pesquisa em Desenvolvimento e Promoção do Comércio Exterior PRÓ-COMEX C A P E S DIRETORIA DE PROGRAMAS COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA Representação organizacional da ABC O Mandato da ABC Negociar, aprovar, coordenar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 SISTEMA MONETARIO MUNDIAL MOEDAS A SEREM EMITIDAS EM CADA PAÍS ARTIGO 42º Capítulo -1º QUANTIDADE DE NOVAS MOEDAS VALOR POR PAÍS 42-1- 1º - A partir da data da promulgação da Constituição Mundial pela

Leia mais

DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS)

DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS) PT (115) DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS) Este documento tem o propósito de informar rotarianos sobre opções de pagamento e dados necessários para recebimento de fundos do Rotary. Consulte a lista

Leia mais

MRE ABC CGRM CGPD CGRB

MRE ABC CGRM CGPD CGRB 1 Organograma da ABC MRE ABC CGRM CGPD CGRB 2 Competências da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Inscrição de. Peregrinos. Jornada Mundial da Juventude

Inscrição de. Peregrinos. Jornada Mundial da Juventude Inscrição de Peregrinos Jornada Mundial da Juventude Bem-vindos à JMJ Rio2013 Em breve serão abertas as inscrições para a JMJ Rio2013. Organize seu grupo! A pouco menos de um ano para o início da JMJ Rio2013

Leia mais

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. Tarifário 2012 1. preço por minuto / Destino. sms / mms Voz Todas as redes nacionais

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. Tarifário 2012 1. preço por minuto / Destino. sms / mms Voz Todas as redes nacionais Tarifário 2012 1 / Benfica Telecom sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,18 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,08 SMS Todas as redes nacionais 0,09 SMS (tarifa reduzida) Todas as redes

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE

Leia mais

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL Organograma da ABC O Mandato da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação técnica

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 Caro Participante, Seja bem-vindo ao Programa de intercâmbio de estágio oferecido mundialmente pela IAESTE! Leia atentamente este manual. Ele contém todas as

Leia mais

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA 1. Canadá 2. Comunidade da Austrália 3. Estado da Líbia 4. Estados Unidos da América 5. Federação Russa 6. Japão 7. Reino da Arábia Saudita 8. Reino

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 81/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 539/2001 DO CONSELHO de 15 de Março de 2001 que fixa a lista dos países terceiros cujos nacionais estão sujeitos

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA. Organograma da ABC. Cooperação Técnica Brasileira

COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA. Organograma da ABC. Cooperação Técnica Brasileira COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA Organograma da ABC 1 O Mandato da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação técnica

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado No âmbito de apólices individuais África do Sul 1 Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Barein Benim Brasil 1 Cabo Verde Camarões Chile China 2 Garantia bancária (decisão casuística). Caso a caso. Garantia

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

Índice de desenvolvimento humano

Índice de desenvolvimento humano 1Monitorizar o desenvolvimento humano: aumentar as escolhas das pessoas... Índice de desenvolvimento humano a DESENVOLVIMENTO HUMANO ELEVADO Valor do índice de desenvolvimento humano (IDH) Esperança de

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO

CATEGORIA: POPULAÇÃO PRISIONAL CATEGORIA: PERFIL DO PRESO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL DIRETORIA DE POLÍTICAS PENITENCIÁRIAS SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS ESTÁTÍSTICA SUSEPE - SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Algumas nacionalidades estão EXIGINDO visto TRÂNSITO (consultar)

Algumas nacionalidades estão EXIGINDO visto TRÂNSITO (consultar) VISTOS AFEGANISTÃO: não tem representação no Brasil Washington, DC USA / tel. (00xx1202) 483-6410 / fax (00xx1202) 483-6488 ÁFRICA DO SUL - brasileiro NÃO necessita DE VISTO, mesmo de trânsito até 90 dias.

Leia mais

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio.

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio. SISTEMAS DE TV MUNDIAIS Países diferentes usam sistemas de TV diferentes. A diferença entre estes sistemas reside em parte na forma como a informação do sinal de cor é modulada com a informação de luminosidade

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Dispositivo Universal de Enchimento e Teste FPU-1 para acumuladores de bexiga, pistão e membrana

Dispositivo Universal de Enchimento e Teste FPU-1 para acumuladores de bexiga, pistão e membrana Dispositivo Universal de Enchimento e Teste FPU-1 para acumuladores de bexiga, pistão e membrana 1. DESCRIÇÃO 1.1. FUNCIONAMENTO O dispositivo de enchimento e teste HYDAC FPU-1 é utilizado para carregar

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Desenvolvimento da Rede de Instituições Federais de Ensino Superior DIFES

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Desenvolvimento da Rede de Instituições Federais de Ensino Superior DIFES Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Desenvolvimento da Rede de Instituições Federais de Ensino Superior DIFES EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 03 DE 05 DE ABRIL DE 2013 PROCESSO

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

Instruções de Preenchimento Complementares do DLO 2061 Adicional de Capital Principal Março/2016

