Sistema Giratório de Transporte de Peças

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Giratório de Transporte de Peças"

Transcrição

1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento Acadêmico de Eletrônica Tecnologia em Mecatrônica Industrial Sistemas Microprocessados Sistema Giratório de Transporte de Peças Requisitos do Projeto Final Profs. Gabriel Kovalhuk e Gilson Yukio Sato Curitiba 1º Semestre de 2011

2 Introdução Esse documento apresenta a proposta de projeto final da disciplina de Sistemas Microprocessados do Curso de Tecnologia em Mecatrônica Industrial. A proposta inclui os objetivos do projeto, seus requisitos e a forma com que ele será avaliado. O sistema deverá simular o funcionamento de um equipamento de linha de montagem hipotético cuja função é transportar peças. O sistema deverá possuir um repositório no qual as peças a serem transportadas devem ser mantidas. Um sistema de transporte, definido pela equipe executora, deve transportar a peça retirada desse repositório para uma das cinco posições de coleta de peças. O sistema deve ser controlado por um 89S52 cuja interface com o usuário será implementada por meio de um teclado de membrana e de um LCD. Também deverão compor o sistema os motores e sensores necessários ao cumprimento dos requisitos contidos no presente documento. Objetivo Geral do Projeto Desenvolver e implementar um sistema giratório para transporte de peças. Idéia Geral O projeto proposto consiste de um sistema giratório para transporte de peças. Esse sistema possui um repositório de peças no qual as peças a serem transportadas devem ser mantidas. Por meio de um braço e de um sistema a ser definido pela equipe, a peça a ser transportada deve ser capturada do repositório e depositada em uma das cinco posições de coleta de peças (Figura 1). O repositório poderá ser recarregado manualmente após cada peça a ser transportada. Cada posição de coleta de peças deverá abrigar uma única peça. As peças podem ser de qualquer material. O sistema deverá operar em dois modos: automático e manual. No modo automático, o sistema executa uma rotina de transporte pré-programada. Ele captura a peça no repositório e transporta-a para a posição de coleta em uma seqüência a ser definida previamente pelo professor. No modo manual, o usuário poderá

3 escolher entre transportar do repositório para uma das posições de coleta ou transportar entre posições de coleta. Por exemplo, se o repositório for denominado de posição zero e as demais posições de um a cinco, o usuário deverá poder, por meio do teclado e do LCD, comandar o transporte de uma peça da posição zero à posição três. Ele também deverá poder pedir que a peça seja transportada da posição cinco para a posição dois. uc + LCD + Teclado Braço Posição coleta Repositório Base Sensor Figura 1 Idéia geral dos componentes do projeto Cenário de utilização Ao ser ligado, o sistema é inicializado. Na inicialização, o sistema procura identificar a posição do repositório ( 0 ) por meio do sensor e posicionar o braço sobre ela. Ainda na inicialização, o sistema deve passar por cada posição de coleta de peças permanecendo durante 0,5 s em cada posição. Enquanto esse processo ocorre o usuário recebe por meio do LCD a mensagem indicando que o sistema está sendo inicializado. Finalizada a inicialização, o usuário recebe um menu pelo LCD que permite escolher se o sistema operará em modo automático ou manual. Usando o teclado, o usuário opta pelo modo automático. O sistema automaticamente executa a rotina pré-programada, fornecida pelo professor na forma de uma seqüência de posições de coleta por exemplo: 3, 1, 4, 5, 2. Nessa rotina, o sistema transporta peças do repositório até uma posição de reposição, na seqüência pré-definida. Terminada a rotina, o sistema volta ao menu principal. O usuário tecla a

4 opção modo manual e o sistema pergunta quais as posições de origem e destino da peça. O usuário entra com a posição de origem ( 0 a 5 ) e a posição de destino ( 1 a 5 ). O braço se movimenta a fim de executar o comando do usuário. O sistema aguarda outro comando manual, até que o usuário solicite o retorno ao menu principal. Requisitos Quanto ao funcionamento O sistema deve possuir cinco posições de coleta de peças e um repositório. O braço que transporta as peças deve ter cerca de 10 cm de comprimento. A posição de coleta mais próxima do repositório deve estar a uma distância angular de cerca de 90. As cinco posições de coleta devem estar dentro de um espaço angular de cerca de 90. O sistema deve realizar uma rotina de inicialização na qual o braço localiza o repositório (posição inicial) e em seguida passa por cada uma das posições de coleta, permanecendo em cada uma 0,5 s. Na inicialização, o LCD deve indicar em qual posição ( 0 a 5 ) o braço está naquele momento. Após a inicialização, o sistema deve apresentar por meio do LCD um menu com as opções Modo automático e Modo manual. O sistema deve operar em dois modos: automático e manual. O modo deve ser escolhido pelo usuário por meio de uma interface com LCD e teclado. No modo automático, o sistema deve executar uma rotina pré-programada transportando as peças do repositório para as posições de coleta em uma seqüência definida pelo professor. No modo manual, o usuário deverá poder escolher tanto a posição de origem quanto a de destino da peça. A posição de origem pode ser o repositório ou uma das posições de coleta e a posição de destino deve ser uma posição de coleta ( 0 a 5 ). Essa operação deve ser feita por meio da interface com LCD e do teclado. Após executar uma operação no modo manual, o sistema deve perguntar ao usuário se ele deseja realizar uma nova operação.

5 Durante sua operação, o sistema deve apresentar no LCD a tarefa que está executando. As posições de coleta devem estar identificadas com números de 1 a 5. O sistema não deve aceitar valores fora das faixas de operação. Quanto à operação e teste O sistema deverá ser operado por meio de um LCD e um teclado. O usuário deve utilizar um sensor para identificar a posição 0 do repositório. O sistema deverá possuir uma fonte de alimentação própria. O sistema deverá ser testado na sala de aula. O sistema deve garantir, ainda que de forma mínima, a segurança das pessoas que vão operá-lo e assistir a sua operação. O sistema não deve causar danos ao ambiente (sala de aula e corredores) em que opera. Quanto à implementação O sistema deve utilizar um processador da família A linguagem de programação utilizada deverá ser o C. O sistema deve preferencialmente usar motores de passo. O sistema deve está montado sobre uma base (madeira ou plástico). A parte eletrônica do sistema deverá ser apresentada dentro de um gabinete. A parte eletrônica do sistema deverá ser apresentada em uma placa padrão. Para a captura da peça recomenda-se o uso de um eletroímã. Desaconselhase o uso de garras. Validação No dia da avaliação do sistema deverá ser possível: Realizar a inicialização do sistema. Realizar pelo a operação no modo automático. Realizar pelo menos cinco operações de transporte no modo manual, com a posição de origem e destino definidas pelo professor.

6 Equipes As equipes serão formadas por 2 pessoas. Caso um dos membros da equipe desista, remanejamentos não serão possíveis. Ou seja, caso um dos membros desista o outro deverá terminar o projeto sozinho. Os problemas internos das equipes deverão ser preferencialmente resolvidos dentro da equipe. Caso isso não seja possível, a equipe solicitará a intervenção do professor responsável pela unidade curricular. Documentação O relatório final do projeto deve seguir as normas da UTFPR para redação de relatórios, disponível em Do relatório devem constar obrigatoriamente os seguintes itens: Introdução Descrição do funcionamento do sistema Diagrama em blocos Desenvolvimento da parte mecânica Imagem 3D da mecânica Desenvolvimento da parte eletrônica Diagrama esquemático do circuito Desenvolvimento do firmware Descrição do firmware (linguagem natural, fluxograma ou outra representação) Conclusões, dificuldades A entrega da documentação é um requisito obrigatório para obtenção da nota do projeto. Mesmo que o projeto funcione, se a documentação não for entregue a equipe não obterá nota.

7 Demonstração O funcionamento do sistema deverá ser demonstrado ao professor na data prevista no Plano de Aula. A demonstração deverá incluir a realização das tarefas indicadas no item Validação. A demonstração é um requisito obrigatório para obtenção da nota do projeto. Mesmo que o projeto funcione, se a demonstração não for feita a equipe não obterá nota. Avaliação O projeto será avaliado segundo o exposto na tabela abaixo. Vale ressaltar que para obtenção da nota é imprescindível que o sistema funcione, a demonstração seja feita e o relatório entregue. Sem essas três condições o projeto não será aceito. Mesmo que o sistema funcione, se o relatório não for entregue ou a demo não seja feita, a nota será nula. Se o sistema não funcionar, o relatório terá nota nula. Itens Critérios Valor Funcionamento Cumprimento dos requisitos Acabamento do protótipo 60% Cumprimento das metas Demonstração Qualidade da demonstração 10% Relatório Qualidade técnica Formato UTFPR Clareza 20% Figuras, tabelas, esquemáticos etc. Participação Participação em sala de aula Postura junto à equipe 10%

8 Metas O desenvolvimento desse projeto deve ser pautado em duas metas. Tais metas servem para balizar o cronograma do projeto. O não cumprimento das metas causará um desconto na nota do projeto. Data Meta 06/06 1- Parte mecânica 27/ Entrega do Projeto (mecânica+hw+fw+relatório) Meta 1 Os alunos devem apresentar protótipo funcional da parte mecânica. Não serão aceitos mock-ups. O sensor já deve estar fixado no sistema. Meta 2 Os alunos devem apresentar o sistema funcionando integralmente, conforme os requisitos contidos no presente documento. Uma demonstração deve ser feita, nela os testes de validação serão verificados. O relatório também deve ser entregue nessa data.

Sistema de Medição de Distância

Sistema de Medição de Distância Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento Acadêmico de Eletrônica Tecnologia em Mecatrônica Industrial Sistemas Microprocessados Sistema de Medição de Distância Requisitos

Leia mais

Alarme Programável para Ingestão de Medicamentos

Alarme Programável para Ingestão de Medicamentos Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento Acadêmico de Eletrônica Curso Técnico Integrado em Eletrônica Microcontroladores 1 Alarme Programável para Ingestão de Medicamentos

Leia mais

Sistema Auxiliar para Reabilitação de Joelho

Sistema Auxiliar para Reabilitação de Joelho Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Eletrônica Departamento Acadêmico de Mecânica REQUISITOS DO PROJETO INTEGRADOR

Leia mais

Sistema para Decoração de Objetos Cilíndricos

Sistema para Decoração de Objetos Cilíndricos Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Eletrônica Departamento Acadêmico de Mecânica REQUISITOS DO PROJETO INTEGRADOR

Leia mais

REQUISITOS DO PROJETO INTEGRADOR

REQUISITOS DO PROJETO INTEGRADOR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Eletrônica Departamento Acadêmico de Mecânica REQUISITOS DO PROJETO INTEGRADOR

Leia mais

Sistema para Movimentação de Peças para Jogo de Damas

Sistema para Movimentação de Peças para Jogo de Damas Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Eletrônica Departamento Acadêmico de Mecânica REQUISITOS DO PROJETO INTEGRADOR

Leia mais

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR Trabalho de Programação 2 Processador CESAR 1. Descrição Geral A empresa TABLETEROS S.A. assinou um contrato milionário de fornecimento de ultrabooks e teve que aumentar o número de estantes. Agora, a

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Laços de Repetição for() / while() / do{}while() Gil Eduardo de Andrade Introdução Laços de Repetição Um laço de repetição permite que um determinado trecho de código seja executado

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ANDRÉ CLAUDINO GABRIEL HENRIQUE GAVA ALBO ALENCAR

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ANDRÉ CLAUDINO GABRIEL HENRIQUE GAVA ALBO ALENCAR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ANDRÉ CLAUDINO GABRIEL HENRIQUE GAVA ALBO ALENCAR MICROPROCESSADORES I ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PROJETO KWISTER-PRO PROFESSOR: AFONSO

Leia mais

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Instalação e Organização de Computadores Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Prof. Diego Pereira

Leia mais

SISTEMA FLEXÍVEL DE TREINAMENTO EM LINHAS DE PRODUÇÃO AUTOMATIZADAS (8 ESTAÇÕES)

SISTEMA FLEXÍVEL DE TREINAMENTO EM LINHAS DE PRODUÇÃO AUTOMATIZADAS (8 ESTAÇÕES) SISTEMA FLEXÍVEL DE TREINAMENTO EM LINHAS DE PRODUÇÃO AUTOMATIZADAS (8 ESTAÇÕES) MODELO: EE0034 DESCRIÇÃO: Este dispositivo é constituído por múltiplas estações de trabalho que podem ser utilizadas de

Leia mais

Instituto Federal Sul-rio-grandense. Placa universal para controle de máquinas de lavar roupa Plano de Projeto - versão 1.0

Instituto Federal Sul-rio-grandense. Placa universal para controle de máquinas de lavar roupa Plano de Projeto - versão 1.0 Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas Curso de Engenharia Elétrica Planejamento e Gerenciamento de Projetos Placa universal para controle de máquinas de lavar roupa Plano de Projeto - versão

Leia mais

Cadastro de múltiplos documentos através do XML

Cadastro de múltiplos documentos através do XML Cadastro de múltiplos documentos através do XML Introdução O processo de importação de documentos fiscais que possuem XML foi otimizado na interface CF014 Cadastro de documento através de arquivo XML permitindo

Leia mais

Introdução ao Uso do LCD Inteligente (Versão Preliminar) Por Gilson Yukio Sato. Introdução

Introdução ao Uso do LCD Inteligente (Versão Preliminar) Por Gilson Yukio Sato. Introdução Introdução ao Uso do LCD Inteligente (Versão Preliminar) Por Gilson Yukio Sato Introdução O display de cristal líquido (LCD) inteligente é bastante usado como dispositivo de interface entre o usuário e

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

REGULAMENTO 2014/2 PROJETO INTEGRADOR 2

REGULAMENTO 2014/2 PROJETO INTEGRADOR 2 REGULAMENTO 2014/2 PROJETO INTEGRADOR 2 O Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Eletrônicos (CSTSE), do Departamento Acadêmico de Eletrônica (DAELN), torna púbico o presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO 2013/1 PROJETO INTEGRADOR 2

REGULAMENTO 2013/1 PROJETO INTEGRADOR 2 REGULAMENTO 2013/1 PROJETO INTEGRADOR 2 O Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Eletrônicos (CSTSE), do Departamento Acadêmico de Eletrônica (DAELN), torna púbico o presente Regulamento

Leia mais

Sistemas Operacionais. Entrada/Saída

Sistemas Operacionais. Entrada/Saída Sistemas Operacionais Entrada/Saída Atualizado em 28/02/2014 Como ocorre a comunicação de E/S Aplicação Operações de E/S Chamadas de Sistema S.O. Subsistema de E/S Núcleo (Kernel) Drivers HARDWARE Controladoras

Leia mais

MSP430 Lab 06 Comunicação com display de 40 2 e análise das formas de onda no analisador lógico

MSP430 Lab 06 Comunicação com display de 40 2 e análise das formas de onda no analisador lógico MSP430 Lab 06 Comunicação com display de 40 2 e análise das formas de onda no analisador lógico Neste Lab iremos descrever os passos para a implementação do processo de comunicação entre o MSP430G2553,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto Gerência de Dispositivos Adão de Melo Neto 1 Gerência de Dispositivos Introdução Acesso ao Subsistema de E/S Subsistema de E/S Device Drivers Controladores Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho,

Leia mais

Kit de modernização CAB 700

Kit de modernização CAB 700 Diálogos de fácil interpretação, claramente guiado ao usuário - navegação através de teclas númericas e setas Pequeno número de telas para o processo de balanceamento Teclas de função para acesso direto

Leia mais

Usando display LCD tipo 16x2

Usando display LCD tipo 16x2 Prática 4: 4.1 Introdução e objetivos Usando display LCD tipo 16x2 Frequentemente, o PIC recebe algum tipo de dado e faz algum tipo de tratamento neste dado (segundo sua programação) e depois deve exibi-lo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA 1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (Orientações para a realização das APS dos

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE MIC - RESOLUÇÃO

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE MIC - RESOLUÇÃO MIITÉRIO DA EDUCAÇÃO ECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFIIOAL E TECOLÓGICA ITITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊCIA E TECOLOGIA DE ATA CATARIA CAMPU JOIVILLE DEPARTAMETO DO DEEVOLVIMETO DO EIO COORDEAÇÃO ACADÊMICA 1ª

Leia mais

Trabalho Prático 2 Mundo dos Blocos Alocação Dinâmica / Listas Encadeadas

Trabalho Prático 2 Mundo dos Blocos Alocação Dinâmica / Listas Encadeadas Disciplina: Algoritmos e Estrutura de Dados I CIC / 9 Trabalho Prático Mundo dos Blocos Alocação Dinâmica / Listas Encadeadas Valor:,5 pontos (5% da nota total) Documentação não-latex: -, pontos Impressão

Leia mais

Manual de instruções. Retificador de corrente Microprocessado

Manual de instruções. Retificador de corrente Microprocessado Página 1 de 7 Manual de instruções Retificador de corrente Microprocessado Monofásicos e trifásicos Versão: 4 Índice 1 Display LCD...2 2 Controles...2 3 Ajuste...4 4 Proteção...4 5 Manual/Automático...5

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Processadores II

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Processadores II Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Processadores II Prof. Juliano Benfica TRABALHO FINAL SMART HOME DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ü Na década de 1920 os dispositivos mecânicos foram substituídos pelos relés; ü O uso da lógica de relés dificultava modificações do processo;

ü Na década de 1920 os dispositivos mecânicos foram substituídos pelos relés; ü O uso da lógica de relés dificultava modificações do processo; O que são? CLP - CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ü O CLP é um computador industrial, capaz de implementar funções de controle (sequência lógica, contagem e temporização), operações lógicas e aritméticas,

Leia mais

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA CANETAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA CANETAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA CANETAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

CADEIRA COM ADUTOR MANUAL DE CONFECÇÃO

CADEIRA COM ADUTOR MANUAL DE CONFECÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) CADEIRA COM ADUTOR MANUAL DE CONFECÇÃO PROJETO ELABORADO

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA MONITOR DE MOVIMENTOS COM ACELERÔMETRO Desenvolvido por Maurício Fiss Rodrigues

Leia mais

Fontes lineares e Projeto integrador

Fontes lineares e Projeto integrador Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Fontes lineares e Projeto integrador Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis,

Leia mais

SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais

SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais QUALIDADE DE PACOTE DE SOFTWARE SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais Profa. Rosana Braga (material profas Rosely Sanches e Ellen F. Barbosa) Qualidade de Produto de Software Modelo de Qualidade

Leia mais

Sistemas Operacionais de Tempo Real - Teclados Matriciais

Sistemas Operacionais de Tempo Real - Teclados Matriciais 1 / 27 Sistemas Operacionais de Tempo Real - Teclados Matriciais por Henrique Frank W. Puhlmann Introdução Chaves eletromecânicas são uma forma quase primitiva de interface entre um sistema eletrônico

Leia mais

SME Introdução à Programação de Computadores Primeiro semestre de Trabalho: jogo Semáforo

SME Introdução à Programação de Computadores Primeiro semestre de Trabalho: jogo Semáforo SME0230 - Introdução à Programação de Computadores Primeiro semestre de 2017 Professora: Marina Andretta (andretta@icmc.usp.br) Monitores: Douglas Buzzanello Tinoco (douglas.tinoco@usp.br) Amanda Carrijo

Leia mais

PMR 2450 PROJETO DE MÁQUINAS. Julio C. Adamowski Tarcísio Hess Coelho Gilberto F. Martha de Souza

PMR 2450 PROJETO DE MÁQUINAS. Julio C. Adamowski Tarcísio Hess Coelho Gilberto F. Martha de Souza PMR 2450 PROJETO DE MÁQUINAS Julio C. Adamowski Tarcísio Hess Coelho Gilberto F. Martha de Souza Objetivos Exercitar o projeto de uma máquina-ferramenta controlada por computador, aplicando os conceitos

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ENGENHARIA DE ALIMENTOS

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ENGENHARIA DE ALIMENTOS i. e x e Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Coordenação de Engenharia de Alimentos REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ENGENHARIA DE ALIMENTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 059, de 04 de março de 2016.

Leia mais

Teste de transformadores

Teste de transformadores TRT-03B Teste de transformadores Teste automático de relação de espiras de três fases O TRT-03B é um testador de espiras de baseado transformadores, em microprocessador, automático com três fases e da

Leia mais

INF 1620 Estruturas de Dados Semestre Segundo Trabalho: Jogo de Caça-Palavras

INF 1620 Estruturas de Dados Semestre Segundo Trabalho: Jogo de Caça-Palavras INF 1620 Estruturas de Dados Semestre 08.2 Segundo Trabalho: Jogo de Caça-Palavras O jogo de caça-palavras é um passatempo que consiste em descobrir palavras escondidas entre um conjunto de letras espalhadas

Leia mais

Para cada programa, por mais simples que seja, comece sempre por esboçar a solução desenhando um fluxograma.

Para cada programa, por mais simples que seja, comece sempre por esboçar a solução desenhando um fluxograma. Instruções de Repetição Objetivo A realização deste trabalho deverá permitir ao aluno a familiarização com a utilização de instruções de repetição em C. Para o efeito será proposto um conjunto de exercícios

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PROJETO TOMADA INTELIGENTE LUCAS MELLO NAMORATO LEONARDO BONFANTI CURITIBA 2013 2 TOMADA INTELIGENTE ENG. COMPUTAÇÃO

Leia mais

CP Introdução à Informática Prof. Msc. Carlos de Salles

CP Introdução à Informática Prof. Msc. Carlos de Salles CP 1015.1 Prof. Msc. Carlos de Salles PROGRAMA 1. CONCEITO DE SISTEMAS 1.1 Sistemas e sua classificação 1.2 Informações e Dados 1.3 O Processamento de Dados 1.4 O Computador e sua História 2. ESTRUTURA

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica

Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica Edilson Hipolito da Silva edilson.hipolito@ifsc.edu.br - http://www.hipolito.info Aula 04 - Linguagens de Programação, Interpretador, compilador

Leia mais

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR. 1. Descrição Geral. 2. Especificação do Trabalho

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR. 1. Descrição Geral. 2. Especificação do Trabalho 1. Descrição Geral UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Trabalho de Programação 2 Processador CESAR O trabalho para o computador CESAR está baseado no trabalho desenvolvido para o computador RAMSES.

Leia mais

Sâmia Rodrigues Gorayeb. Arquitetura de Computadores Organização e Funcionamento

Sâmia Rodrigues Gorayeb. Arquitetura de Computadores Organização e Funcionamento Sâmia Rodrigues Gorayeb Arquitetura de Computadores Organização e Funcionamento Arquitetura de Computadores Organização e Funcionamento Agenda: 1. O que é o computador 2. Como funciona um computador 3.

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação 1 Prof. Osório Aula 05 Pag.: 1 UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática PROGRAMAÇÃO I AULA 05 Disciplina: Linguagem

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Lógica de Programação Conceitos Algoritmos Conjunto predeterminado e bem definido de regras e processos destinados a solução de um problema, com um número finito de etapas. 2 1

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS I (EC) SISTEMAS DIGITAIS (EE) Enunciado do Projecto

SISTEMAS DIGITAIS I (EC) SISTEMAS DIGITAIS (EE) Enunciado do Projecto SISTEMAS DIGITAIS I (EC) SISTEMAS DIGITAIS (EE) Enunciado do Projecto Prof. José Sousa 2004/2005 Sumário Enunciado do Projecto: Trinco Electrónico...2 Regras e Calendário do Projecto...3 Estrutura do Relatório

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 5.3.3.4 Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 101 5.3.4 Definição das Classes - Módulo Pedagógico 5.3.4.1 Classe GrupoCurso A classe GrupoCurso

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 05: Queda Livre Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /20 Alunos: 1: 2: 3: 4: 5: 1/9 05 - Queda Livre 1.1. Objetivos Determinar a

Leia mais

MEDIDOR DE VELOCIDADE E ACELERAÇÃO PARA AUXILIAR NO ENSINO DA DISCIPLINA DE FÍSICA I PARA ENGENHARIA 1

MEDIDOR DE VELOCIDADE E ACELERAÇÃO PARA AUXILIAR NO ENSINO DA DISCIPLINA DE FÍSICA I PARA ENGENHARIA 1 MEDIDOR DE VELOCIDADE E ACELERAÇÃO PARA AUXILIAR NO ENSINO DA DISCIPLINA DE FÍSICA I PARA ENGENHARIA 1 Cláudio Eduardo Schirmann 2, Oneide Antonio Siveris De Oliveira 3, Alexandre Fischer 4, Mauro Fonseca

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto Gerência de Dispositivos Adão de Melo Neto 1 Gerência de Dispositivos Gerência de Dispositivos Dispositivos de E/S Device Drivers Controladores Subsistema de E/S 2 Gerência de Dispositivos A gerência de

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 05: Queda Livre Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /20 Alunos: 1: 2: 3: 4: 5: 1/8 Experimento 05 - Queda Livre 1.1. Objetivos Determinar

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

Desenvolvimento de Software. Testes de Software. Tópicos da Aula. Onde estamos... Verificação x Validação. Testes de Software

Desenvolvimento de Software. Testes de Software. Tópicos da Aula. Onde estamos... Verificação x Validação. Testes de Software Engenharia de Software Aula 17 Desenvolvimento de Software Testes de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo dcc603@gmail.com 7 Maio 2012 1. Especificação de requisitos 2. Projeto

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 05 Tema: Gerenciamento

Leia mais

PMR5229 Projeto de Sistemas Mecatrônicos com Microprocessadores. Prof. Jun Okamoto Jr. sala ES-05 Tel:

PMR5229 Projeto de Sistemas Mecatrônicos com Microprocessadores. Prof. Jun Okamoto Jr. sala ES-05 Tel: PMR5229 Projeto de Sistemas Mecatrônicos com Microprocessadores Prof. Jun Okamoto Jr. sala ES-05 Tel: 3091-5516 E-mail: jokamoto@usp.br Sistemas Mecatrônicos? Não Sistemas Mecatrônicos? Sim mas não interessam

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6 1. Titulo: Prática 10 - Microcontroladores 2. Objetivos: Abordar de forma simplificada o funcionamento de microcontroladores.

Leia mais

Aplicação de um Processador Digital de Sinais em um Sistema de Nível de Líquido

Aplicação de um Processador Digital de Sinais em um Sistema de Nível de Líquido PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Relatório Final de Atividades Aplicação de um Processador

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: estruturas de repetição While / Do While / For

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: estruturas de repetição While / Do While / For Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: estruturas de repetição While / Do While / For Prof. Renato Pimentel 1 Estruturas de repetição O real poder dos computadores está

Leia mais

Plano de Curso Engenharia dos Sensores Eletrônicos

Plano de Curso Engenharia dos Sensores Eletrônicos PLANO DE CURSO MSOBRENGSM08 PAG1 Plano de Curso Engenharia dos Sensores Eletrônicos Justificativa do curso Os sensores eletrônicos são dispositivos muito sofisticados frequentemente usados para detectar

Leia mais

Problemas para Automação Industrial. Série 4: Modelação usando o diagrama funcional GRAFCET. Programação de autómatos

Problemas para Automação Industrial. Série 4: Modelação usando o diagrama funcional GRAFCET. Programação de autómatos Problemas para Automação Industrial Série 4: Modelação usando o diagrama funcional GRAFCET. Programação de autómatos Nota prévia: Estes problemas têm como principal objectivo dar a possibilidade ao aluno

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Hugo de Oliveira Barbalho hbarbalho@ic.uff.br Material produzido pelo professor: Leandro Augusto Frata Fernandes

Leia mais

Laboratório de Engenharia de Software I

Laboratório de Engenharia de Software I Laboratório de Engenharia de Software I Turma 01: Profa. Lucia Vilela Leite Filgueiras Turma 02: Profa. Maria Alice Grigas Varela Ferreira Aula 01 Casos de uso e protótipo da interface de usuário Roteiro

Leia mais

Unidade 2: Algoritmos e programação

Unidade 2: Algoritmos e programação Unidade 2: Algoritmos e programação 2.1. Algoritmos Os computadores estão sendo utilizados para resolver problemas cada vez de maior porte e complexidade. A utilização do computador para resolver problemas

Leia mais

Introdução à Programação 2006/07. Algoritmos

Introdução à Programação 2006/07. Algoritmos Introdução à Programação 2006/07 Algoritmos Objectivos da Aula Algoritmos e suas características Técnicas de Descrição de Algoritmos Linguagem Natural Pseudocódigo Fluxogramas Especificação do problema

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 3º ano Engenharia Mecânica 2º semestre 2006/2007 Guias de Laboratório 5 Objectivo Implementação dum sistema de comando de lógico através dum autómato programável usando a linguagem

Leia mais

Fonte de Alimentação CC de Múltiplas Faixas com 1200 W / 3000 W

Fonte de Alimentação CC de Múltiplas Faixas com 1200 W / 3000 W Especificações Técnicas Fonte de Alimentação CC de Múltiplas Faixas Fonte de Alimentação CC de Múltiplas Faixas com 1200 W / 3000 W Qualquer modelo da pode substituir várias fontes de alimentação em sua

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Roteiro

Leia mais

Sistemas de entrada/saída

Sistemas de entrada/saída Os dispositivos de E/S são a comunicação do sistema operacional com o mundo externo. Os dispositivos de entrada e saída são controlados pelos sistemas operacionais. O S.O emite comandos para os dispositivos,

Leia mais

EPUSP PCS 3635 Laboratório Digital I. Trena Digital

EPUSP PCS 3635 Laboratório Digital I. Trena Digital Trena Digital Versão 2016 RESUMO Esta experiência tem por objetivo desenvolver uma Trena Digital, ou seja, um circuito digital que realiza a medida de distância para um objeto, usando um sensor ultrassônico

Leia mais

SIMULADOR DE REGULADOR DE VELOCIDADE PARA TURBINAS HIDRÁULICAS DE USINAS HIDRELÉTRICAS

SIMULADOR DE REGULADOR DE VELOCIDADE PARA TURBINAS HIDRÁULICAS DE USINAS HIDRELÉTRICAS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE EM AUTOMAÇÃO DANILO CANCELA DA ROCHA FELIPE MAIA BARBOSA OLIVEIRA MAURICIO NARDI SIMULADOR DE REGULADOR

Leia mais

Arduino Lab 02 Sensor de luminosidade e display de LCD 16 2

Arduino Lab 02 Sensor de luminosidade e display de LCD 16 2 Arduino Lab 02 Sensor de luminosidade e display de LCD 16 2 Display de LCD 16 2 Neste Lab, iremos descrever como conectar o sensor BH1750FVI, já citado no Lab 01, ao Arduino Micro e à um display. A indicação

Leia mais

Arduino Lab 02 Sensor de luminosidade e display de LCD 16 2

Arduino Lab 02 Sensor de luminosidade e display de LCD 16 2 Arduino Lab 02 Sensor de luminosidade e display de LCD 16 2 Display de LCD 16 2 Neste Lab, iremos descrever como conectar o sensor BH1750FVI, já citado no Lab 01, ao Arduino Micro e à um display. A indicação

Leia mais

Arduino Lab 02 Sensor de luminosidade e display de LCD 16 2

Arduino Lab 02 Sensor de luminosidade e display de LCD 16 2 Arduino Lab 02 Sensor de luminosidade e display de LCD 16 2 Display de LCD 16 2 Neste Lab, iremos descrever como conectar o sensor BH1750FVI, já citado no Lab 01, ao Arduino Micro e à um display. A indicação

Leia mais

Programas Interativos

Programas Interativos Programação Funcional DECOM UFOP 2012-1 Aula prática Capítulo 8 Prof. José Romildo Malaquias Programas Interativos Resumo Nesta aula pretende-se explorar construção de programas interativos usando ações

Leia mais

Aula Prática 2 Equipamentos de Laboratório Relacionados com a Medição de Grandezas Elétricas

Aula Prática 2 Equipamentos de Laboratório Relacionados com a Medição de Grandezas Elétricas Aula Prática 2 Equipamentos de Laboratório Relacionados com a Medição de Grandezas Elétricas Disciplinas: Física III ( DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Física Experimental II ( DQF 10441)

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO ESPIRITO SANTO ANDRÉ LUIZ DA FONSECA PAES GABRIEL SILVA SCHAFASCHECK VITOR SANTOS ARAUJO IRON ARM

INSTITUTO FEDERAL DO ESPIRITO SANTO ANDRÉ LUIZ DA FONSECA PAES GABRIEL SILVA SCHAFASCHECK VITOR SANTOS ARAUJO IRON ARM INSTITUTO FEDERAL DO ESPIRITO SANTO ANDRÉ LUIZ DA FONSECA PAES GABRIEL SILVA SCHAFASCHECK VITOR SANTOS ARAUJO IRON ARM ÁREA DE CONHECIMENTO: ELETROTÉCNICA ORIENTADOR: FLÁVIO LOPES SÃO MATEUS 03/08 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

PROJETO DE PROGRAMAS. Projeto de Programas PPR0001

PROJETO DE PROGRAMAS. Projeto de Programas PPR0001 PROJETO DE PROGRAMAS Projeto de Programas PPR0001 Desenvolvimento de Software 2 3 Desenvolvimento de Software Análise de Requisitos Distinguir e dividir o sistema em componentes: Analisar os componentes

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CÂMPUS CURITIBA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CÂMPUS CURITIBA 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CÂMPUS CURITIBA PROJETO INTEGRADO: SISTEMA DE AUTOMATIZAÇÃO DAS ROTINAS DE UM AQUÁRIO CURITIBA 2010 2 LEANDRO CLAUDINO TAISA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico: Habilitação

Leia mais

B.L.U.E. Bloco Limitador da Unidade de Energia. Manual do Usuário Versão 4.2

B.L.U.E. Bloco Limitador da Unidade de Energia. Manual do Usuário Versão 4.2 B.L.U.E. Bloco Limitador da Unidade de Energia Manual do Usuário Versão 4.2 2 ÍNDICE PÁG. 1 APRESENTAÇÃO...03 2 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO...04 2.1 ROTINA INICIAL DE AVALIAÇÃO DA REDE ELÉTRICA...04 2.2 TROCA

Leia mais

Introdução a Disciplina de Controle Supervisório. Prof. Leandro Castilho Brolin

Introdução a Disciplina de Controle Supervisório. Prof. Leandro Castilho Brolin TRABALHO - LTC36B Introdução a Disciplina de Controle Supervisório Prof. Leandro Castilho Brolin UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELN Departamento Acadêmico de Eletrônica OBJETIVO Projeto

Leia mais

PLACA DE CIRCUITO IMPRESSO 01 CIRCUITO DE SINALIZAÇÃO E COMANDO

PLACA DE CIRCUITO IMPRESSO 01 CIRCUITO DE SINALIZAÇÃO E COMANDO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA ENGENHARIA ELETRÔNICA Projeto Integrador I Iniciação Científica PLACA DE CIRCUITO IMPRESSO 0 CIRCUITO

Leia mais

7 Comandos e Estruturas de Controle

7 Comandos e Estruturas de Controle Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 03 Prof. André Moraes 7 Comandos e Estruturas de Controle Na criação de algoritmos é comum utilizar conceitos de bloco lógico, entrada e saída de dados, constantes,

Leia mais

ROBÓTICA PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS

ROBÓTICA PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS ROBÓTICA PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS Tipos de programação de robôs Programação a nível das juntas no qual as ações básicas são posições (e possivelmente movimentos) Programação a nível do robô no qual as ações

Leia mais

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sumário PREFÁCIO...3 MODELO DA DOCUMENTAÇÃO...3 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO...3 1.1. Tema...3 2. DESCRIÇÃO

Leia mais

Simulação de Caixa Automático

Simulação de Caixa Automático Programação Funcional UFOP DECOM 2014.1 Trabalho 1 Simulação de Caixa Automático Sumário Resumo Com esta atividade pretende-se explorar a construção de programas interativos usando ações de entrada e saída

Leia mais

ALGORITMOS E LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PRÉ AULA DIAGNÓSTICO 22/10/2015. Analise o algoritmo a seguir e depois assinale a alternativa correspondente:

ALGORITMOS E LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PRÉ AULA DIAGNÓSTICO 22/10/2015. Analise o algoritmo a seguir e depois assinale a alternativa correspondente: ALGORITMOS E LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com PRÉ AULA Julgue as afirmações enumeradas a seguir em verdadeiras (V) ou falsas

Leia mais

PROGRAMANDO O ROBO LEGO

PROGRAMANDO O ROBO LEGO PROGRAMANDO O ROBO LEGO APOITIA, CARLOS EDUARDO MOURA SALES, GLADISTONEY SANTOS GARCIA, LEONARDO ARRUDA VILELA OLIVEIRA, MÁRISON FIGUEIREDO Cuiabá (MT) np.robotica@unirondon.br 1. Introdução A Robótica

Leia mais

DISCADORA DIALER VOX TOM/PULSO

DISCADORA DIALER VOX TOM/PULSO DISCADORA DIALER VOX TOM/PULSO APRESENTAÇÃO: ESTE EQUIPAMENTO É UM SISTEMA ELETRÔNICO AUTOMÁTICO DE DISCAGEM TELEFÔNICA ACOPLÁVEL A QUALQUER SISTEMA DE ALARME NO QUAL A ALIMENTAÇÃO SEJA 12 VCC. MEMORIZA

Leia mais

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis

LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis LAB4 Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis 4.1 Introdução Os Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) são dispositivos digitais, muito utilizados na indústria, capazes de armazenar instruções

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas I

Análise e Projeto de Sistemas I Análise e Projeto de Sistemas I As falhas nos requisitos estão entre as principais razões para o fracasso de um software... 2º Bimestre (material 1) Professor: José Ronaldo Leles Júnior Turma: 3º semestre

Leia mais

Circuitos Elétricos 40 Módulo 1 Eletrônica Geral 80 Módulo 1. Hidráulica e Pneumática II 40 Módulo 1. Tecnologia dos Materiais 40 Módulo 1

Circuitos Elétricos 40 Módulo 1 Eletrônica Geral 80 Módulo 1. Hidráulica e Pneumática II 40 Módulo 1. Tecnologia dos Materiais 40 Módulo 1 Curso Técnico Concomitante em Mecatrônica CÂMPUS LAGES MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 320h Unidade Curricular C/H Semestral Pré-Requisito Instalações e Comandos Elétricos 60 Não

Leia mais

ROBÔ PARA INSPEÇÃO DE ÁREAS CLASSIFICADAS E DE DIFÍCIL ACESSO COM TRANSMISSÃO DE IMAGENS SEM FIO

ROBÔ PARA INSPEÇÃO DE ÁREAS CLASSIFICADAS E DE DIFÍCIL ACESSO COM TRANSMISSÃO DE IMAGENS SEM FIO ROBÔ PARA INSPEÇÃO DE ÁREAS CLASSIFICADAS E DE DIFÍCIL ACESSO COM TRANSMISSÃO DE IMAGENS SEM FIO Jonathan Pereira IFRN Campus Mossoró. E-mail: jonathan@cefetrn.br Alexsandro Galdino IFRN Campus Mossoró.

Leia mais