Cinética Química. Velocidade média em função das substâncias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cinética Química. Velocidade média em função das substâncias"

Transcrição

1 Cinética Química A Cinética Química estuda a velocidade das reações e os fatores que a influenciam, estuda ainda a possibilidade de controlar essa velocidade, tornando as reações mais rápidas ou mais lentas, com base no mecanismo das reações. Velocidade média em função das substâncias Considere a reação genérica balanceada, esquematizada a seguir, na qual dias substâncias A e B reagem entre si na proporção aa + bb, produzindo duas novas substâncias na proporção cc + dd : a A + b B c C + d D No início da reação (tempo zero), tem-se apenas as substâncias A e B. Uma vez iniciado o processo, as quantidades das substâncias A e B vão diminuindo progressivamente, enquanto começam a surgir as substâncias C e D, em quantidades que vão aumentando até que a reação se complete. Define-se então: A velocidade média, V m, calculada em função de uma das substâncias participantes da reação é a razão entre a quantidade consumida ou produzida da substância e o intervalo de tempo,, em que isso ocorreu. Desse modo, a velocidade, média da reação genérica esquematizada acima pode ser calculada por uma das expressões abaixo: Consumo de reagentes quantidade de A consumido V m = ou quantidade de B consumido V m = ou V m V m Formação de produtos quantidade de C produzido = quantidade de D produzido = As quantidades das substâncias consumidas ou produzidas são normalmente expressas em variação de concentração em quantidade de matéria que aqui simbolizamos por Δ [ ]. Podem ser expressas também em variação de massa, Δm, variação de quantidade de matéria, Δn, ou em variação de pressão parcial, Δp, no caso de reagentes ou de produtos que estejam na fase gasosa. O intervalo de tempo,, deve ser expresso numa unidade que se ajuste ao tipo de reação: segundos, minutos, horas ou dias. Considere, por exemplo, que durante a reação citada anteriormente tenha sido medida a concentração em quantidade de matéria de A consumido e de C produzido, em intervalos de tempo regulares, de cinco em cinco minutos, obtendo-se o resultado descrito na tabela abaixo: Tempo (min.) [A] mol/l consumido 8,5 7,0 5,5 4,0 2,5 1,0 [C] mol/l produzido 0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 Com base nesses resultados, podemos calcular a velocidade média da reação em função de A ou de C, no intervalo de tempo que quisermos: 1

2 - Velocidade média da reação em função de A consumido no intervalo de tempo entre 5 e 20 minutos. V m Δ[ A] [ A] final [ A] inicial 2,5 7,0 = Vm = Vm = Vm t t 20 5 final inicial = 4,5 15 V m = 0,3mol / L. min - Velocidade média da reação em função de C produzido no intervalo de tempo entre 5 e 20 minutos. Δ[ C] [ C] final [ C] inicial 2,0 0,5 1,5 V m = Vm = Vm = Vm = V m = 0,1mol / L. min t t final inicial Observe que a velocidade média calculada em função dos reagentes (no caso A) tem valor Δ [A] negativo, pois, à medida que a reação se processa, a quantidade de reagentes vai diminuindo, portanto, para os reagentes é necessário o sinal negativo na frente da equação, para que a velocidade seja positiva. Já a velocidade média calculada em função dos produtos, no caso C, tem valor positivo, pois, à medida que a reação se processa, a quantidade de produtos vai aumentando. Para evitar o problema do sinal, costuma-se trabalhar com os valores da velocidade de qualquer substância que participe da reação em módulo. 1. Colisão favorável Condições necessárias Para que duas ou mais substâncias possam reagir é evidente que suas moléculas devem colidir entre si, de modo que haja quebra das ligações com conseqüente formação de outras novas, dando origem, assim, a novas substâncias. As colisões entre as moléculas podem ser não-efetivas e efetivas. Colisões não-efetivas São aquelas em que não há quebra de ligações e, consequentemente, não existe formação de outras novas. Neste caso não ocorre a reação Colisões efetivas São aquelas em que há quebra de ligações e conseqüente formação de outras novas. Neste caso, ocorre a reação Para que uma colisão seja efetiva, o choque entre as moléculas deve acontecer com uma orientação favorável e suficiente energia. Analisemos, por exemplo, algumas colisões entre moléculas H 2 e I 2 : 2

3 Quanto maior o número de colisões efetivas entre as moléculas dos reagentes, maior é a velocidade da reação. 2. Energia de ativação e complexo ativado Mais colisões efetivas maior velocidade Energia de ativação é a quantidade mínima de energia necessária para que a colisão entre as partículas dos reagentes, feita numa orientação favorável, seja efetiva e, portanto, resulte em reação. Vejamos o caminho da energia através de um gráfico para a seguinte reação: H 2(g) + I 2(g) 2HI (g) Ponto 1: As moléculas reagentes não possuem suficiente energia para reagirem. Ponto 2: A energia do sistema é maior, mas ainda não suficiente para que se verifique uma colisão efetiva. Ponto 3: Neste ponto, a energia é suficiente para a reação. Dá-se, então, a formação de um composto intermediário, instável, denominado complexo ativado. Aqui temos um estado ativado ou estado de transição. Ponto 4: Está vencida a "montanha" de energia. As moléculas do produto estão praticamente formadas. Ponto 5: As moléculas do produto (HI) estão definitivamente formadas. O complexo ativado de uma reação é uma estrutura intermediária e instável entre os reagentes e os produtos. 3

4 No caso da reação entre H 2(g) e I 2(g), formando HI (g), por exemplo, o complexo ativado seria representado da seguinte maneira: H H (g) H H H H H + + I I (g) I I I I I Reagentes Complexo ativado Produtos A representação gráfica de uma reação envolvendo a energia de ativação (E a ) pode ser de dois tipos: Reação exotérmica Reação endotérmica Quanto menor a energia de ativação, mais facilmente se forma o complexo ativado e, portanto, mais rápida é a reação. 1. Temperatura Menor energia de ativação maior velocidade Fatores que influem na velocidade Aumentar a temperatura significa aumentar a energia cinética das molécula, ou seja, aumentar a velocidade das moléculas. É fácil perceber que moléculas mais rápidas colidem com mais freqüência e com mais violência. Logo, mais moléculas reagem em um certo espaço de tempo e, com isso, a velocidade aumenta. Quanto mais alta é a temperatura. maior é o número de moléculas em condições de reagir e, portanto, mais rápida é a reação. Maior temperatura maior velocidade Regra de Van't Hoff Um aumento de 10ºC na temperatura duplica a velocidade de uma reação. 2. Pressão Quando falamos em influência da pressão na velocidade de uma reação, devemos pensa somente nos reagentes gasosos. Se aumentamos a pressão, diminuindo o volume, aumentamos o número de colisões e, portanto, a velocidade. Quanto maior é a pressão parcial de um participante gasoso, mais rápida é a reação. Maior pressão parcial maior velocidade 4

5 3. Concentração dos reagentes Observe, inicialmente, a seguinte experiência: Um químico colocou um pedaço de palha de aço numa cuba com solução diluída de ácido clorídrico (HCl) e notou que a reação durou um certo tempo (difamos,20 min.). Depois, o químico repetiu o experimento, usando, porém, uma solução de ácido clorídrico mais concentrada e notou que a reação foi mais rápida (digamos, 8 min.). Porque essa diferença de tempo? Porque na solução mais concentrada de ácido clorídrico temos mais íons H 3 O + por litro. Logo, ocorrem mais colisões entre esses íons e a palha de aço, e a reação se torna mais rápida. Como conseqüência, podemos dizer que o aumento da concentração dos reagentes tende a aumentar a velocidade da reação. A primeira observação da influência da concentração dos reagentes na velocidade de uma reação foi feita pelo químico alemão Karl Friedrich Wenzel, no século XVIII, quando estudava a ação dos ácidos sobre metais. Entretanto, somente em 1864 essa influência foi rigorosamente enunciada, através da lei da ação das massas, pelos cientistas noruegueses Cato Maximilian Guldberg e Peter Waage. Quanto mais alta é a concentração, maior é a probabilidade de ocorrerem colisões efetivas e, portanto, mais rápida é a reação. Maior concentração maior velocidade 4. Superfície de contato A reação de um sólido com outro reagente qualquer ocorre através de colisões das partículas do reagente com a superfície do sólido. Logo, não interessa saber qual a concentração do sólido, mas sim qual a sua superfície de contato. Quanto maior essa superfície, maior o número de colisões e maior a velocidade. Considere um prego e uma palha de aço. Suponhamos que as massas do prego e da palha de aço sejam as mesmas. Entretanto, é fácil perceber que as superfícies de contato são diferentes. Vamos colocar o prego e a palha de aço em soluções de ácido clorídrico (HCl) de mesma concentração. Percebemos, agora, que a reação da palha de aço com o ácido é bem mais rápida que a reação do prego com o acido, o que nos mostra que a velocidade realmente depende da superfície de contato, e não da concentração do prego ou da palha de aço. 5

6 A palha de aço apresenta uma superfície de contato muito maior; assim, sofre um número maior de colisões dos íons H +. Por isso, reage mais rapidamente. Quanto maior a superfície de contato do sólido, maior é o número de colisões por parte d outro reagente e, assim. Mais rápida é a reação. Maior superfície de contato maior velocidade Catálise Catalisador é uma substância que aumenta a velocidade de uma reação química sem ser efetivamente consumida no processo Catálise é o nome dado ao aumento de velocidade provocado pelo catalisador. A Ação do Catalisador Os catalisadores abaixam a energia de ativação da reação. Note que a presença do catalisador diminui a energia de ativação de E a2 para E a1, isto é, diminui a "montanha de energia" que as moléculas devem vencer para que ocorra a reação. Assim, mais moléculas podem reagir e, em conseqüência, a velocidade da reação aumenta. O mecanismo de ação dos catalisadores é bastante complexo e não está ainda perfeitamente esclarecido. Entretanto, podemos dizer que: O catalisador apresenta concentração constante, é devolvido "intacto" no final do processo. 6

7 Equação da velocidade Sendo a reação química. aa + bb cc + dd a equação da velocidade é dada por: V = k.[a] α [B] β onde; V velocidade da reação K Constante cinética da reação [A], [B] Concentração dos reagentes em mol/l α Ordem da reação em relação ao reagente A β Ordem da reação em relação ao reagente B Cada reação química tem um valor para K específico. Os valores de α e β são determinados experimentalmente, todavia é comum que estes valores sejam iguais aos coeficientes estequiométrico, assim. α = a β = b logo: V = k.[a] a [B] b A velocidade de uma reação num dado instante e cada temperatura, é proporcional ao produto das concentrações molares dos reagentes, elevadas a potências iguais aos respectivos coeficientes na equação química balanceada. Observe a aplicação dessa lei para as seguintes reações: H 2(g0 + Cl 2(g) 2HCl (g) V = k. [H 2 ] [Cl 2 ] [H 2 ] = concentração molar do H 2(g) [Cl 2 ] = concentração molar do Cl 2(g) N 2(g) + 3H 3(g) 2NH 3(g) V = k.[n 2 ] [H 2 ] 3 Obs.: IPC...IMPORTANTE PRA CARAMBA A etapa lenta: um fator decisivo na velocidade Consideremos a reação: 4HBr + O 2 2H 2 O + 2Br 2 Sua velocidade é dada por: V = k. [HBr] [O 2 ] 7

8 E não por V = k. [HBr] 4 [O 2 ]. A reação ocorre em três etapas: 1ª Etapa (lenta): HBr + O 2 HOOBr 2ª Etapa (rápida): HOOBr + HBr 2HBrO 3ª Etapa: (rápida): 2HBrO + 2HBr 2H 2 O + 2Br 2 e o comando da velocidade é dado pela etapa lenta. Então: HBr + O 2 HOOBr V = k. [HBr] [O 2 ] Exercícios 1. (Cesgranrio-RJ) O gráfico ao lado representa a variação das concentrações das substâncias X, Y e Z durante a reação em que elas tomam parte. A equação que representa a reação é: a) X + Z Y d) Y X + Z c) X Y + Z b) X + Y Z e) Z X + Y 2. A relação a seguir mostra a variação da concentração de uma substância A, em função do tempo, em uma reação química: a A + b B c C + d D t(min) 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 18,0 [A] mol/l 11,0 7,0 4,3 3,0 2,0 1,0 0,5 0,3 0,2 0,2 Qual será o valor da velocidade média da reação de A correspondente ao intervalo entre 4 e 14 minutos? 3. (UFV-MG) A formação do dióxido de carbono (CO 2 ) pode ser representada pela equação: C(s) + O 2 (g) CO 2 (g) Se a velocidade de formação do CO 2 for de 4 mol/minuto, o consumo de oxigênio, em mol/minuto, será: a) 8. b) 16. c) 2. d) 12.e) 4. 8

9 4.(PUC) Em determinada experiência, a reação de formação de água está ocorrendo com o consumo de 4 mols de oxigênio por minuto. Conseqüentemente, a velocidade de consumo de hidrogênio é de: H 2 + ½ O 2 H 2 O a) 2 mois/minuto b) 4 mois/minuto c) 8 mois/minuto d) 12 mola/minuto e) 16 mois/minuto 5.(Puccamp-SP) A combustão do butano C 4 H 10 corresponde à equação: C 4 H ,5 O 2 4 CO H 2 O Se a velocidade da reação for 0,05 mol butano/minuto, qual a massa de CO 2 produzida em meia hora? (C = 12, H = 1, O = 16) 6. O gráfico que melhor representa a massa de um catalisador (m), em função do tempo da reação é: Exercícios - Lei da velocidade 7. Considere as reações elementares: a) 2 HCl(g) H 2 (g) + Cl 2 (g) b) H 2 (g) + I 2 (g) 2 HI(g) c) 2 CO(g) + O 2 (g) 2 CO 2 (g) d) 2 NH 3 (g) N 2 (g) + 3 H 2 (g) e) N 2 (g) + 3 H 2 (g) 2 NH 3 (g) Escreva as equações de velocidade dessas reações. 8. Investigações experimentais mostraram que, para a reação em fase gasosa NO 2 + CO CO 2 + NO A lei cinética é V = K.[NO 2 ] 2. Qual dos mecanismos a seguir pode ser o verdadeiro mecanismo dessa reação? Justifique. Mecanismo I: NO 2 + CO CO 2 + NO (etapa única) Mecanismo II: 2 NO 2 NO 3 + NO (etapa lenta) NO 3 + CO NO 2 + CO 2 (etapa rápida) Mecanismo III: NO 2 NO + O (etapa lenta) CO + O CO 2 (etapa rápida) 9

10 9.(Acafe-SC) Óxido nítrico reage com hidrogênio, produzindo nitrogênio e vapor de água, de acordo com a seguinte equação: 2 NO (g) + 2 H 2(g) N 2(g) + 2H 2 O (g) Acredita-se que essa reação ocorra em duas etapas: 2 NO + H 2 N 2 O + H 2 O (lenta) N 2 O + H 2 N 2 + H 2 O (rápida) De acordo com esse mecanismo, assinale a expressão de velocidade da reação. a) V = K [NO] 2 [H 2 ] b) V = K [NO 2 ] [H 2 O] c) V = K [NO] [H 2 ] d) V = K [N 2 ] [H 2 O] e) V = K [N 2 ] [H 2 O] 2 10 (UNI-RIO) Num laboratório, foram efetuadas diversas experiências para a reação: 2 H 2 (g) + 2 NO(g) N 2 (g) + 2 H 2 O(g) Com os resultados das velocidades iniciais obtidos, montou-se a seguinte tabela: Escreva a equação da Lei da velocidade. experimento [H 2 ] [NO] v(mol.l -1.s -1 ) 1 0,10 0,10 0,10 2 0,20 0,10 0,20 3 0,10 0,20 0, Sendo a reação: 2 CO(g) + O 2 (g) 2 CO 2 (g) o que ocorre com a velocidade de formação do CO 2, se a concentração de CO for triplicada e a concentração de O 2 dobrada? 12. (Cesgranrio-RJ) A equação X + 2 Y XY 2 representa uma reação, cuja equação da velocidade é: v = k [X] [Y] Indique o valor da constante de velocidade, para a reação dada, sabendo que, quando a concentração de X é 1 M e a de Y é 2 M, a velocidade da reação é de 3 mol/l m: Exercícios fatores 13. (UERJ) A sabedoria popular indica que, para acender uma lareira, devemos utilizar inicialmente lascas de lenha e só depois colocarmos as toras. Em condições reacionais idênticas e utilizando massas iguais de madeira em lascas e em toras, verifica-se que madeira em lascas queima com mais velocidade. O fator determinante, para essa maior velocidade da reação, é o aumento da: a) pressão b) temperatura c) concentração d) Superfície de contato 10

11 14. (Puccamp) Considere as duas fogueiras representadas a seguir, feitas, lado a lado, com o mesmo tipo e quantidade de lenha. A rapidez da combustão da lenha será a) maior na fogueira 1, pois a superfície de contato com o ar é maior. b) maior na fogueira 1, pois a lenha está mais compactada, o que evita a vaporização de componentes voláteis. c) igual nas duas fogueiras, uma vez que a quantidade de lenha é a mesma e estão no. mesmo ambiente. d) maior na fogueira 2, pois a lenha está menos compactada, o que permite maior retenção de calor pela madeira. e) maior na fogueira 2, pois a superfície de contato com o ar é maior. 15. (UFMG) A elevação de temperatura aumenta a velocidade das reações químicas porque aumenta os fatores apresentados nas alternativas, EXCETO: a) A energia cinética média das moléculas. b) A energia de ativação. c) A freqüência das colisões efetivas. d) O número de colisões por segundo entre as moléculas. e) A velocidade média das moléculas 13 (Unicamp-SP) Observe os diagramas 1 e 2 representativos de uma mesma reação química. Para cada curva do diagrama 1 há uma curva correspondente no diagrama 2. Quais curvas representam a reação na presença de um catalisador? Explique. 15. (CESGRANRIO) È dada a reação A + B C cuja expressão da velocidade é v = K [A][B] Afirma-se que os fatores que aumentam a velocidade da reação são: I) aumento de temperatura. - II) diminuição da concentração molar de A. III) aumento da conçentração molar de B. IV) uso de catalisador. Assinale a opção correta: a) I, II, III, IV são verdadeiras. b) I, II, III são verdadeiras; IV é falsa, c) 1, III, IV são verdadeiras; II é falsa. d) l e II são verdadeiras; III e IV são falsas e) III e IV são verdadeiras; I e II são falsas. 11

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 O QUE É CINÉTICA QUÍMICA? É a área da química que estuda a velocidade das reações

Leia mais

Vm A = [A] t. Vm B = [B] t. Vm C = [C] t. Vm = Vm A = Vm B = Vm C a b c. 1

Vm A = [A] t. Vm B = [B] t. Vm C = [C] t. Vm = Vm A = Vm B = Vm C a b c.  1 I. INTRODUÇÃO É à parte da química que estuda a maior ou menor rapidez com que uma reação química ocorre e os fatores que a influenciam. Este estudo é importante para o nosso dia-a-dia, pois explica alguns

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar:

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar: LISTA DE EXERCÍCIOS CINÉTICA QUÍMICA 1) O NO 2 proveniente dos escapamentos dos veículos automotores é também responsável pela destruição da camada de ozônio. As reações que podem ocorrer no ar poluído

Leia mais

Colégio João Paulo I. Questões complementares de Cinética Química. Prof. Cristiano Rupp

Colégio João Paulo I. Questões complementares de Cinética Química. Prof. Cristiano Rupp Colégio João Paulo I Questões complementares de Cinética Química Prof. Cristiano Rupp 1- A quimotripsina é uma enzima que catalisa a clivagem heterolítica das ligações peptídicas, processo que faz parte

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1 Adaptado de UFRRJ Quantidade de matéria (em mols) de HBr. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química

Atividade extra. Exercício 1 Adaptado de UFRRJ Quantidade de matéria (em mols) de HBr. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química Atividade extra Exercício 1 Adaptado de UFRRJ 2006 Dada a tabela a seguir, em relação à reação 2 HBr H2 + Br2 : Tempo (min) Quantidade de matéria (em mols) de HBr 0 0,200 5 0,175 10 0,070 15 0,040 20 0,024

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

Aula 43 Página 1. Vejamos um exemplo que ilustra a formação do complexo ativado:

Aula 43 Página 1. Vejamos um exemplo que ilustra a formação do complexo ativado: CURSINHO ETWB 2012 Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: Terça-feira, 04/09/2012 Tema da aula: Cinética Química: Fatores que influenciam na rapidez de transformações químicas O

Leia mais

Prof. Msc.. João Neto

Prof. Msc.. João Neto Cinética Química Prof. Msc.. João Neto CINÉTICA QUÍMICA é a parte da Química que estuda a velocidade ou rapidez das reações. Prof. Msc. João Neto Produtos (Formados) A + B AB Reagentes (Consumidos) Prof.

Leia mais

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins Cinética Química Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins Usamos atermodinâmica para saber se uma reacção é favorecida no

Leia mais

QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS

QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS Os cálculos estequiométricos correspondem aos cálculos de massa, de quantidade de matéria e em alguns casos, de volumes das substâncias envolvidas

Leia mais

Δt = 8. Cinética Química

Δt = 8. Cinética Química Cinética Química Velocidade das Reações A velocidade média de consumo de um reagente ou de formação de um produto é calculada em função da variação da quantidade de reagentes e produtos pela variação do

Leia mais

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Cinética Química Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Fatores que afetam a velocidade da reação: Concentração dos reagentes.

Leia mais

Exercícios sobre Equilíbrio químico

Exercícios sobre Equilíbrio químico Exercícios sobre Equilíbrio químico 01 - (Ueg GO) Baseado na charge e em seus conhecimentos sobre Química, responda ao que se pede. a) Caso o cientista tivesse misturado quantidades adequadas de ácido

Leia mais

É a parte da química que estuda a VELOCIDADE DAS REAÇÕES e os fatores que nela influem

É a parte da química que estuda a VELOCIDADE DAS REAÇÕES e os fatores que nela influem É a parte da química que estuda a VELOCIDADE DAS REAÇÕES e os fatores que nela influem Para que uma reação ocorra são necessários os seguintes fatores: Contato entre as moléculas reagentes Afinidade química

Leia mais

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a 01)Numa reação exotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a variação de entalpia é [3] que zero. Completa-se corretamente essa frase substituindo-se

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05.

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e Fatores de Conversão R = 8,314

Leia mais

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia Unidade 6 - Conteúdo 13 - Termoquímica As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece.

Leia mais

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria.

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria. TERMOQUÍMICA- 3C13 As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece. A Termoquimica

Leia mais

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08 P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/1/08 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,314

Leia mais

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI Processos Químicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos tipos de substâncias presentes ou de suas proporções. Processos Físicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos

Leia mais

Atividade complementar. Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos

Atividade complementar. Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos Atividade complementar Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos Esta atividade tem como objetivo complementar e aprofundar os estudos sobre as transformações químicas,

Leia mais

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor Fala gás nobre! Tudo bem? Hoje vamos para mais um assunto de química: A termoquímica. Você sabia que as reações químicas absorvem ou liberam calor, e desta forma, ocorre uma troca de energia? Pois é, a

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO. Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação. Sabemos que:

DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO. Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação. Sabemos que: Química 3 ano Décio fev/08 2 DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação Sabemos que: Quanto maior o número de choques entre as partículas

Leia mais

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação:

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação: 3ª Série / Vestibular 01. I _ 2SO 2(g) + O 2(g) 2SO 3(g) II _ SO 3(g) + H 2O(l) H 2SO 4(ag) As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

Química. Professor Duda 27/03/2013. Aluno (a): e) Nos três experimentos após o término da reação, foi obtida a mesma quantidade de amônia.

Química. Professor Duda 27/03/2013. Aluno (a): e) Nos três experimentos após o término da reação, foi obtida a mesma quantidade de amônia. Química Professor Duda 06 Aluno (a): 27/03/2013 01 - (UEG GO) Durante a manifestação das reações químicas, ocorrem variações de energia. A quantidade de energia envolvida está associada às características

Leia mais

Cinética Química. Professora (Estagiária): Magda Vieira Professora Supervisora: Kátia Aquino. Profa. Kátia Aquino

Cinética Química. Professora (Estagiária): Magda Vieira Professora Supervisora: Kátia Aquino. Profa. Kátia Aquino Cinética Química Professora (Estagiária): Magda Vieira Professora Supervisora: Kátia Aquino Profa. Kátia Aquino 1 As reações também possuem suas velocidades próprias Muito rápida: combustão http://www.franciscoevangelista.com/2012/07/incendio-residencial-com-vitima-fatal.html

Leia mais

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016 INSTITUTO GEREMARIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (21) 21087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): 2º Ano: C21 Nº Professora: Lúcia Nascimento COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. QUÍMICA 1 2º ANO Prof.ª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas

CINÉTICA QUÍMICA. QUÍMICA 1 2º ANO Prof.ª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas CINÉTICA QUÍMICA QUÍMICA 1 2º ANO Prof.ª ELAINE CRISTINA CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quanto à velocidade Rápidas: neutralizações em meio aquoso, combustões,... Lentas: fermentações, formação

Leia mais

Cálculos Estequiométricos

Cálculos Estequiométricos Estequiometria significa medida de um elemento Com base numa equação química, podemos calcular o número de mols, o número de moléculas, a massa, o volume de uma ou mais substâncias, em função de algum

Leia mais

1)Utilizando a reação de combustão do monóxido de carbono, responda: 2CO + O 2 2CO 2

1)Utilizando a reação de combustão do monóxido de carbono, responda: 2CO + O 2 2CO 2 Cinética Química 1)Utilizando a reação de combustão do monóxido de carbono, responda: 2CO + O 2 2CO 2 a)qual é a expressa o da velocidade da reac a o? b)qual a ordem de CO, O 2 e a global? c)o que irá

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

Lista de exercícios 2 QB70D

Lista de exercícios 2 QB70D Lista de exercícios 2 QB70D 1) Suponha que você jogue uma bola de tênis para o alto. (a) A energia cinética da bola aumenta ou diminui à medida que ela ganha altitude? (b) O que acontece com a energia

Leia mais

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM)

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) 1. Nos motores de explosão existentes hoje em dia utiliza-se uma mistura de gasolina

Leia mais

Fundamentos de Química

Fundamentos de Química FCiências Fundamentos de Química Apontamentos Equilíbrio químico, Ácido e Bases, Cinética Química Produzido por Filipa França Divulgado e Partilhado por FCiências Equilíbrio Químico FCiências Reações em

Leia mais

Cinética química. A reação representada pela equação acima é realizada segundo dois procedimentos:

Cinética química. A reação representada pela equação acima é realizada segundo dois procedimentos: Cinética química 01. (Ufrs) Observe o gráfico a seguir. O perfil da reação genérica A B, nele representado, indica que a energia de ativação do processo, em kj, é igual a a) 100. b) 150. c) 250. d) 300.

Leia mais

Componente de Química

Componente de Química Componente de Química 1.5 Controlo da produção industrial Alteração do estado de equilíbrio de um sistema O carácter dinâmico do equilíbrio (num sistema em equilíbrio, a uma dada temperatura, as velocidades

Leia mais

Química Fascículo 03 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 03 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 03 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Estequiometria...1 Exercícios...2 Gabarito...4 Estequiometria Balanço de massas e de quantidades

Leia mais

FÍSICO QUÍMICA AULA 2 - OXIDO- REDUÇÃO. Parte 2 Reações e conceitos

FÍSICO QUÍMICA AULA 2 - OXIDO- REDUÇÃO. Parte 2 Reações e conceitos FÍSICO QUÍMICA AULA 2 - OXIDO- REDUÇÃO Parte 2 Reações e conceitos Vimos anteriormente que oxidação é o processo no qual um átomo perde elétrons, tendo um aumento no N ox, enquanto na redução ganham-se

Leia mais

Transformações físicas e químicas

Transformações físicas e químicas Gabaritos Professores: Alinne Borges Tiago Albuquerque Sandro Sobreira Josiane Reação química Pesquise Momento Sheldon Exercícios Transformações físicas e químicas Vídeos Leis de Lavoisier e Proust Transformações

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib.

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib. TERMOQUÍMICA Prof. Neif Nagib neifnagib@yahoo.com.br Os princípios fundamentais do calor e do trabalho se aplicam no estudo de uma reação química e nas mudanças do estado físico de uma substância. Nesses

Leia mais

Apostila de Química 02 Termoquímica

Apostila de Química 02 Termoquímica Apostila de Química 02 Termoquímica 1.0 Introdução A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas; Não há reação química que ocorra sem variação de

Leia mais

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Box 6 Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Vimos anteriormente que a variação de entalpia de uma reação é determinada experimentalmente no calorímetro. Existem, no entanto, maneiras indiretas de determinação

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial Termoquímica Bolsista: Joyce de Q. Barbosa Tutor: Dr. José Ribamar Silva Termodinâmica Conceitos Básicos Termoquímica

Leia mais

BC0307 Transformações Químicas. Cinética química

BC0307 Transformações Químicas. Cinética química Cinética química 1 É possível que ocorra uma determinada reação? Essa reação é espontânea? Termodinâmica Quão rápida é esta reação? Qual o mecanismo desta transformação química? Cinética 2 Modelo de colisão

Leia mais

Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 06, 07, 08 e 11/07/2015. Material de Apoio para Monitoria

Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 06, 07, 08 e 11/07/2015. Material de Apoio para Monitoria Termoquímica II 1.. (BRASÍLIA) A energia de ligação média para a ligação C H no metano CH4(g) é aproximadamente: Dados: ΔHf 0 (entalpia de formação-padrão) CH4(g) = -17,9 kcal/mol H(g) = +52,1 kcal/mol

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/07/10 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,14

Leia mais

Cinética Química. Profa. Graça Porto

Cinética Química. Profa. Graça Porto Cinética Química. Ao realizar a reação de formação da água a partir dos gases hidrogênio (H 2 ) e oxigênio (O 2 ) verificou-se que a velocidade de consumo de oxigênio foi de 4 mol/min. Determine a velocidade

Leia mais

UNIDADE 3 - CINÉTICA QUÍMICA

UNIDADE 3 - CINÉTICA QUÍMICA UNIDADE 3 - CINÉTICA QUÍMICA CAPÍTULO 1 VELOCIDADE DA REAÇAO...2 Conceito...2 Velocidade média...2 Velocidades de formação e de desaparecimento...4 Medida da velocidade...6 Velocidade imensurável...6 Velocidade

Leia mais

QUÍMICA. Prof. Daniel Pires TERMOQUÍMICA

QUÍMICA. Prof. Daniel Pires TERMOQUÍMICA QUÍMICA Prof. Daniel Pires TERMOQUÍMICA 1 QUESTÕES 1. (Uerj 13) A equação química abaixo representa a reação da produção industrial de gás hidrogênio. H O g C s CO g H g Na determinação da variação de

Leia mais

Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química

Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química Questão 1 Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química Dentre as substâncias presentes nessa mistura, apenas o bromo possui cor e, quando

Leia mais

CURSO ABSOLUTO VESTIBULARES - ISOLADO DE QUÍMICA EQUILÍBRIO IÔNICO Prof.: Mazzei

CURSO ABSOLUTO VESTIBULARES - ISOLADO DE QUÍMICA EQUILÍBRIO IÔNICO Prof.: Mazzei 01. O ácido cianídrico tem ampla aplicação industrial, sendo matéria-prima para a fabricação de vários bens de consumo. Entretanto, ao trabalhar-se com essa substância deve-se tomar o devido cuidado. Esse

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach

CQ110 : Princípios de FQ. Imagens de Rorschach Imagens de Rorschach 1 Leis de velocidade Velocidade de uma reação química: Variação de reagentes / produtos em função do tempo: a A+ b B produtos v = k [A] x [B] y Lei de velocidade k: constante de velocidade

Leia mais

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M ª série E.M. - APE 1. (Vunesp) Medicamentos, na forma de preparados injetáveis, devem ser soluções isotônicas com relação aos fluidos celulares. O soro fisiológico, por exemplo, apresenta concentração

Leia mais

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Química Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Re Resolução 1. O carbeto de cálcio CaC 2 (s) (massa molar = 64 g mol 1 ), também conhecido como carbureto, pode ser obtido aquecendo-se

Leia mais

Resolução UNIFESP 2015

Resolução UNIFESP 2015 Resolução UNIFESP 2015 1-Utilizando o aparato indicado na figura, certo volume de solução aquosa de sulfato de cobre(ii) hidratado foi colocado dentro do béquer. Quando o plugue foi conectado à tomada

Leia mais

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4.

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4. P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 31/05/14 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = - n F E G = G o + RT Q ΔE RT ΔE nf Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0

Leia mais

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância Reacções químicas Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química Prof. Luís Perna 2010/11 Grau de pureza de uma substância Muitos dos materiais que utilizamos no dia-a-dia possuem impurezas

Leia mais

Os sistemas podem armazenar energia e está pode ser transferida.

Os sistemas podem armazenar energia e está pode ser transferida. AULA 13 Termoquímica A termoquímica é uma parte da físico-química que estuda as trocas de calor (entre os sistemas e o meio ambiente) que acompanha os fenômenos. Calor é uma energia em trânsito. Existem

Leia mais

É o estudo das quantidades de calor liberadas e absorvidas durante as reações químicas. 1 kcal = 1000 cal. 1 cal = 4,18 J

É o estudo das quantidades de calor liberadas e absorvidas durante as reações químicas. 1 kcal = 1000 cal. 1 cal = 4,18 J Apostila de Química (3º bimestre-2009) Professor: Eduardo Mesquita 2º ano Ensino Médio Termoquímica É o estudo das quantidades de calor liberadas e absorvidas durante as reações químicas. Caloria: é a

Leia mais

LEIS DAS COMBINAÇÕES QUÍMICAS

LEIS DAS COMBINAÇÕES QUÍMICAS COLÉGIO CONTATO 2016 QUIMICA I Livro 1 LEIS DAS COMBINAÇÕES QUÍMICAS EDMAR MARINHO DE AZEVEDO SITUANDO A DISCUSSÃO... 1. INTRODUÇÃO As Leis das Reações Químicas, deduzidas de forma empírica por cientistas

Leia mais

Tabela de Constantes Constante de Avogadro N A = 6, mol 1 Volume molar a PTN V m (PTN) = 22,4 dm 3. Formulário

Tabela de Constantes Constante de Avogadro N A = 6, mol 1 Volume molar a PTN V m (PTN) = 22,4 dm 3. Formulário Ficha de Avaliação Sumativa Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos DISCIPLINA: Física e Química Módulo: Q3 2015/2016 10 ºAno de escolaridade Data: 15 de janeiro

Leia mais

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia.

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Combustíveis Energia e Ambiente De onde vem a energia dos combustíveis? Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Sistema; Universo; Sistema Aberto, Fechado e Isolado; Estado final e Inicial; Energia

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 T (K) =

Leia mais

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência.

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência. 13 QUÍMICA A posição dos elementos na Tabela Periódica permite prever as fórmulas das substâncias que contêm esses elementos e os tipos de ligação apropriados a essas substâncias. Na Tabela Periódica atual,

Leia mais

TAREFA DA SEMANA DE 24 a 28 DE FEVEREIRO

TAREFA DA SEMANA DE 24 a 28 DE FEVEREIRO TAREFA DA SEMANA DE 4 a 8 DE FEVEREIRO QUÍMICA 3ª SÉRIE. (Upe) Um dos contaminantes do petróleo e do gás natural brutos é o H S. O gás sulfídrico é originário de processos geológicos, baseados em diversos

Leia mais

Banco de Questões para o 2º ano MEDF. 1. De acordo com o gráfico abaixo, assinale o caminho que sugere a presença de catalisador. Explique.

Banco de Questões para o 2º ano MEDF. 1. De acordo com o gráfico abaixo, assinale o caminho que sugere a presença de catalisador. Explique. Banco de Questões para o 2º ano MEDF Cinética Química 1. De acordo com o gráfico abaixo, assinale o caminho que sugere a presença de catalisador. Explique. Gabarito: O caminho que sugere a presença de

Leia mais

Estudos de Calor Nas Reações Químicas

Estudos de Calor Nas Reações Químicas studos de Calor Nas Reações s 1. Leia as informações a seguir: Uma árvore, em um ambiente natural a 0 C, apresentando 10 5 folhas com área média de 0,5 dm por folha, está perdendo água para a atmosfera

Leia mais

(aq) + H 3 O + (aq) K 1 = 1,0 x (aq) + H 3 O + (aq) K 2 = 1,0 x 10-11

(aq) + H 3 O + (aq) K 1 = 1,0 x (aq) + H 3 O + (aq) K 2 = 1,0 x 10-11 Questão 1 O ácido carbônico é formado quando se borbulha o dióxido de carbono em água. Ele está presente em águas gaseificadas e refrigerantes. Em solução aquosa, ele pode sofrer duas dissociações conforme

Leia mais

Com base nesses dados, calcule: a) Concentração em g/l. b) Título em massa.

Com base nesses dados, calcule: a) Concentração em g/l. b) Título em massa. ALUNO(a): Nº: SÉRIE: ª TURMA: UNIDADE: VV JC JP PC DATA: / /06 Obs.: Esta lista deve ser entregue apenas ao professor no dia da aula de Recuperação Valor: 5,0. Uma solução contendo 4 g de cloreto de sódio

Leia mais

aa + bb produtos RESUMO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

aa + bb produtos RESUMO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Química Frente IV Físico-química Prof. Vitor Terra Lista 09 Cinética Química Lei de Velocidade Lei de velocidade RESUMO aa + bb produtos v = k[a] m [B] n v é a velocidade (instantânea) da reação, k é a

Leia mais

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C.

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. H (g) + 1/2 O (g) ë H O(Ø) (ÐH) H (g) + 1/2 O (g) ë H O(s) (ÐH) A diferença entre os efeitos térmicos, (ÐH) - (ÐH), é igual a) a

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA DE REAÇÕES QUÍMICAS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS

ESTEQUIOMETRIA DE REAÇÕES QUÍMICAS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS ESTEQUIOMETRIA DE REAÇÕES QUÍMICAS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS Aula 10 META Mostrar como se realizam cálculos estequiométricos de reações em que um dos reagentes encontra-se em excesso, além de calcular

Leia mais

A) Se a massa molar do composto C é 76 g.mol 1, determine as fórmulas químicas para os compostos A, B, C, D e E.

A) Se a massa molar do composto C é 76 g.mol 1, determine as fórmulas químicas para os compostos A, B, C, D e E. VTB 2008 2ª ETAPA Solução Comentada da Prova de Química 01. Na análise de 5 (cinco) diferentes compostos (A, B, C, D e E) formados apenas por nitrogênio e oxigênio, observou-se que as relações de massas

Leia mais

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Sistemas a Pressão Constante Quando o volume do sistema não é constante,

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Química Fase III (Etapa 1 nacional)

Olimpíada Brasileira de Química Fase III (Etapa 1 nacional) Page 1 of 5 Olimpíada Brasileira de Química - 2001 Fase III (Etapa 1 nacional) Questão 1 (48 th Chemistry Olympiad - Final National Competition - 2001 - Estonia) Exame aplicado em 01.09.2001 Os compostos

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É uma Mistura Homogênia de 2 ou mais substâncias. Na Solução não ocorre uma reação química, porque não há formação de novas substâncias e não há alterações

Leia mais

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato 1) (1,0 ponto) a) Como é definido o fator de compressibilidade, Z, de um gás? b) Qual

Leia mais

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Química Valor: 15,0

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Química Valor: 15,0 Aluno(a): nº: Turma: Nota Ano: 2º Ano EM Data: / /2016 Trabalho Recuperação Professor(a): Willian Novato Matéria: Química Valor: 15,0 PARA TODAS AS QUESTÕES, AS RESPOSTAS DEVERÃO CONSTAR DE RACIOCÍNIO

Leia mais

Resolução de Química UFRGS / 2012

Resolução de Química UFRGS / 2012 26. Resposta C Resolução de Química UFRGS / 2012 Água super-resfriada é água líquida em temperatura abaixo do seu ponto de congelamento. Geralmente ocorre num resfriamento lento e sem agitação onde qualquer

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação CINÉTICA QUÍMICA 1 1. Conceito de velocidade de reação Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições e quais os mecanismos de desenvolvimento

Leia mais

RESUMO. Quanto maior for a frequência de colisões eficazes, maior será a velocidade da reação.

RESUMO. Quanto maior for a frequência de colisões eficazes, maior será a velocidade da reação. Química Frente IV Físico-química Prof. Vitor Terra Lista 07 Cinética Química Velocidade de uma Reação RESUMO Velocidade média de uma reação v m,x = ΔQ X Δt = Q X,f Q X,i Δt Q X é a quantidade da substância

Leia mais

CIAS LIO TÂNC CIAN. Prof. Msc João Neto 2

CIAS LIO TÂNC CIAN. Prof. Msc João Neto 2 Prof. Msc João Neto 2 DIFERENC CIAN DO SUBS TÂNC CIAS DE MISTURA AS COM AUXÍL LIO DAS CURVAS DE AQ QUEC CIME ENTO Prof. Msc João Neto 3 1 L 0,4 mol 0,1L x x 0, 04mol 0,0404 mol 100mL solução / L 900mL

Leia mais

FUVEST Segunda Fase. Química 06/01/2003

FUVEST Segunda Fase. Química 06/01/2003 FUVEST 2003 Segunda Fase Química 06/01/2003 Q.01 Em 1861, o pesquisador Kekulé e o professor secundário Loschmidt apresentaram, em seus escritos, as seguintes fórmulas estruturais para o ácido acético

Leia mais

L E I S D A S R E A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 2011 >

L E I S D A S R E A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 2011 > L E I S D A S R E A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 2011 > Prof. Agamenon Roberto LEIS DAS REAÇÕES QUÍMICAS www.agamenonquimica.com 2 LEIS DAS REAÇÕES QUÍMICAS Um trabalho muito complicado

Leia mais

Funções inorgânicas - Ácidos

Funções inorgânicas - Ácidos Funções inorgânicas - Ácidos 01. O que é função química? 02. Conceitue os ácidos. Qual a diferença entre oxiácidos e hidrácidos? Exemplifique. 03. (PUCCAMP) A respeito das substâncias denominadas ácidos,

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa

Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa edisousa@if.usp.br Metabolismo Celular Cada reação que ocorre em um organismo vivo requer o uso de energia

Leia mais

Vestibular UERJ 2016 Gabarito Comentado

Vestibular UERJ 2016 Gabarito Comentado Questão 1 O CO2 é um óxido não metálico e possui as seguintes nomenclaturas oficiais: anidrido carbônico dióxido de carbono óxido de carbono IV Moléculas com 3 átomos e que apresentam par de elétrons livres

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental a apresentação

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 19/11/11

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 19/11/11 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 19/11/11 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados gerais: G = - n F E G = G o + RT ln Q F = 96500

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre Podemos conhecer as grandezas que regem a quantificação dos fenômenos químicos identificando o comportamento da massa, do número de partículas e do volume de diferentes substâncias.

Leia mais

Entalpia. O trabalho realizado por esta reação é denominado trabalho de pressão-volume (trabalho PV)

Entalpia. O trabalho realizado por esta reação é denominado trabalho de pressão-volume (trabalho PV) Entalpia As reações químicas podem absorver ou liberar calor e também podem provocar a realização de trabalho. Quando um gás é produzido, ele pode ser utilizado para empurrar um pistão: Zn(s) + 2H + (aq)

Leia mais

Gabarito Química Grupo J. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor. Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo,

Gabarito Química Grupo J. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor. Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo, VESTIB LAR Gabarito Química Grupo J 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo, I) 2-clorobutano II) hidroxi benzeno III) tolueno a) Escreva

Leia mais

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Prof.: Andrey kleber Migliorini

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Prof.: Andrey kleber Migliorini CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO Prof.: Andrey kleber Migliorini Introdução Estequiometria: Stoikheîon = elemento metron = medida É o estudo das relações quantitativas (átomos, moléculas, massa, volume) entre as

Leia mais

H = - = 2 (-110,5) (-910,9) H

H = - = 2 (-110,5) (-910,9) H UNESP 2013 1- A areia comum tem como constituinte principal o mineral quartzo (SiO 2 ), a partir do qual pode ser obtido o silício, que é utilizado na fabricação de microchips. A obtenção do silício para

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

IME º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Uma fonte de vanádio é o mineral vanadinita, cuja fórmula é Pb 5 (VO 4 ) 3 Cl. DETERMINE: A) A porcentagem em massa de vanádio

Leia mais