Instruções de Preenchimento Complementares do DLO 2061 Adicional de Capital Principal Março/2016 Instruções de Preenchimento Complementares do DLO 2061 Adicional de Capital Principal Março/2016 SUMÁRIO I Objetivo 02 II Orientações Gerais 02 III Orientações Gerais Sobre o Arquivo XML 02 IV Orientações

Leia mais

MANUAL DE VISTOS CONSULARES

MANUAL DE VISTOS CONSULARES MANUAL DE VISTOS CONSULARES OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Documentação solicitada é para passaporte brasileiro. Passaporte sempre com validade superior a 06 meses. Fotos novas sempre no máximo 06 meses. Assinatura

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015)

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015) Boletim Econômico (Agosto 2015) I. Movimentação Portuária As estatísticas de movimentação portuária, publicada pela ANTAQ, referente ao primeiro trimestre de 2015 mostram que os portos organizados e os

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes BLOCOS ECONÔMICOS Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes Blocos Econômicos Introdução Os blocos econômicos surgiram da necessidade de desenvolver a economia de determinados

Leia mais

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010 Exportação Brasileira de Laranjas por País de Destino 2010 ESPANHA 5.293.450 12.795.098 PAISES BAIXOS (HOLANDA) 4.669.412 10.464.800 REINO UNIDO 2.015.486 5.479.520 PORTUGAL 1.723.603 3.763.800 ARABIA

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

NORMA DE VIAGEM NOR-201

NORMA DE VIAGEM NOR-201 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO COD. 200 ASSUNTO: VIAGENS NACIONAIS E INTERNACIONAIS COD: NOR-201 APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 216, de 28/05/2012 NORMA DE VIAGEM NOR-201 1/28 ÍNDICE 1. FINALIDADE... 02 2. ÁREA

Leia mais

Informação geral sobre o visto Schengen (atualizada 15/12/2008)

Informação geral sobre o visto Schengen (atualizada 15/12/2008) Visto de entrada gratuito Informação geral sobre o visto Schengen (atualizada 15/12/2008) Cidadãos da União Européia (UE), de países membros da Área Econômica Européia (AEE) e dos seguintes países 1 podem

Leia mais

05 PASSES AÉREOS 1 TARIFA DE CIRCUITO. Atualizado em 23/03/12

05 PASSES AÉREOS 1 TARIFA DE CIRCUITO. Atualizado em 23/03/12 05 PASSES AÉREOS 1 TARIFA DE CIRCUITO Atualizado em 23/03/12 CONDIÇÕES GERAIS Válidos em Cabine Econômica Os passes são calculados por cupons, milhas ou valores fixos Comprar o ticket internacional e o

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Políticas e Programas de Graduação - Dipes

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Políticas e Programas de Graduação - Dipes Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Políticas e Programas de Graduação - Dipes EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 13, DE 30 DE ABRIL DE 2015 PROCESSO SELETIVO 2016 PARA

Leia mais

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010 Lisboa. Portugal International Trade Fair for Portuguese Food and Beverage Salão Internacional do Sector Alimentar e Bebidas 22/23/24 Fevereiro 2010 EDITION EDIÇÃO #1 Descubra um mundo de sensações O maior

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

Business 2007. Fazendo negócios 2007. Como reformar. COMPARANDO A REGULAMENTAÇÃO EM 175 ECONOMIAS Doing

Business 2007. Fazendo negócios 2007. Como reformar. COMPARANDO A REGULAMENTAÇÃO EM 175 ECONOMIAS Doing COMPARANDO A REGULAMENTAÇÃO EM 175 ECONOMIAS Doing Business 2007 Fazendo negócios 2007 Como reformar Uma co-edição do Banco Mundial, da International Finance Corporation e da Editora Nobel Sumário Doing

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

ADVERTÊNCIAS SANITÁRIAS NAS EMBALAGENS DE CIGARROS

ADVERTÊNCIAS SANITÁRIAS NAS EMBALAGENS DE CIGARROS SETEMBRO DE 2014 ADVERTÊNCIAS SANITÁRIAS NAS EMBALAGENS DE CIGARROS RELATÓRIO SITUACIONAL INTERNACIONAL QUARTA EDIÇÃO ADVERTÊNCIAS SANITÁRIAS IMPRESSAS E MAIORES: A CRESCENTE TENDÊNCIA GLOBAL Este relatório,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

"# $%%& ' ( $) $%%& * +! , -..

# $%%& ' ( $) $%%& * +! , -.. ! "# $%%& ' ( $) $%%& * +!, -.. Emissões de CO 2-1994 Queima de Combustíveis Indústria 7% Queima de Combustíveis Transporte 9% Queima de Combustíveis Outros Setores 6% Emissões Fugitivas 1% Processos Industriais

Leia mais

Programa de Incentivo para Bancos em Países Emergentes Perguntas & Respostas Janeiro de 2016

Programa de Incentivo para Bancos em Países Emergentes Perguntas & Respostas Janeiro de 2016 Programa de Incentivo para Bancos em Países Emergentes Perguntas & Respostas Janeiro de 2016 1. O que é o Programa de Incentivo para bancos em Países Emergentes? O Programa de Incentivo para Bancos em

Leia mais