Seu sonho, nossa meta Pa. Resposta da questão 1: [B]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seu sonho, nossa meta Pa. Resposta da questão 1: [B]"

Transcrição

1 RESOSTAS CAÍTULO 6-GASES Resposta da questão 1: [B] A pressão parcial do gás oxigênio ao nível do ar é igual a 1% da pressão atosférica do ar, assi teos: O 0, po 1000O 0, po 1000 a O E La az, a pressão de é 0% enor, então: O 0, po 1600 a Resposta da questão : [B] R 8, 10 atk ol V at T K V nr T nch 8, nch 657,7 ol Então, n' 657,7 ol V ' 1 T' K ' V ' n' R T' 5 ' 1 657,7 8, 10 7 ' 16,58 at 16 at Resposta da questão : [C] V n R T V R T dr T 1 1 d 1, gl R T 0,08 7 Seu sonho, nossa eta.

2 Resposta da questão : [B] V n R T 10 0 n 0,08 (7 7) n 1,19 ol 708 n = 58g / ol 1,19 e tano : C H g / ol 6 butano : C H g / ol 10 e tano : CH g / ol propano : C H g / ol 8 Assi, o butano será o coposto presente no recipiente. Resposta da questão 5: [D] T K V 50 L 0,5 L CH 1 at p 16 g / ol 750 p at 760 V nr T 760 Torr 750 Torr 750 0,5 0, ,16 g g Resposta da questão 6: [C] De acordo co a lei de Graha, quanto enor a assa olar, aior a velocidade de difusão do gás. v1 v 1 1 v1 v Resposta da questão 7: [B] [1] Hipótese de Avogadro: o eso núero de ols de qualquer gás ocupará o eso volue antidas as condições de pressão e teperatura constantes. [] antida a teperatura constante, pressão e volue são grandezas inversaente proporcionais. [] antido o volue constante, pressão e teperatura são grandezas diretaente proporcionais. [] antida a pressão constante, volue e teperatura são grandezas diretaente proporcionais. Conclusão: (transforação isotérica) (transforação isocórica ou isovoluétrica) (transforação isobárica) 1 (hipótese de Avogadro).

3 Resposta da questão 8: [D] [I] Nua bexiga cheia de ar, as oléculas dos gases estão e constante oviento de rotação e translação e, consequenteente, choca-se contra as paredes do recipiente que as conté, devido à energia cinética que possue. [II] Nua panela de pressão, o auento da pressão interna faz co que a água utilizada no aqueciento entre e ebulição e teperatura aior do que e pressão de 1at e por isso os alientos seja cozidos ais rapidaente. [III] Quando u gás está arazenado e u recipiente de volue variável, nua transforação isobárica (sob pressão constante), e for exposto a auento de teperatura, a energia cinética de suas oléculas será aior e, co isso, ocupará aior volue, ou seja, nua transforação isobárica teperatura e volue são grandezas diretaente proporcionais. [IV] A teperatura de u gás, à pressão constante, é definida coo a edida da energia cinética édia de suas oléculas e, dessa fora, quanto aior for a energia cinética, aior será a teperatura (grau de agitação das partículas). Resposta da questão 9: [C] ; 16 He CH phe V R T phe V pch V R T p CH V 16 phe 16 p CH R T R T 16 Resposta da questão 10: [B] As figuras perite observar diferenças no espocar de u chapanhe: a 18 C, logo no início, observa-se que o volue de CO disperso na nuve gasosa não detectável na faixa da luz visível, as si do infraverelho é uito aior do que quando a teperatura é de C, logo conclui-se que a pressão de ua quantidade fixa de u gás e u recipiente de volue constante é diretaente proporcional à teperatura. Resposta da questão 11: [A] V constante cilindro R T cons tan te p V n R T p gás cilindro gás gás n gás p n k gás gás R T V cilindro Cilindro 1 Cilindro Cilindro 7 g de N: 7 nn 0,5 ol 8 p 0,5k N 1 g N: 1 nn 0,50 ol 8 p 0,50k N 8 g de CH: 8 nch 0,50 ol 16 p 0,50k CH 16 g de O: 16 no 0,50 ol p 0,50k O 8 g de O: 8 no 0,5 ol p 0,5k O 1 g de O: 1 no 0,06 ol p 0,06k O 6 g de He: 6 nhe 1,50 ol p 1,50k He 1 g de CO: 1 nco 0,95 ol p 0,95k CO g H: nh,00 ol p,00k H

4 ressão total: Cilindro 1 0,5k + 0,50k + 1,50k =,5k Cilindro 0,50k + 0,5k + 0,95k = 1,05k Cilindro 0,50k + 0,06k +,00k =,906k Conclusão: 1. O cilindro 1 apresenta a aior pressão parcial de O, coparado aos outros cilindros.. O cilindro 1 apresenta a enor pressão parcial de N, coparado ao cilindro.. O cilindro apresenta a enor pressão parcial de O, coparado aos outros cilindros.. O cilindro apresenta a aior pressão total (,906k). Resposta da questão 1: [E] n n nno 1,16 10 ol 7 10 nno 1, 10 ol nco 1,70 10 ol n 1, , 10 1,70 10, ol V nr T 50, ,08 (57 7) 1066,9 at Resposta da questão 1: [E] TOTAL ar sec o acetona ar sec o ar sec o 580 Hg O tabor foi danificado e seu volue interno diinuiu para 80% do volue inicial, se que tenha havido vazaento e a teperatura foi antida constante, então: V V inicial inicial final final inicial final acetona V 0,80V 580 V final inicial inicial final 0,80 Vinicial 75 Hg TOTAL AÓS A QUEDA TOTAL AÓS A QUEDA final acetona Hg

5 Resposta da questão 1: [E] [I] Correta. A assa olar do gás hélio (g ol) que dos gases nitrogênio (8g ol) e oxigênio (g ol), principais coponentes do ar atosférico. [II] Correta. Coo pressão e volue são grandezas inversaente proporcionais, a edida que o balão sobe, a pressão atosférica diinui e o auento do volue faz co que o balão estoure. [III] Correta. ela lei de Graha, teos que: vhe ar var He Coo a ar He a vhe var Assi, o balão co gás hélio irá urchar ais rapidaente, pois sua difusão pelos poros da borracha é ais rápida. Resposta da questão 15: [D] (1 ol;,7 L; 7K; 1 at) R V 1,7,7 at.l n T ol.k V nr T,7 at.l L 1 ol 7 ol.k 7 K 11,5 at Resposta da questão 16: [A] De acordo co a Lei de Graha: v velocidade assa olar v v 1 1 HC 6,5 NH 17 v HC NH vhc 17 v v 6,5 v v HC NH NH HC NH HC NH O anel se fora ais próxio do HC, pois a velocidade de efusão da aônia gasosa é aior. NH O anel branco forado é o C sólido, resultado da reação quíica entre HC e NH gasosos.

6 Resposta da questão 17: [B] ara ua istura de gases se reação quíica, vale a seguinte relação ateática: V V V V T T T T final final 1 1 final 1 final V V,5 V 1 V at Resposta da questão 18: [A] no n He n 0,90 0,10 1,7 n n 0,90 po n O p O n 1 1,7 p 0,90 O 0,5 at 1 1,7 Resposta da questão 19: [C] Sabeos, a partir da Lei de Henry, que a concentração olar de ua solução é diretaente proporcional (K = constante de proporcionalidade) a sua pressão parcial (p) na fase gasosa, então: N 1 1 [N ] K p 5,85 10 ol / L K 0,78 at K 7,5 10 ol L at A variação da concentração olar tabé é diretaente proporcional à variação da pressão parcial e a constante de proporcionalidade é a esa encontrada anteriorente, logo: [N ] K p N [N ] 7,5 10 ol L at (5,00at 0,78 at) [N ] 1,6510 ol L nn [N ] V n 1 1,6510 ol L 6L N N n 189,9 10 ol 1,9 10 ol

7 Resposta da questão 0: [C] A partir da equação geral para u gás ideal, tereos: inicial Vinicial final Vfinal Tinicial Tfinal 1 at V final V 98 K (7 61) K final,0 at Resposta da questão 1: [E] Análise das afirações: I. Afiração incorreta. De acordo co a hipótese de Avogadro (gases ideais) coo os dois cilindros se encontra na esa teperatura e pressão e ocupa o eso volue, possue a esa quantidade de oléculas. II. Afiração incorreta. A velocidade das oléculas no cilindro C1 é enor do que no cilindro C, pois a assa olar do O é aior do que a do Ne. As velocidades das partículas que fora a istura gasosa são inversaente proporcionais à raiz quadrada das respectivas assas olares ou oleculares. vo Ne vne O. III. Afiração correta. A densidade do gás no cilindro C1 é aior que a densidade do gás no cilindro C. A densidade d pode ser obtida pela seguinte relação: R T. Coo a pressão e a teperatura são as esas nos dois cilindros, concluíos que a densidade do gás oxigênio é aior do que a do gás neônio. IV. Afiração incorreta. A distribuição de velocidades das oléculas contidas no cilindro C1 e enor que a das contidas no cilindro C. Resposta da questão : [D] U recipiente de paredes rígidas, contendo apenas ar, aberto para a atosfera está subetido à pressão constante e te volue fixo. Logo, V n R T (a 7C ou 00 K) i i i i V n R T (a 17C ou 00 K) f f f f Então, V n R T (I) i i i i V n R T (II) f f f f V V V i i f f Dividindo (I) por (II) : n i V V n n f f ar i ni ar f R 00 nf 00 nf 0,75 R 00 n 00 n f ar i ar 0,75 f 0,75 f 0,75 i i 1,00 0,75 0,5 saiu i i i i Conclusão : a porcentate ássica de ar que saiu é de 5%. i

8 Resposta da questão : [D] Se copararos as energias cinéticas e as teperaturas de dois gases, tereos: E T E T 1 1 T T T 1 1 constante E1 E constante T T E E cons tan te Resposta da questão : [D] n ols istura o T 7 C 7 00 K V nr T 6 8 0,08 00,8 at Resposta da questão 5: [B] Alternativa [A] está incorreta, pois o volue e a teperatura dos gases são diretaente proporcionais, o que é evidenciado na equação dos gases perfeitos ou de Clapeyron, pv = nrt. Então o balão que urchou foi colocado e água fria, pois a diinuição da teperatura causou ua contração dos gases da bexiga. Alternativa [B] está correta. Os gases sofre expansão do volue à edida que a teperatura auenta. A equação dos gases perfeitos ou de Clapeyron, pv = nrt, indica a relação diretaente proporcional entre o volue e a teperatura dos gases. Alternativa [C] está incorreta, o volue do balão que foi colocado e água fria diinuiu, porque a pressão do sistea diinuiu, reduzindo o choque das partículas de gás co as paredes do balão. Coo pode ser visto na equação dos gases perfeitos ou de Clapeyron, V = nrt, pressão e teperatura são diretaente proporcionais; se a teperatura diinui, a pressão tabé diinui. Alternativa [D] está incorreta, pois as partículas dos gases não sofre variação de taanho. O volue se altera devido às variações nos espaços vazios entre as partículas, que pode auentar ou diinuir de acordo co as variações na teperatura. Resposta da questão 6: [C] [A] Correta. 0,5 nn 8 10 ol 8 0,175 nar,8 10 ol 0 [B] Correta. V n R T 0,5 0,15 V 0, V,5L Cálculo das pressões parciais de cada gás: ara o gás etano: V n R T 0,0,5 0, e tano 0,75 at

9 ara o gás argônio: V n R T 0,175,5 0, Ar 0,08 at ara o gás nitrogênio: V n R T 0,5,5 0, nitrogênio 0,15 at total total total parciais 0,75 at 0,08 at 0,15 at 0,607at [C] Incorreta. etano 0,75 at N 0,15 at [D] Correta. A soa das frações parciais é sepre 1. Assi: Cálculo das frações parciais: ntotal 0,0, ne tano 0,0 ne tano 0,67ol ntotal 0,0 nar,75 10 nargônio 0,16ol ntotal 0,0 n N 8 10 nn 0,67ol ntotal 0,0 frações parciais 0,67 0,16 0,67 1ol Resposta da questão 7: [B] ara volue constante tereos: 1 T 1 T1 T T1 Resposta da questão 8: [A]

10 Resposta da questão 9: [A] O sistea registra u auento de 5% na pressão e de 15 C na teperatura: inicial i Auento de 5% final i 0,05i 1,05 i Tfinal Tf Ti 15 Transforação ivoluétrica ou isocórica : i Ti f Tf i 1,05 i T i Ti 15 Ti 15 1,05T i 0,05Ti 15 Ti 00 K TK 7,15 TC 00 7,15 TC T C 6,85 C A teperatura é inferior a 0 C. Resposta da questão 0: [E] Resposta da questão 1: [E] Resolução: O eso núero de partículas, de quaisquer gases, subetidos às esas condições de pressão e de teperatura ocupa sepre o eso volue. Observe:

11 Resposta da questão : [A] Resposta da questão : [C] De acordo co a hipótese de Avogadro, nas esas condições de teperatura e pressão, quaisquer gases apresenta o eso núero de oléculas (partículas). Consequenteente, podeos aplicar esta ideia aos últiplos dos volues. E 5 l de O ( = g/ol): n(o) = (O)/(O) n(o) = 16/= 0,5 ol. Então e 5 l tereos 0,5 ol. E 10 l do gás tereos x 5 l, que equivale a x 0,5 ol, ou seja, 1,0 ol do gás, então: (gás ) = 8 g, supoos que se trata do CO (onóxido de carbono). E 15 l de CH tereos x 5 l, que equivale a x 0,5 ol, ou seja, 1,5 ol de CH: 1,5 = (CH)/16 (CH) = 1,5 x 16 = g. Resposta da questão : [A] Resposta da questão 5: [A] Resposta da questão 6: [D] Resposta da questão 7: [E] Resposta da questão 8: [C] Resposta da questão 9: [C] Resposta da questão 0: [A]

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios QUÍIA III ateriais, suas Propriedades e Usos apítulo 0 Forças Interoleculares 0 E A ligação de hidrogênio é ua atração interolecular ais forte do que a édia. Nela os átoos de hidrogênio

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/03/2014

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/03/2014 P1 - PROV DE QUÍMIC GERL 22/03/2014 Noe: Nº de Matrícula: GRITO Tura: ssinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 at L ol -1 K -1 T (K) = T ( C) +

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

PROVA MODELO 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROVA MODELO 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PROVA MODELO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO GRUPO I. A frase do texto que traduz u facto e que Aristóteles e Galileu era concordantes será Tal coo Aristóteles, descobriu ser uito difícil edir diretaente as trajetórias

Leia mais

Gases. 4. Pressão. 1. Fases de agregação. 2.2 Fator de compressibilidade (Z)

Gases. 4. Pressão. 1. Fases de agregação. 2.2 Fator de compressibilidade (Z) Gases 1. Fases de agregação O grau de organização das oléculas que fora a atéria varia desde uito organizado (fase sólida), passando por u grau de organização interediário (fase líquida) até u alto grau

Leia mais

Interbits SuperPro Web. Gabarito: Ca(OH) 2HC CaC H O. 200mL 1 mol/l n 0,2 1 0,2mol. Na CO 2HC 2NaC H O CO. 22mL 0,4000M. n ,4000.

Interbits SuperPro Web. Gabarito: Ca(OH) 2HC CaC H O. 200mL 1 mol/l n 0,2 1 0,2mol. Na CO 2HC 2NaC H O CO. 22mL 0,4000M. n ,4000. Gabarito: Resposta da questão 1: [E] Ca(OH) 2HC CaC H O ác 2 2 2 200L 1 ol/l n 0,2 1 0,2ol Titulação co excesso: HC NaOH NaC H2O 200L 0,5M n 0,1ol (excesso) n 0,2 0,1ol reagiu Proporção da reação da 1ª

Leia mais

4.º Teste de Física e Química A 10.º A Fev minutos /

4.º Teste de Física e Química A 10.º A Fev minutos / 4.º Teste de Física e Quíica A 10.º A Fev. 2013 90 inutos / Noe: n.º Classificação Professor E.E. GRUPO I As seis questões deste grupo são todas de escolha últipla. Para cada ua delas são indicadas quatro

Leia mais

ENEM Prova resolvida Química

ENEM Prova resolvida Química ENEM 2001 - Prova resolvida Quíica 01. Nua rodovia pavientada, ocorreu o tobaento de u cainhão que transportava ácido sulfúrico concentrado. Parte da sua carga fluiu para u curso d' não poluído que deve

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

Fenômenos de Transporte. Aula 1 do segundo semestre de 2012

Fenômenos de Transporte. Aula 1 do segundo semestre de 2012 Fenôenos de Transporte Aula 1 do segundo seestre de 01 Para calcularos a aceleração da gravidade pode-se recorrer a fórula: g 980,616,598cos 0,0069 latitude e graus H altitude e quilôetros g aceleração

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

MÓDULO 49 FÍSICA. Termologia VI. Teoria Cinética dos Gases Perfeitos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. média

MÓDULO 49 FÍSICA. Termologia VI. Teoria Cinética dos Gases Perfeitos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. média Ciências da Natureza, Mateática e suas Tecnologias FÍSICA MÓDULO 49 Terologia VI Teoria Cinética dos Gases Perfeitos 1. EnErgia interna de u gás ideal a energia interna de u gás ideal (ou perfei to) é

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Caloria (símbolo: cal) é uma unidade de medida de ENERGIA não pertencente ao Sistema Internacional de Unidade.

Caloria (símbolo: cal) é uma unidade de medida de ENERGIA não pertencente ao Sistema Internacional de Unidade. TERMODINÂMICA E TRANSFERÊNCIA DE CALOR Profa. Dra. Maria Laura Goes Silva da Luz 206 UNIDADE I - PROPRIEDADES TERMODINÂMICAS Terodinâica: do grego THÉRME + DÝNAMIS calor força Terodinâica é a ciência que

Leia mais

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases Apostila de Química 01 Estudo dos Gases 1.0 Conceitos Pressão: Número de choques de suas moléculas contra as paredes do recipiente. 1atm = 760mHg = 760torr 105Pa (pascal) = 1bar. Volume 1m³ = 1000L. Temperatura:

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

Docente Marília Silva Soares Ano letivo 2012/2013 1

Docente Marília Silva Soares Ano letivo 2012/2013 1 Ciências Físico-quíicas - 9º ano de Unidade 1 EM TRÂNSITO 1 Movientos e suas características 1.1. O que é o oviento 1.2. Grandezas físicas características do oviento 1.3. Tipos de Moviento COMPETÊNCIAS

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

H inicial. ΔH = H final H inicial ΔH = [+ 10] [2(+ 34)] ΔH = 58 kj. ΔH em kj por mol de NO 2 que dimeriza? NO 2 N 2 O 4 ΔH = 58/2 kj

H inicial. ΔH = H final H inicial ΔH = [+ 10] [2(+ 34)] ΔH = 58 kj. ΔH em kj por mol de NO 2 que dimeriza? NO 2 N 2 O 4 ΔH = 58/2 kj setor 13 130409 130409-SP Aula 5 CÁLCULO DE ΔH DE REAÇÃO ATRAVÉS DE ENTALPIAS DE FORMAÇÃO + x zero y H (kcal ou kj) A entalpia (H) de 1,0 ol de ua substância coposta é nuericaente igual ao respectivo Calor

Leia mais

Gases. 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação?

Gases. 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação? Capítulo 2 Gases 1. Qual a equação de Van der Waals para o gás real e qual o significado de cada termo dessa equação? Van der Waals verificou que o fato do gás real não se comportar como o gás ideal é

Leia mais

Para pressões superiores a 7620 Pa: compressores ou sopradores.

Para pressões superiores a 7620 Pa: compressores ou sopradores. DEFIIÇÃO: É ua áquina que produz fluxo de gás co duas ou ais pás fixadas a u eixo rotativo. Converte energia ecânica rotacional, aplicada ao seu eixo, e auento de pressão total do gás e oviento. Confore

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr () A 4 Be 9,0 Mg 4,0 0 Ca 40,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (6) Eleentos de Transição B 4B 5B 6B 7B 8B B B 4 5 6 7 A 4A 5A 6A 7A 78,5 8,0 84,0 86,0 90,0 9,0

Leia mais

Estudo Físico-Químico dos Gases

Estudo Físico-Químico dos Gases Estudo Físico-Químico dos Gases Prof. Alex Fabiano C. Campos Gás e Vapor Diagrama de Fase Gás Vapor Gás: fluido elástico que não pode ser condensado apenas por aumento de pressão, pois requer ainda um

Leia mais

1,2 g / ml ; R 0,082 atm L mol K. 5C 2Sr NO 2SrO 2N 5CO HCO3

1,2 g / ml ; R 0,082 atm L mol K. 5C 2Sr NO 2SrO 2N 5CO HCO3 LISTA DE RECUPERAÇÃO º BIESTRE - º ANO Professor: GIL KENNEDY DATA: 9 / 0 / 05 0. (PUCRJ) Assumindo que uma amostra de gás oxigênio puro, encerrada em um frasco, se comporta idealmente, o valor mais próximo

Leia mais

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO Quando a istura apresenta as esas características e toda a extensão do recipiente teos ua istura hoogênea e, se tiver ais

Leia mais

Todo gás exerce uma PRESSÃO, ocupando um certo VOLUME à determinada TEMPERATURA

Todo gás exerce uma PRESSÃO, ocupando um certo VOLUME à determinada TEMPERATURA Todo gás exerce uma PRESSÃO, ocupando um certo VOLUME à determinada TEMPERATURA Aos valores da pressão, do volume e da temperatura chamamos de ESTADO DE UM GÁS Assim: V 5 L T 300 K P 1 atm Os valores da

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física a Fase. Prova para alunos de 1 o e 2 o anos

Olimpíada Brasileira de Física a Fase. Prova para alunos de 1 o e 2 o anos Olipíada Brasileira de Física 2004 2 a Fase Prova para alunos de 1 o e 2 o anos Leia atentaente as instruções abaixo: 1 Esta prova destina-se exclusivaente a alunos de 1 o e 2 o anos. 2 A prova conté vinte

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO QUÍMICA GASES I

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO QUÍMICA GASES I Aluno (a): Profº: RICARDO Série: Data: / / Disc: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO QUÍMICA GASES I 1. Uma Massa fixa de um gás ideal foi submetida a uma série de transformações isotérmicas e alguns dos valores

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Profª Roberlúcia A. Candeia Disciplina: Química Geral.

Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Profª Roberlúcia A. Candeia Disciplina: Química Geral. Universidade Federal de Capina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalientar Profª Roberlúcia A. Candeia Disciplina: Quíica Geral Soluções Misturas Heterogênea Hoogênea Suspensão Dispersão Coloidais

Leia mais

c) Escreva a reação química de decomposição da azida de sódio formando sódio metálico e nitrogênio gasoso.

c) Escreva a reação química de decomposição da azida de sódio formando sódio metálico e nitrogênio gasoso. 1. (Fuvest 015) O sistea de airbag de u carro é forado por u sensor que detecta rápidas diinuições de velocidade, ua bolsa inflável e u dispositivo contendo azida de sódio (NaN 3 ) e outras substâncias

Leia mais

12/10/ a Aula: Gases e noções de termodinâmica. Ementa. Unidade I: Gases e noções de termodinâmica química. Cáp. 4. Cáp. 6. Cáp.

12/10/ a Aula: Gases e noções de termodinâmica. Ementa. Unidade I: Gases e noções de termodinâmica química. Cáp. 4. Cáp. 6. Cáp. 1 a Aula: Gases e noções de terodinâica Fundaentos de Físico Quíica - Farácia 13/10/2008 Eenta Unidade I: Gases e noções de terodinâica quíica a) Revisão de sisteas gasosos: leis epíricas e gás ideal;

Leia mais

Solução do exercício 36

Solução do exercício 36 Solução do exercício 36 Equação anoétrica de (A) até a superfície livre do fluido anoétrico. Adotando (A) coo orige, teos: p p ar ar 0,03 z água L sen30 0 0,03 0,5 9800 0,68 sen30 pat 0 p at Trabalhando

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração Nov/03 Prograa de Pós-Graduação e Eng. Mecânica Disciplina: Siulação de Sisteas Téricos Introdução aos ciclos de refrigeração Organização: Ciclo de Carnot Ciclo padrão de u estágio de copressão Refrigerantes

Leia mais

EXPERIÊNCIA 02- CONDUTIVIDADE DE ELETRÓLITOS

EXPERIÊNCIA 02- CONDUTIVIDADE DE ELETRÓLITOS EXPERIÊNCIA 02- CONDUTIVIDADE DE ELETRÓLITOS Objetivos: Utilizar adequadaente u condutivíetro. Medir a condutividade de eletrólitos fracos e fortes. Calcular o grau de dissociação e a constante de dissociação

Leia mais

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L

Exercícios. setor 1302. Aulas 39 e 40. 1L (mar) 30 g x 60 10 3 g x = 2 10 3 L ou m 1 C = V 60 10. τ = m 1 V = 2 10 3 L setor 1302 13020508 Aulas 39 e 40 CONCENTRAÇÃO COMUM, PORCENTAGEM EM MASSA DE SOLUTO E NOÇÃO DE PPM (PARTES POR MILHÃO) Concentração Concentração Cou (C) C 1 Densidade (d) g/l; g/ 3, etc d 1+ 2 g/c 3,

Leia mais

Exercícios 1. Deduzir a relação:

Exercícios 1. Deduzir a relação: setor 1322 13220509 13220509-SP Aula 35 RELAÇÕES ENTRE ÁRIOS TIPOS DE CONCENTRAÇÃO Tipo de concentração Cou E ol/l As conversões entre esses tipos de concentração pode ser feitas: Aditindo-se 1,0 L de

Leia mais

Química 4 aula 1 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. 4. Ar, água de torneira e ouro 18 quilates representam soluções.

Química 4 aula 1 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. 4. Ar, água de torneira e ouro 18 quilates representam soluções. Quíica 4 aula 1 CENTÁRIS ATIVIDADES PARA SALA 1. (F) Existe diferentes étodos de separação. (F) Ua solução pode ser incolor. (F) Não existe íons soltos e solução e, por conseguinte, obilidade eletrônica.

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 22 RELAÇÕES NUMÉRICAS FUNDAMENTAIS - PARTE 2

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 22 RELAÇÕES NUMÉRICAS FUNDAMENTAIS - PARTE 2 QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 22 RELAÇÕES NUMÉRICAS FUNDAMENTAIS - PARTE 2 Fixação 1) (UNESP) O volume de uma massa fixa de gás ideal, a pressão constante, é diretamente proporcional à: a) concentração do gás.

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

Gás Real -Fator de Compressibilidade Z > 1: Z < 1: Menor compressibilidade Forças repulsivas. Maior compressibilidade Forças atrativas

Gás Real -Fator de Compressibilidade Z > 1: Z < 1: Menor compressibilidade Forças repulsivas. Maior compressibilidade Forças atrativas Disciplina de Físico Quíica I - Diagraa de fases- Liquefação de gases. Prof. Vanderlei Inácio de Paula contato: vanderleip@anchieta.br Gás Real -Fator de Copressibilidade pv Z Z > 1: Menor copressibilidade

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departaento de Estudos Básicos e Instruentais 5 Oscilações Física II Ferreira 1 ÍNDICE 1. Alguas Oscilações;. Moviento Harônico Siples (MHS); 3. Pendulo Siples;

Leia mais

ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI-UNITAU EXERCÍCIOS PARA ESTUDO DO EXAME FINAL - 2º PP - PROF. CARLINHOS - BONS ESTUDOS! ASSUNTO: POLIEDROS

ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI-UNITAU EXERCÍCIOS PARA ESTUDO DO EXAME FINAL - 2º PP - PROF. CARLINHOS - BONS ESTUDOS! ASSUNTO: POLIEDROS ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI-UNITAU EXERCÍCIOS PARA ESTUDO DO EXAME FINAL - 2º PP - PROF. CARLINHOS - BONS ESTUDOS! ASSUNTO: POLIEDROS 1) Ache o núero de vértices de arestas e de faces dos

Leia mais

Gases Reais. A distância média que uma molécula percorre entre duas colisões sucessivas é chamada de livre percurso médio (λ).

Gases Reais. A distância média que uma molécula percorre entre duas colisões sucessivas é chamada de livre percurso médio (λ). Gases Reais. Colisões Moleculares A distância édia que ua olécula percorre entre duas colisões sucessivas é chaada de livre percurso édio (λ). Coo nu líquido ua olécula encontra ua olécula vizinha eso

Leia mais

ESTUDO DAS CARACTERÍSTICAS DO LICOR NEGRO

ESTUDO DAS CARACTERÍSTICAS DO LICOR NEGRO ESTUDO DAS CARACTERÍSTICAS DO LICOR NEGRO Joela Ribeiro de Melo (FATEB) E-ail: rjoela@gail.co Janaína Fernandes Medeiros (FATEB) E-ail: janaina.edeiros@keira.co Rubiane Ganasci Marques (FATEB) E-ail: rubianeg@gail.co

Leia mais

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008

XVII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA I ENCONTRO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS IV WORKSHOP DE LASER E ÓPTICA NA AGRICULTURA 27 a 31 de outubro de 2008 ESTUDO DA COMPOSIÇÃO FÍSICA DO BAGAÇO DE CANA JOYCE MARIA GOMES COSTA 1* ; JOHNSON CLAY PEREISA SANTOS 2 ; JEFFERSON LUIZ GOMES CORRÊA 3 ; VIVIANE MACHADO DE AZEVEDO 4 RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Teorema Chinês dos Restos

Teorema Chinês dos Restos Teorea Chinês dos Restos Sauel Barbosa 22 de arço de 2006 Teorea 1. (Bézout) Seja a e b inteiros não nulos e d seu dc. Então existe inteiros x e y tais que d = ax + by. Se a e b são positivos podeos escolher

Leia mais

Soluções e Gases III. Gases

Soluções e Gases III. Gases Soluções e Gases III Gases Gases Gás é um material que preenche todo o espaço ou volume do recipiente em que se encontra, independentemente do tamanho do recipiente. Ar 78 % de N 2 21% de O 2 1% de outros

Leia mais

Gases. 1 atm = 1 kpa. 1 mmhg = 1 Torr. 1 m = 1000 L 1 L = 1000 ml = 1000 cm ESTUDO DOS GASES

Gases. 1 atm = 1 kpa. 1 mmhg = 1 Torr. 1 m = 1000 L 1 L = 1000 ml = 1000 cm ESTUDO DOS GASES 1 ESUDO DOS GSES INRODUÇÃO O estudo dos gases é de grande importância na compreensão de fatos que ocorrem no nosso cotidiano, tais como: um balão subir, uma bexiga murchar com o tempo, a pressão interna

Leia mais

Fabiano Lins da Silva 06 07 15

Fabiano Lins da Silva 06 07 15 3 o EM QUÍMICA 2º TRIMESTRE Fabiano Lins da Silva 06 07 15 5. (Ene 2011) O peróxido de hidrogênio é couente utilizado coo antisséptico e alvejante. Tabé pode ser epregado e trabalhos de restauração de

Leia mais

1) Durante a noite a temperatura da Terra não diminui tanto quanto seria de esperar

1) Durante a noite a temperatura da Terra não diminui tanto quanto seria de esperar Escola ásica e Secundária Gonçalves Zarco Física e Quíica A, º ano Ano lectivo 006 / 00 Ficha de rabalho nº 8 - CORRECÇÃO Noe: n.º aluno: ura: 1) Durante a noite a teperatura da erra não diinui tanto quanto

Leia mais

SISTEMAS BINÁRIOS ESTELARES

SISTEMAS BINÁRIOS ESTELARES SISTEMAS BINÁRIOS ESTELARES A aioria das estrelas encontra-se e sisteas duplos ou últiplos, estando fisicaente associadas entre si, sob influência de ua ação gravitacional útua. Através do estudo dos sisteas

Leia mais

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO 2012

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO 2012 CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO 01 1- (IFPE) A hidrazina é ua substância de fórula olecular N H 4, foi utilizada na segunda guerra undial isturada co peróxido de hidrogênio coo carburante de foguetes; atualente,

Leia mais

Exercícios sobre Densidade

Exercícios sobre Densidade Exercícios sobre Densidade 01. (Ita 2015) Ua istura de etanol e água a 25 C apresenta o volue parcial olar de água igual a 1 17,8c ol 1 e o volue parcial olar do etanol igual a 8,4 c ol. Co base nestas

Leia mais

INFORMAÇÃO DE PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano 2015/2016

INFORMAÇÃO DE PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCOLAS POETA ANTÓNIO ALEIXO INFORMAÇÃO DE PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano 2015/2016 Despacho norativo nº1-d/2016 de 4 de arço Despacho norativo nº1-g/2016 de 6 de abril 1ª

Leia mais

Prof. A.F.Guimarães Questões Dinâmica 4 Impulso e Quantidade de Movimento Questão 1

Prof. A.F.Guimarães Questões Dinâmica 4 Impulso e Quantidade de Movimento Questão 1 Prof..F.Guiarães Questões Dinâica 4 Ipulso e Quantidade de Moiento Questão (FUVST) Ua pessoa dá u piparote (ipulso) e ua oeda de 6 g que se encontra sobre ua esa horizontal. oeda desliza,4 e,5 s, e para.

Leia mais

Química 2ª série EM Apostila 1 página 1 TIPOS DE DISPERSÃO COLOIDAL. Nome Substância dispersa Substância dispersante Exemplos

Química 2ª série EM Apostila 1 página 1 TIPOS DE DISPERSÃO COLOIDAL. Nome Substância dispersa Substância dispersante Exemplos Quíica 2ª série EM Apostila 1 página 1 ESTUDO DAS SOLUÇÕES Conceito: Quando isturaos duas ou ais espécies quíicas obteos ua dispersão. A espécie que está e enor quantidade será chaada disperso e a que

Leia mais

Revisão: Balanceamento de Reações Químicas

Revisão: Balanceamento de Reações Químicas Quíica Geral Professor Celso Rapaci Revisão: Balanceaento de Reações Quíicas 1. (Uerj 016) Para diferenciar os hidrocarbonetos etano e eteno e ua istura gasosa, utiliza-se ua reação co broo olecular: o

Leia mais

física GREF leituras de

física GREF leituras de versão preliinar leituras de física GREF Física Térica. para ler, fazer e pensar 3 14. Terra: Planeta Ägua. 15. Os ateriais e as técnicas. 16. Mudanças sob pressão. 17. O ais frio dos frios. 18. Transfornações

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte. Esta aula tratará de gases e termodinâmica:

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte. Esta aula tratará de gases e termodinâmica: Esta aula tratará de gases e termodinâmica: Estudando a matéria, os cientistas definiram o mol. Um mol corresponde a 6,02. 10 " unidades de algo, número conhecido por N A, número de Avogadro. A importância

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F10 Movimento harmônico simples

Física. Resolução das atividades complementares. F10 Movimento harmônico simples Resolução das atividades copleentares Física F0 Moviento harônico siples p. 8 E questões coo a, a resposta é dada pela soa dos núeros que identifica as alternativas corretas. (UEM-PR) Toando-se coo base

Leia mais

AULA 11 HIDROSTÁTICA 1- INTRODUÇÃO

AULA 11 HIDROSTÁTICA 1- INTRODUÇÃO UL HDROSTÁTC - NTRODUÇÃO Na Hidrostática estudareos as roriedades associadas aos fluidos (ases ou líquidos) e equilíbrio. O estudo da idrostática está aoiado e três leis que vereos a seuir: ÿ Lei de Stevin;

Leia mais

Combustíveis Energia e Ambiente. Combustíveis gasosos, líquidos e sólidos: compreender as diferenças

Combustíveis Energia e Ambiente. Combustíveis gasosos, líquidos e sólidos: compreender as diferenças Combustíveis gasosos, líquidos e sólidos: compreender as diferenças 1 Estados físicos de hidrocarbonetos em função do número de carbonos da cadeia Os gases combustíveis podem ser agrupados em famílias,

Leia mais

Vejamos agora alguns casos particulares dessas transformações com quantidade de gás constante.

Vejamos agora alguns casos particulares dessas transformações com quantidade de gás constante. Setor 2306 Aula 06 Transformações Gasosas em sistemas fechados Complemento. Como vimos em aula, as transformações realizadas em sistemas fechados tem sua quantidade de gás constante. Nessa situação, a

Leia mais

Resolução Revisional Química EsPCEx

Resolução Revisional Química EsPCEx Resposta da questão 1: [E] Resolução Revisional Quíica EsPCEx A fórula olecular do coposto é C9H8O 4. Os grupos funcionais orgânicos presentes na estrutura são éster e ácido carboxílico. Resposta da questão

Leia mais

21/06/2012 ENERGIA. Solar

21/06/2012 ENERGIA. Solar 1/06/01 NRGIA Solar 1 1/06/01 létrica 1/06/01 Nuclear ó l i c a 3 1/06/01 Mecânica energia cinética e potencial - É ua grandeza física associada à capacidade que u corpo possui de fazer algo acontecer

Leia mais

CCI-22 CCI-22. 7) Integração Numérica. Matemática Computacional. Definição Fórmulas de Newton-Cotes. Definição Fórmulas de Newton-Cotes

CCI-22 CCI-22. 7) Integração Numérica. Matemática Computacional. Definição Fórmulas de Newton-Cotes. Definição Fórmulas de Newton-Cotes CCI- CCI- Mateática Coputacional 7 Integração Nuérica Carlos Alberto Alonso Sances Fórulas de Newton-Cotes, Quadratura Adaptativa CCI- Fórulas de Newton-Cotes Regra de Sipson Fórula geral stiativas de

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos 1 T.206 Resposta: c U ano-luz é a distância que a luz percorre no vácuo e u ano. 1 ano-luz 9,5 10 12 k T.207 Resposta: c U ilhão de anos-luz é a distância que a luz percorreu e 1 ilhão de anos. Portanto,

Leia mais

Apostila de Exercícios de Físico Química 4, Lei de Graham

Apostila de Exercícios de Físico Química 4, Lei de Graham 1) À mesma temperatura, um gás é quatro vezes mais denso que outro. Qual é a relação entre suas velocidades de efusão? (a) O gás mais denso difunde-se com metade da velocidade do gás menos denso. (b) O

Leia mais

QUÍMICA CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO 1: DIRETO, PUREZA E RENDIMENTO.

QUÍMICA CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO 1: DIRETO, PUREZA E RENDIMENTO. QUÍMICA Prof. Daniel Pires CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO 1: DIRETO, PUREZA E RENDIMENTO. 1. (Uerj) Para prevenção do bócio, doença causada pela falta de iodo no organiso, recoenda-se a adição de 0,005%, e assa,

Leia mais

GABARITO. Resposta: Teremos:

GABARITO. Resposta: Teremos: Cetro Uiversitário Achieta Egeharia Quíica Físico Quíica I Prof. Vaderlei I Paula Noe: R.A. a lista de exercícios/ Data: /08/04 // gabarito /08/04 GABARITO 0 - E u rocesso idustrial, u reator de 50 L é

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 T (K) =

Leia mais

Estudo dos gases. Profa. Kátia Aquino

Estudo dos gases. Profa. Kátia Aquino Estudo dos gases Profa. Kátia Aquino Vapor ou Gás? O CO2 um gás Vapor de água Industrias em Yokohama-Japão: O homem injeta somente 3% de todo CO2. (foto:paul Davdson) O calor liberado na condensação do

Leia mais

Termodinâmica Aplicada

Termodinâmica Aplicada TERMODINÂMICA Disciplina: Terodinâica Professor: Caruso APLICAÇÕES I Motores de autoóveis Turbinas Bobas e Copressores Usinas Téricas (nucleares, cobustíveis fósseis, bioassa ou qualquer outra fonte térica)

Leia mais

Química Geral Cálculo Estequiométrico

Química Geral Cálculo Estequiométrico Quíica Geral Cálculo Estequioétrico 1. (Fuvest 013) Antes do início dos Jogos Olípicos de 01, que acontecera e Londres, a chaa olípica percorreu todo o Reino Unido, pelas ãos de cerca de 8000 pessoas,

Leia mais

a) Calcular a energia cinética com que a moeda chega ao piso.

a) Calcular a energia cinética com que a moeda chega ao piso. Dados: Considere, quando necessário: g = 10 /s ; sen 30 = cos 60 = 1/; cos 30 = sen 60 = 3/; calor específico da água = 1 cal/g C. 1) Ua pessoa deixa ua oeda cair, e, então, ouve-se o barulho do choque

Leia mais

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Sistemas a Pressão Constante Quando o volume do sistema não é constante,

Leia mais

Pressão (mmhg) T (K) x 12 5

Pressão (mmhg) T (K) x 12 5 GASES IDEAIS 1- (UNIFOR) Para que a relação matemática P 1 V 1 = P 2 V 2, conhecida como Lei de Boyle para as transformações gasosas, seja válida é necessário que: I. A massa do gás seja constante II.

Leia mais

Exercícios sobre Estequiometria - Cálculo estequiométrico I

Exercícios sobre Estequiometria - Cálculo estequiométrico I Exercícios sobre Estequioetria - Cálculo estequioétrico I Exercício resolvido (Fuvest) Duas reações que ocorre na produção do ferro são representadas por: O onóxido de carbono forado na prieira etapa é

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS ESLUÇÕES E ESPSTAS QUESTÃ : 0, t C t + 4 a) Co t, teos: 0, C t + 4 0, C 0,04 5 esposta: 0,04 0, t b) De 0,04, teos: t + 4 0,04(t + 4) 0,t t + 4 5t t 5t + 4 0 t ou t 4 Co t, teos t 4. esposta: 4 P-5/P-

Leia mais

Quinta aula de estática dos fluidos. Primeiro semestre de 2012

Quinta aula de estática dos fluidos. Primeiro semestre de 2012 Quinta aula de estática dos fluidos Prieiro seestre de 01 Vaos rocurar alicar o que estudaos até este onto e exercícios. .1 No sistea da figura, desrezando-se o desnível entre os cilindros, deterinar o

Leia mais

Hipótese de Avogadro e Volume Molar

Hipótese de Avogadro e Volume Molar Hipótese de Avogadro e Volume Molar EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (UFES-ES) Três balões contêm H, N e O, conforme ilustrado abaixo: Considerando-se que os gases estão sob pressão de 1 atm e à mesma temperatura,

Leia mais

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO QUIMICA SOLUÇÕES

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO QUIMICA SOLUÇÕES 1. (Fuvest 2014) Nos anos de 1970, o uso do inseticida DDT, tabé chaado de 1,1,1-tricloro-2,2-bis (para-clorofenil)etano, foi proibido e vários países. Essa proibição se deveu à toxicidade desse inseticida,

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Substância pura Princípio de estado Equilíbrio de fases Diagramas de fases Equação de estado do gás ideal Outras equações de estado Outras propriedades termodinâmicas

Leia mais

Os Números Racionais e Irracionais. Máximo divisor comum e mínimo múltiplo comum: Critérios de divisibilidade. n e n. m são ditas irredutíveis,

Os Números Racionais e Irracionais. Máximo divisor comum e mínimo múltiplo comum: Critérios de divisibilidade. n e n. m são ditas irredutíveis, 0/0/0 Máio divisor cou e ínio últiplo cou: Dados dois núeros naturais e n, chaareos de aior divisor cou entre n e o núero natural dc (,n) que é otido pelo produto dos fatores couns entre e n. Assi podeos

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

Segunda lista de exercícios

Segunda lista de exercícios Segunda lista de exercícios 1. E u sistea construído para deterinação de pressões no SI, ou seja e Pascal (Pa), no caso p A, p B e p C fora obtidas as equações: p p p c B B p p p A C A 0000 (Pa) 7000 (Pa)

Leia mais

PROF: Alex LISTA 2 DATA: 07/ 03/ 2011

PROF: Alex LISTA 2 DATA: 07/ 03/ 2011 NOME: PROF: Alex LISTA DATA: 07/ 03/ 011 Teroquíica ( a Fase) 1. (Pucrj 006) Dadas as reações teroquíicas de foração NO(g) NO(g) + O(g) H 0 = 114 kj/ol de CO (reações 1a e 1b): 6 NO(g) + HO(l) 4 HNO3(aq)

Leia mais

Sistema Internacional de Unidades

Sistema Internacional de Unidades TEXTO DE REVISÃO 01 Unidades de Medidas, Notação Científica e Análise Diensional. Caro aluno: No livro texto (Halliday) o cap.01 Medidas introduz alguns conceitos uito iportantes, que serão retoados ao

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

Introdução aos Processos Químicos

Introdução aos Processos Químicos Departaento de Engenharia Quíica Escola de Quíica/UFRJ Introdução aos Processos Quíicos POSTIL Fernando Luiz Pellegrini Pessoa Eduardo Mach Queiroz ndré Heerly Costa 001/1 1 Capítulo 1 - INTRODUÇÃO 1.1

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas www.engenhariafacil.weebly.co Resuo co exercícios resolvidos do assunto: Sisteas de Partículas (I) (II) (III) Conservação do Moento Centro de Massa Colisões (I) Conservação do Moento Na ecânica clássica,

Leia mais

[ ] α β γ τ PROVA DE FÍSICA. β = α. De (1) e (2), temos : sen 2 1.sen2 RESOLUÇÃO COMENTADA ITA 2004/2005 FÍSICA

[ ] α β γ τ PROVA DE FÍSICA. β = α. De (1) e (2), temos : sen 2 1.sen2 RESOLUÇÃO COMENTADA ITA 2004/2005 FÍSICA SOLUÇÃO CONTADA ITA 004/005 ÍSICA POA D ÍSICA 0) Quando caadas adjacentes de u fluido viscoso desliza regularente uas sobre as outras, o escoaento resultante é dito lainar. Sob certas condições, o auento

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Quíica Experiental I Bacharelado e Quíica Engenharia Quíica Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 5 Tensão Superficial de Líquidos Deterinação da tensão superficial de líquidos. utilizando a técnica

Leia mais

Interpretação Molecular da Temperatura de um Gás Ideal

Interpretação Molecular da Temperatura de um Gás Ideal Interpretação Molecular da Temperatura de um Gás Ideal Já vimos que a pressão está relacionada com a energia cinética média das moléculas. Agora relacionaremos a temperatura à uma descrição microscópica

Leia mais

ficou no torpedo 6

ficou no torpedo 6 PROA DE FÍSICA º ANO - ª MENSA - º RIMESRE IPO A 0) Uma amostra de gás erfeito foi submetida às transformações indicadas no diagrama a seguir. Nessa seqüência de transformações, os estados de maior e de

Leia mais

Modelagem, similaridade e análise dimensional

Modelagem, similaridade e análise dimensional Modelage, siilaridade e análise diensional Alguns robleas e MF não ode ser resolvidos analiticaente devido a: iitações devido às silificações necessárias no odelo ateático o Falta da inforação coleta (turbulência);

Leia mais