Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2016"

Transcrição

1 Julho/216 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA Gerência de Pós-Operação GOA2

2 216/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. Julho/216

3 Sumário 1. Destaques Geração Eólica no SIN Geração Eólica por Submercado Evolução da capacidade instalada Inserção eólica Geração Eólica por Estado Geração média no mês Geração nos últimos 3 anos em periodicidade mensal Geração nos últimos 3 meses em periodicidade diária Geração média horária para os últimos 6 meses: perfil da geração ao longo do dia Geração em base horária para todos os dias do mês Geração média mensal nos últimos 12 meses Geração Eólica por Usina Usinas do estado da Bahia Usinas do estado do Ceará Usinas do estado de Pernambuco Usinas do estado do Piauí Usinas do estado do Rio Grande do Norte Usinas do estado do Rio Grande do Sul Usinas do estado de Santa Catarina Fator de capacidade Geração máxima Desvio entre geração prevista e verificada Relação de usinas em teste, novas usinas em operação comercial, usinas sem relacionamento com o ONS e usinas que operam na modalidade Conjunto Anexo Julho/216 Pág. 3 / 54

4 Este boletim apresenta dados referentes à geração de usinas eólicas no SIN. No item 1, são apresentados os principais destaques referente à geração eólica no mês. No item 2, são apresentadas informações sobre a capacidade total instalada e sobre a geração de usinas eólicas Tipo I, Tipo II-B e Tipo III integrantes de Conjuntos. No item 3, são apresentadas informações agregadas por Submercado. No item 4 é apresentada a geração verificada por estado (Unidade da Federação) e, no item 5, informações sobre geração eólica e capacidade instalada por usina. Para os dados de geração verificada, são contempladas apenas as usinas que possuem relacionamento com o ONS (Tipo I, Tipo II-B e Tipo III integrantes de conjuntos). 1. Destaques a) Inclusão do Conjunto São Basílio. b) Alteração do nome dos Conjuntos Calango 13 e Calango 245 para Calango 1 e Calango 2, respectivamente. c) Reclassificação da modalidade de operação da UEE Gargaú de Tipo II-B para Tipo III. d) Inclusão de um novo indicador de desvio de geração prevista (NMAPE) na Tabela 8. e) Melhor definição do que é incorporado na capacidade instalada em cada resultado apresentado. f) Destaque para a capacidade instalada de usinas despachadas pelo ONS nas Tabelas 1 e 3. Julho/216 Pág. 4 / 54

5 7/26 1/27 7/27 1/28 7/28 1/29 7/29 1/21 7/21 1/211 7/211 1/212 7/212 1/213 7/213 1/214 7/214 1/215 7/215 1/216 7/216 MW 2. Geração Eólica no SIN Evolução da Geração Eólica - SIN Cap. Instalada Tipo I Cap. Instalada Conjuntos Cap. Instalada Tipo II-B Geração Tipo I e Conjuntos (Média Mensal) Figura 1 - Evolução da capacidade instalada de usinas eólicas e geração eólica verificada no SIN. A capacidade instalada contempla apenas usinas em operação comercial. 3 Potência instalada de usinas eólicas sem relacionamento com o ONS , ,2 88, 69, 61,2 48, 26,8 28,1 34,5 2,5 <1 <1 2,5 <1 BA CE MA MG PB PE PI PR RJ RN RS SC SE SP Figura 2 - Potência instalada de usinas eólicas Tipo III (sem relacionamento com o ONS) por estado, conforme dados do Banco de Informações de Geração da ANEEL. Usinas Tipo III que compõem conjuntos de usinas não são contempladas nessa figura. Tabela 1 - Capacidade instalada de usinas eólicas no SIN, contemplado as usinas em operação comercial. Capacidade Instalada (MW) Tipo I Tipo II-B Conjuntos Total ONS Tipo III Total 1.965,38 27, , ,19 733, ,81 Julho/216 Pág. 5 / 54

6 Geração Média (MW) Fator de Capacidade Médio (%) SIN Nordeste Sul Geração (MW) % da carga do SIN Geração (MW) % da carga do NE Geração (MW) % da carga do S Tabela 2 Recordes de geração eólica e de participação na carga do SIN e dos Submercados. Recorde Atual Recorde Anterior Recorde do mês Data/Hora Valor Data/Hora Valor Data/Hora Valor Base diária 25/7/ ,71 3/6/ ,64 25/7/ ,71 Base horária 25/7/ ,26 24/6/ ,23 25/7/ ,26 Base diária 31/7/216 1,25% 26/6/216 9,26% 31/7/216 1,25% Base horária 31/7/216 12,16% 26/6/216 11,48% 31/7/216 12,16% Base diária 31/7/ ,8 3/6/ ,54 31/7/ ,8 Base horária 31/7/ ,76 24/6/ ,78 31/7/ ,76 Base diária 31/7/216 55,44% 26/6/216 5,19% 31/7/216 55,44% Base horária 31/7/216 66,54% 26/6/216 61,% 31/7/216 66,54% Base diária 8/6/ ,78 16/5/ ,3 17/7/ ,29 17/7/216 25/3/216 17/7/216 Base horária 1.428,62 1.4, ,62 Base diária 17/7/216 15,9% 3/1/216 13,78% 17/7/216 15,9% 17/7/216 26/3/216 17/7/216 Base horária 22,38% 19,68% 22,38% Geração Eólica no SIN (MWmed) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fator de Capacidade Médio (%) 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Figura 3 - Geração eólica do SIN nos últimos 3 anos em periodicidade mensal e fator de capacidade médio a cada mês. O fator de capacidade é calculado como a relação entre geração média e a potência instalada. Julho/216 Pág. 6 / 54

7 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia 31 6% 5% 4% 3% 2% 1% Fator de Capacidade Médio no SIN (%) % Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 4 - Histórico do fator de capacidade médio em periodicidade mensal nos últimos 3 anos. O fator de capacidade é calculado como a relação entre geração média mensal e a potência instalada a cada mês Geração média diária no mês (MWmed) - SIN 5/216 6/216 7/216 Figura 5 - Geração eólica média no SIN em periodicidade diária (MWmed) nos últimos 3 meses Geração média horária (MWmed) - SIN 2/216 3/216 4/216 5/216 6/216 7/216 Figura 6 - Geração eólica média horária no SIN nos últimos 6 meses. Julho/216 Pág. 7 / 54

8 Tempo no Mês (%) : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: Geração média horária (MWmed) - SIN Figura 7 Geração eólica no SIN em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. 1% Inserção Eólica no SIN 8% 6% 4% 2% % >1% >2% >3% >4% >5% >6% Figura 8 Inserção de geração eólica no SIN. Índices que quantificam o tempo em que a geração eólica no SIN (em MW) foi maior que 1%, 2%, 3%, 4%, 5% e 6% da carga do SIN (em MW) no mês. Julho/216 Pág. 8 / 54

9 7/26 1/27 7/27 1/28 7/28 1/29 7/29 1/21 7/21 1/211 7/211 1/212 7/212 1/213 7/213 1/214 7/214 1/215 7/215 1/216 7/216 MW 7/26 1/27 7/27 1/28 7/28 1/29 7/29 1/21 7/21 1/211 7/211 1/212 7/212 1/213 7/213 1/214 7/214 1/215 7/215 1/216 7/216 MW 3. Geração Eólica por Submercado 3.1. Evolução da capacidade instalada Evolução da Geração Eólica - Submercado Nordeste Cap. Instalada Tipo I Cap. Instalada Conjuntos Cap. Instalada Tipo II-B Geração Tipo I e Conjuntos (Média Mensal) Figura 9 - Evolução da capacidade instalada de usinas eólicas e geração eólica verificada no Submercado Nordeste. 2 Evolução da Geração Eólica - Submercado Sul Cap. Instalada Tipo I Cap. Instalada Conjuntos Cap. Instalada Tipo II-B Geração Tipo I e Conjuntos (Média Mensal) Figura 1 - Evolução da capacidade instalada de usinas eólicas e geração eólica verificada no Submercado Sul. Tabela 3 - Capacidade instalada de usinas eólicas em operação comercial por Submercado. Capacidade Instalada (MW) Submercado Tipo I Tipo II-B Conjuntos Total ONS Tipo III Total N,,,,,2,2 NE 1.577,48, 5.358, ,63 621, ,82 S 387,9 27, , ,57 84, ,77 SE,,,, 28,21 28,21 Julho/216 Pág. 9 / 54

10 Tempo no Mês (%) Tempo no Mês (%) 3.2. Inserção eólica 1% Inserção Eólica no Submercado Nordeste 8% 6% 4% 2% % >5% >1% >15% >2% >25% >3% Figura 11 Inserção de geração eólica no Submercado Nordeste (composto por todos os estados da região Nordeste menos o Maranhão). Índices que quantificam o tempo em que a geração eólica do Submercado (em MW) foi maior que 4%, 8%, 12%, 16%, 2% e 24% da carga do Submercado (em MW) no mês. 1% Inserção Eólica no Submercado Sul 8% 6% 4% 2% % >1% >2% >3% >4% >5% >6% Figura 12 - Inserção de geração eólica no Submercado Sul (composto por todos os estados da região Sul). Índices que quantificam o tempo em que a geração eólica do Submercado (em MW) foi maior que 1%, 2%, 3%, 4%, 5% e 6% da carga do Submercado (em MW) no mês. Julho/216 Pág. 1 / 54

11 4. Geração Eólica por Estado 4.1. Geração média no mês Geração Eólica por Estado BA CE PE PI RN RS SC Potência Instalada (MW) Geração Verificada (MWmed) Figura 13 - Geração eólica média no mês por estado. Tabela 4 - Geração eólica e fator de capacidade médios no mês por estado. A potência instalada considerada contempla UGs com operação em teste e não contempla UGs com operação comercial suspensa. Estado Potência Instalada (MW) Geração Verificada (MWmed) Fator de Capacidade Médio (%) BA 1.72,14 854,7 5,18% CE 1.222,4 484,16 39,61% PE 568,64 35,41 53,71% PI 76,1 385,26 54,56% RN 2.859, ,62 54,22% RS 1.453,57 524,34 36,7% SC 222, 39,24 17,67% SIN 8.734, ,9 47,43% Julho/216 Pág. 11 / 54

