Osvaldo Nunes Alves. Terceirização de Serviços na Administração Pública

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Osvaldo Nunes Alves. Terceirização de Serviços na Administração Pública"

Transcrição

1 Osvaldo Nunes Alves Terceirização de Serviços na Administração Pública 1. Introdução. 2. O que é terceirização. 3. A terceirização e a administração pública. 4. Terceirização e o Direito do Trabalho. 5. Vantagens e Desvantagens da Terceirização. 6. Considerações Finais. Referências Bibliográficas. Introdução A terceirização de serviços na Administração Pública tem crescido assustadoramente nos últimos anos. Seu crescimento deve-se em parte à necessidade de redução dos quadros de pessoal do Estado. Em função disto, a terceirização utilizada pelo governo apresenta uma característica peculiar que a distingue da terceirização privada. Ocorre que o arcabouço legislativo não abarca todas as formas de terceirização. O Poder Executivo dispõe do Decreto nº 2.271/97 que menciona as atividades que podem ser terceirizadas. Os demais poderes continuam sem regulamentação, recorrendo, quando necessário, aos Termos de Ajuste de Conduta. Tema controverso, a terceirização tem sido cada vez mais, discutida não só por aqueles que fazem parte da administração pública, mas também por estudiosos e interessados nas relações trabalhistas entre a administração pública que contrata e a empresa contratada para fornecer a mão-de-obra terceirizada. Alguns críticos da terceirização vêem-na com um instituto que possibilita a burla, pelo contratante, da obrigatoriedade da realização de concurso público. Atualmente vive-se sob o paradigma da globalização que, de uma forma ampla, pode-se definir como um processo de interligação e interdependência nos campos políticos e econômicos, principalmente. Tal acontecimento tem mudado drasticamente os padrões da sociedade contemporânea, provocando transformações na economia mundial através de uma crescente ocorrência nas terceirizações. 1

2 A terceirização juntamente com a terciarização são fatos de extrema importância para o bom funcionamento da economia mundial globalizada. A terciarização, aumento da participação do setor terciário no sistema produtivo, acarreta um acréscimo nos casos de subcontratação; ou seja, a transferência de atividades impróprias para terceiros é cada vez mais evidente por causa da crescente necessidade de prestadores de serviços. Há um grande questionamento do momento da origem de tal costume. Alguns afirmam que a externalização de atividades começou a ser praticada durante a Segunda Guerra Mundial, quando a excessiva procura por materiais bélicos desencadeou uma concentração na produção e que, para isso, foi delegado a outrem serviços secundários. Outros afirmam que seu início coincidiu com o surgimento do primeiro desempregado, que provavelmente necessitou vender sua força de trabalho a fim de manter um meio de sustento. Karl Marx, durante a sua defesa e sistematização do socialismo, já apontava e criticava este comportamento capitalista através do conceito de mais-valia, onde a obtenção dos lucros partia da exploração da mão-de-obra e era gradualmente reforçada pela detenção dos meios de produção, que agiam como instrumento de manipulação e controle de trabalhadores. No Brasil também há uma espécie de dúvida quanto ao início exato da terceirização. A primeira noção desta conduta veio com a abertura do mercado interno às multinacionais na década de 1950 que, influenciadas pelas recentes tendências industriais (taylorismo e toyotismo), focalizavam os objetivos e princípios da empresa e convergiam todos os esforços para o êxito do negócio. Contudo, percebe-se que a crise de 1929 ocasionou no Brasil um processo bastante semelhante: cafeicultores que viram como única saída para o problema o investimento do restante de seu capital em indústrias empregaram terceiros para execução de tarefas secundárias no intuito de poupar a verba destinada a mão-de-obra. O Projeto de Lei nº1347, do Deputado João Alves, que posteriormente converteu-se na Lei nº6019/74, apresentava como justificativa o fato do conjunto de trabalhadores temporários ser representado por indivíduos que não dispõem de tempo integral para um emprego regular; que encontram dificuldade em encontrar um emprego fixo por causa da idade, principalmente; que ainda não decidiram sua profissão definitiva e desempenham várias atividades a procura do emprego ideal e permanente; e, implicitamente, por pessoas que desejam aumentar seus rendimentos. A terceirização é, portanto, uma iniciativa presente no mundo globalizado e industrializado, reforçando a idéia que o setor terciário encontra-se no seu momento mais próspero; e, o contágio gradativo desta atitude do setor privado para a Administração Pública fundamenta este novo pensamento. O que é Terceirização A Terceirização ocorre quando uma empresa contrata outra para executar parte ou um todo da sua atividade. É uma descentralização de serviços, mediante contrato, em que a empresa contratada oferece a mão-de-obra objeto do contrato pactuado entre as partes. Segundo alguns autores, a Terceirização surgiu no Brasil na década de 50, por 2

3 iniciativa de empresas privadas que, buscando reduzir custos de seus produtos e aumentar a competitividade com as empresas estrangeiras, contratavam serviços ou produtos de outra empresa que se especializava exclusivamente nesta ou naquela atividade com o fito de melhor servir aos seus contratantes. Na concepção de Sergio Pinto Martins a terceirização é uma possibilidade de contratar terceiro para a realização de atividades que não constituem o objeto principal da empresa. A contratação pode envolver tanto a produção de bens como serviços, visando não só a redução de custos bem como também maior agilidade, flexibilidade e competitividade à empresa. No serviço público a terceirização é uma forma de contratação de empresa prestadora de serviço, fornecedora de bens, serviços ou mão-de-obra para o desempenho de atividades que originalmente eram desenvolvidas pela empresa terceirizante.¹ É um instrumento utilizado pela administração pública para reduzir ou suprimir a participação do Estado em atividades não-essenciais, buscando diminuição dos gastos públicos, aumento da qualidade e maior eficiência da máquina administrativa. A terceirização é, pois, a descentralização de serviços da atividade-meio da administração pública para uma empresa privada que os executará como sua atividadefim. Alguns críticos da terceirização vêem-na com um instituto que possibilita a burla pelo contratante, da obrigatoriedade da realização de concurso público. De fato: se o órgão terceirizante alocar o pessoal contratado em atividade-fim, estará desviada a finalidade da contratação e, por conseqüência, incursa em irregularidade. Há, entretanto, estudiosos que defendem a terceirização da atividade-fim. É o caso de Sérgio Pinto Martins que diz não se poder afirmar, entretanto, que a terceirização deva restringir-se a atividade-meio. A questão passa pela definição do que é atividade-fim e atividademeio dentro do órgão terceirizante. Por vezes, a identificação parece difícil ou confusa levando o gestor, ainda que bem intencionado, a um iminente risco de erro. A Terceirização e a Administração Pública Novas formas de gestão política e econômica manifestaram-se durante as últimas décadas, destacando-se o neoliberalismo, que propunha a retomada dos princípios liberalistas adaptados às medidas econômicas modernas. Assim, até o início do século XX, houve um Estado centralizador, abrangente e partidário; entretanto, após a crise do capital da década de 1970, surgiram questionamentos quanto ao papel do Estado nas relações econômicas, prevalecendo, ao final, a idéia de Estado Mínimo. Deste modo, surgiram duas vertentes principais: a limitação da participação do Estado nas atividades econômicas e a terceirização das atividades não-produtivas, mesmo que públicas. Portanto, a possibilidade de transferir atividades secundárias a outras pessoas mais competentes pareceu bem mais lucrativa ao Estado, que poderia reduzir o déficit estatal através da diminuição de custos. Todavia, houve uma necessidade de organizar ¹Zymler, Benjamin. Contratação Indireta de Mão-de-Obra Versus Terceirização; Revista do Tribunal de Contas da União nº 75, jan/mar

4 normas jurídicas reguladoras para evitar casos de corrupção; afinal, a possível terceirização de mão-de-obra favoreceria o nepotismo e as nomeações públicas, contrariando a legislação trabalhista. Baseado no inciso XX do art. 37 da Constituição, que afirma que: [...] Pela vigente ordem constitucional, em regra, o acesso aos empregos públicos opera-se mediante concurso público, que pode não ser de igual conteúdo, mas há de ser público. As autarquias, empresas públicas ou sociedades de economia mista estão sujeitas à regra, que envolve a administração direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios [...] ; conclui-se que o concurso público é exigido em todas as fundações e empresas ligadas ao governo. Com isso, surgem diversas indagações quanto à licitude da terceirização, que só foi estabelecida no Decreto-Lei 200/67 art. 10, 7º, de 25/02/1967, nas dadas condições: Capítulo III da descentralização Art.10. A execução das atividades da Administração Federal deverá ser amplamente descentralizada. 7º. Para melhor desincumbir-se das tarefas de planejamento, coordenação, supervisão e controle e com o objetivo de impedir o crescimento desmesurado da máquina administrativa, a administração procurará desobrigar-se da realização material das tarefas executivas, recorrendo, sempre que possível, à execução indireta, mediante contrato, desde que exista, na área, iniciativa privada suficientemente desenvolvida e capacitada a desempenhar os encargos da execução. Ao propor a descentralização, a norma tinha a intenção de evitar que a máquina se agigantasse descontroladamente e que, desincumbida das atividades acessórias, desenvolvesse suas atividades-fim com eficiência, eficácia e economicidade. Assim, finalmente, tornou-se incontestável a possível substituição do Estado pela entidade privada em atividades acessórias. Posteriormente, a Lei nº 5.645/70 veio especificar, minuciosamente, as funções que poderiam ser exercidas por terceirizados na Administração Pública. Com a regulamentação desse processo, vieram as obrigações dos órgãos públicos, que vão desde a escolha da empresa prestadora de serviço à fiscalização destas quanto ao cumprimento da lei trabalhista. Inicialmente, para a escolha da empresa e obtenção de menor custo, abre-se licitação a fim de estudar detalhadamente cada possibilidade. Nesta etapa, verifica-se se os funcionários que irão exercer os ofícios delimitados têm todos os direitos trabalhistas respeitados. Para isso, o órgão pode organizar uma comissão para inspecionar documentos e dados da empresa na tentativa de assegurar a legitimidade das informações. Desse modo, caminha-se para o fechamento de contrato segundo a concessão, permissão ou autorização. De acordo com o inciso II, do art. 2º da Lei nº 8.987/95, concessão de serviço público é a delegação de sua prestação, feita pelo poder concedente segundo licitação, na modalidade de concorrência, a pessoa jurídica ou consórcio de empresas que demonstre capacidade para seu desempenho, por sua conta e risco e por prazo 4

5 determinado; ou seja, concessão é um acordo administrativo onde o Estado passa a outrem a realização de obra pública de modo que este feito seja de total responsabilidade da empresa escolhida. Normalmente, o capital destinado ao pagamento deste serviço está diretamente relacionado com os possíveis lucros provenientes desta obra. Permissão, por outro lado, é um pacto administrativo parcial, arbitrário e gratuito, por tratar-se de um serviço que exigiria um enorme gasto público. E, finalmente, autorização partiria do mesmo princípio da permissão, com o diferencial da delegação do serviço ao particular de exploração. O desrespeito de qualquer uma dessas normas implica, para o órgão público, em anulação do contrato, punição da autoridade responsável e multa. Já a empresa privada é punida com o fim do contrato e com a retenção de 11% de seu faturamento. Este preceito é válido também para os órgãos que passam a ver a terceirização como um substituinte dos concursos públicos, sendo fundamental lembrar que os concursos públicos continuam sendo exigidos em caso de contratação de mão-de-obra destinada a atividade-fim. Aos órgãos que descumpriram a finalidade da terceirização, descentralizando serviços característicos de suas atividades próprias do quadro, o Tribunal de Contas da União determinou a substituição dos servidores terceirizados por outros aprovados em concurso público. O motivo por tamanha incidência de irregularidades quanto aos terceirizados se deve pelo fato que a dependência das parcerias se tornou tão intensa que o cumprimento exato e total da lei poderia provocar uma interrupção no funcionamento do Estado. Assim sendo, a única solução encontrada foi a negociação que resultou em uma meta anual de trocas por funcionários concursados. Torna-se necessário, por fim, expor a origem de tais atitudes. Segundo o Decreto nº 2.271/97, aplicável à administração direta, autárquica e fundacional, a terceirização é legítima desde que não implique a execução de atividades inerentes aos quadros próprios dessas entidades. Terceirização e o Direito do Trabalho Antes de qualquer coisa, é de fundamental importância recordar que esta conduta surgiu, essencialmente, para corroborar o progresso aliado a manutenção das conquistas sociais; em razão disso, a Justiça do Trabalho, em busca da garantia do cumprimento pleno dos direitos trabalhistas, revisou a jurisprudência ora consolidada a fim de produzir o enunciado 331 que revela os seguintes termos: Enunciado nº331: Contrato de Prestação de Serviços Legalidade TST - Revisão do Enunciado nº256 5

6 I A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo nos casos de trabalho temporário (Lei nº6019, de 03/ 01/ 1974). II A contratação irregular de trabalhador, através de empresas interposta não gera vínculo de emprego com os órgãos da Administração Pública Direta, Indireta ou Fundamental (art.37, II, da Constituição da República). III Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância (Lei 7102 de 20/ 06/ 1983), de conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados ligados a atividade meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta. IV O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica na responsabilidade subsidiária do tomador do serviço quanto àquelas obrigações, desde que tenha participado da relação processual e conste também do título executivo judicial. (Res. nº23, de 17/ 12/ 1993 DJU de 21/ 12/ 1993). Desse modo, passaram a admitir as freqüentes relações terceirizadas aliadas às regras trabalhistas, visando um suposto princípio de igualdade e eliminação da diferença entre trabalho intelectual, mecânico e manual. Maurício Godinho Delgado analisa esta medida da seguinte forma: Para o Direito do Trabalho, a terceirização é o fenômeno pela qual se dissocia a relação econômica de trabalho da relação justrabalhista que lhe seria correspondente. Por tal fenômeno insere-se o trabalhador no processo produtivo do tomador de serviços sem que se estendam a este os laços justrabalhistas, que se preservam fixados com uma atividade interveniente.. É igualmente importante salientar que a terceirização não pode ferir preceitos da Declaração Universal dos Direitos do Homem nem Constituição, que asseguram a dignidade da pessoa humana. O autor anteriormente citado ressalta dois aspectos sob os quais esta dignidade deve ser tratada: Enquanto ser social, a pessoa humana tem assegurada por este princípio iluminador e normativo não apenas a intangibilidade de valores individuais básicos, como também um mínimo de possibilidade de firmação no plano comunitário circundante. ; isto é, o empregado deve ser considerado sob aspecto social e econômico, uma vez inserido em ambos os ramos. Uma prática ilícita frequentemente realizada é a imposição direta de demissão para admissão na nova empresa, quando há troca de prestadoras. O prejuízo deriva da perda de aviso prévio e outras perdas indiretas. Apesar disso, este comportamento é continuadamente repetido por causa da necessidade de se manter o emprego. Para finalizar, é de extrema importância mencionar que todo este processo ocorre perante fiscalização; onde os fiscais trabalhistas verificam as condições de trabalho baseados na Instrução Normativa nº7/90. Encontra-se lá todos os requisitos necessários para uma contratação legal e com o aval do Ministério Público do Trabalho. Vantagens e Desvantagens da Terceirização Se há algum preceito incontestável conhecido pelo ser humano é, certamente, que toda decisão, por mais correta e sensata que possa parecer, ocasiona uma perda; ou seja, para todo bônus há um ônus. Entretanto, as decisões tornam-se bem mais complexas quando envolve verba pública; afinal, os efeitos oriundos dessa opção afetarão uma grande quantidade de contribuintes. Por este motivo, quando se trata de 6

7 terceirização associada ao serviço público, as vantagens e desvantagens resultantes devem ser ponderadas exaustivamente. A primeira vantagem vista pode parecer um pouco bem óbvia; contudo, questões muito evidentes podem ocultar as mais diversas interpretações; exigindo explanações detalhadas. Assim, afirmam que a terceirização soluciona parte do problema da falta de pessoal provocada pelo contingenciamento de verbas do governo federal. Certamente, haverá aquele que argumentará que o servidor concursado e respaldado pela lei poderia prontamente preencher a vaga. No entanto, a burocracia envolvida em todo processo de negociação (dificuldade em conseguir autorização do Ministério do Planejamento e certas dúvidas jurídicas relacionadas ao regimento de contratação) destes novos funcionários causa um excessivo atraso no desempenho dos organismos públicos; isto é, a falta de servidores terceirizados poderia causar uma parada na realização do ofício público. Por outro lado, uma profunda reflexão levaria qualquer expectador atento a concluir que o Estado tornar-se-ia dependente dos serviços privados e a condição de subordinado não é confortável para o governo, que estaria sujeito há contestação sem possibilidade de réplica. Além disso, fundamentando-se na mesma premissa, nota-se um ponto controverso que necessita esclarecimento. Funcionários terceirizados não podem substituir os concursados em atividades especializadas e, caso seja feito, é considerado pelo TCU como um suposto drible na legislação; visto que esta garante que os servidores públicos devem ser admitidos por concursos públicos, salvo ocupações mencionadas na Lei nº 5.645, de Destarte, geralmente, o proveito revela-se muito mais glorioso quando atinge um vasto número de indivíduos. Assim sendo, estatísticas apontam que a subcontratação é uma das principais responsáveis pelo emprego formal do País, gerando mais de 1,5 milhão de empregos diretos e com cerca de 25% de seu faturamento retido na fonte; o que permite a todos concluir que ainda há uma ampla possibilidade de crescimento e aumento na criação de mais empregos. Esta informação relaciona-se perfeitamente com a realidade, onde a força de trabalho assalariada raramente está amparada por um simples contrato por conta dos altos custos dos encargos trabalhistas. Por isso, deduziram que é muito mais prudente transmitir tal responsabilidade às sublocadoras. Ademais, este episódio contribui diretamente para a redução no preço final do produto; afinal de contas, a empresa não terá mais despesas trabalhistas, o que diminui o custo da produção. Não obstante, este fato prejudica diretamente uma das maiores conquistas da sociedade: a democracia. A transferência das responsabilidades trabalhistas para uma empresa particular de certa forma restringe as reivindicações laboristas e o resultado é uma classe operária insatisfeita e inconformada; afinal, caso eles tentassem, eventualmente, requerer alguma melhoria, seriam, tranqüilamente, substituídos por outros que facilmente contentar-se-iam com a suposta oportunidade. Um benefício análogo ao anterior é o aumento da quantidade de micro, pequenas e médias empresas, motivado pela renovação e intensificação das atividades do setor 7

8 terciário. Todavia, falhas e fracassos são riscos constantes e fazem parte de qualquer incumbência. No âmbito da parceria, essa realidade dificulta as negociações de todas as empresas prestadoras de serviço; ou seja, o desastre de alguns gera um prejuízo na imagem de todos, depreciando a imagem geral do setor. Conquanto um desmedido desconto na produção seja bem lucrativo para o empresário e favorável para o consumidor, as condições as quais ele é obtido devem ser examinadas cautelosamente. Profissionais gananciosos não avaliam os efeitos de suas resoluções no momento em que optam por companhias terceirizadas mais baratas e inferiores. Tais contratações irresponsáveis afetam a qualidade do serviço e, indiretamente, a qualidade do produto final; desconsiderando o prejuízo dos operários, sofredores com a inadimplência constantemente presente em empresas fraudulentas. A Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviço de Limpeza e Conservação (FEBRAC) afirma que a negligência na fiscalização das companhias citadas é injustificável e que parte da culpa é dos contratantes satisfeitos com a escassez de dados referentes às sublocadoras. Esta última informação é totalmente previsível, visto que é de conhecimento geral que raramente a culpa pertence a apenas uma das partes envolvidas na negociação e que tudo iniciou por causa da ambição excessiva do contratador. Maquiavel já profetizava esta dedução em sua mais próspera obra por intermédio do seguinte pensamento: A primeira conjectura que se faz da inteligência de um senhor baseia-se no exame dos homens que ele tem à sua volta. Quando são capazes e leais, pode-se considerar sábio, pois soube reconhecê-los capazes e mantêlos leais. Mas quando são de outro modo, pode-se sempre fazer um mau juízo dele, pois o primeiro erro, ele o fez nesta escolha.. No campo social, pode-se asseverar que a terceirização age como objeto de exclusão social e discriminação; uma vez que a contratação e remuneração diferenciada para funções e cargos equivalentes desenvolvem comparações inevitáveis entre temporários e efetivos, gerando supostos status dentro da empresa. Observe a desigualdade no tratamento e o preconceito manifestado no seguinte relato: Os terceirizados sempre receberam menor remuneração, e têm condições de trabalho muito inferiores às dos empregados da Petrobrás. Os banheiros e vestiários colocados à disposição deles são de baixa higiene e qualidade. O transporte é feito em condições mínimas de atendimento. Apenas no último ano, a Reduc disponibilizou as instalações do seu restaurante para os empregados terceirizados. Isto só foi possível devido à redução do efetivo próprio.. Com o testemunho dado, a intolerância oficializada e a falta de igualdade de possibilidades são perfeitamente ilustradas, eliminando todo e qualquer resquício de dúvida ou descrença. Outro efeito social prático é a alienação. Segundo a doutrina do filósofo alemão Hegel, a alienação causa ao indivíduo uma percepção do mundo indiferente à consciência e sua composição é feita por coisas independentes umas das outras. Este processo sucede com alguns dos funcionários temporários, que não mais conseguem perceber o todo, apenas partes soltas e sem algum significado ou importância. Ou até mesmo, segundo o marxismo, seria uma situação presente no sistema capitalista, onde o trabalho é feito de modo separado do interesse e do conhecimento do operário; assim, ao final da produção, o trabalhador não tem consciência nem condições de acesso àquilo que produziu. Muitos empregados sublocados não sabem o que a empresa onde trabalham produz. 8

9 Um ponto positivo igualmente merecedor de destaque é o aumento da eficiência empresarial com maior versatilidade e agilidade nas deliberações administrativas, proporcionando uma maior dedicação à atividade fim. Ao concentrar sua atenção nos possíveis resultados desta disposição, verá que a mais importante e evidente é a melhoria da qualidade dos produtos, agora que há mais cuidado e atenção centrados neste propósito. No entanto, o outsourcing lida com um aspecto bem íntimo e delicado da sociedade moderna: a violação de sigilos bancário e fiscal. Já houve casos de terceirizados nesse campo que, desonestamente, revelaram senhas e dados secretos a pessoas desautorizadas. Casos assim induzem a população a refletir se este setor deveria aceitar temporários, já que não há nenhuma garantia da índole de cada empregado; como trata o Decreto-lei nº1.034, de 21 de outubro de Esta polêmica leva a uma desconfiança doentia e real; pois, quem irá querer se expor a tal risco? Outro setor que constantemente sofre por causa de preocupações e danos freqüentes é o setor tributário. Como todos, os trabalhadores também lutam por aquilo que acreditam ser mais lucrativo e proveitoso a eles; por isso, alguns terceirizados constantemente sonegam impostos ao declararem serem do quadro fixo de funcionários. O motivo por tal conduta é simples e compreensível: servidores contratados possuem certos benefícios que não são concedidos aos temporários, como a dispensa fiscal do ISS (Decreto-lei nº406/ 68, arts. 8º a 12). Assim, por mais ilícito que seja, eles afirmam ser contratado para receber algum desconto tributário. Para finalizar, a maior polêmica relacionada a este assunto encontra-se adiante: o baixo custo destes serviços. Uma corrente de economistas afirma que a terceirização custa um valor inferior à contratação efetiva de pessoal. Todavia, ponderando cada gasto, percebe-se que a diferença é desprezível; pois, o que era destinado ao pagamento dos trabalhadores contratados será entregue quase que inteiramente à prestadora de serviço e a cursos de especializações e treinamento geral. Certamente alguém afirmará que este último tópico é obrigação da sublocadora e haverá uma réplica assegurando que isso não é totalmente verdade: caso o treinamento seja transferido à empresa, esta possui o direito de cobrar mais caro. Não se pode, contudo, desprezar o prejuízo social causado pela terceirização, como o fomento à baixa estima incrementado por baixos salários e instabilidade trabalhista. Considerações Finais Ao cabo de muito tempo e ponderação necessários à aceitação, conclui-se que, a despeito de tantos prós e contras, a terceirização vem garantindo seu espaço na política moderna e na economia neoliberal. Entretanto, para que tal conduta permaneça da maneira mais justa, é preciso que os empregados, elo mais frágil desta corrente, tenham cada um dos seus direitos respeitados em sua totalidade; afinal, qual é a utilidade de todas essas mudanças políticas senão garantir o benefício coletivo? Por este exato motivo que o conjunto de possíveis repercussões sociais deve ser estudado e analisado calmamente. Baseado neste intenso desejo, o governo tem tentado combinar a melhor opção para o estado e para o povo através de medidas de ação afirmativa, como: extensão do prazo para substituição de terceirizados por efetivos; permissão para execução de 9

10 concurso público com contratação temporária válida por um ano e troca parcial por efetivos. Até então, tais providências tem conseguido um resultado satisfatório à medida que as substituições vão ocorrendo. Sabe-se que, antes de todo escândalo causado pela crise política e denúncias de corrupção, a União planejava um amplo e detalhado cronograma de concursos a fim de continuar a reduzir o número de terceirizados que, segundo o TCU, aumentou no governo Lula em 28% no setor público. Mas há ainda muito trabalho adiante; afinal, mesmo que se alcance a quantidade ideal de concursados e contratados, dispondo assim de um suposto equilíbrio, necessitaria esforço para manter esta condição. Leia a seguinte passagem para um melhor entendimento do que foi dito: Aqueles que somente pela sorte tornam-se, de cidadãos comuns, príncipes, com pouco trabalho conquistam, mas com muito conseguem manter. Não têm dificuldade pelo caminho, pois voam, mas todas as dificuldades surgem quando atingem a meta.. Por fim, acredita-se que esta seja a melhor opção para desenvolver, nem que apenas pouco, a economia nacional baseado em exemplos externos e fatos anteriores. É necessário dar um pouco de crédito àqueles que são responsáveis por esta escolha. Estimule-se a crer que tal decisão não foi tomada ao acaso e que já houve algum êxito por tal sugestão, como se encontra no célebre clássico O Príncipe: Porque os homens, quase sempre, caminham por estradas batidas por outros e agem por imitação. Mesmo sem conseguir repetir completamente as mesmas experiências, nem acrescer às virtudes de quem imita, deve um homem prudente utilizar os caminhos já traçados pelos grandes. Sendo excelentíssimo imitador, se não alcançar o sucesso, que, ao menos, aprenda alguma coisa. Como o arqueiro prudente que vendo que seu objetivo está longe demais e conhecendo o próprio arco, mira bem mais alto do que o alvo.. Referências Bibliográficas: MARTINS, Sergio Pinto. A terceirização e o direito do trabalho. 6. ed. rev. e amp. São Paulo : Atlas, GIOSA, Lívio Antonio. Terceirização: uma abordagem estratégica. 5. ed. rev. e ampl. São Paulo : Pioneira Thomson Learning, KARDEC, Alan. Gestão estratégica e terceirização. Rio de Janeiro : Qualitymark, CARELLI, Rodrigo de Lacerda. Terceirização e intermediação de mão-de-obra: ruptura do sistema trabalhista, precarização do trabalho e exclusão social. Rio de Janeiro: Renovar, 2003 JACOBY, Jorge Ulisses. A terceirização no Serviço Público. ZYMLER, Benjamin. Contratação indireta de mão-de-obra versus terceirização. J. COIMBRA, Pedro e M. Tibúcio, José Arnaldo. Geografia: Uma Análise do Espaço Geográfico 2ª edição. São Paulo. Ed. Harbra Ltda TAMDJIAN, James Onnig & Mendes, Ivan Lazzari Mendes. Geografia geral e do Brasil: estudos para a compreensão do espaço. São Paulo. FTD Associação dos Engenheiros da Petrobrás. Boletim nº225, de 27/ 08/ MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe 9ª edição. Rio de Janeiro. Ed. Paz e Terra

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA

A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA A TERCEIRIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO TRABALHISTA Luciano Rocha Mariano 1 Limita-se o presente tema acerca da terceirização perante o Direito do Trabalho, focado no âmbito empresarial privado. De plano,

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de Lei 4330 de 2004 (Autor Dep. Sandro Mabel) Aprovado na CDEIC e CTASP COMISSÃO ESPECIAL Relator Dep. Roberto Santiago CCJC Relator Dep. Arthur Maia Comissão

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.621, DE 2007 (Apenso o PL nº 6.832, de 2010) Dispõe sobre as relações de trabalho em atos de terceirização e na prestação

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS

TERCEIRIZAÇÃO ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 39 TERCEIRIZAÇÃO OS ASPECTOS JURÍDIC FUNDAMENTAIS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Guilherme Brandão Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO. Guilherme Brandão Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Sindical A TERCEIRIZAÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO Guilherme Brandão Advogado As principais referências legais sobre a terceirização tiveram início na década de 60, no âmbito das

Leia mais

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil Terceirização A precarização das relações trabalhistas No Brasil RELAÇÃO DE EMPREGO (ARTIGO 3º DA CLT) Pessoalidade Subordinação Trabalho não eventual remuneração O QUE É TERCEIRIZAÇÃO? É uma prática administrativa

Leia mais

ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. ARTIGO: DA IMPOSSIBILIDADE DA APLICAÇÃO DO ENUNCIADO 331 DO TST EM CONTRATO DE CONVÊNIO COM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Autores: SANDRA CRISTINA FLORIANO PEREIRA DE OLIVEIRA SANCHES, bacharel em direito pela

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA NO AMBIENTE BANCÁRIO

A TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA NO AMBIENTE BANCÁRIO A TERCEIRIZAÇÃO ILÍCITA NO AMBIENTE BANCÁRIO Veruska Rodrigues CARDOSO 1 RESUMO: O presente artigo trata da terceirização ilícita no ambiente bancário que ocorre desvirtuando tal pratica, bem como, das

Leia mais

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento Legislação Fiscal Lei nº 8.666/1993 Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E SUAS DIFICULDADES Jeferson Alves dos Santos Auditor Chefe da UNIFAL-MG OBJETIVO * Abordar as principais dificuldades inerentes à execução dos processos de terceirização. *

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização.

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. O Direito do Trabalho não se preocupa apenas e tão somente com as relações entre empregado e empregador. Sua abrangência

Leia mais

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES DIREITO TRABALHO Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) O artigo de hoje é

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA

A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS NAS ESFERAS PÚBLICA E PRIVADA Manuel Martín Pino Estrada SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Conceito de Terceirização. 3 A Súmula nº 331 do TST e a Terceirização nas Esferas Pública

Leia mais

PARECER DECRETO CALL CENTER

PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO 6.523/2008 Elizabeth Costa de Oliveira Góes Trata-se de parecer com vistas a analisar a aplicabilidade do Decreto 6.523/2008, de 31 de julho de 2008, no que

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Fabiano Holz Beserra Interessado 1: TRT 4ª Região Interessado 2: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Assunto: Fraudes Trabalhistas 03.01.09 - Trabalho na Administração

Leia mais

A base de cálculo do ISS das empresas fornecedoras de mão-de-obra temporária

A base de cálculo do ISS das empresas fornecedoras de mão-de-obra temporária A base de cálculo do ISS das empresas fornecedoras de mão-de-obra temporária Autores (Servidores Públicos da Prefeitura de Aracaju): Fernando Ribeiro de Almeida Aribaldo Pereira da Silva Regiclecio Azevedo

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Questão interessante diz respeito aos requisitos legais a serem cumpridos pelos municípios para repassar subvenção social a entidades

Leia mais

Terceirização. Ivan Luís Bertevello

Terceirização. Ivan Luís Bertevello Terceirização Ivan Luís Bertevello INTRODUÇÃO Terceirizar os serviços é delegar para outras empresas serviços e atividades não essenciais (atividades-meio) da sua empresa, a fim de que possa se concentrar

Leia mais

LIVRO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONCESSÕES E TERCEIRO SETOR EDITORA: LUMEN JURIS EDIÇÃO: 2ªED., 2011 SUMÁRIO

LIVRO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONCESSÕES E TERCEIRO SETOR EDITORA: LUMEN JURIS EDIÇÃO: 2ªED., 2011 SUMÁRIO LIVRO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONCESSÕES E TERCEIRO SETOR EDITORA: LUMEN JURIS EDIÇÃO: 2ªED., 2011 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Capítulo

Leia mais

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE Poliana Beordo 1 1. INTRODUÇÃO: Para Plácido e Silva (2002) Súmula: é o que explica o teor, ou o conteúdo integral de alguma coisa,

Leia mais

distinguir a terceirização das demais formas de sub-contratação de serviços;

distinguir a terceirização das demais formas de sub-contratação de serviços; Terceirização 1. Introdução O objeto de estudo da presente aula será o fenômeno moderno representado pela terceirização de determinadas atividades pelas empresas, seja como forma de aumentar sua produtividade

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 98 Data 3 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA IRPF DANO MORAL. PESSOA FÍSICA.

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Capítulo I As transformações do Estado e a organização administrativa moderna 1.1. Estado Liberal, Estado

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS.

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. Márcia Moraes Imhoff 1 Aline Perico Mortari 2 RESUMO A realização das atividades organizacionais por pessoas jurídicas distintas da organização

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

Contratos de prestação de serviços - Terceirização

Contratos de prestação de serviços - Terceirização Contratos de prestação de serviços - Terceirização Inicialmente há que se esclarecer quais os pontos básicos que podem definir a licitude ou ilicitude da terceirização de serviços, tendo como base as permissões

Leia mais

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO Análise acerca das últimas discussões sobre o Projeto de Lei 4330, que regula o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 TERCEIRIZAÇÃO DO TRABALHO AUTOR ALESSANDRA CÔRTES MARINS ORIENTADOR PROF. CARLOS AFONSO LEITE LEOCADIO RIO DE JANEIRO 2011

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB art. 7 CRFB São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: art. 7 CLT Os

Leia mais

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório.

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. APRESENTAÇÃO Fundado em 2001 Mais de 130 advogados e 360 colaboradores

Leia mais

Quadro comparativo sobre propostas de regulamentação da terceirização do trabalho

Quadro comparativo sobre propostas de regulamentação da terceirização do trabalho Quadro comparativo sobre propostas de regulamentação da terceirização do trabalho PL do deputado Sandro Mabel (PL 4.330/2004) Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de

Leia mais

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho Sílvia Neli* Uma das formas de precarização do contrato individual do trabalho é a utilização ilícita da figura da pessoa jurídica para formalizar

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 7 Resumo: Estabelecer os princípios de combate à corrupção no relacionamento da Organização com os agentes da Administração Pública, seguindo as diretrizes estabelecidas na Lei nº 12.846/13

Leia mais

INFORME DO ACOMPANHAMENTO LEGISLATIVO

INFORME DO ACOMPANHAMENTO LEGISLATIVO INFORME DO ACOMPANHAMENTO LEGISLATIVO 1. MONITOR DA REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇAO DO TRABALHO Proposição Ementa Resumo Tramitação PL 4330/2004, de autoria do deputado Sandro Mabel (PMDB GO), apresentada

Leia mais

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal 8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal FUP Federação Única dos Petroleiros Secretaria de Relações Internacionais e Setor Privado Anselmo Ernesto Ruoso Jr. Porto Alegre, 10 de maio de

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

Prof. Ms. Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante

Prof. Ms. Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante Tema: Relações Trilaterais. Trabalho temporário. privada. Cooperativas de trabalho. Terceirização na iniciativa Prof. Ms. Jouberto de Quadros Pessoa Cavalcante Advogado. Professor da Faculdade de Direito

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS OS IMPACTOS DA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DE GESTORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1

TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1 1 TERCEIRIZAÇÃO: CRITÉRIOS DA SÚMULA 331 DO TST E A RESPONSABILIDADE DO TOMADOR SOBRE OS TÍTULOS TRABALHISTAS 1 Michel Olivier Giraudeau 1. O conceito de terceirização Sabe-se que a expressão terceirização

Leia mais

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br abraman Congresso de Manutenção - 2001 EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Câmara de Coordenação e Revisão Origem: PRT 3ª Região. Interessados: Assunto: - Temas Gerais 09.10. 1. CETUS HOSPITAL DIA ONCOLOGIA LTDA 2. TERRA NOVA SERVIÇOS LTDA ME 3. SOMA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Departamento de Normas NOTA TÉCNICA Nº 03/2011/DENOR/SGCN/SECOM-PR Brasília, 09 de maio de 2011. Referência:

Leia mais

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais no âmbito do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EMPREGADOS. BREVES COMENTÁRIOS Gisela de Castro Chamoun * Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação judicial e seus reflexos nos créditos trabalhistas

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários CONTEXTUALIZAÇÃO O cenário produtivo e de negócios vem sofrendo contínuas transformações que ampliam o grau de competição entre as organizações, especialmente

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

ANEXO IV MINUTA DE CONTRATO

ANEXO IV MINUTA DE CONTRATO ANEXO IV MINUTA DE CONTRATO CONTRATO Nº -2011, DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE ENGENHARIA PARA *********, QUE CELEBRAM ENTRE SI, O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ E A EMPRESA. O CONSELHO REGIONAL

Leia mais

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções?

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções? LUANA ASSUNÇÃO ALBUQUERK Especialista em Direito do Trabalho Advogada Associada de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados O CONTRATO TEMPORÁRIO DE TRABALHO São as conhecidas contratações

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade É sabido que empenho é o comprometimento de verba orçamentária para fazer face a uma despesa

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 87, de 2010, do Senador Eduardo Azeredo, que dispõe sobre a contratação de serviços de terceiros

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006)

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, representado, neste ato, pelo Procurador Regional

Leia mais

I. Visto Temporário II (Visto de negócios)

I. Visto Temporário II (Visto de negócios) CARTILHA PARA CONTRATAÇÃO REGULAR DE ESTRANGEIROS NO BRASIL Em se tratando de mão de obra estrangeira, são inúmeras as dúvidas que pairam nos empregadores e tomadores de serviços sobre as responsabilidades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPIVARI DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LEI MUNICIPAL Nº 884, DE 19 DE AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal,

Leia mais

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv.

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv. Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009 Setembro/2010 1 O ESTABELECIMENTO E O CÓDIGO CIVIL O estabelecimento como objeto de direito

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União São Paulo, 07 de maio de 2015 LEI Nº 12.846/2013 Esta Lei dispõe sobre a responsabilização

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES AVM FACULDADE INTEGRADA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU A TERCEIRIZAÇÃO DA MÃO DE OBRA NO BRASIL AUTOR JORGE MARCOS PACÍFICO ORIENTADOR PROF. CARLOS AFONSO LEITE LEOCADIO RIO DE

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011

PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 PROJETO DE LEI Nº 19.414/2011 Institui mecanismo de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões de encargos trabalhistas a serem pagos às empresas contratadas para prestar

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 885/97 - Plenário - Ata 53/97 Processo nº TC 017.843/93-6 Interessado: Adyr da Silva, Presidente. Entidade: Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Leia mais

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Leone Coelho Bagagi Mestrando em Administração Pública pela Universidade Federal da Bahia

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Comissão de Coordenação de Correição Corregedoria-Adjunta da Área de Infraestrutura CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Inicialmente, esclareço que assumi a relatoria do tema por ter sucedido

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA Pelotas, 28 de novembro de 2013. ASSESSORIA TÉCNICA 06.2013 Assunto: Terceirização Ilícita Relatório Primeiramente, cabe salientar que foram publicados o Acórdão nº 1520/2006 Plenário/TCU; Acórdão 2.681/2011

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO É. precarização. Não ao PL 4330

TERCEIRIZAÇÃO É. precarização. Não ao PL 4330 TERCEIRIZAÇÃO É precarização Não ao PL 4330 CNTC TERCEIRIZAÇÃO É PRECARIZAÇÃO NÃO AO PL 4330 TRATAMENTO JUSTO E IGUALITÁRIO para todos os trabalhadores A CNTC é contrária ao modelo de terceirização que

Leia mais

AÇÃO DE EQUIPARAÇÃO DE AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO

AÇÃO DE EQUIPARAÇÃO DE AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM... brasileiro (a), casado (a), portador (a) da Carteira de Identidade RG nº..., expedida pela SSP/SP, inscrito (a) no

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988

CONSTITUIÇÃO DE 1988 CONSTITUIÇÃO DE 1988 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade,

Leia mais

. Terceirização. Responsabilidade civil. Contrato de safra

. Terceirização. Responsabilidade civil. Contrato de safra Seminário Trabalhista Rural os Limites da Negociação Coletiva. Terceirização. Responsabilidade civil. Contrato de safra THIAGO GURJÃO ALVES RIBEIRO PROCURADOR-CHEFE MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO EM MATO

Leia mais

Abrangência da terceirização

Abrangência da terceirização Reportagem especial explica os pontos polêmicos do projeto da terceirização A proposta que regulamenta a terceirização no Brasil e derrubou a reunião da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS E IMPACTO NA DESPESA COM PESSOAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS E IMPACTO NA DESPESA COM PESSOAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS E IMPACTO NA DESPESA COM PESSOAL Bruno Anselmo Bandeira Auditor Público Externo Secretário Chefe da INTRODUÇÃO 2 OBJETIVO Apresentar os principais aspectos concernentes

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO

ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO Autores: SANDRA CRISTINA FLORIANO PEREIRA DE OLIVEIRA SANCHES, bacharel de direito pela

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais