Módulos 11 e 12: O modo de produção industrial e A indústria brasileira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulos 11 e 12: O modo de produção industrial e A indústria brasileira"

Transcrição

1 Módulos 11 e 12: O modo de produção industrial e A indústria brasileira

2 Artesanato é essencialmente o próprio trabalho manual ou produção de um artesão (de artesão + ato).

3 Manufatura é um sistema de fabricação de grande quantidade de produtos de forma padronizada e em série. Neste processo pode ser usado somente as mãos (como era feito antes da Revolução Industrial).

4 Na maquinofatura, o trabalhador estava submetido ao regime de funcionamento da máquina e à gerência direta do empresário. Foi nesta etapa que se consolidou a Revolução Industrial.

5 Divisão do trabalho corresponde à especialização de tarefas com funções específicas, com finalidade de dinamizar e otimizar a produção industrial.

6 Primeira Revolução Industrial - Era do carvão e do ferro Primeiras invenções A máquina de tear, a máquina a vapor, o barco a vapor, o telégrafo, a locomotiva. Carro a vapor Produção de papel

7 Segunda Revolução Industrial - Era do aço e da eletricidade Foi quando o processo de industrialização entrou num ritmo acelerado, envolvendo os mais diversos setores da economia, com a difusão do uso do aço, a descoberta de novas fontes energéticas, como a eletricidade e o petróleo, e a modernização do sistema de comunicações

8 Terceira Revolução Industrial Robôs com controle numérico, computadores e softwares avançados estão invadindo a última esfera humana os domínios da mente. Adequadamente programadas, estas novas "máquinas inteligentes" são capazes de realizar funções conceituais, gerenciais e administrativas e de coordenar o fluxo da produção, desde a extração da matéria-prima ao marketing e à distribuição do produto final e de serviços.

9 Tipos de Indústria Indústria de base São aquelas que atuam na transformação de matéria-prima bruta em matériaprima para outras indústrias, com esse aspecto temos o exemplo das indústrias siderúrgicas, de mineração, química e petroquímica.

10 Indústria de bens intermediários ou de bens de capital É aquela que tem como principal função equipar indústrias de outros tipos, em especial indústrias do setor terciário (indústria de bens de consumo ou leve). Produz autopeças, ferramentas, máquinas, entre outros produtos.

11 Indústria de bens de consumo Nessa categoria industrial o objetivo é a produção direcionada ao consumidor final, para a fabricação de mercadorias que atenda esse mercado é preciso utilizar matéria-prima oriunda da indústria de base.

12 Os modelos de produção Taylorismo: os trabalhadores não precisam de qualificação e os produtos finais são homogeneizados, de qualidade padronizada e com preço relativamente baixo.

13 Fordismo é um sistema de produção, criado pelo empresário norteamericano Henry Ford, cuja principal característica é a fabricação em massa. O objetivo principal deste sistema era reduzir ao máximo os custos de produção e assim baratear o produto, podendo vender para o maior número possível de consumidores.

14 Toyotista: as linhas de montagem tradicionais foram substituídas por equipes multifuncionais que respondiam por todo o processo de produção.

15 Volvismo: em linhas gerais, a indústria sueca é caracterizada endogenamente altíssimo grau de informatização e automação e exogenamente pela forte presença dos sindicatos trabalhistas e mãode-obra altamente qualificada. No caso das fábricas da Volvo, é ainda marcada por um alto grau de experimentalismo, sem o qual talvez não fosse possível ter introduzido tantas mudanças.

16 As industrias estão distribuídas desigualmente no mundo, isto se deve às condições ou fatores favoráveis, que nem todos os lugares apresentam. Alguns fatores favoráveis são: - Fontes de energia. - Mão-de-obra barata e qualificada. - Matéria-prima: proximidade de fontes de matéria-prima. - Mercado consumidor: grande contingente de pessoas disponíveis para trabalhar e com poder de comprar os produtos fabricados. - Infra-estrutura de transporte. - Rede de comunicação. - Incentivos fiscais: isenção ou impostos mais baixos. - Disponibilidade de água.

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

INDUSTRIALIZAÇÃO E POTÊNCIAS MUNDIAIS

INDUSTRIALIZAÇÃO E POTÊNCIAS MUNDIAIS INDUSTRIALIZAÇÃO E POTÊNCIAS MUNDIAIS MODOS DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL 1 O artesanato O artesanato, primeira forma de produção industrial, surgiu no fim da Idade Média com o renascimento comercial e urbano

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL I E II

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL I E II REVOLUÇÃO INDUSTRIAL I E II Definição: conjunto de transformações tecnológicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

IDADE CONTEMPORÂNEA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Definição: conjunto de transformações técnicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura pela fábrica. ARTESANATO

Leia mais

A atividade industrial

A atividade industrial A atividade industrial Estágios da produção 1 - artesanato Trabalho manual; O artesão também era o dono do meio de produção; O artesão realizava todo o processo produtivo. Estágios da produção 2 - manufatura

Leia mais

2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Prof. Lincoln Marques

2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Prof. Lincoln Marques 2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 1860-1914 Prof. Lincoln Marques DEFINIÇÕES CONCEITUAIS Conjunto de transformações técnicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica,

Leia mais

É a produção de bens materiais, além dos agrícolas, por empresas não artesanais. Este termo começou a ser utilizado a partir da 1ª Revolução

É a produção de bens materiais, além dos agrícolas, por empresas não artesanais. Este termo começou a ser utilizado a partir da 1ª Revolução É a produção de bens materiais, além dos agrícolas, por empresas não artesanais. Este termo começou a ser utilizado a partir da 1ª Revolução Industrial, que se iniciou em Inglaterra no século XVIII. Indústria

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INDUSTRIALIZAÇÃO

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INDUSTRIALIZAÇÃO REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INDUSTRIALIZAÇÃO ORIGENS DA INDUSTRIALIZAÇÃO A industrialização é baseada numa economia de mercado e numa sociedade de classes. ECONOMIA DE MERCADO (CAPITALISTA) O mercado consiste

Leia mais

Revolução Industrial. Origem no séc. XVIII na Inglaterra; Caracteriza-se pela mudança da produção artesanal para maquinofatura. Trabalho assalariado.

Revolução Industrial. Origem no séc. XVIII na Inglaterra; Caracteriza-se pela mudança da produção artesanal para maquinofatura. Trabalho assalariado. Revolução Industrial Origem no séc. XVIII na Inglaterra; Caracteriza-se pela mudança da produção artesanal para maquinofatura. Trabalho assalariado. Criação de máquinas a vapor queima do carvão mineral

Leia mais

INDÚSTRIA MÁQUINAS Sistemas de produção: MESTRES APRENDIZES,

INDÚSTRIA MÁQUINAS Sistemas de produção: MESTRES APRENDIZES, L A I R T S U D O C FI Á R G G O E IN O QUE É INDÚSTRIA? O termo INDÚSTRIA é empregado para indicar a fabricação, quase sempre com o uso de MÁQUINAS do mais variados produtos, por exemplo: a) alimentos;

Leia mais

A Primeira Revolução Industrial XVIII

A Primeira Revolução Industrial XVIII A Primeira Revolução Industrial XVIII 1.0 - Fatores condicionantes para a Revolução Industrial inglesa. 1.1 - Séculos XVI a XVIII: Inglaterra como maior potência marícma colonial. 1.2 - Ampliação dos mercados

Leia mais

Revoluções Industriais REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A INDÚSTRIA. Formada sobre as bases de acumulação do capital através do mercantilismo.

Revoluções Industriais REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A INDÚSTRIA. Formada sobre as bases de acumulação do capital através do mercantilismo. A INDÚSTRIA É o setor da economia que congrega o processo de transformação da matéria-prima em vários tipos de bens. A industria possui uma forte relação com os recursos naturais, sendo sua produção associada:

Leia mais

A Indústria como atividade Econômica

A Indústria como atividade Econômica A Indústria como atividade Econômica Histórico 1. Noções Históricas: A atividade industrial pode ser analisada por meio das fases que antecederam a caracterização moderna, nas quais a elaboração de matérias

Leia mais

Revolução Industrial I e II

Revolução Industrial I e II HISTÓRIA ORIGEM PIONERISMO INGLÊS CURIOSIDADES INVEÇÕES ENTRE OUTROS RELAÇÕES DE TRABALHO Revolução Industrial I e II Editoras/Grupo: Ana Clara, Kaline, Maria Bheatriz Sumário Pagina 3- O que foi a Revolução

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

Data: /11/2014 Bimestre: 4. Nome: 6 ANO Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /11/2014 Bimestre: 4. Nome: 6 ANO Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /11/2014 Bimestre: 4 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 9 1- (0,5) A agricultura é uma atividade econômica relacionada às condições

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências:

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Origens Conceito e características Pioneirismo inglês Invenções Conseqüências: 1. econômicas 2. sociais 3. políticas Educação para o Trabalho 1 Aperfeiçoamento Escravismo, feudalismo

Leia mais

A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA

A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA PERÍODO COLONIAL Portugal proibia a criação de fábricas no Brasil para que os brasileiros consumissem os produtos manufaturados pela metrópole. PÓS COLÔNIA A industrialização

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO

HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Ocupação, Luta e Resistência 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 12.1 Conteúdos Revolução Industrial Inglesa

Leia mais

Texto da questão. I. A primeira Revolução Industrial aconteceu na Grã-Bretanha, com o algodão.

Texto da questão. I. A primeira Revolução Industrial aconteceu na Grã-Bretanha, com o algodão. Questão 1 No final do século XVIII e durante todo o século XIX aconteceu na Inglaterra a Revolução Industrial. Quais afirmativas são corretas com relação à Revolução Industrial? I. A primeira Revolução

Leia mais

A REVOLUÇAO FRANCESA (1789 A 1799) TEMA DA REVOLUÇÃO: IGUALDADE, LIBERDADE E FRATERNIDADE

A REVOLUÇAO FRANCESA (1789 A 1799) TEMA DA REVOLUÇÃO: IGUALDADE, LIBERDADE E FRATERNIDADE A REVOLUÇAO FRANCESA (1789 A 1799) TEMA DA REVOLUÇÃO: IGUALDADE, LIBERDADE E FRATERNIDADE QUADRO SOCIAL 1º ESTADO CLERO 2º ESTADO NOBREZA Viviam às custas do Rei 3º ESTADO Alta Burguesia, Pequena Burguesia

Leia mais

A evolução das indústrias

A evolução das indústrias A evolução das indústrias Artesanato o artesão realizava todas as etapas da produção que era independente; possuía os meios de produção; vendia o produto final. Manufatura relativa divisão das etapas de

Leia mais

Segunda Revolução Industrial. Um mundo cheio de mudanças

Segunda Revolução Industrial. Um mundo cheio de mudanças Segunda Revolução Industrial Um mundo cheio de mudanças Nas relações humanas da contemporaneidade, a informação circula com muita rapidez. A globalização envolve diferentes esferas sociais tais como a

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 34 MODELO FORDISTA DE PRODUÇÃO E O CONTEXTO INTERNACIONAL

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 34 MODELO FORDISTA DE PRODUÇÃO E O CONTEXTO INTERNACIONAL GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 34 MODELO FORDISTA DE PRODUÇÃO E O CONTEXTO INTERNACIONAL Como pode cair no enem? (UERJ) Pelas características dos modelos produtivos do momento da segunda Revolução Industrial,

Leia mais

TD DE GEOGRAFIA - ESPECÍFICA PROF. DAVI COSTA / DATA: 05/04/2014

TD DE GEOGRAFIA - ESPECÍFICA PROF. DAVI COSTA / DATA: 05/04/2014 TD DE GEOGRAFIA - ESPECÍFICA PROF. DAVI COSTA / DATA: 05/04/2014 01. Durante o processo de industrialização da economia brasileira, dois presidentes se destacaram no estímulo ao desenvolvimento deste setor

Leia mais

Aula de Revisão 8 ano 2º Trimestre Prova trimestral Geografia Professor Gabriel

Aula de Revisão 8 ano 2º Trimestre Prova trimestral Geografia Professor Gabriel Aula de Revisão 8 ano 2º Trimestre Prova trimestral Geografia Professor Gabriel Módulo 9. A ECONOMIA INDUSTRIAL DA EUROPA Origens e Evolução da Industrialização Revolução Industrial Inglaterra, final do

Leia mais

Industrialização Brasileira

Industrialização Brasileira Industrialização Brasileira Aula 26 LEMBRAR QUE A URBANIZAÇÃO SEMPRE FOI INFLUENCIADA PELA ECONOMIA. Algodão Maranhão. Açúcar Nordeste Brasileiro. Borracha Acre. Café- Sudeste. Minério- Minas Gerais. A

Leia mais

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA O QUE CAPITALISMO? É um sistema socioeconômico que regula as relações sociais e a economia da sociedade

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE PRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE PRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE PRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO Taylorismo, Fordismo,Toyotismo e Volvismo Estudos marcaram a expansão da indústria americana ; Princípios práticos e de caráter

Leia mais

Meios de Produção. Fordismo, Toyotismo e Taylorismo

Meios de Produção. Fordismo, Toyotismo e Taylorismo Meios de Produção Fordismo, Toyotismo e Taylorismo O que são Meios de Produção? Ø Meios de produção são, o conjunto formado por meios de trabalho e objetos de trabalho ou tudo aquilo que medeia a relação

Leia mais

Capitalismo Comercial (século XV XVIII) Expansão Marítima e Comercial. Expansão do modelo industrial Era do aço, petróleo e Eletricidade

Capitalismo Comercial (século XV XVIII) Expansão Marítima e Comercial. Expansão do modelo industrial Era do aço, petróleo e Eletricidade Marcos Machry Capitalismo Comercial (século XV XVIII) Expansão Marítima e Comercial I Revolução Industrial (1760 1860) - Capitalismo Industrial - O pioneirismo da INGLATERRA Era do carvão, ferro e vapor

Leia mais

INTRODUÇÃO A MANUFATURA

INTRODUÇÃO A MANUFATURA INTRODUÇÃO A MANUFATURA História da Manufatura A história da manufatura pode ser separada em duas partes: 1) A descoberta e invenção, pelo homem, dos materiais e processos para fazer coisas 2) Desenvolvimento

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA. Prof. Iair FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO TRABALHO INDIVIDUAL FERRAMENTAS MECÂNICAS

IDADE CONTEMPORÂNEA. Prof. Iair FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO TRABALHO INDIVIDUAL FERRAMENTAS MECÂNICAS Definição: conjunto de transformações técnicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura pela fábrica. ARTESANATO

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA. Prof. Esp. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA. Prof. Esp. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano SETORES DA ECONOMIA Prof. Esp. Claudimar Fontinele ATIVIDADE ECONÔMICA PRIMÁRIA OU SETOR PRIMÁRIO DA ECONOMIA Denomina-se como Setor

Leia mais

CAPÍTULO 7 - BRASIL - DINÂMICAS TERRITORIAIS E ECONÔMICAS

CAPÍTULO 7 - BRASIL - DINÂMICAS TERRITORIAIS E ECONÔMICAS Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 7 - BRASIL - DINÂMICAS TERRITORIAIS E ECONÔMICAS Professor: Gelson Alves Pereira 1- O QUE É REGIONALIZAÇÃO É a divisão de um espaço ou território

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados

ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados Cesar José de Oliveira MDA 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO COOPERATIVISMO

Leia mais

Sectores da Economia. Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário

Sectores da Economia. Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário Sectores da Economia Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário Sector Primário O sector primário está relacionado com a produção através da exploração de recursos da natureza.

Leia mais

17% dos jovens (de 18 a 24 anos) chegam

17% dos jovens (de 18 a 24 anos) chegam Menos de 17% dos jovens (de 18 a 24 anos) chegam ao ensino superior NO BRASIL, A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AINDA É ESCOLHA DE POUCOS 76,8% Áustria 44,3% França 69,7% Finlândia 51,5% Alemanha 38,8% Portugal

Leia mais

1. A ligação ciência-técnica

1. A ligação ciência-técnica 1. A ligação ciência-técnica Maior complexidade dos instrumentos de produção (máquinas) Maior concorrência entre empresas Valorização dos engenheiros (universidades / institutos) Investimento das empresas

Leia mais

2.1 - SISTEMA ECONÔMICO

2.1 - SISTEMA ECONÔMICO Sistemas Econômicos 2.1 - SISTEMA ECONÔMICO Um sistema econômico pode ser definido como a forma na qual uma sociedade está organizada em termos políticos, econômicos e sociais para desenvolver as atividades

Leia mais

Manufatura por FMS e CIM

Manufatura por FMS e CIM Campus Divinópolis Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 06 Manufatura por FMS e CIM Felipe Wagner Guilherme Henrique Gabriel Aparecido Renan 1º PERIODO ENGENHARIA MECATRÔNICA

Leia mais

Revolução Industrial

Revolução Industrial Revolução Industrial A Revolução (evolução) Industrial representou o uso da maquinofatura e a maturidade capitalista, graças à abundância de capitais acumulados e também de mão de obra. 1 Fases tecnológicas

Leia mais

OLHO D' AGUA DOS BORGES

OLHO D' AGUA DOS BORGES 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/10/1938 - Distância da capital: 321 km - Área: 141 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 4.442 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

O QUE É UMA REVOLUÇÃO?

O QUE É UMA REVOLUÇÃO? Industr ial O QUE É UMA REVOLUÇÃO? - é uma mudança rápida e profunda que afeta as estruturas de uma sociedade determinando a essa uma nova realidade. - Pode ser cultural, política, social, etc. A Revolução

Leia mais

PERCURSO 14 Região Norte: a construção de espaços geográficos. Prof. Gabriel Rocha 7º ano - EBS

PERCURSO 14 Região Norte: a construção de espaços geográficos. Prof. Gabriel Rocha 7º ano - EBS PERCURSO 14 Região Norte: a construção de espaços geográficos. Prof. Gabriel Rocha 7º ano - EBS 1 A construção do espaço geográfico de 1500 a 1930 A ocupação da Amazônia não despertava tanto interesse

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA

TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA Objetivo Formar profissional com habilitação Técnica de Nível Médio em Eletrotécnica, para atuar nos diversos segmentos do mercado, tais como: concessionárias de energia elétrica,

Leia mais

Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos

Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA I Plano Didático Pedagógico Unidade I Conteúdos Industrialização e Imperialismo Heranças africanas A Primeira Guerra Mundial A Revolução Russa

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SOLDAGEM

CURSO TÉCNICO EM SOLDAGEM CURSO TÉCNICO EM SOLDAGEM O Curso Técnico de Nível Médio em Soldagem, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas de estágio

Leia mais

O Desenvolvimento do sistema socioeconômico. As fases do capitalismo

O Desenvolvimento do sistema socioeconômico. As fases do capitalismo O Desenvolvimento do sistema socioeconômico capitalista As fases do capitalismo As fases do capitalismo Dois eventos marcaram o fim do socialismo pelo mundo: Queda do Muro de Berlim (1989); Desmembramento

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE MÓVEIS TUBULARES EM IGUATU 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE MÓVEIS TUBULARES EM IGUATU 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE MÓVEIS TUBULARES EM IGUATU 1 1. Localização (discriminação): Município de Iguatu. 2. Natureza da Atividade: Móveis Tubulares. 3. Idade do Arranjo A empresa pioneira está no mercado

Leia mais

O potencial do futuro! BRICS

O potencial do futuro! BRICS O potencial do futuro! BRICS CONCEITOS E FUNDAMENTOS Em economia, BRICS é uma sigla que se refere a Brasil, Rússia, Índia, China, que se destacam no cenário mundial como países em desenvolvimento. O acrônimo

Leia mais

Internacionalização das PME Qualificação das PME

Internacionalização das PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização PME Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AULA 2. Classificação dos Sistemas de Informação. professor Luciano Roberto Rocha.

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AULA 2. Classificação dos Sistemas de Informação. professor Luciano Roberto Rocha. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AULA 2 Classificação dos Sistemas de Informação professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com.br SISTEMA DE INFORMAÇÃO É um sistema seja ele automatizado ou manual, que abrange

Leia mais

CAPÍTULO 1 GLOBALIZAÇÃO, UM MUNDO CADA VEZ MENOR PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE 9º ANO

CAPÍTULO 1 GLOBALIZAÇÃO, UM MUNDO CADA VEZ MENOR PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE 9º ANO CAPÍTULO 1 GLOBALIZAÇÃO, UM MUNDO CADA VEZ MENOR PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE 9º ANO CONCEITO DE GLOBALIZAÇÃO p.5 Globalização é o processo de integração econômica, cultural, social,

Leia mais

09/03/15. Revolução Industrial. Conceito: Automação Industrial. Revolução Industrial. Automação - Histórico. O que é Automação?

09/03/15. Revolução Industrial. Conceito: Automação Industrial. Revolução Industrial. Automação - Histórico. O que é Automação? Revolução Industrial AULA 2 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (O QUE É AUTOMAÇÃO) Prof. Fabricia O que foi a Revolução Industrial? Foi o principal evento que deu origem a automação industrial. Quando a Revolução Industrial

Leia mais

MegaPolo2013 O Aumento da Competitividade do Polo Industrial de Cubatão

MegaPolo2013 O Aumento da Competitividade do Polo Industrial de Cubatão MegaPolo2013 O Aumento da Competitividade do Polo Industrial de Cubatão Dezembro 2013 Fábrica: Cubatão Início das operações: 1964 3º maior produtor de cloro, soda e derivados do país Linha de Produção:

Leia mais

Geografia: o capitalismo e a formação do espaço geográfico mundial. 9º Ano

Geografia: o capitalismo e a formação do espaço geográfico mundial. 9º Ano Geografia: o capitalismo e a formação do espaço geográfico mundial 9º Ano Características do Capitalismo Propriedade privada dos meios de produção (tudo aquilo usado para se realizar uma atividade econômica).

Leia mais

Administração da Produção. Prof. Paulo Medeiros.

Administração da Produção. Prof. Paulo Medeiros. Administração da Produção Prof. Paulo Medeiros. Evolução Histórica A função produção, entendida como o conjunto de atividades que levam a transformação de um bem tangível, ou serviço, em outro com maior

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE João Roberto Loureiro de Mattos joaol@pitágoras.com.br jrdemattos@oi.com.br 1ª ENGENIO - SEMANA DO NÚCLEO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO DA FACULDADE PITÁGORAS 10 de

Leia mais

Economia do conhecimento

Economia do conhecimento Economia do conhecimento 2ª dimensão à Economia do Conhecimento SOCIEDADE DO CONHECIMENTO ECONONOMIA DO CONHECIMENTO ORGANIZAÇÕES INTENSIVAS EM CONHECIMENTO TRABALHADORES DO CONHECIMENTO 1 A economia do

Leia mais

SIMAPAN PLANO DE AÇÃO

SIMAPAN PLANO DE AÇÃO PLANO DE AÇÃO ANO 2016/2018 1 PLANO DE AÇÃO 2016/2018 ABRANGÊNCIA: MUNICÍPIOS DUQUE DE CAXIAS BELFORD ROXO ITAGUAÍ NOVA IGUAÇU JAPERI MESQUITA NILÓPOLIS MANGARATIBA PARACAMBI QUEIMADOS SEROPÉDICA SÃO JOÃO

Leia mais

Revolução Industrial (Século XVIII)

Revolução Industrial (Século XVIII) Revolução Industrial (Século XVIII) Tópico 1 - O início da Revolução Industrial A Revolução Industrial, basicamente significou a mudança da ferramenta pela máquina, e contribuiu para a consolidação do

Leia mais

Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A

Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A globalização surgiu por necessidade primária do e na

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 6º ANO PERCURSO 26 O EXTRATIVISMO MINERAL

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 6º ANO PERCURSO 26 O EXTRATIVISMO MINERAL COLÉGIO 7 DE SETEMBRO DISICIPLINA DE GEOGRAFIA PROF. RONALDO LOURENÇO 6º ANO PERCURSO 26 O EXTRATIVISMO MINERAL Tipos de Extrativismo Mineral 1 GARIMPAGEM Exploração de recursos minerais realizado de forma

Leia mais

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO ENERGIA Do fogo a energia elétrica O fogo O fogo é a rápida oxidação de um material combustível liberando calor, luz e produtos de reação, tais como o dióxido de carbono

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 9 Educador: Franco Augusto

ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial. Capítulo 9 Educador: Franco Augusto ESTADOS UNIDOS: superpotência mundial Capítulo 9 Educador: Franco Augusto Alguns significados: fonte: http://www.significados.com.br Hegemonia significa preponderância de alguma coisa sobre outra. É a

Leia mais

Moçambique. informação de negócios. Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Moçambique. informação de negócios. Oportunidades e Dificuldades do Mercado Moçambique informação de negócios Oportunidades e Dificuldades do Mercado Outubro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Tecnologias de Informação e Comunicação 03 1.2 Formação Profissional 03 1.3 Produtos

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL

AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL Disciplina: Trabalho, Sociedade e Desigualdades Prof. Francisco E. B. Vargas Instituto de Filosofia, Sociologia e Política IFISP/UFPel - 2013/2

Leia mais

ESTRUTURAS DE MERCADO. Fundamentos de Economia e Mercado

ESTRUTURAS DE MERCADO. Fundamentos de Economia e Mercado ESTRUTURAS DE MERCADO Fundamentos de Economia e Mercado ESTRUTURAS DE MERCADO As várias formas ou estruturas de mercados dependem fundamentalmente de três características: 1. Número de empresas que compõe

Leia mais

Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro

Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro Abordagem básica da Adm. Científica: Ênfase nas tarefas; Iniciada por Taylor, que teve como seguidores Gantt, Gilbreth, Ford Tentativa de aplicação dos métodos da

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 10 ESCOLHA DE ALTERNATIVAS DE DEPARTAMENTALIZAÇÃO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 10 ESCOLHA DE ALTERNATIVAS DE DEPARTAMENTALIZAÇÃO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 10 ESCOLHA DE ALTERNATIVAS DE DEPARTAMENTALIZAÇÃO Índice 1. Escolha de alternativas de...3 2. Previsão de vendas...4 3. Análise de mercado...5 3.1.

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

1º ano. Cultura, Diversidade e o Ser Humano

1º ano. Cultura, Diversidade e o Ser Humano Culturas, Etnias e modernidade no mundo e no Brasil A diversidade cultural Capítulo 11 - Item 11.4 O choque entre culturas e etnocentrismo Capítulo 11 Relativismo cultural e tolerância Capítulo 11 Civilização

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. Indústria tocantinense e a 4 a Revolução Industrial

Confederação Nacional da Indústria. Indústria tocantinense e a 4 a Revolução Industrial Confederação Nacional da Indústria SONDAGEM INDUSTRIAL Ano 6 Número 2 Novembro de 2016 www.fieto.com.br EDIÇÃO ESPECIAL Indústria tocantinense e a 4 a Revolução Industrial O termo manufatura avançada ou

Leia mais

Introdução à Gestão de Operações AULA 16

Introdução à Gestão de Operações AULA 16 1 Introdução à Gestão de Operações AULA 16 LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES Prof.ª Claire Gomes dos Santos Data: 18/11/2016 2 Eurodisney: o que deu errado? Ver p. 397 e 398. 3 Importância das Decisões sobre

Leia mais

2ª série. Ensino Médio. Professor(a): Mateus Bezerra (GOMINHO) DIA: MÊS: 03 SEMANA SANTA. Segmento temático:

2ª série. Ensino Médio. Professor(a): Mateus Bezerra (GOMINHO) DIA: MÊS: 03 SEMANA SANTA. Segmento temático: LISTA: Professor(a): Mateus Bezerra (GOMINHO) 2ª série Ensino Médio Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: Questão 01 - (UECE/2016) A partir dos anos 1980, quando gradativamente espalharam-se

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Registro 3 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

A GLOBALIZAÇÃO NO BRASIL PROFº MELK SOUZA

A GLOBALIZAÇÃO NO BRASIL PROFº MELK SOUZA A GLOBALIZAÇÃO NO BRASIL PROFº MELK SOUZA Globalização no Brasil- aspectos econômicos e sociais O processo de globalização é um fenômeno do modelo econômico capitalista, o qual consiste na mundialização

Leia mais

processo histórico produzido dentro das regras de expansão do próprio sistema delegou

processo histórico produzido dentro das regras de expansão do próprio sistema delegou Subdesenvolvimento O subdesenvolvimento é um processo histórico autônomo, uma outra forma de capitalismo produzido dentro das regras de expansão do próprio sistema, onde as diferenças estruturais são naturais

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

OBJETIVO º ANO E.M. MÓDULO 31 OS TIGRES ASIÁTICOS

OBJETIVO º ANO E.M. MÓDULO 31 OS TIGRES ASIÁTICOS OBJETIVO 2016 1º ANO E.M. MÓDULO 31 OS TIGRES ASIÁTICOS INTRODUÇÃO TIGRES ASIÁTICOS (Vídeo) Na década de 1970, os novos países industrializados, fortemente apoiados pelos investimentos japoneses, voltaram-se

Leia mais

Inglaterra século XVIII

Inglaterra século XVIII Inglaterra século XVIII Revolução: Fenômeno político-social de mudança radical na estrutura social. Indústria: Transformação de matérias-primas em mercadorias, com o auxílio de ferramentas ou máquinas.

Leia mais

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética Process Automation Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética A ABB é líder em tecnologias electrotécnicas e de automação que tornam possível às indústrias aumentarem a sua eficiência,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Escola Estadual Professor Jerônimo Gueirros Professor (a) Supervisor (a): Ary Bolsistas: Carla e Thalita

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Escola Estadual Professor Jerônimo Gueirros Professor (a) Supervisor (a): Ary Bolsistas: Carla e Thalita UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Escola Estadual Professor Jerônimo Gueirros Professor (a) Supervisor (a): Ary Bolsistas: Carla e Thalita 9ºB BLOCOS ECONÔMICOS São parcerias que os países

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Geografia 6 o ano Unidade 8 5 Unidade 8 Nome: Data: 1. Relacione a coluna A às colunas B e C. Coluna A Coluna B Coluna C (A) Artesanato ( ) Século XVIII ( ) divisão do trabalho,

Leia mais

PORTFOLIO DE CURSOS A DISTÂNCIA

PORTFOLIO DE CURSOS A DISTÂNCIA PORTFOLIO DE CURSOS A DISTÂNCIA Sumário INICIAÇÃO PROFISSIONAL - COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS (13 CURSOS)... 2 APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL (50 CURSOS)... 2 QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (30 CURSOS)... 3 CURSOS

Leia mais

Prof. Domingos de C Villela Júnior Coordenador curso de Informática Perfil do profissional de TI Fonte: Apinfo

Prof. Domingos de C Villela Júnior Coordenador curso de Informática Perfil do profissional de TI Fonte: Apinfo Prof. Domingos de C Villela Júnior Coordenador curso de Informática Perfil do profissional de TI Fonte: Apinfo O percentual de mulheres além de pequeno, foi reduzido de 16% em 2006 para 13% em 2010 Observamos

Leia mais

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações Professora: Caroline Camera Origens da Contabilidade de Custos A preocupação com a Contabilidade nasceu desde que o homem passou a possuir

Leia mais

A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS

A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS Profa Dra Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira Profa. Rosana Silistino de Souza tercilia@ibilce.unesp.br; rosanass@ibilce.unesp.br

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA D e K

1ª ETAPA - TURMA D e K CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PF 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PF 3 ÉTICA E CIDADANIA I PF 3 FÍSICA GERAL I PF 3 GEOMETRIA ANALÍTICA E VETORES PF 3 FÍSICA EXPERIMENTAL I COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

PORTFOLIO. Cursos a Distância 157 programas

PORTFOLIO. Cursos a Distância 157 programas PORTFOLIO Cursos a Distância 157 programas Iniciação Profissional - Competência Transversal: 13 cursos Consumo Consciente de Energia - 14h Desenho Arquitetônico - 14h Educação Ambiental - 14h Empreendedorismo

Leia mais

FORMANDOS 2º SEMESTRE DE FACULDADE UNA DE CONTAGEM - Atualizada em

FORMANDOS 2º SEMESTRE DE FACULDADE UNA DE CONTAGEM - Atualizada em 1 41210658 Administração Noite Contagem 2 41210969 Administração Noite Contagem 3 41210349 Administração Noite Contagem 4 41120347 Administração Noite Contagem 5 41210489 Administração Noite Contagem 6

Leia mais

A Ásia conta com enormes reservas minerais e energéticas, circunstância que tem facilitado seu recente desenvolvimento industrial.

A Ásia conta com enormes reservas minerais e energéticas, circunstância que tem facilitado seu recente desenvolvimento industrial. A Ásia conta com enormes reservas minerais e energéticas, circunstância que tem facilitado seu recente desenvolvimento industrial. Recursos minerais e energéticos de alguns países da Ásia Os principais

Leia mais

10 - Matemática (Base Nacional Comum Ensino Médio) 11 - Química (Base Nacional Comum Ensino Médio) 12 - Sociologia (Base Nacional Comum Ensino Médio)

10 - Matemática (Base Nacional Comum Ensino Médio) 11 - Química (Base Nacional Comum Ensino Médio) 12 - Sociologia (Base Nacional Comum Ensino Médio) Escola Técnica Estadual Lauro Gomes - São Bernardo do Campo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no

Leia mais

Relatório Técnico: Maio/2016. Digitalização, Inovação e Desigualdade PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO

Relatório Técnico: Maio/2016. Digitalização, Inovação e Desigualdade PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO Relatório Técnico: Maio/2016 Digitalização, Inovação e Desigualdade PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO:

Leia mais

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi.

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi. 1 2 Os objetivos deste capítulo são: Ensinar a calcular o custo de um produto ou serviço por meio do sistema de custeio por absorção. Justificar os critérios utilizados nesse cálculo, identificando suas

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA D e K

1ª ETAPA - TURMA D e K CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PAIE 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PAIE 3 ÉTICA E CIDADANIA I PAIE 3 FÍSICA GERAL I PAIE 3 GEOMETRIA ANALÍTICA E VETORES PAIE 3 FÍSICA EXPERIMENTAL I PAIE 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS

Leia mais