12 Tabela 5 - Geração eólica e fator de capacidade médios no mês por ponto de conexão. A potência instalada considera UGs com operação em teste e não contempla UGs com operação comercial suspensa. Estado Ponto de Conexão com a Rede Básica Potência Instalada (MW) Geração Verificada (MWmed) Fator de Capacidade Médio (%) BA Brotas de Macaúbas - 23 kv 95,19 56,96 59,84% BA Campo Formoso - 23 kv 18, 19,73 6,96% BA Igaporã II - 23 kv 429,7 188,7 43,77% BA Igaporã II - 69 kv 35,8 185,2 52,74% BA Irecê kv 6, 25,91 43,19% BA Irecê - 23 kv 68, 45,48 66,88% BA Pindaí II - 69 kv 271, 111,3 4,97% BA Sobradinho - 23 kv 247,45 131,88 53,29% CE Acaraú II - 23 kv 27, 68,3 32,99% CE Acaraú II - 69 kv 157,8 45,77 29,1% CE Pecém II - 23 kv 418,8 189,33 45,21% CE Russas II - 23 kv 138,5 58,39 42,16% CE Sobral III - 23 kv 3,3 122,37 4,75% PE Garanhuns II - 23 kv 488,74 245,17 5,16% PE Tacarutu - 23 kv 79,9 6,24 75,39% PI Curral Novo do Piauí - 23 kv 51, 26,39 51,97% PI Picos - 23 kv 25,1 124,87 6,88% RN Açu II - 23 kv 442,69 187,1 42,26% RN Extremoz II - 23 kv 195,1 93,2 47,68% RN João Câmara II - 23 kv 169,6 12,99 6,73% RN João Câmara II - 69 kv 389,6 228,78 58,72% RN João Câmara III kv 1.4,56 652,7 62,67% RN Lagoa Nova II - 69 kv 314, 148,99 47,45% RN Mossoró II - 23 kv 38,4 137,66 44,64% RS Atlântida 2-69 kv 27,68 8,9 32,14% RS Livramento 2-23 kv 163,2 7,78 43,37% RS Osório 2-23 kv 437,9 155, 35,4% RS Osório 2-69 kv 7, 25,62 36,6% RS Quinta kv 18, 42,58 39,42% RS Quinta - 69 kv 64, 2,76 32,45% RS S. V. do Palmar kv 582,79 2,7 34,44% SC Aquibatã kv 129, 29,98 23,24% SC Bom Jardim kv 93, 9,25 9,95% SIN 8.734, ,9 47,43% Julho/216 Pág. 12 / 54

13 Geração Média (MW) Geração Média (MW) Geração Média (MW) 4.2. Geração nos últimos 3 anos em periodicidade mensal 1 Geração Eólica (MWmed) - Bahia Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 14 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado da Bahia. Geração Eólica (MWmed) - Ceará Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 15 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado do Ceará. Geração Eólica (MWmed) - Pernambuco Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 16 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado de Pernambuco. Julho/216 Pág. 13 / 54

14 Geração Média (MW) Geração Média (MW) Geração Média (MW) Geração Eólica (MWmed) - Piauí Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 17 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado do Piauí. 2 Geração Eólica (MWmed) - Rio Grande do Norte Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 18 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado do Rio Grande do Norte. Geração Eólica (MWmed) - Rio Grande do Sul Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 19 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado do Rio Grande do Sul. Julho/216 Pág. 14 / 54

15 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia 31 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia 31 Geração Média (MW) Geração Eólica (MWmed) - Santa Catarina Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Figura 2 - Geração eólica média nos últimos 3 anos em periodicidade mensal para o estado de Santa Catarina Geração nos últimos 3 meses em periodicidade diária Geração média diária (MWmed) - Bahia 5/216 6/216 7/216 Figura 21 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado da Bahia Geração média diária (MWmed) - Ceará 5/216 6/216 7/216 Figura 22 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado do Ceará. Julho/216 Pág. 15 / 54

16 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia 31 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia 31 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia Geração média diária (MWmed) - Pernambuco 5/216 6/216 7/216 Figura 23 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado de Pernambuco Geração média diária (MWmed) - Piauí 5/216 6/216 7/216 Figura 24 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado do Piauí Geração média diária (MWmed) - Rio Grande do Norte 5/216 6/216 7/216 Figura 25 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado do Rio Grande do Norte. Julho/216 Pág. 16 / 54

17 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia 31 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 1 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 2 Dia 21 Dia 22 Dia 23 Dia 24 Dia 25 Dia 26 Dia 27 Dia 28 Dia 29 Dia 3 Dia Geração média diária (MWmed) - Rio Grande do Sul 5/216 6/216 7/216 Figura 26 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado do Rio Grande do Sul Geração média diária (MWmed) - Santa Catarina 5/216 6/216 7/216 Figura 27 - Geração eólica média nos últimos 3 meses em periodicidade diária para o estado de Santa Catarina Geração média horária para os últimos 6 meses: perfil da geração ao longo do dia Geração média horária (MWmed) - Bahia 2/216 3/216 4/216 5/216 6/216 7/216 Figura 28 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado da Bahia. Julho/216 Pág. 17 / 54

18 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: Geração média horária (MWmed) - Ceará 2/216 3/216 4/216 5/216 6/216 7/216 Figura 29 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado do Ceará. 5 Geração média horária (MWmed) - Pernambuco /216 3/216 4/216 5/216 6/216 7/216 Figura 3 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado de Pernambuco Geração média horária (MWmed) - Piauí 2/216 3/216 4/216 5/216 6/216 7/216 Figura 31 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado do Piauí. Julho/216 Pág. 18 / 54

19 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 2 Geração média horária (MWmed) - Rio Grande do Norte /216 3/216 4/216 5/216 6/216 7/216 Figura 32 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado do Rio Grande do Norte Geração média horária (MWmed) - Rio Grande do Sul 2/216 3/216 4/216 5/216 6/216 7/216 Figura 33 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado do Rio Grande do Sul Geração média horária (MWmed) - Santa Catarina 2/216 3/216 4/216 5/216 6/216 7/216 Figura 34 - Geração eólica média horária nos últimos 6 meses no estado de Santa Catarina. Julho/216 Pág. 19 / 54

20 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 4.5. Geração em base horária para todos os dias do mês Geração média horária (MWmed) - Bahia Figura 35 - Geração eólica no estado da Bahia em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. 1 Geração média horária (MWmed) - Ceará Figura 36 Geração eólica no estado do Ceará em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora Geração média horária (MWmed) - Pernambuco Figura 37 Geração eólica no estado de Pernambuco em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. Julho/216 Pág. 2 / 54

21 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: Geração média horária (MWmed) - Piauí Figura 38 Geração eólica no estado do Piauí em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. 25 Geração média horária (MWmed) - Rio Grande do Norte Figura 39 Geração eólica no estado do Rio Grande do Norte em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora Geração média horária (MWmed) - Rio Grande do Sul Figura 4 Geração eólica no estado do Rio Grande do Sul em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora. Julho/216 Pág. 21 / 54

22 Geração Média (MW) : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 1 Geração média horária (MWmed) - Santa Catarina Figura 41 Geração eólica no estado de Santa Catarina em base horária para todos os dias do mês. Em destaque, é mostrada a geração mínima, máxima e média para cada hora Geração média mensal nos últimos 12 meses 2 Geração Eólica por Estado (MWmed) Bahia Ceará Pernambuco Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Santa Catarina Figura 42 Geração eólica média mensal (MWmed) nos últimos 12 meses por estado. Julho/216 Pág. 22 / 54

23 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 5. Geração Eólica por Usina 5.1. Usinas do estado da Bahia Fator de Capacidade Médio (%) - Bahia (parte 1) 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % UEE Macaúbas UEE Novo Horizonte UEE Seabra Figura 43 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado da Bahia (parte 1). 1% 8% 6% 4% 2% % Fator de Capacidade Médio (%) - Bahia (parte 2) Conj. Igaporã Alvorada Conj. Igaporã Licínio de Almeida Conj. Igaporã Planaltina Conj. Igaporã Guirapá Conj. Igaporã N. S. da Conceição Conj. Morrinhos Figura 44 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado da Bahia (parte 2). Julho/216 Pág. 23 / 54

24 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: Fator de Capacidade Médio (%) - Bahia (parte 3) 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Conj. Araçás Conj. Caetité Conj. Caetité ABC Conj. Curva dos Ventos Conj. Morrão Conj. Renova Pindaí II Figura 45 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado da Bahia (parte 3). Fator de Capacidade Médio (%) - Bahia (parte 4) 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Conj. Assuruá Conj. Serra Azul Conj. Sento Sé Conj. Wind I Conj. Wind II Figura 46 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado da Bahia (parte 4). Julho/216 Pág. 24 / 54

25 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 5.2. Usinas do estado do Ceará 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 1) UEE Boca Do Córrego UEE Bons Ventos UEE Canoa Quebrada UEE Colônia UEE Embuaca UEE Enacel Figura 47 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Ceará (parte 1). 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 2) UEE Ilha Grande UEE Icaraizinho UEE Praia do Morgado UEE Icaraí I UEE Icaraí II Figura 48 - Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Ceará (parte 2). Julho/216 Pág. 25 / 54

26 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 3) 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % UEE Faísa I UEE Faísa II UEE Faísa III UEE Faísa IV UEE Faísa V Figura 49 - Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Ceará (parte 3). 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 4) UEE Praia Formosa UEE Ribeirão UEE São Jorge UEE São Cristóvão UEE Santo Antônio de Pádua Figura 5 - Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Ceará (parte 4). Julho/216 Pág. 26 / 54

27 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Ceará (parte 5) UEE Taíba Águia UEE Taíba Andorinha UEE Volta Do Rio Conj. Ceará II Conj. Itarema V Conj. Trairí Figura 51 - Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Ceará (parte 5) Usinas do estado de Pernambuco 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Pernambuco Conj. Fonte dos Ventos Conj. Santa Brígida Conj. Paranatama Conj. São Clemente Figura 52 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado de Pernambuco. Julho/216 Pág. 27 / 54

28 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 5.4. Usinas do estado do Piauí Fator de Capacidade Médio (%) - Piauí 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Conj. Chapada I Conj. Chapada II Conj. Chapada III Figura 53 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Piauí Usinas do estado do Rio Grande do Norte 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Norte (parte 1) UEE Alegria I UEE Alegria II UEE Areia Branca UEE Mar e Terra UEE Miassaba 3 UEE Rio do Fogo Figura 54 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Rio Grande do Norte (parte 1). Julho/216 Pág. 28 / 54

29 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Norte (parte 2) UEE Mangue Seco 1 UEE Mangue Seco 2 UEE Mangue Seco 3 UEE Mangue Seco 5 UEE Rei dos Ventos 1 UEE Rei dos Ventos 3 Figura 55 - Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Rio Grande do Norte (parte 2). 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Norte (parte 3) UEE Riachão I UEE Riachão II UEE Riachão IV UEE Riachão VI UEE Riachão VII Figura 56 - Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Rio Grande do Norte (parte 3). Julho/216 Pág. 29 / 54

30 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 1% 8% 6% 4% 2% % Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Norte (parte 4) Conj. Baixa do Feijão Conj. João Câmara III-ASA BRANCA Conj. João Câmara III-COPEL Conj. João Câmara III-DOBREVE Conj. Dreen Conj. João Câmara III-ATLANTIC Conj. Macacos Figura 57 - Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Rio Grande do Norte (parte 4). 1% Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Norte (parte 5) 8% 6% 4% 2% % Conj. Carcará II Conj. Modelo Conj. Morro dos Ventos Conj. Renascença Conj. Santa Clara Conj. União dos Ventos Figura 58 - Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Rio Grande do Norte (parte 5). Julho/216 Pág. 3 / 54

31 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Norte (parte 6) 1% 8% 6% 4% 2% % Conj. Amazonas Conj. Calango 1 Conj. Calango 2 Conj. Santana 12 Conj. Santana 3 Conj. Campo dos Ventos Figura 59 - Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Rio Grande do Norte (parte 6) Usinas do estado do Rio Grande do Sul Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Sul (parte 1) 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % UEE Cidreira I UEE Índios UEE Índios 2 UEE Índios 3 UEE Xangri-lá Figura 6 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Rio Grande do Sul (parte 1). Julho/216 Pág. 31 / 54

32 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Sul (parte 2) UEE Osório UEE Osório 2 UEE Osório 3 UEE Sangradouro UEE Sangradouro 2 UEE Sangradouro 3 Figura 61 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Rio Grande do Sul (parte 2). 1% Fator de Capacidade Médio (%) - Rio Grande do Sul (parte 3) 8% 6% 4% 2% % Conj. Atlântica Conj. Livramento 2* Conj. Quinta 138 kv Conj. Quinta 69 kv Conj. Santa Vitória do Palmar Figura 62 Fator de capacidade médio no mês em base horária no estado do Rio Grande do Sul (parte 3). Julho/216 Pág. 32 / 54

33 : 2: 3: 5: 6: 7: 1: 11: 12: 13: 14: 15: 17: 18: 19: 2: 21: 23: 5.7. Usinas do estado de Santa Catarina Fator de Capacidade Médio (%) - Santa Catarina 1% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % Conj. Água Doce Conj. Bom Jardim Figura 63 Fator de capacidade médio no mês em base horária para conjuntos de usinas no estado de Santa Catarina. Julho/216 Pág. 33 / 54

34 5.8. Fator de capacidade Estado Ponto de Conexão Usina/Conjunto Tabela 6 - Acompanhamento do fator de capacidade de usinas Tipo I, II-B e conjuntos de usinas. Geração Média (MWmed) (1) Fator Cap. Verificado (%) (1)(2) Potência Últ. 12 Mês Últ. 12 Mês Nominal Meses Atual Meses Atual (MW) (3) Garantia Física (MW) (4) Fator Cap. Previsto (%) (5) Julho/216 Pág. 34 / 54 Início da Operação Comercial (6) BA Brotas de Macaúbas - 23 kv UEE Macaúbas 16,3 14,8 12,8 18,9 46,5% 42,2% 36,6% 53,8% 35,7 13,4 38,2% 6/7/212 BA Brotas de Macaúbas - 23 kv UEE Novo Horizonte 16,4 15,4 13,5 19,1 54,7% 51,3% 44,9% 63,5% 3,6 1,97 36,5% 6/7/212 BA Brotas de Macaúbas - 23 kv UEE Seabra 16,6 16, 14,4 19, 55,3% 53,2% 48,% 63,2% 3,6 11,33 37,7% 6/7/212 BA Campo Formoso - 23 kv Conj. Morrinhos 45,4 73,1 78,8 19,7 3,3% 44,6% 47,3% 61,% 18 93,3 51,8% 18/11/215 BA Igaporã II - 23 kv Conj. Araçás 69,6 6,4 51,2 64,4 41,7% 36,% 3,5% 38,4% 167,7 8,5 48,% 7/1/214 BA Igaporã II - 23 kv Conj. Caetité 41,6 39,2 36,3 48,2 46,2% 43,5% 4,3% 53,5% /1/214 BA Igaporã II - 23 kv Conj. Caetité ABC 26,6 24,1 22,4 28,3 49,% 44,3% 41,1% 52,1% 54,4 27,1 49,8% 4/8/215 BA Igaporã II - 23 kv Conj. Morrão 49,4 44,4 38,6 47,2 42,3% 37,8% 32,8% 4,1% 117,6 6,7 51,6% 7/1/214 BA Igaporã II - 69 kv Conj. Curva dos Ventos 25,2 26,5 25,6 32,4 44,6% 47,1% 45,4% 57,5% 56,4 24,9 44,1% 26/9/214 BA Igaporã II - 69 kv Conj. Igaporã Alvorada 2,5 17,2 15,2 19,2 53,3% 44,8% 39,5% 49,9% 38,4 2,58 53,6% 18/6/214 BA Igaporã II - 69 kv Conj. Igaporã Guirapá 26,9 24,2 22,3 26,4 5,9% 45,8% 42,1% 5,% 52,8 24,65 46,7% 18/6/214 BA Igaporã II - 69 kv Conj. Igaporã Licínio de Almeida 35,6 31,8 28,6 34,4 48,4% 43,2% 38,9% 46,7% 73,6 31,16 42,3% 18/6/214 BA Igaporã II - 69 kv Conj. Igaporã N. S. da Conceição 4,6 36,1 33, 41,5 52,8% 47,1% 43,% 54,1% 76,8 34,15 44,5% 18/6/214 BA Igaporã II - 69 kv Conj. Igaporã Planaltina 3,5 27,9 25,3 31,1 57,7% 52,9% 47,8% 58,8% 52,8 24,7 45,6% 18/6/214 BA Irecê kv Conj. Serra Azul - 24,9 24,9 25,9-41,4% 41,4% 43,2% 6 3,6 51,% 3/6/216 BA Irecê - 23 kv Conj. Assuruá - 43,9 43,9 45,5-64,6% 64,6% 66,9% 68 33,6 49,4% 22/3/216 BA Pindaí II - 69 kv Conj. Renova Pindaí II 16,7 37,2 38,7 52,8 16,6% 36,9% 38,4% 52,4% 1,8 5,1 49,7% 17/12/215 BA Pindaí II - 69 kv Conj. Wind I - 25,3 25,3 3,5-28,5% 28,5% 34,3% 88,8 43,4 48,9% 17/2/216 BA Pindaí II - 69 kv Conj. Wind II - 2, 2, 27,7-24,5% 24,5% 34,% 81,4 37,6 46,2% 17/2/216 BA Sobradinho - 23 kv Conj. Sento Sé 51,4 72,3 86,8 131,9 28,1% 33,5% 36,4% 53,3% 247,45 98,4 39,8% 8/8/215 CE Acaraú II - 23 kv Conj. Itarema V - 39,7 39,7 68,3-3,% 3,% 33,% /2/216 CE Acaraú II - 69 kv Conj. Ceará II 34,1 31,8 2,3 28,8 39,1% 36,6% 23,4% 33,1% 87 34,78 4,% 26/3/214 CE Acaraú II - 69 kv UEE Praia do Morgado 12,6 9,7 5,8 6,7 43,7% 33,8% 2,1% 23,3% 28,8 1,23 35,5% 26/5/21 CE Acaraú II - 69 kv UEE Volta Do Rio 15,4 12,1 6,5 1,3 36,7% 28,9% 15,5% 24,5% 42 19,84 47,2% 3/9/21 CE Pecém II - 23 kv Conj. Trairí 66,8 47,8 39,7 61,5 57,9% 41,1% 34,% 49,1% 134, /1/215 CE Pecém II - 23 kv UEE Colônia 1,3 1,5 8, 11,8 54,7% 55,3% 42,3% 62,4% 18,9 8,26 43,7% 19/6/214 CE Pecém II - 23 kv UEE Embuaca 11,6 11, 7,3 1,9 42,6% 4,1% 26,7% 39,8% 27,3 11,14 4,8% 29/3/214 CE Pecém II - 23 kv UEE Faísa I 1,2 1,1 6,7 1, 34,6% 34,5% 22,8% 34,1% 29,4 9,37 31,9% 29/3/214

35 Geração Média (MWmed) (1) Fator Cap. Verificado (%) (1)(2) Potência Garantia Fator Cap. Início da Estado Ponto de Conexão Usina/Conjunto Últ. 12 Mês Últ. 12 Mês Nominal Física Previsto Operação Meses Atual Meses Atual (MW) (3) (MW) (4) (%) (5) Comercial (6) CE Pecém II - 23 kv UEE Faísa II 1, 9,9 6,3 8,3 36,5% 36,2% 23,3% 3,4% 27,3 9,54 34,9% 31/7/214 CE Pecém II - 23 kv UEE Faísa III 9,5 9,4 6,4 1, 37,8% 37,2% 25,3% 39,5% 25,2 8,31 33,% 29/3/214 CE Pecém II - 23 kv UEE Faísa IV 8,9 8,8 5,7 8,2 35,4% 34,8% 22,5% 32,6% 25,2 8,55 33,9% 29/3/214 CE Pecém II - 23 kv UEE Faísa V 1,5 1,2 6,9 1,3 35,8% 34,6% 23,3% 34,9% 29,4 9,9 3,9% 3/1/214 CE Pecém II - 23 kv UEE Santo Antônio de Pádua 6,5 6,5 4,6 7,1 46,3% 46,5% 33,% 51,1% 14 8,2 58,6% 11/11/214 CE Pecém II - 23 kv UEE São Cristóvão 12,9 13,2 9,7 14,7 49,5% 5,7% 37,5% 56,6% 26 14,2 54,6% 11/11/214 CE Pecém II - 23 kv UEE São Jorge 12,7 12,7 9,5 14, 53,1% 52,9% 39,5% 58,3% 24 13,2 55,% 11/11/214 CE Pecém II - 23 kv UEE Taíba Águia 12,1 11,8 8,8 13,6 52,2% 51,1% 38,2% 58,8% 23,1 1,69 46,3% 19/6/214 CE Pecém II - 23 kv UEE Taíba Andorinha 7,9 7,8 5,9 8,9 53,8% 53,4% 4,4% 6,7% 14,7 6,58 44,8% 19/6/214 CE Russas II - 23 kv UEE Bons Ventos 21,6 2,7 16,1 21,7 43,2% 41,4% 32,1% 43,3% 5 15,43 3,9% 11/2/21 CE Russas II - 23 kv UEE Canoa Quebrada 26,3 25,1 19,3 24,5 46,2% 44,% 33,8% 43,1% 57 2,53 36,% 26/1/21 CE Russas II - 23 kv UEE Enacel 13,7 12,8 9,6 12,2 43,5% 4,6% 3,5% 38,6% 31,5 7,93 25,2% 18/3/21 CE Sobral III - 23 kv UEE Boca Do Córrego 1,1 9,9 6,9 1,8 41,4% 4,6% 28,2% 44,3% 24, /8/214 CE Sobral III - 23 kv UEE Icaraí I 15, 14,6 1,7 16, 54,8% 53,5% 39,3% 58,7% 27,3 13,1 47,7% 29/3/214 CE Sobral III - 23 kv UEE Icaraí II 18,9 18,3 13, 19,2 5,% 48,4% 34,4% 5,9% 37,8 13,1 34,4% 29/3/214 CE Sobral III - 23 kv UEE Icaraizinho 26,5 25,3 17,4 27,5 48,5% 46,4% 31,9% 5,4% 54,6 2,76 38,% 14/1/29 CE Sobral III - 23 kv UEE Ilha Grande 11,2 11,3 7,9 12,3 37,8% 38,% 26,5% 41,3% 29, /8/214 CE Sobral III - 23 kv UEE Praia Formosa 35, 32,4 19,7 26,5 33,4% 3,8% 18,8% 25,3% 15 28,83 27,5% 26/8/29 CE Sobral III - 23 kv UEE Ribeirão 8,5 8,4 6,2 1, 39,3% 38,9% 28,9% 46,5% 21, /9/214 PE Garanhuns II - 23 kv Conj. Paranatama 4, 38,1 38, 43, 44,1% 41,9% 41,8% 47,4% 9,745 43,6 48,% 21/12/215 PE Garanhuns II - 23 kv Conj. Santa Brígida 85,1 83,1 83, 93,9 46,8% 45,7% 45,6% 51,6% 181,9 94,7 52,1% 17/12/215 PE Garanhuns II - 23 kv Conj. São Clemente - 95,8 95,8 18,2-44,3% 44,3% 5,1% 216,9 118,1 54,7% 1/6/216 PE Tacarutu - 23 kv Conj. Fonte dos Ventos 43,8 45, 43,5 6,2 54,8% 56,3% 54,5% 75,4% 79,9 36,1 45,2% 29/1/215 PI Curral Novo do Piauí - 23 kv Conj. Chapada I 82,3 99,4 1,7 116,1 39,2% 47,4% 47,9% 55,3% 21 11, 52,4% 17/12/215 PI Curral Novo do Piauí - 23 kv Conj. Chapada III - 99, 99, 14,5-43,4% 43,4% 6,7% 231,6 121,6 52,5% 25/1/216 PI Curral Novo do Piauí - 23 kv Conj. São Basílio - 3,8 3,8 3,8-6,3% 6,3% 6,3% 59, /7/216 PI Picos - 23 kv Conj. Chapada II 9,9 91,4 89,6 124,9 44,3% 44,5% 43,7% 6,9% 25,1 114,3 55,7% 29/6/215 RN Açu II - 23 kv UEE Alegria I 17,7 17,4 13,9 21,3 34,6% 34,2% 27,3% 41,7% 51 16,58 32,5% 3/12/21 RN Açu II - 23 kv UEE Alegria II 32,9 32,4 25,4 39,2 32,7% 32,2% 25,2% 38,9% 1,65 29,13 28,9% 3/12/211 RN Açu II - 23 kv UEE Mangue Seco 1 9, 9,5 8, 12,3 34,5% 36,4% 3,9% 47,2% 26 12,37 47,6% 3/9/211 RN Açu II - 23 kv UEE Mangue Seco 2 9,3 9,6 8,1 11,8 35,8% 36,9% 31,1% 45,5% 26 12,8 46,5% 24/9/211 Julho/216 Pág. 35 / 54

36 Geração Média (MWmed) (1) Fator Cap. Verificado (%) (1)(2) Potência Garantia Fator Cap. Início da Estado Ponto de Conexão Usina/Conjunto Últ. 12 Mês Últ. 12 Mês Nominal Física Previsto Operação Meses Atual Meses Atual (MW) (3) (MW) (4) (%) (5) Comercial (6) RN Açu II - 23 kv UEE Mangue Seco 3 9, 9,4 7,8 11,9 34,6% 36,1% 3,% 45,8% 26 12,73 49,% 26/8/211 RN Açu II - 23 kv UEE Mangue Seco 5 1,5 1,4 8,6 12,8 4,5% 39,9% 32,9% 49,1% 26 13,11 5,4% 1/11/211 RN Açu II - 23 kv UEE Miassaba 3 17,7 17,1 16,4 26,2 25,8% 25,% 23,9% 38,2% 68,47 22,84 33,4% 1/2/214 RN Açu II - 23 kv UEE Rei dos Ventos 1 16,7 17,5 16,6 24,9 28,5% 29,9% 28,3% 42,6% 58,45 28,86 49,4% 1/2/214 RN Açu II - 23 kv UEE Rei dos Ventos 3 15,3 16,6 17,2 26,8 25,4% 27,6% 28,6% 44,6% 6,12 21,7 35,% 1/2/214 RN Extremoz II - 23 kv UEE Riachão I 13,7 12,6 11,3 16,6 46,2% 42,3% 37,9% 55,9% 29, /6/215 RN Extremoz II - 23 kv UEE Riachão II 1,8 9,9 8,5 12,1 39,9% 36,8% 31,6% 44,7% /5/215 RN Extremoz II - 23 kv UEE Riachão IV 11,7 11,4 1,3 15,7 39,2% 38,2% 34,5% 52,9% 29, /5/215 RN Extremoz II - 23 kv UEE Riachão VI 12,3 11,7 1,4 15,9 41,6% 39,5% 35,1% 53,6% 29, /5/215 RN Extremoz II - 23 kv UEE Riachão VII 9,9 9,5 8,5 12,8 33,3% 31,9% 28,7% 43,1% 29, /5/215 RN Extremoz II - 23 kv UEE Rio do Fogo 17,2 16,9 13,6 19,9 34,8% 34,2% 27,6% 4,3% 49,3 2,74 42,1% 15/7/26 RN João Câmara II - 23 kv Conj. União dos Ventos 78,9 81,5 74, 13, 46,5% 48,% 43,6% 6,7% 169,6 91,4 53,9% 2/4/214 RN João Câmara II - 69 kv Conj. Modelo 24,6 3,3 28,5 42, 43,6% 53,7% 5,5% 74,4% 56,4 28,3 5,2% 24/1/214 RN João Câmara II - 69 kv Conj. Morro dos Ventos 54,9 57,8 53,8 84,8 37,8% 39,8% 37,1% 58,4% 145,2 68,64 47,3% 1/4/214 RN João Câmara II - 69 kv Conj. Santa Clara 62,9 66,8 59,9 12, 33,5% 35,5% 31,9% 54,3% ,15 42,1% 1/4/214 RN João Câmara III kv Conj. Baixa do Feijão - 7,8 7,8 8,2-59,% 59,% 66,9% 12 57,2 47,7% 19/5/216 RN João Câmara III kv Conj. Campo dos Ventos - 35,2 35,2 67,4-42,6% 42,6% 63,8% 15,6 64,3 6,9% 1/4/216 RN João Câmara III kv Conj. Dreen 45,9 47,5 42, 59,9 48,9% 5,5% 44,7% 63,7% 94 46,3 49,3% 2/2/215 RN João Câmara III kv Conj. João Câmara III-ASA BRANCA 57,4 61,9 57,5 93,5 35,9% 38,7% 35,9% 58,4% 16 7,5 44,1% 13/1/215 RN João Câmara III kv Conj. João Câmara III-ATLANTIC 32,9 32,4 28,6 27, 54,8% 54,% 47,7% 44,9% 6 3,2 5,3% 13/1/215 RN João Câmara III kv Conj. João Câmara III-COPEL 59,2 82,1 83,9 122,7 39,3% 44,7% 45,7% 66,8% 183,6 92,9 5,6% 13/4/215 RN João Câmara III kv Conj. João Câmara III-DOBREVE 3,3 37, 35,9 51,4 36,8% 41,5% 4,3% 57,6% 89,16 46,9 52,6% 1/12/214 RN João Câmara III kv Conj. Macacos 47, 42,8 33,7 53,1 6,1% 54,7% 43,1% 67,9% 78,2 37,5 48,% 1/12/214 RN João Câmara III kv Conj. Renascença 72,9 75,4 67,9 97, 48,6% 5,3% 45,3% 64,7% 15 68,7 45,8% 29/12/214 RN Lagoa Nova II - 69 kv Conj. Calango 1-24,4 24,4 17,1-4,7% 4,7% 28,5% 6 27,8 46,3% 19/1/216 RN Lagoa Nova II - 69 kv Conj. Calango 2-33,8 33,8 23,5-37,5% 37,5% 26,1% 9 38,4 42,7% 19/1/216 RN Lagoa Nova II - 69 kv Conj. Santana 12-41,7 41,7 65, - 49,4% 49,4% 67,7% /2/216 RN Lagoa Nova II - 69 kv Conj. Santana 3-27,8 27,8 43,4-51,2% 51,2% 63,8% 68 31,4 46,2% 2/2/216 RN Mossoró II - 23 kv Conj. Amazonas 48,1 4,3 39,4 5, 41,1% 28,2% 27,5% 32,1% ,6 55,7% 7/12/215 RN Mossoró II - 23 kv Conj. Carcará II 51,4 51,8 47,4 6,7 57,1% 57,5% 52,6% 67,4% 9 46,9 52,1% 29/12/214 RN Mossoró II - 23 kv UEE Areia Branca 13,1 12,8 1,7 15,5 47,9% 47,1% 39,4% 56,9% 27,3 11,75 43,% 18/2/214 Julho/216 Pág. 36 / 54

37 Geração Média (MWmed) (1) Fator Cap. Verificado (%) (1)(2) Potência Garantia Fator Cap. Início da Estado Ponto de Conexão Usina/Conjunto Últ. 12 Mês Últ. 12 Mês Nominal Física Previsto Operação Meses Atual Meses Atual (MW) (3) (MW) (4) (%) (5) Comercial (6) RN Mossoró II - 23 kv UEE Mar e Terra 9, 9,3 7,8 11,5 38,9% 4,1% 33,6% 49,7% 23,1 8,38 36,3% 18/2/214 RS Atlântida 2-69 kv UEE Xangri-lá 8,2 8,6 7,9 8,9 29,6% 3,9% 28,5% 32,1% 27,675 17,65 63,8% 11/12/214 RS Livramento 2-23 kv Conj. Livramento 2* 12, 46,3 59, 7,8 7,7% 29,6% 36,2% 43,4% 163,2 81,69 5,1% 2/11/213 RS Osório 2-23 kv Conj. Atlântica 44,4 46, 42,3 45,8 37,% 38,3% 35,2% 38,2% 12 52,7 43,9% 5/11/213 RS Osório 2-23 kv UEE Índios 12, 13,9 12,7 15,8 24,1% 27,8% 25,4% 31,5% 5 11,5 23,% 13/12/26 RS Osório 2-23 kv UEE Índios 2 8,7 9,7 8,8 1,4 29,2% 32,3% 29,5% 34,6% 29,9 8,8 29,4% 16/12/214 RS Osório 2-23 kv UEE Índios 3 7, 7,9 7,3 8,6 3,6% 34,4% 31,6% 37,3% 23 17,71 77,% 16/12/214 RS Osório 2-23 kv UEE Osório 12,2 14,1 12,9 16,1 24,4% 28,3% 25,7% 32,2% 5 9,2 18,4% 29/6/26 RS Osório 2-23 kv UEE Osório 2 7,9 8,8 8,1 9,3 28,7% 31,8% 29,3% 33,8% 27,6 1,5 38,% 19/12/212 RS Osório 2-23 kv UEE Osório 3 8,2 9,2 8,6 1,2 27,5% 3,8% 28,7% 34,2% 29,9 18,31 61,2% 15/2/213 RS Osório 2-23 kv UEE Sangradouro 13,1 15,4 14,4 17,6 26,2% 3,9% 28,9% 35,1% 5 9,98 2,% 3/9/26 RS Osório 2-23 kv UEE Sangradouro 2 8,7 1,2 9,6 11,3 29,2% 34,3% 32,3% 37,9% 29,9 9,22 3,8% 2/1/212 RS Osório 2-23 kv UEE Sangradouro 3 7,7 9, 8,4 1, 28,% 32,7% 3,5% 36,3% 27,6 25,15 91,1% 22/5/212 RS Osório 2-69 kv UEE Cidreira I 23,3 25,1 22,9 25,6 33,3% 35,8% 32,7% 36,6% 7-21/5/211 RS Quinta kv Conj. Quinta 138 kv 35,2 41,6 4, 42,6 32,9% 38,5% 37,1% 39,4% 18 53, 49,1% 21/11/214 RS Quinta - 69 kv Conj. Quinta 69 kv 21,9 22,7 2,5 2,8 34,3% 35,4% 32,% 32,4% 64 26,4 41,3% 29/12/214 RS S. V. do Palmar kv Conj. Santa Vitória do Palmar 122,4 193,5 194,9 2,7 3,9% 35,5% 33,4% 34,4% 582,79 253,1 43,4% 5/8/214 SC Aquibatã kv Conj. Água Doce 25,3 24,4 22,6 3, 19,6% 18,9% 17,5% 23,2% ,52 29,9% 27/1/211 SC Bom Jardim kv Conj. Bom Jardim 8,9 7,7 7,1 9,3 9,5% 8,3% 7,6% 9,9% 93 25,6 27,5% 6/7/211 NE - TOTAL 2212,3 2847, 2624,6 3579,5 41,7% 41,6% 38,2% 5,9% 759,2 292,1 41,4% - S - TOTAL 387,3 514, 58,1 563,6 26,2% 31,5% 3,3% 33,6% 1675,6 669, 39,9% - SIN - TOTAL 2599,6 336,9 3132,7 4143,1 38,3% 39,7% 36,7% 47,5% 8734,8 3589,2 41,1% - (1) Valores considerados a partir das datas de entrada em operação comercial das usinas ou das datas de vigência dos ajustamentos operativos que estabelecem os conjuntos. (2) Em verde: Fator de capacidade verificado ao menos 5% maior que o previsto. Em vermelho: Fator de capacidade verificado ao menos 5% menor que o previsto. (3) Relação entre a geração verificada e a potência instalada proporcional ao período de avaliação. (4) Para usinas individuais, é a capacidade instalada das UGs em operação comercial. Para conjuntos de usinas, é a capacidade instalada das usinas liberadas para operação em teste. (5) Garantia física da usina ou das usinas que compõem o conjunto, conforme estabelecido no Banco de Informações de Geração da ANEEL. (6) Relação entre a garantia física e a potência instalada. (7) Para conjuntos, é a data de início de vigência da primeira versão do ajustamento operativo que estabelece a operação das usinas na modalidade conjunto. * A potência instalada do Conj. Livramento 2 considerada no Boletim não contempla as UEEs Cerro Chato IV, V e VI e Cerro dos Trindade totalizando 54 MW, que tiveram a operação comercial suspensa em 5/1/215 pelo Despacho SFG/ANEEL nº Julho/216 Pág. 37 / 54

38 5.9. Geração máxima Estado Usina Tabela 7 - Geração máxima por usina Tipo I, II-B e conjunto de usina. Potência Nominal (MW) Geração média horária máxima no mês Valor Data/Hora Valor (%) (MWh/h) Geração média horária máxima no histórico Valor Data/Hora Valor (%) (MWh/h) BA Conj. Araçás 167,7 29/7/216 23: 125,19 74,65% 3/9/ ,99 92,42% BA Conj. Assuruá 68 19/7/216 7: 66,63 97,98% 19/4/216 3: 67,29 98,96% BA Conj. Caetité 9 3/7/216 89,7 99,67% 3/7/216 89,7 99,67% BA Conj. Caetité ABC 54,4 3/7/216 2: 54,45 1,9% 29/6/216 6: 54,68 1,52% BA Conj. Curva dos Ventos 56,4 1/7/216 5: 54,96 97,45% 17/8/215 : 55,51 98,42% BA Conj. Igaporã Alvorada 38,4 3/7/216 : 32,1 83,59% 1/7/215 23: 51,4 133,86% BA Conj. Igaporã Guirapá 52,8 9/7/216 46,31 87,71% 15/1/215 5: 64,25 121,68% BA Conj. Igaporã Licínio de Almeida 73,6 9/7/216 62,99 85,58% 2/2/215 75,97 13,22% BA Conj. Igaporã N. S. da Conceição 76,8 26/7/216 18: 65,23 84,94% 25/12/214 : 77,61 11,6% BA Conj. Igaporã Planaltina 52,8 22/7/216 21: 46,1 87,13% 29/8/214 21: 54,65 13,5% BA Conj. Morrão 117,6 26/7/216 3: 93,42 79,44% 29/8/215 2: 11,4 93,88% BA Conj. Morrinhos 18 19/7/216 23: 151,63 84,24% 25/6/216 1: 153,23 85,13% BA Conj. Renova Pindaí II 1,8 14/7/216 3: 9,81 9,9% 14/7/216 3: 9,81 9,9% BA Conj. Sento Sé 247,45 5/7/216 : 226,16 91,39% 5/7/216 : 226,16 91,39% BA Conj. Serra Azul 6 7/7/216 7: 31,48 52,47% 7/7/216 7: 31,48 52,47% BA Conj. Wind I 88,8 11/7/216 81,92 92,26% 25/4/216 23: 81,97 92,3% BA Conj. Wind II 81,4 1/7/216 23: 75,47 92,72% 1/7/216 23: 75,47 92,72% BA UEE Macaúbas 35,7 23/7/216 2: 29,15 83,13% 18/7/215 12: 32,54 92,79% BA UEE Novo Horizonte 3,6 23/7/216 5: 29,47 98,4% 17/9/214 29,99 99,77% BA UEE Seabra 3,6 19/7/216 23: 29,34 97,59% 19/4/216 29,6 98,48% CE Conj. Ceará II 87 9/7/216 15: 58,24 66,94% 24/8/215 14: 74,8 85,97% CE Conj. Itarema V 27 31/7/216 15: 16,3 77,31% 31/7/216 15: 16,3 77,31% CE Conj. Trairí 134,3 12/7/216 12: 19,84 81,79% 3/1/215 12: 112,1 83,47% CE UEE Boca Do Córrego 24,3 14/7/216 13: 23,9 95,% 23/2/216 5: 23,86 98,19% CE UEE Bons Ventos 5 15/7/216 2: 47,81 95,61% 2/2/212 23: 5,97 11,94% CE UEE Canoa Quebrada 57 3/7/216 : 56,3 98,3% 18/1/214 23: 59,29 14,2% CE UEE Colônia 18,9 1/7/216 12: 18,42 97,44% 26/9/214 13: 18,98 1,43% Julho/216 Pág. 38 / 54

39 Potência Geração média horária máxima no mês Geração média horária máxima no histórico Estado Usina Nominal Valor Valor (MW) Data/Hora Valor (%) Data/Hora (MWh/h) (MWh/h) Valor (%) CE UEE Embuaca 27,3 4/7/216 12: 22,65 82,95% 3/8/214 15: 27, 98,89% CE UEE Enacel 31,5 11/7/216 2: 28,32 89,91% 23/1/214 32,4 11,71% CE UEE Faísa I 29,4 2/7/216 13: 25,96 88,29% 11/9/214 13: 29,2 98,72% CE UEE Faísa II 27,3 4/7/216 13: 24,2 88,65% 26/9/214 13: 27,1 98,95% CE UEE Faísa III 25,2 9/7/216 14: 23,14 91,83% 28/8/215 13: 24,97 99,1% CE UEE Faísa IV 25,2 4/7/216 13: 23,39 92,83% 9/12/214 12: 25,11 99,63% CE UEE Faísa V 29,4 9/7/216 14: 26,8 88,7% 15/3/215 19: 29,2 99,31% CE UEE Icaraí I 27,3 9/7/216 13: 26,8 98,18% 6/8/214 28,15 13,11% CE UEE Icaraí II 37,8 12/7/216 12: 34,65 91,66% 11/9/214 12: 38,1 1,57% CE UEE Icaraizinho 54,6 31/7/216 14: 5,12 91,79% 16/9/21 15: 53,58 98,13% CE UEE Ilha Grande 29,7 4/7/216 13: 27,86 93,81% 28/8/215 13: 28,53 96,6% CE UEE Praia do Morgado 28,8 2/7/216 15: 12,87 44,68% 13/9/212 13: 29,4 12,8% CE UEE Praia Formosa 15 4/7/216 95,9 91,33% 11/11/21 15: 12,69 97,8% CE UEE Ribeirão 21,6 28/7/216 15: 2,67 95,67% 1/12/215 13: 21,4 97,41% CE UEE Santo Antônio de Pádua 14 28/7/216 12: 13,68 97,74% 11/11/215 11: 13,97 99,77% CE UEE São Cristóvão 26 1/7/216 13: 25,2 96,25% 12/11/215 14: 25,18 96,83% CE UEE São Jorge 24 9/7/216 13: 23,11 96,3% 14/6/216 17: 68,24 284,34% CE UEE Taíba Águia 23,1 1/7/216 11: 22,49 97,35% 13/9/214 23,23 1,56% CE UEE Taíba Andorinha 14,7 2/7/216 23: 14,33 97,5% 3/8/214 1: 14,85 1,99% CE UEE Volta Do Rio 42 12/7/216 2: 18,13 43,15% 14/7/214 14: 41,78 99,49% PE Conj. Fonte dos Ventos 79,9 1/7/216 6: 77,42 96,89% 11/1/215 83,27 14,22% PE Conj. Paranatama 9,745 3/7/216 81,6 89,33% 2/6/216 19: 84,39 93,% PE Conj. Santa Brígida 181,9 1/7/216 17: 178,88 98,34% 2/5/216 19: 186,42 12,49% PE Conj. São Clemente 216,9 28/7/216 21: 219,59 11,62% 28/7/216 21: 219,59 11,62% PI Conj. Chapada I 21 29/7/216 12: 173,48 82,61% 27/6/216 6: 27,57 98,84% PI Conj. Chapada II 25,1 19/7/216 2: 193,27 94,23% 26/12/215 6: 195,95 95,54% PI Conj. Chapada III 231,6 29/7/216 3: 218,76 94,46% 15/6/ ,31 94,69% PI Conj. São Basílio 59,4 7/7/216 23: 13,23 22,28% 7/7/216 23: 13,23 22,28% RN Conj. Amazonas /7/216 94,65 56,34% 29/7/216 94,65 56,34% RN Conj. Baixa do Feijão 12 23/7/216 2: 116,26 96,88% 15/6/ ,69 11,41% RN Conj. Calango 1 6 3/7/216 2: 59,7 99,49% 22/6/216 2: 59,85 99,74% Julho/216 Pág. 39 / 54

40 Potência Geração média horária máxima no mês Geração média horária máxima no histórico Estado Usina Nominal Valor Valor (MW) Data/Hora Valor (%) Data/Hora (MWh/h) (MWh/h) Valor (%) RN Conj. Calango 2 9 2/7/216 23: 89,33 99,26% 27/6/216 23: 16,88 118,76% RN Conj. Campo dos Ventos 15,6 31/7/216 15: 12,3 96,88% 31/7/216 15: 12,3 96,88% RN Conj. Carcará II 9 14/7/216 3: 9,45 1,5% 14/7/216 3: 9,45 1,5% RN Conj. Dreen 94 29/7/216 85,98 91,47% 31/8/215 17: 91,35 97,18% RN Conj. João Câmara III-ASA BRANCA 16 26/7/216 15,52 94,8% 26/7/216 15,52 94,8% RN Conj. João Câmara III-ATLANTIC 6 16/7/216 58,9 96,82% 23/8/215 : 59,38 98,97% RN Conj. João Câmara III-COPEL 183,6 2/7/216 2: 16,26 87,29% 2/9/215 22,74 11,42% RN Conj. João Câmara III-DOBREVE 89,16 27/7/216 2: 76,12 85,38% 24/2/216 : 83,73 93,91% RN Conj. Macacos 78,2 11/7/216 2: 74,62 95,42% 23/8/215 2: 16,31 135,94% RN Conj. Modelo 56,4 31/7/216 2: 54,13 95,98% 2/6/216 87,25 154,69% RN Conj. Morro dos Ventos 145,2 22/7/216 23: 134,63 92,72% 15/8/ ,37 98,5% RN Conj. Renascença 15 29/7/216 7: 142,87 95,25% 29/7/216 7: 142,87 95,25% RN Conj. Santa Clara 188 8/7/216 19: 184,5 97,9% 3/6/ ,27 1,15% RN Conj. Santana /7/216 95,8 99,4% 2/7/216 95,8 99,4% RN Conj. Santana /7/216 21: 65,29 96,1% 31/7/216 21: 65,29 96,1% RN Conj. União dos Ventos 169,6 8/7/216 17: 162,42 95,77% 14/2/215 14: 167,63 98,84% RN UEE Alegria I 51 31/7/216 45,31 88,84% 1/12/215 17: 51,6 1,12% RN UEE Alegria II 1,65 31/7/216 9,31 89,72% 2/1/214 14: 99,2 98,56% RN UEE Areia Branca 27,3 31/7/216 26,39 96,68% 23/12/215 2: 26,89 98,51% RN UEE Mangue Seco /7/216 25,4 97,71% 19/8/212 23: 25,94 99,77% RN UEE Mangue Seco /7/216 25,1 96,2% 1/5/212 2: 26,12 1,46% RN UEE Mangue Seco /7/216 25,6 96,38% 1/4/212 26,12 1,46% RN UEE Mangue Seco /7/216 24,8 95,37% 14/1/212 25,89 99,58% RN UEE Mar e Terra 23,1 3/7/216 6: 22,64 98,2% 31/1/216 17: 22,66 98,9% RN UEE Miassaba 3 68,47 29/7/216 : 57,76 84,36% 23/11/214 15: 61,21 89,4% RN UEE Rei dos Ventos 1 58,45 31/7/216 55,1 94,11% 28/12/214 15: 57,5 98,37% RN UEE Rei dos Ventos 3 6,12 31/7/216 55,57 92,44% 14/8/214 21: 56,22 93,51% RN UEE Riachão I 29,7 31/7/216 11: 29,6 97,86% 31/7/216 11: 29,6 97,86% RN UEE Riachão II 27 24/7/216 17: 23,66 87,64% 12/1/215 14: 26,52 98,22% RN UEE Riachão IV 29,7 25/7/216 12: 28,21 94,99% 16/8/215 14: 29,12 98,5% RN UEE Riachão VI 29,7 26/7/216 28,78 96,92% 23/8/215 13: 29,18 98,24% Julho/216 Pág. 4 / 54

41 Potência Geração média horária máxima no mês Geração média horária máxima no histórico Estado Usina Nominal Valor Valor (MW) Data/Hora Valor (%) Data/Hora (MWh/h) (MWh/h) Valor (%) RN UEE Riachão VII 29,7 31/7/216 28,8 96,97% 19/2/216 7: 29,36 98,86% RN UEE Rio do Fogo 49,3 31/7/216 13: 47,44 96,22% 16/7/215 21: 49,2 99,8% RS Conj. Atlântica 12 3/7/216 : 113,66 94,72% 29/1/ ,47 98,73% RS Conj. Livramento 2* 163,2 26/7/216 21: 158,71 97,25% 26/7/216 21: 158,71 97,25% RS Conj. Quinta 138 kv 18 6/7/216 14: 98,69 91,38% 1/8/215 16, 98,15% RS Conj. Quinta 69 kv 64 27/7/216 13: 61,9 95,45% 29/1/215 64,26 1,41% RS Conj. Santa Vitória do Palmar 582,79 16/7/216 21: 565,61 97,5% 16/7/216 21: 565,61 97,5% RS UEE Cidreira I 7 17/7/216 68,28 97,54% 14/9/212 2: 7,7 11,% RS UEE Índios 5 11/7/216 5,17 1,34% 11/7/216 5,17 1,34% RS UEE Índios 2 29,9 11/7/216 28,91 96,69% 11/7/216 28,91 96,69% RS UEE Índios /7/216 22,98 99,9% 12/6/216 6: 23, 99,98% RS UEE Osório 5 26/7/216 5,86 11,71% 25/5/216 2: 5,94 11,88% RS UEE Osório 2 27,6 11/7/216 27,24 98,69% 11/7/216 27,24 98,69% RS UEE Osório 3 29,9 17/7/216 29,42 98,39% 17/7/216 29,42 98,39% RS UEE Sangradouro 5 17/7/216 18: 5,61 11,22% 24/9/213 5: 5,62 11,24% RS UEE Sangradouro 2 29,9 17/7/216 7: 29,93 1,1% 25/3/216 21: 29,97 1,24% RS UEE Sangradouro 3 27,6 17/7/216 6: 27,97 11,33% 12/6/216 6: 27,97 11,35% RS UEE Xangri-lá 27,675 14/7/216 27,17 98,19% 1/8/216 21: 27,18 98,2% SC Conj. Água Doce /7/216 2: 71,8 55,1% 18/2/214 7: 12,95 79,8% SC Conj. Bom Jardim 93 26/7/216 2: 23,31 25,6% 15/6/214 : 73,7 78,57% NE TOTAL 759,2 31/7/ ,76 73,15% 31/7/ ,76 73,15% S TOTAL 1675,6 17/7/ ,62 85,26% 17/7/ ,62 85,26% SIN TOTAL 8734,8 25/7/ ,26 66,64% 25/7/ ,26 66,64% * A potência instalada do Conj. Livramento 2 considerada no Boletim não contempla as UEEs Cerro Chato IV, V e VI e Cerro dos Trindade totalizando 54 MW, que tiveram a operação comercial suspensa em 5/1/215 pelo Despacho SFG/ANEEL nº Julho/216 Pág. 41 / 54

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2015

Boletim Mensal de Geração Eólica Julho/2015 Julho/215 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA Gerência

Leia mais

Boletim Mensal de Geração Eólica Dezembro/2014

Boletim Mensal de Geração Eólica Dezembro/2014 Dezembro/214 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP Centro Nacional de Operação do Sistema CNOS Gerência Executiva de Pós-Operação, Análise e Estatística da Operação GOA

Leia mais

ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 2013

ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 2013 ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 213 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP

Leia mais

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Sumário Panorama Mundial da Geração Eólica Dados Gerais da Geração Eólica no Brasil Características da

Leia mais

Potência Nominal UF Tipo da Usina Nome da Usina (MW) CE CGE Bons ventos 50 CE CGE Formosa 104,4 CE CGE Volta do Rio 42 CE CGE Praia do Morgado 28,8

Potência Nominal UF Tipo da Usina Nome da Usina (MW) CE CGE Bons ventos 50 CE CGE Formosa 104,4 CE CGE Volta do Rio 42 CE CGE Praia do Morgado 28,8 Geração existente e com previsão de entrada em operação até dezembro de 2015, com ato de autorização anterior à publicação do Edital do LER 2013, considerada nos estudos da Margem de Transmissão. Potência

Leia mais

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior.

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior. MARÇO 2016 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 907, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 907, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 907, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009. Aprova o Edital do Leilão nº 03/2009-ANEEL e seus Anexos, referente à contratação de Energia de Reserva,

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 399.473,26 422.403,60 501.033,08 371.050,32 437.918,87 2.131.879,13 Valor

Leia mais

CONTRATOS - 1ª CHAMADA PÚBLICA BIOMASSA Nº CCVE Usina Qualif. Estado Pot. Contratada Data de Publicação

CONTRATOS - 1ª CHAMADA PÚBLICA BIOMASSA Nº CCVE Usina Qualif. Estado Pot. Contratada Data de Publicação BIOMASSA 1 001/2004 Iolando Leite PIA SE 5,00 28/3/2005 2 002/2004 Mandu PIA SP 20,20 28/3/2005 3 003/2004 Goiasa PIA GO 42,52 28/3/2005 4 004/2004 Santa Terezinha PIA PR 27,54 28/3/2005 5 005/2004 Nova

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº Abril/ O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº 2 Março/2 O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

RESULTADOS DOS LEILÕES REGULARES DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA (A-3, A-5 E ENERGIA DE RESERVA)

RESULTADOS DOS LEILÕES REGULARES DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA (A-3, A-5 E ENERGIA DE RESERVA) RESULTADOS DOS LEILÕES REGULARES DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução (A-3, A-5 E ENERGIA DE RESERVA) O presente relatório tem por objetivo representar os resultados dos leilões de compra de energia

Leia mais

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011.

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. 2 1) O QUE É ENERGIA EÓLICA? A energia eólica é a energia que provém do vento. O termo eólico

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA

PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA PROINFA PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA ELÉTRICA Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

I Congreso Latinoamericano de Energia Eólica y VI Jornadas Internacionales de Energia Eólica

I Congreso Latinoamericano de Energia Eólica y VI Jornadas Internacionales de Energia Eólica I Congreso Latinoamericano de Energia Eólica y VI Jornadas Internacionales de Energia Eólica Francisco José Arteiro de Oliveira Diretoria de Planejamento e Programação da Operação 1 Aumento da Expansão

Leia mais

Perspectivas da Energia Eólica no Brasil

Perspectivas da Energia Eólica no Brasil Perspectivas da Energia Eólica no Brasil Belo Horizonte, MG 20 de agosto de 2008 Fábio Medeiros Sumário Situação atual da energia eólica no mundo. Situação e perspectivas da energia eólica no Brasil. Primeiras

Leia mais

Energia Eólica Potencial e Oportunidades no Brasil. Lauro Fiuza Junior

Energia Eólica Potencial e Oportunidades no Brasil. Lauro Fiuza Junior Energia Eólica Potencial e Oportunidades no. Lauro Fiuza Junior Presidente da ABEEólica - Associação eira de Energia Eólica 3 de Junho de 2008. ABEEólica Desenvolver a geração eólica no Ela é parte essencial

Leia mais

Estudos para a Licitação da Expansão da Transmissão ANÁLISE DE INTEGRAÇÃO DAS CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS - LER 2009

Estudos para a Licitação da Expansão da Transmissão ANÁLISE DE INTEGRAÇÃO DAS CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS - LER 2009 Estudos para a Licitação da Expansão da Transmissão ANÁLISE DE INTEGRAÇÃO DAS CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS - LER 2009 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME/SPE Estudos para a Licitação da Expansão

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009

A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009 A ENERGIA EÓLICA NO BRASIL 1º. Congresso Brasileiro de Geração Distribuída e Energias Renováveis Agosto de 2009 Regina Araújo Desenvolvimento de Negócios Energia Eólica no Mundo 2 PRINCIPAIS MERCADOS DA

Leia mais

Dados sobre o Programa de Educação Tutorial PET atualizados em abril de Fonte: SESu/MEC Apresentação: Diretoria da CENAPET

Dados sobre o Programa de Educação Tutorial PET atualizados em abril de Fonte: SESu/MEC Apresentação: Diretoria da CENAPET Dados sobre o Programa de Educação Tutorial PET atualizados em abril de 05 Fonte: SESu/MEC Apresentação: Diretoria da CENAPET Informações Gerais Número de Grupos: 84 Número de IES: Categoria Administrativa

Leia mais

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO V GASTOS TURÍSTICOS TABELAS JOÃO PESSOA-PB, JUNHO 2004 TABELA Nº01 GASTO MÉDIO INDIVIDUAL DIÁRIO em R$ 1.00,

Leia mais

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Sessão IV: A Bacia do rio São Francisco. Origem das Águas. Regime Fluvial. Disponibilidades. Risco de Mudanças CGEE / ANA Brasília Agosto de 2008 Giovanni

Leia mais

Resultados do Leilão - Resumo Vendedor

Resultados do Leilão - Resumo Vendedor Página 1 de 7-17:55:33 FERNANDO DE SIQUERA FELIX - CCEE Resultados do Leilão - Resumo Vendedor Empreendimento -Produto Quantidade - QTD-2018 Vendedor Empreendimento UF Fonte Rio / Combustível Submercado

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc 2006/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 066/2006 C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc !" #$ "%&'" ( "#)*+,-+. -!++/+-0-$"%"*"1!/

Leia mais

PEA 3100 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade. Aula 9 Fontes Renováveis de Energia. Energia Eólica

PEA 3100 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade. Aula 9 Fontes Renováveis de Energia. Energia Eólica PEA 3100 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 9 Fontes Renováveis de Energia Energia Eólica slide 1 / 27 Produção de Energia Elétrica Geração Eólica Parque Eólico Osório Osório/RS Foto: Carlos

Leia mais

Casos de FHD Óbitos e Taxa de letalidade

Casos de FHD Óbitos e Taxa de letalidade Casos de dengue Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total 2003 20.471 23.612 - - - - - - - - - - 44.083 2002 94.447 188.522 237.906 128.667 60.646 23.350 12.769 10.149 6.682 7.138 9.246 9.052

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015 ! TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015! Jogos Escolares da Juventude 2015 12 a 14 anos Boletim Oficial de Resultados 04/09/2015 CENTRO DE FORMAÇÃO OLÍMPICA - QUADRA 1 TÊNIS DE MESA - EQUIPE - Feminino 1 09:00

Leia mais

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos Pablo Motta Ribeiro Neoenergia Plácido Nieto Ostos Iberdrola Hugo Nunes Neoenergia José Eduardo Tanure Neoenergia 1 2 Mudança de Paradigma no Brasil

Leia mais

Seminário Valor Econômico: Pernambuco, Celeiro do Desenvolvimento CASA DOS VENTOS. Agosto / 2016

Seminário Valor Econômico: Pernambuco, Celeiro do Desenvolvimento CASA DOS VENTOS. Agosto / 2016 Seminário Valor Econômico: Pernambuco, Celeiro do Desenvolvimento CASA DOS VENTOS Agosto / 2016 Casa dos Ventos Nossa presença Companhia brasileira fundada em 2007 Sede em São Paulo Centro de O&M e fábrica

Leia mais

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017 1 Rio de Janeiro, 18/05/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro estre de 2017 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção da população

Leia mais

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios) Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Área de Concentração: Engenharia de Potência EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

Leia mais

POSIÇÃO ATUALIZADA ATÉ 25/06/2012 Classif Último Candidato Convocado procedimentos préadmissionais

POSIÇÃO ATUALIZADA ATÉ 25/06/2012 Classif Último Candidato Convocado procedimentos préadmissionais CONCURSO PÚBLICO 2010 TBN RJ e SP de de RJ Campos dos Goytacazes Técnico Bancário 106 2 105 2 RJ Centro Técnico Bancário 592 4 592 4 RJ Niteroi Técnico Bancário 130 3 130 3 RJ Nova Iguaçu Técnico Bancário

Leia mais

PROINFA - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE

PROINFA - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DO PROINFA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 95 Janeiro/2014 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar a evolução em base mensal s montantes geras pelas usinas PROINFA e contratas

Leia mais

SUBSÍDIOS PARA A AÇÃO SINDICAL COMPORTAMENTO DO EMPREGO METALÚRGICO MARÇO DE 2011

SUBSÍDIOS PARA A AÇÃO SINDICAL COMPORTAMENTO DO EMPREGO METALÚRGICO MARÇO DE 2011 SUBSÍDIOS PARA A AÇÃO SINDICAL COMPORTAMENTO DO EMPREGO METALÚRGICO MARÇO DE 2011 ANÁLISE DOS RESULTADOS De acordo com os dados do Ministério do Trabalho e Emprego, de janeiro a dezembro de 2012 foram

Leia mais

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Audiência pública Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc REVISÃO 1 2003/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 156/2003 REVISÃO 1 P:\Meus documentos\nota Técnica\NT 156-2004 REVISÃO 1.doc !"# $%!#&'(# #$)*+,-+-)#-$&.',-+

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

APOIO PARA O RELEASE ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS E UNIDADES DA FEDERAÇÃO BRASILEIROS COM DATA DE REFERENCIA EM 1º DE JULHO DE 2015

APOIO PARA O RELEASE ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS E UNIDADES DA FEDERAÇÃO BRASILEIROS COM DATA DE REFERENCIA EM 1º DE JULHO DE 2015 APOIO PARA O RELEASE ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS E UNIDADES DA FEDERAÇÃO BRASILEIROS COM DATA DE REFERENCIA EM 1º DE JULHO DE 2015 A divulgação anual das estimativas da população residente

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

Cursos de Dança no Brasil. Dulce Aquino

Cursos de Dança no Brasil. Dulce Aquino Cursos de Dança no Brasil Dulce Aquino Cursos de Dança no Brasil Instituições Federais Instituições Estaduais 3 cursos 9 cursos Total 3 Total de Cursos de Dança nas IES - 3 3 11 Norte - 3 Nordeste - 11

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE D TABELA BÁSICA / EDIÇÃO 2016 PRIMEIRA FASE REF ROD DATA - DIA HORA GR JOGO ESTÁDIO CIDADE 1ª 12/06 - Dom A1 Rondônia RO x Amazonas AM A1 Acre AC x Amapá AP A2 Tocantins

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

SINTESE DA APURAÇÃO MENSAL - OUTUBRO/2016

SINTESE DA APURAÇÃO MENSAL - OUTUBRO/2016 SINTESE DA APURAÇÃO MENSAL - OUTUBRO/2016 Escritório Central Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova CEP 20211-160 Centro Rio de Janeiro RJ Tel.: 21 3444 9000 Fax: 21.3444 9444 2016 /ONS Todos os direitos

Leia mais

Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Relatório de setembro de 2014

Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Relatório de setembro de 2014 Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Relatório de setembro de 2014 André de Oliveira Vieira Outubro de 2014 Indicadores 3 e 4 do contrato de gestão Setembro de 2014 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Metodologia

Leia mais

O RIO ENERGY ENTRA NO MERCADO EM. + Capacidade Financeira. + Entrega + Gestão dos Ativos

O RIO ENERGY ENTRA NO MERCADO EM. + Capacidade Financeira. + Entrega + Gestão dos Ativos INSTITUCIONAL O RIO ENERGY ENTRA NO MERCADO EM 2012 + Capacidade Financeira + Entrega + Gestão dos Ativos Retorno aos investidores Rio Energy: Viabilizando projetos de energia renovável, impactamos o futuro

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES Referência: Vagas Provimento imediato de vagas e formação de Cadastro de Reserva. Vagas PD Vagas Reservadas para os candidatos Portadores de Deficiência. 1. Diretoria

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2014

Leia mais

Potência** (MW) UF Tipo da Usina Nome da Usina

Potência** (MW) UF Tipo da Usina Nome da Usina ONS NT 0134/2015 Usinas existentes, usinas que venderam energia no ambiente regulado (ACR) e no ambiente livre (ACL), com entrada em operação prevista até abril de 2019. No caso das usinas do ACL, foram

Leia mais

ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO

ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO Análise técnico-econômica das Alternativas Relatório R1 Estudo para Dimensionamento das ICG referentes às Centrais Geradoras Eólicas do LFA e LER 2010,

Leia mais

Soluções. para Energia Eólica

Soluções. para Energia Eólica Soluções para Energia Eólica Quem somos A Eurogruas Arteche foi fundada no Brasil em 2009 com o objetivo de oferecer serviços e soluções de transporte, içamento e montagem no segmento de Energia Eólica

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 2.068.913,89 Valor Fob ( Us$/Mil ) 72.142,83 99.905,76 104.619,97

Leia mais

Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Relatório de Abril de 2010

Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Relatório de Abril de 2010 Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Relatório de Abril de 2010 Leonardo Ferreira Carneiro Junho de 2010 Indicadores 5 e 6 do contrato de gestão Abril de 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Metodologia

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

ENERGY FOR THE WORLD. Andrea von Lindeiner. International Sales Manager Lateinamerika, Australien, Neuseeland, Schweiz

ENERGY FOR THE WORLD. Andrea von Lindeiner. International Sales Manager Lateinamerika, Australien, Neuseeland, Schweiz ENERGY FOR THE WORLD Andrea von Lindeiner International Sales Manager Lateinamerika, Australien, Neuseeland, Schweiz ENERCON PRODUCTION FACILITIES Sweden (Malmö) ENERCON Windtower Production A.B. Tower

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis

Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis. Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Operação de Parques Eólicos A experiência da CPFL Renováveis Bruno Monte Gerente de Planejamento da Operação CPFL Renováveis Junho 2016 Agenda 1. CPFL Renováveis 2 Energia renovável Potencial a ser explorado

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GECOM Nº 062, DE 18/3/13

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GECOM Nº 062, DE 18/3/13 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - DIRAB SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - SUOPE GERÊNCIA

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 1 A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Angela C. S. L. Guimarães Pedro Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - Chesf 2 PROPOSTA DO TRABALHO MOTIVAÇÃO

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade RDD Do Propósito A descrição das alterações nos arquivos de dados de entrada para o Cálculo do Preço tem como propósito aumentar a transparência na determinação do PLD. Da Disponibilização Em atendimento

Leia mais

IMÓVEIS DO FUNDO DO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

IMÓVEIS DO FUNDO DO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL IMÓVEIS DO FUNDO DO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2016 DIRETORIA DE ORÇAMENTO, FINANÇAS E LOGÍSTICA/INSS Junho de 2016 SITUAÇÃO ATUAL INVENTÁRIO 2015 UNIDADE INSS FRGPS SUBTOTAL SUDESTE I - SP 212

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA ACMMINAS CONSELHO EMPRESARIAL DE MINERAÇÃO E SIDERURGIA JULHO DE 2016 SUMÁRIO A CEMIG E O SETOR INDUSTRIAL HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DE ATENDIMENTO REPRESENTATIVIDADES

Leia mais

RESOLUÇÃO ANEEL N O 451, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998

RESOLUÇÃO ANEEL N O 451, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 RESOLUÇÃO ANEEL N O 451, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 Homologa os Montantes de Energia e Demanda de Potência para os Contratos Iniciais de compra e venda de energia para as empresas das regiões Norte e Nordeste

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país

A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país Drª Elbia Melo Presidente Executiva 82 Associados 2 82 Associados 3 Energia Eólica no Mundo 4 Ranking

Leia mais

Integração e Segurança Energética na América Latina. Novas tecnologias e seu impacto sobre a integração elétrica

Integração e Segurança Energética na América Latina. Novas tecnologias e seu impacto sobre a integração elétrica SEMINÁRIO INTERNACIONAL Integração e Segurança Energética na América Latina PAINEL 6 Novas tecnologias e seu impacto sobre a integração elétrica Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PORTARIA N o 17, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA, no uso da competência que lhe confere o art. 1 o da Portaria MME

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Março de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO 2010 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico AD HOC Revisão Técnica: José Varela Donato SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, PLD Médio /214 PLD TETO 822,83 7 6 5 4 3 2 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 1,, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 7/ NORTE SEMANA 2 8/

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Prof. Nivalde J. de Castro Pesquisador

Leia mais

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem.

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. A EMPRESA Empresa privada de logística, antiga Companhia Ferroviária do Nordeste Opera com 95 locomotivas,

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES Referência: Vagas Provimento imediato de vagas e formação de Cadastro de Reserva. Vagas PD Vagas Reservadas para os candidatos Portadores de Deficiência. 1.Diretoria Regional Brasília e Administração Central

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Dezembro de 2015 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais